A BUSCA DE UMA IDENTIDADE COLETIVA PARANAENSE NAS OBRAS DA COMEMORAÇÃO DO CENTENÁRIO DA EMANCIPAÇÃO DO PARANÁ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A BUSCA DE UMA IDENTIDADE COLETIVA PARANAENSE NAS OBRAS DA COMEMORAÇÃO DO CENTENÁRIO DA EMANCIPAÇÃO DO PARANÁ"

Transcrição

1 DOI: /4cih.pphuem.715 A BUSCA DE UMA IDENTIDADE COLETIVA PARANAENSE NAS OBRAS DA COMEMORAÇÃO DO CENTENÁRIO DA EMANCIPAÇÃO DO PARANÁ Sandra Regina Franchi Rubim (PPE-UEM) Rosana Steinke (DHI-UEM) Estabelecer contato com produções de épocas passadas e presente, observando e identificando informações nas mais diversas formas de linguagem, que nos são apresentadas por meio de diferentes fontes amplia o olhar do historiador, questiona as fronteiras disciplinares, articulando os saberes e buscando a inteligibilidade dos fatos (FONSECA, 2006). Durante muito tempo, debateu-se na História, em diversas escolas teóricas, principalmente a Escola de Annales, a preocupação com a definição do documento histórico, quais suas interligações com a realidade e com o conhecimento histórico que ele proporciona, muitas das questões questionando o fato de sermos herdeiros de uma tradição textual e partidária do entendimento de que, em Ciências Humanas, a pesquisa se faz com textos (PELEGRINI; ZANIRATO, 2005). Tanto a História como a Sociologia compartilharam durante longo tempo da valorização do documento escrito em detrimento do documento nãoescrito ou não-verbal. No entanto, a história da arte, a cultura e suas representações, constituem atualmente um vasto campo de investigação Hoje é possível conceber a arte e aos objetos artísticos um papel relevante como documento histórico como testemunhos das formas da sensibilidade coletiva. A imagem integra diferentes universos simbólicos, num sistema discursivo global que evidencia existências e identidades políticas e culturais. Numa interpretação, valores culturais são disseminados e estruturas sociais ganham vida a partir de espaços, movimentos, olhares, silêncios e vozes que interagem (MARTINS, 2007). Podemos afirmar, todavia, que os símbolos e mitos, pela sua linguagem menos codificada, tornam-se elementos significativos na construção de justificativas, na projeção de interesses e objetivos coletivos, na criação de necessidades e na modelagem de valores e condutas. Nesse sentido, entendemos que, para investigarmos a estrutura social em diferentes momentos, precisamos entender, também, o imaginário presente nesse contexto. Os símbolos e mitos, na medida em que encontrem um terreno social e cultural no qual se alimentam, criam raízes, se consolidam no imaginário. E

2 4046 quando esse imaginário é alcançado com êxito, por meio dessa educação informal, podem também, plasmar visões de mundo e modelar condutas nesse social (CARVALHO, 1990). Segundo Martins (2007), as imagens, como produto social e histórico, traduzem noções, crenças e valores, registram informações culturais e práticas de diferentes períodos. Elas influenciam a formação -identidade- do sujeito articulando representações visuais derivadas de visões e versões de mundo que estão presentes em modelos sociais vigentes em numa determinada época ou cultura. Desta forma, subjetividade e identidade caminham juntas e constituem a consciência de ser sujeito, com um processo dinâmico e múltiplo. As imagens são tratadas como espaço de interação com os indivíduos, criando possibilidades de diálogo e interpretação. Contudo, torna-se importante salientar que tal estrutura simbólica, enquanto elemento de dominação social, também pode ser vista como uma forma de conduzir a ação dos homens conforme uma intenção explícita. O documento não é um registro neutro do passado, o documento não é inócuo e sim, antes de tudo, o resultado de uma montagem, consciente ou inconsciente, da história, da época, da sociedade que o produziu (LE GOFF: 1989, p. 103). Portanto, os documentos são sempre produtos da sociedade que os forjou, expressando, assim, as relações sociais dos homens, desse momento histórico. A produção de imagens e idéias, valendo-se da arte e da literatura, entre outras formas de expressão, forma um imaginário social, um conjunto de representações sobre a sociedade. A partir de tais pressupostos, interessa aqui discutir o imaginário social veiculado na comemoração do Centenário da Emancipação do Paraná e o papel da arte e da arquitetura, nesse contexto, reforçado no momento de redefinição de uma identidade coletiva paranaense. Dentro desse cenário, que define a capital como palco privilegiado para a instalação dos símbolos do progresso, da modernidade e da identidade da sociedade paranaense, será apresentada e discutida a produção paranista de Napoleon Potyguara Lazzarotto, um dos líderes da Integração Nacional do Paraná e, tangencialmente, a arquitetura moderna representada por Rubens Meister e outros. Tal temática, eleita enquanto objeto de estudo, foi idealizada a partir dos estudos realizados no Programa de Desenvolvimento Educacional (PDE) do Governo do Estado do Paraná que se iniciou no ano de 2007, buscando contribuir na produção de material didático sobre a História do Paraná no Ensino Fundamental e Médio das Escolas Públicas. O presente objeto de estudo teve como produto de sua reflexão uma proposta didática, através da criação de textos de apoio e de um CD Room para ser utilizado pelos professores da rede pública paranaense. Essa proposta de intervenção pedagógica aconteceu no período de março a julho

3 4047 do ano de 2008, por meio de reuniões de estudo durante a disponibilidade dos professores de História, Geografia e Arte. Nessas reuniões, por disciplinas, foi disponibilizada a aula temática para uma leitura prévia, bem como alguns subsídios teóricos utilizados para o desenvolvimento do objeto de estudo do material didático. Após a apreciação e a revisão do material houve a socialização, a exploração e o enriquecimento do mesmo em sala de aula, em turmas de 6ª e 7ª séries do Ensino fundamental, com a mediação do professor. Posteriormente foi realizado um Tour City em Maringá visitando os monumentos históricos e os painéis de Poty Lazzarotto. A aula temática intitulada Memória e Iconografia na Construção de uma Identidade Coletiva Paranaense, que em grande parte está presente nesse artigo, tem como objetivo fundamentar as discussões dos professores sobre a identificação de imagens como um documento portador de autonomia, com significação social, despertando a sensibilidade estética e possibilitando uma discussão sobre a influência das figuras imagéticas na formação de idéias e valores. Sintetizando, a proposta de intervenção na escola objetiva oportunizar os professores de História, novos materiais para a pesquisa e aguçar uma discussão da possibilidade das abordagens dos conteúdos de História, propostas a partir da fundamentação teóricometodológica que norteiam as Diretrizes Curriculares para a Educação Básica, da SEED. O Movimento Paranista consolidou-se nas décadas de 1920 e 1930, nas quais se buscava a construção de uma identidade que se identificasse com o novo regime, a República, a idéia de um Estado, com identidade própria e não apenas o caminho de passagem entre São Paulo e Rio Grande do Sul. Esse movimento valorizava alguns elementos constituintes da identidade paranaense: o clima, a terra e o homem do Paraná. Nesse período, intelectuais, dentre eles historiadores, poetas e artistas plásticos produziram idéias coletivas de identidade regional, impregnadas de imagens de progresso e de desenvolvimento social, criando padrões de comportamento para a sociedade da época, estruturando princípios para a formação do bom paranista, o paranaense do futuro, procurando sensibiliar, assim, os corações dos paranaenses à causa paranista. Representações de grupos étnicos, o pinheiro, a pinha, a mate, a paisagem, eram as temáticas das manifestações artísticas, que ganhavam as ruas de Curitiba, que, também, construía sua imagem como uma cidade especial, se misturando com o imaginário popular por meio de comemorações cívicas, regional ou nacional (PEREIRA, 1998). O Paranismo, a partir da década de 40 perdeu forças, pois, o governo centralizador de Getúlio Vargas, não via com bons olhos o regionalismo. Com a propagação cultural, o

