FERRAMENTAS DA QUALIDADE DUAL SOURCING

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FERRAMENTAS DA QUALIDADE DUAL SOURCING"

Transcrição

1 FERRAMENTAS DA QUALIDADE DUAL SOURCING 1

2 Definição O uso de duas fontes (fornecedores) na aquisição de um produto ou serviço 2

3 Fonte Dual Fornecedores Fábrica 3

4 Tipos de fonte Simples: é quando somente uma fonte ou fornecedor é usado. Dual: é quando duas fontes ou fornecedores são usados Múltipla: é quando mais de duas fontes ou fornecedores são usados 4

5 Tipos de fonte FONTE SIMPLES Fornecedor Fábrica 5

6 Tipos de fonte FONTE MÚLTIPLA Fornecedores Fábrica 6

7 Como usar a Fonte Dual Escolha um fornecedor adicional baseado em critérios de avaliação. Divida a produção entre duas empresas Estas são as instruções básicas para Fonte Dual. O critério de avaliação será revisto mais tarde nesta apresentação. Além disso, os diferentes modos nos quais a produção pode ser dividida serão discutidos a seguir. 7

8 Alocação de Produto Divisão 50/50 Fornecedores primários e secundários A alocação de produção entre duas empresas envolve muitos fatores. Alguns dos quais são a capacidade de produção dos dois fornecedores, o custo de produção, a alocação de capital para pesquisa e desenvolvimento e as necessidades dos fornecedores. Muito frequentemente as empresas usam uma divisão 50/50, o que significa que os produtos solicitados serão divididos igualmente entre duas empresas. Isto possibilita a competição entre as empresas e que elas sejam grandes o bastante para apoiarem-se uma à outra. Este método pode também reduzir a complexidade das transações e permitir uma fácil comparação das duas empresas. Ás vezes, os compradores usam uma distribuição desigual de produção para as duas fontes. Isto acontece muitas vezes porque eles apenas necessitam de um outro fornecedor no caso do seu fornecedor principal falhar. Fornecedores principais também podem ser utilizados para reduzir custos de produção e para pesquisas de redução e desenvolvimento de custos. Às vezes o fornecedor secundário não produz nenhum produto para o comprador, mas é usado em situações de emergência como reserva. Neste caso o fornecedor principal age muito mais como único fornecedor, sendo que a principal diferença é a disponibilidade de apoio ou fornecedor secundário. 8

9 Quem deve usar a Fonte Dual Toda empresa que precise! Algumas empresas podem precisar de Fonte Dual, mas não sabem. As razões pelas quais a Fonte Dual pode ser necessária serão discutidas nesta apresentação. Isto ajudará as pessoas a descobrir a necessidade de Fonte Dual. 9

10 Vantagem Minimizando o risco A vantagem mais importante da Fonte Dual é a minimização de risco. Muitas vezes, se um fornecedor chave falhar, isso pode custar à empresa compradora milhares ou milhões de dólares e talvez ainda mais a longo prazo. Quando dois fornecedores são usados, o risco é minimizado devido ao fato de que há um segundo fornecedor que está apoiando a empresa. O segundo fornecedor é como uma reserva. Esta é uma maneira de uma empresa não sofrer com custos imensos resultantes de uma falha de fornecedor. 10

11 Vantagem Competição entre dois fornecedores Competição por baixo custo pode compensar a perda das economias de aprendizagem e vendas. A competição pode levar as empresas a melhorar em algumas áreas que os contratos geralmente não estipulam. A competição pode criar uma alavancagem de negociação entre as duas empresas. A competição pode ajudar cada empresa a não descuidar da qualidade e confiabilidade e criar uma cultura de constante melhoria. Se uma empresa melhora em uma área particular, a outra terá também que manter-se competitiva. 11

12 Vantagem Confiabilidade Tecnologias complexas Qualidade dos produtos Muitos problemas podem surgir na produção. Por exemplo, uma entrega pode estar atrasada, a qualidade dos produtos não vai de encontro às exigências, um fornecedor cessa suas atividades, uma máquina quebra, ou os trabalhadores entram em greve. Por esta razão a confiabilidade é extremamente importante para uma empresa. A Fonte Dual fornece a confiabilidade de que um outro fornecedor está disponível, de modo que o abastecimento não será interrompido. A Fonte Dual é boa para tecnologias complexas - produtos que sofrerão modificações diversas vezes. Nos estágios iniciais de desenvolvimento isto pode ser especialmente útil para reprojetar produtos de um fornecedor enquanto ainda estiver recebendo produtos de um outro. A Fonte Dual é bastante útil para novos produtos. Novos produtos podem sofrer diversas mudanças e atualizações no começo do seu ciclo de produção. Estas mudanças podem ser feitas sem interromper completamente a cadeia de abastecimento. Enquanto um fornecedor estiver sendo atualizado, o outro pode continuar o fornecimento para manter a cadeia de abastecimento. A Fonte Dual pode melhorar a qualidade. Se uma empresa tem produtos de baixa qualidade, pode-se confiar no outro fornecedor. A competição por produção geralmente direciona os fornecedores a melhorar a qualidade para garantir produção contínua e talvez, eventualmente, tornar-se o fornecedor único. 12

