CIDEL Argentina 2014 Congreso Internacional de Distribución Eléctrica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CIDEL Argentina 2014 Congreso Internacional de Distribución Eléctrica"

Transcrição

1 CIDEL Argentina 2014 Congreso Internacional de Distribución Eléctrica MODELO PARA PROJEÇÃO DE CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA RESIDENCIAL CONSIDERANDO MINI E MICROGERAÇÃO A. H. Lautenschleger 1 G. Bordin 1 D. W. da Silva Escola de Engenharia Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Av. Osvaldo Aranha 103, Tel e , Porto Alegre Brasil. Rio Grande Energia S.A. Rua Mario de Boni, 1902, Tel , Caxias do Sul Brasil. Palavras-chave: classe residencial, energia elétrica, mini e microgeração, projeção de consumo. RESUMO A partir da publicação da Resolução Normativa nº 482 pela Agência Nacional de Energia Elétrica brasileira (ANEEL), em 2012, consumidores podem participar de um sistema de compensação de energia elétrica produzindo energia a partir de pequenos aproveitamentos, classificados como micro e minigeração distribuída. O consumidor que opta pelo sistema de compensação passa a ser denominado de prosumidor, ou seja, aquele que consome e produz energia. Esta alternativa do consumidor não é contemplada na metodologia tradicional de projeção de mercado de distribuidoras e constitui um novo fator de incerteza. Neste sentido, o presente trabalho propõe um modelo para projeção de mercado residencial de energia, buscando complementar a metodologia tradicional, considerando a inclusão de micro e minigeração distribuída fotovoltaica. Os resultados são apresentados na forma de cenários de projeção, e mostram a necessidade de incluir o comportamento dos prosumidores de forma explícita nos estudos de mercado de distribuidoras. 1. INTRODUÇÃO Com a reestruturação ocorrida no setor elétrico brasileiro a partir da década de 90, o ambiente de negócios do setor adquiriu características de concorrência e o foco na rentabilidade tornou-se vital para as distribuidoras de energia elétrica. A projeção de mercado é fundamental para que as distribuidoras de energia elétrica consigam alcançar os objetivos técnicos e estratégicos estabelecidos. A Portaria nº 760 de 1976 do extinto Departamento Nacional de Águas e Energia Elétrica (DNAEE) estabelecia a forma como as distribuidoras deveriam projetar a sua demanda. Essa metodologia ainda é a base para projeções de demanda de algumas distribuidoras, embora apresente limitações com relação ao comportamento do consumidor, entre outros aspectos [1]. A tendência mundial de geração de energia elétrica a partir de fontes alternativas implica em aumento de complexidade no planejamento da expansão e operação do sistema elétrico. Novos conceitos surgem como o de micro e minigeração distribuída, que são aproveitamentos energéticos de pequeno porte realizados junto ou próximo do consumidor a partir de fontes como eólica ou fotovoltaica (FV) [13]. A classe residencial é consumidora cativa da distribuidora de energia local. Todavia, a partir da publicação da Resolução Normativa (REN) nº 482 de 2012, pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) [4], há a possibilidade de essa classe consumidora produzir energia elétrica a partir de microgeração (até 100kW) e minigeração (potências entre 100kW e 1MW) com base em aproveitamentos eólicos, fotovoltaicos, hidráulicos, de biomassa ou geração qualificada. Ao consumidor é facultado participar de um sistema de compensação de energia no qual o excedente da produção é convertido em créditos de energia junto à distribuidora local, que podem ser usados em períodos de baixa produção de energia. Foi criada a figura do prosumidor, aquele que consome e produz energia [4]. Assim, o consumidor passa a ser um duplo agente de mercado, ou seja, consumidor e produtor. Portanto, a estrutura de mercado se modifica e o desenvolvimento de métodos de projeção de demanda que contemplem as características inerentes às fontes energéticas, quantidade e perspectiva de aumento de prosumidores para cada fonte se faz necessário. O presente trabalho apresenta uma metodologia para projeção de consumo residencial, considerando a inserção de mini e microgeração a partir de fonte solar fotovoltaica e o comportamento do prosumidor. A metodologia proposta visa complementar a metodologia tradicional de projeção de consumo residencial, de 1

2 acordo com o novo contexto de mercado das distribuidoras. 2. REGULAMENTAÇÃO BRASILEIRA O documento principal referente à micro e minigeração no Brasil é a REN 482 [4]. A resolução define micro e minigeração distribuída e detalha o sistema de compensação de energia e o seu funcionamento. A compensação considera a diferença entre a energia ativa injetada e consumida em cada posto tarifário e transforma esse montante em um crédito para o consumidor, que pode ser utilizado para abater o consumo no próprio mês em unidades consumidoras distintas ou em até 36 meses. A REN 482 define, também, as condições gerais de acesso ao sistema de distribuição e estabelece um limite para a potência instalada de acordo com o grupo consumidor [4]. O Módulo 3 do Procedimento de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional (PRODIST) é outro documento fundamental, em especial a Seção 3.7 que descreve os procedimentos e etapas que devem ser cumpridas no processo de solicitação do acesso além de estabelecer níveis de tensão e requisitos mínimos de proteção de acordo com a potência instalada [7]. De forma complementar, a REN 77 [2], REN 414 [3], REN 502 [5], REN 547 [6] e o Procedimento de Regulação Tarifária (PRORET) [8] não se limitam a regulamentar micro e minigeração, mas afetam de forma significativa a sua implantação. Esses dispositivos regulatórios trazem aspectos relevantes para a projeção de mercado, como a possibilidade de compensação de créditos de energia, valores mínimos de cobrança, requisitos técnicos mínimos e limitação de potência instalada, modalidades tarifárias, bandeiras tarifárias e descontos tarifários [2]-[8]. 3. ASPECTOS DA GERAÇÃO SOLAR FOTOVOLTAICA O aspecto fundamental na implantação de micro e minigeração fotovoltaica é o valor de seu custo de produção quando comparado com a tarifa praticada pela distribuidora. No cálculo do custo, deve-se considerar aspectos que tem efeito na produção de energia como a disponibilidade do recurso primário e o fator de capacidade, que mede a relação entre a energia média produzida e a capacidade nominal do sistema. É necessário ainda considerar os aspectos econômicos na implantação e manutenção do sistema como o custo dos módulos e inversores, cabos e proteção, sistema de fixação, além de custos do projeto, conexões, entre outros. Dessa forma, estima-se o CAPEX, que é o custo de investimento do sistema fotovoltaico para uma determinada capacidade. O custo de produção, calculado conforme (1), serve para avaliar a competitividade da fonte solar [9]. (1) Onde CP é o custo de produção em reais por quilowatt-hora, CAPEX são os custos de investimento do sistema fotovoltaico em reais, VP(OPEX) é o valor presente de custos de operação e manutenção ao longo da vida útil da instalação em reais e VP(EP) é o valor presente da energia produzida ao longo da vida útil da instalação em quilowatt-hora. O custo de operação e manutenção (OPEX) é estimado, geralmente, como um percentual do custo de implantação (tipicamente 1%). Assim, o custo de produção pode ser parametrizado em função do CAPEX. A viabilidade do empreendimento fotovoltaico pode ser obtida a partir de um índice de competitividade dado pela razão entre a tarifa praticada pela distribuidora com o custo de produção, conforme (2) [9]. (2) Onde IC i é o índice de competitividade, TarProj i é o cenário tarifário em reais por megawatt-hora considerando os impostos incidentes, CP i é o custo de produção fotovoltaico em reais por megawatthora e i é o índice do ano de projeção. 4. METODOLOGIAS DE PROJEÇÃO DE DEMANDA 4.1 METODOLOGIA TRADICIONAL A metodologia tradicional, baseada na Portaria 760 do DNAEE, é determinística e faz uso da extrapolação de séries históricas para o horizonte de interesse na projeção de demanda de energia elétrica. A extrapolação evita descontinuidades na projeção. Todavia, [1] salienta que essa metodologia apresenta limitações: não reflete a reação do consumidor frente a incentivos de racionalização, precariedade na representação de variações de demanda relacionadas a fenômenos cíclicos e não considera relações de causalidade entre as variáveis. 4.2 METODOLOGIA TRADICIONAL MODIFICADA Tendo em vista as limitações da metodologia tradicional e a reestruturação do setor elétrico, [1] propõe modificações na metodologia tradicional com adição de interação entre variáveis, consideração de atrasos tanto de informação quanto de grandezas físicas além da inclusão de novos fatores (tarifa e conservação). A projeção com a metodologia tradicional modificada, assim como na metodologia 2

