Variação em locativos no português de Belo Horizonte: estudo sociolinguístico

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Variação em locativos no português de Belo Horizonte: estudo sociolinguístico"

Transcrição

1 Variação em locativos no português de Belo Horizonte: estudo sociolinguístico César Nardelli Cambraia Leonardo Eustáquio Siqueira Araújo Resumo: A fim de apresentar contribuição para os estudos de fenómenos de variação na língua portuguesa, realizou-se estudo sociolinguístico dos locativos onde e correlatos com dados extraídos de entrevistas com falantes nativos de português, naturais de Belo Horizonte. As questões investigadas foram a) o inventário de formas em uso atualmente, b) a variação entre algumas dessas formas, c) a influência do nível de escolaridade sobre o uso dessas formas e d) a possibilidade de mudança em curso nesse sistema. Palavras-chave: Língua Portuguesa, advérbios, pronomes e conjunções. Sociolinguística, variação linguística. Observem-se os dados destacados em itálico abaixo, extraídos da fala de um belorizontino adulto com nível fundamental de escolaridade: (...) eu, a primeira coisa que eu faço na hora que eu vô num lugar assim pra nadar, eu já entro assim e já vô vendo a profundidade, que aí eu já vejo aonde que eu pulo e onde que eu num pulo. Todo lugar que eu vô nadar eu faço assim... de menos piscina, né? (...) (informante EdsBF) Analisando os referidos dados, é possível perceber que ambos os itens aonde e onde ocorrem na mesma estrutura sintática (ou seja, em orações interrogativas indiretas) e expressam o mesmo valor semântico (isto é, "lugar a que"), o que permite dizer que estão em variação. Mas será que essa variação se verifica em qualquer circunstância? Atuariam sobre esse fenómeno fatores intra- e extralinguísticos? São questões como estas que se pretende discutir no presente trabalho.

2 ]24 PARALELO 20 I BELO HORIZONTE I N.02 I DEZ./a004 I P Delimitação do problema Apesar de muitas pesquisas sobre fenómenos de variação linguística no português do Brasil já terem sido realizadas, especialmente a partir da década de setenta, como assinalam Paiva & Scherre (1999), e geralmente segundo a abordagem variacionista americana - tal como a delinearam trabalhos como Weinreich, Herzog & Labov (1968) e Labov (1972a, 1972b) -, a variação no sistema de locativos do português continua sendo um tema negligenciado'. O tratamento dado ao sistema de locativos do português composto de onde e correlatos é bastante tímido na literatura especializada tradicional. Mesmo sendo as gramáticas tradicionais essencialmente normativas, era de se esperar que veiculassem ao menos algum breve comentário sobre as diferenças de emprego dos locativos no português vernacular e no português padrão modernos. Em algumas gramáticas, o sistema de locativos aparece de forma parcial: em Torres (1959), Lima (1972) e Melo (1978), p. ex., não há qualquer menção sobre a existência da forma aonde. Em outras, há uma associação unívoca entre onde, aonde, donde e, respectivamente, "lugar em que", "lugar a que" e "lugar de que": em Bechara (1978, p. 154), Cegalla(1987, p. 222) e Faraco 6 Moura (1993, p. 214), p. ex., os exemplos daquelas três formas apresentam, respectivamente, os valores semânticos listados acima. Por fim, muito raramente acha-se alguma gramática em que se faz menção à existência de variação no emprego dos locativos: Cunha & Cintra (1985, p. 342) informam que a distinção entre onde e aonde "praticamente anulada na linguagem coloquial, já não era rigorosa nos clássicos". Em alguns poucos estudos monográficos bem como em certas gramáticas históricas, é possível encontrar mais informação sobre a variação dos locativos: Pereira (1929, p. 551) diz que "Garett e outros guardam ainda a synonymia clássica entreonde eaonde" e acrescenta que "modernamente existe a corrente que busca aproveitar as formas onde, aonde e donde, fazendo-as corresponder: onde = ubi, aonde = quo (para onde), donde = unde", mas assinala que essa "corrente, embora não seja histórica, é lógica e, por isso, acceitavel: onde estou, aonde vou donde venho". Magne (1944, v. Ill, p. 284) afirma que a "língua antiga confundia, assim mesmo, donde, aonde, adonde, dando-lhes o valor atual onde"; Said Ali (1964, p. 185) informa que "aonde e donde, só ou aumentado em adonde, passam a usar-se também como sinónimos de onde"; Câmara Jr. (1985, p. 120) afirma que é "usual, mesmo na língua literária, aonde com o valor de onde"; Pontes (1992, p. 28) assinala que "o povo não distingue mais aonde de onde". Uma vez que a presente pesquisa pretende analisar o emprego dos locativos apenas no português contemporâneo informal, as questões suscitadas pelas informações disponíveis nos estudos consultados não jjpderão ser todas investigadas aqui. Entretanto, será possível analisar as seguintes: (a) quais formas dos locativos ocorrem? (b) quais formas dos locativos estão em variação entre si? (c) o emprego das formas dos locativos é influenciado pela norma imposta pela escola? (d) há algum indício de mudança em progresso nesse sistema?

3 César Nardelli Cambraia e Leonardo Eustáquio Siqueira Araújo I Variação em locativos no português de Belo Horizonte: estudo sociolinguístico J2*) Método de pesquisa Para se realizar a pesquisa aqui descrita, constituiuse um corpus composto de entrevistas informais com falantes nativos de português, naturais de Belo Horizonte. As entrevistas tiveram como tema viagens e o género selecionado foi a narrativa pessoal. Este foi o género selecionado porque se sabe que o envolvimento do falante desvia sua atenção do ato de fala, permitindo o acesso a um uso mais espontâneo da língua (LABOV, 1972b). Já a escolha do tópico viagens foi motivada pelo fato de criar ambiente propício para o uso de locativos. Para verificar se os locativos em estudo estavam em variação, ou seja, eram "diversas maneiras de se dizer a mesma coisa em um mesmo contexto, e com o mesmo valor de verdade" (TARALLO, 1986, p. 8), realizou-se uma descrição linguística baseada em dois fatores intralinguísticos: a estrutura sintética em que os locativos ocorreram e o valor semântico que expressavam. A análise dos dados permitiu verificar que são cinco as estruturas sintéticas em que os locativos ocorrem no corpus ( entre colchetes, a sigla utilizada neste trabalho): oração interrogativa direta [OID]: "(...) ele foi e falou assim, o Ricardo:'vocês vão onde?'...perguntando onde a gente ia, né?" (informante EGCJ) oração interrogativa indireta [OlI]: "(...) ele foi e falou assim, o Ricardo: 'vocês vão onde?'... perguntando onde a gente ia, né?" (informante EGCJ) oração relativa restritiva [ORR] "Não, tipo assim, tinha uma vitrine onde colocavam as cobra, pro pessoal ver, sabe? (...)" (informante RMLA) oração relativa apositiva [ORA]"(...) aí fomos pra São Bernardo... ond'é que eu instalei a minha barraca (...)" (informante WAM) oração relativa livre [ORL]: "E a tia dela é a maior espaçosa mesmo: onde que ela vai ela larga os negócio (...)" (informante WRS) Cinco também foram os valores semânticos que os locativos presentes no corpus estudado expressam (com as respectiva siglas entre colchetes)2: lugar em que [EM]: '"Por obséquio aonde ficam os festejos desta comarca?'" (informante BEMO) lugar a que [A]: "(,..)'xô vê aqui:, aonde mais eu fui... ah! No Vilarinho [quadras do Vilarinho] ((risos))... Aquele tempo era bom (...)" (informante JCLB) lugar para que [PA]: "(...) entrei dentro do ônibus, paguei e falei 'gente! o quê que eu tô fazendo? Que loucura!' mas não voltava atrás (...) e no caminho todo eu pensando o que eu ia fazer, pra onde que eu ia (...)" (informante ARS) lugar de que [DE]: "Pois é, de onde nós vamos tirar dinheiro?" (informante WRS) lugar por que [PO]: "(...) fica naquela parte de salgado, naquela entrada ali. Ali também é!na entrada aonde os ônibus passa ali, lá é muito melhor que aqui embaixo (...)" (informante LRC) Para avaliar se fatores extralingúísticos atuavam na escolha dos locativos possivelmente em variação, levaram-se em conta, na coleta de dados, as variáveis nível de escolaridade e faixa etária dos informantes. O nível de escolaridade foi tratado com base em duas categorias: baixa escolaridade (até 5" série completa) ea/ta escolaridade (mais do que 5a série completa); a faixa etária, com base em três: jovem (15 a 29 anos), adulto (30 a 45 anos) e idoso (46 a 60 anos). A fim de controlar a variável género, elegeram-se apenas informantes do sexo masculino, já que a coleta de dados

