NORMAS CONTÁBEIS APLICÁVEIS ÀS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS NO BRASIL: SEGUNDO AS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE ALUNO: MINASSON ELIAS FERREIRA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NORMAS CONTÁBEIS APLICÁVEIS ÀS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS NO BRASIL: SEGUNDO AS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE ALUNO: MINASSON ELIAS FERREIRA"

Transcrição

1 CIÊNCIAS CONTÁBEIS NORMAS CONTÁBEIS APLICÁVEIS ÀS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS NO BRASIL: SEGUNDO AS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE ALUNO: MINASSON ELIAS FERREIRA ORIENTADOR: PROF. Ms. GESIEL DE OLIVEIRA VICENTE 1

2 O QUE É IFRS? 2

3 RESUMO: A adequação das Normas Brasileiras de Contabilidade às Normas Internacionais de Contabilidade, por intermédio dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC), está sendo considerada um avanço significativo para o crescimento econômico e um melhor posicionamento das empresas brasileiras no mercado internacional. No que tange as Micro e Pequenas Empresas, tais pronunciamentos chegam em momento oportuno, pois a inexistência de normas adequadas obrigavam a adotarem procedimentos que não refletiam tais mudanças. 3

4 PROBLEMA: Quais as vantagens da implementação de Normas Contábeis para Micro e Pequenas Empresas? OBJETIVO: Realizar, pesquisas e estudos para apresentar as principais normas existentes para as PMEs de acordo com a Normas Internacionais de Contabilidade. 4

5 METODOLOGIA: Para atingir os objetivos propostos foi necessário realizar pesquisa exploratória com a finalidade de levantar informações por meio de estudos, publicações, livros, artigos, dissertações, teses e periódicos especializados, para isso foram feitas consultas em bibliotecas, internet e utilização softwares de pesquisa atualmente disponíveis 5

6 CONTABILIDADE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS CONCEITO DE IFRS IFRS International Financial Reporting Standards: são normas internacionais de Contabilidade representadas por normas e interpretações adotadas pelo IASB International Accounting Standards Board Diretoria das Normas de Contabilidade Internacional. 6

7 IFRS COMO MODELO PADRÃO DA INFORMAÇÃO CONTÁBIL A perspectiva é que, gradativamente a convergência ao padrão internacional seja ampliada e o novo sistema contábil utilizado no país torne-se padrão para todas as empresas brasileiras, das gigantes multinacionais até os empreendimentos de pequeno porte. Diante desse cenário, torna-se obrigatória a preparação e formação adequada em IFRS de todos os profissionais da área contábil. 7

8 CONTABILIDADE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS O QUE MUDA COM O IFRS NO BRASIL As mudanças introduzidas pela IFRS aplica-se na alteração da Lei nº 6.404/76 pela Lei nº /07, permitindo a convergência das normas de contabilidade adotadas no Brasil de acordo com às normas internacionais. Embora as Normas Internacionais de Contabilidade sejam destinadas principalmente às sociedades de grande porte, ainda que não constituídas sob a forma de sociedades por ações. Vale ressaltar que tais regras são aplicáveis a todas as sociedades. 8

9 A CONVERGÊNCIA AOS PADRÕES INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE (IFRS) PELO MUNDO Fonte: Conselho Regional de Contabilidade do Rio Grande do Sul Já utilizam a IFRS. 9 Estão em processo de convergência.

10 IFRS A VISÃO DO CFC O Presidente do CFC (Conselho Federal de Contabilidade) Juarez Carneiro afirma que, o processo de adesão ao padrão internacional é de caráter global, por englobar várias outras nações, e que sendo a economia globalizada, faz-se necessário que todos falem a mesma língua no que se refere a negócios, ou seja, adotem normas contábeis compreensíveis e aplicáveis a todos. E, não apenas se tratando de grandes empresas; pois, por exemplo, no ano passado (2010) foi publicada uma NBC (Norma Brasileira de Contabilidade) que trata da Contabilidade para pequenas e médias empresas. 10 FONTE: Revista Boletim CRCSP, São Paulo, Ano XL, nº 175, 17p, março 2010,

11 MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO MERCADO BRASILEIRO IMPORTÂNCIA DAS MPES. O segmento empresarial composto pelas Micro e Pequenas empresas representa 25% do PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro e geram 60% dos empregos formais do país, segundo dados do SEBRAE (2008). A importância das Micro e Pequenas Empresas para Brasil podem ser medidas pelos seus relevantes números, na geração de empregos e impostos, e seu impacto no PIB Brasileiro. Segundo importantes fontes tais como DIESE, SEBRAE, SERASA e outras. 11

12 CLASSIFICAÇÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO BRASIL NÃO HÁ UMA CLASSIFICAÇÃO PADRÃO, NO BRASIL, EXISTEM ALGUNS CONCEITOS MAIS COMUMENTE ACEITOS. 12

13 CLASSIFICAÇÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: DE ACORDO COM O FATURAMENTO ANUAL Porte Micro empresas Simples Nacional Faturamento Anual Até R$ 240 mil Empresa de Pequeno Porte Fonte: Simples Nacional, Lei Complementar Federal nº 123, de 14/12/2006. Acima de R$ 240 mil até R$ 2,4 milhões 13

14 CLASSIFICAÇÕES DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: DE ACORDO COM O NÚMERO DE EMPREGADOS Porte/Setor Indústria Comercio e Serviço Microempresa Até 19 Até 9 empregados Empresa de Pequeno Porte Média Grande Fonte: Contabilidade com ênfase em Micro, pequenas e Médias Empresas De 20 a 99 De 10 a 49 De 100 a 499 De 50 a ou mais 100 ou mais 14

15 CPC CPC - PME Empresas com obrigação de prestação pública de conta. Exemplos: Sociedade por ações abertas-listada em bolsas Limitadas e demais Sociedades enquadrada como Grande Porte pela Lei nº11638/07 Instituições Financeiras Seguradoras Empresas sem obrigação de prestação pública de contas e apresentam demonstrações contábeis para fins gerais para usuários externos. Exemplos: Limitadas e demais Sociedades não enquadradas como sociedades de grande porte pela Lei nº 11638/07 Estima-se que mais de milhões de empresas no Brasil serão elegíveis para CPC-PME Fonte: Contabilidade com ênfase em Micro, pequenas e Médias Empresas