3 tradicional, ocorre na forma de cenários e considera ainda variações de preços, renda e programas de conservação de energia buscando melhor representar a evolução da demanda [1]. A publicação da REN 482 cria uma nova possibilidade para o consumidor, ou seja, ser também um produtor de energia. Desta forma, é necessário adequar esta metodologia à nova realidade e incluir a parcela de micro e minigeração, o que é feito na metodologia proposta no presente trabalho. 4.3 METODOLOGIA PROPOSTA A metodologia proposta é ilustrada na Fig.1, onde as relações existentes para a metodologia tradicional modificada, delimitadas pelo retângulo pontilhado, permanecem inalteradas. O número de domicílios com sistema fotovoltaico é um conjunto do universo de domicílios atendidos, que depende de uma taxa de adesão à microgeração fotovoltaica. Essa taxa é detalhada no que segue. O aumento do PIB resulta em elevação da renda per capita, que por consequência, eleva a taxa de adesão, possibilitando aos consumidores investir na instalação de sistemas fotovoltaicos. O custo de produção (CP) com o sistema fotovoltaico tem efeito, juntamente com a tarifa, na taxa de adesão, através do índice de competitividade (IC) da fonte solar fotovoltaica. O CP é inversamente proporcional, enquanto a tarifa é diretamente proporcional ao IC, cujo aumento implica em elevação da taxa de adesão. O custo de disponibilidade, valor mínimo faturável, é inversamente proporcional à geração de energia por domicílio ao passo que um maior consumo leva à instalação de sistemas com maior capacidade produtiva. Tanto a geração fotovoltaica por domicílio quanto o número de domicílios com sistemas fotovoltaicos são diretamente proporcionais à geração de energia a partir de fonte fotovoltaica da classe residencial, cujo aumento implica na redução do consumo da mesma classe. Com relação aos aspectos normativos, considerase: bandeiras tarifárias, modalidades tarifárias, impossibilidade de venda de excedente, limite de potência instalada, custo de disponibilidade e exigência de adequação do sistema de medição. Esses aspectos são considerados na elaboração dos cenários. Neste modelo, o prosumidor gera energia somente para o domicílio onde o sistema fotovoltaico está instalado. Fig. 1: Metodologia Proposta para Projeção de Consumo Residencial. Com base na metodologia proposta, o modelo matemático é detalhado a seguir. Assim, a renda per capita é dada por (3). (3) Onde RPC i é a renda per capita em reais por habitante, PIB i é o cenário do Produto Interno Bruto em reais, Pop i é o cenário populacional em habitantes e i é o índice do ano de projeção. O número total de domicílios é determinado de acordo com (4). (4) Onde NTD i é o número total de domicílios na área de atuação da distribuidora, Pop i é o cenário populacional em habitantes, Habd i é o número de habitantes por domicílio e i é o índice do ano de projeção. As variáveis consumo por residência (CEPR i ), taxa de atendimento (TA i ), habitantes por domicílio (Habd i ) e conservação (Conserv) são obtidas por ajuste de curva a partir dos dados históricos. O número total de domicílios atendidos é dado por (5), onde NDA i é o número de domicílios atendidos, NTD i é o número total de domicílios, TA i é a taxa percentual de atendimento aos domicílios, Exter i é o cenário para o número de 3

4 domicílios atendidos devido à externalidades e i é o índice do ano de projeção. (5) O crescimento da renda tem um efeito atrasado sobre o consumo e, portanto, deve-se avaliar a taxa de crescimento da renda em um determinado período, conforme (6). (6) Onde ER i é o efeito percentual da renda, RPC i é a renda per capita em reais por habitante, i é o índice do ano de projeção e k o atraso em anos considerado no cálculo da taxa de crescimento da renda. Da mesma forma, a tarifa tem seu efeito atrasado representado conforme (7), onde ET i é o efeito percentual da tarifa, TarProj i-n é o cenário tarifário em reais por megawatt-hora considerando impostos incidentes, n é o atraso em anos considerado para que haja o efeito da tarifa e Elast é a elasticidade do consumo com relação à tarifa em megawatthora por reais. (7) O consumo por residência, dado por (8), considera o histórico de evolução do consumo e sobre este incidem algumas correções devido ao efeito da renda, efeito da tarifa e do cenário considerado de eficientização. (8) Onde CPR i é o consumo final por residência em megawatt-hora, CEPR i é o consumo por residência em megawatt-hora, obtido por extrapolação a partir de dados históricos, ER i é o efeito da renda, ET i é o efeito da tarifa, Efic i é o cenário considerado para a eficientização e i é o índice do ano de projeção. A produção total de energia fotovoltaica da classe residencial é dada por (9), onde PFTR i é a produção de energia elétrica em megawatt-hora da classe residencial, PFR i é o cenário de produção de energia por domicílio em megawatt-hora, NDGF i é o número de domicílios com geração fotovoltaica e i é o índice do ano de projeção. (9) A construção do cenário para a produção de energia por domicílio deve observar o consumo por residência e o valor mínimo faturável (VMF), estabelecido na regulamentação. Considerando que o prosumidor é um agente de mercado que busca maximizar os seus ganhos, o seu sistema será dimensionado para que, na média anual, a produção seja a diferença entre o consumo e o VMF. Deve-se criar categorias para cada ano de projeção e distribuir a frequência de consumidores de acordo com renda e consumo. A ordem da adesão à microgeração deve acontecer da categoria com maior renda e consumo para a categoria com menor renda e consumo. Ainda, observando que para a renda deve haver um limite inferior devido aos custos iniciais do investimento fotovoltaico. Cada categoria apresenta um consumo típico e uma potência típica instalada. Considera-se que a categoria do ano de projeção se somará às categorias que aderiram anteriormente à microgeração fotovoltaica. Assim, haverá um consumo e potência típica para o total de residências com microgeração fotovoltaica, que é resultante da média ponderada destes valores individuais das categorias que aderiram à microgeração fotovoltaica até o ano da projeção. A potência típica ponderada para o ano de projeção permite inferir o custo de disponibilidade típico das residências, através da observação da regulamentação. A diferença entre o consumo típico ponderado e o custo de disponibilidade resulta na produção fotovoltaica por residência para o ano de projeção. O número de domicílios com microgeração fotovoltaica é dado por (10), onde NDGF i é o número de domicílios com sistemas de microgeração fotovoltaica, NDA i é o número de domicílios atendidos pela distribuidora, TxAd i é o cenário para a taxa de adesão dos domicílios atendidos à microgeração fotovoltaica e i é o índice do ano de projeção. (10) A taxa de adesão à microgeração fotovoltaica depende de critérios e valores de cada prosumidor, que podem ser econômicos, ecológicos ou de conforto (qualidade e continuidade do fornecimento). Deve-se ter conhecimento dos consumidores atendidos de forma a obter a melhor ponderação para cada um desses valores. Tratando-se de critérios econômicos, indicadores como o índice de competitividade (IC) devem ser observados na criação dos cenários. Um IC maior que a unidade indica que a fonte fotovoltaica é economicamente viável. Outro indicador importante é o tempo de retorno do investimento fotovoltaico e este pode ainda ser comparado a outro investimento com características similares dentro das preferências dos consumidores propensos (com renda superior ao limite inferior utilizado para estimar PRF i ) à instalar sistema de microgeração fotovoltaico. Finalizando, o cálculo do consumo de energia elétrica da classe residencial é dado por (11). (11) Onde CR i é o consumo global em megawatt-hora da classe residencial, CPR i é o consumo por residência em megawatt-hora, NDA i é o número de domicílios atendidos, Conserv i é o cenário para a 4

