Relatório de Pesquisa de monitoramento de resultados de ações conjuntas ABDI -ANVISA SEBRAE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório de Pesquisa de monitoramento de resultados de ações conjuntas ABDI -ANVISA SEBRAE"

Transcrição

1 Relatório de Pesquisa de monitoramento de resultados de ações conjuntas ABDI -ANVISA SEBRAE Dezembro -2012

2 Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial - ABDI Relatório de Pesquisa de monitoramento de resultados de ações de conjuntas ABDI - ANVISA SEBRAE Qualquer parte desta obra pode ser reproduzida, desde que citada a fonte. ABDI - Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial Anvisa - Agência Nacional de Vigilância Sanitária Sebrae - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas ABDI Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial Setor Bancário Norte Quadra 1 - Bloco B - Ed. CNC Brasília - DF Tel.: (61) Supervisão Otávio Camargo (ABDI) Maria Luisa Campos Machado Leal (ABDI) Equipe ABDI Maria Luisa Campos Machado Leal (Diretora) Claudionel C. Leite (Especialista de Projetos) Valdênio Araújo (Analista de Projetos) Willian C. Souza (Assistente de Projetos) Joana Wightman (Supervisão - Comunicação) Anvisa Agência Nacional de Vigilância Sanitária Setor de Indústria e Abastecimento (SIA) Trecho 5, Área Especial Brasília - DF Tel.: (61) Sebrae Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SGAS 604/605 Módulos 30 e 31 - Asa Sul Brasília - DF Tel.: (61)

3 Introdução Com o objetivo de auxiliar os fabricantes e importadores de produtos para a saúde no processo de registro ou cadastro de produtos na Anvisa e aprimorar a interpretação da Legislação Sanitária Federal, a ABDI, a Anvisa e o Sebrae publicaram os seguintes manuais: 1. Manual para Registro de Equipamentos Médicos na Anvisa 2. Manual para Registro de Implantes Ortopédicos na Anvisa 3. Compêndio da Legislação Sanitária de dispositivos Médicos 4. Manual de Registro e Cadastramento de Materiais de uso em Saúde 5. Manual para ização de Produtos para Uso In Vitro na Anvisa Durante o mesmo período foram promovidos seminários regionais para divulgação desses produtos. Esta pesquisa teve como objetivo de monitorar os resultados obtidos nessa ação, avaliando informações das empresas que utilizam os manuais. Para o monitoramento dos resultados das publicações dos manuais, foi realizada pesquisa com o objetivo de avaliar: a) grau de efetividade no entendimento do fluxo de informações necessárias ao trâmite do processo junto à Anvisa; b) redução do tempo de conclusão dos processos de registro; c) melhoria dos índices de exigências processuais e indeferimentos. Os dados da referida pesquisa estão compilados nesse relatório e servirão de referência para o aprimoramento e extensão das referidas publicações.

4 Pesquisa de monitoramento de resultados de ação conjunta ABDI - ANVISA SEBRAE 1. Qual é a atividade principal da sua instituição? Porcentagem de empresas pesquisadas por ramo de atividade Atividade da empresa respondente Materiais de uso em saúde Equipamentos médicos Produtos para uso In Vitro Instituição de Ciência e Tecnologia Órgão Govenamental Outro Gráfico 2 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% Materiais de uso em saúde 57% Equipamentos médicos 29% Produtos para uso In Vitro Instituição de Ciência e Tecnologia 0% 0% Órgão Governamental Outro 0% 2. Como você tomou conhecimento dos Manuais de Registro? Outro No site do Sebrae 0% No site da Anvisa No site da ABDI Nos Seminários já realizados 58% Item Nos Seminários já realizados 57% No site da ABDI No site da Anvisa No site do Sebrae 0% Outro 3. Em uma escala de 01 (nada importante) a 05 (extremamente importante), indique o grau de importância que você atribui aos manuais para as atividades da sua empresa: Avaliação de Importância dosmanuais Importados Classificação dos manuais Extremamente importante Muito importante Moderadamente importante Nada importante 0% Pouco importante 0% Moderadamente importante Muito importante 71% Pouco importante Nada importante Extremamente importante 0% 20% 40% 60% 80%

5 4. Quando você participou dos seminários, sua empresa já possuía: (admite mais de uma resposta) Outro Não participei do seminário Produtos registrados Licença de Funcionamento Local LFL Autorização de Funcionamento da Empresa - AFE Certificação de Boas Práticas de Fabricação - BPF Tipo de certificado Certificação de Boas Práticas de Fabricação - BPF Autorização de Funcionamento da Empresa - AFE Licença de Funcionamento Local LFL 86% 86% 86% Produtos registrados 86% Não participei do seminário 0% 20% 40% 60% 80% 100% Outro 0% As pessoas podem marcar mais de uma caixa de seleção, então a soma das percentagens pode ultrapassar 100%. 5. Em relação ao processo de registro, a sua empresa possui área regulatória própria: utiliza serviço externo não tem área ou setor e não tem interesse em estruturá-lo não tem área ou setor mas esta em processo de implantação não tem área ou setor estruturado estruturada e em operação há menos de 1 ano estruturada e em operação há mais de 1 ano 0% 20% 40% 60% 80% 100% Presença de área de registro na empresa Estruturada e em operação há mais de 1 ano Estruturada e em operação há menos de 1 ano Não tem área ou setor estruturado Não tem área ou setor mas esta em processo de implantação Não tem área ou setor e não tem interesse em estruturá-lo 86% 0% 0% 0% Utiliza serviço externo 0%

6 6. A sua empresa utiliza consultoria ou assessoria técnica para a realização das atividades de registro de produtos para saúde? Utiliza em situações específicas Utiliza frequente mente Utilização de consultoria Nunca utiliza Utiliza raramente Utiliza em situações específicas 57% Nunca utiliza Utiliza frequentemente Utiiliza raramente 7. Em uma escala de 01 (nenhuma melhoria) a 05 (melhoria extrema), indique o número que corresponde ao nível de melhoria obtida por sua empresa no processo de registro, após acessar as informações dos manuais e/ou receber o treinamento presencial durante os seminários: Extrema Importante Moderada Pouca Melhoria no processo de registro Nenhuma 29% Pouca 0% Moderada 29% Importante 43% Extrema 0% Nenhuma 0% 10% 20% 30% 40% 50% 8.a Avalie os manuais de acordo com os requisitos de adequação de conteúdo Avaliação de conteúdo dos manuais 0% 29% 71% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80%

7 8.b Avalie os manuais de acordo com os requisitos de abrangência Abrangência do conteúdo dos manuais s 0% 43% 57% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 8.c Avalie os manuais de acordo com os requisitos de objetividade Avaliação da objetividade das informações 43% 43% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 8.d Avalie os manuais de acordo com os requisitos de clareza Avaliação da clareza das informações 29% 29% 43% 0% 10% 20% 30% 40% 50%

