A VARIAÇÃO ENTRE OS PRONOMES MIM/EU NA POSIÇÃO DE COMPLEMENTO VERBAL NA FALA EM ALAGOAS: UMA ANÁLISE SOCIOLINGÜÍSTICA VARIACIONISTA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A VARIAÇÃO ENTRE OS PRONOMES MIM/EU NA POSIÇÃO DE COMPLEMENTO VERBAL NA FALA EM ALAGOAS: UMA ANÁLISE SOCIOLINGÜÍSTICA VARIACIONISTA"

Transcrição

1 A VARIAÇÃO ENTRE OS PRONOMES MIM/EU NA POSIÇÃO DE COMPLEMENTO VERBAL NA FALA EM ALAGOAS: UMA ANÁLISE SOCIOLINGÜÍSTICA VARIACIONISTA Emanuelle Camila Moraes de Melo Albuquerque (autora bolsista), Renata Lívia de Araújo Santos (co autora bolsista), Solyany Soares Salgado(co autora bolsista), Aldir Santos de Paula (Professor orientador). PET Letras UFAL (Universidade Federal de Alagoas) 1. INTRODUÇÃO A partir de um questionamento sobre o conceito de pronome, observando os equívocos e restrições que este possui (Cf. BOGO, 1988), sentimos a necessidade de se fazer um estudo sobre esta classe de palavras. No entanto, nos deteremos apenas na observação da utilização do pronome pessoal reto eu como variante para o pronome oblíquo tônico mim. De acordo com a Gramática Tradicional (doravante GT), os pronomes oblíquos são os que desempenham a função sintática de complemento, já os pronomes pessoais retos são os que desempenham a função sintática de sujeito e predicativo da oração (Cf. BECHARA, 2004; CUNHA et al, 1985). Seguindo os conceitos da GT, os pronomes pessoais não deveriam desempenhar o papel de complemento, mas na língua falada não é difícil que ocorram frases como: Ela nunca falava com eu / Comprou pra eu / Ela falou deu, ou seja, apesar do que prescreve a GT, o pronome pessoal eu está sendo utilizado como complemento. A partir desta constatação, faremos um estudo acerca da variação entre os pronomes mim/eu na

2 posição de complemento na fala em Alagoas 1, através de uma análise Sociolingüística Variacionista. Mostraremos que uma variação lingüística não ocorre aleatoriamente, este processo é resultado da correlação entre os fatores sociais e a língua em uso. Confirmando, portanto, que as línguas são heterogêneas devido ao sistema dinâmico no qual elas estão inseridas. Demonstraremos, especificamente, a ação dos fatores escolaridade e sexo na língua, verificando como estes são capazes de determinar a realização ou não de uma determinada variação. Dividiremos nossa análise em cinco partes: a primeira, apresenta quais foram a metodologia e fundamentação teórica adotadas, também trará quais foram os fatores extralingüísticos utilizados como indicadores sociais e ainda justificaremos tais escolhas, na segunda parte faremos a apresentação e a análise dos dados, na terceira, faremos nossas considerações finais e por conseguinte traremos as referências utilizadas, e ainda, em anexo todo o corpus utilizado. 2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICO/ METODOLÓGICA Os dados utilizados neste trabalho foram obtidos através de observações em conversas informais e espontâneas, estas foram feitas de modo assistemático, ou seja os dados foram colhidos de forma aleatória, onde a preocupação existente por parte do ouvinte observador era apenas a de perceber a utilização da variação mim/eu na posição de complemento. A coleta foi realizada em vários locais, onde a preocupação com a língua não era privilegiada pela situação de fala. Dentre os locais de coleta destacam se a Universidade Federal de Alagoas, onde pudemos observar especificamente o uso da língua por universitários, e cidade de Atalaia, no interior do estado, que serviu para que a pesquisa pudesse abranger não apenas os aspectos da língua na capital, conseguindo assim, ter uma visão mais ampla do fenômeno em Alagoas. 1 È importante ressaltar que levamos em consideração apenas o fato de o falante residir em Alagoas, não nos importando, portanto, se os informantes eram nativos.

3 Após a coleta dos dados, cruzamos as variações encontradas com os fatores escolaridade e sexo, observando assim qual era o sexo e o nível de escolaridade do informante. É importante ressaltar que, não utilizamos entrevistas pelo fato de que este tipo de variação ocorre em contextos muito específicos, que não poderiam ser induzidos através de questionamentos. A partir da idéia de que as línguas se modificam continuamente e que está possui formas distintas de manifestações: a norma culta e a coloquial; trabalharemos fazendo uma relação entre o que diz a GT e o que acontece de fato na língua falada. Embasamos nosso trabalho na teoria da Variação Lingüística de William Labov, considerando que a variação é essencial à própria natureza da linguagem humana (Cf. LABOV, 1972). Com relação à variação lingüística, Monteiro (2000:13) acrescenta que: Na realidade, não constitui nada de novo dizer que a língua e a sociedade são duas realidades que se inter relacionam de tal modo, que é impossível conceber se a existência de uma sem a outra. Com efeito, a finalidade básica de uma língua é a de servir como meio de comunicação e, por isso mesmo, ela costuma ser interpretada como produto e expressão da cultura de que faz parte. A partir desta teoria, explicaremos a variação pronominal mim/eu, que acontece na posição de complemento, através da idéia de que a variação lingüística é um modelo teórico metodológico que assume o caos lingüístico como objeto de estudo (TARALLO, 1994). Procuraremos, a partir disto, analisar esta variação em função do meio social no qual o falante está inserido. Em nossa análise faremos uso de trabalhos que tratam da variação pronominal mim/eu (CARVALHO, 2005; FARIA, 2006), porém não encontramos nenhum estudo que trate especificamente desta variação pronominal na posição de complemento.

4 2.1. VARIANTES ESTABELECIDAS Acreditamos que esta variação pronominal deve se não somente a mudanças de ordem interna da língua, mas devido à interferência de fatores extralingüísticos, para esta análise, utilizamos apenas escolaridade (universitário/não universitário) e sexo (masculino/feminino), como indicadores sociais A variável escolaridade A opção pelo fator escolaridade deu se pelo fato de que, segundo Votre (2003), a escola gera mudanças na fala e na escrita das pessoas que as freqüentam e das comunidades discursivas, a partir disto observaremos como o nível escolaridade do falante pode desempenhar um papel decisivo na configuração geral de uma determinada variação A variável sexo A escolha deste fator não foi aleatória, ela foi motivada pelo fato de que vários trabalhos já demonstraram que existem diferenças significativas entre a fala de homens e

5 mulheres 2 (Cf. FISCHER, 1985; HAERI, 1987; LABERGE, 1977). É importante destacar que, segundo Paiva (2003), em uma análise onde se correlacionam o fator sexo e a variação lingüística, é necessário fazer referência não só ao prestígio atribuído pela comunidade às variantes lingüísticas como também à forma de organização social de uma dada comunidade de fala. 3. ANÁLISE DOS DADOS Tendo como intuito verificar a ocorrência da variação entre os pronomes mim/eu na posição de complemento, observamos conversas e discursos informais, realizados por universitários e não universitário de ambos os sexos. Durante as observações analisamos as construções que utilizavam os pronomes mim e eu, e a partir disto pudemos colher o que nos interessava para análise e descartar o que não precisávamos no momento. Examinamos quais eram os falantes que produziam este tipo de variação, qual era a ocorrência do fenômeno de acordo com os indicadores sociais de cada informante e ainda de diante de quais preposições o fenômeno apareceria. A partir dos dados colhidos temos as seguintes tabelas: Tabela 1 A influência do fator escolaridade (universitário) sobre a variação pronominal mim/eu na posição de complemento verbal na fala de mulheres em Alagoas MULHERES Informante 1 Informante 2 Informante 3 UNIVERSITÁRIAS Pega uma faca pra eu. Mentira, foi pra mim. Cala a boca e diz logo pra mim. 2 De acordo com Fischer (1958), a forma de prestígio tende a predominar na fala feminina, tentaremos observar se isso também vai ser constatado em nosso estudo.