13 Vantagem Produtos novos, especialmente produtos de tecnologia. A Fonte Dual é bastante útil para novos produtos. Novos produtos podem sofrer diversas mudanças e atualizações no começo do seu ciclo de produção. Estas mudanças podem ser feitas sem interromper completamente a cadeia de abastecimento. Enquanto um fornecedor estiver sendo atualizado, o outro pode continuar o fornecimento para manter a cadeia de abastecimento. Produtos tecnológicos muitas vezes exigem atualizações mais frequentes, pois a tecnologia mudar rapidamente 13

14 Desvantagens Economias de escala Ao usar a Fonte Dual, você divide a produção entre duas empresas. Quando a quantidade da demanda de produção é dividida, a parte de cada um dos fornecedores é afetada. Economias de escala indicam que quanto maior for a empresa (até certo ponto), menores são os custos de produção. Grandes empresas experenciam redução de custos de produção porque o custo médio por unidade é reduzido. Uma vez que os fornecedores de Fonte Dual são frequentemente menores que um fornecedor único, seus custos totais são maiores. Deseconomias de escala podem também ocorrer quando um fornecedor é muito grande e o custo médio por unidade é na verdade mais alto. Já que a Fonte Dual utiliza dois fornecedores, custos mais altos são geralmente experienciados devido à economia de escala. 14

15 Desvantagem Custos maiores Este efeito das economias de escala provocaum aumento de custo dos produtos. Outros custos incluem os custos de gerenciamento de contrato e os custos de apoio à tecnologia. Além disso, haverá um aumento de custos devido à natureza mais complexa de ter dois fornecedores. 15

16 Desvantagem Pesquisa & Desenvolvimento A Pesquisa e Desenvolvimento irá sofrer porque a empresa não é tão grande e menos dinheiro pode ser investido em pesquisa e desenvolvimento. Ao usar Fonte Dual, como um comprador, se você quiser investir dinheiro em P&D, você terá que escolher investir em uma empresa, o que causa discórdia por favoritismo. Contudo, na maioria dos casos, os compradores terão de investir dinheiro em ambas as companhias, o que infelizmente, custa mais. Tipicamente, as empresas que usam Fonte Dual estão sob contrato. Quando sob contrato, o incentivo para melhorar através de pesquisa e desenvolvimento é mínimo. Isto ocorre porque elas estão sob contrato por um período específico de tempo, quantidade de produto e tipo de produto. Não há incentivo para melhoria. 16

17 Desvantagem Propostas de Colusão Existe a possibilidade de que, a fim de conseguir o maior preço do comprador, os dois fornecedores possam fazer colusão em relação a um preço previamente acordado. Isto poderia elevar o preço dos produtos e prejudicar significativamente o comprador. 17

18 Quando você deve usar a Fonte Dual Quando a interrupção por parte de um fornecedor único pode causar a falência do negócio. Esta ideia está ligada à gestão de risco. Muitas vezes um produto ou serviço pode causar a falência do negócio, quando um fornecedor é incapaz de atender às exigências do comprador. Tais exemplos incluem atrasos na entrega, a qualidade dos produtos não vai de encontro às exigências, um fornecedor cessa suas atividades, uma máquina quebra, ou os trabalhadores entram em greve. Se o fornecedor único encaixa-se neste critério de risco, uma segunda fonte deveria ser adquirida. 18

19 Quando você deve usar a Fonte Dual Quando for fácil e os custos de troca de fontes são baixos. Uma "regra de ouro" geral é usar Fonte Dual somente quando for relativamente fácil e barato. "Fácil" em Fonte Dual refere-se à dificuldade de mudar de um fornecedor para dois. Em geral, quando a dificuldade é grande, os custos para a mudança também o são. Estes custos relacionados à dificuldades podem incluir a procura, aquisição, atualização e sincronização de sistemas de suprimento, bem como a avaliação. Quando estes custos são altos, o capital pode ser usado mais eficientemente em outras alternativas. 19

20 Quando você deve usar a Fonte Dual Para tecnologia complexa, e novos produtos. Como mencionado anteriormente em vantagens da Fonte Dual, tecnologia complexa e novos produtos podem beneficiar-se dela. 20

21 Quando você deve usar a Fonte Dual Quando um fornecedor não pode produzir a quantidade de produto solicitada. Esta razão é intuitiva. Quando a quantidade solicitada não puder ser produzida por um fornecedor único, outro fornecedor é necessário. 21

22 Quando você deve usar a Fonte Dual Um incidente na cadeia de abastecimento ameaçou desencadear um desastre de proporções gigantescas no sistema de saúde pública dos Estados Unidos. A contaminação por parte de um fornecedor estrangeiro reteve 48 milhões de doses de vacina contra a gripe - metade do abastecimento esperado do país - e a especulação correu solta. Será que a temporada de gripe será tão ruim quanto a do ano passado? Quantas pessoas ficarão doentes? Quantas pessoas morrerão? Será que isto vai alterar o resultado da eleição presidencial?" Citação tirada de um artigo da revista Supply & Demand-Chain Executive chamado Managing Risk in the Supply Chain por Sanjay Agarwal. As implicações desta ação deveriam ser discutidas. Além disso, a solução que a Fonte Dual teria fornecido neste caso também deveria ser discutida. Se a Fonte Dual tivesse sido usada, a crise não teria ocorrido. 22

