Anexo 01 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR SESU PROGRAMA MAIS MÉDICOS PROJETO MAIS MÉDICOS PARA O BRASIL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Anexo 01 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR SESU PROGRAMA MAIS MÉDICOS PROJETO MAIS MÉDICOS PARA O BRASIL"

Transcrição

1 Anexo 01 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR SESU PROGRAMA MAIS MÉDICOS PROJETO MAIS MÉDICOS PARA O BRASIL Termo de Adesão ao Projeto Mais Médicos para o Brasil Pelo presente Termo a Universidade Estadual de Campinas UNICAMP, Autarquia em Regime Especial com sede na Cidade Universitária Zeferino Vaz, Distrito de Barão Geraldo, cidade de Campinas/SP inscrita no CNPJ/MF sob nº / , neste ato representada pelo Magnífico Reitor Professor doutor JOSÉ TADEU JORGE, doravante intitulada UNICAMP, manifesta intenção de adesão ao Projeto Mais Médicos para o Brasil. 1 - CLÁUSULA PRIMEIRA - DO OBJETO O presente termo de adesão tem como objeto viabilizar a tutoria acadêmica e supervisão presencial e à distância de médicos formados em instituições de educação superior brasileiras ou com diploma revalidado no Brasil e médicos formados em instituição de educação superior estrangeiras, por meio de intercâmbio médico internacional inscritos no Projeto Mais Médicos para o Brasil, nos termos da Lei /2013 e na Portaria Interministerial MS/MEC nº 1.369/ CLÁUSULA SEGUNDA DAS OBRIGAÇÕES Para consecução do Projeto relacionado ao Termo de Adesão, A INSTITUIÇÃO deverá efetuar procedimentos de adesão por meio do sistema SIMEC/MEC, com as credenciais do dirigente máximo da instituição e compromete-se a assumir as seguintes obrigações: 1 Atuar em cooperação com os entes federativos, Coordenações Estaduais do Projeto e instituições internacionais, no âmbito da respectiva competência para fins de execução do PMMB. 2 Seguir as orientações e diretrizes da Coordenação Nacional do PMMB 3 Coordenar o acompanhamento acadêmico do programa. 4 Ratificar a indicação dos tutores acadêmicos do PMMB

2 5 Definir o mecanismo de avaliação e autorização do pagamento de bolsas de tutoria e supervisão, em conjunto com as coordenações estaduais e com a Coordenação do Projeto Mais Médicos para o Brasil. 6 Efetuar, por meio da unidade vinculada a sua estrutura, a avaliação dos tutores e supervisores. 7 Autorizar o pagamento das bolsas após avaliação dos tutores e supervisores. 8 Definir critérios e mecanismo de seleção de supervisores, seguindo diretrizes nacionais estabelecidas pelo PMMB. 9 Realizar seleção de supervisores até 30 dias a partir da assinatura do TA ao PMMB 10 Estabelecer calendário de fluxo contínuo para seleção e escolha de novos supervisores, conforme as necessidades expressas pela Coordenação Nacional do PMMB. 11 Monitorar e acompanhar as atividades dos supervisores e tutores acadêmicos e dos médicos participantes no âmbito do PMMB. 12 Ofertar módulos de acolhimento e avaliação aos médicos intercambistas no local indicado pela Coordenação Nacional do Projeto 13 Ofertar Cursos de Especialização e atividades de Ensino, Pesquisa e Extensão aos médicos participantes do PMMB 14 As instituições interessadas deverão cadastrar no mínimo um tutor acadêmico responsável pelas atividades de tutoria e um tutor acadêmico para fins de cadastro de reserva, que atendam aos requisitos da portaria interministerial MS/MEC nº 1369 de 08/07/2013 conforme procedimentos estabelecidos pelo DDS/SESU/MEC. 3 - CLÁUSULA TERCEIRA DOS TUTORES ACADÊMICOS O tutor acadêmico será escolhido dentre os docentes da área médica da Instituição, vinculados, preferencialmente, às seguintes áreas de conhecimento em Saúde Coletiva, em Programa de Saúde da Família e Comunidade, à área de Clínica Médica ou à área de Pediatria. SUB CLÁSULA 3.1 O tutor acadêmico é responsável pela orientação acadêmica e pelo planejamento das atividades do supervisor, observadas as orientações gerais da Coordenação Nacional do PMMB SUBCLÁUSULA 3.2

3 Os Tutores de cadastro reserva, deverão ficar de sobreaviso, podendo ser convocados de acordo com o número de médicos selecionados para o Programa, observada a proporção de alunos por tutor, definida pela Coordenação Nacional do PMMB. CLÁUSULA QUARTA DA BOLSA-TUTORIA Para o desenvolvimento de suas atividades, o tutor acadêmico receberá, mensalmente, bolsa-tutoria de R$5.000, 00 (cinco mil reais) CLÁUSULA QUINTA DAS ATRIBUIÇÕES DO TUTOR ACADÊMICO(TA) São atribuições do TA, sem prejuízo de outras que vierem a ser definidas pela Coordenação Nacional do PMMB: 1 Coordenar as atividades acadêmicas de integração ensino-serviço, atuando em cooperação com supervisores e gestores do SUS. 2 Indicar docentes, médicos e outros profissionais da área de saúde que possam ministrar aulas, durante o Módulo de Acolhimento e Avaliação, com duração de 120 horas. 3 Ser referência para as equipes focais de trabalho, estando disponível para resolução de problemas no desenvolvimento do PMMB em cada uma das regiões que lhe tem como referência por parte da instituição formadora. 4 Indicar, em plano de trabalho, as atividades a serem executadas pelos supervisores, bem como a metodologia de acompanhamento e avaliação dos médicos participantes. 5 Cadastrar os supervisores e respectivos planos de trabalho no Sistema WEB/Portfolio/UNASUS, prazo de 30 dias a contar 30 dias da data de assinatura do plano de adesão. 6 Monitorar o processo de acompanhamento e avaliação a ser executado pelos supervisores, garantindo sua continuidade. 7 Validar os relatórios produzidos pelos supervisores do Projeto, em sistema de informação específico do PMMB, com fins de autorização de pagamento de bolsas correspondentes aos mesmos. 8 Avaliar os Web Portfolios e relatórios dos médicos participantes do programa. 9 Coordenar atividades de recuperação de Médicos intercambistas que tenham conceito inferior a linha de base estabelecida pela Coordenação Nacional do PMMB 10 Integrar as atividades dos Cursos de Especialização às atividades de integração ensino-serviço.