6 Analisando a tabela 1, percebemos que: A informante 1 utiliza o pronome pessoal do caso reto eu na posição de complemento, observa se ainda que este pronome está precedido pela preposição pra (para). A informante 2 utiliza o pronome oblíquo tônico mim como complemento verbal, após preposição pra (para). A informante 3, também faz uso do pronome oblíquo mim e este foi precedido da preposição pra (para). Das três informantes com nível universitário que foram observadas, percebemos que apenas uma destas utilizou a variante eu como complemento verbal. Constatamos também, que esta variação só foi encontrada diante de uma única preposição: pra (para). Tabela 1. 1 A influência do fator escolaridade (não universitário) sobre a variação pronominal mim/eu na posição de complemento verbal na fala de mulheres em Alagoas MULHERES Informante 4 Informante 5 Informante 6 NÃO UNIVERSITÁRIAS Ele puxou na cabeça deu Você sempre disse que não votaria em mim Dê pra eu. A tabela 1.1 mostra nos que:

7 A informante 4 utiliza a variante eu como complemento para o verbo puxou, após a preposição de. A informante 5 não faz uso da variante eu, ela utiliza o pronome mim após a preposição em. A informante 6 realiza a variação, utilizando o pronome reto eu diante da preposição pra (para). De acordo com as observações feitas na tabela acima constata se que duas informantes utilizam a variante eu com a função sintática de complemento verbal. O que observamos também é que ao contrário da tabela 1, a variante eu é empregada diante de mais um tipo de preposição, ou seja além de pra também foi encontrada a preposição de. Tabela 2. A Interferência do fator escolaridade (universitário) sobre a variação pronominal mim/eu na posição de complemento verbal na fala de homens em Alagoas HOMENS Informante 1 Informante 2 Informante 3 UNIVERSITÁRIOS Comprou pra eu. Quando meu pai fica com raiva sempre sobra pra mim. Ninguém faz nada por mim.

8 Na tabela 2 encontramos o seguinte: 1. O informante 1 realiza a variação diante da preposição para na forma de contração pra. 2. O informante 2 utiliza como complemento o pronome oblíquo tônico após a preposição pra. 3. O informante 3 também não utiliza a variante eu, ele utiliza mim antecedido pela preposição por. Examinando a tabela 2 podemos perceber que como acontece na tabela 1, apenas um informante realiza a variação do pronome eu na posição de complemento verbal, e apenas após a preposição pra (para). Tabela 2.1 A Interferência do fator escolaridade (não universitário) sobre a variação pronominal mim/eu na posição de complemento verbal na fala de homens em Alagoas HOMENS Informante 4 Informante 5 Informante 6 NÃO UNIVERSITÁRIOS E vai botar moral pra eu? E você vem dizer isso a eu? Se fosse com eu. Na tabela 2.1 constamos que: 5. O informante 4 realizou a variação diante da preposição pra. 6. O informante 5 utilizou o pronome reto eu diante da preposição a. 7. O informante 6 fez uso da variante eu, sendo este, precedido pela preposição com.

9 Nesta tabela, percebemos que em todos os dados colhidos apareceu a variante eu ocupando a posição de complemento verbal. Notamos também que esta tabela apresenta outras preposições (a; com) que podem ser empregadas diante desta variante. 3.1.O PAPEL DAS VARIANTES EXTRALINGÜÍSTICAS Parece nos evidente que na língua falada, de uma forma geral, ocorra a variação entre os pronomes mim e eu tanto na posição de sujeito como já foi confirmado por Faria (2006), como na posição de complemento verbal. Visto que, nas tabelas analisadas sempre esteve presente esta variação, com uma certa oscilação de acordo com o nível de escolaridade e com o sexo do falante. Podemos constatar que este fenômeno ocorre em Alagoas em ambos os sexos e em ambos os níveis de escolaridade (universitário/não universitário). Ressaltando que, como que já foi dito em diversos estudos, as mulheres tendem a utilizar a forma mais prestigiada da língua: a norma culta. No entanto, no que diz respeito ao fator escolaridade, notamos que os informantes (homens e mulheres) que são universitários tendem a não produzir este tipo de variação com a mesma proporção. Confirmando a idéia de que a escola atua como preservadora de formas de prestígio, face a tendências de mudança em curso nas comunidades de fala (VOTRE, 2003). Mas, quando observamos os resultados obtidos com os informantes que não possuem nível universitário, constamos que o fator sexo prevalece diante do fator escolaridade, onde as mulheres apresentam um maior cuidado diante do uso da língua. 4.CONSIDERAÇÕES FINAIS

10 Diante dos dados por nós apresentados vimos uma sobreposição da linguagem coloquial à norma culta. Foi interessante comprovar que as duas formas pronominais analisadas mim e eu além de assumirem a mesma realização na forma nominativa, também podem assumir a forma oblíqua (Cf. CARVALHO, 2005). Temos a consciência de que apesar de ter sido utilizado uma pequena amostragem da realização de fenômeno em Alagoas, acreditamos ter contribuído para uma reflexão sobre este, comprovando que apesar do que está prescrito na gramática tradicional, o pronome pessoal do caso reto eu está sendo utilizado como variante para o pronome oblíquo tônico mim com a função complemento verbal na fala em Alagoas. Os fatores extralingüísticos utilizados neste estudo, foram capazes de desempenhar um papel importante na realização das variantes examinadas. Visto que o fator sexo prevaleceu diante do fator escolaridade, onde pudemos comprovar uma maior consciência feminina ao status social das formas lingüísticas. Onde observamos a predominância de variantes padrão entre as mulheres, isto pode ser fruto da própria condição feminina diante da organização social. O fator escolaridade não demonstrou ser tão importante diante da configuração desta variação pronominal, visto que nos dados utilizados não foi encontrado diferenças significativas resultantes do nível de escolaridade. Tal diferenciação só foi obtida através do cruzamento desta variante extralingüística com o fator sexo dos informantes. Uma outra constatação feita foi a de que as preposições que antecedem os pronomes dependem do sexo do falante, pois encontramos apenas as preposições pra (para) e de na fala de mulheres, já nos homens, foi observado um maior número de preposições antecedendo a variante eu, que foram: com e a. Mencionamos ainda que detectamos a contração preposição de com o pronome eu formando assim: deu. Acreditamos que este tipo de contração também pode ocorrer da seguinte maneira: em + eu = neu; pra + eu = preu.