4 126 PARALELO 80 I BELO HORIZONTE I N.Oa I DEZ./a004 I P foi realizada por entrevistador do sexo masculino. A combinação das duas variáveis em análise gerou um total de seis células (jovem com baixa escolaridade, jovem com alta escolaridade etc.) e, para cada uma, entrevistaram-setrês informantes, perfazendo, assim, um corpus de fala de 18 informantes. Os dados foram transcritos seguindo-se essencialmente as normas do Projeto NURC (PRETI ET AL, 1986), com pequenas adaptações. Análise dos dados Inventário de formas Com base no corpus de entrevistas com os 18 informantes selecionados, foi possível coletar conjuntamente 108 ocorrências3 do locativo onde e de seus correlatos. No quadro abaixo é possível ter uma visão completa da distribuição das formas: Quadro 1: Inventário de onde e correlatos Onde 50 (46,3 %) Aonde 25 (23,2 %) (a)onde 24 (22,2 %) naonde 01 (0,9 %) pfajra (ajonde 06 (5,6 %) de onde 01 (0,9 %) por onde 01 (0,9 %) Total 108 (100 %) Os dados acima permitem constatar três fatos interessantes sobre o comportamento linguístico das formas em questão. Primeiramente, deve-se explicar o porquê das formas (ajonde e para (ajonde: quando há sequências, na cadeia da fala, compostas de palavra terminada em lai átono seguida do locativo em estudo, parece ser impossível determinar se a forma do locativo é onde ou aonde. Essa impossibilidade decorre do fato de existir, na língua portuguesa, o fenómeno de elisão, ou seja, de supressão de uma vogal átona quando esta ocorre em posição de final de palavra e seguida de palavra começada por vogal átona ou tónica: p. ex., casa amarela > cas[b}mare/a; camisa usada > camis\vt]sada. Como não se trata de um fenómeno categórico, mas, sim, variável (BISOL, 1992), em sequências comop(ajraonde não parece ser possível determinar se se trata de combinação com elisão (ou seja, p(ajr'aonde) ou sem elisão (ou seja,p{a)ra onde)-caso fosse categórica, p(a)raonde equivaleria necessariamente ap(ajr'aonde, pois a sequência com elisão para a combinação p(a)ra + onde seriap(a)r'onde. A ambiguidade estrutural desse tipo de combinação é certamente relevante, pois há de propiciar o favorecimento de variação entre os locativos, já que em certos ambientes diferença entre eles se neutralizaria. Um segundo fato interessante é a existência da forma naonde (registrada na fala do informante EdnBF adulto com baixa escolaridade), a qual não é inventariada em nenhuma das gramáticas tradicionais consultadas. Sua origem deve estar relacionada ao surgimento do alomorfe ni da preposição em, o qual, segundo Cunha (1960), seria fruto de um processo analógico: o grupo assimétrico emlnolna tenderia a se assemelhar ao grupo simétrico deldolda, tornando-se assim nilnolna (ni, e não ne, porque o de se realiza foneticamente como [dl]). Em terceiro lugar, o quadro permite ainda verificar certas assimetrias combinatórias: onde aparece combinado às preposições a, de epor, mas a forma com-

5 César Nardelli Cambraia e Leonardo Eustáquio Siqueira Araújo I Variação em locativos no português de Belo Horizonte: estudo sociolinguístico \27 posta aonde, por sua vez, aparece ligada à preposição em (~níf, mas não às preposições de2 e por. É interessante salientar também que a combinaçãoac/onde, mencionada nos estudos consultados, não ocorre. No caso da preposição p(a)ra, não é possível saber qual dessas duas (onde ou aonde) aparece associada. Fatores intralinguísticos Para melhor compreender a relação entre os locativos, convém analisá-los inicialmente segundo dois fatores intralinguísticos: estrutura sintética e valor semântico. Para não sobrecarregar de quadros a presente exposição, apresentar-se-á mais adiante um só quadro para os dois referidos fatores. Cruzando as categorias dos fatores estrutura sintética e valor semântico, é possível desenhar o seguinte quadro de ocorrências dos locativos (as categorias semânticas sem dados no corpus não aparecem no quadro; N = número de ocorrências / % = porcentagem baseada em leitura vertical do quadro; as outras siglas foram apresentadas na seção método de pesquisa acima): O quadro abaixo demonstra claramente que há variação no sistema de locativos formado por onde e correlatos. Deixando de lado, por ora, as formas ambíguas (ajonde ep(a)ra (ajonde, pode-se verificar que o maior número de casos de variação se dá entre as formas onde eaonde: estão em variação nos contextos OID-EM, OID-A, Oll-EM, Oll-A, ORR-EM eorl-em. Deve-se ainda chamar atenção para a forma naonde, que está em variação com onde e aonde no contexto ORR-EM; e para a forma por onde, em variação com onde no contexto PRL-PO. O fato de onde e aonde estarem em variação é interessante, porque mostra que, aparentemente, pouco ou nada teria mudado no que diz respeito à relação entre essas duas formas desde o séc. XIV, já que, como demonstrou Cambraia (2002), o item aonde teria surgido como forma variante de onde, reforçando a mudança semântica por que este havia passado, na qual perdeu o valor semântico etimológico de "lugar de que" (cf. latim unde) e adquiriu os valores de "lugar em que" e "lugar a que". Quadro 2: Onde e correlatos por estrutura sintática e por valor semântico OID OID ORR ORA ORL EM A DE PA EM A PA EM A EM A EM A PO N % N % N % N % N % N % N % N % N % N % N % N % N % N % onde aonde (ajonde naonde 1 6 para (ajonde de onde por onde 1 33 Total

6 I?ft PARALELO 20 I BELO HORIZONTE I IM.Og I DEZ./a004 I P Fatores extralingúísticos Como já se evidenciou que a variação encontrada se relaciona fundamentalmente às formas onde eaonde, com os valores semânticos "lugar em que" e "lugar a que", convém restringir a análise dos fatores sociolinguísticos a esses dados (como a variação aparece em quase todas as estruturas sintáticas com esses dois valores, os dados serão analisados sem se discriminarem essas estruturas). Quadro 3: Onde e correlatos por valor semântico e por nível de escolaridade LUGAR EM QUE LUGAR A QUE Baixa Alta Baixa Alta escolari escolari escolari escolaridade dade dade dade onde 12 (44,4%) 21 (72,4%) 06 (85,7%) 10 (90,9%) aonde 15 (55,6%) 8 (27,6%) 1 (14,3%) 1 (9,1%) Total 27 (100%) 29 (100%) 07 (100%) 11 (100%) Um primeiro aspecto a ser considerado é a porcentagem conjunta de cada forma por valor semântico (aspecto não-explicitado no quadro acima, em função da diferenciação entre baixa e alta escolaridade): para o valor semântico "lugar em que", há 33 ocorrências (= 58,9%) de onde contra 23 ocs. (= 41,1%) de aonde; para "lugar a que", há 16 ocs. (88,9%) de onde contra 02 ocs. (11,1%) de aonde. Essa distribuição é interessante, porque mostra primeiramente que onde é a forma predominante, independentemente do valor semântico; além disso, indica que a associação rígida entreaoncte e "lugar a que", preconizada pela gramática tradicional, não parece existir, já que é justamente com esse valor semântico que a forma em questão menos ocorre. Os dados do quadro 3 acima apontam para uma situação curiosa: o nível de escolaridade estaria favorecendo o emprego normatizado de onde, mas não o de aonde: 72,4% das ocs. de onde expressam "lugar em que" nos informantes de alta escolaridade contra 44,4% dos de baixa, mas apenas 9,1 % de aonde expressam "lugar a que" nos informantes de alta escolaridade contra 14,3% nos de baixa - veja-se que, neste último caso, são os informantes de baixa escolaridade que mais seguem o uso normatizado do aonde (embora a diferença em relação os de alta seja bem pequena: apenas 5,2%). Para avaliar se essa aparente contradição está relacionada a algum tipo de mudança em curso, convém analisar esses dados levando em conta a faixa etária dos informantes. Quadro 4: Onde e correlatos por valor semântico e por faixa etária LUGAR EM QUE LUGAR A QUE Jovem Adulto Idoso Jovem Adulto Idoso onde (46,7%) (56,5%) (72,2%) (85,7%) (75%) aonde (53,3%) (43,5%) (27,8%) (25%) Total (100%) (100%) (100%) (100%) (100%) Os padrões explicitados pelo Quadro 4 sugerem, no que diz respeito a "lugar em que", que estaria passando a predominar a forma aonde para expressar esse valor, pois, quanto mais novo o informante, mais uso faz dessa forma - veja-se como o emprego dessa forma é inversamente proporcional à faixa etária: jovem = 53,3%, adulto = 43,5%, idoso = 27,8%. No caso de "lugar a que", o que se poderia constatar é um predomínio de onde em detrimento de aonde, mas esta

7 César Nardelli Cambraia e Leonardo Eustáquio Siqueira Araújo I Variação em locativos no português de Belo Horizonte: estudo sociolinguístico 7.29 tendência não é tão nítida já que não há dados de idosos para se configurar uma escala. Em síntese, percebe-se que a faixa etária apresenta uma relação inversa com o emprego normatizado das formas em questão, ou seja, quanto mais jovem o informante, mais o uso dos locativos se distancia da norma. Mas será realmente que se trata de um processo de mudança em curso (associação deaonde a "lugar em que" e de onde a "lugar a que") ou os padrões encontrados são fruto da atuação do ensino escolar, ou seja, a diferença no emprego das formas segundo a faixa etária derivaria primordialmente do nível de escolaridade? Para responder a essa questão é necessário cruzar os dados dos quadros 3 e 4, o que se faz no quadro 5 abaixo: Quadro 5: Onde e correlatos expressando "lugar em que" Baixa escolaridade Alta escolaridade Jovem Adulto Idoso Jovem Adulto Idoso onde (36,4%) (55,5%) (57,1%) (75%) (64,3%) (81,8%) aonde (63,6%) (44,5%) (42,9%) (25%) (35,7%) (18,2%) Total (100%) (100%) (100%) (100%) (100%) (100%) Quadro 6: Onde e correlatos expressando ' lugar a que" Baixa escolaridade Alta escolaridade Jovem Adulto Idoso Jovem Adulto Idoso onde (100%) (80%) (100%) (66,6%) aonde (20%) (33,3%) Total (100%) (100%) (100%) (99,9%) Observando o quadro 5, é possível perceber como o nível de escolaridade interfere no emprego dos locativos expressando "lugar em que": se, por um lado, não atua de forma categórica, já que mesmo na fala de informantes de alta escolaridade se verifica variação - e nas três faixas etárias -; por outro lado, onde com valor de "lugar em que" é predominante nos falantes de alta escolaridade e minoritário em falantes com baixa escolaridade. Outro aspecto importante é que a escala de predomínio de aonde exprimindo "lugar em que" inversa quanto à faixa etária, constatada no anteriormente no quadro 4, mantêm-se nos informantes de baixa escolaridade (jovem: 63,6%, adulto: 44,5%, idoso: 42,9%), mas não nos de alta (jovem: 25%, adulto: 35,7%, idoso: 18,2%) - o que sugere que o ensino pode estar barrando a implementação de uma possível mudança, tal como indicam os dados no tempo aparente (ou seja, no comportamento distinto segundo a faixa etária), segundo a terminologia laboviana. Consultando-se ainda o quadro 6, verif ica-se que o nível de escolaridade não parece atuar na seleção de onde e aonde com valor de "lugar a que", já que a distribuição das formas é praticamente idêntica nas duas categorias de nível de escolaridade. Conclusões Pode-se, enfim, dizer que a pesquisa aqui descrita se mostrou bastante produtiva, já que os resultados evidenciaram fatos até então ausentes na literatura especializada, abrindo, assim, novas frentes de trabalho para o avanço do conhecimento quando ao sistema de locativos composto por onde e correlatos no português contemporâneo. Assim sendo, convém sumarizar os resultados mais significativos aqui obtidos.

