Para promover a troca de experiências e a discussão de

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Para promover a troca de experiências e a discussão de"

Transcrição

1

2 03 Histórico 03 Panorama Cartas 04 Palavra de Presidente 06 Conferências 10 Minicursos 12 Mesas-redondas 14 Comentários 16 Psicoterapia 18 Ensino 19 Citações 20 Talentos além da Psiclogia 22 Bastidores 23 Avaliação Agradeço o convite para participar da abertura do Encontro Paranaense de Psicologia. Infelizmente não poderei estar presente, pois estou morando em Campo Grande MS. Porém podem ter certeza que estarei aí, ainda que só em pensamento, pois são muito fortes as lembranças daquela primeira vez, onde, graças ao seu dinamismo, conseguimos realizar o que viria a ser o I Encontro Paranaense de Psicologia. Fico muito feliz de ter participado e esta felicidade é então reforçada com o XIII EPP, sinal que quem participou do primeiro, já faz parte da história. Desejo muito sucesso em mais esse evento e que ele continue perpetuando a história da Psicologia no Paraná. do psicólogo Eduino Sbardelini Filho (CRP-08/01418), que foi o Presidente do I Encontro Paranaense de Psicologia, em 1987, enviado ao Presidente do CRP-08, João Baptista Fortes de Oliveira (CRP-08/00173), no dia 09 de junho de g suplemento da Edição 64 da Revista Contato O pretende proporcionar um panorama geral das atividades desenvolvidas no XIII Encontro Paranaense de Psicologia que aconteceu de 10 a 13 de junho, no Hotel Pestana, em Curitiba. Nessa publicação, você, leitor, vai ter uma ideia de algumas discussões que aconteceram no XIII EPP, um evento que teve programação intensa, temáticas abrangentes e proporcionou troca de experiências entre os psicólogos. Esse suplemento é um breve registro do encontro que é considerado o maior evento técnico do CRP-08, em Aqui há um pouco de tudo o que aconteceu no XIII EPP, e como é um registro, há um pouco, não tudo! g Expediente: Editorial Boa leitura! Esse suplemento é uma publicação especial do CRP-08 sobre a cobertura do XIII Encontro Paranaense de Psicologia, que aconteceu de 10 a 13 de junho em Curitiba. Conselho Regional de Psicologia 8ª Região Avenida São José, CEP Cristo Rei Curitiba - Paraná - Fone: (41) Site: Tiragem: Impressão: Maxigráfica e Editora Ltda. Jornalista Responsável: Licemar Vieira Melo (9635/SRTE-RS) Colaboradora: Viviane Martins de Souza Comissão de Comunicação do CRP-08: Maria Elizabeth Nickel Haro, Mariana Patitucci Bacellar, Maria Fernanda Mendes Petry e Mildred Marcon. Projeto Gráfico: RDO Brasil (41) Designer Responsável: Leandro Roth Diagramação: Eduardo Rozende Fotos: Rhema - Foto e Vídeo - (41) Histórico Os Encontros Paranaenses de Psicologia iniciaram em agosto de 1987, numa iniciativa do CRP-08, servindo como um importante instrumento de crescimento da Psicologia no Paraná. Esses encontros vêm sendo realizados periodicamente e fazem parte da história da Psicologia. O I e o II EPP (1987 e 1988) foram realizados em Foz do Iguaçu; o III EPP em Curitiba (1989); o IV em Londrina Para promover a troca de experiências e a discussão de diversos temas da área da Psicologia, o XIII Encontro Paranaense de Psicologia contou com programação intensa. No evento, através de conferências, mesas-redondas, minicursos e oficina, foram discutidos os seguintes temas: Avanços tecnológicos: repercussões e a ética no trabalho do Psicólogo Transplante: de quem é o corpo? Desenvolvimento de Pessoas Habilidades Intelectuais e Aprendizagem A conquista da Atenção à Saúde Mental na Perspectiva Antimanicomial Desafios à Psicologia na Área do Trânsito Crise e Engajamento nas Organizações Avaliação Neuropsicológica em Psiquiatria Direitos Humanos O Assédio Moral Avaliação Neuropsicológica Direitos Humanos e Cidadania Convênios e Psicologia Clínica O modelo avançado das Constelações na Hellinger Sciencia e as Terapias Sistêmicas O Psicólogo e suas Condições de Trabalho Corpo, rascunho retificado pela ciência Violência Avaliação Psicológica no Mundo Contemporâneo: questões éticas e técnicas Inclusão Psicoterapias Políticas Públicas em Saúde Mental Drogas A Avaliação Psicológica Psicologia Jurídica: diferentes perspectivas Desafios ao Psicólogo na Justiça Políticas Públicas - SUS Os Critérios Diagnósticos Atuais e a Psicanálise História da Criança Psicologia Hospitalar Oficina da Memória O Papel da Psicologia no (1990); o V em Maringá (1991); o VI em Curitiba (1992); o VII em Foz do Iguaçu (1994); o VIII em Paranaguá (1995); o IX em Foz do Iguaçu (1997). A X edição do evento aconteceu em Curitiba (2002), seguido pelo XI, em Londrina (2004) e o XII, em Maringá (2006). Este ano o X Plenário do CRP-08 preparou a realização do XIII EPP, em Curitiba. g Desenvolvimento Sustentável Novos Nomes, Velhas Doenças Stress em Relação ao Trabalho Produção de Conhecimento na Psicologia Paradigmas da Psicopatologia Novas Configurações Familiares Coaching Executivo e Empresarial Políticas Públicas SUAS Pesquisa Qualitativa Perícia Intersubjetividade na Saúde Pública Psicologia do Esporte. No XIII EPP aconteceram: nove conferências, 23 mesas-redondas, 10 minicursos, uma oficina, o Seminário Regional de Psicoterapia, o Fórum de Coordenadores do Curso de Psicologia, o Encontro de Professores de Ética e Deontologia. No evento foram apresentados 75 temas livres, sendo 48 exposições orais e 27 pôsteres. Além das discussões técnicas, o XIII EPP contou com uma programação cultural, no espaço denominado Talentos além da Psicologia, que abrangeu: a apresentação da peça teatral Psicólogo da Silva, exposição de telas, esculturas e varal de poesias. No evento também houve lançamento de livros. Números Panorama O XIII EPP contou com 252 participantes, destes, 155 eram psicólogos e 96 eram estudantes. Entre conferencistas, participantes de mesas-redondas e ministrantes de minicursos, o evento contou com 112 convidados 92 do Paraná e 20 de outros Estados. g 03

3 Palavra de Presidente Presidentes falam sobre a importância do EPP para a categoria oram registradas as opiniões de quatro presidentes que estiveram no XIII Encontro Paranaense de Psicologia: a Pre- F sidenta do XIII EPP, Maria Joana Mäder-Joaquim; o Presidente do CRP-08, João Baptista Fortes de Oliveira; o presidente do Conselho Federal de Psicologia, Humberto Verona; e do Presidente do CRP-04 (Minas Gerais), Rogério de Oliveira Silva. Eles falaram sobre a importância do evento para a categoria. Maria Joana Mäder-Joaquim O evento foi muito bem recebido pelos psicólogos, ocorreram algumas discussões importantes sobre aspectos técnicos da Psicologia e do papel do psicólogo em vários contextos de trabalho, enfatizou a Presidenta do XIII EPP, Maria Joana Mäder Joaquim. Ela também afirmou que o evento superou as expectativas em termos de: qualidade dos temas e do nível das discussões em mesas. Os profissionais que contribuíram, nossos palestrantes, fizeram apresentações excelentes. Com isso, o nosso objetivo de trazer profissionais de diversas áreas para encontrarem-se e trocarem experiências foi atingido. Para a presidenta do XIII EPP, Maria Joana Mäder-Joaquim: o objetivo de trazer profissionais de diversas áreas para encontrarem-se e trocarem experiências foi atingido. A Presidenta do XIII EPP concluiu afirmando que, a partir do encontro, os psicólogos podem levar novas ideias, questões sobre sua prática e novos contatos. João Baptista Fortes de Oliveira O XIII EPP foi bem produtivo, ele teve uma boa qualidade técnica, avaliou o presidente do CRP-08 João Baptista Fortes de Oliveira. O Presidente do CRP-08, João Baptista Fortes de Oliveira, avaliou que o evento foi bem produtivo, teve uma boa qualidade técnica, tanto dos palestrantes que compuseram as mesas-redondas, quanto de todas as pessoas que foram e deram uma contribuição técnica, de muita qualidade, com muita objetividade. Ele também era o Presidente do CRP-08, quando aconteceu o I Encontro Paranaense de Psicologia, em Comparando a trajetória dos Encontros, ele avaliou: a diferença entre o I e XIII Encontro é muito grande. No I encontro, nós trabalhamos, basicamente, as áreas de clínica, escolar e trabalho, com algumas abordagens na área clínica, trabalhando linhas de terapias, como Psicodrama, Psicanálise, Gestáltica. Na área organizacional e escolar algumas abordagens determinadas, que era o que a gente trabalhava na área de Psicologia em 87. Hoje a amplitude que vem tendo a Psicologia, e as questões sociais que vêm ancoradas em nosso trabalho, dão outra dimensão para a área e, consequentemente, para o próprio Encontro Paranaense. Humberto Verona O encontro trouxe um sentido democrático, como espaço para apresentação e discussão de várias ideias, declarou o presidente do CFP, Humberto Verona. O Presidente do CFP, Humberto Verona, comentou que a história do EPP mostra uma iniciativa que vem dando certo, pois reúne a categoria e tem muitos temas importantes que fazem parte da pauta da Psicologia. Essa iniciativa tem que ser elogiada e parabenizada, pois mantêm uma tradição da Psicologia. Humberto Verona também disse que: esse é um espaço rico que contempla toda a diversidade da Psicologia. A organização teve o cuidado de colocar temas importantes e relevantes da Psicologia Brasileira. Segundo Verona, o XIII EPP foi uma oportunidade para as pessoas atualizarem seus conhecimentos, proporcionado pela troca de linhas de raciocínio e ideias. Realmente é um encontro que está trazendo muitas contribuições para a Psicologia de uma forma geral. O Presidente do CFP afirmou que o encontro trouxe um sentido democrático, como espaço para apresentação e discussão de várias ideias. Não é uma única linha de pensamento, ciência ou raciocínio. Este evento está possibilitando posições diferentes sobre um assunto. Rogério Oliveira Silva Para o Presidente do CRP-04, Rogério Oliveira Silva, a importância de eventos como o XIII EPP se dá no momento em que ele supre três funções: mobilizar a categoria, esclarecer as diretrizes e objetivos pautados politicamente para a nossa profissão e estabelecer metas para a solução de problemas elencados. Para o presidente do CRP-04, Rogério Oliveira Silva, o XIII EPP foi importante por mobilizar a categoria, esclarecer as diretrizes e objetivos pautados politicamente para a nossa profissão e estabelecer metas para a solução de problemas elencados. O Presidente do CRP-04 também considera que é fundamental a aproximação das representações políticas com a sua base de representação. Este modelo de se fazer política, a democracia participativa, traz mais legitimidade para as ações necessárias. Silva concluiu dizendo que torna-se fundamental a apreciação de novos temas, bem como se colocar pontos problemáticos em discussão e debate para efetivarmos uma construção coletiva da profissão. g 04 05