11 Diante disto, inferimos que a variação entre os pronomes mim/eu na posição de complemento verbal na fala em Alagoas é resultante da correlação entre fatores lingüíticos e extralingüísticos, acrescentamos ainda que este fenômeno mereça um estudo mais específico, pois acreditamos REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BECHARA, E. Moderna Gramática da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Lucerna, p BOGO,O. Gramática: leitura crítica. Paraná: Livros HD, CARVALHO, D. da S. A alternância EU/MIM em orações encaixadas infinitivas: implicações sintáticas e além (considerações preliminares). (mimeo), CATARINO, D. Pronomes pessoais. Disponível em: <http://www.gramaticaonline.com.br/gramatica/janela.asp?cod=35>. Acesso em: 6/2/06. CIPRO NETO, P. Entre mim e você. Disponível em: <http://www2.uol.com.br/linguaportugues/artigos/utl1078u24.shl>. Acesso em: 6/2/06. CUNHA, C.; CINTRA, L. Nova Gramática do Português Contemporâneo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, p DUARTE, M.E.L.; OMENA, N.P.Variáveis morfossintáticas. In: BRAGA, M.L.; MOLLICA, M.C. (orgs). Introdução à Sociolingüística: o tratamento da variação. São Paulo: Contexto, FARIA, I.; Para mim ou para eu? Para quem? Disponível em:<http://www.filologia.org.br/viiicnlf/anais/caderno14 15.html> Acesso em:22/01/06. FISCHER, J.L. Social influences on the choice of a linguistic variant. Apud: VOTRE, S.J. Relevância da variável escolaridade.. In: BRAGA, M.L.; MOLLICA, M.C. (orgs). Introdução à Sociolingüística: o tratamento da variação. São Paulo: Contexto, 2003.

12 HAERI, N. Male/female differences in speech: na alternative interpretation. Apud: VOTRE, S.J. Relevância da variável escolaridade.. In: BRAGA, M.L.; MOLLICA, M.C. (orgs). Introdução à Sociolingüística: o tratamento da variação. São Paulo: Contexto, LABERGE, S. Estude de la variation dês pronoms définis et indéfinis dans le francais parlé à Montréal. Apud: VOTRE, S.J. Relevância da variável escolaridade.. In: BRAGA, M.L.; MOLLICA, M.C. (orgs). Introdução à Sociolingüística: o tratamento da variação. São Paulo: Contexto, MOLLICA, M.C. Fundamentação teórica: conceituação e delimitação. In : BRAGA, M.L.; MOLLICA, M.C. (orgs). Introdução à Sociolingüística: o tratamento da variação. São Paulo: Contexto, MONTEIRO, J. L. Para compreender Labov. Petrópolis, RJ: Vozes, Pronomes Pessoais: subsídios para uma gramática do português do Brasil. Fortaleza: Edições UFC, NARO, A.J. O dinamismo das Línguas. In: BRAGA, M.L.; MOLLICA, M.C. (orgs). Introdução à Sociolingüística: o tratamento da variação. São Paulo: Contexto, PAES. E. F. Colocação Pronominal. Rio de Janeiro: Disponível em: <http://intervox.nce.ufrj.br/~edpaes/index.html>acesso em:21/02/2006. PAIVA, M. da C. A variável gênero/sexo. In: BRAGA, M.L.; MOLLICA, M.C. (orgs). Introdução à Sociolingüística: o tratamento da variação. São Paulo: Contexto, PIACENTINI, M. T.de Q. De preposições e pronomes forma popular/forma gramatical. Disponível em <http://www.linguabrasil.com.br> Acesso em:31/01/2006. PRETI, D. Sociolingüística: os níveis de fala. 6. ed., rev. e modificada. São Paulo: Editora Nacional, TARALLO, F. A pesquisa sociolingüística. 4. ed.são Paulo: Ática, V OTRE, S.J. Relevância da variável escolaridade.. In: BRAGA, M.L.; MOLLICA, M.C. (orgs). Introdução à Sociolingüística: o tratamento da variação. São Paulo: Contexto,

13

O USO DA FORMA VOCÊ NO NORTE DE MINAS GERAIS Maria do Socorro Vieira Coelho (UniMontes) soccoelho@hotmail.com

O USO DA FORMA VOCÊ NO NORTE DE MINAS GERAIS Maria do Socorro Vieira Coelho (UniMontes) soccoelho@hotmail.com O USO DA FORMA VOCÊ NO NORTE DE MINAS GERAIS Maria do Socorro Vieira Coelho (UniMontes) soccoelho@hotmail.com 1. Introdução Neste artigo trata-se, sob a perspectiva sociolinguística variacionista, a alternativa

Leia mais

COMUNICAÇÃO: O VOCATIVO EM CORPUS DO DIALETO MINEIRO OITOCERNTISTA: UMA ABORDAGEM VARIACIONISTA

COMUNICAÇÃO: O VOCATIVO EM CORPUS DO DIALETO MINEIRO OITOCERNTISTA: UMA ABORDAGEM VARIACIONISTA COMUNICAÇÃO: O VOCATIVO EM CORPUS DO DIALETO MINEIRO OITOCERNTISTA: UMA ABORDAGEM VARIACIONISTA -Juliana Costa Moreira -UFOP -Mônica G. R. de Alkmim -UFOP O presente trabalho tem como objeto de estudo

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul NÚMERO DA VAGA: 22 venho por meio deste pedir a anulação

Leia mais

FERNANDO TARALLO EM TRÊS MOMENTOS

FERNANDO TARALLO EM TRÊS MOMENTOS FERNANDO TARALLO EM TRÊS MOMENTOS Antonio Carlos Santana de Souza (UEMS / PPGLETRAS UFGRS) acssuems@gmail.com Reúno aqui a resenha de três textos que foram muito importantes para a minha formação sociolinguística.

Leia mais

Português- Prof. Verônica Ferreira

Português- Prof. Verônica Ferreira Português- Prof. Verônica Ferreira 1 Com relação a aspectos linguísticos e aos sentidos do texto acima, julgue os itens a seguir. No trecho que podemos chamar de silenciosa (l.15-16), o termo de silenciosa

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DAS VARIANTES MAINHA E PAINHO PELOS FALANTES DE JEQUIÉ BAHIA Lucélia de Souza dos Reis Santos (UNEB) lucelykings@hotmail.

A UTILIZAÇÃO DAS VARIANTES MAINHA E PAINHO PELOS FALANTES DE JEQUIÉ BAHIA Lucélia de Souza dos Reis Santos (UNEB) lucelykings@hotmail. A UTILIZAÇÃO DAS VARIANTES MAINHA E PAINHO PELOS FALANTES DE JEQUIÉ BAHIA Lucélia de Souza dos Reis Santos (UNEB) lucelykings@hotmail.com 1. Introdução Esse trabalho surgiu do interesse de investigar as

Leia mais

Pessoais Do caso reto Oblíquo. Possessivos. Demonstrativos. Relativos. Indefinidos. Interrogativos

Pessoais Do caso reto Oblíquo. Possessivos. Demonstrativos. Relativos. Indefinidos. Interrogativos Pessoais Do caso reto Oblíquo Possessivos Demonstrativos Relativos Indefinidos Interrogativos Os pronomes is indicam diretamente as s do discurso. Quem fala ou escreve, assume os pronomes eu ou nós, emprega

Leia mais

VARIAÇÃO NO USO DAS VOGAIS PRETÔNICAS [E] E [O] NO PORTUGUÊS POPULAR FALADO EM DOURADOS MS

VARIAÇÃO NO USO DAS VOGAIS PRETÔNICAS [E] E [O] NO PORTUGUÊS POPULAR FALADO EM DOURADOS MS VARIAÇÃO NO USO DAS VOGAIS PRETÔNICAS [E] E [O] NO PORTUGUÊS POPULAR FALADO EM DOURADOS MS Márcio Palácios de CARVALHO (UEMS) marciopalacios@hotmail.com Elza Sabino da Silva BUENO (UEMS/FUNDECT) elza20@hotmail.com

