11º SBA SEMINÁRIO BRASILEIRO AGROINDUSTRIAL 27 E 28 DE OUTUBRO DE 2010 IMPUREZAS DA CANA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "11º SBA SEMINÁRIO BRASILEIRO AGROINDUSTRIAL 27 E 28 DE OUTUBRO DE 2010 IMPUREZAS DA CANA"

Transcrição

1 11º SBA SEMINÁRIO BRASILEIRO AGROINDUSTRIAL 27 E 28 DE OUTUBRO DE 2010 IMPUREZAS DA CANA

2 IMPUREZAS DA CANA SEPARAÇÃO DAS IMPUREZAS EM MESA E ESTEIRA DE CANA PICADA POTÊNCIAS INSTALADAS E CONSUMIDAS EFICIÊNCIA DOS SISTEMAS DE LIMPEZA A SECO PROBLEMAS DE MANUTENÇÃO E OPERAÇÃO AVALIAÇÃO DA PALHA PARA COGERAÇÃO

3 Opções para limpeza da cana (Histórico): Lavagem com água Remoção das impurezas minerais Limpeza a seco Remoção das impurezas minerais e vegetais

4 Opções para limpeza da cana (Histórico): Motivos da diminuição do uso de sistemas de lavagem de cana: Perda de açúcar Tratamento da água Consumo de energia no bombeamento Aspectos ambientais Cobrança da utilização / captação de água Aumento da colheita mecânica / teor de palha

5 Opções para limpeza da cana (Histórico): Sistema de Lavagem de Cana IMPUREZAS VEGETAIS CANA IMPUREZAS MINERAIS ÁGUA DE LAVAGEM IMPUREZAS MINERAIS MESA ALIMENTADORA 45º IMPUREZAS VEGETAIS IMPUREZAS MINERAIS CANA ÁGUA DE LAVAGEM PROCESSO DE EXTRAÇÃO

6 Opções para limpeza da cana (Histórico): Perdas e eficiência nos sistemas de lavagem com água: Perdas na lavagem: 1 a 3 % (Média = 2 %) Eficiência na lavagem: 40 a 80 % Eficiência de limpeza relativamente alta com menor consumo de água em mesas alimentadoras 45º

7 Opções para limpeza da cana (Histórico): Motivos do aumento do uso de sistemas de limpeza de cana a seco: Aumento da colheita mecanizada Capacidade dos processos de extração Aproveitamento da palha para fins energéticos Otimização do aproveitamento da energia da biomassa Evitar aumento do desgaste dos equipamentos (extração, tratamento do caldo e geração de vapor)

8 Eficiência nos sistemas de limpeza a seco: Mesa 45º propiciou excelente controle da alimentação de cana inteira Mesa 45º propiciou boa eficiência na remoção das impurezas minerais no sistema de lavagem Mesa 45º é o equipamento mais adequado para a limpeza a seco para cana picada? Sistema mais adequado: eficiência, capacidade, consumo de energia, investimento e manutenção Separação das Impurezas em Mesa e Esteira Opções para limpeza da cana (Histórico):

9 Sistema de Limpeza a Seco Adequado: Eficiência da limpeza a seco: Porcentual de impurezas minerais separadas Porcentual de impurezas vegetais separadas Teor reduzido de impurezas minerais na palha separada Nível de perdas reduzido

10 Sistema de Limpeza a Seco Adequado: Capacidade do sistema limpeza a seco: Limitação pelo ciclo de descarga Descarga simultânea de 2 cargas de cana (quantidade de mesas X esteiras) Utilização de transportadores de correia (velocidades mais altas) Camadas de cana menos espessas com altas velocidades Velocidade da cana X Eficiência da sopragem

11 Consumo de energia: Quantidade igual de equipamentos de descarga só depende da capacidade Quantidade de mesas ou esteiras metálicas (depende da capacidade) Necessidade de transportadores de correia para cana nos sistemas com esteira Quantidade iguais de transportadores de correia para impurezas vegetais e minerais Quantidade de ventiladores Separação das Impurezas em Mesa e Esteira Sistema de Limpeza a Seco Adequado:

12 Investimento inicial: Quantidade igual de equipamentos de descarga Custo da mesa alimentadora X esteira metálica Quantidade necessária de mesas ou esteiras em função da capacidade Transportadores de correia nos sistemas com esteira Quantidade iguais de transportadores de correia para impurezas vegetais e minerais Quantidade de ventiladores Lay-out da instalação Separação das Impurezas em Mesa e Esteira Sistema de Limpeza a Seco Adequado:

13 Sistema de Limpeza a Seco Adequado: Custo de manutenção: Equipamentos de descarga Mesa Alimentadora X Esteira Metálica, inclusive quantidades Transportadores de correia para cana X Esteira Metálica Transportadores de correia para impurezas vegetais e minerais Quantidade de ventiladores Lay-out da instalação

14 Características das Impurezas: Impurezas minerais: Densidade elevada Área superficial muito pequena Tipo de solo X Umidade X Aderência Impurezas vegetais: Densidade muito baixa Área superficial grande Influência da variedade e do clima

15 Características das Impurezas: Formas de remoção mais eficientes Impurezas minerais Ação mecânica Sopragem com ar Impurezas vegetais Sopragem com ar Ação mecânica (liberar folhas presas aos colmos)

16 Opções de Instalação e Operação: Mesa Alimentadora 45º Descarga em transportador de correia Descarga em esteira metálica Transferência Esteiras Transportadoras Esteira metálica para correia Transportadores de correia Posição da sopragem Sopragem de baixo para cima Sopragem de cima para baixo

17 Opções de Instalação e Operação: Mesa Alimentadora 45º Descarga em transportador de correia

18 Opções de Instalação e Operação: Mesa Alimentadora 45º Descarga em transportador de correia

19 Opções de Instalação e Operação: Mesa Alimentadora 45º Descarga em transportador de correia

20 Opções de Instalação e Operação: Mesa Alimentadora 45º Descarga em esteira metálica

21 Opções de Instalação e Operação: Mesa Alimentadora 45º Descarga em esteira metálica

22 Opções de Instalação e Operação: Mesa Alimentadora 45º Descarga em esteira metálica

23 Opções de Instalação e Operação: Esteira metálica para correia

24 Opções de Instalação e Operação: Transportadores de correia

25 Opções de Instalação e Operação: Transportadores de correia

26 Opções de Instalação e Operação: Transportadores de correia

27 Opções de Instalação e Operação: Transportadores de correia

28 Opções de Instalação e Operação: Transportadores de correia

29 Opções de Instalação e Operação: Transportadores de correia

30 Opções de Instalação e Operação: Transportadores de correia

31 Opções de Instalação e Operação: Transportadores de correia

32 Opções de Instalação e Operação: Posição da sopragem F AR 1 F RESULTANTE Para partícula com o mesmo peso (F PESO ), pode-se obter a mesma força atuante na partícula (F RESULTANTE ) a partir de uma força aplicada pelo ar (F AR ) muito menor se aplicada de cima para baixo, a favor da gravidade F AR 2 << F AR 1 F PESO P/ CIMA RESULTADOS: F PESO Maior eficiência Menor consumo de potência F AR 2 P/ BAIXO F RESULTANTE