4 Conferência Conferências no XIII EPP Nessa editoria você encontra uma síntese de todas as conferências que aconteceram no XIII EPP. Avanços tecnológicos: Repercussões e a Ética no Trabalho do Psicólogo Bellkiss Romano fez a conferência de abertura do XIII EPP. A Conferência de abertura do XIII Encontro Paranaense de Psicologia EPP foi com a psicóloga Bellkiss Romano, de São Paulo, que falou sobre os Avanços Tecnológicos: Repercussões e a Ética no Trabalho do Psicólogo. Crise e Engajamento nas Organizações O psicólogo Dante Ricardo Quadros foi o conferencista que abordou o tema Crise e Engajamento nas Organizações. Como psicólogo organizacional, Quadros mantém o seu foco de atuação voltado para a organização e, portanto, trabalha com processos de gestão. Ele enfatiza que, em termos de gestão, é preciso ter um panorama, para perceber como as pessoas estão reagindo a essa instabilidade gerada pela crise. O conferencista, que é do Paraná, defendeu que: o psicólogo pode intervir no sentido de ajudar a organização a dar resposta a essa crise econômica e financeira mundial, através de mecanismos de engajamento. Entre os mecanismos que podem auxiliar no engajamento das pessoas, nas organizações, Quadros citou o endobranding, explicando que se refere a postura empresarial de passar para os colaboradores a visão, finalidade e missão da organização. É essa ferramenta que ajuda o funcionário a entender a empresa onde ele trabalha ; e o diálogo, A conferencista destacou que, no passado, a Psicologia Hospitalar era aplicada no mesmo modelo clínico e se vinculava muito mais à Psiquiatria. Havia um afastamento da equipe multiprofissional. Esse paradigma, num momento histórico, teve que ser quebrado. Hoje já há o entendimento de que o psicólogo faz parte da equipe multiprofissional, ele atende o paciente e a família, e todos da equipe passam a olhar para o mesmo objeto, os pacientes que estão dentro do hospital, afirmou ela. A psicóloga enfatizou que é preciso entender como funciona o processo do adoecimento para entender o paciente. No novo modelo o hospital assiste o paciente, forma RH e estimula pesquisas nas diferentes áreas. Bellkiss afirmou que a tecnologia, na área da saúde, implica em questões éticas, e cabe à Psicologia acompanhar tudo isso. Como exemplo de desafios para a Psicologia, na atualidade, a conferencista citou as questões ligadas a: transplante entre doadores vivos, crianças anencefálicas, clonagem, questões sobre vida e morte, procedimentos de fertilização humana (o embrião é uma pessoa ou não?) e eugenia. que pressupõe o falar e o ouvir para viabilizar uma terceira alternativa criada a partir desse diálogo entre gestores e colaboradores. Dante Ricardo Quadros defendeu que, conforme pesquisas: pessoa engajada na organização é mais feliz, mais saudável e os resultados são melhores. O psicólogo organizacional Dante Ricardo Quadros falou sobre a crise e engajamento nas organizações. Direitos Humanos O Dr. em Psicologia Social Leoncio Camino falou sobre Direitos Humanos no XIII EPP. O Dr. em Psicologia Social e professor da Universidade Federal da Paraíba, Leoncio Camino, proferiu a conferência sobre Direitos Humanos. Atuação do Neuropsicólogo em vários contextos O tema Atuação do Neuropsicólogo em vários contextos foi abordado pela psicóloga Maria Joana Mäder-Joaquim. Desafios ao Psicólogo na Justiça A coordenadora geral do Programa de Fomento às Penas e Medidas Alternativas, do Ministério da Justiça, psicóloga Márcia Alencar de Araújo Matos, falou sobre os Desafios ao Psicólogo na Justiça. Durante a conferência, Márcia enfatizou que existem três desafios que precisam ser superados pelos psicólogos que realizam Camino falou sobre a ambiguidade do papel da Psicologia, quando se trata de Direitos Humanos, e afirmou que a Psicologia, como instituição, teve muitas vezes um papel destacável na luta pelos Direitos Humanos, outras vezes nem tanto. Então esse é um papel ambíguo, a história é ambígua, às vezes liberta, às vezes usa mecanismos de controle. A mesma Psicologia que liberta, também usa mecanismos de controle. O conferencista disse que é preciso ter clareza de que ponto estamos falando e com que objetivos. Porque, de fato, caso se queira fazer debate, tem que se pensar no debate, porque nós psicólogos que fazemos as práticas e os conhecimentos teóricos, pesquisadores, etc...estamos inseridos num campo de luta. E a Ciência não é neutra!. Camino enfatizou o fato de que a Psicologia tem várias brigas internas. É bom que cada psicólogo saiba onde está e o que está fazendo. Ele pode estar colaborando com concepções que não sejam tão libertárias. A psicóloga Maria Joana-Mäder Joaquim apresentou a conferência Atuação do Neuropsicólogo em vários contextos. Com experiência na área de Psicologia e Neuropsicologia, Maria Joana atua, principalmente, nos seguintes campos: epilepsia, memória, função cognitiva e demências. A psicóloga, do Paraná, ressaltou tanto a prática clínica como a pesquisa em neuropsicologia, abordando áreas de atuação em neuropsicologia que incluem demências, trauma crânio encefálico, acidente vascular cerebral, doenças degenerativas, epilepsias. Maria Joana destacou que a neuropsicologia é um campo vasto ainda em desenvolvimento e muito vinculado as equipes multiprofissionais, principalmente neurologistas, psiquiatras e geriatras. trabalho no ambiente jurídico. Eles se referem à: comunicação, compreensão e explicação, explanou a psicóloga. Sobre a comunicação, a conferencista defendeu que: o profissional de Psicologia tem que se comunicar a partir da lógica jurídica e, para que isso aconteça, ele deve ter conhecimentos básicos da área do Direito, embora a intervenção dele deva acontecer numa perspectiva psicológica. Referindo-se à compreensão, Márcia Alencar ponderou que: a Psicologia Jurídica tem que atuar dentro de uma perspectiva 06 07

5 compreensiva sintética, e não numa perspectiva compreensiva analítica. Nesse sentido, os pareceres psicológicos nos processos têm que ser repensados e resignificados, para que possam, dentro da linha da intervenção no ambiente jurídico, guardar conceitos e princípios, que são importantes para a Psicologia. Esse é um cuidado que se tem que ter, porque, muitas vezes os pareceres se tornam uma verdadeira sentença criminal. A coordenadora geral do Programa de Fomento às Penas e Medidas Alternativas, do Ministério da Justiça, psicóloga Márcia Alencar de Araújo Matos, realizou a conferência Desafios ao Psicólogo na Justiça. E, sobre a explicação, Márcia Alencar afirmou que: para o sujeito, autor da violência, é necessário que a resposta apresentada tenha um caráter, pela natureza objetiva do contexto jurídico, que permita, na perspectiva do sujeito, autor da violência, que ele encontre sentido explicativo da sua atitude, para que o psicólogo possa desconstruir, com ele, a possibilidade de repetição daquele ato, e, principalmente, construir nele o sentido de responsabilização do comportamento dele em relação a outrem. Produção de Conhecimento na Psicologia A conferência Produção de conhecimento na Psicologia foi com o psicólogo cubano Fernando Gonzalez Rey. O conferencista falou sobre a forma em que a Psicologia tem produzido conhecimento. O psicólogo fez uma crítica da teoria na Psicologia, dizendo que a Psicologia tem tido uma orientação empírica, na pesquisa, e tem deixado a teoria para modelos teóricos, ao longo do tempo. Fernando Gonzalez Rey fez uma análise epistemológica das novas necessidades que se apresentam para o desenvolvimento do conhecimento psicológico, e falou sobre a epistemologia qualitativa, tema este que ele vem desenvolvendo. O conferencista abriu espaço para uma discussão teórica com o público sobre temas como: a subjetividade e a epistemologia qualitativa na Psicologia. Paradigmas da Psicopatologia O tema Paradigmas da Psicopatologia foi abordado pelo Doutor em Educação e Desenvolvimento Humano e Mestre em Psicologia Clínica, Alfredo Jerusalinsky, do Rio Grande do Sul. O conferencista destacou que a psicopatologia tem uma história milenar, já que há registro dela no mundo ocidental desde a antiguidade. Segundo Jerusalinsky, o modo como se define o que é normal e o que é patológico, em termos de pensamento, paixão e comportamento, tem mudado ao longo da história de acordo com a ética prevalente e com um capítulo especialmente dessa ética, que se chama moral. Quando falamos de ética temos que falar da moral, da verdade e responsabilidade do sujeito sobre o outro. O tema Paradigmas da Psicopatologia foi abordado por Alfredo Jerusalinsky. O conferencista considerou que: o modo de definir esses três aspectos tem uma influência decisiva do que é considerado normal e do que é considerado patológico, em termos do psiquismo. Fernando Gonzalez Rey falou sobre a Produção de Conhecimento na Psicologia. Novas Configurações Familiares As Novas Configurações Familiares foram abordadas pela psicóloga Zélia do Nascimento. A psicóloga Zélia do Nascimento, de Minas Gerais, esteve no XIII Encontro Paranaense de Psicologia para falar sobre as Novas Configurações Familiares. A conferencista enfatizou que há uma dificuldade de se falar de família, uma vez que a gente está imerso nesse contexto, então temos que fazer um esforço, em vários sentidos; primeiro desse afastamento crítico e depois de aproximação para localizar as particularidades. Psicoterapia Nélio Pereira da Silva: é importante que o psicoterapeuta faça a sua Psicoterapia. A Psicoterapia foi tema de conferência no XIII EPP. O assunto foi abordado pelo psicólogo Nélio Pereira da Silva, do Paraná. Com 36 anos de experiência na área, o conferencista defendeu que: só a escolha não define o psicoterapeuta, Outra discussão promovida durante a conferência, foi sobre a transição entre a família tradicional aristocrática e a família evolutiva. Sobre os desafios para a Psicologia de trabalhar com as novas configurações familiares, Zélia destacou que existe uma duplicidade a ser considerada. Eu vejo o ser humano como um ser bipolar: ele é social nas suas relações externas, e é individuado. E aí há um cabo de tensão, que, necessariamente não precisa ser de guerra, em atender as expectativas sociais antigas e atuais, e, ao mesmo tempo, a individualidade, a individuação de cada um, de acordo com a sua história, com a sua compreensão. E esse imaginário, que é tão antigo, numa luta contra a evolução que vai se dando. O desafio do Psicólogo, do terapeuta, é ser um facilitador nesse processo de ponte, de transição, de trazer esse imaginário para dentro do real, porque o real acolhe o imaginário, acolhe a tradição. Evoluir é preservar o que ainda é vitalizado e descartar o que já está em decadência e essa posição, na verdade, é uma coisa complicada porque a demanda, o cliente, põe o terapeuta como um juiz. E, dentro dessa relação, ele tem que entrar como juiz, evidentemente quando ele é chamado como juiz, fazendo papel de mediador, de facilitador de novas relações, explicou a psicóloga. ele tem que ter vocação. E complementou: O terapeuta nasce, o que implica numa transformação pessoal, e muita dedicação. O conferencista acredita que o principal desafio para os psicólogos que trabalham com Psicoterapia é se dar conta de que esse é um papel muito complexo e cheio de armadilhas. Ele justificou afirmando que o terapeuta carrega uma projeção de curador, de salvador, que é jogado sobre ele. Então ele precisa ser crítico. Ele sabe que vai receber essas projeções, mas ele tem que saber que não tem todo esse poder. O psicólogo enfatizou que é importante que o psicoterapeuta faça a sua Psicoterapia, criando essa oportunidade de lidar com as próprias feridas, de se cuidar também. Senão correse o risco de termos dois cegos rumo a um abismo (terapeuta e paciente). O conferencista também defendeu que Psicoterapia não é para todos, nem para tudo. Têm vezes em que a Psicoterapia, inclusive, não é indicada!. g 08 09