16 CONTABILIDADE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS O termo IFRS-PME foi adotado pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) e posteriormente foi homologado pela Resolução do CFC nº 1.255/09, com o objetivo de facilitar a adoção do CPC PME. Esse termo foi definido como Sociedade por ações fechadas. 16

17 CONTABILIDADE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS A REGULAMENTAÇÃ DA IFRS PARA PME Com a emissão, em 09 de julho de 2009, pelo IASB, a IFRS para PME passa a vigorar, sendo emitida no Brasil pelo CFC, através da Resolução CFC nº 1.255/09, em 10 de dezembro de 2009, A sua vigência efetiva foi a partir de 1º de janeiro de

18 CONTABILIDADE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS IFRS PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS O Comitê de Pronunciamentos Contábeis, a partir da (IFRS SMEs) do IASB, aprovou o Pronunciamento Técnico PME Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas. Resolve: Art. 1º. Aprovar a NBC T Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas. Art. 2º. Esta Resolução entra em vigor nos exercícios iniciados a partir de 1º de janeiro de

19 CONTABILIDADE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS IFRS PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS Após os pronunciamentos à adoção das Normas para o exercício de 2010, as micros, pequenas e médias empresas devem adequar a sua contabilidade às regras internacionais e, com isso, a tendência é maior eficiência e a eficácia na qualidade das informações contábeis do segmento. 19

20 CONTABILIDADE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS OS PRINCIPAIS BENEFÍCIOS Fazer levantamento de números nunca antes levantados, como: os Ativos Circulantes e não Circulantes; o quanto se espera vender, realizar ou consumir do ativo durante o ciclo operacional normal da empresa; posição do fluxo de caixa pelo método direto e indireto, natureza, liquidez e rentabilidade dos ativos; valores da natureza e prazo dos passivos. 20

21 CONTABILIDADE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS AS NORMAS PARA AS MICRO E PEQUENAS EMPRESA ANTES DA IFRS PME Entre as leis destinadas às Micro e Pequenas Empresas destaca-se o Simples Nacional, Lei Complementar nº 123/06, com o objetivo de unificar a arrecadação dos tributos e contribuições devidos pelas Micros e Pequenas Empresas no Brasil nas esferas federal, estadual e municipal, mas é classificado como regime especial de arrecadação e não como tributo. 21

22 CONTABILIDADE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS CONSIDERAÇÕES FINAIS Conclui-se que, os resultados da adoção da IFRS como padrão contábil, por meio do Pronunciamento Técnico PME Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas, traz grandes benefícios às empresas brasileiras tais como: uma padronização internacional utilizada em mais de cem países; linguagem contábil global que serve de base em negociações; maior procura de investidores nas empresas brasileiras. Não obstante, verifica-se a qualidade das informações geradas, trazendo mais compreensibilidade, relevâncias e confiabilidade, entre outras. 22

23 23

24 OBRIGADO. BOA TARDE! 24

IFRS A nova realidade de fazer Contabilidade no Brasil

IFRS A nova realidade de fazer Contabilidade no Brasil Ano X - Nº 77 - Julho/Agosto de 2014 IFRS A nova realidade de fazer Contabilidade no Brasil Profissionais da Contabilidade deverão assinar prestações de contas das eleições Ampliação do Simples Nacional

Leia mais

A Contabilidade e o Profissional Contábil nas Pequenas e Médias Empresas

A Contabilidade e o Profissional Contábil nas Pequenas e Médias Empresas A Contabilidade e o Profissional Contábil nas Pequenas e Médias Empresas Irineu De Mula Março/2011 Primeira Fase do Processo de Convergência (Lei 11.638 e 11.941/08) Direito Positivo Brasileiro Alteram

Leia mais

A Experiência Brasileira na Adoção do IFRS para Pequenas e Médias Empresas

A Experiência Brasileira na Adoção do IFRS para Pequenas e Médias Empresas A Experiência Brasileira na Adoção do IFRS para Pequenas e Médias Empresas Balneário Camboriú-SC 21 de julho de 2011 O padrão IFRS é adotado, atualmente, por cerca de 140 países(1) e por milhões de pequenas

Leia mais

JOSÉ HERNANDEZ PEREZ JUNIOR

JOSÉ HERNANDEZ PEREZ JUNIOR JOSÉ HERNANDEZ PEREZ JUNIOR Mestre em Controladoria e Contabilidade Estratégica e Bacharel em Ciências Contábeis. Professor de cursos de MBA da Fundação Getulio Vargas - RJ. Professor das Faculdades Atibaia

Leia mais

Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas

Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas Conhecimento essencial em Gestão de Controladoria Depois de sucessivas crises econômicas, os investidores pressionam cada vez mais pela

Leia mais

Quando utilizar o CPC para Pequenas e Médias

Quando utilizar o CPC para Pequenas e Médias 1 de 5 28/07/2010 09:05 Brasil Quando utilizar o CPC para Pequenas e Médias Empresas PMEs O que é e qual o objetivo da norma para PMEs Em julho de 2009 o International Accounting Standard Board IASB emitiu

Leia mais

A Estrutura das Demonstrações Contábeis

A Estrutura das Demonstrações Contábeis A Estrutura das Demonstrações Contábeis Prof. Dr. José Elias Feres de Almeida Universidade Federal do Espírito Santo International Certified Valuation Specialist (ICVS) NBC TA 200: Contexto: Estrutura

Leia mais

XXVII Seminario do CILEA Aplicación de las NIIF para las pymes en América Latina e Caribe y sua incidencia em el desarrollo económico

XXVII Seminario do CILEA Aplicación de las NIIF para las pymes en América Latina e Caribe y sua incidencia em el desarrollo económico XXVII Seminario do CILEA Aplicación de las NIIF para las pymes en América Latina e Caribe y sua incidencia em el desarrollo económico 2 Breve histórico 3 Ambiente regulatório brasileiro: Marcos legal e

Leia mais

MUDANÇAS NO GERADOR DE DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS

MUDANÇAS NO GERADOR DE DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS MUDANÇAS NO GERADOR DE DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS Visando a redução de riscos nos investimentos internacionais, além de ter mais facilidade de comunicação internacional no mundo dos negócios, com o uso de

Leia mais

O IFRS e as cooperativas de crédito no Brasil - Efetividade das ações das auditorias internas e externas