23 Critérios de Avaliação Escolha um fornecedor que preencha necessidades não satisfeitas Estime os custos da mudança Analise as vantagens e desvantagens Avalie o uso de uma análise de custo/benefício Ao decidir-se pela Fonte Dual, há algumas diretrizes para o processo de tomada de decisão. Um fornecedor somente deveria ser selecionado se ele vai de encontro às necessidades não satisfeitas do comprador. Há muitos custos envolvidos nesta troca. Custos tangíveis e intangíveis devem ser levados em conta. Se estes custos são comparativamente altos, a Fonte Dual pode ser a melhor opção. As vantagens e desvantagens nos slides anteriores devem ser usadas para ajudar a análise. A minimização de risco deve ser focalizada nesta área. A avaliação deve levar em conta a necessidade não satisfeita sendo preenchida, custos de mudança, e as vantagens e desvantagens. 23

24 A Fonte Dual é uma poderosa ferramenta para o gerenciamento de risco e a melhoria da qualidade do produto. 24

25 Bibliografia Cranfield University (2002), Supply Chain vulnerability. Copland, T. and Antikarov, V. (2001), Real options: A practitioners guide, Texere, New York, NY. Dixit, A.V., Pindyck, R.S. (1994), Investment Under Uncertainty, Princeton University Press, Princeton, NJ. Lee, H.L., Wolfe, M. (2003), Supply Chain Security without Tear, Supply Chain Management Review, Jan-Feb, pp Martha, J., Sunil, S. (2003), Targeting a Just-in-case supply chain for the inevitable next disaster. Supply Chain Management Review, Sept-Oct, pp Prater, E., Biehl, M., Smith, M.A., (2001), International Supply Chain agility- Tradeoffs between flexiblity and uncertainty. Diários internacionais de gerenciamento de operações e produção. 25

26 26

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e

A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: obter materiais, agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e disponibilizar os produtos no local e

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Aula 2º bim. GEBD dia16/10

Aula 2º bim. GEBD dia16/10 Aula 2º bim. GEBD dia16/10 Compras e Manufatura (produção) O ciclo de compras liga uma organização a seus fornecedores. O ciclo de manufatura envolve a logística de apoio à produção. O ciclo de atendimento

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO / E.E. ESTERINA PLACCO (EXTENSAO) Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Nível

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

COMPUTAÇÃO EM NUVEM: TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS RELATÓRIO EXECUTIVO DE NEGÓCIOS

COMPUTAÇÃO EM NUVEM: TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS RELATÓRIO EXECUTIVO DE NEGÓCIOS COMPUTAÇÃO EM NUVEM: TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS TM RELATÓRIO EXECUTIVO DE NEGÓCIOS A visão da computação em nuvem por Aad van Schetsen, vicepresidente da Compuware Uniface, que mostra por que

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS Data: 10/03/2001 Peter Wanke INTRODUÇÃO Localizar instalações ao longo de uma cadeia de suprimentos consiste numa importante

Leia mais

Logistica e Distribuição

Logistica e Distribuição Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição A Atividade de Gestão de Estoque Primárias Apoio 1 2 3 4 Conceitulizando Estoque ESTOQUES são grandes volumes de matérias

Leia mais

Fig. A: A imagem da rede total e da rede imediata de suprimentos Fonte: Slack, Nigel e outros. Administração da Produção

Fig. A: A imagem da rede total e da rede imediata de suprimentos Fonte: Slack, Nigel e outros. Administração da Produção Fascículo 5 Projeto da rede de operações produtivas Se pensarmos em uma organização que produza algo, é impossível imaginar que essa organização seja auto-suficiente, isto é, que produza tudo o que irá

Leia mais

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir?

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir? Engenharia de Software O Estudo de Viabilidade Objetivos O que é um estudo de viabilidade? O que estudar e concluir? Benefícios e custos Análise de Custo/Benefício Alternativas de comparação 1 2 Idéias

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo: Administração de Materiais Profª Neuza AULA ANTERIOR: Compras O que é??? É uma atividade de aquisição que visa garantir o abastecimento da empresa

Leia mais

A LOGÍSTICA EMPRESARIAL E OS FATORES PARA A OBTENÇÃO DE VANTAGEM COMPETITIVA

A LOGÍSTICA EMPRESARIAL E OS FATORES PARA A OBTENÇÃO DE VANTAGEM COMPETITIVA A LOGÍSTICA EMPRESARIAL E OS FATORES PARA A OBTENÇÃO DE VANTAGEM COMPETITIVA Douglas Prates Magalhães 1 Resumo Uma revisão teórica e rápida conceituação da Logística e Vantagem competitiva. Foco em vantagem

Leia mais

Introdução do módulo 7: Faça uma introdução sobre as vantagens e necessidade de se vender Valor e não Preço.

Introdução do módulo 7: Faça uma introdução sobre as vantagens e necessidade de se vender Valor e não Preço. Preparação do Instrutor Trazer para a reunião/encontro de vendas: DVD : Módulo 7 Aparelho de DVD e monitor de TV Flip chart e canetas ( pincel atômico) Canetas/lápis apontados Manuais dos participantes

Leia mais

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte IBM Global Technology Services Manutenção e suporte técnico Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte Uma abordagem inovadora em suporte técnico 2 Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável

Leia mais

GESTÃO GESTRATÉGICA DE SUPRIMENTOS

GESTÃO GESTRATÉGICA DE SUPRIMENTOS GESTÃO GESTRATÉGICA DE SUPRIMENTOS INTRODUÇÃO O setor de suprimentos é, dentre os diversos outros setores da empresa, um dos que tem maior potencial de impacto nos resultados financeiros de uma organização,

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

Prof. Silene Seibel, Dra. silene@joinville.udesc.br

Prof. Silene Seibel, Dra. silene@joinville.udesc.br Prof. Silene Seibel, Dra. silene@joinville.udesc.br 1 Projetar sistemas de movimentação e armazenagem de materiais baseados nos princípios lean 2 Aprender a desenhar o fluxo de informações e materiais

Leia mais

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes.

