SATAPOCAL - FICHA DE APOIO TÉCNICO Nº 1/2008/RC

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SATAPOCAL - FICHA DE APOIO TÉCNICO Nº 1/2008/RC"

Transcrição

1 1. QUESTÃO E SUA RESOLUÇÃO 1.1. QUESTÃO COLOCADA Quis os registos contbilísticos relizr pel Associção de Municípios que resultm d cobrnç d tx de gestão de resíduos e consequente entreg junto d Autoridde Ncionl dos Resíduos? 1.2. SOLUÇÃO PRECONIZADA I. ENQUADRAMENTO LEGAL O Decreto-Lei n.º 178/2006, de 05/09, que prov o regime gerl d gestão de resíduos, trnspondo pr ordem jurídic intern Directiv n.º 2006/12/CE, do Prlmento Europeu e do Conselho, de 5 de Abril, e Directiv n.º 91/689/CEE, do Conselho, de 12 de Dezembro, estbelece no seu rtigo 58.º um tx de gestão de resíduos incidente sobre s entiddes gestors de sistems de gestão de fluxos específicos de resíduos, individuis ou colectivos, de centros integrdos de recuperção, vlorizção e eliminção de resíduos perigosos (CIRVER), de instlções de incinerção e co-incinerção de resíduos e de terros sujeitos licencimento d Autoridde Ncionl dos Resíduos (ANR) ou ds Autoriddes Regionis dos Resíduos (ARR). Decorre do referido rtigo 58.º o seguinte: 1 As entiddes gestors de sistems de gestão de fluxos específicos de resíduos, individuis ou colectivos, de CIRVER, de instlções de incinerção e co-incinerção de resíduos e de terros sujeitos licencimento d ANR ou ds ARR estão obrigds o pgmento de um tx de gestão de resíduos visndo compensr os custos dministrtivos de compnhmento ds respectivs ctividdes e estimulr o cumprimento dos objectivos ncionis em mtéri de gestão de resíduos. 2 A tx de gestão de resíduos possui periodicidde nul e incide sobre quntidde de resíduos geridos pels entiddes referids no número nterior, revestindo os seguintes vlores: ) 1 por toneld de resíduos geridos pelos CIRVER e instlções de incinerção e co-incinerção; b) 2 por toneld de resíduos urbnos depositdos em terro; c) 2 por toneld de resíduos resultntes dos produtos introduzidos em mercdo cuj gestão estej crgo de sistems de fluxos específicos de resíduos, individuis ou colectivos, e que trvés destes sistems não sejm encminhdos pr reutilizção, reciclgem ou vlorizção; d) 5 por toneld de resíduos inertes e resíduos industriis não perigosos depositdos em terro. 3 A tx de gestão de resíduos possui o vlor mínimo de por entidde devedor. 4 A tx de gestão de resíduos deve ser repercutid ns trifs e prestções finnceirs cobrds pels entiddes devedors de modo grntir o cumprimento do disposto no rtigo 7.º do presente decreto-lei. 5 A liquidção e o pgmento d tx de gestão de resíduos são disciplindos por portri do ministro responsável pel áre do mbiente. 1/6

2 Em cumprimento do disposto neste rtigo, foi publicd Portri n.º 1407/2006, de 18/12, que no respectivo preâmbulo estbelece que, pelo fcto d tx de gestão de resíduos constituir um dos elementos centris do novo regime económico e finnceiro d gestão de resíduos, é de importânci fundmentl, que se estbeleçm s regrs respeitntes à su liquidção e pgmento e que esss regrs se rticulem de modo rigoroso com quels que disciplinm o Sistem Integrdo de Registo Electrónico de Resíduos (SIRER), ssim como, s regrs que disciplinm repercussão d tx de gestão, que constitui um elemento dicionr às trifs e prestções finnceirs que os sujeitos pssivos cobrm os respectivos clientes. Sobre liquidção e pgmento d tx em nálise, referid Portri, determin: 1. A tx de gestão de resíduos estbelecid pelo rtigo 58.º do Decreto-Lei n.º 178/2006, de 05/09, é liquidd pel ANR com bse n informção prestd pelos sujeitos pssivos no âmbito do SIRER. 2. O registo d quntidde de resíduos geridos pelos sujeitos pssivos em cd no encerr no termo do mês de Mrço do no seguinte, slvo utorizção concedid pel ANR que não prejudique os przos pr pgmento d tx de gestão. 3. Sem prejuízo do disposto no número seguinte, ANR procede à liquidção definitiv d tx de gestão de resíduos e à su notificção por vi electrónic té o termo do mês de Abril do no seguinte, depois de verificd informção nul prestd pelos sujeitos pssivos e feitos os certos de conts que se revelem necessários. 4. As entiddes gestors de CIRVER, de instlções de incinerção e co-incinerção de resíduos e de terros sujeitos licencimento d ANR ou ds ARR, estão sujeits liquidção por cont d tx de gestão de resíduos, relizr pel ANR té o termo do mês de Julho do no que tx respeit, com bse n informção prestd pelos sujeitos pssivos no âmbito do SIRER durnte o 1.º semestre. 5. O pgmento d tx de gestão de resíduos liquidd por cont ou título definitivo é feito pelo sujeito pssivo té o termo do mês seguinte o d liquidção. 6. O pgmento d tx de gestão de resíduos efectu-se por trnsferênci bncári, débito em cont ou por qulquer outro meio de pgmento dmitido pel lei gerl tributári, fzendo o trso no pgmento incorrer o sujeito pssivo em juros de mor nos termos genericmente previstos pel lei tributári. 7. A tx de gestão de resíduos é objecto de repercussão pelos sujeitos pssivos, somndo-se às trifs e prestções finnceirs que cobrem os seus clientes, devendo fctur que lhes sej presentd desgregr de form rigoros estes vlores. 8. Os sujeitos pssivos que procedm à repercussão d tx de gestão de resíduos não podem ceitr dos seus clientes o pgmento de trifs e prestções finnceirs sem que lhes sej pgo o mesmo tempo o vlor d tx correspondente, devendo imputr-se proporcionlmente à tx, trifs e demis prestções qulquer pgmento prcil que lhes sej feito. No que concerne o trtmento fiscl dest tx, o Código do IVA determin, no seu rtigo 17.º, nº s 1 5, que o IVA incide sobre o vlor ds trnsmissões de bens e ds prestções de serviços, incluindo esse vlor tributável todos os impostos, direitos, txs e outrs imposições, com excepção do próprio imposto sobre o vlor crescentdo. A tx de gestão de resíduos, nos termos do rtigo 58.º supr referido, possui nturez periódic, incidindo 2/6