8 8.e Avalie os manuais de acordo com os requisitos de relevância dos exemplos contidos nos manuais Relevância das informações 29% 57% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 8.f Avalie os manuais de acordo com os requisitos de aplicabilidade às atividades da empresa Aplicabilidade das informações 0% 29% 71% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 8.g Avalie os manuais de acordo com os requisitos do grau de atualização Grau de atualização das informações 0% 71% 29% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80%

9 9.a Avalie o seminário realizado de acordo com os requisitos de formato Avaliação de formato 0% 86% 0% 20% 40% 60% 80% 100% 9.b Avalie o seminário realizado de acordo com os requisitos de infraestrutura Avaliação de infraestrutura 0% 71% 29% 0% 20% 40% 60% 80% 9.c Avalie o seminário realizado de acordo com os requisitos de linguagem e didática Avaliação de linguagem 43% 43% 0% 10% 20% 30% 40% 50%

10 9.d Avalie o seminário realizado de acordo com o requisito de clareza Avaliação de clareza 71% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 9.e Avalie o seminário realizado de acordo com os requisitos listados abaixo: - Adequação de conteúdo Adequação de conteúdo 0% 86% 0% 20% 40% 60% 80% 100% 9.f Avalie o seminário realizado de acordo com os requisitos listados abaixo: - Relevância das informações Relevância das informações 0% 57% 43% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60%

11 9.g Avalie o seminário realizado de acordo com os requisitos listados abaixo: - Aplicabilidade às atividades da empresa Aplicabilidade das informações 0% 57% 43% 0% 20% 40% 60% 80% 100% 10. Em uma escala de 1 (nenhuma importância) a 5 (extrema importância), indique o grau de importância que o manual e o seminário de boas práticas de fabricação (BPF) teriam para a sua empresa: Extrema Importância do Manual BPF Grande Moderada Pouca Nenhuma Nenhuma Pouca 0% Moderada 57% Grande 29% Extrema 0% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60%

12 11. Na sua opinião, quais as outras áreas da Anvisa carentes desse tipo de ação (seminários e manuais de registro)? * (admite mais de uma resposta). Outro Produtos biotecnológicos Fármacos e medicamentos Cosméticos e higiene pessoal Saneantes 0% 5% 10% 15% 20% 25% 30% 35% Assunto dos manuais Saneantes 29% Cosméticos e higiene pessoal Fármacos e medicamentos Produtos biotecnológicos 29% 29% Outro As pessoas podem marcar mais de uma caixa de seleção, então a soma das percentagens pode ultrapassar 100%. 12. Em uma escala de 1 (nenhuma dificuldade) a 5 (extrema dificuldade), indique o grau de dificuldade encontrado por sua empresa em atender aos requisitos de boas práticas de fabricação (BPF) definidos pela regulação em vigor na Anvisa: Extrema Grau de dificuldade em BPF Grande Moderada Pouca Nenhuma 29% Pouca 29% Moderada 43% Grande 0% Extrema 0% Nenhuma 0% 10% 20% 30% 40% 50% Análise e Recomendações 1. Há uma predominância de empresas respondentes dos segmentos de Materiais de Uso em Saúde e de Equipamentos médicos. Empresas do segmento de Materiais para Uso in Vitro e de ICTS não tiveram uma participação expressiva na pesquisa. Para as ações planejadas para 2013, recomenda-se o acompanhamento das atividades desses dois segmentos para entendimento da dinâmica de ambos dentro do Complexo Industrial da Saúde e para definição de quais os pontos devem ser apoiados ou intensificados através de ações do Acordo de Cooperação Anvisa, Sebrae e ABDI. 2. A maioria dos respondentes tomou conhecimento dos manuais pelos sites da Anvisa e da ABDI. Em relação aos resultados da pesquisa realizada em 2011, a partir de uma intensificação das atividades de divulgação, houve uma ampliação da percepção da participação da ABDI na divulgação dos seminários e manuais. A representatividade

13 do SEBRAE ainda se mostrou baixa. A recomendação é que sejam intensificadas as ações de promoção e divulgação do Acordo de Cooperação pela ABDI, ANVISA e SEBRAE, com o objetivo de ampliar a abrangência das ações e o número de empresas beneficiadas. Outra recomendação é que de se divulgue os eventos e produtos preferencialmente pelo site da Anvisa, pela maior eficiência dessa ação através desse meio. O mesmo é válido para a realização das pesquisas de monitoramento futuras. 3. Os Manuais de Registro mantiveram sua avaliação de elevada importância para a execução das atividades de registro dentro das empresas respondentes. Recomendamos a continuidade desse tipo de ação, observando quais são os tópicos críticos que serão objeto de novos treinamentos, manuais e seminários. 4. Dentro do grupo de empresas pesquisadas não se configurou a necessidade de ações voltadas à obtenção de certificados e licenças de funcionamento (LFL, AFE e CBPF). Uma ação voltada às empresas nascentes (microempresas principalmente) está em discussão junto ao SEBRAE e Anvisa, com o objetivo de prepará-las para a obtenção de registros e certificações. 5. Em relação ao processo de registro, ocorreu um aumento de cerca de 10% no número de empresas que possuem área ou setor de qualidade estruturado e em operação há mais de um ano. O valor atingiu 86% em 2012 em comparação a 77% das empresas pesquisadas em Esse avanço evidencia a importância do controle do processo regulatório na implementação de práticas de registro e de qualidade dentro das empresas e, indiretamente, reforça a necessidade de manter a divulgação das informações de registro através da publicação de manuais e capacitação pela realização de seminários. 6. Pode ser verificado que ainda cresce a utilização de consultorias para atividades de registro entre empresas pesquisadas. Em 2011, a consultoria técnica era utilizada por 62% das empresas pesquisadas. Esse número cresceu 38%, atingindo um patamar de 86% em Esse indicador mostra que existe a necessidade de estimular as empresas a investir na estruturação de departamentos próprios de registro e de qualidade. Este resultado é preocupante e deve ser confirmado em uma nova pesquisa para que as ações apropriadas e efetivas sejam disparadas. Tabela1: Utilização de consultoria pelas empresas do setor EMHO Utilização de consultoria (2011) (2012) Nunca utiliza 38% Utiliza raramente 8% Utiliza em situações específicas 31% 57% Utiliza frequentemente 23% 7. Em relação à avaliação de relevância das informações contidas nos manuais para as atividades de registro e ao nível de melhoria obtido no processo de registro após o acesso às informações dos manuais e recebimento de treinamento nos seminários, 72% das empresas entrevistadas avaliaram positivamente estes requisitos. Apenas para cerca de 30% das empresas, nenhuma melhoria foi percebida. Esse resultado reforça a manutenção dessa atividade em Um levantamento detalhado para melhor entendimento dos pontos específicos a serem abordados pelos manuais e

14 seminários, a fim de possibilitar potenciais melhorias nos resultados obtidos pelas empresas, devem ser objeto de uma nova pesquisa. 8. Os seminários e manuais foram avaliados como bons ou muito bons. Portanto os pontos de melhoria devem ser analisados internamente. 9. O setor indica a necessidade de publicação e divulgação de ações nos segmentos de saneantes, cosméticos e higiene pessoal, e produtos biotecnológicos. Em relação à publicação de um manual de Boas Práticas de Fabricação (BPF), a pesquisa mostra que 86% das empresas pesquisadas a consideram importante. A publicação desse manual já havia sido indicada na pesquisa realizada me 2011 e o resultado da pesquisa de 2012 reforça a necessidade de estruturação e de publicação desse manual em Os estudos iniciais e avaliação do material para a revisão das normas de Boas Práticas de fabricação já foram realizados pela ABDI e a publicação do manual deve ser concluída em 2013.