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes. Logística Empresarial Aula 6 Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II Prof. Me. John Jackson Buettgen Contextualização Conceitos Importantes Fluxos logísticos É o movimento ou

Leia mais

Aula Nº 11 Suprimentos e contratações

Aula Nº 11 Suprimentos e contratações Aula Nº 11 Suprimentos e contratações Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam fornecer uma visão geral do processo empregado para se administrar a aquisição, no mercado, dos produtos necessários

Leia mais

Aula Nº 15 Resposta Eficiente ao Consumidor (ECR- Efficient Consumer Response )

Aula Nº 15 Resposta Eficiente ao Consumidor (ECR- Efficient Consumer Response ) Aula Nº 15 Resposta Eficiente ao Consumidor (ECR- Efficient Consumer Response ) Objetivo da Aula Aprofundar os conhecimentos de ECR, suas vantagens e implicações. Introdução Na aula anterior, estudamos

Leia mais

POSICIONAMENTO LOGÍSTICO E A DEFINIÇÃO DA POLÍTICA DE ATENDIMENTO AOS CLIENTES

POSICIONAMENTO LOGÍSTICO E A DEFINIÇÃO DA POLÍTICA DE ATENDIMENTO AOS CLIENTES POSICIONAMENTO LOGÍSTICO E A DEFINIÇÃO DA POLÍTICA DE ATENDIMENTO AOS CLIENTES 10/06/2000/em Artigos /por Peter Wanke Definir a política mais apropriada para atendimento aos clientes constitui um dos fatores

Leia mais

Faça mais com menos. Descubra o gerenciamento de dados descomplicado usando o IBM Informix

Faça mais com menos. Descubra o gerenciamento de dados descomplicado usando o IBM Informix Faça mais com menos Descubra o gerenciamento de dados descomplicado usando o IBM Informix Índice 2 Descomplicado Concentre seus recursos no crescimento, e não na administração. 1 Ágil Amplie seus negócios

Leia mais

capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO Senhores, aqui estão os relatórios financeiros do ano passado. Podemos pagar nossas dívidas?

capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO Senhores, aqui estão os relatórios financeiros do ano passado. Podemos pagar nossas dívidas? 22 capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO A Contabilidade é o instrumento que as empresas usam para controlar suas finanças e operações. E os demonstrativos contábeis balanço patrimonial e demonstração

Leia mais

Uma indústria mantém estoque de materiais; Um escritório contábil mantém estoque de informações; e

Uma indústria mantém estoque de materiais; Um escritório contábil mantém estoque de informações; e Fascículo 2 Gestão de estoques Segundo Nigel Slack, estoque é definido como a acumulação armazenada de recursos materiais em um sistema de transformação. O termo estoque também pode ser usado para descrever

Leia mais

TEORIA DE OPÇÕES APLICADA A PROJETOS DE INVESTIMENTO

TEORIA DE OPÇÕES APLICADA A PROJETOS DE INVESTIMENTO Administração Contábil e Financeira TEORIA DE OPÇÕES APLICADA A PROJETOS DE INVESTIMENTO Andrea Maria Accioly Fonseca Minardi Professora do IBMEC Business School e Doutoranda em Administração de Empresas

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 COMPETITIVIDADE SOB A ÓTICA DAS CINCO FORÇAS DE PORTER: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA OXIFOR OXIGÊNIO FORMIGA LTDA JUSSARA MARIA SILVA RODRIGUES OLIVEIRA 1, LÍVIA COUTO CAMBRAIA 2 RESUMO: Neste trabalho,

Leia mais

CICLO DE PALESTRAS. Desafios de Supply Chain e Logística. Impacto da Logística nos Resultados do Negócio: O caso Visanet

CICLO DE PALESTRAS. Desafios de Supply Chain e Logística. Impacto da Logística nos Resultados do Negócio: O caso Visanet CICLO DE PALESTRAS Desafios de Supply Chain e Logística Impacto da Logística nos Resultados do Negócio: O caso Visanet AGENDA Breve Apresentação Sergio R. Bio Palestra Inicial Marco Aurélio Ferrari Comentários

Leia mais

O Processo de Armazenagem Logística: O Trade-off entre Verticalizar ou Terceirizar

O Processo de Armazenagem Logística: O Trade-off entre Verticalizar ou Terceirizar O Processo de Armazenagem Logística: O Trade-off entre Verticalizar ou Terceirizar Prof. Aluisio dos Santos Monteiro Junior, M.Sc. (UVA/ICT) aluisio@fgv.br Marcela Ribeiro Vianna (UVA/ICSA) mvianna.worktime@anp.gov.br

Leia mais

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas Perguntas e Respostas Índice 1. Qual é a participação de mercado da ALL no mercado de contêineres? Quantos contêineres ela transporta por ano?... 4 2. Transportar por ferrovia não é mais barato do que

Leia mais

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE CHÃO DE FÁBRICA A PRODUÇÃO COMPETITIVA CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE Foco principal das empresas que competem com

