Depósito Aduaneiro de Distribuição (DAD)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Depósito Aduaneiro de Distribuição (DAD)"

Transcrição

1 Mercdores Depósito Aduneiro de Distribuição (DAD) Coletâne (Norms Vigentes) Versão Mio de 2010 Atulizd té: nstrução Normtiv SRF nº 138, de 17 de dezembro de 1992 Pulo Werneck mercdores.blogspot.com

2 Depósito Aduneiro de Distribuição EXPLCAÇÃO Este trblho destin-se tornr mis fácil o conhecimento e o cumprimento d legislção. A versão "norms vigentes" present s norms (ou prtes dels) em vigor, qundo d publicção d coletâne, referentes o ssunto em tel. A versão "históric" present s norms que form considerds como estndo em vigor pel nstrução Normtiv SRF nº 85, de 18 de gosto de 2000, e posteriores, em vigor ou não, notds qunto revogções e lterções. Poderão ind ser presentds norms mis ntigs. N primeir págin o número d versão e mês de publicção, bem como pelo indictivo de qul últim norm considerd, presente no cmpo "Atulizd té:", indicm té qundo coletâne está tulizd. Adicionlmente, n págin em que s coletânes são rmzends, indic, n págin principl, qul últim norm considerd pelo tulizdor, ou sej, bixndo-se qulquer coletâne, pr sber se está complet ou não, bst consultr qul últim norm considerd, pel informção d págin, e em seguid consultr págin d Receit Federl, Legislção, e verificr se lgum norm ds publicds pós indicd no sítio Mercdores refere-se o ssunto em questão. nfelizmente tulizção sistemátic só está sendo feit com relção às instruções normtivs; s norms de outrs hierrquis poderão estr revogds ou destulizds! Os textos form obtidos principlmente em sítios oficiis n nternet, tis como os d Receit Federl, Presidênci d Repúblic e Sendo Federl, sem cotejo com o Diário Oficil d União. Est consolidção é fruto do trblho do utor, não podendo ser considerdo, em hipótese lgum, posição oficil d Secretri d Receit Federl do Brsil. Crítics, sugestões e demis contribuições poderão ser encminhds pr o endereço eletrônico ymil.com". É utorizd reprodução sem finlidde comercil, desde que citd fonte. 2

3 Depósito Aduneiro de Distribuição SUMÁRO NSTRUÇÕES NORMATVAS...4 nstrução Normtiv SRF nº 138, de 17 de dezembro de Estbelece Norms Complementres sobre o Regime Aduneiro Especil de Depósito Aduneiro de Distribuição - DAD

4 Depósito Aduneiro de Distribuição NSTRUÇÕES NORMATVAS nstrução Normtiv SRF nº 138, de 17 de dezembro de 1992 Art. 1º Art. 2º Art. 3º Art. 4º Publicd em 18 de dezembro de Retificd em 21 de jneiro de Considerd em vigor pel nstrução Normtiv SRF nº 85, de 18 de gosto de Estbelece Norms Complementres sobre o Regime Aduneiro Especil de Depósito Aduneiro de Distribuição - DAD. O Secretário d Receit Federl, no uso de sus tribuições e tendo em vist o disposto n Portri MF nº 720, de 23 de novembro de 1992, do Ministro de Estdo d Fzend, resolve: Cpítulo - Do Conceito e d Autorizção do Regime O Depósito Aduneiro de Distribuição (DAD) é o regime duneiro especil, de uso privtivo, que permite o entrepostmento de mercdoris estrngeirs importds sem cobertur cmbil e destinds à exportção, à reexportção pr terceiros píses e despcho pr consumo. O DAD terá como bse opercionl unidde de recinto lfndegdo loclizd em zon secundári, onde s mercdoris permnecerão depositds sob controle duneiro. Poderão ser beneficiáris do regime empress industriis estbelecids no Pís que preenchm, isold ou cumultivmente, s seguintes condições, medinte pedido fundmentdo dirigido o Secretário d Receit Federl, trvés do órgão locl de jurisdição: sejm beneficiário hbituis do regime duneiro especil de drwbck ou detentors de utorizção pr operr o regime de entreposto industril, medinte presentção de tos concessórios ou declrtórios, respectivmente; demonstrem ocupr lugr de destque n economi ncionl em seu setor de tividde econômic, por meio de ddos fornecidos pel confederção ou por federção de indústris, ou ind por publicções especilizds n áre econômic. Os pedidos deverão conter, obrigtorimente, s seguintes informções: justifictivs embsdors d solicitção: b vntgens comerciis, econômics e finnceirs pr o Pís; estimtiv do montnte de diviss que o empreendimento gerrá pr o Brsil; estimtiv do volume de importções, exportções, e reexportções pr o triênio, express em vlor e quntidde de moed estrngeir d frnc ceitção interncionl; 4

5 Depósito Aduneiro de Distribuição V V V nturez e especificção ds mercdoris dmissíveis, incluindo: o respectivo código NBM/SH; b os tributos essenciis que permitm su perfeit identificção; c o przo de vlidde ou de vid útil, contdo d dt de fbricção ou produção té o consumo finl; comprovção ds cpciddes jurídic, finnceir e d regulridde fiscl, medinte nexção dos seguintes documentos: b c d e f to constitutivo, esttuto ou contrto socil e s respectivs lterções esttutáris ou contrtuis, devidmente registrdos, em se trtndo de socieddes comerciis, e, no cso de socieddes por ções, compnhdos dos documentos de eleição de seus dministrdores; demonstrções contábeis d empres dos três últimos exercícios, de cordo com Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976 e Decreto-Lei nº 1.598, de 26 de dezembro de 1977; certidões negtivs de pedido de flênci ou concordt execução ptrimonil, expedid pelo distribuidor d sede d requerente, no Pís; prov de nscrição no Cdstro Gerl de Contribuintes (CGC/MF); prov de quitção pr com s Fzends Federl (Certidão Negtiv Qunto à Dívid Ativ d União e Certidão de Quitção de Tributos Federis Administrdos pel Secretri d Receit Federl), Estdul e Municipl, n form d lei; prov de quitção pr com o Sistem de Seguridde Socil (Certidão Negtiv de Débito com NSS - CND); g Certificdo de Regulridde de Situção com o FGTS - CRS. prov de vinculção d interessd à empres sedid no exterior, conforme previsto no rtigo 6º; projeto do depósito, constndo de, no mínimo: b plnt de situção em relção à mlh viári (rodoviári e ferroviári) e entorno; plnt bix e de corte ds edificções, indicndo s áres específics e confinds destinds à pré-dmissão e à rmzengem ds mercdoris importds, bem como à utilizção ou desunitizção de crgs; 5

