JANAÍNA CRISTINA KANESIRO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "JANAÍNA CRISTINA KANESIRO"

Transcrição

1 JANAÍNA CRISTINA KANESIRO Desempenho Econômico-Financeiro e Análise Envoltória de Dados (DEA): um estudo em meios de hospedagem no Brasil MESTRADO EM TURISMO E HOTELARIA Universidade do Vale do Itajaí Univali Centro de Educação Superior II Balneário Camboriú 2008

2 JANAÍNA CRISTINA KANESIRO Desempenho Econômico-Financeiro e Análise Envoltória de Dados (DEA): um estudo em meios de hospedagem no Brasil Dissertação apresentada ao Curso de Pós-Graduação Strictu Sensu em Turismo e Hotelaria da Universidade do Vale do Itajaí. Universidade do Vale do Itajaí Univali Centro de Educação Superior II Balneário Camboriú 2008

3 JANAÍNA CRISTINA KANESIRO Desempenho Econômico-Financeiro e Análise Envoltória de Dados (DEA): um estudo em meios de hospedagem no Brasil Dissertação apresentada ao Curso de Pós-Graduação Strictu Sensu em Turismo e Hotelaria da Universidade do Vale do Itajaí para obtenção do título de Mestre. Orientadora: Dra. Anete Alberton Universidade do Vale do Itajaí Univali Centro de Educação Superior II Balneário Camboriú 2008

4 JANAÍNA CRISTINA KANESIRO Desempenho Econômico-Financeiro e Análise Envoltória de Dados (DEA): um estudo em meios de hospedagem no Brasil BANCA EXAMINADORA DISSERTAÇÃO PARA OBTENÇÃO DO GRAU DE MESTRE Dra. Anete Alberton Dr. Everton Luis Pellizzaro de Lorenzi Cancellier Dra. Rosilene Marcon Dra. Sandra Rolim Ensslin

5 DEDICO A minha mãe Maria Amalia Brunini, pelo amor incondicional que sempre recebi e exemplo de força, garra e nobreza de caráter. AGRADEÇO A minha irmã, pela presença constante, apoio irrestrito, estimulo, admiração, amor e compreensão. Em especial, à Sati e Yuki, que com sua inocência trouxeram mais harmonia e felicidade para nossa família, iluminando minha vida com muito carinho.

6 AGRADECIMENTOS Todo aquele que se propõe a um empreendimento como a realização de um curso de mestrado compreende o valor da solidariedade, pois conhece, no dia-a-dia, nos menores detalhes, a preciosidade de um gesto amigo com conseqüências inestimáveis e, ao concluir a jornada, sente a necessidade de agradecer. Porém são tantas as pessoas, por tantos atos, por tantas ocasiões que, na impossibilidade de agradecer pessoalmente a todos os que deveria e gostaria, refiro-me a alguns, intencionando fazê-lo a todos. Em primeiro lugar a Deus pela fé, esperança e pelo dom de viver. À Profa. Dra. Maria Amalia Brunini, mãe e amiga, por este sonho se realizar, pela paciência, compreensão e apoio em todos os momentos da minha vida. À minha irmã e sempre amiga Lidiane Aparecida Kanesiro, que está sempre ao meu lado, com sua maneira dura e ao mesmo tempo tão doce de encarar a vida. À Profa. Dra. Anete Alberton, pela orientação, incentivo, apoio e, sobretudo, por terme permitido compartilhar de suas experiências e vida acadêmica. À Univali Universidade do Vale do Itajaí e a todos seus professores do curso de mestrado, secretárias e funcionários pela disponibilidade e paciência com que colaboraram direta ou indiretamente no suporte ao desenvolvimento deste estudo. Aos meus amigos, próximos ou distantes. Este espaço não seria suficiente para nomeálos e expressar minha gratidão, pois alimentaram este trabalho com paciência, solidariedade e torcida, em especial a Nicole Pelaez e Ivone Ledoux Ramos, pela amizade e carinho durante a minha permanência em Balneário Camboriú, a Carol Cinci pela amizade de sempre e de todos os momentos, e ao meu colega de trabalho Odair Santos, pelo apoio e confiança transmitida.

7 A todas as pessoas que passaram pela minha vida e, em especial, a meus médicos, de corpo, alma e coração, pela minha saúde mental e física, Dr. Marcelo Rosochansky (in memoriam) e Dr. Regis Viana, e a todos aqueles que cuidaram, zelaram e deram mais vida para minha família, em especial ao Dr. Pedro por me proporcionar tranqüilidade em relação às minhas pequenas. E, por fim, a todas as demais pessoas que, direta ou indiretamente, contribuíram para a realização desta dissertação. Para todas essas pessoas meu carinho especial e a certeza de que muito aprendi. OBRIGADA

8 RESUMO A análise de desempenho econômico-financeiro de uma organização é sempre sujeita de muitos questionamentos, principalmente no que diz respeito a quais indicadores utilizar e como consolidá-los de forma a estabelecer um critério adequado de avaliação da performance das empresas. O presente estudo tem como objetivo apresentar uma contribuição à análise do desempenho econômico-financeiro dos meios de hospedagem por meio da análise envoltória de dados (DEA), técnica essa que permite avaliar o grau de eficiência relativa das empresas pertencentes ao mesmo setor ou ramo de atividade capaz de comparar indicadores financeiros e não financeiros na análise de desempenho organizacional, caracterizando as empresas em eficientes e ineficientes, estabelecendo os escores de eficiência das empresas e índice relativo do setor. Para tanto, foram extraídas as demonstrações contábeis de 212 meios de hospedagem contidas na base de dados do InvestNews Online da Gazeta Mercantil e realizada a análise série-temporal e cross-sectional dos indicadores econômico-financeiros por porte. Os resultados obtidos sinalizaram uma redução na flexibilidade das 212 empresas em estudo, pois apesar do setor apresentar margem bruta superior a 40% independente do porte para todos os anos em análise, os índices de Margem Líquida, ROA e ROE de todos os portes foram negativos e insatisfatórios em todos os anos em análise, e apesar do aumento do risco financeiro advindo dos elevados índices de Composição do Endividamento, Imobilização do Patrimônio Líquido e Imobilização dos Recursos Não Correntes, atrelados à diminuição da Participação dos Capitais de Terceiros ao longo do período em estudo, o setor demonstra alta capacidade de pagamento em longo e curto prazo. A análise DEA demonstra que 147 empresas são eficientes e 65, ineficientes. Ainda se pode aferir por meio da realização da análise DEA, que o porte não interferiu nos resultados dos escores de eficiência das empresas inseridas no conjunto observado, uma vez que o comparativo da análise DEA por porte versus a geral sinalizou que 60% das microempresas consideradas eficientes na análise por porte se mantiveram eficientes na análise geral, enquanto as empresas de médio e grande mantiveram apenas 28% delas. Palavras-Chave: Análise Envoltória de Dados (DEA), Empreendimentos Hoteleiros, Indicadores Econômico-Financeiros, Porte da Empresa