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos O SUBJUNTIVO EM ORAÇÕES SUBORDINADAS: DESCRIÇÃO SINTÁTICA PELA TEORIA X-BARRA Mário Márcio Godoy Ribas (UEMS) marcioribas@gmail.com Nataniel dos Santos Gomes (UEMS) natanielgomes@hotmail.com 1. Considerações

Leia mais

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras - 2009 ISSN 1808-9216

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras - 2009 ISSN 1808-9216 O EMPREGO GRAMATICAL NO LIVRO DIDÁTICO Desiree Bueno TIBÚRCIO (G-UENP/campus Jac.) desiree_skotbu@hotmail.com Marilúcia dos Santos Domingos Striquer (orientadora-uenp/campus Jac.) marilucia.ss@uol.com.br

Leia mais

UM ESTUDO SOCIOLINGÜÍSTICO SOBRE A CONCORDÂNCIA VERBAL: PRIMEIRA TENTATIVA DE CONHECER A FALA DE MENORES CARENTES DA CIDADE DE MACEIÓ

UM ESTUDO SOCIOLINGÜÍSTICO SOBRE A CONCORDÂNCIA VERBAL: PRIMEIRA TENTATIVA DE CONHECER A FALA DE MENORES CARENTES DA CIDADE DE MACEIÓ 4156 UM ESTUDO SOCIOLINGÜÍSTICO SOBRE A CONCORDÂNCIA VERBAL: PRIMEIRA TENTATIVA DE CONHECER A FALA DE MENORES CARENTES DA CIDADE DE MACEIÓ Renata Lívia de Araújo Santos ( UFAL) 1. APRESENTAÇÃO Sabe-se

Leia mais

Prosódia de declarativas e interrogativas totais no falar marianense e belorizontino

Prosódia de declarativas e interrogativas totais no falar marianense e belorizontino Prosódia de declarativas e interrogativas totais no falar marianense e belorizontino César Reis (UFMG) Leandra Batista Antunes (UFOP) Leandro Augusto dos Santos (UFOP) Vanessa Pinha (UFMG) Apesar de os

Leia mais

Palavras-chave: Toponímia, linguística, memória, imigração italiana, Belo Horizonte.

Palavras-chave: Toponímia, linguística, memória, imigração italiana, Belo Horizonte. MARCAS DA ITÁLIA NA TOPONÍMIA DE BELO HORIZONTE Resumo Zuleide Ferreira Filgueiras 1 Esta comunicação tem como objetivo apresentar os principais resultados da dissertação de mestrado A presença italiana

Leia mais

VARIAÇÃO LINGÜÍSTICA, ORALIDADE E LETRAMENTO EM UMA TURMA DE PRÉ-ESCOLAR (CRECHE), EM TERESINA.

VARIAÇÃO LINGÜÍSTICA, ORALIDADE E LETRAMENTO EM UMA TURMA DE PRÉ-ESCOLAR (CRECHE), EM TERESINA. VARIAÇÃO LINGÜÍSTICA, ORALIDADE E LETRAMENTO EM UMA TURMA DE PRÉ-ESCOLAR (CRECHE), EM TERESINA. Maria de Fátima Silva Araújo (bolsista do PIBIC/ UFPI), Catarina de Sena Sirqueira Mendes da Costa (Orientadora,

Leia mais

Quadro Geral dos Pronomes Pessoais

Quadro Geral dos Pronomes Pessoais Os pronomes Pessoais indicam quem fala, com quem se fala e de quem se fala. Desempenham na frase funções de sujeito (eu, tu, você, ele, ela, nós, vós, vocês, eles e elas), de complemento direto (me, te,

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

Eduardo J. A. e SILVA 2 Camilla P. BRASILEIRO 3 Claudomilson F. BRAGA 4 Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO

Eduardo J. A. e SILVA 2 Camilla P. BRASILEIRO 3 Claudomilson F. BRAGA 4 Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO Estudo da proporção e o nível de conhecimento dos alunos de graduação do período vespertino do Campus II da UFG sobre o Programa Coleta Seletiva Solidária 1 Eduardo J. A. e SILVA 2 Camilla P. BRASILEIRO

Leia mais

Letras. Objetivo. Aspectos das Conexões Sintáticas. Prof a. Dr a. Leda Szabo

Letras. Objetivo. Aspectos das Conexões Sintáticas. Prof a. Dr a. Leda Szabo Letras Prof a. Dr a. Leda Szabo Aspectos das Conexões Sintáticas Objetivo Diferenciar o objeto de estudo da análise de base sintática do objeto de estudo da análise do discurso. Compreender a diferença

Leia mais

CONCORDÂNCIA NOMINAL: REDAÇÕES DE VESTIBULAR NA UFRO

CONCORDÂNCIA NOMINAL: REDAÇÕES DE VESTIBULAR NA UFRO CONCORDÂNCIA NOMINAL: REDAÇÕES DE VESTIBULAR NA UFRO Maria Isabel de Moura * Valdemir Miotello ** RESUMO: Os gerativistas colocam essa relação, como sendo a relação entre a gramaticalidade e a comunicabilidade.

Leia mais

Autorizado pela Portaria nº 276, de 30/05/15 DOU de 31/03/15

Autorizado pela Portaria nº 276, de 30/05/15 DOU de 31/03/15 C U R S O D E E N G E N H A R I A C I V I L Autorizado pela Portaria nº 276, de 30/05/15 DOU de 31/03/15 Componente Curricular: PORTUGUÊS INSTRUMENTAL Código: ENG. 000 Pré-requisito: ----- Período Letivo:

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Renê Forster 1 Resumo: Este artigo apresenta uma das cartilhas desenvolvidas pelo Programa Surdez com informações sobre a LIBRAS e as línguas de sinais

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES

O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES Aline Patrícia da Silva (Departamento de Letras - UFRN) Camila Maria Gomes (Departamento de Letras - UFRN) Orientadora: Profª Dra.

Leia mais

PORTUGUÊS CIDA BISPO

PORTUGUÊS CIDA BISPO TIPO 1 PORTUGUÊS CIDA BISPO 7º UNIDADE IV Orientações: Não será aceita a utilização de corretivo; não será permitido o empréstimo de material durante a avaliação; use somente caneta esferográfica azul

Leia mais

Este, Esse ou Aquele Autora: Maria Tereza de Queiroz Piacentini

Este, Esse ou Aquele Autora: Maria Tereza de Queiroz Piacentini Este, Esse ou Aquele Autora: Maria Tereza de Queiroz Piacentini Em português existem três pronomes demonstrativos com suas formas variáveis em gênero e número: este, esse, aquele. Existem três invariáveis:

Leia mais

HÁ VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS?