6 Art. 5º c d e f g Depósito Aduneiro de Distribuição crcterístics físics e opercionis do depósito, dispondo qunto à segurnç fiscl e os sistems de rmzenmento; relção ds máquins pr movimentção de crgs e ds blnçs disponíveis; descrição dos sistems de prevenção e combte incêndio e de vigilânci; indicção de dequds instlções destinds às tividdes de fisclizção duneir; nexção de escritur de propriedde ou de contrto de locção ou comodto do imóvel onde funcionrá o depósito. O pedido de utorizção será protocolizdo junto o órgão locl que jurisdicionr o recinto pretendido pel interessd, pr que se mnifeste qunto: V à instrução do processo; à vistori do recinto indicdo, ds instlções e dos equipmentos; à disponibilidde de sistem informtizdo exclusivo pr controle de estoque do DAD, incluindo-se terminl pr uso d fisclizção duneir; à efetiv disponibilidde de mão-de-obr fiscl. 1º Enqunto não for crido o modelo pr Declrção de Admissão, utilizr-se-á o d Declrção de mportção. 2º Os eventuis extrvios, vris ou créscimos purdos n verificção pr dmissão no DAD poderão ser corrigidos medinte Declrção Complementr de mportção (DC), sem prejuízo d purção d correspondente responsbilidde, medinte vistori duneir. 3º A beneficiári firmrá Termo de Responsbilidde no Cmpo 24 d Declrção de mportção, em que fic investid d condição de fiel depositári pernte Fzend Ncionl, respondendo pelos tributos e demis exigíveis no cso de vri, extrvio ou créscimo ds mercdoris dmitids. Art. 6º Art. 7º Art. 8º Art. 9º Cpítulo - D Admissão e d Permnênci ds Mercdoris no Regime As mercdoris importds deverão ser d mesm mrc dotd pel beneficiári e produzids por empress sedids no exterior e vinculds à beneficiári, independentemente de su origem ou procedênci. O conhecimento de trnsporte interncionl d mercdori destind o DAD deverá ser emitido com cláusul pre-pid (pré-pgo). O conhecimento de trnsporte interncionl d mercdori importd expedid do DAD pr o exterior, em qulquer ds hipóteses prevists neste to, deverá ser emitido com cláusul collect ( pgr). O trnsporte de mercdoris importds pr o DAD, desde os pontos de descrg ou de entrd no Pís, se frá, medinte Declrção de Trânsito 6

7 Depósito Aduneiro de Distribuição Aduneiro (DTA), mprd em conhecimento de trnsporte interncionl e ftur comercil. Pr. único A mercdori vrid ou extrvid não será despchd d zon primári pr o DAD, enqunto não se purr responsbilidde por meio de procedimento de vistori duneir, o que não impede, critério d utoridde locl, liberção d prte intingid, vedd, entretnto, desistênci d vistori. Art. 10 A dmissão de mercdori no DAD fr-se-á medinte despcho que deverá: ter por bse Declrção de Admissão, formuld pelo consigntário; ser instruído com: b vi originl do conhecimento de trnsporte interncionl que deverá conter seguinte cláusul: "Mercdori destind dmissão no DAD... (mencionr o nome d empres e o locl)"; ftur comercil pro form emitid pelo consignnte, com mesm cláusul estbelecid n líne nterior e ind com expressão "sem cobertur cmbil"; ser presentdo o órgão locl que jurisdicione o recinto nos cinco dis úteis subsequentes à conclusão do trânsito duneiro. 1º Enqunto não for crido o modelo pr Declrção de Admissão, utilizr-se-á o d Declrção de mportção. 2º Os eventuis extrvios, vris ou créscimos purdos n verificção pr dmissão no DAD poderão ser corrigidos medinte Declrção Complementr de mportção (DC), sem prejuízo d purção d correspondente responsbilidde, medinte vistori duneir. 3º A beneficiári firmrá Termo de Responsbilidde no Cmpo 24 d Declrção de mportção, em que fic investid d condição de fiel depositári pernte Fzend Ncionl, respondendo pelos tributos e demis encrgos exigíveis no cso de vri, extrvio ou créscimo ds mercdoris dmitids. Art. 11 As mercdoris poderão permnecer no regime pelo przo de té um no, prorrogável por igul período. 1º Em situções especiis e medinte nuênci express do fornecedor estrngeiro, poderá ser concedid nov e últim prorrogção, respeitndo o limite máximo de permnênci de três nos. 2º N hipótese de pedido de prorrogção de przo levr-se-á ind em considerção, obrigtóri e cumultivmente: b c o protocolo do pedido com ntecedênci mínim de trint dis do vencimento do przo de permnênci ds mercdoris dmitids no regime; o przo de vlidde ou de vid útil ds mercdoris dmitids; demonstrtivo que comprove o tendimento do objetivo de gerção de diviss, conforme previsto no rtigo 9º d Portri MF nº 720/92; 7

8 d e Depósito Aduneiro de Distribuição comprovção d utilizção efetiv do regime, incluindo-se esttístics que demonstrem o volume de importções, exportções e reexportção no período; prévi precição do órgão locl que jurisdicion o recinto. 3º A prorrogção será utorizd pelo Superintendente d Receit Federl que jurisdicionr o recinto. Art. 12 Art. 13 Art. 14 Art. 15 Art. 16 Art. 17 Art. 18 Art. 19 Considerr-se-á bndond mercdori que permnecer no DAD sem que o seu despcho se inicie no decurso do przo previsto no inciso do rtigo 461 do Regulmento Aduneiro, provdo pelo Decreto nº , de 5 de mrço de É vedd dmissão no DAD de mercdori que, por su nturez, implique em riscos de explosão, corrosão, contminção, intoxicção, combustão ou perigo de grve lesão pessos e o meio mbiente, slvo qundo devidmente utorizdo pelo órgão competente e medinte existênci de instlções proprids. Cpítulo - Ds Operções e Destinções Permitids Serão permitids s seguintes operções ou mnipulções no DAD; desunitizção de crg importd; unitizção de crg e exportr ou reexportr; rmzengem, emblgem, reemblgem e conservção de mercdoris, mrcção e remrcção, numerção e renumerção, repro e resturção de volumes. A exportção ou reexportção de mercdoris dmitids será efetud de cordo com s norms plicáveis à espécie. A comprovção d efetiv síd ds mercdoris pr o exterior, no cso de exportção, será feit medinte presentção de gui de exportção devidmente verbd, do conhecimento de trnsporte interncionl e de not fiscl-ftur de vend. O despcho pr consumo ds mercdoris dmitids no regime fr-se-á com observânci de tods s exigêncis legis e regulmentres, sendo obrigtóri presentção d ftur comercil. Cpítulo V - Ds Penliddes e d Auditori Sem prejuízo de outrs snções prevists n legislção, o beneficiário do regime serão plicds s seguintes penliddes: denegção do pedido de prorrogção de przo de permnênci de mercdori dmitids no regime; suspensão ds tividdes do DAD; extinção d utorizção pr operr o regime. Será plicd pen de denegção do pedido de prorrogção do przo de permnênci de mercdoris no regime, se não forem cumprids s condições prevists no 2º do rtigo 11. 8

