COMUNICAÇÃO: O VOCATIVO EM CORPUS DO DIALETO MINEIRO OITOCERNTISTA: UMA ABORDAGEM VARIACIONISTA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMUNICAÇÃO: O VOCATIVO EM CORPUS DO DIALETO MINEIRO OITOCERNTISTA: UMA ABORDAGEM VARIACIONISTA"

Transcrição

1 COMUNICAÇÃO: O VOCATIVO EM CORPUS DO DIALETO MINEIRO OITOCERNTISTA: UMA ABORDAGEM VARIACIONISTA -Juliana Costa Moreira -UFOP -Mônica G. R. de Alkmim -UFOP O presente trabalho tem como objeto de estudo o vocativo em construções de linguagem oloquial em Minas Gerais do século XIX, como exemplificado a seguir: (1) Balbina, por que gritas? (2) Com quem falas, Madalena? (3) Tu, minha Rosinha, tens mais juízo. Em (1) o termo Balbina, denominado vocativo, aparece à esquerda da oração [Voc + Oração], separado dela por vírgula. Em (2), o termo Madalena (vocativo), aparece à direita da oração [Oração + Voc], também separado por vírgula. Já em (3), o termo minha Rosinha (vocativo) aparece dentro do enunciado [Oração + Voc + Oração] e, por sua vez, intercalado por vírgulas. O objetivo primeiro do presente trabalho é apresentar uma análise variacionista das sentenças com vocativo, considerando a sua posição na oração: [Voc + Oração], [Oração + Voc + Oração] ou [Oração + Voc], utilizando-se um corpus formado por diálogos de peças de teatro, escritas por autores nascidos em Minas Gerais, no século XIX. De acordo com Hoaiss (2001: 2877), vocativo é uma forma lingüística usada para chamamento ou interpelação ao leitor no discurso direto. O tema vocativo tem sido pouco tratado no Português Brasileiro, tanto pelos gramáticos tradicionais, quanto pela literatura lingüística. As gramáticas Tradicionais e Dicionários de Lingüística identificam o vocativo em termos de sua entonação ou virgulação, mencionando sempre a presença de interjeições como Ó, Oh, Ah que o precedem, como também o isolamento do termo em relação ao restante da sentença (Melo, 1978; Luft, 1983; Cunha e Cintra, 1985; Cegala, 1985). Bechara (1999: 460) chama-o de uma unidade à parte, por ser desligado da estrutura argumental da oração. Perini (1995: 91) trata-o de termo estranho à estrutura da oração, que constitui por si só uma frase independente. Os dados utilizados no presente estudo foram buscados em peças de teatro escritas no século XIX, dos seguintes autores mineiros: Modesto de Paiva (2ª metade do século XIX) e Severiano Nunes Cardoso de Rezende (2ª metade do século XIX). Houve uma certa dificuldade para a montagem do corpus da 1ª metade do século XIX, pois não foram encontradas peças de autores mineiros. Para que o número de dados não ficasse prejudicado, optouse por computar peças de autor brasileiro não nascido em Minas Gerais: Martins Pena. Para compor o corpus, foram selecionadas edições com o máximo de rigor possível para evitar que textos que sofreram modificações fossem analisados. Buscou-se a 1ª edição de Martins Pena e, dos outros autores, o original manuscrito. Para verificar se um processo de mudança se manifestou nas construções envolvendo vocativos foi feita a comparação do corpus adquirido neste trabalho, o diacrônico, com o corpus sincrônico( séc. XX), também retirado de peças de autores mineiros, levantado por Alkmim e Valadares (2003)- Relatório-CNPq- O Vocativo no Dialeto mineiro: uma abordagem variacionista. No corpus analisado, computou-se um total de 1693 estruturas contendo vocativo, das quais 1428 foram consideradas para análise de acordo com a sua posição em relação à oração, como mostra a Tabela 1, a seguir:

2 Tabela 1 Distribuição das estruturas com vocativos do corpus (séc. XIX) Estrutura Nº % [Voc + Oração] ,6 [Or + Voc + Or] 135 9,5 [Oração + Voc] ,9 Total De acordo com os dados, a modalidade [Voc + Oração] foi a mais utilizada no século XIX, apresentando uma considerável diferença com relação à freqüência, se comparada às duas outras variantes [Oração+Voc] e [Oração + Voc + Oração], que representaram, respectivamente, 38,9% e 9,5%. Cumpre aqui observar que 265 exemplos contendo vocativos não foram analisados no presente trabalho. Esses exemplos foram divididos em dois blocos : 1) 221 estruturas com vocativo apresentam elipse de verbo e remetem ao fato de o vocativo poder estar separado da oração por mudança de locutor, sem produzir impressão nítida de interrupção (Perini 1999:91), como mostra o exemplo a seguir: (4) Senhora, mais respeito. -Senhora. - O quê? - Mais respeito. Para o referido autor, tal fato, não produz impressão nítida de interrupção, como mostra o exemplo a seguir 2) 44 exemplos apresentam a estrutura (SIM/ NÃO + SENHOR), também mencionados por Oliveira (1996) com o nome de epíteto, como mostram os exemplos a seguir: (5) Sim senhor, senhor capitão. (6) Não senhor, não sou daqui. Foi considerada no presente estudo a análise do corpus sincrônico (séc.xx), obtido através do trabalho de Alkmin e Valadares (2003), intitulado O Vocativo no Dialeto Mineiro: uma abordagem variacionista. Assim, foi possível contrapor os resultados da análise do vocativo no século XX, com os resultados obtidos na análise do corpus diacrônico (séc. XIX) obtidos no presente trabalho. Nas seis peças analisadas por Alkmin e Valadares (2003), computou-se um total de 878 ocorrências de vocativo, distribuídas conforme mostra a Tabela 2, a seguir:

3 Tabela 2 Distribuição das ocorrências de vocativo na modalidade escrita do corpus sincrônico (séc XX) Estrutura Nº % [Voc +Oração] ,8 [Or+Voc+ Or] ,6 [Oração+Voc] ,6 Total (Alkmim e Garcia (2003)) Considerando as porcentagens acima apresentadas, verifica-se que a modalidade [Oração+ Voc] foi a mais utilizada no século XX, se comparada às outras variantes [Voc+ Oração] e [Oração+ Voc+Oração], que representaram, respectivamente, 16,8 e 14,6. Ao se compararem os resultados obtidos na análise do corpus levantado no presente trabalho (o do séc. XIX) com o corpus obtido no século XX, percebe-se que houve uma diferença na realização da posição do vocativo em relação à oração, uma vez que a modalidade mais utilizada neste foi [Voc + Oração], enquanto no do século XX predominou a modalidade [Oração + Voc], como mostra a Tabela 3, a seguir: Tabela 3 Taxa de uso das variantes do vocativo nos corpora sincrônico e diacrônico. Estrutura Corpus sincrônico (séc.xx) Corpus diacrônico (sécxix) N % N % [Voc + Oração] , ,6 [Or + Voc + Or] , ,6 [Voc + Oração] , ,8 Total A comparação dos resultados mostra também que a variante [Or + Voc + Or] manteve no século XIX uma baixa porcentagem de realização, isto é, continua não sendo a estrutura preferida pelo falante do Português Brasileiro.