4 4048 interesse pelo conhecimento científico e artístico e o aumento de publicações em revistas, jornais, almanaques etc., nas primeiras décadas do século XX, foi se delineando um novo Paraná, um novo perfil do homem paranaense, uma nova forma de identidade, dentro do discurso da modernidade (TRINDADE; ANDREAZZA, 2001). Os anos 1930 e a presença de Vargas, na presidência da República, inauguraram, para todo o Brasil, um período de centralização e nacionalização que tentava controlar a influência das forças regionais. Economicamente, a industrialização era o alvo a ser perseguido para se chegar ao desenvolvimento, opondo-se à atividade agro-exportadora, como base da economia brasileira. Nesse período, a economia paranaense ainda se baseava na extração da erva-mate e madeira, com crescente comércio interno e externo; em marcha para o oeste, como um grande desbravador, apontava o café. Essa prosperidade, com raízes na economia paulista, organizouse a partir dos excedentes de um sistema de produção adaptável aos férteis terrenos paranaenses, da construção de uma rede de estradas de ferro que ampliou as fronteiras de ocupação e da organização das companhias particulares que exploraram a colonização da região (TRINDADE; ANDREAZZA, 2001). Motivado pelo surto de progresso e pelo novo papel que o estado do Paraná estava conquistando na economia nacional, o discurso de modernidade se materializava nas ações do governo, a partir de l940. Neste período, Manoel Ribas, interventor (l e ) e governador ( ), ficou conhecido como o formulador de uma política econômica e social de modernização do Paraná. Sua política teve continuidade nos governos de seus sucessores Moysés Lupion e Bento Munhoz da Rocha Netto. Nesse momento, as políticas públicas do Estado voltaram-se, cada vez mais, para a noção de um governo científico e racional, quer na construção de uma praça, quer na manutenção de um espaço de poder (IPARDES, l989). Bento Munhoz da Rocha Netto ( ) e Moysés Lupion ( ), ainda que opositores, foram regentes de um espetáculo do progresso nos anos 50. A ampliação do mosaico cultural, em função da expansão do sistema de comunicação, deslocando camponeses imigrantes, mineiros, paulistas em direção ao Norte do Paraná, levou ao projeto dos governos estaduais, na primeira metade do século XX, a construção de uma identidade paranaense: o Estado clama a necessidade de criar a consciência da unidade, da organização dos meios de produção e transformação, adquirindo maturidade política necessária nas relações com o resto do país. Para que o Paraná conquiste respeito que lhe é devido no

5 4049 contexto nacional, a integração deve ser a palavra de ordem (ROLLO GONÇALVES, l998). Munhoz da Rocha sempre acreditou no futuro do Paraná, principalmente com o avanço do café, o nosso ouro verde. Era necessário divulgar e promover o Paraná como terra das oportunidades presentes e futuras, para atrair investimentos de capital privado e técnicas das nações industrializadas. A propaganda romperia o imobilismo, anunciando o alvorecer de um Paraná Moderno. As riquezas naturais e o potencial econômico das cidades paranaenses eram enaltecidos. O progresso, também, dependia de uma política voltada à construção de estradas para escoamento agrícola e produzir energia elétrica para atrair indústrias. Munhoz da Rocha acreditava que, por meio de rodovias, ocorreria a integração física, psicológica e cultural dos três paranás: Paraná Tradicional, o Paraná do Norte e o Paraná do Oeste/Sudoeste. Preocupava-se em consolidar a imagem de um governo realizador (REBELO: 2005). Cabia ao Estado assegurar a prosperidade moral, cultural e política. Para garantir o cumprimento dessa função, durante o governo de Bento Munhoz, foi implementado, em 1953, uma política chamada de Código de Posturas e Obras do Município, apresentando um conjunto de normas morais e éticas voltadas ao projeto modernizante e para a construção de um espírito de urbanidade, com o intuito de levar a população a padrões de comportamento inspirado na civilidade norte-americana (TRINDADE; ANDREAZZA, 2001). Várias medidas foram tomadas para melhorar a saúde e saneamento público, assim como melhorar a estética urbana. Foi desenvolvido um programa de educação sanitária, objetivando a conquista de um padrão ideal de saúde pública. Era preciso erradicar a influência da medicina popular, substituindo-a pela científica: multiplicaram-se hospitais, ampliação dos serviços de saneamento básico, lançamento de grandes campanhas de vacinação e dedetização, entre outros (IPARDES, l989). O fluxo migratório trouxe consigo elementos e efeitos indesejáveis: desajustados sociais, mendigos, criminosos comuns, jogadores, prostitutas. Por isso, cabia ao Estado controlar os desajustados física ou moralmente e eliminar as infrações que comprometiam a ordem social e o surto do progresso. Essas preocupações levaram o governo a investir numa segurança planejada, racional e científica (TRINDADE; ANDREAZZA, 2001). O desenvolvimento econômico, a rápida urbanização e a ocupação de novas áreas são evidências apontadas pelo discurso da indiscutível nova era do Paraná, que se faz acompanhar de uma política de integração territorial, voltando-o ao centro administrativo.

6 4050 Durante o governo de Bento Munhoz Netto, foi lançado um programa sintetizado no slogan O Brasil marcou encontro no Paraná. Parte da dotação orçamentária, destinada à construção de estradas, foi orientada à construção de obras comemorativas ao Centenário de Emancipação Política do Paraná, sendo que, as principais obras foram a criação do Centro Cívico Estadual, as construções de um grande teatro, uma ampla biblioteca pública e a Praça Dezenove de dezembro, ícone do Centenário. Essas obras se colocavam como marcos das potencialidades locais, das ações modernizadoras do governo, que investe sobre a construção de um lugar de poder, no qual se tenta ratificar Curitiba como capital política, econômica, militar, estudantil e cultural do Estado. Os monumentos apresentavam-se como um dos aparatos mais eficientes para conservar na memória da coletividade, os cem anos do Paraná. Paralelamente, a essas obras, foram programados muitos eventos técnicos e científicos, tais como, jornadas, congressos e encontros nacionais e internacionais (IPARDES, l989). Nesse contexto, de realização dos eventos comemorativos do Centenário do Paraná, em 1953, o Governo Federal voltou-se para a realização de algumas obras formando, assim, um cenário apropriado para que novas versões do Paraná e do homem paranaense fossem veiculados. Também, as comemorações fortaleceram Curitiba como centro políticoadministrativo do Estado, onde a arquitetura moderna será a linguagem escolhida, pelo poder público, para materializar sua imagem de Estado moderno a partir da década de Munhoz da Rocha via, nesse evento, a oportunidade de consolidar a unidade paranaense. A preocupação do governo do Estado era associar as obras do centenário de emancipação do Paraná a um benefício para toda a população. Assim, percebemos que, espelhando-se em Juscelino Kubitschek, que remodelara Belo Horizonte, em 1944, Bento Munhoz idealizou as obras de modernização da capital do Paraná. Dentro desse cenário nacional, que define Curitiba como palco privilegiado para a instalação dos símbolos do progresso, da modernidade e da identidade da sociedade paranaense, criou-se um imaginário social, por meio de figuras imagéticas, como instrumento de legitimação dos interesses políticos da elite, tais como a produção paranista de Napoleon Potyguara Lazzarotto, o Poty, um dos líderes da Integração Nacional do Paraná, os escultores Erbo Stenzel e Humberto Cozzo e, também, a arquitetura moderna representada por Rubens Meister e outros (GONÇALVES, 2001). Para administrar as obras, que seriam inauguradas em 19 de dezembro de 1953, o governo criou, em 1951, a Comissão Especial de Obras do Centenário (CEOC). Foram previstas edições festivas de diversas publicações enfatizando estudos históricos, etnológicos, biográficos e geográficos sobre o Paraná. Em maio de 1952, a imprensa de Curitiba, divulgou