4 11 relatar à instituição a que esteja vinculado a ocorrência de situações nas quais seja necessária a adoção de providências pela instituição no sentido de medidas disciplinares. 12 Informar às Coordenações Estaduais bem como à Coordenação Nacional do PMMB situações nas quais seja necessária adoção de providências pela instituição no sentido de medidas disciplinares 13 Apresentar relatórios periódicos de execução das suas atividades no Programa à instituição à qual esteja vinculado e à Coordenação Nacional do Projeto Mais Médicos para o Brasil. 6 - CLÁUSULA SEXTA - DA SELEÇÃO DE SUPERVISORES 1 - Os supervisores serão selecionados entre profissionais médicos, observadas as diretrizes estabelecidas pelo MEC e critérios e mecanismos fixados pela instituição aderente e validados pela Coordenação Nacional do PMMB. SUB CLÁUSULA 6.1 Os supervisores selecionados serão responsáveis pelo acompanhamento e fiscalização das atividades de ensino e serviço do médico participante, em conjunto com o gestor do SUS no município. CLÁUSULA SÉTIMA DA BOLSA SUPERVISÃO Os supervisores selecionados receberão Bolsa no Valor de R$4.000,00 (quatro mil reais) por mês, conforme avaliação e autorização da instituição. CLÁSULA OITAVA DAS ATRIBUIÇÕES DO SUPERVISOR São atribuições do Supervisor, sem prejuízo de outras que vierem a ser definidas pela Coordenação Nacional do PMMB: 1 Realizar visitas periódicas para acompanhar atividades dos médicos participantes, de caráter mensal ou bimestral (no caso da UNICAMP, no mínimo, mensal, sendo idealmente bimensal). 2 Estar disponível para os médicos através de telefone e internet, eventualmente outras mídias que vierem a ser incorporadas. 3 Realizar preceptorias de território com vistas a discussões clínicas, reflexões sobre o processo de trabalho e sobre as práticas do cuidado desenvolvidas pelo médico participante.

5 4 Aplicar instrumentos de avaliação, presencialmente, especialmente os que serão estabelecidos na primeira visita individual ao médico participante em sua respectiva unidade de saúde de família. 5 Acompanhar e fiscalizar em conjunto com o gestor do SUS, o cumprimento da carga horária mensal de 40 horas semanais prevista para o PMMB para os médicso participantes por meio do sistema de informação disponibilizado pela coordenação do projeto. 6 Participar de reuniões técnico-científicas, de planejamento ou avaliação a serem organizadas pelo tutor do programa, com vistas a contribuir para melhoramentos do PMMB. 7 Validar relatórios e registros em Web-Portfólio que serão desenvolvidos pelos médicos participantes do programa, sob sua supervisão. 8 Supervisionar, no máximo, 10(dez) médicos participantes do programa, sem qualquer distinção de categoria em relação a estes. 9 Cumprir fielmente a supervisão dos médicos selecionados e indicados pelas coordenações estaduais e pela Coordenação Nacional nos respectivos municípios. 10 Cumprir rigorosamente o plano de trabalho estabelecido pelo tutor acadêmico ao qual é vinculado, dentro dos prazos fixados e as condições previstas. CLÁUSULA NONA DA AVALIAÇÃO E AUTORIZAÇÃO DE PAGAMENTO DE BOLSAS DE TUTORIA E SUPERVISÃO. A INSTITUIÇÃO indica como responsável pela avaliação e autorização do pagamento de Bolsas de Tutoria e Supervisão o(a) Diretor(a) Diretor da Faculdade de Ciências Médicas da UNICAMP, vinculada a sua estrutura. SUB CLÁUSULA 9.1 A Unidade indicada pela UNICAMP é responsável pela avaliação dos tutores e supervisores conforme as diretrizes gerais da Coordenação Nacional do PMMB e pelo pagamento das bolsas. CLÁSULA DÉCIMA - DA VIGÊNCIA O presente Termo de Adesão terá vigência de três(03) anos podendo ser prorrogável por igual período. CLÁUSULA DÉCIMA PRIMEIRA - DAS DISPOSIÇÕES FINAIS As instituições supervisoras com adesão ao PMMB, que manifestarem formalmente sua impossibilidade de atenderem aos determinantes deste TERMO DE ADESÃO,

6 deverão encaminhar ofício ao DDS/SESu/MEC no prazo de trinta dias de antecedência para que se proceda seu desligamento perante o sistema SIMEC/MEC. Compete à Comissão Nacional do PMMB decidir sobre eventuais questões omissas ou de interpretação do presente instrumento.