8 /1() PARALELO 20 I BELO HORIZONTE I N.02 I DEZ./2004 I P, Primeiramente, constatou-se que o inventário de forma atual difere levemente do descrito nas obras consultadas: por um lado, não se registrou ocorrência da forma adonde, atestada em documentos de outras épocas (cf., p. ex., SAID AU, 1964, p. 186); por outro, registrou-se ocorrência da forma naonde, não mencionada em nenhum dos estudos consultados (cf. referências bibliográficas). Parece ainda haver uma assimetria em termos combinatórios, pois a forma aonde aparece combinada com o alomorfe da preposição em e nunca com as preposições de e por, elementos estes com os quais a forma onde se combina. Percebese, portanto, que o sistema deve ter passado por modificações ao longo de sua história, através de supressão de formas antigas e criação de novas formas. Em segundo lugar, comprovou-se, através de dados empíricos sistemática e rigorosamente coletados, que o sistema de locativos apresenta variação, especialmente entre as formas onde e aonde expressando "lugar em que" e "lugar a que", fato este apenas eventualmente explicitado nas gramáticas tradicionais do português. Considerando que a norma gramatical preconiza uso específico para cada uma dessas duas, era de se esperar que esse fato fosse regularmente explicitado, a fim de que os falantes soubessem diferenciar com clareza os padrões do português vernacular (espontâneo) e os do português padrão (culto), empregado-os segundo a circunstância exige. Em terceiro lugar, verificou-se que o nível de escolaridade favorece o emprego de onde segundo a norma gramatical (ou seja, com valor de "lugar em que"), mas o mesmo não ocorre em relação ao uso úeaonde (com valor de "lugar a que"). Essa assimetria não era esperada e duas explicações podem ser pensadas para dar conta dela: (a) os dados do corpus em relação ao valor semântico de "lugar a que" foram insuficientes (houve 56 ocorrências de formas não-ambíguas para "lugar em que", mas apenas 18 pra "lugar a que") ou (b) a já mencionada lacuna sobre a forma aonde nas gramáticas tradicionais (cf., p. ex., LIMA, 1972 e MELO, 1978) impede que o falante, durante o processo de escolarização, fixe qual seria a forma normatizada para o valor "lugar a que". Em quarto lugar, detectou-se que parece haver uma mudança em curso, já que em informantes de baixa escolaridade, a forma aonde estaria se impondo como preferencial para a expressão de "lugar em que" (há uma proporção inversa entre a faixa etária e esse uso). Essa possível mudança, porém, só pode ser confirmada através de confronto com dados de outras épocas ou, na terminologia laboviana, no tempo real. Essa tendência de predomínio do aonde com valor de "lugar em que" é realmente curiosa, já que, nos dados relativos à primeira documentação da formaaorate, em texto do séc. XIV, analisados por Cambraia (2002), as três únicas ocorrências dessa forma são justamente com o valor de "lugar em que" (embora uma das ocorrências apareça em um contexto ambíguo, que poderia exprimir "lugar em que" e "lugar a que"). Esses resultados mostram que se trata de um fenómeno complexo, envolvendo fatores intra- e extralingúísticos, razão pela qual demanda novos estudos para contemplar aspectos como: (i) influência ou não da variável género do informante na variação; (ii) influência ou não da clivagem (onde xonde é que), detectada em alguns dos dados do corpus utilizado neste trabalho, na variação; (iii) papel dos contextos ambíguos no favorecimento e/ou manutenção da variação. A análise desse fenómeno no tempo real, também é necessária para se avaliar se se está, de fato, lidando com uma mudança em progresso no sistema de locativos ou se se trata de uma variação estável já de Ion-

9 ' Nardelli Cambraia e Leonardo Eustáquio Siqueira Araújo I Variação em locativos no português de Belo Horizonte: estudo sociolinguístico J^J go termo. Considerando (i) que o aonde é composto etimologicamente da preposição a e do item onde e (ii) que a preposição a tem sido substituída porem em diversos contextos (cf. CUNHA, 1960), seria ainda interessante relacionar, em um estudo histórico, o percurso da preposição a e o da forma aonde no português. Abstract: In order to present a contribution to the studies on variation phenomena in Portuguese, a sociolinguistic research on onde and its related forms was done, based on data gathered from interviews with Portuguese native speakers bom in Belo Horizonte city. The questions investigated were (a) the inventory of the items in use nowadays, (b) the variation among some of these items, (c) the role of the education levei in the use of these items, and (d) the possibility of change in progress in this system. Houve, além dessas, três ocorrências mais dos itens em questão (uma de onde, uma de aonde e uma de (ajonde) que foram eliminadas da análise, pois apresentavam valor temporal e a presente pesquisa limita-se ao seu estudo com valor locativo. A ausência de onde combinado com em (~ ni) pode ter duas origens: (a) limitação do corpus (o que poderá futuramente ser sanado com uma ampliação desta pesquisa) ou (b) diferenças dialetais, pois, nos dados coletados por Careno (1997, p. 141) em comunidades negras do Vale do Ribeira (SP), há registro desse tipo de combinação: "(...) aí vim cu Antonhu Pedru mais anti dessu LÁ:: ríondi tem aquela casa primeira qui::... vocês passaru lá (...)" (informante masculino, 76 anos, município: Eldorado Paulista / bairro: Abobral, data: 28/ 07/1988, grifo nosso). Em dados como "Devia ser uns 60 ou 70m úaonde a gente tava pescando (...)" (informante EdnBE adulto com baixa escolaridade), a preposição de, ligada ao aonde, não é subcategorizada pelo verbo da oração subordinada (relativa livre), critério utilizado nesta pesquisa para segmentar os itens em estudo, por isso considerouse como forma a ser inventariada, em casos como esse, o aonde (houve três desses casos, todos de autoria de informantes com baixa escolaridade). Key-words: Portuguese language, sociolinguistics, linguistic variation, adverbs, pronoms. Notas: 1 Aparentemente, apenas três estudos contemplaram especificamente esse tópico até o presente; no entanto, todos voltados para dados do passado e do português europeu: em Bonfim (1993), analisaramse dados dos sécs. XIII a XVI, com ênfase à relação entre as formas u e onde; ênfase à forma aonde foi dada em Cambraia (1996), e que se analisaram dados dos sécs. XVI e XVII, e em Cambraia (2002), baseado em dados do séc. XIV. o Está-se considerando aqui que "lugar a que" e "lugar para que" sao valores distintos, pois o primeiro indicaria apenas "destino", enquanto o segundo indicaria "destino" e teria ainda agregada uma noção de "permanência durativa" nesse destino. O valor semântico dos locativos foi estabelecido com base no verbo da oração subordinada, nos casos de período composto.

10 1^2 PARALELO 20 I BELO HORIZONTE I N.02 I DEZ./2004 I P Referências bibliográficas BISOL, Leda. Sândi vocálico externo: degeminação e elisão. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, n. 23, p , BONFIM, Eneida do Rêgo Monteiro. Variação e mudança no português arcaico: o caso de u e de onde. Palavra, Rio de Janeiro, n/l., p , CÂMARA JR., Joaquim Mattoso. História e estrutura da língua portuguesa. 4. ed. Rio de Janeiro: Padrão, CAMBRAIA, César Nardelli. Um estudo sobre a história do aonde na língua portuguesa Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) - Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, CAMBRAIA, César Nardelli. Sobre as origens do "aonde" na língua portuguesa. In: COHEN, M. A. A. M.; RAMOS, J. M. (orgs.). Dialeto mineiro e outras falas: estudos de variação e mudança linguística Belo Horizonte: Faculdade de Letras da UFMG, CARENO, Mary Francisca do. Vale do Ribeira: a voz e a vez das comunidades negras. São Paulo: Arte & Ciência/ UNIP, CUNHA, Celso. Ni "em" = em casa de. Ibérida, Rio de Janeiro, n. 4, p , CUNHA, Celso; CINTRA, Lindley. Nova gramática do português contemporâneo. 2. ed., 5. impr. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, LABOV, William. Sociolinguistic patterns. Philadelphia: University of Philadelphia Press, 1972a. LABOV, William. Language in the inner city. Philadelphia: University of Philadelphia Press, 1972b. PAIVA, Maria da Conceição; SCHERRE, Maria Marta Pereira. Retrospectiva sociolinguística: contribuição do PEUL. Delta, São Paulo, v. 15, n. especial, p ,1999. PEREIRA, Eduardo Carlos. Gramática histórica. 6. ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, PONTES, Eunice. Espaço e tempo na língua Campinas: Pontes, portuguesa. PRETI, Dino ef ai. A linguagem falada culta na cidade de São Paulo: materiais para o seu estudo. São Paulo: T. A. Queiroz, v. 1. SAID ALI, Manuel. Gramática histórica da língua portuguesa. 3. ed. São Paulo: Melhoramentos, TARALLO, Fernando. A pesquisa sociolinguística. 2. ed. São Paulo: Ática, WEINREICH, Uriel; HERZOG, Marvin & LABOV, William. Empirical foundations for a theory of language change. In: LEHMANN, W. P. & MALKIEL, Yakov (Eds.) Directions for histórica! linguistics. Austin: University of Texas Press, César Nardelli Cambraia é graduado em Letras e mestre em Estudos Linguísticos pela Universidade Federal de Minas Gerais e doutor em Filologia e Língua Portuguesa pela Universidade de São Paulo. Leonardo Eustáquio Siqueira Araújo é graduado em Letras e mestrando em Estudos Linguísticos pela Universidade Federal de Minas Gerais.

