NERGIA LIMPA ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA: O Sol promovendo sustentabilidade e segurança energética para o Brasil

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NERGIA LIMPA ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA: O Sol promovendo sustentabilidade e segurança energética para o Brasil"

Transcrição

1 ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA: O Sol promovendo sustentabilidade e segurança energética para o Brasil Geração distribuída e centralizada, leilões e incentivos fiscais contribuem para geração de energia solar fotovoltaica, além de fomentar o setor produtivo e promover o desenvolvimento social através de geração de emprego e renda Rodrigo Lopes Sauaia Márcio Takata Enova Solar Divulgação ABSOLAR O sol é considerado uma das fontes renováveis de maior potencial para geração de energia elétrica no Brasil, e uma tecnologia promissora para este desenvolvimento é a fonte solar fotovoltaica, que vem se destacando dentro de dois grandes segmentos, a geração centralizada, que abrange a construção de grandes usinas solares, cujo foco é a distribuição de energia elétrica para matriz energética nacional, e a geração distribuída, outro grande segmento do setor solar fotovoltaico, que abrange a instalação de sistemas solares fotovoltaicos em telhados e fachadas de edifícios residenciais, comerciais, industriais e públicos e também vem crescendo de forma significativa na atualidade. O Brasil já é referência em geração de energia elétrica através de fontes renováveis, que atualmente representam mais de 80% de sua matriz. Porém a participação das fontes fósseis nos últimos anos aumentou como uma forma do governo complementar a geração de energia das hidrelétricas. No entanto, de acordo com Rodrigo Lopes Sauaia, presidente executivo da ABSOLAR (Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica), não só é possível como benéfico para o país buscar a diversificação da matriz elétrica do país através das chamadas fontes renováveis complementares, tais como, biomassa, eólica e solar, que contribuem para garantir maior segurança energética, sustentabilidade ambiental, movimentação econômica e geração de empregos de qualidade ao Brasil. O setor solar fotovoltaico ganhou espaço no cenário de energia elétrica nacional a partir de 2013, quando houve a primeira inserção em grande escala de fonte solar na matriz elétrica, resultado de um leilão do governo do Estado de Pernambuco, no qual foram contratadas cinco usinas solares fotovoltaicas com capacidade de geração de 92 MW (Megawats). Das cinco usinas, duas já estão em operação, e fazem parte do primeiro parque híbrido do Brasil, que combina geração de energia solar fotovoltaica e eólica, onde 10 MW de potência são gerados por energia solar fotovoltaica. O ano de 2014 também teve grande volume de contratação de energia solar através de leilões, com a implantação de mais de 30 usinas da fonte, seguida por dois leilões adicionais em 2015, que contrataram por volta de 1000 MW de potência cada um. Atualmente são 99 usinas solares já contratadas, representando um total de MW de energia solar fotovoltaica e mais de R$ 12,5 bilhões em investimentos, que entrarão em operação até o final de mar-abr/16 rev/gbc/br

2 Geração distribuída em edificações A geração distribuída se tornou um mercado competitivo para os grandes e adensados centros urbanos do país. O consumidor pode gerar sua própria energia através da utilização de sistemas solares fotovoltaicos nos telhados ou fachadas de edifícios, o que diminui sua demanda por eletricidade da rede de distribuição. A característica mais marcante deste tipo de geração é a possibilidade deste consumidor fornecer energia limpa e renovável para a matriz elétrica do país, ao mesmo tempo em que economiza dinheiro, incentiva a geração de novos empregos e negócios na sua região, ajuda na proteção ambiental e ainda contribui para o desenvolvimento sustentável do país rumo a uma economia de baixo carbono. A resolução normativa nº 482 da ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica), instituída em abril de 2012, divide a geração distribuída em dois tipos, a micro e minigeração de energia. Com a revisão desta normativa através da resolução nº 687 da ANEEL, de novembro de 2015, as faixas de potência nominal foram ajustadas de 100 kw para 75 kw para microgeração, ao passo que a minigeração teve sua potência nominal ampliada para a partir de 75 kw e até 5 MW. A revisão, qualificada como histórica por especialistas do setor, deve promover uma ampliação exponencial no mercado de micro e minigeração ao longo dos próximos anos. Além disso, a revisão 687/2015, que entrou em efeito a partir de 1º de março de 2016, trouxe uma série de aprimoramentos estratégicos para incentivar a geração distribuída em residências e edifícios de todo o país. Ao final de 2012, o Brasil possuía apenas três sistemas de micro e minigeração instalados e em 2013 este número aumentou 25 vezes, chegando a um total de 75 sistemas instalados em todo país. No ano de 2014, os sistemas implantados deram um salto para 423 projetos. De 2014 para 2015 o crescimento de sistemas implantados foi de impressionantes 308% no segmento de micro e minigeração, atingindo a marca de 1731 sistemas. Atualmente são mais de sistemas instalados no Brasil, segundo dados da ANEEL, sendo que mais de 96% de todos os sistemas são da fonte solar fotovoltaica, a maioria em residências e pequenos comércios. Podemos dizer que a energia solar fotovoltaica é a tecnologia líder de mercado no segmento de micro e minigeração distribuída, em especial por ser a mais abundante do país, de fácil instalação e operação. A nossa Fotos: Divulgação expectativa para o ano de 2016 é de que este segmento cresça ainda mais fortemente do que no ano de A resolução normativa 687/2015 incorporou uma série de aprimoramentos regulatórios favoráveis ao desenvolvimento da micro e minigeração do Brasil, afirma Rodrigo Sauaia. Essa resolução posicionou o país na vanguarda, como uma referência internacional na área de promoção à geração distribuída a partir de fontes renováveis, complementa. De acordo com Rodrigo Sauaia, qualquer empresa ou residência pode se tornar uma geradora de energia limpa e renovável, bastando para isso possuir um telhado adequado para a instalação de um sistema solar fotovoltaico. Um exemplo exposto pelo presidente executivo da ABSOLAR são as empresas comerciais e de serviços que não operam aos finais de semana. Neste caso, a empresa gera energia diariamente com o sistema solar fotovoltaico, porém consome a energia apenas durante os dias úteis semana. Ainda assim, enquanto a unidade não está em operação, a energia gerada é injetada na rede de distribuição, ajudando a atender a demanda do bairro e da região. Este processo, além de contribuir com o meio ambiente, através da redução da demanda de eletricidade gerada por combustíveis fósseis, diminui as perdas do sistema elétrico nacional. No Brasil estas perdas chegam a representar quase 15% da demanda total de eletricidade, segundo dados oficiais EPE, e são ocasionadas pelo transporte da energia elétrica por milhares de quilômetros através das linhas de transmissão e na distribuição. Podemos reduzir essas perdas quando geramos a energia de forma distribuída e próxima do ponto de consumo, o que aumenta a eficiência técnica e econômica da matriz elétrica nacional, reduzindo custos e aumentando a competitividade das empresas brasileiras, explica. Compensação de energia elétrica A resolução normativa nº 482/2012 da ANEEL estabeleceu também o Sistema de Compensação de Energia Elétrica, que permite a geração de créditos pela unidade consumidora com micro ou minigeração. O mecanismo simplificou a conexão da geração distribuída à rede de distribuição de energia elétrica e revistagbcbrasil.com.br 29 mar-abr/16

