Monitoramento e Prevenção da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Monitoramento e Prevenção da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde"

Transcrição

1 Monitoramento e Prevenção da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde Relatório Anual 2008 Termo de Cooperação 37 (TC 37) entre a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS/OMS) e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) Parceria: Coordenação Geral de Laboratórios de Saúde Pública CGLAB / SVS / MS Brasília, julho de 09.

2 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO 1.1. Título do Projeto Monitoramento e Prevenção da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde Área(s) Responsável (is) e participante (s) Responsável (is): Gerência Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde GGTES Titular: Heder Murari Borba Cargo: Gerente Geral Endereço: SIA, Trecho 5 área especial 57 lote 200, Bloco D 2ª andar CEP: Unidade de Investigação e Prevenção das Infecções e dos Eventos Adversos - UIPEA Titular: Magda Machado de Miranda Cargo: Chefe de Unidade - Substituta Endereço: SIA, Trecho 5 área especial 57 lote 200, Bloco D 2ª andar CEP: Tel.: +55 (61) /5866 Fax: +55 (61) Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde Titular: Ruben Edgardo Figueroa Cargo: Gerente da Unidade Técnica de Prevenção e Controle de Doenças Responsável: Janaina Sallas Endereço: Setor de Embaixada Norte, Lote 19 Asa Norte - Brasília (DF) CEP: Tel.: +55(61) /9523/9516 Fax: +55 (61) Demais áreas participantes: Departamento de Vigilância Epidemiológica Titular: Eduardo Carmo Hage Cargo: Diretor Endereço: SCS Quadra 4, Bloco A, Lote 67/97 Ed. Principal 3º andar CEP: Brasília/DF Coordenação Geral dos Laboratórios de Saúde Pública - CGLAB Titular: Rosa Maria da Silva Cargo: Coordenadora Substituta Responsável: Joana D Arc Parente dos Reis Endereço: SCS Quadra 4, Bloco A, Lote 67/97 Ed. Principal 3º andar CEP: Brasília/DF Tel.: FAX:

3 Coordenação de Vigilância em Serviços Sentinela - CVISS / NUVIG Titular: Clarice Alegre Petramale Cargo: Coordenadora Endereço: SIA, Trecho 5 área especial 57 lote 200, Bloco D 1ª andar CEP: Tel.: +55 (61) Equipe de apoio à elaboração e acompanhamento André Oliveira Rezende de Souza UIPEA/GGTES/Anvisa Adriana Mitsue Ivama - Gadip/Dicol Carla Leal - Único/GGREL/Anvisa Cássio Marques Nascimento UIPEA/GGTES/Anvisa Edzel Ximenes UIPEA/GGTES/Anvisa Eji Pons Machado OPAS/OMS Fabiana Cristina de Sousa UIPEA/GGTES/Anvisa Heiko Thereza Santana UIPEA/GGTES/Anvisa Janaína Sallas OPAS/OMS Joana D Arc Parente dos Reis CGLAB/SVS Magda Machado Miranda UIPEA/GGTES/Anvisa Paulo Cesar Ferreira Maia APLAN/Anvisa Renata Carvalho - UNICO/GGREL/Anvisa Rogério da Silva Lima OPAS/OMS Yaskara Leonora de Mattos Lima - APLAN/Anvisa Equipe de elaboração deste relatório Janaína Sallas OPAS/OMS Revisão deste relatório André Rezende GGTES/ANVISA Cássio Nascimento Marques GGTES/ANVISA Edzel Ximenes GGTES/ANVISA Joana D Arc Parente dos Reis CGLAB/SVS/MS

4 2. INTRODUÇÃO 2.1. Antecedentes O desenvolvimento extraordinário da tecnologia médica, com aumento da expectativa de vida, proporcionou expressiva elevação na sobrevida humana e conseqüentemente no número de pessoas mantidas em atendimento sob condições críticas, assim como recém nascidos prematuros, idosos e pacientes com doenças crônico-degenerativas. Com pessoas mais susceptíveis expostas a procedimentos cada vez mais invasivos, as infecções hospitalares foram tornando-se cada vez mais freqüentes, com incidência em novas topografias e aumento nas taxas de ataque como um todo (1-3). Agravando esta situação, a resistência dos microrganismos ao tratamento com antimicrobianos vem aumentando rapidamente em todo o mundo, com grande impacto na efetividade da assistência à saúde, principalmente no âmbito hospitalar. Neste contexto, o uso indiscriminado dos antimicrobianos é um fator de risco importante para aparecimento e disseminação dessa resistência. Nas últimas décadas a resistência microbiana vem aumentando rapidamente em todo o mundo, particularmente no ambiente hospitalar. Dados da literatura internacional mostram que as unidades de terapia intensiva são propícias ao aparecimento e disseminação da resistência microbiana. Pacientes internados em unidades de terapia intensiva são mais graves, submetidos a vários procedimentos invasivos e geralmente utilizam antibióticos de amplo espectro de ação (4 8). No Brasil, a magnitude do problema resistência microbiana não é completamente conhecida, mas diversos pesquisadores brasileiros têm evidenciado o grande impacto das infecções causadas por estes patógenos no sistema hospitalar do país (8-33). O monitoramento da resistência propicia uma melhoria da regulação e vigilância sanitária de serviços de saúde. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), por meio da Unidade de Investigação e Prevenção das Infecções e dos Eventos Adversos (UIPEA), coordena o Programa Nacional de Controle de Infecção Hospitalar (PCIH), cujas atividades foram delineadas pela Lei nº 9.431, de 06 de janeiro de Esta lei dispõe sobre a obrigatoriedade dos hospitais manterem um Programa de Infecção Hospitalar e criarem uma Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH). As diretrizes e normas que viabilizaram o planejamento do Programa foram definidas pela Portaria nº 2616, 12 de maio de De acordo com esta Portaria, as Comissões de Controle de Infecção Hospitalar coordenam as ações de vigilância epidemiológica das infecções hospitalares, supervisionam normas e rotinas técnico-operacionais relacionadas à prevenção e controle das infecções, capacitam o quadro de funcionários e profissionais da instituição, desenvolvem ações para o uso racional de antimicrobianos, saneantes e materiais médico-hospitalares e realizam investigação epidemiológica de casos e surtos, implementando medidas imediatas de controle, dentre outras atividades.

5 O monitoramento da resistência microbiana em serviços de saúde é imprescindível para o desenvolvimento de ações de controle e prevenção a nível local relacionadas principalmente ao uso racional de antimicrobianos. Para o Sistema Nacional de Vigilância Sanitária, será um instrumento fundamental na definição de políticas prioritárias para a redução da resistência microbiana, tais como, capacitação de profissionais de laboratórios de microbiologia; treinamento de prescritores em uso racional de antimicrobianos; atualização da legislação sobre controle de infecção em serviços de saúde; definição de critérios para registro de novos medicamentos antimicrobianos; proibição da comercialização de produtos com associações de dois ou mais antimicrobianos com outras classes de medicamentos, quando não existe comprovação científica de benefício; controle rigoroso sobre a publicidade e promoção de medicamentos contendo antimicrobianos; dentre outros. O Termo de Cooperação TC 37, nos anos de 2007 e 2008, foi responsável pela consolidação das ações desenvolvidas nos anos anteriores e pela implantação definitiva da Rede RM envolvendo 114 hospitais da Rede Sentinela, 27 Laboratórios de Saúde Pública LACEN, Vigilâncias Sanitárias Estaduais e diversos coordenadores. Neste período os profissionais dos laboratórios de microbiologia e das Comissões de Controle de Infecção Hospitalar CCIH dos hospitais participantes e os profissionais dos LACEN foram capacitados para utilizar as padronizações da rede: CLSI Clinical and Laboratory Standard Institute (laboratorial) e NNISS - National Nosocomial Infections Surveillance System (critérios de infecção hospitalar). Os hospitais iniciaram, em julho de 2006, a notificação dos resultados de teste de susceptibilidade dos patógenos prioritários causadores de infecção primária de corrente sanguínea em UTI por meio do SINAIS Sistema Nacional de Informações para Controle de Infecções em Serviços de Saúde ( Em abril de 2007, foi divulgada a primeira edição do Boletim Resistência Microbiana em Foco, com os dados de perfil de susceptibilidade notificados pelos hospitais da Rede RM e periodicidade trimestral. E em 2007 e 2008 foram publicados 5 (cinco) Boletim Informativo da Rede Nacional de Monitoramento da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde - Rede RM. Por meio do TC 37, foi implantado o Controle Interno da Qualidade nos laboratórios de microbiologia da Rede RM. Foi disponibilizado o Manual de Controle Interno da Qualidade para Testes de Sensibilidade a Antimicrobianos s.pdf, publicado em março de 2006, com download até 27/02/07. Ainda como estratégia para auxiliar os laboratórios na implantação dos controles de qualidade foi distribuída cepas de referência no ano de 2008.