9 ABSTRACT The analysis of the financial performance of an organization is always open to many questionings, chiefly as to which indicators to use and how to consolidate them so as to establish fair evaluation criteria for the performance of these companies. The present study aimed to contribute to the financial performance analysis of the hotel sector by means of data envelopment analysis (DEA) a technique that allows the evaluation of the relative efficiency level of companies belonging to the same sector or activity, capable of comparing financial and non-financial indicators in the performance evaluation analysis, characterizing companies as efficient or inefficient, establishing efficiency for the companies as well as a relative indicator for the sector. Thus, balance sheets from 212 hotels from Gazeta Mercantil s InvestNews database were collected and the cross-sectional and area-time analysis of the financial indicators performed according to company size. The obtained results signaled a flexibility reduction of the 212 studied companies, for despite the sector obtaining a gross product of over 40% regardless of size, in all the researched years, the Liquid margin, ROA and ROE indicators were negative and considered unsatisfactory in all researched years, for all company sizes, and in spite of the significant increase in the financial risk due to the high levels of Indebtment, Immobilized assets, Non-current resources, as well as the increase in Outside Capital Investments throughout the researched years, the sector has high short and long Debt-payment capacity. DEA analysis demonstrates that 147 companies are efficient, whereas the remaining 65 were considered inefficient. It can still be inferred, by means of DEA analysis, that size did not interfere in the efficiency scores of the companies observed, for the comparison of the DEA analysis by size versus the overall analysis signaled that 60% of the small companied considered efficient in the analysis by size remained efficient in the overall analysis, whereas for large companies only 28% remained. Word-key: Data Envelopment Analysis (DEA), Hotel Ventures, Financial Indicators, Company Size

10 LISTA DE SIGLAS A = Ativo ABIH = Associação Brasileira da Indústria de Hotéis AC = Ativo Circulante AP = Ativo Permanente BACEN = Banco Central do Brasil BP = Balanço Patrimonial C = Compra CE = Composição do Endividamento CCL = Capital Circulante Líquido CPV = Custo do Produto Vendido CRS ou CCR = Constant Returns to Scale (ou retorno de escala constante ) CT = Capitais de Terceiros DEA = Análise Envoltória de Dados DFC = Demonstrações dos Fluxos de Caixa DLPA = Demonstração dos Lucros e Prejuízos Acumulados DMU = Unidade Organizacional (ou Unidade Tomadora de Decisão) DOAR = Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos DP = Duplicata a Pagar DR = Duplicata a Receber DRE = Demonstração do do Exercício DVA = Demonstração do Valor Adicionado E = Estoque ELP = Exigível em Longo Prazo EMBRATUR = Empresa Brasileira de Turismo GA = Giro do Ativo GE = Giro do Estoque IASB = International Accounting Standards Board IPL ou ICP = Imobilização do Patrimônio Líquido (ou Imobilização do Capital Próprio) IRNC = Imobilização dos Recursos Não Correntes LC = Liquidez Corrente LG = Liquidez Geral LL = Lucro Líquido (ou Operacional Líquido) LS = Liquidez Seca MB = Margem Bruta ML = Margem Líquida OMT = Organização Mundial do Turismo PC = Passivo Circulante PCT = Participação de Capitais de Terceiros PL = Patrimônio Líquido PMC ou DVR = Prazo Médio de Cobrança (ou Dias de Vendas a Receber) PMP = Prazo Médio de Pagamento PNT = Plano Nacional de Turismo RLP = Realizável em Longo Prazo ROA = Rentabilidade do Ativo (ou Retorno sobre o Ativo) ROE = Rentabilidade do Patrimônio Líquido (ou Retorno sobre o Patrimônio Líquido) UH = Unidade Habitacional VBB = Viajar Bem e Barato VL = Venda Líquida (ou Receita Líquida) VRS ou BCC = Variable Returns to Scale (ou retorno de escala variável ) WTTC = World Travel and Tourism Council

11 LISTA DE FIGURAS Figura 1: Comparação Gráfica entre Fronteira de Eficiência e Linha de Regressão Figura 2: Fronteiras de Produção Modelos CCR e BCC Figura 3: Decomposição da Eficiência Produtiva Figura 4: Modelo CCR x BCC Figura 5: Fluxo Metodológico Figura 6: Distribuição Geográfica das Empresas Figura 7: Indicadores Econômico-Financeiros Utilizados nesta Pesquisa... 80

12 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1: Comparativo da Margem Bruta por Porte Gráfico 2: Comparativo da Margem Líquida por Porte Gráfico 3: Comparativo da Rentabilidade do Ativo por Porte Gráfico 4: Comparativo da Rentabilidade do Patrimônio Líquido por Porte Gráfico 5: Comparativo do Giro do Ativo por Porte Gráfico 6: Comparativo da Composição do Endividamento por Porte Gráfico 7: Comparativo da Participação dos Capitais de Terceiros por Porte Gráfico 8: Comparativo da Imobilização do Patrimônio Líquido por Porte Gráfico 9: Comparativo da Imobilização dos Recursos Não Correntes por Porte Gráfico 10: Comparativo da Liquidez Geral por Porte Gráfico 11: Comparativo da Liquidez Corrente por Porte Gráfico 12: Comparativo dos Indicadores da Situação Econômica por Porte Gráfico 13: Comparativo dos Indicadores da Situação Financeira por porte Gráfico 14: Comparativo dos Escores de Eficiência da Análise DEA por Porte

13 LISTA DE QUADROS Quadro 1: Classificação do Porte de Empresas Quadro 2: Principais Aspectos Eevelados pelos Indicadores Quadro 3: Limitações da DEA Quadro 4: Resumo das Variáveis de Inputs e Outputs Utilizado nesta Pesquisa Quadro 5: Ponto de Corte do Escore de Eficiência Quadro 6: DMUs e Variáveis de Inputs e Outputs dos Conjuntos em Análise

14 LISTA DE TABELAS Tabela 1: Fluxo Receptivo Internacional e Receita Cambial Gerada pelo Turismo Tabela 2: Distribuição Geográfica por Porte Tabela 3: Matriz de Correlação das Microempresas Tabela 4: Matriz de Correlação das Empresas de Pequeno Porte Tabela 5: Matriz de Correlação das Empresas de Médio e Grande Porte Tabela 6: Matriz de Correlação Geral Tabela 7: Média Anual dos Indicadores Econômicos Tabela 8: Média Anual dos Indicadores Financeiros Tabela 9: Indicadores Econômico-Financeiros do Setor Hoteleiro por Porte Tabela 10: Escores de Eficiência da Análise DEA por Porte Tabela 11: Escores de Eficiência da Análise DEA Geral Tabela 12: Comparativo da Análise DEA por Porte versus Geral

15 SUMÁRIO CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Objetivo Geral Objetivos Específicos Justificativa Estrutura do Trabalho CAPÍTULO II FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Setor Hoteleiro Classificação de Empresa Hoteleira Demonstrações Financeiras Indicadores Econômico-Financeiros Indicadores Econômicos Atividade Rentabilidade Indicadores Financeiros Estrutura de Capital Liquidez Comparação de Índices Análise Envoltória de Dados DEA Modelo CCR Modelo BCC Modelo CCR versus BCC Estudos DEA em Demonstrações Financeiras Estudos DEA em Hotelaria CAPÍTULO III METODOLOGIA Levantamento dos Dados Padronização dos Valores e Caracterização do Porte Cálculo dos Indicadores e Tratamento dos Dados Análise dos Dados... 81

16 3.4.1 Análise dos Indicadores Econômico-Financeiros Análise DEA Seleção das Variáveis a Compor o Modelo DEA Processamento do Modelo DEA CAPÍTULO IV RESULTADOS s da Análise dos Indicadores Análise Série-Temporal Situação Econômica Situação Financeira Análise Cross-Sectional s da Análise DEA CAPÍTULO V CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS APÊNDICES Apêndice A Publicações Internacionais que Abordam DEA Apêndice B Publicações Nacionais que Abordam DEA Apêndice C Publicações Internacionais que Abordam DEA em Turismo e Hotelaria Apêndice D Panorama Geral dos Meios de Hospedagem em Estudo Apêndice E Indicadores Econômico-Financeiros do Setor Hoteleiro por Porte Apêndice F Escores de Eficiência das Microempresas Apêndice G Escores de Eficiência das Empresas de Pequeno Porte Apêndice H Escores de Eficiência das Empresas de Médio e Grande Porte Apêndice I Escores de Eficiência dos Meios de Hospedagem em Estudo

