ADERÊNCIA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS ENTIDADES FECHADAS DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR AO IAS 26

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ADERÊNCIA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS ENTIDADES FECHADAS DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR AO IAS 26"

Transcrição

1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Ciências Econômicas e Gerenciais Curso de Ciências Contábeis Contabilidade de Entidades de Previdência Privada e Seguradoras ADERÊNCIA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS ENTIDADES FECHADAS DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR AO IAS 26 Bárbara Teixeira Ramos Belo Horizonte 16 de outubro de 2010

2 Bárbara Teixeira Ramos ADERÊNCIA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS ENTIDADES FECHADAS DEPREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR AO IAS 26 Artigo Científico apresentado à disciplina: Contabilidade das Entidades de Previdência Privada e Seguradoras do 4º Período do Curso de Ciências Contábeis Noite do Instituto de Ciências Econômicas e Gerenciais da PUC Minas BH. Professor: Geraldo de Assis Júnior Belo Horizonte 16 de outubro de 2010

3 ADERÊNCIA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS ENTIDADES FECHADAS DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR AO IAS 26 RESUMO O objetivo do presente artigo é demonstrar a aderência das demonstrações contábeis das entidades fechadas de previdência complementar ao IAS 26, bem como a necessidade de se adaptar as mudanças que ocorrerão nas normas contábeis brasileiras, que vem sendo fortemente influenciadas pelas normas internacionais, com o intuito de padronizar as demonstrações contábeis no mundo. A metodologia utilizada para tanto foram pesquisas nas normas internacionais de contabilidade, através de técnica de leitura analítica individual com o objetivo de possibilitar uma visão geral sobre o assunto. A importância deste trabalho é de mostrar ao profissional da área contábil a necessidade de se adaptar as mudanças que ocorrerão nas normas contábeis brasileiras, que vem sendo fortemente influenciadas pelas normas internacionais e também um melhor entendimento a respeito da Norma Internacional de Contabilidade IAS 26, que trata doa planos de benefícios de aposentadoria. PALAVRAS-CHAVE Contabilidade internacional, normais internacionais IAS. 1 INTRODUÇÃO O presente artigo é o resultado de um trabalho científico envolvendo a disciplina de Contabilidade das Entidades de Previdência Privada e

4 Seguradoras, em relação da Norma Internacional de Contabilidade IAS 26 com as demonstrações contábeis de planos de benefícios de aposentadoria, que podem ser planos de contribuição definida ou planos de benefícios definidos. Conforme o parágrafo 2 da norma: Os planos de benefícios de aposentadoria algumas vezes são referidos por vários outros nomes, tais como planos de pensão. planos de aposentadoria ou planos de benefícios de aposentadoria. Esta norma considera um plano de benefício de aposentadoria como uma entidade que reporta separada dos empregadores dos participantes no plano. Todas as outras normas se aplicam às demonstrações financeiras de planos de benefícios de aposentadoria na media em que não forem substituídas por esta norma. De acordo com a IAS 26 Contabilização e Relatório Financeiro de Benefícios de Aposentadoria, esta norma foi emitida pelo comitê de Normas Internacionais de Contabilidade (IASC), em janeiro de 1987 e reformatada em A partir da década de 60, devido ao crescimento do mercado de capitais americano, a contabilidade passou a ser vista sob uma perspectiva baseada na informação. Esses estudos passaram a ser conhecidos como uma abordagem da informação, e, desde então, a contabilidade passou a ser avaliada a partir da sua capacidade de fornecer informações que sejam úteis ao processo de decisório dos usuários. Diante dessa nova abordagem e da expansão dos mercados globalizados, emerge a importância da contabilidade internacional. Esta tem por finalidade incentivar os investimentos estrangeiros, a partir da unificação das normas contábeis, facilitando o entendimento das informações divulgadas para os usuários de todas as partes do mundo, reduzindo as dúvidas contábeis e, gerando crescimento econômico. Atualmente, tem ocorrido um esforço para estabelecer normas internacionais que pelo menos, possibilitem comparabilidade, transparência e padronização. Para tanto, o IASB- International Accounting Standards Board, entidade internacional sediada em Londres (2001), responsável pela emissão de normas contábeis internacionais de Contabilidade, tem divulgado as IFRS- International Financial Reporting Standards. Além das IAS e IFRS, existem as IFRIC- International Financial Reporting Interpretations Committee que são interpretações técnicas oficiais feitas por um comitê e as 33 SICs que eram interpretações feitas pelo Standing Interpretations Committee. As IAS têm sido

5 revisadas desde 2003 e 15 delas já estão atualizadas As IAS também incoporaram algumas das SICs. Conforme Conrado e Maciel (2010), as Normas Internacionais de Contabilidade (International Accounting Standard - IAS em inglês), atualmente conhecidas como normas IFRS (International Financial Reporting Standard) são um conjunto de pronunciamentos de contabilidade internacionais publicados e revisados pelo IASB (International Accounting standards Board). Ainda segundo o autor, as normas IFRS foram adotadas pelos países da União Européia a partir do 31 de dezembro de 2005 com o objetivo de harmonizar as demonstrações financeiras consolidadas publicadas pelas empresas abertas européias. A iniciativa foi internacionalmente acolhida pela comunidade financeira. Atualmente numerosos países tem projetos oficiais de convergência das normas contábeis locais para as normas IFRS, inclusive o Brasil. 2 DESENVOLVIMENTO IAS 26 CONTABILIZAÇÃO E RELATÓRIO FINANCEIRO DE PLANOS DE BENEFÍCIOS DE APOSENTADORIA Esta norma da IAS 26, deve ser aplicada nas demonstrações financeiras dos planos de benefícios de reforma sempre que tais demonstrações financeiras forem preparadas. De acordo com a IAS, planos de benefícios de reforma são acordos, pelos quais uma entidade proporciona benefícios aos empregados ou após a cessação do serviço (quer na forma de um rendimento anual ou como uma quantia total) quando tais benefícios, ou as contribuições para eles, puderem ser determinados ou estimados de previamente em relação à reforma a partir das cláusulas de um documento ou das práticas da entidade. Seguindo as definições descritas pela IAS 26 em seu parágrafo 8 temos alguns termos que podem ser especificados: Planos de benefícios de reforma são acordos, pelos quais uma empresa proporciona benefícios aos seus empregados ou após a cessação do serviço (quer na forma de um rendimento anual ou como uma quantia total) quando tais benefícios, ou as contribuições de um empregador para eles, puderem ser determinados ou