O USO DE FORMAS DO INDICATIVO POR FORMAS DO SUBJUNTIVO NO PORTUGUÊS BRASILEIRO.

O USO DE FORMAS DO INDICATIVO POR FORMAS DO SUBJUNTIVO NO PORTUGUÊS BRASILEIRO. O USO DE FORMAS DO INDICATIVO POR FORMAS DO SUBJUNTIVO NO PORTUGUÊS BRASILEIRO. ANA ALVES NETA Rua Treze de Maio, 1000 Vila Jadete - Januária-MG - CEP 39480-000 aalvesneta@yahoo.com.br Abstract: Under

Leia mais

A VARIAÇÃO ENTRE OS PRONOMES MIM/EU NA POSIÇÃO DE COMPLEMENTO VERBAL NA FALA EM ALAGOAS: UMA ANÁLISE SOCIOLINGÜÍSTICA VARIACIONISTA

A VARIAÇÃO ENTRE OS PRONOMES MIM/EU NA POSIÇÃO DE COMPLEMENTO VERBAL NA FALA EM ALAGOAS: UMA ANÁLISE SOCIOLINGÜÍSTICA VARIACIONISTA A VARIAÇÃO ENTRE OS PRONOMES MIM/EU NA POSIÇÃO DE COMPLEMENTO VERBAL NA FALA EM ALAGOAS: UMA ANÁLISE SOCIOLINGÜÍSTICA VARIACIONISTA Emanuelle Camila Moraes de Melo Albuquerque (autora bolsista), Renata

Leia mais

Redução do item negativo pré-verbal não: uma abordagem variacionista

Redução do item negativo pré-verbal não: uma abordagem variacionista Redução do item negativo pré-verbal não: uma abordagem variacionista Lílian Teixeira de Sousa Graduada em Letras pela Universidade Federal de Ouro Preto Resumo O presente artigo trata da alternância entre

Leia mais

O APAGAMENTO DO RÓTICO EM CODA SILÁBICA NA ESCRITA DE ESTUDANTES CATUENSES

O APAGAMENTO DO RÓTICO EM CODA SILÁBICA NA ESCRITA DE ESTUDANTES CATUENSES O APAGAMENTO DO RÓTICO EM CODA SILÁBICA NA ESCRITA DE ESTUDANTES CATUENSES Geisa Borges da Costa RESUMO: O presente trabalho, pautando-se nos pressupostos teóricos da sociolingüística quantitativa variacionista,

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE UM BANCO DE DADOS A PARTIR DE JORNAIS DO TRIÂNGULO MINEIRO: CONTRIBUIÇÕES PARA O RESGATE DA SÓCIO- HISTÓRIA DO PORTUGUÊS BRASILEIRO

ORGANIZAÇÃO DE UM BANCO DE DADOS A PARTIR DE JORNAIS DO TRIÂNGULO MINEIRO: CONTRIBUIÇÕES PARA O RESGATE DA SÓCIO- HISTÓRIA DO PORTUGUÊS BRASILEIRO ORGANIZAÇÃO DE UM BANCO DE DADOS A PARTIR DE JORNAIS DO TRIÂNGULO MINEIRO: CONTRIBUIÇÕES PARA O RESGATE DA SÓCIO- HISTÓRIA DO PORTUGUÊS BRASILEIRO Juliana Bertucci Barbosa (UFTM, Uberaba / GEVAR / CNPq)

Leia mais

O ALTEAMENTO DA POSTÔNICA NÃO FINAL /O/ NO FALAR POPULAR DE FORTALEZA: UM OLHAR VARIACIONISTA

O ALTEAMENTO DA POSTÔNICA NÃO FINAL /O/ NO FALAR POPULAR DE FORTALEZA: UM OLHAR VARIACIONISTA O ALTEAMENTO DA POSTÔNICA NÃO FINAL /O/ NO FALAR POPULAR DE FORTALEZA: UM OLHAR VARIACIONISTA Aluiza Alves de Araújo (UECE) 1 aluizazinha@hotmail.com Brenda Kathellen Melo de Almeida (UECE) 2 brendakathellen@yahoo.com.br

Leia mais

FERNANDO TARALLO EM TRÊS MOMENTOS

FERNANDO TARALLO EM TRÊS MOMENTOS FERNANDO TARALLO EM TRÊS MOMENTOS Antonio Carlos Santana de Souza (UEMS / PPGLETRAS UFGRS) acssuems@gmail.com Reúno aqui a resenha de três textos que foram muito importantes para a minha formação sociolinguística.

Leia mais

O USO DA FORMA VOCÊ NO NORTE DE MINAS GERAIS Maria do Socorro Vieira Coelho (UniMontes) soccoelho@hotmail.com

O USO DA FORMA VOCÊ NO NORTE DE MINAS GERAIS Maria do Socorro Vieira Coelho (UniMontes) soccoelho@hotmail.com O USO DA FORMA VOCÊ NO NORTE DE MINAS GERAIS Maria do Socorro Vieira Coelho (UniMontes) soccoelho@hotmail.com 1. Introdução Neste artigo trata-se, sob a perspectiva sociolinguística variacionista, a alternativa

Leia mais

VARIAÇÃO NO USO DAS VOGAIS PRETÔNICAS [E] E [O] NO PORTUGUÊS POPULAR FALADO EM DOURADOS MS

VARIAÇÃO NO USO DAS VOGAIS PRETÔNICAS [E] E [O] NO PORTUGUÊS POPULAR FALADO EM DOURADOS MS VARIAÇÃO NO USO DAS VOGAIS PRETÔNICAS [E] E [O] NO PORTUGUÊS POPULAR FALADO EM DOURADOS MS Márcio Palácios de CARVALHO (UEMS) marciopalacios@hotmail.com Elza Sabino da Silva BUENO (UEMS/FUNDECT) elza20@hotmail.com

Leia mais

ENTREVISTAS SOCIOLINGÜÍSTICAS COMO FONTES PARA OS ESTUDOS CULTURAIS

ENTREVISTAS SOCIOLINGÜÍSTICAS COMO FONTES PARA OS ESTUDOS CULTURAIS ENTREVISTAS SOCIOLINGÜÍSTICAS COMO FONTES PARA OS ESTUDOS CULTURAIS Raquel Meister Ko Freitag 1 Universidade Federal de Sergipe 1. INTRODUÇÃO Neste texto, apresentamos o Banco de Dados do Grupo de Estudos

Leia mais

O PROCESSO DE ASSIMILAÇÃO DA NASALIDADE DAS VOGAIS ORAIS NA FALA ANAPOLINA

O PROCESSO DE ASSIMILAÇÃO DA NASALIDADE DAS VOGAIS ORAIS NA FALA ANAPOLINA O PROCESSO DE ASSIMILAÇÃO DA NASALIDADE DAS VOGAIS ORAIS NA FALA ANAPOLINA Vanilda Oliveira Coelho 1 ; Maria de Lurdes Nazário 1 ; Shirley Eliany Rocha Mattos 2 1 Pesquisadoras convidadas do Núcleo de

Leia mais

CONCORDÂNCIA NOMINAL: REDAÇÕES DE VESTIBULAR NA UFRO

CONCORDÂNCIA NOMINAL: REDAÇÕES DE VESTIBULAR NA UFRO CONCORDÂNCIA NOMINAL: REDAÇÕES DE VESTIBULAR NA UFRO Maria Isabel de Moura * Valdemir Miotello ** RESUMO: Os gerativistas colocam essa relação, como sendo a relação entre a gramaticalidade e a comunicabilidade.

Leia mais

2 Revisão de literatura

2 Revisão de literatura 21 2 Revisão de literatura Realizaremos nessa primeira parte deste capítulo a apresentação disponível para alunos e professores em livros didáticos de PL2E e em Gramáticas (não apenas nas tradicionais,

Leia mais

COLOCAÇÃO DOS CLÍTICOS NO PB: UMA ANÁLISE DA LÍNGUA FALADA NO MUNICÍPIO DE JEREMOABO BA

COLOCAÇÃO DOS CLÍTICOS NO PB: UMA ANÁLISE DA LÍNGUA FALADA NO MUNICÍPIO DE JEREMOABO BA COLOCAÇÃO DOS CLÍTICOS NO PB: UMA ANÁLISE DA LÍNGUA FALADA NO MUNICÍPIO DE JEREMOABO BA Isabela Santos da Silva 1 Isnalda Berger de Figueiredo Alves Filha 2 70 RESUMO: O trabalho apresenta como tema a

Leia mais

APAGAMENTO DE SEMIVOGAIS EM DITONGOS ORAIS NO PORTUGUÊS DO SUL DO BRASIL: ESTUDO DE CASOS

APAGAMENTO DE SEMIVOGAIS EM DITONGOS ORAIS NO PORTUGUÊS DO SUL DO BRASIL: ESTUDO DE CASOS Anais do 6º Encontro Celsul - Círculo de Estudos Lingüísticos do Sul APAGAMENTO DE SEMIVOGAIS EM DITONGOS ORAIS NO PORTUGUÊS DO SUL DO BRASIL: ESTUDO DE CASOS Gerusa PEREIRA (UNISUL) ABSTRACT: The present

Leia mais

MUDANÇA EM TEMPO APARENTE E EM TEMPO REAL: CONSTRUÇÕES TER/HAVER EXISTENCIAIS.