3 sobre quntidde de resíduos geridos por determindos operdores o longo do no e não sobre s trnscções vulss que estes relizem no curso norml d su ctividde. No entnto, tx de gestão que cd operdor fic obrigdo pgr no finl do no deve ser repercutid sobre s trnscções que relize, nos termos do rtigo 4.º do rtigo 58.º do regime gerl, devendo tx de gestão e trif serem debitdos conjuntmente os utilizdores. Pr efeitos do CIVA, é est repercussão económic sobre s trnscções que se deve ter em cont, sendo tx somd à trif sempre que se prestm os serviços de gestão de resíduos, referidos no rtigo 58.º. Assim, e tendo em considerção s crcterístics d tx de gestão de resíduos, est encontr-se sujeit IVA, somente qundo repercutid sobre s trnscções efectuds pelos operdores junto dos utilizdores. Síntese: Liquidção Liquidção ANR ENTIDADES GESTORAS CLIENTES Pgmento Tx de gestão de resíduos (segundo s tonelds de resíduos gerids pels entiddes gestors) Pgmento (Trif + Tx de gestão de resíduos) * IVA (serviços de gestão de resíduos, referidos no rtigo 58.º) II. TRATAMENTO CONTABILÍSTICO Fce o exposto, ssocição de municípios, enqunto CIRVER, deve proceder à seguinte movimentção contbilístic: 1. Montnte cobrdo o cliente pel CIRVER 1.1. Pelo registo do proveito No cso do cliente ser um unidde produtiv: 213xx Clientes, contribuintes e utentes Utentes, c/c - xx 2122xx Clientes, contribuintes e utentes Contribuintes, c/c Impostos indirectos - xx Vends e prestções de serviços Prestções de serviços / Vend de bens e serviços correntes Serviços Serviços específicos ds utrquis - 3/6

4 xx Impostos e txs Impostos indirectos / Impostos indirectos Outros Impostos indirectos específicos ds utrquis locis Outros - Outros - Tx de gestão de resíduos Estdo e outros entes públicos Imposto sobre o vlor crescentdo (IVA ) - IVA Liquiddo Operções geris No cso do cliente ser um prticulr: 213xx Clientes, contribuintes e utentes Utentes, c/c - xx 2123xx Clientes, contribuintes e utentes Contribuintes, c/c Txs - xx Vends e prestções de serviços Prestções de serviços / Vend de bens e serviços correntes Serviços Serviços específicos ds utrquis xx Impostos e txs Txs / Txs, mults e outrs penliddes Txs Txs específics ds utrquis locis Outrs Outrs - Tx de gestão de resíduos Estdo e outros entes públicos Imposto sobre o vlor crescentdo (IVA ) - IVA Liquiddo Operções geris 1.2. Pel liquidção d receit No cso do cliente ser um unidde produtiv: xx Devedores e credores pel execução do orçmento - Devedores pel execução do orçmento / Impostos indirectos Outros Impostos indirectos específicos ds utrquis locis Outros - Outros - Tx de gestão de resíduos 2122xx Clientes, contribuintes e utentes Contribuintes, c/c Impostos indirectos - xx 213xx Clientes, contribuintes e utentes Utentes, c/c - xx No cso do cliente ser um prticulr: xx Devedores e credores pel execução do orçmento - Devedores pel execução do orçmento / Txs, mults e outrs penliddes Txs Txs específics ds utrquis locis Outrs Outrs - Tx de gestão de resíduos 2123xx Clientes, contribuintes e utentes Contribuintes, c/c Txs - xx 213xx Clientes, contribuintes e utentes Utentes, c/c - xx 4/6

5 1.3. Pel cobrnç d receit No cso do cliente ser um unidde produtiv: 12 Depósitos em instituições finnceirs xx Devedores e credores pel execução do orçmento - Devedores pel execução do orçmento / Impostos indirectos Outros Impostos indirectos específicos ds utrquis locis Outros - Outros - Tx de gestão de resíduos No cso do cliente ser um prticulr: 12 Depósitos em instituições finnceirs xx Devedores e credores pel execução do orçmento - Devedores pel execução do orçmento / Txs, mults e outrs penliddes Txs Txs específics ds utrquis locis Outrs Outrs - Tx de gestão de resíduos 2. Montnte nul entregue pel CIRVER à ANR Pelo processmento: 651x Outros custos e perds opercionis Impostos e txs - Tx de gestão de resíduos 268 xx Devedores e credores diversos - xx Autoridde Ncionl dos Resíduos 2.2. Pel liquidção: 268 xx Devedores e credores diversos - xx Autoridde Ncionl dos Resíduos xx Devedores e credores pel execução do orçmento - Credores pel execução do orçmento / Outrs despess correntes Diverss Outrs Outrs Tx de gestão de resíduos 2.3. Pelo pgmento: xx Devedores e credores pel execução do orçmento - Credores pel execução do orçmento / Outrs despess correntes Diverss Outrs Outrs Tx de gestão de resíduos 12 Depósitos em instituições finnceirs 1 As contbilizções proposts centrm-se no essencil d questão colocd, pressupondo o conhecimento d necessidde de outros registos conexos às operções ptrimoniis, designdmente, cbimento e compromisso. 5/6

6 1.3. FUNDAMENTAÇÃO Artigo 58.º do Decreto-Lei n.º 178/2006, de Portri n.º 1407/2006, de Artigo 17.º, do CIVA. Nots explictivs às conts 12, 213, 2122, 2123, 2433, 268, 712 e 722, constntes do ponto do POCAL. 6/6

Nome/Designação Social: Nº Identificação do Registo Nacional de Pessoas Colectivas: Endereço: Concelho: Actividade Principal:

Nome/Designação Social: Nº Identificação do Registo Nacional de Pessoas Colectivas: Endereço: Concelho: Actividade Principal: GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DOS ASSUNTOS SOCIAIS INSTITUTO DE EMPREGO DA MADEIRA IP RAM Cndidtur Progrm Formção/Emprego (FE) (Portri nº 19/2009 de 23 de Fevereiro) A preencher pelo Instituto de

Leia mais

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO)

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) GESTÃO DE EMPRESAS CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) Exercícios Amortizção de Empréstimos EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO Exercício 1 Um empréstimo vi ser reembolsdo trvés de reembolsos nuis, constntes

Leia mais

PREÇÁRIO Informação de Produtos e Serviços Aviso nº 1/95 do Banco de Portugal

PREÇÁRIO Informação de Produtos e Serviços Aviso nº 1/95 do Banco de Portugal 01-08-09 / Pág. 1/12 CRÉDITO PESSOAL CRÉDITO NO PONTO DE VENDA - PARTICULARES Crédito Lr Txs Representtivs Tx Preferencil Tx Nominl Nominl 7,500% 29,500% 18,3% CRÉDITO NO PONTO DE VENDA - EMPRESAS Crédito

Leia mais

ASSEMBLEIA NACIONAL 78 I SÉRIE N O 3 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 8 DE JANEIRO DE 2015

ASSEMBLEIA NACIONAL 78 I SÉRIE N O 3 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 8 DE JANEIRO DE 2015 78 I SÉRIE N O 3 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 8 DE JANEIRO DE 2015 ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º 81/VIII/2015 de 8 de Jneiro Por mndto do Povo, Assemblei Ncionl decret, nos termos d líne b) do rtigo

Leia mais

Conheça a sua fatura da água!