Leia mais

MÓDULO 9 METODOLOGIAS DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

MÓDULO 9 METODOLOGIAS DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS MÓDULO 9 METODOLOGIAS DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS O termo metodologia não possui uma definição amplamente aceita, sendo entendido na maioria das vezes como um conjunto de passos e procedimentos que

Leia mais

Empresas de instalação de gás natural nos ambientes construídos: uma análise baseada no custo de transação

Empresas de instalação de gás natural nos ambientes construídos: uma análise baseada no custo de transação Empresas de instalação de gás natural nos ambientes construídos: uma análise baseada no custo de transação Luís Henrique Piovezan (SENAI-SP, Uniban e Escola Politécnica da USP) lhpiovezan@aol.com Adalberto

Leia mais

GESTÃO DO CICLO DE PROJETOS. Introdução

GESTÃO DO CICLO DE PROJETOS. Introdução Introdução Gestão do ciclo de projetos (GCP) é o termo dado ao processo de planejamento e gestão de projetos, programas e organizações. Ele é amplamente usado no setor de negócios e está cada vez mais

Leia mais

Unidade II RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS

Unidade II RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Unidade II 2 TENDÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS 2.1 Gestão de compras 1 A gestão de compras assume papel estratégico na Era da competição global, devido ao volume de recursos envolvidos no processo,

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA Conceito e Características. O mercado de capitais pode ser definido como um conjunto de instituições e de instrumentos que negociam com títulos e valores mobiliários, objetivando

Leia mais

GERENCIAMENTO ESTRATÉGICO DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

GERENCIAMENTO ESTRATÉGICO DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 1 GERENCIAMENTO ESTRATÉGICO DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO RESUMO DO ARTIGO Este artigo se propõe a apresentar uma panorâmica do uso da Segurança da Informação e sua importância como diferencial competitivo

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

A mudança na aquisição de soluções de tecnologia da informação. O que significa para a TI e a linha de negócios (LOB)

A mudança na aquisição de soluções de tecnologia da informação. O que significa para a TI e a linha de negócios (LOB) A mudança na aquisição de soluções de tecnologia da informação Maio de 2014 O novo comprador de tecnologia e a mentalidade de aquisição Existe hoje um novo comprador de tecnologia da informação Esse comprador

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Área de conhecimento: Gestão e Negócios Componente Curricular: Gestão da Cadeia

Leia mais

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING RENAN ROLIM WALENCZUK Canoas, Agosto de 2014 SUMÁRIO 1 INTODUÇÃO...03 2 ERP (ENTERPRISE

Leia mais

O Processo de Armazenagem Logística: O Trade-off entre Verticalizar ou Terceirizar

O Processo de Armazenagem Logística: O Trade-off entre Verticalizar ou Terceirizar O Processo de Armazenagem Logística: O Trade-off entre Verticalizar ou Terceirizar Prof. Aluisio dos Santos Monteiro Junior, M.Sc. (UVA/ICT) aluisio@fgv.br Zeferino Francisco da Silva Filho (UVA/ICSA)

Leia mais

LINHA DE APRENDIZADO. Departamento de Compras. Modelo de Negócio. Central de Compras. Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar

LINHA DE APRENDIZADO. Departamento de Compras. Modelo de Negócio. Central de Compras. Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar AGOSTO/2015 LINHA DE APRENDIZADO Departamento de Compras Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar Central de Compras Modelo de Negócio Fundada há 120 anos. Atendimento de média e alta

Leia mais

Título da apresentação Curso Gestão de Projetos II (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS

Título da apresentação Curso Gestão de Projetos II (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS Título da apresentação Curso Gestão de Projetos II (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS Prof. Instrutor Elton Siqueira (a) (Arial Moura preto) CURSO DE GESTÃO DE PROJETOS

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Plano Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico Nível

Leia mais

Sistemas de Produção. Administração de Compras. José Roberto de Barros Filho

Sistemas de Produção. Administração de Compras. José Roberto de Barros Filho Sistemas de Produção Administração de Compras José Roberto de Barros Filho Compras e o Planejamento e Controle da Produção Planejamento da Produção nos 3 níveis Planejamento Estratégico da Produção Departamento

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2010. Ensino Técnico. Qualificação: TÉCNICO EM LOGÍSTICA

Plano de Trabalho Docente 2010. Ensino Técnico. Qualificação: TÉCNICO EM LOGÍSTICA Plano de Trabalho Docente 2010 Ensino Técnico ETEC. RODRIGUES DE ABREU Código: 135 Município: BAURU/SP Área Profissional: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICO EM LOGÍSTICA Qualificação:

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

Project Management 2/3/2010. Objetivos. Gerencia de Projetos de SW

Project Management 2/3/2010. Objetivos. Gerencia de Projetos de SW Project Management Objetivos Explicar as principais tarefas de um Gerente de Projeto Introdução à gerência de um projeto de desenvolvimento de software e suas características Planejamento de projeto e

Leia mais

SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português

SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português 1 de 7 28/10/2012 16:47 SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português RESULTADO DO SIMULADO Total de questões: 40 Pontos: 0 Score: 0 % Tempo restante: 55:07 min Resultado: Você precisa

Leia mais

ESTOCAGEM. Processos e Serviços em Transporte. Curso Técnico em Logística Módulo II. Prof. Esp. Luís Teodoro Peixoto