6 Minicursos Minicursos: experiências compartilhadas No XIII EPP foram realizados 11 minicursos, entre os dias 12 e 13 de junho. Nessa matéria, estão registradas informações sobre três minicursos que aconteceram no evento: Coaching Executivo e Empresarial, História da Criança e Psicologia Hospitalar. Coaching Executivo e Empresarial Cleila: O cuidado que o psicólogo deve ter, é o de não se encantar com a ideia do coaching. O minicurso Coaching Executivo e Empresarial aconteceu no dia 13 de junho e foi ministrado pela psicóloga Cleila Elvira Lyra, do Paraná. No minicurso Cleila alertou que o psicólogo deve ter o cuidado de não se encantar com a ideia do coaching, imaginando-o apenas como uma abertura de um campo de trabalho, uma oportunidade para atuar nas organizações, onde supostamente as pessoas são bem remuneradas, onde elas têm mais demanda de clientes, onde elas cobram mais pela sua hora de trabalho. Essa é uma escolha que requer uma vocação para ser coach e não para ser terapeuta. Na prática, são duas atividades diferentes e as condições requeridas pelo profissional, seu perfil, são igualmente distintas. Cleila diferenciou o trabalho do coach executivo e empresarial do trabalho do terapeuta ao enfatizar que na Psicoterapia, se a pessoa está querendo trazer uma questão emocional que esteja interferindo em algum setor da sua vida, por exemplo no trabalho, o terapeuta vai acolher sem restrições e ouvir, ouvir, ouvir, oferecer o tempo necessário para que o cliente elabore a questão. Mas no coaching executivo, por ser orientado para as questões de trabalho, como o nome indica, não acontece assim. O coach tem que limitar, endereçar para outro âmbito, porque não é esse o foco, senão, não existiria esse campo. Em outras palavras, para que existiria um campo de Psicoterapia se o coach também fosse acolher uma questão psicológica, que envolve uma ordem afetiva, mais profunda?, comenta. A psicóloga esclareceu que uma sessão de coaching funciona de maneira diferente de uma sessão de Psicoterapia. Geralmente, em uma sessão de Psicoterapia o paciente chega, fala o que quiser e não se estabelece nenhum objetivo para ser buscado naquela sessão, não se combina nada de nada. No coaching a gente combina. Por exemplo, o que você gostaria de trabalhar hoje? Qual é a questão que está lhe preocupando hoje? Como foi a semana que passou? É todo um posicionamento, que permite abordagem, acompanhamento e solução de questões que se encontram em níveis mais conscientes, mas, por outro lado, esse posicionamento limita o aprofundamento para outros níveis da experiência psíquica, intrapsíquica. Nosso objetivo é permitir que sejam trabalhadas questões pontuais levando-se em conta o ambiente organizacional no qual a pessoa está inserida. História da Criança O minicurso História da Criança, ministrado pela psicóloga Esther Arantes, do Rio de Janeiro, que também atua como docente na UERJ e PUCRJ, aconteceu no dia 12 de junho. No evento a psicóloga abordou o tema numa perspectiva histórica, pois, conforme destacou: a questão da criança é situada dentro da formação do estado brasileiro, desde o descobrimento, em 1500, abrangendo, portanto, nessa época do Brasil Colônia, a questão da criança indígena, dos escravos, dos órfãos e dos expostos; passando para a época do Império e na República. Esther disse ser importante a discussão da problemática da criança na época do Brasil Império, pois foi nesse momento histórico, a partir da Lei do Ventre Livre, e, portanto, da Abolição da Escravidão no país, que aconteceram mudanças importantes. Foi daí que resultou no sistema Tutelar do menor no Brasil, um sistema de assistência pensado como auxiliar da Justiça, um sistema como correcional, repressivo. A partir daí é que se consolidou essa diferença entre criança e o menor abandonado. Esther: a questão da criança é situada dentro da formação do estado brasileiro, desde o descobrimento, em A psicóloga disse que, nesse contexto, foram instituídos dois caminhos: um para a criança dita em situação regular, que mora com os pais, que vai para a escola, e outro, a do menor abandonado, que vai ser objeto de uma proteção, mas de uma proteção repressiva, correcional, e que vai ser encaminhado para instituições como internatos e estabelecimentos profissionalizantes. Sobre o contexto contemporâneo, ela destacou, como marco a Constituição Federal de 1988, que no seu artigo 277 coloca a criança como sujeito de direitos e pessoa em desenvolvimento - sujeito à proteção integral. Segundo a psicóloga: a partir daí é um novo paradigma, que coloca alguns desafios na medida em que elege a criança, como sujeito de direito e pessoa em desenvolvimento. Esther explicou que: a criança e o adolescente são sujeitos de direito, mas esses direitos não são absolutos, porque elas são pessoas em desenvolvimento. (...) O fato deles serem sujeitos de direito e pessoas em desenvolvimento estabelece uma tensão, a criança tem direito à liberdade, direito de se expressar, direito de ir e vir, mas ao mesmo tempo é uma pessoa em desenvolvimento. Esta tensão é de extrema complexidade, e coloca como desafio para nós a questão do protagonismo infanto-juvenil. Psicologia Hospitalar O minicurso sobre Psicologia Hospitalar foi ministrado pela Dra. Rachel Jurkiewicz, psicóloga do Paraná, que trabalha no Hospital de Clínicas da UFPR, na área de Cardiologia e Cirurgia Cardíaca e em consultório. Foi destacado que no hospital, o psicólogo é integrante de uma equipe constituída por vários profissionais, sendo o médico o responsável pela internação e o estado clínico do paciente. Os outros profissionais colaboram com o tratamento médico através de avaliações e acompanhamentos específicos de cada área. Rachel apontou para o fato de que apesar do psicólogo ser solicitado pela equipe, quando o paciente encontra-se desanimado, impaciente ou não aceita se submeter aos procedimentos médicos, sua intervenção tem por finalidade a abordagem da subjetividade durante a internação, esta considerada como um momento da história de vida que se vincula com outras vivências. Este tipo de ação justifica a inserção do psicólogo no hospital. Rachel: a intervenção do psicólogo hospitalar tem por finalidade a abordagem da subjetividade. A Psicóloga salientou ainda que a partir da Psicologia Hospitalar, pode-se pensar na importância do psicólogo nas equipes de saúde como responsável por uma rotina de avaliação e acompanhamento sistemático de condições subjetivas que podem favorecer o adoecer. g 10 11