4 Referências Bibliográficas e Bibliografia - Corpus PAIVA, M. de A onça. Manuscrito Acervo do Clube Teatral Artur Azevedo -Biblioteca da UFSJ PAIVA, M. de. Mudança de Capital. Acervo do Clube Teatral Artur Azevedo- Biblioteca da UFSJ. PENA, M. Comédias de Martins Pena. Ediouro Ed. Tecnoprint ltda. (Ed. Crítica Darcy Damasceno). 394p. RESENDE, S.N.C. de. A virgem Martyr de Santarém. Manuscrito Acervo do Clube Teatral A. Azevedo Biblioteca da FUNREI Referências Bibliográficas - ALKMIM, M G R & VALADARES, I G.Relatório CNPq- O Vocativo no Dialeto mineiro: uma abordagem variacionista BECHARA, E. Moderna Gramática Portuguesa. Ed. Revista e Ampliada. RJ: Ed. Lucerna p. Gramática Escolar da Língua Portuguesa com exercícios. RJ: ED. Lucerna p. CAMARA JR. J.M Dicionário de Lingüística e Gramática. Petrópolis: Ed. Vozes. 1981, 266p. CEGALLA, D.P. Novíssima Gramática da Língua Portuguesa. SP: Nacional p. CUNHA, Celso & CINTRA, Lindley. Nova Gramática do português Contemporâneo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, p , 724. HOAISS,Antônio.Dicionário Hoaiss da Língua Portuguesa. 1 a ed. RJ: Objetiva, 2922p. LUFT, Celso Pedro. Moderna Gramática Brasileira. Rio de Janeiro: Globo, MELO, Gladstone Chaves de. Gramática Fundamental da Língua Portuguesa. Rio de janeiro: Livro Técnico, p.142. PERINI, M. A. Gramática descritiva do Português. SP: Ed. Ática p. OLIVEIRA, M. de. Respostas Assertivas e suas variações nas Línguas Românicas: o seu papel na aquisição. Campinas, UNICAMP, p. (Tese de Doutorado).

5 .

6

ESTUDO DIACRÔNICO DO VOCATIVO NO DIALETO MINEIRO 1

ESTUDO DIACRÔNICO DO VOCATIVO NO DIALETO MINEIRO 1 1 ESTUDO DIACRÔNICO DO VOCATIVO NO DIALETO MINEIRO 1 Juliana Costa Moreira (UFMG) 1. Introdução O presente trabalho tem como objeto de investigação o vocativo em construções de língua portuguesa coloquial

Leia mais

Autorizado pela Portaria nº 276, de 30/05/15 DOU de 31/03/15

Autorizado pela Portaria nº 276, de 30/05/15 DOU de 31/03/15 C U R S O D E E N G E N H A R I A C I V I L Autorizado pela Portaria nº 276, de 30/05/15 DOU de 31/03/15 Componente Curricular: PORTUGUÊS INSTRUMENTAL Código: ENG. 000 Pré-requisito: ----- Período Letivo:

Leia mais

PROGRAMAS E REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

PROGRAMAS E REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº 066/2011 PROGRAMAS E REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CONHECIMENTOS GERAIS PARA OS CARGOS DE NÍVEL C LÍNGUA PORTUGUESA 1. Compreensão de textos

Leia mais

O USO DA FORMA VOCÊ NO NORTE DE MINAS GERAIS Maria do Socorro Vieira Coelho (UniMontes) soccoelho@hotmail.com

O USO DA FORMA VOCÊ NO NORTE DE MINAS GERAIS Maria do Socorro Vieira Coelho (UniMontes) soccoelho@hotmail.com O USO DA FORMA VOCÊ NO NORTE DE MINAS GERAIS Maria do Socorro Vieira Coelho (UniMontes) soccoelho@hotmail.com 1. Introdução Neste artigo trata-se, sob a perspectiva sociolinguística variacionista, a alternativa

Leia mais

2 Revisão de literatura

2 Revisão de literatura 21 2 Revisão de literatura Realizaremos nessa primeira parte deste capítulo a apresentação disponível para alunos e professores em livros didáticos de PL2E e em Gramáticas (não apenas nas tradicionais,

Leia mais

Prosódia de declarativas e interrogativas totais no falar marianense e belorizontino

Prosódia de declarativas e interrogativas totais no falar marianense e belorizontino Prosódia de declarativas e interrogativas totais no falar marianense e belorizontino César Reis (UFMG) Leandra Batista Antunes (UFOP) Leandro Augusto dos Santos (UFOP) Vanessa Pinha (UFMG) Apesar de os

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Departamento de Nutrição Curso de Nutrição MANUAL DE RELATÓRIO DE AULAS PRÁTICAS

Universidade Federal de Juiz de Fora Departamento de Nutrição Curso de Nutrição MANUAL DE RELATÓRIO DE AULAS PRÁTICAS Universidade Federal de Juiz de Fora 0 MANUAL DE RELATÓRIO DE AULAS PRÁTICAS Professores: Renato Moreira Nunes Cristiane Gonçalves de Oliveira Fialho Paulo Henrique Fonseca da Silva Renata Maria Souza

Leia mais

A VARIAÇÃO ENTRE OS PRONOMES MIM/EU NA POSIÇÃO DE COMPLEMENTO VERBAL NA FALA EM ALAGOAS: UMA ANÁLISE SOCIOLINGÜÍSTICA VARIACIONISTA

A VARIAÇÃO ENTRE OS PRONOMES MIM/EU NA POSIÇÃO DE COMPLEMENTO VERBAL NA FALA EM ALAGOAS: UMA ANÁLISE SOCIOLINGÜÍSTICA VARIACIONISTA A VARIAÇÃO ENTRE OS PRONOMES MIM/EU NA POSIÇÃO DE COMPLEMENTO VERBAL NA FALA EM ALAGOAS: UMA ANÁLISE SOCIOLINGÜÍSTICA VARIACIONISTA Emanuelle Camila Moraes de Melo Albuquerque (autora bolsista), Renata

Leia mais

INSTITUTO CAMPINENSE DE ENSINO SUPERIOR FACULDADE MAURÍCIO DE NASSAU CURSO DE ENFERMAGEM. NOME DOS ALUNOS (equipe de 4 pessoas) TÍTULO DO PROJETO