6 estimados de antemão em relação à reforma a partir das cláusulas de um documento ou das práticas da empresa. Planos de contribuição definida são planos de benefícios de reforma pelos quais as quantias a serem pagas como benefícios de reforma são determinadas pelas contribuições para um fundo juntamente com os respectivos ganhos de investimento. Planos de benefícios definidos são planos de benefícios de reforma pelos quais as quantias a serem pagas como benefício de reforma são geralmente determinadas por referência a uma fórmula usualmente baseada nos ganhos do empregado e/ou nos anos de serviço. Contribuição para o fundo é a transferência de activos para uma entidade (o fundo) separada da empresa do empregador para satisfazer obrigações futuras de pagamento dos benefícios de reforma. Para os fins desta Norma são também usados os termos seguintes: Participantes são os membros de um plano de benefícios de reforma bem como outros que tenham direito a benefícios segundo o plano. Ativos líquidos disponíveis para benefícios são os ativos menos os passivos de um plano que não sejam o valor presente atuarial dos benefícios de reforma prometidos. Valor presente atuarial dos benefícios de reforma prometidos é o valor presente dos pagamentos esperados através de um plano de benefícios de reforma a empregados existentes e antigos, atribuível aos serviços já prestados. Benefícios adquiridos (conferidos) são benefícios, cujos direitos, de acordo com as condições de um plano de benefício de reforma, não estejam condicionados a emprego continuado. De acordo com o parágrafo 13 da IAS 26, as demonstrações financeiras de um plano de contribuição definida devem conter uma demonstração dos ativos líquidos disponíveis para benefícios e uma descrição da política de constituição do fundo. Ainda conforme o IAS 26: As demonstrações financeiras de um plano de benefícios definidos devem conter ou: (a) uma demonstração que mostre: (i) os ativos líquidos disponíveis para benefícios; (ii) o valor presente atuarial dos benefícios de reforma prometidos, distinguindo entre benefícios adquiridos e benefícios não adquiridos; e (iii) o excesso ou o déficit resultante; ou (b) uma demonstração dos ativos líquidos disponíveis para benefícios incluindo ou: (i) uma nota a divulgar o valor presente atuarial dos benefícios de reforma prometidos, distinguindo entre benefícios adquiridos e benefícios não adquiridos; ou (ii) uma referência a esta informação num relatório atuarial que a acompanhe.

7 Se uma avaliação atuarial não tiver sido preparada à data das demonstrações financeiras, a avaliação mais recente deve ser usada como base e divulgada a data da avaliação. (Parágrafo 17, IAS 26). Para os fins deste parágrafo 17, o valor presente atuarial dos benefícios de reforma prometidos deve ser baseado nos benefícios prometidos segundo as cláusulas do plano, sobre os serviços prestados até à data usando quer níveis de salário corrente quer níveis de salário projetado com divulgação da base usada. O efeito de quaisquer alterações nos pressupostos atuariais que tenha tido um efeito significativo no valor presente atuarial dos benefícios de reforma prometidos deve também ser divulgado. As demonstrações financeiras devem explicar a relação entre o valor presente atuarial dos benefícios de reforma prometidos e os ativos líquidos disponíveis para benefícios e a política da constituição do fundo de benefícios prometidos. Os investimentos do plano de benefícios de reforma devem ser escriturados pelo justo valor. No caso dos títulos negociáveis o justo valor é o valor de mercado. Quando sejam detidos investimentos do plano para os quais não seja possível uma estimativa do justo valor deve ser feita a divulgação da razão por que é que não é usado o justo valor. Conforme o parágrafo 34 da IAS 26, As demonstrações financeiras de um plano de benefícios de reforma, quer de benefícios definidos quer de contribuição definida, devem também conter as informações seguintes: (a) uma demonstração de alterações nos ativos líquidos disponíveis para benefícios; (b) um resumo das políticas contabilísticas significativas; e (c) uma descrição do plano e os efeitos de quaisquer alterações no plano durante o período. Um ponto polêmico são os encargos com planos de benefícios de aposentadoria. Devem os encargos e a respectiva obrigação ser reconhecidos no período contábil em que o serviço é prestado ou devem ser reconhecidos quando os pagamentos são devidos? Para Conrado e Maciel (2010), existe uma dificuldade na identificação dos benefícios pelas diferenças culturais, sociais. Exemplos: Japão (emprego permanente) e Alemanha (prêmio por fidelidade). A IASB e FASB recomendam

8 a contabilização quando o serviço é prestado (competência). No Brasil, apenas as companhias abertas seguem em essência o IASB. As demais empresas adotam o regime de caixa. Não há reconhecimento em países como França, Alemanha, Japão, Holanda, países escandinavos, Itália (em muitos deles o Estado é o responsável pelos pagamentos). Canadá adota método alternativo ao IASB e a Grã-Bretanha, Austrália, Nova Zelândia, Espanha seguem o IASB com algumas variações. A IAS 26 trata claramente desse assunto. Desta forma, as avaliações dos ativos do plano serão reconhecidas pelo valor justo. No caso de valores mobiliários negociáveis, o valor justo é o valor de mercado. Já a divulgação dos planos, seja de benefício definido ou de contribuição definida, contará as seguintes informações afirmadas no parágrafo 34 da IAS 26: (a) uma demonstração de alterações nos ativos líquidos disponíveis para benefícios; (b) um resumo das políticas contabilísticas significativas; e (c) uma descrição do plano e os efeitos de quaisquer alterações no plano durante o período. 3 CONCLUSÃO A partir do trabalho realizado, é possível concluir que a norma da IAS 26, Contabilização de Planos de Benefício de Aposentadoria orienta a preparação de demonstrações contábeis desses planos. Para um plano de contribuição definida, as demonstrações contábeis devem incluir os seguintes quadros e informações: demonstração dos ativos líquidos para atender aos benefícios; demonstração das mutações nos ativos líquidos referidos acima; um sumário das principais práticas contábeis adotadas; uma descrição do plano e os efeitos de quaisquer mudanças no plano ocorridas no período; e uma descrição das políticas de custeamento do plano.

9 Para um plano de benefício definido, as demonstrações contábeis devem incluir: uma demonstração dos ativos líquidos para atender os benefícios, o valor presente atuarial dos benefícios de aposentadoria prometidos e o superávit ou déficit do período; ou uma referência a esta informação em um relatório dos atuários. Também para planos de benefício definido, devem ser divulgadas as seguintes informações: demonstração das mutações nos ativos líquidos do plano de benefício; um sumário das principais práticas contábeis; e uma descrição do plano e os efeitos de quaisquer mudanças no plano ocorridas no período. Além disso, as demonstrações contábeis deveriam conter uma explicação compondo o valor presente atuarial da obrigação do plano de benefícios e o valor dos ativos líquidos disponíveis para os benefícios, e uma descrição da política para custeamento do plano. Os ativos do plano, independente de qual seja este plano, devem ser mensurados pelo valor justo. Entretanto, a contabilização dos ativos deve considerar também outros pronunciamentos que sejam aplicáveis. As práticas contábeis adotadas no Brasil são similares ao IAS 26 exceto pelo fato de que alguns ativos do plano podem não estar pelo valor justo. Sendo assim, as principais áreas das demonstrações contábeis afetadas são as demonstrações contábeis de planos de benefício de aposentadoria.