5 conservação de energia em megawatt-hora, PFTR i é a produção de energia fotovoltaica da classe residencial em megawatt-hora e i é o índice do ano de projeção. 5. APLICAÇÃO DA METODOLOGIA PROPOSTA A metodologia foi testada com dados de uma distribuidora típica, que atua na região Sul do Brasil, em um local com distribuição solar média anual adequada ao estudo sob investigação. O uso dos aspectos normativos é descrito como segue. A partir de [10] estima-se o tempo que cada bandeira tarifária vigoraria e o respectivo incremento resultante na tarifa. A referência [11] mostra a curva de carga para a região Sul do Brasil e observa-se que o pico de consumo ocorre em um período diferente do pico de produção de energia fotovoltaica. Observando a forma de compensação de créditos de energia, estabelecida na REN 482, considera-se que o prosumidor não adere à modalidade tarifária branca, uma vez que, assim, ele recebe menos créditos pela energia produzida. A impossibilidade de venda de excedente, limite de potência instalada e o custo de disponibilidade são delimitadores para a produção pelo prosumidor e são consideradas na elaboração do cenário para a produção fotovoltaica por residência. A criação das categorias para obter PRF i ocorreu com base em [11] e utiliza-se a hipótese de que somente domicílios onde a renda é superior a sete salários mínimos são domicílios potenciais à micro e minigeração, devido aos custos iniciais da instalação do sistema fotovoltaico. Para a taxa de adesão, considera-se que o consumidor é motivado somente por razões econômicas. O tempo de retorno do investimento fotovoltaico é comparado ao tempo de retorno da aplicação da caderneta de poupança, por ser o investimento preferido das pessoas com renda mensal superior a quatro mil reais. De acordo com [12], 49,9% das pessoas nessa faixa de renda investem na modalidade. Juntamente com a análise da evolução do índice de competitividade da micro e minigeração fotovoltaica, elaboram-se os cenários para a taxa de adesão. Definidos os cenários, a metodologia tradicional modificada é comparada à metodologia proposta através da projeção dos cenários nublado (moderado), chuvoso (otimista) e ensolarado (pessimista), conforme mostrado na Fig. 2. O cenário ensolarado é favorável à microgeração solar fotovoltaica sob a perspectiva do prosumidor, contudo, sob a perspectiva da distribuidora é pessimista, pois reduz sua receita. Para as hipóteses consideradas, no cenário nublado, a produção de energia da microgeração fotovoltaica representa uma redução de 0,3% no consumo em 2018 e 4,1% em No cenário chuvoso, a inserção fotovoltaica é de 0,3% em 2019 e 1,8% em Já para o cenário Fig. 2: Cenários do Consumo Residencial. 5 ensolarado, a contribuição fotovoltaica é de 0,4% em 2017 e 8,9% em A menor taxa de crescimento da contribuição fotovoltaica nos primeiros anos do horizonte de projeção está relacionada a vários condicionantes, como, p.ex., a recente possibilidade de micro e minigeração e o atraso na adesão por parte dos

6 consumidores. Há também expectativas de redução significativa nos próximos anos do custo dos sistemas fotovoltaicos; com isso grande parte dos candidatos à micro e minigeração postergarão seus investimentos para produzir energia mais barata. Por volta de 2018, o índice de competitividade começa a crescer de forma considerável e o tempo de retorno do investimento já não reduz na proporção de anos anteriores. 6. CONCLUSÕES O estudo mostra que a adesão à mini e microgeração deve ser postergada nos primeiros anos, em função dos custos de implantação e do maior custo de produção fotovoltaica comparados às tarifas praticadas por distribuidoras. A inserção deve apresentar taxa de crescimento mais elevado em um horizonte de 3 a 5 anos, considerando as perspectivas tarifárias e do custo de produção fotovoltaico. Os resultados obtidos mostram que: a inserção fotovoltaica contribui para a redução na taxa de crescimento do consumo, tornando-a inclusive negativa para a metodologia proposta. A nova fonte de incerteza deve ser considerada na metodologia de projeção de consumo residencial de distribuidoras, pois as projeções de consumo são a base para decisões de investimento, compra de energia, entre outras, nestas empresas. A metodologia proposta apresenta-se como uma ferramenta de apoio ao estudo da geração distribuída de pequeno porte e seus efeitos sobre o mercado residencial de distribuidoras, como também dar suporte à decisão de novos aspectos regulatórios por parte da ANEEL. Com a continuidade do estudo, outras regiões do país serão analisadas. A investigação aqui realizada buscou analisar os efeitos deste problema recente de microgeração no mercado de distribuidoras. Serão realizados estudos buscando aprofundar o entendimento na produção fotovoltaica por residência e na taxa de adesão à micro e minigeração fotovoltaica. [5], Resolução Normativa nº 502 de 7 de agosto de 2012, Ago [6], Resolução Normativa nº 547 de 16 de abril de 2013, Abr [7] ANEEL Procedimentos de Distribuição, Módulo 3-Acesso ao Sistema de Distribuição, Dez [8] ANEEL Procedimento de Regulação Tarifária, Módulo 7-Estrutura Tarifária das Concessionárias de Distribuição, Maio [9] ABINEE Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (2012, Jun.). Propostas para inserção de energia solar fotovoltaica na matriz elétrica brasileira. ABINEE, São Paulo, SP. [Online]. Disponível em: m. [10] ANEEL - Agência Nacional de Energia Elétrica (2013, Out.). Nota Técnica nº448/2013. [Online]. Disponível em: /arquivo/2012/104/documento/nt_n%c2%ba _448_2013_-_bandeiras_tarifarias.pdf [11] ELETROBRÁS. Pesquisa de posse de equipamentos e hábitos de uso, ano base 2005: Classe Residencial Relatório Sul, ELETROBRÁS, Rio de Janeiro, Brasil, Set [12] E. Campos. (2012, Maio). Onde os brasileiros preferem investir. Revista Época. [Online]. Disponível em: m/financasdebolso/2012/05/21/onde-osbrasileiros-preferem-investir/ [13] CGEE Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (2012, Dez.). Redes Elétricas Inteligentes: contexto nacional. CGEE, Brasília, DF. [Online]. Disponível em: os_tecnicos.php. 7. REFERÊNCIAS [1] A. C. G. Castelo Branco, Projeção de demanda de energia elétrica. Dissertação de Mestrado em Regulação da Indústria de Energia, Programa de Pós-Graduação em Engenharia, Universidade Salvador, Salvador, [2] ANEEL - Agência Nacional de Energia Elétrica, Resolução Normativa nº 77 de 18 de agosto de 2004, Ago [3], Resolução Normativa nº 414 de 09 de setembro de 2010, Set [4], Resolução Normativa nº 482 de 17 de abril de 2012, Abr

Cadernos Temáticos ANEEL. Micro e Minigeração Distribuída Sistema de Compensação de Energia Elétrica 2ª edição

Cadernos Temáticos ANEEL. Micro e Minigeração Distribuída Sistema de Compensação de Energia Elétrica 2ª edição Cadernos Temáticos ANEEL Micro e Minigeração Distribuída Sistema de Compensação de Energia Elétrica 2ª edição Cadernos Temáticos ANEEL Micro e Minigeração Distribuída Sistema de Compensação de Energia

Leia mais

NERGIA LIMPA ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA: O Sol promovendo sustentabilidade e segurança energética para o Brasil

NERGIA LIMPA ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA: O Sol promovendo sustentabilidade e segurança energética para o Brasil ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA: O Sol promovendo sustentabilidade e segurança energética para o Brasil Geração distribuída e centralizada, leilões e incentivos fiscais contribuem para geração de energia solar

Leia mais

REDUÇÃO DAS BARREIRAS PARA A INSTALAÇÃO DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA DE PEQUENO PORTE A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS Contribuição Consulta Pública