Inovação, Regulação e Certificação. I CIMES 1º Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde

Inovação, Regulação e Certificação. I CIMES 1º Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde Inovação, Regulação e Certificação I CIMES 1º Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde São Paulo 11/04/2012 ABDI Criada pelo Governo Federal em 2004 Objetivo Objetivos Desenvolver ações

Leia mais

ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PRODUTOS PARA SAÚDE. Coordenação de Inspeção de Produtos CPROD

ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PRODUTOS PARA SAÚDE. Coordenação de Inspeção de Produtos CPROD ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PRODUTOS PARA SAÚDE Coordenação de Inspeção de Produtos CPROD CONTEÚDO 1. Organograma 2. Quadro de pessoal 3. Atividades de rotina 4. Atividades no âmbito nacional 5. Atividades

Leia mais

Seminário Valor Econômico Complexo Industrial da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária Regulação em Saúde

Seminário Valor Econômico Complexo Industrial da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária Regulação em Saúde Seminário Valor Econômico Complexo Industrial da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária Regulação em Saúde Dirceu Raposo de Mello Diretor-Presidente São Paulo, 1º de março de 2010 Vigilância Sanitária

Leia mais

AGENDA REGULATÓRIA BIÊNIO 2013-2014 MACROTEMA

AGENDA REGULATÓRIA BIÊNIO 2013-2014 MACROTEMA AGENDA REGULATÓRIA BIÊNIO 2013-2014 MACROTEMA Lista de temas do Macrotema Produtos Sujeitos à Vigilância Sanitária Nº TEMA 107 Auditorias de produtos sujeitos à vigilância sanitária 108 Autorização de

Leia mais

MANUAL PARA REGULARIZAÇÃO DE PRODUTOS PARA DIAGNÓSTICO DE USO IN VITRO NA ANVISA

MANUAL PARA REGULARIZAÇÃO DE PRODUTOS PARA DIAGNÓSTICO DE USO IN VITRO NA ANVISA MANUAL PARA REGULARIZAÇÃO DE PRODUTOS PARA DIAGNÓSTICO DE USO IN VITRO NA ANVISA Gerência de Produtos Diagnósticos de Uso in vitro GEVIT MANUAL PARA REGULARIZAÇÃO DE PRODUTOS PARA DIAGNÓSTICO DE USO IN

Leia mais

Programação para 2011

Programação para 2011 Visadoc Assessoria em Vigilância Sanitária e Regulatória Curso de Assuntos Regulatórios e Registro de Produtos - Aplicados à Vigilância Sanitária Por que participar? O Curso de Assuntos Regulatórios e

Leia mais

Manual para Implantação de Boas Práticas de Fabricação em Produtos para Saúde. Baseado nas normas GMC 020/2011, RDC nº 059/2000 e Portaria nº 686/1998

Manual para Implantação de Boas Práticas de Fabricação em Produtos para Saúde. Baseado nas normas GMC 020/2011, RDC nº 059/2000 e Portaria nº 686/1998 Manual para Implantação de Boas Práticas de Fabricação em Produtos para Saúde Baseado nas normas GMC 020/2011, RDC nº 059/2000 e Portaria nº 686/1998 Este manual foi elaborado para auxiliar a empresa fabricante

Leia mais

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS SELO ABRAIDI Programa de BPADPS Reuniões: Julho a Agosto de 2010 Associação Brasileira de Importadores e Distribuidores de Implantes PAUTA * OBJETIVOS * ASPECTOS FUNDAMENTAIS * HISTÓRICO * SITUAÇÃO ATUAL

Leia mais

Rede Nacional de Métodos Alternativos RENAMA. RENAMA: missão e desafios

Rede Nacional de Métodos Alternativos RENAMA. RENAMA: missão e desafios RENAMA: missão e desafios Sumário Primeiros Passos Visão e motivação para a criação da RENAMA Estrutura Institucional Governança Iniciativa de Ensaios Interlaboratoriais Iniciativas Recentes Chamadas Públicas

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

Audiência Pública Senado Federal Comissão de Assuntos Econômicos Subcomissão de Marcos Regulatórios. Brasília, 1º de outubro de 2007

Audiência Pública Senado Federal Comissão de Assuntos Econômicos Subcomissão de Marcos Regulatórios. Brasília, 1º de outubro de 2007 Audiência Pública Senado Federal Comissão de Assuntos Econômicos Subcomissão de Marcos Regulatórios Brasília, 1º de outubro de 2007 A ANVISA Autarquia sob regime especial Independência administrativa e

Leia mais

CONSELHO DE SECRETARIAS MUNICIPAIS DE SAÚDE

CONSELHO DE SECRETARIAS MUNICIPAIS DE SAÚDE ANEXO II TERMO DE REFERÊNCIA PROFISSIONAL NÍVEL SUPERIOR CONTEUDISTA (MESTRE) PARA O CURSO DE QUALIFICAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA, COM UTILIZAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE GESTÃO DA

Leia mais

LIFE SCIENCES NO BRASIL

LIFE SCIENCES NO BRASIL LIFE SCIENCES NO BRASIL L IFE S CIENCES NO B R A presença da iniciativa privada no setor da saúde é cada vez mais relevante para a indústria de medicamentos e para as áreas de assistência à saúde, serviços

Leia mais

Ivo Bucaresky CONBRAFARMA. Diretor ANVISA. Agosto de 2015

Ivo Bucaresky CONBRAFARMA. Diretor ANVISA. Agosto de 2015 Ivo Bucaresky Diretor ANVISA CONBRAFARMA Agosto de 2015 1 PROGRAMA DE MELHORIA DO PROCESSO DE REGULAMENTAÇÃO Diretrizes: Fortalecimento da capacidade institucional para gestão em regulação Melhoria da

Leia mais

O Papel da ANVISA na Regulamentação da Inovação Farmacêutica

O Papel da ANVISA na Regulamentação da Inovação Farmacêutica O Papel da ANVISA na Regulamentação da Inovação Farmacêutica Renato Alencar Porto Diretor 22 de junho de 2015 Bases legais para o estabelecimento do sistema de regulação Competências na Legislação Federal