3 Fotos: Divulgação permitiu que a produção de energia excedente seja repassada à matriz, gerando créditos de energia, válidos por 60 meses. Estes créditos podem ser posteriormente utilizados para abater a demanda desta unidade consumidora, ou ainda de outras unidades consumidoras da mesma pessoa ou empresa. De acordo com Márcio Takata, sócio-diretor da Enova Solar e professor do curso de Energias Renováveis do Green Building Council Brasil, o sistema de compensação de energia é um avanço muito importante da normativa. A geração de energia solar fotovoltaica em condomínios verticais é um grande desafio, pois geralmente na há área suficiente que permita geração de energia para todos os condôminos, geralmente a quantidade de energia gerada acaba atendendo somente as áreas comuns dos edifícios. Mas com a revisão da norma, abriram-se possibilidades para o setor, pois é possível instalar o sistema fotovoltaico em um local de maior área, maximizando a geração desta energia, além de proporcionar que esta energia seja utilizada em outro imóvel, desde que este seja do mesmo proprietário. Com isso o mercado de gerado de distribuída tende a cresce muito nos próximos anos, destaca. O cliente pode usufruir deste benefício abatendo o seu consumo na proporção de 1 kwh de energia gerada para 1 kwh de energia consumida. Esse modelo é chamado de medição líquida e conhecido internacionalmente como net-metering. Com ele, evitam-se os custos de armazenamento a energia elétrica gerada, que é repassada à rede para consumo imediato e eficiente. Desta forma, o país otimiza a geração de energia para atender a demanda, pois o próprio consumidor contribui para a geração de parte da energia elétrica que o Brasil precisa, além de contribuir para a preservação dos níveis dos reservatórios das hidrelétricas. Geração compartilhada Solar fotovoltaica Número de conexões por fonte Biogás Biomassa Eólica Hidráulica Solar/Eólica TOTAL Fonte ANEEL Solar fotovoltaica Potência Total Instalada (kw) Biogás Biomassa Eólica Hidráulica Solar/Eólica TOTAL Fonte ANEEL Um novo modelo de geração de energia elétrica inovador segundo Rodrigo Sauaia e, que alavanca o desenvolvimento do setor é a chamada geração compartilhada, estabelecida pela resolução normativa nº 687/2015. Ela funciona como um tipo de compra coletiva de energia solar fotovoltaica. Este novo modelo, com potencial de geração de novas oportunidades de negócios, poderia ser utilizado também junto a certificações sustentáveis, qualidade construtiva, redução de impactos ambientais, mesmo em empreendimentos que não possuem espaços fisicamente projetados para comportar sistemas de geração de energia. Através da geração compartilhada, consumidores de todos os tipos podem se reunir e investir em conjunto em um sistema solar fotovoltaico único e de porte maior. Com isso, é possível reduzir custos com o ganho de escala, tornando a energia solar fotovoltaica mais barata aos consumidores. A ideia deste novo modelo é dinamizar e criar novas oportunidades e modelos de negócios para a participação da população brasileira na geração distribuída a partir de fontes renováveis. A nossa expectativa é de que a energia solar fotovoltaica seja uma das principais fontes deste modelo, pelo interesse que a população tem. As análises de opinião pública apontam que mais de 80% da população brasileira apoia e se interessa por energia solar fotovoltaica, o que favorece a integração desta fonte na nossa sociedade, destaca o presidente executivo da ABSOLAR. Financiamentos e redução de impostos para a cadeia produtiva Atualmente existe uma série de linhas de financiamento destinados à instalação de sistemas solares fotovoltaicos em edificações. Alguns exemplos, incluem o BNB (Banco do Nordeste), que possui a linha de financiamento FNE Verde; o BNDES, que disponibiliza financiamentos para empresas com interesse em investir em projetos de sustentabilidade e podem ser utilizados tanto para eficiência energética quanto para geração de energia renovável, bem como oportunidades específicas de financiamento via agências e bancos estaduais, a exemplo dos Estados de São Paulo, Goiás e Pernambuco. Outros financiamentos voltados para o segmento são as linhas PROGER e PROGER Tu- 30 mar-abr/16 rev/gbc/br

4 Anuário de Certificações GBC Brasil 2016 Imagens ilustrativas A edição 2015 do Anuário de Certificações GBC Brasil reuniu mais de 60 projetos, 40 empresas e se tornou a publicação de referência do setor. Agora, em 2016, sua empresa vai encontrar informações completas e detalhadas sobre os empreendimentos certificados no ano passado, bem como dados e estatísticas sobre os selos LEED, tipologias, classificação. Opinião de especialistas e consultores sobre as perspectivas de um mercado em expansão. E o exclusivo Guia de fornecedores de soluções sustentáveis que contribuem para a certificação dos projetos. Não perca essa oportunidade de destacar a sua empresa no principal veículo de informação da construção sustentável! Invista certo: garanta o seu espaço na publicação oficial do Green Building Council Brasil Lançamento Julho/2016 Você já pode reservar o seu exemplar. Ligue para e saiba como receber seu Anuário em primeira mão. Valor especial de pré-lançamento. VIBEDITORA revistagbcbrasil.com.br 31 mar-abr/16

5 rismo, a primeira com foco em pequenas e médias empresa, e a segunda voltada para o segmento de construções hoteleiras, ambos os programas são oferecidos pelo Banco do Brasil. Nas linhas Producard e Construcard da Caixa Econômica Federal, foi também incorporada a energia solar fotovoltaica, a partir de A Caixa Econômica Federal também possui linha CAIXA BCD Pessoa Jurídica Eco Eficiência, que possui foco nas pequenas e médias empresas. Segundo Sauaia, ainda existem as linhas de financiamento através do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Social), que foca em equipamentos nacionalizados, bem como linhas através de bancos de fomento e fundos estaduais, além das várias oportunidades em bancos privados. Já existem várias oportunidades disponíveis, incluindo bancos privados, que também investem em soluções no setor fotovoltaico explica Rodrigo Sauaia. Apesar de diversas linhas de financiamento disponíveis para o segmento, Sauaia salienta que muitas opções ainda não estão alinhadas com as características de um projeto de longo prazo, como um sistema solar fotovoltaico. Para tanto, é necessário levar em consideração o baixo risco que um sistema como este traz ao longo dos anos. Recomendamos aos entes financeiros que o produto financeiro em projetos deste tipo tenham entre oito e 12 anos de prazo de amortização, o que já é aplicado pelos bancos públicos. Além disso, deve-se levar em consideração que o sistema fotovoltaico é um equipamento de baixo risco, que opera robustamente por 25 anos e as taxas de financiamento precisam refletir esta característica. Isso ainda não está aparecendo, pois os juros são muito elevados, destaca. Questões tributárias também são barreiras para o crescimento do setor solar fotovoltaico, devido aos impostos ainda elevados para este setor no Brasil, muito superior à carga tributária sobre equipamentos de outras fontes renováveis. De acordo com Sauaia, a tributação faz toda a diferença. É uma forma de reduzir o preço médio da energia solar e aumentar sua competitividade de inserção na matriz elétrica brasileira. Buscamos igualdade, sem prejuízo às demais fontes, diz. Nesse tem também avanços importantes, com a isenção de tributos federais, como PIS e COFINS, que não incidem mais sobre a micro e minigeração de energia. Com o aumento da tarifa de energia elétrica no país, combinado com a redução no custo da tecnologia, que teve uma queda de cerca de 70% e 80% nos últimos 10 anos no mundo, a energia solar fotovoltaica se tornou economicamente atrativa para os diferentes segmentos no país. O benefício não fica só na geração de energia, mas também para as empresas que investem na obtenção de um selo, como o LEED do Green Building Council, pela sinalização junto à sua marca do reconhecimento e engajamento com temas ambientais e de sustentabilidade, além do impacto visual positivo trazido por um sistema solar fotovoltaico, além, é claro, da economia com a energia elétrica, argumenta Sauaia. Desenvolvimento social e capacitação profissional A expectativa do setor é que com o desenvolvimento da energia solar fotovoltaica, o Brasil gere uma média de entre 25 a 30 empregos por MW instalado por ano. A previsão é que sejam instalados MW de energia solar fotovoltaica até 2018, em uma média de pelo menos MW por ano, o que corresponderia a cerca de 30 mil novos empregos gerados pelo setor. Outra área importante é a formação profissional. Segundo Sauaia, o Brasil já tem profissionais com níveis técnico e superior voltados para a área de engenharia elétrica, mas muitos ainda não conhecem as especificidades da energia solar fotovoltaica. Por isso, é preciso trabalhar essas especificidades através de cursos de formação, aprofundamentos e parcerias acadêmicas. A capacitação é um tema importante para o avanço do setor, mas é um tipo de trabalho que uma associação não faz sozinha, mas com parceiros, com universidades, escolas técnicas, SENAI, centros de formação, agências e entidades do governo, entre outras, conclui. Perspectivas que vão além dos compromissos Um dos grandes acontecimentos em prol da sustentabilidade do planeta ocorreu em Paris, no final de 2015, com a COP21. As metas estabelecidas pelo Brasil em relação ao setor elétrico, são que o Brasil deverá gerar pelo menos 23% de sua demanda elétrica até 2030 a partir de fontes renováveis não- -hídricas, como, biomassa, eólica e solar. A energia solar fotovoltaica é um eixo importante desta meta, com a perspectiva de representar mais de 7% da matriz elétrica nacional. Apesar destes objetivos oficiais, Sauaia ressalta que as expectativas do setor vão além dos compromissos firmados. Acreditamos que o Brasil reúne as condições necessárias para não apenas atingir, como também superar estas metas, em especial devido ao enorme potencial de fontes renováveis que o país possui. Por isso, entendemos que o Brasil pode inclusive ousar mais, realizando um trabalho de aceleração do uso de suas renováveis não-hídricas, ajudando inclusive a substituir parte da demanda de termelétricas muito poluentes e com custos elevados, afirma. Segundo ele, a sinalização do Ministério de Minas e Energia é de buscar substituir em torno 15 mil MW das termelétricas mais antigas e caras, localizadas nas regiões nordeste e norte do Brasil, por energias renováveis nos próximos anos. Para o presidente executivo da ABSOLAR, a COP21 foi um primeiro passo de um trabalho mais amplo e abrangente que deverá ser desenvolvido ao longo das próximas décadas. Sobretudo, foi uma sinalização muito importante por parte dos mais de 190 países que estiveram reunidos aprovando, em comum acordo, essa meta internacional de transição para uma economia de baixo carbono e para a mitigação dos efeitos mais adversos das mudanças climáticas. Neste âmbito, expectativa do setor solar fotovoltaico é de contribuir com os governos ao redor do mundo na transformação da matriz energética global. A energia solar fotovoltaica é parte estratégica desta solução, contribuindo para atingirmos as nossas metas de redução de emissões de gases efeito estufa, trazendo geração de renda, empregos de qualidade, uso de tecnologias cada vez mais eficientes, bem como, geração de valor econômico com sustentabilidade e consciência ambiental, finaliza. 32 mar-abr/16 rev/gbc/br

