INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Gestão e Tratamento de Informação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Gestão e Tratamento de Informação"

Transcrição

1 Número: Nome: INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Gestão e Tratamento de Informação Exame 2 - Solução 5 Fevereiro A duração deste exame é de 2 Horas. É um exame com consulta. Não é permitida a utilização de computadores nem telemóveis. O número total de pontos é 20. Marque as suas respostas NA FOLHA DE EXAME. Escreva o seu número e nome no topo de cada página. Escreva todas as fórmulas. Para o uso oficial somente SUM

2 Número: Nome: 2 1. (4 pts) Miscelânia 1.1. (2 pts) Indique se as seguintes afirmações são verdadeiras ou falsas: a. A biblioteca de funções da linguagem XPath 2.0 não inclui nativamente o suporte para expressões regulares, embora no contexto da linguagem XQuery isso possa ser facilmente resolvido através de funções de extensão. Falsa b. A saída de um programa XQuery é obrigatoriamente um ficheiro XML bem formado. Falsa c. Usando as funcionalidades nativas da linguagem XQuery é possível processar documentos HTML, mesmo que estes tenham problemas de formatação. Falsa d. A métrica Recall é usada na avaliação de sistemas de reconhecimento de entidades em texto, medindo de todas as entidades existentes no texto, quantas é que efectivamente são reconhecidas pelo sistema. Verdadeira e. A técnica de aprendizagem multi-estratégia aplicada para encontrar mapeamentos entre dois esquemas de dados tem uma fase de matching em que os learners base são treinados com um conjunto de dados. Falsa f. A distância de Jaro aplicada a duas cadeias de caracteres define-se através do número de caracteres comuns e do número de caracteres raros entre das duas cadeias. Falsa g. O método de procura baseado na vizinhança ordenada (Sorted Neighbour Searching) devolve os mesmo registos como sendo duplicados que o produto cartesiano. Falsa h. O mecanismo de excepções no AJAX serve para optimizar a execução dos operadores. Falsa

3 Número: Nome: (2 pts) Responda às seguintes questões: a. Considere o algoritmo de distância de edição entre cadeias de caracteres. Diga como o modificaria para permitir dar pesos diferentes às diferentes operações (substituição, inserção e remoção). Por exemplo, considere que o custo de uma substituição é 10 vezes superior ao de uma inserção e mostre as fórmulas de cálculo resultantes. Solução: Considere que o custo de uma substituição é S, o custo de uma inserção é I e o custo de uma remoção é R. A definição da matriz para o algoritmo seria, por exemplo: m[0,0] = 0 m[i,0] = i m[0,j] = j m[i,j] = min( m[i-1,j-1] + r(s1[i],s2[j]), m[i-1,j] + I, m[i,j-1] + R) r(c1,c2) = 0 se c1 = c2 = S se c1!= c2 No caso do exemplo dado, teriamos, por exemplo, que I = R = 1 e S = 10. b. Indique duas vantagens das linguagens declarativas. Explique. Nota: Relembre a framework AJAX e a respectiva linguagem de especificação de programas de limpeza de dados. Solução: 1) Abre oportunidades de optimização, porque a especificação lógica está separada da execução física dos operadores. 2) Os programas são mais concisos

4 Número: Nome: 4 2. (5 pts) XML: XSD, XPath, XSLT, XQuery Considere o ficheiro XML que se apresenta abaixo, que codifica informação sobre os servidores existentes num dado data center e a forma como estes se agrupam em clusters de servidores. <config> <servers> <server id="s1" fast="true">dumbo</server> <server id="s2">rudolph</server> <server id="s3">prancer</server> <server id="s4" fast="true">dancer</server> <server id="s5" fast="false">donner</server> <server id="s6">blitzen</server> <servers/> <clusters> <cluster id="c1" name="website"> <member>s1</member> <member>s2</member> <cluster id="c2" name="billing"> <member>s1</member> <member>s3</member> <member>s4</member> </clusters> <config> 2.1. (1 pt) Apresente expressões XPath que permitam responder às seguintes necessidades de informação.: a. Encontrar os "ids" de todos os clusters com um número ímpar de servidores. //cluster[count(member) mod 2 = b. Encontrar os servidores rápidos que pertençam a um cluster. //server[fast= true >= 0] 2.2. (1 pt) Apresente expressões XQuery que permitam responder às seguintes necessidades de informação. a. Encontrar todos os servidores que pertencem ao cluster de nome website. for $i in //server where return $i

5 Número: Nome: 5 b. Encontrar todos os servidores que não estão associados a nenhum cluster. for $i in //server where return $i 2.3. (1,5 pt) Considere o XML Schema (XSD) que se apresenta em baixo. Indique se ele permite validar o ficheiro XML codificando informação sobre clusters e servidores, justificando pelo menos três erros. Considere que os atributos id e name são de uso obrigatório. <?xml version="1.0"?><xs:schema xmlns:xs="http://www.w3.org/2001/xmlschema"> <xs:element name="config"> <xs:complextype> <xs:sequence> <xs:element name="servers"> <xs:complextype> <xs:sequence> <xs:element name="server"> <xs:simplecontent> <xs:extension base="xs:string"> <xs:attribute name="id" type="xs:string" use="required" /> <xs:attribute name="fast" type="xs:integer" use="required" /> </xs:extension> </xs:simplecontent> </xs:element> </xs:sequence> </xs:complextype> </xs:element> <xs:element name="clusters"> <xs:complextype> <xs:sequence> <xs:element name="cluster" maxoccurs="unbounded"> <xs:complextype> <xs:sequence> <xs:element name="member" type="xs:string" /> <xs:sequence> <xs:attribute name="id" type="xs:string" maxoccurs="1"/> <xs:attribute name="name" type="xs:string" use="required"/> </xs:complextype> </xs:element> </xs:sequence> </xs:complextype> </xs:element> </xs:sequence> </xs:complextype> </xs:element> </xs:schema>

6 Número: Nome: 6 Erro 1 - Faltam a indicação que o número máximo de ocorrências dos elementos server e member deve ser unbounded Erro 2 - falta a indicação que o atributo id do elemento member é de uso obrigatório "use=required" (o mesmo atributo tem um erro, referente à indicação maxoccurs=1) Erro 3 - O tipo de dados do atributo fast devia ser boolean ou string Erro 4 O elemento server deve ser definido com base num complextype