17 CAPÍTULO I 1. INTRODUÇÃO É marcante neste início de século a acirrada concorrência em todos os setores da economia mundial e, nesse contexto, é natural que apenas as organizações mais fortes sobrevivam. Assim, os administradores, independente do setor em que atuam, devem estar constantemente perseguindo resultados financeiros sem se distanciarem de aspectos como a qualidade dos produtos e serviços e a responsabilidade socioambiental. Dentre os setores que mais têm contribuído com a economia mundial, o turismo é um meganegócio que em 2007, de acordo com a Organização Mundial do Turismo (2007), respondeu por 10,3% do PIB mundial e cresce a uma taxa de 4,6%, gerando cerca de 6,5 trilhões de dólares e 234 milhões de empregos, que representam 8,7% da força de trabalho e atinge outras centenas de milhões de pessoas, estendendo seu impacto também à área social, política e cultural, entretanto o Brasil está abaixo dessa média com 3,5 a 4% do PIB. Acompanhando o crescimento do turismo, o setor hoteleiro, por meio da prestação de serviços, vem crescendo rapidamente em todo território mundial, ampliando o número de instalações e expandindo-se para diversas localidades do mundo. A hotelaria é formada por diferentes segmentos que interagem direta ou indiretamente, incluindo em suas atividades um conjunto diversificado de recursos, produtos e serviços. Além disso, apóia e colabora com os mais diferentes setores da economia, pois emprega em sua cadeia produtiva desde mão-de-obra de menor qualificação até as mais qualificadas. O sucesso de muitas redes hoteleiras na combinação de serviços lucrativos com excelência levou a uma mudança na percepção da cultura de operações que colocava os hotéis a parte de outros setores industriais e de serviços. Uma cultura em que antes o foco era na hospitalidade e não na lucratividade, mas, atualmente, a hospitalidade e a lucratividade são objetivos totalmente compatíveis dentro do setor de hospedagem. Exemplo dessa combinação de sucesso são as companhias Accor, Granada ou Whitbread, cada uma proprietária de um grupo de diferentes bandeiras hoteleiras, que operam sob os critérios do lucro, projetado para

18 satisfazer os interesses dos stakeholders como sua principal prioridade (COOPER et al., 2001). Entre os parâmetros que podem ser utilizados na análise de desempenho de uma empresa está a análise financeira, que, embora complexa, é de fundamental importância para tomada de decisão, parâmetro de risco e investimento, valor de mercado, além de fornecer o panorama global da situação atual e tendências futuras da empresa. Segundo Gallizo e Salvador (2003), a análise de índices é a resposta à quantidade de informações contidas no conjunto das demonstrações financeiras e pelos dos indicadores que evidenciam aspectos da situação econômica (Atividade e Rentabilidade) e financeira (Estrutura de Capitais e Liquidez), os gestores e analistas podem avaliar a saúde da organização, possibilitando a percepção dos pontos fortes e fracos relacionados ao desempenho da empresa. Entretanto, tais índices podem ter sua importância maximizada ou minimizada em função dos objetivos de quem está analisando a eficiência organizacional. O desempenho das empresas, como um fator multidimensional, só é possível de ser mensurado mediante análise conjunta dos indicadores de modo que eles proporcionem uma visão global a respeito do desempenho tanto da empresa como do setor analisado. Matarazzo (2003) salienta que, para além da comparação dos índices no tempo, uma avaliação do desempenho da empresa no mercado só pode ser feita pela comparação com padrões de referência. Por meio da literatura especializada verifica-se que a Análise Envoltória de Dados (DEA) pode ser utilizada para comparar um grupo de empresas a fim de identificar as empresas eficientes e ineficientes, em termos relativos, medindo a magnitude das ineficientes e reduzindo-as pela comparação com as eficientes, e ainda comparar as empresas entre si e identificar aquelas de melhor desempenho, as quais servem de referência (benchmarks) para as demais. Essa técnica tem capacidade de confrontar a eficiência de múltiplas empresas homogêneas, mediante a consideração de múltiplas entradas (inputs) na busca de múltiplas saídas (outputs) (MACEDO e SILVA, 2004). Neste trabalho, a análise DEA foi escolhida por ser um método imparcial, pois não exige a intervenção humana na ponderação das variáveis e na escolha de uma função que modele o conjunto de dados. Além disso, apresenta um índice relativo, na medida em que encontra o melhor desempenho relativo entre as empresas em análise, trazendo contribuições importantes ao campo das medidas quantitativas de desempenho hoteleiro, convertendo várias 18

19 entradas e saídas em uma única medida de eficiência, identificando as unidades eficientes e ineficientes. Dessa forma, para a análise do desempenho econômico-financeiro dos hotéis, neste estudo, será aplicada além da análise descritiva de índices tradicionais, com a média e o desvio padrão, a técnica de Análise Envoltória de Dados DEA, que consiste em um método matemático cuja concepção vai ao encontro do benchmarking, que é determinar um indicador de desempenho quantitativo para a detecção das melhores práticas que servem de referencia dentro de um determinado grupo, técnica esta que não descarta as análises citadas anteriormente, mas alimenta-se dessas informações. 1.1 Objetivo Geral O objetivo principal deste trabalho é apresentar uma contribuição à análise do desempenho econômico-financeiro dos meios de hospedagem por meio da Análise Envoltória de Dados. 1.2 Objetivos Específicos Determinar os indicadores econômico-financeiros dos meios de hospedagem; Analisar a situação econômico-financeira, do setor em estudo, por porte; Determinar o conjunto de observações as variáveis de inputs e outputs a compor o modelo DEA; Analisar o desempenho econômico-financeiro dos meios de hospedagem por meio da Análise Envoltória de Dados DEA, identificando as empresas eficientes; Estabelecer os escores de eficiência e índice relativo que sirva de referência para as demais empresas (ineficientes). 1.3 Justificativa A indústria hoteleira no Brasil tem 25 mil meios de hospedagens, dos quais, aproximadamente, são hotéis e pousadas e são outros meios de hospedagem como residenciais, albergues, flats, alojamentos, entre outros, o que gera cerca de 1 milhão de empregos diretos e indiretos, representando em média 0,8% da força de trabalho ativa, uma receita bruta em torno de U$ 9 bilhões, U$ 15 bilhões de patrimônio imobilizado, e uma 19

20 arrecadação de mais de U$ 400 milhões em impostos e taxas. Ainda, segundo a mesma fonte, estima-se que, até fim de 2010, a indústria hoteleira no Brasil receberá investimento da ordem de R$ 5,3 bilhões na construção de novos meios de hospedagem, e o valor de R$ 4 bilhões para ampliação e renovação das unidades já existentes, com perspectiva de mais 140 mil empregos diretos e 420 mil indiretos (ABIH, 2007). O Brasil teve a maior expansão de sua oferta hoteleira nos últimos anos, possibilitado pelo desenvolvimento da infra-estrutura, aumento dos recursos e serviços disponíveis, derivados da mão-de-obra mais qualificada, da tecnologia de informação e da globalização, incluindo desde viagens de negócios às de lazer. Conseqüentemente, a indústria hoteleira tem-se mostrado segmento fundamental na movimentação de recursos, geração de empregos e, principalmente, na atração de capital internacional, onde as redes vão assumindo, cada vez mais, maior controle sobre a oferta de empreendimentos. Essa é uma tendência no mundo todo, e o Brasil não é exceção. (GARCIA, 2000; GORINI e MENDES, 2005). Os estudos na área de turismo e hotelaria, principalmente relacionados ao meio ambiente, responsabilidade social e tecnologia de informação, da mesma forma, se encontram ascendentes, embora algumas áreas de estudo, ainda, apresentem incipientes abordagens técnicas e específicas, no que tange à gestão financeira como, por exemplo, levantamento e avaliação do desempenho dos empreendimentos hoteleiros (BELLI, 1996). Logo, pesquisas que envolvem o desempenho econômico-financeiro do setor hoteleiro têm acentuada relevância, pois a hotelaria é considerada essencial para a infra-estrutura turística, sendo isso um dos suportes básicos para o desenvolvimento do turismo. Pela sua natureza, o setor hoteleiro proporciona retorno sobre os investimentos numa perspectiva de médio e longo prazo, visto que há uma necessidade intensa de capital para a construção, operação e manutenção de uma unidade habitacional. E, toda tomada de decisão deve ser analisada com muito cuidado e equilíbrio, englobando todos os aspectos. Um dos principais instrumentos para avaliar aspectos do desempenho passado, presente e futuro de uma empresa é a análise dos indicadores econômico-financeiros, consagrados pelo uso e infinitas possibilidades de criação de novos índices que estabelecem perspectivas de previsão no processo de tomada de decisão pelo gestor (PEREZ JR. e BEGALLI, 1999). Considerando a importância do setor hoteleiro e da quase ausência de estudos científicos relacionados à área financeira, a análise do desempenho econômico-financeiro das empresas hoteleiras, por meio da análise DEA, pode resultar em relevantes informações, tanto 20