10 REFERÊNCIAS MARINHO, Liana Márcia C. V. As Normas Internacionais de Contabilidade: IAS, IFRS. Publicado em 15/12/2008. Disponível em: Acesso em: 11 out CONRADO, Fábio Eduardo de Paula; MACIEL, Luis Emílio Santos. Diferenças das Normas Contábeis Brasileiras e das IFRS. Disponível em: as_normas_contabeis_brasileiras_e_das_ifrs. Acesso em 11 out Norma Internacional de Contabilidade IAS 26: Contabilização e Relatório Financeiro de Planos de Benefícios de Aposentadoria. 37 parágrafos. Disponível em: 7D693423A3F8/0/PTSummary_IAS26_pretranslation_LA.pdf. Acesso em 11 out Resumo Técnico. IAS 26 Contabilização e Relato dos Planos de Benefícios de Reforma. Disponível em: Acesso em 11 out 2010.

Harmonização contábil internacional. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua

Harmonização contábil internacional. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua Harmonização contábil internacional Autor: Ader Fernando Alves de Pádua RESUMO O presente artigo tem por objetivo abordar o conceito e os aspectos formais e legais das Normas Brasileiras de Contabilidade

Leia mais

HARMONIZAÇÃO CONTÁBIL INTERNACIONAL IAS

HARMONIZAÇÃO CONTÁBIL INTERNACIONAL IAS Instituto de Ciências Econômicas e Gerenciais Curso de Ciências Contábeis Contabilidade em Moeda Constante e Conversão de Demonstrações Contábeis para Moeda Estrangeira HARMONIZAÇÃO CONTÁBIL INTERNACIONAL

Leia mais

CADERNO DE ANOTAÇÕES CONTÁBEIS

CADERNO DE ANOTAÇÕES CONTÁBEIS CADERNO DE ANOTAÇÕES CONTÁBEIS APLICAÇÃO N 3 As novas práticas contábeis instituídas a partir da Lei 11.638/2007 complementadas pela Lei 11.941/2009 e normatização formulada através da edição dos pronunciamentos

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins CONTABILIDADE INTERNACIONAL FINANCIAL REPORTING

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins CONTABILIDADE INTERNACIONAL FINANCIAL REPORTING Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins CONTABILIDADE INTERNACIONAL FINANCIAL REPORTING Belo Horizonte 2012 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins CONTABILIDADE INTERNACIONAL FINANCIAL

Leia mais

COMUNICADO AO MERCADO

COMUNICADO AO MERCADO . COMUNICADO AO MERCADO Convergência às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS Apresentamos as principais alterações em nossas demonstrações contábeis decorrentes da adoção do padrão contábil internacional

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2013 - INEPAR TELECOMUNICAÇÕES SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2013 - INEPAR TELECOMUNICAÇÕES SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

MUDANÇAS NO GERADOR DE DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS

MUDANÇAS NO GERADOR DE DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS MUDANÇAS NO GERADOR DE DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS Visando a redução de riscos nos investimentos internacionais, além de ter mais facilidade de comunicação internacional no mundo dos negócios, com o uso de

Leia mais

IFRS INTERNATIONAL FINANCIAL REPORTING STANDARD IFRS NORMAS INTERNACIONAIS DE RELATÓRIOS FINANCEIROS

IFRS INTERNATIONAL FINANCIAL REPORTING STANDARD IFRS NORMAS INTERNACIONAIS DE RELATÓRIOS FINANCEIROS PARTE 1 - IFRS NORMATIVOS E SEUS EFEITOS NO PROCESSO DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS PARTE 2 MENSURAÇÃO DE RISCOS E GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS IFRS GRUPO APLICABILIDADE IFRS FULL ENTIDADES

Leia mais

INSTRUTIVO N.º xx/20xx de xx de xxxx

INSTRUTIVO N.º xx/20xx de xx de xxxx INSTRUTIVO N.º xx/20xx de xx de xxxx ASSUNTO: DIVULGAÇÕES DE INSTRUMENTOS FINANCEIROS Havendo a necessidade de estabelecer um conjunto de procedimentos na elaboração das divulgações sobre instrumentos

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2014 - Encalso Participações em Concessões S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2014 - Encalso Participações em Concessões S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

NBC TSP 8 - Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture) Alcance

NBC TSP 8 - Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture) Alcance NBC TSP 8 - Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture) Alcance 1. Uma entidade que prepare e apresente demonstrações contábeis sob o regime de competência deve aplicar esta Norma na contabilização

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS COMBINADAS

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS COMBINADAS 24 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS COMBINADAS Os mercados de capitais na Europa e no mundo exigem informações financeiras significativas, confiáveis, relevantes e comparáveis sobre os emitentes de valores mobiliários.

Leia mais

IAASB propõe nova Norma sobre a utilização do trabalho dos auditores internos

IAASB propõe nova Norma sobre a utilização do trabalho dos auditores internos Auditoria IAASB propõe nova Norma sobre a utilização do trabalho dos auditores internos Reconhecendo a evolução do ambiente de auditoria interna e a evolução da relação entre os auditores internos e externos,

Leia mais

Unidade: As principais normas contábeis brasileiras (BRGAAP), americanas (USGAAP) e européias (IFRSGAAP) Revisor Textual: Profa. Esp.

Unidade: As principais normas contábeis brasileiras (BRGAAP), americanas (USGAAP) e européias (IFRSGAAP) Revisor Textual: Profa. Esp. Unidade: As principais normas contábeis brasileiras (BRGAAP), americanas (USGAAP) e européias (IFRSGAAP) Revisor Textual: Profa. Esp.Márcia Ota As NORMAS Internacionais de (International Accounting Standard

Leia mais

O Comitê de Pronunciamentos - CPC. Irineu De Mula Diretor da Fundação Brasileira de Contabilidade - FBC

O Comitê de Pronunciamentos - CPC. Irineu De Mula Diretor da Fundação Brasileira de Contabilidade - FBC O Comitê de Pronunciamentos - CPC Irineu De Mula Diretor da Fundação Brasileira de - FBC Objetivo: O estudo, o preparo e a emissão de Pronunciamentos Técnicos sobre procedimentos de e a divulgação de informações

Leia mais

HARMONIZAÇÃO DAS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE: IMPACTOS NO PROCESSO DE ADOÇÃO E OS REFLEXOS NA CONTABILIDADE BRASILEIRA RESUMO

HARMONIZAÇÃO DAS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE: IMPACTOS NO PROCESSO DE ADOÇÃO E OS REFLEXOS NA CONTABILIDADE BRASILEIRA RESUMO HARMONIZAÇÃO DAS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE: IMPACTOS NO PROCESSO DE ADOÇÃO E OS REFLEXOS NA CONTABILIDADE BRASILEIRA RESUMO No Brasil, o tema Normas Internacionais de Contabilidade (IFRS)

Leia mais

As opiniões e conclusões externadas nesta apresentação são de minha inteira responsabilidade, não refletindo, necessariamente, o entendimento da

As opiniões e conclusões externadas nesta apresentação são de minha inteira responsabilidade, não refletindo, necessariamente, o entendimento da 1 As opiniões e conclusões externadas nesta apresentação são de minha inteira responsabilidade, não refletindo, necessariamente, o entendimento da Comissão de Valores Mobiliários CVM. 2 Lei nº 6.385/1976

Leia mais

Palavra-Chave: Contabilidade Internacional, Adoção as Normas Internacionais de Contabilidade, CPC-PMEs.