33 Opções de Instalação e Operação: Posição da sopragem Estudos, modelamento numérico, protótipos e avaliação no campo

34 Opções de Instalação e Operação: Posição da sopragem Estudos, modelamento numérico, protótipos e avaliação no campo

35 Opções de Instalação e Operação: Posição da sopragem Estudos, modelamento numérico, protótipos e avaliação no campo

36 Opções de Instalação e Operação: Vantagens e Desvantagens Mesa 45º Vantagem Desvantagem Separação seletiva de impurezas minerais Equipamento existente na maioria das Usinas Fluxo descontínuo da camada de cana Investimento inicial maior Custo de manutenção maior Maior quantidade de ventiladores Maior vazão de ar Câmaras de captação e despressurização maiores Potência consumida maior (Mesa X Esteira Metálica)

37 Opções de Instalação e Operação: Vantagens e Desvantagens Esteiras Vantagem Equipamentos de alta capacidade Camada de cana mais uniforme e de menor espessura (transportadores de correia) Investimento inicial menor (esteira metálica) Custo de manutenção menor Menor quantidade de ventiladores Menor vazão de ar Câmaras de captação e despressurização menores e mais simples Potência consumida menor (Esteira Metálica X Mesa) Poucos recursos para separação seletiva de impurezas Des minerais vantagem Transportadores de correia adicionais (cana)

38 Potências Instaladas e Consumidas Equipamentos do Sistema: Limpeza a Seco: Equipamentos de descarga Mesa Alimentadora 45º Esteira Metálica Transportadores de cana (correia) Ventiladores Transportadores de palha (correia) Transportadores de terra (correia) Processamento da palha: Peneira de separação da terra da palha Picador de palha Transportadores de palha (para caldeiras)

39 Potências Instaladas e Consumidas Energia para a Limpeza a Seco: Limpeza a Seco: Equipamentos de descarga Não contabilizar Necessários para atender a quantidade de cana Mesa Alimentadora 45º Contabilizar se for parte do sistema Potência instalada: 200 a 250 cv cada uma Esteira Metálica Contabilizar se for parte do sistema Potência instalada: 125 cv Transportadores de cana (correia) Quantidade depende do sistema e lay-out Potência depende da capacidade (tch) e lay-out

40 Potências Instaladas e Consumidas Energia para a Limpeza a Seco: Limpeza a Seco (continuação): Ventiladores Quantidade depende do sistema Potência instalada: 100 cv cada um Transportadores de palha (correia) Quantidade depende do lay-out Potência depende da capacidade (tch) e lay-out Transportadores de terra (correia) Quantidade depende do sistema e do lay-out Potência depende essencialmente do lay-out Para o sistema com mesa 45º considerar transportadores para retirada da terra sob a mesa e transportadores para retirada da terra da peneira de palha

41 Potências Instaladas e Consumidas Energia para o Processamento da Palha: Processamento da palha: Peneira de separação da terra da palha Peneira rotativa com telas: 3,5 m X 10 m Potência instalada: 15 cv Picador de palha Quantidade depende da capacidade (tch) Capacidade dos picadores em t palha/h: (?) Potência instalada: 400 cv cada picador Potência consumida Transportadores de palha (para caldeiras) Quantidade depende do lay-out e capacidade do picador de palha Potência depende da capacidade (t palha/h) e lay-out

42 Potências Instaladas e Consumidas Potência instalada e consumida (estimada): Unidade Costa Pinto (1.000 tch / 13 % Impureza vegetal) POTÊNCIA INSTALADA E CONSUMIDA (ESTIMATIVA) - COSTA PINTO tch - 13 % PALHA QTDE EQUIPAMENTO POTÊNCIA INSTALADA (cv) POTÊNCIA CONSUMIDA (cv) 1 ESTEIRA METÁLICA TRANSPORTADORES DE CORREIA - CANA TRANSPORTADORES DE CORREIA - PALHA TRANSPORTADORES DE CORREIA - TERRA VENTILADORES PENEIRAS DE PALHA PICADORES DE PALHA POTÊNCIA TOTAL POTÊNCIA ESPECÍFICA (cv/tch) ,87 1,04

43 Potências Instaladas e Consumidas Potência instalada e consumida (estimada): Unidade c/ Mesa 45º (1.000 tch / 13 % Impureza vegetal) POTÊNCIA INSTALADA E CONSUMIDA (ESTIMATIVA) - MESA 45º tch - 13 % PALHA QTDE EQUIPAMENTO POTÊNCIA INSTALADA (cv) POTÊNCIA CONSUMIDA (cv) 2 MESAS ALIMENTADORAS 45º TRANSPORTADORES DE CORREIA - CANA TRANSPORTADORES DE CORREIA - PALHA TRANSPORTADORES DE CORREIA - TERRA VENTILADORES PENEIRAS DE PALHA PICADORES DE PALHA POTÊNCIA TOTAL POTÊNCIA ESPECÍFICA (cv/tch) ,42 1,47

44 Eficiência dos Sistemas de Limpeza a Seco Fatores que afetam a eficiência: Sistema utilizado (mesa / esteira) Teor de impurezas na cana Configuração da câmara de separação Configuração das câmaras de captação Condições climáticas durante a colheita Umidade do material vegetal (proporção de folhas verdes / secas)

45 Eficiência dos Sistemas de Limpeza a Seco Fatores que afetam a eficiência: Sistema utilizado (mesa / esteira) Mesa 45º: 40 a 60 % Esteiras (1 sopragem): 40 a 60 % Esteiras (2 sopragens): 55 a 70 % (*) OBS: Teor de impureza vegetal entre 7 e 13 % (*) Expectativa de 70 a 80 % (sopragem de cima p/ baixo)

46 Eficiência dos Sistemas de Limpeza a Seco Fatores que afetam a eficiência: Teor de impurezas na cana Maior teor de impurezas maior eficiência Configuração da câmara de separação Posição do jato de ar Distância do jato até a cana Distância do jato até o início da câmara de coleta de impurezas Velocidade da cana no campo de ação do jato de ar

47 Eficiência dos Sistemas de Limpeza a Seco Fatores que afetam a eficiência: Configuração das câmaras de captação Capacidade de despressurização Efeito ciclone na circulação do ar Fluxo da palha na câmara (pacotes) Condições climáticas durante a colheita Período de chuvas Umidade relativa (orvalho)

48 Eficiência dos Sistemas de Limpeza a Seco Fatores que afetam a eficiência: Umidade do material vegetal (proporção de folhas verdes / secas) Condições da safra (chuvosa, seca) Variedade da cana Cana isoporizada Cana bisada (?)

49 Problemas de Manutenção e Operação Manutenção: Correntes e trilhos de mesas e esteiras Rolos, tambores e mancais de transportadores de correia Ventiladores Peneira de palha pouco histórico Picador de palha freqüência de troca das facas

50 Problemas de Manutenção e Operação Operação: Dosagem da cana no sistema de sopragem Posição do espalhador de cana Vedação das câmaras de captação Formação de pacotes de palha nas câmaras de captação e na peneira de palha Alimentação simultânea de 2 ou mais conjuntos de moagem

51 Avaliação da Palha para Cogeração Condições da palha: Queima preferencial da palha e estocagem do bagaço Umidade da palha Teor de impurezas minerais na palha Componentes da palha, especialmente teor de sílica Granulometria

52 Avaliação da Palha para Cogeração Granulometria da palha in natura : Palha Bagaço % retida 0 0,42 0,59 0,84 1,00 1,19 1,68 2,00 2,38 abertura (mm) 3,36 4,76 6,35 12,5 a a 40 > 40 0 Fonte: Seminário Tecnologia de limpeza de cana a seco CTC 17/05/07