ESTOCAGEM. Processos e Serviços em Transporte. Curso Técnico em Logística Módulo II. Prof. Esp. Luís Teodoro Peixoto ESTOCAGEM Processos e Serviços em Transporte Curso Técnico em Logística Módulo II Prof. Esp. Luís Teodoro Peixoto CONTEÚDO Vantagens de constituir estoques; Custos de Estoques: fixos e variáveis; Classificação

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO PAS 99:2006. Especificação de requisitos comuns de sistemas de gestão como estrutura para a integração

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO PAS 99:2006. Especificação de requisitos comuns de sistemas de gestão como estrutura para a integração Coleção Risk Tecnologia SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO PAS 99:2006 Especificação de requisitos comuns de sistemas de gestão como estrutura para a integração RESUMO/VISÃO GERAL (visando à fusão ISO 31000

Leia mais

Gestão Moderna de Compras

Gestão Moderna de Compras Gestão Moderna de Compras Flavio Taioli Joinville SC Março de 2014 3026 4950 sustentare Breve recapitulação das atividades de Compras transacional: emissão da ordem de compra, acompanhamento da entrega

Leia mais

Apresentação Comercial

Apresentação Comercial Apresentação Comercial Quem Somos O HANT é uma vertical da empresa NDDigital, com foco em desenvolver soluções através de software e serviços direcionados a atender a cadeia de compra das empresas, desde

Leia mais

Meios de pagamento aceitos pelas micro e pequenas empresas brasileiras Agosto/15

Meios de pagamento aceitos pelas micro e pequenas empresas brasileiras Agosto/15 Meios de pagamento aceitos pelas micro e pequenas empresas brasileiras Agosto/15 Conceder desconto no pagamento à vista é estratégia adotada por grande parte dos empresários. Cartões ganham cada vez mais

Leia mais

Gestão em Nó de Rede Logística

Gestão em Nó de Rede Logística Gestão em Nó de Rede Logística Armando Oscar Cavanha Filho Com o crescimento das atividades de uma empresa e a sua multiplicação horizontal, ou seja, a repetição de processos semelhantes em diversos pontos

Leia mais

MBA EM LOGÍSTICA E SUPLLY CHAIN MANAGEMENT

MBA EM LOGÍSTICA E SUPLLY CHAIN MANAGEMENT PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA EM LOGÍSTICA E SUPLLY CHAIN MANAGEMENT SIGA: TMBALSC*11/01 Av. Conselheiro Nébias, 159 Bairro Paquetá Santos SP - CEP 11015-001 - Fone: (13) 3228 6000 Rua

Leia mais

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751 Objetivos Nosso Objetivo é Colocar a disposição das empresas, toda nossa Experiência Profissional e metodologia moderna, dinâmica e participativa, para detectar as causas sintomáticas e seus efeitos. Realizar

Leia mais

Como Investir em Ações Eduardo Alves da Costa

Como Investir em Ações Eduardo Alves da Costa Como Investir em Ações Eduardo Alves da Costa Novatec CAPÍTULO 1 Afinal, o que são ações? Este capítulo apresenta alguns conceitos fundamentais para as primeiras de muitas decisões requeridas de um investidor,

Leia mais

Introdução as Opções Reais

Introdução as Opções Reais Introdução as Opções Reais Capitulo 1 - Uma nova visão de investimento A economia define investimento como ato de incorrer em custo imediato na expectativa de recompensas futuras. Firmas que constroem

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE NÍVEL EMPRESARIAL. Administração Estratégica Conceitos. Autores Peter Wright Mark J. Kroll John Parnell

ESTRATÉGIAS DE NÍVEL EMPRESARIAL. Administração Estratégica Conceitos. Autores Peter Wright Mark J. Kroll John Parnell Administração Estratégica Conceitos Autores Peter Wright Mark J. Kroll John Parnell Alternativas Estratégicas É a estratégia que a alta administração formula para toda a empresa. Reestruturação Empresarial

Leia mais

Educação Financeira. Crédito Consignado. Módulo 3: Gerenciamento de dívidas

Educação Financeira. Crédito Consignado. Módulo 3: Gerenciamento de dívidas Educação Financeira Crédito Consignado Módulo 3: Gerenciamento de dívidas Objetivo Auxiliar no gerenciamento de dívidas e de como quitá-las, conscientizando as pessoas da importância em diminui-las e de

Leia mais

Análise das Necessidades do Cliente da SKF. Energia e Sustentabilidade

Análise das Necessidades do Cliente da SKF. Energia e Sustentabilidade Análise das Necessidades do Cliente da SKF Energia e Sustentabilidade Análise das Necessidades do Cliente da SKF Energia e Sustentabilidade A indústria responde por um terço de todo o consumo de energia.

Leia mais

Modulo 01 Exercícios Gestão de Materiais

Modulo 01 Exercícios Gestão de Materiais QUESTÕES DE CONCURSOS Acerca de planejamento e controle da produção, e gestão da cadeia de suprimentos, julgue os seguintes itens. 01. A importância do planejamento da produção decorre principalmente da

Leia mais

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS.