Energia solar. É a solução para seu comércio. Economize e preserve o meio ambiente. davantisolar.com.br

Energia solar. É a solução para seu comércio. Economize e preserve o meio ambiente. davantisolar.com.br Energia solar É a solução para seu comércio. Economize e preserve o meio ambiente. Conquiste sua independência energética com a A Davanti Solar é uma empresa brasileira comprometida em levar mais autonomia

Leia mais

Energia solar. É a solução para sua residência. Economize e preserve o meio ambiente. davantisolar.com.br

Energia solar. É a solução para sua residência. Economize e preserve o meio ambiente. davantisolar.com.br Energia solar É a solução para sua residência. Economize e preserve o meio ambiente. Conquiste sua independência energética com a A Davanti Solar é uma empresa brasileira comprometida em levar mais autonomia

Leia mais

Seminário Brasil-Alemanha de Eficiência Energética. A escassez de água no Brasil e o impacto na geração de energia

Seminário Brasil-Alemanha de Eficiência Energética. A escassez de água no Brasil e o impacto na geração de energia Seminário Brasil-Alemanha de Eficiência Energética no Brasil e o impacto na geração Cilene Victor 1 Professora de Jornalismo e Relações Públicas e coordenadora do Centro Interdisciplinar de Pesquisa da

Leia mais

Energía Eólica. Nathalia Cervelheira Michelle Carvalho Neldson Silva Maick Pires. Sinop-MT 2016

Energía Eólica. Nathalia Cervelheira Michelle Carvalho Neldson Silva Maick Pires. Sinop-MT 2016 Energía Eólica Nathalia Cervelheira Michelle Carvalho Neldson Silva Maick Pires Sinop-MT 2016 INTRODUCÃO Denomina-se energía eólica a energía cinética contida nas massas de ar em movimento. Seu aproveitamento

Leia mais

ENERGIA EÓLICA NO BRASIL

ENERGIA EÓLICA NO BRASIL ENERGIA EÓLICA NO BRASIL MICROGERAÇÃO DISTRIBUIDA Eng. Mec. Egberto Rodrigues Neves SÃO PAULO MAIO 2016 Energia Eólica A Geração eólica : destaque na mídia. Grande porte ou grandes empreendimentos: Parques

Leia mais

Sistemas de Potência e Energia

Sistemas de Potência e Energia UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Sistemas de Potência e Energia Departamento de Energia Elétrica Faculdade de Engenharia UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA E-mail: jopass@ieee.org Juiz de Fora, 30

Leia mais

INSTITUTO DE PESQUISA APLICADA EM DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL IPADES ENERGIAS RENOVÁVEIS AVANÇAM

INSTITUTO DE PESQUISA APLICADA EM DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL IPADES ENERGIAS RENOVÁVEIS AVANÇAM INSTITUTO DE PESQUISA APLICADA EM DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL IPADES ENERGIAS RENOVÁVEIS AVANÇAM Francisco Benedito da Costa Barbosa Sócio Presidente IPADES Na nova conjuntura do século XXI,

Leia mais

Micro e Pequenas Centrais Hidrelétricas. Fontes alternativas de energia - micro e pequenas centrais hidrelétricas 1

Micro e Pequenas Centrais Hidrelétricas. Fontes alternativas de energia - micro e pequenas centrais hidrelétricas 1 Micro e Pequenas Centrais Hidrelétricas Fontes alternativas de energia - micro e pequenas centrais hidrelétricas 1 PCH's De acordo com a resolução No. 394-04/12/1998 da ANEEL Agência Nacional de Energia

Leia mais

PARQUES EÓLICOS Renova BAHIA O SUDOESTE BAIANO NA ROTA DA ENERGIA RENOVÁVEL. Guanambi-BA, 04 de Maio de 2011.

PARQUES EÓLICOS Renova BAHIA O SUDOESTE BAIANO NA ROTA DA ENERGIA RENOVÁVEL. Guanambi-BA, 04 de Maio de 2011. PARQUES EÓLICOS Renova BAHIA O SUDOESTE BAIANO NA ROTA DA ENERGIA RENOVÁVEL Guanambi-BA, 04 de Maio de 2011. 2 1) O QUE É ENERGIA EÓLICA? A energia eólica é a energia que provém do vento. O termo eólico

Leia mais

14º Encontro Internacional de Energia. Aplicação de Smart Grid na Geração Distribuída

14º Encontro Internacional de Energia. Aplicação de Smart Grid na Geração Distribuída 14º Encontro Internacional de Energia Aplicação de Smart Grid na Geração Distribuída Paulo Ricardo Bombassaro Diretor de Engenharia das Distribuidoras CPFL Agosto/2013 CPFL Energia CPFL Energia 2012. Todos

Leia mais

Inserção de Fontes Renováveis e Redes Inteligentes no Planejamento da Expansão

Inserção de Fontes Renováveis e Redes Inteligentes no Planejamento da Expansão Ministério de Minas e Energia Inserção de Fontes Renováveis e Redes Inteligentes no Planejamento Energético Nacional Fontes Renováveis e Redes Inteligentes no Planejamento da Expansão Pedro A. M-S. David

