A BUSCA DE UMA IDENTIDADE COLETIVA PARANAENSE NAS OBRAS DA COMEMORAÇÃO DO CENTENÁRIO DA EMANCIPAÇÃO DO PARANÁ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A BUSCA DE UMA IDENTIDADE COLETIVA PARANAENSE NAS OBRAS DA COMEMORAÇÃO DO CENTENÁRIO DA EMANCIPAÇÃO DO PARANÁ"

Transcrição

1 DOI: /4cih.pphuem.715 A BUSCA DE UMA IDENTIDADE COLETIVA PARANAENSE NAS OBRAS DA COMEMORAÇÃO DO CENTENÁRIO DA EMANCIPAÇÃO DO PARANÁ Sandra Regina Franchi Rubim (PPE-UEM) Rosana Steinke (DHI-UEM) Estabelecer contato com produções de épocas passadas e presente, observando e identificando informações nas mais diversas formas de linguagem, que nos são apresentadas por meio de diferentes fontes amplia o olhar do historiador, questiona as fronteiras disciplinares, articulando os saberes e buscando a inteligibilidade dos fatos (FONSECA, 2006). Durante muito tempo, debateu-se na História, em diversas escolas teóricas, principalmente a Escola de Annales, a preocupação com a definição do documento histórico, quais suas interligações com a realidade e com o conhecimento histórico que ele proporciona, muitas das questões questionando o fato de sermos herdeiros de uma tradição textual e partidária do entendimento de que, em Ciências Humanas, a pesquisa se faz com textos (PELEGRINI; ZANIRATO, 2005). Tanto a História como a Sociologia compartilharam durante longo tempo da valorização do documento escrito em detrimento do documento nãoescrito ou não-verbal. No entanto, a história da arte, a cultura e suas representações, constituem atualmente um vasto campo de investigação Hoje é possível conceber a arte e aos objetos artísticos um papel relevante como documento histórico como testemunhos das formas da sensibilidade coletiva. A imagem integra diferentes universos simbólicos, num sistema discursivo global que evidencia existências e identidades políticas e culturais. Numa interpretação, valores culturais são disseminados e estruturas sociais ganham vida a partir de espaços, movimentos, olhares, silêncios e vozes que interagem (MARTINS, 2007). Podemos afirmar, todavia, que os símbolos e mitos, pela sua linguagem menos codificada, tornam-se elementos significativos na construção de justificativas, na projeção de interesses e objetivos coletivos, na criação de necessidades e na modelagem de valores e condutas. Nesse sentido, entendemos que, para investigarmos a estrutura social em diferentes momentos, precisamos entender, também, o imaginário presente nesse contexto. Os símbolos e mitos, na medida em que encontrem um terreno social e cultural no qual se alimentam, criam raízes, se consolidam no imaginário. E

2 4046 quando esse imaginário é alcançado com êxito, por meio dessa educação informal, podem também, plasmar visões de mundo e modelar condutas nesse social (CARVALHO, 1990). Segundo Martins (2007), as imagens, como produto social e histórico, traduzem noções, crenças e valores, registram informações culturais e práticas de diferentes períodos. Elas influenciam a formação -identidade- do sujeito articulando representações visuais derivadas de visões e versões de mundo que estão presentes em modelos sociais vigentes em numa determinada época ou cultura. Desta forma, subjetividade e identidade caminham juntas e constituem a consciência de ser sujeito, com um processo dinâmico e múltiplo. As imagens são tratadas como espaço de interação com os indivíduos, criando possibilidades de diálogo e interpretação. Contudo, torna-se importante salientar que tal estrutura simbólica, enquanto elemento de dominação social, também pode ser vista como uma forma de conduzir a ação dos homens conforme uma intenção explícita. O documento não é um registro neutro do passado, o documento não é inócuo e sim, antes de tudo, o resultado de uma montagem, consciente ou inconsciente, da história, da época, da sociedade que o produziu (LE GOFF: 1989, p. 103). Portanto, os documentos são sempre produtos da sociedade que os forjou, expressando, assim, as relações sociais dos homens, desse momento histórico. A produção de imagens e idéias, valendo-se da arte e da literatura, entre outras formas de expressão, forma um imaginário social, um conjunto de representações sobre a sociedade. A partir de tais pressupostos, interessa aqui discutir o imaginário social veiculado na comemoração do Centenário da Emancipação do Paraná e o papel da arte e da arquitetura, nesse contexto, reforçado no momento de redefinição de uma identidade coletiva paranaense. Dentro desse cenário, que define a capital como palco privilegiado para a instalação dos símbolos do progresso, da modernidade e da identidade da sociedade paranaense, será apresentada e discutida a produção paranista de Napoleon Potyguara Lazzarotto, um dos líderes da Integração Nacional do Paraná e, tangencialmente, a arquitetura moderna representada por Rubens Meister e outros. Tal temática, eleita enquanto objeto de estudo, foi idealizada a partir dos estudos realizados no Programa de Desenvolvimento Educacional (PDE) do Governo do Estado do Paraná que se iniciou no ano de 2007, buscando contribuir na produção de material didático sobre a História do Paraná no Ensino Fundamental e Médio das Escolas Públicas. O presente objeto de estudo teve como produto de sua reflexão uma proposta didática, através da criação de textos de apoio e de um CD Room para ser utilizado pelos professores da rede pública paranaense. Essa proposta de intervenção pedagógica aconteceu no período de março a julho