7 Número: Nome: (1,5 pts) Escreva uma XSLT que permita transformar o ficheiro XML original, contendo informação sobre servidores e clusters, num ficheiro XML com a estrutura que se apresenta abaixo. No exemplo apresentado, tenha em atenção ao facto de cada cluster incluir apenas os servidores que lhe pertencem. Os elementos <server> que não se encontram associados a nenhum elemento <cluster> não devem ser incluídos no resultado da transformação. <config> <cluster name="website"> <server name="dumbo"/> <server name="rudolph"/> <cluster name="billing"> <server name="prancer"/> <server name="dancer"/> </config> <x:stylesheet version="1.0" xmlns:x="http://www.w3.org/1999/xsl/transform"> <x:output method="xml" version="1.0" /> <x:template match="/"> <x:element name="config"> <x:for-each select="//cluster"> <x:element name="cluster"> <x:attribute name="name" <x:for-each select="member"> <x:variable name="aux" select="data(.)" /> <x:element name="server"> <x:attribute name="name" </x:element> </x:for-each> </x:element> </x:for-each> </x:element> </x:template> </x:stylesheet>

8 Número: Nome: 8 3. (3 pts) Extracção de Informação 3.1. (1 pt) Considere o alfabeto composto pelos símbolos A, B, C e D. Escreva expressões regulares que reconheçam: a) Sequências com um número ímpar de As. [BCD]*A([BCD] A[BCD]*A)* b) Sequências formadas por pares com os símbolos A,B e C, em que: - cada par é sempre separado por uma sequência de Ds, e - cada par tem de ser formado por símbolos diferentes (i.e., não são permitidos os pares AA, BB e CC). ((A[BC] B[AC] C[AB])D+(A[BC] B[AC] C[AB])) (2 pts) Considere o seguinte conjunto de anúncios publicitários, semelhantes aos que normalmente são encontrados em páginas Web Suplementos Alimentares Vários Suplementos Alimentares aos melhores preços! Ent. 24H Encomende nos seus grossistas. Flores portuguesas Vamos satisfazer os seus Desejos! Turismo Portugal Poupe até 70 % Reservas online em Portugal Entregamos em todo o país Vinhos Portugueses Veja as nossas Promoções Hoje

9 Número: Nome: 9 Suponha que pretende analisar automaticamente estes anúncios e outros semelhantes para determinar qual o produto vendido (no exemplo: suplementos alimentares, flores, reservas online e vinhos). Sugira um Hidden Markov Model que possa ser usado para resolver este problema. Nomeadamente, indique: - quais os estados que consideraria - quais os símbolos emitidos pelo modelo - quais as probabilidades associadas a cada estado, símbolo e transição. Responda a esta questão desenhando o modelo. Justifique as suas decisões. Nesta aplicação de um HMM, os símbolos correspondem ao que é observado e os estados ao que pretendemos determinar. Sendo assim, observando os anúncios disponíveis (e assumindo que estes são representativos de todos os anúncios), temos: Estados: URL - url do vendedor Produto - produto vendido Slogan - frases publicitárias Símbolos: Os símbolos são todas as palavras no vocabulário total dos anúncios. As probabilidades iniciais de cada estado são calculadas verificando, quantos anúncios começam com uma frase do estado correspondente. Por exemplo, 2 em 4 anúncios começam com uma URL, logo a probabilidade inicial o estado URL é 2/4 = 0,5. As probabilidades de emitir um símbolo p num dado estado i calculam-se contando o número de vezes que a palavra p ocorre no estado i, sobre o número total de ocorrências da palavra. Por exemplo, a palavra "suplemento" ocorre duas vezes no total e uma vez no estado Produto, logo a probabilidade de ocorrência de "suplemento" no estado Produto é 1/2 = 0,5. A probabilidade de transição do estado i para o estado j podem ser calculadas contando, para cada passagem da palavra p1 para a palavra p2, em quantas p1 estava no estado i e p2 estava no estado j. Por exemplo, ao percorrermos os anúncios, vemos que existem 17 casos em que partimos de uma palavra na URL para outra palavra qualquer. Desses 17 casos, em 4 partimos para uma palavra no Produto. Logo, a probabilidade de passar de URL para Produto é de 4/17 = 0,24. Note-se que esta é apenas uma possível solução, existindo diversos outros algoritmos para construir HMMs com base em exemplos. Os cálculos dariam origem ao HMM da figura seguinte (onde é omitida a representação dos símbolos, por razões de legibilidade).

10 Número: Nome: (4 pts) Integração de dados Os dois ficheiros XML que se apresentam abaixo codificam informação sobre os servidores existentes num dado datacenter e a forma como estes se agrupam em clusters de servidores. <datacenter> <cluster name="website"> <server name="dumbo" fast="true"/> <server name="rudolph"/> <cluster name="billing"> <server name="prancer"/> <server name="dancer" fast="true"/> <individual-servers> <server name="donner" fast="true"/> <server name="blitzen"/> </individual-servers> </datacenter> <config> <clusters> <cluster> <name>data</name> <nmachines>2</nmachines> <server>hdfs1</server> <server>hdfs2</server> <cluster> <name> </name> <nmachines>2</nmachines> <server> 1</server> <server> 2</server> </clusters <ind-server name="web"/> <ind-server name="gibson"/> </config>

11 Número: Nome: (1 pt) Apresente, sobre a forma de um documento XML, um formato de representação comum para as duas fontes de dados apresentadas acima. <datacenter> <clusters> <cluster> <name>website</name> <nmachines>2</nmachines> <server fast="true">dumbo</server> <server>rudolph</server> <cluster> <name>billing</name> <nmachines>2</nmachines> <server name="prancer"/> <server name="dancer" fast="true"/> </clusters> <individual-servers> <server fast="true">donner</server> <server>blitzen</server> </individual-servers> </datacenter> (1,5 pts) Apresente views em XQuery que convertam a informação das fontes de dados originais para o formato de representação comum (i.e. dois wrappers). declare function local:wrapper1() { let $doc :=... return <datacenter> {( <clusters>{ for $i in $doc//cluster return <cluster> <nmachines>{count($i/server)}</nmachines> {for $j in $i/server return <server <admin>{$i/admin}</admin> }</clusters>, <individual-servers>{ for $i in $doc//individual-servers/server return <server }</individual-servers> )} </datacenter> );