6 Foram realizadas no ano de 2007 e 2008 a elaboração de 2 (dois) curso a distância na área de controle de infecção hospitalar, como marco do Termo de Cooperação Técnica entre a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) e a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) em parceria com a Coordenação Geral de Laboratórios de Saúde Pública CGLAB/SVS/MS e realização da Disciplina de Infectologia, Departamento de Informática em Saúde (DIS) e Fundação de Apoio da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). O Programa de Educação a Distância Medidas de Prevenção e Controle da Resistência Microbiana e Programa de Uso Racional de Antimicrobianos em Serviços de Saúde promoveu o treinamento de aproximadamente 1000 profissionais da área da saúde e ficou disponível na internet por nove semanas (período de 15 de outubro a 14 de dezembro de 2007). O Programa de Educação a Distância Uso Racional de Antimicrobianos para Prescritores promoveu a capacitação de aproximadamente 809 médicos e 108 dentistas envolvidos no cuidado de pacientes com infecções adquiridas tanto na comunidade como nas infecções relacionadas à assistência à saúde é o que este projeto se propôs, contribuindo, de maneira efetiva, para a educação e a formação de profissionais da saúde e ficou disponível na internet por nove semanas (período de 18 de fevereiro a 18 de abril de 2008). Os cursos de educação à distância promoveram aos alunos rever o conteúdo e multiplicar o conhecimento adquirido para outros profissionais através do CD-ROM e da apostila que acompanha o material fornecido aos alunos e como marco no ano de 2009 está sendo disponibilizado à população, profissionais de saúde. Em 2007 e 2008, foi iniciada a elaboração, diagramação do Manual de Interpretação dos Resultados dos Testes de Susceptibilidade aos Antimicrobianos com o objetivo de orientação aos profissionais de serviço de saúde voltados para a qualidade da prescrição de antimicrobianos. Esse foi diagramado e está em fase de impressão prevista para o segundo semestre de E como estratégia de orientar aos profissionais de saúde no processo de capacitação para medidas de prevenção e controle de infecções hospitalares foram traduzidos, revisão gramatical, diagramação, impressos os modelos da Organização Mundial de Saúde (OMS) dos cincos momentos para a higienização das mãos. Dentre os materiais produzidos apresentamos o manual de Higienização das Mãos em Serviço de Saúde Manual de Segurança do Paciente Higienização das Mãos e produção de cartazes e vídeo

7 E ainda em 2008 foi iniciado, um curso para dar continuidade ao programa de capacitação aos profissionais dos laboratórios de microbiologia que compõem a Rede RM em Boas Práticas em Microbiologia Clínica (MC Boas Práticas), dividido em duas etapas, uma à distância com aproximadamente 300 participantes e segunda etapa presencial com aproximadamente 150 participantes A parte teórica aconteceu no período de 03 de novembro a 14 de dezembro de Em maio de 2009, foi realizada a parte práticas para 150 participantes que obtiveram nota superior. Foram selecionados pelo menos um participante de cada uma das instituições participantes da Rede RM. Por meio do TC 37, foram lançados dois editais de pesquisa, publicados nos anos de 2007 e 2008, voltados para o tema resistência microbiana, sendo aprovados 17 projetos, atualmente em andamento. Atividades Instituição Coordenador Prazos Composição clonal de bactérias Gram-Negativas FUNDAÇAO UNIVERSITARIA Beatriz Meurer Moreira 20/06/09 JOSE BONIFACIO Avaliação da colonização intestinal por Enterococos FUNDAÇAO EUCLIDES DA Silvia Susana Bona de 15/07/09 resistentes a vancomicina em pacientes internados CUNHA DE APOIO Mondino no Hospital Universitário Antônio Pedro, Niterói, RJ, INSTITUCIONAL A UFF por métodos convencionais e moleculares Comparação da Atividade in vitro de Marcas Comerciais de Clorexidina, Triclosan, Cloreto de Benzalcônio e PVP-I Contra Clones Bacterianos Multirresistentes Disseminados no Território Brasileiro Impacto das medidas de controle e prevenção sobre as infecções hospitalares de corrente sanguínea por bactérias gram-negativas resistentes em unidades neonatais públicas da região norte do Brasil FUNDAÇAO DE APOIO A UNIVERSIDADE FEDERAL DE SAO PAULO-FAP- UNIFESP FUNDAÇAO SANTA CASA DE MISERICORDIA DO PARA Ana Cristina Gales 15/07/09 Salma Saraty Malveira 15/07/09

8 Atividades Instituição Coordenador Prazos FUNDAÇAO DOM AGUIRRE Maria Inês de Toledo 10/02/09 Plataforma de integração de dados de infecção hospitalar e consumo de antibióticos: estratégia para o uso racional de antibióticos Padronização, desenvolvimento e aplicação de teste imunoenzimático para detecção de resíduos de enrofloxacina e ciprofloxacina em frangos de corte Desenvolvimento de PCR em tempo real para diagnóstico molecular rápido de Enterococos Resistentes a Vancomicina (VRE) em amostras fecais de pacientes hospitalizados. Projeto sentinela de resistência a antifúngicos em leveduras causadoras de infecção de corrente sanguínea em hospitais do estado de São Paulo, Brasil. Avaliação da diversidade genética e resistência a antimicrobianos de bactérias e leveduras isoladas de pacientes internados em um hospital sentinela no noroeste do Paraná. Caracterizar a resistência antimicrobiana a oxacilina através de diferentes metodologias e correlacionar com os tipos de cassete cromossômico mec e genótipos em amostras de Staphylococcus aureus e Staphylococcus coagulase-negativos isoladas de hospitais da cidade do Rio de Janeiro. Pesquisa da suscetibilidade de micobactérias de crescimento rápido (MCR) frente ao desinfetante contendo ácido peracético INSTITUTO DE MEDICINA TROPICAL DE SAO PAULO - USP FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE. (FFFCMPA) Antonio Walter Ferreira 10/06/09 Pedro Alves d Azevedo 30/09/09 INSTITUTO ADOLFO LUTZ Márcia de Souza Carvalho Melhem FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ - HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DE MARINGÁ FUNDAÇAO UNIVERSITARIA JOSE BONIFACIO FUNDAÇÃO CRUZ - FIOCRUZ OSVALDO Terezinha Estivalet Inez Svidzinski Kátia Regina Netto dos Santos Neide Hiromi Tokumaru Miyazaki 30/09/09 30/09/09 30/09/09 30/09/09

9 Atividades Instituição Coordenador Prazos Afonso L. Barth 30/09/09 Teste de suscetibilidade em biofilme e métodos de detecção de P. aeruginosa hipermutantes em pacientes com fibrose cística em dois centros brasileiros. Perfil de susceptibilidade de leveduras isoladas em casos de infecção hospitalar fúngica oriundos dos Hospitais Universitários em Cuiabá MT Avaliação do perfil de susceptibilidade antimicrobiana e caracterização molecular de micobactérias atípicas isoladas de pacientes com infecção pós-cirúrgica na cidade de Goiânia Goiás. Prevenção e tratamento de infecção em cateter de hemodiálise com M-EDTA Avaliação da eficácia da atividade antimicrobiana de saneante utilizado em hospital. Caracterização epidemiológica de linhagens multirresistentes de Staphylococcus spp enterotoxigênicos veiculados por alimentos. FUNDAÇÃO MÉDICA DO RIO GRANDE DO SUL - UFRGS ASSOCIAÇÃO DE PROTEÇÃO A MATERNINDADE DE CUIABÁ - HOSPITAL GERAL UNIVERSITÁRIO FUNAPE FUNDAÇÃO DE APOIO A PESQUISA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS. FUNDAÇÃO MÉDICA DO RIO GRANDE DO SUL - UFRGS UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FOR A Rosane Christine Hahn 30/09/09 André Kipnis 30/09/09 Fernando Thomé 30/09/09 Célia Hitomi Yamamoto 30/09/09 FUNDAÇÃO EZEQUIEL DIAS Ricardo Sousa Dias 30/09/09

10 Por meio do TC 37, no ano de 2008, foram realizadas outras pesquisas conforme solicitação da Anvisa/OPAS/CGLAB, que tiveram como objetivo identificar as medidas de intervenção para a prevenção e controle de infecções hospitalares. Atividades Instituição Coordenador Avaliação da suscetibilidade de micobactérias de crescimento rápido em produto a base de glutaraldeído como medida de prevenção de infecções. Intervenção para a aplicação da Estratégia Multimodal de melhoria da higiene das mãos - Prevenção e controle da transmissão cruzada de patógenos multirresistente FUNDAÇAO PARA O Pedro Ribeiro DESENVOLVIMENTO Barbosa/Neide Hiromi CIENTIFICO E Tokumaru Miyazaki TECNOLOGICO EM SAUDE - FIOTEC ALBERT SABIN/CE; Ester Carnevalle HRAN/DF SIRIO Racuia; Nirla Gomes LIBANES/SP; HOSPITAL DE Guedes; Fernanda de CLINICAS/RS; SANTA CASA Mello Chassot; Edilson DE MISERICORDIA/PA Ferreira Calandrine; Marlene Assunção Carrara Prazos 5/10/08 10/09/09

11 3. ATIVIDADES REALIZADAS E RESULTADOS ALCANÇADOS No ano de 2008, as atividades realizadas e resultados alcançados estão descritas abaixo. Algumas atividades não foram realizadas devido atrasos na contratação de serviços especializados e nas reuniões de avaliação do projeto essas foram reestruturadas e programadas para o ano de ATIVIDADE Análise das informações da resistência produzida pela rede de monitoramento A análise dos dados gerados pela Rede RM foi realizada por meio de contratos, a saber: 1) Análise dos dados de perfil de sensibilidade dos patógenos prioritários da Rede: contratada - Dra. Adélia Aparecida Marçal dos Santos. Os dados enviados pelos hospitais participantes da Rede RM são encaminhados via para a profissional contratada, que desempenha as seguintes atividades: - Análise preliminar dos dados, quanto à consistência e qualidade da informação; - Inserção dos dados em banco Epi-Info; - Emissão de relatórios semestrais com o consolidado dos dados de perfil de sensibilidade, que são divulgados a toda sociedade por meio do Boletim Eletrônico Resistência Microbiana em Foco - Proporção de microrganismos notificados nos principais estados (até um total de nove estados analisados), por região e nacional. - Sensibilidade dos microrganismos aos antimicrobianos padronizados pela Rede RM, com resultados globais e por tipo de UTI (neonatal e adulto), nos principais estados (até um total de nove estados analisados), por região e nacional. - Freqüência mensal de envio de dados por instituição participante da Rede RM. No ano de 2008, foi realizado novo contrato com a Dra Adélia Aparecida Marçal dos Santos para análise dos dados de Esses serão apresentados no Boletim Eletrônico Resistência Microbiana em Foco, em julho de ) Análise dos dados de controle de qualidade dos laboratórios da Rede: contratada - Dra. Maria Rita Elmor de Araújo. Os relatórios de controle interno da qualidade dos laboratórios da Rede RM são encaminhados mensalmente para a profissional contratada, e os dados são compilados e divulgados por meio do Boletim Eletrônico Resistência Microbiana em Foco Além disso, as medidas corretivas são encaminhadas por para os laboratórios, quando necessário.