INSTITUTO CAMPINENSE DE ENSINO SUPERIOR FACULDADE MAURÍCIO DE NASSAU CURSO DE ENFERMAGEM. NOME DOS ALUNOS (equipe de 4 pessoas) TÍTULO DO PROJETO 1 INSTITUTO CAMPINENSE DE ENSINO SUPERIOR FACULDADE MAURÍCIO DE NASSAU CURSO DE ENFERMAGEM NOME DOS ALUNOS (equipe de 4 pessoas) TÍTULO DO PROJETO CAMPINA GRANDE-PB 2014 2 NOME DOS ALUNOS (equipe de 4

Leia mais

A VARIAÇÃO NA LINGUAGEM ORAL E SUAS INFLUÊNCIAS NA LINGUAGEM ESCRITA ACADÊMICA

A VARIAÇÃO NA LINGUAGEM ORAL E SUAS INFLUÊNCIAS NA LINGUAGEM ESCRITA ACADÊMICA Trabalho 001 A VARIAÇÃO NA LINGUAGEM ORAL E SUAS INFLUÊNCIAS NA LINGUAGEM ESCRITA ACADÊMICA Sheila Marcelino Izabel; Márcia M. Junkes E-mail: sheilamarcelino@unifebe.edu.br Palavras chave: Textos acadêmicos,

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE FONÉTICA E FONOLOGIA. Miguél Eugenio Almeida UEMS Unidade Universitária de Jardim. 0. Considerações iniciais

RELAÇÃO ENTRE FONÉTICA E FONOLOGIA. Miguél Eugenio Almeida UEMS Unidade Universitária de Jardim. 0. Considerações iniciais RELAÇÃO ENTRE FONÉTICA E FONOLOGIA Miguél Eugenio Almeida UEMS Unidade Universitária de Jardim 0. Considerações iniciais A Relação entre fonética e fonologia compreende uma relação de interdependência,

Leia mais

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras - 2009 ISSN 1808-9216

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras - 2009 ISSN 1808-9216 O EMPREGO GRAMATICAL NO LIVRO DIDÁTICO Desiree Bueno TIBÚRCIO (G-UENP/campus Jac.) desiree_skotbu@hotmail.com Marilúcia dos Santos Domingos Striquer (orientadora-uenp/campus Jac.) marilucia.ss@uol.com.br

Leia mais

REFORÇO ESCOLAR EM LÍNGUA PORTUGUESA

REFORÇO ESCOLAR EM LÍNGUA PORTUGUESA REFORÇO ESCOLAR EM LÍNGUA PORTUGUESA Bruna de Oliveira Nobre 1 Introdução Através do PIBID - Programa de Iniciação a Docência, que leva os alunos da graduação a terem um conhecimento prévio da escola e

Leia mais

1. (FUVEST-SP) Em Queria que me ajudasses, o trecho destacado pode ser substituído por:

1. (FUVEST-SP) Em Queria que me ajudasses, o trecho destacado pode ser substituído por: COLÉGIO DE APLICAÇÃO DOM HÉLDER CÂMARA AVALIAÇÃO: EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES I DISCIPLINA: LÍNGUA PORTUGUESA PROFESSOR(A): ANA PAULA DA VEIGA CALDAS ALUNO(A) DATA: / / TURMA: M SÉRIE: 9º ANO DATA PARA ENTREGA:

Leia mais

UFRGS INSTITUTO DE LETRAS Curso de Especialização em Gramática e Ensino da Língua Portuguesa 8ª Edição Trabalho de Conclusão de Curso

UFRGS INSTITUTO DE LETRAS Curso de Especialização em Gramática e Ensino da Língua Portuguesa 8ª Edição Trabalho de Conclusão de Curso UFRGS INSTITUTO DE LETRAS Curso de Especialização em Gramática e Ensino da Língua Portuguesa 8ª Edição Trabalho de Conclusão de Curso REFLEXÕES SOBRE A DESCRIÇÃO DE SUBSTANTIVOS E ADJETIVOS EM LIVROS DIDÁTICOS

Leia mais

O PAPEL SOCIAL DA LÍNGUA: O PODER DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS Carmen Elena das Chagas (UFF/UNESA) carmenelena@bol.com.br

O PAPEL SOCIAL DA LÍNGUA: O PODER DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS Carmen Elena das Chagas (UFF/UNESA) carmenelena@bol.com.br O PAPEL SOCIAL DA LÍNGUA: O PODER DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS Carmen Elena das Chagas (UFF/UNESA) carmenelena@bol.com.br CONSIDERAÇÕES INICIAIS A língua, na concepção da sociolingüística, é intrinsecamente

Leia mais

Redução do item negativo pré-verbal não: uma abordagem variacionista

Redução do item negativo pré-verbal não: uma abordagem variacionista Redução do item negativo pré-verbal não: uma abordagem variacionista Lílian Teixeira de Sousa Graduada em Letras pela Universidade Federal de Ouro Preto Resumo O presente artigo trata da alternância entre

Leia mais

Palavras-chave: Toponímia, linguística, memória, imigração italiana, Belo Horizonte.

Palavras-chave: Toponímia, linguística, memória, imigração italiana, Belo Horizonte. MARCAS DA ITÁLIA NA TOPONÍMIA DE BELO HORIZONTE Resumo Zuleide Ferreira Filgueiras 1 Esta comunicação tem como objetivo apresentar os principais resultados da dissertação de mestrado A presença italiana

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul NÚMERO DA VAGA: 22 venho por meio deste pedir a anulação

Leia mais

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária 2012.2 04

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária 2012.2 04 Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária 2012.2 04 Turma Nome da Disciplina - Curso SEMANAL MENSAL 04 16 Pedagogia Economia af Língua Portuguesa I 1 EMENTA Acentuação gráfica. Paráfrase. O novo acordo

Leia mais

Este, Esse ou Aquele Autora: Maria Tereza de Queiroz Piacentini

Este, Esse ou Aquele Autora: Maria Tereza de Queiroz Piacentini Este, Esse ou Aquele Autora: Maria Tereza de Queiroz Piacentini Em português existem três pronomes demonstrativos com suas formas variáveis em gênero e número: este, esse, aquele. Existem três invariáveis:

Leia mais

ANÁLISE SEMÂNTICA E PRAGMÁTICA DOS SIGNIFICANTES NEGUINHO (A), E NEGO (A)" NO SÉCULO XIX E NO MUNDO CONTEMPORÂNEO

ANÁLISE SEMÂNTICA E PRAGMÁTICA DOS SIGNIFICANTES NEGUINHO (A), E NEGO (A) NO SÉCULO XIX E NO MUNDO CONTEMPORÂNEO ANÁLISE SEMÂNTICA E PRAGMÁTICA DOS SIGNIFICANTES NEGUINHO (A), E NEGO (A)" NO SÉCULO XIX E NO MUNDO CONTEMPORÂNEO Gabriel Nascimento dos Santos (UESC) gabrielnasciment.eagle@hotmail.com Maria D Ajuda Alomba

Leia mais

USO DOS PRONOMES DEMONSTRATIVOS NA FALA E NA ESCRITA 1

USO DOS PRONOMES DEMONSTRATIVOS NA FALA E NA ESCRITA 1 USO DOS PRONOMES DEMONSTRATIVOS NA FALA E NA ESCRITA 1 RESUMO Sirlei de Faria Andrade¹ Nesta pesquisa, o objeto de estudo é análise da apresentação dos pronomes demonstrativos nas gramáticas de Bechara

Leia mais

Será de acordo com a vaga que concorre e será divulgado na próxima quinta-feira.