21 para a tomada de decisão gerencial, controle e diagnóstico, como para estabelecer um panorama global da empresa e sua atuação no mercado. A DEA representa uma das mais adequadas ferramentas para avaliar a eficiência, em comparação com ferramentas convencionais, uma vez que os resultados da DEA são mais detalhados do que os obtidos em outras abordagens, servindo melhor ao embasamento de recomendações de natureza gerencial, pois contabiliza explicitamente o mix de entradas e saídas, e, conseqüentemente, é mais abrangente e confiável do que um conjunto de taxas operacionais ou medidores de lucratividade (ZHU, 2000). Assim, a análise DEA tem seu caráter significativo para a avaliação do desempenho econômico-financeiro de hotéis, pois é uma forma eficiente de extrair conclusões relevantes para o setor, além de fornecer subsídios para outras formas de análise, uma vez que não descarta outras técnicas de análises, e sim se baseia e completa as demais. A análise DEA é bastante difundida no exterior, com trabalhos realizados nas mais diversas áreas como: setor bancário, de engenharia e tecnologia, seguidos da administração, ciências sociais, esporte, dentre outros, mas no setor de turismo e hotelaria foram encontrados somente os estudos de Keh, et al. (2006), Sun e Lu (2006), Reynolds (2003), Hwang e Chang (2003), e Barros e Alves (2004), que analisam a performance do setor em relação aos serviços prestados por meio da DEA. No Brasil, os estudos sobre DEA começaram a ser desenvolvidos por volta de 1995 e foi um dos primeiros estudos apresentados por Pereira, intitulado Mensuramento da eficiência multidimensional utilizando Análise de Envelopamento de Dados: revisão da teoria e aplicações, seguido de Badin (1997), que propõe uma metodologia híbrida, a partir das técnicas DEA, Benchmarking e função de produção em termos de faturamento dos 600 maiores supermercados brasileiros no ano de Porém, poucos são os estudos diretamente relacionados ao desempenho econômicofinanceiro, como os de Cereta e Costa Jr. (2001, 2000), Fontes e Macedo (2003), Onusic et al. (2004) e Onusic e Casa Nova (2006), que abordam liquidez e solvência; os de Cereta e Niederauuer (2001), Becker, Lunardi e Maçada (2003), Macedo e Oliveira (2005), Macedo, Santos e Silva (2005), Macedo et al. (2006) e Moreira, Rosa e Souza (2006), que abordam o desempenho organizacional e a participação das empresas no mercado; e os de Lins e Meza (2000), que compararam as empresas aéreas por meio de regras de correlação e álgebra linear, procurando saber quais dessas empresas apresentam a melhor composição na sua estrutura de capital tendo como base os índices financeiros. 21

22 Dentre os estudos que mais se destacam no Brasil está o de Kassai (2002), que utilizou a DEA em análise de balanços, estudou o setor elétrico, utilizando os indicadores de excelência empresarial da revista Melhores e Maiores da Exame e os indicadores de retorno sobre o patrimônio líquido, indicador contábil tradicional. Dentro desta abordagem, o presente trabalho torna-se ainda mais instigante, a partir da constatação, por meio do levantamento bibliográfico, da inexistência de trabalhos aplicados ao setor hoteleiro no Brasil relacionando DEA em análise das demonstrações financeiras, o que confere o caráter de originalidade a esta dissertação e torna o estudo aqui proposto relevante. Assim, pode-se concluir, pela pertinência deste trabalho, que há necessidade de buscar a relação entre os temas, investigando as possibilidades e limitações da utilização da Análise por Envoltória de Dados integrada a Análise de Demonstrações Financeiras das empresas hoteleiras que atuam no Brasil. 1.4 Estrutura do Trabalho O presente trabalho está dividido em cinco capítulos. Este primeiro aborda a introdução, o problema da pesquisa e os objetivos, bem como a importância e justificativa que se remete este estudo. O segundo capítulo, Fundamentação Teórica, começa por uma breve contextualização do setor em análise turismo e hotelaria, as definições de porte de empresa direcionado a essa indústria, os aspectos relevantes sobre desempenho econômico-financeiro, que compreende a análise das demonstrações financeiras e os indicadores econômico-financeiros e, por fim, apresenta-se a Análise por Envoltória de Dados DEA, seus principais conceitos e definições, bem como os estudos empíricos e suas aplicações nas mais diversas áreas, com ênfase nos estudos relacionados às demonstrações financeiras. O terceiro capítulo descreve os aspectos relacionados à Metodologia: a delimitação da população e amostra; a tabulação e o tratamento dos dados, incluindo a média, o desvio padrão e a eliminação dos outliers; o ferramental estatístico utilizado, a análise descritiva, série-temporal e cross-sectional dos indicadores econômico-financeiros e a análise DEA, o modelo proposto para a avaliar o desempenho econômico-financeiro dos meios de hospedagem que atuam no Brasil. O quarto capítulo aborda a Análise dos s, distribuído em duas etapas sucessivas, direcionadas pela metodologia, começando pela análise descritiva dos indicadores 22

23 econômico-financeiros (análise série-temporal e cross-sectional), seguido da Análise Envoltória de Dados DEA. O último capítulo apresenta as Considerações Finais, incluindo as limitações e as sugestões para trabalhos futuros. As Referências e Apêndices com informações e dados construídos para subsidiar este estudo finalizam este trabalho. 23

24 CAPÍTULO II 2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Este capítulo está subdividido em cinco partes, como segue: Parte 1: Breve contextualização do setor hoteleiro. Por se tratar do objeto de estudo, serão destacados os aspectos relevantes a este setor, cenário de desenvolvimento, investimentos e incentivos realizados nessa área, bem como a importância na economia e sociedade. Parte 2: Classificação de empresas hoteleiras. Por se tratar de uma pesquisa quantitativa relacionada à análise das demonstrações contábeis do setor hoteleiro, serão abordadas as diferentes definições de porte. Parte 3: Revisão de literatura do desempenho econômico-financeiro, os aspectos relevantes à análise de demonstrações financeiras, seguido dos indicadores econômicofinanceiros, principais conceitos e métodos. Parte 4: Análise Envoltória de Dados - DEA, técnica utilizada nesta pesquisa, apresentando desde seus principais conceitos e definições, até as aplicações encontradas para subsidiar este trabalho, histórico dos estudos sobre a Análise Envoltória de Dados nos mais diversos setores. 2.1 Setor Hoteleiro O setor hoteleiro integra a cadeia produtiva de um setor ainda mais importante, que é o do turismo. Esse sim, tem sido um dos que vem apresentando maior crescimento em todo mundo. O turismo responde por 10,3% do PIB mundial, cerca de 6,5 trilhões de dólar, o que gera em torno de 234 milhões de empregos e atinge outras centenas de milhões de pessoas, estendendo seu impacto, também, na área social, política e cultural. E, numa projeção sobre o turismo global, a Organização Mundial do Turismo OMT, revelou que a atividade do turismo internacional deveria crescer, 4% a 5% até 2005, e o Brasil estabeleceu como metas no Plano Nacional de Turismo (PNT) atingir em 2007 o desembarque de 9 milhões de turistas

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS ANA BEATRIZ DALRI BRIOSO¹, DAYANE GRAZIELE FANELLI¹, GRAZIELA BALDASSO¹, LAURIANE CARDOSO DA SILVA¹, JULIANO VARANDAS GROPPO². 1 Alunos do 8º semestre

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis Resumo Demonstrações contábeis são informações e dados que as empresas oferecem ao fim de cada exercício, com a finalidade de mostrar aos acionistas, ao governo e todos os interessados,

Leia mais

AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO NAS TOMADAS DE DECISÕES.

AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO NAS TOMADAS DE DECISÕES. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ UFPA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO

Leia mais

Prefácio, xvii. Parte I Ambiente da Análise Financeira, 1

Prefácio, xvii. Parte I Ambiente da Análise Financeira, 1 Prefácio, xvii Parte I Ambiente da Análise Financeira, 1 1 Amplitude da análise financeira, 3 1.1 Visão estratégica da empresa, 3 1.2 Que é análise financeira de empresas, 6 1.3 Análise financeira e áreas

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS Claudio Barbosa Cardoso Orientador: Benedito Giovani Martins de Paula Linha de Pesquisa: Demonstrações Financeiras Universidade

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Analise Financeira ou de Balanço

Analise Financeira ou de Balanço ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS FASF- FACULDADE SAGRADA FAMÍLIA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CONTABILIDADE GERENCIAL PROF. EDENISE Analise Financeira ou de Balanço Avaliação da Situação da Empresa em seus

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 QUOCIENTES DE RENTABILIDADE Os Quocientes de Rentabilidade servem para medir a capacidade econômica da empresa, isto é, evidenciam o grau de êxito econômico obtido pelo

Leia mais

Prefácio à 3ª edição, xiii Apresentação, xv. Parte I - Introdução, 1

Prefácio à 3ª edição, xiii Apresentação, xv. Parte I - Introdução, 1 Prefácio à 3ª edição, xiii Apresentação, xv Parte I - Introdução, 1 1 Conceitos Introdutórios, 3 1.1 Conceitos, 3 1.2 Objetivos da Análise das Demonstrações Contábeis, 5 1.3 Usuários da Análise das Demonstrações

Leia mais

Índices econômico Financeiros

Índices econômico Financeiros Índices econômico Financeiros ADMNISTRAÇÃO Professor: Me. Claudio Kapp Junior Email: juniorkapp@hotmail.com Objetivos da aula Apresentar a importância de calcular os indicadores financeiros em uma empresa.

Leia mais

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios Vanessa da Silva Sidônio vanessa_sidonio@hotmail.com Professor Heber Lavor Moreira heber@peritocontador.com.br Trabalho da Disciplina Administração

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

Analise de Rentabilidade. Prof. Peter Wilson

Analise de Rentabilidade. Prof. Peter Wilson Analise de Rentabilidade Prof. Peter Wilson 1 Fases de Crescimento e Desenvolvimento Alto Receita Baixo Tempo 2 Fonte: Venture 1000.com O Consumo do Caixa Apresenta Diferentes Dinâmicas em cada Estágio

Leia mais

ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 1

ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 1 ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 1 Índice Análise Vertical e Análise Horizontal...3 1. Introdução...3 2. Objetivos e técnicas de análise...4 3. Análise vertical...7 3.1 Cálculos da análise vertical do balanço

Leia mais

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira darianer@fia.com.br www.fia.com.br/proced Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira 1 Objetivo Planejamento

Leia mais

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ):

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Contabilidade Gerencial e Controladoria Prof. Oscar Scherer Dia 23/03/2012. AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Parte importante da administração financeira, devendo

Leia mais

Análise das Demonstrações Contábeis

Análise das Demonstrações Contábeis Análise das Demonstrações Contábeis Prof. José MANOEL da Costa As demonstrações contábeis para usuário externo, publicadas aos usuários em geral, como já visto, são publicadas conforme princípios e normas

Leia mais

ANÁLISE DA DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) DAS EMPRESAS DE PAPEL E CELULOSE POR MEIO DE INDICADORES

ANÁLISE DA DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) DAS EMPRESAS DE PAPEL E CELULOSE POR MEIO DE INDICADORES ANÁLISE DA DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) DAS EMPRESAS DE PAPEL E CELULOSE POR MEIO DE INDICADORES RESUMO O presente estudo aborda a importância da DFC para a organização, pois além de ser uma

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A.

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A. Universidade Federal do Pará Centro: Sócio Econômico Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Análise de Demonstrativos Contábeis II Professor: Héber Lavor Moreira Aluno: Roberto Lima Matrícula:05010001601

Leia mais

DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS:

DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS: DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS: Contabilidade de Custos e Gerencial CIC 816 Carga Horária: 60 Créditos: 04 Coordenador: Prof. Poueri do Carmo Mário Teoria de Custos (abordagem econômica e contábil). Métodos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO 1.1. Capital de Giro O Capita de Giro refere-se aos recursos correntes de curto prazo pertencentes à empresa. Dessa forma, o capital de giro corresponde aos recursos

Leia mais

Curso Completo de Contabilidade Geral e Avançada Professor: Silvio Sande

Curso Completo de Contabilidade Geral e Avançada Professor: Silvio Sande ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS É a técnica que consiste na decomposição, comparação e interpretação dos demonstrativos do estado patrimonial e do resultado econômico de uma entidade. Técnicas de análise

Leia mais

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA RELAÇÕES ENTRE A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O SETOR DE HOSPITALIDADE: um estudo de caso aplicável ao curso Técnico de Hospedagem Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente de Pernambuco Autores: ANNARA

Leia mais

ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS. Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis

ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS. Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis Introdução As empresas de seguros são estruturas que apresentam características próprias. Podem se revestir

Leia mais

Balanço Patrimonial. Ativos e Passivos. Análise Financeira de Balanços 29/10/2012. Planejamento Financeiro Profa.: Elaine Silvia Pasquini

Balanço Patrimonial. Ativos e Passivos. Análise Financeira de Balanços 29/10/2012. Planejamento Financeiro Profa.: Elaine Silvia Pasquini Balanço Patrimonial Relembrando da ultima aula!!!! Planejamento Financeiro Profa.: Elaine Silvia Pasquini Análise Financeira de Balanços O balanço Patrimonial de uma organização é uma peça contábil, em

Leia mais

Análise Horizontal. Consiste no estabelecimento de um ano-base, no qual cada item componente da demonstração

Análise Horizontal. Consiste no estabelecimento de um ano-base, no qual cada item componente da demonstração Análise Horizontal Consiste no estabelecimento de um ano-base, no qual cada item componente da demonstração será designado pelo número-índice 100. Será verificada a tendência do item a partir de sua variação,

Leia mais

ANÁLISE DE INDICADORES ECONÔMICO-FINANCEIROS PARA FINS DE TOMADA DE DECISÕES: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA NATURA COSMÉTICOS S/A

ANÁLISE DE INDICADORES ECONÔMICO-FINANCEIROS PARA FINS DE TOMADA DE DECISÕES: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA NATURA COSMÉTICOS S/A ANÁLISE DE INDICADORES ECONÔMICO-FINANCEIROS PARA FINS DE TOMADA DE DECISÕES: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA NATURA COSMÉTICOS S/A José Jonas Alves Correia 4, Jucilene da Silva Ferreira¹, Cícera Edna da