Leia mais

Curso Intensivo. Assuntos Regulatórios: Formação Básica, Intermediária e Avançada

Curso Intensivo. Assuntos Regulatórios: Formação Básica, Intermediária e Avançada Curso Intensivo Assuntos Regulatórios: Formação Básica, Intermediária e Avançada O EaDPLUS é um dos melhores portais de cursos à distância do Brasil e conta com um ambiente virtual de aprendizagem que

Leia mais

Gerência de Produtos Diagnósticos de Uso in vitro

Gerência de Produtos Diagnósticos de Uso in vitro Gerência de Produtos Diagnósticos de Uso in vitro Brasília, 23 de maio de 2012 Augusto Bencke Geyer Valter Pereira de Oliveira Mônica Cristina A. F. Duarte* Coordenação e Redação Marcella Melo Vergne de

Leia mais

PARA GESTORES PÚBLICOS

PARA GESTORES PÚBLICOS UM BOM NEGÓCIO PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL PARA GESTORES PÚBLICOS 1 2014 - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado de Minas Gerais - Sebrae. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. É

Leia mais

FIESP - DECOMTEC INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

FIESP - DECOMTEC INOVAÇÃO TECNOLÓGICA FIESP - DECOMTEC INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Programa de Inovação Tecnologica FIESP CIESP - SENAI Sede Fiesp 2013 Chave para a competitividade das empresas e o desenvolvimento do país Determinante para o aumento

Leia mais

Relatório Geral. Abril - 2015

Relatório Geral. Abril - 2015 Relatório Geral Abril - 015 PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO SETORIAL DE HPPC Objetivo Promover o desenvolvimento das empresas do setor de HPPC de forma sustentável, por meio da gestão e difusão de conhecimento,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009 TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultor (a) para desenvolver, treinar e implantar o Sistema de Gestão de Projetos do IBAMA. 2 JUSTIFICATIVA 2.1 Contextualização: O

Leia mais

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA Prestação de Serviços em Assessoria, Consultoria e Treinamento na área de Recursos Humanos. 1. OBJETIVO Os objetivos

Leia mais

APL DE ÁGUA MINERAL DA GRANDE NATAL. Brasília, 29 de outubro de 2009.

APL DE ÁGUA MINERAL DA GRANDE NATAL. Brasília, 29 de outubro de 2009. APL DE ÁGUA MINERAL DA GRANDE NATAL Brasília, 29 de outubro de 2009. HISTÓRICO - Formado em 2004; - Viabilizado por meio do Procompi (Programa de Apoio à Competitividade das Micros e Pequenas Indústrias

Leia mais

PLANO DE AÇÃO PARA EXECUÇÃO DO ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA MAPA x ABRAS

PLANO DE AÇÃO PARA EXECUÇÃO DO ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA MAPA x ABRAS PLANO DE AÇÃO PARA EXECUÇÃO DO ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA MAPA x ABRAS Rosilene Ferreira Souto Luzia Souza Setembro 2014 Parceria Institucional com foco na rastreabilidade Acordo de Cooperação entre

Leia mais

SEGURANÇA DO PACIENTE E QUALIDADE EM SERVIÇOS DE SAÚDE

SEGURANÇA DO PACIENTE E QUALIDADE EM SERVIÇOS DE SAÚDE Congresso Internacional de Qualidade em Serviços e Sistemas de Saúde Qualihosp -2013 SEGURANÇA DO PACIENTE E QUALIDADE EM SERVIÇOS DE SAÚDE Maria Angela da Paz Gerente de Regulação e Controle Sanitário

Leia mais

PROGRAMAÇÃO de 21 a 26/9 - Semana de Capacitação PROGRAMAÇÃO GRATUITA. VAGAS LIMITADAS. MOVIMENTO COMPRE DO PEQUENO FAZER BONS NEGÓCIOS

PROGRAMAÇÃO de 21 a 26/9 - Semana de Capacitação PROGRAMAÇÃO GRATUITA. VAGAS LIMITADAS. MOVIMENTO COMPRE DO PEQUENO FAZER BONS NEGÓCIOS PROGRAMAÇÃO de 21 a 26/9 - Semana de Capacitação PROGRAMAÇÃO GRATUITA. VAGAS LIMITADAS. MOVIMENTO COMPRE DO PEQUENO EU FAZER BONS NEGÓCIOS Inscrições: www.df.sebrae.com.br Informações: 0800 570 0800 EU

Leia mais

A CAMEX e a Facilitação de Comércio

A CAMEX e a Facilitação de Comércio CÂMARA DE COMÉRCIO EXTERIOR Secretaria-Executiva A CAMEX e a Facilitação de Comércio Ministério das Comunicações 18 de novembro 2009, São Paulo SP. MARIA FÁTIMA B. ARRAES DE OLIVEIRA Assessora Especial

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 37, de 26 de agosto de 2013. D.O.U de 27/08/2013

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 37, de 26 de agosto de 2013. D.O.U de 27/08/2013 Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 37, de 26 de agosto de 2013. D.O.U de 27/08/2013 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

Acordos e Protocolos sem Repasse - Vigentes

Acordos e Protocolos sem Repasse - Vigentes Página 1 de 5 19/7/2015 Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN 20/7/2010 Desenvolver trabalhos e de ações de capacitação no âmbito científico, acadêmico e técnico de interesse comum às suas

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR UM BOM NEGÓCIO PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL PREFEITO

AGRICULTURA FAMILIAR UM BOM NEGÓCIO PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL PREFEITO AGRICULTURA FAMILIAR UM BOM NEGÓCIO PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL PREFEITO Copyright 2014. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. A reprodução não

Leia mais

CAPACITAÇÃO SNVS RDC 11 E 12/2012

CAPACITAÇÃO SNVS RDC 11 E 12/2012 CAPACITAÇÃO SNVS RDC 11 E 12/2012 GERÊNCIA GERAL DE LABORATÓRIOS DE SAÚDE PÚBLICA Abril/2013 - Curitiba/PR Por Lais Santana Dantas Gerente Geral/ AGENDA: Regulação de Laboratórios Analíticos Laboratórios

Leia mais

PLANO DE TREINAMENTO

PLANO DE TREINAMENTO PLANO DE TREINAMENTO Curso: Cursos de Desenvolvimento de Servidores : Boas práticas em manipulação de alimentos para fiscalizadores de contrato de serviços de alimentação Método de treinamento: consultar

Leia mais

Programa de Atração de Investimentos

Programa de Atração de Investimentos 1 Programa de Atração de Investimentos Oficina de Trabalho da RENAI - Rede Nacional de Informação sobre o Investimento Brasília, 08 de Junho de. Antecedentes 2 O Governo Brasileiro quer dar prioridade

Leia mais

MANUAL PARA REGISTRO DE EQUIPAMENTOS MÉDICOS NA ANVISA. Gerência de Tecnologia em Equipamentos GQUIP