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS DEZEMBRO DE 2015

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS DEZEMBRO DE 2015 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS DEZEMBRO DE 2015 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Em 2014, de acordo com a International Renewable Energy Agency (IRENA), a fonte biomassa apresentou 80.227

Leia mais

A Cooperação Brasil-Alemanha para o Desenvolvimento Energético. VIII FENERGIA Vitória/ES 28 de Novembro 2016

A Cooperação Brasil-Alemanha para o Desenvolvimento Energético. VIII FENERGIA Vitória/ES 28 de Novembro 2016 A Cooperação Brasil-Alemanha para o Desenvolvimento Energético VIII FENERGIA Vitória/ES 28 de Novembro 2016 Agenda... Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha Transição energética da Alemanha ( Energiewende

Leia mais

INSERÇÃO DE NOVAS FONTES RENOVÁVEIS NO PLANEJAMENTO ENERGÉTICO BRASILEIRO

INSERÇÃO DE NOVAS FONTES RENOVÁVEIS NO PLANEJAMENTO ENERGÉTICO BRASILEIRO INSERÇÃO DE NOVAS FONTES RENOVÁVEIS NO PLANEJAMENTO ENERGÉTICO BRASILEIRO Mecanismos de promoção das fontes renováveis RIO DE JANEIRO, 30/04/2014 COPPE/UFRJ 1 Mecanismos de promoção de renováveis TARIFA

Leia mais

Reunião Conselho Superior da Indústria da Construção - CONSIC 11/04/2017

Reunião Conselho Superior da Indústria da Construção - CONSIC 11/04/2017 Reunião Conselho Superior da Indústria da Construção - CONSIC 11/04/2017 Resíduos Sólidos Urbanos Manuel Rossitto Resíduos Sólidos Urbanos Cadeia Produtiva Logística e Transporte Coleta e Varrição Resíduos

Leia mais

PLÁSTICO VERDE. Uma grande ideia da Braskem

PLÁSTICO VERDE. Uma grande ideia da Braskem PLÁSTICO VERDE Uma grande ideia da Braskem 2 3 Antes de conhecer o Plástico Verde, a gente quer te contar algumas coisas muito importantes sobre o planeta: Absorção de CO2 A natureza ajuda no combate ao

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS NOVEMBRO DE 2016

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS NOVEMBRO DE 2016 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS NOVEMBRO DE 2016 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa representa pouco mais de 9% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia

Leia mais

CARVÃO MINERAL na Matriz Elétrica Brasileira

CARVÃO MINERAL na Matriz Elétrica Brasileira CARVÃO MINERAL na Matriz Elétrica Brasileira Eng. Fernando Luiz Zancan - ABCM Rio de Janeiro/RJ - 05 de julho de 2013 23/10/09 WWW.CARVAOMINERAL.COM.BR O que vamos falar... - O carvão é o maior recurso

Leia mais

Perspectives on the main benefits and opportunities associated with the development of large hydropower projects

Perspectives on the main benefits and opportunities associated with the development of large hydropower projects Perspectives on the main benefits and opportunities associated with the development of large hydropower projects Tucurui, November 22, 2011 Marcio Drummond Evolução da Capacidade Instalada por Fonte (MW)

Leia mais

Definindo o ambiente de contratação livre. Sertãozinho, 24 de agosto de 2016

Definindo o ambiente de contratação livre. Sertãozinho, 24 de agosto de 2016 Definindo o ambiente de contratação livre Sertãozinho, 24 de agosto de 2016 ABRACEEL Mercados de energia 1 Mercados de energia no Brasil: Mercado Livre (ACL) e o Mercado Cativo (ACR) ABRACEEL Mercado Cativo

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Materiais de Construção III TC 034

Ministério da Educação Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Materiais de Construção III TC 034 Ministério da Educação Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Materiais de Construção III TC 034 Materiais de Construção e o Meio Ambiente Prof. Laila Valduga Artigas 2016 1. INTRODUÇÃO 2.

Leia mais

O MERCADO ATUAL DA PCHS E SUAS PERSPECTIVAS

O MERCADO ATUAL DA PCHS E SUAS PERSPECTIVAS PCH Nnho da Águia, MG, ERSA O MERCADO ATUAL DA PCHS E SUAS PERSPECTIVAS Rio de Janeiro, 31 janeiro de 2011 Prof. Dr. Geraldo Lúcio TIAGO Filho Universidade Federal de Itajubá Professor Titular Centro Nacional

Leia mais

VANTAGENS DA GERAÇÃO HÍBRIDA FOTOVOLTAICA E HIDRELÉTRICA NO BRASIL II CONGRESSO BRASILEIRO DE ENERGIA SOLAR

VANTAGENS DA GERAÇÃO HÍBRIDA FOTOVOLTAICA E HIDRELÉTRICA NO BRASIL II CONGRESSO BRASILEIRO DE ENERGIA SOLAR VANTAGENS DA GERAÇÃO HÍBRIDA FOTOVOLTAICA E HIDRELÉTRICA NO BRASIL II CONGRESSO BRASILEIRO DE ENERGIA SOLAR São Paulo, 17 de Maio de 2017 1 GERAÇÃO HÍBRIDA FOTOVOLTAICA E HIDRELÉTRICA VANTAGENS E PERPECTIVAS

Leia mais

Mauricio Cruz Lopes. Critérios de Sustentabilidade do Projeto Ilha Pura - Vila dos Atletas

Mauricio Cruz Lopes. Critérios de Sustentabilidade do Projeto Ilha Pura - Vila dos Atletas Mauricio Cruz Lopes Critérios de Sustentabilidade do Projeto Ilha Pura - Vila dos Atletas Impacto da Construção Civil 20 a 30% de produção de gases de Efeito Estufa 12 a 16% de consumo de água 30% a 40%

Leia mais

USINA TERMOELÉTRICA...

USINA TERMOELÉTRICA... USINA TERMOELÉTRICA... Usina Termoelétrica: A usina termoelétrica é uma alternativa para a produção de energia elétrica para uso em geral, é principalmente utilizada no setor industrial. O QUE É UMA TERMOELÉTRICA?

Leia mais

Política da Qualidade. Visão Estar entre os três maiores produtores de biodiesel no Brasil. Missão. Valores

Política da Qualidade. Visão Estar entre os três maiores produtores de biodiesel no Brasil. Missão. Valores Empresa A BSBIOS - Indústria e Comércio de Biodiesel Sul Brasil S/A, fundada em 2005, é referência na produção de biodiesel e, é a única indústria para a produção de energia renovável que possui sociedade

Leia mais

Cadeia da Cana de Açúcar. Acadêmicos: Adriana Espinosa, Ricardo Theisen, Victor Ferreira

Cadeia da Cana de Açúcar. Acadêmicos: Adriana Espinosa, Ricardo Theisen, Victor Ferreira Cadeia da Cana de Açúcar Acadêmicos: Adriana Espinosa, Ricardo Theisen, Victor Ferreira ORIGEM DA CANA DE AÇÚCAR A cultura da cana-de-açúcar sempre foi muito importante para a economia brasileira. As primeiras

Leia mais

Fernando Henrique Schüffner Neto

Fernando Henrique Schüffner Neto Fernando Henrique Schüffner Neto 24/Março/2011 Tópicos i. Produção de Energia Elétrica ii. Comercialização da Energia Elétrica iii. Panorama Atual das Fontes Geração Grandes Centrais Hidrelétricas (UHE)

Leia mais

O impulso à energia solar no Brasil Renata Camargo

O impulso à energia solar no Brasil Renata Camargo O impulso à energia solar no Brasil Renata Camargo Seminário FGV EAESP São Paulo - Novembro 2016 1 - Contexto brasileiro O Brasil e sua matriz 4,4% 2,4% 2,6% 1,1% 7,6% 11,3% 70,6% Hydro Biomass Wind Natural