Palavra-Chave: Contabilidade Internacional, Adoção as Normas Internacionais de Contabilidade, CPC-PMEs. CONTABILIDADE INTERNACIONAL: a convergência das Normas Internacionais da Contabilidade aplicada às micros e pequenas empresas no município de Barreiras-BA. Acadêmica: Luana Alves Souza 1 E-mail: Lua.luana23@hotmail.com

Leia mais

Aderência das Demonstrações Contábeis dos Fundos de Pensão do Brasil aos Padrões Contábeis Internacionais: uma análise comparativa à luz da IAS 26

Aderência das Demonstrações Contábeis dos Fundos de Pensão do Brasil aos Padrões Contábeis Internacionais: uma análise comparativa à luz da IAS 26 Aderência das Demonstrações Contábeis dos Fundos de Pensão do Brasil aos Padrões Contábeis Internacionais: uma análise comparativa à luz da IAS 26 ROSWELTON ANJOS DE PAULA Universidade de Brasília DIANA

Leia mais

A CONTABILIDADE NAS EMPRESAS PRODUTORAS DE PROJETOS CULTURAIS FACE AO NOVO PADRÃO CONTÁBIL

A CONTABILIDADE NAS EMPRESAS PRODUTORAS DE PROJETOS CULTURAIS FACE AO NOVO PADRÃO CONTÁBIL A CONTABILIDADE NAS EMPRESAS PRODUTORAS DE PROJETOS CULTURAIS FACE AO NOVO PADRÃO CONTÁBIL Já tivemos oportunidade de abordar a importância da contabilidade para as pequenas empresas produtoras de projetos

Leia mais

MBA EM CONTABILIDADE DIGITAL M1 D3 - IFRS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE

MBA EM CONTABILIDADE DIGITAL M1 D3 - IFRS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE MBA EM CONTABILIDADE DIGITAL M1 D3 - IFRS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE GUIA DE ESTUDO PARTE I: PARTE I INTERNATIONAL FINANCIAL REPORTING STANDARD (IFRS) E LEGISLAÇÃO SOCIETÁRIA DO MERCADO MUNDIAL

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.321/11

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.321/11 NOTA - A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração deste Comunicado de CT 08 para CTA 03; e de outras normas citadas: de NBC T 19.10 para NBC TG 01; de NBC T 3.8 para NBC TG 03; de NBC T

Leia mais

RAFAEL DOURADO GIARETTON RESUMO

RAFAEL DOURADO GIARETTON RESUMO CONTABILIDADE INTERNACIONAL: Utilização e adequação das Normas Internacionais de Contabilidade no dia a dia dos escritórios contábeis no município de Barreiras-BA. RAFAEL DOURADO GIARETTON RESUMO O objetivo

Leia mais

Benefícios a Empregados

Benefícios a Empregados Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 33 (R1) Benefícios a Empregados Observação: Este Sumário, que não faz parte do Pronunciamento, está sendo apresentado apenas para identificação dos principais pontos

Leia mais

Instituto Hernandez de Desenvolvimento Profissional

Instituto Hernandez de Desenvolvimento Profissional AS IFRS COMO FATOR IMPULSIONADOR DA ECONOMIA E DA PROFISSÃO CONTÁBIL NO BRASIL JOSÉ HERNANDEZ PEREZ JUNIOR José Hernandez Perez Junior 1 PALESTRANTE JOSÉ HERNANDEZ PEREZ JUNIOR PhD Doctor of Philosophy

Leia mais

HARMONIZAÇÃO CONTÁBIL INTERNACIONAL IAS 8 PRÁTICAS CONTÁBEIS, MUDANÇAS DE ESTIMATIVAS CONTÁBEIS E ERROS

HARMONIZAÇÃO CONTÁBIL INTERNACIONAL IAS 8 PRÁTICAS CONTÁBEIS, MUDANÇAS DE ESTIMATIVAS CONTÁBEIS E ERROS 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Ciências Econômicas e Gerencias Curso de Ciências Contábeis Contabilidade em Moeda Constante e Conversão de Demonstrações Contábeis para

Leia mais

TÍTULO: ESTUDO DE CASO DE APLICAÇÕES DAS NORMAS INTERNACIONAIS DA CONTABILIDADE (IFRS) NAS PMES E O IMPACTO NA SUA APLICABILIDADE

TÍTULO: ESTUDO DE CASO DE APLICAÇÕES DAS NORMAS INTERNACIONAIS DA CONTABILIDADE (IFRS) NAS PMES E O IMPACTO NA SUA APLICABILIDADE TÍTULO: ESTUDO DE CASO DE APLICAÇÕES DAS NORMAS INTERNACIONAIS DA CONTABILIDADE (IFRS) NAS PMES E O IMPACTO NA SUA APLICABILIDADE CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS

Leia mais

NBC TSP 7 - Investimento em Coligada e em Controlada. Alcance

NBC TSP 7 - Investimento em Coligada e em Controlada. Alcance NBC TSP 7 - Investimento em Coligada e em Controlada Alcance 1. Uma entidade que elabora e apresenta demonstrações contábeis segundo o regime de competência deve aplicar esta Norma na contabilização dos

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 37 (R1) Adoção Inicial das Normas Internacionais de Contabilidade

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 37 (R1) Adoção Inicial das Normas Internacionais de Contabilidade COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 37 (R1) Adoção Inicial das Normas Internacionais de Contabilidade Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 1 (BV2010) Índice

Leia mais

INTRODUÇÃO AO INTERNATIONAL FINANCIAL REPORTING STANDARD (IFRS): BENEFÍCIOS E DESAFIOS PARA AS EMPRESAS E IMPACTOS AO PROFISSIONAL CONTÁBIL RESUMO

INTRODUÇÃO AO INTERNATIONAL FINANCIAL REPORTING STANDARD (IFRS): BENEFÍCIOS E DESAFIOS PARA AS EMPRESAS E IMPACTOS AO PROFISSIONAL CONTÁBIL RESUMO INTRODUÇÃO AO INTERNATIONAL FINANCIAL REPORTING STANDARD (IFRS): BENEFÍCIOS E DESAFIOS PARA AS EMPRESAS E IMPACTOS AO PROFISSIONAL CONTÁBIL Aline Franciele Correa Boeno 1 Loíra Karnopp Nolasco 2 Cláudia

Leia mais

newsletter Nº 85 FEVEREIRO / 2014

newsletter Nº 85 FEVEREIRO / 2014 newsletter Nº 85 FEVEREIRO / 2014 Assuntos em Destaque Resumo Fiscal/Legal Janeiro de 2014 2 IFRS 10 Demonstrações Financeiras Consolidadas 3 Revisores e Auditores 6 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL Presidência