12 ATIVIDADE Avaliação do projeto A coordenação do projeto realizou, durante o ano de 2008, avaliação contínua das atividades executadas e planejadas, por meio de reuniões bimestrais. ATIVIDADE Desenvolvimento e implementação do programa Interno da qualidade laboratorial a) Módulos do Manual de Microbiologia Durante o ano de 2007, foi dada continuidade ao contrato para redação dos novos módulos e revisão dos sete módulos prévios do Manual de Microbiologia firmado pela OPAS com a Fundação da Universidade de Campinas FUCAMP. Atualmente, os módulos encontram-se em fase de diagramação, sob a supervisão do Dr. Carlos Emilio Levy (UNICAMP). Foi finalizado o processo de diagramação do manual de Microbiologia, 3 módulos: Livro 1. Fascículo V - Detecção e identificação de bactérias de importância médica; Livro 2. Descrição dos meios de cultura empregados nos exames microbiológicos;. Livro 3. Detecção e identificação de microbactérias de importância médica; Os demais módulos estão em fase de diagramação e a entrega dos módulos impressos está prevista para o primeiro semestre de ATIVIDADE Estabelecimento da rede de referência laboratorial para o diagnóstico e monitoramento de resistência microbiana de organismos prioritários em serviços de saúde. Esta atividade tem como objetivo definir Laboratórios de Saúde Pública LACEN de referência para Resistência Microbiana. Estes laboratórios auxiliarão na avaliação de cepas inconclusivas, quando laboratórios de microbiologia da Rede RM ou outros LACEN não obtiverem sucesso na determinação do perfil de sensibilidade de determinada cepa. O estabelecimento desta rede de referência será realizado pela CGLAB, por meio de Portaria do Ministério da Saúde. No projeto original, o cronograma previu a execução desta atividade no primeiro trimestre de O atraso na definição desta rede se deve a questões internas da CGLAB, sendo que a publicação desta portaria está prevista para o ano de ATIVIDADE Distribuição das cepas INCQS A Coordenação Nacional da Rede RM renovou, durante o ano de 2007, o contrato com o Instituto Nacional de Controle da Qualidade em Saúde (INCQS) para fornecimento das cepas de referência. O INCQS é uma unidade técnico-científica da Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ), autorizado pelo Decreto n 4.725/2003 a executar atividades de controle da qualidade de produtos nas áreas de saúde e da biotecnologia. De acordo com a Política Nacional de Saúde do Ministério da Saúde, o INCQS definiu como uma de suas estratégias a busca por um projeto de autosuficiência em Material de Referência.

13 Neste contexto, em 1983 foi estabelecida a Coleção de Microrganismos de Referência do INCQS atualmente registrada no WFCC sob o número INCQS EDCM575. No ano de 2000, foi elaborado um documento à American Type Culture Collection (ATCC) no qual foram informados os objetivos da aquisição, bem como os procedimentos de disponibilização dos microrganismos de referência. Após avaliação da ATCC, o INCQS recebeu seu customer number e passou a ser cliente cadastrado. Segundo o INCQS, esses microrganismos originários da ATCC são manipulados com base nos parâmetros das Boas Práticas de Laboratório, incluindo ensaios fenotípicos e genotípicos que confirmam suas características originais. As culturas recebem uma numeração e são fornecidas como cepas do INCQS, que passa a ter inteira responsabilidade pela integridade das mesmas. ATIVIDADE Aquisição e atualização dos manuais do Clinical and Laboratory Standarts Institute (CLSI) Para que a informação da Rede RM seja confiável e comparável entre instituições, é essencial a padronização das técnicas para determinação do perfil de sensibilidade dos microrganismos. Para garantir à Rede RM o uso de um padrão único, a Anvisa, em colaboração com a OPAS, adquiriu no ano de 2005 os direitos de tradução para a língua portuguesa dos manuais do Clinical and Laboratory Standarts Institute (CLSI), disponíveis no site da Anvisa - Para o primeiro semestre de 2006, o projeto previu a compra dos direitos autorais e tradução de mais cinco módulos do CLSI, a fim de permitir permanente atualização dos participantes da Rede. De acordo com o planejamento semestral, foi realizada a previsão do número de cópias por módulo, a saber: 1) Performance Standards for Antimicrobial Disk Susceptibility Tests; Approved Standard - Ninth Edition -M02-A9: 600 cópias. 2) Methods for Dilution Antimicrobial Susceptibility Tests for Bacteria That Grow Aerobically; Approved Standard - Seventh Edition - M07-A7: 600 cópias. 3) Performance Standards for Antimicrobial Susceptibility Testing; Sixteenth Informational Supplement -M100/S17: 600 cópias. 4) Method for Antifungal Disk Diffusion Susceptibility Testing of Yeasts; Approved Guideline -M44: 100 cópias. 5) Methods for Antimicrobial Susceptibility Testing of Anaerobic Bacteria; Approved Standard - Sixth Edition - M11A7: 100 cópias. O contrato com CLSI foi concluído no ano de 2007, mas houve atraso na tradução e revisão dos manuais. Na avaliação do projeto, em 2008, ficou acordado a aquisição e disponibilização dos manuais em inglês para que os profissionais de serviços de saúde possam estar recebendo em um prazo curto os mesmos. Assim, atualmente a disponibilização para download (mediante senha de acesso) será julho de 09, juntamente com as novas atualizações de 2009.

14 ATIVIDADE Ampliação da rede de monitoramento Em 2008, na avaliação do projeto a atividade de ampliação da rede de monitoramento não foi realizada devido a necessidade de reavaliação da participação das instituições que compõem a Rede RM. Essa reavaliação será iniciada em 2009 no envio de novo termo de adesão às instituições reforçando as atribuições e os critérios de exclusão. ATIVIDADE Cooperação Internacional com a Rede de Monitoramento da Resistência da OPAS e da OMS Para o cumprimento desta atividade, foram realizados os seguintes intercâmbios com instituições internacionais: - Dr. Leandro Santi (Cuenca), membro da coordenação da Rede RM, participação no Taller Seminário Internacional da REACT (Raccion Contra La Resistência Bacteriana), 09 a 13 de junho de Janaina Sallas (San Salvador), membro da coordenação da Rede RM, participação na Reunião Anual Regional da Rede de Monitoramento e Vigilância da Resistência aos Antibióticos, 20 a 22 de agosto de ATIVIDADE Retro-alimentação dos notificantes Em 2008, foram publicados dois boletins no Boletim Eletrônico Resistência Microbiana em Foco, disponibilizados em e O boletim é lançado trimestralmente, intercalando os dois temas Monitoramento da Resistência Microbiana e Uso racional de antimicrobianos e medidas de prevenção e controle da resistência microbiana. O objetivo é construir um instrumento que seja capaz de informar e divulgar os dados de perfil de sensibilidade e de controle interno da qualidade dos laboratórios notificados pelos participantes (1ª área temática), e que ao mesmo tempo sirva para divulgar artigos, eventos e atividades relacionados ao uso racional de antimicrobianos e às medidas de prevenção e controle da resistência microbiana (2ª área temática). ATIVIDADE Boletim de divulgação sobre uso racional de antimicrobianos e controle de resistência microbiana. Vide atividade ATIVIDADE Criação de instrumentos padrão e definição dos microrganismos passíveis de notificação Atividade realizada no ano de Vide relatório anterior, disponível em df.

15 ATIVIDADE Curso avançado para profissionais de serviço de saúde voltados às áreas assistenciais de maior densidade de prescrição de antimicrobianos (terapia intensiva, pediatria, pneumologia e oncologia) - curso à distancia modular: básico e avançado destinados a prescritores O curso a distância "Uso Racional de Antimicrobianos para Prescritores" foi implementado por meio de cooperação técnica entre a Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA e a Organização Pan-Americana da Saúde - OPAS, em parceria com Coordenação Geral de Laboratórios de Saúde Pública CGLAB/SVS/MS, e realização da Disciplina de Infectologia e Fundação de Apoio da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). O curso foi realizado via internet, com apoio de tutores da UNIFESP, e disponibilização de material impresso e em CD, com o seguinte conteúdo: 1. Uso racional de antimicrobianos e a resistência microbiana; 2. Interpretação de dados microbiológicos; 3. Prescrição de antimicrobianos: tratamento das principais infecções comunitárias, hospitalares e profilaxia antimicrobiana em cirurgia; 4. Uso de antimicrobianos em populações especiais: pacientes com insuficiência renal, insuficiência hepática, gestantes, crianças e neonatos. Foram selecionados 700 prescritores para o curso no período de 18/02/08 a 18/04/08. O acesso às aulas e provas do curso foi realizado por meio do site ATIVIDADE Publicação de manual técnico sobre interpretação de resultados microbiológicos para auxiliar na prescrição racional de antimicrobianos O contrato firmado com a Associação Paulista para Desenvolvimento da Medicina Hospital São Paulo, sob coordenação da Professora Antônia Maria de Oliveira Machado (diretora técnica do Laboratório Central do Hospital São Paulo), já foi finalizado. Em 2008, foi finalizado a diagramação, entretanto devido atrasos na contratação de serviços para impressão ficou agendado para o ano de ATIVIDADE Capacitação para os profissionais dos laboratórios de microbiologia dos hospitais sentinelas e colaboradores e LACEN para MC Boas Práticas Em 2008, o contrato firmado com a Associação Paulista para Desenvolvimento da Medicina Hospital São Paulo, sob coordenação da Professora Antônia Maria de Oliveira Machado (diretora técnica do Laboratório Central do Hospital São Paulo). O curso à distância BOAS PRÁTICAS EM MICROBIOLOGIA CLÍNICA - MC Boas Práticas tem como objetivos: 1. Dar continuidade ao programa de capacitação aos Laboratórios de Microbiologia que compõem a Rede de Monitoramento e Controle da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde Rede RM. 2. Fornecer informações técnicas atualizadas os profissionais matriculados no curso; 3. Assessorar, por meio de informações impressas, Internet e Central telefônica, com o objetivo de promover a troca de conhecimentos em âmbito nacional, auxiliando no conhecimento sobre os processos de rotina de um Laboratório de Microbiologia; e 4. Padronização dos processos realizados nos laboratórios de microbiologia participantes da Rede RM.