Leia mais

O Setor de Energia Limpa dos Pequenos e Médios Produtores CONFEA/DF. Brasília/DF, 22 de novembro de 2016

O Setor de Energia Limpa dos Pequenos e Médios Produtores CONFEA/DF. Brasília/DF, 22 de novembro de 2016 O Setor de Energia Limpa dos Pequenos e Médios Produtores CONFEA/DF Brasília/DF, 22 de novembro de 2016 A Abragel Possui 16 anos de atuação Congrega 252 empresas associadas Consolidadas em 70 grupos econômicos

Leia mais

Biodiesel: Panorama e perspectivas. 23 de Abril 2014 Cuiabá - MT

Biodiesel: Panorama e perspectivas. 23 de Abril 2014 Cuiabá - MT Biodiesel: Panorama e perspectivas 23 de Abril 2014 Cuiabá - MT 1 Sumário Tecnologias de produção; A biomassa na matriz energética; Capacidade agrícola brasileira; Histórico do PNPB; Mercado; Novo marco

Leia mais

ENERGIA movimentando a vida

ENERGIA movimentando a vida ENERGIA movimentando a vida Renováveis: é a energia que vem de recursos naturais como sol, vento, chuva e biomassa. Não-renováveis: é a energia que vem de recursos naturais, que, quando utilizados não

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JANEIRO DE 2017

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JANEIRO DE 2017 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JANEIRO DE 2017 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa representa 9% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

Engenharia da Sustentabilidade

Engenharia da Sustentabilidade Engenharia da Sustentabilidade Engenharia da Sustentabilidade A ENERGIA constitui: fonte e o controle de todos os valores e ações dos seres humanos e da natureza. Engenharia da Sustentabilidade: DEFINIÇÃO

Leia mais

Taxa de crescimento anual (%) Produção de eletricidade 345,7 558,9 61,7 4,9 2,5 Produção de energia 49,3 96,7 96,1 7,0 0,5

Taxa de crescimento anual (%) Produção de eletricidade 345,7 558,9 61,7 4,9 2,5 Produção de energia 49,3 96,7 96,1 7,0 0,5 ESTRUTURA ATUAL DA MATRIZ ELÉTRICA BRASILEIRA. LUZIENE DANTAS DE MACEDO 1 O Brasil é líder mundial na produção de eletricidade a partir de fontes renováveis. Consequentemente, apresenta posição privilegiada

Leia mais

Além de ser uma fonte de energia barata e renovável, a energia solar, conhecida também por sistema fotovoltaico, traz economia.

Além de ser uma fonte de energia barata e renovável, a energia solar, conhecida também por sistema fotovoltaico, traz economia. 38 3081.1201 2 Além de ser uma fonte de energia barata e renovável, a energia solar, conhecida também por sistema fotovoltaico, traz economia. A partir da energia produzida na residência, tudo o que for

Leia mais

POLÍTICAS DO GOVERNO DE MATO GROSSO PARA A BIOENERGIA RICARDO TOMCZYK

POLÍTICAS DO GOVERNO DE MATO GROSSO PARA A BIOENERGIA RICARDO TOMCZYK POLÍTICAS DO GOVERNO DE MATO GROSSO PARA A BIOENERGIA RICARDO TOMCZYK Combustíveis BIOENERGIA EM MATO GROSSO Biomassa Biogás Produção de Biodiesel em Mato Grosso MT possui 20 usinas de Biodiesel Produção

Leia mais

HÁ ESPAÇO PARA GERAÇÃO TÉRMICA NO BRASIL?

HÁ ESPAÇO PARA GERAÇÃO TÉRMICA NO BRASIL? HÁ ESPAÇO PARA GERAÇÃO TÉRMICA NO BRASIL? Mario Veiga mario@psr-inc.com Institute of the Americas Mesa Redonda sobre Energia no Brasil Rio de Janeiro, 1 de abril de 2011 A pergunta que não quer calar Dado

Leia mais

GERAÇÃO EM HORÁRIO DE PONTA

GERAÇÃO EM HORÁRIO DE PONTA GERAÇÃO EM HORÁRIO DE PONTA 1 TÓPICOS A SEREM ABORDADOS 1) Geração de energia através de Grupos Geradores para operação em Emergência e Horário de Ponta: DIESEL GÁS NATURAL 2) Algumas formas de geração

Leia mais

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida.

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida. SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente POLÍCIA Curso Internacional de Recuperação Energética de Resíduos Sólidos Urbanos em Aterros Sanitários Diretoria de Pesquisa e Desenvolvimento Fundação Estadual

Leia mais

Sistema Fotovoltaico Híbrido

Sistema Fotovoltaico Híbrido TREINAMENTO PRÁTICO Sistema Fotovoltaico Híbrido Energia Solar Fotovoltaica On/Off-Grid com Sistema de Armazenamento de Energia Projete, Instale, Otimize! PV HANDS ON HYBRID Dimensionamento e Instalação

Leia mais

Assunto: Eletricidade Público Alvo: EJA Elaboradores: Edimilson, Jasiel e Jaelson. Professor: Luiz Cláudio.

Assunto: Eletricidade Público Alvo: EJA Elaboradores: Edimilson, Jasiel e Jaelson. Professor: Luiz Cláudio. Assunto: Eletricidade Público Alvo: EJA Elaboradores: Edimilson, Jasiel e Jaelson. Professor: Luiz Cláudio. Eletricidade ou Energia Mesmo antes do surgimento da vida em nosso planeta, a eletricidade já

Leia mais

Energia Eólica Potencial e Oportunidades no Brasil. Lauro Fiuza Junior

Energia Eólica Potencial e Oportunidades no Brasil. Lauro Fiuza Junior Energia Eólica Potencial e Oportunidades no. Lauro Fiuza Junior Presidente da ABEEólica - Associação eira de Energia Eólica 3 de Junho de 2008. ABEEólica Desenvolver a geração eólica no Ela é parte essencial

Leia mais

NOVOS CONTORNOS JURÍDICOS DA COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA: LEILÕES, ENERGIA RENOVÁVEL E CONSUMIDOR LIVRE. Fábio Sales Dias

NOVOS CONTORNOS JURÍDICOS DA COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA: LEILÕES, ENERGIA RENOVÁVEL E CONSUMIDOR LIVRE. Fábio Sales Dias NOVOS CONTORNOS JURÍDICOS DA COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA: LEILÕES, ENERGIA RENOVÁVEL E CONSUMIDOR LIVRE. Fábio Sales Dias São Paulo, 23 de setembro de 2004 2 SUMÁRIO O modelo do setor para as fontes

Leia mais

Apoio do BNDES ao Setor Elétrico

Apoio do BNDES ao Setor Elétrico Apoio do BNDES ao Setor Elétrico Márcia Leal Chefe do Departamento de Energia Elétrica Área de Infraestrutura mleal@bndes.gov.br Maio 2012 O BNDES Evolução dos desembolsos 168,4 R$ bilhão 137,4 140,0 92,2

Leia mais

Geração Distribuída de Energia Elétrica e Geração Solar

Geração Distribuída de Energia Elétrica e Geração Solar Geração Distribuída de Energia Elétrica e Geração Solar Seminário franco-brasileiro de Energia Solar - FIESP 25/08/2016 Roberto Castro Conselheiro de Administração Agenda Comercialização de Energia Elétrica

Leia mais

Além das grandes hidrelétricas - Políticas para fontes renováveis de energia elétrica. 6ª Reunião do FMASE WWF -UFABC UNICAMP IEI-LA