9 Depósito Aduneiro de Distribuição Pr. único A plicção d pen previst neste rtigo implicrá n obrigção de imedit exportção ou reexportção ds mercdoris o fornecedor estrngeiro. Art. 20 Art. 21 Art. 22 Art. 23 Art. 24 Art. 25 Art. 26 Art. 27 Art. 28 Será plicd pen de suspensão ds tividdes do DAD, que será dobrd em coso de reincidênci: por té trint dis, em cso de embrço, à fisclizção ou de reincidênci em to punível com pen previst no rtigo nterior; por té sessent dis, em cso de cometimento de tribuições privtivs do beneficiário do regime empres, ou outro estbelecimento, d mesm empres, não utorizdo operá-lo; por té novent dis, em cso de ção ou de omissão que resulte em dno à Fzend Ncionl. Será plicd pen de extinção d utorizção pr operr o regime, nos seguintes csos: incorrer, diret ou indiretmente, n prátic de crime relciondo com tráfico de nrcóticos, frudes fiscis, contrbndo, descminho, sonegção fiscl, contr ordem tributári, ou corrupção tiv ou pssiv; ção ou omissão dolos tendente subtrir o controle duneiro, ou dele ocultr, importção ou exportção de bens ou de mercdoris; prestção dolos de informção fls ou uso doloso de documento flso ns tividdes do DAD; V cúmulo, no período de dois nos, de suspensão cujo totl supere 180 dis; V proprição indébit. A penlidde somente será plicd medinte processo dministrtivo em que se grnt o direito de defes, com observânci do contrditório e dos recursos ele inerentes. Do to punitivo cberá recurso voluntário, um únic vez, no przo de trint dis contr d ciênci d decisão denegtóri: o Secretário d Receit Federl, se penlidde tiver sido plicd pelo Superintendente d Receit Federl; o Ministro d Fzend, se plicd pelo Secretário d Receit Federl. Não se terá como reincidente, penlidde cometid pós um no d nterior. Qundo penlidde for de suspensão ou extinção, est será publicd no Diário Oficil d União. Trnscorridos mis de dois nos de plicção d pen de extinção será fcultdo o pendo pleiter rebilitção. Ao rebilitdo que incidir em flt punível com extinção, est será plicd em cráter definitivo. São competentes: 9

10 Art. 29 Depósito Aduneiro de Distribuição pr plicr s penliddes de denegção de prorrogção e suspensão de tividdes do DAD, os Superintendentes d Receit Federl; pr plicr, s penliddes de extinção d utorizção, ou pr conceder rebilitção, o Secretário d Receit Federl. Cpítulo V - Outros Procedimentos A beneficiári do regime responde, em cso de extrvio, vri ou créscimo de mercdoris, que der cus, pelo pgmento dos tributos e penliddes exigíveis n dt de su purção. Pr. único Pr fins de cálculo dos tributos devidos e penliddes cbíveis, tx de conversão d moed estrngeir será vigente n dt de purção do fto. Art. 30 Art. 31 A beneficiári deverá elborr blncete mensl demonstrtivo d situção do estoque, ds entrds e ds síds, mntendo-o em seus rquivos à disposição d utoridde duneir, durnte o przo de vigênci d utorizção. As mercdoris depositds que se tornrem imprópris pr os fins que se destinm, com defeitos de fbricção, dnos provocdos por mnuseio indequdo ou obsolescênci tecnológic, poderão ser destruíds às expenss d beneficiári, medinte solicitção fundmentd submetid à utoridde fiscl jurisdicionnte, não sendo exigível d beneficiári o pgmento dos tributos, desde que o vlor ds mercdoris não ultrpsse dois por cento do vlor totl constnte ds fturs comerciis, que instruírm o despcho de dmissão. 1º N hipótese de se purr excesso o percentul previsto neste rtigo, deverão ser recolhidos os tributos devidos sobre o percentul totl ser destruído. 2º Pr efeito de cálculo dos tributos devidos, será plicdo o disposto no prágrfo único do rtigo 21. 3º No cso do 1º, os tributos deverão ser recolhidos té o último di útil d quinzen subsequencil à d utorizção pr destruição. 4º A solicitção de que trt este rtigo deverá ser instruíd com documento que mnifeste express nuênci do fornecedor estrngeiro e em nenhum hipótese ensejrá remess de diviss em pgmento de mercdori objeto de destruição. Art. 32 Art. 33 Aplicm-se o DAD, no que couber, s disposições do Regulmento Aduneiro provdo pelo Decreto nº , de 5 de mrço de 1985 e norms complementres. Est nstrução Normtiv entr em vigor n dt de su publicção. 10

01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente. Pág. a. 02. Termo de responsabilidade do técnico pela ocupação da via pública. Pág.

01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente. Pág. a. 02. Termo de responsabilidade do técnico pela ocupação da via pública. Pág. Câmr Municipl d Amdor DAU - Deprtmento de Administrção Urbnístic OCUPAÇÃO DA VIA PÚBLICA 20 Assunto: Ocupção d Vi Públic. MOD. 20/CMA/DAU/2004 FOLHA 00 List de Documentos (Consultr instruções em nexo)

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE CAPITULO I VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA FINS INDUSTRIAIS ARTIGO l. A lienção, trvés de vend, reliz-se por negocição direct com os concorrentes sendo o preço d vend fixo, por metro qudrdo, pr um ou mis

Leia mais

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso.

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso. TERMO DE ADESÃO A POLITICA DE INSCRIÇÃO NOS EVENTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENFERMAGEM 9ª. JORNADA BRASILEIRA DE ENFERMAGEM GERIÁTRICA E GERONTOLÓGICA TEMA CENTRAL: A interfce do cuiddo de enfermgem

Leia mais

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 6.1 Recursos de curto przo 6.2 Administrção de disponibiliddes 6.3 Administrção de estoques 6.4 Administrção de conts 6.1 Recursos de Curto Przo Administrção Finnceir e

Leia mais

U04.6. Câmara Municipal da Amadora. Pág. 1 a. 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009) 01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente.

U04.6. Câmara Municipal da Amadora. Pág. 1 a. 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009) 01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente. Câmr Municipl d Amdor Deprtmento de Administrção U04.6 Urbnísitic EMISSÃO DE LICENÇA ESPECIAL OU COMUNICAÇÃO PRÉVIA PARA OBRAS INACABADAS LISTA DE DOCUMENTOS 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009)

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos http://www.plnlto.gov.br/ccivil_03/eis/cp/cp139.htm Pge 1 sur 22 Presidênci d Repúblic Cs Civil Subchefi pr Assuntos Jurídicos EI COMPEMENTAR Nº139, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2011 Mensgem de veto Vigênci Alter

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 068/2012

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 068/2012 P.J.U.- TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO 1 PODER JUDICIÁRIO DA UNIÃO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 068/2012 Regido pel Lei nº 10.520/2002, Lei Complementr

Leia mais

DECRETO Nº 27631. de 22 de abril de 2010.

