Administração e Optimização de BDs

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Administração e Optimização de BDs"

Transcrição

1 Departamento de Engenharia Informática 2010/2011 Administração e Optimização de BDs Mini-Projecto 1 2º semestre A resolução deve ser claramente identificada com o número de grupo e entregue sob a forma de um relatório impresso, seguindo o template dado na página da cadeira. Deve ainda ser feita uma entrega electrónica do mesmo relatório (em formato PDF). 1. Considerando o SGBD relacional SQL Server 2008, responda às seguintes questões: a. Indique qual o comando T-SQL que permite criar uma base de dados (BD) com o seguinte conjunto de características: A BD deve chamar-se BaseDeDadosAOBD e deve conter um ficheiro de log e cinco ficheiros de dados em três filegroups diferentes (i.e., dois ficheiros de dados no filegroup primário, dois ficheiros de dados num filegroup secundário, e um ficheiro de dados num segundo filegroup secundário). O ficheiro de log deve ter um tamanho inicial de 25MB e um tamanho máximo de 350MB, enquanto que os ficheiros de dados devem ter um tamanho máximo ilimitado. O ficheiro de dados no segundo filegroup secundário deve ter um tamanho inicial de 50MB, e os restantes devem ter um tamanho inicial de 180MB. Todos os ficheiros devem crescer a uma taxa de 20%, exceptuando-se o ficheiro de dados no segundo filegroup secundário que deve crescer em 51200KB, sempre que necessário. b. Ao criar uma tabela de nome TabelaNaBaseDeDadosAOBD na base de dados BaseDeDadosAOBD, seria possível associar explicitamente o armazenamento da tabela TabelaNaBaseDeDadosAOBD a um dos ficheiros de dados que formam a base de dados? Justifique a sua resposta. c. Seria possível efectuar a criação da base de dados BaseDeDadosAOBD sem a indicação de um ficheiro de log? Justifique a sua resposta. d. Indique uma potêncial vantagem (i.e., uma situação em que existisse um claro benefício na utilização) para cada uma das seguintes situações: i. Existência de uma base de dados no SQL Server 2008 com vários ficheiros de dados dentro de um único filegroup. ii. Existência de uma base de dados no SQL Server 2008 com vários filegroups distíntos. 2. Considerando a base de dados da alínea anterior, responda às seguintes questões: a. Qual o comando T-SQL para criar uma tabela sobre a base de dados BaseDeDadosAOBD, considerando as características: IST/DEI Pág. 1 de 11

2 A tabela deverá chamar-se TabelaNaBaseDeDadosAOBD, tendo um atributo alfanumérico com um tamanho máximo de 10 caracteres e o nome IdentificadorAlfanumérico, um atributo alfanumérico de nome Dados com um tamanho máximo de 50 caracteres, e um atributo de nome CodigoAuxiliar correspondente a um valor numérico que assume valores únicos na relação (i.e., permite identificar cada tuplo da relação). A tabela deve ser particionada por forma a que todos os tuplos cujo CodigoAuxiliar seja superior a 500 e inferior a 5000 fiquem no segundo filegroup, os tuplos cujo CodigoAuxiliar seja superior a 50 e inferior a 500 fiquem no terçeiro filegroup, e todos os restantes tuplos fiquem no filegroup primário. b. Indique se o SQL Server 2008 iria construir automáticamente algum índice sobre a tabela TabelaNaBaseDeDadosAOBD desta pergunta. Em caso afirmativo, indique o tipo do índice, indique se o mesmo seria clustered ou non-clustered, e indique se o mesmo poderia ser esparso, justificando a sua resposta. Em caso afirmativo, indique ainda qual a razão de fundo que levaria o sistema a executar esta operação sem intervenção explícita do utilizador. c. Indique uma vantagem em ter a tabela TabelaNaBaseDeDadosAOBD particionada da forma descrita na primeira alínea deste exercício. Exemplifique a vantagem através de um cenário concreto envolvendo diferentes dispositivos de armazenamento (e.g., discos rígidos SCSI e IDE). 3. Considere que na tabela da pergunta anterior poderia existir um índice do tipo B+Tree sobre o atríbuto alfanumérico de nome Dados. a. Indique um comando T-SQL para criar um índice B+Tree sobre o atríbuto de nome Dados, considerando que o índice deve incluir também o atributo IdentificadorAlfanumérico, embora este não faça parte da chave de pesquisa. b. Considere que a estrutura de dados do tipo B+Tree da alínea anterior usaria um número máximo de 3 apontadores em cada bucket, e que os valores se encontram ordenados alfabeticamente. Mostre a estrutura da árvore B+Tree resultante da inserção sequencial de cada um dos seguintes valores: D, F, C, E, F, A, B. Desenhe claramente a árvore resultante de cada passo de inserção. No contexto desta pergunta, pode ignorar os valores do atributo IdentificadorAlfanumérico. c. Sobre o resultado da alínea anterior, mostre qual a árvore resultante após a remoção sequencial de cada um dos seguintes valores: D, E, C, B, F, E, A. Desenhe a árvore resultante de cada passo de remoção. d. Sobre a árvore resultante da alínea b), indique os passos envolvidos no algoritmo de pesquisa sobre a árvore B+Tree para as seguintes duas situações: i. Encontrar os registos com uma chave de pesquisa com o valor F. IST/DEI Pág. 2 de 11

3 ii. Encontrar os registos com chaves de pesquisa tomando valores entre A e C, inclusive. 4. Considere uma estrutura de dados do tipo extendable hash onde cada bucket armazena 2 registos. Considere ainda os seguintes registos e a chaves de hash que lhes correspondem: Primeiro 0000 Segundo 1001 Terceiro 0010 Quarto 0100 Quinto 1011 Sexto 0110 Sétimo 1000 Indique qual a estrutura obtida após a inserção sequencial de cada um dos valores acima, em cada um dos passos. Assuma que a ordem para a qual devem considerar os bits das chaves de hash é do bit menos significativo (direita) para o bit mais significativo (esquerda). 5. Considere uma base de dados no sistema SQL Server 2008, por exemplo a base de dados Adventure Works usada como demonstrador do sistema. a. Dê um exemplo de uma interrogação T-SQL onde a existência de um índice B+Tree, criado com a opção INCLUDE (i.e., um covering index) e com uma ordenação específica das chaves de pesquisa, poderia trazer benefícios. Indique qual o esquema das relações envolvidas e justifique o porquê da sua escolha, apresentando também uma instrução T-SQL para criar o índice. b. Dê um exemplo de uma interrogação T-SQL onde, caso o SQL Server 2008 tivesse suporte para tal, seria mais útil um índice do tipo hash do que um índice do tipo B+Tree. Indique qual o esquema das relações envolvidas e justifique o porquê da sua escolha. c. Dê um exemplo de uma interrogação T-SQL onde a utilização de um índice bitmap poderia trazer benifícios. Indique qual o esquema das relações envolvidas e quais os valores que os atributos envolvidos podem tomar. Justifique a sua escolha. IST/DEI Pág. 3 de 11