PORTARIA Nº 27, DE 14 DE JULHO DE 2015

PORTARIA Nº 27, DE 14 DE JULHO DE 2015 PORTARIA Nº 27, DE 14 DE JULHO DE 2015 Dispõe sobre a adesão de instituições de ensino e programas de residência ao Projeto Mais Médicos para o Brasil enquanto das instituições supervisoras. O SECRETÁRIO

Leia mais

Faculdade de Ciências Médicas - UNICAMP. 1º Edital Para Chamada de Candidatos a Tutores e Supervisores. Programa Mais Médicos Brasil - PMMB

Faculdade de Ciências Médicas - UNICAMP. 1º Edital Para Chamada de Candidatos a Tutores e Supervisores. Programa Mais Médicos Brasil - PMMB Faculdade de Ciências Médicas - UNICAMP 1º Edital Para Chamada de Candidatos a Tutores e Supervisores I Introdução. Programa Mais Médicos Brasil - PMMB Junho/2015 O Programa Mais Médicos Brasil, criado

Leia mais

PROGRAMA DE INTERCÂMBIO DO CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA

PROGRAMA DE INTERCÂMBIO DO CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA PROGRAMA DE INTERCÂMBIO DO CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA TERMO DE COMPROMISSO DO XXXIV PROGRAMA DE INTERCÂMBIO DO CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA TERMO DE COMPROMISSO QUE ENTRE

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR 1. Como são os cursos ofertados pela plataforma freire e quais os benefícios para os professores que forem selecionados? O professor sem formação poderá estudar nos

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento normatiza as atividades do Estágio Supervisionado em Publicidade e Propaganda

Leia mais

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando:

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando: Resolução Nº. 024/2010/CONSEPE/ Regulamento de Estágio Supervisionado O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade de Educação e Meio Ambiente, credenciada pela Portaria MEC

Leia mais

EDITAL PIBID-FUNEC SELEÇÃO DE PROFESSORES SUPERVISORES PARA O PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID

EDITAL PIBID-FUNEC SELEÇÃO DE PROFESSORES SUPERVISORES PARA O PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID EDITAL PIBID-FUNEC SELEÇÃO DE PROFESSORES SUPERVISORES PARA O PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID A FUNEC Fundação Municipal de Educação e Cultura de Santa Fé do Sul, através

Leia mais

REGULAMENTO DO COLEGIADO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET

REGULAMENTO DO COLEGIADO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET REGULAMENTO DO COLEGIADO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET BARBACENA 2010 CAPÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES O presente regulamento disciplina as atribuições e o funcionamento

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO. 2º Semestre de 2012

SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO. 2º Semestre de 2012 SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 2º Semestre de 2012 COORDENAÇÃO GERAL Diretor Geral Prof. Adalberto Miranda Distassi Coordenadoria Geral de Estágios Prof. Ricardo Constante Martins Coordenador

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA OS GESTORES MUNICIPAIS

ORIENTAÇÃO PARA OS GESTORES MUNICIPAIS ORIENTAÇÃO PARA OS GESTORES MUNICIPAIS Os médicos participantes do Projeto Mais Médicos para o Brasil são profissionais que atuarão nos serviços de Atenção Básica do Sistema Único de Saúde (SUS), a partir

Leia mais

Análise crítica do programa Mais Médicos: perspectivas e desafios

Análise crítica do programa Mais Médicos: perspectivas e desafios Análise crítica do programa Mais Médicos: perspectivas e desafios Modelo de Regionalização de Saúde no Ceará População Estado do Ceará - 8.530.058 habitantes Modelo de reorganização de saúde: 4 Macrorregiões

Leia mais

MANUAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA

MANUAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ INSTITUTO DE CULTURA E ARTE CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA MANUAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA O Manual ora apresentado visa orientar os alunos

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA EM SAÚDE MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO PÓS-GRADUAÇÃO

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA EM SAÚDE MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO PÓS-GRADUAÇÃO FORMAÇÃO PEDAGÓGICA EM SAÚDE MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO GERAL Diretor Geral Prof. Adalberto Miranda Distassi Coordenador Geral de Estágio: Prof. Ricardo Constante Martins

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM PROPRIEDADE INTELECTUAL E INOVAÇÃO

ESPECIALIZAÇÃO EM PROPRIEDADE INTELECTUAL E INOVAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM PROPRIEDADE INTELECTUAL E INOVAÇÃO CONCEPÇÃO DO CURSO O curso de Pós-graduação Lato Sensu Especialização em Propriedade Intelectual e Inovação faz parte do Programa de Capacitação dos

Leia mais

NORMA DO PROGRAMA DE BOLSAS REUNI DE ASSISTÊNCIA AO ENSINO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE

NORMA DO PROGRAMA DE BOLSAS REUNI DE ASSISTÊNCIA AO ENSINO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE NORMA DO PROGRAMA DE BOLSAS REUNI DE ASSISTÊNCIA AO ENSINO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE As Pró-Reitorias de Graduação e de Pesquisa e Pós-Graduação, CONSIDERANDO a necessidade

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO DE RIO CLARO ASSOCIAÇÃO DE ESCOLAS REUNIDAS - ASSER

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO DE RIO CLARO ASSOCIAÇÃO DE ESCOLAS REUNIDAS - ASSER 1 ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO DE RIO CLARO ASSOCIAÇÃO DE ESCOLAS REUNIDAS - ASSER ATIVIDADES ACADÊMICAS CURRICULARES COMPLEMENTARES (A.A.C.C.) DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO: ATIVIDADES