Será de acordo com a vaga que concorre e será divulgado na próxima quinta-feira. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO PARA O CONCURSO PÚBLICO DA SUSER Nível Superior CONTADOR LÍNGUA PORTUGUESA O conteúdo a ser utilizado na prova do Concurso será disponibilizado na Próxima 5ª feira CONHECIMENTO ESPECÍFICO

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A LINGUAGEM EM BLOGS EDUCATIVOS E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM Adriana Ferreira Boeira* PPGEd/UCS

A RELAÇÃO ENTRE A LINGUAGEM EM BLOGS EDUCATIVOS E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM Adriana Ferreira Boeira* PPGEd/UCS 1 A RELAÇÃO ENTRE A LINGUAGEM EM BLOGS EDUCATIVOS E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM Adriana Ferreira Boeira* PPGEd/UCS RESUMO: Este trabalho apresenta a pesquisa, que está em andamento, que tem como objetivo

Leia mais

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA?

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA? 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ENSINO DE

Leia mais

DETERMINAÇÃO SOCIOLINGÜÍSTICA DO CONCEITO DE LEITURA Vilson J. Leffa e Rita de Cássia Campos Lopes,UFRGS

DETERMINAÇÃO SOCIOLINGÜÍSTICA DO CONCEITO DE LEITURA Vilson J. Leffa e Rita de Cássia Campos Lopes,UFRGS REFERÊNCIA: LEFFA, Vilson J. ; LOPES, Rita de Cássia Campos. Determinação sócio-lingüística do conceito de leitura. 46 a Reunião da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. Vitória, 17 a 22 de

Leia mais

Estudo de modelos de Matemática financeira em bibliografia básica

Estudo de modelos de Matemática financeira em bibliografia básica Estudo de modelos de Matemática financeira em bibliografia básica Hélio Rosetti Júnior Instituto Federal do Espírito Santo e Faculdade de Tecnologia FAESA Brasil heliorosetti@cetfaesa.com.br Juliano Schimiguel

Leia mais

ORTOGRAFIA: CONTRADIÇÃO ENTRE CONCEITOS E PROCEDIMENTOS

ORTOGRAFIA: CONTRADIÇÃO ENTRE CONCEITOS E PROCEDIMENTOS V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 ORTOGRAFIA: CONTRADIÇÃO ENTRE CONCEITOS E PROCEDIMENTOS Kelly Priscilla Lóddo CEZAR 1 ; Prof.ª Dr.ª Geiva Carolina

Leia mais

O USO DA NORMA PADRÃO E NÃO-PADRÃO NA CONJUGAÇÃO DO VERBO ESTAR

O USO DA NORMA PADRÃO E NÃO-PADRÃO NA CONJUGAÇÃO DO VERBO ESTAR Anais do 6º Encontro Celsul - Círculo de Estudos Lingüísticos do Sul O USO DA NORMA PADRÃO E NÃO-PADRÃO NA CONJUGAÇÃO DO VERBO ESTAR Emanuelle Milek (Pontifícia Universidade Católica do Paraná) ABSTRACT:

Leia mais

O USO DE FORMAS DO INDICATIVO POR FORMAS DO SUBJUNTIVO NO PORTUGUÊS BRASILEIRO.

O USO DE FORMAS DO INDICATIVO POR FORMAS DO SUBJUNTIVO NO PORTUGUÊS BRASILEIRO. O USO DE FORMAS DO INDICATIVO POR FORMAS DO SUBJUNTIVO NO PORTUGUÊS BRASILEIRO. ANA ALVES NETA Rua Treze de Maio, 1000 Vila Jadete - Januária-MG - CEP 39480-000 aalvesneta@yahoo.com.br Abstract: Under

Leia mais

FERNANDO TARALLO EM TRÊS MOMENTOS

FERNANDO TARALLO EM TRÊS MOMENTOS FERNANDO TARALLO EM TRÊS MOMENTOS Antonio Carlos Santana de Souza (UEMS / PPGLETRAS UFGRS) acssuems@gmail.com Reúno aqui a resenha de três textos que foram muito importantes para a minha formação sociolinguística.

Leia mais

TAMBÉM: UM OPERADOR ARGUMENTATIVO 1

TAMBÉM: UM OPERADOR ARGUMENTATIVO 1 TAMBÉM: UM OPERADOR ARGUMENTATIVO 1 Adilson Ventura da Silva UESB Vitória da Conquista RESUMO: De uma perspectiva enunciativa, este artigo discute a categoria gramatical da palavra também, e apresenta

Leia mais

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua É a palavra que identifica o ser humano, é ela seu substrato que possibilitou a convivência humana

Leia mais

AS APRESENTAÇÕES DO TEATRO AMADOR SÃO-JOANENSE - INÍCIO DO SÉCULO XX

AS APRESENTAÇÕES DO TEATRO AMADOR SÃO-JOANENSE - INÍCIO DO SÉCULO XX IV Reunião Científica de Pesquisa e Pós-Graduação em Artes Cênicas AS APRESENTAÇÕES DO TEATRO AMADOR SÃO-JOANENSE - INÍCIO DO SÉCULO XX Maria Tereza Gomes de Almeida Lima (UFSJ) GT:História das Artes do

Leia mais

1 Apresentação 2 Formatação do texto Papel: Margens: Tipo de Letra: Tamanho da fonte: Espaço entre as linhas:

1 Apresentação 2 Formatação do texto Papel: Margens: Tipo de Letra: Tamanho da fonte: Espaço entre as linhas: 1 2 1 Apresentação Este documento tem por objetivo apresentar orientações para a redação e formatação do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) na modalidade de Artigo Científico. Para a elaboração do artigo

Leia mais

VOCABULÁRIOS DE LÍNGUAS INDÍGENAS NA REVISTA DO IHGB: O PROCESSO DE GRAMATIZAÇÃO

VOCABULÁRIOS DE LÍNGUAS INDÍGENAS NA REVISTA DO IHGB: O PROCESSO DE GRAMATIZAÇÃO Resumo VOCABULÁRIOS DE LÍNGUAS INDÍGENAS NA REVISTA DO IHGB: O PROCESSO DE GRAMATIZAÇÃO Dantielli Assumpção GARCIA. UNESP-IBILCE (São José do Rio Preto) FAPESP (proc. n 07/58250-1). dantielligarcia@gmail.com

Leia mais

5 Sintaxe dos verbos haver e existir

5 Sintaxe dos verbos haver e existir 5 Sintaxe dos verbos haver e existir Há aspectos envolvidos em construções com haver e existir que são muito importantes, para encontrar as raízes das dificuldades que se apresentam no uso desses dois

Leia mais

Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I. Unidade I:

Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I. Unidade I: Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I Unidade I: 0 OS NÍVEIS DE ANÁLISE LINGUÍSTICA I Níveis de análise da língua Análise significa partição em segmentos menores para melhor compreensão do tema.