Leia mais

APOSTILA DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS POR ÍNDICES PADRONIZADOS

APOSTILA DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS POR ÍNDICES PADRONIZADOS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA ESCOLA SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E GERÊNCIA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS PROGRAMA DE EXTENSÃO: CENTRO DE DESENVOLVIMENTO EM FINANÇAS PROJETO: CENTRO DE CAPACITAÇÃO

Leia mais

ANÁLISE FINANCEIRA DE BALANÇO FINANCEIRO DA EMPRESA COCAMAR - COOPERATIVA AGROINDUSTRIAL DE MARINGÁ RESUMO

ANÁLISE FINANCEIRA DE BALANÇO FINANCEIRO DA EMPRESA COCAMAR - COOPERATIVA AGROINDUSTRIAL DE MARINGÁ RESUMO ISSN 1807-6467 ANÁLISE FINANCEIRA DE BALANÇO FINANCEIRO DA EMPRESA COCAMAR - COOPERATIVA AGROINDUSTRIAL DE MARINGÁ RESUMO O mercado muda a um ritmo acelerado. Com a globalização, tendências que antes eram

Leia mais

ANALISE DA FORMA DE ESTRUTURAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS EMPRESAS

ANALISE DA FORMA DE ESTRUTURAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS EMPRESAS ANALISE DA FORMA DE ESTRUTURAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS EMPRESAS Autores: Alexandre Costa Quintana Daniele Pereira Mesquita RESUMO A forma de estruturação das demonstrações contábeis é fundamental

Leia mais

INDICADORES DE RENTABILIDADE: UMA ANÁLISE ECONOMICO FINANCEIRA SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTABEIS DA INDÚSTRIA ROMIA S/A

INDICADORES DE RENTABILIDADE: UMA ANÁLISE ECONOMICO FINANCEIRA SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTABEIS DA INDÚSTRIA ROMIA S/A INDICADORES DE RENTABILIDADE: UMA ANÁLISE ECONOMICO FINANCEIRA SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTABEIS DA INDÚSTRIA ROMIA S/A AUTOR ANTONIA TASSILA FARIAS DE ARAÚJO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ RESUMO O presente

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU 2014/2015

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU 2014/2015 PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU 2014/2015 1- JUSTIFICATIVA O setor de eventos vem passando por uma grande reformulação. Dos eventos corporativos, hoje mais bem estruturados e com foco específico,

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

Contabilidade Gerencial 2. Contabilidade Gerencial. Projeção do orçamento. Administração. Prof: Marcelo dos Santos. Projeção Orçamento

Contabilidade Gerencial 2. Contabilidade Gerencial. Projeção do orçamento. Administração. Prof: Marcelo dos Santos. Projeção Orçamento Administração Prof: Marcelo dos Santos Contabilidade Gerencial 2 Contabilidade Gerencial Projeção Orçamento Análise de Desempenho Projeção do orçamento Uma projeção De orçamento deve Se iniciar pela vendas.

Leia mais

Objetivos 29/09/2010 BIBLIOGRAFIA. Administração Financeira I UFRN 2010.2 Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho. Tópicos BALANÇO DE TAMANHO COMUM

Objetivos 29/09/2010 BIBLIOGRAFIA. Administração Financeira I UFRN 2010.2 Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho. Tópicos BALANÇO DE TAMANHO COMUM Objetivos Administração Financeira I UFRN 2010.2 Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho A EMPRESA NO MODELO DO BALANÇO PATRIMONIAL: análise das demonstrações financeiras Compreender a importância da padronização

Leia mais

Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS

Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS Objetivos da aula: Nesta aula veremos como cada empresa deve fazer pela primeira vez a adoção do IFRS. Como ela

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Bertolo CAPÍTULO 3 ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONCEITOS PARA REVISÃO Devido aos investidores basearem as suas decisões de compra e venda em suas expectativas sobre a performance futura da empresa,

Leia mais

Análise Financeira de Balanço

Análise Financeira de Balanço UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Instituto de Engenharia de Produção e Gestão Contabilidade Gerencial EPR 30 Análise Financeira de Balanço Juliano Jun Tatsumi nº11462 Marina Carvalho Brandão nº11466 Itajubá,

Leia mais

ANÁLISE DE DEMONSTRATIVOS FINANCEIROS

ANÁLISE DE DEMONSTRATIVOS FINANCEIROS ANÁLISE DE DEMONSTRATIVOS FINANCEIROS Prof. Herbert Kimura INTRODUÇÃO À ANÁLISE DE BALANÇOS CONTEXTUALIZAÇÃO Prof. Herbert Kimura INFORMAÇÕES Interna Externa Armazenagem Contábil! Relatórios contábeis

Leia mais

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL. Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL. Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br Prof. Elias Garcia Bacharel em Ciências Contábeis 1988 Especialização em Contabilidade

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DAS SIDERÚRGICAS LISTADAS NA BOVESPA: COMPARAÇÃO POR ÍNDICES-PADRÃO

ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DAS SIDERÚRGICAS LISTADAS NA BOVESPA: COMPARAÇÃO POR ÍNDICES-PADRÃO XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DAS SIDERÚRGICAS LISTADAS NA BOVESPA: COMPARAÇÃO POR ÍNDICES-PADRÃO Rafael Martins Noriller (UFGD) rafael_mn1985@hotmail.com

Leia mais

Análise das Demonstrações Financeiras

Análise das Demonstrações Financeiras UNIPAC UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS, LETRAS E SAÚDE DE UBERLÂNDIA. Rua: Barão de Camargo, nº. 695 Centro Uberlândia/MG. Telefax: (34) 3223-2100 Análise das Demonstrações

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NUMA PERSPECTIVA ORGANIZACIONAL

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NUMA PERSPECTIVA ORGANIZACIONAL A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NUMA PERSPECTIVA ORGANIZACIONAL THE IMPORTANCE OF ANALYSIS OF FINANCIAL STATEMENTS IN PERSPECTIVE ORGANIZATIONAL Elivelton Augusto Oliveira Gomes (UNISEPE/FVR)

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Análise dos Demonstrativos Contábeis I 1

Análise dos Demonstrativos Contábeis I 1 Análise dos Demonstrativos Contábeis I 1 Análise dos Demonstrativos Contábeis I 2 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 DADOS SOBRE A EMPRESA... 3 Histórico... 3 Perfil Corporativo... 4 ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA CONTABILIDADE GERENCIAL NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP

A UTILIZAÇÃO DA CONTABILIDADE GERENCIAL NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 392 A UTILIZAÇÃO DA CONTABILIDADE GERENCIAL NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Débora Regina

Leia mais

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro.