REDUÇÃO DAS BARREIRAS PARA A INSTALAÇÃO DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA DE PEQUENO PORTE A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS Contribuição Consulta Pública REDUÇÃO DAS BARREIRAS PARA A INSTALAÇÃO DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA DE PEQUENO PORTE A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS Contribuição Consulta Pública nº015/2010 09 de Novembro de 2010 ÍNDICE I RESPOSTA AOS QUESTIONAMENTOS

Leia mais

Aspectos Jurídicos 1

Aspectos Jurídicos 1 Aspectos Jurídicos 1 Planejamento do conteúdo: 1. Direito de energia no Brasil Estrutura e funcionamento do Estado brasileiro Marcos regulatórios (CR, as Políticas, as Leis, as Agências) 2. A contratação

Leia mais

Estudo de viabilidade econômica para projetos eólicos com base no novo contexto do setor elétrico

Estudo de viabilidade econômica para projetos eólicos com base no novo contexto do setor elétrico Ricado Marques Dutra 1 * Maurício Tiomno Tolmasquim 1 Resumo Com base nas resoluções ANEEL n 233/199 e ANEEL 245/1999, este trabalho procura mostrar os resultados de uma análise econômica de projetos eólicos

Leia mais

SEGURO SIMPLES ESTÁVEL RENTÁVEL ALTA LIQUIDEZ

SEGURO SIMPLES ESTÁVEL RENTÁVEL ALTA LIQUIDEZ Slide 1 INVESTIMENTO SEGURO SIMPLES ESTÁVEL RENTÁVEL ALTA LIQUIDEZ Iniciar O objetivo da apresentação é demonstrar que o investimento em PCH s é uma oportunidade muito interessante de negócio. A primeira

Leia mais

CPFL ENERGIAS RENOVÁVEIS S.A. CONTRIBUIÇÃO AO PROCESSO DE. CONSULTA PÚBLICA n o 007/2013

CPFL ENERGIAS RENOVÁVEIS S.A. CONTRIBUIÇÃO AO PROCESSO DE. CONSULTA PÚBLICA n o 007/2013 CPFL ENERGIAS RENOVÁVEIS S.A. CONTRIBUIÇÃO AO PROCESSO DE CONSULTA PÚBLICA n o 007/2013 OBTER SUBSÍDIOS PARA ESTABELECER CONDIÇÕES E PROCEDIMENTOS PARA EMISSÃO DE OUTORGAS DE AUTORIZAÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO

Leia mais

1 Introdução aos procedimentos do Programa de Eficiência Energética da ANEEL - ProPEE Apresentação dos princípios norteadores às propostas de

1 Introdução aos procedimentos do Programa de Eficiência Energética da ANEEL - ProPEE Apresentação dos princípios norteadores às propostas de 1 Introdução aos procedimentos do Programa de Eficiência Energética da ANEEL - ProPEE Apresentação dos princípios norteadores às propostas de projetos de eficiência energética 2 Motivações Os contratos

Leia mais

Decomposição da Inflação de 2011

Decomposição da Inflação de 2011 Decomposição da de Seguindo procedimento adotado em anos anteriores, este boxe apresenta estimativas, com base nos modelos de projeção utilizados pelo Banco Central, para a contribuição de diversos fatores

Leia mais

O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída

O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída Fórum sobre Eficiência Energética e Geração Distribuída O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Pesquisa

Leia mais

Comercialização de Energia Elétrica: Gerador de Fonte Alternativa X Consumidor ou Conjunto de Consumidores com Carga > 500 kw.

Comercialização de Energia Elétrica: Gerador de Fonte Alternativa X Consumidor ou Conjunto de Consumidores com Carga > 500 kw. Comercialização de Energia Elétrica: Gerador de Fonte Alternativa X Consumidor ou Conjunto de Consumidores com Carga > 500 kw. AP 033 - Sugestões Proposta da AP 033: Possibilidade de retorno do Consumidor

Leia mais

EDP Investor Day. 5 Anos de IPO EDP no Brasil

EDP Investor Day. 5 Anos de IPO EDP no Brasil EDP Investor Day 5 Anos de IPO EDP no Brasil Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação de valores

Leia mais

A visão do consumidor residencial com microgeração eólica

A visão do consumidor residencial com microgeração eólica com microgeração eólica Clayton Barreto de Melo Fortaleza-CE Tópicos a serem abordados Motivação para a instalação do sistema Ferramental utilizado Apresentação dos resultados obtidos após a instalação

Leia mais

MERCADO DE ENERGIA EÓLICA DE PEQUENO PORTE NO BRASIL: PERCEPÇÃO DO POTENCIAL CONSUMIDOR

MERCADO DE ENERGIA EÓLICA DE PEQUENO PORTE NO BRASIL: PERCEPÇÃO DO POTENCIAL CONSUMIDOR MERCADO DE ENERGIA EÓLICA DE PEQUENO PORTE NO BRASIL: PERCEPÇÃO DO POTENCIAL CONSUMIDOR Marcio Giannini Pereira 1, Bruno E. M. Montezano 2 & Ricardo Marques Dutra 1 1- Centro de Pesquisas de Energia Elétrica

Leia mais

Há clareza no futuro da micro e minigeração fotovoltaica? Bruno Moreno, FGV Energia Rafael Nogueira, FGV Energia

Há clareza no futuro da micro e minigeração fotovoltaica? Bruno Moreno, FGV Energia Rafael Nogueira, FGV Energia Há clareza no futuro da micro e minigeração fotovoltaica? Bruno Moreno, FGV Energia Rafael Nogueira, FGV Energia 1 MOTIVAÇÃO Geração Descentralizada é uma realidade em muitos países; É apontada como o

Leia mais

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA LIGADA À REDE

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA LIGADA À REDE ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA LIGADA À REDE Hans Rauschmayer A Solarize 2 Energia Solar e Sustentabilidade Energia Fotovoltaica Aquecimento Solar Integração com arquitetura Consultoria e Projetos Estudos

Leia mais

III Workshop Inovação para o Estabelecimento do Setor de Energia Solar Fotovoltaica no Brasil. Nelson Fonseca Leite Presidente 06/03/2013

III Workshop Inovação para o Estabelecimento do Setor de Energia Solar Fotovoltaica no Brasil. Nelson Fonseca Leite Presidente 06/03/2013 III Workshop Inovação para o Estabelecimento do Setor de Energia Solar Fotovoltaica no Brasil Nelson Fonseca Leite Presidente 06/03/2013 PRINCIPAIS INDICADORES DO SETOR DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

Leia mais

DESEMPENHO DA USINA FOTOVOLTAICA DO CAMPUS CEARÁ- MIRIM/IFRN PLANT PERFORMANCE PHOTOVOLTAIC OF CAMPUS CEARÁ-

DESEMPENHO DA USINA FOTOVOLTAICA DO CAMPUS CEARÁ- MIRIM/IFRN PLANT PERFORMANCE PHOTOVOLTAIC OF CAMPUS CEARÁ- DESEMPENHO DA USINA FOTOVOLTAICA DO CAMPUS CEARÁ- MIRIM/IFRN 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 RESUMO: A região nordeste do Brasil dispõem

Leia mais

EnerSolar + Brasil e Ecoenergy se destacam no mercado de energia renovável

EnerSolar + Brasil e Ecoenergy se destacam no mercado de energia renovável EnerSolar + Brasil e Ecoenergy se destacam no mercado de energia renovável Até 2040, o Brasil deverá atrair cerca de US$ 300 bilhões em investimentos para a geração de energia, segundo dados Bloomberg

Leia mais

Avaliação dos resultados da Resolução Normativa nº 482/2012 na visão do Regulador

Avaliação dos resultados da Resolução Normativa nº 482/2012 na visão do Regulador Avaliação dos resultados da Resolução Normativa nº 482/2012 na visão do Regulador Marco Aurélio Lenzi Castro Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição SRD/ANEEL Florianópolis SC 13/05/2014

Leia mais

Geração Distribuída no Brasil: Oportunidades e Desafios. Prof. Edmar de Almeida GEE-IE-UFRJ

Geração Distribuída no Brasil: Oportunidades e Desafios. Prof. Edmar de Almeida GEE-IE-UFRJ Geração Distribuída no Brasil: Oportunidades e Desafios Prof. Edmar de Almeida GEE-IE-UFRJ Plano da Apresentação Contexto Internacional da Geração Distribuída Oportunidades para Geração distribuída no

Leia mais

O Projeto de Lei em epígrafe institui um conjunto de políticas com vistas a estimular a geração de energia elétrica a partir da biomassa no Brasil.