16 O curso foi executado em duas etapas: A primeira parte do curso à distância oferece a oportunidade para um número maior de alunos por um menor custo, além de oferecer a facilidade da escolha do local e horário de estudo pelo aluno. O plano de trabalho da primeira fase envolve a produção de um ambiente de ensino à distância por meio de três mídias: 1) Material didático impresso; 2) CD-ROM; e 3) Internet. O ambiente virtual foi produzido com o apoio do Departamento de Informática em Saúde da Universidade Federal de São Paulo. Também foi mantido o espaço virtual para orientações e respostas às dúvidas e uma linha telefônica exclusiva para orientação (controle de uso), A primeira fase foi teórica e foi realizada no período de 03 de novembro a 14 de dezembro de 2008, com aproximadamente 300 profissionais. A segunda fase ocorreu no período de 03 a 07 de maio de Essa atividade contou com material impresso para suporte didático entregue no dia do encontro para cada um dos 150 participantes. A turma foi dividida em 2 grupos de 75 alunos e tiveram duração de 2 dias, em período integral. ATIVIDADE Publicação de manuais, informes, folder, pôsteres, materiais científicos e técnicos No ano de 2008, foram realizadas a tradução, diagramação e impressão com o objetivo de capacitar os profissionais de saúde para medidas de prevenção de infecção hospitalar. Dentre os materiais produzidos apresentamos o manual de Higienização das Mãos em Serviço de Saúde (http://www.anvisa.gov.br/hotsite/higienizacao_maos/index.htm ), Manual de Segurança do Paciente Higienização das Mãos (http://www.anvisa.gov.br/servicosaude/manuais/paciente_hig_maos.pdf ) e produção de cartazes e vídeo (http://www.anvisa.gov.br/servicosaude/manuais/index.htm ). ATIVIDADE Realizar encontros periódicos com especialistas para elaboração das normas técnicas No ano de 2008, foi realizado uma reunião com o CURAREM, em 24 e 25 de junho de 2008, em Brasília, com o objetivo de apresentar e discutir proposta de alteração da legislação vigente para a venda de antimicrobianos. ATIVIDADE Realizar estudos por meio de parcerias com as instituições A Anvisa divulgou dois editais de pesquisa, em janeiro e setembro de 2007 (https://www.anvisa.gov.br/servicosaude/controle/rede_rm/index.htm). As 17 pesquisas ainda estão em andamento devido atrasos na contratação de serviços. Os resultados serão apresentados no segundo semestre de 2009.

17 4. AVALIAÇÃO DOS INDICADORES DE ACOMPANHAMENTO ATIVIDADES INDICADORES MEIOS DE VERIFICAÇÃO Análise das Número de Divulgação dos informações da relatórios/ano boletins e resistência produzida relatórios pela rede de monitoramento Avaliação do Número de Lista de projeto Desenvolvimento e implementação do programa interno da qualidade laboratorial Estabelecimento da rede de referência laboratorial para o diagnóstico e monitoramento de resistência microbiana de organismos prioritários em serviços de saúde Distribuição das cepas INCQS Aquisição e atualização dos manuais do Clinical and Laboratory Standarts Institute reuniões/ano Percentual de instituições realizando controle interno da qualidade. Número de publicações Número de referência Definida Percentual de participantes da rede que receberam as cepas controle Número de exemplares Distribuídos presença Avaliação periódica de desempenho, divulgação da publicação Grade de Referência Verificação do envio das cepas para as instituições participantes e laboratórios de referência. Notificação de recebimento dos manuais RESULTADOS 2 boletins publicados e divulgados Relatório disponível no site da Anvisa Execução parcial da atividade proposta para este ano: - Diagramação de 3 módulos. Outros módulos em fase de diagramação; Atividade a ser executada pela CGLAB adiada para % (as cepas foram encaminhadas a todos os LACEN). Execução parcial da atividade proposta Definição do número de cópias: realizado - Compra dos direitos de distribuição:realizado - Disponibilização: 2009

18 ATIVIDADES INDICADORES MEIOS DE VERIFICAÇÃO Cooperação Número de visitas Lista de Internacional com a técnicas/ano presença; Rede de Certificados Monitoramento da Resistência da OPAS e da OMS Retroalimentação dos Notificantes Boletim de divulgação sobre uso racional de antimicrobianos e controle de resistência microbiana Criação de instrumentos padrão e definição dos microrganismos passíveis de notificação Capacitação do profissional do serviço de saúde voltada para a qualidade da prescrição de antimicrobianos e curso avançado para profissionais de serviço de saúde voltados às áreas assistenciais de maior densidade de prescrição de antimicrobianos Publicação de manual técnico sobre interpretação de resultados microbiológicos para auxiliar na prescrição racional de antimicrobianos Número de boletim/ano Número de boletim/ano Percentual de microrganismos prioritários notificados via SINAIS Número de profissionais prescritores capacitados. Número de publicação e número de distribuição Divulgação das Informações Divulgação das Informações Análise dos dados Lista de Participação Número de donwload RESULTADOS 100% (2 passagens internacionais) 2 boletim em boletim em Notificação dos 9 patógenos prioritários (100%) 70% dos hospitais notificando 100% (700 prescritores Concluíram o curso) Disponibilização no site da Anvisa. Prevista em 2009

19 ATIVIDADES INDICADORES MEIOS DE VERIFICAÇÃO Capacitação Número de Lista de para os profissionais profissionais presença dos laboratórios de capacitados microbiologia dos hospitais sentinelas e colaboradores e LACEN para MC Boas Práticas Publicação de manuais, informes, folder, pôsteres, materiais científicos e técnicos Realização de encontros periódicos com especialistas para elaboração das normas técnicas Realizar estudos por meio de parcerias com as instituições. Número de publicações, materiais técnicos produzidos Número de grupos mantidos na elaboração das normas técnicas Percentual de pesquisas concluídas. Divulgação no site da Anvisa Divulgação dos boletins e relatórios Publicação RESULTADOS 300 profissionais capacitados na parte teórica e 150 na parte prática 100% concluído Realização da reunião com o CURAREM em % (17 pesquisas selecionadas e em andamento, previsão novembro de 2009) 5. PONTOS POSITIVOS No ano de 2008, a coordenação nacional teve como principal objetivo avaliar o projeto da Rede RM quanto suas atividades, indicadores e meios de verificação. Nessa constante avaliação durante esse período foram identificados alguns pilares que serão propostos para 2009 e destes podemos destacar: dados microbiológicos com qualidade; dados de perfil de sensibilidade para base para um programa permanente; vigilância participativa; profissionais dos serviços de saúde capacitados. O aumento do envio dos dados de perfis de sensibilidade e controle interno da qualidade pelos participantes vem mostrar situação da resistência microbiana nos serviços de saúde e sua importância para priorização de ações que possam servir como base para um programa permanente para no Brasil. A Rede RM, pode destacar no ano de 2008, a iniciativa de educação à distância direcionada aos profissionais dos serviços de saúde para prescritores, quanto ao uso racional de antimicrobianos e para os profissionais dos laboratórios de microbiologia quanto Boas Práticas em Microbiologia Clínica. Os cursos receberam inscrições de todo o Brasil.

20 Ainda como objetivo de divulgar e obter dados quanto ao tema, a Rede RM elaborou novo edital de pesquisa que teve 17 pesquisas selecionadas, atendendo as 5 regiões do Brasil. A colaboração dos pesquisadores à Rede RM deve ser vista como uma iniciativa para fortalecimento e direcionamento para um plano ou políticas de saúde. E ainda tem interesse mostrar as diversas pesquisas desenvolvidas sobre o tema no Brasil. Em 2008, a divulgação dos dados emitidos pela Rede RM, por meio dos boletins eletrônicos representou importante avanço, apresentando à sociedade o problema da resistência microbiana nos serviços de saúde e apontando a necessidade de adoção de medidas de prevenção e controle. A Rede RM vem buscando parceiros para o desenvolvimento das ações para o monitoramento, prevenção e controle da resistência microbiana nos serviços de saúde e podemos destacar no ano de 2008, o trabalho com instituições de ensino e pesquisa, UNIFESP, INCQS e UNICAMP e com as profissionais responsáveis pela análise dos dados tem sido de extrema importância para o sucesso da implantação da Rede RM e execução das diversas atividades previstas neste Projeto. 6. ANÁLISE DE DIFICULDADES No ano de 2008, a Rede RM, passou por várias dificuldades dessas podemos destacar mudanças gerenciais e técnicas, o que ocasionou atrasos nos contratos de solicitação de serviços, atividades programadas e ainda o número de profissionais participantes da coordenação nacional. Foi identificado ainda problemas quanto ao fluxo de informação entre os participantes e a coordenação nacional. A descontinuidade e atraso no envio dos dados dificuldade a análise das informações e geram problemas na retroalimentação aos participantes e a comunidade como um todo. A falta de comunicação da situação das instituições participantes quanto a implantação dos controles internos e externos da qualidade e notificação de infecções hospitalares dificultam o andamento e planejamento das ações à coordenação nacional. A falta de conhecimento das ações implantadas nas coordenações estaduais e municipais de resistência microbiana à coordenação nacional dificulta o andamento do processo de implementação da Rede RM.