MANUAL PARA REGISTRO DE EQUIPAMENTOS MÉDICOS NA ANVISA. Gerência de Tecnologia em Equipamentos GQUIP MANUAL PARA REGISTRO DE EQUIPAMENTOS MÉDICOS NA ANVISA Gerência de Tecnologia em Equipamentos GQUIP 2010 Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial ABDI Qualquer parte desta obra pode ser reproduzida,

Leia mais

GERÊNCIA GERAL DE INSPEÇÃO E CONTROLE DE INSUMOS, MEDICAMENTOS E PRODUTOS

GERÊNCIA GERAL DE INSPEÇÃO E CONTROLE DE INSUMOS, MEDICAMENTOS E PRODUTOS GERÊNCIA GERAL DE INSPEÇÃO E CONTROLE DE INSUMOS, MEDICAMENTOS E PRODUTOS Marcelo Vogler Especialista em Regulação e Vigilância Sanitária Farmacêutico Industrial GGIMP Competências Principais - Conceder

Leia mais

GT INDUSTRIAL Proposta Minas Biotec

GT INDUSTRIAL Proposta Minas Biotec GT INDUSTRIAL Proposta Minas Biotec de temas para a agenda do GT Industrial 2010 27 de Novembro de 2009 MDIC - Brasília SINDUSFARQ Base sindical 750 empresas dos setores representados: Indústria Farmacêutica

Leia mais

PARQUE TECNOLÓGICO DE RIBEIRÃO PRETO

PARQUE TECNOLÓGICO DE RIBEIRÃO PRETO PARQUE TECNOLÓGICO DE RIBEIRÃO PRETO SUMÁRIO EXECUTIVO O Parque Tecnológico de Ribeirão Preto é um empreendimento imobiliário e tecnológico com características especificamente projetadas, incluindo serviços

Leia mais

Acesso ao Crédito: Caminho para um Investimento Seguro

Acesso ao Crédito: Caminho para um Investimento Seguro Gestão Financeira Acesso ao Crédito: Caminho para um Investimento Seguro Diálogo Empresarial Manual do Participante Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Unidade de Capacitação

Leia mais

Manual Básico do Usuário. Monitoramento de Iniciativas Estratégicas. Planejamento Estratégico - ANVISA 2010-2020

Manual Básico do Usuário. Monitoramento de Iniciativas Estratégicas. Planejamento Estratégico - ANVISA 2010-2020 Manual Básico do Usuário Monitoramento de Iniciativas Estratégicas Planejamento Estratégico - ANVISA 2010-2020 Brasília DF, Maio de 2015 1 Sumário Planejamento Estratégico Anvisa 2010 a 2020:... 4 Supervisão

Leia mais

http://www.pic.int Colóquio Tratados internacionais em matéria ambiental, boas práticas de implementação

http://www.pic.int Colóquio Tratados internacionais em matéria ambiental, boas práticas de implementação CONVENÇÃO DE ROTERDÃ SOBRE O PROCEDIMENTO DE CONSENTIMENTO PRÉVIO INFORMADO APLICADO A CERTOS AGROTÓXICOS E SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS PERIGOSAS OBJETO DE COMÉRCIO INTERNACIONAL - PIC http://www.pic.int Colóquio

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Agência Nacional de Vigilância Sanitária Agência Nacional de Vigilância Sanitária Café com Debate Escola Nacional de Administração Pública Brasília, 31 de agosto de 2006 Dirceu Raposo de Mello Diretor-Presidente da Anvisa A ANVISA Autarquia sob

Leia mais

2. Nosso Número: (número da Requisição gerada no sistema Atlas)

2. Nosso Número: (número da Requisição gerada no sistema Atlas) 1. Função no Projeto: Analista de Projetos (Sênior) TERMO DE REFERÊNCIA Contrato por Produto - Nacional 2. Nosso Número: (número da Requisição gerada no sistema Atlas) 3. Antecedentes: O Projeto de estruturação

Leia mais

Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 2013. PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD.

Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 2013. PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 203. PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. GESTÃO EAD Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico

Leia mais

Integração produtiva e cooperação industrial: LEONARDO SANTANA

Integração produtiva e cooperação industrial: LEONARDO SANTANA Integração produtiva e cooperação industrial: a experiência da ABDI LEONARDO SANTANA Montevidéu, 15 de julho de 2009 Roteiro da Apresentação 1. Política de Desenvolvimento Produtivo PDP 2. Integração Produtiva

Leia mais

TRABALHANDO AO LADO DO SETOR PARA O CUMPRIMENTO DA NORMA ABNT NBR 15575/2013 EDIFICAÇÕES HABITACIONAIS - DESEMPENHO

TRABALHANDO AO LADO DO SETOR PARA O CUMPRIMENTO DA NORMA ABNT NBR 15575/2013 EDIFICAÇÕES HABITACIONAIS - DESEMPENHO TRABALHANDO AO LADO DO SETOR PARA O CUMPRIMENTO DA NORMA ABNT NBR 15575/2013 EDIFICAÇÕES HABITACIONAIS - DESEMPENHO PROGRAMA DE ADESÃO ESPECIALISTAS NO SETOR DA CONSTRUÇÃO INSTITUTO EUVALDO LODI / IEL

Leia mais

Farmacovigilância no Brasil

Farmacovigilância no Brasil Agência Nacional de Vigilância Sanitária Farmacovigilância no Brasil Unidade de Farmacovigilância Brasília, May 2002 Agência Nacional de Vigilância Sanitária Diretor Presidente Substituto da ANVISA Cláudio

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 44, de 18 de junho de 2014 D.O.U de 20/06/2014

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 44, de 18 de junho de 2014 D.O.U de 20/06/2014 Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 44, de 18 de junho de 2014 D.O.U de 20/06/2014 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das

Leia mais

ARRUDA, Mauro; VERMULM. Roberto; HOLANDA, Sandra. Inovação

ARRUDA, Mauro; VERMULM. Roberto; HOLANDA, Sandra. Inovação ARRUDA, Mauro; VERMULM. Roberto; HOLANDA, Sandra. Inovação Tecnológica no Brasil; a Indústria em Busca da Competitividade Global. São Paulo: Associação Nacional de Pesquisa ANPEI, 2006. 117p. Kira Tarapanoff

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ MOIRA CAROLINE COSTA ROSA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ MOIRA CAROLINE COSTA ROSA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ MOIRA CAROLINE COSTA ROSA COMPARATIVO ENTRE OS REQUISITOS DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO E AS NORMAS ISO :2008 E ISO :2004, APLICADO À INDÚSTRIA DE PRODUTOS PARA A SAÚDE

Leia mais

A RELAÇÃO UNIVERSIDADE-EMPRESA NA UFS: UMA INVESTIGAÇÃO A PARTIR DO DIRETÓRIO DOS GRUPOS DE PESQUISA DO CNPQ

A RELAÇÃO UNIVERSIDADE-EMPRESA NA UFS: UMA INVESTIGAÇÃO A PARTIR DO DIRETÓRIO DOS GRUPOS DE PESQUISA DO CNPQ XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. A RELAÇÃO UNIVERSIDADE-EMPRESA NA UFS: UMA INVESTIGAÇÃO A PARTIR DO DIRETÓRIO DOS GRUPOS DE PESQUISA DO CNPQ Felipe Andrade Martins (UFS) felipe.amartins@yahoo.com.br

Leia mais

1.1. Quais são as normas da Anvisa e onde são publicadas no DOU? 1.2. Como consultar a publicação de uma resolução da Anvisa no DOU?