4 Abaixo encontram-se as resoluções para os problemas propostos no Mini-Projecto 1. Resolução do Problema 1 Pergunta 1.A CREATE DATABASE BaseDeDadosAOBD ON PRIMARY (NAME = BaseDeDadosAOBD_Primary_1, FILENAME=BaseDeDadosAOBD_Primary_F1.mdf, size=180mb, FILEGROWTH=20%), (NAME = BaseDeDadosAOBD_Primary_2, FILENAME = BaseDeDadosAOBD_Primary_F2.mdf, size = 180MB, FILEGROWTH = 20%), FILEGROUP SECONDARY_FIRST (NAME = BaseDeDadosAOBD_Secondary_1_F1, FILENAME=BaseDeDadosAOBD_Secondary_1_F1.ndf, size=180mb, FILEGROWTH=20%), (NAME = BaseDeDadosAOBD_Secondary_1_F2, FILENAME=BaseDeDadosAOBD_Secondary_1_F2.ndf, size=180mb, FILEGROWTH=20%), FILEGROUP SECONDARY_SECOND (NAME = BaseDeDadosAOBD_Secondary_2_F1, FILENAME=BaseDeDadosAOBD_Secondary_2_F1.ndf, size=50mb, FILEGROWTH=51200KB), LOG ON (NAME = BaseDeDadosAOBD_Log, FILENAME=BaseDeDadosAOBD_Log.ldf, size=25mb, MAXSIZE=350MB, FILEGROWTH=20%); Pergunta 1.B Não seria possível associar explicitamente o armazenamento da tabela TabelaNaBaseDeDadosAOBD a um dos ficheiros de dados, dado que o SQL Server 2008 apenas permite que os utilizadores associem explicitamente tabelas, índices ou partições de tabelas/índices a filegroups existentes. Pergunta 1.C Não seria possível criar a base de dados sem pelo menos um ficheiro correspondente ao log transaccional, dado que esta informação è fundamental à realização das operações de recuperação associadas ao rollback de transacções e à recuperação de falhas. Pergunta 1.D No primeiro caso, i.e. vários ficheiros num único filegroup, o sistema pode particionar os dados por vários ficheiros, podendo-se desta forma ter base de dados maiores do que o tamanho disponível num único disco rígido e podendo o sistema realizar leituras/escritas em paralelo. No segundo caso, i.e. vários ficheiros em vários filegroups, temos todas as vantagens associadas ao primeiro caso, podendo ainda os utilizadores associar partições específicas dos dados a filegroups distintos, optimizando desta forma o armazenamento dos dados de acordo com os padrões de utilização associados aos mesmos (e.g., colocando informação frequentemente acedida em dispositivos de armazenamento mais rápidos). IST/DEI Pág. 4 de 11

5 Resolução do Problema 2 Pergunta 2.A USE BaseDeDadosAOBD; CREATE PARTITION FUNCTION BaseDeDadosAOBD_Range1(INT) AS RANGE LEFT FOR VALUES (50,500,5000); CREATE PARTITION SCHEME BaseDeDadosAOBD_PartScheme1 AS PARTITION BaseDeDadosAOBD_Range1 TO ([PRIMARY], SECONDARY_SECOND,SECONDARY_FIRST,[PRIMARY]); CREATE TABLE TabelaNaBaseDeDadosAOBD ( IdentificadorAlfanumérico VARCHAR(10), Dados VARCHAR(50), CodigoAuxiliar INT NOT NULL UNIQUE) ON BaseDeDadosAOBD_PartScheme1(CodigoAuxiliar); Pergunta 2.B O atributo CodigoAuxiliar foi definido como a única chave candidata (i.e., um atríbuto UNIQUE e a relação não tem uma chave primária) e, como tal, o SQL Server 2008 cria um índice primário (i.e., clustered) automáticamente sobre este atributo. A razão pela qual o sistema cria automáticamente este índice relacionase com o facto dos atributos chave serem frequentemente utilizados em várias operações de selecção, inclusívem em joins entre tabelas. Estes índices podem portanto optimizar significativamente o desempenho da base de dados. O índice poderia ser esparso, uma vez que é clustered (i.e., os tuplos da relação seguem a mesma ordem da chave de pesquisa do índice, e como tal não é estritamente necessário armazenar todas as chaves de pesquisa do índice). Pergunta 2.C Podemos utilizar as partições por intervalos de valores por forma a associar explicitamente as partições dos dados a filegroups, consoante os seus padrões de acesso. Por exemplo, o intervalo de valores correspondendo aos tuplos mais acedidos pode ser associado a um filegroup em que os ficheiros estejam colocados num dispositivo de armazenamento mais rápido, enquanto que os restantes intervalos de valores, eventualmente correspondendo a um número de tuplos maior e com um número de acessos mais reduzido, pode ser colocado num filegroup em que os ficheiros sejam maiores e se encontrem colocados em dispositivos de armazenamento diferentes, eventualmente mais lentos mas também mais baratos ou mais fiáveis. IST/DEI Pág. 5 de 11

6 Resolução do Problema 3 Pergunta 3.A USE BaseDeDadosAOBD; CREATE INDEX dados_index ON TabelaNaBaseDeDadosAOBD(Dados) INCLUDE(IdentificadorAlfanumérico) ON BaseDeDadosAOBD_PartScheme1 (Dados)); Pergunta 3.B Nota: As árvores B+ não suportam directamente o armazenamento de elementos repetidos, sendo necessária a realização de alterações nos algoritmos de inserção e remoção de valores. Soluções comuns para o armazenamento de valores duplicados em árvores B+ envolvem o uso de um mecanismo externo de resolução das colisões, por exemplo através de uma lista de valores ligados associada às folhas da árvore B+. Na resolução apresentada para este exercício não se tratar a inserção de elementos duplicados. IST/DEI Pág. 6 de 11

