Custos de Implantação e Amortização de Sistemas de Irrigação Localizada em Citrus. URI GOLDSTEIN, M.Sc.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Custos de Implantação e Amortização de Sistemas de Irrigação Localizada em Citrus. URI GOLDSTEIN, M.Sc."

Transcrição

1 Custos de Implantação e Amortização de Sistemas de Irrigação Localizada em Citrus URI GOLDSTEIN, M.Sc.

2 A Globalização e a Abertura Comercial Quais as estratégias? Competição em custos Eficiência tecnológica

3 Análise de Investimentos e Custos de Implantação Estratégia Analisar eficiência produtiva Bom senso da Engenharia Posicionamento Quanto Vale a pena investir???

4 Análise de Investimentos e Custos de Implantação Necessidade de gerenciar custos e avanços tecnologicos

5 Análise de Investimentos e Custos de Implantação Quanto custa os componente em um projeto? Quais as opções para um bom projeto? Quais as variáveis que influenciam nos custos? Qual é o custo operacional?

6 CVC: CITRUS VIRANDO CANA? Fonte: revista Hortifruti

7 Análise de Investimentos e Custos de Implantação CENÁRIO DOS ULTIMOS ANOS: CITRUS SP Produção (Milhões de cx) x Área (Mil Há) PRODUÇÃO ÁREA Fonte: Agrianual FNP

8 Análise de Investimentos e Custos de Implantação LEMBRANDO ALGUNS CONCEITOS Comparação de Rentabilidade: Valor Presente Quanto é que meu projeto renderia em valores de hoje, a mais que uma aplicação financeira? TIR Taxa Interna de Retorno Quanto é o rendimento por ano de meu projeto? Payback Em quanto tempo meu capital aplicado retorna?

9 Análise de Investimentos e Custos de Implantação Remuneração Lucro Depreciações Caixa $ Custo Produção Receitas

10 Análise de Investimentos e Custos de Implantação Remuneração Prejuízo Depreciações Caixa Custo Produção $ Receitas

11 Taxa do dolar - R$ / us$ 2,30 DEMONSTRATIVO DE CUSTOS X FATURAMENTO COM CORREÇÃO CENÁRIO GERAL Cenários de produtividade ANO CUSTO CPMF FATURAMENT O RESULTADO CORREÇÃO ACUMULADO cxs/pl. plt/há cxs /há custo/cx cxs/há custo/cx R$ R$ Plantio (R$4.278,34) (R$16,26) R$ 0,00 (R$ 4.294,60) (R$ 418,72) (R$ 4.294,60) (R$3.318,83) (R$12,61) R$ 0,00 (R$ 3.331,44) (R$ 784,36) (R$ 8.044,76) (R$2.842,60) (R$10,80) R$ 0,00 (R$ 2.853,40) (R$1.139,05) (R$ ,53) (R$4.844,34) (R$18,41) R$ 242,86 (R$ 4.619,89) (R$1.589,99) (R$ ,61) 0, (R$3.926,72) (R$14,92) R$ 1.193,35 (R$ 2.748,30) (R$1.681,89) (R$ ,19) 1, (9,09) 476 (9,09) 05 (R$6.186,59) (R$23,51) R$ 2.976,19 (R$ 3.233,91) (R$1.332,78) (R$ ,57) 2, (5,73) 570 (11,96) 06 (R$6.874,09) (R$26,12) R$ 2.976,19 (R$ 3.924,02) (R$1.016,92) (R$ ,95) 2, (6,36) 600 (12,62) 07 (R$7.310,07) (R$27,78) R$ 2.981,93 (R$ 4.355,91) (R$ 712,93) (R$ 7.312,09) 2, (6,77) 620 (12,99) 08 (R$7.596,97) (R$28,87) R$ 3.239,39 (R$ 4.386,44) (R$ 407,38) (R$ 4.178,24) 2, (7,03) 650 (12,88) 09 (R$7.141,69) (R$27,14) R$ 3.220,03 (R$ 3.948,80) R$ 635,99 2, (5,58) 700 (10,24) 10 (R$7.630,80) (R$29,00) R$ 3.220,03 (R$ 4.439,77) R$ 5.366,62 2, (5,96) 700 (10,94) 11 (R$7.463,39) (R$28,36) R$ 3.220,03 (R$ 4.271,73) R$ ,30 2, (5,83) 700 (10,70) 12 (R$7.434,33) (R$28,25) R$ 3.483,23 (R$ 3.979,35) R$ ,15 2, (5,81) 700 (10,66) 13 (R$7.006,12) (R$26,62) R$ 2.624,79 (R$ 4.407,96) R$ ,30 2, (6,72) 700 (10,05) 14 (R$7.035,56) (R$26,74) R$ 2.624,79 (R$ 4.437,51) R$ ,91 2, (6,74) 700 (10,09) 15 (R$7.298,76) (R$27,74) R$ 2.624,79 (R$ 4.701,71) R$ ,32 2, (7,00) 700 (10,47) 16 (R$6.768,03) (R$25,72) R$ 2.887,99 (R$ 3.905,76) R$ ,48 2, (6,49) 700 (9,71) 17 (R$6.768,03) (R$25,72) R$ 2.386,69 (R$ 4.407,05) R$ ,83 2, (7,14) 700 (9,71) 18 (R$6.337,80) (R$24,08) R$ 2.386,69 (R$ 3.975,19) R$ ,04 2, (6,68) 700 (9,09) 19 (R$6.768,03) (R$25,72) R$ 2.386,69 (R$ 4.407,05) R$ ,39 2, (7,14) 700 (9,71) 20 (R$7.060,67) (R$26,83) R$ 2.649,89 (R$ 4.437,61) R$ ,99 2, (7,44) 700 (10,12) Correção anual - 9,75% Espaçamento - 7,0 x 3,0 476 pl/há Preço de venda - us$/cx 4,19

12 CENÁRIO GERAL CONTRATOS FECHADOS COM AS INDUSTRIAS EM 2004 ( posto indústria, para os próximos 3 a 5 anos, segundo pesquisas do Cepea ) US$ 2,80 e US$ 3,30/cx, (U$ 1= R$ 2,3) 6,44 a R$ 7,60 Em alguns casos US$ 4,00/ cx ou R$ 9,50 /cx CUSTOS DE PRODUÇÃO MÉDIO ( R$ ) PRODUTIVIDADES com depreciação sem depreciações 700 cx/há 11,00 a 15,00 9,00 a 13, cx/há 8,80 a 10,90 6,80 a 8, cx/ha 7,60 a 9,50 5,60 a 7,50

13 FATORES QUE INFLUENCIAM NO CUSTO DE IMPLANTAÇÃO PLANIMETRIA E ALTIMETRIA DA ÁREA DADOS DA CULTURA TIPO DE SOLO QUANTIDADE DE ÁGUA DISPON. LÁMINA / EXIGÊNCIA DA CULTURA HORAS DE TRABALHO DA MOTOBOMBA QUALIDADE DA ÁGUA ENERGIA ELÉTRICA COMPONENTES DO PROJETO

14 TOPOGRAFIA E VARIEDADES

15 PROJETO HIDRAULICO LEGENDA Setor de Irrigação 1 Setor de Irrigação 2 Setor de Irrigação 3 Válvula Hidráulica Redutora de Pressão Tubulação Principal Tubulação Secundária Tubulação de Distribuição Curva de Nível e Cota Wittia Brasil Ind. e Com. Ltda. Av. Odécio Roland, Jd. Sto.André - Limeira / SP CEP PABX: (19) ,92 hectares Sistema de Irrigação por Gotejamento Sistema Hidráulico e Setores de Irrigação 01/01