Relatório do I Seminário Semestral de Gerenciamento da Rede Nacional de Monitoramento da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde Rede RM

Relatório do I Seminário Semestral de Gerenciamento da Rede Nacional de Monitoramento da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde Rede RM Relatório do I Seminário Semestral de Gerenciamento da Rede Nacional de Monitoramento da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde Rede RM Data: 12 de dezembro de 2006 Local: OPAS - Brasília Participantes

Leia mais

Relatório do I Seminário Nacional da Rede de Monitoramento e Controle da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde

Relatório do I Seminário Nacional da Rede de Monitoramento e Controle da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde Relatório do I Seminário Nacional da Rede de Monitoramento e Controle da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde I - RESUMO EXECUTIVO Responsáveis: - Adélia Aparecida Marçal dos Santos Gerência de

Leia mais

REDE NACIONAL DE MONITORAMENTO DA RESISTÊNCIA MICROBIANA EM SERVIÇOS DE SAÚDE REDE RM NOVO TERMO DE ADESÃO

REDE NACIONAL DE MONITORAMENTO DA RESISTÊNCIA MICROBIANA EM SERVIÇOS DE SAÚDE REDE RM NOVO TERMO DE ADESÃO REDE NACIONAL DE MONITORAMENTO DA RESISTÊNCIA MICROBIANA EM SERVIÇOS DE SAÚDE REDE RM NOVO TERMO DE ADESÃO Atribuições dos participantes da Rede RM 1) Gestor dos Hospitais Colaboradores da Rede RM Indicar

Leia mais

Relatório Final II Seminário Semestral de Gerenciamento da Rede Nacional de Monitoramento da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde Rede RM

Relatório Final II Seminário Semestral de Gerenciamento da Rede Nacional de Monitoramento da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde Rede RM Relatório Final II Seminário Semestral de Gerenciamento da Rede Nacional de Monitoramento da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde Rede RM Data: 28 de agosto de 2007 Local: OPAS - Brasília I - PARTICIPANTES

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE O CADASTRAMENTO DAS COORDENAÇÕES MUNICIPAIS DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR - CMCIH 2010/2012

RELATÓRIO SOBRE O CADASTRAMENTO DAS COORDENAÇÕES MUNICIPAIS DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR - CMCIH 2010/2012 RELATÓRIO SOBRE O CADASTRAMENTO DAS COORDENAÇÕES MUNICIPAIS DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR - CMCIH 200/202 Brasília, Maio de 202 Diretores: Dirceu Brás Aparecido Barbano Diretor-Presidente Jaime Cesar

Leia mais

II Seminário Nacional da Rede de Monitoramento e Controle da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde RELATÓRIO FINAL

II Seminário Nacional da Rede de Monitoramento e Controle da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde RELATÓRIO FINAL II Seminário Nacional da Rede de Monitoramento e Controle da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde RELATÓRIO FINAL 1 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO... 3 II - NOTIFICAÇÃO... 3 1. Vigilância / Requerimentos...

Leia mais

ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR

ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR Pelo presente termo de compromisso, de um lado a Secretaria de Estado da Saúde do Estado do Rio de Janeiro/ Fundo Estadual de Saúde, com endereço

Leia mais

Page 1. Objetivos da investigação. Surtos de infecção de sítio cirúrgico por micobactérias de crescimento rápido Brasil, 2003/2008

Page 1. Objetivos da investigação. Surtos de infecção de sítio cirúrgico por micobactérias de crescimento rápido Brasil, 2003/2008 Surtos de infecção de sítio cirúrgico por micobactérias de crescimento rápido Brasil, 2003/2008 Gerência de Investigação e Prevenção das Infecções e dos Eventos Adversos Gerência Geral de Tecnologia em

Leia mais

ANEXO ROTEIRO DE INSPEÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

ANEXO ROTEIRO DE INSPEÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 1 OBJETIVO: ANEXO ROTEIRO DE INSPEÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR Este Roteiro estabelece a sistemática para a avaliação do cumprimento das ações do Programa de Controle de Infecção

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO Artigo 1º Atendendo à Portaria de número

Leia mais

Boletim informativo Segurança do Paciente e Qualidade Assistencial em Serviços de Saúde

Boletim informativo Segurança do Paciente e Qualidade Assistencial em Serviços de Saúde VOLUME 1 NÚMERO 2 Boletim informativo Segurança do Paciente e Qualidade Assistencial em Serviços de Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Brasília, Jan-Jul de 2011. Prevenção e controle das

Leia mais

Controle da infecção hospitalar no Estado de São Paulo. Cilmara Polido Garcia

Controle da infecção hospitalar no Estado de São Paulo. Cilmara Polido Garcia Controle da infecção hospitalar no Estado de São Paulo Cilmara Polido Garcia Períodos de 1855 N. de soldados admitidos no hospital N. (%) de soldados que morreram Janeiro a março 10.283 3354 (33) Abril

Leia mais

PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR-PCIH

PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR-PCIH Código: PCIH. SCIH. 001 Versão: 1.0 Revisão: 00 Página: 1de 9 PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR-PCIH 2013 Código: PCIH. SCIH. 001 Versão: 1.0 Revisão: 00 Página: 2de 9 Programa de Atividades

Leia mais

Relatório de Gestão da CCIH

Relatório de Gestão da CCIH Relatório de Gestão da CCIH 1 - Apresentação A Comissão de Controle de Infecção Hospitalar CCIH é formada por membros executores -01 enfermeira, 01 farmacêutica e 01 infectologista e consultoresrepresentantes

Leia mais

Experiência: PROJETO HOSPITAIS SENTINELA: UMA ESTRATÉGIA DE VIGILÂNCIA PARA A PÓS-COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS DE SAÚDE

Experiência: PROJETO HOSPITAIS SENTINELA: UMA ESTRATÉGIA DE VIGILÂNCIA PARA A PÓS-COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS DE SAÚDE Experiência: PROJETO HOSPITAIS SENTINELA: UMA ESTRATÉGIA DE VIGILÂNCIA PARA A PÓS-COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS DE SAÚDE Agência Nacional de Vigilância Sanitária Ministério da Saúde Responsável: Clarice

Leia mais

CCIH/SCIH: a Enfermagem à frente da prevenção de infecções hospitalares

CCIH/SCIH: a Enfermagem à frente da prevenção de infecções hospitalares freeimages.com CCIH/SCIH: a Enfermagem à frente da prevenção de infecções hospitalares A adesão dos profissionais de saúde e o envolvimento de pacientes e familiares nas medidas de prevenção reduzem o

Leia mais

CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR É DEFICIENTE EM MAIS DE 90% DOS HOSPITAIS DE SÃO PAULO

CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR É DEFICIENTE EM MAIS DE 90% DOS HOSPITAIS DE SÃO PAULO CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR É DEFICIENTE EM MAIS DE 90% DOS HOSPITAIS DE SÃO PAULO 13/04/2009 Levantamento inédito sobre a situação do controle da infecção hospitalar realizado pelo Conselho Regional

Leia mais

PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR PCIH. Orientações

PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR PCIH. Orientações PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR PCIH Orientações O que é o PCIH Considera-se Programa de Controle de Infecção Hospitalar o conjunto de ações desenvolvidas deliberada e sistematicamente, com

Leia mais

Estabelecimentos de Saúde/Infec

Estabelecimentos de Saúde/Infec Secretaria Estadual de Saúde Centro Estadual de Vigilância em Saúde Divisão de Vigilância Sanitária Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde/Infec Ana Luiza Rammé Ana Carolina Kraemer Roberta

Leia mais

O desafio é A Segurança do Paciente

O desafio é A Segurança do Paciente O desafio é A Segurança do Paciente CAISM - Fevereiro de 2011: Implantação do Segundo Desafio Global Cirurgias Seguras Salvam Vidas Profª Drª Roseli Calil Enfº Adilton Dorival Leite Conhecendo um pouco

Leia mais

Qualidade e Segurança do Paciente: A perspectiva do Controle de Infecção. Paula Marques Vidal APECIH Hospital São Camilo Unidade Pompéia

Qualidade e Segurança do Paciente: A perspectiva do Controle de Infecção. Paula Marques Vidal APECIH Hospital São Camilo Unidade Pompéia Qualidade e Segurança do Paciente: A perspectiva do Controle de Infecção Paula Marques Vidal APECIH Hospital São Camilo Unidade Pompéia Tópicos 1. CCIH no Brasil 2. CCIH e a Segurança do Paciente: Qual

Leia mais

Contribuição da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar para a Segurança do Paciente

Contribuição da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar para a Segurança do Paciente Contribuição da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar para a Segurança do Paciente Paula Marques Vidal Hospital Geral de Carapicuíba- OSS Grupo São Camilo Abril -2013 TÓPICOS CCIH no Brasil Trabalho

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DAS RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS

PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DAS RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DAS RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS Novembro de 2009 PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DAS RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS ÍNDICE Pág. I. INTRODUÇÃO... 2 II. ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Programa de Pesquisas Hospitalares Em Busca de Excelência: Fortalecendo o Desempenho Hospitalar em Brasil

Programa de Pesquisas Hospitalares Em Busca de Excelência: Fortalecendo o Desempenho Hospitalar em Brasil Banco Mundial Programa de Pesquisas Hospitalares Em Busca de Excelência: Fortalecendo o Desempenho Hospitalar em Brasil DIAGNÓSTICO DO CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR NO BRASIL Adélia Aparecida Marçal

Leia mais

Relatório de Gestão da CCIH

Relatório de Gestão da CCIH Relatório de Gestão da CCIH 1 - Apresentação A Comissão de Controle de Infecção Hospitalar CCIH é formada por membros executores -01 Enfermeira, 01 Farmacêutica e 01 Medico Infectologista e consultores-representantes

Leia mais

Indicadores Nacionais de Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde

Indicadores Nacionais de Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária Indicadores Nacionais de Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde Unidade de Investigação e Prevenção das Infecções e dos Eventos Adversos UIPEA Gerência Geral