7 4051 o empréstimo de vinte milhões de cruzeiros, do governo federal, para serem investidos nas festividades do centenário (BAHLS, 2006). De acordo com Rebelo (2005), no Centro Cívico, seriam erguidas, as sedes dos três poderes e os prédios dos tribunais de contas e do Júri, idealizados por vários arquitetos, tais como, David Xavier Azambuja, Olavo Redig de campos, Sérgio Roberto Rodrigues, entre outros. O projeto da Praça Dezenove de Dezembro foi assinado pelos escultores, Erbo Stenzel e Humberto Cozzo. A praça é dominada por um obelisco de 40 metros de altura, ao seu lado foi erguida a estátua do homem nu (figura 1), com 8 metros de altura, representando o trabalhador paranaense, dando um passo para frente, rumo ao progresso; sendo este alvo de muitas críticas pelos curitibanos, de ordem morais e estéticas. No entanto, a polêmica maior ficou para o monumento da Mulher Nua, de 4 metros de altura, idealizada por Stenzel, como representação da Justiça, a qual foi escondida num pátio nos fundos do Palácio Iguaçu. Está só voltaria a ser colocada na Praça Dezenove de Dezembro no meio da década de (figura 1) Fonte: Acesso em 11dez No centro da praça foi instalado um painel de granito de baixo-relevo (figura 2), executado por Stenzel e Cozzo. O tema era, de um lado, a evolução social e industrial do Paraná, dividido em quatro partes, que representavam os sucessivos ciclos econômicos: índios, bandeirantes, tropeiros, trabalhadores da erva-mate e pinho, ouro, café etc. Na outra face, pintados em azulejos, por Poty, estão os vultos políticos e os ciclos históricos e econômicos paranaenses: descoberta do ouro; evangelização; bandeirantes desmatando florestas; povoamento de cidades; comércio dos tropeiros; índios descendo o rio em suas embarcações; lavradores e ação de líderes que iriam promover a emancipação política do estado, (figura 3).

8 4052 (figura 2) Fonte: Acesso em 11dez (figura 3) Fonte: Acesso em 11dez No dia 19 de dezembro, a praça foi inaugurada pelo presidente Getúlio Vargas, onde apenas o obelisco estava concluído. Os monumentos da Praça 19 de Dezembro, instalados entre 1953 e 1955, ainda hoje atuam na memória da população, contribuindo para eternizar as comemorações do centenário do Paraná. Os monumentos necessitam ser ritualizados, contribuindo assim, para sua permanência na memória coletiva, mesmo que o indivíduo não tenha vivenciado o acontecimento, advém daí, a importância das comemorações nacionais e seu valor simbólico. Percebemos uma relação de temporalidade entre o passado da história e o presente da memória (BAHLS, 2006). O Teatro Guaíra (figura 4), projetado pelo engenheiro Rubens Meister, um dos precursores da arquitetura moderna, também, não foi concluído para os festejos do centenário. Em dezembro de1954, Munhoz da Rocha e o presidente Café Filho inauguraram o Guairinha, que abriga o auditório menor. Somente em 19 de dezembro de 1974, no governo de Emílio Gomes, o teatro foi finalmente inaugurado, com um concerto da Orquestra Sinfônica Brasileira. A Biblioteca Pública do Estado, projetada pelo engenheiro curitibano Romeu

9 4053 Paulo Costa, também, inaugurada em dezembro de 1954, pelo presidente Café Filho, tornando-se ponto de referência intelectual para todo o Estado. (figura 4) Fonte: Guia Geográfico. Artes em Curitiba. Teatro Guaíra. Disponível em: Acesso em: 11dez. 2007; A administração pública do Paraná comemorava os esforços modernizantes, representados por suntuosos edifícios. Essa verticalização chegou às cidades, por todo o Paraná, como sinal incontestável do progresso. Simultaneamente, a essas inaugurações e honrarias dedicadas às personalidades da história política paranaense, ocorreram, por sete dias, diversas comemorações populares, tais como: apresentação, na Praça Tiradentes, de artistas de rádio de São Paulo e do Rio de Janeiro, orquestras, corais, grupos folclóricos e teatrais, banda da Polícia Militar; desfile de representantes dos municípios pela Rua 15 de Novembro; desfile militar do Exército Nacional e da Aeronáutica; apresentação da Banda Marcial e de Música do Corpo de Fuzileiros; danças de grupos étnicos etc. Paralelamente aos banquetes oficiais ocorriam os bailes populares (BAHLS, 2006). Na série de festividades do Centenário, destacou-se a Exposição Internacional do Café e Feira de Curitiba, inaugurada em l9 de dezembro de l953, indo até 29 de março de O I Congresso Mundial de Café realizou-se de 14 a 21 de janeiro de O evento teve a participação de 35 países, entre produtores, vendedores, compradores e operadores. Diante de todo esse cenário, podemos considerar que o ano de 1953 ficou registrado na memória dos indivíduos que participaram das festividades do centenário, ainda que Munhoz da Rocha tenha sido alvo de muitas críticas, devido aos gastos excessivos na construção das obras culturais e arquitetônicas. É notório que as vultuosas obras e comemorações marcaram o imaginário paranaense, buscando criar uma identidade para o estado. Tal identidade foi ressaltada com a criação do Centro Cívico, como marco da administração centralizadora do estado.

10 4054 Dentro do considerado conjunto arquitetônico moderno da cidade de Curitiba, contemporâneas às ações estatais, podemos nomear como obra inaugural a Casa Modernista, construída por Kirchgässner, em 1930, considerada a primeira casa modernista desta cidade. O conjunto do Centro Cívico de Curitiba, por sua vez, tem uma concepção que parte de uma grande praça, destinada ao uso exclusivo de pedestres, com edifícios dispostos nas suas laterais. É bem perceptível a monumentalidade, ressaltada pela avenida que dá acesso a esse conjunto, ligando-o ao centro tradicional da cidade (GONÇALVES, 2001). A arquitetura moderna figurou, nesse sentido, como grande promotora da idéia de que a modernidade finalmente tinha chegado ao Paraná. Em tal arquitetura, se percebe o prestígio dos arquitetos modernistas junto à esfera política brasileira. Não só em Curitiba, mas em outras cidades brasileiras, se percebe que o projeto de modernização está associado ao nacionalismo, sempre buscando um caráter hegemônico, na construção de uma identidade nacional (GORELIK, 2005). Vale destacar que, no caso da comemoração do centenário paranaense, buscou-se reforçar um tipo de homem paranaense que pudesse significar a unidade do Estado. Diante de um povoamento de nacionalidades diversas, não havia como não contemplar diferentes grupos, sempre valorizando o trabalho, inclusive do imigrante, o progresso na agricultura conduzindo o paranaense à industrialização e à modernidade. Atrelada à arquitetura e ao urbanismo, os painéis e as inúmeras esculturas descritas acima, colaboraram para o fortalecimento dessa idéia, ao contemplar figuras como vultos históricos e ciclos econômicos. Também é importante assinalar o papel representado pela realizações das exposições (a Exposição Internacional do Café e Feira de Curitiba e o I Congresso Mundial de Café), tornadas veículos de divulgação que ressaltavam a importância econômica paranaense, promovendo a economia privada e a atuação do Estado. Os aspectos acima foram trabalhados em sala de aula com os alunos, com exibição de imagens dos principais edifícios, o conjunto do centro cívico, esculturas e painéis, procurando perceber a simbologia neles expressa, a partir do contexto histórico em que foram criados. O cenário da comemoração do Centenário de Emancipação Política do Paraná representou um momento propício para salientar a imagem do espetáculo do progresso do Paraná, acompanhada de uma política de integração territorial e definindo a capital como centro de instalação dos símbolos do progresso, da modernidade e da identidade da sociedade paranaense. Percebe-se que os monumentos da Praça 19 de Dezembro, instalados entre 1953 e 1955, assim como todas as festividades, representam um passado histórico que, ainda hoje, atuam na memória da população e, de certa forma, contribuem para eternizar as comemorações do centenário do Paraná.