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. A computação em nuvem é uma mudança de paradigma no gerenciamento de TI e de datacenters, além de representar a capacidade da TI

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

Engenharia de Usabilidade

Engenharia de Usabilidade Comércio Eletrônico Professor: Anderson D. Moura Novembro, 2008 1 Você já encontrou alguém que vai ser usuário de seu projeto atual? Você já falou com ele? Visitou o seu ambiente de trabalho e observou

Leia mais

Comércio Eletrônico FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE

Comércio Eletrônico FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE Comércio Eletrônico FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE Definição Toda atividade de compra e venda realizada com recursos eletrônicos; Uso de mecanismos eletrônicos para a

Leia mais

PROCESSOS DA ADMINISTRAÇÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

PROCESSOS DA ADMINISTRAÇÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PROCESSOS DA ADMINISTRAÇÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS A mentalidade de silos, fenômeno conhecido como políticas departamentais, rivalidade divisional ou guerras internas, devastam as organizações. Esta mentalidade

Leia mais

*Os pontos de vista expressados aqui são meus e não necessariamente representam aqueles do FDIC.

*Os pontos de vista expressados aqui são meus e não necessariamente representam aqueles do FDIC. Orientação Geral para Mandatos de Seguro de Depósito Eficazes Considerações importantes no Projeto de um Mandato Eficaz Disponibilidade de Recursos para um Sistema Eficaz de Seguro de Depósitos: Financiamentos,

Leia mais

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 SUMÁRIO 1 Conceitos Básicos... 3 1.1 O que é Software?... 3 1.2 Situações Críticas no desenvolvimento

Leia mais

Redução de custos com inteligência

Redução de custos com inteligência Redução de custos com inteligência A gestão de custos se tornou uma ferramenta crucial para a sobrevivência de muitas empresas. Mas não basta reduzir custos. É preciso administrá-los de modo a reforçar

Leia mais

Informações para Parceiros de Negócios Cumprimento das leis, regulamentos e convenções. Transparência nos negócios. www.siemens.

Informações para Parceiros de Negócios Cumprimento das leis, regulamentos e convenções. Transparência nos negócios. www.siemens. Informações para Parceiros de Negócios Cumprimento das leis, regulamentos e convenções. Transparência nos negócios www.siemens.com/compliance "A cultura de uma empresa e seus valores fazem a diferença.

Leia mais

PORQUE E COMO ABRIR O CAPITAL DE UMA EMPRESA

PORQUE E COMO ABRIR O CAPITAL DE UMA EMPRESA PORQUE E COMO ABRIR O CAPITAL DE UMA EMPRESA! Os custos! As vantagens! Os obstáculos! Os procedimentos Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante & Associados, empresa

Leia mais

MBA Executivo em Logística e Supply Chain Management

MBA Executivo em Logística e Supply Chain Management ISCTE BUSINESS SCHOOL INDEG_GRADUATE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA Executivo em Logística e Supply Chain Management www.strong.com.br/alphaville - www.strong.com.br/osasco - PABX:

Leia mais

IBM WebSphere Product Center

IBM WebSphere Product Center Soluções de gerenciamento de informação de produto para dar suporte aos seus objetivos de negócios IBM WebSphere Product Center Oferece uma solução abrangente de gerenciamento de informação de produto

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

CPP CERTIFIED PURCHASING PROFESSIONAL PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DO PROFISSIONAL DE COMPRAS

CPP CERTIFIED PURCHASING PROFESSIONAL PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DO PROFISSIONAL DE COMPRAS CPP CERTIFIED PURCHASING PROFESSIONAL PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DO PROFISSIONAL DE COMPRAS Programa em parceria com: Certificação reconhecida pelo: Introdução O CBEC, sempre com o objetivo de cumprir com

Leia mais

Faz sentido o BNDES financiar investimentos em infraestrutura em outros países?

Faz sentido o BNDES financiar investimentos em infraestrutura em outros países? Faz sentido o BNDES financiar investimentos em infraestrutura em outros países? Marcos Mendes 1 O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) tem financiado a construção de infraestrutura

Leia mais

Plano Aula 10 24/10/2011. - Exercício de Desenvolvimento Pessoal - Vantagem Competitiva Liderança em Custos

Plano Aula 10 24/10/2011. - Exercício de Desenvolvimento Pessoal - Vantagem Competitiva Liderança em Custos Plano Aula 10 24/10/2011 - Exercício de Desenvolvimento Pessoal - Vantagem Competitiva Liderança em Custos 1 Exercício de Desenvolvimento Pessoal O objetivo deste exercício é praticar os conceitos de Controle

Leia mais

Gestão de Fornecedores

Gestão de Fornecedores Treinamento Presencial: Gestão de Fornecedores Data: 20 de Maio de 2015 Carga horária: 8 horas Local: São Paulo/ SP Procurement Business School Quem somos: Procurement Business School é a mais completa

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1

Introdução e Planejamento Cap. 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br L

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Dica de Trading - Verifique se o seu computador está a funcionar corretamente.