Leia mais

P L A N O D E E N S I N O

P L A N O D E E N S I N O Curso: Bacharelados e Tecnológicos Disciplina: Redação e Expressão Oral Ano/Semestre: 2013/1 Carga Horária: 72 horas Créditos: 04 Professor(a)/Titulação: Viviane Viebrantz Herchmann Mestre (viviane@ibgen.com.br)

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DESCRIÇÃO E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO SINTÁTICO E SEMÂNTICO DOS ADVÉRBIOS EM - MENTE Coordenador/E-mail: Gessilene Silveira Kanthack/

Leia mais

FILOLOGIA E LINGUÍSTICA: ENCONTROS E DESENCONTROS Munniky Müller (UERJ) munniky@ig.com.br

FILOLOGIA E LINGUÍSTICA: ENCONTROS E DESENCONTROS Munniky Müller (UERJ) munniky@ig.com.br FILOLOGIA E LINGUÍSTICA: ENCONTROS E DESENCONTROS Munniky Müller (UERJ) munniky@ig.com.br Partindo de observações provocadas pela leitura do livro Iniciação à Filologia e à Linguística Portuguesa, de Gladstone

Leia mais

A variação da velocidade de fala como estratégia comunicativa na expressão de atitudes

A variação da velocidade de fala como estratégia comunicativa na expressão de atitudes A variação da velocidade de fala como estratégia comunicativa na expressão de atitudes Palavras-chave: velocidade de fala, comunicação, atitude Introdução Uma das principais funções da prosódia é a expressão

Leia mais

CONCORDÂNCIA NOMINAL: REDAÇÕES DE VESTIBULAR NA UFRO

CONCORDÂNCIA NOMINAL: REDAÇÕES DE VESTIBULAR NA UFRO CONCORDÂNCIA NOMINAL: REDAÇÕES DE VESTIBULAR NA UFRO Maria Isabel de Moura * Valdemir Miotello ** RESUMO: Os gerativistas colocam essa relação, como sendo a relação entre a gramaticalidade e a comunicabilidade.

Leia mais

ESTRUTURA TÓPICO-COMENTÁRIO, A TRADIÇÃO GRAMATICAL E O ENSINO DE REDAÇÃO Antônio Sérgio Cavalcante da Cunha (UERJ/FFP) sergio03@ism.com.

ESTRUTURA TÓPICO-COMENTÁRIO, A TRADIÇÃO GRAMATICAL E O ENSINO DE REDAÇÃO Antônio Sérgio Cavalcante da Cunha (UERJ/FFP) sergio03@ism.com. ESTRUTURA TÓPICO-COMENTÁRIO, A TRADIÇÃO GRAMATICAL E O ENSINO DE REDAÇÃO Antônio Sérgio Cavalcante da Cunha (UERJ/FFP) sergio03@ism.com.br 1. Objetivos Este trabalho tem como objetivo expor o que é a estrutura

Leia mais

FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA

FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA HISTÓRIA E VARIEDADE DO PORTUGUÊS 2 José António Souto Cabo Márlio Barcellos Pereira da Silva GUÍA DOCENTE E MATERIAL DIDÁCTICO 2015/2016 FACULTADE

Leia mais

MONITORIA À DISTÂNCIA EM LINGUÍSTICA I: A RELEVÂNCIA DOS BANCOS DE DADOS

MONITORIA À DISTÂNCIA EM LINGUÍSTICA I: A RELEVÂNCIA DOS BANCOS DE DADOS Cadernos de Letras da UFF Dossiê: Difusão da língua portuguesa, n o 39, p. 167-173, 2009 167 MONITORIA À DISTÂNCIA EM LINGUÍSTICA I: A RELEVÂNCIA DOS BANCOS DE DADOS Jussara Abraçado Tainá Soares Teixeira

Leia mais

O E-TEXTO E A CRIAÇÃO DE NOVAS MODALIDADES EXPRESSIVAS. Palavras-chave: texto, e-mail, linguagem, oralidade, escrita.

O E-TEXTO E A CRIAÇÃO DE NOVAS MODALIDADES EXPRESSIVAS. Palavras-chave: texto, e-mail, linguagem, oralidade, escrita. Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2013, v. 17, n. 17, p. 191 195 O E-TEXTO E A CRIAÇÃO DE NOVAS MODALIDADES EXPRESSIVAS MARQUES, Fernanda Vieira ANDRADE, Antonio Carlos Siqueira de Palavras-chave: texto,

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos UMA ANÁLISE DOS GÊNEROS DIGITAIS PRESENTES NOS LIVROS DIDÁTICOS DO ENSINO MÉDIO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo elainevasquez@ig.com.br RESUMO Este artigo discute os gêneros digitais que são abordados

Leia mais

As contribuições de conceitos desenvolvidos pelo Círculo de Bakhtin para a descrição e análise de enunciados de sujeitos com afasias

As contribuições de conceitos desenvolvidos pelo Círculo de Bakhtin para a descrição e análise de enunciados de sujeitos com afasias As contribuições de conceitos desenvolvidos pelo Círculo de Bakhtin para a descrição e análise de enunciados de sujeitos com afasias Rosana do Carmo Novaes Pinto 1 Desde 1999, venho defendendo a relevância

Leia mais

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Língua Portuguesa

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Língua Portuguesa 01. Alternativa (E) Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Língua Portuguesa Alternativa que contém palavras grafadas de acordo com o Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa - VOLP 02. Alternativa

Leia mais

A REPRESENTAÇÃO DA LÍNGUA ESPANHOLA COMO ELEMENTO PRESENTE EM TEXTOS QUE RETRATAM O LINGUAJAR GAÚCHO

A REPRESENTAÇÃO DA LÍNGUA ESPANHOLA COMO ELEMENTO PRESENTE EM TEXTOS QUE RETRATAM O LINGUAJAR GAÚCHO INTRODUÇÃO A REPRESENTAÇÃO DA LÍNGUA ESPANHOLA COMO ELEMENTO PRESENTE EM TEXTOS QUE RETRATAM O LINGUAJAR GAÚCHO Juliane Tatsch 1 Esse trabalho é um recorte da pesquisa de mestrado em desenvolvimento na

