UM ESTUDO DA CONCEPÇÃO TOMASIANA DE AMOR NA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO: AS QUESTÕES 26, 27 E 28 DA SUMA TEOLÓGICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UM ESTUDO DA CONCEPÇÃO TOMASIANA DE AMOR NA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO: AS QUESTÕES 26, 27 E 28 DA SUMA TEOLÓGICA"

Transcrição

1 UM ESTUDO DA CONCEPÇÃO TOMASIANA DE AMOR NA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO: AS QUESTÕES 26, 27 E 28 DA SUMA TEOLÓGICA Resumo SANTIN, Rafael H. UEM Área temática: História da Educação Agência financiadora: CNPq O objetivo deste texto é apresentar 3 questões tomasianas sobre o amor a fim de ressaltar a importância deste estudo para o processo de formação dos professores. Nesse sentido, destacamos a necessidade de aprofundar as leituras das formulações de Tomás de Aquino na disciplina de História da Educação Medieval, com vistas a um aprofundamento na formação teórica dos docentes da educação básica. Deste modo, desenvolvemos nossas ideias com base na metodologia da História Social que nos permite analisar o objeto considerando a totalidade na qual está inserido: a sociedade do Ocidente medieval. As questões 26 (O amor), 27 (A causa do amor) e 28 (Os efeitos do amor) da parte I a II ae da Suma Teológica são dedicadas a investigação sobre a natureza, as causas e os efeitos do amor como paixão da alma. Este sentimento, princípio da ação do homem conforme Tomás de Aquino, está relacionado ao desenvolvimento das faculdades humanas, o intelecto e a vontade. O movimento que caracteriza a atualização destas faculdades envolve a dinâmica do ensino e da aprendizagem. Assim, acreditamos que o estudo destas questões sobre o amor pode contribuir com a formação de professores dispostos a despertar em seus alunos o interesse pelo saber e estimular a leitura e estudo de textos clássicos, para um aprimoramento de seu próprio saber sobre a natureza do homem e da sociedade. Entendemos que estas reflexões se constituem como princípios fundamentais para a prática educativa, cujo objetivo é o conhecimento e a formação humana. Palavras-chave: Tomás de Aquino. História da Educação Medieval. Formação de Professores. Introdução Neste texto temos como objetivo analisar a concepção tomasiana de amor desenvolvida em três questões da primeira seção da segunda parte da Suma Teológica. Tomás de Aquino ( ), teólogo/filósofo dominicano e mestre universitário, é considerado por alguns estudiosos, a exemplo de Nunes (1979), Le Goff (1995) e Oliveira

2 6215 (2005; 2005a), o maior representante escolástico, já que sistematizou a conciliação entre razão e fé, principal paradigma desse movimento. Dentre suas contribuições, destacamos a Suma Teológica, obra escrita para transmitir aos estudantes de seu tempo os ensinamentos da teologia (cf. TORREL, 2004). O tempo em que este pensador viveu, o século XIII, é considerado como o período de apogeu da Idade Média, pois é nele que se observa o desenvolvimento do sistema feudal, o renascimento urbano e comercial e o nascimento da Universidade (cf. LE GOFF, 2005). O entendimento destes acontecimentos permite-nos compreender a importância das formulações de Santo Tomás a respeito do amor, pois acreditamos que sua obra não pode ser estudada sem levar em consideração a totalidade social na qual foi elaborada. Segundo Duby (1995), no século XIII, observou-se que as cidades se tornavam cada vez mais importantes devido, principalmente, a atuação dos artesãos, mercadores e intelectuais. As relações sociais modificaram-se: havia então os interesses mercantis e uma compreensão mais racional 1 do mundo e, por conseguinte, das relações sociais. Passava-se a valorizar, gradativamente, a vida terrena, movimento que caracteriza, inclusive, a arte gótica das catedrais, cuja arquitetura remete às relações entre o divino e o humano (cf. DUBY, 1979). Além disso, foi no século XIII, de acordo com Gilson (1995) e Oliveira (2005), que o pensamento escolástico se desenvolve, principalmente com as contribuições deste teólogo/filósofo. Assim, foi Tomás de Aquino quem instituiu o equilíbrio entre razão e fé, principal paradigma da escolástica e aprimorou o método inerente a esta filosofia que tinha como prática fundamental a disputatio. A disputatio (cf. Pieper, 2000) correspondeu ao espírito da Universidade e seu desenvolvimento contribuiu para o apogeu da filosofia cristã e da educação medieval. Tomás de Aquino participou de alguns debates que se realizaram naquele momento e isso se expressa na forma como elaborou a Suma Teológica. As Questões são redigidas com base nas práticas da disputatio, ou seja, ele obedece a estrutura formal de um debate universitário daquela época. Esta prática tem as seguintes características estruturais: primeiro, fixa-se o problema, depois, elabora-se uma hipótese, em seguida, fazem-se objeções para confirmar a hipótese. Às 1 Racional no sentido de que era preciso dar uma explicação coerente e consistente para os fenômenos observáveis; não bastava mais falar sobre eles, era preciso dar provas de seu funcionamento. Isto era obtido por meio do recurso à dialética, reforçado pela contribuição de Pedro Abelardo, grande mestre do século XII.

3 6216 admoestações seguem contra-objeções e a estas a elaboração da resposta pelo mestre que respeita as posições defendidas no debate. Por fim, dão-se respostas às objeções 2 (cf. Nunes, 1979). Assim, entendemos que as contribuições teóricas, principalmente as questões sobre as paixões da alma de Tomás de Aquino, estão em harmonia com as características de seu tempo histórico 3, pois remetem a reflexão sobre a natureza e o agir humanos, bem como a necessidade de educar o homem para que não seja conduzido indevidamente pelos sentimentos ou interesses supérfluos. Compreendemos, também, que estas análises contribuem para a formação de professores, pois permitem conhecer melhor o homem e as instituições humanas naquilo que têm de essencial, de permanente: os sentimentos. A paixão do amor segundo tomás de aquino Tomás de Aquino discute, explicitamente, sobre o amor na primeira seção da segunda parte da Suma Teológica (q. 26 à 28), em que afirma ser este uma das paixões da parte concupiscível da alma. Assim, na questão 26 investiga sobre a natureza do amor, quais as suas características principais. Na questão 27 estuda as causas deste sentimento e na questão 28 analisa os efeitos do amor no homem. As paixões, de acordo com o teólogo/filósofo, parecem ser movimentos da alma (cf. TOMÁS DE AQUINO, ST, I a II ae, q. 23, a. 2, c.). Movimento, aqui, significa o desenvolvimento de uma potência em ato, isto é, refere-se à atualização de uma potência. Nesse sentido, as paixões, ou emoções, estão imbricadas no processo de atualização do homem, que é composto por duas potências essenciais: o intelecto e a vontade 4. Portanto, fazem parte da natureza humana. 2 É deste modo que se configuram as questões 26, 27 e 28 da Suma Teológica. Portanto, quando nos referimos à questão, estamos nos reportando à estrutura da disputatio. 3 Tanto o conteúdo quanto seus aspectos formais. Com efeito, a Suma foi um gênero bastante utilizado na época de Tomás de Aquino. Uma Suma é uma obra sistemática sobre um determinado corpo de conhecimento. Ou seja, é uma obra teórica cuja função é tratar sumariamente sobre determinado saber. A Suma Teológica, conforme o mestre afirma na introdução, é uma obra dedicada aos estudantes que ingressavam no curso de Teologia, a fim de que se aproximassem dos problemas fundamentais acerca dos quais iriam refletir e debater no decorrer de sua formação (cf. TOMÁS DE AQUINO, ST, I a, Intr.). 4 O intelecto e a vontade são as duas potências que, segundo Tomás de Aquino, caracterizam o ser humano como tal. As relações entre estas duas faculdades humanas é que possibilita o homem agir conscientemente, usufruindo de seu livre-arbítrio. O intelecto é a parte mediante a qual o homem pode conhecer o mundo e a vontade é a parte pela qual ele age. A vontade é passiva com relação ao intelecto, já que depende dele para identificar seu objeto próprio: o sumo bem. O objeto característico do intelecto para Santo Tomás é a verdade (cf. GILSON, 1995).