3 4047 do ano de 2008, por meio de reuniões de estudo durante a disponibilidade dos professores de História, Geografia e Arte. Nessas reuniões, por disciplinas, foi disponibilizada a aula temática para uma leitura prévia, bem como alguns subsídios teóricos utilizados para o desenvolvimento do objeto de estudo do material didático. Após a apreciação e a revisão do material houve a socialização, a exploração e o enriquecimento do mesmo em sala de aula, em turmas de 6ª e 7ª séries do Ensino fundamental, com a mediação do professor. Posteriormente foi realizado um Tour City em Maringá visitando os monumentos históricos e os painéis de Poty Lazzarotto. A aula temática intitulada Memória e Iconografia na Construção de uma Identidade Coletiva Paranaense, que em grande parte está presente nesse artigo, tem como objetivo fundamentar as discussões dos professores sobre a identificação de imagens como um documento portador de autonomia, com significação social, despertando a sensibilidade estética e possibilitando uma discussão sobre a influência das figuras imagéticas na formação de idéias e valores. Sintetizando, a proposta de intervenção na escola objetiva oportunizar os professores de História, novos materiais para a pesquisa e aguçar uma discussão da possibilidade das abordagens dos conteúdos de História, propostas a partir da fundamentação teóricometodológica que norteiam as Diretrizes Curriculares para a Educação Básica, da SEED. O Movimento Paranista consolidou-se nas décadas de 1920 e 1930, nas quais se buscava a construção de uma identidade que se identificasse com o novo regime, a República, a idéia de um Estado, com identidade própria e não apenas o caminho de passagem entre São Paulo e Rio Grande do Sul. Esse movimento valorizava alguns elementos constituintes da identidade paranaense: o clima, a terra e o homem do Paraná. Nesse período, intelectuais, dentre eles historiadores, poetas e artistas plásticos produziram idéias coletivas de identidade regional, impregnadas de imagens de progresso e de desenvolvimento social, criando padrões de comportamento para a sociedade da época, estruturando princípios para a formação do bom paranista, o paranaense do futuro, procurando sensibiliar, assim, os corações dos paranaenses à causa paranista. Representações de grupos étnicos, o pinheiro, a pinha, a mate, a paisagem, eram as temáticas das manifestações artísticas, que ganhavam as ruas de Curitiba, que, também, construía sua imagem como uma cidade especial, se misturando com o imaginário popular por meio de comemorações cívicas, regional ou nacional (PEREIRA, 1998). O Paranismo, a partir da década de 40 perdeu forças, pois, o governo centralizador de Getúlio Vargas, não via com bons olhos o regionalismo. Com a propagação cultural, o

4 4048 interesse pelo conhecimento científico e artístico e o aumento de publicações em revistas, jornais, almanaques etc., nas primeiras décadas do século XX, foi se delineando um novo Paraná, um novo perfil do homem paranaense, uma nova forma de identidade, dentro do discurso da modernidade (TRINDADE; ANDREAZZA, 2001). Os anos 1930 e a presença de Vargas, na presidência da República, inauguraram, para todo o Brasil, um período de centralização e nacionalização que tentava controlar a influência das forças regionais. Economicamente, a industrialização era o alvo a ser perseguido para se chegar ao desenvolvimento, opondo-se à atividade agro-exportadora, como base da economia brasileira. Nesse período, a economia paranaense ainda se baseava na extração da erva-mate e madeira, com crescente comércio interno e externo; em marcha para o oeste, como um grande desbravador, apontava o café. Essa prosperidade, com raízes na economia paulista, organizouse a partir dos excedentes de um sistema de produção adaptável aos férteis terrenos paranaenses, da construção de uma rede de estradas de ferro que ampliou as fronteiras de ocupação e da organização das companhias particulares que exploraram a colonização da região (TRINDADE; ANDREAZZA, 2001). Motivado pelo surto de progresso e pelo novo papel que o estado do Paraná estava conquistando na economia nacional, o discurso de modernidade se materializava nas ações do governo, a partir de l940. Neste período, Manoel Ribas, interventor (l e ) e governador ( ), ficou conhecido como o formulador de uma política econômica e social de modernização do Paraná. Sua política teve continuidade nos governos de seus sucessores Moysés Lupion e Bento Munhoz da Rocha Netto. Nesse momento, as políticas públicas do Estado voltaram-se, cada vez mais, para a noção de um governo científico e racional, quer na construção de uma praça, quer na manutenção de um espaço de poder (IPARDES, l989). Bento Munhoz da Rocha Netto ( ) e Moysés Lupion ( ), ainda que opositores, foram regentes de um espetáculo do progresso nos anos 50. A ampliação do mosaico cultural, em função da expansão do sistema de comunicação, deslocando camponeses imigrantes, mineiros, paulistas em direção ao Norte do Paraná, levou ao projeto dos governos estaduais, na primeira metade do século XX, a construção de uma identidade paranaense: o Estado clama a necessidade de criar a consciência da unidade, da organização dos meios de produção e transformação, adquirindo maturidade política necessária nas relações com o resto do país. Para que o Paraná conquiste respeito que lhe é devido no

5 4049 contexto nacional, a integração deve ser a palavra de ordem (ROLLO GONÇALVES, l998). Munhoz da Rocha sempre acreditou no futuro do Paraná, principalmente com o avanço do café, o nosso ouro verde. Era necessário divulgar e promover o Paraná como terra das oportunidades presentes e futuras, para atrair investimentos de capital privado e técnicas das nações industrializadas. A propaganda romperia o imobilismo, anunciando o alvorecer de um Paraná Moderno. As riquezas naturais e o potencial econômico das cidades paranaenses eram enaltecidos. O progresso, também, dependia de uma política voltada à construção de estradas para escoamento agrícola e produzir energia elétrica para atrair indústrias. Munhoz da Rocha acreditava que, por meio de rodovias, ocorreria a integração física, psicológica e cultural dos três paranás: Paraná Tradicional, o Paraná do Norte e o Paraná do Oeste/Sudoeste. Preocupava-se em consolidar a imagem de um governo realizador (REBELO: 2005). Cabia ao Estado assegurar a prosperidade moral, cultural e política. Para garantir o cumprimento dessa função, durante o governo de Bento Munhoz, foi implementado, em 1953, uma política chamada de Código de Posturas e Obras do Município, apresentando um conjunto de normas morais e éticas voltadas ao projeto modernizante e para a construção de um espírito de urbanidade, com o intuito de levar a população a padrões de comportamento inspirado na civilidade norte-americana (TRINDADE; ANDREAZZA, 2001). Várias medidas foram tomadas para melhorar a saúde e saneamento público, assim como melhorar a estética urbana. Foi desenvolvido um programa de educação sanitária, objetivando a conquista de um padrão ideal de saúde pública. Era preciso erradicar a influência da medicina popular, substituindo-a pela científica: multiplicaram-se hospitais, ampliação dos serviços de saneamento básico, lançamento de grandes campanhas de vacinação e dedetização, entre outros (IPARDES, l989). O fluxo migratório trouxe consigo elementos e efeitos indesejáveis: desajustados sociais, mendigos, criminosos comuns, jogadores, prostitutas. Por isso, cabia ao Estado controlar os desajustados física ou moralmente e eliminar as infrações que comprometiam a ordem social e o surto do progresso. Essas preocupações levaram o governo a investir numa segurança planejada, racional e científica (TRINDADE; ANDREAZZA, 2001). O desenvolvimento econômico, a rápida urbanização e a ocupação de novas áreas são evidências apontadas pelo discurso da indiscutível nova era do Paraná, que se faz acompanhar de uma política de integração territorial, voltando-o ao centro administrativo.