MUDANÇA EM TEMPO APARENTE E EM TEMPO REAL: CONSTRUÇÕES TER/HAVER EXISTENCIAIS. Anais do 5º Encontro do Celsul, Curitiba-PR, 2003 (820-825) MUDANÇA EM TEMPO APARENTE E EM TEMPO REAL: CONSTRUÇÕES TER/HAVER EXISTENCIAIS. Luciene MARTINS (Universidade Federal do Rio de Janeiro) Dinah

Leia mais

COMUNICAÇÃO: O VOCATIVO EM CORPUS DO DIALETO MINEIRO OITOCERNTISTA: UMA ABORDAGEM VARIACIONISTA

COMUNICAÇÃO: O VOCATIVO EM CORPUS DO DIALETO MINEIRO OITOCERNTISTA: UMA ABORDAGEM VARIACIONISTA COMUNICAÇÃO: O VOCATIVO EM CORPUS DO DIALETO MINEIRO OITOCERNTISTA: UMA ABORDAGEM VARIACIONISTA -Juliana Costa Moreira -UFOP -Mônica G. R. de Alkmim -UFOP O presente trabalho tem como objeto de estudo

Leia mais

A VARIÁVEL (R) EM FINAL DE PALAVRA NO BAIRRO VÁRZEA, MUNICÍPIO DE LAGOA SANTA-MG Diogo W. Vilaça (UFMG) diovilaca@yahoo.com.br

A VARIÁVEL (R) EM FINAL DE PALAVRA NO BAIRRO VÁRZEA, MUNICÍPIO DE LAGOA SANTA-MG Diogo W. Vilaça (UFMG) diovilaca@yahoo.com.br A VARIÁVEL (R) EM FINAL DE PALAVRA NO BAIRRO VÁRZEA, MUNICÍPIO DE LAGOA SANTA-MG Diogo W. Vilaça (UFMG) diovilaca@yahoo.com.br 1. Introdução Esta pesquisa está inserida no projeto Varfon-Minas Variação

Leia mais

ANÁLISE DE ALGUNS EXERCÍCIOS DE COMPREENSÃO AUDITIVA DA COLEÇÃO AMERICAN HEADWAY NA PERSPECTIVA DA SOCIOLINGUÍSTICA

ANÁLISE DE ALGUNS EXERCÍCIOS DE COMPREENSÃO AUDITIVA DA COLEÇÃO AMERICAN HEADWAY NA PERSPECTIVA DA SOCIOLINGUÍSTICA ANÁLISE DE ALGUNS EXERCÍCIOS DE COMPREENSÃO AUDITIVA DA COLEÇÃO AMERICAN HEADWAY NA PERSPECTIVA DA Cristiane Toffanello Mestranda UniRitter/Laureate International Universities Cristoffi@hotmail.com SOCIOLINGUÍSTICA

Leia mais

Português- Prof. Verônica Ferreira

Português- Prof. Verônica Ferreira Português- Prof. Verônica Ferreira 1 Com relação a aspectos linguísticos e aos sentidos do texto acima, julgue os itens a seguir. No trecho que podemos chamar de silenciosa (l.15-16), o termo de silenciosa

Leia mais

Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I. Unidade I:

Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I. Unidade I: Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I Unidade I: 0 OS NÍVEIS DE ANÁLISE LINGUÍSTICA I Níveis de análise da língua Análise significa partição em segmentos menores para melhor compreensão do tema.

Leia mais

Mudanças em curso no português brasileiro: contrastando duas comunidades. Dinah Callou e Erica Almeida

Mudanças em curso no português brasileiro: contrastando duas comunidades. Dinah Callou e Erica Almeida Mudanças em curso no português brasileiro: contrastando duas comunidades Dinah Callou e Erica Almeida Universidade Federal do Rio de Janeiro Abstract This paper discusses four linguistic processes in two

Leia mais

O PAPEL DA FUNCIONALIDADE NA RETRAÇÃO DA MUDANÇA

O PAPEL DA FUNCIONALIDADE NA RETRAÇÃO DA MUDANÇA O PAPEL DA FUNCIONALIDADE NA RETRAÇÃO DA MUDANÇA Maria Cecília de Magalhães Mollica (UFRJ/CNPq) ceciliamollica@terra.com.br Camille de Miranda Fernandez (UFRJ/PIBIC/CNPq) 1 RESUMO: Este texto oferece evidências

Leia mais

O USO DE NÓS E A GENTE, EM FUNÇÃO DE SUJEITO, NA COMUNIDADE RURAL DE PIABAS

O USO DE NÓS E A GENTE, EM FUNÇÃO DE SUJEITO, NA COMUNIDADE RURAL DE PIABAS O USO DE NÓS E A GENTE, EM FUNÇÃO DE SUJEITO, NA COMUNIDADE RURAL DE PIABAS Adilma Sampaio 1 Lucélia Lima Lopes RESUMO Os objetivos deste artigo consistem na observação da variação, no português brasileiro,

Leia mais

Prosódia de declarativas e interrogativas totais no falar marianense e belorizontino

Prosódia de declarativas e interrogativas totais no falar marianense e belorizontino Prosódia de declarativas e interrogativas totais no falar marianense e belorizontino César Reis (UFMG) Leandra Batista Antunes (UFOP) Leandro Augusto dos Santos (UFOP) Vanessa Pinha (UFMG) Apesar de os

Leia mais

CAMPOS LEXICOS DOS FALARES RURAIS DE GOIÁS, MATO GROSSO, MINAS GERAIS E SÃO PAULO.

CAMPOS LEXICOS DOS FALARES RURAIS DE GOIÁS, MATO GROSSO, MINAS GERAIS E SÃO PAULO. CAMPOS LEXICOS DOS FALARES RURAIS DE GOIÁS, MATO GROSSO, MINAS GERAIS E SÃO PAULO. Gisele Martins SIQUEIRA (Mestranda FL/UFG) Gisele.msiqueira@gmail.com Maria Suelí de AGUIAR (FL/UFG) aguiarmarias@gamil.com

Leia mais

VARIAÇÃO E MUDANÇA NO PORTUGUÊS DA AMAZÔNIA: UMA ANÁLISE DO MARCADOR PRAGMÁTICO EXTRA-CLÁUSULA TÁ NO FALAR SANTARENO(ESTADO DO PARÁ )

VARIAÇÃO E MUDANÇA NO PORTUGUÊS DA AMAZÔNIA: UMA ANÁLISE DO MARCADOR PRAGMÁTICO EXTRA-CLÁUSULA TÁ NO FALAR SANTARENO(ESTADO DO PARÁ ) VARIAÇÃO E MUDANÇA NO PORTUGUÊS DA AMAZÔNIA: UMA ANÁLISE DO MARCADOR PRAGMÁTICO EXTRA-CLÁUSULA TÁ NO FALAR SANTARENO(ESTADO DO PARÁ ) Ediene Pena-Ferreira Marcela de Lima Gomes Universidade Federal do

Leia mais

A gente em relações de concordância com a estrutura pronome reflexivo + verbo na variedade alagoana do PB 1

A gente em relações de concordância com a estrutura pronome reflexivo + verbo na variedade alagoana do PB 1 A gente em relações de concordância com a estrutura pronome reflexivo + verbo na variedade alagoana do PB 1 Ahiranie Sales Santos Manzoni 2 Renata Lívia de Araújo Santos 3 RESUMO: Este artigo analisa a

Leia mais

A MARCAÇÃO DE PLURALIDADE NAS ESTRUTURAS PREDICATIVAS DA REGIÃO DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO

A MARCAÇÃO DE PLURALIDADE NAS ESTRUTURAS PREDICATIVAS DA REGIÃO DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO A MARCAÇÃO DE PLURALIDADE NAS ESTRUTURAS PREDICATIVAS DA REGIÃO DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO Introdução Mircia Hermenegildo Salomão (IBILCE/UNESP) 1 Este trabalho procura investigar, com base nas ocorrências

Leia mais

Palavras-chave: Toponímia, linguística, memória, imigração italiana, Belo Horizonte.

Palavras-chave: Toponímia, linguística, memória, imigração italiana, Belo Horizonte. MARCAS DA ITÁLIA NA TOPONÍMIA DE BELO HORIZONTE Resumo Zuleide Ferreira Filgueiras 1 Esta comunicação tem como objetivo apresentar os principais resultados da dissertação de mestrado A presença italiana

Leia mais

PROCESSOS DE EXPERIÊNCIA: A CEGUEIRA E A BAIXA VISÃO A PARTIR DA LINGUÍSTICA SISTÊMICO-FUNCIONAL

PROCESSOS DE EXPERIÊNCIA: A CEGUEIRA E A BAIXA VISÃO A PARTIR DA LINGUÍSTICA SISTÊMICO-FUNCIONAL PROCESSOS DE EXPERIÊNCIA: A CEGUEIRA E A BAIXA VISÃO A PARTIR DA LINGUÍSTICA SISTÊMICO-FUNCIONAL João Ricardo Melo Figueiredo (IBC) joaoricm@hotmail.com RESUMO Este trabalho apresenta uma análise sociolinguística

Leia mais

Alternância tu/você em Santa Catarina: uma abordagem variacionista

Alternância tu/você em Santa Catarina: uma abordagem variacionista Alternância tu/você em Santa Catarina: uma abordagem variacionista Loremi Loregian-Penkal 1 1 Departamento de Letras Universidade Estadual do Centro Oeste (UNICENTRO) Rua Holanda, 293 84500-000 Irati PR

Leia mais

GRAMÁTICA OU GRAMÁTICAS DO PORTUGUÊS BRASILEIRO? O PROBLEMA DA IMPLEMENTAÇÃO NA MUDANÇA SINTÁTICA

GRAMÁTICA OU GRAMÁTICAS DO PORTUGUÊS BRASILEIRO? O PROBLEMA DA IMPLEMENTAÇÃO NA MUDANÇA SINTÁTICA GRAMÁTICA OU GRAMÁTICAS DO PORTUGUÊS BRASILEIRO? O PROBLEMA DA IMPLEMENTAÇÃO NA MUDANÇA SINTÁTICA Marco Antonio Martins Universidade Federal do Rio Grande do Norte Resumo: Este artigo reflete sobre os

Leia mais

1 Graduada em Letras pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Mestre e Doutora em Linguística pela

1 Graduada em Letras pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Mestre e Doutora em Linguística pela 1 1 Graduada em Letras pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Mestre e Doutora em Linguística pela mesma instituição. Professora Adjunta IV na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Leia mais

Analysing sociolinguistic variation, de autoria de Sali Tagliamonte (University

Analysing sociolinguistic variation, de autoria de Sali Tagliamonte (University Cadernos de Letras da UFF Dossiê: Difusão da língua portuguesa, n o 39, p. 321-328, 2009 321 ANALYSING SOCIOLINGUISTIC VARIATION, SALI TAGLIAMONTE (2006) Por Humberto Soares da Silva Analysing sociolinguistic

Leia mais

O fenômeno da interpolação na história da colocação de clíticos em português

O fenômeno da interpolação na história da colocação de clíticos em português Projeto O fenômeno da interpolação na história da colocação de clíticos em português Candidata aprovada no processo seletivo de mestrado 2001 da Universidade Estadual de Campinas: Cristiane Namiuti I.