4 6217 As paixões da alma são classificadas em concupiscíveis e irascíveis. As primeiras são aquelas que permitem o homem a usufruir o bem ou afastar-se do mal sem dificuldades. Porém, quando há algum obstáculo em tais ações as paixões do irascível se manifestam (cf. TOMÁS DE AQUINO, ST, I a II ae, q. 23, a. 2, c.). No primeiro artigo da questão 26, em que discorre sobre a natureza do amor, Santo Tomás procura, a partir da definição das três espécies de apetite (natural, sensitivo e intelectivo), analisar o amor como princípio da ação pela qual o ser busca o que lhe convém como fim a ser alcançado: Ora, em qualquer destes apetites, chama-se amor o princípio do movimento que tende para o fim amado. No apetite natural, o princípio deste movimento é a conaturalidade do que apetece com o objeto para o qual tende, e pode ser chamado amor natural, como a mesma conaturalidade de um corpo pesado em relação ao seu centro se dá pela gravidade, e pode ser chamado amor natural. Do mesmo modo a mútua adequação do apetite sensitivo ou da vontade a um bem, isto é a complacência no bem se chama amor sensitivo, ou intelectivo ou racional. Logo, o amor sensitivo está no apetite sensitivo, como o amor intelectivo no apetite intelectivo. E pertence ao concupiscível porque se refere ao bem absolutamente, não sob o aspecto de árduo, que é objeto do irascível (TOMÁS DE AQUINO, ST, I a II ae, q. 26, a. 1, c.). Como podemos verificar na passagem acima, o autor situa o amor na parte concupiscível da alma a partir da conceituação de apetite intelectivo, isto é, de vontade. Assim, o amor, fazendo parte da vontade, está submetido à relação substancial entre esta potência e a faculdade do intelecto, já que é princípio da ação do indivíduo. Isto nos permite situar a importância deste sentimento para o homem. Acreditamos que a discussão empreendida por Tomás de Aquino sobre o amor está relacionada à educação. Com efeito, no De Magistro, este pensador afirma que o ensino e a aprendizagem são importantes espaços para o amadurecimento das potências humanas. O amor como princípio da ação do homem implica este processo de desenvolvimento já que para agir é preciso consentir 5 e eleger (cf. TOMÁS DE AQUINO, ST, I a II ae, q. 15, a. 3). Portanto, o amor necessita da moderação do pensamento reflexivo. No terceiro artigo da questão 26, esta importância que Tomás de Aquino dá ao amor fica mais evidente, pois o coloca como uma paixão intimamente ligada às relações sociais: 5 Consentir para Santo Tomás significa o que nós hoje chamamos de consciência. Pelo ato de consentir o homem conhece as implicações de sua ação e, a partir disso, está habilitado a escolher o que considera mais conveniente. O debate sobre o consentimento se encontra na questão 15 do v. III da Suma Teológica.

5 6218 Há quatro palavras que, de certo modo, se referem à mesma coisa: amor, dileção, caridade e amizade. Diferem, contudo, em que a amizade, segundo o Filósofo no livro VIII da Ética, é quase um hábito ; enquanto que amor e dileção se fazem compreender a modo de ato ou paixão, ao passo que caridade pode ser entendida de ambos os modos. Essas três palavras exprimem o ato, de diversas maneiras. Assim, o mais geral deles é o amor, pois toda dileção ou caridade é amor, mas não inversamente. A dileção acrescenta ao amor uma eleição precedente, como a própria palavra indica. Por isso, a dileção não está no concupiscível, mas somente na vontade, e apenas na natureza racional. A caridade, por sua vez, acrescenta ao amor uma certa perfeição, na medida em que se tem grande apreço por aquilo que se ama, como a própria palavra o indica (TOMÁS DE AQUINO, ST, I a II ae, q. 26, a. 3, c. Grifos do autor). Como se observa no excerto acima, o amor remete à amizade, à caridade e à dileção, sendo, portanto a base destas disposições humanas. A amizade, conforme a leitura feita por Tomás de Aquino da Ética de Aristóteles, é um hábito. Em outra questão da Suma Teológica o mestre discute a amizade e afirma que esta é uma virtude social essencial para a constituição da sociedade: [...] é necessário que cada um se comporte com relação aos outros de maneira conveniente (TOMÁS DE AQUINO, ST, II a II ae, q. 114, a. 1, c.). Portanto, diferencia-se do amor porque o amor pode referir-se a outras coisas e não somente a outro homem, como é o caso da amizade. Podemos observar que a discussão sobre a amizade implica, também, as relações no seio das instituições como a escola e a Universidade. Acreditamos que o conhecimento, razão de ser destas organizações educativas, dá-se mediante o intercâmbio de saberes entre os indivíduos envolvidos. Nesse sentido, a amizade é uma virtude essencial para a prática educativa, pois na perspectiva do mestre Tomás de Aquino esta não se refere apenas à afeição entre amigos, mas sim à conveniência exigida nas relações sociais de um modo geral. A dileção, conforme o excerto acima, diferencia-se do amor porque exige sempre a eleição, ou seja, uma reflexão sobre a ação, sobre o que deve ser feito. Contudo, dileção é amor à medida que a eleição age sobre o que decorre da deliberação que pode encontrar muitas coisas que agradam o sujeito, isto é, enquanto a deliberação dispõe o que é agradável, pela eleição se escolhe o que mais agrada, o que tem compatibilidade com o apetite intelectivo (cf. TOMÁS DE AQUINO, ST, I a II ae, q. 15, a. 3, ad. 3m.). Nesse sentido é que acreditamos que Tomás de Aquino relaciona amor e dileção. Esta outra disposição, a dileção, também pode ser importante, em nosso entender, para o problema educacional. Com efeito, a dileção implica a eleição, isto é, a escolha daquilo que mais agrada o sujeito. Da forma como compreendemos as formulações de Santo Tomás, a

6 6219 eleição é algo que pressupõe o conhecimento e o desenvolvimento do intelecto, já que depende do consentimento ou consciência. (TOMÁS DE AQUINO, ST, I a II ae, q. 15, a. 3, ad. 3m). O ensino, como afirma o autor no De Magistro (a. 4), serve mais à vida ativa, isto é, àquela na qual os homens realizam suas escolhas na construção da história praticando algo que os diferencia de outros seres deste mundo: o livre-arbítrio. Assim, o ensino está relacionado ao amadurecimento da capacidade reflexiva que, por conseguinte, permite a dileção afeição daquilo que mais agrada segundo a eleição. Assim, verificamos que tanto a amizade quanto a dileção podem estar, de um modo ou de outro, relacionadas com o amadurecimento intelectual do homem. Daí a importância de estudar estas duas virtudes mais sistematicamente. Já a caridade para o mestre é [...] a amizade do homem para com Deus (TOMÁS DE AQUINO, ST, II a II ae, q. 23, a. 5, c.). Esta espécie de amizade, segundo ele, tem como fim a bondade divina e como fundamento a bem-aventurança eterna, que só podem ser atingidos mediante a relação do homem com Deus. Assim, a caridade diferencia-se do amor porque se refere unicamente a Deus, ao passo que o amor pode ser dirigido a Deus e também a outras coisas como aos bens materiais. Assim, considerando a importância do amor para o desenvolvimento das relações sociais e também do próprio homem enquanto criação divina, podemos verificar o quão relevante parecia ser a discussão desta paixão no século XIII, em que a sociedade se modificava bastante, principalmente com o renascimento das cidades e do comércio cujos protagonistas eram os mercadores, os artesãos, os bispos, os mestres, os estudantes e o dinheiro. Naquele contexto, segundo Duby (1994), as relações entre os homens se tornavam mais vulneráveis ao vício, no sentido de se basearem em interesses mais imediatos como a riqueza e luxo. Segundo este historiador contemporâneo, a cidade era considerada por muitos religiosos como palco do pecado devido, principalmente, ao dinheiro. Daí a importância do texto de Tomás de Aquino em que colocava na ordem do dia o fundamento das relações sociais: o amor. Esta discussão sobre o amor como base das relações sociais se desenvolve no terceiro artigo da questão 27 sobre a semelhança como causa do amor:

7 6220 O primeiro modo de semelhança, portanto, causa o amor de amizade ou de benevolência, pois pelo fato de que duas pessoas são semelhantes, tendo a mesma forma, são por elas de certo modo unificadas. Desse modo dois homens são um na espécie de humanidade e dois brancos na brancura. Daí que o afeto de um tende para o outro como uma só coisa consigo e lhe quer o bem como a si mesmo. O segundo modo de semelhança causa o amor de concupiscência ou a amizade do útil ou deleitável. Isso porque tudo o que existe em potência, enquanto tal, tem o apetite de seu ato, e se possui sentido e conhecimento se deleita em sua consecução (TOMÁS DE AQUINO, ST, I a II ae, q. 27, a. 3, c.). Fica claro na passagem acima a ideia de Tomás de Aquino sobre a relação de causalidade entre semelhança e amor. Além disso, podemos observar de que forma a semelhança causa o amor, tanto o amor de amizade, causado pela semelhança entre dois seres que tem o mesmo em ato 6, quanto o amor de concupiscência, causado pela semelhança existente entre um homem que tem em potência o que o outro tem em ato. Esta discussão também parece estar relacionada às questões cotidianas da sociedade em que viveu o autor, já que as relações entre os habitantes da cidade podiam ser entendidas mediante as suas observações. Com efeito, os homens são semelhantes em sua forma e, por isso, suscetíveis de serem amigos, pois ambos têm o mesmo em ato. Já na relação entre mestre e aluno nas Universidades, por exemplo, existe um outro elemento que os fazem semelhantes de um outro modo: o professor detém o conhecimento em ato enquanto o aluno possui a potência do saber. Nas relações comerciais, vendedor e comprador mantêm semelhança de concupiscência, já que um possui o que o outro deseja para si (o vendedor tem o produto que o comprador deseja e este tem o dinheiro, ou objeto, que aquele deseja). Com esta leitura podemos perceber o comprometimento de Tomás de Aquino com os problemas cotidianos de seu tempo histórico, motivo pelo qual é considerado um clássico do pensamento medieval. Deste modo, a leitura e o estudo de suas obras auxiliam na construção do conhecimento sobre a natureza humana, fundamental àqueles que pretendem ensinar. Além disso, Santo Tomás também ressaltava a necessidade do ensino e da aprendizagem ao analisar o amor, pois o intelecto, faculdade responsável pelo conhecimento e 6 Acreditamos que, na perspectiva do mestre Tomás de Aquino, dizer que um e outro têm o mesmo em ato significa que ambos são iguais no sentido de que partilham da mesma realidade. Por exemplo: dois homens são iguais em sua natureza, isto é, são compostos de matéria e forma e de duas potências essenciais, o intelecto e a vontade. Deste ponto de vista, acreditamos que quando afirmamos somos iguais perante a lei, queremos dizer que os homens sob a jurisdição desta lei têm os mesmos direitos e os mesmos deveres, independentemente das diferenças e aspirações individuais. Por isso, entendemos que o amor na visão do autor é o fundamento das relações sociais, pois causa o amor de amizade, aquele que ocorre somente entre os seres humanos.

8 6221 pela moderação da vontade é uma potência humana que o capacita a agir conscientemente, necessitando assim que se torne ato mediante o movimento de conhecer: Ora, no ato de ensinar encontramos uma dupla matéria, o que se verifica até gramaticalmente pelo fato de que ensinar rege um duplo acusativo: ensina-se uma matéria a própria realidade de que trata o ensino e ensina-se segunda matéria alguém, a quem o conhecimento é transmitido. Em função da primeira matéria, o ato de ensinar é próprio da vida contemplativa; em função da segunda, da ativa, pois sua última matéria, na qual se atinge o fim proposto, é matéria da vida ativa. Daí que pertença mais à vida ativa do que à contemplativa, se bem que de algum modo pertença também à vida contemplativa, como dissemos (TOMÁS DE AQUINO, Sobre o ensino, a. 4, c.). Esta passagem, do De Magistro de Tomás de Aquino, é elucidativa do valor que o autor atribui ao ensino e à aprendizagem como espaços em que o homem pode tornar-se efetivamente homem, no sentido de que nele desenvolve suas faculdades substanciais: o intelecto e a vontade. Além disso, podemos perceber qual o fim deste processo de formação humana para o teólogo/filósofo: a vida ativa. Ou seja, está relacionado com o cotidiano, com a construção histórica da sociedade. O conhecimento também é importante para o amor não somente do ponto de vista do movimento intelectivo, mas também do sentimento que se tem com relação ao saber. No segundo artigo da questão 27, Santo Tomás investiga se o conhecimento pode ser causa do amor: RESPONDO. O bem é causa do amor como objeto, como já foi dito. Ora, o bem não é objeto do apetite senão quando apreendido. Logo, o amor requer uma apreensão do bem que se ama. Por isso, diz o Filósofo, no livro X da Ética, que a visão corporal é o princípio do amor sensitivo. De modo semelhante, a contemplação espiritual da beleza ou da bondade é o princípio do amor espiritual. Desse modo, o conhecimento é causa do amor pela mesma razão pela qual o é o bem, que não pode ser amado se não for conhecido (TOMÁS DE AQUINO, ST, I a II ae, q. 27, a. 2, c.). Na passagem acima, o autor constata que o saber é, sim, causa do amor, no sentido de que necessita da apreensão do bem que se ama por parte do intelecto. Nesse sentido, consideramos fundamental que se ensine às crianças e jovens que a sabedoria e a justiça, por exemplo, se constituem fins em si mesmos, pois são virtudes que conduzem o homem a atualização de suas potências. Assim, o amor pelo conhecimento, que a nosso ver é princípio

9 6222 essencial do ato de aprender, é algo que também se ensina. Daí a importância do estudo destas questões tomasianas sobre o amor para a formação de professores. É nesse sentido também que entendemos o fato do autor ter discutido a natureza, as causas e os efeitos do amor. Acreditamos que, sendo a Suma Teológica uma obra pedagógica, cujo intuito era de ensinar os princípios fundamentais da teologia (cf. TORREL, 2004), as questões sobre o amor são desenvolvidas para que os leitores tenham consciência das origens e das consequências do ato humano, visto que o amor é o princípio da ação do homem no mundo: Como acima foi dito, o amor significa certa adequação da potência apetitiva a um bem. Mas nada que se adequa a uma coisa que lhe convém, sofre lesão por isso, mas se for possível, sai mais aperfeiçoado e melhorado. Ao contrário, quem se adequa a algo que não lhe convém fica ferido e pior. Ora, o amor do bem conveniente aperfeiçoa e melhora o amante, e o amor do bem que não convém ao amante fere-o e torna-o pior. Daí que o homem se aperfeiçoe e melhore principalmente pelo amor de Deus, e se fira e se degrada pelo amor do pecado, conforme o livro de Oséias: Tornaram-se abominação como as coisas que amaram (TOMÁS DE AQUINO, ST, I a II ae, q. 28, c.). Ao discutir se o amor é benéfico ou não ao amante no quinto artigo da questão 28, como podemos observar na passagem acima, Tomás de Aquino se preocupa em advertir seus interlocutores sobre as consequências do amor com retidão e do amor desenvolvido indevidamente. Com efeito, afirma que o amor depende da deliberação do que convém amar. Se algo que realmente convém for amado, como a justiça, o amor torna o ser melhor. Se, ao contrário, o objeto amado não for conveniente, como a iniqüidade, torna o ser pior. Assim, é importante, na concepção tomasiana de amor, a reflexão constante sobre o que é conveniente fazer e não nos deixarmos conduzir pelas emoções. Considerações finais Como pudemos verificar com a leitura das questões 26, 27 e 28 da parte I a II ae da Suma Teológica, Tomás de Aquino analisa a categoria de amor de modo a elucidar sua fundamental importância para a natureza humana. Assim, investiga sobre as características, as causas e as consequências desta paixão da alma, demonstrando ao leitor que as ações humanas comportam uma série de desdobramentos sobre os quais devemos refletir, a fim de agirmos retamente para o bem coletivo.