11 4055 Ao pesquisar e disponibilizar uma análise dos exemplos da arquitetura e escultura modernas no Paraná, como meio formadores de identidades, proporcionam aos professores, que se utilizarão desse material didático, trabalhar questões como a identificação de imagens como um documento portador de autonomia, com significação social, despertando a sensibilidade estética e possibilitando uma discussão sobre a influência das figuras imagéticas na formação de idéias e valores. Assim, consideramos que a utilização das imagens no ensino da história representam um importante elemento da atividade sócio-cultural humana, principalmente, por constituir um sistema de significações específicas que possibilita a reflexão, ação e expressão do homem em relação a si próprio, aos demais indivíduos e ao meio em que vive. Estas, as imagens, sempre pensadas como formas de expressão do homem, não desvinculadas do seu contexto histórico e social. Diante disso, é evidente a análise da influência das figuras imagéticas do nosso cotidiano, na formação de valores e nas versões da História, mudando a compreensão dela e criando um imaginário social que justifica ou produz mitos e verdades sobre figuras empíricas individuais, regimes políticos e ideologias. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BAHLS, A. V. da S. Símbolos e Monumentos: as comemorações de emancipação política do Paraná nos logradouros de Curitiba. Publ. UEPG. Ciências Humanas Sociais Aplicadas, Lingüística, Letras e Artes, Ponta Grossa, Ano 14, nº 1, jun BURKE, Peter. Testemunha ocular: história e imagem. Bauru, São Paulo: EDUSC, 2004; CARVALHO, J. M. A formação das almas. São Paulo: Companhia das Letras, 1990; FONSECA, S. G. Didática e prática de ensino de História. Campinas. SP: Papirus, 2006; GONÇALVES, J. M.Z. Arquitetura moderna no centenário de emancipação política do Paraná: a construção de um marco de referência. São Carlos, Dissertação (Mestrado). Escola de Engenharia de São Carlos Universidade de São Paulo, 2001; GORELIK, A. Das vanguardas a Brasília. Cultura urbana e arquitetura na América Latina. Belo Horizonte, MG: Editora da UFMG, IPARDES - Fundação Édison Vieira. O Paraná reinventado: política e governo. Curitiba, 1989; LE GOFF, J. Documento/monumento. Enciclopédia Einaudi. Memória/História. Lisboa: Imprensa Nacional/Casa da Moeda, 1989.

12 4056 MARTINS, R. Educar com Imagens: múltiplos tempos e interpretação. Boletim Arte na Escola, nº. 45, São Paulo, Outono, abril 2007; PEIXOTO, M. I. H. Relações arte, artista e grande público: a prática estético-educativa numa obra aberta. Campinas (SP), f. Tese (Doutorado em História, Filosofia e Educação) Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas UNICAMP; PELEGRINI, S. de C. A.; ZANIRATO, S. H.(org.). As dimensões da imagem: abordagens teóricas e metodológicas. Maringá: Eduem, 2005; PEREIRA, L. F. L. Paranismo: O Paraná reinventado. Cultura e imaginário no Paraná da I República. Curitiba: Aos Quatro Ventos, 1998; REBELO, V. Bento Munhoz da Rocha - O intelectual na correnteza política. Curitiba: Imprensa Oficial, 2005; ROLLO GONÇALVES, J. H. Alguns problemas do ensino escolar de História Regional. História & Ensino, (4). Londrina: outubro de 1998, p ; TRINDADE, E. M. de C.; ANDREAZZA, M. L. Cultura e educação do Paraná / Etelvina Maria de Castro Trindade e Maria Luiza Andreazza. Curitiba: SEED, 2001.

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Jorge Luiz de FRANÇA * Nesta comunicação, pretendemos, por intermédio das publicações

Leia mais

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE NASCIMENTO, Elaine Cristina Universidade Tecnológica Federal do Paraná AMORIM, Mário

Leia mais

Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo

Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo O Mercado Municipal de São Paulo é uma construção histórica localizada na região central da capital. Obra projetada pelo arquiteto Franscisco de Paula Ramos de

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES

A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES Marilene Rosa dos Santos Coordenadora Pedagógica de 5ª a 8ª séries da Prefeitura da Cidade do Paulista rosa.marilene@gmail.com Ana Rosemary

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

Arte como conhecimento, patrimônio e identidade cultural

Arte como conhecimento, patrimônio e identidade cultural Arte como conhecimento, patrimônio e identidade cultural Rita de Cássia Demarchi Ao abraçar o campo de ensino e aprendizagem de arte é tomado como ponto de partida o princípio de que a arte é uma rica

Leia mais

A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE GEOGRAFIA NO PARANÁ ATRAVÉS DO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL (PDE)

A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE GEOGRAFIA NO PARANÁ ATRAVÉS DO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL (PDE) A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE GEOGRAFIA NO PARANÁ ATRAVÉS DO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL (PDE) INTRODUÇÃO Ana Claudia Biz anaclaudiabiz@yahoo.com.br UNIOESTE-FBE O texto que segue

Leia mais

A Arquitetura Moderna e o Sesquicentenário de Emancipação Política do Paraná: o Tombamento de Marcos de Referência da Arquitetura Moderna Paranaense

A Arquitetura Moderna e o Sesquicentenário de Emancipação Política do Paraná: o Tombamento de Marcos de Referência da Arquitetura Moderna Paranaense A Arquitetura Moderna e o Sesquicentenário de Emancipação Política do Paraná: o Tombamento de Marcos de Referência da Arquitetura Moderna Paranaense Josilena Maria Zanello Gonçalves (josilena@arquit.ufpr.br)

Leia mais

O diretor-presidente da COPASA, Ricardo Simões, tem o prazer de convidá-lo para a abertura da. de Daniel Neto e Elenir tavares.

O diretor-presidente da COPASA, Ricardo Simões, tem o prazer de convidá-lo para a abertura da. de Daniel Neto e Elenir tavares. O diretor-presidente da COPASA, Ricardo Simões, tem o prazer de convidá-lo para a abertura da exposição Entre Silêncio e Paisagem, de Daniel Neto e Elenir tavares. Abertura 23 de outubro, às 19 horas.