Leia mais

Segurança do paciente nas Américas. Heiko T. Santana GVIMS/GGTES/ANVISA 23/09/2015

Segurança do paciente nas Américas. Heiko T. Santana GVIMS/GGTES/ANVISA 23/09/2015 Segurança do paciente nas Américas Heiko T. Santana GVIMS/GGTES/ANVISA 23/09/2015 SEGURANÇA DO PACIENTE E QUALIDADE EM SERVIÇOS DE SAÚDE SEGURANÇA DO PACIENTE E QUALIDADE EM SERVIÇOS DE SAÚDE Qualidade

Leia mais

Ministério da Saúde cria o Programa Nacional de Segurança do Paciente para o monitoramento e prevenção de danos na assistência à saúde

Ministério da Saúde cria o Programa Nacional de Segurança do Paciente para o monitoramento e prevenção de danos na assistência à saúde Ministério da Saúde cria o Programa Nacional de Segurança do Paciente para o monitoramento e prevenção de danos na assistência à saúde Rede Sentinela Desde 2011, 192 hospitais da Rede Sentinela monitoram

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 2.031, DE 23 DE SETEMBRO DE 2004

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 2.031, DE 23 DE SETEMBRO DE 2004 Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 2.031, DE 23 DE SETEMBRO DE 2004 Dispõe sobre a organização do Sistema Nacional de Laboratórios de Saúde Pública. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no

Leia mais

CONTROLE DE INFECÇÃO EM

CONTROLE DE INFECÇÃO EM CONTROLE DE INFECÇÃO EM SERVIÇOS DE SAÚDE UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE INFECÇÕES E EVENTOS ADVERSOS UIPEA/GGTES MARÇO DE 2010 MISSÃO DA ANVISA "Proteger e promover a saúde da população garantindo

Leia mais

Informe aos profissionais de saúde sobre as características da infecção por Mycobacterium abscessus, medidas para diagnóstico, tratamento e prevenção

Informe aos profissionais de saúde sobre as características da infecção por Mycobacterium abscessus, medidas para diagnóstico, tratamento e prevenção Informe aos profissionais de saúde sobre as características da infecção por Mycobacterium abscessus, medidas para diagnóstico, tratamento e prevenção Em decorrência das infecções causadas por micobactéria,

Leia mais

1. CONCEITOS E OBJETIVOS DA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

1. CONCEITOS E OBJETIVOS DA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA 1. CONCEITOS E OBJETIVOS DA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA A VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA SEGUNDO A LEI 8.080, DE 1990, QUE INSTITUIU O SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS), PODE SER DEFINIDA COMO: O CONJUNTO DE AÇÕES

Leia mais

Gráfico 01: Número de EAS que notificaram mensalmente dados de IRAS no SONIH em 2013:

Gráfico 01: Número de EAS que notificaram mensalmente dados de IRAS no SONIH em 2013: BOLETIM INFORMATIVO DENSIDADES DE INCIDÊNCIA DE INFECÇÕES RELACIONADAS À ASSISTÊNCIA À SAÚDE NO ESTADO DO PARANÁ, NOTIFICADAS ATRAVÉS DO SISTEMA ONLINE DE NOTIFICAÇÃO DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SONIH) Os

Leia mais

Aspectos Microbiológicos das IRAS (infecções relacionadas à assistência a saúde) Infecções hospitalares Infecções nosocomiais

Aspectos Microbiológicos das IRAS (infecções relacionadas à assistência a saúde) Infecções hospitalares Infecções nosocomiais Aspectos Microbiológicos das IRAS (infecções relacionadas à assistência a saúde) Infecções hospitalares Infecções nosocomiais Prof. Cláudio Galuppo Diniz Prof. Cláudio 1 Qualquer tipo de infecção adquirida

Leia mais

Monitoramento e Gestão de Risco Sanitário os desafios do SNVS para o usuário que é sujeito, cidadão e cliente

Monitoramento e Gestão de Risco Sanitário os desafios do SNVS para o usuário que é sujeito, cidadão e cliente Monitoramento e Gestão de Risco Sanitário os desafios do SNVS para o usuário que é sujeito, cidadão e cliente 15 Encontro da Rede Sentinela - Fórum Internacional de Monitoramento e Gestão do Risco Sanitário

Leia mais

Formação e Estrutura do Programa Nacional de Segurança do Paciente

Formação e Estrutura do Programa Nacional de Segurança do Paciente Formação e Estrutura do Programa Nacional de Segurança do Paciente 29 de julho de 2015 Capacitação em segurança do paciente para a vigilância sanitária SESA-PR Rosângela Gomes Benevides Coordenadora de

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE DO HOSPITAL MATERNO INTANTIL DE BRASÍLIA

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE DO HOSPITAL MATERNO INTANTIL DE BRASÍLIA 1 GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE DA ASA SUL HOSPITAL MATERNO INFANTIL DE BRASÍLIA PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE DO HOSPITAL MATERNO INTANTIL DE BRASÍLIA

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS-CCD CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PROF. ALEXANDRE VRANJAC AVENIDA DR

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS-CCD CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PROF. ALEXANDRE VRANJAC AVENIDA DR SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS-CCD CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PROF. ALEXANDRE VRANJAC AVENIDA DR. ARNALDO, 351-6º ANDAR - SP/SP - CEP: 01246-902. EDITAL TURMA

Leia mais

Boas práticas para assistência ao paciente portador de agentes multiresistentes: medidas de prevenção e controle *

Boas práticas para assistência ao paciente portador de agentes multiresistentes: medidas de prevenção e controle * CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO São Paulo, dezembro de 2010. Boas práticas para assistência ao paciente portador de agentes multiresistentes: medidas de prevenção e controle * Embora o controle

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DOS INDICADORES DE INFECÇÃO HOSPITALAR DO ESTADO DA BAHIA NECIH 2008

RELATÓRIO ANUAL DOS INDICADORES DE INFECÇÃO HOSPITALAR DO ESTADO DA BAHIA NECIH 2008 RELATÓRIO ANUAL DOS INDICADORES DE INFECÇÃO HOSPITALAR DO ESTADO DA BAHIA NECIH 28 1 INTRODUÇÃO Apesar dos avanços técnico-científicos da era moderna, as infecções hospitalares constituem um problema de

Leia mais

Diretrizes técnicas para o funcionamento da Comissão de Acompanhamento e monitoramento do Contrato de Gestão entre Ministério da Saúde e a Anvisa.

Diretrizes técnicas para o funcionamento da Comissão de Acompanhamento e monitoramento do Contrato de Gestão entre Ministério da Saúde e a Anvisa. Nº45 01/09/2014 Boletim de Serviço 89/106 ORIENTAÇÃO DE SERVIÇO N 01/CPGES/APLAN/ANVISA, DE 22 DE AGOSTO DE 2014 Diretrizes técnicas para o funcionamento da Comissão de Acompanhamento e monitoramento do

Leia mais

COMUNICADO DE RISCO N 001/2014 - GVIMS/GGTES/SSNVS/ANVISA

COMUNICADO DE RISCO N 001/2014 - GVIMS/GGTES/SSNVS/ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária COMUNICADO DE RISCO N 001/2014 - GVIMS/GGTES/SSNVS/ANVISA Orientações para os serviços de saúde em virtude da suspensão do uso em todo o território nacional de

Leia mais

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA: SUA IMPORTÂNCIA PARA O CONTROLE DE INFECÇÃO

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA: SUA IMPORTÂNCIA PARA O CONTROLE DE INFECÇÃO ANÁLISE MICROBIOLÓGICA: SUA IMPORTÂNCIA PARA O CONTROLE DE INFECÇÃO MSC INES STRANIERI LABORATÓRIO DE MICROBIOLOGIA HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JULIO MULLER - HUJM UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO - UFMT

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. 5 Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA HOSPITALAR Unidade Dias

Leia mais

PERFIL BACTERIOLÓGICO DAS MÃOS DE PROFISSIONAIS DE SAÚDE DO CENTRO CIRÚRGICO E DO PÓS-OPERATÓRIO DO HOSPITAL GERAL DE PALMAS

PERFIL BACTERIOLÓGICO DAS MÃOS DE PROFISSIONAIS DE SAÚDE DO CENTRO CIRÚRGICO E DO PÓS-OPERATÓRIO DO HOSPITAL GERAL DE PALMAS PERFIL BACTERIOLÓGICO DAS MÃOS DE PROFISSIONAIS DE SAÚDE DO CENTRO CIRÚRGICO E DO PÓS-OPERATÓRIO DO HOSPITAL GERAL DE PALMAS Gabriella Oliveira Mendes¹, Maria Cristina da Silva Pranchevicius² e Pedro Manuel

Leia mais

Relatório de Pesquisa de monitoramento de resultados de ações conjuntas ABDI -ANVISA SEBRAE

Relatório de Pesquisa de monitoramento de resultados de ações conjuntas ABDI -ANVISA SEBRAE Relatório de Pesquisa de monitoramento de resultados de ações conjuntas ABDI -ANVISA SEBRAE Dezembro -2012 2012 - Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial - ABDI Relatório de Pesquisa de monitoramento

Leia mais

Corrente Sanguínea. Critérios Nacionais de Infecções. Relacionadas à Assistência à Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Corrente Sanguínea. Critérios Nacionais de Infecções. Relacionadas à Assistência à Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária Agência Nacional de Vigilância Sanitária Corrente Sanguínea Critérios Nacionais de Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde Unidade de Investigação e Prevenção das Infecções e dos Efeitos Adversos

Leia mais

Rede Nacional de Monitoramento e Controle da Resistência Microbiana em Rede RM

Rede Nacional de Monitoramento e Controle da Resistência Microbiana em Rede RM Simpósio Brasil - Argentina de Resistência Microbiana em Serviços de Saúde Rede Nacional de Monitoramento e Controle da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde Rede RM 1 PROJETO MONITORAMENTO E PREVENÇÃO