O Projeto de Lei em epígrafe institui um conjunto de políticas com vistas a estimular a geração de energia elétrica a partir da biomassa no Brasil. COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA PROJETO DE LEI N o 3.529, DE 2012 Institui a política nacional de geração de energia elétrica a partir da biomassa, estabelece a obrigatoriedade de contratação dessa energia

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 005/2014

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 005/2014 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 005/2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: Celesc Distribuição S.A. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Nota Técnica nº 025/2014

Leia mais

O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída

O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída Sheyla Maria das Neves Damasceno Coordenadora do Programa de Eficiência Energia Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento

Leia mais

ESCO COMO INSTRUMENTO DE FOMENTO A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

ESCO COMO INSTRUMENTO DE FOMENTO A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ESCO COMO INSTRUMENTO DE FOMENTO A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Ralf Majevski Santos 1 Flávio Tongo da Silva 2 ( 1 Ralf_majevski@yahoo.com.br, 2 ftongo@bitavel.com) Fundamentos em Energia Professor Wanderley

Leia mais

A BASE. O sistema fotovoltaico é capaz d capitar e transformar em energia aproximadamente 15% destes fótons;

A BASE. O sistema fotovoltaico é capaz d capitar e transformar em energia aproximadamente 15% destes fótons; SUSTENTABILIDADE A geração fotovoltaica é uma das fontes mais limpas para produção de energia elétrica. Instalados nos telhados de fábricas, residências, galpões, etc., propicia uma utilização adicional

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA COPEL DISTRIBUIÇÃO S/A AP 001/2007

CONTRIBUIÇÕES DA COPEL DISTRIBUIÇÃO S/A AP 001/2007 Diretoria de Distribuição - DDI Superintendência de Mercado e Regulação SMR Assuntos Regulatórios da Distribuição - DARE CONTRIBUIÇÕES DA COPEL DISTRIBUIÇÃO S/A AP 001/2007 RESERVA DE CAPACIDADE Março/2007

Leia mais

Desafios Técnicos e Socioeconômicos da Oferta de Energia

Desafios Técnicos e Socioeconômicos da Oferta de Energia Desafios Técnicos e Socioeconômicos da Oferta de Energia Nelson Leite Presidente da ABRADEE 1 Porto Alegre, 18 de junho de 2015 1 Agenda 1 - Panorama do setor de distribuição de E. Elétrica 2 - Perspectivas

Leia mais

INFORMATIVO. Você já reparou que o mundo mudou, mas a forma como produzimos e consumimos energia continua praticamente igual há 50 anos?

INFORMATIVO. Você já reparou que o mundo mudou, mas a forma como produzimos e consumimos energia continua praticamente igual há 50 anos? INFORMATIVO Você já reparou que o mundo mudou, mas a forma como produzimos e consumimos energia continua praticamente igual há 50 anos? Ainda dependemos de grandes usinas que produzem energia a quilômetros

Leia mais

SUBSTITUIÇÃO DE UNIDADE DEFEITUOSA DE BANCO DE TRANSFORMADORES UTILIZANDO EQUIPAMENTO DE MANOBRA

SUBSTITUIÇÃO DE UNIDADE DEFEITUOSA DE BANCO DE TRANSFORMADORES UTILIZANDO EQUIPAMENTO DE MANOBRA SUBSTITUIÇÃO DE UNIDADE DEFEITUOSA DE BANCO DE TRANSFORMADORES UTILIZANDO EQUIPAMENTO DE MANOBRA Pedro Augusto Pinto Vallone Engenheiro Master III de Subestações Departamento de Engenharia Diretoria de

Leia mais

ESTUDO DE INSTALAÇÃO FOTOVOLTAICAS ISOLADAS E CONECTADAS À REDE ELÉTRICA. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.

ESTUDO DE INSTALAÇÃO FOTOVOLTAICAS ISOLADAS E CONECTADAS À REDE ELÉTRICA. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. ESTUDO DE INSTALAÇÃO FOTOVOLTAICAS ISOLADAS E CONECTADAS À REDE ELÉTRICA Bolsista Apresentador: Diego Leonardo Bertol Moraes. Coordenador: Airton Cabral de Andrade Pontifícia Universidade Católica do Rio

Leia mais

GAMEC - GRUPO DE ASSISTÊNCIA MÉDICA EMPRESARIAL DO CEARÁ LTDA.

GAMEC - GRUPO DE ASSISTÊNCIA MÉDICA EMPRESARIAL DO CEARÁ LTDA. GAMEC - GRUPO DE ASSISTÊNCIA MÉDICA EMPRESARIAL DO CEARÁ LTDA. NOTA TÉCNICA ATUARIAL REAJUSTE DO AGRUPAMENTO DE CONTRATOS COLETIVOS (RN 309/2012) MARÇO/2015 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 3 2. BASE LEGAL 3 3. METODOLOGIA

Leia mais

Análise dos Riscos de uma Distribuidora Associados à Compra. e Venda de Energia no Novo Modelo do Setor Elétrico

Análise dos Riscos de uma Distribuidora Associados à Compra. e Venda de Energia no Novo Modelo do Setor Elétrico Marco Aurélio Lenzi Castro 1 Fernando Monteiro de Figueiredo 2 Ivan Marques de Toledo Camargo 3 Palavras chave: Análise de Risco, Novo Modelo e Simulação de Monte Carlo. Resumo Com a publicação das Leis

Leia mais

TARIFA BRANCA E BANDEIRAS TARIFÁRIAS VISÃO DA ANEEL

TARIFA BRANCA E BANDEIRAS TARIFÁRIAS VISÃO DA ANEEL TARIFA BRANCA E BANDEIRAS TARIFÁRIAS VISÃO DA ANEEL Diego Luís Brancher Especialista em Regulação Chapecó/SC 27/11/2014 PROGRAMA 1.BANDEIRAS TARIFÁRIAS DÚVIDAS 2.TARIFA BRANCA DÚVIDAS 2 BANDEIRAS TARIFÁRIAS

Leia mais

Eficiência Energética AUTOCONSUMO. PARA MAIS INFORMAÇÕES CONTACTE: 210 105 935 geral@solarwaters.pt. Eficiência Energética

Eficiência Energética AUTOCONSUMO. PARA MAIS INFORMAÇÕES CONTACTE: 210 105 935 geral@solarwaters.pt. Eficiência Energética AUTOCONSUMO Produção de energia para consumo próprio. ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA O QUE É O AUTOCONSUMO? O autoconsumo é a utilização de painéis solares fotovoltaicos para produção de energia para consumo

Leia mais

A Regulação para o Estabelecimento do Mercado de Energia Fotovoltaica no Brasil - O Papel da ANEEL -

A Regulação para o Estabelecimento do Mercado de Energia Fotovoltaica no Brasil - O Papel da ANEEL - Inova FV Workshop Inovação para o Estabelecimento do Setor de Energia Solar Fotovoltaica no Brasil A Regulação para o Estabelecimento do Mercado de Energia Fotovoltaica no Brasil - O Papel da ANEEL - Armando

Leia mais

Cálculo do Desconto Aplicado à TUSD/TUST

Cálculo do Desconto Aplicado à TUSD/TUST Regras de Comercialização Cálculo do Desconto Aplicado à TUSD/TUST 1 versão Versão 1.0 - Minuta 1.0 Índice Cálculo de Descontos TUSD/TUST 3 1 Introdução 3 1.1 Lista de Termos 5 1.2 Conceitos Básicos 6