6 4050 Durante o governo de Bento Munhoz Netto, foi lançado um programa sintetizado no slogan O Brasil marcou encontro no Paraná. Parte da dotação orçamentária, destinada à construção de estradas, foi orientada à construção de obras comemorativas ao Centenário de Emancipação Política do Paraná, sendo que, as principais obras foram a criação do Centro Cívico Estadual, as construções de um grande teatro, uma ampla biblioteca pública e a Praça Dezenove de dezembro, ícone do Centenário. Essas obras se colocavam como marcos das potencialidades locais, das ações modernizadoras do governo, que investe sobre a construção de um lugar de poder, no qual se tenta ratificar Curitiba como capital política, econômica, militar, estudantil e cultural do Estado. Os monumentos apresentavam-se como um dos aparatos mais eficientes para conservar na memória da coletividade, os cem anos do Paraná. Paralelamente, a essas obras, foram programados muitos eventos técnicos e científicos, tais como, jornadas, congressos e encontros nacionais e internacionais (IPARDES, l989). Nesse contexto, de realização dos eventos comemorativos do Centenário do Paraná, em 1953, o Governo Federal voltou-se para a realização de algumas obras formando, assim, um cenário apropriado para que novas versões do Paraná e do homem paranaense fossem veiculados. Também, as comemorações fortaleceram Curitiba como centro políticoadministrativo do Estado, onde a arquitetura moderna será a linguagem escolhida, pelo poder público, para materializar sua imagem de Estado moderno a partir da década de Munhoz da Rocha via, nesse evento, a oportunidade de consolidar a unidade paranaense. A preocupação do governo do Estado era associar as obras do centenário de emancipação do Paraná a um benefício para toda a população. Assim, percebemos que, espelhando-se em Juscelino Kubitschek, que remodelara Belo Horizonte, em 1944, Bento Munhoz idealizou as obras de modernização da capital do Paraná. Dentro desse cenário nacional, que define Curitiba como palco privilegiado para a instalação dos símbolos do progresso, da modernidade e da identidade da sociedade paranaense, criou-se um imaginário social, por meio de figuras imagéticas, como instrumento de legitimação dos interesses políticos da elite, tais como a produção paranista de Napoleon Potyguara Lazzarotto, o Poty, um dos líderes da Integração Nacional do Paraná, os escultores Erbo Stenzel e Humberto Cozzo e, também, a arquitetura moderna representada por Rubens Meister e outros (GONÇALVES, 2001). Para administrar as obras, que seriam inauguradas em 19 de dezembro de 1953, o governo criou, em 1951, a Comissão Especial de Obras do Centenário (CEOC). Foram previstas edições festivas de diversas publicações enfatizando estudos históricos, etnológicos, biográficos e geográficos sobre o Paraná. Em maio de 1952, a imprensa de Curitiba, divulgou

7 4051 o empréstimo de vinte milhões de cruzeiros, do governo federal, para serem investidos nas festividades do centenário (BAHLS, 2006). De acordo com Rebelo (2005), no Centro Cívico, seriam erguidas, as sedes dos três poderes e os prédios dos tribunais de contas e do Júri, idealizados por vários arquitetos, tais como, David Xavier Azambuja, Olavo Redig de campos, Sérgio Roberto Rodrigues, entre outros. O projeto da Praça Dezenove de Dezembro foi assinado pelos escultores, Erbo Stenzel e Humberto Cozzo. A praça é dominada por um obelisco de 40 metros de altura, ao seu lado foi erguida a estátua do homem nu (figura 1), com 8 metros de altura, representando o trabalhador paranaense, dando um passo para frente, rumo ao progresso; sendo este alvo de muitas críticas pelos curitibanos, de ordem morais e estéticas. No entanto, a polêmica maior ficou para o monumento da Mulher Nua, de 4 metros de altura, idealizada por Stenzel, como representação da Justiça, a qual foi escondida num pátio nos fundos do Palácio Iguaçu. Está só voltaria a ser colocada na Praça Dezenove de Dezembro no meio da década de (figura 1) Fonte: Acesso em 11dez No centro da praça foi instalado um painel de granito de baixo-relevo (figura 2), executado por Stenzel e Cozzo. O tema era, de um lado, a evolução social e industrial do Paraná, dividido em quatro partes, que representavam os sucessivos ciclos econômicos: índios, bandeirantes, tropeiros, trabalhadores da erva-mate e pinho, ouro, café etc. Na outra face, pintados em azulejos, por Poty, estão os vultos políticos e os ciclos históricos e econômicos paranaenses: descoberta do ouro; evangelização; bandeirantes desmatando florestas; povoamento de cidades; comércio dos tropeiros; índios descendo o rio em suas embarcações; lavradores e ação de líderes que iriam promover a emancipação política do estado, (figura 3).