O IFRS e as cooperativas de crédito no Brasil - Efetividade das ações das auditorias internas e externas O IFRS e as cooperativas de crédito no Brasil - Efetividade das ações das auditorias internas e externas JOÃO PAULO VIANA MAGALHÃES Departamento de Supervisão de Cooperativas de Crédito e Instituições

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 610, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2009

DELIBERAÇÃO CVM Nº 610, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2009 Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 43 do Comitê de Pronunciamentos Contábeis, que trata da adoção inicial dos pronunciamentos técnicos CPC 15 a 40. A PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - CVM

Leia mais

O Processo de Convergência das Normas Brasileiras de Contabilidade e Auditoria às Normas Internacionais VERÔNICA SOUTO MAIOR

O Processo de Convergência das Normas Brasileiras de Contabilidade e Auditoria às Normas Internacionais VERÔNICA SOUTO MAIOR O Processo de Convergência das Normas Brasileiras e Auditoria às Normas Internacionais VERÔNICA SOUTO MAIOR Professora do DCCA/UFPE, Conselheira do CFC, Coordenadora do Comitê Gestor da Convergência no

Leia mais

O Comitê de Pronunciamentos - CPC. Irineu De Mula Diretor da Fundação Brasileira de Contabilidade - FBC

O Comitê de Pronunciamentos - CPC. Irineu De Mula Diretor da Fundação Brasileira de Contabilidade - FBC O Comitê de Pronunciamentos - CPC Irineu De Mula Diretor da Fundação Brasileira de - FBC Objetivo: O estudo, o preparo e a emissão de Pronunciamentos Técnicos sobre procedimentos de e a divulgação de informações

Leia mais

Auditoria Efeitos da Convergência. FERNANDO CALDAS Sócio da 100PORCENTO AUDIT, CONSULT, SOLUÇÕES S.A. www.100porcento.srv.br

Auditoria Efeitos da Convergência. FERNANDO CALDAS Sócio da 100PORCENTO AUDIT, CONSULT, SOLUÇÕES S.A. www.100porcento.srv.br Auditoria Efeitos da Convergência FERNANDO CALDAS Sócio da 100PORCENTO AUDIT, CONSULT, SOLUÇÕES S.A. www.100porcento.srv.br Final do Século XX Início do processo de globalização Diminuição das fronteiras

Leia mais

ADERÊNCIA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS ENTIDADES FECHADAS DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR AO IAS 26

ADERÊNCIA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS ENTIDADES FECHADAS DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR AO IAS 26 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Ciências Econômicas e Gerenciais Curso de Ciências Contábeis Contabilidade de Entidades de Previdência Privada e Seguradoras ADERÊNCIA DAS

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.315/10

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.315/10 NOTA - A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração desta Norma de NBC T 19.40 para NBC TG 43 e de outras normas citadas: de NBC T 1 para NBC TG ESTRUTURA CONCEITUAL; de NBC T 19.18 para

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP PROF. Ms. EDUARDO RAMOS Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E ESTRUTURA CONCEITUAL 3. O CICLO CONTÁBIL

Leia mais

Palavra-Chave: Contabilidade Internacional, Adoção as Normas Internacionais de Contabilidade, CPC-PMEs.

Palavra-Chave: Contabilidade Internacional, Adoção as Normas Internacionais de Contabilidade, CPC-PMEs. CONTABILIDADE INTERNACIONAL: a convergência das Normas Internacionais da Contabilidade aplicada às micros e pequenas empresas no município de Barreiras-BA. Acadêmica: Luana Alves Souza 1 E-mail: Lua.luana23@hotmail.com

Leia mais

TÍTULO: ESTUDO DE CASO DE APLICAÇÕES DAS NORMAS INTERNACIONAIS DA CONTABILIDADE (IFRS) NAS PMES E O IMPACTO NA SUA APLICABILIDADE

TÍTULO: ESTUDO DE CASO DE APLICAÇÕES DAS NORMAS INTERNACIONAIS DA CONTABILIDADE (IFRS) NAS PMES E O IMPACTO NA SUA APLICABILIDADE TÍTULO: ESTUDO DE CASO DE APLICAÇÕES DAS NORMAS INTERNACIONAIS DA CONTABILIDADE (IFRS) NAS PMES E O IMPACTO NA SUA APLICABILIDADE CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS

Leia mais

Faz saber que foi aprovada em seu Plenário a seguinte Norma Brasileira de Contabilidade (NBC), que tem por base o CT 04/2010 (R2) do Ibracon:

Faz saber que foi aprovada em seu Plenário a seguinte Norma Brasileira de Contabilidade (NBC), que tem por base o CT 04/2010 (R2) do Ibracon: Norma Brasileira de Contabilidade CFC/CTA Nº 2 DE 27/02/2015 Publicado no DO em 9 mar 2015 Dá nova redação ao CTA 02 que trata da emissão do relatório do auditor independente sobre demonstrações contábeis

Leia mais

Vice-presidente Técnicado ConselhoFederal de Contabilidade(CFC)

Vice-presidente Técnicado ConselhoFederal de Contabilidade(CFC) Verônica SoutoMaior Vice-presidente Técnicado ConselhoFederal de Contabilidade(CFC) AÇOES DO CFC -CRIAÇÃO DE UM GT GRUPO DE TRABALHO: CONSIDERANDO o processo de convergência das Normas Brasileiras de Contabilidade

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.328/11. Dispõe sobre a Estrutura das Normas Brasileiras de Contabilidade.