Conheça a sua fatura da água! Conheç su ftur d águ! Jneiro de 20 FATURA/RECIBO N.º: 27 VALOR 8,7 Euros Município de Reguengos de Monsrz Titulr / Locl Mord ou sítio de leitur/do contdor Loclidde d mord de leitur NIF: Áre NIPC 07 040

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE CAPITULO I VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA FINS INDUSTRIAIS ARTIGO l. A lienção, trvés de vend, reliz-se por negocição direct com os concorrentes sendo o preço d vend fixo, por metro qudrdo, pr um ou mis

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DAS INSTALAÇÕES SÓCIO-DESPORTIVAS DOS ESTABELECIMENTOS OFICIAIS DE ENSINO

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DAS INSTALAÇÕES SÓCIO-DESPORTIVAS DOS ESTABELECIMENTOS OFICIAIS DE ENSINO REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DAS INSTALAÇÕES SÓCIO-DESPORTIVAS DOS ESTABELECIMENTOS OFICIAIS DE ENSINO Portri n.º 68/89 de 31 de Jneiro (Alterd pel Portri n.º 712/89, de 22 de Agosto e pel Portri n.º 483/2002,

Leia mais

Circular 1/2014/DGO. Assunto: Instruções relativas às previsões mensais de execução do Orçamento de Estado de I - Introdução e enquadramento

Circular 1/2014/DGO. Assunto: Instruções relativas às previsões mensais de execução do Orçamento de Estado de I - Introdução e enquadramento Circulr 1/2014/DGO Assunto: Instruções reltivs às previsões mensis de execução do Orçmento de Estdo de 2014 I - Introdução e enqudrmento 1. As presentes instruções têm como objetivo trnsmitir os principis

Leia mais

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos 3. Cálculo integrl em IR 3.. Integrl Indefinido 3... Definição, Proprieddes e Exemplos A noção de integrl indefinido prece ssocid à de derivd de um função como se pode verificr prtir d su definição: Definição

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Anadia INFORMAÇÃO PROVA FINAL DE CICLO MATEMÁTICA PROVA º CICLO DO ENSINO BÁSICO. 1. Introdução

Agrupamento de Escolas de Anadia INFORMAÇÃO PROVA FINAL DE CICLO MATEMÁTICA PROVA º CICLO DO ENSINO BÁSICO. 1. Introdução Agrupmento de Escols de Andi INFORMAÇÃO PROVA FINAL DE CICLO MATEMÁTICA PROVA 52 2015 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO 1. Introdução O presente documento vis divulgr s crcterístics d prov finl do 2.º ciclo do

Leia mais

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama.

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama. Crtilh Explictiv Segurnç pr quem você m. Bem-vindo, novo prticipnte! É com stisfção que recebemos su desão o Fmíli Previdênci, plno desenhdo pr oferecer um complementção de posentdori num modelo moderno

Leia mais

Inventários. Índice: Inventários. Os inventários estão incluídos no SNC na classe 3 Inventários e Activos Biológicos.

Inventários. Índice: Inventários. Os inventários estão incluídos no SNC na classe 3 Inventários e Activos Biológicos. Inventários Índice: Inventários Clsse 3 Inventários e Activos Biológicos Inventários Sistems de inventário Sistem de inventário permnente (SIP) Sistem de inventário intermitente (SII): Movimentos contbilísticos

Leia mais

GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DA INCLUSÃO E ASSUNTOS SOCIAIS INSTITUTO DE EMPREGO DA MADEIRA, IP-RAM

GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DA INCLUSÃO E ASSUNTOS SOCIAIS INSTITUTO DE EMPREGO DA MADEIRA, IP-RAM GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DA INCLUSÃO E ASSUNTOS SOCIAIS INSTITUTO DE EMPREGO DA MADEIRA IP-RAM Proc. Nº 201 /FE/ Cndidtur o Progrm Formção Emprego (FE) (Portri 190/2014 de 6 de novembro) (O

Leia mais

U04.1. Câmara Municipal da Amadora. 00. Requerimento (Modelo 04.1/CMA/DAU/2009) Acompanhado de declaração de compromisso para a afixação do aviso.

U04.1. Câmara Municipal da Amadora. 00. Requerimento (Modelo 04.1/CMA/DAU/2009) Acompanhado de declaração de compromisso para a afixação do aviso. Câmr Municipl d Amdor Deprtmento de Administrção U04.1 Urbnísitic EMISSÃO DE ALVARÁ DE LICENCIAMENTO DE OBRAS DE EDIFICAÇÃO CONSTRUÇÃO/RECONSTRUÇÃO/AMPLIAÇÃO/ALTERAÇÃO LISTA DE DOCUMENTOS 00. Requerimento

Leia mais

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular Áre de formção 523. Eletrónic e Automção Curso de formção Técnico/ de Eletrónic, Automção e Comndo Nível de qulificção do QNQ 4 Componentes de Socioculturl Durção: 775 hors Científic Durção: 400 hors Plno

Leia mais

Regime Tributário do Simples nos Serviços Advocatícios Aspectos Relevantes Comissão de Direito Tributário da OAB/PR

Regime Tributário do Simples nos Serviços Advocatícios Aspectos Relevantes Comissão de Direito Tributário da OAB/PR Regime Tributário do Simples nos Serviços Advoctícios Aspectos Relevntes Comissão de Direito Tributário d OAB/PR 1. Introdução: cordo com o rtigo 146, III, d, d Constituição Federl, cbe à lei complementr

Leia mais

Colegio Naval ) O algoritmo acima foi utilizado para o cálculo do máximo divisor comum entre os números A e B. Logo A + B + C vale

Colegio Naval ) O algoritmo acima foi utilizado para o cálculo do máximo divisor comum entre os números A e B. Logo A + B + C vale Colegio Nvl 005 01) O lgoritmo cim foi utilizdo pr o cálculo do máximo divisor comum entre os números A e B. Logo A + B + C vle (A) 400 (B) 300 (C) 00 (D) 180 (E) 160 Resolvendo: Temos que E 40 C E C 40

Leia mais

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular Áre de formção 523. Eletrónic e Automção Curso de formção Técnico/ de Eletrónic, Automção e Comndo Nível de qulificção do QNQ 4 Componentes de Socioculturl Durção: 775 hors Científic Durção: 400 hors Plno