12 Número: Nome: 12 declare function local:wrapper2() { let $doc :=... return <datacenter> {( <clusters>{ for $i in $doc//clusters/cluster return <cluster> <name>{$i/name}</name> <nmachines>{$i/nmachines}</nmachines> {for $j in $i/server return <server <admin/> }</clusters>, <individual-servers>{ for $i in $doc//ind-server return <server }</individual-servers> )} </datacenter> ); 4.3. (1,5 pts) Apresente uma view em XQuery que permita consolidar a informação das duas views definidas na alínea 1.3 (i.e. um mediador), retornando a união das duas fontes de dados. declare function local:mediator() { <datacenter> <clusters>{ for $i in local:wrapper1()//clusters/cluster union local:wrapper2()//clusters/cluster return $i }</clusters> <individual-servers>{ for $i in local:wrapper1()//individual-servers/server union local:wrapper2()//individual-servers/server return $i }</individual-servers> </datacenter> };

13 Número: Nome: (4 pts) Limpeza e transformação de dados 5.1. (1pt) Considere as seguintes sequências de caracteres: i) SOPAPO ii) SOPADESAPO Usando o algoritmo de programação dinâmica: a) Calcule a distância de edição entre as sequências Solução: A distancia de edição é 4. Solução: b) Indique um possível alinhamento mínimo. Tendo em conta os percursos apresentados na alínea anterior, dois alinhamentos são possíveis: S O P A D E S A P O S O P A P O S O P A D E S A P O S O P A P O 5.2. (1,5 pts) Considere as mesmas duas cadeias de caracteres da alínea 5.1. a) Calcule o número de 2-grams em comum. b) Calcule a distância de edição entre as duas cadeias baseada em 2-grams. c) No contexto da detecção de cadeias de caracteres aproximadamente duplicadas, indique para que casos é mais apropriado usar a medida de distância usada na alínea 5.1, e em que casos é mais apropriado usar a medida de distância desta alínea.

14 Número: Nome: 14 Solução: a) SOPAPO: SO, OP, PA, AP, PO SOPADESAPO: SO; OP, PA, AD, DE, ES, SA, AP, PO Nº de 2-grams em comum: 5 b) SQRT((1-1)^2 + (1-0)^2*4) = SQRT(4) = 2 c) Distância de edição baseada em n-grams é mais adequada para cadeias de caracteres em que há troca na ordem dos caracteres; a baseada em programação dinâmica no caso contrário (1,5 pts) Considere a seguinte tabela com registos sobre pessoas: Nome Cod. Postal Localidade Concelho Maria Amélia Agadão, Águeda Francisco Martins Casinhas Porto Santo Pedro Carvalho Porto Santo Lisboa Diogo Antunes Agueda Águeda Pedro Carvallo Porto Santo Porto Santo Joana Almeida Aguada de Baixo Águeda Maria Amália Águeda Águeda João de Sousa Matas Porto Santo Escreva um script em SQL para detectar e consolidar registos aproximadamente duplicados nesta tabela. Se invocar funções externas dentro das interrogações SQL, indique qual a semântica das funções. Solução: % f1 e f2 são funções de semelhança entre cadeias de caracteres; f3 e f4 são funções que, dadas duas cadeias de caracteres como entrada, retornam uma só de saída; assumimos como critério de semelhança entre dois registos da tabela, terem os nomes e as localidades semelhantes, e os códigos postais iguais % SELECT f3(t1.nome, T2.nome) nome, T1.codPostal, f4(t1.localidade, T2.localidade) localidade localidade, T1.concelho FROM T T1, T T2 WHERE f1(t1.nome, T2.nome) > K1 AND f2(t1.localidade, T2.localidade) > K2 AND T1.codPostal = T2.codPostal

Número: Nome: 1 --------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Número: Nome: 1 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Número: Nome: 1 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------- INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Gestão e Tratamento de Informação Exame: tipo Dezembro

Leia mais

Gestão e Tratamento de Informação 1º semestre

Gestão e Tratamento de Informação 1º semestre DepartamentodeEngenhariaInformática 20010/2011 GestãoeTratamentodeInformação1ºsemestre Laboratório1 Exercícios Nestaauladelaboratórioiremosresolverexercíciosrelacionadoscomarepresentaçãode dadosemxml,validaçãodedocumentosxmlcomxmlschemas,interrogaçõesadados

Leia mais

Introdução e motivação SGBD XML Nativo Consultas em SGBDs XML Prática. Bancos de dados XML. Conceitos e linguagens de consulta

Introdução e motivação SGBD XML Nativo Consultas em SGBDs XML Prática. Bancos de dados XML. Conceitos e linguagens de consulta Bancos de dados XML Conceitos e linguagens de consulta Sidney Roberto de Sousa MC536 - Bancos de Dados: Teoria e prática Material base: W3Schools XPath and XQuery Tutorial http://www.w3schools.com/xpath/

Leia mais

Limpeza e transformação de dados

Limpeza e transformação de dados SAD: 4º Projecto DW Limpeza e transformação de dados Suponha a operação de junção aproximada, que pode ser expressa pelo operador Match da framework de limpeza e transformação e dados AJAX. Pretende utilizar

Leia mais

Gestão e Tratamento de Informação 1º semestre

Gestão e Tratamento de Informação 1º semestre DepartamentodeEngenhariaInformática 2010/2011 GestãoeTratamentodeInformação1ºsemestre Laboratório5 Exercícios Nesta aula iremos resolver exercícios envolvendo a extracção e a transformação de informação

Leia mais

Gestão e Tratamento de Informação 1º semestre

Gestão e Tratamento de Informação 1º semestre DepartamentodeEngenhariaInformática 2010/2011 GestãoeTratamentodeInformação1ºsemestre Laboratório6 Exercícios Nesta aula de laboratório iremos resolver exercícios relacionados com extracção de informaçãoeprocessamentodedocumentostextuais.

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Administração e Optimização de Bases de Dados

INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Administração e Optimização de Bases de Dados Número: Nome: 1 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------- INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Administração e Optimização de Bases de Dados Exame

Leia mais

SIOE-E: WebService público DGAEP

SIOE-E: WebService público DGAEP SIOE-E: WebService público DGAEP Índice 1 Introdução... 5 2 SIOESERVICE... 6 2.1 Search... 6 2.1.1 Request... 6 2.1.2 Response... 42 2.2 Get... 43 2.2.1 FetchInfo... 44 2.2.2 GetResponse... 48 3 Adenda...