Leia mais

INFECÇÃO DA CORRENTE SANGUÍNEA

INFECÇÃO DA CORRENTE SANGUÍNEA INFECÇÃO DA CORRENTE SANGUÍNEA Enfª Marcia Daniela Trentin Serviço Municipal de Controle de Infecção Esta aula foi apresentada na Oficina de Capacitação para a utilização do Sistema Formsus na notificação

Leia mais

PRINCIPAIS LEGISLAÇÕES SANITÁRIAS REFERENTES A ESTABELECIMENTOS DE SAÙDE PROJETOS UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

PRINCIPAIS LEGISLAÇÕES SANITÁRIAS REFERENTES A ESTABELECIMENTOS DE SAÙDE PROJETOS UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 1 PRINCIPAIS LEGISLAÇÕES SANITÁRIAS REFERENTES A ESTABELECIMENTOS DE SAÙDE PROJETOS RDC/ANVISA nº 50 de 21 de fevereiro de 2002 RDC/ANVISA nº 307 de 14/11/2002 Dispõe sobre o Regulamento Técnico para planejamento,

Leia mais

USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS NA PRODUÇÃO ANIMAL Renata Magalhães Casadei :

USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS NA PRODUÇÃO ANIMAL Renata Magalhães Casadei : USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS NA PRODUÇÃO ANIMAL Renata Magalhães Casadei : Nos últimos anos, a ocorrência de bactérias resistentes aos principais compostos antibióticos tem aumentado, havendo inclusive

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br

Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Heder Murari Borba Md Gerência Geral de Tecnologia em Serviço de Saúde MISSÃO DA ANVISA "Proteger e promover a saúde da população garantindo a segurança sanitária de produtos e serviços e participando

Leia mais

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Simpósio Mineiro de Enfermagem e Farmácia em Oncologia Belo Horizonte - MG, setembro de 2013. Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Patricia Fernanda Toledo Barbosa

Leia mais

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de SP Curso de Graduação em Enfermagem Autorização em 04/12/00 Parecer No. 1115/00

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de SP Curso de Graduação em Enfermagem Autorização em 04/12/00 Parecer No. 1115/00 PROGRAMA DA DISCIPLINA DE MICROBIOLOGIA Plano de Ensino Ano Letivo 2012 1º Semestre CHEFE DA DISCIPLINA: Profª Dra. Lycia Mara Jenné Mímica COORDENADOR DO CURSO: CORPO DOCENTE: Profª. Alessandra Navarini

Leia mais

Guia de Farmacovigilância - Anvisa. ANEXO IV - Glossário

Guia de Farmacovigilância - Anvisa. ANEXO IV - Glossário Guia de Farmacovigilância - Anvisa ANEXO IV - Glossário De acordo com a RESOLUÇÃO - RDC Nº 4, DE 10/02/09 (DOU 11/02/09): Dispõe sobre as normas de farmacovigilância para os detentores de registro de medicamentos

Leia mais

TÍTULO: INFECÇÃO RELACIONADA Á ASSISTÊNCIA Á SAÚDE EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA E SUA RELAÇÃO COM MICRORGANISMOS RESISTENTES

TÍTULO: INFECÇÃO RELACIONADA Á ASSISTÊNCIA Á SAÚDE EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA E SUA RELAÇÃO COM MICRORGANISMOS RESISTENTES Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: INFECÇÃO RELACIONADA Á ASSISTÊNCIA Á SAÚDE EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA E SUA RELAÇÃO COM

Leia mais

Nota Técnica Conjunta nº 02/2011 - CEVS/SES/RS, CGVS/SMS/POA, IPB- LACEN/RS

Nota Técnica Conjunta nº 02/2011 - CEVS/SES/RS, CGVS/SMS/POA, IPB- LACEN/RS CENTRO ESTADUAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIVISÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA NVES/INFEC Nota Técnica Conjunta nº 02/2011 - CEVS/SES/RS, CGVS/SMS/POA, IPB- LACEN/RS ASSUNTO: Detecção de infecção por Micobactéria

Leia mais

BOLETIM. Fundação Seade participa de evento para disseminar conceitos e esclarecer dúvidas sobre o Catálogo de

BOLETIM. Fundação Seade participa de evento para disseminar conceitos e esclarecer dúvidas sobre o Catálogo de disseminar conceitos O desenvolvimento do aplicativo de coleta de informações, a manutenção e a atualização permanente do CSBD estão sob a responsabilidade da Fundação Seade. Aos órgãos e entidades da

Leia mais

Tecnovigilância: Pós comercialização de produtos para a saúde

Tecnovigilância: Pós comercialização de produtos para a saúde 2o. WORKSHOP INTERNACIONAL - Testes de Diagnóstico Acessíveis e com Qualidade Assegurada para Programas de Saúde Pública Tecnovigilância: Pós comercialização de produtos para a saúde Stela Candioto Melchior

Leia mais

Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose Nosocomial

Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose Nosocomial MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE HOSPITAL FEDERAL DE BONSUCESSO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA A13 elaborada em 09/12/2010 Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose

Leia mais

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI Débora Onuma Médica Infectologista INTRODUÇÃO O que são Indicadores? 1. Indicador é uma medida quantitativa que pode

Leia mais

MINUTA PLANO DE TRABALHO Nº /2010 FUNDAÇÃO

MINUTA PLANO DE TRABALHO Nº /2010 FUNDAÇÃO MINUTA PLANO DE TRABALHO Nº /2010 FUNDAÇÃO PROJETO: Curso de Aperfeiçoamento a Distância em Geoprocessamento em Saúde 2ª edição 1 Identificação do objeto a ser executado: a) Unid./Orgão: Instituto de Patologia

Leia mais

Dra. Thaís Guimarães

Dra. Thaís Guimarães Dra. Thaís Guimarães ANTIMICROBIANOS Produtos capazes de destruir microorganismos ou de suprimir sua multiplicação ou crescimento. Antibióticos = produzidos por microorganismos Quimioterápicos = sintetizados

Leia mais

Melhorar a segurança do paciente: primeiros passos

Melhorar a segurança do paciente: primeiros passos Parceria Africana para Segurança do Paciente Melhorar a : primeiros passos Este documento descreve uma abordagem para melhorar a utilizando um modelo de parceria, estruturado em torno do aperfeiçoamento

Leia mais

CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE

CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE A realização do I Congresso Brasileiro sobre o Uso Racional de Medicamentos

Leia mais

INSTITUTO DE MEDICINA INTEGRAL PROFº FERNANDO FIGUEIRA - IMIP

INSTITUTO DE MEDICINA INTEGRAL PROFº FERNANDO FIGUEIRA - IMIP INSTITUTO DE MEDICINA INTEGRAL PROFº FERNANDO FIGUEIRA - IMIP Complexo Hospitalar - Hospital Filantrópico - Área 69.000 m² - 10 prédios - 1.143 leitos - 101 leitos de UTI NHE (VEH / GRSH / CCIH) COMISSÕES

Leia mais

PRECAUÇÕES FRENTE ÀS BACTÉRIAS MULTIRRESISTENTES.

PRECAUÇÕES FRENTE ÀS BACTÉRIAS MULTIRRESISTENTES. PRECAUÇÕES FRENTE ÀS BACTÉRIAS MULTIRRESISTENTES. Francisco Eugênio Deusdará de Alexandria e Mestre em Genética e Toxicologia Aplicada Qualquer alteração do padrão de resposta ao tratamento usual de uma

Leia mais

Programa Nacional de Segurança do Paciente: estado da arte e perspectivas

Programa Nacional de Segurança do Paciente: estado da arte e perspectivas Programa Nacional de Segurança do Paciente: estado da arte e perspectivas Ministério da Saúde cria o Programa Nacional de Segurança do Paciente para o monitoramento e prevenção de danos na assistência

Leia mais

1- O que é infecção hospitalar? Para fins de classificação epidemiológica, a infecção hospitalar é toda infecção adquirida durante a internação

1- O que é infecção hospitalar? Para fins de classificação epidemiológica, a infecção hospitalar é toda infecção adquirida durante a internação 1- O que é infecção hospitalar? Para fins de classificação epidemiológica, a infecção hospitalar é toda infecção adquirida durante a internação hospitalar (desde que não incubada previamente à internação)

Leia mais

A SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE-SVS e o DECRETO n 7.508/2011

A SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE-SVS e o DECRETO n 7.508/2011 A SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE-SVS e o DECRETO n 7.508/2011 Departamento de Gestão da Vigilância em Saúde-DAGVS Secretaria de Vigilância em Saúde dagvs@saude.gov.br 06/03/2012 IMPLEMENTAÇÃO DO DECRETO

Leia mais

Segurança do Paciente e Qualidade em Serviços de Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Brasília, Jan-Jul de 2011

Segurança do Paciente e Qualidade em Serviços de Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Brasília, Jan-Jul de 2011 VOLUME 1 NÚMERO 1 Boletim Informativo Segurança do Paciente e Qualidade em Serviços de Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Brasília, Jan-Jul de 2011 Segurança do paciente e qualidade em serviços

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Análise dos dados das Infecções Hospitalares/Infecções Relacionadas a Assistência a Saúde do Estado do Paraná no período entre Junho a Dezembro de 2009. Departamento de Vigilância Sanitária/SESA Comissão

Leia mais

CAPACITAÇÃO SNVS RDC 11 E 12/2012

CAPACITAÇÃO SNVS RDC 11 E 12/2012 CAPACITAÇÃO SNVS RDC 11 E 12/2012 GERÊNCIA GERAL DE LABORATÓRIOS DE SAÚDE PÚBLICA Abril/2013 - Curitiba/PR Por Lais Santana Dantas Gerente Geral/ AGENDA: Regulação de Laboratórios Analíticos Laboratórios