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.328/11. Dispõe sobre a Estrutura das Normas Brasileiras de Contabilidade. RESOLUÇÃO CFC N.º 1.328/11 Dispõe sobre a Estrutura das Normas Brasileiras de Contabilidade. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, e com fundamento

Leia mais

EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SNC Nº 03/2014 ICPC 19 TRIBUTOS. Prazo: 15 de setembro de 2014

EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SNC Nº 03/2014 ICPC 19 TRIBUTOS. Prazo: 15 de setembro de 2014 EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SNC Nº 03/2014 ICPC 19 TRIBUTOS Prazo: 15 de setembro de 2014 O Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC), a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e o Conselho Federal de Contabilidade

Leia mais

IFRS EM DEBATE: Aspectos gerais do CPC da Pequena e Média Empresa

IFRS EM DEBATE: Aspectos gerais do CPC da Pequena e Média Empresa IFRS EM DEBATE: Aspectos gerais do CPC da Pequena e Média Empresa outubro/2010 1 SIMPLIFICAÇÃO DOS PRONUNCIAMENTOS: Pronunciamento CPC PME - Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas (225 páginas)

Leia mais

AS MUDANÇAS DA LEI 11.638/07 NO BALANÇO PATRIMONIAL DAS EMPRESAS DE CAPITAL ABERTO

AS MUDANÇAS DA LEI 11.638/07 NO BALANÇO PATRIMONIAL DAS EMPRESAS DE CAPITAL ABERTO AS MUDANÇAS DA LEI 11.638/07 NO BALANÇO PATRIMONIAL DAS EMPRESAS DE CAPITAL ABERTO Vanessa Alves Cunha 1, Robernei Aparecido Lima 2 1 Universidade do Vale do Paraíba/Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas,

Leia mais

CADERNO DE ANOTAÇÕES CONTÁBEIS

CADERNO DE ANOTAÇÕES CONTÁBEIS CADERNO DE ANOTAÇÕES CONTÁBEIS APLICAÇÃO N 3 As novas práticas contábeis instituídas a partir da Lei 11.638/2007 complementadas pela Lei 11.941/2009 e normatização formulada através da edição dos pronunciamentos

Leia mais

PERFIL DO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS CPC. Élen Cristiane dos Santos¹, Robernei Aparecido Lima ²

PERFIL DO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS CPC. Élen Cristiane dos Santos¹, Robernei Aparecido Lima ² PERFIL DO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS CPC Élen Cristiane dos Santos¹, Robernei Aparecido Lima ² 1 Universidade do Vale do Paraíba/Faculdade de Ciências Contábeis, Avenida Dr.Januário Miráglia,

Leia mais

REDUÇÃO AO VALOR RECUPERAVEL DE ATIVOS - CONCEITO E IMPACTO NA EMPRESA GERDAU S/A. Amanda Caroline Diniz Pereira¹, José César de Faria²

REDUÇÃO AO VALOR RECUPERAVEL DE ATIVOS - CONCEITO E IMPACTO NA EMPRESA GERDAU S/A. Amanda Caroline Diniz Pereira¹, José César de Faria² REDUÇÃO AO VALOR RECUPERAVEL DE ATIVOS - CONCEITO E IMPACTO NA EMPRESA GERDAU S/A Amanda Caroline Diniz Pereira¹, José César de Faria² ¹Universidade do Vale do Paraíba/Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas

Leia mais

Instituto Hernandez de Desenvolvimento Profissional

Instituto Hernandez de Desenvolvimento Profissional AS IFRS COMO FATOR IMPULSIONADOR DA ECONOMIA E DA PROFISSÃO CONTÁBIL NO BRASIL JOSÉ HERNANDEZ PEREZ JUNIOR José Hernandez Perez Junior 1 PALESTRANTE JOSÉ HERNANDEZ PEREZ JUNIOR PhD Doctor of Philosophy

Leia mais

A CONVERGÊNCIA DOS PADRÕES DE CONTABILIDADE APLICADOS NO BRASIL ÀS INTERNATIONAL FINANCIAL ACCOUNTING STANDARDS (IFRS)

A CONVERGÊNCIA DOS PADRÕES DE CONTABILIDADE APLICADOS NO BRASIL ÀS INTERNATIONAL FINANCIAL ACCOUNTING STANDARDS (IFRS) A CONVERGÊNCIA DOS PADRÕES DE CONTABILIDADE APLICADOS NO BRASIL ÀS INTERNATIONAL FINANCIAL ACCOUNTING STANDARDS (IFRS) PROF. Ms. EDUARDO RAMOS Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ OBJETIVO Apresentar

Leia mais

A ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL: UM COMPARATIVO ANTES E DEPOIS DA ADOÇÃO DO PADRÃO CONTÁBIL INTERNACIONAL.

A ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL: UM COMPARATIVO ANTES E DEPOIS DA ADOÇÃO DO PADRÃO CONTÁBIL INTERNACIONAL. A ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL: UM COMPARATIVO ANTES E DEPOIS DA ADOÇÃO DO PADRÃO CONTÁBIL INTERNACIONAL. Eliseu Pereira Lara 1 RESUMO: As alterações ocorridas na legislação contábil, visando à adequação

Leia mais

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL Ana Beatriz Nunes Barbosa Em 31.07.2009, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aprovou mais cinco normas contábeis

Leia mais

8PSUREOHPDGHSDGURQL]DomR

8PSUREOHPDGHSDGURQL]DomR 25*$1,6026(1250$6,17(51$&,21$,6'(&217$%,/,'$'( 8PSUREOHPDGHSDGURQL]DomR INTRODUÇÃO Com o crescente avanço tecnológico, facilidades de comunicação, rapidez no processamento de informações e mobilidade internacional

Leia mais

VI - Pelo valor da Contribuição FGTS incidente sobre a parcela do 13º salário pago na rescisão: D - PROVISÃO P/ 13º

VI - Pelo valor da Contribuição FGTS incidente sobre a parcela do 13º salário pago na rescisão: D - PROVISÃO P/ 13º V D - PROVISÃO PARA 13º SALÁRIO E ENCARGOS SOCIAIS (Passivo Circulante) C - SALÁRIOS E ORDENADOS A PAGAR VI - Pelo valor da Contribuição FGTS incidente sobre a parcela do 13º salário pago na rescisão:

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins CONTABILIDADE INTERNACIONAL FINANCIAL REPORTING

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins CONTABILIDADE INTERNACIONAL FINANCIAL REPORTING Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins CONTABILIDADE INTERNACIONAL FINANCIAL REPORTING Belo Horizonte 2012 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins CONTABILIDADE INTERNACIONAL FINANCIAL

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.322/11

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.322/11 A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração deste Comunicado de CT 09 para CTA 04 e de outras normas citadas: de NBC T 19.16 para NBC TG 11; de NBC T 19.27 para NBC TG 26; e de CT 07 para

Leia mais

RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA

RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA 1- INTRODUÇÃO O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social, por meio do Decreto nº 5.212, de 22 de setembro de 2004, teve o seu Estatuto Social alterado

Leia mais

Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS

Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS Objetivos da aula: Nesta aula veremos como cada empresa deve fazer pela primeira vez a adoção do IFRS. Como ela