Leia mais

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS Eixo: Políticas para a Infância e Formação de Professores Contempla as produções acadêmico-científicas que tratam de ações políticas e legislações referentes à Educação Infantil e a infância. Aborda pesquisas

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

Projeto Música e Cidadania no CAp: Extensão, Universidade, Comunidade

Projeto Música e Cidadania no CAp: Extensão, Universidade, Comunidade 1 Projeto Música e Cidadania no CAp: Extensão, Universidade, Comunidade Maria Helena de Lima helenal@terra.com.br/helena.lima@ufrgs.br Universidade Federal do Rio Grande do Sul Resumo. Este artigo constitui

Leia mais

Artigo publicado em 17 de dezembro de 2008-12-17 www.partes.com.br ISSN 1678-8419. Arquitetura Moderna: A UFSM como protagonista deste cenário.

Artigo publicado em 17 de dezembro de 2008-12-17 www.partes.com.br ISSN 1678-8419. Arquitetura Moderna: A UFSM como protagonista deste cenário. Artigo publicado em 17 de dezembro de 2008-12-17 www.partes.com.br ISSN 1678-8419 Arquitetura Moderna: A UFSM como protagonista deste cenário. Leila Adriana Baptaglin 1 Introdução As vezes convivemos em

Leia mais

UFJF CONCURSO VESTIBULAR 2013 E MÓDULO III DO PISM TRIÊNIO 2010-2012 PROVA DE HABILIDADE ESPECÍFICA ARQUITETURA E URBANISMO

UFJF CONCURSO VESTIBULAR 2013 E MÓDULO III DO PISM TRIÊNIO 2010-2012 PROVA DE HABILIDADE ESPECÍFICA ARQUITETURA E URBANISMO PAVILHÕES Os edifícios para grandes exposições têm marcado a história da Arquitetura desde 1851, com a construção do Palácio de Cristal, concebido por Joseph Paxton para a primeira Exposição Universal,

Leia mais

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG.

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. Michael Jhonattan Delchoff da Silva. Universidade Estadual de Montes Claros- Unimontes. maicomdelchoff@gmail.com

Leia mais

Geyso D. Germinari Universidade Estadual do Centro-Oeste

Geyso D. Germinari Universidade Estadual do Centro-Oeste O ENSINO DE HISTÓRIA LOCAL E A FORMAÇÃO DA CONSCIÊNCIA HISTÓRICA DE ALUNOS DO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM A UNIDADE TEMÁTICA INVESTIGATIVA Geyso D. Germinari Universidade Estadual

Leia mais

ARTES CÊNICAS TEATRO DANÇA CIRCO ÓPERA PROPOSTAS À POLÍTICA CULTURAL E AO PLANO DE AÇÃO DIRIGIDAS AOS CANDIDATOS AO GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ

ARTES CÊNICAS TEATRO DANÇA CIRCO ÓPERA PROPOSTAS À POLÍTICA CULTURAL E AO PLANO DE AÇÃO DIRIGIDAS AOS CANDIDATOS AO GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ ARTES CÊNICAS TEATRO DANÇA CIRCO ÓPERA PROPOSTAS À POLÍTICA CULTURAL E AO PLANO DE AÇÃO DIRIGIDAS AOS CANDIDATOS AO GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ Agosto de 2006-01- ARTES CÊNICAS TEATRO DANÇA CIRCO - ÓPERA

Leia mais

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a GRADE CURRICULAR DO MESTRADO EM LETRAS: LINGUAGEM E SOCIEDADE DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS 34 CRÉDITOS Teorias da Linguagem (60h/a 04 Teorias Sociológicas (60h/a 04 Metodologia da Pesquisa em Linguagem (30h/a

Leia mais

SOBRE O DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES ARTÍSTICAS, CIENTÍFICAS E CULTURAIS NO PROCESSO DA 3ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE JUVENTUDE

SOBRE O DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES ARTÍSTICAS, CIENTÍFICAS E CULTURAIS NO PROCESSO DA 3ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE JUVENTUDE RESOLUÇÃO 08/2015, DA COMISSÃO ORGANIZADORA NACIONAL A Comissão Organizadora da 3ª Conferência Nacional de Juventude, no uso de suas atribuições regimentais, em conformidade com o artigo 6º, objetivo específico

Leia mais

LINGUAGENS ARTÍSTICAS E LÚDICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL.

LINGUAGENS ARTÍSTICAS E LÚDICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. LINGUAGENS ARTÍSTICAS E LÚDICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. ANA PAULA CORDEIRO ARTE ARTE? O QUE É? QUAL SUA NECESSIDADE? QUAL SUA FUNÇÃO? ARTE: O QUE É? ARTE Uma forma de criação de linguagens- a linguagem visual,

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO

VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO Juliana Ponqueli Contó (PIBIC/Fundação Araucária - UENP), Jean Carlos Moreno (Orientador),

Leia mais

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s)

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) Kálita Tavares da SILVA 1 ; Estevane de Paula Pontes MENDES

Leia mais

Culturas juvenis, escola e comunidade: mapeando as práticas musicais

Culturas juvenis, escola e comunidade: mapeando as práticas musicais Culturas juvenis, escola e comunidade: mapeando as práticas musicais André Lodeiro Castanheira andre_castanha@hotmail.com Magali Oliveira Kleber magali.kleber@gmail.com Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX

O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX Ricardo Barros Aluno do curso de Pós graduação (mestrado) da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo Sendo as coisas que pensamos

Leia mais

AS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS E O INCENTIVO À LEITURA E CRIAÇÃO TEXTUAL

AS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS E O INCENTIVO À LEITURA E CRIAÇÃO TEXTUAL 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS E O INCENTIVO À LEITURA E CRIAÇÃO

Leia mais

A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1

A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1 A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1 Daiana Marques Sobrosa 2 1. Introdução Em 26 de março de 1991, Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai assinaram o Tratado de Assunção

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM.

COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM. COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM. PLANO DE TRABALHO DOCENTE - 2012 Professora: Ana Claudia Martins Ribas Disciplina: História - 8º ano -Fundamental 1º BIMESTRE Conteúdos Básicos: -Povos, Movimentos e

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR:

ESTRUTURA CURRICULAR: ESTRUTURA CURRICULAR: Definição dos Componentes Curriculares Os componentes curriculares do Eixo 1 Conhecimentos Científico-culturais articula conhecimentos específicos da área de história que norteiam

Leia mais

Localização de Curitiba no Brasil - W 25 25' 47" / S 49 16' 19" 0

Localização de Curitiba no Brasil - W 25 25' 47 / S 49 16' 19 0 Município de Curitiba "Cidade Modelo" "Cidade Ecológica do Brasil" "Capital das Araucárias" Aniversário: 29 de março Fundação: 29 de março de 1693 (320 anos) Emancipação: 29 de março de 1693 Gentílico:

Leia mais

EDUCAR PARA UM FUTURO SUSTENTÁVEL: UM ESTUDO ENVOLVENDO PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA

EDUCAR PARA UM FUTURO SUSTENTÁVEL: UM ESTUDO ENVOLVENDO PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA EDUCAR PARA UM FUTURO SUSTENTÁVEL: UM ESTUDO ENVOLVENDO PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA 1 DEUS, Josiani Camargo & 1 AMARAL, Anelize Queiroz 1 Universidade Estadual do Oeste do Paraná/Unioeste RESUMO Nos

Leia mais

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS Aluno: Lucas Boscacci Pereira Lima da Silva Orientadora: Solange Jobim e Souza Introdução Câmera como Instrumento