DECRETO Nº 27631. de 22 de abril de 2010. DECRETO Nº 27631 de 22 de bril de 2010. Regulment Períci Médic e Ocupcionl dos servidores municipis d Prefeitur de Gurulhos. SEBASTIÃO DE ALMEIDA, PREFEITO DA CIDADE DE GUARULHOS, no uso de sus tribuições

Leia mais

AGENTE ADMINISTRATIVO DO MP/RS DIREITO ADMINISTRATIVO DELEGAÇÃO DE SERVIÇOS NOTARIAIS E REGISTRAIS DO RS

AGENTE ADMINISTRATIVO DO MP/RS DIREITO ADMINISTRATIVO DELEGAÇÃO DE SERVIÇOS NOTARIAIS E REGISTRAIS DO RS 1 SUMÁRIO I. Administrção Públic... II. Atos Administrtivos... III. Poder de Políci... IV. Serviço Público... V. Responsbilidde Civil do Estdo... VI. Controle d Administrção Públic... 02 09 21 23 25 27

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 3.768, DE 25 DE OUTUBRO DE 2005

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 3.768, DE 25 DE OUTUBRO DE 2005 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº.768, DE 5 DE OUTUBRO DE 005 O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso de sus tribuições legis, e considerndo o disposto n Portri MP no 08, de de julho

Leia mais

A Participação dos Municípios na Arrecadação do ICMS

A Participação dos Municípios na Arrecadação do ICMS A Prticipção dos Municípios n Arrecdção do ICMS INFORMAÇÕES PARA A CONTABILIDADE FEVEREIRO / 2013 Escol Fzendári do Estdo de São Pulo - Fzesp GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA FAZENDA COORDENADORIA

Leia mais

REGISTRO DE PREÇOS PREGÃO PRESENCIAL Nº 018/2007 TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 14ª REGIÃO

REGISTRO DE PREÇOS PREGÃO PRESENCIAL Nº 018/2007 TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 14ª REGIÃO REGISTRO DE PREÇOS PREGÃO PRESENCIAL Nº 018/2007 TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 14ª REGIÃO SETOR PROCESSO TRT Nº 01330.2006.000.14.00-0 COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO TIPO Menor Preço por lote, objetivndo

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Pge 1 of 59 Presidênci d Repúblic Cs Civil Subchefi pr Assuntos Jurídicos LEI COMPLEMENTAR Nº 123, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2006 (Republicção em tendimento o disposto no rt. 5º d Lei Complementr nº 139, de

Leia mais

Edital de Processo Seletivo Nº 21/2015

Edital de Processo Seletivo Nº 21/2015 Editl de Processo Seletivo Nº 21/2015 O SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL ADMINISTRAÇÃO REGIONAL NO ESTADO DO PIAUÍ, SENAC-PI, no uso de sus tribuições regimentis, torn público que estão berts

Leia mais

MANUAL DE USO DA MARCA DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA

MANUAL DE USO DA MARCA DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA MANUAL DE USO DA MARCA DA MARÇO/2011 1 Identidde Visul Sobre o Mnul d Mrc Este mnul vis pdronizr e estbelecer regrs de uso pr mrc d Forç Aére Brsileir. Mrc é um símbolo que funcion como elemento identificdor

Leia mais

I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS:

I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS: PAINT 24 - I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS: 1.1 - Auditoris de Conformidde Uniddes Orig d dnd: Intern com bse nos resultdos d Mtriz de Risco elbord pel Auditori Intern Nº UNIDADE OBJETIVOS ESCOPO

Leia mais

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE;

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE; http://www.mm.gov.br/port/conm/res/res97/res22697.html Pge 1 of 5 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 226, DE 20 DE AGOSTO DE 1997 O Conselho Ncionl do Meio Ambiente - CONAMA, no uso ds tribuições que lhe são conferids

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO PROCESSO SELETIVO DE PROVAS E TÍTULOS PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PROFESSOR DA EDUCAÇÃO SUPERIOR EDITAL N 004/2012 UNEMAT A, no uso de sus tribuições legis e em cumprimento ds norms prevists no rtigo

Leia mais

CONSULTE A LISTA DE CONVÊNIOS PARTICIPANTES DA PROMOÇÃO

CONSULTE A LISTA DE CONVÊNIOS PARTICIPANTES DA PROMOÇÃO CONSULTE A LISTA DE CONVÊNIOS PARTICIPANTES DA PROMOÇÃO Fundção d UFPR (Desenvolvimento d Ciênci, tecnologi e d cultur) - FUNPAR Fundo Previdenciário do Município de Pulist Governo do Estdo d Príb Governo

Leia mais

Conheça a sua fatura da água!

Conheça a sua fatura da água! Conheç su ftur d águ! Jneiro de 20 FATURA/RECIBO N.º: 27 VALOR 8,7 Euros Município de Reguengos de Monsrz Titulr / Locl Mord ou sítio de leitur/do contdor Loclidde d mord de leitur NIF: Áre NIPC 07 040

Leia mais

EDITAL/SEE Nº 002/2014

EDITAL/SEE Nº 002/2014 EDITAL/SEE Nº 002/2014 PROCESSO DE SELEÇÃO SIMPLIFICADA PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE MONITOR/A PROFESSOR/A INDÍGENA DO ENSINO FUNDAMENTAL E ENSINO MÉDIO PARA AS ESCOLAS INDÍGENAS DA REDE ESTADUAL DE

Leia mais

1.8 Não será permitida a inscrição simultânea em mais de 2 (dois) componentes curriculares a serem lecionados no mesmo período.

1.8 Não será permitida a inscrição simultânea em mais de 2 (dois) componentes curriculares a serem lecionados no mesmo período. VISO PÚBLICO Nº 04/UNOESC-R/2015 O Reitor d Universidde do Oeste de Snt Ctrin Unoesc, Unoesc Virtul, entidde educcionl, crid pel Lei Municipl nº 545/68 e estruturd de direito privdo, sem fins lucrtivos,

Leia mais

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama.

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama. Crtilh Explictiv Segurnç pr quem você m. Bem-vindo, novo prticipnte! É com stisfção que recebemos su desão o Fmíli Previdênci, plno desenhdo pr oferecer um complementção de posentdori num modelo moderno

Leia mais

Regulamento Promoção Promo Dotz

Regulamento Promoção Promo Dotz Regulmento Promoção Promo Dotz 1. Empres Promotor 1.1 Est promoção é relizd pel CBSM - Compnhi Brsileir de Soluções de Mrketing, dministrdor do Progrm Dotz, com endereço n Ru Joquim Florino n. 533 / 15º

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA IMPRESSÃO e PRODUÇÃO DE MATERIAL INSTITUCIONAL

TERMO DE REFERÊNCIA IMPRESSÃO e PRODUÇÃO DE MATERIAL INSTITUCIONAL PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DA CASA CIVIL CDURP COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO URBANO DA REGIÃO DO PORTO DO RIO DE JANEIRO TERMO DE REFERÊNCIA IMPRESSÃO e PRODUÇÃO DE MATERIAL

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ILUMINAÇÃO TÉCNICA FÁBRICAS DE CULTURA

TERMO DE REFERÊNCIA ILUMINAÇÃO TÉCNICA FÁBRICAS DE CULTURA TERMO DE REFERÊNCIA ILUMINAÇÃO TÉCNICA FÁBRICAS DE CULTURA CAPÃO REDONDO Ru Lubvitch, 64 01123010 Bom Retiro São Pulo SP Tel/Fx: 11 3361 4976 www.poiesis.org.br TRIluminção Técnic ArenCPR ÍNDICE DO TERMO