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro. Plano de Ensino Conceito A Função Financeira nas Empresas Utilização das informações contábeis Áreas de Decisões Financeiras Objetivos do Administrador Financeiro Organização da Função Financeira Estrutura

Leia mais

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE 1. INTRODUÇÃO A contabilidade foi aos poucos se transformando em um importante instrumento para se manter um controle sobre o patrimônio da empresa e prestar contas e informações sobre gastos e lucros

Leia mais

ANÁLISE DA ESTRUTURA DE LIQUIDEZ PROPOSTA POR FLEURIET: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA LOCALIZA RENT A CAR

ANÁLISE DA ESTRUTURA DE LIQUIDEZ PROPOSTA POR FLEURIET: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA LOCALIZA RENT A CAR 0 ANÁLISE DA ESTRUTURA DE LIQUIDEZ PROPOSTA POR FLEURIET: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA LOCALIZA RENT A CAR Gabriela de Castro Gaudêncio Cassimiro 1 Thiago Moura de Carvalho 2 Rosália Gonçalves Costa Santos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE FINANCEIRA DE BALANÇOS PARA O GESTOR FINANCEIRO

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE FINANCEIRA DE BALANÇOS PARA O GESTOR FINANCEIRO 1 A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE FINANCEIRA DE BALANÇOS PARA O GESTOR FINANCEIRO Esliane Carecho Borges da Silva (Orientadora- Docente dos cursos de Contabilidade e Tecnologia em Gestão Financeira-AEMS) Jose

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

NORMAS CONTÁBEIS APLICÁVEIS ÀS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS NO BRASIL: SEGUNDO AS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE ALUNO: MINASSON ELIAS FERREIRA

NORMAS CONTÁBEIS APLICÁVEIS ÀS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS NO BRASIL: SEGUNDO AS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE ALUNO: MINASSON ELIAS FERREIRA CIÊNCIAS CONTÁBEIS NORMAS CONTÁBEIS APLICÁVEIS ÀS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS NO BRASIL: SEGUNDO AS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE ALUNO: MINASSON ELIAS FERREIRA ORIENTADOR: PROF. Ms. GESIEL DE

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS: ESTUDO DE CASO DA EMPRESA MA PROMOTORA DE EVENTOS LTDA. Luciana da Silva Moraes 1. Moisés Araújo Guarda 2

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS: ESTUDO DE CASO DA EMPRESA MA PROMOTORA DE EVENTOS LTDA. Luciana da Silva Moraes 1. Moisés Araújo Guarda 2 1 ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS: ESTUDO DE CASO DA EMPRESA MA PROMOTORA DE EVENTOS LTDA. Luciana da Silva Moraes 1 Moisés Araújo Guarda 2 Sara Alexssandra Gusmão França 3 RESUMO Este artigo versa

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T14

Divulgação de Resultados 1T14 Divulgação de Resultados 1T14 A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private-equity ( Fundos

Leia mais

Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga

Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga CONTABILIDADE GERENCIAL ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA ATRAVÉS DE ÍNDICES Importância da Análise Através de Indicadores. Visa obter através

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

UNIDADE I INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 1.1 NATUREZA E DEFINIÇÕES DA ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO

UNIDADE I INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 1.1 NATUREZA E DEFINIÇÕES DA ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO Resumo: UNIDADE I INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 1.1 NATUREZA E DEFINIÇÕES DA ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO Capital de giro refere-se aos recursos correntes (curto prazo) da empresa,

Leia mais

2 Noções de Direito Público e Privado - Paulo César de Melo Mendes, 88 Objetivos, 88

2 Noções de Direito Público e Privado - Paulo César de Melo Mendes, 88 Objetivos, 88 Apresentação 1 Contabilidade Geral - Rodrigo de Souza Gonçalves e Fernanda Fernandes Rodrigues, 1 Objetivos, 1 Introdução, 1 1 Plano de contas - elaboração e utilização, 2 2 Balanço patrimonial - estrutura

Leia mais

ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2

ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2 1 ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2 RESUMO Os índices de liquidez visam fornecer um indicador da capacidade da empresa de pagar suas dívidas,

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP PROF. Ms. EDUARDO RAMOS Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E ESTRUTURA CONCEITUAL 3. O CICLO CONTÁBIL

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 4 Demonstrações Financeiras

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 4 Demonstrações Financeiras 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Demonstrações Financeiras Tópicos do Estudo Demonstrações Financeiras ou Relatórios Contábeis Demonstrações Financeiras e a Lei das Sociedades Anônimas Objetivos

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

GRADE DE DISCIPLINAS MBA em Gestão de Crédito

GRADE DE DISCIPLINAS MBA em Gestão de Crédito GRADE DE DISCIPLINAS MBA em Gestão de Crédito Disciplinas (*) Modalidade H/A (**) Núcleo Contabilidade Contabilidade Financeira Presencial 24 Contabilidade dos Investimentos em Participações Societárias

Leia mais

FTAD - Formação técnica em Administração de Empresas FTAD Contabilidade e Finanças. Prof. Moab Aurélio

FTAD - Formação técnica em Administração de Empresas FTAD Contabilidade e Finanças. Prof. Moab Aurélio FTAD - Formação técnica em Administração de Empresas FTAD Contabilidade e Finanças Prof. Moab Aurélio Competências a serem trabalhadas PLANEJAMENTO ORÇAMENTÁRIO GESTÃO FINANCEIRA CONTABILIDADE ACI : ESTUDO

Leia mais

Análise econômica das novas regras de solvência das seguradoras brasileiras Francisco Galiza 1 Outubro/2007

Análise econômica das novas regras de solvência das seguradoras brasileiras Francisco Galiza 1 Outubro/2007 Análise econômica das novas regras de solvência das seguradoras brasileiras Francisco Galiza 1 Outubro/2007 1) Introdução Nos últimos dias úteis de 2006, o Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP)

Leia mais

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL Ana Beatriz Nunes Barbosa Em 31.07.2009, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aprovou mais cinco normas contábeis

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I. Introdução à Administração Financeira

Administração Financeira e Orçamentária I. Introdução à Administração Financeira Administração Financeira e Orçamentária I Introdução à Administração Financeira Conteúdo O Campo das Finanças A Função Financeira na Empresa As Funções do Administrador Financeiro O Objetivo da Empresa

Leia mais

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu Coordenação Acadêmica: Prof. José Carlos Abreu, Dr. 1 OBJETIVO: Objetivos Gerais: Atualizar e aprofundar

Leia mais

Aula satélite 4. * Administração do crédito * Demonstrativos financeiros (contabilidade gerencial) * Fontes de recursos e de obtenção de crédito

Aula satélite 4. * Administração do crédito * Demonstrativos financeiros (contabilidade gerencial) * Fontes de recursos e de obtenção de crédito * Administração do crédito * Demonstrativos financeiros (contabilidade gerencial) * Fontes de recursos e de obtenção de crédito Aula satélite 4 Prof. Cláudio Alves da Silva Administração do crédito Crédito

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS PROF. Msc. JOSÉ VICENTE CAMPINAS - SP 2009 2 ANÁLISE

Leia mais

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional O tamanho que a micro ou pequena empresa assumirá, dentro, é claro, dos limites legais de faturamento estipulados pela legislação para um ME ou EPP, dependerá do

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN DEPARTAMENTO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: ESTRUTURA E ANÁLISE

Leia mais

"Gestão Contábil para micro e. pequenas empresas: tomada

Gestão Contábil para micro e. pequenas empresas: tomada "Gestão Contábil para micro e pequenas empresas: tomada de decisão Julio Cesar. Pergunta: - O que é importante na tomada de decisão. O que devemos saber para decidir algo?? Algumas INFORMAÇÕES acerca do

Leia mais

FANOR. MBA Internacional - Finanças. DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica. PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto)

FANOR. MBA Internacional - Finanças. DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica. PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto) Bibliografia Básica: FANOR MBA Internacional - Finanças DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto) CONTATOS: www.netofeitosa.com.br contato@netofeitosa.com.br (85)

Leia mais

A CONTABILIDADE COMO FERRAMENTA DE GESTÃO EMPRESARIAL

A CONTABILIDADE COMO FERRAMENTA DE GESTÃO EMPRESARIAL A CONTABILIDADE COMO FERRAMENTA DE GESTÃO EMPRESARIAL Gestão Empresarial Márlio Lúcio Ribeiro Gomes Coorientador: Prof. Evânio de Carvalho Cruz Universidade do Vale do Sapucaí RESUMO Este trabalho tem

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Ciências Econômicas e Gerencias Curso de Ciências Contábeis Controladoria em Agronegócios ANÁLISE COMPARATIVA DO CUSTEIO POR ABSORÇÃO E DO

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN DEPARTAMENTO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: ESTRUTURA E ANÁLISE