HÁ VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS? HÁ VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS? Wéllem Aparecida de FREITAS Prof. Joyce Elaine de ALMEIDA BARONAS (Orientadora) RESUMO Nos últimos anos, pesquisadores da área de linguagem vêm desenvolvendo

Leia mais

2 Revisão de literatura

2 Revisão de literatura 21 2 Revisão de literatura Realizaremos nessa primeira parte deste capítulo a apresentação disponível para alunos e professores em livros didáticos de PL2E e em Gramáticas (não apenas nas tradicionais,

Leia mais

PARFOR 2014 CURSO INTENSIVO DE ATUALIZAÇÃO DE PROFESSORES DE PORTUGUÊS LÍNGUA MATERNA FLUP

PARFOR 2014 CURSO INTENSIVO DE ATUALIZAÇÃO DE PROFESSORES DE PORTUGUÊS LÍNGUA MATERNA FLUP PARFOR 2014 CURSO INTENSIVO DE ATUALIZAÇÃO DE PROFESSORES DE PORTUGUÊS LÍNGUA MATERNA FLUP Semântica 28/jan/2014 António Leal a.leal006@gmail.com AGENDA Semântica Frásica: Tempo (considerações gerais)

Leia mais

O E-TEXTO E A CRIAÇÃO DE NOVAS MODALIDADES EXPRESSIVAS. Palavras-chave: texto, e-mail, linguagem, oralidade, escrita.

O E-TEXTO E A CRIAÇÃO DE NOVAS MODALIDADES EXPRESSIVAS. Palavras-chave: texto, e-mail, linguagem, oralidade, escrita. Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2013, v. 17, n. 17, p. 191 195 O E-TEXTO E A CRIAÇÃO DE NOVAS MODALIDADES EXPRESSIVAS MARQUES, Fernanda Vieira ANDRADE, Antonio Carlos Siqueira de Palavras-chave: texto,

Leia mais

I SEMINÁRIO INTERDISCIPLINAR DAS CIÊNCIAS DA LINGUAGEM NO CARIRI DE 21 a 23 DE NOVEMBRO DE 2012 - ISSN 2318-8391

I SEMINÁRIO INTERDISCIPLINAR DAS CIÊNCIAS DA LINGUAGEM NO CARIRI DE 21 a 23 DE NOVEMBRO DE 2012 - ISSN 2318-8391 ENSINO E APRENDIZAGEM DE LATIM NA URCA: UM ESTUDO DE CASO SOUZA, Yascara Simão 1 ARRUDA, Francisco Edmar Cialdine 2 RESUMO Este trabalho tem como objetivo apresentar análises colhidas de materiais como

Leia mais

1. (FUVEST-SP) Em Queria que me ajudasses, o trecho destacado pode ser substituído por:

1. (FUVEST-SP) Em Queria que me ajudasses, o trecho destacado pode ser substituído por: COLÉGIO DE APLICAÇÃO DOM HÉLDER CÂMARA AVALIAÇÃO: EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES I DISCIPLINA: LÍNGUA PORTUGUESA PROFESSOR(A): ANA PAULA DA VEIGA CALDAS ALUNO(A) DATA: / / TURMA: M SÉRIE: 9º ANO DATA PARA ENTREGA:

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 4CCHLADLEMPLIC04 OBSERVAÇÃO EM SALA DE AULA E/LE Bruna Mikaele Siquiera (1) María del Pilar Roca (3) Centro de Ciências Humanas, Artes e Letras/ Departamento de Letras Estrangeiras Modernas RESUMO Esse

Leia mais

CAPÍTULO 5: O EMPREGO DE: Este, Esse ou Aquele

CAPÍTULO 5: O EMPREGO DE: Este, Esse ou Aquele CAPÍTULO 5: O EMPREGO DE: Este, Esse ou Aquele Em português existem três pronomes demonstrativos com suas formas variáveis em gênero e número e invariáveis [isto, isso, aquilo]. Eles assinalam a posição

Leia mais

NONA AULA DE GRAMÁTICA - INTERNET. Professora: Sandra Franco

NONA AULA DE GRAMÁTICA - INTERNET. Professora: Sandra Franco NONA AULA DE GRAMÁTICA - INTERNET Professora: Sandra Franco Período Composto 1.Orações Subordinadas Adverbiais. 2. Apresentação das conjunções adverbiais mais comuns. 3. Orações Reduzidas. As orações subordinadas

Leia mais

A VARIAÇÃO SINTÁTICA NA CONSTRUÇÃO DAS FALAS NO MUNICÍPIO DE JANAÚBA EM RELAÇÃO À CONCORDÂNCIA VERBAL: UMA ABORDAGEM SOCIOLINGUÍSTICA

A VARIAÇÃO SINTÁTICA NA CONSTRUÇÃO DAS FALAS NO MUNICÍPIO DE JANAÚBA EM RELAÇÃO À CONCORDÂNCIA VERBAL: UMA ABORDAGEM SOCIOLINGUÍSTICA A VARIAÇÃO SINTÁTICA NA CONSTRUÇÃO DAS FALAS NO MUNICÍPIO DE JANAÚBA EM RELAÇÃO À CONCORDÂNCIA VERBAL: UMA ABORDAGEM SOCIOLINGUÍSTICA Kamila Karoline Silva Carvalho (UNIMONTES) 1 milinhakaroline@hotmail.com

Leia mais

5 Sintaxe dos verbos haver e existir

5 Sintaxe dos verbos haver e existir 5 Sintaxe dos verbos haver e existir Há aspectos envolvidos em construções com haver e existir que são muito importantes, para encontrar as raízes das dificuldades que se apresentam no uso desses dois

Leia mais

O USO DE NÓS E A GENTE, EM FUNÇÃO DE SUJEITO, NA COMUNIDADE RURAL DE PIABAS

O USO DE NÓS E A GENTE, EM FUNÇÃO DE SUJEITO, NA COMUNIDADE RURAL DE PIABAS O USO DE NÓS E A GENTE, EM FUNÇÃO DE SUJEITO, NA COMUNIDADE RURAL DE PIABAS Adilma Sampaio 1 Lucélia Lima Lopes RESUMO Os objetivos deste artigo consistem na observação da variação, no português brasileiro,

Leia mais

Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I. Unidade I:

Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I. Unidade I: Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I Unidade I: 0 OS NÍVEIS DE ANÁLISE LINGUÍSTICA I Níveis de análise da língua Análise significa partição em segmentos menores para melhor compreensão do tema.

Leia mais

Alternância tu/você em Santa Catarina: uma abordagem variacionista

Alternância tu/você em Santa Catarina: uma abordagem variacionista Alternância tu/você em Santa Catarina: uma abordagem variacionista Loremi Loregian-Penkal 1 1 Departamento de Letras Universidade Estadual do Centro Oeste (UNICENTRO) Rua Holanda, 293 84500-000 Irati PR

Leia mais

COLOCAÇÃO PRONOMINAL

COLOCAÇÃO PRONOMINAL COLOCAÇÃO PRONOMINAL COLOCAÇÃO PRONOMINAL Na utilização prática da língua, a colocação dos pronomes oblíquos é determinada pela eufonia, isto é pela boa sonoridade da frase. Por isso, em certos casos,

Leia mais

Termos integrantes da oração Objeto direto e indireto

Termos integrantes da oração Objeto direto e indireto Termos integrantes da oração Objeto direto e indireto Termos integrantes da oração Certos verbos ou nomes presentes numa oração não possuem sentido completo em si mesmos. Sua significação só se completa

Leia mais

As questões a seguir foram extraídas de provas de concurso.

As questões a seguir foram extraídas de provas de concurso. COMENTÁRIO QUESTÕES DE PORTUGUÊS PROFESSORA: FABYANA MUNIZ As questões a seguir foram extraídas de provas de concurso. 1. (FCC)...estima-se que sejam 20 línguas. (2º parágrafo) O verbo flexionado nos mesmos

Leia mais

A ABORDAGEM DA VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NO LIVRO DIDÁTICO DE LÍNGUA PORTUGUESA

A ABORDAGEM DA VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NO LIVRO DIDÁTICO DE LÍNGUA PORTUGUESA A ABORDAGEM DA VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NO LIVRO DIDÁTICO DE LÍNGUA PORTUGUESA Joseilson Jales Alves (graduando em Letras/Espanhol na UERN) Maria Graceli de Lima (Pós-graduanda em Letras PPGL/UERN) Maria Lúcia

Leia mais

O objeto direto preposicionado pode ocorrer quando: Estiver representando nomes próprios. Ex.: Sempre quis viajar a Fernando de Noronha.