Leia mais

IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE AS TRANSMISSÕES ONEROSAS DE IMÓVEIS - (IMT) DECLARAÇÃO PARA LIQUIDAÇÃO OFICIOSA Modelo 1 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO

IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE AS TRANSMISSÕES ONEROSAS DE IMÓVEIS - (IMT) DECLARAÇÃO PARA LIQUIDAÇÃO OFICIOSA Modelo 1 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE AS TRANSMISSÕES ONEROSAS DE IMÓVEIS - (IMT) DECLARAÇÃO PARA LIQUIDAÇÃO OFICIOSA Modelo 1 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DECLARAÇÃO MODELO 1 Est declrção destin-se solicitr liquidção

Leia mais

Internação WEB BR Distribuidora v20130701.docx. Manual de Internação

Internação WEB BR Distribuidora v20130701.docx. Manual de Internação Mnul de Internção ÍNDICE CARO CREDENCIADO, LEIA COM ATENÇÃO.... 3 FATURAMENTO... 3 PROBLEMAS DE CADASTRO... 3 PENDÊNCIA DO ATENDIMENTO... 3 ACESSANDO O MEDLINK WEB... 4 ADMINISTRAÇÃO DE USUÁRIOS... 5 CRIANDO

Leia mais

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600 1 - INTRODUÇÃO Ests instruções têm por objetivo fornecer s orientções pr utilizção do critério pr cálculo d demnd de edifícios residenciis de uso coletivo O referido critério é plicável os órgãos d COPEL

Leia mais

Ilha Solteira, 17 de janeiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013

Ilha Solteira, 17 de janeiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013 Nossos prceiros Pel trnsprênci e qulidde d plicção dos recursos públicos Ilh Solteir, 17 de jneiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013 Ao Exmo. Sr. Alberto dos Sntos Júnior Presidente d Câmr Municipl de Ilh

Leia mais

PROGRAMA SENAC DE GRATUIDADE - PSG 1º EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SENAC/AL

PROGRAMA SENAC DE GRATUIDADE - PSG 1º EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SENAC/AL PROGRAMA SENAC DE GRATUIDADE - PSG 1º EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SENAC/AL 1. DO PROGRAMA 1.1. O PSG destin-se pessos de bix rend cuj rend fmilir mensl per cpit não ultrpsse 2 slários mínimos federis,

Leia mais

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra Serviços de Acção Socil d Universidde de Coimbr Serviço de Pessol e Recursos Humnos O que é o bono de fmíli pr crinçs e jovens? É um poio em dinheiro, pgo menslmente, pr judr s fmílis no sustento e n educção

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 083/2003, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003.

LEI COMPLEMENTAR Nº 083/2003, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003. LEI COMPLEMENTAR Nº 083/2003, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003. INSTITUI A TAXA DE SERVIÇO DE LIMPEZA URBANA, COLETA E DESTINAÇÃO FINAL DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE TANGARÁ DA SERRA-MT E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

TABELA I DOS PROCESSOS EM GERAL

TABELA I DOS PROCESSOS EM GERAL TABELA I DOS PROCESSOS EM GERAL I Ds Cuss em Gerl, inclusive Execução e Reconvenção; ds A ções Cutelres; Embrgos à Execução; dos Mnddos de Segurnç com Vlor Estimável; d Arremtção, Adjudicção e Remissão;

Leia mais

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO)

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) GESTÃO DE EMPRESAS CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) Exercícios Amortizção de Empréstimos EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO Exercício 1 Um empréstimo vi ser reembolsdo trvés de reembolsos nuis, constntes

Leia mais

O Desembargador BERNARDINO LUZ, Corregedor-Geral da Justiça do Estado do Tocantins, no exercício de suas atribuições legais e regimentais;

O Desembargador BERNARDINO LUZ, Corregedor-Geral da Justiça do Estado do Tocantins, no exercício de suas atribuições legais e regimentais; PROVIMENTO Nº. 01/2009 - CGJUS-TO Regulment os procedimentos reltivos à quisição, repsse e uso do Selo de Fisclizção dos Serviços Extrjudiciis e disciplin o ressrcimento os registrdores civis ds pessos

Leia mais

COMISSÃO ESPECIAL DESTINADA A EMITIR PARECER AO

COMISSÃO ESPECIAL DESTINADA A EMITIR PARECER AO COMISSÃO ESPECIAL DESTINADA A EMITIR PARECER AO PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N 25, DE 2007 PARECER AO PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N 25, DE 2007 (APENSOS OS PROJETOS DE LEI COMPLEMENTAR N 379/08, 415/08,

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Habilitação Profissional: Técnica de nível médio de Auxiliar de Contabilidade

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Habilitação Profissional: Técnica de nível médio de Auxiliar de Contabilidade Plno de Trblho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Hbilitção Profissionl: Técnic de nível médio de Auxilir de Contbilidde

Leia mais

4.1. Modalidades de Pagamento 4.2. Pagamento do Incentivo relativo às Operações de Locação Financeira 4.3. Garantias Bancárias

4.1. Modalidades de Pagamento 4.2. Pagamento do Incentivo relativo às Operações de Locação Financeira 4.3. Garantias Bancárias UNIÃO EUROPEIA Fundos Estruturis SIME Gui do Beneficiário (Portri n.º 262/2004, de 11 de Mrço) - Introdução 1. Notificção e Contrtção dos Incentivos. 1.1. Notificção 1.2. Contrtção 1.3. Elementos Adicionis,

Leia mais

PREÇÁRIO Informação de Produtos e Serviços Aviso nº 1/95 do Banco de Portugal

PREÇÁRIO Informação de Produtos e Serviços Aviso nº 1/95 do Banco de Portugal 01-08-09 / Pág. 1/12 CRÉDITO PESSOAL CRÉDITO NO PONTO DE VENDA - PARTICULARES Crédito Lr Txs Representtivs Tx Preferencil Tx Nominl Nominl 7,500% 29,500% 18,3% CRÉDITO NO PONTO DE VENDA - EMPRESAS Crédito

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES CONFIDENCIAIS

FICHA DE INFORMAÇÕES CONFIDENCIAIS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA E DEFESA SOCIAL DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO DO ESTADO DO CEARÁ POLÍCIA MILITAR DO CEARÁ CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO CARGO DE SOLDADO PM

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Mnul de Operção e Instlção Clh Prshll MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS Cód: 073AA-025-122M Rev. B Novembro / 2008 S/A. Ru João Serrno, 250 Birro do Limão São Pulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2015. Etec Profª Ermelinda Giannini Teixeira

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2015. Etec Profª Ermelinda Giannini Teixeira Coorden http://www.etecermelind.com.br/etec/sis/ptd_tec_6.php 1 de 5 18/09/2015 12:45 Unidde de Ensino Médio e Técnico Cetec Ensino Técnico Integrdo o Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plno de Trblho Docente