Leia mais

XML: uma introdução prática X100. Helder da Rocha (helder@argonavis.com.br)

XML: uma introdução prática X100. Helder da Rocha (helder@argonavis.com.br) XML: uma introdução prática X100 Helder da Rocha (helder@argonavis.com.br) Atualizado em Jan 2003 O que é um Esquema XML? Documentos que aderem à especificação (válidos) O esquema representa uma classe

Leia mais

Administração e Optimização de BDs

Administração e Optimização de BDs Departamento de Engenharia Informática 2010/2011 Administração e Optimização de BDs Mini-Projecto 1 2º semestre A resolução deve ser claramente identificada com o número de grupo e entregue sob a forma

Leia mais

XML e Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro DCC/IM/UFBA

XML e Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro DCC/IM/UFBA XML e Banco de Dados DCC/IM/UFBA Banco de Dados na Web Armazenamento de dados na Web HTML muito utilizada para formatar e estruturar documentos na Web Não é adequada para especificar dados estruturados

Leia mais

XML para transferência de dados Estrutura hierárquica do XML DTDs e XML Schema Consultas de documentos XML: XPath e XQuery Transformação de

XML para transferência de dados Estrutura hierárquica do XML DTDs e XML Schema Consultas de documentos XML: XPath e XQuery Transformação de Capítulo 9: XML XML para transferência de dados Estrutura hierárquica do XML DTDs e XML Schema Consultas de documentos XML: XPath e XQuery Transformação de documentos XML: XSLT Mapeamento entre documentos

Leia mais

O que queremos. Processamento Estatístico da Linguagem Natural. Parsing Morfológico. Regras Simples. Adicionando palavras. Regras Derivacionais

O que queremos. Processamento Estatístico da Linguagem Natural. Parsing Morfológico. Regras Simples. Adicionando palavras. Regras Derivacionais Processamento Estatístico da Linguagem Natural Aula 5 Professora Bianca (Sala 302 Bloco E) bianca@ic.uff.br http://www.ic.uff.br/~bianca/peln/ O que queremos Algo que faça automaticamente um mapeamento

Leia mais

Limpeza e transformação de dados (SSIS)

Limpeza e transformação de dados (SSIS) SAD: 4º Projecto DW Limpeza e transformação de dados (SSIS) Suponha a operação de junção aproximada, e que pretende utilizar esta operação para detectar registos aproximadamente duplicados de Clientes..A

Leia mais

Sistemas Distribuídos na WEB (Plataformas para Aplicações Distribuídas) XML Origens. HTML Problemas

Sistemas Distribuídos na WEB (Plataformas para Aplicações Distribuídas) XML Origens. HTML Problemas Sistemas Distribuídos na WEB (Plataformas para Aplicações Distribuídas) (extensible( Markup Language ) Origens (extensible Markup Language linguagem de marcação extensível) Criada em 1996 pelo W3C (World

Leia mais

Tarefa Orientada 13 Agrupamento e sumário de dados

Tarefa Orientada 13 Agrupamento e sumário de dados Tarefa Orientada 13 Agrupamento e sumário de dados Objectivos: Funções de agregação Agrupamento e sumário de dados Funções de agregação Nesta tarefa orientada iremos formular consultas que sumariam os

Leia mais

Roteiro para Transmissão Ambiente de Testes da Guias Online

Roteiro para Transmissão Ambiente de Testes da Guias Online Roteiro para Transmissão Ambiente de Testes da Guias Online (GRH) Acessar o sistema pelo site: http://www.sdas.org.br/ Acessar o sistema com o Usuário: 9999 e Senha: PMG52 Será disponibilizado o ambiente

Leia mais

http://rogerioaraujo.wordpress.com Série Rações Semanais XML Schema Rogério Araújo

http://rogerioaraujo.wordpress.com Série Rações Semanais XML Schema Rogério Araújo http://rogerioaraujo.wordpress.com Série Rações Semanais XML Schema Rogério Araújo http://rogerioaraujo.wordpress.com Série Rações Semanais XML Schema Rogério Araújo Questões Eu descobri que sempre tenho

Leia mais

Metodos de Programação

Metodos de Programação Metodos de Programação Métodos de Programação Introdução Informática, Computador, Algoritmo Informática: Ciência do processamento da informação Computador: Máquina que serve para processar informação Algoritmo:

Leia mais

Departamento de Informática

Departamento de Informática Departamento de Informática Licenciatura em Engenharia Informática Sistemas Distribuídos exame de recurso, 9 de Fevereiro de 2012 1º Semestre, 2011/2012 NOTAS: Leia com atenção cada questão antes de responder.

Leia mais

Programação SQL. INTRODUÇÃO II parte

Programação SQL. INTRODUÇÃO II parte Programação SQL INTRODUÇÃO II parte Programação SQL SELECT; INSERT; UPDATE; DELETE. Este conjunto de comandos faz parte da sublinguagem denominada por DML Data Manipulation Language (Linguagem de manipulação

Leia mais

Desmistificando XML: da Pesquisa à Prática Industrial

Desmistificando XML: da Pesquisa à Prática Industrial Capítulo 5 Desmistificando XML: da Pesquisa à Prática Industrial Mirella M. Moro, Vanessa Braganholo Abstract XML is a language for specifying semi or completely structured data. It has been widely explored

Leia mais

Tabela de Símbolos. Análise Semântica A Tabela de Símbolos. Principais Operações. Estrutura da Tabela de Símbolos. Declarações 11/6/2008

Tabela de Símbolos. Análise Semântica A Tabela de Símbolos. Principais Operações. Estrutura da Tabela de Símbolos. Declarações 11/6/2008 Tabela de Símbolos Análise Semântica A Tabela de Símbolos Fabiano Baldo Após a árvore de derivação, a tabela de símbolos é o principal atributo herdado em um compilador. É possível, mas não necessário,

Leia mais

Bases de dados semi-estruturadas, XML

Bases de dados semi-estruturadas, XML Bases de dados semi-estruturadas, XML Fernando Lobo Base de Dados, Universidade do Algarve 1 / 40 Modelo de informação semi-estruturado Esquema está impĺıcito nos dados. Ao invés do modelo relacional,

Leia mais

Processamento de dados XML

Processamento de dados XML Processamento de dados XML César Vittori cvittori@inf.ufrgs.br Outubro de 2000 Resumo Considerações no desenvolvimento de software para processar dados XML. Processamento de uma DTD para interpretar marcação

Leia mais

Licenciatura em Engenharia Informática Sistemas Distribuídos I 2ª chamada, 6 de Julho de 2005 2º Semestre, 2004/2005

Licenciatura em Engenharia Informática Sistemas Distribuídos I 2ª chamada, 6 de Julho de 2005 2º Semestre, 2004/2005 Departamento de Informática Faculdade de Ciências e Tecnologia UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Licenciatura em Engenharia Informática Sistemas Distribuídos I 2ª chamada, 6 de Julho de 2005 2º Semestre, 2004/2005