16 QUALIDADE DA ÁGUA

17 OBRAS PARA O TRATAMENTO DE ÁGUA

18 INFLUENCIA DO SOLO ( R$ )

19 Análise de Investimentos e Custos de Implantação METAS A SEREM ALCANÇADAS COM A IRRIGAÇÃO Maior produtividade Antecipação do fluxo de caixa Longevidade do Pomar Evitar frustrações de safras pela seca Menores custos de produção Menores custos de colheita

20 Análise de Investimentos e Custos de Implantação PREÇO ESTIMADO DE UM PROJETO DE IRRIGAÇÃO POR GOTEJAMENTO ÁREA DO PROJETO: 80 HA ESPAÇAMENTO: 7 x 3,0 ( 476 PLANTAS/há) LAMINA: 3,5 mm/dia SOLO MÉDIO: Espaçamento entre gotejadores 0,60 m NUMERO DE LINHAS: 2 linhas por linha de plantio TUBO GOTEJADOR: Autocompensado com 0,9 mm de espessura AUTOMAÇÃO: Completa com sensores de umidade TOPOGRAFIA: Média, Pressão na motobomba: 100 m.c.a PREÇO DO PROJETO: R$ 4.250,00 / HA EQUIVALEM À CERCA DE 500 cx / ha ( R$ 8,50/cx)

21 Componentes do projeto AUTOMAÇ ÃO 2 % OUTROS 8 % ADUTORA 16 % R$ ,00 EMISSORES 35 % PRESSURIZAÇÃO 13% R$ ,00 R$ ,00 PVC 18 % FILTRAGEM 5 % VÁLVULAS 3 % R$ ,00 R$ ,00

22 QUANTO CUSTA A SEGUNDA LINHA? ESTRUTURA HIDRAULICA P/ 2 LINHA: 3% DO PROJETO: R$ 127,00/ha = 15 cx/ha SEGUNDA LINHA = 1450 MTS DE TUBO GOTEJADOR R$ 940,00/ha = 110 cx/ha

23 QUANTO CUSTA UM TUBO GOTEJADOR? PARA MTS DE TUBO GOTEJADOR ( 80 HÁ, 2 LINHAS ) ESPESSURA MAIS UTILIZADA = 0,9 mm ( R$ ,00) OUTRAS ESPESSURAS 0,6 mm ( R$ ,00) 0,4 mm ( R$ ,00) ESPAÇAMENTO ENTRE GOTEJADORES: 0,6 m R$ ,00 0,7 m R$ ,00 0,9 m R$ ,00 1,1 m R$ ,00

24 QUANTO CUSTA UMA LÂMINA? Lamina Q got. Operações Q proj Tempo Potência Kwh Custo Energia 2 1,6 l/h 8 76 m³/h 21:00 hs 50 CV R$ ,00 3 1,6 l/h m³/h 19:41 hs 75 CV R$ ,00 4 1,6 l/h m³/h 21:00 hs 100 CV R$ ,00 4 2,1 l/h m³/h 20:00 hs 100 CV R$ ,00 4 3,5 l/h m³/h 19:00 hs 100 CV R$ ,00 5 1,6 l/h m³/h 19:25 hs 125 CV R$ ,00 5 2,1 l/h m³/h 20:00 hs 125CV R$ ,00 5 3,5 l/h m³/h 21:00 hs 125 CV R$ ,00

25 Análise de Investimentos e Custos de Implantação INFLUÊNCIA DA VAZÃO DOS GOTEJADORES NA IMPLANTAÇÃO DO PROJETO NUMERO DE OPERAÇÕES COMPRIMENTO DE LINHA QUANTIDADE DE PVC QUANTIDADE DE VÁLVULAS AUTOMAÇÃO NO CUSTO OPERACIONAL DO PROJETO CUSTOS DE DEMANDA DA ENERGIA ELÁTRICA TARIFA VERDE HORÁRIO DE PICO

26 Análise de Investimentos e Custos de Implantação Considerando o preço pago pelas Industrias com o Bonus Em negociação de R$ 8,50 Citrus Sequeiro R$ 8,20 Citrus Irrigado R$ 7,60 Custo por CX TIR VPL Diminuição dos custos de até % Vantagem VPL

27 Análise de Investimentos e Custos de Implantação Variações Produtividade e Custos Variações de Custos 15,2% a 26,8 % Dependendo dos casos particulares Variações de Fluxos de Caixa 4,31 vezes a 5,78 vezes Soma-se as variações de preços dos contratos e ainda frustrações de safras por falta hídrica

28 Análise de Investimentos e Custos de Implantação Resultados Probabilísticos que dependem: Condições de terra Tipo de cultura Tecnologia Gestão Contratos Simulação apenas indicativa de acordo com médias encontradas Depende de caso a caso Ganhos tecnológicos reais transitórios até a resposta do mercado e dos preços

29 Análise de Investimentos e Custos de Implantação Variações Produtividade e Custos O MANEJO DA IRRIGAÇÃO E DA FERTIRRIGAÇÃO SÃO AS FERRAMENTAS QUE FARÃO A DIFERENÇA ENTRE O SUCESSO E O FRACASSO DO INVESTIMENTO O Verdadeiro cliente deste investimento está no subsolo: AS RAÍZES

30 SOLO SATURADO SOLO ÁGUA

31 AR CAPACIDADE DE CAMPO ÁGUA

32 PRÓXIMO AO PONTO DE MURCHA SOLO NÃO SUPRE A PLANTA COM ÁGUA NA VELOCIDADE NECESSÁRIA

33 Análise de Investimentos e Custos de Implantação M as.. Tendencia Setor tomador de preços Competitividade em custos Ganhos tecnológicos Novo padrão de concorrência S ão F atos D eterm in ad os

34 Análise de Investimentos e Custos de Implantação Há vários caminhos Poucas receitas prontas... Prevalece o bom senso Permanece no Mercado O produtor eficiente Eficiência é sinonimo de contrôle dos dados, do manejo, e principalmente saber qual é a diferença entre as opções de um bom projeto

35 Escritório: LIMEIRA SP: Av. Dr. Odécio Roland, 174 Jd. Santo André cep: Tel: Celular: E.mail: OBRIGADO

IRRIGAÇÃO. JOSÉ ANTÔNIO FRIZZONE frizzone@esalq.usp.br

IRRIGAÇÃO. JOSÉ ANTÔNIO FRIZZONE frizzone@esalq.usp.br IRRIGAÇÃO JOSÉ ANTÔNIO FRIZZONE frizzone@esalq.usp.br IRRIGAÇÃO CONCEITO CLÁSSICO Aplicação artificial de água ao solo, em intervalos definidos e em quantidade suficiente para fornecer às espécies vegetais

Leia mais

A grande aceitação do pivô central deve-se a vários fatores, entre eles:

A grande aceitação do pivô central deve-se a vários fatores, entre eles: Pivô Central Luiz Antonio Lima / Dep. Engenharia / UFLA INTRODUÇÃO O pivô central foi construído pela primeira vez em 1948. Em 1949, seu inventor, Frank L. Zybach, submeteu o invento para ser analisado