7 Mesa-redonda Políticas Públicas em Saúde Mental tamente relacionada à saúde mental das famílias e/ou cuidadores, e depende de como eles foram preparados para as exigências da vida. O papel da Psicologia no Desenvolvimento Sustentável Abordagens das Mesas-redondas do XIII EPP Integrantes da Mesa-redonda Transplante de quem é o corpo? Durante o XIII EPP foram realizadas 23 mesas-redondas com diversos temas de interesse da categoria. Abaixo há as discussões de três mesas-redondas que aconteceram nos dias 11, 12 e 13 de junho, respectivamente. Transplante: de quem é o corpo? A mesa-redonda: Transplante: de quem é o corpo?, que aconteceu no dia 11 de junho, contou com a participação da assistente social Edi Glaucia Repula, da Central Estadual de Transplante do Paraná, órgão ligado à Secretaria de Saúde do Estado - SESA, que falou sobre a captação de órgãos; do psicólogo Luiz Fernando Stacechen, que falou sobre Famílias Doadoras; e do professor do Departamento de Sociologia da UFPR, José Miguel Rasia, que falou sobre a reconstrução da identidade social dos receptores. A mesaredonda foi coordenada pela psicóloga Claire Terezinha Lazaretti. A assistente social explicou que quando há doação, o receptor é selecionado de acordo com a lista de espera, levando em conta a compatibilidade do órgão. Ela enfatizou que, hoje, a decisão sobre a doação de órgãos é dos familiares da pessoa que morreu. Edi também apresentou alguns dados da Central de Transplantes e informou que, em março de 2009, paranaenses esperavam pela doação de algum órgão. O psicólogo Luiz Fernando Stacechen, que é mestrando em Sociologia, divulgou, na mesa-redonda, uma pesquisa que realizou junto às famílias que doaram órgãos de parentes. Ele explicou que nove famílias foram entrevistadas, no intuito de se perceber quais significados atribuíram com essa doação e os resultados que obtiveram com isso. Na pesquisa, Luiz levantou que muitas famílias (doador e receptor) se conhecem e que há um processo de identificação. Com isso, ele percebe que muitas famílias doadoras encaram que: o doador vive no receptor, conta Luiz. O sociólogo Rasia também realizou pesquisas na área. Ele afirmou o transplante muda um conjunto de relações do sujeito, que era o doente da família e/ou da comunidade. Quando ele receber o órgão, terá que fazer uma reelaboração de sua posição na configuração social. Então há toda uma reconstrução da identidade. Dione Menz fez um panorama sobre a atuação do psicólogo no SUS. A mesa-redonda Políticas Públicas em Saúde Mental, que aconteceu no dia 12 de junho, contou com a participação da psicóloga, enfermeira e professora de Psicologia Comunitária na Faculdade Evangélica, Dione Maria Menz (CRP-08/05491), que falou sobre o Panorama da Atuação do Psicólogo no SUS; da psicóloga e gerente do CAPS infantil de Curitiba, Deisy Maria Rodrigues Joppert, que falou sobre a Avaliação no Contexto do CAP- SI, e da médica e coordenadora do Programa Adolescente Saudável da Secretaria Municipal de Saúde de Curitiba, Júlia Valéria Ferreira Cordelini. A mesa foi coordenada pelo psicólogo Bruno Jardini Mäder (CRP-08/13323), coordenador do Núcleo de Articulações em Políticas Públicas do CRP-08. A psicóloga Dione apresentou o princípio do SUS de integralidade, que, segundo ela, abrange ações de promoção, prevenção, cura e reabilitação. A saúde mental no SUS aborda esses quatro aspectos. Dione também comentou que, com a reforma psiquiátrica, os leitos para internamento estão sendo substituídos por modelos substitutivos, como NASF (Núcleo de Apoio em Saúde da Família), CAPS (Centro de Atenção Psicossocial), CRAS (Centro de Referência em Assistências Social) e CREAS (Centro de Referência Especializada em Assistência Social). Segundo a psicóloga, em 1991 eram 86 mil leitos psiquiátricos no Brasil, e em 2007 o número baixou para 38 mil. Nós da Psicologia estamos nos adaptando a esses novos processos, como CRAS e CREAS, avaliou a psicóloga que também destacou que, com essa Política Pública em Saúde Mental, muitas portas se abriram para os psicólogos. A psicóloga Deisy afirmou que as Políticas Públicas não criam os direitos, elas fazem com que os direitos preestabelecidos na sociedade sejam cumpridos, e acrescentou: elas (as Políticas Públicas) têm como objetivo buscar e alcançar o princípio da dignidade humana. Deisy ponderou que o CAPS infantil é um dos instrumentos utilizados para a prática das Políticas Públicas de Saúde Mental. As Políticas Públicas em Saúde Mental são recentes. O CAPS é um modelo em construção, que tem uma função psicossocial. Não dá para pensar em CAPS a partir de teoria e modelos de duas profissionais, temos que ter a cabeça aberta. Temos que ter um conhecimento compartilhado, enfatizou a psicóloga quando comentou sobre a multidisciplinaridade. A médica Júlia Valéria falou que a Saúde Mental do adolescente está dire- A mesa-redonda O papel da Psicologia no Desenvolvimento Sustentável, que aconteceu no dia 13 de junho, contou com a participação da psicóloga e coordenadora da Comissão de Psicologia Ambiental do CRP- 08, Maria Otávia D Almeida (CRP-8/04191), que falou sobre a Psicologia Ambiental, do economista e Dr. em Engenharia da Produção, Christian da Silva, que falou sobre a interação social e sustentabilidade, e da psicóloga, técnica em saúde mental indígena da FUNASA, Camila de Oliveira Borges (CRP-08/11213). A mesa foi coordenada pela psicóloga Liliane Sabbag (CRP-08/01407). A psicóloga Maria Otávia destacou que a Psicologia Ambiental é um tema inovador e que vem sendo discutido há pouco tempo no Brasil. Segundo a psicóloga, um dos objetivos da Psicologia Ambiental é identificar o que o ambiente proporciona em termos de cura?. Ela também apresentou algumas práticas da Psicologia ambiental, entre elas: a intervenção psicossocial em desastres naturais; o estudo da qualidade ambiental nos bairros das grandes cidades; valores e crenças ambientais no compromisso ecológico de economia de água e energia, além do comportamento de reciclagem. O economista Christian da Silva, defendeu que o desenvolvimento sustentável é um processo interdisciplinar, pois os problemas são comuns a todos e interrelacionados. Ele complementou dizendo que um processo de transformação que ocorre de forma harmoniosa nas dimensões espacial, ambiental, cultural e econômica, acontece a partir do individual para o global, porém a compreensão do coletivo se torna determinante, explica. E a psicóloga Camila falou sobre o seu trabalho em tribos indígenas, para isso contextualizou como está a situação do índio no Paraná e como é o sistema que cuida dele. Ela também divulgou dados, segundo os quais, no Paraná, existem, hoje, índios, divididos em 48 aldeias, em 28 municípios. Camila acredita que os problemas de saúde mental indígena estão diretamente relacionados ao desenvolvimento sustentável. A psicóloga disse que, nas tribos indígenas, foram detectados: o uso abusivo do álcool, expressões de violência e transtornos mentais. g A psicóloga Camila de Oliveira Borges falou sobre a comunidade indígena no Paraná

8 Comentários Participantes comentam sobre a programação do XIII EPP O que mais me chamou atenção nessa mesa-redonda foram as questões burocráticas. As colocações da psicóloga Mariana, do grupo SIP, foram bem concretas, claras, mas a mesa também abordou a questão salarial do psicólogo, que é tabu para a categoria discutir dinheiro. Nicolle Roman Ferreira, estudante de Psicologia da PUC-PR, sobre a mesa-redonda Convênios e Psicologia Clínica, no dia 11 de junho. Antes de entender o outro, você deve conhecer os seus limites. A pessoa não se prepara e quando se depara com o inesperado, não sabe o que fazer. Tem que ter humildade para chegar no outro. A peça faz refletir como pessoa. Francismara Aparecida Lourenço, estudante de Psicologia da Faculdade Dom Bosco, de Curitiba, sobre a peça Psicólogo da Silva, no dia 11 de junho. A conferência foi boa. A profissional mostrou propriedade sobre o assunto. Chamou atenção a contextualização do tema que trouxe. Patrícia Adriana Kopp Ferreira (CRP 08/10559), de Curitiba, sobre a conferência Avanços Tecnológicos: Repercussões e a Ética No Trabalho do Psicólogo, no dia 11 de junho. Foi excelente. As três palestrantes foram perfeitas! Não se delongaram e deram o recado. Rosemary Parras Menegatti (CRP-08/03524), de Maringá, sobre a mesa-redonda Avaliação Psicológica, no dia 12 de junho. A questão da ética me chamou a atenção. O psicólogo precisa reavaliar para que as coisas mudem. Essa questão dos convênios definirem cinco sessões é um absurdo, eu não me submeto. Psicóloga Lucélia Michalizen (CRP-08/07504), de Curitiba, comentário sobre a mesa-redonda Convênios e Psicologia Clínica, no dia 11 de junho. Achei interessante a ênfase de que a Psicoterapia como técnica cabe ao SUS, porém em lugares como o CAPS e ambulatório de saúde mental, e não necessariamente nas unidades Renata Heller de Moura (CRP 08/11090), de Campo Mourão, sobre a mesa-redonda Psicoterapias, no dia 12 de junho. Percebi que estou defasada em relação aos termos. Na conferência percebi uma outra forma de enxergar a organização e de trabalhar de uma forma mais atual. Karla Veronika Fabro (CRP 08/10193), de Curitiba, sobre a conferência Crise e Engajamento nas Organizações, no dia 11 de junho. Brilhante a palestra que me deixa mais chocado do que admirado. Joel Camara, estudante de Psicologia da PUCPR, de Curitiba, sobre a conferência Produção de Conhecimento na Psicologia, no dia 13 de junho