Leia mais

L 305/16 Jornal Oficial da União Europeia 23.11.2011

L 305/16 Jornal Oficial da União Europeia 23.11.2011 L 305/16 Jornal Oficial da União Europeia 23.11.2011 REGULAMENTO (UE) N. o 1205/2011 DA COMISSÃO de 22 de Novembro de 2011 que altera o Regulamento (CE) n. o 1126/2008 que adopta certas normas internacionais

Leia mais

Contabilidade Normas Internacionais Futura Normalização Contabilística. 1 de Março de 2007

Contabilidade Normas Internacionais Futura Normalização Contabilística. 1 de Março de 2007 Contabilidade Normas Internacionais 1 de Março de 2007 O pessimista queixa-se do vento, o optimista espera que ele mude e o realista ajusta as velas (William George Ward) 1. Influência do meio envolvente

Leia mais

Demonstrações Contábeis/Consolidação e investimentos em subsidiárias

Demonstrações Contábeis/Consolidação e investimentos em subsidiárias PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Curso de Ciências Contábeis Demonstrações Contábeis/Consolidação e investimentos em subsidiárias Elen Cristina Mendonça Fábio Milagres Sampaio Fernanda

Leia mais

Modelos Puros de Normatização (Passado(

Modelos Puros de Normatização (Passado( 1 * Modelos Puros de Normatização (Passado( Passado) ) Países de Code Law Governo Legislativo ou Executivo ou Ambos Exemplos: Alemanha Itália Espanha França Japão Brasil etc. 2 Modelos Puros de Normatização

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 610, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2009

DELIBERAÇÃO CVM Nº 610, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2009 Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 43 do Comitê de Pronunciamentos Contábeis, que trata da adoção inicial dos pronunciamentos técnicos CPC 15 a 40. A PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - CVM

Leia mais

Novo Sistema de Normalização Contabilística (SNC) "Assumir a Mudança" 4 de Junho de 2009

Novo Sistema de Normalização Contabilística (SNC) Assumir a Mudança 4 de Junho de 2009 Novo Sistema de Normalização Contabilística (SNC) "Assumir a Mudança" 4 de Junho de 2009 César Gonçalves O pessimista queixa-se do vento, o optimista espera que ele mude e o realista ajusta as velas (William

Leia mais

SONAE, SGPS, SA DEMONSTRAÇÕES DA POSIÇÃO FINANCEIRA CONSOLIDADA PARA OS EXERCÍCIO FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E DE 2010

SONAE, SGPS, SA DEMONSTRAÇÕES DA POSIÇÃO FINANCEIRA CONSOLIDADA PARA OS EXERCÍCIO FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E DE 2010 SONAE, SGPS, SA DEMONSTRAÇÕES DA POSIÇÃO FINANCEIRA CONSOLIDADA PARA OS EXERCÍCIO FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E DE 2010 (Montantes expressos em euros) ATIVO Notas 31 dezembro 2011 31 dezembro 2010

Leia mais

Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS

Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS Objetivos da aula: Nesta aula veremos como cada empresa deve fazer pela primeira vez a adoção do IFRS. Como ela

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - PARTICIPAÇÕES INDUST. DO NORDESTE S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - PARTICIPAÇÕES INDUST. DO NORDESTE S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 6 Demonstração do Resultado Abrangente 7 Demonstração

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 35 (R1) Demonstrações Separadas

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 35 (R1) Demonstrações Separadas COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 35 (R1) Demonstrações Separadas Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 27 (IASB BV 2011) Índice Item ALCANCE 1 3 DEFINIÇÕES

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2015 - REIT SECURITIZADORA DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS S/A Versão : 1. Composição do Capital 1

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2015 - REIT SECURITIZADORA DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS S/A Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

JOSÉ APARECIDO MAION jmaion@maioncia.com.br. IRINEU DE MULA idemula@amcham.com.br. DELIBERAÇÃO CVM N o 539, DE 14/03/2008

JOSÉ APARECIDO MAION jmaion@maioncia.com.br. IRINEU DE MULA idemula@amcham.com.br. DELIBERAÇÃO CVM N o 539, DE 14/03/2008 DELIBERAÇÃO CVM N o 539, DE 14/03/2008 Aprova o Pronunciamento Conceitual Básico do CPC que dispõe sobre a Estrutura Conceitual para a Elaboração e Apresentação das Demonstrações Contábeis. JOSÉ APARECIDO

Leia mais

Raízen Combustíveis S.A.

Raízen Combustíveis S.A. Balanço patrimonial consolidado e condensado (Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma) Ativo 30.06.2014 31.03.2014 Passivo 30.06.2014 31.03.2014 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

Abertas inscrições para o MBA em IFRS da FIPECAFI

Abertas inscrições para o MBA em IFRS da FIPECAFI Abertas inscrições para o MBA em IFRS da FIPECAFI A FIPECAFI (Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras) está com as inscrições abertas para a primeira turma do MBA em IFRS (Normas

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS GERÊNCIAIS E ECONÔMICAS Ciências Contábeis Contabilidade em moeda constante e conversão de demonstrações contábeis para moeda estrangeira

Leia mais

29.12.2012 Jornal Oficial da União Europeia L 360/145

29.12.2012 Jornal Oficial da União Europeia L 360/145 29.12.2012 Jornal Oficial da União Europeia L 360/145 REGULAMENTO (UE) N. o 1256/2012 DA COMISSÃO de 13 de dezembro de 2012 que altera o Regulamento (CE) n. o 1126/2008, que adota determinadas normas internacionais

Leia mais

ANEXO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS

ANEXO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ANEXO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 37 (R) Adoção Inicial das Normas Internacionais de Contabilidade Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade - IFRS (BV200)

Leia mais

UNIP Ciências Contábeis. Contabilidade Internacional e Teoria da Contabilidade Prof. MS Celso Marini E-mail: prof.marini@acharyabrasil.com.

UNIP Ciências Contábeis. Contabilidade Internacional e Teoria da Contabilidade Prof. MS Celso Marini E-mail: prof.marini@acharyabrasil.com. UNIP Ciências Contábeis Contabilidade Internacional e Teoria da Contabilidade Prof. MS Celso Marini E-mail: prof.marini@acharyabrasil.com.br AMERICAN INSTITUTE OF CERTIFIED PUBLIC ACCOUNTANTS (AICPA) 1939/1959

Leia mais

Objectivo 1 e 2. Âmbito 3. Considerações Gerais 4 e 5. Identificação das Demonstrações financeiras 6 a 8. Período de Relato 9.