Leia mais

DESEMPENHO ECONÔMICO-FINANCEIRO: UM ESTUDO DE CASO NA MRV ENGENHARIA

DESEMPENHO ECONÔMICO-FINANCEIRO: UM ESTUDO DE CASO NA MRV ENGENHARIA DESEMPENHO ECONÔMICO-FINANCEIRO: UM ESTUDO DE CASO NA MRV ENGENHARIA Franciane de Oliveira Alvarenga Especialista em Auditoria e Contabilidade Financeira/Faculdade Machado Sobrinho João Paulo de Brito

Leia mais

Estudo de Caso sobre o Planejamento Financeiro de uma Empresa Têxtil do Agreste Pernambucano

Estudo de Caso sobre o Planejamento Financeiro de uma Empresa Têxtil do Agreste Pernambucano Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências Sociais Aplicadas Departamento de Ciências Administrativas Mestrado Profissional em Administração Relatório Executivo Estudo de Caso sobre o Planejamento

Leia mais

Aula 5 Contextualização

Aula 5 Contextualização Gestão Financeira Aula 5 Contextualização Prof. Esp. Roger Luciano Francisco Demonstrativos Contábeis e Análise Financeira Contabilidade é uma ciência aplicada que, por intermédio de uma metodologia específica,

Leia mais

Análise Através dos Índices

Análise Através dos Índices PARTE II Avaliação do Desempenho Empresarial Análise Através dos Índices 1 RECORDANDO 1.1 INTRODUÇÃO Numa empresa, freqüentemente os responsáveis pela administração estão tomando decisões, quase todas

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Prof. Fabini Hoelz Bargas Alvarez O que são finanças? Finanças é a arte e a ciência de gestão do dinheiro; Imprescindível, pois todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam dinheiro; A teoria

Leia mais

MBA Executivo - Auditoria e Finanças

MBA Executivo - Auditoria e Finanças MBA Executivo - Auditoria e Finanças Proposta do curso: O curso de MBA Executivo em Auditoria e Finanças possibilita ao profissional conhecer os fundamentos e as ferramentas de auditoria e gestão financeira.

Leia mais

ÍNDICES FINANCEIROS E LUCRATIVIDADE - UM ESTUDO DOS ÍNDICES DE RENTABILIDADE

ÍNDICES FINANCEIROS E LUCRATIVIDADE - UM ESTUDO DOS ÍNDICES DE RENTABILIDADE 1 ÍNDICES FINANCEIROS E LUCRATIVIDADE - UM ESTUDO DOS ÍNDICES DE RENTABILIDADE Giselle Damasceno da Silva Graduanda em Ciências Contábeis pela UFPA RESUMO Este estudo, parte da necessidade de utilização

Leia mais

DIFERENÇAS ENTRE CONTABILIDADE GERENCIAL E CONTABILIDADE FINANCEIRA

DIFERENÇAS ENTRE CONTABILIDADE GERENCIAL E CONTABILIDADE FINANCEIRA Olá, pessoal! Hoje trago uma aula sobre as principais características da Contabilidade Gerencial e suas diferenças em relação à Contabilidade Financeira, que é o outro nome da Contabilidade Geral. Trata-se

Leia mais

SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC

SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC 1 INTRODUÇÃO Alice Mecabô 1 ; Bruna Medeiro 2 ; Marco Aurelio Dias 3 O turismo é uma atividade que hoje é considerada um dos meios econômicos que

Leia mais

Carga Horária: Total: 60 horas/aula Semanal: 04 aulas Créditos: 04 Modalidade: Teórica Classificação do Conteúdo pelas DCN: Formação Profissional

Carga Horária: Total: 60 horas/aula Semanal: 04 aulas Créditos: 04 Modalidade: Teórica Classificação do Conteúdo pelas DCN: Formação Profissional DISCIPLINA: Contabilidade Gerencial CÓDIGO: 2ADM.0 VALIDADE: a partir de agosto de 200 TÉRMINO: Carga Horária: Total: 60 horas/aula Semanal: aulas Créditos: Modalidade: Teórica Classificação do Conteúdo

Leia mais

Análises de demonstrações financeiras

Análises de demonstrações financeiras Análises de demonstrações financeiras Professor: Me. Claudio Kapp Junior Email: juniorkapp@hotmail.com Análise da demonstrações financeiras Demonstrações: Importante veículo de comunicação entre empresa

Leia mais

Módulo Contábil e Fiscal

Módulo Contábil e Fiscal Módulo Contábil e Fiscal Contabilidade Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Contábil e Fiscal Contabilidade. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

JOSÉ APARECIDO MAION jmaion@maioncia.com.br. IRINEU DE MULA idemula@amcham.com.br. DELIBERAÇÃO CVM N o 539, DE 14/03/2008

JOSÉ APARECIDO MAION jmaion@maioncia.com.br. IRINEU DE MULA idemula@amcham.com.br. DELIBERAÇÃO CVM N o 539, DE 14/03/2008 DELIBERAÇÃO CVM N o 539, DE 14/03/2008 Aprova o Pronunciamento Conceitual Básico do CPC que dispõe sobre a Estrutura Conceitual para a Elaboração e Apresentação das Demonstrações Contábeis. JOSÉ APARECIDO

Leia mais

Unidade II. Unidade II

Unidade II. Unidade II Unidade II 2 Outras metodologias aplicadas 2.1 Metodologia do valor patrimonial de mercado Nesta metodologia, o enfoque é a determinação do valor da empresa a partir de seu valor patrimonial de mercado.

Leia mais

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA Laércio Dahmer 1 Vandersézar Casturino2 Resumo O atual mercado competitivo tem evidenciado as dificuldades financeiras da microempresa.

Leia mais

A Demonstração no Brasil A Demonstração do Fluxo de Caixa - DFC

A Demonstração no Brasil A Demonstração do Fluxo de Caixa - DFC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI CAMPUS MINISTRO REIS VELLOSO CMRV DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E JURÍDICAS DCCJ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CCC EMPRESA JUNIOR DE CONTABILDIADE CONAC JUNIOR CURSO

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES.

CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 417 CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES. Alice da Silva

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA A atividade empresarial requer a utilização de recursos financeiros, os quais são obtidos na forma de crédito e de

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

Análise da Performance Econômica e Financeira da Empresa Coteminas (Companhia de Tecidos Norte de Minas)

Análise da Performance Econômica e Financeira da Empresa Coteminas (Companhia de Tecidos Norte de Minas) Análise da Performance Econômica e Financeira da Empresa Coteminas (Companhia de Tecidos Norte de Minas) Resumo Cátia Raquel Felden Bartz 1 Gisele Carolina Padoin 2 Juliana Horbach 3 Diego Antonio Saugo

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Gestão Financeira I Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2011 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Cap.1 A decisão financeira e a empresa 1. Introdução 2. Objetivo e Funções da

Leia mais

A Importância da análise das demonstrações contábeis nas tomadas de decisões na Empresa Móveis Gazin Douradina-PR

A Importância da análise das demonstrações contábeis nas tomadas de decisões na Empresa Móveis Gazin Douradina-PR 10 A Importância da análise das demonstrações contábeis nas tomadas de decisões na Empresa Móveis Gazin Douradina-PR Olegário de Queiroz Muniz Bacharel em Ciências Contábeis Especialista em Recursos Humanos

Leia mais

Questão em foco: O ROI do Gerenciamento de Portfólio de Produto. O Guia para prever o retorno do investimento do PPM

Questão em foco: O ROI do Gerenciamento de Portfólio de Produto. O Guia para prever o retorno do investimento do PPM Questão em foco: O ROI do Gerenciamento de Portfólio de Produto O Guia para prever o retorno do investimento do PPM Tech-Clarity, Inc. 2008 Sumário Introdução à questão... 3 Cálculo dos benefícios do Gerenciamento

Leia mais