9 Psicoterapia Seminário Regional do Ano da Psicoterapia do CRP-08 aconteceu no dia 12 junho, durante o XIII EPP. No Seminário houve a O discussão dos três eixos temáticos do Ano da Psicoterapia, propostos pelo CFP. O evento contou com a participação de 47 psicólogos, sendo que 27 eram delegados. Propostas por Eixos As propostas, por eixo temático, que surgiram no Seminário Regional do Ano da Psicoterapia foram as seguintes: Eixo I: A constituição das Psicoterapias como campo multidisciplinar Psicoterapia Seminário Regional do Ano da Psicoterapia acontece durante o XIII EPP Intensificar a discussão sobre o problema da cientificidade das psicoterapias, evitando-se as distorções advindas de interesses pessoais e corporativistas. Clarificar, estabelecer e disseminar o fazer do psicólogo para os próprios psicólogos. Psicoterapia e Psicologia Clínica: dois conceitos a serem definidos como base fundamental para nortear as demais decisões nos âmbitos ético e profissional. Eixo II: Parâmetros técnicos e éticos mínimos para a formação na graduação e na formação especializada e para o exercício da psicoterapia pelos psicólogos discussão contínua estabelecendo como imperativo a disciplina de ética e legislação em Psicologia. Estimular junto às Instituições de Ensino Superior - IES (graduação e pós-graduação) a criação de núcleos de orientação ética composto por professores psicólogos, com a finalidade de orientar a prática profissional dos alunos em supervisão de estágios. Eixo III: Relações com os demais grupos profissionais Manter os grupos de trabalho nacional e regionais para a discussão do tema, a expansão do evento, a construção das diretrizes e encaminhamentos exclusivamente entre os psicólogos, antes de buscar as interfaces com profissionais de outras áreas. O Sistema Conselhos deve organizar um mapeamento das áreas de atuação profissional do trabalho do psicólogo como psicoterapeuta delineando com quais profissionais se relacionam. O Sistema Conselhos de Psicologia deve procurar os demais Conselhos de Classe envolvidos com a prática psicoterapêutica para discutir e propor critérios de regulação da área em conjunto. Fortalecer a categoria, fazer campanhas de esclarecimento do trabalho profissional do psicólogo e suas interfaces. Promover eventos de discussão entre as categorias que trabalham em parceria. O CFP não deve apoiar (ideológica e/ou financeiramente) organizações que não defendam os interesses específicos da categoria como a ABRAP e entidades de formação em Psicanálise. Todas essas propostas que surgiram no Seminário Regional do Ano da Psicoterapia serão apresentadas no Seminário Nacional, que acontece de 1º a 3 de outubro, em Brasília. Delegados efetivos No Seminário Regional foram eleitos os três delegados efetivos do CRP-08 para representar o Conselho Regional de Psicologia do Paraná, no Seminário Nacional de Psicoterapia. Os delegados eleitos foram os seguintes: Nélio Pereira da Silva (CRP-08/00016), para discutir as propostas do Eixo I, Rosemary Parras Menegatti (CRP-08/03524), para discutir as propostas do Eixo II, e Anaídes Pimentel da Silva Orth (CRP- 08/01175), para discutir as propostas do Eixo III. Delegados suplentes Foram eleitos como delegados suplentes para representar o CRP-08 no Seminário Nacional de Psicoterapia, os psicólogos: César Rey Xavier (CRP-08/06093); Carlos Nicolau Pfiero Steibel (CRP-08/4726), Carmem Garcia de Almeida (CRP-08/00433), Márcia Walter (CRP-08/09551), Ivete Goinsk Pelizzetti (CRP-08/01832) e Suzana Maria Borges (CRP-08/01855). Avaliação O GT de Psicoterapia, que trabalhou na organização do Seminário Regional, bem como na elaboração do relatório com as propostas a serem apresentadas no Seminário Nacional, avaliou que a discussão do seminário regional, dia 12 de junho, iniciou de forma tímida e foi crescendo na participação dos colegas e assim conseguimos o resultado do início de um grande debate da nossa categoria. Agradecemos e parabenizamos a todos pelo empenho, ensinamento, comprometimento e a grande participação. A Psicoterapia é um tema que provoca muitas discussões, vontade de falar, pois está no sangue, no coração de todos psicólogos. Houve muita colaboração dos participantes. Definição dos critérios (parâmetros técnicos e éticos) de qualidade e responsabilidade que deverão reger a prática psicoterápica pelo psicólogo, visto a inexistência de legislação que a valide. Necessidade do mapeamento dessas psicoterapias, a fim de delimitar as fronteiras dessa prática que, cada vez mais, se expande na sua diversidade. Definir quais teorias (fundamentações teórica) a nossa categoria aceita como norteadoras do fazer psicoterápico. Estimular o graduando em Psicologia a se submeter à prática de psicoterapia. Tendo em vista que a formação necessária para o exercício da Psicoterapia vai além das disciplinas teórica-técnicas da graduação é necessário discutir e produzir parâmetros mínimos para este exercício. Incentivar nos diálogos junto ao MEC, Conselho Nacional de Educação e SESU e as instituições formadoras de psicólogos, a A coordenadora da COF, Anaides Pimentel e da COE, Márcia Walter, coordenaram o Seminário Regional e o GT de Psicoterapia do CRP-08. GT de Psicoterapia Fizeram parte do GT de Psicoterapia do CRP-08 as psicólogas: Anaídes Pimentel da Silva Orth (coordenadora), Márcia Walter; Luciane Maria Ribas Vieira; Patrícia Kopp; Suzana Maria Borges; Carlos Nicolau Stibel; Anita Castro Menezes Xavier e Odete Aparecida Pinheiro. O GT de Psicoterapia continuará se reunindo na sede do CRP-08. As reuniões vão acontecer quinzenalmente, nas quartas-feiras, das 13h às 14h, a partir do dia 1º de julho. g 16 17

10 Ensino Citações EPP abre espaço para discussões com professores e coordenadores dos cursos de Psicologia Durante o XIII Encontro Paranaense de Psicologia aconteceu o II Encontro de Professores de Ética e Deontologia e VI Fórum de Coordenadores, ambos dos cursos de Psicologia, nos quais foram discutidos os temas abaixo e retirados alguns encaminhamentos. Citações no XIII EPP 1 As ações dos alunos que agridem o Código de Ética e a Psicologia: VI Fórum de Coordenadores de Curso que aconteceu no dia 13 de junho. A história dos cursos de Psicologia mostra que os acadêmicos, no afã de se identificar com a Psicologia e de divulgar sua familiaridade com os termos da profissão escolhida, promovem ações que, por ingenuidade, fragilizam, denigrem e depreciam a própria Psicologia. Expressões do tipo: sanduíche de libido, empada histérica e eventos associando marcas de bebidas, entre outras, são largamente empregadas em festas ou eventos promovidos entre acadêmicos. Entende-se que o uso destes termos, embora tenha caráter lúdico entre os acadêmicos, pode gerar efeitos nocivos para a população que vê a Psicologia associada a comportamentos maníacos, pejorativos e com conotação negativa. Preocupados e procurando enfrentar esta questão, o CRP-08 e a Associação Brasileira de Ensino em Psicologia (ABEP) resolveram promover um trabalho de conscientização destes acadêmicos, principalmente do primeiro ano. As instituições entendem que este será mais efetivo com a participação dos coordenadores de curso. A sugestão é que na aula inaugural ou na semana de recepção dos calouros seja abordado este tema e que se reporte aos seguintes artigos do Código de Ética - Princípios fundamentais - Alinea VI, art. 1º. Alíneas a) e j), e art. 17. disciplina de ética. A carga horária varia de 36 horas (em um semestre) a 120 horas (anual). Alguns cursos não ofertam esta disciplina. Foi dada a sugestão de obrigatoriedade na oferta da disciplina e ampliação da carga horária. 4 O posicionamento sobre o ensino de Psicologia à distância: Preocupados com a qualidade na formação do profissional de Psicologia, o Fórum de Coordenadores solicitou que os coordenadores de cursos de Psicologia apresentem seu posicionamento com relação ao ensino de Psicologia, no nível de graduação, na modalidade EAD (ensino a distância). Foi questionado se: Ele deve ser ofertado ou não? 5 A lei de estágio e sua operacionalização: A lei de estágio tem criado dificuldades aos cursos, principalmente em se tratando dos estágios extracurriculares. 6 A retirada de coordenadores por algumas IES: Valeu a pena o sonho dos pioneiros. É gratificante ver o Conselho atuante, levantando bandeiras sociais, trabalhando na defesa, dos Direitos Humanos, aderindo a luta antimanicomial, e tantas outras iniciativas que vão além de suas funções primordiais. Maria Júlia Trevezan, primeira Presidenta do CRP-08, na Solenidade de Abertura. A Psicologia Brasileira, hoje, tem um projeto nacional, um rumo, que tem sido construído por muitos psicólogos, com a participação do Sistema Conselhos de Psicologia. Esse projeto está relacionado ao fato de estarmos ligados à realidade do nosso país, dos problemas que a sociedade demanda.... Humberto Verona, Presidente do CFP, na Solenidade de Abertura. No momento de uma crise profunda, do capitalismo, a Psicologia tem contribuído pouco em torno do tema trabalho. Marcus Vinícius Oliveira, da Bahia, participante da mesa-redonda O Psicólogo e suas Condições de Trabalho. O psicólogo pode ajudar a pensar melhor o que se quer adquirir como direito. Leoncio Camino, durante a conferência Direitos Humanos. O objetivo do encontro é permitir que os psicólogos discutam sobre os pontos comuns, da sua prática profissional, e aprendam com a diversidade. Maria Joana Mäder-Joaquim, Presidenta do XIII EPP, durante a Solenidade de Abertura. 2 A análise e sugestão dos cursos sobre o ENADE: A novidade do ENADE (Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes) tem trazido situações novas para professores, alunos e coordenadores. Procurando produzir material que subsidie discussões e diretrizes, foi solicitado aos coordenadores que apresentem uma análise, posicionamento (aspectos positivos e negativos) e sugestões sobre este processo de avaliação dos acadêmicos dos cursos de Psicologia. Algumas Instituições de Ensino Superior (IES), principalmente particulares, estão extinguindo os cargos de coordenadores de curso, substituindo-os por diretores de área. Será averiguado com o Sindicato que posicionamentos podem ser tomados. Foi solicitada a contribuição de todos os coordenadores, no que se refere aos itens 5 e 6, no sentido de informarem ao CRP-08 quais as dificuldades que estão encontrando. Essas informações devem ser encaminhadas para o da gerência técnica do CRP crppr.org.br). O psicólogo não está ali (no hospital) para atender a expectativa médica, mas sim para atender a subjetividade do paciente. Rachel Jurkiewski, do Paraná, durante o minicurso Psicologia Hospitalar. A Psicologia, enquanto profissão, tem um papel fundamental na discussão do trabalho, na luta pela extinção do trabalho pela necessidade. Rogério Oliveira Silva, de Minas Gerais, Presidente do CRP-04, durante a mesa-redonda O Psicólogo e suas Condições de Trabalho. 3 A obrigatoriedade e ampliação da disciplina da ética no cursos: No encontro de professores de ética percebeu-se uma grande discrepância entre os cursos com relação ao tratamento dado à ABEP As discussões que surgiram, durante o XIII Encontro Paranaense de Psicologia, no II Encontro de Professores de Ética e Deontologia e no VI Fórum de Coordenadores serão encaminhadas à ABEP. g A Psicoterapia não é tudo, nem é para todos. Nem tudo se resolve na Psicoterapia. Aloísio Lopes Britto, da Paraíba, participante da mesa-redonda Psicoterapia. Nós temos que olhar (a criança) para a questão do protagonismo, para políticas universalizantes, educação, saúde e não só como vítima, mas como protagonista, o que é a criança como sujeito de direito!. Esther Arantes, do Rio de Janeiro, durante o minicurso História da Criança