10 6223 Além disso, observamos que o amor é um sentimento que está relacionado ao ato de ensinar e aprender, visto que é importante o sentimento que o educando desenvolve diante do saber. Neste processo o professor tem uma função importante, já que ele possui em ato o que o aluno possui em potência: o conhecimento. Assim, cabe ao professor transmitir ao seu aluno o apreço pelo movimento de aprendizagem de modo que este entenda que o conhecimento é um fim, não um meio, pois implica o desenvolvimento das faculdades humanas essenciais. Nesse sentido, acreditamos que a leitura e análise, no âmbito da disciplina de História da Educação, das questões tomasianas são necessárias para a formação do professor, na medida em que permitem um entendimento de como os medievais concebiam o processo de ensino e aprendizagem, relacionando-o com sua forma característica de compreender o homem e as relações sociais. Do mesmo modo, temos que pensar uma educação para a contemporaneidade que seja compatível com os interesses e valores da atual sociedade, sem perder de vista que o homem é um ser dotado de razão e de sentimento. REFERÊNCIAS ARISTÓTELES. Ética a Nicômacos. Brasília: Editora Universidade de Brasília, DUBY, G. No tempo das catedrais. Editorial Estampa: Lisboa, DUBY, G. Ressurgência. In:. As três ordens ou o Imaginário do Feudalismo. 2. ed. Lisboa: Editorial Estampa, LE GOFF, J. Os intelectuais na Idade Média. São Paulo: Editora Brasiliense, LE GOFF, J. A civilização do ocidente medieval. Bauru: Edusc, NUNES, R. Capítulo IX A escolástica. In:. História da Educação na Idade Média. São Paulo: Edusp, 1979, p OLIVEIRA, T. Escolástica. São Paulo/Porto: Editora Mandruvá, PIEPER, J. Abertura para o todo: a chance da Universidade. Mirandum, São Paulo, jan./jun Disponível em: <http://www.hottopos.com.br/mirand9/abertu.htm>. Acesso em: 15 jul TOMÁS DE AQUINO. Suma Teológica. São Paulo: Loyola, v. III. TOMÁS DE AQUINO. Suma Teológica. São Paulo: Loyola, v. V. TOMÁS DE AQUINO. Suma Teológica. São Paulo: Loyola, v. VI.

11 6224 TOMÁS DE AQUINO. Sobre o ensino (De Magistro), os sete pecados capitais. São Paulo: Martins Fontes, TORREL, J.-P. Iniciação a Santo Tomás de Aquino: sua pessoa e sua obra. São Paulo: Loyola, 2004.

O MÉTODO ESCOLÁSTICO EM TOMÁS DE AQUINO: UM ESTUDO NO CAMPO DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO

O MÉTODO ESCOLÁSTICO EM TOMÁS DE AQUINO: UM ESTUDO NO CAMPO DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO O MÉTODO ESCOLÁSTICO EM TOMÁS DE AQUINO: UM ESTUDO NO CAMPO DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO SANTIN, Rafael Henrique (PIBIC/UEM) OLIVEIRA, Terezinha (UEM) INTRODUÇÃO Neste texto pretendemos analisar o método escolástico

Leia mais

O ÓDIO E A EDUCAÇÃO NA SUMA TEOLÓGICA DE TOMÁS DE AQUINO

O ÓDIO E A EDUCAÇÃO NA SUMA TEOLÓGICA DE TOMÁS DE AQUINO O ÓDIO E A EDUCAÇÃO NA SUMA TEOLÓGICA DE TOMÁS DE AQUINO SANTIN, Rafael Henrique 1 OLIVEIRA, Terezinha 2 INTRODUÇÃO Este texto apresenta algumas reflexões desenvolvidas durante nossa pesquisa de mestrado

Leia mais

AGOSTINHO DE HIPONA E TOMÁS DE AQUINO (3ª SÉRIE, REVISÃO TESTÃO)

AGOSTINHO DE HIPONA E TOMÁS DE AQUINO (3ª SÉRIE, REVISÃO TESTÃO) AGOSTINHO DE HIPONA E TOMÁS DE AQUINO (3ª SÉRIE, REVISÃO TESTÃO) PERÍODOS DA FILOSOFIA MEDIEVAL 1º Patrística: século II (ou do V) ao VIII (Agostinho de Hipona). 2º Escolástica: século IX ao XV (Tomás

Leia mais

S. Tomás de Aquino QUESTÕES SOBRE A EXISTÊNCIA E A INTERLIGAÇÃO DAS VIRTUDES INFUSAS

S. Tomás de Aquino QUESTÕES SOBRE A EXISTÊNCIA E A INTERLIGAÇÃO DAS VIRTUDES INFUSAS QUESTÕES SOBRE A EXISTÊNCIA E A INTERLIGAÇÃO DAS VIRTUDES INFUSAS: Index. S. Tomás de Aquino QUESTÕES SOBRE A EXISTÊNCIA E A INTERLIGAÇÃO DAS VIRTUDES INFUSAS Índice Geral 1. Se existem virtudes teologais.

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

Caracterização Cronológica

Caracterização Cronológica Caracterização Cronológica Filosofia Medieval Século V ao XV Ano 0 (zero) Nascimento do Cristo Plotino (204-270) Neoplatônicos Patrística: Os grandes padres da igreja Santo Agostinho ( 354-430) Escolástica:

Leia mais

Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito

Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito 1. (Uel 2012) Leia o texto a seguir. No ethos (ética), está presente a razão profunda da physis (natureza) que se manifesta no finalismo

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE O PENSAMENTO ESCOLÁSTICO EM TOMÁS DE AQUINO: UMA ABORDAGEM NO CAMPO DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO

UM ESTUDO SOBRE O PENSAMENTO ESCOLÁSTICO EM TOMÁS DE AQUINO: UMA ABORDAGEM NO CAMPO DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO UM ESTUDO SOBRE O PENSAMENTO ESCOLÁSTICO EM TOMÁS DE AQUINO: UMA ABORDAGEM NO CAMPO DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO Rafael Henrique Santin UEM/PIBIC-CNPq rafael.h.santin@gmail.com Palavras-chave: História da Educação

Leia mais

ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA: TEMA, PROBLEMATIZAÇÃO, OBJETIVOS, JUSTIFICATIVA E REFERENCIAL TEÓRICO

ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA: TEMA, PROBLEMATIZAÇÃO, OBJETIVOS, JUSTIFICATIVA E REFERENCIAL TEÓRICO ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA: TEMA, PROBLEMATIZAÇÃO, OBJETIVOS, JUSTIFICATIVA E REFERENCIAL TEÓRICO PROF. ME. RAFAEL HENRIQUE SANTIN Este texto tem a finalidade de apresentar algumas diretrizes para

Leia mais

ALTERIDADE - IMPLICAÇÕES NA FORMAÇÃO DO ALUNO

ALTERIDADE - IMPLICAÇÕES NA FORMAÇÃO DO ALUNO ALTERIDADE - IMPLICAÇÕES NA FORMAÇÃO DO ALUNO Hélio de Moraes e Marques 1 Resumo: O ensino da filosofia possui características muito peculiares quanto ao seu método. Refiro-me à exposição pelo professor

Leia mais

A GENEROSIDADE: REFLEXÃO EM TORNO DO CONCEITO

A GENEROSIDADE: REFLEXÃO EM TORNO DO CONCEITO A GENEROSIDADE: REFLEXÃO EM TORNO DO CONCEITO Ramiro Marques A generosidade é um vocábulo que vem do latim generositate, que significa bondade da raça, boa qualidade. O adjectivo generoso vem do latim

Leia mais

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE)

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) SÓCRATES (469-399 a.c.) CONTRA OS SOFISTAS Sofistas não são filósofos: não têm amor pela sabedoria e nem respeito pela verdade. Ensinavam a defender o que

Leia mais

ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN. Prof. Helder Salvador

ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN. Prof. Helder Salvador ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN Prof. Helder Salvador 5.2 - Alma e Psique Já em sua tese de doutoramento, Stein oferece uma primeira noção do que ela considera sob os termos alma e psique, e essa

Leia mais

PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO NO ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA

PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO NO ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO NO ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA Elisa Cristina Amorim Ferreira Universidade Federal de Campina Grande elisacristina@msn.com RESUMO: O trabalho docente é uma atividade

Leia mais

A EPISTEMOLOGIA NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

A EPISTEMOLOGIA NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL A EPISTEMOLOGIA NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Nilson Duarte Rocha 1 Lúcio Jorge Hammes 2 Resumo Este artigo apresenta a epistemológica para a efetivação de uma educação ambiental transformadora do sujeito-aluno

Leia mais

CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ?

CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? CURITIBA 2011 CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? Projeto de pesquisa apresentado à Universidade Federal

Leia mais

Ética e felicidade. Aluna: Yasmine Victoria B. Hamaoui Orientador: Danilo Marcondes

Ética e felicidade. Aluna: Yasmine Victoria B. Hamaoui Orientador: Danilo Marcondes Ética e felicidade Aluna: Yasmine Victoria B. Hamaoui Orientador: Danilo Marcondes Introdução: Ética e Felicidade são dois temas que possuem grande relação e comparação ao longo da história da filosofia.

Leia mais

DUNKER, C.I.L. Desautorização da Mãe pelo Pai. Revista Pais e Filhos, 2008. A Desautorização da Mãe pelo Pai

DUNKER, C.I.L. Desautorização da Mãe pelo Pai. Revista Pais e Filhos, 2008. A Desautorização da Mãe pelo Pai A Desautorização da Mãe pelo Pai - Quais as consequências de haver um conflito entre pai e mãe em relação à autoridade perante os filhos ou quando divergirem em relação à determinado tema na frente das

Leia mais

Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos

Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos Escolas Europeias Bureau du Secrétaire général du Conseil Supérieur Unité pédagogique Referência: 1998-D-12-2 Orig.: FR Versão: PT Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos Aprovado pelo Conselho Superior de

Leia mais

O PERFIL DO ENGENHEIRO SEGUNDO AS EMPRESAS

O PERFIL DO ENGENHEIRO SEGUNDO AS EMPRESAS O PERFIL DO ENGENHEIRO SEGUNDO AS EMPRESAS Michelle Mike Nose 1, Daisy Aparecida do Nascimento Rebelatto 2 Universidade de São Paulo 1 Escola de Engenharia de São Carlos Av. Trabalhador São Carlense, 400

Leia mais

O CURRÍCULO NA PERSPECTIVA DO RECONSTRUCIONISMO SOCIAL

O CURRÍCULO NA PERSPECTIVA DO RECONSTRUCIONISMO SOCIAL O CURRÍCULO NA PERSPECTIVA DO RECONSTRUCIONISMO SOCIAL Resumo Fabiana Antunes Machado 1 - UEL/PR Rosana Peres 2 - UEL/PR Grupo de trabalho - Comunicação e Tecnologia Agência Financiadora: Capes Objetiva-se

Leia mais

A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann

A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann 1 DELIMITAÇÃO Ao abordarmos sobre as razões para ser um professor numa escola e falar sobre o amor de Deus, encontramos algumas respostas

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE Bruna Cardoso Cruz 1 RESUMO: O presente trabalho procura conhecer o desempenho profissional dos professores da faculdade

Leia mais

BROCANELLI, Cláudio Roberto. Matthew Lipman: educação para o pensar filosófico na infância. Petrópolis: Vozes, 2010. RESENHA

BROCANELLI, Cláudio Roberto. Matthew Lipman: educação para o pensar filosófico na infância. Petrópolis: Vozes, 2010. RESENHA 1 BROCANELLI, Cláudio Roberto. Matthew Lipman: educação para o pensar filosófico na infância. Petrópolis: Vozes, 2010. RESENHA Francieli Nunes da Rosa 1 No livro Matthew Lipman: educação para o pensar

Leia mais

FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA

FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA A prova de filosofia se mostrou abrangente em relação aos conteúdos propostos. Destacamos algumas pequenas observações nas questões envolvendo o livro X da República de

Leia mais

FILOSOFIA, EDUCAÇÃO E METODOLOGIA DE ENSINO EM COMENIUS

FILOSOFIA, EDUCAÇÃO E METODOLOGIA DE ENSINO EM COMENIUS FILOSOFIA, EDUCAÇÃO E METODOLOGIA DE ENSINO EM COMENIUS Ursula Rosa da Silva 1 Resumo: Este trabalho vai ao encontro da proposta de temática deste seminário de pensar novas alternativas provenientes da

Leia mais

As provas da existência de Deus: Tomás de Aquino e o estabelecimento racional da fé. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira 1º Ano do Ensino Médio

As provas da existência de Deus: Tomás de Aquino e o estabelecimento racional da fé. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira 1º Ano do Ensino Médio As provas da existência de Deus: Tomás de Aquino e o estabelecimento racional da fé. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira 1º Ano do Ensino Médio Tomás de Aquino (1221-1274) Tomás de Aquino - Tommaso d Aquino

Leia mais

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.)

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) O ATO DE ESTUDAR 1 (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) Paulo Freire, educador da atualidade, aponta a necessidade de se fazer uma prévia reflexão sobre o sentido do estudo. Segundo suas palavras:

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Tomás de Aquino. Ensino. Memória. Introdução

PALAVRAS-CHAVE: Tomás de Aquino. Ensino. Memória. Introdução 1 TOMAS DE AQUINO NA UNIVERSIDADE PARISIENSE: ENSINO, POLITICA E MEMÓRIA NA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO MEDIEVAL TEREZINHA OLIVEIRA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ Pesquisa Financiada pelo CNPq/PQII teleoliv@gmail.com

Leia mais

DO PROCESSO DO CONHECIMENTO À HERMENÊUTICA JURÍDICA

DO PROCESSO DO CONHECIMENTO À HERMENÊUTICA JURÍDICA Apontamentos do Prof. Antonio Carlos Machado - 2006.1 - pág. 1 UNIVERSIDADE DE FORTALEZA CCJ CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS DISCIPLINA: H 544 - HERMENÊUTICA JURÍDICA DO PROCESSO DO CONHECIMENTO À HERMENÊUTICA

Leia mais

PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica.

PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. António Mora PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. Uma metafísica é um modo de sentir as coisas esse modo de

Leia mais

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO Tatiana Galieta (Universidade do Estado do Rio de Janeiro) Introdução

Leia mais

DIVERSIDADE: VIA PARA UMA AÇÃO DA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA

DIVERSIDADE: VIA PARA UMA AÇÃO DA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA DIVERSIDADE: VIA PARA UMA AÇÃO DA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA Teresa Cristina Coelho dos Santos 1 - UFRN Prof.ª Dra. Lúcia de Araújo Ramos Martins 2 RESUMO O presente texto aborda a diversidade como pilar para

Leia mais

CONHECIMENTO DA LEI NATURAL. Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural

CONHECIMENTO DA LEI NATURAL. Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural CONHECIMENTO DA LEI NATURAL Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural O que é a Lei Natural? Conceito de Lei Natural A Lei Natural informa a doutrina espírita é a

Leia mais

POSSIBILIDADE DE ACESSO A EDUCAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL ATRAVÉS DO PROGRAMA MULHERES MIL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

POSSIBILIDADE DE ACESSO A EDUCAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL ATRAVÉS DO PROGRAMA MULHERES MIL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA POSSIBILIDADE DE ACESSO A EDUCAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL ATRAVÉS DO PROGRAMA MULHERES MIL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Albertina Marília Alves Guedes¹ Elisa Angélica Alves Guedes² Maria Nizete de Menezes Gomes