O objeto direto preposicionado pode ocorrer quando: Estiver representando nomes próprios. Ex.: Sempre quis viajar a Fernando de Noronha. Em alguns casos, o objeto direto pode ser introduzido por preposição: é o chamado objeto direto preposicionado. Nesses casos, o verbo é sempre transitivo direto, e seu complemento é, obviamente, um objeto

Leia mais

O ENSINO DA GRAMÁTICA DE LÍNGUA INGLESA COM BASE NA

O ENSINO DA GRAMÁTICA DE LÍNGUA INGLESA COM BASE NA O ENSINO DA GRAMÁTICA DE LÍNGUA INGLESA COM BASE NA GRAMÁTICA DA LÍNGUA PORTUGUESA EM SALA DE AULA Michael Gouveia de Sousa Júnior Universidade Estadual da Paraíba E-mail: mikesousajunior@gmail.com Dione

Leia mais

Odilei França. Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

Odilei França. Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br Odilei França Graduado em Letras pela Fafipar. Graduado em Teologia pela Faculdade Batista. Professor de Língua Portuguesa para concursos públicos há 22 anos. Sintaxe do período composto: parte II Período

Leia mais

KEYWORDS: direct object; personal pronouns.

KEYWORDS: direct object; personal pronouns. Anais do 6º Encontro Celsul - Círculo de Estudos Lingüísticos do Sul ANÁLISE DO USO DO OBJETO DIRETO EM TEXTOS INFANTIS Caroline TORTATO Caroline VENDRAME César Augusto RUFATTO Eulenir Ramos Pereira da

Leia mais

Vestibular UFRGS 2015. Resolução da Prova de Língua Portuguesa

Vestibular UFRGS 2015. Resolução da Prova de Língua Portuguesa Vestibular UFRGS 2015 Resolução da Prova de Língua Portuguesa COMENTÁRIO GERAL: a prova compôs-se de três textos dois breves ensaios (artigo cuja temática é universal) e uma crônica. O conhecimento solicitado

Leia mais

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA?

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA? 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ENSINO DE

Leia mais

VARIAÇÃO E LETRAMENTO EM ESCOLAS URBANAS INTRODUÇÃO

VARIAÇÃO E LETRAMENTO EM ESCOLAS URBANAS INTRODUÇÃO VARIAÇÃO E LETRAMENTO EM ESCOLAS URBANAS Ângela Marina Bravin dos Santos (FAMA, SEE e SME) INTRODUÇÃO No que se refere ao ensino de Língua Portuguesa, os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs), com base

Leia mais

CONTEXTUALIZANDO AS OPERAÇÕES COM SINAIS DOS NÚMEROS INTEIROS RELATO DE EXPERIÊNCIA.

CONTEXTUALIZANDO AS OPERAÇÕES COM SINAIS DOS NÚMEROS INTEIROS RELATO DE EXPERIÊNCIA. 9 CONTEXTUALIZANDO AS OPERAÇÕES COM SINAIS DOS NÚMEROS INTEIROS RELATO DE EXPERIÊNCIA. Adriana A. Silva Éderson O. Passos INTRODUÇÃO Vergnaud (1982) propôs, em sua Teoria dos Campos Conceituais, que o

Leia mais

16 Pronúncia do Inglês

16 Pronúncia do Inglês Este livro tem por objetivo central apresentar os sons do inglês aos falantes do português brasileiro. Pretende-se, ainda, indicar algumas diferenças de pronúncia entre variedades do inglês falado em diferentes

Leia mais

A PASSIVA PRONOMINAL NO PORTUGUÊS BRASILEIRO: UMA AVALIAÇÃO 1 Jilvan Evangelista da Silva (UFBA) jilvantnt@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA)

A PASSIVA PRONOMINAL NO PORTUGUÊS BRASILEIRO: UMA AVALIAÇÃO 1 Jilvan Evangelista da Silva (UFBA) jilvantnt@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA) A PASSIVA PRONOMINAL NO PORTUGUÊS BRASILEIRO: UMA AVALIAÇÃO 1 Jilvan Evangelista da Silva (UFBA) jilvantnt@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA) RESUMO Este trabalho tem como objetivo analisar os processos

Leia mais

Por ser um tópico gramatical abordado de modo estritamente normativo, a

Por ser um tópico gramatical abordado de modo estritamente normativo, a 72 Os pronomes pessoais átonos e sua sintaxe de colocação nos livros didáticos Francisco Eduardo Vieira da Silva* Resumo: Neste artigo é verificada a forma como os livros didáticos abordam os pronomes

Leia mais

REFORÇO ESCOLAR EM LÍNGUA PORTUGUESA

REFORÇO ESCOLAR EM LÍNGUA PORTUGUESA REFORÇO ESCOLAR EM LÍNGUA PORTUGUESA Bruna de Oliveira Nobre 1 Introdução Através do PIBID - Programa de Iniciação a Docência, que leva os alunos da graduação a terem um conhecimento prévio da escola e

Leia mais

MUDANÇA EM TEMPO APARENTE E EM TEMPO REAL: CONSTRUÇÕES TER/HAVER EXISTENCIAIS.

MUDANÇA EM TEMPO APARENTE E EM TEMPO REAL: CONSTRUÇÕES TER/HAVER EXISTENCIAIS. Anais do 5º Encontro do Celsul, Curitiba-PR, 2003 (820-825) MUDANÇA EM TEMPO APARENTE E EM TEMPO REAL: CONSTRUÇÕES TER/HAVER EXISTENCIAIS. Luciene MARTINS (Universidade Federal do Rio de Janeiro) Dinah

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ÍNDICE Pronomes...2 Pronomes Pessoais...2 Pronomes de Tratamento...3 Pronomes Possessivos...3 Pronomes Demonstrativos...3 Pronomes Indefinidos...4 Pronomes Relativos...4 Pronomes

Leia mais

Núcleo de Educação a Distância 1 UVAONLINE. Comunicação Oral e Escrita. Unidade 11. Emprego de Pronomes Relativos e Pessoais

Núcleo de Educação a Distância 1 UVAONLINE. Comunicação Oral e Escrita. Unidade 11. Emprego de Pronomes Relativos e Pessoais Núcleo de Educação a Distância 1 UVAONLINE Comunicação Oral e Escrita Unidade 11 Emprego de Pronomes Relativos e Pessoais Núcleo de Educação a Distância 2 Aviso importante! Este material foi produzido

Leia mais

1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias

1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias 1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias Objetivamos, com esse trabalho, apresentar um estudo dos processos de importação lexical do português que ocorrem

Leia mais

Período composto por subordinação

Período composto por subordinação Período composto por subordinação GRAMÁTICA MAIO 2015 Na aula anterior Período composto por coordenação: conjunto de orações independentes Período composto por subordinação: conjunto no qual um oração

Leia mais

A CONCORDÂNCIA VERBAL NO PORTUGUÊS POPULAR DE SALVADOR Welton Rodrigues Santos (UFBA) weltonsantos83@gmail.com