Leia mais

QUESTÃO 01 - DIAGRAMA DE SEQUENCIA (CONCEITOS)

QUESTÃO 01 - DIAGRAMA DE SEQUENCIA (CONCEITOS) Campus Cachoeiro de Itapemirim Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas Curso Técnico em Informática Professor: Rafael Vargas Mesquita Bimestre 02 - Avaliação 03 - Assunto: Diagrama de Sequência Aluno:

Leia mais

Algoritmos e Estrutura de Dados. Introdução a Linguagem Python (Parte I) Prof. Tiago A. E. Ferreira

Algoritmos e Estrutura de Dados. Introdução a Linguagem Python (Parte I) Prof. Tiago A. E. Ferreira Algoritmos e Estrutura de Dados Aula 1 Introdução a Linguagem Python (Parte I) Prof. Tiago A. E. Ferreira Linguagem a ser Utilizada? Nossa disciplina é de Algoritmos e Estrutura de Dados, e não de linguagem

Leia mais

PROVA MODELO 2015. Duração da prova: 120 minutos

PROVA MODELO 2015. Duração da prova: 120 minutos Página 1 de 8 Provas especialmente adequadas destinadas a avaliar a capacidade para a frequência do ensino superior dos maiores de 3 anos, Decreto-Lei n.º 64/006, de 1 de março AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE

Leia mais

Consultas (Queries) ou Interrogações

Consultas (Queries) ou Interrogações Consultas (Queries) ou Interrogações Principal finalidade das interrogações: Extracção, manipulação (inserção, alteração e remoção) e definição de dados. As interrogações mais comuns destinam-se a pesquisar

Leia mais

XDocValidator: Uma Interface Gráfica Para Atualização e Validação Incremental de Documentos XML

XDocValidator: Uma Interface Gráfica Para Atualização e Validação Incremental de Documentos XML XDocValidator: Uma Interface Gráfica Para Atualização e Validação Incremental de Documentos XML Fabio Pasquali 1, Denio Duarte 2 1 Universidade Comunitária Regional de Chapecó / Unochapecó CETEC 2 Universidade

Leia mais

SQL Linguagem de Manipulação de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri

SQL Linguagem de Manipulação de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri SQL Linguagem de Manipulação de Dados Banco de Dados SQL DML SELECT... FROM... WHERE... lista atributos de uma ou mais tabelas de acordo com alguma condição INSERT INTO... insere dados em uma tabela DELETE

Leia mais

Princípio dos anos 70 IBM desenvolve a linguagem Sequel para o System R. Standards ISO e ANSI SQL-86, SQL-89, SQL-92, SQL:1999, SQL:2003

Princípio dos anos 70 IBM desenvolve a linguagem Sequel para o System R. Standards ISO e ANSI SQL-86, SQL-89, SQL-92, SQL:1999, SQL:2003 Bases de Dados Introdução à linguagem SQL História Princípio dos anos 70 IBM desenvolve a linguagem Sequel para o System R Renomeada para SQL (Structured Query Language) Standards ISO e ANSI SQL-86, SQL-89,

Leia mais

Teoria da Computação Linguagens e Expressões Regulares, Autómatos de Estados Finitos

Teoria da Computação Linguagens e Expressões Regulares, Autómatos de Estados Finitos Teoria da Computação Linguagens e Expressões Regulares, Autómatos de Estados Finitos Simão Melo de Sousa 12 de Outubro de 2011 Conteúdo 1 Linguagens e Expressões Regulares 2 2 Autómatos de Estados Finitos

Leia mais

Tarefa Orientada 12 Junção Externa, Auto-Junção e União

Tarefa Orientada 12 Junção Externa, Auto-Junção e União Tarefa Orientada 12 Junção Externa, Auto-Junção e União Objectivos: Junção externa (Outer JOIN) Junção externa à esquerda (LEFT Outer JOIN) Junção externa à direita (RIGHT Outer JOIN) Junção externa completa

Leia mais

Introdução ao XML. Extensible Markup Language

Introdução ao XML. Extensible Markup Language Introdução ao XML Extensible Markup Language Tutorial - XML XML: Extensible Markup Language Uma linguagem de marcas na estruturação, no armazenamento e no transporte de dados na Web Gere os dados numa

Leia mais

Millennium ECO 2.0 (beta)

Millennium ECO 2.0 (beta) MILLENNIUM NETWORK Millennium ECO 2.0 (beta) Documentação Técnica (draft) 10/2013 Este documento contém as instruções para a utilização da biblioteca Millenium_Eco que se presta à comunicação de aplicativos

Leia mais

BACO BAse de Co-Ocorrências

BACO BAse de Co-Ocorrências BACO? BACO BAse de Co-Ocorrências Luís Sarmento O BACO é uma base de dados que guarda informação gerada a partir um processamento efectuado a um ou vários corpora. O objectivo: Permitir pesquisar rapidamente

Leia mais

Uma Abordagem Alternativa para o Armazenamento Electrónico de Dados: O Papel da Norma XML

Uma Abordagem Alternativa para o Armazenamento Electrónico de Dados: O Papel da Norma XML Uma Abordagem Alternativa para o Armazenamento Electrónico de Dados: O Papel da Norma XML Semana da Ciência e da Tecnologia 2002 FOR $l IN document( wwwestvipvpt/biblioteca/bdbiblioxml ) //livro WHERE

Leia mais

Programação SQL. Manipulação de Dados. DML Data Manipulation Language

Programação SQL. Manipulação de Dados. DML Data Manipulation Language Programação SQL Manipulação de Dados DML Data Manipulation Language Manipulação de Dados (DML) Os comandos INSERT, UPDATE, DELETE, são normalmente classificados como pertencendo a uma sublinguagem da linguagem

Leia mais

DICIONÁRIOS. template class Par { public: K chave; T valor; Par():chave(),valor()

DICIONÁRIOS. template<class K,class T> class Par { public: K chave; T valor; Par():chave(),valor() DICIONÁRIOS Esta estrutura inclui-se nos chamados contentores associativos, que não são mais do que uma colecção de estruturas de tipo Par, com dois membros de dados (chave de pesquisa e valor associado),

Leia mais

AULA 4 Manipulando Tabelas

AULA 4 Manipulando Tabelas 4.1 AULA 4 Manipulando Tabelas Nessa aula serão apresentadas algumas funcionalidades relativas a manipulação de tabelas de atributos no TerraView. Para isso será usado o banco de dados criado nas Aulas

Leia mais

Métodos Os métodos de uma classe podem ser classificados como construtores, destrutores, funções ou procedimentos.