8 4052 (figura 2) Fonte: Acesso em 11dez (figura 3) Fonte: Acesso em 11dez No dia 19 de dezembro, a praça foi inaugurada pelo presidente Getúlio Vargas, onde apenas o obelisco estava concluído. Os monumentos da Praça 19 de Dezembro, instalados entre 1953 e 1955, ainda hoje atuam na memória da população, contribuindo para eternizar as comemorações do centenário do Paraná. Os monumentos necessitam ser ritualizados, contribuindo assim, para sua permanência na memória coletiva, mesmo que o indivíduo não tenha vivenciado o acontecimento, advém daí, a importância das comemorações nacionais e seu valor simbólico. Percebemos uma relação de temporalidade entre o passado da história e o presente da memória (BAHLS, 2006). O Teatro Guaíra (figura 4), projetado pelo engenheiro Rubens Meister, um dos precursores da arquitetura moderna, também, não foi concluído para os festejos do centenário. Em dezembro de1954, Munhoz da Rocha e o presidente Café Filho inauguraram o Guairinha, que abriga o auditório menor. Somente em 19 de dezembro de 1974, no governo de Emílio Gomes, o teatro foi finalmente inaugurado, com um concerto da Orquestra Sinfônica Brasileira. A Biblioteca Pública do Estado, projetada pelo engenheiro curitibano Romeu

9 4053 Paulo Costa, também, inaugurada em dezembro de 1954, pelo presidente Café Filho, tornando-se ponto de referência intelectual para todo o Estado. (figura 4) Fonte: Guia Geográfico. Artes em Curitiba. Teatro Guaíra. Disponível em: Acesso em: 11dez. 2007; A administração pública do Paraná comemorava os esforços modernizantes, representados por suntuosos edifícios. Essa verticalização chegou às cidades, por todo o Paraná, como sinal incontestável do progresso. Simultaneamente, a essas inaugurações e honrarias dedicadas às personalidades da história política paranaense, ocorreram, por sete dias, diversas comemorações populares, tais como: apresentação, na Praça Tiradentes, de artistas de rádio de São Paulo e do Rio de Janeiro, orquestras, corais, grupos folclóricos e teatrais, banda da Polícia Militar; desfile de representantes dos municípios pela Rua 15 de Novembro; desfile militar do Exército Nacional e da Aeronáutica; apresentação da Banda Marcial e de Música do Corpo de Fuzileiros; danças de grupos étnicos etc. Paralelamente aos banquetes oficiais ocorriam os bailes populares (BAHLS, 2006). Na série de festividades do Centenário, destacou-se a Exposição Internacional do Café e Feira de Curitiba, inaugurada em l9 de dezembro de l953, indo até 29 de março de O I Congresso Mundial de Café realizou-se de 14 a 21 de janeiro de O evento teve a participação de 35 países, entre produtores, vendedores, compradores e operadores. Diante de todo esse cenário, podemos considerar que o ano de 1953 ficou registrado na memória dos indivíduos que participaram das festividades do centenário, ainda que Munhoz da Rocha tenha sido alvo de muitas críticas, devido aos gastos excessivos na construção das obras culturais e arquitetônicas. É notório que as vultuosas obras e comemorações marcaram o imaginário paranaense, buscando criar uma identidade para o estado. Tal identidade foi ressaltada com a criação do Centro Cívico, como marco da administração centralizadora do estado.

10 4054 Dentro do considerado conjunto arquitetônico moderno da cidade de Curitiba, contemporâneas às ações estatais, podemos nomear como obra inaugural a Casa Modernista, construída por Kirchgässner, em 1930, considerada a primeira casa modernista desta cidade. O conjunto do Centro Cívico de Curitiba, por sua vez, tem uma concepção que parte de uma grande praça, destinada ao uso exclusivo de pedestres, com edifícios dispostos nas suas laterais. É bem perceptível a monumentalidade, ressaltada pela avenida que dá acesso a esse conjunto, ligando-o ao centro tradicional da cidade (GONÇALVES, 2001). A arquitetura moderna figurou, nesse sentido, como grande promotora da idéia de que a modernidade finalmente tinha chegado ao Paraná. Em tal arquitetura, se percebe o prestígio dos arquitetos modernistas junto à esfera política brasileira. Não só em Curitiba, mas em outras cidades brasileiras, se percebe que o projeto de modernização está associado ao nacionalismo, sempre buscando um caráter hegemônico, na construção de uma identidade nacional (GORELIK, 2005). Vale destacar que, no caso da comemoração do centenário paranaense, buscou-se reforçar um tipo de homem paranaense que pudesse significar a unidade do Estado. Diante de um povoamento de nacionalidades diversas, não havia como não contemplar diferentes grupos, sempre valorizando o trabalho, inclusive do imigrante, o progresso na agricultura conduzindo o paranaense à industrialização e à modernidade. Atrelada à arquitetura e ao urbanismo, os painéis e as inúmeras esculturas descritas acima, colaboraram para o fortalecimento dessa idéia, ao contemplar figuras como vultos históricos e ciclos econômicos. Também é importante assinalar o papel representado pela realizações das exposições (a Exposição Internacional do Café e Feira de Curitiba e o I Congresso Mundial de Café), tornadas veículos de divulgação que ressaltavam a importância econômica paranaense, promovendo a economia privada e a atuação do Estado. Os aspectos acima foram trabalhados em sala de aula com os alunos, com exibição de imagens dos principais edifícios, o conjunto do centro cívico, esculturas e painéis, procurando perceber a simbologia neles expressa, a partir do contexto histórico em que foram criados. O cenário da comemoração do Centenário de Emancipação Política do Paraná representou um momento propício para salientar a imagem do espetáculo do progresso do Paraná, acompanhada de uma política de integração territorial e definindo a capital como centro de instalação dos símbolos do progresso, da modernidade e da identidade da sociedade paranaense. Percebe-se que os monumentos da Praça 19 de Dezembro, instalados entre 1953 e 1955, assim como todas as festividades, representam um passado histórico que, ainda hoje, atuam na memória da população e, de certa forma, contribuem para eternizar as comemorações do centenário do Paraná.