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS CURRICULARES SUPERVISIONADOS Capítulo I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º.Os estágios que compõem a estrutura curricular do curso do curso de graduação em Farmácia da Faculdade de Ciências

Leia mais

REQUISITOS PARA APRESENTAÇÃO DAS PROPOSTAS

REQUISITOS PARA APRESENTAÇÃO DAS PROPOSTAS ADESÃO À OFERTA DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO DE FILOSOFIA NO ENSINO MÉDIO, ENSINO DE MATEMÁTICA NO ENSINO MÉDIO, ENSINO DE SOCIOLOGIA NO ENSINO MÉDIO E ENSINO DE CIÊNCIAS NOS ANOS FINAIS DO ENSINO

Leia mais

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 04/2011

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 04/2011 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS Campus Universitário Viçosa, MG 36570-000 Telefone: (31) 3899-2127 - Fax: (31) 3899-1229 - E-mail: soc@ufv.br RESOLUÇÃO

Leia mais

EDITAL N o EXPANSÃO DA REDE DO MESTRADO PROFISSIONAL EM HISTÓRIA PROFHISTÓRIA CHAMADA A PROPOSTAS DE ADESÃO

EDITAL N o EXPANSÃO DA REDE DO MESTRADO PROFISSIONAL EM HISTÓRIA PROFHISTÓRIA CHAMADA A PROPOSTAS DE ADESÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM HISTÓRIA EDITAL N o EXPANSÃO DA REDE DO MESTRADO PROFISSIONAL EM HISTÓRIA

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO E ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES CAPÍTULO I

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO E ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES CAPÍTULO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO E ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES Dispõe sobre o Acompanhamento e Orientação do Estágio do Curso Superior de

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CAPÍTULO I

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CAPÍTULO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING Dispõe sobre o Acompanhamento e Orientação do Estágio do Curso Superior de Tecnologia em Marketing da Faculdade de Castanhal.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE EDITAL DE SELEÇÃO SIMPLIFICADA PARA MÉDICOS SUPERVISORES NO ÂMBITO DOS PROGRAMAS DE PROVISÃO PROVAB E MAIS MÉDICOS PARA O BRASIL EDITAL

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 033 DE 10 DE MARÇO DE 2015.

RESOLUÇÃO Nº. 033 DE 10 DE MARÇO DE 2015. RESOLUÇÃO Nº. 033 DE 10 DE MARÇO DE 2015. O CONSELHO DE UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS, no uso de suas atribuições legais, e considerando o Parecer nº. 01/2015 da Comissão Permanente

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS TELÊMACO BORBA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA Telêmaco Borba,

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID/UNIFEI

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID/UNIFEI PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID/UNIFEI PROCESSO SELETIVO DE BOLSISTAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA CRITÉRIOS E NORMAS A Coordenadora Institucional do Programa Institucional de

Leia mais

Regulamento Interno. de Estágios

Regulamento Interno. de Estágios Regulamento Interno de Estágios Índice Apresentação... 3 Capítulo 1 Caracterização e objetivo do estágio... 3 Capítulo 2 - Oferta de vagas de estágio... 4 Capítulo 3 - Duração do estágio... 5 Capítulo

Leia mais

Diário Oficial Cidade de São Paulo

Diário Oficial Cidade de São Paulo Diário Oficial Cidade de São Paulo Nº 222 - DOM de 28/11/14 - p.21 SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GABINETE DO SECRETÁRIO PORTARIA Nº 2000/2014-SMS.G Estabelece o fluxo de solicitações de Cenário de Práticas

Leia mais

CONVÊNIO DE COLABORAÇÃO FIRMADO ENTRE O MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO, SEBRAE E ACISA 049/2006 - SEPLAN

CONVÊNIO DE COLABORAÇÃO FIRMADO ENTRE O MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO, SEBRAE E ACISA 049/2006 - SEPLAN CONVÊNIO DE COLABORAÇÃO FIRMADO ENTRE O MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO, SEBRAE E ACISA 049/2006 - SEPLAN MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO, pessoa jurídica de direito público, inscrita no CNPJ/MF sob o n. 87612537/0001-90,

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 030-2013/CS - IFB

RESOLUÇÃO N.º 030-2013/CS - IFB RESOLUÇÃO N.º 030-2013/CS - IFB Institui normas para o Programa de Prestação de Serviço Voluntário no âmbito do Instituto Federal De Brasília. O Presidente do Conselho Superior do INSTITUTO FEDERAL DE

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA

FACULDADE DE ENGENHARIA FACULDADE DE ENGENHARIA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DOS CURSOS DA FACULDADE DE ENGENHARIA REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DOS CURSOS DA FACULDADE

Leia mais

CONVÊNIO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

CONVÊNIO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO CONVÊNIO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO CONVÊNIO QUE ENTRE SI CELEBRAM A UNIÃO SOCIAL CAMILIANA - CENTRO UNIVERSITARIO SÃO CAMILO - ESPIRITO SANTO E, VISANDO A CONCESSÃO DE CAMPO DE ESTÁGIO CURRICULAR

Leia mais

CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Exemplo de Atribuições: Condições de Trabalho: Requisitos para preenchimento do cargo: b.1) -

CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Exemplo de Atribuições: Condições de Trabalho: Requisitos para preenchimento do cargo: b.1) - CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Participar do processo de planejamento e elaboração da proposta pedagógica da escola; orientar a aprendizagem dos alunos; organizar as atividades inerentes ao processo