Leia mais

Novas estratégias no ensino de geografia para vestibulandos

Novas estratégias no ensino de geografia para vestibulandos Novas estratégias no ensino de geografia para vestibulandos Renata de Souza Ribeiro (UERJ/FFP) Thiago Jeremias Baptista (UERJ/FFP) Eixo: Fazendo escola com múltiplas linguagens Resumo Este texto relata

Leia mais

PAISAGEM URBANA A IDENTIDADE CULTURAL E SOCIAL LAPEANA, ATRAVÉS DO PATRIMÔNIO EDIFICADO DA CIDADE DA LAPA

PAISAGEM URBANA A IDENTIDADE CULTURAL E SOCIAL LAPEANA, ATRAVÉS DO PATRIMÔNIO EDIFICADO DA CIDADE DA LAPA PAISAGEM URBANA A IDENTIDADE CULTURAL E SOCIAL LAPEANA, ATRAVÉS DO PATRIMÔNIO EDIFICADO DA CIDADE DA LAPA Karin Comerlatto da Rosa kcomerlattodarosa@yahoo.com.br Resumo: A história da Lapa está presente

Leia mais

Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves

Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves TEMA : BRINCANDO E APRENDENDO NA ESCOLA Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves Autora: Prof a Cássia de Fátima da S. Souza PÚBLICO ALVO Alunos de 04 anos TEMA: BRINCANDO E

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca deirantes de ontem, mas dos homens

Leia mais

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias C/H Memória Social 45 Cultura 45 Seminários de Pesquisa 45 Oficinas de Produção e Gestão Cultural 45 Orientação

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA Fundamentos teóricos da disciplina PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA O ensino da Geografia leva o educando a perceber que as relações sociais e as relações do homem com a natureza estão projetadas

Leia mais

FONTES PRIMÁRIAS SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: BOLETINS E CIRCULARES DO APOSTOLADO POSITIVISTA (1881-1927) APRESENTAÇÃO

FONTES PRIMÁRIAS SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: BOLETINS E CIRCULARES DO APOSTOLADO POSITIVISTA (1881-1927) APRESENTAÇÃO FONTES PRIMÁRIAS SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: BOLETINS E CIRCULARES DO APOSTOLADO POSITIVISTA (1881-1927) APRESENTAÇÃO João Carlos da Silva 1 A produção da IPB reúne uma farta publicação de

Leia mais

LUÍS REIS TORGAL. SUB Hamburg A/522454 ESTADO NOVO. Ensaios de História Política e Cultural [ 2. IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA

LUÍS REIS TORGAL. SUB Hamburg A/522454 ESTADO NOVO. Ensaios de História Política e Cultural [ 2. IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA LUÍS REIS TORGAL SUB Hamburg A/522454 ESTADOS NOVOS ESTADO NOVO Ensaios de História Política e Cultural [ 2. a E D I Ç Ã O R E V I S T A ] I u IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA 2 0 0 9 ' C O I M B R

Leia mais

Fotoclube do Paraná: apontamentos para a construção de um regime de visualidade fotográfica 1

Fotoclube do Paraná: apontamentos para a construção de um regime de visualidade fotográfica 1 Fotoclube do Paraná: apontamentos para a construção de um regime de visualidade fotográfica 1 Éverly PEGORARO Jornalista, professora do Departamento de Comunicação Social da Unicentro, mestre em História

Leia mais

ABRINDO ESPAÇOS PARA A FORMAÇÃO DE EDUCADORES AMBIENTAIS NUMA ABORDAGEM TRANSDISCIPLINAR

ABRINDO ESPAÇOS PARA A FORMAÇÃO DE EDUCADORES AMBIENTAIS NUMA ABORDAGEM TRANSDISCIPLINAR ABRINDO ESPAÇOS PARA A FORMAÇÃO DE EDUCADORES AMBIENTAIS NUMA ABORDAGEM TRANSDISCIPLINAR Autora: Lívia Costa de ANDRADE- liviacandrade@uol.com.br Orientadora: Sandra de Fátima OLIVEIRA sanfaoli@gmail.com.br

Leia mais

PROJETO ANIMAIS. 1. Tema: O mundo dos animais. Área de abrangência: 2. Duração: 01/06 a 30/06. 3. Apresentação do projeto:

PROJETO ANIMAIS. 1. Tema: O mundo dos animais. Área de abrangência: 2. Duração: 01/06 a 30/06. 3. Apresentação do projeto: PROJETO ANIMAIS 1. Tema: O mundo dos animais Área de abrangência: (x) Movimento (x) Musicalização (x) Artes Visuais (x) Linguagem Oral e Escrita (x) Natureza e Sociedade (x) Matemática 2. Duração: 01/06

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UM DESAFIO AO ENSINO DE HISTÓRIA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UM DESAFIO AO ENSINO DE HISTÓRIA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UM DESAFIO AO ENSINO DE HISTÓRIA Fabricia Evellyn Araújo Medeiros 1 Email: fabriciaevellyn3@gmail.com Amelia Neta Diniz de Oliveira 2 Email: ameliadiniz.uepb.@gmail.com Daniela Santos

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O TRABALHO DO TUTOR COMO MEDIADOR DO CONHECIMENTO SOEK, Ana Maria (asoek@bol.com.br) Universidade Federal do Paraná (UFPR) - Brasil HARACEMIV,

Leia mais

Contacto Associação Cultural. Assinam o Documento1.Dança/Pr - Secretaria de Estado da Cultura do Paraná fevereiro 2011: Fórum de Dança de Curitiba

Contacto Associação Cultural. Assinam o Documento1.Dança/Pr - Secretaria de Estado da Cultura do Paraná fevereiro 2011: Fórum de Dança de Curitiba 1 A/C Secretário de Estado da Cultura do Paraná Sr. Paulino Viapiana Data: 02/02/2011 Documento1.Dança/Pr De: Artistas, Produtores, Gestores Culturais, Instituições, Organizações e Representações Civis

Leia mais

ARQUITETURA PARAIBANA NA PRIMEIRA DÉCADA DO SÉCULO XXI

ARQUITETURA PARAIBANA NA PRIMEIRA DÉCADA DO SÉCULO XXI ARQUITETURA PARAIBANA NA PRIMEIRA DÉCADA DO SÉCULO XXI Autoria: Manoel Brito de Farias Segundo (orientador) Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas (FACISA) Caio Méssala da Silva Faustino - Faculdade de

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 PORTAL DO FÓRUM GOIANO DE EJA: INTERAÇÃO SOCIAL E EDUCAÇÃO EM AMBIENTE VIRTUAL Danielly Cardoso da Silva Karla Murielly Lôpo Leite Maria Emília de Castro Rodrigues O presente texto tem por objetivo apresentar

Leia mais

Trabalhos Premiados em 2001 ACRE Trabalho: Conhecendo nossa Floresta Resenha da Experiência ALAGOAS Trabalho: Projeto Dentes Resenha da Experiência

Trabalhos Premiados em 2001 ACRE Trabalho: Conhecendo nossa Floresta Resenha da Experiência ALAGOAS Trabalho: Projeto Dentes Resenha da Experiência Trabalhos Premiados em 2001 ACRE Trabalho: Conhecendo nossa Floresta - Faixa etária das crianças: 6 anos - Grau de escolaridade de professor: Nível Médio Magistério - Contexto sócio-cultural em que foi

Leia mais

UMA EXPERIÊNCIA EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO CONTEXTO DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CURITIBA