Leia mais

Gilberto Tozatti tozatti@gconci.com.br

Gilberto Tozatti tozatti@gconci.com.br Gilberto Tozatti tozatti@gconci.com.br 8 o Dia do HLB Cordeirópolis/SP 12 de Março 2015 Agronegócio Citrícola Brasileiro Agronegócio Citrícola Brasileiro 2010 PIB: US$ 6,5 bilhões (Ext. 4,39 + Int. 2,15)

Leia mais

XIX Congresso Nacional de Irrigação e Drenagem

XIX Congresso Nacional de Irrigação e Drenagem XIX Congresso Nacional de Irrigação e Drenagem Montes Claros, MG, 2009 Oficina 6 Avaliação de Controle dos Sistemas de Irrigação e Fertilização Inovação em Sistemas de Irrigação Localizada Linha do tempo

Leia mais

2º Seminário Internacional CANA & ENERGIA GERAÇÃO COORDENADA GANHOS PARA OS PARTICIPANTES

2º Seminário Internacional CANA & ENERGIA GERAÇÃO COORDENADA GANHOS PARA OS PARTICIPANTES 2º Seminário Internacional CANA & ENERGIA GERAÇÃO COORDENADA GANHOS PARA OS PARTICIPANTES Fabio Ramos, Ph.D. Diretor da RHE Consultoria e Participações Ltda. 29/08/2002 Considerações Iniciais Potência

Leia mais

PERFURAÇÃO E INSTALAÇÃO DE POÇO TUBULAR PROFUNDO. Maio/2.014 ÍNDICE

PERFURAÇÃO E INSTALAÇÃO DE POÇO TUBULAR PROFUNDO. Maio/2.014 ÍNDICE PERFURAÇÃO E INSTALAÇÃO DE POÇO TUBULAR PROFUNDO Serviços de engenharia - perfuração e instalação do poço tubular profundo no Residencial Cidade de Todos os IX na cidade de Porto Velho/RO, com o respectivo

Leia mais

tecnologia com bom senso

tecnologia com bom senso tecnologia com bom senso Corte e Conformação de Metais Condições para Melhor Competitividade de Estamparia. Luciano T. S. Monteiro Definição de Competitividade id d É a busca por uma vantagem comparativa;

Leia mais

VIABILIDADE ECONÔMICA DA IRRIGAÇÃO LOCALIZADA NA CULTURA DA CANA DE AÇÚCAR 1.

VIABILIDADE ECONÔMICA DA IRRIGAÇÃO LOCALIZADA NA CULTURA DA CANA DE AÇÚCAR 1. 8. GESTÃO DO AGRO-NEGÓCIO VIABILIDADE ECONÔMICA DA IRRIGAÇÃO LOCALIZADA NA CULTURA DA CANA DE AÇÚCAR 1. Thomaz Machado Universidade de São Paulo FEARP Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade

Leia mais

DIMENSIONAMENTO ECONÔMICO DE ADUTORAS OU LINHAS DE RECALQUE

DIMENSIONAMENTO ECONÔMICO DE ADUTORAS OU LINHAS DE RECALQUE UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA HIDRÁULICA APLICADA AD 0195 Prof. Raimundo Nonato Távora Costa DIMENSIONAMENTO ECONÔMICO DE ADUTORAS OU LINHAS DE RECALQUE 01. INTRODUÇÃO:

Leia mais

IRRIGAÇÃO POR GOTEJAMENTO NA HEVEICULTURA AGNALDO GOMES DA CUNHA

IRRIGAÇÃO POR GOTEJAMENTO NA HEVEICULTURA AGNALDO GOMES DA CUNHA IRRIGAÇÃO POR GOTEJAMENTO NA HEVEICULTURA AGNALDO GOMES DA CUNHA TÓPICOS HISTÓRICO FATORES IMPORTANTES VANTAGENS E DESVANTAGENS CUSTOS RESULTADOS CONCLUSÃO HISTÓRICO 1959 Simcha Blass, um engenheiro hidráulico

Leia mais

Eng Agr Dr Humberto Vinicius Vescove FORBB Serviços na Área de Agricultura

Eng Agr Dr Humberto Vinicius Vescove FORBB Serviços na Área de Agricultura Eng Agr Dr Humberto Vinicius Vescove FORBB Serviços na Área de Agricultura Índice Evolução da área irrigada de citros no Estado de São Paulo e Triângulo Mineiro. Resultados de pesquisa. Respostas em produtividade

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL - MI AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA - ADA

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL - MI AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA - ADA MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL - MI AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA - ADA BIOCOMBUSTÍVEIS: ATRAÇÃO DE INVESIMENTOS PARA O ESTADO DO PARÁ CONTEXTO: A Agência de Desenvolvimento da Amazônia, deseja

Leia mais

Formação do Preço de Venda

Formação do Preço de Venda CURSO DE ADM - 5º PERÍODO - FASF Objetivo Refletir sobre a importância de se conhecer e identificar a FORMAÇÃO DE PREÇO, como fator determinante para a sobrevivência da exploração da atividade da empresa.

Leia mais

Gerenciamento de citros e custos de produção. Leandro Aparecido Fukuda Farmatac - Bebedouro

Gerenciamento de citros e custos de produção. Leandro Aparecido Fukuda Farmatac - Bebedouro Gerenciamento de citros e custos de produção Leandro Aparecido Fukuda Farmatac - Bebedouro FARM FARM ATAC Pesquisa Consultoria (Produção e econômica) Produção Convênio com EECB Estação de pesquisa 08 Agrônomos

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRO MERCADO IMOBILIÁRIO

ESTUDO DE VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRO MERCADO IMOBILIÁRIO ESTUDO DE VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRO MERCADO IMOBILIÁRIO O estudo de viabilidade econômica para o setor de empreendimento imobiliário representa uma consultoria completa. Com ele será possível obter

Leia mais

Energy Team Brasil Ltda -

Energy Team Brasil Ltda - ENERGIA SOLAR logo da sua empresa Energy Team Brasil Ltda - Rua José Jorge Pereira 202, Condomínio Empresarial Módulos, Galpão 14, Buraquinho - Cep: 42.700-000 - Lauro de Freitas/BA Tel. +55 (71) 3369

Leia mais

Dispositivos de aplicação de água em sistemas de irrigação (emissores)

Dispositivos de aplicação de água em sistemas de irrigação (emissores) Dispositivos de aplicação de água em sistemas de irrigação (emissores) Definição São dispositivos que possibilitam a distribuição de um fluxo de água com vazão constante para uma dada pressão. Os emissores

Leia mais

RETRATO DA CITRICULTURA PAULISTA E TENDÊNCIAS FUTURAS. Antonio Juliano Ayres

RETRATO DA CITRICULTURA PAULISTA E TENDÊNCIAS FUTURAS. Antonio Juliano Ayres RETRATO DA CITRICULTURA PAULISTA E TENDÊNCIAS FUTURAS Antonio Juliano Ayres ETRATO DA CITRICULTURA PAULISTA E TENDÊNCIAS FUTURAS - Cenário Atual - Inventário de Árvores - Estimativa de Safra - Tendências

Leia mais

NOVIDADES NA IRRIGAÇÃO E FERTIRRIGAÇÃO

NOVIDADES NA IRRIGAÇÃO E FERTIRRIGAÇÃO NOVIDADES NA IRRIGAÇÃO E FERTIRRIGAÇÃO Fredy Moreinos Netafim Brasil Sist. Equips. Irrigação Ltda Rua Salvador Scaglione, 135 14066-446 Ribeirão Preto SP 55 16 2111.8000 netafim@netafim.com.br O Brasil

Leia mais

Cadeia Agroindustrial de Citros

Cadeia Agroindustrial de Citros Cadeia Agroindustrial de Citros O impulso da citricultura no Brasil, especialmente em sua principal região produtora São Paulo -, deveu-se à instalação das indústrias de suco de laranja concentrado na

Leia mais

IT-1101 - AGRICULTURA IRRIGADA. (parte 1)

IT-1101 - AGRICULTURA IRRIGADA. (parte 1) 6 Sistemas de irrigação (parte 1) 6.1 Considerações iniciais Aplicação artificial de água ao solo, em quantidades adequadas, visando proporcionar a umidade necessária ao desenvolvimento das plantas nele

Leia mais

Palavras-Chave: Modelos de Otimização, Culturas Irrigadas, CISDERGO.