7 Pergunta 3.C IST/DEI Pág. 7 de 11

8 Pergunta 3.D.i Começar na raiz da árvore B+ e percorrer o nó raiz até se encontrar um valor maior que F. Como esse valor não existe, segue-se o ponteiro correspondente a nós >= E. Repete-se o processo de pesquisa em cada nó intermédio da árvore B+ até chegarmos aos nós folha. Ao chegarmos a um nó folha, inicia-se uma pesquisa sequencial até se encontrar o valor F, terminando nesse caso ou ao encontrar o primeiro valor >F. Pergunta 3.D.ii Começar na raiz da árvore percorrer o nó raiz até se encontrar um valor maior que A. Como na raiz só existe o valor E, e sendo este maior que A, segue-se o ponteiro correspondente a nós < E. Repete-se o processo de pesquisa em cada nó intermédio da árvore B+ até chegarmos aos nós folha. Ao chegarmos a um nó folha inicia-se uma pesquisa sequencial até se encontrar o primeiro valor >= A. De seguida, pesquisa-se sequencialmente os valores seguintes nos nós folha da árvore B+, até se encontrar um valor > C, retornando neste caso os valores A, B e C. IST/DEI Pág. 8 de 11

9 Resolução do Problema 4 IST/DEI Pág. 9 de 11

10 Resolução do Problema 5 Pergunta 5.A SELECT EmployeeID, AddressID FROM HumanResources.EmployeeAddress WHERE EmployeeID>10 and EmployeeID<12; CREATE INDEX index1 ON HumanResources.EmployeeAddress (EmployeeID ASC) INCLUDE (AddressID); Como a interrogação possui um intervalo na condição de pesquisa, e como a condição de pesquisa é muito selectiva, sería útil ter um índice B+Tree. Como além do atributo envolvido na chave de pesquisa a querie envolve também um segundo atributo, e como o número de atributos na relação é elevado, seria útil incluir esse segundo atributo na chave de pesquisa do índice. IST/DEI Pág. 10 de 11

11 Pergunta 5.B SELECT EmployeeID FROM HumanResources.EmployeeAddress WHERE EmployeeID=10; Como a interrogação possui um pesquisa por igualdade sobre um atríbuto chave, numa relação com muitos tuplos, seria sería útil ter um índice Hash. Pergunta 5.C SELECT EmployeeID FROM HumanResources.Employee WHERE SalariedFlag=0 and Gender='F' and MaritalStatus='S'; A querie envolve selecções sobre um conjunto de atributos que pode assumir um número de valores muito reduzido, tendo-se que a criação online de um índice bitmap poderia ajudar na filtragem dos resultados. IST/DEI Pág. 11 de 11

INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Administração e Optimização de Bases de Dados

INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Administração e Optimização de Bases de Dados Número: Nome: 1 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------- INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Administração e Optimização de Bases de Dados Exame

Leia mais

Consistem num conjunto de apontadores para instâncias especificas de cada relação.

Consistem num conjunto de apontadores para instâncias especificas de cada relação. Mecanismo usado para mais fácil e rapidamente aceder à informação existente numa base de dados. Bases de Dados de elevadas dimensões. Consistem num conjunto de apontadores para instâncias especificas de

Leia mais

PostgreSQL Performance

PostgreSQL Performance PostgreSQL Performance André Restivo Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto February 24, 2012 André Restivo (FEUP) PostgreSQL Performance February 24, 2012 1 / 45 Sumário 1 Armazenamento 2 Índices

Leia mais

Administração e Optimização de BDs 2º semestre

Administração e Optimização de BDs 2º semestre DepartamentodeEngenhariaInformática 9/ AdministraçãoeOptimizaçãodeBDsºsemestre Mini Projecto Entregaa6deMarçode Aresoluçãodeveserclaramenteidentificadacomonúmerodegrupoeentreguesoba formadeumrelatórioimpresso,seguindootemplatedadonapáginadacadeira.

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Administração e Optimização de Bases de Dados

INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Administração e Optimização de Bases de Dados Número: Nome: 1 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------- INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Administração e Optimização de Bases de Dados Exame

Leia mais

Bases de Dados. Lab 1: Introdução ao ambiente

Bases de Dados. Lab 1: Introdução ao ambiente Departamento de Engenharia Informática 2010/2011 Bases de Dados Lab 1: Introdução ao ambiente 1º semestre O ficheiro bank.sql contém um conjunto de instruções SQL para criar a base de dados de exemplo

Leia mais

Bases de Dados 2007/2008 Exame

Bases de Dados 2007/2008 Exame Exame 11 de Janeiro de 2008 Instituto Superior Técnico Departamento de Engenharia Informática Regras O exame tem a duração de 2h30m. A folha de capa deve ser identificada com o nome e número do aluno.

Leia mais

Estruturas de Armazenamento e Indexação. Rafael Lage Moreira Barbosa 10.1.4217

Estruturas de Armazenamento e Indexação. Rafael Lage Moreira Barbosa 10.1.4217 Estruturas de Armazenamento e Indexação Rafael Lage Moreira Barbosa 10.1.4217 Estruturas de Armazenamento Banco de Dados são armazenados fisicamente como arquivos de registro, que em geral ficam em discos

Leia mais

Bases de Dados 2008/2009

Bases de Dados 2008/2009 Instituto Superior Técnico Bases de Dados 2008/2009 Exame de 30 de Janeiro de 2009 Sem consulta Duração: 2h30 1. Considere o seguinte cenário relativo a um stand de compra e venda de carros usados, em

Leia mais

Instituto Politécnico de Beja Escola Superior de Tecnologia e Gestão. GesStock. Engenharia Informática. Base de Dados II

Instituto Politécnico de Beja Escola Superior de Tecnologia e Gestão. GesStock. Engenharia Informática. Base de Dados II Instituto Politécnico de Beja Escola Superior de Tecnologia e Gestão GesStock Aplicação para Gestão de Stocks Engenharia Informática Base de Dados II Docente: Artur Lança Isabel Sofia Brito Nuno Gonçalo

Leia mais

Organização Física. ... Header registo ... ... Base de Dados. Table Space. Página. Data Page. registo. Header Página...

Organização Física. ... Header registo ... ... Base de Dados. Table Space. Página. Data Page. registo. Header Página... Organização Física 1 xx Base de Dados Table Space Header Página... Página...... Podem existir vários tipos Data pages, Allocation Map pages (AMP), Index pages,... Header registo registo Data Page... offset

Leia mais

EXAME DE 1ª ÉPOCA Semestre de Verão 2004/2005 20 Junho 2005 duração: 2h30m

EXAME DE 1ª ÉPOCA Semestre de Verão 2004/2005 20 Junho 2005 duração: 2h30m ISEL DEETC SSIC EXAME DE 1ª ÉPOCA Semestre de Verão 2004/2005 20 Junho 2005 duração: 2h30m Introdução aos Sistemas de Informação Engenharia Informática e Computadores Ano Lectivo: 2004 / 2005 2º Sem. Docente:

Leia mais

Bases de Dados. O ficheiro create-bank.sql contém um conjunto de instruções SQL para criar a base de dados de exemplo ilustrada na figura 1.