Além das grandes hidrelétricas - Políticas para fontes renováveis de energia elétrica. 6ª Reunião do FMASE WWF -UFABC UNICAMP IEI-LA Além das grandes hidrelétricas - Políticas para fontes renováveis de energia elétrica no Brasil 6ª Reunião do FMASE WWF -UFABC UNICAMP IEI-LA Subsídios no Brasil: CCC Sistema isolado Ano Valor provido

Leia mais

Proposta para o programa de 1 milhão de painéis solares até 2030

Proposta para o programa de 1 milhão de painéis solares até 2030 Proposta para o programa de 1 milhão de painéis solares até 2030 Brasilia, 8 de novembro de 2016 Sumário executivo A Rede de Mulheres Brasileiras Lideres pela Sustentabilidade levou à Paris 2015 - UN Conference

Leia mais

A inserção das fontes de energia renovável no processo de desenvolvimento da matriz energética do país

A inserção das fontes de energia renovável no processo de desenvolvimento da matriz energética do país A inserção das fontes de energia renovável no processo de desenvolvimento da matriz energética do país Drª Elbia Melo Presidente Executiva 82 Associados 2 82 Associados 3 Energia Eólica no Mundo 4 Ranking

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E FONTES RENOVÁVEIS: UMA DISCUSSÃO SOBRE A MATRIZ ELÉTRICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E FONTES RENOVÁVEIS: UMA DISCUSSÃO SOBRE A MATRIZ ELÉTRICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E FONTES RENOVÁVEIS: UMA DISCUSSÃO SOBRE A MATRIZ ELÉTRICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS VI Congresso Brasileiro de energia Solar - UFMG BH Wilson Pereira Barbosa Filho Fundação

Leia mais

FONTES DE ENERGIA PROF. ISRAEL FROIS FRENTES A E B

FONTES DE ENERGIA PROF. ISRAEL FROIS FRENTES A E B FONTES DE ENERGIA PROF. ISRAEL FROIS FRENTES A E B ENERGIA DESIGUAL COMBUSTÍVES FÓSSEIS PETRÓLEO E GÁS Vantagens do Petróleo Alta densidade de energia; Deriva diversos produtos industriais; Domínio

Leia mais

Energia Solar Fotovoltaica na Prática. Projete, Instale, Otimize!

Energia Solar Fotovoltaica na Prática. Projete, Instale, Otimize! TREINAMENTO Energia Solar Fotovoltaica na Prática Projete, Instale, Otimize! PV HANDS ON O desafio: Dimensionar e Instalar um Sistema Fotovoltaico Real. O Que Você Vai Aprender? - Dimensionar o Sistema

Leia mais

Monitoramento da Cultura de Cana-de-Açúcar no Estado de São Paulo

Monitoramento da Cultura de Cana-de-Açúcar no Estado de São Paulo Versão Online Boletim No: 10 Agosto, 2015 Monitoramento da Cultura de Cana-de-Açúcar no Estado de São Paulo I. PANORAMA Nesta edição do boletim entrevistamos Luciano Rodrigues, Gerente de Economia e Análise

Leia mais

ECONOMIA E PRODUTIVIDADE DIRETO DA FONTE

ECONOMIA E PRODUTIVIDADE DIRETO DA FONTE ECONOMIA E PRODUTIVIDADE DIRETO DA FONTE Como reduzir custos sem comprometer a produção? MERCADO LIVRE DE ENERGIA MERCADO LIVRE DE ENERGIA Liberdade para escolher o fornecedor de energia, obter economia

Leia mais

Matriz Elétrica Brasileira e

Matriz Elétrica Brasileira e Matriz Elétrica Brasileira e as REI s 3 0 Seminário Inserção de Novas Fontes Renováveis e Redes Inteligentes no Planejamento Energético Nacional Rio de Janeiro, 20 de Setembro de 2016 Jeferson Borghetti

Leia mais

EPE PETRÓLEO, GÁS E BIOCOMBUSTÍVEIS. Workshop: Desafios e Perspectivas do Setor Sucroenergético no Nordeste. José Mauro Coelho

EPE PETRÓLEO, GÁS E BIOCOMBUSTÍVEIS. Workshop: Desafios e Perspectivas do Setor Sucroenergético no Nordeste. José Mauro Coelho EPE PETRÓLEO, GÁS E BIOCOMBUSTÍVEIS Workshop: Desafios e Perspectivas do Setor Sucroenergético no Nordeste Campinas/SP 30 mar. 2017 José Mauro Coelho Diretor de Estudos do Petróleo, Gás e Biocombustíveis

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2015

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2015 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2015 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Em 2014, de acordo com a International Renewable Energy Agency (IRENA), a fonte biomassa apresentou 80.227

Leia mais

Redução de custo energético. Eficiência técnica e econômica. Energia limpa e soluções customizadas

Redução de custo energético. Eficiência técnica e econômica. Energia limpa e soluções customizadas Redução de custo energético Eficiência técnica e econômica Energia limpa e soluções customizadas NOSSA EMPRESA A Trader Energia atua em todo o Brasil comercializando energia elétrica, desenvolvendo projetos

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE BIOGÁS E BIOMETANO

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE BIOGÁS E BIOMETANO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE BIOGÁS E BIOMETANO QUEM SOMOS Fundadada em dezembro de 2013 Missão ser um canal de interlocução com a sociedade civil, os governos federal e estaduais, as autarquias e os órgãos

Leia mais

Plano de Energia e Mudanças Climáticas de Minas Gerais: Fundação Estadual do Meio Ambiente

Plano de Energia e Mudanças Climáticas de Minas Gerais: Fundação Estadual do Meio Ambiente Plano de Energia e Mudanças Climáticas de Minas Gerais: Fundação Estadual do Meio Ambiente Estrutura da apresentação Contexto Brasileiro Plano de Energia e Mudanças Climáticas Plataforma Clima Gerais Índice

Leia mais

IMPLICAÇÕES DO NOVO MODELO SOBRE ESTRUTURA TARIFÁRIA. Alessandro de Lima Castro

IMPLICAÇÕES DO NOVO MODELO SOBRE ESTRUTURA TARIFÁRIA. Alessandro de Lima Castro IMPLICAÇÕES DO NOVO MODELO SOBRE ESTRUTURA TARIFÁRIA Alessandro de Lima Castro Abril de 2005 ESTRUTURA TARIFÁRIA VIGENTE TARIFA DE FORNECIMENTO TARIFA DE USO PARCELA FIO PARCELA ENCARGO TARIFA ENERGIA

Leia mais

2º ano do Ensino Médio

2º ano do Ensino Médio 2º ano do Ensino Médio Ciências Humanas e suas Tecnologias Geografia Professor Vinícius Vanir Venturini Fontes de energia renováveis Solar Fontes de energia não renováveis Geotérmica Nuclear Petróleo Ondas

Leia mais

O PNPB e a Organização da Produção de Biodiesel

O PNPB e a Organização da Produção de Biodiesel O PNPB e a Organização da Produção de Biodiesel Renata Lèbre La Rovere GEI/IE/UFRJ Selena Herrera LIMA/COPPE/UFRJ 1 O Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel - PNPB BIODIESEL: combustível produzido

Leia mais

PRODUÇÃO DE ENERGIA A PARTIR DE FONTES

PRODUÇÃO DE ENERGIA A PARTIR DE FONTES PRODUÇÃO DE ENERGIA A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS A produção de energia, a partir de fontes renováveis, tem múltiplas vantagens, existindo fortes incentivos para a construção dessas Centrais de Micro Geração

Leia mais

A GERAÇÃO EÓLICA E OS DESAFIOS PARA A OPERAÇÃO DO SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO

A GERAÇÃO EÓLICA E OS DESAFIOS PARA A OPERAÇÃO DO SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO 1 A GERAÇÃO EÓLICA E OS DESAFIOS PARA A OPERAÇÃO DO SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO Angela C. S. L. Guimarães Pedro Bezerra Companhia Hidro Elétrica do São Francisco - Chesf 2 PROPOSTA DO TRABALHO MOTIVAÇÃO