1.1. Quais são as normas da Anvisa e onde são publicadas no DOU? 1.2. Como consultar a publicação de uma resolução da Anvisa no DOU? Atualizado: 17 / 09 / 2013 - FAQ - AI 1. Diário Oficial da União (DOU) 1.1. Quais são as normas da Anvisa e onde são publicadas no DOU? 1.2. Como consultar a publicação de uma resolução da Anvisa no DOU?

Leia mais

SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS

SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS Curitiba, 18 de março de 2015. 1 SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS Sumário APRESENTAÇÃO... 3 JUSTIFICATIVAS E BENEFÍCIOS... 3 COMO OBTER O SELO...

Leia mais

Dirceu Barbano Diretor-Presidente São Paulo, 16 de abril de 2014

Dirceu Barbano Diretor-Presidente São Paulo, 16 de abril de 2014 3º CIMES - Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde Regulação, Normalização e Certificação Dirceu Barbano Diretor-Presidente São Paulo, 16 de abril de 2014 Aspectos a considerar no

Leia mais

PARCERIAS MAPA MS ABIA INMETRO ABNT PIF ANDEF SUPORTE INSTITUCIONAL

PARCERIAS MAPA MS ABIA INMETRO ABNT PIF ANDEF SUPORTE INSTITUCIONAL PARCERIAS MAPA MS ABIA INMETRO ABNT PIF ANDEF SUPORTE INSTITUCIONAL ABRANGÊNCIA DO PAS INDÚSTRIA COMERCIALIZAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO CONSUMIDOR FINAL INDÚSTRIA DISTRIBUIÇÃO MESA CADEIA PRODUTIVA AÇÕES ESPECIAIS

Leia mais

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS - PAE

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS - PAE CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIREÇÃO ACADÊMICA CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS - PAE SÃO LUIS MA 2009 DIRETORIA ACADÊMICA Diretor

Leia mais

Inserção Competitiva e Sustentável de Micro e Pequenas Empresas na Cadeia Produtiva do Petróleo e Gás do Rio Grande do Norte

Inserção Competitiva e Sustentável de Micro e Pequenas Empresas na Cadeia Produtiva do Petróleo e Gás do Rio Grande do Norte Inserção Competitiva e Sustentável de Micro e Pequenas Empresas na Cadeia Produtiva do Petróleo e Gás do Rio Grande do Norte FATOS E DADOS Micro e Pequenas Empresas formais 4,8 milhões de empresas formais

Leia mais

REGISTRO DE PRODUTOS NO BRASIL: AVANÇOS E DESAFIOS

REGISTRO DE PRODUTOS NO BRASIL: AVANÇOS E DESAFIOS Associação Brasileira das Indústrias da Alimentação REGISTRO DE PRODUTOS NO BRASIL: AVANÇOS E DESAFIOS I Reunião Anual da Vigilância Sanitária de Alimentos 15 a 17 de maio/2007 João Pessoa Amanda Poldi

Leia mais

PROGRAMA ESTADUAL DE FOMENTO AOS ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS DO ESTADO DE SÃO PAULO

PROGRAMA ESTADUAL DE FOMENTO AOS ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS DO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA ESTADUAL DE FOMENTO AOS ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS DO ESTADO DE SÃO PAULO Juliana Arnaut de Santana 1 Dalton Siqueira Pitta Marques 2 1 INTRODUÇÃO Com a finalidade de normatizar a atuação do estado

Leia mais

Pesquisa Percepção dos Compradores em Relação a seus Fornecedores com Certificação ISO 9001

Pesquisa Percepção dos Compradores em Relação a seus Fornecedores com Certificação ISO 9001 Pesquisa Percepção dos Compradores em Relação a seus Fornecedores com Certificação ISO 9001 2013 Dplan/Dgcor OBJETIVO Avaliar a percepção dos compradores com os fornecedores que possuem certificação ISO

Leia mais

2013 Inventta Todos os direitos reservados.

2013 Inventta Todos os direitos reservados. Agenda Quem Somos Gerindo a Inovação nas Empresas Estímulos Governamentais à Inovação Resultados da pesquisa FDC/Inventta Conclusões O GRUPO A Inventta é uma consultoria especializada em gestão da inovação,

Leia mais

Inclusão Financeira no Brasil

Inclusão Financeira no Brasil São Paulo 18 de agosto de 2014 2 Inclusão Financeira no Brasil Parceria Nacional para Inclusão Financeira Elvira Cruvinel Ferreira Departamento de Educação Financeira Missão do BCB Assegurar a estabilidade

Leia mais

Controlar Meu Dinheiro Manual do Participante

Controlar Meu Dinheiro Manual do Participante Controlar Meu Dinheiro Manual do Participante MP_oficina_sei_controlar_meu_dinheiro.indd 1 13/03/15 12:21 MP_oficina_sei_controlar_meu_dinheiro.indd 2 13/03/15 12:21 Serviço Brasileiro de Apoio às Micro

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária - www.anvisa.gov.br

Agência Nacional de Vigilância Sanitária - www.anvisa.gov.br Page 1 of 5 Destaques do governo FAÇA SUA BUSCA AQUI INÍCIO A AGÊNCIA SALA DE IMPRENSA SERVIÇOS ALERTAS E INFORMES LEGISLAÇÃO EDUCAÇÃO E CONHECIMENTO CIDADÃO PROFISSIONAL DE SAÚDE SETOR REGULADO TAMANHO

Leia mais

Sede Sebrae Nacional

Sede Sebrae Nacional Sede Sebrae Nacional Somos o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresa, uma entidade privada sem fins lucrativos, e a nossa missão é promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável

Leia mais

Sistema Nacional de Vigilância Sanitária PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Número: POP-O-SNVS-014

Sistema Nacional de Vigilância Sanitária PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Número: POP-O-SNVS-014 1/13 1. INTRODUÇÃO A garantia da segurança, eficácia e qualidade de produtos sujeitos a controle sanitário é uma preocupação constante dos serviços de vigilância sanitária. De forma a aperfeiçoar o monitoramento

Leia mais

DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA EMISSÃO DO ALVARÁ SANITÁRIO. Área de Medicamentos e Produtos de Interesse à Saúde (AMPIS)

DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA EMISSÃO DO ALVARÁ SANITÁRIO. Área de Medicamentos e Produtos de Interesse à Saúde (AMPIS) 1 DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA EMISSÃO DO ALVARÁ SANITÁRIO Área de Medicamentos e Produtos de Interesse à Saúde (AMPIS) DROGARIAS (CONFORME LEI FEDERAL 5991/73, RESOLUÇÃO RDC ANVISA 44/09 E OUTRAS PERTINENTES)

Leia mais

Implicações Legais Relacionadas ao Processamento de Artigos que RE 2605/2606

Implicações Legais Relacionadas ao Processamento de Artigos que RE 2605/2606 Implicações Legais Relacionadas ao Processamento de Artigos que Constam da Lista de Proibições RE 2605/2606 Luciana Pereira de Andrade Especialista em Regulação e Vigilância Sanitária Gerência Geral de

Leia mais

nesta edição: Metrô de Salvador inaugura cinco primeiras estações supervisionadas pela TÜV Rheinland Ductor

nesta edição: Metrô de Salvador inaugura cinco primeiras estações supervisionadas pela TÜV Rheinland Ductor e-news Edição Revista corporativa da TÜV Rheinland Brasil 02 Agosto 2014 Metrô de Salvador inaugura cinco primeiras estações supervisionadas pela TÜV Rheinland Ductor nesta edição: TÜV Rheinland Brasil

Leia mais

O FINANCIAMENTO DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL

O FINANCIAMENTO DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL O FINANCIAMENTO DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL Abril/2014 2014 Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados A reprodução não autorizada desta publicação,

Leia mais

Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões. Diretor-Presidente Luiz Eduardo Pereira Barretto Filho

Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões. Diretor-Presidente Luiz Eduardo Pereira Barretto Filho brasília-df 2012 2012. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada desta publicação, no todo ou em parte, constitui violação

Leia mais

Certificado de Boas Práticas de Fabricação em Produtos Para Saúde

Certificado de Boas Práticas de Fabricação em Produtos Para Saúde Certificado de Boas Práticas de Fabricação em Produtos Para Saúde Práticas atuais e perspectivas futuras Novembro 2013 Estrutura do Guia Capítulos 1 e 3 O conteúdo dos Capítulo 1 e 3 foi baseado nas perguntas

Leia mais

PORTIFÓLIO MASTER ASSESSORIA & REPRESENTAÇÕES

PORTIFÓLIO MASTER ASSESSORIA & REPRESENTAÇÕES PORTIFÓLIO MASTER ASSESSORIA & REPRESENTAÇÕES É UMA EMPRESA QUE ATUA NO MERCADO HÁ MAIS DE 20 ANOS, PRESTANDO SERVIÇOS DE CONSULTORIA DE ADEQUAÇÃO E ESTRUTURAÇÃO DE UNIDADES FABRIS, NO SEGMENTO QUIMICO,

Leia mais

Criado em 1952, o BNDES é uma empresa pública federal, sendo o principal instrumento de financiamento de longo prazo da economia brasileira

Criado em 1952, o BNDES é uma empresa pública federal, sendo o principal instrumento de financiamento de longo prazo da economia brasileira BNDES Criado em 1952, o BNDES é uma empresa pública federal, sendo o principal instrumento de financiamento de longo prazo da economia brasileira Missão: Promover o desenvolvimento sustentável e competitivo

Leia mais

COMBATE À FALSIFICAÇÃO E FRAUDE DE MEDICAMENTOS E PRODUTOS FARMACÊUTICOS NO BRASIL

COMBATE À FALSIFICAÇÃO E FRAUDE DE MEDICAMENTOS E PRODUTOS FARMACÊUTICOS NO BRASIL COMBATE À FALSIFICAÇÃO E FRAUDE DE MEDICAMENTOS E PRODUTOS FARMACÊUTICOS NO BRASIL Antônio Carlos da Costa Bezerra ANVISA - BRASIL VII EAMI - Cancun / México M - 15 a 17 de Outubro de 2008 Lei nº. 9.782,

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA-RDC Nº 16, DE 1 DE ABRIL DE 2014

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA-RDC Nº 16, DE 1 DE ABRIL DE 2014 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA-RDC Nº 16, DE 1 DE ABRIL DE 2014

Leia mais

1- Objetivo da contratação

1- Objetivo da contratação 1- Objetivo da contratação Contratação de Consultor Pessoa Física para elaboração da Política Integrada de Comunicação do Tesouro Nacional, tendo como objetivos a promoção da transparência e o aperfeiçoamento

Leia mais

http://www.consultorpublico.com.br falecom@consultorpublico.com.br

http://www.consultorpublico.com.br falecom@consultorpublico.com.br LEI COMPLEMENTAR Nº 123, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2006. (ESTATUTO NACIONAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE) O ESTATUTO NACIONAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE E O ESTADO E MUNICÍPIOS

Leia mais

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA Prestação de Serviços em Assessoria e Consultoria Tributária para as empresas do Arranjo Produtivo Local. 1. OBJETIVO

Leia mais

SOFTWARE SINEPAS Sistema Nacional de Elaboração de Planos de Saneamento. Quais as vantagens e Como adquirir

SOFTWARE SINEPAS Sistema Nacional de Elaboração de Planos de Saneamento. Quais as vantagens e Como adquirir 1 SOFTWARE SINEPAS Sistema Nacional de Elaboração de Planos de Saneamento Quais as vantagens e Como adquirir 1- O QUE É O SINEPAS O SINEPAS- Sistema Nacional de Elaboração de Planos de Saneamento é considerado

Leia mais

Código de Conduta. Selo ABRAIDI - Empresa Boa Cidadã

Código de Conduta. Selo ABRAIDI - Empresa Boa Cidadã CÓDIGO DE CONDUTA - SELO ABRAIDI EMPRESA BOA CIDADÃ CÓDIGO DE CONDUTA - SELO ABRAIDI EMPRESA BOA CIDADÃ 2ª. Edição 2009 Estrutura Geral REQUISITOS GERAIS PROGRAMAS INSTITUCIONAIS COM ÊNFASE NOS CONCEITOS

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Agência Nacional de Vigilância Sanitária Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA n 49/13 Esta resolução tem por objetivo aplicar no âmbito da vigilância sanitária as diretrizes e os objetivos do Decreto nº 7.492,

Leia mais

PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - PROPESP POLÍTICA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - PROPESP POLÍTICA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - PROPESP POLÍTICA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU A Pesquisa e a Pós-Graduação Stricto Sensu são atividades coordenadas por uma mesma

Leia mais

Menu Dzetta. Alimento seguro é sempre um bom negócio! para que você atenda seus clientes com Segurança e Qualidade!