Bases de Dados. O ficheiro create-bank.sql contém um conjunto de instruções SQL para criar a base de dados de exemplo ilustrada na figura 1. Departamento de Engenharia Informática 2008/2009 Bases de Dados Lab 1: Introdução ao ambiente 1º semestre O ficheiro create-bank.sql contém um conjunto de instruções SQL para criar a base de dados de exemplo

Leia mais

Bases de Dados. Parte IX: Organização Física dos Dados

Bases de Dados. Parte IX: Organização Física dos Dados Bases de Dados Parte IX Organização Física dos Dados Unidades de Medida da Informação A unidade fundamental é o byte. byte corresponde a 8 bits e cada bit permite representar ou um 0 ou um. Kilobyte (Kbyte

Leia mais

Partitioning Partitioning table App. Partitioning SQL Server Partitioning Vantagens Partitioning Exemplo Passos a dar

Partitioning Partitioning table App. Partitioning SQL Server Partitioning Vantagens Partitioning Exemplo Passos a dar Quilson Antunes 1 2 3 4 5 6 7 Partitioning Partitioning table App. Partitioning SQL Server Partitioning Vantagens Partitioning Exemplo Passos a dar 19 de Agosto de 2011 Microsoft SQL Server Partitioning

Leia mais

Banco de Dados. Arquitetura e Terminologia. Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.

Banco de Dados. Arquitetura e Terminologia. Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo. Banco de Dados Arquitetura e Terminologia Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2015 Modelo de Dados e Esquemas O modelo de Banco de Dados é como um detalhamento

Leia mais

Disciplina de Banco de Dados Parte V

Disciplina de Banco de Dados Parte V Disciplina de Banco de Dados Parte V Prof. Elisa Maria Pivetta CAFW - UFSM Modelo de Dado Relacional O Modelo Relacional O Modelo ER é independente do SGDB portanto, deve ser o primeiro modelo gerado após

Leia mais

Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri. Banco de Dados Processamento e Otimização de Consultas

Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri. Banco de Dados Processamento e Otimização de Consultas Processamento e Otimização de Consultas Banco de Dados Motivação Consulta pode ter sua resposta computada por uma variedade de métodos (geralmente) Usuário (programador) sugere uma estratégia para achar

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INFORMÁTICA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INFORMÁTICA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INFORMÁTICA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA Sistemas Operativos 2003/2004 Trabalho Prático #2 -- Programação em C com ponteiros -- Objectivos Familiarização

Leia mais

Bases de Dados 2007/2008 Exame

Bases de Dados 2007/2008 Exame Exame 11 de Janeiro de 2007 Instituto Superior Técnico Departamento de Engenharia Informática Regras O exame tem a duração de 2h30m. A folha de capa deve ser identificada com o nome e número do aluno.

Leia mais

EXCEL. Listas como Bases de Dados

EXCEL. Listas como Bases de Dados Informática II Gestão Comercial e da Produção EXCEL Listas como Bases de Dados (TÓPICOS ABORDADOS NAS AULAS DE INFORMÁTICA II) Curso de Gestão Comercial e da Produção Ano Lectivo 2002/2003 Por: Cristina

Leia mais

Hugo Pedro Proença, 2007

Hugo Pedro Proença, 2007 Stored Procedures À medida que a complexidade dos sistemas aumenta, torna-se cada vez mais difícil a tarefa de integrar o SQL com as aplicações cliente. Além disto, é necessário que todas as aplicações

Leia mais

Unidade 5 Armazenamento e Indexação

Unidade 5 Armazenamento e Indexação Unidade 5 Armazenamento e Indexação Engenharia de Computação / Engenharia de Produção Banco de Dados Prof. Maria das Graças da Silva Teixeira Material base: Banco de Dados, 2009.2, prof. Otacílio José

Leia mais

Banco de Dados I 2007. Módulo V: Indexação em Banco de Dados. (Aulas 4) Clodis Boscarioli

Banco de Dados I 2007. Módulo V: Indexação em Banco de Dados. (Aulas 4) Clodis Boscarioli Banco de Dados I 2007 Módulo V: Indexação em Banco de Dados (Aulas 4) Clodis Boscarioli Agenda: Indexação em SQL; Vantagens e Custo dos Índices; Indexação no PostgreSQL; Dicas Práticas. Índice em SQL Sintaxe:

Leia mais

Faculdade Pitágoras 16/08/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet

Faculdade Pitágoras 16/08/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL A linguagem SQL é responsável por garantir um bom nível

Leia mais

SQL Linguagem de Definição de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri

SQL Linguagem de Definição de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri SQL Linguagem de Definição de Dados Banco de Dados SQL Structured Query Language Uma das mais importantes linguagens relacionais (se não a mais importante) Exemplos de SGBD que utilizam SQL Oracle Informix

Leia mais

Pesquisa em Memória Primária. Prof. Jonas Potros

Pesquisa em Memória Primária. Prof. Jonas Potros Pesquisa em Memória Primária Prof. Jonas Potros Procedimento para Inserir na Árvore Binária Critérios: Atingir um ponteiro nulo em um processo de pesquisa significa uma pesquisa sem sucesso. O ponteiro

Leia mais

ESTRUTURA INTERNA DO SISTEMA ESTRUTURA GERAL DO SGBD. Desempenho do BD ÙSatisfação do usuário. A performance do sistema depende:

ESTRUTURA INTERNA DO SISTEMA ESTRUTURA GERAL DO SGBD. Desempenho do BD ÙSatisfação do usuário. A performance do sistema depende: ESTRUTURA INTERNA DO SISTEMA ESTRUTURA GERAL DO SGBD Desempenho do BD ÙSatisfação do usuário USUÁRIO A performance do sistema depende: da eficiência das estruturas de dados utilizadas; como o sistema opera

Leia mais

Sistemas de Bases de Dados

Sistemas de Bases de Dados Sistemas de Bases de Dados Carlos Viegas Damásio José Alferes e Carlos Viegas Damásio Sistemas de Bases de Dados 2014/15 Objectivos - Em Bases de Dados (2º ano) pretendia-se: Que os estudantes fossem capazes