UMA EXPERIÊNCIA EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO CONTEXTO DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CURITIBA UMA EXPERIÊNCIA EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO CONTEXTO DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CURITIBA XAVIER, Cristine Roberta Piassetta - PUCPR crisroxavier@yahoo.com.br CARTAXO,Simone Regina Manosso PUCPR simonemcartaxo@hotmail.com

Leia mais

PROJETO CINEMEMÓRIA 2. OBJETIVOS GERAIS

PROJETO CINEMEMÓRIA 2. OBJETIVOS GERAIS PROJETO CINEMEMÓRIA 1. JUSTIFICATIVA A História e a Memória da Educação no Estado do Paraná estãocontidos nos documentos impressos, nos objetos, mobiliários, equipamentos, recursos da aprendizagem, na

Leia mais

Manifestações da cultura no corpo através do eixo Inventário no Corpo do BPI

Manifestações da cultura no corpo através do eixo Inventário no Corpo do BPI Manifestações da cultura no corpo através do eixo Inventário no Corpo do BPI Ana Carolina Lopes Melchert Unicamp Mestre Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Artes do IA-Unicamp Docente do Curso de

Leia mais

Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade

Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade Leonardo César PEREIRA 1 ; Revalino Antonio FREITAS (orientador) Palavras-chave: trabalho, migração, fronteira,

Leia mais

Acadêmicos: Erick Carbone Gabriel Gonçalves

Acadêmicos: Erick Carbone Gabriel Gonçalves Acadêmicos: Erick Carbone Gabriel Gonçalves História da Arquitetura 2008 O Concurso O Grand Palais começou a ser construído em 1897 para abrigar a Exposição Universal de 1900, envolvendo um complexo processo

Leia mais

A ARQUITETURA. Professor H. Oliveira

A ARQUITETURA. Professor H. Oliveira A ARQUITETURA Professor H. Oliveira Quando os primeiros colonizadores portugueses fortificaram o litoral brasileiro e as ordens religiosas construíram os conventos e as igrejas, a arquitetura figurou como

Leia mais

CIDADANIA CULTURAL: uma experiência interdisciplinar na Educação de Jovens e Adultos do SESC Santo Amaro

CIDADANIA CULTURAL: uma experiência interdisciplinar na Educação de Jovens e Adultos do SESC Santo Amaro CIDADANIA CULTURAL: uma experiência interdisciplinar na Educação de Jovens e Adultos do SESC Santo Amaro Cláudia Mendes de Abreu Furtado e Rodrigo Cunha Santos, Serviço Social do Comércio SESC PE, Professora

Leia mais

CURSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E PESQUISA NO ENSINO MÉDIO: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

CURSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E PESQUISA NO ENSINO MÉDIO: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA CURSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E PESQUISA NO ENSINO MÉDIO: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA FAUSTINO, Aline de Lima¹ UEPB. NASCIMENTO, Nilton Ronni Cândido do² UEPB. SILVEIRA, Alessandro Frederico da³ UEPB. Resumo

Leia mais

A ditadura civil-militar brasileira através das artes: uma experiência com alunos do ensino médio no Colégio de Aplicação

A ditadura civil-militar brasileira através das artes: uma experiência com alunos do ensino médio no Colégio de Aplicação A ditadura civil-militar brasileira através das artes: uma experiência com alunos do ensino médio no Colégio de Aplicação Beatrice Rossotti rossottibeatrice@gmail.com Instituto de História, 9º período

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

CENTRO POPULAR DE CULTURA DO PARANÁ (1959-1964): ENCONTROS E DESENCONTROS ENTRE ARTE, EDUCAÇÃO E POLÍTICA. Resumo

CENTRO POPULAR DE CULTURA DO PARANÁ (1959-1964): ENCONTROS E DESENCONTROS ENTRE ARTE, EDUCAÇÃO E POLÍTICA. Resumo CENTRO POPULAR DE CULTURA DO PARANÁ (1959-1964): ENCONTROS E DESENCONTROS ENTRE ARTE, EDUCAÇÃO E POLÍTICA Ana Carolina Caldas Mestra em História de Educação UFPR Resumo Este artigo é parte da dissertação

Leia mais

OS DOMÍNIOS DA MEMÓRIA: O CULTO CONTEMPORÂNEO AO PATRIMÔNIO

OS DOMÍNIOS DA MEMÓRIA: O CULTO CONTEMPORÂNEO AO PATRIMÔNIO CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X OS DOMÍNIOS DA MEMÓRIA: O CULTO CONTEMPORÂNEO AO PATRIMÔNIO

Leia mais

O ACERVO DO GEEMPA COMO FONTE PARA A ESCRITA DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA EM PORTO ALEGRE, AO TEMPO DA MATEMÁTICA MODERNA

O ACERVO DO GEEMPA COMO FONTE PARA A ESCRITA DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA EM PORTO ALEGRE, AO TEMPO DA MATEMÁTICA MODERNA O ACERVO DO GEEMPA COMO FONTE PARA A ESCRITA DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA EM PORTO ALEGRE, AO TEMPO DA MATEMÁTICA MODERNA Maria Cecilia Bueno Fischer 1 Fabiane Carpes 2 Resumo A pesquisa que apresentamos,

Leia mais

Palavras-chave: Mediação Cultural; Autonomia; Diversidade.

Palavras-chave: Mediação Cultural; Autonomia; Diversidade. Um olhar sobre a diversidade dos educativos da Fundaj 1 Maria Clara Martins Rocha Unesco / MG Maria José Gonçalves Fundaj / PE RESUMO Os programas educativos nos diferentes equipamentos culturais da Fundação

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

PROJETO: REPENSANDO A (IN)DISCIPLINA

PROJETO: REPENSANDO A (IN)DISCIPLINA COLÉGIO TIRADENTES DA PMMG- BARBACENA PROJETO: REPENSANDO A (IN)DISCIPLINA JUSTIFICATIVA Percebendo que a indisciplina escolar é o problema que mais afeta o bom andamento dos alunos iremos trabalhar com

Leia mais

A MODERNIDADE ESQUECIDA: Marcelo Saldanha Sutil 1. dossiê ART DÉCO

A MODERNIDADE ESQUECIDA: Marcelo Saldanha Sutil 1. dossiê ART DÉCO dossiê ART DÉCO A MODERNIDADE ESQUECIDA: O art déco em Curitiba Marcelo Saldanha Sutil 1 Modernidade era a palavra de ordem para aqueles que viveram as décadas de 20 e 30 do século passado. Sozinho, o

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: COMUNICAÇÃO SOCIAL BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR PUBLICIDADE E PROPAGANDA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE CRIANÇA E INFÂNCIA NA PESQUISA E NA EXTENSÃO DO NUREGS/UEPG 1

ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE CRIANÇA E INFÂNCIA NA PESQUISA E NA EXTENSÃO DO NUREGS/UEPG 1 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( X) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ALGUMAS REFLEXÕES

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE O PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA - 2008

ORIENTAÇÕES SOBRE O PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA - 2008 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE POLÍTICAS E PROGRAMAS EDUCACIONAIS PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL Orientação nº 02/2008 PDE/SEED Curitiba, 27 de maio

Leia mais

CASTRIOTA, L.B. Patrimônio Cultural. Conceitos, políticas, instrumentos. São Paulo: Annablume; Belo Horizonte: IEDS, 2009.