Leia mais

WORKSHOP MODELAGEM CLIMÁTICA E A TERCEIRA COMUNICAÇÃO NACIONAL. Experiências de Estudos de Impactos das Mudanças de Clima nas Energias Renováveis

WORKSHOP MODELAGEM CLIMÁTICA E A TERCEIRA COMUNICAÇÃO NACIONAL. Experiências de Estudos de Impactos das Mudanças de Clima nas Energias Renováveis WORKSHOP MODELAGEM CLIMÁTICA E A TERCEIRA COMUNICAÇÃO NACIONAL Experiências de Estudos de Impactos das Mudanças de Clima nas Energias Renováveis Energia Dimensões da Energia Tecnológica Física Energia

Leia mais

Bases Conceituais da Energia Q1/2017. Professor: Sergio Brochsztain. (sites.google.com/site/sergiodisciplinasufabc)

Bases Conceituais da Energia Q1/2017. Professor: Sergio Brochsztain. (sites.google.com/site/sergiodisciplinasufabc) Bases Conceituais da Energia Q1/2017 Professor: Sergio Brochsztain (sites.google.com/site/sergiodisciplinasufabc) capacidade que um corpo, uma substância ou um sistema físico têm de realizar trabalho Energia

Leia mais

Recursos Energéticos e Ambiente. Aula 4. Organização da Aula. Energia Solar. Contextualização Parte 1. Instrumentalização. 1.

Recursos Energéticos e Ambiente. Aula 4. Organização da Aula. Energia Solar. Contextualização Parte 1. Instrumentalização. 1. Recursos Energéticos e Ambiente Organização da Aula Aula 4 1. Energia solar Profa. Vanessa Mafra Pio 2. Bioeletricidade e biogás História Energia Solar Contextualização Parte 1 1839 efeito fotovoltaico

Leia mais

Três em cada quatro empresas têm prejuízo com as falhas no fornecimento de energia elétrica

Três em cada quatro empresas têm prejuízo com as falhas no fornecimento de energia elétrica SONDAGEM ESPECIAL INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO E EXTRATIVA Ano 3 Número 1 ISSN 2317-7330 setembro de 2013 www.cni.org.br INDÚSTRIA E ENERGIA Três em cada quatro empresas têm prejuízo com as falhas no fornecimento

Leia mais

COLÉGIO 7 DE SETEMBRO DISICIPLINA DE GEOGRAFIA PROF. RONALDO LOURENÇO 1º 1 PERCURSO 26 (PARTE 3) A PRODUÇÃO MUNDIAL DE ENERGIA

COLÉGIO 7 DE SETEMBRO DISICIPLINA DE GEOGRAFIA PROF. RONALDO LOURENÇO 1º 1 PERCURSO 26 (PARTE 3) A PRODUÇÃO MUNDIAL DE ENERGIA COLÉGIO 7 DE SETEMBRO DISICIPLINA DE GEOGRAFIA PROF. RONALDO LOURENÇO 1º 1 PERCURSO 26 (PARTE 3) A PRODUÇÃO MUNDIAL DE ENERGIA ENERGIA: EVOLUÇÃO HISTÓRICA E CONSTEXTO ATUAL ENERGIAS NÃO RENOVÁVEIS 1 PETRÓLEO

Leia mais

Lista de exercícios No. 3. EN Energia, meio ambiente e sociedade

Lista de exercícios No. 3. EN Energia, meio ambiente e sociedade 1 Lista de exercícios No. 3 EN 2425 - Energia, meio ambiente e sociedade 3.1) Por que é importante avaliar o impacto ambiental do setor energético levando em consideração toda sua cadeia produtiva? 3.2)

Leia mais

RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA

RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO, ORÇAMENTO E FINANÇAS RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA MEDIDOR 1128541-9 UNIDADE: FÓRUM DE PICOS

Leia mais

Planejamento Energético Matriz Futura

Planejamento Energético Matriz Futura Planejamento Energético Matriz Futura Amilcar Guerreiro Economia da Energia e do Meio Ambiente Diretor PROMOÇÃO Belo Horizonte, MG 24 de Abril de 2014 O planejamento energético é orientado para atender

Leia mais

Oportunidades do GLP no Brasil

Oportunidades do GLP no Brasil Oportunidades do GLP no Brasil GLP no Brasil: a indústria do GLP :: 100% do território nacional :: 95% residências :: 56 milhões de lares :: 33 milhões de botijões vendidos mensalmente :: 7,1 milhões de

Leia mais

Allan Nº1 GabrielNº7 Pedro F. Nº27 Pedro S. Nº28 Renan Nº31 Vitor Nº33 Vitoria Nº34

Allan Nº1 GabrielNº7 Pedro F. Nº27 Pedro S. Nº28 Renan Nº31 Vitor Nº33 Vitoria Nº34 * Explorando a América do Sul Allan Nº1 GabrielNº7 Pedro F. Nº27 Pedro S. Nº28 Renan Nº31 Vitor Nº33 Vitoria Nº34 *Caracterização geral da América do Sul * América do Sul abrange um território de 18 milhões

Leia mais

EXTREME POWER MODELO - TST MODELO - TX. Unidade Split de Alta Capacidade

EXTREME POWER MODELO - TST MODELO - TX. Unidade Split de Alta Capacidade ETREME POWER MODELO - TST Unidade Split de lta Capacidade MODELO - T Eficiência é cuidar da vida s Unidades Split lta Capacidade da TRO possuem altos índices de eficiência energética e performance, são

Leia mais

Energia Eólica Agosto / 2016

Energia Eólica Agosto / 2016 Energia Eólica Agosto / 2016 ABEEólica: Quem somos? A ABEEólica Associação Brasileira de Energia Eólica, pessoa jurídica de direito privado sem fins lucrativos, fundada em 2002, congrega, em todo o Brasil,

Leia mais

Hidrelétrica. Itaipu: MW (potência de geração) * 16,99% da energia consumida no Brasil * Em 2011: MWh.

Hidrelétrica. Itaipu: MW (potência de geração) * 16,99% da energia consumida no Brasil * Em 2011: MWh. Hidrelétrica Funcionamento: * Pressão causa um aumento da velocidade da água rgh=rv 2 /2 portanto: E a h * Quanto mais alta a represa, maior a velocidade da água e, portanto, maior a energia produzida.

Leia mais

CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. Profa. Dra. Cristiane de Conti Medina Departamento de Agronomia

CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. Profa. Dra. Cristiane de Conti Medina Departamento de Agronomia CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Profa. Dra. Cristiane de Conti Medina Departamento de Agronomia medina@uel.br AGRICULTURA PRODUÇÃO DE ALIMENTOS PRODUÇÃO DE ENERGIA A GRANDE REVOLUÇÃO ESTÁ

Leia mais

Apresenta RESOLUÇÃO 482/2012. Sistema de Compensação de Energia Elétrica

Apresenta RESOLUÇÃO 482/2012. Sistema de Compensação de Energia Elétrica Apresenta RESOLUÇÃO 482/2012 Sistema de Compensação de Energia Elétrica RESOLUÇÕES ANEEL Nº 482/2012 E 687/2015 A Resolução ANEEL nº 482/2012 (alterada pela Resolução Aneel nº 687/2015) trata da instalação

Leia mais

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 61 CONCEITOS SOBRE RECURSOS ENERGÉTICOS

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 61 CONCEITOS SOBRE RECURSOS ENERGÉTICOS GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 61 CONCEITOS SOBRE RECURSOS ENERGÉTICOS Como pode cair no enem? (ENEM) Empresa vai fornecer 230 turbinas para o segundo complexo de energia à base de ventos, no sudeste da Bahia.