11 4055 Ao pesquisar e disponibilizar uma análise dos exemplos da arquitetura e escultura modernas no Paraná, como meio formadores de identidades, proporcionam aos professores, que se utilizarão desse material didático, trabalhar questões como a identificação de imagens como um documento portador de autonomia, com significação social, despertando a sensibilidade estética e possibilitando uma discussão sobre a influência das figuras imagéticas na formação de idéias e valores. Assim, consideramos que a utilização das imagens no ensino da história representam um importante elemento da atividade sócio-cultural humana, principalmente, por constituir um sistema de significações específicas que possibilita a reflexão, ação e expressão do homem em relação a si próprio, aos demais indivíduos e ao meio em que vive. Estas, as imagens, sempre pensadas como formas de expressão do homem, não desvinculadas do seu contexto histórico e social. Diante disso, é evidente a análise da influência das figuras imagéticas do nosso cotidiano, na formação de valores e nas versões da História, mudando a compreensão dela e criando um imaginário social que justifica ou produz mitos e verdades sobre figuras empíricas individuais, regimes políticos e ideologias. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BAHLS, A. V. da S. Símbolos e Monumentos: as comemorações de emancipação política do Paraná nos logradouros de Curitiba. Publ. UEPG. Ciências Humanas Sociais Aplicadas, Lingüística, Letras e Artes, Ponta Grossa, Ano 14, nº 1, jun BURKE, Peter. Testemunha ocular: história e imagem. Bauru, São Paulo: EDUSC, 2004; CARVALHO, J. M. A formação das almas. São Paulo: Companhia das Letras, 1990; FONSECA, S. G. Didática e prática de ensino de História. Campinas. SP: Papirus, 2006; GONÇALVES, J. M.Z. Arquitetura moderna no centenário de emancipação política do Paraná: a construção de um marco de referência. São Carlos, Dissertação (Mestrado). Escola de Engenharia de São Carlos Universidade de São Paulo, 2001; GORELIK, A. Das vanguardas a Brasília. Cultura urbana e arquitetura na América Latina. Belo Horizonte, MG: Editora da UFMG, IPARDES - Fundação Édison Vieira. O Paraná reinventado: política e governo. Curitiba, 1989; LE GOFF, J. Documento/monumento. Enciclopédia Einaudi. Memória/História. Lisboa: Imprensa Nacional/Casa da Moeda, 1989.

12 4056 MARTINS, R. Educar com Imagens: múltiplos tempos e interpretação. Boletim Arte na Escola, nº. 45, São Paulo, Outono, abril 2007; PEIXOTO, M. I. H. Relações arte, artista e grande público: a prática estético-educativa numa obra aberta. Campinas (SP), f. Tese (Doutorado em História, Filosofia e Educação) Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas UNICAMP; PELEGRINI, S. de C. A.; ZANIRATO, S. H.(org.). As dimensões da imagem: abordagens teóricas e metodológicas. Maringá: Eduem, 2005; PEREIRA, L. F. L. Paranismo: O Paraná reinventado. Cultura e imaginário no Paraná da I República. Curitiba: Aos Quatro Ventos, 1998; REBELO, V. Bento Munhoz da Rocha - O intelectual na correnteza política. Curitiba: Imprensa Oficial, 2005; ROLLO GONÇALVES, J. H. Alguns problemas do ensino escolar de História Regional. História & Ensino, (4). Londrina: outubro de 1998, p ; TRINDADE, E. M. de C.; ANDREAZZA, M. L. Cultura e educação do Paraná / Etelvina Maria de Castro Trindade e Maria Luiza Andreazza. Curitiba: SEED, 2001.

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo

Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo O Mercado Municipal de São Paulo é uma construção histórica localizada na região central da capital. Obra projetada pelo arquiteto Franscisco de Paula Ramos de

Leia mais

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ARQUITETURA E URBANISMO Graduar arquitetos e urbanistas com uma sólida formação humana, técnico-científica e profissional,

Leia mais

LINGUAGENS ARTÍSTICAS E LÚDICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL.

LINGUAGENS ARTÍSTICAS E LÚDICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. LINGUAGENS ARTÍSTICAS E LÚDICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. ANA PAULA CORDEIRO ARTE ARTE? O QUE É? QUAL SUA NECESSIDADE? QUAL SUA FUNÇÃO? ARTE: O QUE É? ARTE Uma forma de criação de linguagens- a linguagem visual,

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO

LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO Este trabalho aborda a conclusão de uma pesquisa que tinha por

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA Fundamentos teóricos da disciplina PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA O ensino da Geografia leva o educando a perceber que as relações sociais e as relações do homem com a natureza estão projetadas

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR:

ESTRUTURA CURRICULAR: ESTRUTURA CURRICULAR: Definição dos Componentes Curriculares Os componentes curriculares do Eixo 1 Conhecimentos Científico-culturais articula conhecimentos específicos da área de história que norteiam

Leia mais

A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES

A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES Marilene Rosa dos Santos Coordenadora Pedagógica de 5ª a 8ª séries da Prefeitura da Cidade do Paulista rosa.marilene@gmail.com Ana Rosemary

Leia mais

LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS.

LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS. LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS. ARAÚJO, Haroldo de 1; Prof.Dr. Costa, Luis Edegar de Oliveira 2;. Palavras chaves: Arte contemporânea; curadoria;

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM GEOGRAFIA: O USO DA CHARGE COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE PARA AS NECESSIDADES ATUAIS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM GEOGRAFIA: O USO DA CHARGE COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE PARA AS NECESSIDADES ATUAIS EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM GEOGRAFIA: O USO DA CHARGE COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE PARA AS NECESSIDADES ATUAIS Kaio Santos Diniz Graduado em Geografia pela Universidade Estadual da Paraiba, professor da disciplina

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias C/H Memória Social 45 Cultura 45 Seminários de Pesquisa 45 Oficinas de Produção e Gestão Cultural 45 Orientação

Leia mais

AS NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS E A INCLUSÃO

AS NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS E A INCLUSÃO AS NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS E A INCLUSÃO Francelina Elena Oliveira Vasconcelos (france.vasconcelos@gmail.com) Rosilda Teixeira de Freitas (rosildafreitas@farrapo.com.br) Resumo Neste trabalho

Leia mais

IDENTIDADE E ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO ESTADO DO PARANÁ

IDENTIDADE E ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO ESTADO DO PARANÁ IDENTIDADE E ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO ESTADO DO PARANÁ O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO do Estado do Paraná, no uso de suas atribuições legais define a identidade da escola do campo, de modo

Leia mais

Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves

Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves TEMA : BRINCANDO E APRENDENDO NA ESCOLA Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves Autora: Prof a Cássia de Fátima da S. Souza PÚBLICO ALVO Alunos de 04 anos TEMA: BRINCANDO E

Leia mais

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados escrito por Vários autores Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal.