Leia mais

GUIA PRÁTICO ABONO DE FAMILIA PARA CRIANÇAS E JOVENS

GUIA PRÁTICO ABONO DE FAMILIA PARA CRIANÇAS E JOVENS Mnul de GUIA PRÁTICO ABONO DE FAMILIA PARA CRIANÇAS E JOVENS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Deprtmento/Gbinete Pág. 1/26 FICHA TÉCNICA TÍTULO Gui Prático Abono de fmíli pr crinçs e jovens

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 Ministério d Educção Universidde Tecnológic Federl do Prná Comissão Permnente de Concurso Público PR CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 ÁREA / SUBÁREA: ELETROTÉCNICA GABARITO PROJETOS ELÉTRICOS INSTRUÇÕES

Leia mais

6. TÍTULOS EM ESPÉCIE E CONTRATOS EMPRESARIAIS 6.1 NOTA PROMISSÓRIA DEC. 57.663/66 6.1.1 CARACTERÍSTICAS NOTA PROMISSÓRIA NOTA PROMISSÓRIA CONCEITO

6. TÍTULOS EM ESPÉCIE E CONTRATOS EMPRESARIAIS 6.1 NOTA PROMISSÓRIA DEC. 57.663/66 6.1.1 CARACTERÍSTICAS NOTA PROMISSÓRIA NOTA PROMISSÓRIA CONCEITO 6. TÍTULOS EM ESPÉCIE E CONTRTOS EMPRESRIIS 6.1 NOT PROMISSÓRI DEC. 57.663/66 Profª Msc Margô Trindade Sartori margosartori@gmail.com Profª Msc Margô Trindade Sartori margosartori@gmail.com NOT PROMISSÓRI

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL

EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL ISSN 1677-7042 Ano CXLV 243 Brsíli - DF, segund-feir, 15 de dezembro de 2008. Sumário PÁGINA Atos do Poder Judiciário... 1 Atos do Poder Executivo... 1 Presidênci d Repúblic... 104 Ministério d Agricultur,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turm K) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Celso Mnuel Lim Docente Celso Mnuel

Leia mais

SISTEMA MERCANTE DEFINIÇÕES DOS LAY-OUTS ESQUEMÁTICOS

SISTEMA MERCANTE DEFINIÇÕES DOS LAY-OUTS ESQUEMÁTICOS SISTEMA MERCANTE DEFINIÇÕES DOS LAY-OUTS ESQUEMÁTICOS TIPOS DE REGISTROS : MANIFESTO DE CARGA M1 = INTERIOR M2 = BALDEAÇÃO CARGA ESTRANGEIRA M3 = CABOTAGEM M4 = BALDEAÇÃO CARGA NACIONAL (A) M5 = LONGO

Leia mais

EDITAL DO PROGRAMA DE BOLSA DE ESTUDO 2015

EDITAL DO PROGRAMA DE BOLSA DE ESTUDO 2015 EDITAL DO PROGRAMA DE BOLSA DE ESTUDO 2015 A Diretor do Colégio Noss Senhor do Perpétuo Socorro no exercício ds tribuições que lhe conferem o seu Regimento Escolr, - considerndo o que determin Lei 12.101/2009,

Leia mais

Atos do Congresso Nacional

Atos do Congresso Nacional ISSN 1677-7042 Ano CXLIII 121 Brsíli - DF, terç-feir, 27 de junho de 2006 Sumário. PÁGINA Atos do Poder Judiciário... 1 Atos do Congresso Ncionl... 1 Atos do Poder

Leia mais

Obras de Construção/Alteração/Ampliação, em área não abrangida por operação de loteamento.

Obras de Construção/Alteração/Ampliação, em área não abrangida por operação de loteamento. Câmr Municipl d Amdor Deprtmento de Administrção Urbnísitic U04 LICENCIAMENTO OU COMUNICAÇÃO PRÉVIA DE OBRAS DE EDIFICAÇÃO CONSTRUÇÃO/RECONSTRUÇÃO/AMPLIAÇÃO/ALTERAÇÃO (ASSINALAR O TIPO DE PEDIDO) LICENCIAMENTO

Leia mais

Diário Oficial. Estado de Mato Grosso do Sul

Diário Oficial. Estado de Mato Grosso do Sul 11-1 0-1977 Diário Oficil Estdo de Mto Grosso do Sul ANO XXXIII n. 7.937 CAMPO GRANDE-MS, QUINTA-FEIRA, 80 PÁGINAS GOVERNADOR ANDRÉ PUCCINELLI Vice-Governdor SIMONE TEBET Secretário de Estdo de Governo

Leia mais

Oferta n.º 1260. Praça do Doutor José Vieira de Carvalho 4474-006 Maia Tel. 229 408 600 Fax 229 412 047 educacao@cm-maia.pt www.cm-maia.

Oferta n.º 1260. Praça do Doutor José Vieira de Carvalho 4474-006 Maia Tel. 229 408 600 Fax 229 412 047 educacao@cm-maia.pt www.cm-maia. Procedimento de seleção pr recrutmento de Técnicos no âmbito do Progrm de Atividdes de Enriquecimento Curriculr do 1.º Ciclo de Ensino Básico Inglês Ofert n.º 1260 A Câmr Municipl Mi procede à bertur do

Leia mais

ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU

ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU 1 ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU EDITAL UFU/PREFE/044/2010 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIÁRIO(A) A Pró-reitori de Grdução d Universidde Federl de Uberlândi, mprd no rtigo 248 ds Norms de Grdução

Leia mais

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295 Anuiddes equivlentes: $480 + $113 + $149 5 9% 5 VPL A (1, 09) $56, 37 A 5 9% 3,88965 5 9% 5 9% AE = = = = $14, 49 = 3,88965 AE B $140 $620 + $120 + 7 9% 7 VPL B (1, 09) $60, 54 = = = 5, 03295 7 9% 7 9%

Leia mais

ASSEMBLEIA NACIONAL 78 I SÉRIE N O 3 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 8 DE JANEIRO DE 2015

ASSEMBLEIA NACIONAL 78 I SÉRIE N O 3 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 8 DE JANEIRO DE 2015 78 I SÉRIE N O 3 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 8 DE JANEIRO DE 2015 ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º 81/VIII/2015 de 8 de Jneiro Por mndto do Povo, Assemblei Ncionl decret, nos termos d líne b) do rtigo

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO. DISCIPLINA: OPERAÇÕES TÉCNICAS DE RECEÇÃO (12º Ano Turma M)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO. DISCIPLINA: OPERAÇÕES TÉCNICAS DE RECEÇÃO (12º Ano Turma M) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO DISCIPLINA: (12º Ano Turm M) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Teres Sous Docente Teres Bstos Ano Letivo 2015/2016 Competêncis

Leia mais

Manual TISS. Consultórios, Hospitais, Clínicas e Laboratórios. 1ª Versão: 12/06/2007

Manual TISS. Consultórios, Hospitais, Clínicas e Laboratórios. 1ª Versão: 12/06/2007 Mnul TISS Instruções pr preenchimento. Consultórios Hospitis Clínics e Lbortórios. 1ª Versão 12062007 Índice 1. Apresentção... 1 2. Definição do Pdrão TISS... 2 3. Objetivo do Pdrão TISS... 2 4. Guis (formulários)