Leia mais

Autorizado pela Portaria nº 276, de 30/05/15 DOU de 31/03/15

Autorizado pela Portaria nº 276, de 30/05/15 DOU de 31/03/15 C U R S O D E E N G E N H A R I A C I V I L Autorizado pela Portaria nº 276, de 30/05/15 DOU de 31/03/15 Componente Curricular: PORTUGUÊS INSTRUMENTAL Código: ENG. 000 Pré-requisito: ----- Período Letivo:

Leia mais

Pessoais Do caso reto Oblíquo. Possessivos. Demonstrativos. Relativos. Indefinidos. Interrogativos

Pessoais Do caso reto Oblíquo. Possessivos. Demonstrativos. Relativos. Indefinidos. Interrogativos Pessoais Do caso reto Oblíquo Possessivos Demonstrativos Relativos Indefinidos Interrogativos Os pronomes is indicam diretamente as s do discurso. Quem fala ou escreve, assume os pronomes eu ou nós, emprega

Leia mais

MANUTENÇÃO (OU NÃO) DO REFERENTE: UM TIPO DE PARALELISMO REFERENCIAL?

MANUTENÇÃO (OU NÃO) DO REFERENTE: UM TIPO DE PARALELISMO REFERENCIAL? Anais do 6º Encontro Celsul - Círculo de Estudos Lingüísticos do Sul MANUTENÇÃO (OU NÃO) DO REFERENTE: UM TIPO DE PARALELISMO REFERENCIAL? Ivanilde da SILVA (UFSC) ABSTRACT: Studies on syntactic variation

Leia mais

RESENHA DE COHESION IN ENGLISH,

RESENHA DE COHESION IN ENGLISH, BORBA, Valquíria C. Machado. Resenha de Cohesion in English, de Halliday & Hassan. Revista Virtual de Estudos da Linguagem ReVEL. V. 4, n. 6, março de 2006. ISSN 1678-8931 [www.revel.inf.br]. RESENHA DE

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR Página 1/3 CURSO: LETRAS - GRADUAÇÃO - LICENCIATURA GRADE: INGRESSANTES 2015/1

MATRIZ CURRICULAR Página 1/3 CURSO: LETRAS - GRADUAÇÃO - LICENCIATURA GRADE: INGRESSANTES 2015/1 Página 1/3 Período: 1 ENADE INGRESSANTE 0 ESTILÍSTICA 36 LITERATURA BRASILEIRA: CONTEMPORÂNEA 72 LITERATURA EM LÍNGUA INGLESA 72 LITERATURA EM LÍNGUA INGLESA: AS ÉPOCAS VITORIANA E CONTEMPORÂNEA 36 LÍNGUA

Leia mais

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Língua Portuguesa

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Língua Portuguesa 01. Alternativa (E) Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Língua Portuguesa Alternativa que contém palavras grafadas de acordo com o Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa - VOLP 02. Alternativa

Leia mais

O USO DA NORMA PADRÃO E NÃO-PADRÃO NA CONJUGAÇÃO DO VERBO ESTAR

O USO DA NORMA PADRÃO E NÃO-PADRÃO NA CONJUGAÇÃO DO VERBO ESTAR Anais do 6º Encontro Celsul - Círculo de Estudos Lingüísticos do Sul O USO DA NORMA PADRÃO E NÃO-PADRÃO NA CONJUGAÇÃO DO VERBO ESTAR Emanuelle Milek (Pontifícia Universidade Católica do Paraná) ABSTRACT:

Leia mais

VARIAÇÕES NO DOMÍNIO DA LÍNGUA PORTUGUESA Ânderson Rodrigues Marins (UFF) andermarins@gmail.com e andermarins@hotmail.com

VARIAÇÕES NO DOMÍNIO DA LÍNGUA PORTUGUESA Ânderson Rodrigues Marins (UFF) andermarins@gmail.com e andermarins@hotmail.com VARIAÇÕES NO DOMÍNIO DA LÍNGUA PORTUGUESA Ânderson Rodrigues Marins (UFF) andermarins@gmail.com e andermarins@hotmail.com INTRODUÇÃO Os que se detêm na análise mais acurada dos fenômenos lingüísticos percebem

Leia mais

Período composto por subordinação

Período composto por subordinação Período composto por subordinação GRAMÁTICA MAIO 2015 Na aula anterior Período composto por coordenação: conjunto de orações independentes Período composto por subordinação: conjunto no qual um oração

Leia mais

Variação linguística nas aulas de língua portuguesa: uma abordagem acerca da eficiência da aplicabilidade dos PCN

Variação linguística nas aulas de língua portuguesa: uma abordagem acerca da eficiência da aplicabilidade dos PCN Variação linguística nas aulas de língua portuguesa: uma abordagem acerca da eficiência da aplicabilidade dos PCN Izete de Souza LIMA 1 Resumo Este trabalho foi realizado a partir de questionamentos em

Leia mais

A DITONGAÇÃO DAS SÍLABAS TÔNICAS FINAIS TRAVADAS NOS FALARES BLUMENAUENSE E PORTO-ALEGRENSE: UMA ANÁLISE PRELIMINAR

A DITONGAÇÃO DAS SÍLABAS TÔNICAS FINAIS TRAVADAS NOS FALARES BLUMENAUENSE E PORTO-ALEGRENSE: UMA ANÁLISE PRELIMINAR Página94 A DITONGAÇÃO DAS SÍLABAS TÔNICAS FINAIS TRAVADAS NOS FALARES BLUMENAUENSE E PORTO-ALEGRENSE: UMA ANÁLISE PRELIMINAR Cristiane Gonçalves Uliano 1 Maria Fernanda Silva de Carvalho 2 Marina da Costa

Leia mais

5 Sintaxe dos verbos haver e existir

5 Sintaxe dos verbos haver e existir 5 Sintaxe dos verbos haver e existir Há aspectos envolvidos em construções com haver e existir que são muito importantes, para encontrar as raízes das dificuldades que se apresentam no uso desses dois

Leia mais

VARIAÇÃO LINGUÍSTICA E ENSINO: CONTRIBUIÇÕES DA SOCIOLINGUÍSTICA PARA A SALA DE AULA

VARIAÇÃO LINGUÍSTICA E ENSINO: CONTRIBUIÇÕES DA SOCIOLINGUÍSTICA PARA A SALA DE AULA 1 VARIAÇÃO LINGUÍSTICA E ENSINO: CONTRIBUIÇÕES DA SOCIOLINGUÍSTICA PARA A SALA DE AULA INTRODUÇÃO Ariosvaldo Leal de Jesus (FSLF) 1 Considerando que não é mais possível pensar o ensino de uma língua, hoje,

Leia mais

As questões a seguir foram extraídas de provas de concurso.

As questões a seguir foram extraídas de provas de concurso. COMENTÁRIO QUESTÕES DE PORTUGUÊS PROFESSORA: FABYANA MUNIZ As questões a seguir foram extraídas de provas de concurso. 1. (FCC)...estima-se que sejam 20 línguas. (2º parágrafo) O verbo flexionado nos mesmos

Leia mais

CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA

CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 761 CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA Fabiana Gonçalves Monti 1, Sérgio

Leia mais

Conhecer o conteúdo programático do componente Língua Portuguesa e desenvolver habilidades de compreensão, interpretação e produção de textos orais e

Conhecer o conteúdo programático do componente Língua Portuguesa e desenvolver habilidades de compreensão, interpretação e produção de textos orais e Conhecer o conteúdo programático do componente Língua Portuguesa e desenvolver habilidades de compreensão, interpretação e produção de textos orais e escritos à maneira adequada do padrão da língua materna;

Leia mais

48 QUESTÕES E RESPOSTA DISCUTIDAS A PARTIR DO LIVRO LÍNGUA DE EULÁLIA. BAGNO, Marcos. A língua de Eulália novela sociolinguística. Ed. Contexto, 1998.