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA MUNICIPAL RECANTO DO BOSQUE: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA UMA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A PARTIR DO SUBPROJETO DA EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESEFFEGO/UEG.

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE NASCIMENTO, Elaine Cristina Universidade Tecnológica Federal do Paraná AMORIM, Mário

Leia mais

VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO

VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO Juliana Ponqueli Contó (PIBIC/Fundação Araucária - UENP), Jean Carlos Moreno (Orientador),

Leia mais

A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor.

A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor. A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor. A ESCOLA PRECISA SER VISTA COMO UMA UNIDADE FUNDAMENTAL PARA

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas ESTUDO DO TERMO ONOMA E SUA RELAÇÃO COM A INTERDISCIPLINARIDADE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ENSINO FUNDAMENTAL DA GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DA ONOMÁSTICA/TOPONÍMIA Verônica Ramalho Nunes 1 ; Karylleila

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO Secretaria de Estado da Educação Estado do Paraná Núcleo Regional de Educação de União da Vitória COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio Rua Presidente Kennedy, 200 Fone: (42) 3552

Leia mais

América Latina e geopolítica crítica: contribuições para o ensino de geografia no Ensino Médio

América Latina e geopolítica crítica: contribuições para o ensino de geografia no Ensino Médio América Latina e geopolítica crítica: contribuições para o ensino de geografia no Ensino Médio Cláudio Roberto Ribeiro Martins claudiorrmartins@gmail.com FCT/UNESP - Presidente Prudente Palavras-chave:

Leia mais

NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA

NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA Juliana de Oliveira Meirelles Camargo Universidade Candido Mendes/ Instituto Prominas e-mail: Ju_meirelles@yahoo.com.br Léa Mattosinho

Leia mais

Arqueologia em construção

Arqueologia em construção Carta produzida pelo Grupo de Trabalho Arqueologia de Contrato Coletivo de estudantes do PPGARQ- MAE-USP Arqueologia em construção A Semana de Arqueologia tem como objetivos o debate, a troca de informações

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s)

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) Kálita Tavares da SILVA 1 ; Estevane de Paula Pontes MENDES

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX

O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX Ricardo Barros Aluno do curso de Pós graduação (mestrado) da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo Sendo as coisas que pensamos

Leia mais

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2012 DISCIPLINA: GEOGRAFIA - PROFESSOR: ADEMIR REMPEL SÉRIE: 8º

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO FERNANDA SERRER ORIENTADOR(A): PROFESSOR(A) STOP MOTION RECURSO MIDIÁTICO NO PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM

Leia mais

UFJF CONCURSO VESTIBULAR 2013 E MÓDULO III DO PISM TRIÊNIO 2010-2012 PROVA DE HABILIDADE ESPECÍFICA ARQUITETURA E URBANISMO

UFJF CONCURSO VESTIBULAR 2013 E MÓDULO III DO PISM TRIÊNIO 2010-2012 PROVA DE HABILIDADE ESPECÍFICA ARQUITETURA E URBANISMO PAVILHÕES Os edifícios para grandes exposições têm marcado a história da Arquitetura desde 1851, com a construção do Palácio de Cristal, concebido por Joseph Paxton para a primeira Exposição Universal,

Leia mais

A ARTE NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL: EM BUSCA DE UMA PRAXE TRANSFORMADORA

A ARTE NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL: EM BUSCA DE UMA PRAXE TRANSFORMADORA A ARTE NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL: EM BUSCA DE UMA PRAXE TRANSFORMADORA Sumaya Mattar Moraes Mestranda na Área de Linguagem e Educação da FEUSP Esta pesquisa coloca em pauta

Leia mais

FONTES PRIMÁRIAS SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: BOLETINS E CIRCULARES DO APOSTOLADO POSITIVISTA (1881-1927) APRESENTAÇÃO

FONTES PRIMÁRIAS SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: BOLETINS E CIRCULARES DO APOSTOLADO POSITIVISTA (1881-1927) APRESENTAÇÃO FONTES PRIMÁRIAS SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: BOLETINS E CIRCULARES DO APOSTOLADO POSITIVISTA (1881-1927) APRESENTAÇÃO João Carlos da Silva 1 A produção da IPB reúne uma farta publicação de

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1

O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1 O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1 Resumo: O presente Artigo busca abordar a pretensão dos museus de cumprir uma função social e a emergência

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA:

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Curso: Pedagogia Carga Horária: 36h Ano: 2011 Professor: José Paulo de Assis Rocha Plano de Ensino Disciplina: Arte e Educação Período: 1º ano Turno: noturno

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90.

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90. porta aberta Nova edição Geografia 2º ao 5º ano O estudo das categorias lugar, paisagem e espaço tem prioridade nesta obra. 25383COL05 Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4,

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

Valores Educacionais. Aula 4 Respeito pelos Outros

Valores Educacionais. Aula 4 Respeito pelos Outros Valores Educacionais Aula 4 Respeito pelos Outros Objetivos 1 Apresentar o valor Respeito pelos Outros. 2 Indicar possibilidades de aplicação pedagógica do valor Respeito pelos Outros. Introdução Esta

Leia mais

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira.