A CONCORDÂNCIA VERBAL NO PORTUGUÊS POPULAR DE SALVADOR Welton Rodrigues Santos (UFBA) weltonsantos83@gmail.com A CONCORDÂNCIA VERBAL NO PORTUGUÊS POPULAR DE SALVADOR Welton Rodrigues Santos (UFBA) weltonsantos83@gmail.com 1. Introdução A língua pode tomar formas diversas a depender da faixa etária do falante, sexo/gênero,

Leia mais

Valor Semântico de Conectivos. Coordenadas e Adverbiais

Valor Semântico de Conectivos. Coordenadas e Adverbiais Valor Semântico de Conectivos Coordenadas e Adverbiais As conjunções coordenativas, que encabeçam orações coordenadas, independentes, são de cinco tipos: 1. Aditivas: e, nem, não só...mas também, não só...como

Leia mais

A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA RESUMO

A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA RESUMO A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA Mayara Cordeiro da Silva ( UFAL) Mayaracordeiro4@gmail.com Rebecca Thamyres de Missena Costa( UFAL) rebecca.ufal@gmail.com RESUMO Muito vem sendo discutido

Leia mais

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Gislaine Franco de Moura (UEL) gislaine.franco.moura@gmail.com Gilmara Lupion Moreno (UEL) gilmaralupion@uel.br

Leia mais

CRASE. Entregue o documento à advogada.

CRASE. Entregue o documento à advogada. CRASE A crase é a fusão de duas vogais da mesma natureza. Sua representação se dá por meio do chamado acento grave sobre a letra a, tornando acentual esta vogal. Assim, o acento grave é o sinal que indica

Leia mais

Vestígios de traços melódicos da fala da mídia escrita contemporânea

Vestígios de traços melódicos da fala da mídia escrita contemporânea Vestígios de traços melódicos da fala da mídia escrita contemporânea Vestígios de traços melódicos da fala da mídia escrita contemporânea Maria Cecilia Mollica * Viviane dos Ramos Soares * Resumo Dando

Leia mais

PROCESSO DE TRABALHO DO AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE ENQUANTO MORADOR E TRABALHADOR DE SAÚDE INSERIDO NO MESMO TERRITÓRIO

PROCESSO DE TRABALHO DO AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE ENQUANTO MORADOR E TRABALHADOR DE SAÚDE INSERIDO NO MESMO TERRITÓRIO 1322 PROCESSO DE TRABALHO DO AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE ENQUANTO MORADOR E TRABALHADOR DE SAÚDE INSERIDO NO MESMO TERRITÓRIO Janyelle Silva Mendes¹;Juliana Alves Leite Leal² 1. Graduanda do Curso de Enfermagem,

Leia mais

:: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica

:: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica :: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica José Mauricio Santos Pinheiro em 21/04/2005 Os princípios indispensáveis à redação científica podem ser resumidos em quatro pontos fundamentais: clareza,

Leia mais

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática.

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. Justificativa A Matemática faz parte do cotidiano das pessoas. Nas diversas atividades

Leia mais

PROVA COMENTADA E RESOLVIDA PELOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO

PROVA COMENTADA E RESOLVIDA PELOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO COMENTÁRIO GERAL DOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO Uma prova, para avaliar tantos candidatos deve ser sempre bem dosada como foi a deste ano. Houve tanto questões de interpretação (6) como de gramática

Leia mais

3. O projeto LINDSEI-BR: apresentação e composição

3. O projeto LINDSEI-BR: apresentação e composição DIFICULDADES INERENTES À COMPILAÇÃO DE UM CORPUS ORAL DE INFORMANTES BRASILEIROS APRENDIZES DE INGLÊS PARA O PROJETO LINDSEI-BR 1. Introdução Predomina, atualmente, a utilização de corpora de falantes

Leia mais

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER ALVES, Ivanir da Costa¹ Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Iporá ¹acwania@gmail.com RESUMO A leitura é compreendida como uma ação que deve se

Leia mais

VARIAÇÕES NO DOMÍNIO DA LÍNGUA PORTUGUESA Ânderson Rodrigues Marins (UFF) andermarins@gmail.com e andermarins@hotmail.com

VARIAÇÕES NO DOMÍNIO DA LÍNGUA PORTUGUESA Ânderson Rodrigues Marins (UFF) andermarins@gmail.com e andermarins@hotmail.com VARIAÇÕES NO DOMÍNIO DA LÍNGUA PORTUGUESA Ânderson Rodrigues Marins (UFF) andermarins@gmail.com e andermarins@hotmail.com INTRODUÇÃO Os que se detêm na análise mais acurada dos fenômenos lingüísticos percebem

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência

Informação Prova de Equivalência à Frequência Básico Informação Prova de Equivalência à Frequência INGLÊS (LE I) Prova escrita e oral Prova 21 2015 do Ensino Básico 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de exame

Leia mais

Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO

Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO 1 Q236899 Prova: CESGRANRIO - 2012 - Caixa - Técnico Bancário Disciplina: Português Assuntos: 6. Interpretação

Leia mais

A APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA NA EDUCAÇÃO BIOLÓGICA: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

A APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA NA EDUCAÇÃO BIOLÓGICA: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA A APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA NA EDUCAÇÃO BIOLÓGICA: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Maria José Rodrigues de Farias Universidade Estadual da Paraíba lyarodriguesbio@gmail.com Introdução Atualmente os modelos

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA E OS GÊNEROS TEXTUAIS

O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA E OS GÊNEROS TEXTUAIS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM LÍNGUA PORTUGUESA COM ÊNFASE EM MULTILETRAMENTOS O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA E OS GÊNEROS TEXTUAIS Monissa Mattos - 2 Ten CMPA LETRAMENTO letrar é mais do que alfabetizar,

Leia mais

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade 1 Guia do Professor Episódio Conhecendo a Cidade Programa Vozes da Cidade Apresentação Como já vimos nos trabalhos desenvolvidos para o episódio 1, os trabalhos para o episódio 2 também trazem várias questões

Leia mais

Fim da Sensibilidade na Glande

Fim da Sensibilidade na Glande Autor: Davi Ribeiro Fim da Sensibilidade na Glande Muitos homens alegam sofrer com a forte sensibilidade na glande. E isso, de certa forma, atrapalha muito na hora do sexo, principalmente na hora de ter

Leia mais

Muito prazer Curso de português do Brasil para estrangeiros

Muito prazer Curso de português do Brasil para estrangeiros Modo: indicativo O modo indicativo expressa um fato de maneira definida, real, no presente, passado ou futuro, na frase afirmativa, negativa ou interrogativa. Presente Presente Passado (=Pretérito) Pretérito

Leia mais

Prof. Ângelo Renan A. Caputo Especialista em Linguística Textual

Prof. Ângelo Renan A. Caputo Especialista em Linguística Textual SOCIOLINGUÍSTICA A LÍNGUA E SUAS VARIAÇÕES Prof. Ângelo Renan A. Caputo Especialista em Linguística Textual Qualquer comunidade formada por indivíduos socialmente organizados dispõe de recursos e métodos

Leia mais

O IDOSO EM QUESTÃO: ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MOSTRAM SUA VISÃO SOBRE O QUE É SER IDOSO NA ATUALIDADE

O IDOSO EM QUESTÃO: ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MOSTRAM SUA VISÃO SOBRE O QUE É SER IDOSO NA ATUALIDADE ISSN: 1981-3031 O IDOSO EM QUESTÃO: ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MOSTRAM SUA VISÃO SOBRE O QUE É SER IDOSO NA ATUALIDADE Eva Pauliana da Silva Gomes 1. Givanildo da Silva 2. Resumo O presente