11 Talentos Além da Psicologia EPP promoveu encontro entre a Arte e a Psicologia Psicólogo da Silva Tonio Luna interagindo com o público do XIII EPP durante a peça Psicólogo da Silva. No espaço: Talentos além da Psicologia, alguns psicólogos tiveram a chance de mostrar o seu talento artístico. Houve: apresentação da peça teatral Psicólogo da Silva, Noite de Autógrafos, com o lançamento e relançamento de livros, DVDs e CDs, além do Varal de Poesias e exposição de telas e esculturas. A peça, escrita pelo psicólogo Tonio Dorrenbach Luna (CRP-08/07258), de Curitiba, é um monólogo que conta a história de um estudante de Psicologia, que, ao terminar a faculdade, se sente preparado para atuar na área. Aos poucos, ele vai se dando conta que só os conhecimentos técnicos não bastam. Ele precisa se encontrar, humanizar-se. Na verdade essa é uma provocação para os psicólogos, comenta Tonio Luna que atua, no palco, como ator. Com bom humor, ele faz um monólogo interativo com a platéia. Promove uma reflexão entre os psicólogos, por meio do teatro, tornando extremamente prazeroso, explica. A psicóloga Wael de Oliveira (CRP-08/01323) levou quatro poemas para o XIII EPP: Ultimato (brincadeira entre um ditado popular e a vida conjugal); Amor em Pedaços (variação amorosa sobre receita de bolo); Vôo (saudação às palavras surgidas em processo de psicanálise) e Síntese (elegia amorosa). Wael escreve poemas desde jovem e explica que a sua inspiração vem da paixão qualquer que seja (amorosa, profissional, social). Outra psicóloga que enviou poemas para o Varal de Poesias foi Jandyra Kondera (CRP-08/01715). Os poemas foram Retratos, O poema ontem e Para João de Barro. E a psicóloga Camila Zoschke (CRP-08/10751) também participou da mostra, Homem-Leão e No mundo tralalelo foram os poemas enviados pela psicóloga. Durante a Noite de Autógrafos houve o lançamento de dois livros: Varal de Poesias Telas Quatro telas da psicóloga Cristina Blanco foram expostas no espaço Talentos Além da Psicologia. Esculturas A psicóloga Clara Rossana de Sá expôs duas esculturas no evento. A psicóloga Cristina Blanco (CRP-08/00725) expôs quatro telas, usando tinta a óleo, com o tema árvores espatuladas. Para ela pintar é um imenso prazer, que impera a liberdade da expressão de sentimentos. Cores!!!! O que mais me estimula, motiva e desencadeia todo o processo são as cores. Para mim, cada cor é um sentimento específico e se identifica com o momento atual. Há momentos monocromáticos (sépia/ branco/preto ), momentos vibrantes (vermelhos/alaranjados/ amarelos), momentos espirituais (azuis/lilases/verdes), momentos terra (marrons e seus matizes), momentos água, ar, fogo. Cada cor abre o olhar para os motivos que trabalharei. A psicóloga Clara de Sá (CRP-08/04374), que também é formada em Artes Plásticas, trouxe duas esculturas feitas em mármore, de Carrara. A psicóloga conseguiu uma associação das duas áreas Psicologia e Artes Plásticas - ao abordar uma temática específica, a partir de uma deusa da fertilidade em bronze nasceram muitas deusas e me especializei no feminino, paralelamente ao estudo do feminino dentro da linha Junguiana. Busquei nos mitos o imaginário da criação. Consultoria em Psicologia Escolar/Educacional Princípios Teóricos e Técnicos e Contribuições de Práticas Sistematizadas, organizado pela Psicóloga e Mestre em Educação, Mariita Bertasoni da Silva (CRP-08/00101). Foram colaboradores nessa obra: Cloves Antônio de Amissis Amorim, Eliana Santos, Fernanda Rafaela Cabral Bonato, Ilma Lopes de Meireles Siqueira, Maria das Graças Fernandes de Souza, Maria de Lourdes Bairão Sanchez, Mari Angela Calderari Oliveira, Patrícia Dietrich Schner, Solange Múglia Wechsler, Susana de Jesus Fadel, Tatiana de Souza Centurion e Vera Regina Miranda. A psicóloga Mariita destaca que: Esse livro já era um projeto bem antigo, desde a época que começamos a trabalhar com a consultoria em Psicologia Escolar e Educacional. A ideia de escrever o livro, é porque a bibliografia existente hoje no Brasil é extremamente escassa, são pouquíssimos os livros que trazem alguma coisa específica sobre consultoria em Psicologia Escolar/ Educacional. Psicologia Jurídica - Temas de Aplicação II, organizadas pelas psicólogas: Maria Cristina Neiva de Carvalho (CRP-08/01397), Telma Fontoura (CRP-08/00748) e Vera Regina Miranda (CRP-08/01386). Foram colaboradores nessa publicação: Alberto Vellozo Machado, Antonia Lélia Neves Sanches, Diana C. Orlandi Perotti, Diane Saboya Pitta, Dirce Koliski Vons, Ilma Lopes Soares de Meireles Siqueira, Julia Del Valle Mañez, Maíra Marchi Gomes, Marisa Schmidt Silva, Mari Angela Calderari de Oliveira, Shirley Regina França Borges, Tatiana Mazziotti Bulgacov e Vilma Demori. A psicóloga Maria Cristina de Carvalho explicou que esse livro é o segundo de uma coletânea lançada pelo curso de especialização em Psicologia Jurídica da PUC/PR. Nessa publicação há artigos de psicólogos e de profissionais da área de Direito, para mostrar o diálogo entre as duas áreas - Direito e Psicologia. g Livro A psicóloga Mariita Bertassoni da Silva no lançamento de um livro sobre consultoria na área escolar/educacional, durante o XIII EPP. Livro A psicóloga Maria Cristina Neiva de Carvalho no lançamento de um livro na área de Psicologia Jurídica, no XIII EPP

12 Avaliação Bastidores Nos bastidores: 55 pessoas trabalharam para garantir o sucesso do evento Funcionários do CRP-08 durante a entrega dos certificados aos participantes. Participantes avaliam o XIII EPP Através do preenchimento de um formulário os participantes avaliaram o XIII EPP, apontaram aspectos positivos, negativos e deixaram suas sugestões. Foram preenchidos 165 formulários. Confira, na sequência, o resultado: Resultado Pontos positivos Os pontos positivos apontados pelos participantes foram: Ótimos palestrantes Diversidade de temas Pontualidade Organização Cortesia no atendimento Temas atuais Mais profissionais do que estudantes Boa localização Socialização do saber Minicursos Data com feriado, facilitou a participação Evento focado no profissional XIII Encontro Paranaense de Psicologia só aconteceu graças ao envol- O vimento de muitas pessoas, seja na preparação do evento ou no apoio durante a realização do mesmo. Entre comissão organizadora, científica, de apoio logístico, monitores, funcionários do CRP-08 e colaboradores das comissões, 55 pessoas estiveram envolvidas na organização do XIII EPP. Elas trabalharam convidando conferencistas, integrantes de mesas-redondas e ministrantes dos minicursos, preparando a programação, avaliando os temas livres inscritos para serem apresentados como pôsteres ou exposição oral, recebendo as inscrições, entregando o material para os participantes, divulgando informações, recepcionando os convidados, dando apoio logístico nas salas aonde aconteciam as discussões, fazendo a cobertura jornalística do evento, entregando os certificados, enfim... trabalhando muito. Parte da Comissão de Comunicação Social trabalhando na cobertura do evento. Funcionários do CRP-08 e Monitores trabalharam na secretaria do evento. Ao todo 55 pessoas trabalharam nos bastidores. Das 165 pessoas que preencheram o formulário de avaliação, 49,09% consideraram o evento excelente; 47,88% consideraram bom ; 1,82% regular; 1,21% ruim; e 0% péssimo. Sugestões As sugestões dadas pelos participantes: Talentos Além da Psicologia durante o dia e não à noite. Melhora do Coffee break; mais espaço para exposição de livros. Realizar Encontro com mais dias e horários; intensificar divulgação. O Seminário de Psicoterapia deveria ser apenas para profissionais. Realizar um Encontro a cada dois anos. Abordar temas como: diversidade sexual, instrumentos de avaliação psicológica e comportamento de consumo. Pagamento de curso por módulo. Pontos Negativos Já os aspectos negativos: Poucas atividades na área de Psicologia Organizacional e do Trabalho Poucos banheiros Falta de alguns palestrantes Data com feriado Pouco tempo para exposição de temas complexos Número pequeno de participantes Não esclarecido antecipadamente o perfil do Seminário de Psicoterapia Coffee break Preço de inscrição Muitos temas ao mesmo tempo Houve interferência de som entre as salas David Carneiro 22 23

13 O que fica do XIII EPP? O Encontro de profissionais da Psicologia foi extremamente importante para a minha prática, pois houve troca de experiências, materiais, informações... Deise Rosa da Silva (CRP-08/09425), de Cascavel. Como estudante, acho importante este conhecimento diferente do que temos na faculdade. Foram debatidos diversos temas, em diferentes salas, e esta possibilidade de escolha da margem a ouvir o que se tem interesse, ou até mesmo conhecer outras áreas de conhecimento da Psicologia. Nicolle Roman Ferreira, estudante de Psicologia, de Curitiba. O encontro foi maravilhoso, trazendo temas atuais para a reflexão. Solange Iamin (CRP 08/12219), de Curitiba. Este é o primeiro evento que participo. Gostei dos palestrantes, que passaram bem os conteúdos. Estou procurando absorver um pouco de tudo. Rachel Gonçalves, estudante de Psicologia, de Londrina. O Encontro trouxe muitas informações da área e muita troca. Foi o momento de me inteirar dos assuntos e das políticas e de refletir sobre nosso papel e trabalho enquanto psicólogos. Derlei José Soares (CRP 08/05882), de Curitiba. *Aos membros da comissão organizadora do XIII EPP Parabenizo-os pela organização do evento, pela diversidade de temáticas e pela pontualidade nas atividades. Agradeço a abertura do espaço para o lançamento do livro Psicologia jurídica - temas de aplicação II, pois acredito que esta é também uma vitória da Psicologia no Paraná. Maria Cristina Neiva de Carvalho (CRP-08/01397), de Curitiba. A mesa em que eu participei foi grandiosa pela aprendizagem com os outros palestrantes. Gostei muito e recomendo para todos os psicólogos para que se façam presentes no próximo encontro. Deise Rosa da Silva (CRP-08/09425), de Cascavel. A diversidade dos temas novos também foi muito interessante para mim. Regina Célia Veiga da Fonseca (CRP-08/13604), de Curitiba.