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 1 PROJETO SETORIAL INTEGRADO BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 2 Introdução O Ministério da Cultura, sugeriu a Fundação

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA CLAINES KREMER GENISELE OLIVEIRA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: POR UMA PERSPECTIVA DE RELAÇÕES ENTRE

Leia mais

O GERENCIAMENTO DE PROJETOS ARTÍSTICO-CULTURAIS

O GERENCIAMENTO DE PROJETOS ARTÍSTICO-CULTURAIS O GERENCIAMENTO DE PROJETOS ARTÍSTICO-CULTURAIS Helio Ricardo Sauthier 74 Ms. Maria Cristina Queiroz Maia 75 Grupo Interdisciplinar de Pesquisa em Artes - GIPA/FAP Faculdade de Artes do Paraná, Curitiba,

Leia mais

A música como elemento facilitador no processo de inclusão social: um olhar sobre os projetos socioculturais de Piracicaba

A música como elemento facilitador no processo de inclusão social: um olhar sobre os projetos socioculturais de Piracicaba A música como elemento facilitador no processo de inclusão social: um olhar sobre os projetos socioculturais de Piracicaba Andréia Miranda de Moraes Nascimento, UNIMEP, chicobororo@gmail.com Mariana de

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento

Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento S. M. R. Alberto 38 Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento Solange Maria Rodrigues Alberto Pedagoga Responsável pelo

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

METODOLOGIA DO ENSINO DA ARTE. Número de aulas semanais 4ª 2. Apresentação da Disciplina

METODOLOGIA DO ENSINO DA ARTE. Número de aulas semanais 4ª 2. Apresentação da Disciplina METODOLOGIA DO ENSINO DA ARTE Série Número de aulas semanais 4ª 2 Apresentação da Disciplina Considerando a necessidade de repensar o ensino da arte, faz-se necessário refletir sobre este ensino em sua

Leia mais

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais)

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) UFPR SETOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA EMENTAS DAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) 1º ANO

Leia mais

II MOSTRA CULTURAL E CIENTÍFICA: LÉO KOHLER 50 ANOS CONSTRUINDO HISTÓRIA

II MOSTRA CULTURAL E CIENTÍFICA: LÉO KOHLER 50 ANOS CONSTRUINDO HISTÓRIA ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR LÉO KOHLER ENSINO FUNDAMENTAL II MOSTRA CULTURAL E CIENTÍFICA: LÉO KOHLER 50 ANOS CONSTRUINDO HISTÓRIA PROJETO: Arte Popular Professora Orientadora: Graciele Moreira Turma: 7ª

Leia mais

LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL PARA O ENSINO DE MÚSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NA REGIÃO SUL DO BRASIL 1

LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL PARA O ENSINO DE MÚSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NA REGIÃO SUL DO BRASIL 1 LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL PARA O ENSINO DE MÚSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NA REGIÃO SUL DO BRASIL 1 Gabriel Ferrão Moreira 2 Prof. Dr. Sérgio Luiz Ferreira de Figueiredo 3 Palavras-chave:

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

SOBRE O DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES ARTÍSTICAS, CIENTÍFICAS E CULTURAIS NO PROCESSO DA 3ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE JUVENTUDE

SOBRE O DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES ARTÍSTICAS, CIENTÍFICAS E CULTURAIS NO PROCESSO DA 3ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE JUVENTUDE RESOLUÇÃO 08/2015, DA COMISSÃO ORGANIZADORA NACIONAL A Comissão Organizadora da 3ª Conferência Nacional de Juventude, no uso de suas atribuições regimentais, em conformidade com o artigo 6º, objetivo específico

Leia mais

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília Nome do Evento: Fórum Mundial de Direitos Humanos Tema central: Diálogo e Respeito às Diferenças Objetivo: Promover um

Leia mais

Palavras-Chave: Projeto Político-Pedagógico; Prática Pedagógica; Currículo Interdisciplinar; Proposta Pedagógica.

Palavras-Chave: Projeto Político-Pedagógico; Prática Pedagógica; Currículo Interdisciplinar; Proposta Pedagógica. A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO LICEU ESCOLA DE ARTES E OFÍCIOS MESTRE RAIMUNDO CARDOSO: UM ESTUDO AVALIATIVO JUNTO A PROFESSORES E ALUNOS *Alcemir Pantoja Rodrigues ** Arlete Marinho Gonçalves Universidade do

Leia mais

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano SANTANA, Ludmylla Siqueira 1 RIBEIRO, José Pedro Machado 2 SOUZA, Roberto Barcelos 2

Leia mais

I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA CPLP CARTA DE PORTO ALEGRE

I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA CPLP CARTA DE PORTO ALEGRE I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA CPLP CARTA DE PORTO ALEGRE O I Seminário Internacional de Educação Superior na Comunidade de Países de Língua

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Projeto Música e Cidadania no CAp: Extensão, Universidade, Comunidade

Projeto Música e Cidadania no CAp: Extensão, Universidade, Comunidade 1 Projeto Música e Cidadania no CAp: Extensão, Universidade, Comunidade Maria Helena de Lima helenal@terra.com.br/helena.lima@ufrgs.br Universidade Federal do Rio Grande do Sul Resumo. Este artigo constitui

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL UNIVERSIDADES ESTADUAIS PARANAENSES

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL UNIVERSIDADES ESTADUAIS PARANAENSES PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL UNIVERSIDADES ESTADUAIS PARANAENSES - 2012 a 2021 Instituição: ENSINO DE GRADUAÇÃO Programas/Projetos/Ações Ano Natureza Valores Fonte de Recursos Beneficiado Manutenção

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA PLANO DE ENSINO 2011-1 DISCIPLINA: Arte e Educação - JP0029 PROFESSOR: Ms. Clóvis Da Rolt I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Carga Horária Teórica: 60h Carga Horária Prática: 15h II EMENTA A disciplina de Arte e

Leia mais

LUÍS REIS TORGAL. SUB Hamburg A/522454 ESTADO NOVO. Ensaios de História Política e Cultural [ 2. IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA

LUÍS REIS TORGAL. SUB Hamburg A/522454 ESTADO NOVO. Ensaios de História Política e Cultural [ 2. IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA LUÍS REIS TORGAL SUB Hamburg A/522454 ESTADOS NOVOS ESTADO NOVO Ensaios de História Política e Cultural [ 2. a E D I Ç Ã O R E V I S T A ] I u IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA 2 0 0 9 ' C O I M B R