53 Avaliação da Palha para Cogeração Granulometria da palha triturada (faca e martelo): 50 Palha Faca Palha Martelo Bagaço % massa ,42 0,59 0,84 1 1,19 1,68 2 2,38 3,36 4,76 6,35 12, abertura (mm) Fonte: Seminário Tecnologia de limpeza de cana a seco CTC 17/05/07

54 Sistema de Limpeza a Seco - Univalem Separação das impurezas da cana Peneiramento e picagem da palha

55 11º SBA SEMINÁRIO BRASILEIRO AGROINDUSTRIAL 27 E 28 DE OUTUBRO DE 2010 OBRIGADO PELA ATENÇÃO IMPUREZAS DA CANA

56 Potências Instaladas e Consumidas

57 Eficiência dos Sistemas de Limpeza a Seco Eficiência de separação de impurezas Estágios de sopragem: 1 Usina Rafard SAFRA 2.007/2.008 LIMPEZA A SECO COSTA PINTO (DADOS RAFARD) 80,0 16,0 % Eficiência de separaçã ou Umidade média da palha retirada 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 14,0 12,0 10,0 8,0 6,0 4,0 2,0 Vazão de palha retirada % (BU) Umidade média da palha retirada (%) Eficiência MÉDIA de separação em base seca (%) Vazão de palha retirada p/ 100 t/h de material (t/h) 0,0 0,0 5,0% 7,0% 9,0% 11,0% 13,0% 15,0% 17,0% 19,0% % Impureza vegetal na entrada (BU)

58 Eficiência dos Sistemas de Limpeza a Seco Eficiência de separação de impurezas Estágios de sopragens: 2 Usina Rafard SAFRA 2.008/2.009 LIMPEZA A SECO RAFARD 90,0% 18,0% % Eficiência de separação ou Umidade média da palha retirada 80,0% 70,0% 60,0% 50,0% 40,0% 30,0% 20,0% 10,0% 16,0% 14,0% 12,0% 10,0% 8,0% 6,0% 4,0% 2,0% Vazão de palha retirada % (BU) Umidade média da palha (%) % eficiência de separação 1 sopro % eficiência de separação 2 sopros Vazão de palha retirada p/ 100 t/h de material (t/h) 0,0% 5% 6% 7% 8% 9% 10% 11% 12% 13% 14% 15% 16% 17% % Impureza vegetal na entrada (BU) 0,0%

59 Sistema de Descarga Simultânea: USINA SÃO MANUEL Descarga simultânea em 2 mesas alimentadoras

60 Sistema de Descarga Simultânea: USINA UNIVALEM Descarga simultânea em 1 esteira metálica

61 Sistema de Descarga Simultânea: USINA COSTA PINTO Descarga simultânea em 1 esteira metálica

62 Sistema de Descarga Simultânea: USINA COSTA PINTO Descarga simultânea em 1 esteira metálica

63 Problemas de Manutenção e Operação Peneiramento e picagem da palha - Univalem

64 Problemas de Manutenção e Operação Peneiramento e picagem da palha - Univalem

2ª GERAÇÃO DA LIMPEZA DA CANA

2ª GERAÇÃO DA LIMPEZA DA CANA 2ª GERAÇÃO DA LIMPEZA DA CANA Suleiman Hassuani 13º SBA Seminário Brasileiro Agroindustrial - STAB 2012 24 e 25 outubro / 2012 Ribeirão Preto - Taiwan Custo do sistema (5 m 3 /tc) Perda açúcar: 1,6% ATR

Leia mais

LIMPEZA DE CANA A SECO TECNOLOGIA EMPRAL

LIMPEZA DE CANA A SECO TECNOLOGIA EMPRAL LIMPEZA DE CANA A SECO TECNOLOGIA EMPRAL 1 Novas necessidades da indústria - Redução do consumo de água - Proibição da queimada da cana de açúcar - Mecanização da colheita de cana de açúcar 2 Interferência

Leia mais

Cana Crua X Extração. A Usina em números 13º Seminário Brasileiro Agroindustrial Ribeirão Preto SP 24 e 25/10/2012

Cana Crua X Extração. A Usina em números 13º Seminário Brasileiro Agroindustrial Ribeirão Preto SP 24 e 25/10/2012 Cana Crua X Extração A Usina em números 13º Seminário Brasileiro Agroindustrial Ribeirão Preto SP 24 e 25/10/2012 Índice Evolução do Sistema de Limpeza...03 Influência da Limpeza na Extração...29 Avaliação

Leia mais

Impurezas e Qualidade da Cana-de-Açúcar

Impurezas e Qualidade da Cana-de-Açúcar Impurezas e Qualidade da Cana-de-Açúcar Levantamento dos níveis de impurezas nas últimas safras Jaime Finguerut jaime@ctc.com.br Luiz Antonio Dias Paes 5 de Junho de 2014 Agenda Dados Gerais da Safra 13/14

Leia mais

COMO REDUZIR AS PERDAS INDUSTRIAIS ATUANDO SOBRE A LIMPEZA DE CANA. Carlos A. Tambellini

COMO REDUZIR AS PERDAS INDUSTRIAIS ATUANDO SOBRE A LIMPEZA DE CANA. Carlos A. Tambellini COMO REDUZIR AS PERDAS INDUSTRIAIS ATUANDO SOBRE A LIMPEZA DE CANA. Carlos A. Tambellini 1 1.0 COLHEITA / TRANSPORTE / RECEPÇÃO DE CANA - HISTÓRICO 1ª FASE (1960/ 70): Cana queimada Corte manual Carregamento

Leia mais

NOSSA META É O CLIENTE. NOSSA FILOSOFIA É A QUALIDADE.

NOSSA META É O CLIENTE. NOSSA FILOSOFIA É A QUALIDADE. BEM-VINDOS! NOSSA META É O CLIENTE. NOSSA FILOSOFIA É A QUALIDADE. Empresa fundada em no ano de 1987, a PROMAC iniciou suas atividades no ramo de equipamentos de movimentação de carga, atuando nas mais

Leia mais

Soluções em Açúcar, Etanol e Co-geração

Soluções em Açúcar, Etanol e Co-geração Soluções em Açúcar, Etanol e Co-geração A Sucral Iniciou suas atividades em 1968 e foi uma das empresas pioneiras no desenvolvimento do setor sucroenergético não só do país como também no exterior. Nos

Leia mais

Preparo da Cana 10 14 / 08 / 2015. paulo@delfini.com.br + 55 19 98166-7000

Preparo da Cana 10 14 / 08 / 2015. paulo@delfini.com.br + 55 19 98166-7000 10 14 / 08 / 2015 paulo@delfini.com.br + 55 19 98166-7000 Objetivos do Preparo da Cana Objetivos do Preparo da Cana Romper a estrutura da cana desagregando os tecidos fibrosos Romper as células que armazenam

Leia mais

SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE FULIGEM

SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE FULIGEM SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE FULIGEM Para atender às regulamentações ambientais de hoje, os gases emitidos por caldeiras que utilizam bagaço de cana e outros tipos de biomassa similares devem, obrigatoriamente,

Leia mais

Vantagens e Desvantagens da Utilização da PALHA da Cana. Eng. Agr. Dib Nunes Jr. GRUPO IDEA

Vantagens e Desvantagens da Utilização da PALHA da Cana. Eng. Agr. Dib Nunes Jr. GRUPO IDEA Vantagens e Desvantagens da Utilização da PALHA da Cana Eng. Agr. Dib Nunes Jr. GRUPO IDEA NOVO PROTOCOLO AMBIENTAL (Única, Orplana e Secretaria do Meio Ambiente) Áreas mecanizáveis Extinção das queimadas