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS A sistematização que segue refere-se aos pontos trabalhados pelo grupo, no sentido de ativar a reflexão de questões que seriam tratadas no Encontro Estadual dos Trabalhadores do SUAS, realizado dia 16

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS 1. Categorias profissionais que já compõem o SUAS RS: - Psicólogo - Assistente Social - Advogado - Educador Social - Nutricionista - Pedagogo - Enfermeiro - Estagiários - Supervisores e Coordenação - Técnico

Leia mais

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS PAPÉIS E COMPETÊNCIAS O SERVIÇO PSICOSSOCIAL NO CREAS... O atendimento psicossocial no serviço é efetuar e garantir o atendimento especializado (brasil,2006). Os profissionais envolvidos no atendimento

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO. Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira

COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO. Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira Sumário Psicologia no Brasil: percurso histórico Psicologia no Brasil nos últimos vinte anos Referências legais e organização

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O Estágio, pela sua natureza, é uma atividade curricular obrigatória,

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

Coordenação: João Henrique Lara do Amaral Cynthya Almeida Coradi Relatoria: Stela Maris Aguiar Lemos

Coordenação: João Henrique Lara do Amaral Cynthya Almeida Coradi Relatoria: Stela Maris Aguiar Lemos RELATÓRIO OFICINA FNEPAS ESTADUAL MINAS GERAIS INTEGRALIDADE E QUALIDADE NA FORMAÇÃO E NAS PRÁTICAS EM SAÚDE: Integrando Formação, Serviços, Gestores e Usuários Local: COBEM Uberlândia Data: 22 de outubro

Leia mais

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária / Saúde da Família Brasília, 05 a 08 de Agosto de

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária / Saúde da Família Brasília, 05 a 08 de Agosto de III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária / Saúde da Família Brasília, 05 a 08 de Agosto de 2008 Apoio Matricial em Saúde Mental: a Iniciativa de

Leia mais

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília Nome do Evento: Fórum Mundial de Direitos Humanos Tema central: Diálogo e Respeito às Diferenças Objetivo: Promover um

Leia mais

PROJETO ESCOLA PARA PAIS

PROJETO ESCOLA PARA PAIS PROJETO ESCOLA PARA PAIS Escola Estadual Professor Bento da Silva Cesar São Carlos São Paulo Telma Pileggi Vinha Maria Suzana De Stefano Menin coordenadora da pesquisa Relator da escola: Elizabeth Silva

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS FORMAÇÃO EM PSICOLOGIA E POLITICAS PÚBLICAS: UMA APROXIMAÇÃO DO CRPRS COM O MEIO ACADÊMICO

Leia mais

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre Sumário I. Apresentação do Manual II. A Prevenção de Acidentes com Crianças III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre IV. Como a Educação pode contribuir para a Prevenção de Acidentes no Trânsito V. Dados

Leia mais

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se PEDAGOGIA HOSPITALAR: PERSPECTIVAS PARA O TRABALHO DO PROFESSOR. Bergamo, M.G. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Silva, D.M. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Moreira, G.M. (Curso de Pedagogia,

Leia mais

5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching,

5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching, 5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching, Consultoria, Terapias Holísticas e Para Encher Seus Cursos e Workshops. Parte 01 Como Se Posicionar e Escolher os Clientes dos Seus Sonhos 1 Cinco Etapas Para

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA

DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA FARIAS, Maria Lígia Malta ¹ SOUSA, Valéria Nicolau de ² TANNUSS, Rebecka Wanderley ³ Núcleo De Cidadania e Direitos Humanos/ PROEXT RESUMO O Projeto de Extensão

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos.

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Autores Aline Xavier Melo alinexaviermelo@yahoo.com.br Juliana Roman dos Santos Oliveira ju_roman@hotmail.com

Leia mais

PROGRAMA DE MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS EM MEIO ABERTO

PROGRAMA DE MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS EM MEIO ABERTO PROGRAMA DE MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS EM MEIO ABERTO CONTEXTUALIZAÇÃO DOUTRINA DA SITUAÇÃO IRREGULAR DOUTRINA DA PROTEÇÃO INTEGRAL. Código de menores;. Menores em situação irregular;. Carentes, abandonados,

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Definição da Extensão e Finalidades A Resolução UNESP 102, de 29/11/2000, define Extensão Universitária, nos seguintes termos: Art.8º Entende-se

Leia mais

PSICOLOGIA E ONCOLOGIA: UMA PARCERIA ESSENCIAL?

PSICOLOGIA E ONCOLOGIA: UMA PARCERIA ESSENCIAL? PSICOLOGIA E ONCOLOGIA: UMA PARCERIA ESSENCIAL? Aline Fernanda Sartori Kanegusuku¹; Marina Tiemi Kobiyama Sonohara 1 ; Angélica Aparecida Valenza¹; Nemerson José Jesus¹; Sandra Diamante² RESUMO Para compreender

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL

ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL A SANTA CASA BH TEM TODOS OS CUIDADOS PARA VOCÊ CONQUISTAR UMA CARREIRA SAUDÁVEL. Missão Humanizar a assistência

Leia mais

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Conselho Universitário - CONSUNI

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Conselho Universitário - CONSUNI REGULAMENTO DA CLÍNICA ESCOLA E SERVIÇOS DE PSICOLOGIA - CESP Aprovado pela Resolução CONSUNI nº 11/15 de 08/04/15. CAPÍTULO I DO OBJETIVO DO REGULAMENTO Art. 1º A Clínica Escola de Psicologia é o ambiente

Leia mais

SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA:

SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: CRENÇAS DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE ACERCA DO CUIDADO DA PESSOA EM SOFRIMENTO MENTAL. Programa de Pós-Graduação em Psicologia Faculdade de Filosofia Ciências

Leia mais

1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano. Vamos falar sobre isso?

1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano. Vamos falar sobre isso? 1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano Vamos falar sobre isso? Algumas estatísticas sobre Saúde Mental Transtornos mentais são frequentes e afetam mais de 25% das pessoas

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA Ementário Relações Interpessoais e Ética Profissional Concepções sobre o Processo Inter-relacional no Trabalho; Competência Interpessoal; Qualidade de Vida no

Leia mais

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA Romaldo Bomfim Medina Jr 1 Luciane Silva Ramos 2 Fernanda Franceschi de Freitas 3 Carmem Lúcia Colomé Beck 4 O movimento

Leia mais

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS A IV CONFERÊNCIA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE EM NOSSA SALA DE AULA Mary Lucia da Silva Doutora em Ciências- Química Analítica pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

PROPOSTAS REGIONAIS - CEARÁ

PROPOSTAS REGIONAIS - CEARÁ PROPOSTAS REGIONAIS - CEARÁ EIXO 1 - DEMOCRATIZAÇÃO DO SISTEMA CONSELHOS E AMPLIAÇÃO DAS FORMAS DE INTERAÇÃO COM A CATEGORIA Promover a mobilização para formação e participação política da categoria. Garantir

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA FERREIRA, Adriana Ribeiro & ROSSO, Ademir José INTRODUÇÃO O meio ambiente (MA) é

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental TRANSVERSALIDADE Os temas transversais contribuem para formação humanística, compreensão das relações sociais, através de situações de aprendizagens que envolvem a experiência do/a estudante, temas da

Leia mais

Plano de Ação. Colégio Estadual Ana Teixeira. Caculé - Bahia Abril, 2009.

Plano de Ação. Colégio Estadual Ana Teixeira. Caculé - Bahia Abril, 2009. Plano de Ação Colégio Estadual Ana Teixeira Caculé - Bahia Abril, 2009. IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE ESCOLAR Unidade Escolar: Colégio Estadual Ana Teixeira Endereço: Av. Antônio Coutinho nº 247 bairro São

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades

Leia mais

especialidade Psic. Raquel Pusch pusch11@terra.com.br www.psicosaude.com.br

especialidade Psic. Raquel Pusch pusch11@terra.com.br www.psicosaude.com.br Psicologia Intensiva uma especialidade Psic. Raquel Pusch pusch11@terra.com.br www.psicosaude.com.br PSICOLOGIA INTENSIVA O intensivismo é uma especialidade que apresenta um caráter interdisciplinar voltado

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

GAZETA DO POVO Vida e Cidadania Jonathan Campos/Gazeta do Povo

GAZETA DO POVO Vida e Cidadania Jonathan Campos/Gazeta do Povo GAZETA DO POVO Vida e Cidadania Jonathan Campos/Gazeta do Povo Claudia descobriu no atendimento na clínica da faculdade a vocação para atuar na vida profissional.saúde A terapia ao alcance de todos os

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO CAMPUS BAIXADA SANTISTA SERVIÇO-ESCOLA DE PSICOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO CAMPUS BAIXADA SANTISTA SERVIÇO-ESCOLA DE PSICOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO CAMPUS BAIXADA SANTISTA SERVIÇO-ESCOLA DE PSICOLOGIA Capítulo I Caracterização Artigo 1 º O Serviço-Escola de Psicologia (SEP) da UNIFESP é uma instância do campus Baixada

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

Lúmini Art Centro de Pesquisa, Cultura e Ação Social. O Projeto Social Luminando

Lúmini Art Centro de Pesquisa, Cultura e Ação Social. O Projeto Social Luminando Lúmini Art Centro de Pesquisa, Cultura e Ação Social O Projeto Social Luminando O LUMINANDO O Luminando surgiu como uma ferramenta de combate à exclusão social de crianças e adolescentes de comunidades

Leia mais

Palavras chaves: Formação de professores. Prática inovadora. Planejamento docente.

Palavras chaves: Formação de professores. Prática inovadora. Planejamento docente. REPENSANDO O PLANEJAMENTO DIDÁTICO PARA UMA PRÁTICA INOVADORA EM UM CURSO DE FORMAÇÃO DOCENTE. Cecilia Gaeta Universidade Federal de São Paulo UNIFESP (professora convidada) Martha Prata-Linhares Universidade

Leia mais

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, madalena@univates.br Daniela Cristina Schossler,

Leia mais

Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010

Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010 Saúde da População em Situação de Rua, com foco em Saúde Mental Consultório de Rua Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010 Saúde

Leia mais

PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES.

PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES. PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES. Introdução As mudanças e desafios no contexto social influenciam a educação superior, e como consequência, os

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA Santa Maria, RS. 2012 SUMÁRIO CAPÍTULO I... 3 DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS... 3 CAPÍTULO II... 4 REGULARIZAÇÃO DO ESTÁGIO... 4 CAPÍTULO III... 5 DOS ASPECTOS LEGAIS... 5

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO O estágio curricular obrigatório é aquele definido

Leia mais

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 Ulisses F. Araújo 2 A construção de um ambiente ético que ultrapasse

Leia mais

CARTA ACORDO Nº. 0600.103.002 Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho mantenedora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

CARTA ACORDO Nº. 0600.103.002 Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho mantenedora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Ao Ministério da Saúde Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde Departamento de Gestão da Educação na Saúde E-mail: deges@saude.gov.br - prosaude@saude.gov.br CARTA ACORDO Nº. 0600.103.002

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

Caderno de Propostas. 26, 27 e 28 de abril de 2013 Espaço APAS - São Paulo

Caderno de Propostas. 26, 27 e 28 de abril de 2013 Espaço APAS - São Paulo Caderno de Propostas VIII COREP - SP Congresso Regional de Psicologia Psicologia, Ética e Cidadania: Práticas Profissionais a Serviço da Garantia de Direitos 26, 27 e 28 de abril de 2013 Espaço APAS -

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

Conheça as propostas formuladas nos eventos preparatórios em todo o estado de SP

Conheça as propostas formuladas nos eventos preparatórios em todo o estado de SP Proposta: Propor mudanças nas leis que regem a publicação, desenvolvimento e divulgação dos testes no Brasil, de forma que se padronizem e ofereçam subsídios do alcance e limites dos testes. Proposta:

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO A universidade vivencia, em seu cotidiano, situações de alto grau de complexidade que descortinam possibilidades, mas também limitações para suas

Leia mais

Estágio Curricular Supervisionado

Estágio Curricular Supervisionado Estágio Curricular Supervisionado CURSO DE ENFERMAGEM O curso de bacharelado em Enfermagem do IPTAN apresenta duas disciplinas em seu plano curricular pleno relativas ao estágio: Estágio Supervisionado

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DIREITO DA FACULDADE BIRIGUI

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DIREITO DA FACULDADE BIRIGUI REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DIREITO DA FACULDADE BIRIGUI APRESENTAÇÃO Tendo como objetivo propiciar ao aluno um conjunto de oportunidades que se refletirão, de forma direta e decisiva,

Leia mais

Blue Mind Desenvolvimento Humano

Blue Mind Desenvolvimento Humano Conhecendo o Coaching Por Fábio Ferreira Professional & Self Coach pelo Instituto Brasileiro de Coaching, com certificação internacional pela European Coaching Association e Global Coaching Community,

Leia mais

Estratégias atuais para a mudança na graduação das profissões da saúde Laura C.M. Feuerwerker 1

Estratégias atuais para a mudança na graduação das profissões da saúde Laura C.M. Feuerwerker 1 Estratégias atuais para a mudança na graduação das profissões da saúde Laura C.M. Feuerwerker 1 A mudança na graduação das profissões da saúde segue sendo um tema fundamental para todos aqueles preocupados

Leia mais

Área teórico\prática: Clinicas y Politicas: procesos de subjetivación y invención

Área teórico\prática: Clinicas y Politicas: procesos de subjetivación y invención FORMAÇÃO ANTIMANICOMIAL NO ESTADO DE MINAS GERAIS: DESAFIOS E POSSIBILIDADES Autores: Camila Alves Soares Ana Marta Lobosque Sílvia Melo Karine Lage Fonseca Maria Elisa Freitas Camila Castanheira Rodrigues.

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Conheça as propostas formuladas nos eventos preparatórios em todo o estado de SP

Conheça as propostas formuladas nos eventos preparatórios em todo o estado de SP Eixo: 1. Democratização do Sistema Conselhos e Ampliação das formas de interação com a categoria Proposta: Conhecer as práticas dos psicólogos nos municípios. Eixo: 1. Democratização do Sistema Conselhos

Leia mais

e Inovação Contemporâneas

e Inovação Contemporâneas DOCUMENTO RESULTANTE DO Simpósio Ciências Humanas e Sociais nas Políticas de Ciência, Tecnologia e Inovação Contemporâneas Realizado pelo Fórum de Ciências Humanas, Ciências Sociais e Ciências Sociais

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE Prioritária 1: Manter o incentivo aos Programas do Núcleo Apoio da Saúde da Família

Leia mais

Pós-graduação Psicologia

Pós-graduação Psicologia Pós-graduação Psicologia Pós-graduação - Lato Sensu Os cursos de Pós-graduação da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo têm como objetivos a formação de docentes, pesquisadores e profissionais

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos

Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos Já passou a época em que o pedagogo ocupava-se somente da educação infantil. A pedagogia hoje dispõe de uma vasta

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

CHAMADA DE ARTIGOS do SUPLEMENTO TEMÁTICO A EDUCAÇÃO POPULAR EM SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE

CHAMADA DE ARTIGOS do SUPLEMENTO TEMÁTICO A EDUCAÇÃO POPULAR EM SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE 1 CHAMADA DE ARTIGOS do SUPLEMENTO TEMÁTICO A EDUCAÇÃO POPULAR EM SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE No dia 16 de novembro último, durante o 10o Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva, realizado em Porto

Leia mais

O Programa de Desenvolvimento Educacional e suas Interfaces

O Programa de Desenvolvimento Educacional e suas Interfaces 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. 1 CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. (*) (**) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Educação Física,

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

Conheça as propostas formuladas nos eventos preparatórios em todo o estado de SP

Conheça as propostas formuladas nos eventos preparatórios em todo o estado de SP Proposta: Que as carteiras de identidade Profissional (CIP) passem a reconhecer o nome social de psicólogos e psicólogas transexuais. Proposta: Elaborar material educativo e pedagógico sobre Psicologia

Leia mais

Formação continuada: a educação municipal de Bauru/SP

Formação continuada: a educação municipal de Bauru/SP Formação continuada: a educação municipal de Bauru/SP Prof.ª Dra. Vera Mariza Regino Casério e-mail: veracaserio@bauru.sp.gov.br Prof.ª Esp. Fernanda Carneiro Bechara Fantin e-mail: fernandafantin@bauru.sp.gov.br

Leia mais

Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde ISSN: 1415-6938 editora@uniderp.br Universidade Anhanguera Brasil

Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde ISSN: 1415-6938 editora@uniderp.br Universidade Anhanguera Brasil Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde ISSN: 1415-6938 editora@uniderp.br Universidade Anhanguera Brasil Alves Oliveira, Naiana; Ferreira Gomes, Sabrina Reseña de "A equipe multiprofissional

Leia mais

GRADE E CONTEÚDO PROGRAMÁTICO/ DATAS E HORÁRIOS. C/H: 8 horas. Data/horário: 29/06 e 30/06 das 18:30 às 22:30 (2ª e 3ª)

GRADE E CONTEÚDO PROGRAMÁTICO/ DATAS E HORÁRIOS. C/H: 8 horas. Data/horário: 29/06 e 30/06 das 18:30 às 22:30 (2ª e 3ª) GRADE E CONTEÚDO PROGRAMÁTICO/ DATAS E HORÁRIOS MÓDULO I: PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO C/H: 8 horas. Data/horário: 29/06 e 30/06 das 18:30 às 22:30 (2ª e 3ª) 04/07 das 8 às 16h (sábado). Bibliografia

Leia mais

Carta pedagógica. Professora: Maria Teresinha Turma: alfabetização

Carta pedagógica. Professora: Maria Teresinha Turma: alfabetização Carta pedagógica Ao escrever esta carta pedagógica, veio-me a questão do erro que acontece a todo o momento em minha turma na sala de aula. Lendo textos de autores como Morais, fiquei ciente da sua fala

Leia mais

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária Apoio: Secretária municipal de educação de santo Afonso PROJETO INTERAÇÃO FAMÍLIA X ESCOLA: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA. É imperioso que dois dos principais

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Psicologia. O Presidente

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

Mapeamento da atuação de psicólogos do esporte no Estado de São Paulo, desafios e perspectivas de futuro profissional.

Mapeamento da atuação de psicólogos do esporte no Estado de São Paulo, desafios e perspectivas de futuro profissional. Mapeamento da atuação de psicólogos do esporte no Estado de São Paulo, desafios e perspectivas de futuro profissional. Em 2012, durante a realização da I Mostra Paulista de Psicologia do esporte, foi realizado

Leia mais

MADRINA-Desenvolvimento Infantil e Parental 1

MADRINA-Desenvolvimento Infantil e Parental 1 MADRINA-Desenvolvimento Infantil e Parental 1 PROJETO MEU TEMPO DE CRIANÇA Missão Visão Valores Colaborar com a importante tarefa de educar as crianças, nesse momento único de suas jovens vidas, onde os

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER NA CIDADE DE PONTA GROSSA

NÚCLEO DE ESTUDOS DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER NA CIDADE DE PONTA GROSSA 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Gestão de Documentos e Arquivos - UNIRIO Observatório de Políticas Arquivísticas

Programa de Pós-Graduação em Gestão de Documentos e Arquivos - UNIRIO Observatório de Políticas Arquivísticas Programa de Pós-Graduação em Gestão de Documentos e Arquivos - UNIRIO Observatório de Políticas Arquivísticas MESA REDONDA SOBRE A ALTERAÇÃO DA LEI DE ARQUIVO PPGARQ Relatório Síntese Com a presença de

Leia mais

Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica

Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica Luis Ricardo Silva Queiroz Presidente da ABEM presidencia@abemeducacaomusical.com.br

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Cristina Soares Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Quando decidi realizar meu processo de coaching, eu estava passando por um momento de busca na minha vida.

Leia mais

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE)

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) É o chamado do Ministério da Educação (MEC) à sociedade para o trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria da

Leia mais

O Jornal O Imparcial, em sua edição do dia 07 de fevereiro do corrente, publicou uma matéria sobre as críticas do Conselheiro Henrique Liberato

O Jornal O Imparcial, em sua edição do dia 07 de fevereiro do corrente, publicou uma matéria sobre as críticas do Conselheiro Henrique Liberato O Jornal O Imparcial, em sua edição do dia 07 de fevereiro do corrente, publicou uma matéria sobre as críticas do Conselheiro Henrique Liberato Salvador, da Delegacia Regional de P. Prudente do Conselho

Leia mais