Leia mais

O USO DA PERSUASÃO COMO FERRAMENTA MOTIVADORA À LEITURA

O USO DA PERSUASÃO COMO FERRAMENTA MOTIVADORA À LEITURA 1 O USO DA PERSUASÃO COMO FERRAMENTA MOTIVADORA À LEITURA Elisson Souza de São José i (UNIT) INTRODUÇÃO Grande parte da juventude brasileira infelizmente não tem prazer e nem o hábito de ler, o que faz

Leia mais

CONCEPÇÕES DE PROFESSORES EM AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: ENCONTROS E DESENCONTROS

CONCEPÇÕES DE PROFESSORES EM AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: ENCONTROS E DESENCONTROS CONCEPÇÕES DE PROFESSORES EM AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: ENCONTROS E DESENCONTROS ALMEIDA *, Laura Isabel Marques Vasconcelos de. UFMT laura.isabel@terra.com.br DARSIE **, Marta Maria Pontin. UFMT

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

Conhecimento - Kant e Númeno Teresa Simões FBAUL, 2006

Conhecimento - Kant e Númeno Teresa Simões FBAUL, 2006 Conhecimento - Kant e Númeno Teresa Simões FBAUL, 2006 Sumário Introdução 1 Desenvolvimento. 1 1. O Conhecimento.. 2 2. A sensação e percepção... 3 3. Kant e o conhecimento como actividade construtiva

Leia mais

II Encontro Nacional de Formação Profissional. Avaliação nos Processos de Ensino e Aprendizagem

II Encontro Nacional de Formação Profissional. Avaliação nos Processos de Ensino e Aprendizagem II Encontro Nacional de Formação Profissional Avaliação nos Processos de Ensino e Aprendizagem Conselho Federal de Nutricionistas Profa. Dra. Maria Antonia Ramos de Azevedo UNESP- Rio Claro UNIVERSIDADE

Leia mais

Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical

Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical Rafael Beling Unasp rafaelbeling@gamil.com Resumo: os termos música e musicalidade, por sua evidente proximidade, podem

Leia mais

INTEGRAÇÃO DA TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR QUE ENSINA MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA 1

INTEGRAÇÃO DA TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR QUE ENSINA MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA 1 INTEGRAÇÃO DA TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR QUE ENSINA MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA 1 Marilena Bittar, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Sheila Denize Guimarães, Universidade Federal de

Leia mais

Palavras-chave: Letramento. Alfabetização. Ensino-aprendizagem.

Palavras-chave: Letramento. Alfabetização. Ensino-aprendizagem. ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DA LEITURA E ESCRITA NAS SERIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL RESUMO: BARBOSA, Maria Julia de Araújo. Pedagogia - UEPB/Campus

Leia mais

ALIENAÇÃO E FETICHE: DESDOBRAMENTOS NO TRABALHO REALIZADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

ALIENAÇÃO E FETICHE: DESDOBRAMENTOS NO TRABALHO REALIZADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL ALIENAÇÃO E FETICHE: DESDOBRAMENTOS NO TRABALHO REALIZADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Laís Leni Oliveira Lima Universidade Federal de Goiás-Campus Jataí laisleni@yahoo.com.br CONSIDERAÇÕES INTRODUTÓRIAS Este

Leia mais

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS CRIZÓSTOMO, Cilene Delgado MILANEZ, Maria Rosa de Morais SOUSA, Rejane Lúcia Rodrigues Veloso ALBUQUERQUE, Judith

Leia mais

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil Documento do MEJ Internacional Para que a minha alegria esteja em vós Por ocasião dos 100 anos do MEJ O coração do Movimento Eucarístico Juvenil A O coração do MEJ é a amizade com Jesus (Evangelho) B O

Leia mais

A Parte I, denominada Desenvolvimento e Educação, integra textos sobre o desenvolvimento humano e as implicações educativas de teorias e resultados

A Parte I, denominada Desenvolvimento e Educação, integra textos sobre o desenvolvimento humano e as implicações educativas de teorias e resultados Introdução Reunimos aqui, num único volume, os contributos de vários psicólogos e investigadores nacionais que desenvolvem trabalho teórico e empírico nos domínios da aprendizagem e do desenvolvimento

Leia mais

5. Autoconsciência e conhecimento humano de Jesus

5. Autoconsciência e conhecimento humano de Jesus 5. Autoconsciência e conhecimento humano de Jesus Através do estudo dos evangelhos é possível captar elementos importantes da psicologia de Jesus. É possível conjeturar como Jesus se autocompreendia. Especialmente

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO UMA PROPOSTA EDUCACIONAL DEMOCRÁTICA

A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO UMA PROPOSTA EDUCACIONAL DEMOCRÁTICA A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO UMA PROPOSTA EDUCACIONAL DEMOCRÁTICA Maria Cleonice Soares (Aluna da Graduação UERN) 1 Kátia Dayana de Avelino Azevedo (Aluna da Graduação UERN) 2 Silvia

Leia mais

FILOSOFIA NA ESCOLA, POR QUE NÃO?

FILOSOFIA NA ESCOLA, POR QUE NÃO? FILOSOFIA NA ESCOLA, POR QUE NÃO? Bruna Jéssica da Silva Josélia dos Santos Medeiros José Teixeira Neto (UERN) Resumo: A filosofia, amor pela sabedoria, enquanto componente curricular do Ensino Médio busca,

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento Jéssica Albino 1 ; Sônia Regina de Souza Fernandes 2 RESUMO O trabalho

Leia mais

HISTÓRIA. 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Licenciatura. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

HISTÓRIA. 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Licenciatura. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos HISTÓRIA 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Licenciatura GRAU ACADÊMICO: Licenciado em História PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos Máximo = 8 anos 2. OBJETIVO/PERFIL DO PROFISSIONAL A SER FORMADO A definição

Leia mais

Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática

Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática Patricia Andretta 1 Ana Maria P. Liblik 2 Resumo O presente projeto de pesquisa terá como objetivo compreender

Leia mais

PERFIL INVESTIGADOR DO LICENCIANDO EM MATEMÁTICA DO ESTADO DO MARANHÃO. Celina Amélia da Silva celina_amelia@yahoo.com.br CESC/UEMA/MA, Brasil

PERFIL INVESTIGADOR DO LICENCIANDO EM MATEMÁTICA DO ESTADO DO MARANHÃO. Celina Amélia da Silva celina_amelia@yahoo.com.br CESC/UEMA/MA, Brasil PERFIL INVESTIGADOR DO LICENCIANDO EM MATEMÁTICA DO ESTADO DO MARANHÃO Celina Amélia da Silva celina_amelia@yahoo.com.br CESC/UEMA/MA, Brasil Carmen Teresa Kaiber kaiber@ulbra.br ULBRA/RS, Brasil Modalidade:

Leia mais

REALIZAÇÃO bookbrasil.com.br Copyright 2002,

REALIZAÇÃO bookbrasil.com.br Copyright 2002, REALIZAÇÃO bookbrasil.com.br Copyright 2002, Todos os direitos reservados ao Autor (a). Proibida a reprodução do conteúdo na sua integra ou em partes deste livro em qualquer meio de comunicação, eletrônico

Leia mais

UM OLHAR PEDAGÓGICO SOBRE A RELAÇÃO ENSINO E PESQUISA NOS CURSOS DE LICENCIATURA NA ÁREA DA SAÚDE

UM OLHAR PEDAGÓGICO SOBRE A RELAÇÃO ENSINO E PESQUISA NOS CURSOS DE LICENCIATURA NA ÁREA DA SAÚDE UM OLHAR PEDAGÓGICO SOBRE A RELAÇÃO ENSINO E PESQUISA NOS CURSOS DE LICENCIATURA NA ÁREA DA SAÚDE Ana Cristina Oliveira Lima, bolsista PIBIC/ CNPq, anacristinaoliveiralima@yahoo.com.br, UECE. Brena de

Leia mais

PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI

PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI Resumo Rosangela de Sousa Cardoso Stabenow1 - UEL Cassiana Magalhães2 - UEL Grupo de Trabalho - Didática:

Leia mais

Filosofia O que é? Para que serve?