Leia mais

Sistema de Limpeza de Cana

Sistema de Limpeza de Cana Sistema de Limpeza de Cana Edgar S Tsunoda, Elias Vicente, Lucas Glad, Reginaldo K Shiguedomi, Sérgio L Corinto, Tiago J R Alves Introdução: A matéria prima cana-de-açúcar vem mudando com a introdução

Leia mais

ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE LAVAGEM DE GASES - ETALG

ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE LAVAGEM DE GASES - ETALG ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE LAVAGEM DE GASES - ETALG Para atender às regulamentações ambientais atuais, os gases emitidos por caldeiras que utilizam bagaço de cana ou outros tipos de biomassa devem,

Leia mais

Seminário Florescimento e Isoporização Efeitos na Moagem e Produção Industrial

Seminário Florescimento e Isoporização Efeitos na Moagem e Produção Industrial AGRADECIMENTOS INICIAIS CONVITE EVENTO PALESTRANTES PARTICIPANTES APRESENTAÇÃO Engenheiro Mecânico Universidade de Brasília 1982 Setor Sucroenergético 1984 MBA FGV Gestão de Projetos - 2011 MBA Agroenergia

Leia mais

APROVEITAMENTO DA BIOMASSA RESIDUAL DE COLHEITA FLORESTAL

APROVEITAMENTO DA BIOMASSA RESIDUAL DE COLHEITA FLORESTAL APROVEITAMENTO DA BIOMASSA RESIDUAL DE COLHEITA FLORESTAL XIV Seminário de Atualização Sobre Sistemas de Colheita de Madeira e Transporte Florestal Curitiba, Agosto 2006 1. Introdução O preço do petróleo

Leia mais

PERDAS DE CANA E IMPUREZAS VEGETAIS E MINERAIS NA COLHEITA MECANIZADA

PERDAS DE CANA E IMPUREZAS VEGETAIS E MINERAIS NA COLHEITA MECANIZADA PERDAS DE CANA E IMPUREZAS VEGETAIS E MINERAIS NA COLHEITA MECANIZADA Mauro Sampaio Benedini Gerente Regional de Produto CTC Fernando Pedro Reis Brod Pesquisador Engª Agrícola CTC José Guilherme Perticarrari

Leia mais

PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO

PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO II GERA: Workshop de Gestão de Energia e Resíduos na Agroindustria Sucroalcooleira FZEA - USP Pirassununga, 12 de junho de 2007 Helcio

Leia mais

15º SEMINÁRIO BRASILEIRO AGROINDUSTRIAL TEMA GERAÇÃO DE PRIMEIRO MUNDO

15º SEMINÁRIO BRASILEIRO AGROINDUSTRIAL TEMA GERAÇÃO DE PRIMEIRO MUNDO 15º SEMINÁRIO BRASILEIRO AGROINDUSTRIAL TEMA GERAÇÃO DE PRIMEIRO MUNDO Jose Willams da Silva Luz Gerente Corporativo Industrial Deltasucroenergia Willams.luz@deltasucroenergia.com.br Fone: 034.3319.6463

Leia mais

USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA. Lisandra C. Kaminski

USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA. Lisandra C. Kaminski USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA Lisandra C. Kaminski Casca de café Estudo realizado em 2008, pelo agrônomo Luiz Vicente Gentil, da UnB. Pode ser uma excelente opção como substituição

Leia mais

Uso da Palha da Cana vs Emissões de GEE

Uso da Palha da Cana vs Emissões de GEE Uso da Palha da Cana vs Emissões de GEE Luis Augusto B. Cortez e Manoel Regis Lima Verde Leal Oficina de Trabalho Sustentabilidade do Bioetanol Brasília, 25 e 26 de Fevereiro de 2010 Conteúdo da Apresentação

Leia mais

PROCESSOS DE COGERAÇÃO. Equipamentos, Custos e Potenciais Manoel Regis Lima Verde Leal Centro de Tecnologia Copersucar BNDES 26/08/2003

PROCESSOS DE COGERAÇÃO. Equipamentos, Custos e Potenciais Manoel Regis Lima Verde Leal Centro de Tecnologia Copersucar BNDES 26/08/2003 PROCESSOS DE COGERAÇÃO Equipamentos, Custos e Potenciais Manoel Regis Lima Verde Leal Centro de Tecnologia Copersucar BNDES 26/08/2003 Energia da Cana 1 TON OF CANA (COLMOS) Energia (MJ) 140 kg de açúcar

Leia mais

NOVA MATÉRIA PRIMA E A PRODUÇÃO DE ETANOL HENRIQUE BERBERT DE AMORIM NETO

NOVA MATÉRIA PRIMA E A PRODUÇÃO DE ETANOL HENRIQUE BERBERT DE AMORIM NETO HENRIQUE BERBERT DE AMORIM NETO WORKSHOP SOBRE LIMPEZA DA CANA CRUA E QUALIDADE DA MATÉRIA-PRIMA JUNHO DE 2014 INTRODUÇÃO DESAFIOS: COLHEITA DA CANA, PRODUÇÃO DE AÇÚCAR, PRODUÇÃO DE ETANOL. DIFERENÇA ENTRE

Leia mais

Novas Técnicas de Aproveitamento da Energia do Bagaço + Palhiço

Novas Técnicas de Aproveitamento da Energia do Bagaço + Palhiço Novas Técnicas de Aproveitamento da Energia do Bagaço + Palhiço Case Seresta Autor: Écliton Ramos 02 Fonte: ONS Evolução da capacidade instalada (por fonte de geração MW) Plano Decenal de Expansão de Energia

Leia mais

Seminário de Geração Distribuída INEE Rio, Setembro 2004

Seminário de Geração Distribuída INEE Rio, Setembro 2004 Seminário de Geração Distribuída INEE Rio, Setembro 2004 As fontes de Energia para GD Gerando energia elétrica com biomassa da cana: início de um ciclo virtuoso Isaias C. Macedo NIPE - UNICAMP Produção

Leia mais

Verticalização dos Estoques

Verticalização dos Estoques Verticalização dos Estoques Considerações Iniciais A principal prioridade dos operadores é reduzir o tempo de ciclo dos pedidos e não economizar espaço. As soluções que permitem economizar espaço não permitem

Leia mais

Avaliação de Desempenho de Equipamentos Eletrorrurais

Avaliação de Desempenho de Equipamentos Eletrorrurais XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Avaliação de Desempenho de Equipamentos Eletrorrurais Frederico Stark Rezende Gutemberg

Leia mais

Avaliação Tecnológica

Avaliação Tecnológica Sistematização e Consevação do Solo e da Água em Cana de Açúcar Outubro de 2013 Ciência Básica Programa Industrial Sustentabilidade Programa Agrícola Avaliação Tecnológica Não muito tempo atrás 16 rodas

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Módulo IV Aula 01 1. Introdução Vamos estudar as torres de refrigeração que são muito utilizadas nas instalações de ar condicionado nos edifícios, na

Leia mais

Variedades de Cana-de-Açúcar Pragas e Doenças: Eng. Agr. Gustavo de Almeida Nogueira Canaoeste