Menu Dzetta. Alimento seguro é sempre um bom negócio! para que você atenda seus clientes com Segurança e Qualidade! Menu Dzetta para que você atenda seus clientes com Segurança e Qualidade! Alimento seguro é sempre um bom negócio! Rua Miguel de Frias, 206/403 Icaraí Niterói RJ Cep: 24.220-004 Tel: 55 (21) 2620-7474

Leia mais

Pesquisa Clínica e Regulamentação da Importação de Medicamentos. Revisoras da 2ª Edição: Carolina Rodrigues Gomes e Vera Lúcia Edais Pepe

Pesquisa Clínica e Regulamentação da Importação de Medicamentos. Revisoras da 2ª Edição: Carolina Rodrigues Gomes e Vera Lúcia Edais Pepe Pesquisa Clínica e Regulamentação da Importação de Medicamentos Autoras: Grazielle Silva de Lima e Letícia Figueira Freitas Revisoras da 2ª Edição: Carolina Rodrigues Gomes e Vera Lúcia Edais Pepe Revisoras

Leia mais

ANVISA ABRE CONSULTA PUBLICA PARA NORMATIVA PARA CONTROLADORAS DE PRAGAS

ANVISA ABRE CONSULTA PUBLICA PARA NORMATIVA PARA CONTROLADORAS DE PRAGAS ANVISA ABRE CONSULTA PUBLICA PARA NORMATIVA PARA CONTROLADORAS DE PRAGAS A ANVISA (AGENCIA NACIONAL DE VIGILANCIA SANITARIA) ABRIU A CONSULTA PUBLICA N. 76, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2008, DOCUMENTO QUE SUBSTITUIRA

Leia mais

MEDICAMENTOS GENÉRICOS

MEDICAMENTOS GENÉRICOS MEDICAMENTO GENÉRICO Uma importante conquista para a saúde pública no Brasil 15 anos 15 anos , 15 ANOS DE BENEFÍCIOS PARA A SOCIEDADE BRASILEIRA. Ao completar 15 anos de existência no país, os medicamentos

Leia mais

Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões. Diretor-Presidente do Sebrae Luiz Barretto

Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões. Diretor-Presidente do Sebrae Luiz Barretto 2012 Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae TODOS OS DIREITOS RESERVADOS A reprodução não autorizada desta publicação, no todo ou em parte, constitui violação dos direitos autorais (Lei n.º

Leia mais

1. Função Recursos Humanos/Administração de Pessoas 2. Abordagem Sistêmica dos Recursos Humanos

1. Função Recursos Humanos/Administração de Pessoas 2. Abordagem Sistêmica dos Recursos Humanos 5. Função Recursos Humanos/Administração de Pessoas Conteúdo 1. Função Recursos Humanos/Administração de Pessoas 2. Abordagem Sistêmica dos Recursos Humanos 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Introdução

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA REUNIÃO COM ASSOCIAÇÕES DE PRODUTOS PARA SAÚDE Gerência-Geral de Inspeção Sanitária GGINP Brasília, 27 de maio de 2015 TÓPICOS A SEREM ABORDADOS POP-SNVS-017 sobre

Leia mais

Vender Manual do Participante

Vender Manual do Participante Vender Manual do Participante MP_oficina_sei_vender.indd 1 17/03/15 12:21 MP_oficina_sei_vender.indd 2 17/03/15 12:21 Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Unidade de Capacitação

Leia mais

PORFOLIO DE SERVIÇOS. www.qualicall.com.br

PORFOLIO DE SERVIÇOS. www.qualicall.com.br PORFOLIO DE SERVIÇOS www.qualicall.com.br Visão O mercado industrial, de serviços e e-business reconhecerão a QUALICALL como uma empresa pequena, coesa e competitiva, porém muito grande na sua base de

Leia mais

CURSO: Desenvolvimento de Coordenadores e Analistas de Treinamento & Desenvolvimento T&D

CURSO: Desenvolvimento de Coordenadores e Analistas de Treinamento & Desenvolvimento T&D CURSO: Desenvolvimento de Coordenadores e Analistas de Treinamento & Desenvolvimento T&D Objetivos do Treinamento: Levar os participantes ao enriquecimento da sua bagagem cognitiva e instrumental sobre

Leia mais

1 anos 5 anos Permanente

1 anos 5 anos Permanente PRAZOS DE GUARDA 100 POLÍTICAS E DIRETRIZES EM VIGILÂNCIA SANITÁRIA 101 PLANEJAMENTO 3 anos 5 anos Permanente 102 PROCEDIMENTOS 3 anos 5 anos Permanente 103 AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO 103.1 ANUAL 3 anos

Leia mais

CURSOS PRESENCIAIS (Também podem ser ministrados in company)

CURSOS PRESENCIAIS (Também podem ser ministrados in company) 1 CURSOS PRESENCIAIS (Também podem ser ministrados in company) BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO BOAS PRÁTICAS DE LABORATÓRIO BOAS PRÁTICAS DE ARMAZENAMENTO, LOGÍSTICA E DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Conceituação e Objetivos

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Conceituação e Objetivos 1 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Conceituação e Objetivos O Programa de Bolsas de Iniciação Científica da FIAR é um programa centrado na iniciação científica de novos talentos entre alunos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 003/99 RESOLVE: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO INFANTIL

RESOLUÇÃO Nº 003/99 RESOLVE: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO INFANTIL RESOLUÇÃO Nº 003/99 Fixa normas para a Educação Infantil no âmbito do Sistema Municipal de Educação de São José. O PRESIDENTE DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SÃO JOSÉ no uso de suas atribuições, de

Leia mais

Regulamento Interno da Farmácia Escola de Manipulação de Medicamentos do Curso de Bacharelado em Farmácia da Faculdade Asces

Regulamento Interno da Farmácia Escola de Manipulação de Medicamentos do Curso de Bacharelado em Farmácia da Faculdade Asces Regulamento Interno da Farmácia Escola de Manipulação de Medicamentos do Curso de Bacharelado em Farmácia da Faculdade Asces Caruaru-PE 2014 REGULAMENTO INTERNO DA FARMÁCIA ESCOLA DE MANIPULAÇÃO DE MEDICAMENTOS

Leia mais

PROBLEMAS SANITÁRIOS NA PRÁTICA

PROBLEMAS SANITÁRIOS NA PRÁTICA PROBLEMAS SANITÁRIOS NA PRÁTICA Dr. Alessandro Vieira De Martino Farmacêutico Bioquímico CRF 33754 Formado no curso de Farmácia e Bioquímica pela Universidade Bandeirante de São Paulo UNIBAN Pós-Graduado

Leia mais

Prazo para Envio de Comentários: 09 de setembro de 2014

Prazo para Envio de Comentários: 09 de setembro de 2014 CONSULTA PÚBLICA DA ANVISA N 65, DE 01 DE AGOSTO DE 2014 PROPOSTA DE REGULAMENTO PARA A REALIZAÇÃO DE ENSAIOS CLÍNICOS COM MEDICAMENTOS CONDUZIDOS NO BRASIL Introdução: Prazo para Envio de Comentários:

Leia mais

Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia.

Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia. Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia Elisabeth Gomes 6º Conferencia Anual de Inteligência Competitiva IBC São Paulo

Leia mais