Leia mais

NORMATIZAÇÃO DE ESTÁGIO PARA OS CURSOS TÉCNICOS E SUPERIORES DO IFSULDEMINAS

NORMATIZAÇÃO DE ESTÁGIO PARA OS CURSOS TÉCNICOS E SUPERIORES DO IFSULDEMINAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS NORMATIZAÇÃO DE ESTÁGIO PARA OS CURSOS TÉCNICOS E SUPERIORES

Leia mais

1 Centro Educacional Municipal São José 1 Colégio Estadual de Valença 1

1 Centro Educacional Municipal São José 1 Colégio Estadual de Valença 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MEC COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR-CAPES INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL

Leia mais

CONTRATO PARA REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR

CONTRATO PARA REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR CONTRATO PARA REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR Pelo presente instrumento particular e na melhor forma de direito, de um lado,, com sede a, nº, na cidade de Pelotas, inscrita no CNPJ sob o nº, doravante

Leia mais

REGIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE TURISMO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

REGIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE TURISMO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS REGIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE TURISMO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Os estágios curriculares do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Turismo do Instituto

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Regulamento do Estágio Curricular Obrigatório do Bacharelado em Ciências Biológicas 1 CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia

Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia RESOLUÇÃO Nº 094/2010-CTC CERTIDÃO Certifico que a presente resolução foi afixada em local de costume, neste Centro, no dia 16/12/2010. Éder Rodrigo Gimenes Secretário Aprova Regulamento do componente

Leia mais

CONSELHO DE SECRETARIAS MUNICIPAIS DE SAÚDE

CONSELHO DE SECRETARIAS MUNICIPAIS DE SAÚDE ANEXO II TERMO DE REFERÊNCIA PROFISSIONAL NÍVEL SUPERIOR CONTEUDISTA (MESTRE) PARA O CURSO DE QUALIFICAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA, COM UTILIZAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE GESTÃO DA

Leia mais

EDITAL PARA SELEÇÃO PÚBLICA DE MONITORES BOLSISTAS DO PROGRAMA TELECENTROS.BR

EDITAL PARA SELEÇÃO PÚBLICA DE MONITORES BOLSISTAS DO PROGRAMA TELECENTROS.BR EDITAL PARA SELEÇÃO PÚBLICA DE MONITORES BOLSISTAS DO PROGRAMA TELECENTROS.BR ASSOCIAÇÃO CAMPISTA DOS PROFISSIONAIS DE FUTEBOL, CNPJ º 07.640.243/0001-33, doravante designado somente como Telecentro RENASCER

Leia mais

Lourisvaldo Valentim da Silva Presidente do CONSU

Lourisvaldo Valentim da Silva Presidente do CONSU RESOLUÇÃO Nº 928/2012 - Aprova o Regulamento do Programa de Bolsas de Extensão (PROBEX). Pró-Reitoria de Extensão (PROEX). O CONSELHO UNIVERSITÁRIO (CONSU) da Universidade do Estado da Bahia (UNEB), no

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD A política de Educação a Distância EAD está claramente expressa em diversos documentos e regulamentos internos da instituição Regulamento do NEAD Os

Leia mais

SELEÇÃO DE PROFESSORES FORMADORES PARA O PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA (PNAIC) 2014

SELEÇÃO DE PROFESSORES FORMADORES PARA O PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA (PNAIC) 2014 SELEÇÃO DE PROFESSORES FORMADORES PARA O PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA (PNAIC) 2014 A Coordenação do PNAIC/UFMA faz saber que estarão abertas as inscrições para o processo de seleção

Leia mais

PROJETO DE FORMAÇÃO E MELHORIA DA QUALIDADE DA REDE DE SAUDE QUALISUS-REDE

PROJETO DE FORMAÇÃO E MELHORIA DA QUALIDADE DA REDE DE SAUDE QUALISUS-REDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 10/2015 Consultor Conteudista para elaboração do Curso EAD voltado à Implantação de Serviço de Clínica Farmacêutica Intervenção Sistêmica Gestão da Assistência Farmacêutica : Implantação

Leia mais

Resolução N 22/09 DA CARACTERIZAÇÃO E OBRIGATORIEDADE

Resolução N 22/09 DA CARACTERIZAÇÃO E OBRIGATORIEDADE Resolução N 22/09 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Dispõe sobre estágio obrigatório, no âmbito da UFPI. O Reitor da Universidade Federal do Piauí e Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão,

Leia mais

EDITAL. 1.3. Ter experiência como tutor ou professor de disciplina de EAD a distância.

EDITAL. 1.3. Ter experiência como tutor ou professor de disciplina de EAD a distância. UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE MATEMÁTICA Coordenação do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu Especialização a Distância, em Planejamento, Implementação e Gestão da Educação a Distância EDITAL

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO 1) UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE ITABERAÍ CURSO DE PEDAGOGIA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO REGULAMENTO Itaberaí/2012 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE ITABERAÍ CURSO DE

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

Regulamento dos Estágios Supervisionados do Curso de Educação Física CAPÍTULO I DA REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CAPÍTULO II DA NATUREZA

Regulamento dos Estágios Supervisionados do Curso de Educação Física CAPÍTULO I DA REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CAPÍTULO II DA NATUREZA Regulamento dos Estágios Supervisionados do Curso de Educação Física CAPÍTULO I DA REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Art. 1º Os Estágios Supervisionados de formação no Curso de Educação Física/FAED/UFGD

Leia mais

APROVAR as normas para concessão de afastamento para pós-graduação aos servidores do IF-SC. CAPÍTULO I DOS TIPOS DE PÓS-GRADUAÇÃO