Palavras-Chave: Modelos de Otimização, Culturas Irrigadas, CISDERGO. EFEITO DE MODIFICAÇÕES NO PLANO CULTURAL E NO SISTEMA DE IRRIGAÇÃO COMO FORMA DE MELHOR APROVEITAMENTO DA ÁGUA DE CHUVA PARA CENÁRIOS CLIMÁTICOS NORMAL E SECO Rosires Catão Curi, Profa.do Dept. de Eng.

Leia mais

Tecnologia GreenTech EC

Tecnologia GreenTech EC Tecnologia GreenTech EC Benefícios econômicos alcançados pela comutação eletrônica A escolha dos Engenheiros Não desligue o seu ventilador, controle-o de forma inteligente! Aqui está um exemplo prático

Leia mais

Produção de tomate sem desperdício de água. Palestrante Eng. Enison Roberto Pozzani

Produção de tomate sem desperdício de água. Palestrante Eng. Enison Roberto Pozzani Produção de tomate sem desperdício de água Palestrante Eng. Enison Roberto Pozzani Panorama da irrigação no Brasil Estima-se que menos de 20% dos irrigantes utilizem alguma ferramenta para controlar a

Leia mais

Field Commander Afixado na torre final

Field Commander Afixado na torre final Monitoramento Remoto Controle total da sua operação de irrigação Field Commander é a nova geração do sistema de monitoramento remoto do pivô. Um avançado sistema que conta com um GPS que se comunica através

Leia mais

Curso de Gestão de Restaurantes. Diego Koppe

Curso de Gestão de Restaurantes. Diego Koppe Curso de Gestão de Restaurantes Diego Koppe Conteúdo Definindo o mercado Calcular o preço de venda CMV VPL de venda Impostos e demais encargos Gestão de custos Maximizar lucros e vendas Projeção de vendas

Leia mais

Roteiro do Plano de Negócio

Roteiro do Plano de Negócio Roteiro do Plano de Negócio 1. Componentes do Plano de Negócios a) Resumo Executivo b) A organização Visão estratégica/modelo de negócio c) Análise de mercado d) Planejamento de marketing - produto ou

Leia mais

ELEMENTOS DO PLANEJAMENTO FINANCEIRO NO PLANO DE NEGÓCIOS Prof. Ms. Marco Arbex

ELEMENTOS DO PLANEJAMENTO FINANCEIRO NO PLANO DE NEGÓCIOS Prof. Ms. Marco Arbex ELEMENTOS DO PLANEJAMENTO FINANCEIRO NO PLANO DE NEGÓCIOS Prof. Ms. Marco Arbex Alguns conceitos Custos fixos: aqueles que não sofrem alteração de valor em caso de aumento ou diminuição da produção. Independem

Leia mais

Parecer sobre a Salinidade do Rio Araranguá e suas Implicações para a Cultura do Arroz Irrigado

Parecer sobre a Salinidade do Rio Araranguá e suas Implicações para a Cultura do Arroz Irrigado Parecer sobre a Salinidade do Rio Araranguá e suas Implicações para a Cultura do Arroz Irrigado Introdução A bacia hidrográfica do rio Araranguá está inserida na Região Hidrográfica Catarinense do Extremo

Leia mais

ESTRELA Não basta ser grande, tem que ser Estrela!

ESTRELA Não basta ser grande, tem que ser Estrela! ESTRELA Não basta ser grande, tem que ser Estrela! ESTRELA A Estrela é uma plantadora pneumática articulada, ágil, de grande porte e com rodado de plantio posicionado entre as linhas. A Estrela trabalha

Leia mais

INVESTIMENTO E RETORNO NA FRUTICULTURA. Prof. Dr. Ricardo Antonio Ayub 1 e Mariane Gioppo 2

INVESTIMENTO E RETORNO NA FRUTICULTURA. Prof. Dr. Ricardo Antonio Ayub 1 e Mariane Gioppo 2 INVESTIMENTO E RETORNO NA FRUTICULTURA Prof. Dr. Ricardo Antonio Ayub 1 e Mariane Gioppo 2 1 Universidade Estadual de Ponta Grossa - Professor Doutor Associado Departamento de Fitotecnia e Fitossanidade

Leia mais

Pedro Mizutani acredita que setor sucroenergético deve sentir uma recuperação mais acelerada da crise

Pedro Mizutani acredita que setor sucroenergético deve sentir uma recuperação mais acelerada da crise Pedro Mizutani acredita que setor sucroenergético deve sentir uma recuperação mais acelerada da crise A crise econômica afeta o setor sucroenergético principalmente, dificultando e encarecendo o crédito

Leia mais

DINHEIRO DÁ EM ÁRVORE SIM!

DINHEIRO DÁ EM ÁRVORE SIM! ESPECIAL DINHEIRO DÁ EM ÁRVORE SIM! INVESTIMENTOS EM EMPREENDIMENTOS FLORESTAIS SÃO SEGUROS E COM BOA RENTABILIDADE, MAS É PRECISO SABER O QUE ESTÁ FAZENDO 58 www.referenciaflorestal.com.br C olocar dinheiro

Leia mais

Apostila de. Finanças e Turismo. 2º semestre de 2013 Glauber Eduardo de Oliveira Santos

Apostila de. Finanças e Turismo. 2º semestre de 2013 Glauber Eduardo de Oliveira Santos Apostila de Finanças e Turismo 2º semestre de 2013 Glauber Eduardo de Oliveira Santos SUMÁRIO 1 Introdução às Finanças... 4 1.1 Avaliação de investimentos... 4 1.2 Empréstimos e juros... 5 1.3 Alternativas

Leia mais

Antonio Dantas Costa Junior Engenheiro Agrônomo. Irrigação Políticas públicas e tecnologia

Antonio Dantas Costa Junior Engenheiro Agrônomo. Irrigação Políticas públicas e tecnologia Antonio Dantas Costa Junior Engenheiro Agrônomo Irrigação Políticas públicas e tecnologia Área de Atuação Unidades locais da EMATER-DF Distrito Federal: 16 escritórios (oito em cidades satélites e oito

Leia mais

O VALOR DA NATUREZA E A ENGENHARIA AMBIENTAL

O VALOR DA NATUREZA E A ENGENHARIA AMBIENTAL O VALOR DA NATUREZA E A ENGENHARIA AMBIENTAL Joésio Deoclécio Pierin Siqueira Eng. Florestal, Dr. em Economia e Política Florestal Vice-Presidente da STCP Engenharia de Projetos DEFINIÇÃO DE SERVIÇOS ECOSSISTÊMICOS

Leia mais

CARNEIRO HIDRÁULICO O QUE É - E COMO CONSTRUÍ-LO. Prof. Geraldo Lúcio Tiago Filho Revisão: Prof. Augusto Nelson Carvalho Viana

CARNEIRO HIDRÁULICO O QUE É - E COMO CONSTRUÍ-LO. Prof. Geraldo Lúcio Tiago Filho Revisão: Prof. Augusto Nelson Carvalho Viana CARNEIRO HIDRÁULICO O QUE É - E COMO CONSTRUÍ-LO Prof. Geraldo Lúcio Tiago Filho Revisão: Prof. Augusto Nelson Carvalho Viana Acesse www.hidrovector.com.br para baixar outros ebooks gratuitamente CARNEIRO

Leia mais

O Plano de Negócios deverá ser apresentado de acordo com os quadros apresentados abaixo.