Leia mais

INSTRUTIVO N.º xx/20xx de xx de xxxx

INSTRUTIVO N.º xx/20xx de xx de xxxx INSTRUTIVO N.º xx/20xx de xx de xxxx ASSUNTO: DIVULGAÇÕES DE INSTRUMENTOS FINANCEIROS Havendo a necessidade de estabelecer um conjunto de procedimentos na elaboração das divulgações sobre instrumentos

Leia mais

Custos de Aquisição Diferíveis

Custos de Aquisição Diferíveis Custos de Aquisição Diferíveis Orientações da SUSEP ao Mercado Dezembro/2014 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 1.1. Área Responsável... 1 1.2. Base Legal... 1 1.3. Abrangência... 1 1.4. Objetivo... 2 2. CUSTOS

Leia mais

O CUMPRIMENTO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NAS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

O CUMPRIMENTO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NAS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS O CUMPRIMENTO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NAS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS MAYRA LETICIA VIEIRA DUARTE a219557421@fumec.edu.br Fumec Carlos Alberto de Souza carlosprofs@gmail.com Fumec e Una

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 469, DE 2 DE MAIO DE 2008

INSTRUÇÃO CVM Nº 469, DE 2 DE MAIO DE 2008 Dispõe sobre a aplicação da Lei nº 11.638, de 28 de dezembro de 2007. Altera as Instruções CVM n 247, de 27 de março de 1996 e 331, de 4 de abril de 2000. A PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

Leia mais

O NOVO MODELO CONTÁBIL PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (ITG 1000)

O NOVO MODELO CONTÁBIL PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (ITG 1000) O NOVO MODELO CONTÁBIL PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (ITG 1000) Resolução CFC 1418/12 Celso Luft - Vice-Presidente de Fiscalização do CRCRS Traduz IASB divulga IFRS CPC Interpreta CFC Consulta pública

Leia mais

Informações sobre as novas Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público Mudanças e Desafios para a contabilidade pública

Informações sobre as novas Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público Mudanças e Desafios para a contabilidade pública Informações sobre as novas Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público Mudanças e Desafios para a contabilidade pública Marcus Vinicius P. de Oliveira Contador, Administrador, Especialista

Leia mais

Adoção e Aplicação da IFRS

Adoção e Aplicação da IFRS IFRS Normas internacionais de contabilidade PARTE I Adoção e Aplicação da IFRS AULA 2 Prof. MSc. Márcio de Souza e Silva Objetivos: Compreender como adotar e implementar pela primeira vez as normas internacionais

Leia mais

Fórum Regional de Normas Contábeis

Fórum Regional de Normas Contábeis Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

metanor s.a. METANOR S.A. Metanol do Nordeste Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2010 Metanol do Nordeste

metanor s.a. METANOR S.A. Metanol do Nordeste Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2010 Metanol do Nordeste METANOR S.A. Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2010 Senhores Acionistas, Em conformidade com as disposições legais e estatutárias, a administração da METANOR S.A. submete à apreciação

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.265/09. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.265/09. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, NOTA - A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração desta Interpretação de IT 12 para ITG 12 e de outras normas citadas: de NBC T 19.1 para NBC TG 27; de NBC T 19.7 para NBC TG 25; de NBC

Leia mais

3. 0 - Nível de Conhecimento dos Profissionais de Contabilidade no Brasil

3. 0 - Nível de Conhecimento dos Profissionais de Contabilidade no Brasil 1.0 - Introdução à Lei 11.638/07 Países com pouca tradição em mercados de capitais têm a tendência de sofrer, mais do que os demais, influências exógenas (externas) nos seus processos de desenvolvimento

Leia mais

DESAFIOS. Mudanças no Cenário da Contabilidade. Reflexos no Brasil: área privada e pública. Desafios da Educação Contábil

DESAFIOS. Mudanças no Cenário da Contabilidade. Reflexos no Brasil: área privada e pública. Desafios da Educação Contábil EDUCAÇÃO CONTINUADA Desafios para o Profissional de Contabilidade Prof. Dr. Aridelmo Teixeira / Prof. Dr Valcemiro Nossa DESAFIOS Mudanças no Cenário da Contabilidade Reflexos no Brasil: área privada e

Leia mais

HARMONIZAÇÃO DE PRÁTICAS CONTÁBEIS

HARMONIZAÇÃO DE PRÁTICAS CONTÁBEIS HARMONIZAÇÃO DE PRÁTICAS CONTÁBEIS Professor 1 JOSÉ HERNANDEZ PEREZ JUNIOR Mestre em Controladoria e Contabilidade Estratégica e Bacharel em Ciências Contábeis. Professor de cursos de MBA da Fundação Getulio

Leia mais

newsletter Nº 85 FEVEREIRO / 2014

newsletter Nº 85 FEVEREIRO / 2014 newsletter Nº 85 FEVEREIRO / 2014 Assuntos em Destaque Resumo Fiscal/Legal Janeiro de 2014 2 IFRS 10 Demonstrações Financeiras Consolidadas 3 Revisores e Auditores 6 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL Presidência

Leia mais

Abertas inscrições para o MBA em IFRS da FIPECAFI

Abertas inscrições para o MBA em IFRS da FIPECAFI Abertas inscrições para o MBA em IFRS da FIPECAFI A FIPECAFI (Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras) está com as inscrições abertas para a primeira turma do MBA em IFRS (Normas

Leia mais

JOSÉ APARECIDO MAION jmaion@maioncia.com.br. IRINEU DE MULA idemula@amcham.com.br. DELIBERAÇÃO CVM N o 539, DE 14/03/2008

JOSÉ APARECIDO MAION jmaion@maioncia.com.br. IRINEU DE MULA idemula@amcham.com.br. DELIBERAÇÃO CVM N o 539, DE 14/03/2008 DELIBERAÇÃO CVM N o 539, DE 14/03/2008 Aprova o Pronunciamento Conceitual Básico do CPC que dispõe sobre a Estrutura Conceitual para a Elaboração e Apresentação das Demonstrações Contábeis. JOSÉ APARECIDO

Leia mais

HARMONIZAÇÃO DAS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE: IMPACTOS NO PROCESSO DE ADOÇÃO E OS REFLEXOS NA CONTABILIDADE BRASILEIRA RESUMO