APROVAR as normas para concessão de afastamento para pós-graduação aos servidores do IF-SC. CAPÍTULO I DOS TIPOS DE PÓS-GRADUAÇÃO RESOLUÇÃO N o 019/2012/CDP Florianópolis, 03 de maio de 2012. A PRESIDENTE DO DO INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA, no uso das atribuições que lhe foram conferidas pelo Regimento Geral do IF-SC e pelo

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Município de Venâncio Aires

Estado do Rio Grande do Sul Município de Venâncio Aires PROJETO-DE-LEI Nº 082, DE 09 DE JULHO DE 2014 Poder Executivo Autoriza a assinatura de Convênio com o CENECT - Centro Integrado de Educação, Ciência e Tecnologia LTDA., mantenedor do Centro Universitário

Leia mais

IF SERTÃO-PE PRONATEC 2015

IF SERTÃO-PE PRONATEC 2015 CONSIDERAÇÕES Em cumprimento ao Regulamento Interno do Pronatec / IFSERTÃO-PE, a partir de 2015 ocorrerá a descentralizados de recursos financeiros, além de outras ações, definindo assim os Campi como

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 1.369, DE 8 DE JULHO DE 2013

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 1.369, DE 8 DE JULHO DE 2013 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 1.369, DE 8 DE JULHO DE 2013 Dispõe sobre a implementação

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 621, DE 8 DE JULHO DE 2013.

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 621, DE 8 DE JULHO DE 2013. MEDIDA PROVISÓRIA Nº 621, DE 8 DE JULHO DE 2013. Institui o Programa Mais Médicos e dá outras providências. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 62 da Constituição, adota

Leia mais

I SEMINÁRIO NACIONAL DO PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE II

I SEMINÁRIO NACIONAL DO PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE II Ministério da Educação Secretaria de Ensino Superior Diretoria de Hospitais Univ ersitários e Residências em Saúde A articulação da Graduação em Saúde, dos Hospitais de Ensino e das Residências em Saúde

Leia mais

Farmácia Universitária

Farmácia Universitária Universidade Federal de Alfenas UNIFAL-MG Faculdade de Ciências Farmacêuticas Farmácia Universitária Regimento Interno Título I Da Farmácia Universitária Art. 1o A Farmácia Universitária da UNIFAL-MG,

Leia mais

EDITAL PIBID-FUNEC - Nº 001/2015 SELEÇÃO DE PROFESSORES SUPERVISORES PARA O PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID

EDITAL PIBID-FUNEC - Nº 001/2015 SELEÇÃO DE PROFESSORES SUPERVISORES PARA O PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID EDITAL PIBID-FUNEC - Nº 001/2015 SELEÇÃO DE PROFESSORES SUPERVISORES PARA O PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID A FUNEC Fundação Municipal de Educação e Cultura de Santa Fé do

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR

FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR CAPÍTULO I DO ESTÁGIO CURRICULAR Art. 1º O presente Regimento trata do Estágio Curricular dos cursos de graduação da Faculdade

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 263. Pôr em vigência, a partir da presente data, o REGIMENTO. DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU, que

RESOLUÇÃO Nº 263. Pôr em vigência, a partir da presente data, o REGIMENTO. DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU, que RESOLUÇÃO Nº 263 PÕE EM VIGÊNCIA O REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS- GRADUAÇÃO LATO SENSU O Reitor da Universidade Católica de Pelotas, no uso de suas atribuições, considerando os termos da proposta encaminhada

Leia mais

COMO FORMAR MÉDICOS NO BRASIL FRENTE AOS ATUAIS DESAFIOS DA SAÚDE?

COMO FORMAR MÉDICOS NO BRASIL FRENTE AOS ATUAIS DESAFIOS DA SAÚDE? COMO FORMAR MÉDICOS NO BRASIL FRENTE AOS ATUAIS DESAFIOS DA SAÚDE? Vinícius Ximenes M. da Rocha Médico Sanitarista Diretor de Desenvolvimento da Educação em Saúde SESu/MEC Dificuldades para Implementação

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO IMOBILIÁRIO

REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO IMOBILIÁRIO REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO IMOBILIÁRIO Cabedelo - PB Página 1 de 9 FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DA PARAÍBA - FESP, PESQUISA E EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE MINUTA DE TERMO DE ADITAMENTO DE CONVÊNIO Nº Processo Administrativo n.º 2012/10/20798 Termo de Convênio n.º 74/12 Termo de Aditamento nº / Interessado: Secretaria Municipal de Saúde Objeto: Aditamento

Leia mais

COOPERAÇÃO TÉCNICA, CIENTÍFICA E CULTURAL QUE ENTRE SI CELEBRAM E O INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE

COOPERAÇÃO TÉCNICA, CIENTÍFICA E CULTURAL QUE ENTRE SI CELEBRAM E O INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA, CIENTÍFICA E CULTURAL QUE ENTRE SI CELEBRAM E O INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS RENOVÁVEIS IBAMA E A ORGANIZAÇÃO NÃO GOVERNAMENTAL CONHECER PARA CONSERVAR

Leia mais

REGIMENTO DO INTERNATO

REGIMENTO DO INTERNATO REGIMENTO DO INTERNATO Petrolina Março 2012 Universidade Federal do Vale do São Francisco REGIMENTO DO INTERNATO CAPÍTULO I DEFINIÇÃO: Artigo 1 O Internato O internato é o estágio obrigatório em serviços

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL No-10, DE 11 DE JULHO DE 2013