Leia mais

Locuções como isto é, ou seja, a saber, por exemplo, na verdade, e outras usadas

Locuções como isto é, ou seja, a saber, por exemplo, na verdade, e outras usadas OS CONECTORES REFORMULATIVOS * Helênio Fonseca de Oliveira ** RESUMO Este artigo fornece subsídios para o estudo da articulação entre constituintes de orações, orações e seqüências de orações, descrevendo

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO PLANO DE ENSINO. Modalidade de Ensino: Componente Curricular: Comunicação e Linguagem

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO PLANO DE ENSINO. Modalidade de Ensino: Componente Curricular: Comunicação e Linguagem 1 IDENTIFICAÇÃO Curso: INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO Licenciatura em Química Componente Curricular: Comunicação e Linguagem PLANO DE ENSINO Modalidade de Ensino: Superior

Leia mais

Explique o que o atrai na empresa, na função, no setor. Aproveite para mostrar entusiasmo. Não se prolongue

Explique o que o atrai na empresa, na função, no setor. Aproveite para mostrar entusiasmo. Não se prolongue Cartas de apresentação Juntamente com o CV, a carta de apresentação é um dos primeiros elementos que a empresa à qual se candidata tem sobre si. Saiba como elaborar uma carta de apresentação e veja um

Leia mais

A LICENCIATURA DE MATEMÁTICA NA MODALIDADE EAD EM MG: CARACTERIZAÇÃO E O PERFIL DO CORPO DOCENTE

A LICENCIATURA DE MATEMÁTICA NA MODALIDADE EAD EM MG: CARACTERIZAÇÃO E O PERFIL DO CORPO DOCENTE A LICENCIATURA DE MATEMÁTICA NA MODALIDADE EAD EM MG: CARACTERIZAÇÃO E O PERFIL DO CORPO DOCENTE CARMO, Laura Caroline Sousa UNIUBE - lacarolinesousa@hotmail.com RESENDE, Marilene Ribeiro - UNIUBE marilene.resende@uniube.br

Leia mais

PERDA (DO USO DO TU/TE) E AQUISIÇÃO (DE VOCÊ/TE)

PERDA (DO USO DO TU/TE) E AQUISIÇÃO (DE VOCÊ/TE) PERDA (DO USO DO TU/TE) E AQUISIÇÃO (DE VOCÊ/TE) Sônia Maria Lazzarini CYRINO (UEL Londrina) Onilda Regina M. de BRITO (FECEA) Área de trabalho: Lingüística Histórica (PG UEL) ABSTRACT: Although grammars

Leia mais

CAPÍTULO 5: O EMPREGO DE: Este, Esse ou Aquele

CAPÍTULO 5: O EMPREGO DE: Este, Esse ou Aquele CAPÍTULO 5: O EMPREGO DE: Este, Esse ou Aquele Em português existem três pronomes demonstrativos com suas formas variáveis em gênero e número e invariáveis [isto, isso, aquilo]. Eles assinalam a posição

Leia mais

Livro Se só houvesse uma letra crianças de 8/11 anos

Livro Se só houvesse uma letra crianças de 8/11 anos Sugestões pedagógicas para orientar a leitura dos livros da Biblioteca Digital Livro Se só houvesse uma letra crianças de 8/11 anos Atividades para trabalhar os temas: Tolerância e compreensão intercultural

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos O SUBJUNTIVO EM ORAÇÕES SUBORDINADAS: DESCRIÇÃO SINTÁTICA PELA TEORIA X-BARRA Mário Márcio Godoy Ribas (UEMS) marcioribas@gmail.com Nataniel dos Santos Gomes (UEMS) natanielgomes@hotmail.com 1. Considerações

Leia mais

A PRESERVAÇÃO DOS ARQUIVOS NO MUNICÍPIO DE PALMITAL (SP)

A PRESERVAÇÃO DOS ARQUIVOS NO MUNICÍPIO DE PALMITAL (SP) Fontes e Arquivos A PRESERVAÇÃO DOS ARQUIVOS NO MUNICÍPIO DE PALMITAL (SP) Rodrigo Modesto Nascimento * O objetivo do artigo é divulgar os resultados da pesquisa que procurou analisar as formas de relação

Leia mais

INVESTIGAÇÃO DOS SENTIDOS NARRATIVOS ENCONTRADOS NO DISCURSO DE AFÁSICOS PARTICIPANTES DE GRUPO DE CONVIVÊNCIA

INVESTIGAÇÃO DOS SENTIDOS NARRATIVOS ENCONTRADOS NO DISCURSO DE AFÁSICOS PARTICIPANTES DE GRUPO DE CONVIVÊNCIA INVESTIGAÇÃO DOS SENTIDOS NARRATIVOS ENCONTRADOS NO DISCURSO DE AFÁSICOS PARTICIPANTES DE GRUPO DE CONVIVÊNCIA Palavras chave: afasia; diálogo; sentido. O estudo tem o objetivo investigar e analisar os

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Unidade curricular INICIAÇÃO AOS ESTUDOS LINGUISTICOS. Carga Horária Prática -

PLANO DE ENSINO. Unidade curricular INICIAÇÃO AOS ESTUDOS LINGUISTICOS. Carga Horária Prática - PLANO DE ENSINO LETRAS (PORTUGUÊS-INGLÊS) Turno: Noturno Currículo: 2003 INFORMAÇÕES BÁSICAS Período 2013/1 Natureza: Unidade curricular INICIAÇÃO AOS ESTUDOS LINGUISTICOS Teórica 60 Carga Horária Prática

Leia mais

as citações devem ser apresentadas conforme a norma NBR 10520/2002; citação: é a menção de uma informação extraída de alguma fonte.

as citações devem ser apresentadas conforme a norma NBR 10520/2002; citação: é a menção de uma informação extraída de alguma fonte. COMO FAZER CITAÇÕES? as citações devem ser apresentadas conforme a norma NBR 10520/2002; citação: é a menção de uma informação extraída de alguma fonte. REGRAS GERAIS DE APRESENTAÇÃO citação pelo sobrenome

Leia mais

Diagnóstico dos Direitos Humanos é apresentado na ALMG

Diagnóstico dos Direitos Humanos é apresentado na ALMG Diagnóstico dos Direitos Humanos é apresentado na ALMG Minas Gerais é o primeiro Estado do Brasil a ter um diagnóstico qualitativo e quantitativo de indicadores dos Direitos Humanos. O estudo, elaborado

Leia mais

O ENSINO DA GRAMÁTICA DE LÍNGUA INGLESA COM BASE NA

O ENSINO DA GRAMÁTICA DE LÍNGUA INGLESA COM BASE NA O ENSINO DA GRAMÁTICA DE LÍNGUA INGLESA COM BASE NA GRAMÁTICA DA LÍNGUA PORTUGUESA EM SALA DE AULA Michael Gouveia de Sousa Júnior Universidade Estadual da Paraíba E-mail: mikesousajunior@gmail.com Dione