Leia mais

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Departamento de Letras Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Aluna: Esther Ruth Oliveira da Silva Orientadora: Profª. Bárbara Jane Wilcox Hemais Introdução O presente projeto se insere

Leia mais

RÉPLICA A JORGE J. E. GRACIA 1

RÉPLICA A JORGE J. E. GRACIA 1 TRADUÇÃO DOI: 10.5216/PHI.V17I2.18751 RÉPLICA A JORGE J. E. GRACIA 1 Autor: Peter F. Strawson Tradutor: Itamar Luís Gelain(Centro Universitário Católica de Santa Catarina) 2,3 itamarluis@gmail.com Em seu

Leia mais

TRADUTORES-INTÉRPRETES BACHARELANDOS DO CURSO LETRAS- LIBRAS: UMA REFLEXÃO ACERCA DA INFLUÊNCIA DA PRÁTICA DOCENTE E FORMAÇÃO PRECEDENTE AO CURSO

TRADUTORES-INTÉRPRETES BACHARELANDOS DO CURSO LETRAS- LIBRAS: UMA REFLEXÃO ACERCA DA INFLUÊNCIA DA PRÁTICA DOCENTE E FORMAÇÃO PRECEDENTE AO CURSO TRADUTORES-INTÉRPRETES BACHARELANDOS DO CURSO LETRAS- LIBRAS: UMA REFLEXÃO ACERCA DA INFLUÊNCIA DA PRÁTICA DOCENTE E FORMAÇÃO PRECEDENTE AO CURSO Marcos Luchi 1 (UFSC) Fabíola Sucupira Ferreira Sell 2

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS LE I (2 anos) 2015

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS LE I (2 anos) 2015 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS LE I (2 anos) 2015 Prova 06 / 2015 --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

O USO DE FORMAS DO INDICATIVO POR FORMAS DO SUBJUNTIVO NO PORTUGUÊS BRASILEIRO.

O USO DE FORMAS DO INDICATIVO POR FORMAS DO SUBJUNTIVO NO PORTUGUÊS BRASILEIRO. O USO DE FORMAS DO INDICATIVO POR FORMAS DO SUBJUNTIVO NO PORTUGUÊS BRASILEIRO. ANA ALVES NETA Rua Treze de Maio, 1000 Vila Jadete - Januária-MG - CEP 39480-000 aalvesneta@yahoo.com.br Abstract: Under

Leia mais

MATÉRIA: Língua Portuguesa. PROFESSOR: Karla Gomes. SÉRIE: 3º ano. TIPO: Trabalho de Recuperação - 2ª etapa

MATÉRIA: Língua Portuguesa. PROFESSOR: Karla Gomes. SÉRIE: 3º ano. TIPO: Trabalho de Recuperação - 2ª etapa MATÉRIA: Língua Portuguesa PROFESSOR: Karla Gomes SÉRIE: 3º ano TIPO: Trabalho de Recuperação - 2ª etapa QUESTÃO 01- (ITA SP) Leia com atenção a seguinte frase de um texto publicitário: Esta é a escola

Leia mais

Códigos e linguagens. Remissão textual e pronomes

Códigos e linguagens. Remissão textual e pronomes Códigos e linguagens Remissão textual e pronomes Remissão textual Outro dia, decidi entrar no Orkut mesmo sabendo que há tempos ele não passa de um grande deserto virtual. Ao visitar comunidades e ler

Leia mais

Professora: Lícia Souza

Professora: Lícia Souza Professora: Lícia Souza Morfossintaxe: a seleção e a combinação de palavras Observe que, para combinar as palavras loucamente, louco e loucura com outras palavras nas frases de modo que fiquem de acordo

Leia mais

O PRECONCEITO LINGUÍSTICO NO ÂMBITO ESCOLAR BREVENSE

O PRECONCEITO LINGUÍSTICO NO ÂMBITO ESCOLAR BREVENSE O PRECONCEITO LINGUÍSTICO NO ÂMBITO ESCOLAR BREVENSE Cherma Miranda PEREIRA (UFPA) 1 Celso FRANCÊS JÚNIOR (UFPA) Resumo: Este trabalho tem por objetivo apresentar os resultados da pesquisa sobre o preconceito

Leia mais

O estudo da linguagem, há pouco menos de dois séculos, ganhou um enfoque

O estudo da linguagem, há pouco menos de dois séculos, ganhou um enfoque EU GOSTO DE DOCE E EU VI A ELE NA PERSPECTIVA DA TEORIA DO CASO Daniel Mateus O Connell 1 INTRODUÇÃO O estudo da linguagem, há pouco menos de dois séculos, ganhou um enfoque diferente. Até então, as pesquisas

Leia mais

COLOCAÇÃO PRONOMINAL: UM ESTUDO EM REDAÇÃO DE ESCOLARES DO ENSINO MÉDIO

COLOCAÇÃO PRONOMINAL: UM ESTUDO EM REDAÇÃO DE ESCOLARES DO ENSINO MÉDIO COLOCAÇÃO PRONOMINAL: UM ESTUDO EM REDAÇÃO DE ESCOLARES DO ENSINO MÉDIO Izabel Cristina Mancini de ARAÚJO 1 E.E. Profº Wilson Pires César Resumo. O ensino de gramática atualmente nas escolas está muito

Leia mais

Mudanças didáticas e pedagógicas no ensino de Língua Portuguesa

Mudanças didáticas e pedagógicas no ensino de Língua Portuguesa Mudanças didáticas e pedagógicas no ensino de Língua Portuguesa Silvio Profirio da Silva¹ Durante décadas, o ensino de Língua Portuguesa desenvolvido em nossas escolas limitou - se à análise e à classificação

Leia mais

Capítulo III Metodologia e Contextualização da Pesquisa

Capítulo III Metodologia e Contextualização da Pesquisa 37 Capítulo III Metodologia e Contextualização da Pesquisa É preciso ter paciência disse a raposa. Tu te sentarás primeiro um pouco longe de mim, assim, na relva. Eu te olharei com o canto do olho e tu

Leia mais

Comunicação em jogo: a relação entre as mudanças organizacionais e as atividades lúdicas

Comunicação em jogo: a relação entre as mudanças organizacionais e as atividades lúdicas Comunicação em jogo: a relação entre as mudanças organizacionais e as atividades lúdicas Tainah Schuindt Ferrari Veras Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Bauru/SP e-mail: tainah.veras@gmail.com

Leia mais

Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical

Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical Rafael Beling Unasp rafaelbeling@gamil.com Resumo: os termos música e musicalidade, por sua evidente proximidade, podem

Leia mais

Conhecer o conteúdo programático do componente Língua Portuguesa e desenvolver habilidades de compreensão, interpretação e produção de textos orais e

Conhecer o conteúdo programático do componente Língua Portuguesa e desenvolver habilidades de compreensão, interpretação e produção de textos orais e Conhecer o conteúdo programático do componente Língua Portuguesa e desenvolver habilidades de compreensão, interpretação e produção de textos orais e escritos à maneira adequada do padrão da língua materna;

Leia mais

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática 1 Sumário Introdução...04 O segredo Revelado...04 Outra maneira de estudar Inglês...05 Parte 1...06 Parte 2...07 Parte 3...08 Por que NÃO estudar Gramática...09 Aprender Gramática Aprender Inglês...09

Leia mais