Leia mais

UNITAU APOSTILA. SUCESSÃO, PA e PG PROF. CARLINHOS

UNITAU APOSTILA. SUCESSÃO, PA e PG PROF. CARLINHOS ESCOLA DE APLICAÇÃO DR. ALFREDO JOSÉ BALBI UNITAU APOSTILA SUCESSÃO, PA e PG PROF. CARLINHOS NOME DO ALUNO: Nº TURMA: blog.portlpositivo.com.br/cpitcr 1 SUCESSÃO OU SEQUENCIA NUMÉRICA Sucessão ou seqüênci

Leia mais

LISTA PREPARATÓRIA PARA RECUPERAÇÃO FINAL MATEMÁTICA (9º ano)

LISTA PREPARATÓRIA PARA RECUPERAÇÃO FINAL MATEMÁTICA (9º ano) PARTE I ) Determine s potêncis: ) 4 = b) - = ) Escrev usndo potênci de bse 0: ) 7 bilhões: b) um milionésimo: ) Trnsforme os números ddos em potencições e simplifique epressão: 0000000 00000 5 = 4) Escrev

Leia mais

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso.

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso. TERMO DE ADESÃO A POLITICA DE INSCRIÇÃO NOS EVENTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENFERMAGEM 9ª. JORNADA BRASILEIRA DE ENFERMAGEM GERIÁTRICA E GERONTOLÓGICA TEMA CENTRAL: A interfce do cuiddo de enfermgem

Leia mais

GRUPO I. Espaço de rascunho: G 2 10

GRUPO I. Espaço de rascunho: G 2 10 GRUPO I I.1) Considere o seguinte grfo de estdos de um problem de procur. Os vlores presentdos nos rcos correspondem o custo do operdor (cção) respectivo, enqunto os vlores nos rectângulos correspondem

Leia mais

ESMAFE/PR Escola da Magistratura Federal do Paraná

ESMAFE/PR Escola da Magistratura Federal do Paraná ESMAFE/PR Escol d Mgistrtur Federl do Prná Curso Regulr Preprtório pr Crreir d Mgistrtur Federl com opção de Pós-Grdução ltu sensu em Direito Público em prceri com UniBrsil - Fculddes Integrds do Brsil

Leia mais

Mod Emp. - Julho 2015

Mod Emp. - Julho 2015 1 5 CARTÃO DE CRÉDITO IGCP Condições Geris de Utilizção, Direitos e Deveres ds Prtes Elbords de cordo com o Aviso nº 11/2001 de 20/11 do Bnco de Portugl, o Regulmento (CE) nº 924/2009, o Decreto-Lei nº

Leia mais

IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE AS TRANSMISSÕES ONEROSAS DE IMÓVEIS - (IMT) DECLARAÇÃO PARA LIQUIDAÇÃO OFICIOSA Modelo 1 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO

IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE AS TRANSMISSÕES ONEROSAS DE IMÓVEIS - (IMT) DECLARAÇÃO PARA LIQUIDAÇÃO OFICIOSA Modelo 1 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE AS TRANSMISSÕES ONEROSAS DE IMÓVEIS - (IMT) DECLARAÇÃO PARA LIQUIDAÇÃO OFICIOSA Modelo 1 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DECLARAÇÃO MODELO 1 Est declrção destin-se solicitr liquidção

Leia mais

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295 Anuiddes equivlentes: $480 + $113 + $149 5 9% 5 VPL A (1, 09) $56, 37 A 5 9% 3,88965 5 9% 5 9% AE = = = = $14, 49 = 3,88965 AE B $140 $620 + $120 + 7 9% 7 VPL B (1, 09) $60, 54 = = = 5, 03295 7 9% 7 9%

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO. DISCIPLINA: OPERAÇÕES TÉCNICAS DE RECEÇÃO (11º Ano Turma N)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO. DISCIPLINA: OPERAÇÕES TÉCNICAS DE RECEÇÃO (11º Ano Turma N) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO DISCIPLINA: OPERAÇÕES TÉCNICAS DE RECEÇÃO (11º Ano Turm N) PLANIFICAÇÃO ANUAL Director do Curso Teres Sous Docente Sndr Teixeir

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plno de Trblho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PROF. MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Hbilitção Profissionl:Técnic de Nível Médio de TÉCNICO EM CONTABILIDADE

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA IMPRESSÃO e PRODUÇÃO DE MATERIAL INSTITUCIONAL

TERMO DE REFERÊNCIA IMPRESSÃO e PRODUÇÃO DE MATERIAL INSTITUCIONAL PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DA CASA CIVIL CDURP COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO URBANO DA REGIÃO DO PORTO DO RIO DE JANEIRO TERMO DE REFERÊNCIA IMPRESSÃO e PRODUÇÃO DE MATERIAL

Leia mais

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600 1 - INTRODUÇÃO Ests instruções têm por objetivo fornecer s orientções pr utilizção do critério pr cálculo d demnd de edifícios residenciis de uso coletivo O referido critério é plicável os órgãos d COPEL

Leia mais

AULA 1. 1 NÚMEROS E OPERAÇÕES 1.1 Linguagem Matemática

AULA 1. 1 NÚMEROS E OPERAÇÕES 1.1 Linguagem Matemática 1 NÚMEROS E OPERAÇÕES 1.1 Lingugem Mtemátic AULA 1 1 1.2 Conjuntos Numéricos Chm-se conjunto o grupmento num todo de objetos, bem definidos e discerníveis, de noss percepção ou de nosso entendimento, chmdos

Leia mais

Mod Tit. - Julho 2016

Mod Tit. - Julho 2016 1 6 CARTÃO DE CRÉDITO PARTICULAR UNICRE Condições Geris de Utilizção, Direitos e Deveres ds Prtes Elbords de cordo com o Aviso nº 11/2001 de 20/11 do Bnco de Portugl, o Regulmento (CE) nº 924/2009, o Decreto-Lei

Leia mais

CONTABILIDADE ANALÍTICA

CONTABILIDADE ANALÍTICA CONTABILIDADE ANALÍTICA Cpítulo Cpítulo 1. COMPONENTES DO CUSTO DE PRODUÇÃO MATÉRIAS (bens dquiridos pr trnsformção): Prims: quels que são trnsformdos noutros produtos Subsidiáris: quels que poim trnsformção

Leia mais

6. TÍTULOS EM ESPÉCIE E CONTRATOS EMPRESARIAIS 6.1 NOTA PROMISSÓRIA DEC. 57.663/66 6.1.1 CARACTERÍSTICAS NOTA PROMISSÓRIA NOTA PROMISSÓRIA CONCEITO

6. TÍTULOS EM ESPÉCIE E CONTRATOS EMPRESARIAIS 6.1 NOTA PROMISSÓRIA DEC. 57.663/66 6.1.1 CARACTERÍSTICAS NOTA PROMISSÓRIA NOTA PROMISSÓRIA CONCEITO 6. TÍTULOS EM ESPÉCIE E CONTRTOS EMPRESRIIS 6.1 NOT PROMISSÓRI DEC. 57.663/66 Profª Msc Margô Trindade Sartori margosartori@gmail.com Profª Msc Margô Trindade Sartori margosartori@gmail.com NOT PROMISSÓRI

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 083/2003, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003.