Leia mais

Denominação do curso: ESPANHOL APLICADO A SERVIÇOS TURÍSTICOS BÁSICO

Denominação do curso: ESPANHOL APLICADO A SERVIÇOS TURÍSTICOS BÁSICO 1- DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Denominação do curso: ESPANHOL APLICADO A SERVIÇOS TURÍSTICOS BÁSICO Eixo Tecnilógico: Apoio Educacional Local de oferta: IFBA Campus Ilhéus Modalidade: Presencial Turno de oferta:

Leia mais

A construção de um corpus de textos paralelos inglês-português

A construção de um corpus de textos paralelos inglês-português Universidade de São Paulo - USP Universidade Federal de São Carlos - UFSCar Universidade Estadual Paulista - UNESP A construção de um corpus de textos paralelos inglês-português Monica Saddy Martins Helena

Leia mais

COLOCAÇÃO DOS CLÍTICOS NO PB: UMA ANÁLISE DA LÍNGUA FALADA NO MUNICÍPIO DE JEREMOABO BA

COLOCAÇÃO DOS CLÍTICOS NO PB: UMA ANÁLISE DA LÍNGUA FALADA NO MUNICÍPIO DE JEREMOABO BA COLOCAÇÃO DOS CLÍTICOS NO PB: UMA ANÁLISE DA LÍNGUA FALADA NO MUNICÍPIO DE JEREMOABO BA Isabela Santos da Silva 1 Isnalda Berger de Figueiredo Alves Filha 2 70 RESUMO: O trabalho apresenta como tema a

Leia mais

A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO.

A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO. A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO. Ac. Denise Carla de Deus (PIBIC/CNPq/UFSJ 2000-2002) Orientadora: Prof. Dra. Marilúze Ferreira Andrade e Silva

Leia mais

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA).

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). Alinne da Silva Rios Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP e-mail: alinnerios@hotmail.com Profa. Ms. Leila

Leia mais

RESPOSTA FÍSICA TOTAL

RESPOSTA FÍSICA TOTAL RESPOSTA FÍSICA TOTAL Valdelice Prudêncio Lima UEMS João Fábio Sanches Silva UEMS O método apresentado é baseado na coordenação da fala e da ação, desenvolvido por James Asher, professor de psicologia

Leia mais

REFLEXÃO E INTERVENÇÃO: PALAVRAS-CHAVE PARA A PRÁTICA EDUCATIVA

REFLEXÃO E INTERVENÇÃO: PALAVRAS-CHAVE PARA A PRÁTICA EDUCATIVA 178 REFLEXÃO E INTERVENÇÃO: PALAVRAS-CHAVE PARA A PRÁTICA EDUCATIVA FEBA, Berta Lúcia Tagliari 1... ler é solidarizar-se pela reflexão, pelo diálogo com o outro, a quem altera e que o altera (YUNES, 2002,

Leia mais

Gramática do Português, Maria Fernanda Bacelar do Nascimento (Centro de Linguística da Universidade de Lisboa)

Gramática do Português, Maria Fernanda Bacelar do Nascimento (Centro de Linguística da Universidade de Lisboa) A publicação da Gramática do Português resulta de um projecto realizado a convite e sob o patrocínio da Fundação Calouste Gulbenkian. Consiste numa obra em três volumes, de que apresentamos hoje os dois

Leia mais

O uso do passaporte da comunicação no desenvolvimento de Interação e comunicação de pessoas com surdocegueira e com deficiência múltipla sensorial

O uso do passaporte da comunicação no desenvolvimento de Interação e comunicação de pessoas com surdocegueira e com deficiência múltipla sensorial O uso do passaporte da comunicação no desenvolvimento de Interação e comunicação de pessoas com surdocegueira e com deficiência múltipla sensorial 1 O uso do passaporte da comunicação no desenvolvimento

Leia mais

1 Um guia para este livro

1 Um guia para este livro PARTE 1 A estrutura A Parte I constitui-se de uma estrutura para o procedimento da pesquisa qualitativa e para a compreensão dos capítulos posteriores. O Capítulo 1 serve como um guia para o livro, apresentando

Leia mais

COLOCAÇÃO PRONOMINAL: UM ESTUDO EM REDAÇÃO DE ESCOLARES DO ENSINO MÉDIO

COLOCAÇÃO PRONOMINAL: UM ESTUDO EM REDAÇÃO DE ESCOLARES DO ENSINO MÉDIO COLOCAÇÃO PRONOMINAL: UM ESTUDO EM REDAÇÃO DE ESCOLARES DO ENSINO MÉDIO Izabel Cristina Mancini de ARAÚJO 1 E.E. Profº Wilson Pires César Resumo. O ensino de gramática atualmente nas escolas está muito

Leia mais

PERSPECTIVAS GERATIVAS PARA A COMPLEMENTAÇÃO NOMINAL EM PORTUGUÊS BRASILEIRO

PERSPECTIVAS GERATIVAS PARA A COMPLEMENTAÇÃO NOMINAL EM PORTUGUÊS BRASILEIRO PERSPECTIVAS GERATIVAS PARA A COMPLEMENTAÇÃO NOMINAL EM PORTUGUÊS BRASILEIRO Resumo MOREIRA, Tiago PUCPR tiagho.m@hotmail.com Eixo Temático: Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência Financiadora:

Leia mais

A expressão da atitude de CERTEZA em indivíduos com perda auditiva bilateral: análise prosódica.

A expressão da atitude de CERTEZA em indivíduos com perda auditiva bilateral: análise prosódica. A expressão da atitude de CERTEZA em indivíduos com perda auditiva bilateral: análise prosódica. Autores: Carla Aparecida de Vasconcelos Bruna Ferreira de Oliveira Sirley Alves Carvalho César Reis A partir

Leia mais

RESENHA DE COHESION IN ENGLISH,

RESENHA DE COHESION IN ENGLISH, BORBA, Valquíria C. Machado. Resenha de Cohesion in English, de Halliday & Hassan. Revista Virtual de Estudos da Linguagem ReVEL. V. 4, n. 6, março de 2006. ISSN 1678-8931 [www.revel.inf.br]. RESENHA DE

Leia mais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Renê Forster 1 Resumo: Este artigo apresenta uma das cartilhas desenvolvidas pelo Programa Surdez com informações sobre a LIBRAS e as línguas de sinais

Leia mais

Atividade 3 O Futuro. Um dia... Instrução em sala de aula

Atividade 3 O Futuro. Um dia... Instrução em sala de aula Atividade 3 O Futuro Um dia... Instrução em sala de aula Nuno Carvalho PROJETO: Estratégias e materiais de ensino-aprendizagem para Português Língua Não Materna (PLNM) Ilustração: Ana, Agrupamento de Escolas