O Plano de Negócios deverá ser apresentado de acordo com os quadros apresentados abaixo. ANEXO 7 DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL O objetivo da PROPOSTA COMERCIAL é a definição, por parte da LICITANTE, do valor da oferta pela Outorga da Concessão da Prestação do Serviço Público

Leia mais

MENU DE COMMODITIES SOJA MAIO (SOJK10) Soja fechou em leve baixa, trabalha na casa entre 21,50 e 21,80. JULHO 2009/ MAIO 2010 (N/K)

MENU DE COMMODITIES SOJA MAIO (SOJK10) Soja fechou em leve baixa, trabalha na casa entre 21,50 e 21,80. JULHO 2009/ MAIO 2010 (N/K) MENU DE COMMODITIES SOJA MAIO (SOJK10) SOJA MAIO (SOJK10) Médias no Profitchart utilizando o after market. Tempo 60 minutos MÉDIAS 12 SIMPLES E 23 SIMPLES TEMPO 60 MINUTOS SUPORTE 1 R$ 21,80 SITUAÇÃO VENDA

Leia mais

Seja dono. da sua ENERGIA

Seja dono. da sua ENERGIA Seja dono AV Afonso Vaz De melo 677 Sala 301 CEP: 30.640-070 Belo Horizonte (MG) Tel. +55 31 3689-7452 info@solarfast.it www.solarfast.it da sua ENERGIA Energia solar Fontes renováveis, economia de energia,

Leia mais

O que esperar do mercado de leite no Brasil e no mundo

O que esperar do mercado de leite no Brasil e no mundo O que esperar Desenvolver do do mercado de de leite no no e fortalecer Brasil e o e no agronegócio no mundo O que esperar do mercado de leite no Rafael Ribeiro de Lima Filho zootecnista Scot Consultoria

Leia mais

SECANDO COM QUALIDADE E ECONOMIA

SECANDO COM QUALIDADE E ECONOMIA SECADORES ALTO DESEMPENHO, SEGURANÇA E BAIXO CUSTO OPERACIONAL SECANDO COM QUALIDADE E ECONOMIA Secadores Mamute são sinônimos de flexibilidade e alta produção. Seu projeto técnico e ergonômico asseguram

Leia mais

ELEMENTOS BÁSICOS NA ELABORAÇÃO DO ORÇAMENTO DE CAPITAL

ELEMENTOS BÁSICOS NA ELABORAÇÃO DO ORÇAMENTO DE CAPITAL ELEMENTOS BÁSICOS NA ELABORAÇÃO DO ORÇAMENTO DE CAPITAL 16/08/2011 1 CAPITAL: Refere-se aos ativos de longo prazo utilizados na produção; ORÇAMENTO: é o plano que detalha entradas e saídas projetadas durante

Leia mais

TELECONFERÊNCIA 4T08

TELECONFERÊNCIA 4T08 TELECONFERÊNCIA 4T08 5 de agosto de 2008 1 08/07 09/07 10/07 11/07 12/07 01/08 02/08 03/08 Cenário Preço de Commodities 04/08 05/08 06/08 07/08 08/08 Preço das Commodities 220.0 200.0 180.0 160.0 140.0

Leia mais

IRRIGAÇÃO DO ALGODOEIRO NO CERRADO BAIANO. (ALGODÃO IRRIGADO NO CERRADO BAIANO) (ALGODÃO COM IRRIGAÇÃO COMPLEMENTAR NO CERRADO BAIANO) Pedro Brugnera*

IRRIGAÇÃO DO ALGODOEIRO NO CERRADO BAIANO. (ALGODÃO IRRIGADO NO CERRADO BAIANO) (ALGODÃO COM IRRIGAÇÃO COMPLEMENTAR NO CERRADO BAIANO) Pedro Brugnera* IRRIGAÇÃO DO ALGODOEIRO NO CERRADO BAIANO (ALGODÃO IRRIGADO NO CERRADO BAIANO) (ALGODÃO COM IRRIGAÇÃO COMPLEMENTAR NO CERRADO BAIANO) Pedro Brugnera* A história do algodão tecnificado no oeste da Bahia,

Leia mais

SEM0531 Problemas de Engenharia Mecatrônica III

SEM0531 Problemas de Engenharia Mecatrônica III SEM0531 Problemas de Engenharia Mecatrônica III Prof. Marcelo A. Trindade Departamento de Engenharia Mecânica Escola de Engenharia de São Carlos - USP Sala 2º andar Prédio Engenharia Mecatrônica (ramal

Leia mais

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 1) Conjuntura Econômica Em função dos impactos da crise econômica financeira mundial, inciada no setor imobiliário

Leia mais

HIDRODINÂMICA CONDUTOS SOB PRESSÃO

HIDRODINÂMICA CONDUTOS SOB PRESSÃO HIDRODINÂMICA CONDUTOS SOB PRESSÃO CONDUTOS SOB PRESSÃO Denominam-se condutos sob pressão ou condutos forçados, as canalizações onde o líquido escoa sob uma pressão diferente da atmosférica. As seções

Leia mais

27 de abril de 2016. Coletiva de imprensa ESTIMATIVA SAFRA 2016/2017

27 de abril de 2016. Coletiva de imprensa ESTIMATIVA SAFRA 2016/2017 27 de abril de 2016 Coletiva de imprensa ESTIMATIVA SAFRA 2016/2017 ROTEIRO I. Considerações sobre a atual situação do setor sucroenergético II. Bioeletricidade III. Condições climáticas e agronômicas

Leia mais

FACULDADE CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE ABRAÃO ALMEIDA FELIPE SZMYHIEL RIBEIRO MAYCON DOS SANTOS NUNES PAULO EDUARDO DEININGER MESSIAS ALVES

FACULDADE CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE ABRAÃO ALMEIDA FELIPE SZMYHIEL RIBEIRO MAYCON DOS SANTOS NUNES PAULO EDUARDO DEININGER MESSIAS ALVES FACULDADE CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE ABRAÃO ALMEIDA FELIPE SZMYHIEL RIBEIRO MAYCON DOS SANTOS NUNES PAULO EDUARDO DEININGER MESSIAS ALVES PLANO DE NEGÓCIO - MAAPS São Paulo 2009 FACULDADE CARLOS DRUMMOND

Leia mais

José Lincoln Pinheiro Araújo 1 Rebert Coelho Correia 2 Edílson Pinheiro Araújo 3 RESUMO