Filosofia O que é? Para que serve? Filosofia O que é? Para que serve? Prof. Wagner Amarildo Definição de Filosofia A Filosofia é um ramo do conhecimento. Caracteriza-se de três modos: pelos conteúdos ou temas tratados pela função que exerce

Leia mais

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Cenecista Dr. José Ferreira

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Cenecista Dr. José Ferreira Sociologia Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Cenecista Dr. José Ferreira Objetivo Resolver exercícios de vestibulares sobre os clássicos da sociologia:

Leia mais

Page 1 of 6. http://www2.unifap.br/borges

Page 1 of 6. http://www2.unifap.br/borges Page 1 of 6 Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia Disciplina: Filosofia da Educação I Educador: João Nascimento Borges Filho Pequena

Leia mais

por Paulo Faitanin UFF.

por Paulo Faitanin UFF. TOMÁS HOJE: UM COMPANHEIRO DA VERDADE! por Paulo Faitanin UFF. Juan Fernando Sellés é professor da Faculdade de Filosofia da Universidad de Navarra. Doutor desde 1994, publicou mais de 100 títulos entre

Leia mais

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação Janaina Guimarães 1 Paulo Sergio Machado 2 Resumo: Este trabalho tem por objetivo fazer uma reflexão acerca da espiritualidade do educador

Leia mais

A EDUCAÇÃO PARA A EMANCIPAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE: UM DIÁLOGO NAS VOZES DE ADORNO, KANT E MÉSZÁROS

A EDUCAÇÃO PARA A EMANCIPAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE: UM DIÁLOGO NAS VOZES DE ADORNO, KANT E MÉSZÁROS A EDUCAÇÃO PARA A EMANCIPAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE: UM DIÁLOGO NAS VOZES DE ADORNO, KANT E MÉSZÁROS Kely-Anee de Oliveira Nascimento Universidade Federal do Piauí kelyoliveira_@hotmail.com INTRODUÇÃO Diante

Leia mais

TEXTO RETIRADO DO REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA APAE DE PASSOS:

TEXTO RETIRADO DO REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA APAE DE PASSOS: TEXTO RETIRADO DO REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA APAE DE PASSOS: Art. 3º - A Escola oferece os seguintes níveis de ensino: I. Educação Infantil: de 0 a 05 anos de idade. Educação Precoce de 0 a 03 anos Educação

Leia mais

Mosaicos #7 Escolhendo o caminho a seguir Hb 13:8-9. I A primeira ideia do texto é o apelo à firmeza da fé.

Mosaicos #7 Escolhendo o caminho a seguir Hb 13:8-9. I A primeira ideia do texto é o apelo à firmeza da fé. 1 Mosaicos #7 Escolhendo o caminho a seguir Hb 13:8-9 Introdução: Jesus Cristo é o mesmo, ontem, hoje e para sempre. Não se deixem levar pelos diversos ensinos estranhos. É bom que o nosso coração seja

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

PATRULHA AMBIENTAL MIRIM: Um espaço de Emancipação dos Sujeitos

PATRULHA AMBIENTAL MIRIM: Um espaço de Emancipação dos Sujeitos PATRULHA AMBIENTAL MIRIM: Um espaço de Emancipação dos Sujeitos RESUMO Elizane Pegoraro Bertineti 1 Tanise Stumf Böhm 2 O presente texto busca apresentar o trabalho realizado pela Patrulha Ambiental Mirim

Leia mais

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo.

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. Rorty e o realismo como instrumento da emancipação humana Alguns filósofos 1

Leia mais

PLATÃO E SOCRÁTES: LEITURAS PARADOXAIS

PLATÃO E SOCRÁTES: LEITURAS PARADOXAIS PLATÃO E SOCRÁTES: LEITURAS PARADOXAIS Alan Rafael Valente (G-CCHE-UENP/CJ) Douglas Felipe Bianconi (G-CCHE-UENP/CJ) Gabriel Arcanjo Brianese (G-CCHE-UENP/CJ) Samantha Cristina Macedo Périco (G-CCHE-UENP/CJ)

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL A língua espanhola na Educação Básica A implantação da língua espanhola por meio da lei federal 11.161, que diz respeito à sua oferta

Leia mais

Colégio Estadual Vicente Tomazini - Ensino Fundamental, Médio e Normal Francisco Alves - Paraná

Colégio Estadual Vicente Tomazini - Ensino Fundamental, Médio e Normal Francisco Alves - Paraná Colégio Estadual Vicente Tomazini - Ensino Fundamental, Médio e Normal Francisco Alves - Paraná PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR DE METODOLOGIA PARA O ENSINO DE PORTUGUÊS E ALFABETIZAÇÃO FORMAÇÃO DE DOCENTES

Leia mais

As formas de vida grega que prepararam o nascimento da filosofia

As formas de vida grega que prepararam o nascimento da filosofia As formas de vida grega que prepararam o nascimento da filosofia A Arte: (faculdade da imaginação) De modo mítico e fantástico mediante a intuição e a imaginação, tende a alcançar objetivos que também

Leia mais

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS Ana Lúcia Cunha Duarte UCB duart_ana@hotmail.com Resumo: A prática investigativa desenvolvida no curso de Pedagogia do Centro de Educação,

Leia mais

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com 803 AS CONTRIBUIÇÕES DO LÚDICO PARA O DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL INFANTIL NO CONTEXTO ESCOLAR Rafaela Reginato Hosokawa, Andréia Cristiane Silva Wiezzel Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA LINGUAGEM NA DIFUSÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA CRISTÃ NA ALTA IDADE MÉDIA, SÉCULOS V E VI.

A IMPORTÂNCIA DA LINGUAGEM NA DIFUSÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA CRISTÃ NA ALTA IDADE MÉDIA, SÉCULOS V E VI. A IMPORTÂNCIA DA LINGUAGEM NA DIFUSÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA CRISTÃ NA ALTA IDADE MÉDIA, SÉCULOS V E VI. BORTOLI, Bruno de (PIC/UEM) MARQUIOTO, Juliana Dias (PIC/UEM) OLIVEIRA, Terezinha (UEM) INTRODUÇÃO

Leia mais

HOMILIA: A CARIDADE PASTORAL A SERVIÇO DO POVO DE DEUS (1 Pd 5,1-4; Sl 22; Mc 10, 41-45) Amados irmãos e irmãs na graça do Batismo!

HOMILIA: A CARIDADE PASTORAL A SERVIÇO DO POVO DE DEUS (1 Pd 5,1-4; Sl 22; Mc 10, 41-45) Amados irmãos e irmãs na graça do Batismo! HOMILIA: A CARIDADE PASTORAL A SERVIÇO DO POVO DE DEUS (1 Pd 5,1-4; Sl 22; Mc 10, 41-45) Amados irmãos e irmãs na graça do Batismo! A vida e o ministério do padre é um serviço. Configurado a Jesus, que

Leia mais

UNIDADE 5 PPP, CLIMA DE ESCOLA, NORMAS DE CONVIVÊNCIA E DIREITOS HUMANOS

UNIDADE 5 PPP, CLIMA DE ESCOLA, NORMAS DE CONVIVÊNCIA E DIREITOS HUMANOS UNIDADE 5 PPP, CLIMA DE ESCOLA, NORMAS DE CONVIVÊNCIA E DIREITOS HUMANOS Módulo 3 - Direitos Humanos e o Projeto Político Pedagógico da escola Objetivos: Nesta Unidade veremos como os Direitos Humanos

Leia mais

HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE

HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE Prof. Pablo Antonio Lago Hegel é um dos filósofos mais difíceis de estudar, sendo conhecido pela complexidade de seu pensamento

Leia mais

O professor de Arte e a Educação Inclusiva: Cotidianos, vivências.