LEI COMPLEMENTAR Nº 083/2003, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003. LEI COMPLEMENTAR Nº 083/2003, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003. INSTITUI A TAXA DE SERVIÇO DE LIMPEZA URBANA, COLETA E DESTINAÇÃO FINAL DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE TANGARÁ DA SERRA-MT E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 6.1 Recursos de curto przo 6.2 Administrção de disponibiliddes 6.3 Administrção de estoques 6.4 Administrção de conts 6.1 Recursos de Curto Przo Administrção Finnceir e

Leia mais

I - Celebração, Modificação e Cessação do Contrato 1.

I - Celebração, Modificação e Cessação do Contrato 1. 1 6 CARTÃO DE CRÉDITO PARTICULAR SOC. COMERCIAL C. SANTOS Montepio Crédito - Instituição Finnceir de Crédito, S.A. Condições Geris de Utilizção, Direitos e Deveres ds Prtes Elbords de cordo com o Aviso

Leia mais

2 Patamar de Carga de Energia

2 Patamar de Carga de Energia 2 Ptmr de Crg de Energi 2.1 Definição Um série de rg de energi normlmente enontr-se em um bse temporl, ou sej, d unidde dess bse tem-se um informção d série. Considerndo um bse horári ou semi-horári, d

Leia mais

Factoring uma proposta de tratamento contabilístico na óptica da empresa aderente

Factoring uma proposta de tratamento contabilístico na óptica da empresa aderente Fctoring um propost de trtmento contbilístico n óptic d empres derente MIGUEL GONÇALVES* O fctoring pode interpretr-se como um sistem perfeiçodo de cobrnçs. Vulgr n gestão de tesourri ds empress, present-se

Leia mais

Apoio à Decisão. Aula 3. Aula 3. Mônica Barros, D.Sc.

Apoio à Decisão. Aula 3. Aula 3. Mônica Barros, D.Sc. Aul Métodos Esttísticos sticos de Apoio à Decisão Aul Mônic Brros, D.Sc. Vriáveis Aletóris Contínus e Discrets Função de Probbilidde Função Densidde Função de Distribuição Momentos de um vriável letóri

Leia mais

AVISO DE VENDA Nº 2372

AVISO DE VENDA Nº 2372 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE PRODUÇÃO E AGROENERGIA AVISO DE VENDA Nº 2372 A União Federl, por intermédio do Ministério d Agricultur, Pecuári e Abstecimento, trvés

Leia mais

Oportunidade de Negócio: OFICINA DE CONVERSÃO - GNV

Oportunidade de Negócio: OFICINA DE CONVERSÃO - GNV Oportunidde de Negócio: OFICINA DE CONVERSÃO - GNV Mio/2007 1 OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FICHA BÁSICA SEGMENTO: Prestção de Serviço Conversão de motores utomotivos (GNV) DESCRIÇÃO: Oficin pr montgem de Kit

Leia mais

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra Serviços de Acção Socil d Universidde de Coimbr Serviço de Pessol e Recursos Humnos O que é o bono de fmíli pr crinçs e jovens? É um poio em dinheiro, pgo menslmente, pr judr s fmílis no sustento e n educção

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL SECRETARIA ESPECIAL DE GESTÃO DE PESSOAS - SEGEP

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL SECRETARIA ESPECIAL DE GESTÃO DE PESSOAS - SEGEP ATENÇÃO: PARA ENVIO À SEGEP, IMPRIMA APENAS O(S) FORMULÁRIO(S) DO FINAL DO ARQUIVO. REDISTRIBUIÇÃO DE SERVIDORES DE OUTRAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO PARA A UFFS 1.O que é? É o deslocmento de crgo de provimento

Leia mais

Ofertas n.º 1187; 1188; 1189; 1190 e 1191

Ofertas n.º 1187; 1188; 1189; 1190 e 1191 Procedimento de seleção pr recrutmento de Técnicos no âmbito do Progrm de Atividdes de Enriquecimento Curriculr do 1.º Ciclo de Ensino Básico Atividdes Lúdico Expressivs Ligção d Escol o Meio Oferts n.º

Leia mais

U04.6. Câmara Municipal da Amadora. Pág. 1 a. 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009) 01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente.

U04.6. Câmara Municipal da Amadora. Pág. 1 a. 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009) 01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente. Câmr Municipl d Amdor Deprtmento de Administrção U04.6 Urbnísitic EMISSÃO DE LICENÇA ESPECIAL OU COMUNICAÇÃO PRÉVIA PARA OBRAS INACABADAS LISTA DE DOCUMENTOS 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009)

Leia mais

Indicadores de Lisboa. Indicadores do Porto. Tendências SUMÁRIO 1º SEMESTRE 2011

Indicadores de Lisboa. Indicadores do Porto. Tendências SUMÁRIO 1º SEMESTRE 2011 m² CB RICHARD ELLIS MrketView Escritórios Lisbo e Porto Setembro SUMÁRIO 1º SEMESTRE Indicdores de Lisbo vs. Stock Novo Disponibilidde Absorção Brut Rends Prime Yields Prime Indicdores do Porto vs. Tendêncis

Leia mais

Nome: N.º: endereço: data: Telefone: PARA QUEM CURSA A 1 a SÉRIE DO ENSINO MÉDIO EM Disciplina: MaTeMÁTiCa

Nome: N.º: endereço: data: Telefone:   PARA QUEM CURSA A 1 a SÉRIE DO ENSINO MÉDIO EM Disciplina: MaTeMÁTiCa Nome: N.º: endereço: dt: Telefone: E-mil: Colégio PARA QUEM CURSA A SÉRIE DO ENSINO MÉDIO EM 05 Disciplin: MTeMÁTiC Prov: desfio not: QUESTÃO 6 O Dr. Mni Aco not os números trvés de um código especil.