Leia mais

Linguagem SQL Parte I

Linguagem SQL Parte I FIB - Centro Universitário da Bahia Banco de Dados Linguagem SQL Parte I Francisco Rodrigues Santos chicowebmail@yahoo.com.br Slides gentilmente cedidos por André Vinicius R. P. Nascimento Conteúdo A Linguagem

Leia mais

BD Oracle. Licenciatura em Engenharia Informática e Computação. Bases de Dados 2003/04

BD Oracle. Licenciatura em Engenharia Informática e Computação. Bases de Dados 2003/04 BD Oracle SGBD Oracle Licenciatura em Engenharia Informática e Computação Bases de Dados 2003/04 BD Oracle Introdução aos SGBD Base de Dados Colecção de dados que descrevem alguma realidade Sistema de

Leia mais

Bases de Dados. Lab 1: Introdução ao ambiente. Figura 1. Base de dados de exemplo

Bases de Dados. Lab 1: Introdução ao ambiente. Figura 1. Base de dados de exemplo Departamento de Engenharia Informática 2014/2015 Bases de Dados Lab 1: Introdução ao ambiente 1º semestre O ficheiro bank.sql contém um conjunto de instruções SQL para criar a base de dados de exemplo

Leia mais

Bases de Dados. Lab 1: Introdução ao ambiente. Figura 1. Base de dados de exemplo

Bases de Dados. Lab 1: Introdução ao ambiente. Figura 1. Base de dados de exemplo Departamento de Engenharia Informática 2012/2013 Bases de Dados Lab 1: Introdução ao ambiente 1º semestre O ficheiro bank.sql contém um conjunto de instruções SQL para criar a base de dados de exemplo

Leia mais

Arquitetura de SGBD Relacionais Previsão de Seletividade

Arquitetura de SGBD Relacionais Previsão de Seletividade Arquitetura de SGBD Relacionais Previsão de Seletividade Caetano Traina Jr. Grupo de Bases de Dados e Imagens Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Universidade de São Paulo - São Carlos caetano@icmc.usp.br

Leia mais

BACO BAse de Co-Ocorrências

BACO BAse de Co-Ocorrências BACO? BACO BAse de Co-Ocorrências Luís Sarmento O BACO é uma base de dados que guarda informação gerada a partir um processamento efectuado a um ou vários corpora. O objectivo: Permitir pesquisar rapidamente

Leia mais

481040 - Programador/a de Informática

481040 - Programador/a de Informática 481040 - Programador/a de Informática UFCD - 0770 Dispositivos e periféricos Sessão 4 SUMÁRIO Disco Rígido; Sistema de ficheiros Uma unidade de disco rígido é composta por um conjunto de discos sobrepostos,

Leia mais

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL A linguagem SQL é responsável por garantir um bom nível de independência do

Leia mais

Bases de Dados 1º semestre

Bases de Dados 1º semestre DepartamentodeEngenhariaInformática 2008/2009 BasesdeDados1ºsemestre Lab1:Introduçãoaoambiente O ficheiro create bank.sql contém um conjunto de instruções SQL para criar a base de dadosdeexemploilustradanafigura1.

Leia mais

Informática para Ciências e Engenharias 2012/13. Teórica 10

Informática para Ciências e Engenharias 2012/13. Teórica 10 Informática para Ciências e Engenharias 2012/13 Teórica 10 Na aula de hoje... Introdução aos sistemas de bases de dados (parte 2): Combinar MATLAB e SQL Um exemplo prático 2 MATLAB + SQL 3 MATLAB + SQL

Leia mais

Pesquisa: localização de um Registo num Ficheiro (para aceder ao registo: ler/alterar informação) R. P. António Viera, 23. R. Carlos Seixas, 9, 6º

Pesquisa: localização de um Registo num Ficheiro (para aceder ao registo: ler/alterar informação) R. P. António Viera, 23. R. Carlos Seixas, 9, 6º Pesquisa Pesquisa: localização de um Registo num Ficheiro (para aceder ao registo: ler/alterar informação) Ficheiro (ou tabela) Campos Nome Endereço Telefone Antunes, João A. R. P. António Viera, 23 720456

Leia mais

Prof. Daniela Barreiro Claro

Prof. Daniela Barreiro Claro Arquivos de registros Abstração do SGBD Pode ser criado, destruido e ter registros incluidos e excluidos nele Tb suporta a varredura Uma relacao geralmente é armazenada como um arquivo de registros Camada

Leia mais

Esquema da Relação. Modelo Relacional. Instância da Relação. Exemplo. Uma base de dados é uma colecção de uma ou mais relações com nomes distintos

Esquema da Relação. Modelo Relacional. Instância da Relação. Exemplo. Uma base de dados é uma colecção de uma ou mais relações com nomes distintos Modelo Relacional Uma base de dados é uma colecção de uma ou mais relações com nomes distintos Uma relação é uma tabela com linhas e colunas Esquema da Relação Descreve as colunas da tabela Especifica

Leia mais

PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1

PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1 INTRODUÇÃO PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1 Leonardo Pereira leonardo@estudandoti.com.br Facebook: leongamerti http://www.estudandoti.com.br Informações que precisam ser manipuladas com mais segurança

Leia mais

Processamento e Otimização de Consultas

Processamento e Otimização de Consultas Introdução Processamento e Banco de Dados II Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Departamento de Computação DECOM 1 Processamento

Leia mais

Structured Query Language (SQL)

Structured Query Language (SQL) Structured Query Language (SQL) SQL-Breve Histórico : # CREATE, ALTER e DROP; # BEGIN TRANSACTION, ROLLBACK e COMMIT; # GRANT, REVOKE e DENY; 1 Structured Query Language (SQL) Desenvolvida pelo departamento

Leia mais

Tarefa Orientada 12 Junção Externa, Auto-Junção e União

Tarefa Orientada 12 Junção Externa, Auto-Junção e União Tarefa Orientada 12 Junção Externa, Auto-Junção e União Objectivos: Junção externa (Outer JOIN) Junção externa à esquerda (LEFT Outer JOIN) Junção externa à direita (RIGHT Outer JOIN) Junção externa completa

Leia mais

P L A N I F I C A Ç Ã O A N U A L

P L A N I F I C A Ç Ã O A N U A L P L A N I F I C A Ç Ã O A N U A L DEPARTAMENTO: MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS ÁREA DISCIPLINAR: 550 - INFORMÁTICA DISCIPLINA: PSI CURSO: Profissional DE: Téc. de Gestão e Programação de Sist. Informáticos