CASTRIOTA, L.B. Patrimônio Cultural. Conceitos, políticas, instrumentos. São Paulo: Annablume; Belo Horizonte: IEDS, 2009. INVENTÁRIO DE BENS CULTURAIS DE RIBEIRÃO PRETO SP Henrique Telles Vichnewski 1 Lílian Rodrigues de O. Rosa 2 Nainôra Maria B. de Freitas 3 O Inventário de Bens Culturais de Ribeirão Preto faz parte do

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA PLANO DE ENSINO 2011-1 DISCIPLINA: Arte e Educação - JP0029 PROFESSOR: Ms. Clóvis Da Rolt I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Carga Horária Teórica: 60h Carga Horária Prática: 15h II EMENTA A disciplina de Arte e

Leia mais

Curso: Serviço Social

Curso: Serviço Social PLANO DE DISCIPLINA Curso: Serviço Social Coordenação: Naiara Magalhães Professor : Manoel Jaime Filho Disciplina: História da Formação Social e Econômica do Brasil Período: 1º Semestre/2014 Carga Horária:

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO Secretaria de Estado da Educação Estado do Paraná Núcleo Regional de Educação de União da Vitória COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio Rua Presidente Kennedy, 200 Fone: (42) 3552

Leia mais

O ENSINO DA ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL

O ENSINO DA ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL O ENSINO DA ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL Historicamente, o ensino da administração no Brasil passou por dois momentos marcados pelos currículos mínimos aprovados em 1966 e 1993, culminando com a apresentação

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80 Disciplina: Metodologia Científica SERVIÇO SOCIAL Ementa: Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia Número âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O conhecimento e suas formas.

Leia mais

O processo de planejamento participativo da unidade escolar

O processo de planejamento participativo da unidade escolar O processo de planejamento participativo da unidade escolar Pedro GANZELI 1 Resumo: Nos últimos anos, com o avanço das políticas educacionais que postulam a descentralização, a gestão da unidade escolar

Leia mais

LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO

LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO Este trabalho aborda a conclusão de uma pesquisa que tinha por

Leia mais

MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL

MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL APROVO Em conformidade com as Port. 38-DECEx, 12ABR11 e Port 137- Cmdo Ex, 28FEV12 MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL

Leia mais

MERCADO MUNICIPAL PATRIMÔNIO HISTÓRICO DE UBERLÂNDIA

MERCADO MUNICIPAL PATRIMÔNIO HISTÓRICO DE UBERLÂNDIA MERCADO MUNICIPAL PATRIMÔNIO HISTÓRICO DE UBERLÂNDIA Soraia Cristina Cardoso Lelis soraia@aromata.com.br Escola de Educação Básica da UFU Relato de Experiência Palavras-chave: Patrimônio Histórico, Artes

Leia mais

O lazer, a educação e o Programa Segundo Tempo. Victor Melo, Angela Brêtas, Monica Monteiro

O lazer, a educação e o Programa Segundo Tempo. Victor Melo, Angela Brêtas, Monica Monteiro O lazer, a educação e o Programa Segundo Tempo Victor Melo, Angela Brêtas, Monica Monteiro Universidade Federal do Rio de Janeiro O que é lazer? Quando atuamos no âmbito do lazer podemos destacar dois

Leia mais

VIVENCIANDO MÚLTIPLAS LINGUAGENS NA BIBLIOTECA ESCOLAR: EXPERIÊNCIA DO PIBID/UEMS/PEDAGOGIA

VIVENCIANDO MÚLTIPLAS LINGUAGENS NA BIBLIOTECA ESCOLAR: EXPERIÊNCIA DO PIBID/UEMS/PEDAGOGIA VIVENCIANDO MÚLTIPLAS LINGUAGENS NA BIBLIOTECA ESCOLAR: EXPERIÊNCIA DO PIBID/UEMS/PEDAGOGIA Gabriela Arcas de Oliveira¹; Joice Gomes de Souza²; Giana Amaral Yamin³. UEMS- CEP, 79804970- Dourados-MS, ¹Bolsista

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social A PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS - APAE DE PALMEIRA

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social A PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS - APAE DE PALMEIRA VIII Jornada de Estágio de Serviço Social A PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS - APAE DE PALMEIRA Apresentador: Mayara Lucia Martins. MARTINS, Mayara

Leia mais

PRAÇA DA REPÚBLICA jardim público

PRAÇA DA REPÚBLICA jardim público PRAÇA DA REPÚBLICA jardim público Com o objetivo de celebrar e promover as flores, os jardins e espaços verdes, a produção e o comércio locais de flores, assim como as tradições e festividades associadas

Leia mais

O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1

O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1 O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1 Resumo: O presente Artigo busca abordar a pretensão dos museus de cumprir uma função social e a emergência

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM GEOGRAFIA: O USO DA CHARGE COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE PARA AS NECESSIDADES ATUAIS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM GEOGRAFIA: O USO DA CHARGE COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE PARA AS NECESSIDADES ATUAIS EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM GEOGRAFIA: O USO DA CHARGE COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE PARA AS NECESSIDADES ATUAIS Kaio Santos Diniz Graduado em Geografia pela Universidade Estadual da Paraiba, professor da disciplina

Leia mais

CHÂTELET, A.-M. La naissance de l architecture scolaire. Lês écoles élémentaires parisiennes de 1870-1914. Paris: Honoré Champion, 1999.

CHÂTELET, A.-M. La naissance de l architecture scolaire. Lês écoles élémentaires parisiennes de 1870-1914. Paris: Honoré Champion, 1999. CHÂTELET, A.-M. La naissance de l architecture scolaire. Lês écoles élémentaires parisiennes de 1870-1914. Paris: Honoré Champion, 1999. Ana Paula Pupo Correia* O livro de Anne-Marie Châtelet, 1 O nascimento

Leia mais

LISTA DE PONTOS CAMPO DAS HUMANIDADES: SABERES E PRÁTICAS

LISTA DE PONTOS CAMPO DAS HUMANIDADES: SABERES E PRÁTICAS LISTA DE PONTOS CAMPO DAS HUMANIDADES: SABERES E PRÁTICAS 1. As humanidades e suas repercussões sobre o pluralismo cultural 2. Humanidades e ciências: o debate transcultural em contextos plurais 3. Pedagogias

Leia mais

ESTADO DA ARTE SOBRE FORMAÇÃO DE OFICIAIS POLICIAIS MILITARES NO BRASIL (2003-2014)

ESTADO DA ARTE SOBRE FORMAÇÃO DE OFICIAIS POLICIAIS MILITARES NO BRASIL (2003-2014) ESTADO DA ARTE SOBRE FORMAÇÃO DE OFICIAIS POLICIAIS MILITARES NO BRASIL (2003-2014) MAINARDI, DIVA MARIA DE OLIVEIRA História e Filosofia da Educação Doutoranda Orientador: Prof. Dr. Cesar Romero Amaral

Leia mais

A CENTRALIDADE CRIADA PELO COMÉRCIO ATACADISTA DE CIANORTE - MUDANÇAS NO PERÍODO 2011/2013

A CENTRALIDADE CRIADA PELO COMÉRCIO ATACADISTA DE CIANORTE - MUDANÇAS NO PERÍODO 2011/2013 1 A CENTRALIDADE CRIADA PELO COMÉRCIO ATACADISTA DE CIANORTE - MUDANÇAS NO PERÍODO 2011/2013 INTRODUÇÃO Karina Biasi Pina Acadêmica - Geografia - UNESPAR/Fafipa karinabiasi@hotmail.com Gilmar Aparecido

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 DO ACONTECIMENTO

Leia mais

NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA

NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA Juliana de Oliveira Meirelles Camargo Universidade Candido Mendes/ Instituto Prominas e-mail: Ju_meirelles@yahoo.com.br Léa Mattosinho

Leia mais