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DE RONDÔNIA, faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono a seguinte Lei Complementar:

O GOVERNADOR DO ESTADO DE RONDÔNIA, faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono a seguinte Lei Complementar: LEI COMPLEMENTAR Nº 67, DE 09 DE DEZEMBRO DE 1992. Institui o Plno de Crreir, Crgos e Slários do Pessol Civil d Administrção Diret do Poder Executivo, Autrquis e Fundções instituíds ou mntids pelo Poder

Leia mais

SATAPOCAL -FICHA DE APOIO TÉCNICO Nº 8 /2007/RC

SATAPOCAL -FICHA DE APOIO TÉCNICO Nº 8 /2007/RC FAT revista em Março de 2008 1. QUESTÃO E SUA RESOLUÇÃO 1.1. QUESTÃO COLOCADA Deve o IVA ser incluído nos movimentos contabilísticos a efectuar nas fases de cabimento, compromisso e pagamento para registar

Leia mais

Capítulo III INTEGRAIS DE LINHA

Capítulo III INTEGRAIS DE LINHA pítulo III INTEGRIS DE LINH pítulo III Integris de Linh pítulo III O conceito de integrl de linh é um generlizção simples e nturl do conceito de integrl definido: f ( x) dx Neste último, integr-se o longo

Leia mais

Mod. 248-1 Tit. - Julho 2015

Mod. 248-1 Tit. - Julho 2015 1 6 CARTÃO DE CRÉDITO PARTICULAR UNICRE Condições Geris de Utilizção, Direitos e Deveres ds Prtes Elbords de cordo com o Aviso nº 11/2001 de 20/11 do Bnco de Portugl, o Regulmento (CE) nº 924/2009, o Decreto-Lei

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Mnul de Operção e Instlção Clh Prshll MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS Cód: 073AA-025-122M Rev. B Novembro / 2008 S/A. Ru João Serrno, 250 Birro do Limão São Pulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

SIMPLES NACIONAL 2010 Relação dos Anexos com as Atividades Exercidas pela Pessoa Jurídica.

SIMPLES NACIONAL 2010 Relação dos Anexos com as Atividades Exercidas pela Pessoa Jurídica. SIMPLES NACIONAL 2010 Relção dos Anexos com s Atividdes Exercids pel Pesso Jurídic. Mtéri foi elbord como bse n legislção vigente em: 02/06/2010. SUMÁRIO: 1 INTRODUÇÃO 2 ANEXO I 3 ANEXO II 4 ANEXO III

Leia mais

INSS 2014 Regime Jurídico único e Ética no Serviço Público João Paulo

INSS 2014 Regime Jurídico único e Ética no Serviço Público João Paulo De vlidde de concurso público Pr o nomedo tomr posse Pr o servidor entrr em exercício De estágio probtório Pr dquirir estbilidde Pr o servidor em débito com o erário, que for demitido, exonerdo ou que

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente Etec Profª Ermelinda Giannini Teixeira

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente Etec Profª Ermelinda Giannini Teixeira 04/09/2015 Coorden Unidde de Ensino Médio e Técnico Cetec Ensino Técnico Integrdo o Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plno de Trblho Docente 2015 Etec Profª Ermelind Ginnini Teixeir Código: 187 Município: Sntn

Leia mais

TARIFÁRIO 2016 Operadora Nacional SEMPRE PERTO DE VOCÊ

TARIFÁRIO 2016 Operadora Nacional SEMPRE PERTO DE VOCÊ TARIFÁRIO 2016 Operdor Ncionl SEMPRE PERTO DE VOCÊ 24 HOTÉIS PORTUGAL E BRASIL LAZER E NEGÓCIOS CIDADE, PRAIA E CAMPO Os Hotéis Vil Glé Brsil Rio de Jneiro VILA GALÉ RIO DE JANEIRO 292 qurtos 2 resturntes

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turm K) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Celso Mnuel Lim Docente Celso Mnuel

Leia mais

PROGRAMA BOLSA DE ESTUDOS 2016

PROGRAMA BOLSA DE ESTUDOS 2016 PROGRAMA BOLSA DE ESTUDOS 2016 DAS INFORMAÇÕES GERAIS O presente editl destin-se regulr renovção de Bolss de Estudos Assistenciis, pelo Liceu Slesino Noss Senhor Auxilidor, pr uso do beneficio no no letivo

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos http://www.plnlto.gov.br/ccivil_03/eis/cp/cp139.htm Pge 1 sur 22 Presidênci d Repúblic Cs Civil Subchefi pr Assuntos Jurídicos EI COMPEMENTAR Nº139, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2011 Mensgem de veto Vigênci Alter

Leia mais

AGENTE ADMINISTRATIVO DO MP/RS DIREITO ADMINISTRATIVO DELEGAÇÃO DE SERVIÇOS NOTARIAIS E REGISTRAIS DO RS

AGENTE ADMINISTRATIVO DO MP/RS DIREITO ADMINISTRATIVO DELEGAÇÃO DE SERVIÇOS NOTARIAIS E REGISTRAIS DO RS 1 SUMÁRIO I. Administrção Públic... II. Atos Administrtivos... III. Poder de Políci... IV. Serviço Público... V. Responsbilidde Civil do Estdo... VI. Controle d Administrção Públic... 02 09 21 23 25 27

Leia mais

Oferta n.º 1260. Praça do Doutor José Vieira de Carvalho 4474-006 Maia Tel. 229 408 600 Fax 229 412 047 educacao@cm-maia.pt www.cm-maia.

Oferta n.º 1260. Praça do Doutor José Vieira de Carvalho 4474-006 Maia Tel. 229 408 600 Fax 229 412 047 educacao@cm-maia.pt www.cm-maia. Procedimento de seleção pr recrutmento de Técnicos no âmbito do Progrm de Atividdes de Enriquecimento Curriculr do 1.º Ciclo de Ensino Básico Inglês Ofert n.º 1260 A Câmr Municipl Mi procede à bertur do

Leia mais

01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente. Pág. a. 02. Termo de responsabilidade do técnico pela ocupação da via pública. Pág.

01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente. Pág. a. 02. Termo de responsabilidade do técnico pela ocupação da via pública. Pág. Câmr Municipl d Amdor DAU - Deprtmento de Administrção Urbnístic OCUPAÇÃO DA VIA PÚBLICA 20 Assunto: Ocupção d Vi Públic. MOD. 20/CMA/DAU/2004 FOLHA 00 List de Documentos (Consultr instruções em nexo)

Leia mais

Mod. 248-1 Tit. - Abril 2015

Mod. 248-1 Tit. - Abril 2015 Mod. 248-1 Tit. - Abril 2015 1 6 CARTÃO DE CRÉDITO PARTICULAR UNICRE Condições Geris de Utilizção, Direitos e Deveres ds Prtes Elbords de cordo com o Aviso nº 11/2001 de 20/11 do Bnco de Portugl, o Regulmento

Leia mais

ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU

ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU 1 ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU EDITAL UFU/PREFE/044/2010 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIÁRIO(A) A Pró-reitori de Grdução d Universidde Federl de Uberlândi, mprd no rtigo 248 ds Norms de Grdução