Objectivo 1 e 2. Âmbito 3. Considerações Gerais 4 e 5. Identificação das Demonstrações financeiras 6 a 8. Período de Relato 9. ÍNDICE (parágrafos) Objectivo 1 e 2 Âmbito 3 Considerações Gerais 4 e 5 Identificação das Demonstrações financeiras 6 a 8 Período de Relato 9 Balanço 10 a 31 Demonstração dos Resultados 32 a 38 Demonstração

Leia mais

NORMAS CONTÁBEIS APLICÁVEIS ÀS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS NO BRASIL: SEGUNDO AS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE ALUNO: MINASSON ELIAS FERREIRA

NORMAS CONTÁBEIS APLICÁVEIS ÀS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS NO BRASIL: SEGUNDO AS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE ALUNO: MINASSON ELIAS FERREIRA CIÊNCIAS CONTÁBEIS NORMAS CONTÁBEIS APLICÁVEIS ÀS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS NO BRASIL: SEGUNDO AS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE ALUNO: MINASSON ELIAS FERREIRA ORIENTADOR: PROF. Ms. GESIEL DE

Leia mais

Banco Volkswagen S.A. Demonstrações financeiras consolidadas em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes

Banco Volkswagen S.A. Demonstrações financeiras consolidadas em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras consolidadas em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Relatório dos auditores independentes Aos administradores Banco Volkswagen S.A. Examinamos as demonstrações

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 728, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014

DELIBERAÇÃO CVM Nº 728, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014 Aprova o Documento de Revisão de Pronunciamentos Técnicos nº 06 referente aos Pronunciamentos CPC 04, CPC 05, CPC 10, CPC 15, CPC 22, CPC 25, CPC 26, CPC 27, CPC 28, CPC 33, CPC 38, CPC 39 e CPC 46 emitidos

Leia mais

A VOLTA À ESCOLA EUROPÉIA (SÉCULO XXI)!!!! SERÁ???? FASB OU IASB? QUEM VENCERÁ?

A VOLTA À ESCOLA EUROPÉIA (SÉCULO XXI)!!!! SERÁ???? FASB OU IASB? QUEM VENCERÁ? A VOLTA À ESCOLA EUROPÉIA (SÉCULO XXI)!!!! SERÁ???? FASB OU IASB? QUEM VENCERÁ? ORIGEM DE UMA NOVA ESCOLA Para fazer frente ao enorme poderio econômico norteamericano, após a 2ª Guerra Mundial, alguns

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras fevereiro de 2015 Este relatório contém 64 páginas Capital Social 22.375.000 o matricula na CRCL com o número único de matricula e identificação de pessoa coletiva 501 836 926

Leia mais

IAS 38 Ativos Intangíveis Gastos com Pesquisa e Desenvolvimento

IAS 38 Ativos Intangíveis Gastos com Pesquisa e Desenvolvimento Paulo Antônio Pereira IAS 38 Ativos Intangíveis Gastos com Pesquisa e Desenvolvimento Relatório apresentado à disciplina Contabilidade em Moeda Constante e Conversão das Demonstrações Contábeis para Moeda

Leia mais

International Financial Reporting Standards Mudança de Paradigma na Divulgação das Informações Financeiras D.J. Gannon

International Financial Reporting Standards Mudança de Paradigma na Divulgação das Informações Financeiras D.J. Gannon Julho de 2007 Volume 11 / Número 7 International Financial Reporting Standards Mudança de Paradigma na Divulgação das Informações Financeiras D.J. Gannon D.J. Gannon é sócio da Deloitte & Touche LLP, onde

Leia mais

Sumário da Comparação das Práticas Contábeis Adotadas no Brasil com as Normas Internacionais de Contabilidade - IFRS

Sumário da Comparação das Práticas Contábeis Adotadas no Brasil com as Normas Internacionais de Contabilidade - IFRS Conselho Federal de Contabilidade Conselho Federal de Contabilidade Sumário da Comparação das Práticas Contábeis Adotadas no Brasil com as Normas Internacionais de Contabilidade - IFRS Janeiro de 2006

Leia mais

Sumário da Comparação das Práticas Contábeis Adotadas no Brasil com as Normas Internacionais de Contabilidade - IFRS

Sumário da Comparação das Práticas Contábeis Adotadas no Brasil com as Normas Internacionais de Contabilidade - IFRS Sumário da Comparação das Práticas Contábeis Adotadas no Brasil com as Normas Internacionais de Contabilidade - IFRS Janeiro de 2006 IBRACON IBRACON Conselho Federal de Contabilidade SAS Quadra 5 - Bloco

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 731, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014

DELIBERAÇÃO CVM Nº 731, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014 Aprova a Interpretação Técnica ICPC 20 do Comitê de Pronunciamentos Contábeis, que trata de limite de ativo de benefício definido, requisitos de custeio (funding) mínimo e sua interação. O PRESIDENTE DA

Leia mais

EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SNC Nº 03/2014 ICPC 19 TRIBUTOS. Prazo: 15 de setembro de 2014

EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SNC Nº 03/2014 ICPC 19 TRIBUTOS. Prazo: 15 de setembro de 2014 EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SNC Nº 03/2014 ICPC 19 TRIBUTOS Prazo: 15 de setembro de 2014 O Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC), a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e o Conselho Federal de Contabilidade

Leia mais

Relatório da Administração Dommo 2014

Relatório da Administração Dommo 2014 Relatório da Administração Dommo 2014 A Administração da Dommo Empreendimentos Imobiliários S.A. apresenta o Relatório da Administração e as correspondentes Demonstrações Financeiras referentes aos exercícios

Leia mais

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL Ana Beatriz Nunes Barbosa Em 31.07.2009, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aprovou mais cinco normas contábeis

Leia mais

Palavras-chave: normas internacionais, seguradoras, contabilidade.

Palavras-chave: normas internacionais, seguradoras, contabilidade. Normas Contábeis para Seguradoras versus Padrões Internacionais de Contabilidade: uma análise a luz das IFRS. Resumo Jefferson Ricardo do Amaral Melo 1 O mercado segurador cresce a cada dia com uma diversidade

Leia mais

Demonstrações Financeiras Consolidadas Preparadas de acordo com normas de contabilidade Internacional IFRS. Banco Santander (Brasil) S.A.

Demonstrações Financeiras Consolidadas Preparadas de acordo com normas de contabilidade Internacional IFRS. Banco Santander (Brasil) S.A. Demonstrações Financeiras Consolidadas Preparadas de acordo com normas de contabilidade Internacional IFRS Banco Santander (Brasil) S.A. 31 de Dezembro de 2011 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS ÍNDICE

Leia mais

ATIVO IMOBILIZADO SEGUNDO AS NORMAS IFRS

ATIVO IMOBILIZADO SEGUNDO AS NORMAS IFRS ATIVO IMOBILIZADO SEGUNDO AS NORMAS IFRS PERMANENT ASSETS UNDER IFRS Daniel de Mattos Camargo (UNISEPE/FVR) Anderson Gomes (UNISEPE/FVR) Maria Aparecida Lameu (UNISEPE/FVR) Marise Gonçalves de Oliveira

Leia mais

REDUÇÃO AO VALOR RECUPERAVEL DE ATIVOS - CONCEITO E IMPACTO NA EMPRESA GERDAU S/A. Amanda Caroline Diniz Pereira¹, José César de Faria²