Métodos Os métodos de uma classe podem ser classificados como construtores, destrutores, funções ou procedimentos. Métodos Os métodos de uma classe podem ser classificados como construtores, destrutores, funções ou procedimentos. Construtor: método executado por uma CLASSE (e não por um objeto, instância da classe)

Leia mais

JavaScript (Funções, Eventos e Manipulação de Formulários)

JavaScript (Funções, Eventos e Manipulação de Formulários) Linguagem de Programação para Web JavaScript (Funções, Eventos e Manipulação de Formulários) Prof. Mauro Lopes 1-31 23 Objetivos Iremos avançar um pouco mais em nosso estudo sobre o JavaScript. Iremos

Leia mais

Bases de Dados 2007/2008 Exame

Bases de Dados 2007/2008 Exame Exame 11 de Janeiro de 2008 Instituto Superior Técnico Departamento de Engenharia Informática Regras O exame tem a duração de 2h30m. A folha de capa deve ser identificada com o nome e número do aluno.

Leia mais

Série Desenvolvimento de Sistemas. Curso de XML. Conceito básicos, XML Schema, Namespaces, DOM/SAX, XPath, XSLT, XLink e XPointer.

Série Desenvolvimento de Sistemas. Curso de XML. Conceito básicos, XML Schema, Namespaces, DOM/SAX, XPath, XSLT, XLink e XPointer. Série Desenvolvimento de Sistemas Curso de XML Conceito básicos, XML Schema, Namespaces, DOM/SAX, XPath, XSLT, XLink e XPointer Rogério Araújo Série Desenvolvimento de Sistemas Curso de XML Conceitos básicos,

Leia mais

Ao conjunto total de tabelas, chamamos de Base de Dados.

Ao conjunto total de tabelas, chamamos de Base de Dados. O QUE É O ACCESS? É um sistema gestor de base de dados relacional. É um programa que permite a criação de Sistemas Gestores de Informação sofisticados sem conhecer linguagem de programação. SISTEMA DE

Leia mais

SQL UMA ABORDAGEM INTERESSANTE

SQL UMA ABORDAGEM INTERESSANTE SQL é uma linguagem de consulta estruturada, do inglês Structured Query Language. É uma linguagem de pesquisa declarativa para banco de dados relacional (base de dados relacional). Muitas das características

Leia mais

Ajax não é dependente dos servidores Web, e como tal poderá ser usado com PHP, JSP, ASP e ASP.NET.

Ajax não é dependente dos servidores Web, e como tal poderá ser usado com PHP, JSP, ASP e ASP.NET. 1 2 Ajax não é dependente dos servidores Web, e como tal poderá ser usado com PHP, JSP, ASP e ASP.NET. 3 Por todo o documento subentende-se: todos os seus componentes já anteriormente carregados: imagens,

Leia mais

Grupo I [6,6v] Responda com os valores que se observam depois da chamada acontecer. 1 Falta na mensagem de resposta. Valor retornado na chamada

Grupo I [6,6v] Responda com os valores que se observam depois da chamada acontecer. 1 Falta na mensagem de resposta. Valor retornado na chamada Número: Nome: Pági 1 de 6 LEIC/LETI 2013/14, Repescagem do 1º Teste de Sistemas Distribuídos, 1/7/14 Responda no enunciado, apes no espaço fornecido. Identifique todas as folhas. Duração: 1h30m Grupo I

Leia mais

Resolução de problemas e desenvolvimento de algoritmos

Resolução de problemas e desenvolvimento de algoritmos SSC0101 - ICC1 Teórica Introdução à Ciência da Computação I Resolução de problemas e desenvolvimento de algoritmos Prof. Vanderlei Bonato Prof. Cláudio Fabiano Motta Toledo Sumário Análise e solução de

Leia mais

Identificação das variáveis de entrada; resultados/variáveis de saída e método ou solução. (procedimentos e funções)

Identificação das variáveis de entrada; resultados/variáveis de saída e método ou solução. (procedimentos e funções) Aulas anteriores... Formulação adequada do problema Identificação das variáveis de entrada; resultados/variáveis de saída e método ou solução Definição do algoritmo Método de decomposição hierárquica utilizando

Leia mais

PLANIFICAÇÃO MODULAR

PLANIFICAÇÃO MODULAR Direção Regional de Educação Centro AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MIRA ESCOLA SECUNDÁRIA/3º DR.ª M.ª CÂNDIDA ENSINO PROFISSIONAL DE NÍVEL SECUNDÁRIO POR MÓDULOS Curso Profissional em funcionamento no âmbito

Leia mais

Linguagens Formais e Compilação Ficha de exercícios

Linguagens Formais e Compilação Ficha de exercícios Linguagens Formais e Compilação Ficha de exercícios Simão Melo de Sousa 1 Linguagens Formais: Construir Frases Exercício 1 Para cada uma das gramáticas G seguintes, (a) descreva a linguagem L(G) gerada

Leia mais

Web de hoje (2.0) Porquê WEB 2.0?

Web de hoje (2.0) Porquê WEB 2.0? WEB 2.0 Conceitos O termo Web 2.0 refere-se a mudança para uma Internet como plataforma e um entendimento das regras para obter sucesso nesta nova plataforma. Segundo Tim O'Reilly, um dos criadores do

Leia mais

Capítulo 1. Linguagens e processadores

Capítulo 1. Linguagens e processadores Capítulo 1. 1. Linguagens 1.1. Definição Definição : Uma linguagem L sobre um alfabeto, também designado com frequência por vocabulário, V, é um conjunto de frases, em que cada frase é uma sequência de

Leia mais

Algoritmos e Programação (Prática) Profa. Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br

Algoritmos e Programação (Prática) Profa. Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br (Prática) Profa. Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br Introdução O computador como ferramenta indispensável: Faz parte das nossas vidas; Por si só não faz nada de útil; Grande capacidade de resolução

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO DO FRAMEWORK - versão 2.0

DOCUMENTAÇÃO DO FRAMEWORK - versão 2.0 DOCUMENTAÇÃO DO FRAMEWORK - versão 2.0 Índice 1 - Objetivo 2 - Descrição do ambiente 2.1. Tecnologias utilizadas 2.2. Estrutura de pastas 2.3. Bibliotecas já incluídas 3 - Características gerais 4 - Criando

Leia mais

Histórico de Revisões

Histórico de Revisões 1 Histórico de Revisões Data Versão Responsável Histórico 16/03/2012 1.0 Robson M. Matos Elaboração da documentação técnica 24/10/2014 2.0 Robson M. Matos Atualização da documentação técnica 2 Histórico

Leia mais

LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO WEB

LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO WEB LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO WEB GABRIELA TREVISAN Formulários e Aula 3 Relembrando HTML 5 Tag Form o Utilizada para marcar a região do formulário. o Os atributos mais importantes são o method e o action.