Leia mais

Aula 10 Estabilidade

Aula 10 Estabilidade Aul 0 Estbilidde input S output O sistem é estável se respost à entrd impulso 0 qundo t Ou sej, se síd do sistem stisfz lim y(t) t = 0 qundo entrd r(t) = impulso input S output Equivlentemente, pode ser

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente Etec Profª Ermelinda Giannini Teixeira

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente Etec Profª Ermelinda Giannini Teixeira Coorden http://www.etecermelind.com.br/etec/sis/ptd_tec_6.php 1 de 5 18/09/2015 13:29 Unidde de Ensino Médio e Técnico Cetec Ensino Técnico Integrdo o Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plno de Trblho Docente

Leia mais

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Pulo/SP PNRS E O WASTE-TO-ENERGY Definições do Artigo 3º - A nov ordenção básic dos processos Ordem de prioriddes do Artigo 9º

Leia mais

MT DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM

MT DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM Inspeção visul de emblgens de microesfers de vidro retrorrefletivs Norm Rodoviári DNER-PRO /9 Procedimento Págin de RESUMO Este documento, que é um norm técnic, estbelece s condições que devem ser observds

Leia mais

Regras. Resumo do Jogo Resumo do Jogo. Conteúdo. Conteúdo. Objetivo FRENTE do Jogo

Regras. Resumo do Jogo Resumo do Jogo. Conteúdo. Conteúdo. Objetivo FRENTE do Jogo Resumo do Jogo Resumo do Jogo Regrs -Qundo for seu turno, você deve jogr um de sus crts no «ponto n linh do tempo» que estej correto. -Se você jogr crt corretmente, terá um crt menos à su frente. -Se você

Leia mais

Sistems Lineres Form Gerl onde: ij ij coeficientes n n nn n n n n n n b... b... b...

Sistems Lineres Form Gerl onde: ij ij coeficientes n n nn n n n n n n b... b... b... Cálculo Numérico Módulo V Resolução Numéric de Sistems Lineres Prte I Profs.: Bruno Correi d Nóbreg Queiroz José Eustáquio Rngel de Queiroz Mrcelo Alves de Brros Sistems Lineres Form Gerl onde: ij ij coeficientes

Leia mais

1 Distribuições Contínuas de Probabilidade

1 Distribuições Contínuas de Probabilidade Distribuições Contínus de Probbilidde São distribuições de vriáveis letóris contínus. Um vriável letóri contínu tom um numero infinito não numerável de vlores (intervlos de números reis), os quis podem

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Pge 1 of 59 Presidênci d Repúblic Cs Civil Subchefi pr Assuntos Jurídicos LEI COMPLEMENTAR Nº 123, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2006 (Republicção em tendimento o disposto no rt. 5º d Lei Complementr nº 139, de

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico Administrção Centrl Plno de Trblho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: Ambiente, Súde e Segurnç. Hbilitção Profissionl: TÉCNICO DE ENFERMAGEM

Leia mais

Material envolvendo estudo de matrizes e determinantes

Material envolvendo estudo de matrizes e determinantes E. E. E. M. ÁREA DE CONHECIMENTO DE MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS PROFESSORA ALEXANDRA MARIA º TRIMESTRE/ SÉRIE º ANO NOME: Nº TURMA: Mteril envolvendo estudo de mtrizes e determinntes INSTRUÇÕES:. Este

Leia mais

Oferta n.º 1274; 1275 e 1276

Oferta n.º 1274; 1275 e 1276 Procedimento de seleção pr recrutmento de Técnicos no âmbito do Progrm de Atividdes de Enriquecimento Curriculr do 1.º Ciclo de Ensino Básico Inglês Ofert n.º 1274; 1275 e 1276 A Câmr Municipl Mi procede

Leia mais

Desigualdades - Parte II. n (a1 b 1 +a 2 b a n b n ) 2.

Desigualdades - Parte II. n (a1 b 1 +a 2 b a n b n ) 2. Polos Olímpicos de Treinmento Curso de Álgebr - Nível Prof. Mrcelo Mendes Aul 9 Desigulddes - Prte II A Desiguldde de Cuchy-Schwrz Sejm,,..., n,b,b,...,b n números reis. Então: + +...+ ) n b +b +...+b

Leia mais

Ilha Solteira, 17 de janeiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013

Ilha Solteira, 17 de janeiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013 Nossos prceiros Pel trnsprênci e qulidde d plicção dos recursos públicos Ilh Solteir, 17 de jneiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013 Ao Exmo. Sr. Alberto dos Sntos Júnior Presidente d Câmr Municipl de Ilh

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 128, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2008

LEI COMPLEMENTAR Nº 128, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2008 LEI COMPLEMENTAR Nº 128, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2008 DOU 22.12.2008 Alter Lei Complementr nº 123, de 14 de dezembro de 2006, lter s Leis nºs 8.212, de 24 de julho de 1991, 8.213, de 24 de julho de 1991,

Leia mais

Projecções Cotadas. Luís Miguel Cotrim Mateus, Assistente (2006)

Projecções Cotadas. Luís Miguel Cotrim Mateus, Assistente (2006) 1 Projecções Cotds Luís Miguel Cotrim Mteus, Assistente (2006) 2 Nestes pontmentos não se fz o desenvolvimento exustivo de tods s mtéris, focndo-se pens lguns items. Pelo indicdo, estes pontmentos não

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES DA AUDITORIA INTERNA

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES DA AUDITORIA INTERNA RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES DA AUDITORIA INTERNA RAINT - 2015 Auditori Intern Sumário 1. Introdução... 3 2. A Telebrs... 3 2.1. Histórico... 3 2.2. Novs Atribuições... 3 2.3. Atribuições... 4 2.4. Competênci

Leia mais

MATRIZ DE CLASSIFICAÇÃO DE ASPECTOS AMBIENTAIS

MATRIZ DE CLASSIFICAÇÃO DE ASPECTOS AMBIENTAIS Emergênci Pssdo / DEPARTAMENTO: Centro de Trigem Este documento é vlido somente n su versão electrónic publicd n Intrnet d Qulidde (Gestão Documentl). Cso estej lê-lo em ppel, deve ssegurr-se que versão

Leia mais

4.1. Modalidades de Pagamento 4.2. Pagamento do Incentivo relativo às Operações de Locação Financeira 4.3. Garantias Bancárias

4.1. Modalidades de Pagamento 4.2. Pagamento do Incentivo relativo às Operações de Locação Financeira 4.3. Garantias Bancárias UNIÃO EUROPEIA Fundos Estruturis SIME Gui do Beneficiário (Portri n.º 262/2004, de 11 de Mrço) - Introdução 1. Notificção e Contrtção dos Incentivos. 1.1. Notificção 1.2. Contrtção 1.3. Elementos Adicionis,