REDUÇÃO AO VALOR RECUPERAVEL DE ATIVOS - CONCEITO E IMPACTO NA EMPRESA GERDAU S/A. Amanda Caroline Diniz Pereira¹, José César de Faria² REDUÇÃO AO VALOR RECUPERAVEL DE ATIVOS - CONCEITO E IMPACTO NA EMPRESA GERDAU S/A Amanda Caroline Diniz Pereira¹, José César de Faria² ¹Universidade do Vale do Paraíba/Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas

Leia mais

Apresentação ao mercado do processo de adopção plena das IAS/IFRS

Apresentação ao mercado do processo de adopção plena das IAS/IFRS Apresentação ao mercado do processo de adopção plena das IAS/IFRS DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO PRUDENCIAL DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 10 de Março de 2014 001 Índice Enquadramento 2 Evolução do normativo

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - BPMB I Participações S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - BPMB I Participações S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

UNIVERSIDADE SALVADOR PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU MBA EM CONTROLADORIA PARA GESTÃO DE NEGÓCIOS

UNIVERSIDADE SALVADOR PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU MBA EM CONTROLADORIA PARA GESTÃO DE NEGÓCIOS UNIVERSIDADE SALVADOR PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU MBA EM CONTROLADORIA PARA GESTÃO DE NEGÓCIOS ANDREI GUEDES CARLA SUELY REIS LUCAS AZEVEDO PEDRO PAULO G. SÁ RITA DE CÁSSIA S RIBEIRO CONVERGÊNCIA

Leia mais

Demonstrações Financeiras Intermediárias Consolidadas (não auditadas) Preparadas de acordo com normas de contabilidade Internacional IFRS

Demonstrações Financeiras Intermediárias Consolidadas (não auditadas) Preparadas de acordo com normas de contabilidade Internacional IFRS Demonstrações Financeiras Intermediárias Consolidadas (não auditadas) Preparadas de acordo com normas de contabilidade Internacional IFRS Banco Santander (Brasil) S.A. 30 de Setembro de 2011 DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

Rodovia das Colinas S.A.

Rodovia das Colinas S.A. Rodovia das Colinas S.A. Informações contábeis intermediárias Referentes ao Trimestre Findo em 31 de Março de 2013 e Relatório de Revisão dos Auditores Independentes sobre as informações contábeis intermediárias

Leia mais

Normas Internacionales de Contabilidad Financiera y su impacto en la naturaleza democrática de las cooperativas. Palestrante Edimir Oliveira Santos

Normas Internacionales de Contabilidad Financiera y su impacto en la naturaleza democrática de las cooperativas. Palestrante Edimir Oliveira Santos Normas Internacionales de Contabilidad Financiera y su impacto en la naturaleza democrática de las cooperativas Palestrante Edimir Oliveira Santos Agenda da Apresentação 1. Importância dos Padrões Internacionais

Leia mais

A CONVERGÊNCIA DOS PADRÕES DE CONTABILIDADE APLICADOS NO BRASIL ÀS INTERNATIONAL FINANCIAL ACCOUNTING STANDARDS (IFRS)

A CONVERGÊNCIA DOS PADRÕES DE CONTABILIDADE APLICADOS NO BRASIL ÀS INTERNATIONAL FINANCIAL ACCOUNTING STANDARDS (IFRS) A CONVERGÊNCIA DOS PADRÕES DE CONTABILIDADE APLICADOS NO BRASIL ÀS INTERNATIONAL FINANCIAL ACCOUNTING STANDARDS (IFRS) PROF. Ms. EDUARDO RAMOS Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ OBJETIVO Apresentar

Leia mais

2. Esta Norma não se aplica também à mensuração dos estoques mantidos por:

2. Esta Norma não se aplica também à mensuração dos estoques mantidos por: NBC TSP 12 Estoques Objetivo 1. O objetivo deste Pronunciamento é estabelecer o tratamento contábil para os estoques. Uma questão fundamental na contabilização dos estoques é quanto ao valor do custo a

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2015 - DOMMO EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2015 - DOMMO EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

ATIVOS INTANGÍVEIS NAS NORMAS INTERNACIONAIS IASB

ATIVOS INTANGÍVEIS NAS NORMAS INTERNACIONAIS IASB IX CONVENÇÃO DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL 13 a 15 de agosto de 2003 Gramado RS ATIVOS INTANGÍVEIS NAS NORMAS INTERNACIONAIS IASB PAULO SCHMIDT Contador CRCRS 45.222 Rua Mariland, 1002, 30 Porto

Leia mais

TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO E DO PASSIVO 5.476.537.589 6.035.355.458

TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO E DO PASSIVO 5.476.537.589 6.035.355.458 DEMONSTRAÇÕES DA POSIÇÃO FINANCEIRA CONSOLIDADA A 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E DE 2012 (Montantes expressos em euros) ATIVO Notas 31 dez 2013 31 dez 2012 ATIVOS NÃO CORRENTES: Ativos fixos tangíveis 10 1.827.164.403

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.315/10

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.315/10 NOTA - A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração desta Norma de NBC T 19.40 para NBC TG 43 e de outras normas citadas: de NBC T 1 para NBC TG ESTRUTURA CONCEITUAL; de NBC T 19.18 para

Leia mais

Copyright 2003 - Todos os Direitos Reservados a Prof. Arievaldo Alves de Lima CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES SOBRE O FLUXO DE CAIXA

Copyright 2003 - Todos os Direitos Reservados a Prof. Arievaldo Alves de Lima CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES SOBRE O FLUXO DE CAIXA ANÁLISE DE BALANÇOS CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES SOBRE O FLUXO DE CAIXA O fluxo de caixa constitui-se no instrumento prático, por excelência, do administrador financeiro, e pode ser comparado a outras denominações

Leia mais

Normas Internacionais de Relatório Financeiro Modelo de demonstrações financeiras para 2010

Normas Internacionais de Relatório Financeiro Modelo de demonstrações financeiras para 2010 Normas Internacionais de Relatório Financeiro Modelo de demonstrações financeiras para 2010 Equipe técnica Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes Ed Ruiz Rogério Mota Emerson Ferreira Jonas Dal

Leia mais

Checklist Apresentação e Divulgação IFRS e BR GAAP 2014. Acesse este e outros conteúdos em www.deloitte.com.br

Checklist Apresentação e Divulgação IFRS e BR GAAP 2014. Acesse este e outros conteúdos em www.deloitte.com.br Checklist Apresentação e Divulgação IFRS e BR GAAP 2014 Acesse este e outros conteúdos em www.deloitte.com.br Normas Internacionais de Relatório Financeiro (IFRS) e Práticas Contábeis Adotadas no Brasil

Leia mais

A DISCIPLINA CONTABILIDADE INTERNACIONAL NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS. Prof. Dr. Jorge Katsumi Niyama Março - 2009

A DISCIPLINA CONTABILIDADE INTERNACIONAL NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS. Prof. Dr. Jorge Katsumi Niyama Março - 2009 A DISCIPLINA CONTABILIDADE INTERNACIONAL NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS: UMA ANÁLISE DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO E BIBLIOGRAFIA Prof. Dr. Jorge Katsumi Niyama Março - 2009 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

Leia mais

As recentes alterações das normas contabilísticas no âmbito da concentração de actividades empresariais (SNC e IFRS)

As recentes alterações das normas contabilísticas no âmbito da concentração de actividades empresariais (SNC e IFRS) As recentes alterações das normas contabilísticas no âmbito da concentração de actividades empresariais (SNC e IFRS) Por Carlos António Rosa Lopes O IASB aprovou em 2008 alterações à IFRS 3 sobre concentração

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão 9.9.2008 B6-0000/2008 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO. apresentada nos termos do artigo 81.