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DO FÓRUM DAS ASSOCIAÇÕES EMPRESARIAIS PRÓ- DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE GÁS NATURAL CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 005/2014

CONTRIBUIÇÃO DO FÓRUM DAS ASSOCIAÇÕES EMPRESARIAIS PRÓ- DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE GÁS NATURAL CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 005/2014 CONTRIBUIÇÃO DO FÓRUM DAS ASSOCIAÇÕES EMPRESARIAIS PRÓ- DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE GÁS NATURAL CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 005/2014 Descrição: Obter subsídios para identificar a necessidade de criação

Leia mais

PLANEJAMENTO DA CONEXÃO DE USINAS FOTOVOLTAICAS NO NORTE DE MINAS WORKSHOP ENERGIA FOTOVOLTAICA NO NORTE DE MINAS GERAIS

PLANEJAMENTO DA CONEXÃO DE USINAS FOTOVOLTAICAS NO NORTE DE MINAS WORKSHOP ENERGIA FOTOVOLTAICA NO NORTE DE MINAS GERAIS PLANEJAMENTO DA CONEXÃO DE USINAS FOTOVOLTAICAS NO NORTE DE MINAS WORKSHOP ENERGIA FOTOVOLTAICA NO NORTE DE MINAS GERAIS Montes Claros, 11 de setembro de 2015 AGENDA Expansão do Sistema de Distribuição

Leia mais

!+,(-. / %01213"&$$(

!+,(-. / %01213&$$( !"#$%&$'"$(%)"*(%!+,(-. / %01213"&$$( Com base nas informações apresentadas na Nota Técnica em referência, apresentamos algumas contribuições que julgamos oportunas para auxiliar nas diversas questões

Leia mais

www.ecosolarenergia.com.br

www.ecosolarenergia.com.br Solução em sustentabilidade Energia limpa e sustentável. Pense no meio ambiente. Pense limpo. www.ecosolarenergia.com.br (27) 3325-0304 / 99234-5696 / 99907-8829 E-book Perguntas & Respostas www.ecosolarenergia.com.br

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA PARA PROJETO ESTRATÉGICO REFERENTE À CHAMADA ANEEL Nº 014/2012

CHAMADA PÚBLICA PARA PROJETO ESTRATÉGICO REFERENTE À CHAMADA ANEEL Nº 014/2012 CHAMADA PÚBLICA PARA PROJETO ESTRATÉGICO REFERENTE À CHAMADA ANEEL Nº 014/2012 Coordenadoria de Planejamento Empresarial, Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação - CPP Companhia Hidro Elétrica do São Francisco

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL GE Distributed Power Jose Renato Bruzadin Sales Manager Brazil T +55 11 2504-8829 M+55 11 99196-4809 Jose.bruzadini@ge.com São Paulo, 11 de Julho de 2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: GE Distributed Power AGÊNCIA

Leia mais

Companhia Energética de Minas Gerais

Companhia Energética de Minas Gerais CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 41/2012 Companhia Energética de Minas Gerais AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Resolução Normativa nº 334/2008 NOTA TÉCNICA /2012

Leia mais

ProGD. Ações de estímulo à geração distribuída, com base em fontes renováveis. Programa de Desenvolvimento da Geração Distribuída de Energia Elétrica

ProGD. Ações de estímulo à geração distribuída, com base em fontes renováveis. Programa de Desenvolvimento da Geração Distribuída de Energia Elétrica ProGD Programa de Desenvolvimento da Geração Distribuída de Energia Elétrica Ações de estímulo à geração distribuída, com base em fontes renováveis Brasília, 15 de dezembro de 2015 Metas renováveis Brasil/ONU

Leia mais

7 etapas para construir um Projeto Integrado de Negócios Sustentáveis de sucesso

7 etapas para construir um Projeto Integrado de Negócios Sustentáveis de sucesso 7 etapas para construir um Projeto Integrado de Negócios Sustentáveis de sucesso Saiba como colocar o PINS em prática no agronegócio e explore suas melhores opções de atuação em rede. Quando uma empresa

Leia mais

Empresa de Distribuição de Energia Vale Paranapanema S/A Resultados do 3º trimestre de 2015

Empresa de Distribuição de Energia Vale Paranapanema S/A Resultados do 3º trimestre de 2015 Resultados do 3º trimestre de 2015 São Paulo, 13 de novembro de 2015 A Administração da Empresa de Distribuição de Energia do Vale Paranapanema ( EDEVP ou Companhia ) apresenta os resultados do terceiro

Leia mais

ANEXO III PROPOSTA ECONÔMICO FINANCEIRA DA SABESP PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA - RMBS MUNICÍPIO DE SANTOS

ANEXO III PROPOSTA ECONÔMICO FINANCEIRA DA SABESP PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA - RMBS MUNICÍPIO DE SANTOS ANEXO III PROPOSTA ECONÔMICO FINANCEIRA DA SABESP PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA - RMBS MUNICÍPIO DE SANTOS 1 Sumário 1. Equilíbrio econômico-financeiro metropolitano...3 2. Proposta econômico-financeira

Leia mais

Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia Elétrica S.A.

Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia Elétrica S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2012 2011 Passivo e patrimônio líquido 2012 2011 (Não auditado) (Não auditado) Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 4) 415 7 Fornecedores

Leia mais

Energia Solar Fotovoltaica: Oportunidades e Desafios

Energia Solar Fotovoltaica: Oportunidades e Desafios Energia Solar Fotovoltaica: Oportunidades e Desafios Prof. Dr. Luciano Schuch Schuch.prof@gmail.com Sumário Potencial energético Previsões Sistemas fotovoltaicos Cenário Nacional Legislação ANEEL Projeto

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007. (Do Sr. Paulo Teixeira, Nilson Pinto, Bernardo Ariston e outros) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007. (Do Sr. Paulo Teixeira, Nilson Pinto, Bernardo Ariston e outros) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Paulo Teixeira, Nilson Pinto, Bernardo Ariston e outros) Dispõe sobre fontes renováveis de energia, com o objetivo de promover a universalização, a geração distribuída

Leia mais

- Gestão Financeira 1 -

- Gestão Financeira 1 - 1 Cap 2 - Administração do Capital de Giro 2.1 Introdução 2.2 O capital circulante e capital circulante líquido 2.3 Políticas de gerenciamento do capital circulante 2.4 Capital de Giro Próprio 2.5 Capital

Leia mais

Programa de Eficiência Energética - Celpe Chamada Pública de Projetos REE 002/2015. Thiago Figueiredo Dezembro de 2015

Programa de Eficiência Energética - Celpe Chamada Pública de Projetos REE 002/2015. Thiago Figueiredo Dezembro de 2015 Programa de Eficiência Energética - Celpe Chamada Pública de Projetos REE 002/2015 Thiago Figueiredo Dezembro de 2015 Neoenergia em números Lucro Líquido - Distribuição: R$ 786 MM População Atendida: 26,5

Leia mais

INTENÇÃO DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS - ICF

INTENÇÃO DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS - ICF INTENÇÃO DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS - ICF Goiânia GO Janeiro 2010 SUMÁRIO Tabela 1 - Síntese dos Resultados 3 Tabela 2 - Variações percentuais sobre o mês anterior 3 Análise dos Resultados 4 Tabela 3 - Intenção

Leia mais

Perspectivas da Contratação de Energia no Mercado Livre

Perspectivas da Contratação de Energia no Mercado Livre Perspectivas da Contratação de Energia no Mercado Livre 19 de Agosto de 2008 ABRACEEL www.abraceel.com.br Venda de Energia Leilão de Energia de Reserva Mercado Livre de Fontes Incentivadas CCEE O Papel

Leia mais

RESPONSÁVEL: SUPERINTENDÊNCIA DE REGULAÇÃO DOS SERVIÇOS DE TRANSMISSÃO SRT

RESPONSÁVEL: SUPERINTENDÊNCIA DE REGULAÇÃO DOS SERVIÇOS DE TRANSMISSÃO SRT PROCESSO: 48500.003851/2013-22 INTERESSADA: Companhia Hidro Elétrica do São Francisco Chesf RELATOR: Diretor André Pepitone da Nóbrega RESPONSÁVEL: SUPERINTENDÊNCIA DE REGULAÇÃO DOS SERVIÇOS DE TRANSMISSÃO