Leia mais

1. Aspectos Epidemiológicos

1. Aspectos Epidemiológicos 1. AspectosEpidemiológicos A influenza é uma infecção viral que afeta principalmente o nariz, a garganta, os brônquiose,ocasionalmente,ospulmões.sãoconhecidostrêstiposdevírusdainfluenza:a,b e C. Esses

Leia mais

CURSO DE FARMÁCIA Autorizado pela Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 PLANO DE CURSO

CURSO DE FARMÁCIA Autorizado pela Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 PLANO DE CURSO CURSO DE FARMÁCIA Autorizado pela Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 Componente Curricular: Farmácia Hospitalar Código: FAR - 110 Pré-requisito: Sem pré-requisitos Período

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade. Contrata Consultor na modalidade

Contrata Consultor na modalidade. Contrata Consultor na modalidade Contrata Consultor na modalidade PROJETO 914/BRZ/1138 EDITAL Nº 19/2014 Publicação de perfil(is) para contratação de profissional(is) na(s) área(s), cuja(s) vaga(s) está(ão) disponível (is) na página da

Leia mais

Fundação Universidade do Rio Grande / FURG - 2 anos de Residência Médica em Medicina Interna (reconhecida pelo MEC) Rio Grande / RS (1996/1997)

Fundação Universidade do Rio Grande / FURG - 2 anos de Residência Médica em Medicina Interna (reconhecida pelo MEC) Rio Grande / RS (1996/1997) IDENTIFICAÇÃO: NOME: CREMERS: 21665 ESCOLARIDADE: 1º GRAU Escola de 1º e 2º Graus Nossa Senhora do Bom Conselho (1985) 2º GRAU Escola de 1º e 2º Graus Nicolau de Araújo Vergueiro [Magistério] (1989) SUPERIOR

Leia mais

Enfª Ms. Rosangela de Oliveira Serviço Estadual de Controle de Infecção/COVSAN/SVS/SES-MT

Enfª Ms. Rosangela de Oliveira Serviço Estadual de Controle de Infecção/COVSAN/SVS/SES-MT Informações do Sistema de Notificação Estadual de Infecções Hospitalares de Mato Grosso Enfª Ms. Rosangela de Oliveira Serviço Estadual de Controle de Infecção/COVSAN/SVS/SES-MT Indicadores de IH Sistema

Leia mais

2. Quais os objetivos do Programa Nacional de Segurança do Paciente?

2. Quais os objetivos do Programa Nacional de Segurança do Paciente? O tema Segurança do Paciente vem sendo desenvolvido sistematicamente pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) desde sua criação, cooperando com a missão da Vigilância Sanitária de proteger

Leia mais

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Conselho Universitário - CONSUNI

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Conselho Universitário - CONSUNI REGULAMENTO DA CLÍNICA ESCOLA E SERVIÇOS DE PSICOLOGIA - CESP Aprovado pela Resolução CONSUNI nº 11/15 de 08/04/15. CAPÍTULO I DO OBJETIVO DO REGULAMENTO Art. 1º A Clínica Escola de Psicologia é o ambiente

Leia mais

A redução do parto cesáreo: o papel do SUS e da saúde suplementar. Agência Nacional de Saúde Suplementar

A redução do parto cesáreo: o papel do SUS e da saúde suplementar. Agência Nacional de Saúde Suplementar A redução do parto cesáreo: o papel do SUS e da saúde suplementar Agência Nacional de Saúde Suplementar Jacqueline Alves Torres CONASEMS Belém, 2008 O Setor Suplementar de Saúde Antes da Regulamentação:

Leia mais

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR 1 COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR Flávia Valério de Lima Gomes Enfermeira da CCIH / SCIH Jair

Leia mais

Funcionamento das comissões hospitalares metropolitanas que funcionam sob a gestão do Imip RELATOR: Cons. Mauro Luiz de Britto Ribeiro

Funcionamento das comissões hospitalares metropolitanas que funcionam sob a gestão do Imip RELATOR: Cons. Mauro Luiz de Britto Ribeiro PARECER CFM nº 4/13 INTERESSADO: CRM-PE ASSUNTO: Funcionamento das comissões hospitalares metropolitanas que funcionam sob a gestão do Imip RELATOR: Cons. Mauro Luiz de Britto Ribeiro EMENTA: Em obediência

Leia mais

FARMÁCIA. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC

FARMÁCIA. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC FARMÁCIA Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: FARMÁCIA Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo Base legal da Mantenedora

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA 2015

CHAMADA PÚBLICA 2015 CHAMADA PÚBLICA 2015 Curso de Especialização em Infectologia para médicos estrangeiros Coordenação: Dr. Alberto dos Santos de Lemos Médico Infectologista CRM/RJ 52.71081-4 O Instituto Nacional de Infectologia

Leia mais

Objetivos, métodos e abrangência da Vigilância Epidemiológica das IRAS

Objetivos, métodos e abrangência da Vigilância Epidemiológica das IRAS III Simpósio Estadual de Controle de Infecção Hospitalar Objetivos, métodos e abrangência da Vigilância Epidemiológica das IRAS Enf. Thiago Batista Especialista em controle de infecção MBA em gestão em

Leia mais

SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PORTO ALEGRE

SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PORTO ALEGRE SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PORTO ALEGRE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA SANTA CASA: SAÚDE PÚBLICA COMPROMETIDA COM A PRESERVAÇÃO AMBIENTAL Responsável pelo trabalho: Bruna Vallandro Trolli Vieira - Analista

Leia mais

SESSÃO I. APRESENTAÇÃO POSTER

SESSÃO I. APRESENTAÇÃO POSTER SESSÃO I. APRESENTAÇÃO POSTER 1. Riscos e causas de contaminação na Central de Material de Juliana Santos Andrade Esterilização: uma análise teórico-reflexiva 2. Biossegurança e Higienização das mãos:

Leia mais

CONGRESSO ENQUALAB-RESAG/2014

CONGRESSO ENQUALAB-RESAG/2014 Ministério da Saúde CONGRESSO ENQUALAB-RESAG/2014 A QUALIDADE DA ÁGUA NO ÂMBITO DA SAÚDE São Paulo,SP 31 de outubro de 2014 Por Mariângela Torchia do Nascimento Gerência de Laboratórios de Saúde Pública/GELAS/ANVISA

Leia mais

PARECER Nº 2414/2013 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N. º 58/2012 PROTOCOLO N. º 23448/2012 ASSUNTO: ASSINATURA DE LAUDOS DE EXAMES PARECERISTA: CONS

PARECER Nº 2414/2013 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N. º 58/2012 PROTOCOLO N. º 23448/2012 ASSUNTO: ASSINATURA DE LAUDOS DE EXAMES PARECERISTA: CONS PARECER Nº 2414/2013 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N. º 58/2012 PROTOCOLO N. º 23448/2012 ASSUNTO: ASSINATURA DE LAUDOS DE EXAMES PARECERISTA: CONS.ª ANA MARIA SILVEIRA MACHADO DE MORAES EMENTA: Assinatura

Leia mais

Farmacovigilância no Brasil

Farmacovigilância no Brasil Agência Nacional de Vigilância Sanitária Farmacovigilância no Brasil Unidade de Farmacovigilância Brasília, May 2002 Agência Nacional de Vigilância Sanitária Diretor Presidente Substituto da ANVISA Cláudio

Leia mais

Guia para Registro de Novas Associações em Dose Fixa

Guia para Registro de Novas Associações em Dose Fixa Medicamentos Guia para Registro de Novas Associações em Dose Fixa Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa Guia para Registro de Novas Associações

Leia mais

Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL

Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL Hospital de Clínicas de Porto Alegre Ministério da Educação Responsável: Sérgio Carlos Eduardo Pinto

Leia mais

Consulta Pública n.º 09/2013

Consulta Pública n.º 09/2013 Consulta Pública n.º 09/2013 Diretor Relator: Dirceu Barbano Regime de tramitação: comum Publicação: 02/04/2013 Prazo para contribuição: 30 dias 09/04 à 08/05 Agenda Regulatória: não Área Técnica: GGTES

Leia mais

Dispõe sobre as normas de farmacovigilância para os detentores de registro de medicamentos de uso humano.

Dispõe sobre as normas de farmacovigilância para os detentores de registro de medicamentos de uso humano. Resolução da Diretoria Colegiada RDC nº 4 ANVISA de 10 de fevereiro de 2009 Dispõe sobre as normas de farmacovigilância para os detentores de registro de medicamentos de uso humano. A Diretoria Colegiada

Leia mais

INFORMATIZAÇÃO DE INDICADORES DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR. A EXPERIÊNCIA DO HOSPITAL DE CLINICAS DE PORTO ALEGRE

INFORMATIZAÇÃO DE INDICADORES DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR. A EXPERIÊNCIA DO HOSPITAL DE CLINICAS DE PORTO ALEGRE INFORMATIZAÇÃO DE INDICADORES DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR. A EXPERIÊNCIA DO HOSPITAL DE CLINICAS DE PORTO ALEGRE Beatriz Graeff Santos Seligman; Ricardo Kuchenbecker; Adão Rogério Leal Machado;

Leia mais

Oncologia. Aula 3: Legislação específica. Profa. Camila Barbosa de Carvalho

Oncologia. Aula 3: Legislação específica. Profa. Camila Barbosa de Carvalho Oncologia Aula 3: Legislação específica Profa. Camila Barbosa de Carvalho Legislações importante em oncologia - RDC n o. 220/2004 - RDC n o. 67/2007 - RDC n o. 50/2002 - RDC n o. 306/2004 - NR 32/2005

Leia mais

Ficha Técnica. Supervisão Comissão de Organização, Normas e Procedimentos CONP

Ficha Técnica. Supervisão Comissão de Organização, Normas e Procedimentos CONP Referência Ficha Técnica Plano de comunicação Resolução n 1.025, de 30 de outubro de 29 Supervisão Comissão de Organização, Normas e Procedimentos CONP Elaboração Projeto ART e Acervo Técnico - Equipe

Leia mais