Variedades de Cana-de-Açúcar Pragas e Doenças: Eng. Agr. Gustavo de Almeida Nogueira Canaoeste Variedades de Cana-de-Açúcar Pragas e Doenças: Eng. Agr. Gustavo de Almeida Nogueira Canaoeste Sumário: Novos Desafios do Setor; Programas de Melhoramento Genético de Cana-de-açúcar; Principais Características

Leia mais

Dimensionamento dos Transformadores

Dimensionamento dos Transformadores BEV.LAS.00..0 Data execução.0.0 Revisão 00 Dimensionamento dos Transformadores Localização: Geral Cliente: Aliança Engenheiros Associados S/S Ltda Projetista: CEA Av. de Maio,, andar, salas 0/0 Eng. Resp.:

Leia mais

Máquinas para recolhimento de Biomassa Agrícola. Samir de Azevedo Fagundes Marketing

Máquinas para recolhimento de Biomassa Agrícola. Samir de Azevedo Fagundes Marketing Máquinas para recolhimento de Biomassa Agrícola Samir de Azevedo Fagundes Marketing Grupo FIAT Antes, uma reflexão Marketing 3.0 e o Setor Sucroenergético Alguns comportamentos desejados: Criar elo com

Leia mais

GERAÇÃO DE ELETRICIDADE A PARTIR DA BIOMASSA DA

GERAÇÃO DE ELETRICIDADE A PARTIR DA BIOMASSA DA GERAÇÃO DE ELETRICIDADE A PARTIR DA BIOMASSA DA Títuloda CANA-DE-AÇÚCAR Apresentação Bioeletricidade A segunda revolução energética da cana-de-açúcar Autor Rio de Janeiro, 24 de novembro de 2005 Helcio

Leia mais

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o 1.Introdução O fenômeno da corrente elétrica é algo conhecido pelo homem desde que viu um raio no céu e não se deu conta do que era aquilo. Os efeitos de uma descarga elétrica podem ser devastadores. Há

Leia mais

OBTENÇÃO E PREPARAÇÃO do RAP e do RAM (*)

OBTENÇÃO E PREPARAÇÃO do RAP e do RAM (*) 38 PARTE IV OBTENÇÃO E PREPARAÇÃO do RAP e do RAM (*) 1. INTRODUÇÃO A reciclagem das camadas do pavimento pode ser executada na pista, ou em usina central ou fixa. Os processos de obtenção dos materiais

Leia mais

Cogeração na Indústria Canavieira: Realidade e perspectivas

Cogeração na Indústria Canavieira: Realidade e perspectivas Co-geração de energia da Biomassa da Cana no ESP ÚNICA - COGEN - SP Cogeração na Indústria Canavieira: Realidade e perspectivas Isaias C. Macedo Produção / utilização da biomassa da cana Brasil: 320 M

Leia mais

Impurezas e Qualidade de Cana-de-Açúcar

Impurezas e Qualidade de Cana-de-Açúcar Impurezas e Qualidade de Cana-de-Açúcar Levantamento dos níveis de impurezas nas últimas safras Luiz Antonio Dias Paes 12 de Maio de 2011 Dados Gerais da Safra 10/11 Impurezas Evolução Indicadores Impurezas

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO BASE DE SOLO-CIMENTO Grupo de Serviço PAVIMENTAÇÃO Código DERBA-ES-P-07/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a execução de base de solo-cimento,

Leia mais

AR COMPRIMIDO. Esse sistema compreende três componentes principais: o compressor, a rede de distribuição e os pontos de consumo.

AR COMPRIMIDO. Esse sistema compreende três componentes principais: o compressor, a rede de distribuição e os pontos de consumo. AR COMPRIMIDO Nos diversos processos industriais, os sistemas de ar comprimido desempenham papel fundamental na produção e representam parcela expressiva do consumo energético da instalação. Entretanto,

Leia mais

SISTEMAS DE TRANSPORTADORES CONTINUOS

SISTEMAS DE TRANSPORTADORES CONTINUOS Consiste na movimentação constante entre dois pontos pré-determinados. d São utilizados em mineração, indústrias, terminais de carga e descarga, terminais de recepção e expedição ou em armazéns. Esteiras

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSAS

ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSAS ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSAS O que é biomassa? - É toda matéria orgânica proveniente das plantas e animais. Como se forma a biomassa? - A biomassa é obtida através da fotossíntese realizada pelas plantas.

Leia mais

Operação Unitária de Centrifugação

Operação Unitária de Centrifugação UFPR Setor de Ciências da Saúde Curso de Farmácia Disciplina de Física Industrial Operação Unitária de Centrifugação Prof. Dr. Marco André Cardoso Centrifugação Operação unitária com a principal finalidade

Leia mais

Seminário de Mecanização Agrícola "José Fernandes Inovação no processo de colheita da cana-de-açúcar: uma necessidade

Seminário de Mecanização Agrícola José Fernandes Inovação no processo de colheita da cana-de-açúcar: uma necessidade Seminário de Mecanização Agrícola "José Fernandes Inovação no processo de colheita da cana-de-açúcar: uma necessidade Programa Agrícola - CTBE Mecanização de Baixo Impacto Específica para a Cana-de-açúcar

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS BRITADOR IMPACTO DE EIXO VERTICAL (VSI) ZL EQUIPAMENTOS. 1. DESCRIÇÃO. Os Britadores de eixo vertical VSI, projetado pela ZL Equipamentos, são confeccionados aqui no Brasil, ou

Leia mais

Aproveitamento Energético de Resíduos e Biomassa. Eng Rogério C. Perdoná

Aproveitamento Energético de Resíduos e Biomassa. Eng Rogério C. Perdoná Aproveitamento Energético de Resíduos e Biomassa Eng Rogério C. Perdoná 00 Apresentação Pessoal Rogério Carlos Perdoná Graduação Engenharia Elétrica Escola de Engenharia de Lins 1987 a 1992. Pós-graduação

Leia mais

Introdução ao Tratamento de Resíduos Industriais

Introdução ao Tratamento de Resíduos Industriais Introdução ao Tratamento de Resíduos Industriais Disciplina : Tratamento de Resíduos Professor : Jean Carlo Alanis Peneiras : Utilizadas para remoção de sólidos finos e/ou fibrosos; Possuem abertura de

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PENEIRA DESAGUADORA - ZL EQUIPAMENTOS.

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PENEIRA DESAGUADORA - ZL EQUIPAMENTOS. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PENEIRA DESAGUADORA - ZL EQUIPAMENTOS. 1. DESCRIÇÃO. As peneiras desaguadoras de livre oscilação linear dirigida, projetadas e fabricadas pela ZL Equipamentos, foram especialmente

Leia mais

CTC Centro de Tecnologia Canavieira

CTC Centro de Tecnologia Canavieira Título da Apresentação CTC Centro de Tecnologia Canavieira Autor Divulgação Livre CTC Centro de Tecnologia Canavieira 148 associadas 131 usinas e/ou destilarias 17 assoc. fornecedores de cana 214,5 milhões

Leia mais

COTIP Colégio Técnico e Industrial de Piracicaba (Escola de Ensino Médio e Educação Profissional da Fundação Municipal de Ensino de Piracicaba)

COTIP Colégio Técnico e Industrial de Piracicaba (Escola de Ensino Médio e Educação Profissional da Fundação Municipal de Ensino de Piracicaba) 1 MOENDAS 1. Moendas Conjunto de 04 rolos de moenda dispostos de maneira a formar aberturas entre si, sendo que 03 rolos giram no sentido horário e apenas 01 no sentido antihorário. Sua função é forçar

Leia mais

Sumário. Sobre a VLC... Planta para recuperação das águas de uso industrial... Peneira Rotativa Linear... Peneira de Cesto... Peneira Estática...