O professor de Arte e a Educação Inclusiva: Cotidianos, vivências. O professor de Arte e a Educação Inclusiva: Cotidianos, vivências. TAVARES, Tais B. Rutz 1 ; MEIRA, Mirela R. 2 Resumo: Este artigo adota uma perspectiva de que a educação inclusiva é um processo em construção,

Leia mais

O SUJEITO EM FOUCAULT

O SUJEITO EM FOUCAULT O SUJEITO EM FOUCAULT Maria Fernanda Guita Murad Foucault é bastante contundente ao afirmar que é contrário à ideia de se fazer previamente uma teoria do sujeito, uma teoria a priori do sujeito, como se

Leia mais

PRÁTICAS, EXPERIÊNCIAS, CULTURA ESCOLAR: QUESTÕES QUE ENVOLVEM A PRÁTICA DOCENTE

PRÁTICAS, EXPERIÊNCIAS, CULTURA ESCOLAR: QUESTÕES QUE ENVOLVEM A PRÁTICA DOCENTE PRÁTICAS, EXPERIÊNCIAS, CULTURA ESCOLAR: QUESTÕES QUE ENVOLVEM A PRÁTICA DOCENTE DAMKE, Anderléia Sotoriva - UFMS anderleia.damke@yahoo.com SIMON, Ingrid FADEP ingrid@fadep.br Resumo Eixo Temático: Formação

Leia mais

VIRTUDE E FELICIDADE EM ARISTÓTELES

VIRTUDE E FELICIDADE EM ARISTÓTELES VIRTUDE E FELICIDADE EM ARISTÓTELES A ética de Aristóteles estabelece o conteúdo e os meios de alcançar-se a eudaimonia, a plena realização humana. Tratar do conceito de Eudaimonia em Aristóteles, devido

Leia mais

BAPAK FALA AOS CANDIDATOS

BAPAK FALA AOS CANDIDATOS BAPAK FALA AOS CANDIDATOS PRÓLOGO Subud é um contacto com o poder de Deus Todo Poderoso. Para as pessoas que consideram difícil aceitar tal afirmação, Subud pode ser descrito como a realidade mais além

Leia mais

PSICOLOGIA E EDUCAÇÃO: DA INCLUSÃO E DA EXCLUSÃO OU DA EXCEÇÃO E DA REGRA

PSICOLOGIA E EDUCAÇÃO: DA INCLUSÃO E DA EXCLUSÃO OU DA EXCEÇÃO E DA REGRA PSICOLOGIA E EDUCAÇÃO: DA INCLUSÃO E DA EXCLUSÃO OU DA EXCEÇÃO E DA REGRA Carla Priscila Cesário Gonçalves ( graduanda pedagogia UEPB) Erika Barbosa Santos ( graduanda pedagogia UEPB) Juliana Michelle

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Departamento de Ciência Política Programa de Pós-Graduação em Ciência Política Área de Concentração: Teoria Política e Interpretações do Brasil Título da Disciplina: Ceticismo

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS 2º CEB. Introdução

PLANO DE ESTUDOS 2º CEB. Introdução Introdução Entre os 10 e 12 anos, as crianças necessitam que lhes seja despertado e estimulado o seu desejo de aprender. No Colégio Pedro Arrupe pretendemos estimular e promover esse desejo, desenvolvendo

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE ÉTICA E FELICIDADE: UMA PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DE ENSINO MÉDIO E A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE FILOSOFIA

A RELAÇÃO ENTRE ÉTICA E FELICIDADE: UMA PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DE ENSINO MÉDIO E A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE FILOSOFIA A RELAÇÃO ENTRE ÉTICA E FELICIDADE: UMA PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DE ENSINO MÉDIO E A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE FILOSOFIA RODRIGUES, Ederson Dias¹ ALVES, Marcos Alexandre.² ¹Acadêmico bolsista PIBID/CAPES ²Orientador

Leia mais

RBEP RESENHAS. Uma história do curso de pedagogia no Brasil. Diogo da Silva Roiz

RBEP RESENHAS. Uma história do curso de pedagogia no Brasil. Diogo da Silva Roiz RESENHAS RBEP Uma história do curso de pedagogia no Brasil Diogo da Silva Roiz SAVIANI, Dermeval. A pedagogia no Brasil: história e teoria. Campinas, SP: Autores Associados, 2008. 259p. A história do ensino

Leia mais

Na classificação dos sistemas filosóficos...

Na classificação dos sistemas filosóficos... Fernando Pessoa Na classificação dos sistemas filosóficos... Na classificação dos sistemas filosóficos temos a considerar duas coisas: a constituição do espírito e a natureza da ideação metafísica. O espírito

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 AS PROPOSTAS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO APRESENTADAS NOS PROJETOS PEDAGÓGICOS DOS CURSOS DE FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE MORRONHOS FRANCO, C.

Leia mais

Palavras chaves: Pedagogia da alternância, Pedagogia empreendedora, formação profissional, ensino-aprendizagem.

Palavras chaves: Pedagogia da alternância, Pedagogia empreendedora, formação profissional, ensino-aprendizagem. O PRINCÍPIO DA PEDAGOGIA EMPREENDEDORA NO CURSO TÉCNICO DE AGROPECUÁRIA, DA ESCOLA FAMÍLIA AGRÍCOLA DO PACUÍ. DARLENE DO SOCORRO DEL-TETTO MINERVINO DR. SANDRA REGINA GREGÓRIO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL

Leia mais

INDIVIDUALISMO E EDUCAÇÃO: UM EXAME A PARTIR DA PROPOSTA DE CHARLES TAYLOR

INDIVIDUALISMO E EDUCAÇÃO: UM EXAME A PARTIR DA PROPOSTA DE CHARLES TAYLOR INDIVIDUALISMO E EDUCAÇÃO: UM EXAME A PARTIR DA PROPOSTA DE CHARLES TAYLOR Carlos Eduardo Zinani (UCS) Resumo: O individualismo em que se encontra a sociedade contemporânea começou a se delinear ainda

Leia mais

ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN. Prof. Helder Salvador

ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN. Prof. Helder Salvador ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN Prof. Helder Salvador 3 - A ANTROPOLOGIA COMO FUNDAMENTO DA PEDAGOGIA. Para Edith Stein existe uma profunda relação entre os termos metafísica, antropologia e pedagogia

Leia mais

PINTURA COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO À INTERPRETAÇÃO TEXTUAL

PINTURA COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO À INTERPRETAÇÃO TEXTUAL PINTURA COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO À INTERPRETAÇÃO TEXTUAL NASCIMENTO, Edna Ranielly do. niellyfersou@hotmail.com CABRAL, Juliana da Silva. julianacabralletras@hotmail.com SILVA, Jobson Soares da. PIBIC/Universidade

Leia mais

UM ESTUDO DO CONCEITO DE FELICIDADE NA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO

UM ESTUDO DO CONCEITO DE FELICIDADE NA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO UM ESTUDO DO CONCEITO DE FELICIDADE NA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO doi: 10.4025/XIIjeam2013.viana.oliveira55 VIANA, Ana Paula dos Santos 1 OLIVEIRA, Terezinha 2 Introdução Nos dias que correm, observamos uma

Leia mais

A relação de amor entre Deus e a humanidade

A relação de amor entre Deus e a humanidade A relação de amor entre Deus e a humanidade A reflexão acerca do amor de Deus para com a humanidade é um grande desafio, pois falar do amor pressupõe a vivência do mesmo. Não basta falar do amor é preciso

Leia mais

RESENHA: PAULA, MARCIO GIMENES DE. INDIVÍDUO E COMUNIDADE NA FILOSOFIA DE KIERKEGAARD. PAULUS/MACKENZIE, SÃO PAULO, 2009.

RESENHA: PAULA, MARCIO GIMENES DE. INDIVÍDUO E COMUNIDADE NA FILOSOFIA DE KIERKEGAARD. PAULUS/MACKENZIE, SÃO PAULO, 2009. caderno ufs - filosofia RESENHA: PAULA, MARCIO GIMENES DE. INDIVÍDUO E COMUNIDADE NA FILOSOFIA DE KIERKEGAARD. PAULUS/MACKENZIE, SÃO PAULO, 2009. Jadson Teles Silva Graduando em Filosofia UFS Indivíduo

Leia mais