HARMONIZAÇÃO DAS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE: IMPACTOS NO PROCESSO DE ADOÇÃO E OS REFLEXOS NA CONTABILIDADE BRASILEIRA RESUMO HARMONIZAÇÃO DAS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE: IMPACTOS NO PROCESSO DE ADOÇÃO E OS REFLEXOS NA CONTABILIDADE BRASILEIRA RESUMO No Brasil, o tema Normas Internacionais de Contabilidade (IFRS)

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.321/11

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.321/11 NOTA - A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração deste Comunicado de CT 08 para CTA 03; e de outras normas citadas: de NBC T 19.10 para NBC TG 01; de NBC T 3.8 para NBC TG 03; de NBC T

Leia mais

2 Noções de Direito Público e Privado - Paulo César de Melo Mendes, 88 Objetivos, 88

2 Noções de Direito Público e Privado - Paulo César de Melo Mendes, 88 Objetivos, 88 Apresentação 1 Contabilidade Geral - Rodrigo de Souza Gonçalves e Fernanda Fernandes Rodrigues, 1 Objetivos, 1 Introdução, 1 1 Plano de contas - elaboração e utilização, 2 2 Balanço patrimonial - estrutura

Leia mais

IFRS-PME-NBC TG 1000 SEÇÃO 35-ADOÇÃO INICIAL 2013-O ANO DA CONTABILIDADE

IFRS-PME-NBC TG 1000 SEÇÃO 35-ADOÇÃO INICIAL 2013-O ANO DA CONTABILIDADE IFRS-PME-NBC TG 1000 SEÇÃO 35-ADOÇÃO INICIAL 2013-O ANO DA CONTABILIDADE Claudinei Tonon 1 O SIGNIFICADO DO CADUCEU O SÍMBOLO DO CONTABILISTA COMPOSIÇÃO DO SÍMBOLO: -O Caduceu simboliza a Contabilidade

Leia mais

Pontuação homologada para o PEPC - 2014

Pontuação homologada para o PEPC - 2014 100 PORCENTO AUDIT 100 PORCENTO AUDIT AGF CONSULT. E TREIN. EMPRESARIAL AGF CONSULT. E TREIN. EMPRESARIAL AGF CONSULT. E TREIN. EMPRESARIAL AGF CONSULT. E TREIN. EMPRESARIAL AGF CONSULT. E TREIN. EMPRESARIAL

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UFSC CENTRO SÓCIO-ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS STEPHANE LOUISE BOCA SANTA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UFSC CENTRO SÓCIO-ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS STEPHANE LOUISE BOCA SANTA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UFSC CENTRO SÓCIO-ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS STEPHANE LOUISE BOCA SANTA Benefícios na gestão de Pequenas e Médias empresas alcançados com as mudanças

Leia mais

IFRS INTERNATIONAL FINANCIAL REPORTING STANDARD IFRS NORMAS INTERNACIONAIS DE RELATÓRIOS FINANCEIROS

IFRS INTERNATIONAL FINANCIAL REPORTING STANDARD IFRS NORMAS INTERNACIONAIS DE RELATÓRIOS FINANCEIROS PARTE 1 - IFRS NORMATIVOS E SEUS EFEITOS NO PROCESSO DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS PARTE 2 MENSURAÇÃO DE RISCOS E GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS IFRS GRUPO APLICABILIDADE IFRS FULL ENTIDADES

Leia mais

CPC 15. Combinações de Negócios. Conselho Regional de Contabilidade - CE AUDIT

CPC 15. Combinações de Negócios. Conselho Regional de Contabilidade - CE AUDIT CPC 15 Combinações de Negócios Conselho Regional de Contabilidade - CE AUDIT Agenda Introdução e Objetivos Alcance Definições e Escopo Tipos de Aquisições Aplicação do Método de Aquisição Ativos e Passivos

Leia mais

O Impacto da Lei 11.638/07 no encerramento das Demonstrações Contábeis de 2008

O Impacto da Lei 11.638/07 no encerramento das Demonstrações Contábeis de 2008 O Impacto da Lei 11.638/07 no encerramento das Demonstrações Contábeis de 2008 Pronunciamento CPC 013 Adoção Inicial da Lei nº 11.638/07 e da Medida Provisória no 449/08 Antônio Carlos Palácios Vice-Presidente

Leia mais

Emitente: CONSELHO DIRECTIVO. Norma Regulamentar n.º 05/2005-R. Data: 18/03/2005

Emitente: CONSELHO DIRECTIVO. Norma Regulamentar n.º 05/2005-R. Data: 18/03/2005 Emitente: CONSELHO DIRECTIVO Norma Regulamentar n.º 05/2005-R Data: 18/03/2005 Assunto: APLICAÇÃO DAS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE EMPRESAS DE SEGUROS, SOCIEDADES GESTORAS DE FUNDOS DE PENSÕES

Leia mais

O IMPACTO DA LEI 11.638 NA AUDITORIA DAS DEMONSTRAÇÕES FINACEIRAS

O IMPACTO DA LEI 11.638 NA AUDITORIA DAS DEMONSTRAÇÕES FINACEIRAS O IMPACTO DA LEI 11.638 NA AUDITORIA DAS DEMONSTRAÇÕES FINACEIRAS Fernanda de Fátima Teixeira Arantes, 1 José César de Faria 2 1 Universidade do Vale do Paraíba/Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.262/09. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.262/09. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, NOTA - A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração desta Interpretação de IT 09 para ITG 09 e de outras normas citadas: de NBC T 1 para NBC TG ESTRUTURA CONCEITUAL; de NBC T 7 para NBC TG

Leia mais

As IFRSs nos Currículos de Ciências Contábeis

As IFRSs nos Currículos de Ciências Contábeis As IFRSs nos Currículos de Ciências Contábeis Prof. Dr. Fábio Moraes da Costa Professor Associado da FUCAPE Business School Grupo Consultivo do International Accounting Education Standards Board (IAESB)

Leia mais

RAFAEL DOURADO GIARETTON RESUMO

RAFAEL DOURADO GIARETTON RESUMO CONTABILIDADE INTERNACIONAL: Utilização e adequação das Normas Internacionais de Contabilidade no dia a dia dos escritórios contábeis no município de Barreiras-BA. RAFAEL DOURADO GIARETTON RESUMO O objetivo