Leia mais

Operador Estrangeiro Certificado

Operador Estrangeiro Certificado Mercadores Coletânea (Normas Vigentes) Versão 1.01 - Junho de 2013 Atualizada até: nstrução Normativa RFB nº 1.278, de 2 de julho de 2012 Paulo Werneck mercadores.blogspot.com www.mercadores.com.br EXPLCAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO - UFRJ INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA - COPPE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO - UFRJ INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA - COPPE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO - UFRJ INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA - COPPE EDITAL PEC/COPPE/UFRJ Nº 261/2015: PROCESSO SELETIVO DE CANDIDATOS PARA INSCRIÇÃO

Leia mais

EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL

EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL ISSN 1677-7042 Ano CXLVII 6 Brsíli - DF, qurt-feir, 27 de outubro de. Sumário PÁGINA Atos do Poder Legisltivo... 1 Atos do Congresso Ncionl... 2 Atos do Poder Executivo... 2 Presidênci d Repúblic... 3

Leia mais

BRAINSTORMING O BRAINSTORMING QUE É ISSO? O QUE É ISSO?

BRAINSTORMING O BRAINSTORMING QUE É ISSO? O QUE É ISSO? A ATUAL TAXATIVIDADE DO CNIS O O E inversão do ônus d prov em fvor do segurdo? *Erik Pereir: Administrdor e Consultor. Especilist em Gestão de Pessos e Plnejmento Estrtégico. Por Ann Cd M. Frclossi I *Erik

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO - UFRJ INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA - COPPE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO - UFRJ INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA - COPPE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO - UFRJ INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA - COPPE EDITAL COPPE/PENO/PÓS nº 235/2014: PROCESSO SELETIVO DE CANDIDATOS PARA INSCRIÇÃO

Leia mais

I - Celebração, Modificação e Cessação do Contrato 1.

I - Celebração, Modificação e Cessação do Contrato 1. 1 6 CARTÃO DE CRÉDITO PARTICULAR SOC. COMERCIAL C. SANTOS Montepio Crédito - Instituição Finnceir de Crédito, S.A. Condições Geris de Utilizção, Direitos e Deveres ds Prtes Elbords de cordo com o Aviso

Leia mais

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras Universidde Estdul de Cmpins Fernnd Resende Serrdourd RA: 093739 Disciplin: CS101- Métodos e Técnics de Pesquis Professor: Armndo Vlente Propost de Projeto de Pesquis Liberdde de expressão n mídi: seus

Leia mais

EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL

EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL ISSN 1677-7042 Ano CXLVI N o - 152 Brsíli - DF, terç-feir, de gosto de 09 Sumário. PÁGINA Atos do Congresso Ncionl... 1 Presidênci d Repúblic... 2 Ministério d Agricultur, Pecuári e Abstecimento... 3 Ministério

Leia mais

Grupo Educacional Unis

Grupo Educacional Unis Fundção de Ensino e Pesquis do Sul de Mins Centro Universitário do Sul de Mins Editl de Processo Seletivo Modlidde Distânci - CPS 01/2015 Vestibulr 2015 1º Semestre Grupo Educcionl Unis O Reitor do Centro

Leia mais

Oferta n.º 1274; 1275 e 1276

Oferta n.º 1274; 1275 e 1276 Procedimento de seleção pr recrutmento de Técnicos no âmbito do Progrm de Atividdes de Enriquecimento Curriculr do 1.º Ciclo de Ensino Básico Inglês Ofert n.º 1274; 1275 e 1276 A Câmr Municipl Mi procede

Leia mais

EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL

EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL ISSN 1677-7042 Ano CXLVI N o - Brsíli - DF, quint-feir, 15 de jneiro de 09 Sumário. PÁGINA Atos do Poder Legisltivo... 1 Atos do Poder Executivo... 4 Presidênci d Repúblic... 8 Ministério d Agricultur,

Leia mais

CPV O cursinho que mais aprova na GV

CPV O cursinho que mais aprova na GV O cursinho que mis prov n GV FGV Administrção 04/junho/006 MATEMÁTICA 0. Pulo comprou um utomóvel fle que pode ser bstecido com álcool ou com gsolin. O mnul d montdor inform que o consumo médio do veículo

Leia mais

SCHIMITT AUDITORES S/S. Previdenciárias e Trabalhistas

SCHIMITT AUDITORES S/S. Previdenciárias e Trabalhistas Volume 8, edição 8 Julho 2015 SCHIMITT AUDITORES S/S Boletim Informtivo Interesses especiis: Atulizções Tributáris; Atulizções Contábeis; Atulizções Trblhists. Novs Obrigções Acessóris SPED ECF - Escriturção

Leia mais

LEI Nº 5.580. Institui o Plano de Carreira e Vencimentos do Magistério Público Estadual do Espírito Santo O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

LEI Nº 5.580. Institui o Plano de Carreira e Vencimentos do Magistério Público Estadual do Espírito Santo O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO LEI Nº 5.580 Institui o Plno de Crreir e Vencimentos do Mgistério Público Estdul do Espírito Snto O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Fço sber que Assembléi Legisltiv decretou e eu snciono seguinte

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO RESPONSÁVEL PELO EMPREENDIMENTO: 1.1. NOME: 1.3. CPF: 1.4. Endereço: 2.1-Razão Social: 2.2- Nome Fantasia:

1. IDENTIFICAÇÃO DO RESPONSÁVEL PELO EMPREENDIMENTO: 1.1. NOME: 1.3. CPF: 1.4. Endereço: 2.1-Razão Social: 2.2- Nome Fantasia: Cdstro de Instlções e Sistems de Armzenmento de Derivdos de Petróleo e Outros Combustíveis 1. IDENTIFICAÇÃO DO RESPONSÁVEL PELO EMPREENDIMENTO: 1.1. NOME: 1.2. Doc. Identidde: Órgão Expedidor: UF: 1.3.

Leia mais

Ter formação mínima em nível superior comprovada que atenda a formação acadêmica ou formação ou vinculação em programa de

Ter formação mínima em nível superior comprovada que atenda a formação acadêmica ou formação ou vinculação em programa de ANEXO II EDITAL Nº 04/2014 2 º PRORROGAÇÃO PARA VAGAS REMANESCENTES QUADRO DE VAGAS REMANESCENTES PARA O PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO DE PROFESSORES PESQUISADORES FORMADORES ÁREA DA PESQUISA EMENTA EIXO

Leia mais

NORMA REGULAMENTADORA 1 - NR 1 DISPOSIÇÕES GERAIS

NORMA REGULAMENTADORA 1 - NR 1 DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA REGULAMENTADORA 1 - NR 1 DISPOSIÇÕES GERAIS 1.1. As Norms Regulmentdors - NR, reltivs à segurnç e medicin do trblho, são de observânci obrigtóri pels empress privds e públics e pelos órgãos públicos

Leia mais

Autoriza o Poder Executivo Municipal a aderir ao programa BADESC CIDADES II e tomar empréstimo juttto ao BADESC - Agência de Fomento de santa