Leia mais

Tarefa Orientada 19 Triggers

Tarefa Orientada 19 Triggers Tarefa Orientada 19 Triggers Objectivos: Criar triggers AFTER Criar triggers INSTEAD OF Exemplos de utilização Os triggers são um tipo especial de procedimento que são invocados, ou activados, de forma

Leia mais

Cap. 3 Organização de Ficheiros e Indexação

Cap. 3 Organização de Ficheiros e Indexação Cap. 3 Organização de Ficheiros e Indexação If you don t find it in the index, look very carefully through the entire catalogue. -- Sears, Roebuck, and Co., Consumer s Guide, 1897 Abel J.P. Gomes Bibliografia:

Leia mais

BASES DE DADOS I LTSI/2. Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011

BASES DE DADOS I LTSI/2. Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011 BASES DE DADOS I LTSI/2 Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011 A Linguagem SQL As raízes da linguagem SQL remontam a 1974, altura em que a IBM desenvolvia

Leia mais

Análise e Concepção de Sistemas de Informação

Análise e Concepção de Sistemas de Informação Análise e Concepção de Sistemas de Informação UML Modelação de Dados Alberto Manuel Rodrigues da Silva Prof. DEI/IST/UTL Agenda Enquadramento e Problema Modelação de Dados em UML no Processo de Desenho

Leia mais

Tipos de dados complexos e objectos Tipos de dados estruturados e herança em SQL Herança de tabelas Matrizes e multi-conjuntos em SQL Identidade de

Tipos de dados complexos e objectos Tipos de dados estruturados e herança em SQL Herança de tabelas Matrizes e multi-conjuntos em SQL Identidade de Capítulo 8: BDs Objecto-Relacional Tipos de dados complexos e objectos Tipos de dados estruturados e herança em SQL Herança de tabelas Matrizes e multi-conjuntos em SQL Identidade de Objectos e Referência

Leia mais

Chaves. Chaves. O modelo relacional implementa dois conhecidos conceitos de chaves, como veremos a seguir:

Chaves. Chaves. O modelo relacional implementa dois conhecidos conceitos de chaves, como veremos a seguir: Chaves 1 Chaves CONCEITO DE CHAVE: determina o conceito de item de busca, ou seja, um dado que será empregado nas consultas à base de dados. É um conceito lógico da aplicação (chave primária e chave estrangeira).

Leia mais

Princípio dos anos 70 IBM desenvolve a linguagem Sequel para o System R. Standards ISO e ANSI SQL-86, SQL-89, SQL-92, SQL:1999, SQL:2003

Princípio dos anos 70 IBM desenvolve a linguagem Sequel para o System R. Standards ISO e ANSI SQL-86, SQL-89, SQL-92, SQL:1999, SQL:2003 Bases de Dados Introdução à linguagem SQL História Princípio dos anos 70 IBM desenvolve a linguagem Sequel para o System R Renomeada para SQL (Structured Query Language) Standards ISO e ANSI SQL-86, SQL-89,

Leia mais

Bases de Dados 1º semestre

Bases de Dados 1º semestre DepartamentodeEngenhariaInformática 2009/2010 BasesdeDados1ºsemestre Lab1:Introduçãoaoambiente Oficheirobank.sqlcontémumconjuntodeinstruçõesSQLparacriarabasededadosde exemploilustradanafigura1. Figura1.Basededadosdeexemplo

Leia mais

- A crescente necessidade de sistemas inteligentes e de aquisição de conhecimento levaram à necessidade de implementação de Data Warehouses.

- A crescente necessidade de sistemas inteligentes e de aquisição de conhecimento levaram à necessidade de implementação de Data Warehouses. - A crescente necessidade de sistemas inteligentes e de aquisição de conhecimento levaram à necessidade de implementação de. - O que é uma Data Warehouse? - Colecção de bases de dados orientadas por assunto

Leia mais

SQL Linguagem de Definição de Dados. Laboratório de Bases de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri

SQL Linguagem de Definição de Dados. Laboratório de Bases de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri SQL Linguagem de Definição de Dados SQL Structured Query Language Uma das mais importantes linguagens relacionais (se não a mais importante) Exemplos de SGBD que utilizam SQL Oracle Informix Ingress SQL

Leia mais

M a n u a l d o C a n d i d a t o

M a n u a l d o C a n d i d a t o Para efectuar o processo de candidatura deverá aceder ao site abaixo indicado. Link: http://ff.academicos.ul.pt/cssnetff Para iniciar o processo é necessário clicar no tipo de curso que se pretende candidatar,

Leia mais

Bases de Dados II Engª. Informática + Ensino Informática

Bases de Dados II Engª. Informática + Ensino Informática Introdução SQL SERVER hugomcp@di-ubi.pt, 2004 Arranque do MS SQLServer UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Informática Bases de Dados II Engª. Informática + Ensino Informática Pode-se usar o

Leia mais

DBMS%Performance% Carlos%Soares% (baseado%em%materiais%gen8lmente%cedidos% por%andré%res8vo,%joão%correia%lopes%e%do% livro%ramakrishnan%&%gehrke)% %

DBMS%Performance% Carlos%Soares% (baseado%em%materiais%gen8lmente%cedidos% por%andré%res8vo,%joão%correia%lopes%e%do% livro%ramakrishnan%&%gehrke)% % DBMS%Performance% Carlos%Soares% (baseado%em%materiais%gen8lmente%cedidos% por%andré%res8vo,%joão%correia%lopes%e%do% livro%ramakrishnan%&%gehrke)% % Plano% Contexto% Índices% Carga%da%base%de%dados%%

Leia mais

Bases de Dados 2005/2006. Aula 5

Bases de Dados 2005/2006. Aula 5 Bases de Dados 2005/2006 Aula 5 Sumário -1. (T.P.C.) Indique diferenças entre uma tabela e uma relação. 0. A base de dados Projecto 1. SQL Join (variantes) a. Cross Join b. Equi-Join c. Natural Join d.