José Lincoln Pinheiro Araújo 1 Rebert Coelho Correia 2 Edílson Pinheiro Araújo 3 RESUMO APLICAÇÃO DA ANÁLISE CUSTO-VOLUME-LUCRO (CVL) NA DETERMINAÇÃO DA VIABILIDADE ECONOMICA DE UNIDADE PRODUTIVA FAMILIAR LOCALIZADA EM PERIMETRO IRRIGADO DA REGIÃO DO SUBMÉDIO SÃO FRANCISCO. RESUMO José Lincoln

Leia mais

Marketing, Planejamento e Desenvolvimento de Produto. Professor Carpi. 3.1 Produto 3.2 Preço 3.3 Praça 3.4 Promoção

Marketing, Planejamento e Desenvolvimento de Produto. Professor Carpi. 3.1 Produto 3.2 Preço 3.3 Praça 3.4 Promoção Professor Carpi 3. OS 4 P s DO MARKETING 3. OS 4 P s DO MARKETING 3.1 Produto 3.2 Preço 3.3 Praça 3.4 Promoção Preço Valor que o consumidor troca para obter benefícios por ele esperado. Funções e objetivos

Leia mais

Disciplina: Economia & Negócios Líder da Disciplina: Ivy Jundensnaider Professora: Rosely Gaeta

Disciplina: Economia & Negócios Líder da Disciplina: Ivy Jundensnaider Professora: Rosely Gaeta Disciplina: Economia & Negócios Líder da Disciplina: Ivy Jundensnaider Professora: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 01 O PROBLEMA ECONÔMICO Recursos Limitados versus Necessidades Ilimitadas A Economia é a área

Leia mais

Reunião Pública 2013 Safra 13/14

Reunião Pública 2013 Safra 13/14 Reunião Pública 2013 Safra 13/14 Grupo São Martinho 300.000 ha Área agrícola de colheita 4 usinas São Martinho, Iracema, Santa Cruz e Boa Vista 21 milhões de tons Capacidade de processamento de cana de

Leia mais

IRRIGAÇÃO SUBSUPERFICIAL

IRRIGAÇÃO SUBSUPERFICIAL IRRIGAÇÃO SUBSUPERFICIAL Introdução, Sistemas e Características FEAGRI/UNICAMP - 2014 Prof. Roberto Testezlaf Irrigação Subsuperficial Também chamada irrigação subterrânea ou subirrigação A água é aplicada

Leia mais

MUNICÍPIO DE ROSANA ESTADO DE SÃO PAULO PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS. Estudo de Viabilidade Econômica e Financeira

MUNICÍPIO DE ROSANA ESTADO DE SÃO PAULO PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS. Estudo de Viabilidade Econômica e Financeira MUNICÍPIO DE ROSANA ESTADO DE SÃO PAULO PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS Estudo de Viabilidade Econômica e Financeira PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS Prefeitura Municipal de

Leia mais

Análise Comparativa de Investimentos em Olival. Carlos Pedro Trindade

Análise Comparativa de Investimentos em Olival. Carlos Pedro Trindade Análise Comparativa de Investimentos em Olival Carlos Pedro Trindade Parte 1 Conceitos Definição das tecnologias SUMÁRIO Análise da Rentabilidade das alternativas em análise Parte 2 Análise da rentabilidade

Leia mais

1ºAgroMarketing O ALINHAMENTO DO PLANEJAMENTO DE MARKETING AO BUSINESS-PLAN DE EMPRESAS DO AGRONEGÓCIO. Mauricio Sampaio

1ºAgroMarketing O ALINHAMENTO DO PLANEJAMENTO DE MARKETING AO BUSINESS-PLAN DE EMPRESAS DO AGRONEGÓCIO. Mauricio Sampaio 1ºAgroMarketing O ALINHAMENTO DO PLANEJAMENTO DE MARKETING AO BUSINESS-PLAN DE EMPRESAS DO AGRONEGÓCIO Mauricio Sampaio Definições e Conceitos Visão Missão Administração Estratégica Planejamento Estratégico

Leia mais

8 Cálculo da Opção de Conversão

8 Cálculo da Opção de Conversão 83 8 Cálculo da Opção de Conversão Uma usina de açúcar relativamente eficiente pode produzir 107 kg de açúcar a partir de cada tonelada de cana processada, da qual também é produzida obrigatoriamente uma

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901 SIDNEY SOARES DE LIMA 05010004401 TURMA: 01030 TURNO: NOITE PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

tecnologia Engenharia Agrícola y

tecnologia Engenharia Agrícola y tecnologia Engenharia Agrícola y Caetano Barreira / olhar imagem 64 z março DE 2015 A contribuição do campo Irrigação com água tratada de esgoto diminui a retirada dos mananciais e economiza fertilizantes

Leia mais

VASCO DIAS LUIS HENRIQUE GUIMARÃES

VASCO DIAS LUIS HENRIQUE GUIMARÃES COSAN DAY 2016 VASCO DIAS LUIS HENRIQUE GUIMARÃES DISCLAIMER Esta apresentação contem estimativas prospectivas futuro. sobre nossa estratégia e oportunidades para o crescimento Essa informação é baseada

Leia mais

ALGODÃO EM MATO GROSSO JULHO/15

ALGODÃO EM MATO GROSSO JULHO/15 ALGODÃO EM MATO GROSSO JULHO/15 CONJUNTURA MENSAL ANO 1. Nº 3 O 11º Levantamento de Grãos da Conab, divulgado em 11 de agosto de 2015, manteve suas estimativas para a safra 2014/15, de algodão em pluma

Leia mais

IRRIGAÇÃO POR PIVÔ CENTRAL

IRRIGAÇÃO POR PIVÔ CENTRAL IRRIGAÇÃO POR PIVÔ CENTRAL Introdução Num passado não muito distante, irrigação era sinônimo de trabalho humano intenso. Desde a pré-história o homem vem desviando ribeirões para irrigar suas plantações,

Leia mais

COMPANHIA IMOBILIÁRIA DE BRASÍLIA - TERRACAP AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO DISTRITO FEDERAL

COMPANHIA IMOBILIÁRIA DE BRASÍLIA - TERRACAP AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO DISTRITO FEDERAL COMPANHIA IMOBILIÁRIA DE BRASÍLIA - TERRACAP AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO DISTRITO FEDERAL DIPRE Diretoria de Prospecção e Formatação de Novos Empreendimentos GEPRE Gerência de Prospecção de Novos Empreendimentos

Leia mais

11º SBA SEMINÁRIO BRASILEIRO AGROINDUSTRIAL 27 E 28 DE OUTUBRO DE 2010 IMPUREZAS DA CANA

11º SBA SEMINÁRIO BRASILEIRO AGROINDUSTRIAL 27 E 28 DE OUTUBRO DE 2010 IMPUREZAS DA CANA 11º SBA SEMINÁRIO BRASILEIRO AGROINDUSTRIAL 27 E 28 DE OUTUBRO DE 2010 IMPUREZAS DA CANA IMPUREZAS DA CANA SEPARAÇÃO DAS IMPUREZAS EM MESA E ESTEIRA DE CANA PICADA POTÊNCIAS INSTALADAS E CONSUMIDAS EFICIÊNCIA

Leia mais

Energias Renováveis e Eficiência Energética

Energias Renováveis e Eficiência Energética Energias Renováveis e Eficiência Energética Unidades de Negócios Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Fábricas e Filiais Do primeiro prédio ao parque instalado total Argentina Chile