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão 9.9.2008 B6-0000/2008 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO. apresentada nos termos do artigo 81. PARLAMENTO EUROPEU 2004 Documento de sessão 2009 9.9.2008 B6-0000/2008 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO apresentada nos termos do artigo 81.º do Regimento pela Comissão dos Assuntos Económicos e Monetários sobre

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 20 (R1) Custos de Empréstimos

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 20 (R1) Custos de Empréstimos COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 20 (R1) Custos de Empréstimos Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 23 (IASB BV 2011) Índice OBJETIVO 1 Item ALCANCE 2

Leia mais

CPC COOPERATIVA DE POUPANÇA E CRÉDITO, S.C.R.L. Demonstrações Financeiras. 31 de Dezembro de 2008

CPC COOPERATIVA DE POUPANÇA E CRÉDITO, S.C.R.L. Demonstrações Financeiras. 31 de Dezembro de 2008 Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2008 4ª MINUTA EXERCÍCIO DE 2008 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 31 DE DEZEMBRO DE 2008 ÍNDICE PÁGINAS RELATÓRIO DO AUDITOR INDEPENDENTE 1 2 BALANÇO 3 DEMONSTRAÇÃO

Leia mais

Informações sobre as novas Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público Mudanças e Desafios para a contabilidade pública

Informações sobre as novas Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público Mudanças e Desafios para a contabilidade pública Informações sobre as novas Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público Mudanças e Desafios para a contabilidade pública Marcus Vinicius P. de Oliveira Contador, Administrador, Especialista

Leia mais

Comunicados Técnicos. 30 de agosto de 2013. Idésio S. Coelho - Diretor Técnico DIRETORIA NACIONAL

Comunicados Técnicos. 30 de agosto de 2013. Idésio S. Coelho - Diretor Técnico DIRETORIA NACIONAL Comunicados Técnicos 30 de agosto de 2013 Idésio S. Coelho - Diretor Técnico DIRETORIA NACIONAL Agenda Comitês Técnicos do IBRACON CNNT Comissão Nacional de Normas Técnicas CNA Comitê de Normas de Auditoria

Leia mais

Contabilização de planos de benefícios segundo o CPC 33 Benefícios a empregados (IAS 19)

Contabilização de planos de benefícios segundo o CPC 33 Benefícios a empregados (IAS 19) Contabilização de planos de benefícios segundo o CPC 33 Benefícios a empregados (IAS 19) Classificação, contabilização de planos de contribuição definida e introdução aos planos de benefício definido.

Leia mais

Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas

Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas Conhecimento essencial em Gestão de Controladoria Depois de sucessivas crises econômicas, os investidores pressionam cada vez mais pela

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO E CONTABILIDADE Benefícios a Empregados - Contabilização Orientador Empresarial RESOLUÇÃO CFC nº 1.193/2009 DOU: 14.10.2009 Aprova

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Curso de Ciências Contábeis com Ênfase em Controladoria

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Curso de Ciências Contábeis com Ênfase em Controladoria PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Curso de Ciências Contábeis com Ênfase em Controladoria AS MUDANÇAS DAS NORMAS CONTÁBEIS E O IMPACTO DO IFRS Gislane Leal Belo Horizonte 2009 1 Gislane

Leia mais

A ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL: UM COMPARATIVO ANTES E DEPOIS DA ADOÇÃO DO PADRÃO CONTÁBIL INTERNACIONAL.

A ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL: UM COMPARATIVO ANTES E DEPOIS DA ADOÇÃO DO PADRÃO CONTÁBIL INTERNACIONAL. A ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL: UM COMPARATIVO ANTES E DEPOIS DA ADOÇÃO DO PADRÃO CONTÁBIL INTERNACIONAL. Eliseu Pereira Lara 1 RESUMO: As alterações ocorridas na legislação contábil, visando à adequação

Leia mais

ANÁLISE DA DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) DAS EMPRESAS DE PAPEL E CELULOSE POR MEIO DE INDICADORES

ANÁLISE DA DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) DAS EMPRESAS DE PAPEL E CELULOSE POR MEIO DE INDICADORES ANÁLISE DA DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) DAS EMPRESAS DE PAPEL E CELULOSE POR MEIO DE INDICADORES RESUMO O presente estudo aborda a importância da DFC para a organização, pois além de ser uma

Leia mais

Contabilidade Financeira II 2008/2009

Contabilidade Financeira II 2008/2009 Contabilidade Financeira II 2008/2009 Enquadramento Contabilístico Enquadramento contabilístico Enquadramento geral Principais organismos Sites Lista das IAS/IFRS Principais alterações Estrutura conceptual

Leia mais

Auditoria Efeitos da Convergência. FERNANDO CALDAS Sócio da 100PORCENTO AUDIT, CONSULT, SOLUÇÕES S.A. www.100porcento.srv.br

Auditoria Efeitos da Convergência. FERNANDO CALDAS Sócio da 100PORCENTO AUDIT, CONSULT, SOLUÇÕES S.A. www.100porcento.srv.br Auditoria Efeitos da Convergência FERNANDO CALDAS Sócio da 100PORCENTO AUDIT, CONSULT, SOLUÇÕES S.A. www.100porcento.srv.br Final do Século XX Início do processo de globalização Diminuição das fronteiras

Leia mais

Demonstrações Financeiras Consolidadas de acordo com as normas internacionais de relatório financeiro (IFRS) emitidas pelo IASB

Demonstrações Financeiras Consolidadas de acordo com as normas internacionais de relatório financeiro (IFRS) emitidas pelo IASB Demonstrações Financeiras Consolidadas de acordo com as normas internacionais de relatório financeiro (IFRS) emitidas pelo IASB Demonstrações financeiras consolidadas em 31 de dezembro de 2014 Nota 1 Nota

Leia mais

Dommo Empreendimentos Imobiliários S.A.

Dommo Empreendimentos Imobiliários S.A. Dommo Empreendimentos Imobiliários S.A. Relatório de revisão dos auditores independentes sobre as Informações Trimestrais (ITRs) trimestre findo em 30 de junho de 2015 1. INFORMAÇÕES GERAIS A Dommo Empreendimentos

Leia mais

Salus Infraestrutura Portuária S.A.

Salus Infraestrutura Portuária S.A. Salus Infraestrutura Portuária S.A. Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2014 e Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Deloitte

Leia mais