PORTARIA INTERMINISTERIAL No-10, DE 11 DE JULHO DE 2013 PORTARIA INTERMINISTERIAL No-10, DE 11 DE JULHO DE 2013 Regulamenta o Decreto nº 7.385, de 8 de dezembro de 2010, que instituiu o Sistema Universidade Aberta do Sistema Único de Saúde (UNA-SUS). Os MINISTROS

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS CAMPO GRANDENSES INSTRUÇÃO NORMATIVA 002/2010 17 05 2010

FACULDADES INTEGRADAS CAMPO GRANDENSES INSTRUÇÃO NORMATIVA 002/2010 17 05 2010 O Diretor das Faculdades Integradas Campo Grandenses, no uso de suas atribuições regimentais e por decisão dos Conselhos Superior, de Ensino, Pesquisa, Pós Graduação e Extensão e de Coordenadores, em reunião

Leia mais

Comitê Gestor Institucional de Formação Inicial e Continuada de Profissionais do Magistério da Educação Básica

Comitê Gestor Institucional de Formação Inicial e Continuada de Profissionais do Magistério da Educação Básica Comitê Gestor Institucional de Formação Inicial e Continuada de Profissionais do Magistério da Educação Básica CHAMADA PÚBLICA PARA SELEÇÃO DE COORDENADOR PEDAGÓGICO PARA O CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO

Leia mais

NORMAS PARA PROGRAMAS DE CONCESSÃO DE BOLSAS DE FORMAÇÃO, DE PESQUISA E TECNOLÓGICA - FAPEG-I

NORMAS PARA PROGRAMAS DE CONCESSÃO DE BOLSAS DE FORMAÇÃO, DE PESQUISA E TECNOLÓGICA - FAPEG-I RESOLUÇÃO N. 001/2007 ANEXO NORMAS PARA PROGRAMAS DE CONCESSÃO DE BOLSAS DE FORMAÇÃO, DE PESQUISA E TECNOLÓGICA - FAPEG-I 1. Conceituação As normas relativas à concessão de Bolsas de Formação, de Pesquisa

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

BOLSISTAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA

BOLSISTAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE PRO-REITORIA DE PESQUISA E INOVAÇÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO EDITAL N.º 04 /2014

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO EDITAL N.º 04 /2014 EDITAL N.º 04 /2014 PROCESSO SIMPLIFICADO DE SELEÇÃO DE TUTORES DO PROGRAMA NACIONAL DE FORMAÇÃO CONTINUADA EM TECNOLOGIA EDUCACIONAL MEC/PROINFO INTEGRADO/SEED/UNDIME/VÁRZEA GRANDE-MT A Secretaria Municipal

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO Art. 1º As atividades de Pesquisa da Universidade de Santo Amaro UNISA buscam fomentar o conhecimento por meio da inovação técnica, científica, humana, social e artística,

Leia mais

ANEXO I. Plano de Trabalho

ANEXO I. Plano de Trabalho ANEXO I Plano de Trabalho As Propostas Técnicas para a implementação do Curso de Especialização de Saúde da Família e do Curso de Especialização em Gestão da Atenção Básica apresentadas pelas instituições

Leia mais

Curso de Engenharia de Elétrica

Curso de Engenharia de Elétrica Regulamento de Estágio Curricular Obrigatório Curso de Engenharia de Elétrica Cascavel-PR 2011 - 2 - CAPITULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. Este regulamento tem por finalidade normatizar o Estágio

Leia mais

CONVÊNIO BACEN / STJ / CJF 2005.

CONVÊNIO BACEN / STJ / CJF 2005. CONVÊNIO DE COOPERAÇÃO TÉCNICO- INSTITUCIONAL QUE FAZEM ENTRE SI O BANCO CENTRAL DO BRASIL, O SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA E O CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL, PARA FINS DE OPERACIONALIZAÇÃO DO SISTEMA BACEN

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE 19/2007

RESOLUÇÃO CONSEPE 19/2007 RESOLUÇÃO CONSEPE 19/2007 ALTERA O REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO, DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA, MODALIDADE LICENCIATURA DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO. O Vice-Reitor

Leia mais

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio:

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio: 1 Resolução nº. 01/09 Aprovar o Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado do Curso de Pedagogia - considerando o art.70, VII do Regimento desta Instituição; - considerando necessidade de normatizar

Leia mais

NÚCLEO INSTITUCIONAL DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (NI-EAD) REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

NÚCLEO INSTITUCIONAL DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (NI-EAD) REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Texto Aprovado CONSEPE Nº 2006-02 - Data: 19/04/2006 PRÓ-REITORIA ACADÊMICA NÚCLEO INSTITUCIONAL DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (NI-EAD) REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O Núcleo Institucional

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 1.413, DE 10 DE JULHO DE 2013

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 1.413, DE 10 DE JULHO DE 2013 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 1.413, DE 10 DE JULHO DE 2013 Redefine as regras e critérios

Leia mais

Dispõe sobre a implementação do Projeto Mais Médicos para o Brasil.