Leia mais

Mod. 65 - Emp. - Julho 2015

Mod. 65 - Emp. - Julho 2015 Mod. 65 - Emp. - Julho 2015 1 6 CARTÃO DE CRÉDITO EMPRESA UNICRE Condições Geris de Utilizção, Direitos e Deveres ds Prtes Elbords de cordo com o Aviso nº 11/2001 de 20/11 do Bnco de Portugl, o Regulmento

Leia mais

Um disco rígido de 300Gb foi dividido em quatro partições. O conselho directivo ficou. 24, os alunos ficaram com 3 8

Um disco rígido de 300Gb foi dividido em quatro partições. O conselho directivo ficou. 24, os alunos ficaram com 3 8 GUIÃO REVISÕES Simplificção de expressões Um disco rígido de 00Gb foi dividido em qutro prtições. O conselho directivo ficou com 1 4, os docentes ficrm com 1 4, os lunos ficrm com 8 e o restnte ficou pr

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA 1 - Ddos do Proponente 1.1- Nome d Entidde 1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Dt d Fundção 1.5- Endereço 20/09/2011 1.6- Município 1.7- CEP 1.8- U F

Leia mais

Forno de Minas Alimentos S.A.

Forno de Minas Alimentos S.A. Forno de Mins Alimentos S.A. Informções Finnceirs Intermediáris referentes os períodos de três e seis meses findos em 30 de Junho de 2015 e Reltório dos Auditores Independentes Deloitte Touche Tohmtsu

Leia mais

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONALDO TRABALHO Escritório no Brasil. CURSO DE CAPACITAÇÃO E TROCA DE EXPERIÊNCIAS: 11 14 de setembro de 2012, Brasília DF

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONALDO TRABALHO Escritório no Brasil. CURSO DE CAPACITAÇÃO E TROCA DE EXPERIÊNCIAS: 11 14 de setembro de 2012, Brasília DF ORGANIZAÇÃO INTERNACIONALDO TRABALHO Escritório no Brsil CURSO DE CAPACITAÇÃO E TROCA DE EXPERIÊNCIAS: 11 14 de setembro de 2012, Brsíli DF Ferrments e Metodologis d OIT pr Promover Investimentos Públicos

Leia mais

Análise de Variância com Dois Factores

Análise de Variância com Dois Factores Análise de Vriânci com Dois Fctores Modelo sem intercção Eemplo Neste eemplo, o testrmos hipótese de s três lojs terem volumes médios de vends iguis, estmos testr se o fctor Loj tem influênci no volume

Leia mais

Sindicatos. Indicadores sociais 2001

Sindicatos. Indicadores sociais 2001 Ministério do Plnejmento, Orçmento e Gestão Instituto Brsileiro de Geogrfi e Esttístic - IBGE Diretori de Pesquiss Deprtmento de Populção e Indicdores Sociis Sindictos Indicdores sociis 2001 Rio de Jneiro

Leia mais

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROGRAMA DE APOIO INSTITUCIONAL À EXTENSÃO PROJETOS DE EXTENSÃO EDITAL 01/014-PROEX/IFRN Os cmpos sombredos

Leia mais

Oferta n.º As funções serão exercidas nos Estabelecimentos de Ensino de 1º Ciclo Ensino Básico da rede pública do Concelho da Maia.

Oferta n.º As funções serão exercidas nos Estabelecimentos de Ensino de 1º Ciclo Ensino Básico da rede pública do Concelho da Maia. Procedimento de seleção pr recrutmento de Técnicos no âmbito do Progrm de Atividdes de Enriquecimento Curriculr do 1.º Ciclo de Ensino Básico Atividde Físic e Desportiv Ofert n.º 1257 A Câmr Municipl Mi

Leia mais

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo 232 Definições e ptidões 232 Séries 233 Vrintes 233 Tolerâncis e jogos 234 Elementos de cálculo 236

Leia mais

Rresumos das aulas teóricas Cap Capítulo 4. Matrizes e Sistemas de Equações Lineares

Rresumos das aulas teóricas Cap Capítulo 4. Matrizes e Sistemas de Equações Lineares Rresumos ds uls teórics ------------------ Cp ------------------------------ Cpítulo. Mtrizes e Sistems de Equções ineres Sistems de Equções ineres Definições Um sistem de m equções lineres n incógnits,

Leia mais

COMISSÃO ESPECIAL DESTINADA A EMITIR PARECER AO

COMISSÃO ESPECIAL DESTINADA A EMITIR PARECER AO COMISSÃO ESPECIAL DESTINADA A EMITIR PARECER AO PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N 25, DE 2007 PARECER AO PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N 25, DE 2007 (APENSOS OS PROJETOS DE LEI COMPLEMENTAR N 379/08, 415/08,

Leia mais

SERVIÇO AUTONOMO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTO

SERVIÇO AUTONOMO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTO Unidade 14001 tividade SERVIÇO UTONOMO MUNICIPL ÁGU E ESGOTO CONVENID COM FUNDÇÃO NCIONL SÚ RU NTONIO COLETTO N 1228 Cep 86790-000 CGC 809102010001-65 LOBTO-PR PRNÁ Fones (44) 3249-1399 Fax (44) 3249-1399

Leia mais

1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Data da Fundação. 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P F 1.12- RG

1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Data da Fundação. 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P F 1.12- RG 1 - DADOS DO PROPONENTE 1.1- Nome d Entidde 1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Dt d Fundção 1.5- Endereço 20/09/2011 1.6- Município 1.7- CEP 1.8- U F 1.9- Telefone 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ALEXANDRINA FERREIRA GOMES O IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO (IVA) NO MERCADO FINANCEIRO CABOVERDEANO PORTO ALEGRE 2010 ALEXANDRINA FERREIRA GOMES O IMPOSTO

Leia mais

características dinâmicas dos instrumentos de medida

características dinâmicas dos instrumentos de medida crcterístics dinâmics dos instrumentos de medid Todos nós sbemos que os instrumentos de medid demorm um certo tempo pr tingirem o vlor d medid. sse tempo ocorre devido inércis, resitêncis e trsos necessários

Leia mais

ESTADO DO TOCANTINS TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO SICAP SISTEMA INTEGRADO DE CONTROLE E AUDITORIA PUBLICA

ESTADO DO TOCANTINS TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO SICAP SISTEMA INTEGRADO DE CONTROLE E AUDITORIA PUBLICA ESTDO DO TOCNTINS TRIBUNL DE CONTS DO ESTDO SICP SISTEM INTEGRDO DE CONTROLE E UDITORI PUBLIC PLNO DE CONTS PR O EXERCÍCIO DE 28 ENTIDDES MUNICIPIS DO ESTDO DO TOCNTINS S U M Á R I O _ I - INTRODUÇÃO II

Leia mais