Leia mais

ACTOS PROFISSIONAIS GIPE. Gabinete de Inovação Pedagógica

ACTOS PROFISSIONAIS GIPE. Gabinete de Inovação Pedagógica ACTOS PROFISSIONAIS GIPE Gabinete de Inovação Pedagógica Cooptécnica Gustave Eiffel, CRL Venda Nova, Amadora 214 996 440 910 532 379 Março, 2010 GESTÃO E PROGRAMAÇÃO DE SISTEMAS INFORMÁTICOS 1 GIPE - Gabinete

Leia mais

FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA MESTRADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Projeto e Análise de Algoritmos II Lista de Exercícios 2

FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA MESTRADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Projeto e Análise de Algoritmos II Lista de Exercícios 2 FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA MESTRADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Projeto e Análise de Algoritmos II Lista de Exercícios 2 Prof. Osvaldo. 1. Desenvolva algoritmos para as operações abaixo e calcule a complexidade

Leia mais

AULA 1: PARADIGMAS DE PROGRAMAÇÃO

AULA 1: PARADIGMAS DE PROGRAMAÇÃO 1 AULA 1: PARADIGMAS DE PROGRAMAÇÃO Curso: Ciência da Computação Profª.: Luciana Balieiro Cosme Ementa 2 Programação Imperativa. Programação Paralela e Concorrente. Programação Lógica. Programação Funcional.

Leia mais

Construindo portais com Plone. Módulo 3 Templates

Construindo portais com Plone. Módulo 3 Templates Construindo portais com Plone Módulo 3 Templates Templates l Quando o Plone vai mostrar uma página, duas perguntas precisam ser respondidas: Ø O que será mostrado? Isto é, quais conteúdos serão buscados

Leia mais

Injeção de SQL - Detecção de evasão

Injeção de SQL - Detecção de evasão Injeção de SQL - Detecção de evasão Resumo A detecção dos ataques de injeção de SQL era feita inicialmente com o uso de técnicas de reconhecimento de padrões, verificados contra assinaturas e palavraschave

Leia mais

Aula 01. - Bibliografia - Definições - Operadores - Criação de um algoritmo - Exercícios. Algoritmo e Programação. Prof. Fábio Nelson.

Aula 01. - Bibliografia - Definições - Operadores - Criação de um algoritmo - Exercícios. Algoritmo e Programação. Prof. Fábio Nelson. - Bibliografia - Definições - Operadores - Criação de um algoritmo - Exercícios Aula 01 Slide 1 BIBLIOGRAFIA SCHILDT H. C Completo e Total, Makron Books. SP, 1997. Curso de linguagem C da UFMG. ZIVIANI,

Leia mais

Ajax Asynchronous JavaScript and Xml

Ajax Asynchronous JavaScript and Xml Ajax Asynchronous JavaScript and Xml Ajax permite construir aplicações Web mais interativas, responsivas, e fáceis de usar que aplicações Web tradicionais. Numa aplicação Web tradicional quando se prime

Leia mais

Tarefa Orientada 16 Vistas

Tarefa Orientada 16 Vistas Tarefa Orientada 16 Vistas Objectivos: Vistas só de leitura Vistas de manipulação de dados Uma vista consiste numa instrução de SELECT que é armazenada como um objecto na base de dados. Deste modo, um

Leia mais

Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO

Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO Curso Profissional de Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos MÓDULO VII Acesso a Bases de Dados via Web Duração: 50 tempos Conteúdos (1) Conceitos

Leia mais

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Agenda Estrutura Básica de consultas SQL: A cláusula SELECT; A cláusula FROM; A cláusula WHERE. Operação com cadeias

Leia mais

Apostila de Fundamentos de Programação I. Prof.: André Luiz Montevecchi

Apostila de Fundamentos de Programação I. Prof.: André Luiz Montevecchi Apostila de Fundamentos de Programação I Prof: André Luiz Montevecchi Introdução O mundo atual é dependente da tecnologia O uso intenso de diversos aparatos tecnológicos é parte integrante do nosso dia-a-dia

Leia mais

DESENVOLVENDO SOLUÇÕES COM VISUAL FOXPRO 8 E 9

DESENVOLVENDO SOLUÇÕES COM VISUAL FOXPRO 8 E 9 DESENVOLVENDO SOLUÇÕES COM VISUAL FOXPRO 8 E 9 Í N D I C E Capítulo 1 - O Início de Tudo 1 Reunindo todas as informações necessárias 2 Instalando o Visual FoxPro 2 Configurando o Visual FoxPro 7 Capítulo

Leia mais

Técnicas de Teste de Software

Técnicas de Teste de Software Técnicas de Teste de Software Fabrício Sousa fabricio@uesb.br Projeto de Caso de Teste Conjunto de técnicas para criação de casos de testes Série de casos de testes que tem grande probabilidade de encontrar

Leia mais

Faça um Site PHP 5.2 com MySQL 5.0 Comércio Eletrônico

Faça um Site PHP 5.2 com MySQL 5.0 Comércio Eletrônico Editora Carlos A. J. Oliviero Faça um Site PHP 5.2 com MySQL 5.0 Comércio Eletrônico Orientado por Projeto 1a Edição 2 Reimpressão São Paulo 2011 Érica Ltda. Noções Livrarse Preparação muitas muita Sumário

Leia mais

L A C Laboratory for Advanced Collaboration

L A C Laboratory for Advanced Collaboration Publicação de Dados Governamentais no Padrão Linked Data 3.1 Fundamentos de SPARQL Karin Breitman José Viterbo Edgard Marx Percy Salas L A C Laboratory for Advanced Collaboration Objetivo deste módulo

Leia mais

AJAX no GASweb. Mas e afinal, para que usamos o AJAX?