Leia mais

Inserção da Geração Solar na Matriz Elétrica Brasileira. Palestrante: Eng. Marcelo Vinicius

Inserção da Geração Solar na Matriz Elétrica Brasileira. Palestrante: Eng. Marcelo Vinicius Inserção da Geração Solar na Matriz Elétrica Brasileira Palestrante: Eng. Marcelo Vinicius Temas a serem abordados: 1. Matriz de energia elétrica 2. Distintas tecnologias 3. Combustível solar 4. Motivação

Leia mais

Viabilidade Ec E onômic onômic Aquecimen to Solar

Viabilidade Ec E onômic onômic Aquecimen to Solar Viabilidade Econômica Aquecimento Solar Sistema Aquecimento Solar - SAS Breve Histórico no Brasil A história do aquecedor solar no Brasil é recente. O primeiro aquecedor solar apareceu no Brasil na década

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE REGULAÇÃO DOS SERVIÇOS DE DISTRIBUIÇÃO. Nota Técnica nº 112/2007-SRD/ANEEL. Brasília, 12 de Dezembro de 2007

SUPERINTENDÊNCIA DE REGULAÇÃO DOS SERVIÇOS DE DISTRIBUIÇÃO. Nota Técnica nº 112/2007-SRD/ANEEL. Brasília, 12 de Dezembro de 2007 SUPERINTENDÊNCIA DE REGULAÇÃO DOS SERVIÇOS DE DISTRIBUIÇÃO Nota Técnica nº 112/2007-SRD/ANEEL Brasília, 12 de Dezembro de 2007 METODOLOGIA DE TRATAMENTO REGULATÓRIO DE PERDAS TÉCNICAS............................................

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 26/2015 NOME DA INSTITUIÇÃO: ITAIPU BINACIONAL ASSESSORIA DE ENERGIAS RENOVÁVEIS

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 26/2015 NOME DA INSTITUIÇÃO: ITAIPU BINACIONAL ASSESSORIA DE ENERGIAS RENOVÁVEIS MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 26/2015 NOME DA INSTITUIÇÃO: ITAIPU BINACIONAL ASSESSORIA DE ENERGIAS RENOVÁVEIS AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO:

Leia mais

COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS CEMIG PROGRAMA LUZ PARA TODOS

COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS CEMIG PROGRAMA LUZ PARA TODOS COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS CEMIG PROGRAMA LUZ PARA TODOS 1 Agenda A Distribuição de energia elétrica na Cemig Universalização Programa Luz Para Todos Descrição Metas Cronograma Orçamento e estrutura

Leia mais

Relatório da Administração

Relatório da Administração Ecosol Petrolina Relatório da Administração 1. Identidade organizacional Missão: Fortalecer e estimular a interação solidária entre agricultores e cooperativas através do crédito orientado e da educação

Leia mais

AES TIETÊ DAY. 17 de junho de 2011

AES TIETÊ DAY. 17 de junho de 2011 AES TIETÊ DAY 17 de junho de 2011 Manutenção e Modernização Manutenção e modernização do parque gerador Objetivos Assegurar a capacidade de geração de energia e a continuidade das operações Cumprir as

Leia mais

Painel Geração Renovável Energia Solar Fotovoltaica

Painel Geração Renovável Energia Solar Fotovoltaica Painel Geração Renovável Energia Solar Fotovoltaica Nelson Colaferro Presidente do Conselho de Administração Brasília 28/05/2015 Energia Solar Fotovoltaica 2 Quem Somos Reúne empresas nacionais e internacionais

Leia mais

Energia Elétrica: Previsão da Carga dos Sistemas Interligados 2 a Revisão Quadrimestral de 2004

Energia Elétrica: Previsão da Carga dos Sistemas Interligados 2 a Revisão Quadrimestral de 2004 Energia Elétrica: Previsão da Carga dos Sistemas Interligados 2 a Revisão Quadrimestral de 2004 Período 2004/2008 INFORME TÉCNICO PREPARADO POR: Departamento de Estudos Energéticos e Mercado, da Eletrobrás

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 005 /2014

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 005 /2014 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 005 /2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTINUA - PECE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENERGIAS RENOVÁVEIS, GERAÇÃO DISTRIBUÍDA

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPT.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO II GRUPO DE ESTUDO GRUPO DE ESTUDO DE PRODUÇÃO TÉRMICA E FONTES NÃO CONVENCIONAIS

Leia mais

ULHÔA CANTO, REZENDE E GUERRA - ADVOGADOS. Contribuição à Audiência Pública ANEEL nº 052/2007 Aprimoramento da Resolução Normativa ANEEL nº 234/2006

ULHÔA CANTO, REZENDE E GUERRA - ADVOGADOS. Contribuição à Audiência Pública ANEEL nº 052/2007 Aprimoramento da Resolução Normativa ANEEL nº 234/2006 ULHÔA CANTO, REZENDE E GUERRA - ADVOGADOS AV. BRIGADEIRO FARIA LIMA, 1847 - TEL.:(55-11)3066-3066 - FAX: (55-11)3081-5804 - E-mail: ucrgsp@ucrg.com.br - CEP 01451-001 - SÃO PAULO - SP AV. PRES. ANTONIO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CENTRO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO ANA PAULA RECHETELO DE OLIVEIRA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CENTRO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO ANA PAULA RECHETELO DE OLIVEIRA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CENTRO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO ANA PAULA RECHETELO DE OLIVEIRA PREVIDÊNCIA PRIVADA: ANÁLISE DE ALTERNATIVAS DE PLANOS PREVIDENCIÁRIOS CURITIBA 2014 ANA

Leia mais

Considerações sobre redimensionamento de motores elétricos de indução

Considerações sobre redimensionamento de motores elétricos de indução Considerações sobre redimensionamento de motores elétricos de indução Artigo publicado na revista Lumiere Electric edição nº 166 Aplicações de investimentos dentro das empresas sempre são questionadas

Leia mais

CP 013/14 Sistemas Subterrâneos. Questões para as distribuidoras

CP 013/14 Sistemas Subterrâneos. Questões para as distribuidoras CP 013/14 Sistemas Subterrâneos Questões para as distribuidoras 1) Observa-se a necessidade de planejamento/operacionalização de atividades entre diversos agentes (distribuidoras, concessionárias de outros

Leia mais

Energia Solar no Brasil. 12/04/2012 Rio de Janeiro - RJ

Energia Solar no Brasil. 12/04/2012 Rio de Janeiro - RJ Fórum Canalenergia/Cogen Potencial e Perspectivas da Energia Solar no Brasil O Processo da Regulação da Geração Distribuída Edvaldo Alves de Santana 12/04/2012 Rio de Janeiro - RJ Objetivos e princípio

Leia mais

Planejamento Financeiro. Aula 6. Contextualização. Orçamento. Organização da Aula. Instrumentalização. Profa. Claudia Abramczuk

Planejamento Financeiro. Aula 6. Contextualização. Orçamento. Organização da Aula. Instrumentalização. Profa. Claudia Abramczuk Planejamento Financeiro Aula 6 Contextualização Profa. Claudia Abramczuk Orçamento Ferramenta para o sucesso empresarial Tomada de decisão Exposição de hipóteses Sistema de autorização, meio de planejamento,

Leia mais

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Módulo 7 Cálculo de Perdas na Distribuição Revisão 0 1 2 3 Motivo da Revisão

Leia mais

NOME DA INSTITUIÇÃO: Greenpeace Brasil

NOME DA INSTITUIÇÃO: Greenpeace Brasil MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 0026/2015 NOME DA INSTITUIÇÃO: Greenpeace Brasil AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Resolução Normativa nº 482,