Autoriza o Poder Executivo Municipal a aderir ao programa BADESC CIDADES II e tomar empréstimo juttto ao BADESC - Agência de Fomento de santa PREFEITURA MUN ICI PAL DE T,IONDAI LEI N".3.512, DE l1 DE JUNHO DE 2013. Autoriz o Poder Executivo Municipl derir o progrm BADESC CIDADES II e tomr empréstimo juttto o BADESC - Agênci de Fomento de snt

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES PROFESSOR: MARCOS AGUIAR MAT. BÁSICA I. FUNÇÕES. DEFINIÇÃO Ddos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ALEXANDRINA FERREIRA GOMES O IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO (IVA) NO MERCADO FINANCEIRO CABOVERDEANO PORTO ALEGRE 2010 ALEXANDRINA FERREIRA GOMES O IMPOSTO

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA 1 - Ddos do Proponente 1.1- Nome d Entidde 1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Dt d Fundção 1.5- Endereço 20/09/2011 1.6- Município 1.7- CEP 1.8- U F

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAD Nº 01/2015

RESOLUÇÃO CONAD Nº 01/2015 RESOLUÇÃO CONAD Nº 01/2015 Regulment, no âmbito do Sistem Ncionl de Polítics Públics sobre Drogs (SISNAD), s entiddes que relizm o colhimento de pessos, em cráter voluntário, com problems ssocidos o uso

Leia mais

Mod. 248-1 Tit. - Abril 2015

Mod. 248-1 Tit. - Abril 2015 Mod. 248-1 Tit. - Abril 2015 1 6 CARTÃO DE CRÉDITO PARTICULAR UNICRE Condições Geris de Utilizção, Direitos e Deveres ds Prtes Elbords de cordo com o Aviso nº 11/2001 de 20/11 do Bnco de Portugl, o Regulmento

Leia mais

Carta Convite para Seleção de Preceptores. Desenvolvimento de Competência Pedagógica para a prática da Preceptoria na Residência Médica

Carta Convite para Seleção de Preceptores. Desenvolvimento de Competência Pedagógica para a prática da Preceptoria na Residência Médica ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MÉDICA (ABEM) Av. Brsil, 4036 sls 1006/1008 21040-361 Rio de Jneiro-RJ Tel.: (21) 2260.6161 ou 2573.0431 Fx: (21) 2260.6662 e-mil: rozne@bem-educmed.org.br Home-pge: www.bem-educmed.org.br

Leia mais

Mod. 248-1 Tit. - Julho 2015

Mod. 248-1 Tit. - Julho 2015 1 6 CARTÃO DE CRÉDITO PARTICULAR UNICRE Condições Geris de Utilizção, Direitos e Deveres ds Prtes Elbords de cordo com o Aviso nº 11/2001 de 20/11 do Bnco de Portugl, o Regulmento (CE) nº 924/2009, o Decreto-Lei

Leia mais

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos 3. Cálculo integrl em IR 3.. Integrl Indefinido 3... Definição, Proprieddes e Exemplos A noção de integrl indefinido prece ssocid à de derivd de um função como se pode verificr prtir d su definição: Definição

Leia mais

Ano CXLIV N o - 135 Brasília - DF, segunda-feira, 16 de julho de 2007

Ano CXLIV N o - 135 Brasília - DF, segunda-feira, 16 de julho de 2007 ISSN 1677-7042 Ano CXLIV N o - 135 Brsíli - DF, segund-feir, 16 de julho de 2007 Sumário. PÁGINA Presidênci d Repúblic... 1 Ministério d Agricultur, Pecuári e Abstecimento... 4 Ministério

Leia mais

ÍNDICE Registro De Empregados 5 Informações Básicas 5 Documentação Para O Registro 5 Sistema Informatizado 6 Conceito Trabalhadores 6 Empregado 6

ÍNDICE Registro De Empregados 5 Informações Básicas 5 Documentação Para O Registro 5 Sistema Informatizado 6 Conceito Trabalhadores 6 Empregado 6 1 ÍNDICE Registro De Empregdos 5 Informções Básics 5 Documentção Pr O Registro 5 Sistem Informtizdo 6 Conceito Trblhdores 6 Empregdo 6 Empregdo Rurl 6 Empregdo Doméstico 6 Empregdo Temporário 6 Aprendiz

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL. Página da Prefeitura na i nternet: www.portoalegre.rs.gov.br. Campanha estimula população a doar sangue

DIÁRIO OFICIAL. Página da Prefeitura na i nternet: www.portoalegre.rs.gov.br. Campanha estimula população a doar sangue DIÁRIO OFICIAL PORTO ALEGRE Órgão de divulgção do Município Ano IX Edição 2.301 Segund-feir, 14 de junho de 2004 Págin d Prefeitur n i nternet: www.portolegre.rs.gov.br SOLIDARIEDADE Cmpnh estimul populção

Leia mais

ESTRATÉGIA e-sus ATENÇÃO BÁSICA

ESTRATÉGIA e-sus ATENÇÃO BÁSICA NOTA TÉCNICA 07 2013 ESTRATÉGIA e-sus ATENÇÃO BÁSICA E SISTEMA DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE DA ATENÇÃO BÁSICA - SISAB Brsíli, 19 de bril de 2013 (tulizd em julho de 2013 com Portri nº 1.412, de 10 de julho de

Leia mais

Diário Oficial. Estado de Mato Grosso do Sul. Secretário de Estado de Administração e Desburocratização CARLOS ALBERTO DE ASSIS

Diário Oficial. Estado de Mato Grosso do Sul. Secretário de Estado de Administração e Desburocratização CARLOS ALBERTO DE ASSIS 11-1 0-1977 Diário Oficil Estdo de Mto Grosso do Sul ANO XXXVII n. 9.065 CAMPO GRANDE-MS, SEGUNDA-FEIRA, 45 PÁGINAS GOVERNADOR REINALDO AZAMBUJA SILVA Vice-Governdor ROSIANE MODESTO DE OLIVEIRA Secretário

Leia mais

Nº 110, quinta-feira, 9 de junho de 2011 1 ISSN 1677-7042

Nº 110, quinta-feira, 9 de junho de 2011 1 ISSN 1677-7042 Nº 0, quint-feir, 9 de junho de 1 ISSN 1677-7042 9 Fosfto de ferro Te r m o t e r p i Dióxido de Cloro Espinosde Uso proibido em pós-colheit Uso como moluscicid. Necessidde de utorizção pel OAC ou OCS.

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO - UEMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG COODERNAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG EDITAL Nº17/2014 PPG/CPG/UEMA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO - UEMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG COODERNAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG EDITAL Nº17/2014 PPG/CPG/UEMA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO - UEMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG COODERNAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG EDITAL Nº17/2014 PPG/CPG/UEMA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

Leia mais

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92 PROGRAMA FINALÍSTICO

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92 PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA: 022 - Progrm Súde d Fmíli 1. Problem: Alto índice de pcientes que visitm unidde Mist de Súde pr trtr de problems que poderim ser resolvidos com visit do médico em su cs.

Leia mais