Leia mais

Junções e Índices em Tabelas

Junções e Índices em Tabelas Junções e Índices em Tabelas Prof. Fernanda Baião fernanda.baiao@uniriotec.com.br SGBD Considerados MySQL (http://www.mysql.org) SGBD gratuito e simples, sem muitos recursos avançados Fácil de instalar

Leia mais

Introdução aos Sistemas de Bases de Dados

Introdução aos Sistemas de Bases de Dados Sistemas de Bases de Dados Edição 2004 Introdução aos Sistemas de Bases de Dados Orlando Belo Departamento de Informática Escola de Engenharia Universidade do Minho Índice Introdução ao armazenamento de

Leia mais

Data Warehousing e OLAP

Data Warehousing e OLAP Data Warehousing e OLAP Jornadas de Engenharia Informática Instituto Politécnico da Guarda Henrique Madeira Departamento de Engenharia Informática Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade de Coimbra

Leia mais

Guia de Consulta. Percorrer

Guia de Consulta. Percorrer Guia de Consulta Percorrer A secção "Percorrer" permite-lhe consultar uma das listas numa determinada ordem. Existem cinco listas diferentes: Comunidades, Colecções, Títulos, Autores e Datas. Poderá percorrer

Leia mais

Índice. Introdução às bases de dados. Parte 1 ÍNDICE DE FIGURAS E QUADROS 11 CONVENÇÕES USADAS NESTE MANUAL 15 PREFÁCIO 17

Índice. Introdução às bases de dados. Parte 1 ÍNDICE DE FIGURAS E QUADROS 11 CONVENÇÕES USADAS NESTE MANUAL 15 PREFÁCIO 17 Índice ÍNDICE DE FIGURAS E QUADROS 11 CONVENÇÕES USADAS NESTE MANUAL 15 PREFÁCIO 17 Parte 1 Introdução às bases de dados 1. Introdução 21 1.1. Os sistemas de bases de dados 23 1.1.1. Breve historial 23

Leia mais

Programação SQL. Manipulação de Dados. DML Data Manipulation Language

Programação SQL. Manipulação de Dados. DML Data Manipulation Language Programação SQL Manipulação de Dados DML Data Manipulation Language Manipulação de Dados (DML) Os comandos INSERT, UPDATE, DELETE, são normalmente classificados como pertencendo a uma sublinguagem da linguagem

Leia mais

Aplicações - SQL. Banco de Dados: Teoria e Prática. André Santanchè e Luiz Celso Gomes Jr Instituto de Computação UNICAMP Agosto de 2013

Aplicações - SQL. Banco de Dados: Teoria e Prática. André Santanchè e Luiz Celso Gomes Jr Instituto de Computação UNICAMP Agosto de 2013 Aplicações - SQL Banco de Dados: Teoria e Prática André Santanchè e Luiz Celso Gomes Jr Instituto de Computação UNICAMP Agosto de 2013 Picture by Steve Kelley 2008 SQL SQL Structured Query Language Originalmente:

Leia mais

Structured Query Language (SQL)

Structured Query Language (SQL) SQL Histórico Structured Query Language (SQL) Foi desenvolvido pela IBM em meados dos anos 70 como uma linguagem de manipulação de dados (DML - Data Manipulation Language) para suas primeiras tentativas

Leia mais

Limpeza e transformação de dados

Limpeza e transformação de dados SAD: 4º Projecto DW Limpeza e transformação de dados Suponha a operação de junção aproximada, que pode ser expressa pelo operador Match da framework de limpeza e transformação e dados AJAX. Pretende utilizar

Leia mais

BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS. Prof. Patrícia Lucas 3º Trimestre

BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS. Prof. Patrícia Lucas 3º Trimestre BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS Prof. Patrícia Lucas 3º Trimestre ROTEIRO PARA O 3º TRIMESTRE 1. O MySQL DDL SQL 1. Como funciona o MySQL 2. Como criar um banco de dados no MySQL 3. Como criar tabelas: comandos

Leia mais

Banco de Dados. Maurício Edgar Stivanello

Banco de Dados. Maurício Edgar Stivanello Banco de Dados Maurício Edgar Stivanello Agenda Conceitos Básicos SGBD Projeto de Banco de Dados SQL Ferramentas Exemplo Dado e Informação Dado Fato do mundo real que está registrado e possui um significado

Leia mais

Modelo de Dados. Modelos Conceituais

Modelo de Dados. Modelos Conceituais Modelo de Dados Modelo para organização dos dados de um BD define um conjunto de conceitos para a representação de dados exemplos: entidade, tabela, atributo,... existem modelos para diferentes níveis

Leia mais

f. Vocês podem selecionar todos os campos indicando-os, ou seja, sem usar * (boa prática) g. Muito relevante na manutenção de BD e de aplicações.

f. Vocês podem selecionar todos os campos indicando-os, ou seja, sem usar * (boa prática) g. Muito relevante na manutenção de BD e de aplicações. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: B1SGB - Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados Memória de aula Aula 11 1) Cláusulas SELECT e FROM a. Apesar de ser a primeira, ela é a

Leia mais

Faculdade Lourenço Filho - ENADE 2011-1

Faculdade Lourenço Filho - ENADE 2011-1 1. Quando se constrói um banco de dados, define-se o modelo de entidade e relacionamento (MER), que é a representação abstrata das estruturas de dados do banco e seus relacionamentos. Cada entidade pode

Leia mais

Arquivo Digital de Trabalhos Práticos de Alunos

Arquivo Digital de Trabalhos Práticos de Alunos Arquivo Digital de Trabalhos Práticos de Alunos Projecto Integrado Engenharia de Linguagens Eduardo Ribeiro Miguel Nunes Objectivos Criação de uma interface Web para incorporação de Objectos Digitais;

Leia mais

Banco de Dados I 2007. Módulo V: Indexação em Banco de Dados. (Aulas 1, 2 e 3) Clodis Boscarioli

Banco de Dados I 2007. Módulo V: Indexação em Banco de Dados. (Aulas 1, 2 e 3) Clodis Boscarioli Banco de Dados I 2007 Módulo V: Indexação em Banco de Dados (Aulas 1, 2 e 3) Clodis Boscarioli Agenda: Estruturas de Índices; Conceitos; Tipos de Índices: Primários; Secundários; Clustering; Multiníveis;

Leia mais

LINGUAGEM SQL. SQL Server 2008 Comandos iniciais

LINGUAGEM SQL. SQL Server 2008 Comandos iniciais 1 LINGUAGEM SQL SQL Server 2008 Comandos iniciais SQL - STRUCTURED QUERY LANGUAGE Quando os Bancos de Dados Relacionais estavam sendo desenvolvidos, foram criadas linguagens destinadas à sua manipulação.

Leia mais

Bases de Dados. Índices. Discos. transferência lenta. transferência rápida e em blocos (512B ~ 4KB) e aos bytes. memória.