Leia mais

MODELO DE SIMULAÇÃO PARA A OTIMIZAÇÃO DO PRÉ- DESPACHO DE UMA USINA HIDRELÉTRICA DE GRANDE PORTE

MODELO DE SIMULAÇÃO PARA A OTIMIZAÇÃO DO PRÉ- DESPACHO DE UMA USINA HIDRELÉTRICA DE GRANDE PORTE UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS DE CURITIBA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA - ELETROTÉCNICA ERNANI SCHENFERT FILHO LUCIANO CARVALHO DE BITENCOURT MARIANA UENO OLIVEIRA MODELO

Leia mais

III SEMINÁRIO MERCADOS DE ELETRICIDADE E GÁS NATURAL

III SEMINÁRIO MERCADOS DE ELETRICIDADE E GÁS NATURAL III SEMINÁRIO MERCADOS DE ELETRICIDADE E GÁS NATURAL Tema central Investimento, risco e regulação Seção B. A Indústria Investimento em energias renováveis no Brasil. A oportunidade da energia eólica Amilcar

Leia mais

Os brasileiros diante da microgeração de energia renovável

Os brasileiros diante da microgeração de energia renovável Os brasileiros diante da microgeração de energia renovável Contexto Em abril de 2012, o governo através da diretoria da agência reguladora de energia elétrica (ANEEL) aprovou regras destinadas a reduzir

Leia mais

TUDO SOBRE ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA

TUDO SOBRE ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA TUDO SOBRE ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA O QUE É, COMO FUNCIONA, SISTEMA DE CRÉDITOS, RESPONSABILIDADE E DEVERES, INVESTIMENTO MÉDIO, MANUTENÇÃO E TEMPO DE RETORNO 1. INTRODUÇÃO Por Mário Camacho (Diretor

Leia mais

SINCOR-SP 2015 DEZEMBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 DEZEMBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS DEZEMBRO 20 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

06 a 10 de Outubro de 2008 Olinda - PE

06 a 10 de Outubro de 2008 Olinda - PE 06 a 10 de Outubro de 2008 Olinda - PE Nome do Trabalho Técnico Previsão do mercado faturado mensal a partir da carga diária de uma distribuidora de energia elétrica Laucides Damasceno Almeida Márcio Berbert

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 32/2010

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 32/2010 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 32/2010 NOME DA INSTITUIÇÃO: AES Sul Distribuidora Gaúcha de Energia S/A AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO:

Leia mais

ANEXO IV DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL

ANEXO IV DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL ANEXO IV DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL 1. INTRODUÇÃO Este anexo objetiva apresentar as informações necessárias a orientar a LICITANTE quanto à apresentação e conteúdo da sua PROPOSTA

Leia mais

A geração distribuída no contexto das mudanças climáticas

A geração distribuída no contexto das mudanças climáticas A geração distribuída no contexto das mudanças climáticas Ricardo J. Fujii Programa de Mudanças Climáticas e Energia WWF-Brasil Natal, 03 de Outubro de 2015 Contexto atual Produção nacional de eletricidade

Leia mais

Concepção de um Sistema de Abastecimento de Água

Concepção de um Sistema de Abastecimento de Água Concepção de um Sistema de Abastecimento de Água Introdução Em geral, não há uma solução única para um projeto de sistema de abastecimento de água Uma mesma opção pode admitir diferentes: variantes, formas

Leia mais

Classificação dos Sistemas Fotovoltaicos

Classificação dos Sistemas Fotovoltaicos Só Elétrica Indústria e Comércio de Equipamentos Elétricos Rua Duque de Caxias, 796 Centro Joaçaba CEP: 89600-000 Fone: (49) 3522-2681 Um sistema fotovoltaico é uma fonte de potência elétrica, na qual

Leia mais

ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES

ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES! A análise do desempenho histórico! Análise setorial! Análise de múltiplos! Elaboração de projeções de resultados! Determinação

Leia mais

CARTILHA FINANCIAMENTO À MICRO E À MINIGERAÇÃO DISTRIBUÍDA DE ENERGIA ELÉTRICA

CARTILHA FINANCIAMENTO À MICRO E À MINIGERAÇÃO DISTRIBUÍDA DE ENERGIA ELÉTRICA CARTILHA FINANCIAMENTO À MICRO E À MINIGERAÇÃO DISTRIBUÍDA DE ENERGIA ELÉTRICA CARTILHA FINANCIAMENTO À MICRO E À MINIGERAÇÃO DISTRIBUÍDA DE ENERGIA ELÉTRICA Fortaleza Banco do Nordeste Julho de 2015 Presidente

Leia mais

1.1 Brasil e a Energia Fotovoltaica

1.1 Brasil e a Energia Fotovoltaica 1. INTRODUÇÃO Nos últimos anos, o atual modelo energético mundial vem sendo questionado, devido ao acelerado crescimento populacional e consequente aumento do consumo de energia. O termo Desenvolvimento

Leia mais

INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO

INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO Aos Srs. Acionistas Investco S.A. Anexo I - Comentários dos Diretores da Companhia Contas dos Administradores referentes ao exercício social encerrado em 31.12.2012.

Leia mais

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica Apresentação CEI Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica A CEI é produtora independente de energia em MG, com 9 usinas em operação, 15 empreendimentos hidrelétricos em desenvolvimento (130MW) e

Leia mais

Análise da Necessidade e Periodicidade de Resgates para Aportes Periódicos Mensais em Cdb

Análise da Necessidade e Periodicidade de Resgates para Aportes Periódicos Mensais em Cdb Análise da Necessidade e Periodicidade de Resgates para Aportes Periódicos Mensais em Cdb Fabiana de Jesus Peixoto fabi.contato@hotmail.com FATEC-BP Priscila Gandolfi Dell Orti priscilagandolfi@hotmail.com

Leia mais

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 1) Conjuntura Econômica Em função dos impactos da crise econômica financeira mundial, inciada no setor imobiliário

Leia mais

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Módulo 7 Cálculo de Perdas na Distribuição Revisão 0 Motivo da Revisão

Leia mais

2 Características do Sistema Interligado Nacional

2 Características do Sistema Interligado Nacional 2 Características do Sistema Interligado Nacional O Sistema Elétrico Brasileiro (SEB) evoluiu bastante ao longo do tempo em termos de complexidade e, consequentemente, necessitando de um melhor planejamento

Leia mais

[R]evolução energética:

[R]evolução energética: Ricardo Baitelo* [R]evolução energética: perspectivas para uma energia global sustentável As fortes suspeitas de que o ser humano é o agente responsável pela crise do aquecimento global foram categoricamente

Leia mais

Diário do Nordeste 23/01/2015 Consumidor parte para gerar a própria energia

Diário do Nordeste 23/01/2015 Consumidor parte para gerar a própria energia Diário do Nordeste 23/01/2015 Consumidor parte para gerar a própria energia http://diariodonordeste.verdesmares.com.br/cadernos/negocios/consumidor-parte-para-gerar-apropria-energia-1.1203880 Em um ano

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DO GRUPO NEOENERGIA À CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 015/2010 - GERAÇÃO DISTRIBUIDA

CONTRIBUIÇÃO DO GRUPO NEOENERGIA À CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 015/2010 - GERAÇÃO DISTRIBUIDA CONTRIBUIÇÃO DO GRUPO NEOENERGIA À CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 015/2010 - GERAÇÃO DISTRIBUIDA A) Caracterização dos empreendimentos A1. Qual seria a melhor forma de caracterização de uma pequena central

Leia mais

NCIA DAS. Palmas - TO

NCIA DAS. Palmas - TO PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLÊNCIA NCIA DAS FAMÍLIAS Palmas - TO Janeiro 2010 SUMÁRIO Análise dos Resultados 3 Tabela 1 PEIC - Evolução nos últimos 13 meses 3 Tabela 2 PEIC Evolução nos últimos

Leia mais

UNIDADE Correção monetária

UNIDADE Correção monetária UNIDADE 5 Correção monetária Correção monetária Curso de Graduação em Administração a Distância Objetivo Nesta Unidade, você vai estudar: o conceito de inflação, bem como o conceito de correção monetária;

Leia mais