Dispõe sobre a implementação do Projeto Mais Médicos para o Brasil. MINISTÉRIO DA SAÚDE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PORTARIA INTERMINISTERIAL MS/MEC Nº 1.369, DE 8 DE JULHO DE 2013 Diário Oficial da União; Poder Executivo, Brasília, DF, 9 jul. 2013. Seção I, p. 49-52 Dispõe

Leia mais

TERMO DE COOPERAÇÃO. CONSIDERANDO que,

TERMO DE COOPERAÇÃO. CONSIDERANDO que, TERMO DE COOPERAÇÃO BM&FBOVESPA S.A. Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros, com sede na Capital do Estado de São Paulo, na Praça Antônio Prado, nº 48, 7º andar, Centro, inscrita no Cadastro Nacional

Leia mais

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Conselho Universitário - CONSUNI

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Conselho Universitário - CONSUNI REGULAMENTO DA CLÍNICA ESCOLA E SERVIÇOS DE PSICOLOGIA - CESP Aprovado pela Resolução CONSUNI nº 11/15 de 08/04/15. CAPÍTULO I DO OBJETIVO DO REGULAMENTO Art. 1º A Clínica Escola de Psicologia é o ambiente

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982

REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982 REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982 Artigo 1º. - A FUNDAÇÃO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM AGRONOMIA, MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - FUNEP, além das disposições constantes de seu Estatuto

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃOINSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO. REITORIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃOINSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO. REITORIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃOINSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO. REITORIA DIRETORIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA COORDENAÇÃO DE CURSO DO PROFUNCIONÁRIO

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA (NEPEC/UCB)

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA (NEPEC/UCB) REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA (NEPEC/UCB) CAPÍTULO I - DO NEPEC E SEUS OBJETIVOS Artigo 1º - O presente Regulamento disciplina as atribuições,

Leia mais

2º São partes integrantes deste Termo de Compromisso o seguinte anexo: Anexo I - Plano Operativo Anual.

2º São partes integrantes deste Termo de Compromisso o seguinte anexo: Anexo I - Plano Operativo Anual. TERMO DE COMPROMISSO ENTRE ENTES PÚBLICOS N 01. Termo de Compromisso que entre si celebram o Município de Cametá, através da Secretaria Municipal de Saúde SMS e o Estado de Pará, através da Secretaria

Leia mais

Curso de Sistema de Informação

Curso de Sistema de Informação 1 Regulamento de Estágio Curricular Obrigatório Curso de Sistema de Informação Cascavel - PR CAPITULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. Este regulamento tem por finalidade normatizar o Estágio Curricular

Leia mais

PROFLETRAS R E G I M E N T O

PROFLETRAS R E G I M E N T O PROFLETRAS R E G I M E N T O CAPÍTULO I - CAPITULO II - CAPÍTULO III - CAPÍTULO IV - CAPÍTULO V - CAPÍTULO VI - CAPÍTULO VII - CAPÍTULO VIII - Das Finalidades Das Instituições Associadas Da Organização

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º. Este Regulamento estabelece as normas relativas às disciplinas Trabalho de Conclusão de Curso I (TCC

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA Resolução Nº 01/2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE Regulamenta o Estágio Curricular - Internato obrigatório do Curso de Medicina do CCBS/UFCG. O Colegiado do Curso de Graduação em Medicina, no

Leia mais

FACULDADE DE ARARAQUARA

FACULDADE DE ARARAQUARA SUMÁRIO CADASTRO DA EMPRESA E DA INSTITUIÇÃO DE ENSINO... 1 CLÁUSULA PRIMEIRA CONCEITOS E OBJETIVOS... 2 CLÁUSULA SEGUNDA DA INSTITUIÇÃO DE ENSINO... 4 CLÁUSULA TERCEIRA DA EMPRESA... 5 CLÁUSULA QUARTA

Leia mais

PROFESSOR PESQUISADOR

PROFESSOR PESQUISADOR Edital nº 06/2014 de 18 de setembro de 2014, da Universidade Aberta do Brasil da Universidade Federal de Pelotas UFPEL, referente ao Processo Seletivo Simplificado Classificatório, para a função temporária

Leia mais

Resolução PG-Mec 1/2010

Resolução PG-Mec 1/2010 Ministério da Educação Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica (PG-Mec) Estabelece o Regimento do Programa de Pós- Graduação em Engenharia Mecânica

Leia mais

COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇOS Nº 12/2013 EDITAL PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA (TUTOR DE TURMA EAD)

COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇOS Nº 12/2013 EDITAL PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA (TUTOR DE TURMA EAD) COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇOS Nº 12/2013 EDITAL PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA (TUTOR DE TURMA EAD) Tipo: Melhor Técnica O Instituto Brasileiro de Administração Municipal - IBAM, associação civil

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º Este Regulamento disciplina as atividades do Estágio Curricular Supervisionado,

Leia mais

REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS DO CURSO DE PSICOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES LEGAIS

REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS DO CURSO DE PSICOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES LEGAIS REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS DO CURSO DE PSICOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES LEGAIS Art. 1. Os estágios supervisionados específicos, obrigatórios e não-obrigatórios

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO CURSO DE LETRAS PORTUGUÊS/INGLÊS

REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO CURSO DE LETRAS PORTUGUÊS/INGLÊS REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO CURSO DE LETRAS PORTUGUÊS/INGLÊS CAPÍTULO I DA NATUREZA DO ESTÁGIO Art. 1º O Estágio Obrigatório previsto na Estrutura Curricular do Curso de Letras, Licenciatura Português/Inglês

Leia mais

Programa CAPES-PVE CAPES. Processo Seletivo 2010 Edital nº 049/2010/CAPES/DRI

Programa CAPES-PVE CAPES. Processo Seletivo 2010 Edital nº 049/2010/CAPES/DRI Programa CAPES- Processo Seletivo 2010 Edital nº 049/2010/CAPES/DRI A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior-CAPES, Fundação Pública, criada pela Lei nº. 8.405, de 09 de janeiro de

Leia mais