Leia mais

ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA PREMISSAS TÉCNICAS

ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA PREMISSAS TÉCNICAS PREMISSAS TÉCNICAS PREMISSAS TÉCNICAS Tabela 01 -Cotações da Terra Tipo de Terra 2003 2007 2008 Pastagem formada de baixo suporte em solo arenoso (Rondonópolis/Itiquira) R$ 1.325,00 R$ 1.974,00 R$ 2.500,00

Leia mais

Conjuntura Dezembro. Boletim de

Conjuntura Dezembro. Boletim de Dezembro de 2014 PIB de serviços avança em 2014, mas crise industrial derruba taxa de crescimento econômico Mais um ano de crescimento fraco O crescimento do PIB brasileiro nos primeiros nove meses do

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO HIDRÁULICA DE MICRO ASPERSOR

CARACTERIZAÇÃO HIDRÁULICA DE MICRO ASPERSOR CARACTERIZAÇÃO HIDRÁULICA DE MICRO ASPERSOR M. A. D. Marques 1 ; L. F. S. M. Campeche 2 RESUMO: O propósito deste trabalho foi avaliar hidraulicamente o emissor da marca Agropolo de um sistema de irrigação

Leia mais

AÇÕES INSTITUCIONAIS NO SETOR SUCROENERGÉTICO

AÇÕES INSTITUCIONAIS NO SETOR SUCROENERGÉTICO AÇÕES INSTITUCIONAIS NO SETOR SUCROENERGÉTICO Elizabeth Farina Diretora Presidente da União da Indústria da Cana-de-Açúcar Araçatuba, 13 de dezembro de 2013 130 associados; 60% da cana-de-açúcar, etanol

Leia mais

COMPETITIVIDADE NO SETOR FLORESTAL

COMPETITIVIDADE NO SETOR FLORESTAL COMPETITIVIDADE NO SETOR FLORESTAL 15/03/2012 Joésio D. P. Siqueira Vice-Presidente STCP 1/29 A STCP Conquistas recentes Clientes de 38 países das Américas, África, Europa, Ásia e Oceania 17 escritórios

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Custo de Produção e Lucratividade da Cultura de Milho Sequeiro: um estudo de caso no município de Sud Mennucci, SP

Leia mais

Estrutura Industrial e Mudança Tecnológica na Economia Sucroalcooleira

Estrutura Industrial e Mudança Tecnológica na Economia Sucroalcooleira Estrutura Industrial e Mudança Tecnológica na Economia Sucroalcooleira Prof. Maria da Graça D. Fonseca (IE-UFRJ) Charles Ménard Costa (Consultor Infosucro) Competitividade da Indústria O sistema de produção

Leia mais

COMO REDUZIR AS PERDAS INDUSTRIAIS ATUANDO SOBRE A LIMPEZA DE CANA. Carlos A. Tambellini

COMO REDUZIR AS PERDAS INDUSTRIAIS ATUANDO SOBRE A LIMPEZA DE CANA. Carlos A. Tambellini COMO REDUZIR AS PERDAS INDUSTRIAIS ATUANDO SOBRE A LIMPEZA DE CANA. Carlos A. Tambellini 1 1.0 COLHEITA / TRANSPORTE / RECEPÇÃO DE CANA - HISTÓRICO 1ª FASE (1960/ 70): Cana queimada Corte manual Carregamento

Leia mais

SUBSTITUIÇÃO DE GRUPOS ELETROBOMBA: ABORDAGEM DETERMINÍSTICA BASEADA EM ESTUDOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA.

SUBSTITUIÇÃO DE GRUPOS ELETROBOMBA: ABORDAGEM DETERMINÍSTICA BASEADA EM ESTUDOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. SUBSTITUIÇÃO DE GRUPOS ELETROBOMBA: ABORDAGEM DETERMINÍSTICA BASEADA EM ESTUDOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. Exemplo: a captação de água em Morgavel. Nuno LOPES; Rodrigo MARQUES Manuel LACERDA; Luís GHIRA

Leia mais

Avaliação econômica CURSO SOBRE MANEJO E TRATAMENTO DE DEJETOS COM BIODIGESTORES. 29 de setembro a 01 de outubro de 2009 Foz do Iguaçu/PR

Avaliação econômica CURSO SOBRE MANEJO E TRATAMENTO DE DEJETOS COM BIODIGESTORES. 29 de setembro a 01 de outubro de 2009 Foz do Iguaçu/PR CURSO SOBRE MANEJO E TRATAMENTO DE DEJETOS COM BIODIGESTORES 29 de setembro a 01 de outubro de 2009 Foz do Iguaçu/PR Avaliação econômica Marcelo Miele Franco Müller Martins A suinocultura brasileira Desempenho

Leia mais

O Novo Modelo de Vendas para Resultado. Palestra de Vendas. Realização. www.lampsi.net.br. www.juliusassessoria.wordpress.com

O Novo Modelo de Vendas para Resultado. Palestra de Vendas. Realização. www.lampsi.net.br. www.juliusassessoria.wordpress.com O Novo Modelo de Vendas para Resultado Palestra de Vendas Realização www.lampsi.net.br www.juliusassessoria.wordpress.com O que estou fazendo aqui? Procuro respostas! O que aconteceu com minhas Vendas???

Leia mais

ELOBiomass.com. Como Comprar a Energia da Biomassa Lignocelulósica!

ELOBiomass.com. Como Comprar a Energia da Biomassa Lignocelulósica! ELOBiomass.com Como Comprar a Energia da Biomassa Lignocelulósica! ÍNDICE Introdução... I Biomassa Lignocelulósica Energética... 1 Energia de Fonte Renovável... 2 Nova Matriz Energética Mundial... 3 Geração

Leia mais

Ari José Fernandes Lacôrte Engenheiro Agrônomo MS Consultor Sênior

Ari José Fernandes Lacôrte Engenheiro Agrônomo MS Consultor Sênior BEZERROS: VENDER, RECRIAR OU ENGORDAR? Apesar de muitos pecuaristas não adotarem formalmente a estação de monta no Brasil há uma expressiva concentração do numero de animais desmamados no final do 1º semestre.

Leia mais

A irrigação à noite também não é uma boa ideia porque pode deixar as folhas molhadas durante a noite um convite ao crescimento de fungos.