Sumário. Sobre a VLC... Planta para recuperação das águas de uso industrial... Peneira Rotativa Linear... Peneira de Cesto... Peneira Estática... Sumário Sobre a VLC... Planta para recuperação das águas de uso industrial... Peneira Rotativa Linear... Peneira de Cesto... Peneira Estática... Clarificadores e Decantadores... Filtro de Lodo SCF... Prensa

Leia mais

Usina Guariroba Capacidade de processamento: 2 milhões de toneladas cana/safra

Usina Guariroba Capacidade de processamento: 2 milhões de toneladas cana/safra Usina Guariroba Capacidade de processamento: 2 milhões de toneladas cana/safra Plantas completas Modernas e eficientes Quando o assunto é fornecimento de plantas completas para o processamento da cana-de-açúcar,

Leia mais

Soluções para Aumentar Eficiência e Produtividade da Usina

Soluções para Aumentar Eficiência e Produtividade da Usina Usina de Inovações Brasil Novembro 2008 Soluções para Aumentar Eficiência e Produtividade da Usina Resumo da apresentação, caso precise de mais informações relativo ao tema favor me contatar. Dep. DT -

Leia mais

PLANTIO MECANIZADO MAIS UM DESAFIO A SER VENCIDO

PLANTIO MECANIZADO MAIS UM DESAFIO A SER VENCIDO PLANTIO MECANIZADO MAIS UM DESAFIO A SER VENCIDO Armene José Conde Gerente Regional Mauro Sampaio Benedini Gerente Regional José Guilherme Perticarrari Coordenador de Pesquisa Tecnológica CTC - Centro

Leia mais

PIRACICABA ENGENHARIA SUCROALCOOLEIRA LTDA. Descrição sobre a Empresa e seus Responsáveis Técnicos

PIRACICABA ENGENHARIA SUCROALCOOLEIRA LTDA. Descrição sobre a Empresa e seus Responsáveis Técnicos PIRACICABA ENGENHARIA SUCROALCOOLEIRA LTDA. Descrição sobre a Empresa e seus Responsáveis Técnicos Descrição atualizada em junho/2014 www.piracicabaengenharia.com.br 1 PIRACICABA ENGENHARIA SUCROALCOOLEIRA

Leia mais

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade.

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade. Aula 10: Processos de Fundição em Moldes Metálicos por Gravidade (Coquilhas) 01: Introdução - Características do processo - Etapas envolvidas. - Fatores econômicos e tecnológicos - Ligas emprwegadas 02:

Leia mais

SECAGEM DE SERRADOS E LÂMINAS DE MADEIRA

SECAGEM DE SERRADOS E LÂMINAS DE MADEIRA Artigo Técnico Nº 27 Novembro 2004 SECAGEM DE SERRADOS E LÂMINAS DE MADEIRA INTRODUÇÃO A secagem é uma etapa indispensável no processo de industrialização da madeira serrada, bem como de lâminas de madeira,

Leia mais

CALDEIRAS PARA QUEIMA DE DIFERENTES TIPOS DE BIOMASSA

CALDEIRAS PARA QUEIMA DE DIFERENTES TIPOS DE BIOMASSA WORKSHOP JOSÉ PAULO STUPIELLO CALDEIRAS PARA QUEIMA DE DIFERENTES TIPOS DE BIOMASSA ERICSON MARINO CONSULTOR PIRACICABA 02/10/2013 POR QUE FALAR DE CALDEIRAS NESTE SEMINÁRIO AO SE DISCUTIR AS IMPLICAÇÕES

Leia mais

O Melhoramento de Plantas e o Aquecimento Global. Arnaldo José Raizer P&D - Variedades

O Melhoramento de Plantas e o Aquecimento Global. Arnaldo José Raizer P&D - Variedades O Melhoramento de Plantas e o Aquecimento Global 1 Arnaldo José Raizer P&D - Variedades Roteiro Aquecimento Global Centro de Tecnologia Canavieira (CTC) O setor sucro-energético Melhoramento Genético e

Leia mais

PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO

PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO II GERA: Workshop de Gestão de Energia e Resíduos na Agroindustria Sucroalcooleira FZEA - USP Pirassununga, 12 de junho de 2007 Helcio

Leia mais

Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa

Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa TECNOLOGIAS DISPONÍVEIS www.basesolidaenergia.com.br +55 41 3667 9014 Curitiba PR Objetivo O Objetivo desta apresentação é informar quais os

Leia mais

11 CENTRÍFUGAS. Sendo o trajeto de uma volta completa no tempo T, esse tempo é chamado de período.

11 CENTRÍFUGAS. Sendo o trajeto de uma volta completa no tempo T, esse tempo é chamado de período. 11 CENTRÍFUGAS 11.1 FUNDAMENTOS: Em algumas separações, principalmente com partículas muito pequenas, emprega-se a força centrífuga cuja ação pode chegar várias vezes a força da gravidade, ou seja, aceleração

Leia mais

Máquinas para Pecuária

Máquinas para Pecuária Máquinas para Pecuária Thaís Nascimento Santos 1 ; Bruno Silva Torquato 1 ; Karen Cappi do Carmo Brig 1 ; Maria Alexandra Estrela 2 Aluno (a) do Curso de Zootecnia da Faculdade de Imperatriz FACIMP, Imperatriz

Leia mais

COMUNICAÇÃO INTERNA SAFRA 2013/2014 INICIOU DIA 17 DE ABRIL 2013 ESTIMATIVA DE PRODUÇÃO É DE 1.940.000 TONELADAS DE CANA-DE-AÇÚCAR

COMUNICAÇÃO INTERNA SAFRA 2013/2014 INICIOU DIA 17 DE ABRIL 2013 ESTIMATIVA DE PRODUÇÃO É DE 1.940.000 TONELADAS DE CANA-DE-AÇÚCAR 1 Recursos Humanos COMUNICAÇÃO INTERNA SAFRA 2013/2014 INICIOU DIA 17 DE ABRIL 2013 No dia 17 de abril iniciou a Safra 2013/2014 da Usina Ester. A safra de cana de açúcar é sazonal iniciando, na região

Leia mais

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa)

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa) Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa) Aymoré de Castro Alvim Filho Eng. Eletricista, Dr. Especialista em Regulação, SRG/ANEEL 10/02/2009 Cartagena de Indias, Colombia Caracterização

Leia mais

Concreto Definições. Concreto Durabilidade. Concreto Definições. Concreto Definições. Produção do concreto ANGELO JUST.