48 QUESTÕES E RESPOSTA DISCUTIDAS A PARTIR DO LIVRO LÍNGUA DE EULÁLIA. BAGNO, Marcos. A língua de Eulália novela sociolinguística. Ed. Contexto, 1998. 48 QUESTÕES E RESPOSTA DISCUTIDAS A PARTIR DO LIVRO LÍNGUA DE EULÁLIA BAGNO, Marcos. A língua de Eulália novela sociolinguística. Ed. Contexto, 1998. 1) Comentar a citação inicial de William Labov. R:

Leia mais

PROBLEMAS NA CARACTERIZAÇÃO DA CLASSE DOS ADVÉRBIOS: O CASO DO ASSIM Giovanna Mazzaro VALENZA (G- UFPR)

PROBLEMAS NA CARACTERIZAÇÃO DA CLASSE DOS ADVÉRBIOS: O CASO DO ASSIM Giovanna Mazzaro VALENZA (G- UFPR) Anais do 6º Encontro Celsul - Círculo de Estudos Lingüísticos do Sul PROBLEMAS NA CARACTERIZAÇÃO DA CLASSE DOS ADVÉRBIOS: O CASO DO ASSIM Giovanna Mazzaro VALENZA (G- UFPR) ABSTRACT: In this work, I intend

Leia mais

Mariléia Reis 1 Almerinda Bianca Batti Dias 2. marileiareis@unisul.br bbd@unesc.net

Mariléia Reis 1 Almerinda Bianca Batti Dias 2. marileiareis@unisul.br bbd@unesc.net REIS, Mariléia; DIAS, Almerinda Bianca Batti. A vibrante final de infinitivo na fala de crianças em fase final de aquisição da linguagem: o efeito cumulativo de natureza fonomorfossintática sobre o fonema

Leia mais

O PAPEL SOCIAL DA LÍNGUA: O PODER DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS Carmen Elena das Chagas (UFF/UNESA) carmenelena@bol.com.br

O PAPEL SOCIAL DA LÍNGUA: O PODER DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS Carmen Elena das Chagas (UFF/UNESA) carmenelena@bol.com.br O PAPEL SOCIAL DA LÍNGUA: O PODER DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS Carmen Elena das Chagas (UFF/UNESA) carmenelena@bol.com.br CONSIDERAÇÕES INICIAIS A língua, na concepção da sociolingüística, é intrinsecamente

Leia mais

16 Pronúncia do Inglês

16 Pronúncia do Inglês Este livro tem por objetivo central apresentar os sons do inglês aos falantes do português brasileiro. Pretende-se, ainda, indicar algumas diferenças de pronúncia entre variedades do inglês falado em diferentes

Leia mais

Conteúdo Programático

Conteúdo Programático Conteúdo Programático Conhecimentos Básicos Português Básico Gramática Sobre o curso: Ele é direcionado a todo aluno que pretende construir uma base sólida de conhecimentos fundamentais para resolver as

Leia mais

A HARMONIA VOCÁLICA EM VERBOS DE 2ª E 3ª CONJUGAÇÕES NO PORTUGUÊS BRASILEIRO

A HARMONIA VOCÁLICA EM VERBOS DE 2ª E 3ª CONJUGAÇÕES NO PORTUGUÊS BRASILEIRO A HARMONIA VOCÁLICA EM VERBOS DE 2ª E 3ª CONJUGAÇÕES NO PORTUGUÊS BRASILEIRO Guilherme Duarte GARCIA * (Universidade Federal do Rio Grande do Sul) Emanuel Souza de QUADROS ** (Universidade Federal do Rio

Leia mais

A CONCORDÂNCIA NOMINAL DE NÚMERO NA LINGUAGEM INFANTIL

A CONCORDÂNCIA NOMINAL DE NÚMERO NA LINGUAGEM INFANTIL Anais do 5º Encontro do Celsul, Curitiba-PR, 2003 (465-469) A CONCORDÂNCIA NOMINAL DE NÚMERO NA LINGUAGEM INFANTIL Elaine Teresinha Costa CAPELLARI (Universidade Federal do Rio Grande do Sul) ABSTRACT:

Leia mais

Por ser um tópico gramatical abordado de modo estritamente normativo, a

Por ser um tópico gramatical abordado de modo estritamente normativo, a 72 Os pronomes pessoais átonos e sua sintaxe de colocação nos livros didáticos Francisco Eduardo Vieira da Silva* Resumo: Neste artigo é verificada a forma como os livros didáticos abordam os pronomes

Leia mais

Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Plano de Trabalho Docente 2015 ETEC PAULINO BOTELHO / E.E. ESTERINA PLACCO (EXTENSÃO)

Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Plano de Trabalho Docente 2015 ETEC PAULINO BOTELHO / E.E. ESTERINA PLACCO (EXTENSÃO) Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO / E.E. ESTERINA PLACCO (EXTENSÃO) Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

USO DOS PRONOMES DEMONSTRATIVOS NA FALA E NA ESCRITA 1

USO DOS PRONOMES DEMONSTRATIVOS NA FALA E NA ESCRITA 1 USO DOS PRONOMES DEMONSTRATIVOS NA FALA E NA ESCRITA 1 RESUMO Sirlei de Faria Andrade¹ Nesta pesquisa, o objeto de estudo é análise da apresentação dos pronomes demonstrativos nas gramáticas de Bechara

Leia mais

PONTO DE CONTATO: Transferência da Palatalização do Português para o Inglês 1

PONTO DE CONTATO: Transferência da Palatalização do Português para o Inglês 1 PONTO DE CONTATO: Transferência da Palatalização do Português para o Inglês 1 Mestranda Neliane Raquel Macedo Aquino (UFT) Resumo: A aprendizagem de uma língua estrangeira LE possibilita transferências

Leia mais

Questão 01 Interpretação de texto. Questão 02 Acentuação gráfica

Questão 01 Interpretação de texto. Questão 02 Acentuação gráfica COMENTÁRIOS E RESPOSTAS À PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA DE NÍVEL MÉDIO PARA AGENTE ADMINSITRATIVO AUXILIAR PORTO ALEGRE DO CONCURSO DA FUNDAÇÃO ESTADUAL DE PROTEÇÃO E PESQUISA EM SAÚDE FEPS PROVA REALIZADA

Leia mais

Análise da concordância verbal em redações de vestibular

Análise da concordância verbal em redações de vestibular Análise da concordância verbal em redações de vestibular Silvânia Oliveira da Silva 1 RESUMO: Este trabalho apresenta a análise da variação na concordância verbal em redações de vestibulares, dos anos

Leia mais

1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias

1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias 1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias Objetivamos, com esse trabalho, apresentar um estudo dos processos de importação lexical do português que ocorrem

Leia mais

4. A nominalização em Inglês e Português. Derivados nominais e nominalizações gerundivas.

4. A nominalização em Inglês e Português. Derivados nominais e nominalizações gerundivas. 36 4. A nominalização em Inglês e Português. Derivados nominais e nominalizações gerundivas. Em inglês, diversos nominais são formados a partir do processo de adição de sufixos, como er, e ing às suas

Leia mais

Curriculum Vitae. José Mario Botelho

Curriculum Vitae. José Mario Botelho Dados pessoais Nome Nome em citações bibliográficas Sexo Endereço profissional José Mario Botelho Curriculum Vitae José Mario Botelho BOTELHO, José Mario Masculino Universidade do Estado do Rio de Janeiro,

Leia mais

Classes Gramaticais: Pronome

Classes Gramaticais: Pronome Classes Gramaticais: Pronome Conceito É a palavra que representa uma pessoa do discurso. Pode se referir a um substantivo ou simplesmente substituí-lo. Ex.: Maria, vi os teus lábios, mas não os beijei.

Leia mais

Projeto de Pesquisa 7/21/2014. Prof. Ricardo Melo. Referências. Conceitos

Projeto de Pesquisa 7/21/2014. Prof. Ricardo Melo. Referências. Conceitos Universidade Federal da Paraíba Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil e Ambiental Laboratório de Geotecnia e Pavimentação Projeto de Pesquisa Prof. Ricardo Melo Referências Richardson,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec:Paulino Botelho/ Professor E.E. Arlindo Bittencourt (extensão) Código: 092-2 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação

Leia mais

A PASSIVA PRONOMINAL NO PORTUGUÊS BRASILEIRO: UMA AVALIAÇÃO 1 Jilvan Evangelista da Silva (UFBA) jilvantnt@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA)

A PASSIVA PRONOMINAL NO PORTUGUÊS BRASILEIRO: UMA AVALIAÇÃO 1 Jilvan Evangelista da Silva (UFBA) jilvantnt@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA) A PASSIVA PRONOMINAL NO PORTUGUÊS BRASILEIRO: UMA AVALIAÇÃO 1 Jilvan Evangelista da Silva (UFBA) jilvantnt@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA) RESUMO Este trabalho tem como objetivo analisar os processos

Leia mais

Enunciação e política de línguas no Brasil

Enunciação e política de línguas no Brasil Enunciação e política de línguas no Brasil Eduardo GUIMARÃES Universidade Estadual de Campinas Considerando o fato de que o Brasil é um país multilingüe, tomo como objetivo específico aqui a reflexão sobre

Leia mais

3. Resultados e discussão. 3.1. Presença de nome nu singular na posição pré e pós-verbal

3. Resultados e discussão. 3.1. Presença de nome nu singular na posição pré e pós-verbal A INCORPORAÇÃO SEMÂNTICA NA AQUISIÇÃO DO NOME NU SINGULAR NA POSIÇÃO PÓS-VERBAL Luciana Santos Brito (Bolsista do PIBIC/UFPI), Gustavo Andrade Nunes Freire (Colaborador, IEL - UNICAMP), Ronald Taveira

Leia mais

:: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica

:: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica :: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica José Mauricio Santos Pinheiro em 21/04/2005 Os princípios indispensáveis à redação científica podem ser resumidos em quatro pontos fundamentais: clareza,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DA PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA DOS ACADÊMICOS DE LETRAS DA UNIFRA: UM PARALELO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A AUTONOMIA DOS MESMOS 1

DESENVOLVIMENTO DA PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA DOS ACADÊMICOS DE LETRAS DA UNIFRA: UM PARALELO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A AUTONOMIA DOS MESMOS 1 DESENVOLVIMENTO DA PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA DOS ACADÊMICOS DE LETRAS DA UNIFRA: UM PARALELO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A AUTONOMIA DOS MESMOS 1 OLIVEIRA, Vinícius. O. 2 MACIEL, Adriana. M. N. RESUMO: O

Leia mais

XVIII CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA

XVIII CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA O USO MULTIFUNCIONAL DO VERBO TER EM TEXTOS VEICULADOS PELA REVISTA VEJA 35 Marise Rodrigues Guedes (UESC) mariseguedess@hotmail.com Maria Felicidade Penha de Lacerda (UESC) Tatiana Falcão Rodrigues Cardoso