Leia mais

CONFERÊNCIAS INTERNACIONAIS SOBRE O MEIO AMBIENTE

CONFERÊNCIAS INTERNACIONAIS SOBRE O MEIO AMBIENTE A Questão Ambiental Meio Ambienta SUSTENTABILIDADE CONFERÊNCIAS INTERNACIONAIS SOBRE O MEIO AMBIENTE HISTÓRICO DO AMBIENTALISMO 1925 Protocolo de Genebra. 1964 Conferência das Nações Unidas sobre comercio

Leia mais

Potência Instalada de Energia Hidrelétrica no Brasil *

Potência Instalada de Energia Hidrelétrica no Brasil * Firmino Sampaio Presidente Conselho ABINEE TEC Planejamento e Modelo Energético São Paulo, 7 de outubro de 2003 Setor Elétrico - Informações Gerais Potência Instalada de Energia Hidrelétrica no Brasil

Leia mais

Empresas e Consórcios do Grupo CEMIG

Empresas e Consórcios do Grupo CEMIG Empresas e Consórcios do Grupo CEMIG Roteiro 1. A EMPRESA EFFICIENTIA 2. CAMPOS DE ATUAÇÃO 3. PROJETOS TÍPICOS E CASOS DE SUCESSO A Efficientia na Holding CEMIG Empresa especializada em eficiência e Soluções

Leia mais

Dinâmica das Potencias Climáticas, Governança Global e Transição para o Baixo Carbono Rio,CINDES,10/6/2011

Dinâmica das Potencias Climáticas, Governança Global e Transição para o Baixo Carbono Rio,CINDES,10/6/2011 Dinâmica das Potencias Climáticas, Governança Global e Transição para o Baixo Carbono Rio,CINDES,10/6/2011 Eduardo Viola Professor Titular Instituto de Relações Internacionais Universidade de Brasília

Leia mais

Barreiras à adoção de construções ambientalmente mais sustentáveis em instituições de ensino superior

Barreiras à adoção de construções ambientalmente mais sustentáveis em instituições de ensino superior Barreiras à adoção de construções ambientalmente mais sustentáveis em instituições de ensino superior Cenário atual do setor da construção civil Com a criação de programas de incentivo governamentais para

Leia mais

Márlon Alberto Bentlin

Márlon Alberto Bentlin Forum Empresarial pelo Clima BRDE - Crédito & Desenvolvimento AGÊNCIA DO RIO GRANDE DO SUL Márlon Alberto Bentlin BRDE Estados-sócios É uma instituição pública de fomento, constituída como banco de desenvolvimento.

Leia mais

CPFL RENOVÁVEIS Relatório de Sustentabilidade. Dezembro, 2013

CPFL RENOVÁVEIS Relatório de Sustentabilidade. Dezembro, 2013 CPFL RENOVÁVEIS Relatório de Sustentabilidade Dezembro, 2013 Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação

Leia mais

TECNOLOGIAS PARA O APROVEITAMENTO ENERGÉTICO DO BIOGÁS

TECNOLOGIAS PARA O APROVEITAMENTO ENERGÉTICO DO BIOGÁS TECNOLOGIAS PARA O APROVEITAMENTO ENERGÉTICO DO BIOGÁS Eng. Jim Michelsen Director de Projetos SCS Engineers Belo Horizonte, MG, Brasil 15 de abril de 2010 Sumário Aproveitamento do biogás Visão geral

Leia mais

A Democratização da Energia A Solução Fotovoltaica. 3ª Jornadas Electrotécnicas, ISEP - Manuel Azevedo

A Democratização da Energia A Solução Fotovoltaica. 3ª Jornadas Electrotécnicas, ISEP - Manuel Azevedo A Democratização da Energia A Solução Fotovoltaica 1 Índice - Apresentação da Goosun - Situação da energia eléctrica em Portugal - Micro geração em Portugal e objectivos - Soluções fotovoltaicos (ligação

Leia mais

USO EFICIENTE DA ENERGIA

USO EFICIENTE DA ENERGIA Matriz Energética Cenário Atual Uso da Energia Elétrica com Eficiência Dicas de Uso Eficiente e Seguro da Energia MATRIZ ENERGÉTICA Matriz Energética Brasileira Eólica 3,8% 5,5% Biomassa Termoelétrica

Leia mais

Compense suas escolhas

Compense suas escolhas Casos Práticos/Programa Reduza e Compense CO2 Fevereiro de 2015 Compense suas escolhas Crédito: : Pisco Del Gaiso Funcionários da empresa Irmãos Fredi, um dos projetos apoiados pelo Programa Reduza e Compense

Leia mais

Principais fontes e combustíveis utilizados na geração de energia elétrica

Principais fontes e combustíveis utilizados na geração de energia elétrica Principais fontes e combustíveis utilizados na geração de energia elétrica Wildson W de Aragão Físico Professor de Física de Escolas de Ensino Médio e Cursos Pré Vestibular da rede particular de Ensino

Leia mais

Empreendedorismo. Prof. MSc. Márcio Rogério de Oliveira

Empreendedorismo. Prof. MSc. Márcio Rogério de Oliveira Empreendedorismo Prof. MSc. Márcio Rogério de Oliveira Unidades da Disciplina: As Empresas; Mortalidade, Competitividade e Inovação Empresarial; Empreendedorismo; Processo Empreendedor; Instituições de

Leia mais

8º SETREL - Seminário Nacional de Transportes das Empresas do Setor Elétrico

8º SETREL - Seminário Nacional de Transportes das Empresas do Setor Elétrico 8º SETREL - Seminário Nacional de Transportes das Empresas do Setor Elétrico Visão Geral do Programa Veículo Elétrico 15 de Junho de 2015 Eng. MARCIO MASSAKITI KUBO Coordenador de P&D - Programa VE Assessoria

Leia mais

Conceitos, fontes de energia, a questão energética no futuro e o caso brasileiro

Conceitos, fontes de energia, a questão energética no futuro e o caso brasileiro Conceitos, fontes de energia, a questão energética no futuro e o caso brasileiro Consumo de Energia Para satisfazer as necessidades relativas ao consumo de energia o Homem utiliza diversas fontes; A combinação

Leia mais

PRINCIPAIS IMPACTOS AMBIENTAIS

PRINCIPAIS IMPACTOS AMBIENTAIS A QUESTÃO AMBIENTAL PRINCIPAIS IMPACTOS AMBIENTAIS Impacto Ambiental deve ser entendido como um desequilíbrio resultante da ação do homem(ligado ao modo de produção) sobre o meio ambiente. Alguns exemplos:

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS E PROMOÇÃO DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS

POLÍTICAS PÚBLICAS E PROMOÇÃO DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS POLÍTICAS PÚBLICAS E PROMOÇÃO DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS Marcelo Khaled Poppe, Secretário de Desenvolvimento Energético MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA BRASIL- MATRIZ ENERGÉTICA Petróleo 47,1% Nuclear 1,2%

Leia mais

Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento; Fez um balanço tanto dos problemas existentes quanto dos progressos realizados;

Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento; Fez um balanço tanto dos problemas existentes quanto dos progressos realizados; MUDANÇAS CLIMÁTICAS 1 A Rio-92 Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento; Fez um balanço tanto dos problemas existentes quanto dos progressos realizados; O tema principal foi

Leia mais

Expectativas Relacionadas às Políticas Governamentais e Incentivos Fiscais para as Térmicas à Biomassa

Expectativas Relacionadas às Políticas Governamentais e Incentivos Fiscais para as Térmicas à Biomassa Expectativas Relacionadas às Políticas Governamentais e Incentivos Fiscais para as Térmicas à Biomassa Zilmar José de Souza Planejamento Termelétrico Brasileiro Rio de Janeiro RJ 11 de abril de 2012 A

Leia mais