Concreto Definições. Concreto Durabilidade. Concreto Definições. Concreto Definições. Produção do concreto ANGELO JUST. UNICAP Curso de Arquitetura e Urbanismo EXECUÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO: Mistura, transporte, lançamento, adensamento e cura. MATERIAIS E TECNOLOGIA CONSTRUTIVA 1 Prof. Angelo Just da Costa e Silva

Leia mais

Geração de Excedentes de Energia no Setor SUCROENERGÉTICO. Nicolas Dupaquier Gerente de Projetos Areva Renewables Brasil

Geração de Excedentes de Energia no Setor SUCROENERGÉTICO. Nicolas Dupaquier Gerente de Projetos Areva Renewables Brasil Geração de Excedentes de Energia no Setor SUCROENERGÉTICO Nicolas Dupaquier Gerente de Projetos Areva Renewables Brasil Organização AREVA Renewables Unidades de negócios AREVA Mineração Front End Reatores

Leia mais

Eco Houses / Casas ecológicas. Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental

Eco Houses / Casas ecológicas. Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental Eco Houses / Casas ecológicas Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental IDHEA - INSTITUTO PARA O DESENVOLVIMENTO DA HABITAÇÃO ECOLÓGICA Conceito:

Leia mais

Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável. Tecnologia => disponível com eficiência crescente

Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável. Tecnologia => disponível com eficiência crescente Cana de Açúcar => oferta crescente matéria prima energética Bagaço + Palha => disponibilidade existente e assegurada Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável Tecnologia =>

Leia mais

Aproveitamento da Palha de Cana de Açúcar Planta CTC Palha Flex

Aproveitamento da Palha de Cana de Açúcar Planta CTC Palha Flex Aproveitamento da Palha de Cana de Açúcar Planta CTC Palha Flex 16 SBA Seminário Brasileiro Agroindustrial A Usina da Recuperação Francisco Linero Ribeirão Preto 29 de outubro de 2015 Agenda Recuperação

Leia mais

CENSO VARIETAL E DE PRODUTIVIDADE EM 2012

CENSO VARIETAL E DE PRODUTIVIDADE EM 2012 CENSO VARIETAL E DE PRODUTIVIDADE EM 2012 REGIÃO CENTRO-SUL RESUMO O censo varietal e de produtividade de cana-de-açúcar é realizado pelo CTC - Centro de Tecnologia Canavieira, na Região Centro-Sul do

Leia mais

Geração Termelétrica. S. R. Bragança, M. Cooper da Silva, J. J. da Rosa, J. Rubio, A. Meneguzzi e C.P. Bergmann - UFRGS-CGTEE

Geração Termelétrica. S. R. Bragança, M. Cooper da Silva, J. J. da Rosa, J. Rubio, A. Meneguzzi e C.P. Bergmann - UFRGS-CGTEE Otimização da Preparação do Carvão para Combustão na Usina Termoelétrica de Candiota - RS: 1. Técnicas de Caracterização para Separação de Frações Granulométricas Inorgânicas Associadas ao Carvão S. R.

Leia mais

Programa de desenvolvimento de tecnologias de 2ª geração no PAISS. Carlos Eduardo Calmanovici Julho, 2012

Programa de desenvolvimento de tecnologias de 2ª geração no PAISS. Carlos Eduardo Calmanovici Julho, 2012 Programa de desenvolvimento de tecnologias de 2ª geração no PAISS Carlos Eduardo Calmanovici Julho, 2012 PAISS Etanol 2G 1. Motivação 2. Programa 2G 3. Perspectivas e discussão PAISS Etanol 2G 1. Motivação

Leia mais

Construção Civil I Execução de Fundações Indiretas

Construção Civil I Execução de Fundações Indiretas Construção Civil I Execução de Fundações Indiretas Estaca a Trado Rotativo O trado é cravado no solo por meio de um torque; Quando o trado está cheio, é sacado e retirado o solo; Quando a cota de assentamento

Leia mais

PRODUTOS. Projetamos todos os equipamentos descritos ou fabricamos mediante projetos de terceiros.

PRODUTOS. Projetamos todos os equipamentos descritos ou fabricamos mediante projetos de terceiros. PRODUTOS Hilo mecânico móvel ou fixo com capacidade de 25 a 50 toneladas; Mesa alimentadora de 15º a 45º, simples ou conjugada totalmente vedada; Esteira de cana; Cush-cush de palha; Picadores; Desfibradores;

Leia mais

Os proprietários no Brasil podem ser: Empresas concessionárias de serviço público de geração;

Os proprietários no Brasil podem ser: Empresas concessionárias de serviço público de geração; GERAÇÃO DISTRIBUÍDA DEFINIÇÃO A geração distribuída de eletricidade consiste na produção da eletricidade no local de seu consumo, ou próximo a ele; Eventuais excedentes desta geração podem ser vendidos

Leia mais

A N A I S D O E V E N T O. 12 e 13 de Novembro de 2014 Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil

A N A I S D O E V E N T O. 12 e 13 de Novembro de 2014 Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil A N A I S D O E V E N T O 12 e 13 de Novembro de 2014 Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil Levantamento do consumo de água para processamento da cana-de-açúcar na região de abrangência do Polo Centro

Leia mais

Motores Térmicos. 9º Semestre 5º ano

Motores Térmicos. 9º Semestre 5º ano Motores Térmicos 9º Semestre 5º ano 19 Sistema de Refrigeração - Tópicos Introdução Meios refrigerantes Tipos de Sistemas de Refrigeração Sistema de refrigeração a ar Sistema de refrigeração a água Anticongelantes

Leia mais

14º SBA A USINA DA SUPERAÇÃO

14º SBA A USINA DA SUPERAÇÃO 14º SBA A USINA DA SUPERAÇÃO VISÃO ATUALIZADA SOBRE A PRODUÇÃO DE VAPOR EM USINAS E DESTILARIAS ERICSON MARINO 30/10/2013 TEMAS DA APRESENTAÇÃO TRANSIÇÃO, DAS PRESSÕES E TEMPERATURAS DE VAPOR PRODUZIDO

Leia mais

PRINCIPAIS PARTES COMPONENTES DOS GERADORES DE VAPOR

PRINCIPAIS PARTES COMPONENTES DOS GERADORES DE VAPOR Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-056 M.Sc. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 INTRODUÇÃO: Apesar de existir um grande número de tipos

Leia mais

- FABRICAÇÃO DE MÁQUINAS PARA INDÚSTRIA DE RAÇÃO E DERIVADOS; - FABRICAÇÃO DE ESTRUTURAS METÁLICAS.

- FABRICAÇÃO DE MÁQUINAS PARA INDÚSTRIA DE RAÇÃO E DERIVADOS; - FABRICAÇÃO DE ESTRUTURAS METÁLICAS. - FABRICAÇÃO DE MÁQUINAS PARA INDÚSTRIA DE RAÇÃO E DERIVADOS; - FABRICAÇÃO DE ESTRUTURAS METÁLICAS. Máquinas Para Agroindústrias METALÚRGICA LTDA ME A empresa Metalúrgica Maggisan foi fundada no ano de

Leia mais

FARMACOGNOSIA. Matéria-Prima Vegetal 2011.1

FARMACOGNOSIA. Matéria-Prima Vegetal 2011.1 FARMACOGNOSIA Matéria-Prima Vegetal 2011.1 O que é farmacognosia? A palavra Farmacognosia vem de dois vocábulos gregos e quer dizer Pharmakon droga e fármaco gnosis conhecimento. Farmacognosia é uma ciência

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa Universidade Federal do Ceará Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica Universidade Federal do Ceará Biomassa Professora: Ruth Pastôra Saraiva

Leia mais

CALDEIRA A BIOMASSA SERIE CIC-B

CALDEIRA A BIOMASSA SERIE CIC-B CALDEIRA A BIOMASSA SERIE CIC-B CIC-BL CIC-BL PLUS CIC-BX ADVANCED Caldeira para queima de biomassa de alta performance. Caldeira flamotubular com fornalha aquatubular. Sistemas combustão de cavacos etc.

Leia mais

O que é filtragem? Técnicas de filtragem para irrigação. Porque utilizar a filtragem? Distribuição das partículas sólidas

O que é filtragem? Técnicas de filtragem para irrigação. Porque utilizar a filtragem? Distribuição das partículas sólidas Técnicas de filtragem para irrigação Prof. Roberto Testezlaf Faculdade de Engenharia Agrícola UNICAMP IV SIMPÓSIO DE CITRICULTURA IRRIGADA Bebedouro, 06 de julho de 2006 O que é filtragem? Processo de

Leia mais

Projeto Container de Carbonização Rima Industrial S/A www.rima.com.br

Projeto Container de Carbonização Rima Industrial S/A www.rima.com.br Projeto Container de Carbonização Rima Industrial S/A www.rima.com.br Ricardo Antônio Vicintin José Urbano Alves Adriana de Oliveira Vilela Flávio Lúcio Eulálio de Souza Belo Horizonte, Outubro 2008 Rima

Leia mais

Armazenamento de energia

Armazenamento de energia Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica 3 º. trimestre, 2015 A energia solar é uma fonte de energia dependente do tempo. As necessidades de energia

Leia mais

IMPUREZAS E QUALIDADE DE CANA-DE-AÇÚCAR STAB CANAOESTE Sertãozinho, 12 de maio de 2011

IMPUREZAS E QUALIDADE DE CANA-DE-AÇÚCAR STAB CANAOESTE Sertãozinho, 12 de maio de 2011 IMPUREZAS E QUALIDADE DE CANA-DE-AÇÚCAR STAB CANAOESTE Sertãozinho, 12 de maio de 2011 Impurezas e qualidade da cana colhida Celio Manechini Assessor de Tecnologia Agronômica Grupo São Martinho Definição:

Leia mais

UMA EMPRESA DEDICADA À SUSTENTABILIDADE

UMA EMPRESA DEDICADA À SUSTENTABILIDADE UMA EMPRESA DEDICADA À SUSTENTABILIDADE Ricardo Blandy Vice - Presidente Nexsteppe Sementes do Brasil Novembro 2015 Nexsteppe Sede mundial em São Franscisco, CA Empresa de comercialização de SEMENTES DE

Leia mais

Estudo de viabilidade de implantação de uma usina de briquetagem

Estudo de viabilidade de implantação de uma usina de briquetagem Estudo de viabilidade de implantação de uma usina de briquetagem A madeira tem sido empregada como combustível substituindo, em muitos casos, o óleo de origem fóssil, não renovável, principalmente no meio

Leia mais

Tecnologias de Moagem Outotec

Tecnologias de Moagem Outotec Tecnologias de Moagem Outotec Com mais de 100 anos de experiência em tecnologia de moagem, a Outotec é um dos maiores fornecedores de moinhos do mundo. A equipe de especialistas em moagem da Outotec fornece

Leia mais

GERAÇÃO POR BIOMASSA. Tatiana Gonsalves Diretora Comercial da América do Sul Nexsteppe Sementes do Brasil tgonsalves@nexsteppe.

GERAÇÃO POR BIOMASSA. Tatiana Gonsalves Diretora Comercial da América do Sul Nexsteppe Sementes do Brasil tgonsalves@nexsteppe. GERAÇÃO POR BIOMASSA Tatiana Gonsalves Diretora Comercial da América do Sul Nexsteppe Sementes do Brasil tgonsalves@nexsteppe.com 19 33245007 Matriz Energética Brasileira 87% é de fontes renováveis, enquanto

Leia mais

Aproveitamento da Biomassa para a Geração de Energia Elétrica

Aproveitamento da Biomassa para a Geração de Energia Elétrica Geração de Energia Elétrica 1º Seminário sobre a Utilização de Energias Renováveis veis para Eletrificação Rural do Norte e Nordeste do Brasil Dr. Osvaldo Stella Martins Centro Nacional de Referência em

Leia mais

Prefeitura Municipal de Tramandaí / RS MEMORIAL DESCRITIVO. MUNICÍPIO: Tramandaí / RS RUAS DE PERFILAGEM SOBRE CALÇAMENTO IRREGULAR

Prefeitura Municipal de Tramandaí / RS MEMORIAL DESCRITIVO. MUNICÍPIO: Tramandaí / RS RUAS DE PERFILAGEM SOBRE CALÇAMENTO IRREGULAR MEMORIAL DESCRITIVO MUNICÍPIO: Tramandaí / RS RUAS DE PERFILAGEM SOBRE CALÇAMENTO IRREGULAR Local: Diversas Ruas Introdução: O presente Memorial Descritivo tem por finalidade expor de maneira detalhada

Leia mais

DENSIFICAÇÃO DE RESÍDUOS DA BIOMASSA

DENSIFICAÇÃO DE RESÍDUOS DA BIOMASSA Workshop - Madeira Energética: Principais questões envolvidas na organização e no aperfeiçoamento do uso energético da lenha - 29/05/2007 DENSIFICAÇÃO DE RESÍDUOS DA BIOMASSA - O que é briquete e pelete

Leia mais

PLANTAS DE MOAGEM A SECO PARA CERÂMICA DRY-TECH

PLANTAS DE MOAGEM A SECO PARA CERÂMICA DRY-TECH PLANTAS DE MOAGEM A SECO PARA CERÂMICA DRY-TECH Nos últimos anos, graças a um trabalho contínuo de pesquisa e desenvolvimento, as linhas de moagem a seco passaram por uma grande evolução, tanto é que hoje,

Leia mais

Sistema de Arrefecimento dos Motores. Sistemas auxiliares dos motores de combustão interna

Sistema de Arrefecimento dos Motores. Sistemas auxiliares dos motores de combustão interna Sistema de Arrefecimento dos Motores Sistemas auxiliares dos motores de combustão interna SISTEMA DE ARREFECIMENTO O sistema de arrefecimento é um conjunto de dispositivos eletromecânicos Tem como função

Leia mais

BIOELETRICIDADE: A ENERGIA ELÉTRICA DA CANA

BIOELETRICIDADE: A ENERGIA ELÉTRICA DA CANA Tecnologia atual Cana-de-Açúcar Tecnologia em desenvolvimento Caldo Bagaço Palha Açúcar Etanol Bioeletricidade Melaço Vinhaça Biogás Conceitos de mercado de bioeletricidade Venda do excedente de energia

Leia mais

Impactos ambientais das queimadas de cana-de-açúcar Expansão da cana-de-açúcar

Impactos ambientais das queimadas de cana-de-açúcar Expansão da cana-de-açúcar Impactos ambientais das queimadas de cana-de-açúcar Expansão da cana-de-açúcar Desde o advento do carro flex, o setor agrícola brasileiro vem sendo marcado por um novo ciclo no plantio da cana-de-açúcar

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS UFBA-ESCOLA POLITÉCNICA-DCTM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS ROTEIRO DE AULAS CONCRETO FRESCO Unidade III Prof. Adailton de O. Gomes CONCRETO FRESCO Conhecer o comportamento

Leia mais

Densificação da Madeira

Densificação da Madeira Densificação da Madeira Carlos Fraza Diretor da Ipaussu Briquetes MADEN 2008-1º Seminário Madeira Energética 02 e 03 de Setembro de 2008 - Rio de Janeiro - RJ Histórico 1983 Montagem da primeira marcenaria

Leia mais

Compostagem. Usina de compostagem. Horticultura orgânica utiliza-se dos produtos da compostagem

Compostagem. Usina de compostagem. Horticultura orgânica utiliza-se dos produtos da compostagem Compostagem A compostagem é o processo biológico de decomposição e de reciclagem da matéria orgânica contida em restos de origem animal ou vegetal formando um composto. A compostagem propicia um destino

Leia mais