Leia mais

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos*

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Magda Soares Doutora e livre-docente em Educação e professora titular emérita da Universidade Federal de Minas Gerais. Um olhar histórico sobre a alfabetização

Leia mais

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO)

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) Processo Avaliativo Unidade Didática PRIMEIRA UNIDADE Competências e Habilidades Aperfeiçoar a escuta de textos orais - Reconhecer

Leia mais

Análise Sintática AMOSTRA DA OBRA. Português é simples. 2ª edição. Eliane Vieira. www.editoraferreira.com.br

Análise Sintática AMOSTRA DA OBRA. Português é simples. 2ª edição. Eliane Vieira. www.editoraferreira.com.br AMOSTRA DA OBRA www.editoraferreira.com.br O sumário aqui apresentado é reprodução fiel do livro 2ª edição. Eliane Vieira Análise Sintática Português é simples 2ª edição Nota sobre a autora Sumário III

Leia mais

RESPOSTA A RECURSO CONTRA QUESTÃO DE PROVA

RESPOSTA A RECURSO CONTRA QUESTÃO DE PROVA 1 LÍNGUA PORTUGUESA Improcedente. Não se julgam as edições d Os Lusíadas, mas somente as formas variantes. _ 2 LÍNGUA PORTUGUESA NÃO PROCEDE ( ) PROCEDE ( X ) Por proceder o pleito de recorrente, a questão

Leia mais

A VARIAÇÃO LINGUÍSTICA E A NORMA CULTA

A VARIAÇÃO LINGUÍSTICA E A NORMA CULTA A VARIAÇÃO LINGUÍSTICA E A NORMA CULTA Fabiana Ferreira de Souza (PPGLET-UEMS) klafabiana@hotmail.com Luciana Martha Carvalho de Jesus (PPGLET-UEMS) lu.martha@hotmail.com Nataniel dos Santos Gomes (UEMS)

Leia mais

H) Final: funciona como adjunto adverbial de finalidade. Conjunções: a fim de que, para que, porque.

H) Final: funciona como adjunto adverbial de finalidade. Conjunções: a fim de que, para que, porque. H) Final: funciona como adjunto adverbial de finalidade. Conjunções: a fim de que, para que, porque. Ex. Ele não precisa do microfone, para que todos o ouçam. I) Proporcional: funciona como adjunto adverbial

Leia mais

A CONCORDÂNCIA VERBAL NO PORTUGUÊS POPULAR DE SALVADOR Welton Rodrigues Santos (UFBA) weltonsantos83@gmail.com

A CONCORDÂNCIA VERBAL NO PORTUGUÊS POPULAR DE SALVADOR Welton Rodrigues Santos (UFBA) weltonsantos83@gmail.com A CONCORDÂNCIA VERBAL NO PORTUGUÊS POPULAR DE SALVADOR Welton Rodrigues Santos (UFBA) weltonsantos83@gmail.com 1. Introdução A língua pode tomar formas diversas a depender da faixa etária do falante, sexo/gênero,

Leia mais

Estudo das classes de palavras Conjunções. A relação de sentido entre orações presentes em um mesmo período e o papel das

Estudo das classes de palavras Conjunções. A relação de sentido entre orações presentes em um mesmo período e o papel das Um pouco de teoria... Observe: Estudo das classes de palavras Conjunções A relação de sentido entre orações presentes em um mesmo período e o papel das I- João saiu, Maria chegou. II- João saiu, quando

Leia mais

ALTERNÂNCIA DO USO DO PRETÉRITO IMPERFEITO E DO FUTURO DO PRETÉRITO NO DISCURSO ORAL

ALTERNÂNCIA DO USO DO PRETÉRITO IMPERFEITO E DO FUTURO DO PRETÉRITO NO DISCURSO ORAL ALTERNÂNCIA DO USO DO PRETÉRITO IMPERFEITO E DO FUTURO DO PRETÉRITO NO DISCURSO ORAL Tania Maria Nunes de Lima Camara * RESUMO: O estudo do discurso oral de diferentes falantes mostrou a alternância no

Leia mais

LÉXICO E SEMÂNTICA CADERNOS DO CNLF, VOL. XI, N 11

LÉXICO E SEMÂNTICA CADERNOS DO CNLF, VOL. XI, N 11 LÉXICO E SEMÂNTICA A RELEVÂNCIA DA SEMÂNTICA NOS ESTUDOS DA ANÁLISE SINTÁTICA DE ORAÇÕES SUBORDINADAS ADVERBIAIS: DESVIOS SINTÁTICO-SEMÂNTICOS Giovana Fernandes Dantas (UERJ) Marco Aurélio Lourenço (UERJ)

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Lingüísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Lingüísticos O ALÇAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS PRETÔNICAS E POSTÔNICAS MEDIAIS Fernando Antônio Pereira Lemos (CEFET-MG) RESUMO Este estudo retoma um tema bastante controverso na literatura: o alçamento das vogais médias

Leia mais

SUJEITO PREPOSICIONADO EM ORAÇÕES REDUZIDAS DE INFINITIVO: DESCRIÇÃO E PRESCRIÇÃO

SUJEITO PREPOSICIONADO EM ORAÇÕES REDUZIDAS DE INFINITIVO: DESCRIÇÃO E PRESCRIÇÃO SUJEITO PREPOSICIONADO EM ORAÇÕES REDUZIDAS DE INFINITIVO: DESCRIÇÃO E PRESCRIÇÃO Marcelo Alessandro Limeira dos Anjos (UFPI) 1 maladosanjos@hotmail.com Meryane Sousa Oliveira (UFPI) 2 meryaneoliveira@hotmail.com

Leia mais

Conjecturas sobre mudança lingüística

Conjecturas sobre mudança lingüística Márluce Coan 1 Resumo: Este artigo visa, inicialmente, à discussão de duas questões: (a) por que as línguas mudam? e (b) é possível explicar a mudança? Nossa proposta para o tratamento da mudança lingüística

Leia mais

PROGRAMAS PARA OS CANDIDATOS A VAGAS 2016 3 o Ano Ensino Fundamental

PROGRAMAS PARA OS CANDIDATOS A VAGAS 2016 3 o Ano Ensino Fundamental 3 o Ano Textos Ler, entender e interpretar contos infantis e textos informativos. Gramática Será dada ênfase à aplicação, pois ela é entendida como instrumento para que o aluno se expresse de maneira adequada

Leia mais

[FOCO] É QUE / [FOCO] QUE X WH É QUE / WH QUE

[FOCO] É QUE / [FOCO] QUE X WH É QUE / WH QUE [FOO] É QUE / [FOO] QUE X WH É QUE / WH QUE Mariana RESENES (UFS) ABSTRAT: Our aim in this paper is to show that sentences formed by [focus]that... are not derived from clefts [focus] is that, parallel

Leia mais

VARIAÇÃO ENTRE O PRESENTE DO INDICATIVO E O PRESENTE DO SUBJUNTIVO E SEUS REFLEXOS NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA

VARIAÇÃO ENTRE O PRESENTE DO INDICATIVO E O PRESENTE DO SUBJUNTIVO E SEUS REFLEXOS NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA VARIAÇÃO ENTRE O PRESENTE DO INDICATIVO E O PRESENTE DO SUBJUNTIVO E SEUS REFLEXOS NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA 1 Idrissa Ribeiro NOVO 1 (UFF) RESUMO: Diversas pesquisas têm apontado a variação entre

Leia mais

VARIAÇÃO LINGUÍSTICA E ENSINO DE LÍNGUA MATERNA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES

VARIAÇÃO LINGUÍSTICA E ENSINO DE LÍNGUA MATERNA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES 1 VARIAÇÃO LINGUÍSTICA E ENSINO DE LÍNGUA MATERNA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES INTRODUÇÃO Francieli Motta da Silva Barbosa Nogueira (Mestranda em Língua e Cultura UFBA/CAPES) A variação linguística é um fenômeno

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS LE I (2 anos) 2015

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS LE I (2 anos) 2015 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS LE I (2 anos) 2015 Prova 06 / 2015 --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

3. O projeto LINDSEI-BR: apresentação e composição

3. O projeto LINDSEI-BR: apresentação e composição DIFICULDADES INERENTES À COMPILAÇÃO DE UM CORPUS ORAL DE INFORMANTES BRASILEIROS APRENDIZES DE INGLÊS PARA O PROJETO LINDSEI-BR 1. Introdução Predomina, atualmente, a utilização de corpora de falantes

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DOS PROFESSORES DE LÍNGUA PORTUGUESA DO ENSINO MÉDIO: PERSPECTIVAS DE MUDANÇA

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DOS PROFESSORES DE LÍNGUA PORTUGUESA DO ENSINO MÉDIO: PERSPECTIVAS DE MUDANÇA PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DOS PROFESSORES DE LÍNGUA PORTUGUESA DO ENSINO MÉDIO: PERSPECTIVAS DE MUDANÇA SANTOS, Lilian 1 NUNES, Célia 2 O presente trabalho tem como objetivo apresentar algumas considerações

Leia mais

Variação e mudança linguística: a emergência do artigo definido na língua latina

Variação e mudança linguística: a emergência do artigo definido na língua latina Revista de Linguística e Teoria Literária ISSN 2176-6800 Variação e mudança linguística: a emergência do artigo definido na língua latina Linguistic variation and change: the emergence of definite article

Leia mais

OPERADORES ARGUMENTATIVOS: AS MARCAS DE ARGUMENTAÇÃO NO GÊNERO NOTÍCIA ONLINE

OPERADORES ARGUMENTATIVOS: AS MARCAS DE ARGUMENTAÇÃO NO GÊNERO NOTÍCIA ONLINE 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 OPERADORES ARGUMENTATIVOS: AS MARCAS DE ARGUMENTAÇÃO NO GÊNERO NOTÍCIA ONLINE André William Alves de Assis 1 RESUMO: Como participantes do processo comunicativo,

Leia mais