A irrigação à noite também não é uma boa ideia porque pode deixar as folhas molhadas durante a noite um convite ao crescimento de fungos. MANEIRAS DE ECONOMIZAR ÁGUA NA IRRIGAÇÃO: TÓPICO I: IRRIGAÇÃO PARA PAISAGISMO RESIDENCIAL. Agora vamos iniciar as maneiras de economizar água de irrigação. 1 Se você já tem um sistema instalado: 1.1. Faça

Leia mais

CALANDRA MONORROL CAPACIDADES DE 60 A 220KG

CALANDRA MONORROL CAPACIDADES DE 60 A 220KG CALANDRA MONORROL PASSAGEM FÁCIL, ALTA PRODUTIVIDADE COM TECNOLOGIA SISTEMA DE ROLO E FITAS EQUIPAMENTO COMPACTO: projetado para passagem de tecidos planos, com alta produção e qualidade. ALTA PRODUTIVIDADE:

Leia mais

LÍDER GLOBAL NO DESENVOLVIMENTO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS

LÍDER GLOBAL NO DESENVOLVIMENTO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS LÍDER GLOBAL NO DESENVOLVIMENTO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS / LÍDER DE MERCADO DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS COM MAIS DE 55 ANOS DE EXPERIÊNCIA / ESCOLHER O MELHOR PARCEIRO A SunEdison, Inc. (NYSE:SUNE) é líder mundial

Leia mais

MANUAL DE VENDAS SEGURO COLHEITA GARANTIDA

MANUAL DE VENDAS SEGURO COLHEITA GARANTIDA MANUAL DE VENDAS SEGURO COLHEITA GARANTIDA 1 Finalidade O setor Agropecuário é, e sempre foi, fundamental para a economia Brasileira, porém está sujeito aos riscos de produção por intempéries da Natureza

Leia mais

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL Renara Tavares da Silva* RESUMO: Trata-se de maneira ampla da vitalidade da empresa fazer referência ao Capital de Giro, pois é através deste que a mesma pode

Leia mais

II SEMINÁRIO ESTADUAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL Painel IV: Saneamento Básico Palestra: Florianópolis, 13 de agosto de 2010

II SEMINÁRIO ESTADUAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL Painel IV: Saneamento Básico Palestra: Florianópolis, 13 de agosto de 2010 II SEMINÁRIO ESTADUAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL Painel IV: Saneamento Básico Palestra: Controle e redução de perdas de água e uso eficiente de energia em sistemas de abastecimento de água Eng. Airton Gomes

Leia mais

ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA DE UM NOVO EQUIPAMENTO: UM ESTUDO DE CASO PARA INDÚSTRIA MOVELEIRA

ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA DE UM NOVO EQUIPAMENTO: UM ESTUDO DE CASO PARA INDÚSTRIA MOVELEIRA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE MECÂNICA I CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EVERTON LAZARE ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA DE UM NOVO EQUIPAMENTO:

Leia mais

Análise de Custos de Projetos Como calcular o custo de um projeto de viabilidade financeira

Análise de Custos de Projetos Como calcular o custo de um projeto de viabilidade financeira Análise de Custos de Projetos Como calcular o custo de um projeto de viabilidade financeira Eduardo Regonha Doutor pela UNIFESP / EPM Pós Graduado em Administração Hospitalar pela FGV Consultor na Área

Leia mais

Planejamento e Gestão do Negócio Agrícola. Aparecido Porto da Costa E-mail: aparecidoport@hotmail.com

Planejamento e Gestão do Negócio Agrícola. Aparecido Porto da Costa E-mail: aparecidoport@hotmail.com Planejamento e Gestão do Negócio Agrícola Aparecido Porto da Costa E-mail: aparecidoport@hotmail.com Introdução Organização Sistema aberto sucesso Ambiente 2 Conceitos Básicos Planejar Criar esquemas para

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO- DEZEMBRO -2011

RELATÓRIO DE GESTÃO- DEZEMBRO -2011 O ano de 11 terminou sem grandes surpresas. Na tentativa de manter aquecido o mercado consumidor brasileiro, a taxa básica de juros, que chegou a 1,5% ao longo do ano, encerrou o período em 11%. O crescimento

Leia mais

Oportunidades no Mercado de Biocombustíveis

Oportunidades no Mercado de Biocombustíveis 4 e 5 de junho de 2007 World Trade Center São Paulo, Brasil SÃO PAULO ETHANOL SUMMIT Novas Fronteiras do Etanol: Desafios da Energia no Século 21 Oportunidades no Mercado de Biocombustíveis Arnaldo Walter

Leia mais

Diversificação, sustentabilidade e. dinheiro no bolso

Diversificação, sustentabilidade e. dinheiro no bolso Leitõezinhos se alimentam na mãe até os 22 dias de idade, quando seguem para engorda Diversificação, sustentabilidade e dinheiro no bolso Cooperativa em São Gabriel do Oeste, MS, tem faturamento quatro

Leia mais

Elfio Rocha Mendes José Maria Cavalcante Filho

Elfio Rocha Mendes José Maria Cavalcante Filho Elfio Rocha Mendes José Maria Cavalcante Filho Situação atual Aumento da Energia chega até a 85%, em 12 meses O GLOBO 08.05.2015 Aumento de tarifas, como água e luz, mantém em alta inflação de serviços

Leia mais

LOCALIZAÇÃO DAS USINAS NO ESTADO

LOCALIZAÇÃO DAS USINAS NO ESTADO PERFIL DA PRODUÇÃO MINEIRA LOCALIZAÇÃO DAS USINAS NO ESTADO 43 USINAS EM FUNCIONAMENTO POSIÇÃO REGIÃO Nº DE USINAS 1º Triângulo 23 2º Noroeste 5 3º Sul de Minas 4 4º Centro-Oeste 3 5º Mucuri 2 6º Alto

Leia mais

PROJETO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA REGISTRO DE INSPEÇÃO DE PROJETOS

PROJETO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA REGISTRO DE INSPEÇÃO DE PROJETOS Página 1 GRUPO RESPONSÁVEL PELA ELA- BORAÇÃO DO PROJETO: REGISTRO DE INSPEÇÃO DE PROJETOS PROJETO INSPECIONADO: DATA DA INSPEÇÃO: AUTOR DESTE CHECKLIST MARCOS LUÍS ALVES DA SILVA Sistema de instalações

Leia mais

Modelo: Índice de nacionalização (mínimo): Em valor: % Em peso: % Descrição técnica: Área irrigada: de a ha/h

Modelo: Índice de nacionalização (mínimo): Em valor: % Em peso: % Descrição técnica: Área irrigada: de a ha/h Sistema de irrigação Pivot Central / Linear /h Constituído de: (Quantidades) Pivot Central de a Torres de a Motoredutores de a Pressão de operação: de a Tubulação de interligação do Pivot a Motobomba do

Leia mais

Informações Finais. O Irrigâmetro não contém componentes mecânicos, Capítulo. Cuidados com o Irrigâmetro e sua manutenção

Informações Finais. O Irrigâmetro não contém componentes mecânicos, Capítulo. Cuidados com o Irrigâmetro e sua manutenção Capítulo 6 Informações Finais Cuidados com o Irrigâmetro e sua manutenção O Irrigâmetro não contém componentes mecânicos, elétricos ou eletrônicos exigindo, portanto, baixa manutenção. No entanto, alguns

Leia mais

Metodologia de cálculo do modelo de parametrização e de divisão de riscos e retorno da cadeia citrícolabrasileira. Consecitrus.

Metodologia de cálculo do modelo de parametrização e de divisão de riscos e retorno da cadeia citrícolabrasileira. Consecitrus. Metodologia de cálculo do modelo de parametrização e de divisão de riscos e retorno da cadeia citrícolabrasileira Consecitrus Novembro de 2012 1 Conceitos básicos: objetivo O objetivo do presente trabalho

Leia mais

Milho Período: 16 a 20/03/2015

Milho Período: 16 a 20/03/2015 Milho Período: 16 a 20/03/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,2434 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais

MUNICÍPIO DE JARDINÓPOLIS SP

MUNICÍPIO DE JARDINÓPOLIS SP MUNICÍPIO DE JARDINÓPOLIS SP PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO RELATORIO DE ATIVIDADES BLOCO II MEDIÇÕES DE VAZÕES NOVEMBRO/2012 1 ÍNDICE 1. Apresentação... 03 2. Atividades Realizadas... 06 2.1. Medições

Leia mais