Bases de Dados. Índices. Discos. transferência lenta. transferência rápida e em blocos (512B ~ 4KB) e aos bytes. memória. Bases de Dados Índices Discos transferência lenta transferência rápida e em blocos (512B ~ 4KB) e aos bytes memória disco aplicação 2 1 Discos 7200rpm = 120 rot/s 1 5 platters Ø 8.9 cm 50000 ~ 100000 tracks

Leia mais

8. Outros tipos de Transação (Modo de Transação de Autoconfirmação e Modo Implícito)

8. Outros tipos de Transação (Modo de Transação de Autoconfirmação e Modo Implícito) 8. Outros tipos de Transação (Modo de Transação de Autoconfirmação e Modo Implícito) Nos itens anteriores vimos transações do tipo explícitas, ou seja, aquelas que iniciam com BEGIN TRANSACTION. As outras

Leia mais

Bases de Dados 2007/2008. Aula 1. Referências

Bases de Dados 2007/2008. Aula 1. Referências Bases de Dados 2007/2008 Aula 1 Sumário 1. SQL Server 2000: configuração do acesso ao servidor. 1.1. SQL Server Service Manager. 1.2. SQL Server Enterprise Manager. 1.3. SQL Query Analyzer. 2. A base de

Leia mais

UFCD 787. Administração de base de dados. Elsa Marisa S. Almeida

UFCD 787. Administração de base de dados. Elsa Marisa S. Almeida UFCD 787 Administração de base de dados Elsa Marisa S. Almeida 1 Objectivos Replicação de base de dados Gestão de transacções Cópias de segurança Importação e exportação de dados Elsa Marisa S. Almeida

Leia mais

Ex.: INSERT INTO tmpautor (CDAUTOR, NMAUTOR) VALUES (1, Renato Araújo )

Ex.: INSERT INTO tmpautor (CDAUTOR, NMAUTOR) VALUES (1, Renato Araújo ) Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: B1SGB - Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados Memória de aula Aula 10 1) Incluindo linhas nas tabelas a. Para incluir linhas em tabelas

Leia mais

TRANSAÇÕES. Considerando que estes comandos fazem parte de uma TRANSAÇÃO (veremos como indicar isso):

TRANSAÇÕES. Considerando que estes comandos fazem parte de uma TRANSAÇÃO (veremos como indicar isso): TRANSAÇÕES 1. Introdução Transação Uma transação é uma unidade lógica de trabalho (processamento), formada por um conjunto de comando SQL, que tem por objetivo preservar a integridade e a consistência

Leia mais

implementação Nuno Ferreira Neves Faculdade de Ciências de Universidade de Lisboa Fernando Ramos, Nuno Neves, Sistemas Operativos, 2014 2015

implementação Nuno Ferreira Neves Faculdade de Ciências de Universidade de Lisboa Fernando Ramos, Nuno Neves, Sistemas Operativos, 2014 2015 Sistemas de ficheiros: implementação Nuno Ferreira Neves Faculdade de Ciências de Universidade de Lisboa Objetivos da aula Descrever algunsdetalhes daimplementação deumsistema de ficheiros Discutir algoritmos

Leia mais

SQL. Definição do Esquema da Base de Dados. Cristina C. Vieira Departamento de Engenharia Eletrónica e Informática

SQL. Definição do Esquema da Base de Dados. Cristina C. Vieira Departamento de Engenharia Eletrónica e Informática SQL Definição do Esquema da Base de Dados Cristina C. Vieira Departamento de Engenharia Eletrónica e Informática SQL - Esquema da base de dados Definição das tabelas Definição das chaves primárias Definição

Leia mais

INNER, CROSS, LEFT, RIGHT E FULL JOINS SIMPLES ASSIM! Wellyngton Luiz Cruz Moreira wlcmoreira@hotmail.com

INNER, CROSS, LEFT, RIGHT E FULL JOINS SIMPLES ASSIM! Wellyngton Luiz Cruz Moreira wlcmoreira@hotmail.com INNER, CROSS, LEFT, RIGHT E FULL JOINS SIMPLES ASSIM! Wellyngton Luiz Cruz Moreira wlcmoreira@hotmail.com PALAVRAS CHAVES: inner join, left outer join, cross join, right outer join, full outer join, junções,

Leia mais

Modelo de Dados. Modelo para organização dos dados de um BD

Modelo de Dados. Modelo para organização dos dados de um BD Modelo de Dados Modelo para organização dos dados de um BD define um conjunto de conceitos para a representação de dados exemplos: entidade, tabela, atributo,... existem modelos para diferentes níveis

Leia mais

Banco de Dados I. Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011

Banco de Dados I. Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011 Banco de Dados I Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011 Plano de Aula SQL Definição Histórico SQL e sublinguagens Definição de dados (DDL) CREATE Restrições básicas em SQL ALTER DROP 08:20 Definição de

Leia mais

Bases de Dados II 6638: BSc in Information Systems and Technologies. Cap. 1 Arquitectura de Sistemas de Bases de Dados. Module Introduction

Bases de Dados II 6638: BSc in Information Systems and Technologies. Cap. 1 Arquitectura de Sistemas de Bases de Dados. Module Introduction Bases de Dados II 6638: BSc in Information Systems and Technologies Cap. 1 Module Introduction Objectivos O propósito e a origem da arquitectura de base de dados a três níveis. O conteúdo dos níveis externo,

Leia mais

Hashing Letícia Rodrigues Bueno

Hashing Letícia Rodrigues Bueno Hashing Letícia Rodrigues Bueno UFABC hash: Hashing (Tabelas de Dispersão): Introdução hash: Hashing (Tabelas de Dispersão): Introdução Hashing (Tabelas de Dispersão): Introdução hash: 1. fazer picadinho

Leia mais

Sistemas Empresariais Integrados

Sistemas Empresariais Integrados Departamento de Engenharia Informática 2010/2011 Sistemas Empresariais Integrados Tutorial do Adaptador SQL 2º semestre Considere uma base de dados com uma tabela account que guarda o número de conta,

Leia mais

Bancos de Dados: impossível viver sem eles...

Bancos de Dados: impossível viver sem eles... Bancos de Dados: impossível viver sem eles... Vanessa Braganholo vanessa@ic.uff.br Vocês já sabem programar... Problema: eu preciso calcular a média de uma turma de Estruturas de Dados II public static

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação MODELO CONCEPTUAL DE DADOS Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Felgueiras Engenharia Informática 3º ano - 2003/2004 Ana Maria Madureira 1. MODELO CONCEPTUAL DE DADOS Descreve o S.I. da Organização

Leia mais

Memória de aula Semanas 15 e 16

Memória de aula Semanas 15 e 16 FMU Curso: Ciência da Computação Disciplina: Banco de Dados I Professor: Ecivaldo Matos Memória de aula Semanas 15 e 16 1) Incluindo linhas nas tabelas a. Para incluir linhas em tabelas utilize o comando

Leia mais