AJAX no GASweb. Mas e afinal, para que usamos o AJAX? Nível - Avançado AJAX no GASweb Por: Pablo Hadler AJAX (Asynchronous Javascript and XML) foi criado com o princípio de ser uma maneira rápida e otimizada de podermos fazer requisições Web, sendo esta totalmente

Leia mais

Faculdade de Medicina Dentária da Universidade de Lisboa 20º Curso Profissional de Assistente Dentário TIC Prof. Teresa Pereira

Faculdade de Medicina Dentária da Universidade de Lisboa 20º Curso Profissional de Assistente Dentário TIC Prof. Teresa Pereira Faculdade de Medicina Dentária da Universidade de Lisboa 20º Curso Profissional de Assistente Dentário TIC Prof. Teresa Pereira Ficha de revisão Fórmulas Excel ano lectivo 2006/2007 Introdução As Fórmulas

Leia mais

Programas simples em C

Programas simples em C Programas simples em C Problema 1. Escreve um programa em C que dados dois inteiros indique se são iguais ou qual o maior. Utilizar a construção em 5 etapas... quais? 1. Perceber o problema 2. Ideia da

Leia mais

Programação III / Estruturas de Dados. Enunciado do Trabalho Prático

Programação III / Estruturas de Dados. Enunciado do Trabalho Prático Programação III / Estruturas de Dados Enunciado do Trabalho Prático 1. Objectivo Pretende-se implementar uma base de dados que sirva para ajudar uma agência de viagens a planear as viagens a realizar pelos

Leia mais

EXAME DE 1ª ÉPOCA Semestre de Verão 2004/2005 20 Junho 2005 duração: 2h30m

EXAME DE 1ª ÉPOCA Semestre de Verão 2004/2005 20 Junho 2005 duração: 2h30m ISEL DEETC SSIC EXAME DE 1ª ÉPOCA Semestre de Verão 2004/2005 20 Junho 2005 duração: 2h30m Introdução aos Sistemas de Informação Engenharia Informática e Computadores Ano Lectivo: 2004 / 2005 2º Sem. Docente:

Leia mais

Bacharelado em Ciência da Computação Matemática Discreta

Bacharelado em Ciência da Computação Matemática Discreta Bacharelado em Ciência da Computação Matemática Discreta Prof. Diego Mello da Silva Instituto Federal de Minas Gerais - Campus Formiga 19 de fevereiro de 2013 diego.silva@ifmg.edu.br (IFMG) Matemática

Leia mais

Aplicabilidade: visão geral

Aplicabilidade: visão geral CURSO BÁSICO SAXES 2 Aplicabilidade: visão geral BI Comércio Indústria nf-e Serviços Software house Enterprise Business Bus Banco financeiro Instituição Sindicato ERP html Casos 3 6 Customização: importação

Leia mais

Introdução ao Javascript

Introdução ao Javascript Programação WEB I Introdução ao Javascript Apresentação da Disciplina,Introdução a linguagem Javascript Objetivos da Disciplina Apresentar os principais conceitos da linguagem Javascript referente à programação

Leia mais

Comandos de Manipulação

Comandos de Manipulação SQL - Avançado Inserção de dados; Atualização de dados; Remoção de dados; Projeção; Seleção; Junções; Operadores: aritméticos, de comparação,de agregação e lógicos; Outros comandos relacionados. SQL SQL

Leia mais

Diagrama de entidades relacionamentos (abordado anteriormente) Diagrama de Fluxo de Dados (DFD)

Diagrama de entidades relacionamentos (abordado anteriormente) Diagrama de Fluxo de Dados (DFD) Diagrama de entidades relacionamentos (abordado anteriormente) Prod_Forn N N 1 Stock 1 1 N Prod_Enc N 1 N 1 Fornecedor Movimento Encomenda Diagrama de Fluxo de Dados (DFD) Ferramenta de modelação gráfica,

Leia mais

Resultados da Pesquisa

Resultados da Pesquisa Resultados da Pesquisa 1. Estratégia de Mensuração 01 As organizações devem ter uma estratégia de mensuração formal e garantir que a mesma esteja alinhada com os objetivos da empresa. Assim, as iniciativas

Leia mais

Gestão e Tratamento de Informação 1º semestre

Gestão e Tratamento de Informação 1º semestre DepartamentodeEngenhariaInformática 2010/2011 GestãoeTratamentodeInformação1ºsemestre Laboratório8 Exercícios Nestaaulairemosresolveralgunsexercíciosrelacionadoscomaconstruçãodemashups, i.e.aplicaçõeswebqueprocedemáintegraçãodedadoseserviçosdisponibilizadospor

Leia mais

Manual do Utilizador. PowerPoint 2013. Carlos Diniz

Manual do Utilizador. PowerPoint 2013. Carlos Diniz Manual do Utilizador PowerPoint 2013 Carlos Diniz Índice 1. Acerca do PowerPoint 2013... 3 1.1. Principais caraterísticas do PowerPoint 2013... 3 2. Trabalhar no interface do PowerPoint 2013... 3 2.1.

Leia mais

CHECK LIST RELATÓRIO ANUAL OP F&H

CHECK LIST RELATÓRIO ANUAL OP F&H CHECK LIST RELATÓRIO ANUAL OP F&H GPP/2013 1 Observações gerais 1. As OP (AOP) vão preencher apenas tabelas das secções 2 e 3, no total 6 tabelas, 3 p/ secção. 2. Todas as OP (AOP) vão preencher as tabelas

Leia mais

JSP - ORIENTADO A OBJETOS

JSP - ORIENTADO A OBJETOS JSP Orientação a Objetos... 2 CLASSE:... 2 MÉTODOS:... 2 Método de Retorno... 2 Método de Execução... 2 Tipos de Dados... 3 Boolean... 3 Float... 3 Integer... 4 String... 4 Array... 4 Primeira:... 4 Segunda:...

Leia mais

SQL: Interrogações simples

SQL: Interrogações simples SQL: Interrogações simples Fernando Lobo Base de Dados, Universidade do Algarve 1 / 20 Structured Query Language (SQL) É uma implementação da álgebra relacional incluindo os operadores extendidos. Contém

Leia mais

REGRAS DE CODIFICAÇÃO PARA O SMARTSHARE

REGRAS DE CODIFICAÇÃO PARA O SMARTSHARE REGRAS DE CODIFICAÇÃO PARA O SMARTSHARE 1. Como nomear variáveis, classes métodos e etc... Métodos descrevem ações, portanto todos os métodos DEVEM conter no mínimo um verbo SEMPRE no infinitivo. Toda

Leia mais

1 Lógica de Programação

1 Lógica de Programação 1 Lógica de Programação Técnicas de programação Programação Sequencial Programação Estruturada Programação Orientada a Eventos e Objectos 1.1 Lógica A lógica de programação é necessária para pessoas que

Leia mais

GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza O QUE É XML? Tecnologia desenvolvida pelo W3C http://www.w3c.org W3C: World Wide Web Consortium consórcio

Leia mais