Dica de Trading - Verifique se o seu computador está a funcionar corretamente. Seja bem-vindo as Opções Binárias. Este E-book irá mostrar a você uma pequena visão sobre tudo o que precisa saber sobre os conceitos básicos das opções binárias. O que são Opções Binárias? Uma forma relativamente

Leia mais

MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL. com ênfase em LOGÍSTICA EMPRESARIAL

MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL. com ênfase em LOGÍSTICA EMPRESARIAL PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL com ênfase em LOGÍSTICA EMPRESARIAL SIGA: TMBAGE Av. Conselheiro Nébias, 159 Bairro Paquetá Santos SP - CEP 11015-001 - Fone: (13) 3228

Leia mais

Construa seu ambiente escalável de armazenamento sobre uma base dinâmica da família IBM Storwize

Construa seu ambiente escalável de armazenamento sobre uma base dinâmica da família IBM Storwize IBM Systems and Technology Junho de 2013 Construa seu ambiente escalável de armazenamento sobre uma base dinâmica da família IBM Storwize A família IBM Storwize auxilia na entrega do que você precisa de

Leia mais

O código de ética da Telefônica_

O código de ética da Telefônica_ O código de ética da Telefônica_ Nossos Princípios de Atuação O cumprimento de nossos Princípios de Atuação nos ajuda a tomar decisões e a atuar com integridade e profissionalismo. Carta do Presidente

Leia mais

MODELOS DE NÍVEL DE SERVIÇO E OTIMIZAÇÃO DOS ESTOQUES NA CADEIA DE SUPRIMENTOS

MODELOS DE NÍVEL DE SERVIÇO E OTIMIZAÇÃO DOS ESTOQUES NA CADEIA DE SUPRIMENTOS MODELOS DE NÍVEL DE SERVIÇO E OTIMIZAÇÃO DOS ESTOQUES NA CADEIA DE SUPRIMENTOS 10/07/2006/em Artigos /por Peter Wanke É universalmente reconhecida a grande importância do conceito nível de serviço no desenho

Leia mais

ENCONTRO 1 Logística e Transporte

ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! Você está iniciando o primeiro encontro do curso Logística Internacional. Neste encontro,

Leia mais

Documentação do produto SAP Business ByDesign, agosto 2015. Sourcing

Documentação do produto SAP Business ByDesign, agosto 2015. Sourcing Documentação do produto PUBLIC Sourcing Índice 1 Sourcing.... 5 2 Fundamentos... 7 2.1 Gerenciamento do relacionamento com fornecedores... 7 2.2 Automação do gerenciamento do relacionamento com fornecedores...

Leia mais

SEJAM BEM VINDOS!!!! 1

SEJAM BEM VINDOS!!!! 1 SEJAM BEM VINDOS!!!! 1 SEJAM BEM VINDOS AO QUARTO SEMESTRE!!! 2 Regras de ouro: Desligue o celular; Evitem ausentar-se da sala Evitem conversas paralelas (sem propósito com o assunto da aula); Dediquem-se

Leia mais

Inventário Geral versus Inventário Cíclico

Inventário Geral versus Inventário Cíclico Inventário Geral versus Inventário Cíclico Qual a melhor opção para combater divergências de inventário e melhorar os indicadores de estoque e de atendimento ao cliente. Iuri Destro Coordenador de produtos

Leia mais

Questões Verdadeiro/Falso

Questões Verdadeiro/Falso Bertolo Exercícios Complementares Capítulo 01 1 Questões Verdadeiro/Falso 1. A responsabilidade de um proprietário único está limitada à quantia do seu investimento na empresa. Resposta: Dificuldade:Fácil

Leia mais

PANORAMA DA GESTÃO DE COMPRAS E SUPRIMENTOS NAS EMPRESAS INDUSTRIAIS BRASILEIRAS

PANORAMA DA GESTÃO DE COMPRAS E SUPRIMENTOS NAS EMPRESAS INDUSTRIAIS BRASILEIRAS PANORAMA DA GESTÃO DE COMPRAS E SUPRIMENTOS NAS EMPRESAS INDUSTRIAIS BRASILEIRAS A década de 90 experimentou o emergir da importância do conceito de Supply Chain Management (SCM) ou Gerenciamento da Cadeia

Leia mais

Autor(es) FELIPE DE CAMPOS MARTINS. Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON. Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ. 1. Introdução

Autor(es) FELIPE DE CAMPOS MARTINS. Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON. Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ. 1. Introdução 19 Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: APRIMORAMENTO DA METODOLOGIA DE DIAGNOSTICO E PROPOSIÇÃO DE UM MÉTODO PARA IMPLANTAÇÃO BASEADO EM PROCESSOS DE NEGÓCIO Autor(es) FELIPE

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

PROPOSTA DE PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROPOSTA DE PROGRAMA DE DISCIPLINA MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES (MRE) INSTITUTO RIO BRANCO (IRBr) PROPOSTA DE PROGRAMA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: Economia Aplicada à Tomada de Decisão e à Estratégia de Negociação PROFESSOR: Flávio

Leia mais

INTRODUÇÃO 3 MERCADO DE CAPITAIS 3 MERCADO DE BALCÃO 5 INTERMEDIÁRIOS 6 TÍTULOS NEGOCIADOS 7 MODALIDADES DE OPERAÇÕES E TIPOS DE ORDEM 9

INTRODUÇÃO 3 MERCADO DE CAPITAIS 3 MERCADO DE BALCÃO 5 INTERMEDIÁRIOS 6 TÍTULOS NEGOCIADOS 7 MODALIDADES DE OPERAÇÕES E TIPOS DE ORDEM 9 1 2 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 MERCADO DE CAPITAIS 3 MERCADO DE BALCÃO 5 INTERMEDIÁRIOS 6 TÍTULOS NEGOCIADOS 7 MODALIDADES DE OPERAÇÕES E TIPOS DE ORDEM 9 SISTEMAS DE NEGOCIAÇÃO 9 INFORMAÇÕES DIVULGADAS 10 CUSTÓDIA

Leia mais