Leia mais

Título: Formação e Condições de Trabalho do Professor Municipal da Região Sul do Brasil: implicações com a qualidade da educação

Título: Formação e Condições de Trabalho do Professor Municipal da Região Sul do Brasil: implicações com a qualidade da educação Título: Formação e Condições de Trabalho do Professor Municipal da Região Sul do Brasil: implicações com a qualidade da educação Magda Vianna de Souza 1 Marta Sisson de Castro 11 Palavras-chave: ensino

Leia mais

Prefácio. Juanito Ornelas de Avelar Universidade Estadual de Campinas Laura Álvarez López Universidade de Estocolmo

Prefácio. Juanito Ornelas de Avelar Universidade Estadual de Campinas Laura Álvarez López Universidade de Estocolmo Juanito Ornelas de Avelar Universidade Estadual de Campinas Laura Álvarez López Universidade de Estocolmo Prefácio Em abril de 2011, o Programa de Pós-Graduação em Linguística do Instituto de Estudos da

Leia mais

O PROJETO DE PESQUISA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

O PROJETO DE PESQUISA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza O PROJETO DE PESQUISA Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza ROTEIRO Escolher um tema de pesquisa Por onde começar? Ler para aprender Estrutura do Projeto de Pesquisa A Definição

Leia mais

PED LÍNGUA PORTUGUESA ORIENTAÇÕES ACADÊMICAS

PED LÍNGUA PORTUGUESA ORIENTAÇÕES ACADÊMICAS PED LÍNGUA PORTUGUESA ORIENTAÇÕES ACADÊMICAS Prezado aluno, O maior diferencial deste projeto pedagógico é o desenvolvimento da autonomia do estudante durante sua formação. O currículo acadêmico do seu

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec:Paulino Botelho/ Professor E.E. Arlindo Bittencourt (extensão) Código: 092-2 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação

Leia mais

Curriculum Vitae. José Mario Botelho

Curriculum Vitae. José Mario Botelho Dados pessoais Nome Nome em citações bibliográficas Sexo Endereço profissional José Mario Botelho Curriculum Vitae José Mario Botelho BOTELHO, José Mario Masculino Universidade do Estado do Rio de Janeiro,

Leia mais

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA INTERNET: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES DO LIVRO DIDÁTICO DO ENSINO MÉDIO

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA INTERNET: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES DO LIVRO DIDÁTICO DO ENSINO MÉDIO PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA INTERNET: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES DO LIVRO DIDÁTICO DO ENSINO MÉDIO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.br RESUMO Este artigo discute

Leia mais

Curso: Alfabetização e Letramento na Ed. Infantil e nas séries iniciais

Curso: Alfabetização e Letramento na Ed. Infantil e nas séries iniciais Curso: Alfabetização e Letramento na Ed. Infantil e nas séries iniciais Datas: 11 e 18 de Setembro Horário: 14:00h às 17:40h Carga Horária: 8 horas Vagas: O número mínimo de inscritos será: 20 pessoas

Leia mais

CARTAS: REGISTRANDO A VIDA

CARTAS: REGISTRANDO A VIDA CARTAS: REGISTRANDO A VIDA A carta abaixo foi escrita na época da ditadura militar. Ela traduz a alegria de um pai por acreditar estar próxima sua liberdade e, assim, a possibilidade do reencontro com

Leia mais

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães 1 Guia do Professor Episódio Conhecendo a Cidade Programa Vozes da Cidade Apresentação Como já vimos nos trabalhos desenvolvidos para

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM EM MANUAIS DIDÁTICOS DA PSICOLOGIA EDUCACIONAL

DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM EM MANUAIS DIDÁTICOS DA PSICOLOGIA EDUCACIONAL DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM EM MANUAIS DIDÁTICOS DA PSICOLOGIA EDUCACIONAL EDER AHMAD CHARAF EDDINE 2013 Eder Ahmad Charaf Eddine Direitos desta edição adquiridos pela Paco Editorial. Nenhuma parte

Leia mais

RESPOSTA A RECURSO CONTRA QUESTÃO DE PROVA

RESPOSTA A RECURSO CONTRA QUESTÃO DE PROVA 1 LÍNGUA PORTUGUESA Improcedente. Não se julgam as edições d Os Lusíadas, mas somente as formas variantes. _ 2 LÍNGUA PORTUGUESA NÃO PROCEDE ( ) PROCEDE ( X ) Por proceder o pleito de recorrente, a questão

Leia mais

RESOLUÇÃO COTEA N 1/2013 TERMO ADITIVO, de 23 de janeiro de 2013.

RESOLUÇÃO COTEA N 1/2013 TERMO ADITIVO, de 23 de janeiro de 2013. RESOLUÇÃO COTEA N 1/2013 TERMO ADITIVO, de 23 de janeiro de 2013. Art. 1 O aluno que estiver apto a matricular-se no TCC1- PROJETO DE PESQUISA deverá procurar o orientador de TCC que mais se aproxime do

Leia mais

Pesquisa de Satisfação da Central de Atendimento da Anvisa Relatório Resultados Finais Coordenação de Atendimento ao Público COATE/GGCIP

Pesquisa de Satisfação da Central de Atendimento da Anvisa Relatório Resultados Finais Coordenação de Atendimento ao Público COATE/GGCIP Pesquisa de Satisfação da Central de Atendimento da Anvisa Relatório Resultados Finais Coordenação de Atendimento ao Público COATE/GGCIP www.anvisa.gov.br Brasília, janeiro de 2015 Introdução A Agência

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA E OS GÊNEROS TEXTUAIS

O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA E OS GÊNEROS TEXTUAIS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM LÍNGUA PORTUGUESA COM ÊNFASE EM MULTILETRAMENTOS O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA E OS GÊNEROS TEXTUAIS Monissa Mattos - 2 Ten CMPA LETRAMENTO letrar é mais do que alfabetizar,

Leia mais

O que é o Microsoft Office?

O que é o Microsoft Office? Aula 1 O que é o Microsoft Office? O Microsoft Office é um pacote de programas para escritório que faz parte de um único DVD. Você aprenderá neste curso a trabalhar com os programas mais famosos do pacote

Leia mais

EDITAL DE PUBLICAÇÃO SÉRIE PÓS-GRADUAÇÃO 2015

EDITAL DE PUBLICAÇÃO SÉRIE PÓS-GRADUAÇÃO 2015 GABINETE DA VICE-REITORIA EDITORA, GRÁFICA E LIVRARIA UNIVERSITÁRIA DA UFPEL EDITAL DE PUBLICAÇÃO SÉRIE PÓS-GRADUAÇÃO 2015 A Universidade Federal de Pelotas, por intermédio da Editora, Gráfica e Livraria

Leia mais