Leia mais

O IMPACTO DA LEI 11.638/07 NO MUNDO CONTÁBIL. Débora Cristina Dala Rosa¹, José César de Faria²

O IMPACTO DA LEI 11.638/07 NO MUNDO CONTÁBIL. Débora Cristina Dala Rosa¹, José César de Faria² O IMPACTO DA LEI 11.638/07 NO MUNDO CONTÁBIL Débora Cristina Dala Rosa¹, José César de Faria² ¹Universidade do Vale do Paraíba/Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação, Avenida Shishima Hifumi,

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Resolução CFC nº 1.159, de 13/02/2009 DOU 1 de 04/03/2009 Aprova o Comunicado Técnico CT 01 que aborda como os ajustes das novas práticas contábeis adotadas no Brasil trazidas pela Lei nº 11.638/07 e MP

Leia mais

Aplicação do Pronunciamento Técnico PME nas Pequenas e Médias Empresas Gerson Roberto Rower 1

Aplicação do Pronunciamento Técnico PME nas Pequenas e Médias Empresas Gerson Roberto Rower 1 Aplicação do Pronunciamento Técnico PME nas Pequenas e Médias Empresas Gerson Roberto Rower 1 RESUMO Clésia Ana Gubiani 2 Gabriela Palavicini 3 Silvana Dalmutt Kruger 4 O objetivo do estudo foi investigar

Leia mais

CONTABILIDADE INTERNACIONAL APLICADO ÁS MÉDIAS E PEQUENAS EMPRESAS RESUMO

CONTABILIDADE INTERNACIONAL APLICADO ÁS MÉDIAS E PEQUENAS EMPRESAS RESUMO CONTABILIDADE INTERNACIONAL APLICADO ÁS MÉDIAS E PEQUENAS EMPRESAS * Ivan Prates dos Santos email: ivanprates.s@hotmail.com.br * Randerson dos Santos email: randermix@hotmail.com * Tatiana Steluti Silva

Leia mais

SUR REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS

SUR REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS SUR REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 SUR REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 CONTEÚDO

Leia mais

A CONTABILIDADE NAS EMPRESAS PRODUTORAS DE PROJETOS CULTURAIS FACE AO NOVO PADRÃO CONTÁBIL

A CONTABILIDADE NAS EMPRESAS PRODUTORAS DE PROJETOS CULTURAIS FACE AO NOVO PADRÃO CONTÁBIL A CONTABILIDADE NAS EMPRESAS PRODUTORAS DE PROJETOS CULTURAIS FACE AO NOVO PADRÃO CONTÁBIL Já tivemos oportunidade de abordar a importância da contabilidade para as pequenas empresas produtoras de projetos

Leia mais

Carlos Rodrigues Domingos Cascais - José Farinha - Maria Cravo - Sérgio Ramos

Carlos Rodrigues Domingos Cascais - José Farinha - Maria Cravo - Sérgio Ramos Carlos Rodrigues Domingos Cascais - José Farinha - Maria Cravo - Sérgio Ramos A CONTABILIDADE EM PORTUGAL, BRASIL, ANGOLA E MOÇAMBIQUE Carlos Rodrigues Domingos Cascais - José Farinha - Maria Cravo - Sérgio

Leia mais

Princípios primeiros pronunciamentos para orientação de contadores;

Princípios primeiros pronunciamentos para orientação de contadores; ESTRUTURA CONCEITUAL BÁSICA DA CONTABILIDADE Prof. Francisco Marcelo Avelino Junior, MsC. EVOLUÇÃO HISTÓRICA Princípios primeiros pronunciamentos para orientação de contadores; Princípios Contábeis representam

Leia mais

ITG 1000 Modelo Contábil para Micro e Pequena Empresa Resolução CFC 1418/12 Seminário Assuntos Contábeis Novo Hamburgo, 28.06.

ITG 1000 Modelo Contábil para Micro e Pequena Empresa Resolução CFC 1418/12 Seminário Assuntos Contábeis Novo Hamburgo, 28.06. ITG 1000 Modelo Contábil para Micro e Pequena Empresa Resolução CFC 1418/12 Seminário Assuntos Contábeis Novo Hamburgo, 28.06.2013 Ma Traduz IASB divulga IFRS CPC Interpreta CFC Consulta pública Aprova

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2014 - Encalso Participações em Concessões S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2014 - Encalso Participações em Concessões S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

ITG 1000 ITG 1000 MODELO CONTÁBIL PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE MODELO CONTÁBIL PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE

ITG 1000 ITG 1000 MODELO CONTÁBIL PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE MODELO CONTÁBIL PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ITG 1000 MODELO CONTÁBIL PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE O Processo de O Processo de Convergência às Normas Internacionais de Contabilidade (IFRS) PROCESSO DE CONVERGÊNCIA MARCOS LEGAL E

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS LEVANTADAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS LEVANTADAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS LEVANTADAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 NOTA 01 - CONTEXTO OPERACIONAL A COMIGO, com base na colaboração recíproca a que se obrigam seus associados, objetiva

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Demonstrações Contábeis por Tipo e Tamanho de Empresa e Reflexos na Escrituração Contábil Digital (ECD)

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Demonstrações Contábeis por Tipo e Tamanho de Empresa e Reflexos na Escrituração Contábil Digital (ECD) 1 Parecer Consultoria Tributária Segmentos Demonstrações Contábeis por Tipo e Tamanho de Empresa e Reflexos na Escrituração Contábil Digital (ECD) 04/06/2014. Contábeis por Tipo e Tamanho de Empresa 1

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DANILO DE PINA MOREIRA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DANILO DE PINA MOREIRA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DANILO DE PINA MOREIRA UM ESTUDO DO NÍVEL DE IMPLANTAÇÃO DAS NORMAS BRASILEIRAS

Leia mais

Normas Internacionales de Contabilidad Financiera y su impacto en la naturaleza democrática de las cooperativas. Palestrante Edimir Oliveira Santos

Normas Internacionales de Contabilidad Financiera y su impacto en la naturaleza democrática de las cooperativas. Palestrante Edimir Oliveira Santos Normas Internacionales de Contabilidad Financiera y su impacto en la naturaleza democrática de las cooperativas Palestrante Edimir Oliveira Santos Agenda da Apresentação 1. Importância dos Padrões Internacionais

Leia mais

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011 ASSOCIAÇÃO DIREITOS HUMANOS EM REDE QUADRO I - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO (Em reais) Nota Nota ATIVO Explicativa PASSIVO Explicativa CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e equivalentes de caixa 4 3.363.799

Leia mais

Fundos de Investimento em Direitos Creditórios - FIDC. 2011 Deloitte Touche Tohmatsu. Todos os direitos reservados.