Leia mais

O USO DO LIVRO DIDÁTICO NO PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM NAS CIÊNCIAS SOCIAIS : 1ª A 4ª SÉRIES

O USO DO LIVRO DIDÁTICO NO PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM NAS CIÊNCIAS SOCIAIS : 1ª A 4ª SÉRIES Título: O USO DO LIVRO DIDÁTICO NO PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM NAS CIÊNCIAS SOCIAIS : 1ª A 4ª SÉRIES Área Temática: Educação e Ensino Fundamental Autora: ANELSI SALETTE BIANCHIM Instituição: Universidade

Leia mais

O Mercado de Trabalho nas Atividades Culturais no Brasil, 1992-2001

O Mercado de Trabalho nas Atividades Culturais no Brasil, 1992-2001 1 Ministério da Cultura Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) Data de elaboração da ficha: Ago 2007 Dados das organizações: Nome: Ministério da Cultura (MinC) Endereço: Esplanada dos Ministérios,

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA SPINELLI, Mônica dos Santos IE/PPGE/UFMT RESUMO O texto apresenta resultados parciais da pesquisa teórica sobre categorias conceituais em

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO FINCK, Silvia Christina Madrid (UEPG) 1 TAQUES, Marcelo José (UEPG) 2 Considerações iniciais Sabemos

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Dourados 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Letras - Inglês Obs.: Para proposta

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS NO ENSINO DE MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS

A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS NO ENSINO DE MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS NO ENSINO DE MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS SILVA, Bárbara Tavares da 1 ARAÚJO, Junivan Gomes de 2 ALVES, Suênha Patrícia 3 ARAÚJO, Francinário Oliveira de 4 RESUMO Sabemos que

Leia mais

COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB

COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB Monaliza Silva Professora de ciências e biologia da rede estadual

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

O diretor-presidente da COPASA, Ricardo Simões, tem o prazer de convidá-lo para a abertura da. de Daniel Neto e Elenir tavares.

O diretor-presidente da COPASA, Ricardo Simões, tem o prazer de convidá-lo para a abertura da. de Daniel Neto e Elenir tavares. O diretor-presidente da COPASA, Ricardo Simões, tem o prazer de convidá-lo para a abertura da exposição Entre Silêncio e Paisagem, de Daniel Neto e Elenir tavares. Abertura 23 de outubro, às 19 horas.

Leia mais

ARQUITETURA PARAIBANA NA PRIMEIRA DÉCADA DO SÉCULO XXI

ARQUITETURA PARAIBANA NA PRIMEIRA DÉCADA DO SÉCULO XXI ARQUITETURA PARAIBANA NA PRIMEIRA DÉCADA DO SÉCULO XXI Autoria: Manoel Brito de Farias Segundo (orientador) Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas (FACISA) Caio Méssala da Silva Faustino - Faculdade de

Leia mais

Francisco Cardoso SCBC08

Francisco Cardoso SCBC08 Formando profissionais para a sustentabilidade Prof. Francisco CARDOSO Escola Politécnica da USP Francisco Cardoso SCBC08 1 Estrutura da apresentação Objetivo Metodologia Resultados investigação Conclusão:

Leia mais

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Rosália Diogo 1 Consideramos que os estudos relacionados a processos identitários e ensino, que serão abordados nesse Seminário,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO: PARAÍBA: ARTE, SABER E CULTURA ATRAVÉS DAS OBRAS DE ARIANO SUASSUNA E LEANDRO GOMES DE BARROS.

PROJETO PEDAGÓGICO: PARAÍBA: ARTE, SABER E CULTURA ATRAVÉS DAS OBRAS DE ARIANO SUASSUNA E LEANDRO GOMES DE BARROS. PROJETO PEDAGÓGICO: PARAÍBA: ARTE, SABER E CULTURA ATRAVÉS DAS OBRAS DE ARIANO SUASSUNA E LEANDRO GOMES DE BARROS. RESUMO SANTOS, Enia Ramalho os UEPB enia.ramalho @hotmail.com SANTOS, Patricia Ferreira

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

A Contribuição Sírio-Libanesa para o Desenvolvimento de Anápolis 1907 a 1949.

A Contribuição Sírio-Libanesa para o Desenvolvimento de Anápolis 1907 a 1949. A Contribuição Sírio-Libanesa para o Desenvolvimento de Anápolis 1907 a 1949. Palavras-chave: Anápolis, árabe, desenvolvimento, comércio. LUPPI, Sheila Cristina Alves de Lima 1 POLONIAL, Juscelino Martins

Leia mais

CURSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E PESQUISA NO ENSINO MÉDIO: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

CURSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E PESQUISA NO ENSINO MÉDIO: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA CURSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E PESQUISA NO ENSINO MÉDIO: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA FAUSTINO, Aline de Lima¹ UEPB. NASCIMENTO, Nilton Ronni Cândido do² UEPB. SILVEIRA, Alessandro Frederico da³ UEPB. Resumo

Leia mais

Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade

Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade Leonardo César PEREIRA 1 ; Revalino Antonio FREITAS (orientador) Palavras-chave: trabalho, migração, fronteira,

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

Fotoclube do Paraná: apontamentos para a construção de um regime de visualidade fotográfica 1

Fotoclube do Paraná: apontamentos para a construção de um regime de visualidade fotográfica 1 Fotoclube do Paraná: apontamentos para a construção de um regime de visualidade fotográfica 1 Éverly PEGORARO Jornalista, professora do Departamento de Comunicação Social da Unicentro, mestre em História

Leia mais

Arte como conhecimento, patrimônio e identidade cultural

Arte como conhecimento, patrimônio e identidade cultural Arte como conhecimento, patrimônio e identidade cultural Rita de Cássia Demarchi Ao abraçar o campo de ensino e aprendizagem de arte é tomado como ponto de partida o princípio de que a arte é uma rica

Leia mais