Fundos de Investimento em Direitos Creditórios - FIDC. 2011 Deloitte Touche Tohmatsu. Todos os direitos reservados. Fundos de Investimento em Direitos Creditórios - FIDC Agenda Objetivos da Instrução CVM n o 489 Cronograma de implantação Novos requerimentos da Instrução CVM n o 489 Principais desafios na implementação

Leia mais

Aspectos Relacionados à Aplicação das Normas do IFRS e à Governança Corporativa em Pequenas e Médias Empresas.

Aspectos Relacionados à Aplicação das Normas do IFRS e à Governança Corporativa em Pequenas e Médias Empresas. e Gestão de Pequenas Empresas - 2012 Aspectos Relacionados à Aplicação das Normas do IFRS e à Governança Corporativa em Pequenas e Médias Empresas. Luis Otavio Pacheco UFRJ luisotaviopacheco@gmail.com

Leia mais

INTRODUÇÃO AO INTERNATIONAL FINANCIAL REPORTING STANDARD (IFRS): BENEFÍCIOS E DESAFIOS PARA AS EMPRESAS E IMPACTOS AO PROFISSIONAL CONTÁBIL RESUMO

INTRODUÇÃO AO INTERNATIONAL FINANCIAL REPORTING STANDARD (IFRS): BENEFÍCIOS E DESAFIOS PARA AS EMPRESAS E IMPACTOS AO PROFISSIONAL CONTÁBIL RESUMO INTRODUÇÃO AO INTERNATIONAL FINANCIAL REPORTING STANDARD (IFRS): BENEFÍCIOS E DESAFIOS PARA AS EMPRESAS E IMPACTOS AO PROFISSIONAL CONTÁBIL Aline Franciele Correa Boeno 1 Loíra Karnopp Nolasco 2 Cláudia

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Normas Contábeis ICPC 10 - Interpretação Sobre a Aplicação Inicial ao Ativo Imobilizado

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Normas Contábeis ICPC 10 - Interpretação Sobre a Aplicação Inicial ao Ativo Imobilizado Normas Contábeis ICPC 10 - Interpretação Sobre a Aplicação Inicial ao Ativo Imobilizado 13/11/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.638, DE 28 DEZEMBRO DE 2007. Mensagem de veto Altera e revoga dispositivos da Lei n o 6.404, de 15 de dezembro de 1976, e

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2013 - INEPAR TELECOMUNICAÇÕES SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2013 - INEPAR TELECOMUNICAÇÕES SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

APLICAÇÃO DO TESTE DE IMPAIRMENT EM UMA EMPRESA DE TRANSPORTES

APLICAÇÃO DO TESTE DE IMPAIRMENT EM UMA EMPRESA DE TRANSPORTES APLICAÇÃO DO TESTE DE IMPAIRMENT EM UMA EMPRESA DE TRANSPORTES 1 - INTRODUÇÃO O Brasil, através do Conselho Federal de Contabilidade, o Comitê de Pronunciamentos Contábeis e entidades parceiras, tem empreendido

Leia mais

O processo de conversão pode ser complexo e trabalhoso - Procure ajuda de quem tem experiência. Planejamento do projeto

O processo de conversão pode ser complexo e trabalhoso - Procure ajuda de quem tem experiência. Planejamento do projeto O processo de conversão pode ser complexo e trabalhoso - Procure ajuda de quem tem experiência Conversão para IFRS - Enfrentando o desafio A conversão para IFRS é um processo complexo e multifacetado.

Leia mais

Profa. Dra. Márcia Athayde

Profa. Dra. Márcia Athayde As NBC s para micro e pequenas empresas e sua influência tributária Profa. Dra. Márcia Athayde 2015 1 Interação social da Contabilidade SOCIAL Clientes Macroambiente TECNOLÓGICO POLÍTICO Imprensa ORGANIZAÇÃO

Leia mais

As Informações Contábeis No Contexto Internacional

As Informações Contábeis No Contexto Internacional 1 As Informações Contábeis No Contexto Internacional Fábio Márcio Queiroz 1 Mario Marcio De Souza 2 Silvana Duarte dos Santos 3 Antonio Renato Pereira Moro 4 Cinthia Vigiani Argerino 5 Resumo Este trabalho

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2015 - REIT SECURITIZADORA DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS S/A Versão : 1. Composição do Capital 1

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2015 - REIT SECURITIZADORA DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS S/A Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3.721. Dispõe sobre a implementação de estrutura de gerenciamento do risco de crédito.

RESOLUÇÃO Nº 3.721. Dispõe sobre a implementação de estrutura de gerenciamento do risco de crédito. RESOLUÇÃO Nº 3.721 Dispõe sobre a implementação de estrutura de gerenciamento do risco de crédito. O Banco Central do Brasil, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964, torna público

Leia mais

http://www.grupoempresarial.adm.br/contab_geral/prof_lima.htm

http://www.grupoempresarial.adm.br/contab_geral/prof_lima.htm DEMONSTRAÇÕES CONTABEIS Representam um conjunto de informações que devem ser obrigatoriamente divulgadas, anualmente, segundo a lei 6404/76, pela administração de uma sociedade por ações e representa a

Leia mais

14 th Americas School of Mines

14 th Americas School of Mines GAAP no Brasil (CPC) Leandro Ardito Agenda Práticas contábeis adotadas no Brasil: visão geral e convergência com IFRS Norma internacional (IFRS 6) Políticas contábeis aplicadas pela indústria de mineração

Leia mais

Rotina CONOR/SUNOT/CGE n.º 028/2014 Rio de Janeiro, 24 de março de 2014.

Rotina CONOR/SUNOT/CGE n.º 028/2014 Rio de Janeiro, 24 de março de 2014. Rotina CONOR/SUNOT/CGE n.º 028/2014 Rio de Janeiro, 24 de março de 2014. Trata a presente rotina dos procedimentos contábeis para registro dos Ajustes de Avaliação Patrimonial, objeto da Resolução CFC

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - BPMB I Participações S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - BPMB I Participações S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais