A NOVA VERSÃO DO SISTEMA BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE SOLOS (SiBCS) Paulo Klinger Tito Jacomine UFRPE Recife E mail: truenet.com.br.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A NOVA VERSÃO DO SISTEMA BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE SOLOS (SiBCS) Paulo Klinger Tito Jacomine UFRPE Recife E mail: ricardo @ truenet.com.br."

Transcrição

1 1 A NOVA VERSÃO DO SISTEMA BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE SOLOS (SiBCS) Paulo Klinger Tito Jacomine UFRPE Recife E mail: truenet.com.br. Comitê Executivo da Revisão do Sistema Américo Pereira Carvalho Aposentado Humberto Gonçalves dos Santos - Embrapa Solos João Bertoldo de Oliveira IAC/UNICAMP José Francisco Lumbreras Embrapa - Solos Lúcia Helena dos Anjos UFRRJ Maurício Rizzato Coelho Embrapa - Solos Paulo Klinger Tito Jacomine UFRPE Pedro Jorge Fasolo Aposentado Virlei Álvaro de Oliveira IBGE Com a participação de colaboradores dos Comitês Regionais 1 INTRODUÇÃO O Sistema Brasileiro de Classificação de Solos (SiBCS) começou a ser estruturado em 1979, através de Aproximações (documentos de trabalho), num total de 4(quatro), sendo concluído e publicado pela Embrapa em O Sistema foi testado através de viagens de correlação e classificação de solos, excursões técnicas de congressos de solos, e também nos levantamentos pedológicos executados em várias regiões do Brasil. Os estudos e verificações de campo mostraram que o SiBCS deu resultados práticos, porém necessitava ser revisado e aperfeiçoado com base nos dados existentes e em novos trabalhos mais detalhados executados por diversas instituições nacionais públicas e privadas. As discussões começaram em e se intensificaram a partir de 2.001, sobretudo no CBCS realizado em Londrina e através de Reuniões do Comitê Executivo de Classificação de Solos que 1

2 2 analisou as propostas, críticas, sugestões e elaborou um elenco de modificações, cujas principais estão inseridas neste texto. A nova versão do Sistema engloba apenas 13(treze) ordens, em vista da eliminação da classe dos Alissolos. Além das modificações nas ordens, foram feitas alterações nos níveis de subordens, grandes grupos e subgrupos. Foram revistos alguns atributos e horizontes diagnósticos, além do estabelecimento de novos atributos. Algumas definições de classes de solos foram ampliadas, como as dos Nitossolos, Argissolos, Neossolos, Espodossolos, Planossolos. Foram estabelecidas novas seções de controle e revisadas outras com base nos dados existentes e verificações de campo. Os critérios usados na definição de alguns solos intermediários foram revisados e ampliados, além das modificações explicitadas no texto. 2 MODIFICAÇÕES EM NÍVEL DE ORDEM 2.1 Ordem dos Alissolos Esta ordem foi extinta em função do processo de formação (que implica na concentração de alumínio no solo), não ser considerado como principal, tendo em vista que o referido processo ocorre em diversas classes de solos, independente do processo de formação principal. Em face do exposto, a concentração de alumínio no solo foi considerada como processo secundário, e, por isso, não é pertinente no nível de ordem. Além disso, no 1º nível (ordem), as classes são identificados essencialmente por morfologia, o que não acontecia nos Alissolos. Os solos contidos nesta classe foram redistribuídos nas ordens dos Argissolos e Nitossolos 2.2 Ordem dos Argissolos Modificações nas bases, critérios, conceito e definição da classe, objetivando englobar a maior parte dos solos provenientes dos extintos Alissolos. Deste modo, os Argissolos atualmente englobam solos com horizonte B textural, normalmente com argila de atividade baixa e ocorrência de argila de atividade alta, conjugada com saturação por bases baixa ou com caráter alítico. 2.3 Ordem dos Chernossolos Modificações no conceito e definição da classe para admitir solos com espessura mínima de 10 cm, desde que seguido por horizonte B com caráter ebânico e 2

3 3 demais características dos Chernossolos. Estes solos foram constatados no Rio Grande do Sul, durante a VI RCC. Além disso houve eliminação do B nítico da classe. 2.4 Ordem dos Espodossolos Aperfeiçoamento do conceito e definição, em função dos acréscimos feitos na definição dos horizontes Bh, Bs e Bhs. 2.5 Ordem dos Luvissolos Foram feitas modificações nos critérios, conceito e definição, em função da eliminação do B nítico da classe e alterações nas cores, com admissão também de cores pouco vivas no horizonte B. 2.6 Ordem dos Neossolos Nesta classe houve necessidade de admissão de solos com mais de 50 cm de horizonte A sobre camada R ou Cr ou C, dentro de 150 cm da superfície do solo. 2.7 Ordem dos Nitossolos Modificações nos critérios, conceito e definição da classe, visando não só englobar parte dos extintos Alissolos, como também fornecer subsídios mais consistentes para distinguir Nitossolos de Argissolos. Os Nitossolos, na nova versão do SiBCS, englobam solos com horizonte B nítico, argila de atividade normalmente baixa ou com ocorrência do caráter alítico. Além disso foi estabelecido, que a partir do horizonte A, o teor de argila deve ser maior que 350 g/kg e o gradiente textural menor que 1,5. CARACTERÍSTICAS QUE DISTINGUEM NITOSSOLOS DE ARGISSOLOS: -SOLOS QUE APRESENTAM UNIFORMIDADE EM COR AO LONGO DO PERFIL DEVEM SATISFAZER OS REQUISITOS ABAIXO, RELACIONADOS A COR: -1 NOS SOLOS COM MESMO MATIZ NO A E B, EXCETO BC, ADMITEM-SE VARIAÇÕES MENORES OU IGUAIS A 2 DE VALOR E MENOR OU IGUAL A 3 DE CROMA (*); -2 NOS SOLOS COM MATIZ, EM DUAS PÁGINAS, NO A E B, EXCETO BC, ADMITEM-SE VARIAÇÕES MENORES OU IGUAIS A 1 DE VALOR E MENOR OU IGUAL A 2 DE CROMA (*); -3 NOS SOLOS COM MATIZ EM MAIS DE DUAS PÁGINAS NO A E B, EXCETO BC, NÃO SE ADMITE VARIAÇÃO DE VALOR E ADMITE-SE VARIAÇÃO MENOR OU IGUAL A 1 PARA CROMA (*). 3

4 4 (*) ADMITE-SE VARIAÇÃO DE UMA UNIDADE A MAIS QUE A INDICADA, QUANDO OS SOLOS FOREM: INTERMEDIÁRIOS (LATOSSÓLICOS, RÚBRICOS, etc), OU QUANDO OCORRER ENTRE OS HORIZONTES A E B DO MESMO PERFIL NUMA DISTÂNCIA 2.9 Ordem dos Plintossolos Aperfeiçoamento do conceito e definição da classe. 2.8 Ordem dos Planossolos Modificações nos critérios, conceito e definição, em função da constatação de solos sem mudança textural abrupta do A para o B, porém com transição abrupta e marcante linha de separação do horizonte A para o B e grande diferença de estrutura entre os referidos horizontes. Solos deste tipo serão enquadrados como Planossolos. 3 MODIFICAÇÕES À NÍVEL DE SUBORDENS 3.1 Subordens dos Argissolos A eliminação dos Alissolos implicou na criação de uma nova subordem, dos Argissolos Bruno-Acinzentados, que estavam englobados nos Alissolos Hipocrômicos com horizonte B textural. Os Argissolos Bruno-Acinzentados são caracterizados por apresentar a parte superior do horizonte B (inclusive BA) pouco mais escurecidas (bruno escuro ou bruno-acinzentado muito escuro), em relação ao horizontes inferiores (tipicamente policrômicos). O matiz do B (parte superior) é 5 YR ou mais amarelo, com valor 3 a 4 e croma igual ou menor que 4, (exclusive Planossolos), espessura do solum normalmente entre 60 e 100 cm. São solos com argila de atividade alta e caráter alítico. 3.2 Subordens dos Cambissolos Modificações nas subordens, com a criação da classe dos Cambissolos Flúvicos e extinção dos Cambissolos Hísticos. A justificativa para isto decorreu da grande importância dos Cambissolos de várzea (Cambissolos Flúvicos), com regime hídrico distinto das demais subordens, além da grande importância para utilização agrícola. A extinção da classe dos Cambissolos Hísticos resultou da pequena expressão geográfica destes solos para nível de subordem, além da singeleza de subdivisões dos níveis subseqüentes. 4

5 5 3.3 Subordens dos Espodossolos - Nesta classe foi criada a subordem dos Espodossolos Ferríluvico, para os solos com acumulação principal de ferro. Além disso foi mudada da nomenclatura das subordens conforme segue: Espodossolo Ferrocárbico por Espodossolo Ferrihúmilúvico. A mudança na nomenclatura foi necessária para distinguir os solos que tem horizonte A húmico por acumulação superficial de matéria orgânica, daqueles que tem acumulação iluvial de carbono no horizonte B. 3.4 Subordens dos Latossolos Nesta classe foi feita uma nova hierarquização dos Latossolos Brunos. Além disso foi feita uma revisão de cores para distinguir Latossolos Amarelos dos Latossolos Vermelho-Amarelos. 3.5 Subordens dos Luvissolos Substituição da nomenclatura dos Luvissolos Hipocrômicos por Luvissolos Háplicos, em decorrência da inadequação da terminologia Hipocrômico com as cores usadas na definição da referida classe. 3.6 Subordens dos Nitossolos Criação de nova subordem, dos Nitossolos Brunos, desmembrada dos Nitossolos Háplicos, com a devida estruturação da classe. 3.7 Subordens dos Organossolos Extinção da subordem dos Organossolos Mésicos em decorrência da impossibilidade de separação dos solos no campo. Reformulação da definição de Organossolos Fólicos. 3.8 Subordens dos Planossolos Extinção da subordem dos Planossolos Hidromórficos. A justificativa para isto é que os Planossolos são solos que ficam saturados com água durante parte do ano, sendo portanto solos com hidromorfismo temporário. Em decorrência deste aspecto, torna-se extremamente difícil separar, no campo, os solos mais hidromórficos daqueles com menor hidromorfismo. 4 - PRINCIPAIS MODIFICAÇÕES A NÍVEL DE GRANDES GRUPOS Alguns grandes grupos novos foram estabelecidos e outros foram modificados. 5

6 6 4.1 Grande Grupo Alítico Usado para solos que apresentam caráter alítico, ou seja, que apresentam no horizonte B ou C argila de atividade 20 cmol c/kg de argila, sem correção para carbono, e alto conteúdo de alumínio extraível Al 3+ 4 cmol/kg de solo), além de apresentar saturação por alumínio 50% e/ou saturação por bases < 50%. Usado nas classes dos Argissolos, Nitossolos, Cambissolos, Planossolos, Plintossolos e Gleissolos. Os solos provenientes dos Alissolos (extintos) foram distribuídos principalmente dentre os Argissolos e, em menor proporção, dentre os Nitossolos. 4.2 Grande Grupo Alumínico Neste grande grupo, existente anteriormente, foi feito um acréscimo na definição, quanto a atividade da argila, para distingui-lo do caráter alítico, conforme segue: refere-se aos solos que se encontram em estado dessaturado e caracterizado por atividade da argila < 20 cmolc/kg de argila, sem correção para carbono, além de apresentar teor de alumínio extraível 4 cmolc/kg de solo e saturação por alumínio 50% e/ou saturação por bases < 50%, na maior parte dos horizontes B ou C. Usado das classes dos Argissolos, Nitossolos, Cambissolos, Planossolos, Plintossolos, Gleissolos e Latossolos. 4.3 Grandes Grupos Distrocoesos e Eutrocoesos-Estabelecidos para os solos coesos (Distróficos ou Eutróficos), nas subordens dos Argissolos Amarelos e Acinzentados e Latossolos Amarelos, que apresentam o caráter coeso, ou seja, solos que oferecem grande resistência a penetração da faca, muito duros a extremamente duros quando secos e normalmente friáveis quando úmidos. Uma amostra seca quando imersa em água, desmancha-se rapidamente. 4.4 Grande Grupo de solos com a argila de atividade alta e teores de ferro compreendidos entre 18% e 36%. Estabelecido para a subordem dos Cambissolos Háplicos. Ex: Cambissolos Háplicos Ta Eutroférricos. 4.5 Estabelecimento dos grandes grupos da subordem dos Espodossolos Ferrihumilúvicos. 6

7 7 4.6 Estabelecimento dos Grandes Grupos Acriférricos, Aluminoférricos e Distroférricos, para os Latossolos Brunos, que apresentam respectivamente caracteres ácrico, alumínico e saturação por bases baixa (< 50%) conjugados com teores de ferro entre 18% e 36%. 4.7 Grandes Grupos Eutro-úmbricos e Distro-úmbicos para os Neossolos Litólicos, Regossólicos e Quartzoarênicos, que possuem respectivamente saturação por bases alta (V 50%) e baixa (V < 50%), conjugada com horizonte A proeminente. 4.8 Grandes Grupos dos Cambissolos Háplicos. Parte destes grandes grupos foi desmembrada e inserida nos Cambissolos Flúvicos. 4.9 Grandes Grupos dos Nitossolos Brunos. Parte destes grandes grupos foi desmembrada e inserida nos Nitossolos Brunos, cuja definição segue: matiz 4 YR ou mais amarelo no horizonte B, com os seguintes requisitos: - Valor (úmido) igual ou inferior a 4 nos primeiros 30cm do B; - Horizonte A húmico ou teores de carbono superiores a 1% dentro de 70cm da superfície do solo; - Alta capacidade de retração com a perda da umidade, evidenciada pelo fendilhamento acentuado nos cortes de estrada Grandes Grupos dos Organossolos Mésicos - Esta subordem foi extinta e, em decorrência disto, houve necessidade de redistribuir os grandes grupos nas duas classes que restaram. 5 PRINCIPAIS MODIFICAÇÕES À NÍVEL DE SUBGRUPOS 5.1 Estabelecimento de subgrupos para todos os novos grandes grupos criados durante a revisão do Sistema. 5.2 Acréscimo de novos subgrupos nos grandes grupos já existentes. Merecem ser destacados os subgrupos úmbrico (para solos os que apresentam horizonte A proeminente) e lítico 7

8 8 fragmentário para os Neossolos Litólicos que apresentam contacto com rocha fragmentada com espaços entre os fragmentos que deixam passar várias raízes das plantas. 5.3 Redistribuição de subgrupos pertencentes aos grandes grupos das subordens (Planossolos Hidromórficos, Organossolos Mésicos, Cambissolos Hísticos) e da ordem Alissolos (extinta). 5.4 Estabelecimento de subgrupos para todos os grandes grupos das novas subordens. 5.5 Estabelecimento e redistribuição de subgrupos nos grandes grupos das subordens desmembrados de outras, como nos Cambissolos Flúvicos, que estavam compreendidos nos Cambissolos Háplicos. 6 DEFINIÇÃO DE NOVOS ATRIBUTOS E HORIZONTE DIAGNÓSTICO ACRESCIDOS AO SiBCS. Durante a revisão do SiBCS, verificou-se a necessidade de se estabelecer novos atributos e horizonte diagnóstico, conforme segue. 6.1 Horizonte Concrecionário Horizonte constituído de 50% ou mais, por volume, de material grosseiro com predomínio de petroplintita do tipo nódulos ou concreções de ferro ou de ferro e alumínio, numa matriz terrosa de textura variada ou matriz de material mais grosseiro, identificado como horizonte Ac, Ec, Bc ou Cc. O horizonte concrecionário, para ser diagnóstico, deve apresentar no mínimo 30 cm de espessura. Critério derivado de FAO (1974) e Embrapa (1988). 6.2 Caráter Plíntico Usado para distinguir solos que apresentam plintita em quantidade ou espessura insuficientes para caracterizar horizonte plíntico em um ou mais horizontes, em algum ponto da seção de controle que defina a classe. O horizonte com caráter plíntico deve apresentar plintita em quantidade mínima de 5% por volume. 8

9 9 6.3 Caráter Concrecionário Termo usado para definir solos que apresentam petroplintita na forma de nódulos ou concreções ferruginosas em um ou mais horizontes dentro da seção de controle que defina a classe em quantidade e/ou espessura insuficientes para caracterizar horizonte concrecionário. 6.4 Caráter Litoplíntico - Usado para definir solos que apresentam petroplintita na forma contínua e consolidada em um ou mais horizontes em algum ponto da seção de controle que defina a classe, em quantidade e espessura insuficientes para caracterizar horizonte litoplíntico. 6.5 Caráter Argilúvico Usado para distinguir solos que têm concentração de argila no horizonte B, expressa por gradiente textural (B/A) igual ou maior que 1,4 e/ou iluviação de argila evidenciada pela presença de cerosidade moderada ou forte e/ou presença no sequum de horizonte E sobrejacente a horizonte B (não espódico), dentro da seção de controle que defina a classe. 6.6 Caráter Plânico Usado para distinguir solos intermediários com Planossolos, ou seja, com horizonte adensado e permeabilidade lenta ou muito lenta, cores acinzentadas ou escurecidas, neutras ou próximo delas, ou com mosqueados de redução que não satisfazem os requisitos para horizonte plânico, exclusive horizonte com caráter plíntico. 6.7 Caráter Coeso Usado para distinguir solos com horizontes pedogenéticos subsuperficiais adensados, muito resistentes à penetração da faca e muito duros a extremamente duros quando secos, passando a friáveis ou firmes quando úmidos. Uma amostra úmida quando submetida à compreensão, deforma-se lentamente, ao contrário do fragipã, que apresenta quebradicidade (desintegração em fragmentos menores). Estes horizontes são de textura média, argilosa ou muito argilosa e, em condições naturais, são geralmente maciços ou com tendência a formação de blocos. São comumente encontrados entre 30 cm e 70 cm da superfície do solo, podendo 9

10 10 prolongar-se até o Bw ou coincidir com o Bt, no todo ou em parte. Uma amostra de horizonte coeso, quando seco, desmancha-se ao ser imersa em água. Critério derivado de Jacomine (2001) e Ribeiro (2001) 6.8 Caráter Dúrico Utilizado para caracterizar horizontes com cimentação forte tais como duripã e orstein e outros horizontes com cimentação forte que não se enquadrem na definição de horizontes litoplíntico e petrocálcico. Não obstante, horizontes com cimentação forte em solos dos tabuleiros costeiros, que não se enquadram nas definições de duripã ou ortstein, devido à predominância de agentes cimentantes aluminosos, são considerados como caráter dúrico (Araújo Filho, 2003). 6.9 Caráter Êutrico Usado para distinguir solos que apresentam ph (em H 2 O) 5,7, conjugado com valor S (soma de bases) 2,0 cmol c/kg de solo dentro da seção de controle que defina a classe Caráter Vértico Presença de slickensides (superfícies de fricção), fendas, ou estruturas cuneiforme e/ou paralepipédica, em quantidade e expressão insuficientes para caracterizar horizonte vértico Caráter Rúbrico Caráter utilizado para solos das subordens Latossolos Brunos e Nitossolos Brunos, que apresentam em alguma parte da seção de controle, que defina a classe, cor úmida amassada com matizes mais vermelhos que 5 YR, valores em amostra úmida menores que 4 e em amostra seca, apenas uma unidade a mais que estes. 7 MODIFICAÇÕES EM ALGUNS HORIZONTES DIAGNÓSTICOS 7.1 Horizonte A húmico A maneira de calcular os valores de carbono orgânico para diagnosticar o horizonte a húmico, foi modificada conforme os critérios apresentados a seguir. Trata-se de horizonte mineral superficial, com valor e croma (cor do solo úmido) igual ou inferior a 4 e saturação por bases (V%) inferior a 65%, apresentando espessura e conteúdo de carbono orgânico (C-org) dentro de limites específicos, conforme os seguintes critérios: 10

11 11 espessura mínima como a descrita para o horizonte A chernozêmico; teor de carbono orgânico inferior ao limite mínimo para caracterizar o horizonte hístico; teor total de carbono igual ou maior ao valor obtido pela seguinte equação: (C-org, em g/kg, de suborizontes A 1 x espessura do suborizonte, em dm) 60 + (0,1 x média ponderada de argila, em g/kg, do horizonte superficial, incluindo AB ou AC). Assim, deve-se proceder os seguintes cálculos para avaliar se o horizonte pode ser qualificado como húmico. Inicialmente, multiplica-se o teor de carbono orgânico (g/kg) de cada subhorizonte pela espessura do mesmo subhorizonte, em dm (C-org (g/kg) de cada subhorizonte A x espessura do mesmo subhorizonte (dm). O somatório dos produtos dos teores de C-org pela espessura dos subhorizontes, doravante será denominado de C-org total do horizonte A, a qual é obtida multiplicando-se o teor de argila (g/kg) do subhorizonte pela espessura total do horizonte A, em dm (teor de argila dos subhorizontes A em g/kg x espessura dos mesmos subhorizontes em dm/espessura total do horizonte A em dm). O valor de C-org total requerido para um horizonte qualificar-se como húmico deve ser maior ou igual aos resultados obtidos pela seguinte equação: C-org total 60 + ( 0,1 x média ponderada de argila do horizonte A)) Para facilitar a compreensão dos procedimentos matemáticos é apresentado, a seguir, um exemplo prático dos cálculos realizados em um horizonte A, descrito e coletado em campo. Subhori- Prof. C-org Argila Cálculo da média ponderada Cálculo do C-org total zonte (cm) da argila g/kg A , x 3,1 dm/6,8dm = 91,18 20,6x3,1dm = 63,86 A , x 2,2 dm/6,8dm = 74,41 10,6x2,2dm = 23,32 AB -68 8, x 1,5 dm/6,8dm = 55,15 8,4x1,5dm = 12,60 Total = 220,74 Total = 99,78 Substituindo a média ponderada de argila na equação C-org total 60 + (0,1 x média ponderada de argila), tem-se: 11

12 12 C-org 60 + (0,1 x 220,74) = 82,07. O valor de C-org total existente no horizonte A é de 99,78, portanto, maior que 82,07 (considerado como o mínimo requerido para que o horizonte seja enquadrado como A húmico) em função do teor médio ponderado de argila de 220,74 g/kg. Assim, o horizonte usado como exemplo é húmico. Critério conforme Carvalho et al. (2003). NOTA - Para solos que apresentam apenas um horizonte superficial, ou seja, não apresentam suborizontes, o cálculo é efetuado considerando-se o teor de carbono desse horizonte multiplicado pela sua espessura. Procedimento semelhante deve ser seguido para cálculo da média ponderada de argila. 7.2 Horizonte B textural As modificações realizadas no horizonte B textural estão relacionadas com os subitens I, II e IV do ítem i, no que diz respeito à textura conjugada com estrutura e cerosidade, conforme SiBCS (1999). i quando o incremento de argila total do horizonte A para o B for inferior ao especificado no item h, o horizonte B textural deve satisfazer a uma das seguintes condições: I Solos de textura média ou arenosa/média, com ausência de macroagregados, devem apresentar argila iluvial, representada por cerosidade no mínimo moderada sob forma de revestimentos nos grãos individuais de areia, orientada de acordo com a superfície dos mesmos ou formando pontes ligando os grãos; II Solos de textura média com estrutura em blocos ou prismática, fraca, moderada ou forte, devem apresentar cerosidade moderada sobre os agregados, em um ou mais horizontes. III Solos de textura argilosa ou muito argilosa com estrutura prismática ou em blocos, moderada ou forte devem apresentar cerosidade no mínimo comum e moderada em um ou mais subhorizontes. IV Solos com gradiente textural igual ou maior que 1,4, conjugado com presença de fragipã dentro de 200 cm da superfície, desde que não satisfaça os requisitos de B espódico. 12

13 Horizonte B nítico Horizonte mineral subsuperficial, não hidromórfico, de textura argilosa ou muito argilosa, sem incremento de argila do horizonte A para o B ou com pequeno incremento, porém com gradiente textural inferior a 1,5. Apresentam atividade da argila baixa ou 20 cmolc/kg de argila, conjugada com caráter alítico e estrutura em blocos moderada ou forte, com superfícies reluzentes ou pouco reluzentes dos agregados, características estas descritas no campo como cerosidade, no mínimo comum e moderada. Frequentemente ocorre estrutura prismática composta de blocos. Apresentam transição gradual ou difusa entre os subhorizontes do B. Este horizonte pode ser encontrado à superfície se o solo foi erodido. 7.4 Horizonte B espódico A definição de horizonte B espódico foi revista em função de uma melhoria nas definições dos diversos tipos de horizonte B espódicos, ou seja, Bh, Bs e Bhs com ou sem cimenação. Quando cimentados (Bsm, Bhsm ou Bhm), são denominados ortsteins. Outro horizonte que pode ocorrer associado aos B espódicos, tem a denominação de horizonte plácico, que significa um fino pã cimentado. Os vários B espódicos consistem de horizontes minerais subsuperficiais, com espessura mínima de 2,5cm, que apresentam acumulação iluvial de matéria orgânica (Bh), associada a complexos de sílica alumínio ou húmus alumínio, podendo ou não conter ferro, ou acumulação apenas de ferro (Bs), com pouca evidência de matéria orgânica iluvial. Alguns horizontes espódicos podem apresentar forte cimentação. Diversas combinações entre estes horizontes podem ocorrer ao longo do perfil. O horizontes Bh, apresenta expressiva acumulação de complexos matéria orgânica alumínio, com pouca ou nenhuma evidencia de ferro iluvial. As cores destes horizontes são escuras (até pretas) com valores normalmente inferiores a 4 e cromas menores 3. Os horizontes Bs, que possuem compostos de ferro dominantes ou co-dominantes, com pouca evidencia de matéria orgânica, essencialmente são identificados pelas cores vivas de cromas altos, exceto por padrões descontínuos na transição entre os horizontes A ou E para o B espódico. Em geral os horizontes Bs tem matizes 5 YR, 7,5 YR ou 10 YR, valor 4 ou 5 (no máximo 6) e cromas 4 a 8. Bhs Identificado pela iluviação expressiva de ferro e matéria orgânica,sendo os compostos de ferro e matéria orgânica distribuídos em faixas, ou como mosqueados, ou aglomerados, ou formando padrões heterogêneos dos compostos iluviais de ferro, alumínio e matéria orgânica. 13

14 14 Horizontes Bhs contém quantidades significativas de ferro e alumínio extraíveis por oxalato. De um modo geral, os horizontes Bhs tem matizes 2,5 YR a 10 YR, valor/croma de 3/4, 3/6, 4/3 ou 4/4. Critérios derivados de: Estados Unidos, 1998 e Isbell, R.F. (1998) NOTA: O estabelecimento de parâmetros com base nos resultados do ataque sulfúrico, vai depender de estudos de correlação entre o referido método e outros mais adequados para extração de ferro dos Espodossolos. CONCLUSÃO SEGUEM AS CLASSES DE 1999 E A NOVA VERSÃO DE 2005 DO SiBCS EMBRAPA 1999 EMBRAPA 2005 ALISSOLOS A. CROMICOS A HIPOCRÔMICOS ARGISSOLOS A ACINZENTADOS A AMARELOS A VERMELHOS A VERMELHO-AMARELOS CAMBISSOLOS C. HÍSTICOS C. HÚMICOS C. HÁPLICOS CHERNOSSOLOS C. RÊNDIZICOS C. EBÂNICOS C. ARGILÚVICOS C. HÁPLICOS ESPODOSSOLOS E. CÁRBICOS E. FERROCÁRBICOS GLEISSOLOS G. TIOMÓRFICOS G. SÁLICOS G. MELÂNICOS G. HÁPLICOS CLASSE EXTINTA ARGISSOLOS A. BRUNO-ACINZENTADOS A ACINZENTADOS A AMARELOS A VERMELHOS A VERMELHO-AMARELOS CAMBISSOLOS C. HÍSTICOS C. HÚMICOS C. FLÚVICOS C. HÁPLICOS CHERNOSSOLOS C. RÊNDIZICOS C. EBÂNICOS C. ARGILÚVICOS C. HÁPLICOS ESPODOSSOLOS E. HUMILÚVICOS E. FERRIHUMILÚVICOS E. FERRILÚVICOS GLEISSOLOS G. TIOMÓRFICOS G. SÁLICOS G. MELÂNICOS G. HÁPLICOS 14

15 15 LATOSSOLOS L. BRUNOS L. ACINZENTADOS L. AMARELOS L. VERMELHOS L. VERMELHO-AMARELOS LUVISSOLOS L. CRÔMICO L HIPOCRÔMICOS PLANOSSOLOS P. NÁTRICOS P. HIDROMÓRFICOS P. HÁPLICOS LATOSSOLOS L. BRUNOS L. ACINZENTADOS L. AMARELOS L. VERMELHOS L. VERMELHO-AMARELOS LUVISSOLOS L. CRÔMICO L HÁPLICOS PLANOSSOLOS P. NÁTRICOS P. HÁPLICOS PLINTOSSOLOS P. PÉTRICOS P. ARGILÚVICOS P. HÁPLICOS VERTISSOLOS V. HIDROMÓRFICOS V. EBÂNICOS V. CROMADOS 14 ORDENS 44 SUBORDENS PLINTOSSOLOS P. PÉTRICOS P. ARGILÚVICOS P. HÁPLICOS VERTISSOLOS V. HIDROMÓRFICOS V. EBÂNICOS V. CROMADOS 13 ORDENS 44 SUBORDENS REFERÊNCIAS ARAÚJO FILHO, J. C. Horizontes cimentados em Argissolos e Espodossolos dos Tabuleiros Costeiros e em Neossolos Regolíticos e Planossolos da Depressão Sertaneja do Nordeste do Brasil. Universidade de São Paulo. Instituto de Geociências da USP SP, 2003, 233p. (Tese de Doutoramento). CARVALHO, A. P. S. FASOLO, P. J. Nova maneira de calcular o carbono orgânico para determinação do horizonte A húmico. Comunicado ao Comitê Executivo de Classificação de Solos. EMBRAPA-CNPS-Rio de Janeiro, EMBRAPA, Centro Nacional de Pesquisa de Solo (Rio de Janeiro, RJ). Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. Rio de Janeiro, 1999, 412p. 15

16 16 EMBRAPA, Serviço Nacional de Levantamento e Conservação de Solos (Rio de Janeiro, RJ). Sistema Brasileiro de Classificação de Solos: 3ª Aproximação, Rio de Janeiro, 1988, 105p. EMBRAPA, Centro Nacional de Pesquisa de Solos (Rio de Janeiro, RJ). Reuniões do Comitê Executivo de Classificação de Solos. Rio de Janeiro, 2000, 1001 e ESTADOS UNIDOS, Department of Agricultura. Soil Survey Division. Soil Conservation Service. Soil Survey Staff. Soil Taxonomy: a basic system of soil classification for making and interpreting soil surveys. Washington p. (USDA. Agriculture Handbook, 436). ESTADOS UNIDOS. Department of Agriculture. Natural Resources Conservation Service. Soil Survey Staff. Keys to Soil Taxonomy 8. ed. Washington, p. FAO (Roma, Itália). Soil map of the world. 1: Paris: UNESCO, v.1. ISBELL, R.F. The Australian Soil Classification. CSIRO, Australia, p. ISBN. JACOMINE, P.K.J. Evolução do conhecimento sobre solos coesos no Brasil In: Workshop: Coesão em Solos dos Tabuleiros Costeiros. Anais-EMBRAPA/Tabuleiros Costeiros Aracaju-SE. 2001: pág. 19 a 46. RIBEIRO, M. R. Caracterização morfológica dos horizontes coesos dos solos dos tabuleiros costeiros. Anais EMBRAPA/Tabuleiros Costeiros. Aracaju-SE, pág THORP, J; SMITH, G. D. Higher categories for soil classification. Soil Science, Baltimore v. 67, p

A NOVA CLASSIFICAÇÃO BRASILEIRA DE SOLOS

A NOVA CLASSIFICAÇÃO BRASILEIRA DE SOLOS A NOVA CLASSIFICAÇÃO BRASILEIRA DE SOLOS Paulo Klinger Tito Jacomine Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife, Pernambuco. RESUMO A NOVA CLASSIFICAÇÃO BRASILEIRA DE SOLOS A nova Classificação Brasileira

Leia mais

ATRIBUTOS DIAGNÓSTICOS DO SISTEMA BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE SOLOS (EMBRAPA, 2006)

ATRIBUTOS DIAGNÓSTICOS DO SISTEMA BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE SOLOS (EMBRAPA, 2006) Disciplina: SOL03405 Classificação e Potencial de Uso das Terras (Pré-requisito: SOL03304 Fertilidade do Solo) Professor: Cláudio Roberto Marciano Laboratório de Solos-CCTA/UENF ATRIBUTOS DIAGNÓSTICOS

Leia mais

HORIZONTES DIAGNÓSTICOS SUPERFICIAIS

HORIZONTES DIAGNÓSTICOS SUPERFICIAIS HORIZONTES DIAGNÓSTICOS SUPERFICIAIS HORIZONTES DIAGNÓSTICOS SUBSUPERFICIAIS HORIZONTES DIAGNÓSTICOS SUPERFICIAIS HORIZONTE HÍSTICO É um tipo de horizonte constituído predominantemente de material orgânico,

Leia mais

Capítulo 4 CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS ATÉ O 4 O NÍVEL CATEGÓRICO

Capítulo 4 CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS ATÉ O 4 O NÍVEL CATEGÓRICO Capítulo 4 CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS ATÉ O 4 O NÍVEL CATEGÓRICO CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS ATÉ O 4 O NÍVEL CATEGÓRICO A classificação de um solo é obtida a partir dos dados morfológicos, físicos, químicos e

Leia mais

Principais Solos do Brasil. Prof a Adélia Aziz A. Pozza CSO 110 PEDOLOGIA

Principais Solos do Brasil. Prof a Adélia Aziz A. Pozza CSO 110 PEDOLOGIA Principais Solos do Brasil Prof a Adélia Aziz A. Pozza CSO 110 PEDOLOGIA Componentes do Solo A Líquido Sólido inorgânico B Gás C Sólido orgânico Cor do Solo Matéria Orgânica Argila e quartzo Goethita (óxido

Leia mais

Reclassificação dos perfis descritos no Levantamento Exploratório- Reconhecimento de Solos do Estado da Paraíba (1).

Reclassificação dos perfis descritos no Levantamento Exploratório- Reconhecimento de Solos do Estado da Paraíba (1). REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 Volume 6- Número 1-1º Semestre 2006 RESUMO Reclassificação dos perfis descritos no Levantamento Exploratório- Reconhecimento de Solos do Estado da

Leia mais

Mecanica dos solos I. Pedogênese. Princípios físicos da pedogênese. Princípios físicos da pedogênese. Adição. Adição. Transformação.

Mecanica dos solos I. Pedogênese. Princípios físicos da pedogênese. Princípios físicos da pedogênese. Adição. Adição. Transformação. Universidade Federal do Reconcavo da Bahia Centro de Ciencias Exatas e Tecnologicas Mecanica dos solos I Pedogênese 1. Intemperismo 1. Físico 2. Químico 3. Zonalidade 2. Mineralogia do solo 1. Classificação

Leia mais

NATUREZA E TIPOS DE SOLOS ACH1085. Solos do Brasil

NATUREZA E TIPOS DE SOLOS ACH1085. Solos do Brasil NATUREZA E TIPOS DE SOLOS ACH1085 Solos do Brasil 1 conteúdo 1. Introdução 2. Tipos de solos do Brasil 2 2.Tipos de solos do Brasil: área absoluta e relativa 3 Mapa com os tipos de solo do Brasil 38,73%

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE SOLOS FERRUGINOSOS ALTOMONTANOS DA SERRA DO GANDARELA

CARACTERIZAÇÃO DE SOLOS FERRUGINOSOS ALTOMONTANOS DA SERRA DO GANDARELA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA JOÃO SANTIAGO REIS CARACTERIZAÇÃO DE SOLOS FERRUGINOSOS ALTOMONTANOS DA SERRA DO GANDARELA VIÇOSA MINAS GERAIS - BRASIL

Leia mais

Sistema Brasileiro de Classificação de Solos (SiBCS)

Sistema Brasileiro de Classificação de Solos (SiBCS) ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA Luiz de Queiroz LSO 410 - Gênese, Morfologia e Classificação de Solos Sistema Brasileiro de Classificação de Solos (SiBCS) Prof. Dr. Rafael Otto Prof. Dr. Jairo Antonio Mazza

Leia mais

Horizontes Diagnósticos

Horizontes Diagnósticos Horizontes Diagnósticos Horizonte Pedogenético X Horizonte Diagnóstico Horizonte pedogenético Cada uma das seções do solo resultantes dos processos pedogenéticos e que guardam relações entre si. Estas

Leia mais

UMA ANÁLISE DAS CLASSIFICAÇÕES DE SOLO UTILIZADAS NO ENSINO FUNDAMENTAL. Marcelo Ricardo de Lima

UMA ANÁLISE DAS CLASSIFICAÇÕES DE SOLO UTILIZADAS NO ENSINO FUNDAMENTAL. Marcelo Ricardo de Lima Uma análise das classificações de solo utilizadas no ensino fundamental Projeto Solo na Escola - UFPR 1 UMA ANÁLISE DAS CLASSIFICAÇÕES DE SOLO UTILIZADAS NO ENSINO FUNDAMENTAL Marcelo Ricardo de Lima Professor

Leia mais

CURSO: PPGA DISCIPLINA: MAPEAMENTO E CLASSIFICAÇÃO DO SOLO

CURSO: PPGA DISCIPLINA: MAPEAMENTO E CLASSIFICAÇÃO DO SOLO CURSO: PPGA DISCIPLINA: MAPEAMENTO E CLASSIFICAÇÃO DO SOLO Adaptado de Solos do Brasil (Benjamim Pereira Vilela e Selma Simões de Castro) PROF. RENATA SANTOS MOMOLI Eng. Agrônoma Dra. em Solos e Nutrição

Leia mais

Perfil representativo de ARGISSOLO VERMELHO Distrófico típico. Descrição geral

Perfil representativo de ARGISSOLO VERMELHO Distrófico típico. Descrição geral Perfis representativos das unidades taxonômicas de solos, com sua classificação taxonômica (Sistema Brasileiro de Classificação de Solos), descrições morfológicas internas e externas e dados das análises

Leia mais

Atributos Diagnósticos

Atributos Diagnósticos Atributos Diagnósticos MATERIAL ORGÂNICO Constituído por compostos orgânicos apresentando proporção variável de material mineral. Deve apresentar conteúdo de carbono orgânico maior ou igual a 80 g kg -1

Leia mais

Sistema Brasileiro de Classificação de Solos

Sistema Brasileiro de Classificação de Solos Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Solos Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Sistema Brasileiro de Classificação de Solos 3ª edição revista e ampliada Embrapa Brasília,

Leia mais

Considerações Metodológicas Embrapa Solos

Considerações Metodológicas Embrapa Solos Página 1 de 5 Considerações Metodológicas Embrapa Solos 1) Geração do Mapa de CE do Solo para o Brasil: Proposta de Atualização do Sistema Brasileiro de Classificação de Solos (SBCS 2012). As propostas

Leia mais

BIOENGENHARIA DE SOLOS ENGENHARIA NATURAL AULA 2 PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DO SOLO

BIOENGENHARIA DE SOLOS ENGENHARIA NATURAL AULA 2 PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DO SOLO BIOENGENHARIA DE SOLOS ENGENHARIA NATURAL AULA 2 PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DO SOLO IGOR PINHEIRO DA ROCHA ENGENHEIRO FLORESTAL, M.Sc. AS FASES DO SOLO Fase sólida (Matriz do solo) Material mineral

Leia mais

Estrutura Hierárquica do Sistema Brasileiro de Classificação de Solos (SiBCS)

Estrutura Hierárquica do Sistema Brasileiro de Classificação de Solos (SiBCS) Estrutura Hierárquica do Sistema Brasileiro de Classificação de Solos (SiBCS) Workshop: Técnicas Inteligentes na Classificação de Solos para Aplicações na Agricultura UNICAMP/CNPTIA 18/04/2012 Critérios

Leia mais

Perfil do solo e horizontes diagnósticos

Perfil do solo e horizontes diagnósticos Universidade de São Paulo Escola Superior de gricultura Luiz de Queiroz Gênese, Morfologia e Classificação de Solos Perfil do solo e horizontes diagnósticos Prof. Rafael Otto Piracicaba, SP 14 de setembro

Leia mais

aula Classificação e tipos de solos do Brasil e do estado do Rio Grande do Norte Geografia Física II Autores Fernando Moreira da Silva

aula Classificação e tipos de solos do Brasil e do estado do Rio Grande do Norte Geografia Física II Autores Fernando Moreira da Silva DISCIPLINA Geografia Física II Classificação e tipos de solos do Brasil e do estado do Rio Grande do Norte Autores Fernando Moreira da Silva Marcelo dos Santos Chaves Zuleide Maria C. Lima aula 12 Geo_Fis_II_A12_RF_M_SF_SI_SE_170709.indd

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DOS PRINCIPAIS. Solos do Acre. Professor Adjunto do DCA-UFAC

CARACTERÍSTICAS DOS PRINCIPAIS. Solos do Acre. Professor Adjunto do DCA-UFAC INSTRUTOR: Dr. José Ribamar Torres da Silva Professor Adjunto do DCA-UFAC Classificação Taxonômica LATOSSOLOS ------------------------------------------------------------- Local de Ocorrência A1 AB BA

Leia mais

Os solos corr espondem ao manto de alter ação das rochas por processos de intemper ismo.

Os solos corr espondem ao manto de alter ação das rochas por processos de intemper ismo. Os solos corr espondem ao manto de alter ação das rochas por processos de intemper ismo. Quanto a or igem os solos podem ser: ELUVIAIS Originado da alter ação da r ocha matriz situada abaixo dele. ALUVIAIS

Leia mais

O SISTEMA BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE SOLOS (SIBCS) Sheila R. Santos 1

O SISTEMA BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE SOLOS (SIBCS) Sheila R. Santos 1 O SISTEMA BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE SOLOS (SIBCS) Sheila R. Santos 1 Os solos devem ser estudados e classificados de acordo com os seus perfis Para que classificar os solos? Sheila R. Santos 2 Manihot

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Embrapa Arroz e Feijão. Documentos 258

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Embrapa Arroz e Feijão. Documentos 258 ISSN 1678-9644 Dezembro, 2010 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Documentos 258 Descrição Morfológica de Perfis de Solos

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DE SOLOS E SEU EMPREGO AGRÍCOLA E NÃO AGRÍCOLA. João Bertoldo de Oliveira 1

CLASSIFICAÇÃO DE SOLOS E SEU EMPREGO AGRÍCOLA E NÃO AGRÍCOLA. João Bertoldo de Oliveira 1 CLASSIFICAÇÃO DE SOLOS E SEU EMPREGO AGRÍCOLA E NÃO AGRÍCOLA. 1. Apreciações gerais João Bertoldo de Oliveira 1 A história da humanidade mostra que o homem sempre conviveu intimamente com o solo, inicialmente

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E MAPEAMENTO FÍSICO-HÍDRICOS DE SOLOS DO ASSENTAMENTO AGRÍCOLA SEBASTIÃO LAN II, SILVA JARDIM RJ. Isaias Fagundes Leal

CLASSIFICAÇÃO E MAPEAMENTO FÍSICO-HÍDRICOS DE SOLOS DO ASSENTAMENTO AGRÍCOLA SEBASTIÃO LAN II, SILVA JARDIM RJ. Isaias Fagundes Leal CLASSIFICAÇÃO E MAPEAMENTO FÍSICO-HÍDRICOS DE SOLOS DO ASSENTAMENTO AGRÍCOLA SEBASTIÃO LAN II, SILVA JARDIM RJ Isaias Fagundes Leal Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-graduação em Engenharia

Leia mais

Sistema Brasileiro de Classificação de Solos

Sistema Brasileiro de Classificação de Solos Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Solos Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Sistema Brasileiro de Classificação de Solos 2 a edição Brasília, DF 2006 Exemplares desta

Leia mais

Hélio do Prado Atalho Pedológico

Hélio do Prado Atalho Pedológico Hélio do Prado Atalho Pedológico Para classificar solos no campo Edição do autor Piracicaba 2013 Autor Hélio do Prado Capa e projeto gráfico João Paulo de Carvalho 2013, Hélio do Prado - Todos os direitos

Leia mais

%

% PERFIL 2 1. Descrição geral Situação e declive: Corte de estrada na meia encosta de uma elevação com 5% de declividade. Material de origem: Rochas sedimentares, arenito. Pedregosidade e rochosidade: Não

Leia mais

VERTISSOLOS. Ordem. Conhecidos como os solos de Deus. Deus nos defenda! Deus nos gilgai! Sheila R. Santos 3

VERTISSOLOS. Ordem. Conhecidos como os solos de Deus. Deus nos defenda! Deus nos gilgai! Sheila R. Santos 3 VERTISSOLOS Ordem Conhecidos como os solos de Deus. Deus nos defenda! Deus nos gilgai! Sheila R. Santos 3 VERTISSOLOS Deus nos defenda! Deus nos gilgai! Sheila R. Santos 4 VERTISSOLOS do latim vertere

Leia mais

SOLO NA FAIXA DE INFLUÊNCIA DO RIO MADEIRA, PORTO VELHO-RO A HUMAITÁ-AM

SOLO NA FAIXA DE INFLUÊNCIA DO RIO MADEIRA, PORTO VELHO-RO A HUMAITÁ-AM ANÁLISE DA FERTILIDADE NATURAL (K + ; Ca +2 ; Mg +2 ; Al +3 ) DO SOLO NA FAIXA DE INFLUÊNCIA DO RIO MADEIRA, PORTO VELHO-RO A HUMAITÁ-AM Tatiane Rodrigues Lima 1 Dorisvalder Dias Nunes 2 Ângelo Mansur

Leia mais

FUNDAMENTAÇÃO TÉCNICO-CIENTÍFICA E A LEGISLAÇÃO AMBIENTAL

FUNDAMENTAÇÃO TÉCNICO-CIENTÍFICA E A LEGISLAÇÃO AMBIENTAL FUNDAMENTAÇÃO TÉCNICO-CIENTÍFICA E A LEGISLAÇÃO AMBIENTAL GUSTAVO RIBAS CURCIO PESQUISADOR EMBRAPA FLORESTAS COORDENADOR DO PROJETO BIOMAS (41) 3675-3511 PATROCINADORES PONTOS FOCAIS - A legislação ambiental

Leia mais

INTRODUÇÃO. Argissolos 16,7%

INTRODUÇÃO. Argissolos 16,7% INTRODUÇÃO A região Nordeste do Brasil, em razão da diversidade de climas, formações vegetais, tipos de rochas e conformações do relevo, apresenta uma grande diversidade de ambientes e, consequentemente,

Leia mais

Composição e Morfologia de Solos Prof. Fernando Ximenes T. Salomão. UFMT- Cuiabá 2010

Composição e Morfologia de Solos Prof. Fernando Ximenes T. Salomão. UFMT- Cuiabá 2010 Composição e Morfologia de Solos Prof. Fernando Ximenes T. Salomão UFMT- Cuiabá 2010 1 Solo: Composição do solo Minerais Matéria Orgânica ar Água 2 Distribuição volumétrica dos constituintes de dois solos

Leia mais

NATUREZA E TIPOS DE SOLOS ACH1085

NATUREZA E TIPOS DE SOLOS ACH1085 NATUREZA E TIPOS DE SOLOS ACH1085 SISTEMA BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE SOLOS 1 Introdução O que significa classificar solos? Distribuir os solos em classes e/ou grupos segundo um sistema ou método de

Leia mais

PRINCIPAIS SOLOS DA DEPRESSÃO CENTRAL E CAMPANHA DO RIO GRANDE DO SUL

PRINCIPAIS SOLOS DA DEPRESSÃO CENTRAL E CAMPANHA DO RIO GRANDE DO SUL Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Rurais Departamento de Solos PRINCIPAIS SOLOS DA DEPRESSÃO CENTRAL E CAMPANHA DO RIO GRANDE DO SUL GUIA DE EXCURSÃO Dalvan José Reinert José Miguel

Leia mais

Ocorrência, gênese e classificação

Ocorrência, gênese e classificação Universidade Federal Rural de Pernambuco Programa de Pós-Graduação em Ciência do Solo Seminário em Ciência do Solo Ocorrência, gênese e classificação de solos halomórficos no Brasil Orientador: Prof. Mateus

Leia mais

A DEFICIÊNCIA HÍDRICA NO BRASIL Reflexo da falta de planejamento

A DEFICIÊNCIA HÍDRICA NO BRASIL Reflexo da falta de planejamento ISSN 1983-6015 PESAGRO-RIO - Nº 55 - agosto/2015 - Niterói - RJ A DEFICIÊNCIA HÍDRICA NO BRASIL Reflexo da falta de planejamento 1 1 1 Luiz de Morais Rego Filho ; Alcilio Vieira ; Julio Cesar da Silva

Leia mais

LEVANTAMENTO DE RECONHECIMENTO DE BAIXA INTENSIDADE DOS SOLOS DA RESERVA EXTRATIVISTA DO ALTO JURUÁ, MARECHAL THAUMATURGO, ACRE

LEVANTAMENTO DE RECONHECIMENTO DE BAIXA INTENSIDADE DOS SOLOS DA RESERVA EXTRATIVISTA DO ALTO JURUÁ, MARECHAL THAUMATURGO, ACRE Documentos ISSN 0104-9046 Número, 53 Janeiro, 2000 LEVANTAMENTO DE RECONHECIMENTO DE BAIXA INTENSIDADE DOS SOLOS DA RESERVA EXTRATIVISTA DO ALTO JURUÁ, MARECHAL THAUMATURGO, ACRE REPÚBLICA FEDERATIVA DO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE DISCIPLINA DE SOLOS I/PEDOLOGIA. Dr. José Ribamar Silva

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE DISCIPLINA DE SOLOS I/PEDOLOGIA. Dr. José Ribamar Silva UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE DISCIPLINA DE SOLOS I/PEDOLOGIA UNIDADE IV - PROCESSOS PEDOGENÉTICOS Dr. José Ribamar Silva 1. Conceito - Reações e/ou mecanismos (químico, físico e biológico) que produzem

Leia mais

Paraná Campus Francisco Beltrão (PR), email: fercecchet@hotmail.com. Campus Francisco Beltrão (PR), email: marciareg_calegari@hotmail.

Paraná Campus Francisco Beltrão (PR), email: fercecchet@hotmail.com. Campus Francisco Beltrão (PR), email: marciareg_calegari@hotmail. ANÁLISES ISOTÓPICAS E CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA DE UM NITOSSOLO VERMELHO DISTROFÉRRICO TÍPICO COM HORIZONTE A HÚMICO NO MUNICÍPIO DE CAMPO ERÊ (SC). Fernanda Aparecida Cecchet 1 Marcia Regina Calegari

Leia mais

COMPARAÇÃO DE MÉTODOS PARA DETERMINAR A NECESSIDADE DE CALAGEM EM SOLOS DO MUNICÍPIO DE IPAMERI-GO

COMPARAÇÃO DE MÉTODOS PARA DETERMINAR A NECESSIDADE DE CALAGEM EM SOLOS DO MUNICÍPIO DE IPAMERI-GO 1 COMPARAÇÃO DE MÉTODOS PARA DETERMINAR A NECESSIDADE DE CALAGEM EM SOLOS DO MUNICÍPIO DE IPAMERI-GO Diogo da Costa Silva 1,3, Fernando dos Santos Silva 1,3, Marcus Vinícius Vieitas Ramos 2,3 1 Voluntário

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA Luiz de Queiroz LSO Gênese, Morfologia e Classificação de Solos SOLOS SOLOS POUCO DESENVOLVIDOS RASOS

ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA Luiz de Queiroz LSO Gênese, Morfologia e Classificação de Solos SOLOS SOLOS POUCO DESENVOLVIDOS RASOS ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA Luiz de Queiroz LSO 410 - Gênese, Morfologia e Classificação de Solos SOLOS SOLOS POUCO DESENVOLVIDOS RASOS Prof. Jairo A. Mazza Piracicaba, SP Fonte: Buol et al., 1997.

Leia mais

UNIDADE 4 USO DE INFORMAÇÕES SOBRE SOLOS

UNIDADE 4 USO DE INFORMAÇÕES SOBRE SOLOS Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Rurais Departamento de Solos SOL 1001 Solos e Produção Animal UNIDADE 4 USO DE INFORMAÇÕES SOBRE SOLOS Alessandro Samuel-Rosa Santa Maria, junho de

Leia mais

HORIZONTES DIAGNÓSTICOS SUBSUPERFICIAIS

HORIZONTES DIAGNÓSTICOS SUBSUPERFICIAIS HORIZONTES DIAGNÓSTICOS SUBSUPERFICIAIS Mayame de Brito SANTANA 1 Vinicius Santos Gomes da SILVA 2 Elaine Rocha GALVÃO 3 1 Engenheira Agrônoma, doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em Ciência do Solo

Leia mais

Solos: tipos, suas funções no ambiente, como se formam e sua relação com o crescimento das plantas

Solos: tipos, suas funções no ambiente, como se formam e sua relação com o crescimento das plantas 3 Solos: tipos, suas funções no ambiente, como se formam e sua relação com o crescimento das plantas Maurício Rizzato Coelho, Elaine Cristina Fidalgo, Humberto Gonçalves dos Santos, Maria de Lourdes Mendonça

Leia mais

Universidade Federal do Acre. Unidade V Perfil de Solo - Parte I

Universidade Federal do Acre. Unidade V Perfil de Solo - Parte I Universidade Federal do Acre Unidade V Perfil de Solo - Parte I Prof. Dr. José de Ribamar Silva 1. Conceito: Seção vertical de um solo englobando a sucessão de horizontes ou camadas, incluindo:. Manto

Leia mais

FLG 1254 Pedologia. Horizontes diagnósticos e Classificação Brasileira de Solos

FLG 1254 Pedologia. Horizontes diagnósticos e Classificação Brasileira de Solos FLG 1254 Pedologia Horizontes diagnósticos e Classificação Brasileira de Solos HORIZONTES PEDOGENÉTICOS E DIAGNÓSTICOS Horizonte pedogenético: corresponde a cada uma das seções do solo resultante dos processos

Leia mais

MAPEAMENTO DE CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS PARA O MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL, RS, BRASIL CLASSIFICATION MAPPING SOIL FOR THE CITY OF SÃO GABRIEL, RS, BRAZIL

MAPEAMENTO DE CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS PARA O MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL, RS, BRASIL CLASSIFICATION MAPPING SOIL FOR THE CITY OF SÃO GABRIEL, RS, BRAZIL Eixo Temático: Inovação e Sustentabilidade MAPEAMENTO DE CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS PARA O MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL, RS, BRASIL CLASSIFICATION MAPPING SOIL FOR THE CITY OF SÃO GABRIEL, RS, BRAZIL Tharso José

Leia mais

Horizonte Prof. Cor Estrutura Transição. (cm) Grau Tamanho Forma

Horizonte Prof. Cor Estrutura Transição. (cm) Grau Tamanho Forma Horizonte Prof. Cor Estrutura Transição (cm) Grau Tamanho Forma Podzólico Vermelho-Amarelo - terço superior da encosta (PVA1) Ap 0-15 10 YR 3/3 Fraca Pequena Granular Ondulada e clara AB 15-29 10 YR ¾

Leia mais

AVALIAÇÃO DO USO DA TERRA NO PROJETO DE ASSENTAMENTO CHE GUEVARA, MIMOSO DO SUL, ESPÍRITO SANTO

AVALIAÇÃO DO USO DA TERRA NO PROJETO DE ASSENTAMENTO CHE GUEVARA, MIMOSO DO SUL, ESPÍRITO SANTO AVALIAÇÃO DO USO DA TERRA NO PROJETO DE ASSENTAMENTO CHE GUEVARA, MIMOSO DO SUL, ESPÍRITO SANTO Natália Aragão de Figueredo 1, Paulo Henrique Dias Barbosa 2, Thiago Dannemann Vargas 3, João Luiz Lani 4

Leia mais

Mapa Pedológico Digital - SIG Atualizado do Distrito Federal Escala 1:100.000 e uma Síntese do Texto Explicativo

Mapa Pedológico Digital - SIG Atualizado do Distrito Federal Escala 1:100.000 e uma Síntese do Texto Explicativo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento ISSN 1517-5111 Junho, 2004 120 Mapa Pedológico Digital - SIG Atualizado do Distrito Federal Escala 1:100.000 e uma Síntese do Texto Explicativo ISSN

Leia mais

INFLUÊNCIA DA ADUBAÇÃO ORGÂNICA NOS ATRIBUTOS FÍSICOS DE UM NEOSSOLO QUARTZARÊNICO CULTIVADO COM EUCALIPTO.

INFLUÊNCIA DA ADUBAÇÃO ORGÂNICA NOS ATRIBUTOS FÍSICOS DE UM NEOSSOLO QUARTZARÊNICO CULTIVADO COM EUCALIPTO. INFLUÊNCIA DA ADUBAÇÃO ORGÂNICA NOS ATRIBUTOS FÍSICOS DE UM NEOSSOLO QUARTZARÊNICO CULTIVADO COM EUCALIPTO. Bruno Marchió 1, Talles Eduardo Borges dos Santos 2, Jânio Goulart dos Santos 3 ; Andrisley Joaquim

Leia mais

Exemplares desta Publicação podem ser adquiridos na:

Exemplares desta Publicação podem ser adquiridos na: Exemplares desta Publicação podem ser adquiridos na: Embrapa Informação Tecnológica Parque Estação Biológica, PqEB, Av.W3 Norte (final) Caixa Postal 040315 CEP70770-901 Brasília, DF Tel: 0 xx 61 448-4162

Leia mais

PRINCIPAIS SOLOS DO LITORAL DO PARANÁ

PRINCIPAIS SOLOS DO LITORAL DO PARANÁ PRINCIPAIS SOLOS DO LITORAL DO PARANÁ Prof. Dr. Marcelo R. de Lima (UFPR-Curitiba) mrlima@ufpr.br Prof. M.Sc. Jaime B. dos Santos Junior (UFPA-Altamira) jaime@ufpa.br Os solos são formados pela interação

Leia mais

Guia de Campo da IX Reunião Brasileira de Classificação e Correlação de Solos

Guia de Campo da IX Reunião Brasileira de Classificação e Correlação de Solos Guia de Campo da IX Reunião Brasileira de Classificação e Correlação de Solos Solos Sedimentares em Sistemas Amazônicos Potencialidades e Demandas de Pesquisa. Acre 2010-12 a 17 de Setembro de 2010 Empresa

Leia mais

CIRCULAR TÉCNICA N o 159 JUNHO 1988 PREPARO DE SOLOS EM ÁREAS ACIDENTADAS

CIRCULAR TÉCNICA N o 159 JUNHO 1988 PREPARO DE SOLOS EM ÁREAS ACIDENTADAS IPEF: FILOSOFIA DE TRABALHO DE UMA ELITE DE EMPRESAS FLORESTAIS BRASILEIRAS ISSN 0100-3453 CIRCULAR TÉCNICA N o 159 JUNHO 1988 INTRODUÇÃO PREPARO DE SOLOS EM ÁREAS ACIDENTADAS Deuseles João Firme * João

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento SOLO

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento SOLO Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento SOLO Substrato da Vida José Francisco Bezerra Mendonça 2ª edição

Leia mais

Solos e sua importância ambiental

Solos e sua importância ambiental Solos e sua importância ambiental Atributos físicos e químicos do solo -Aula 1- Prof. Alexandre Paiva da Silva INTRODUÇÃO SOLO são produtos da ação combinada dos FATORES DE FORMAÇÃO DE SOLO (FFS) Equação

Leia mais

Aula 3: Prof. Dr. Marx Leandro Naves Silva

Aula 3: Prof. Dr. Marx Leandro Naves Silva PCS 502 CONSERVAÇÃO DO SOLO E DA ÁGUA Aula 3: FATORES DETERMINANTES DA EROSÃO. ERODIBILIDADE DO SOLO. MÉTODOS PARA A ESTIMATIVA DE ERODIBILIDADE. TIPOS DE PRECIPITAÇÃO. EROSIVIDADE DA CHUVA. MÉTODO PARA

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE SOLOS DESENVOLVIDOS DE ARENITOS DA FORMAÇÃO AQUIDAUANA-MS (1)

CARACTERIZAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE SOLOS DESENVOLVIDOS DE ARENITOS DA FORMAÇÃO AQUIDAUANA-MS (1) CARACTERIZAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE SOLOS DESENVOLVIDOS DE ARENITOS... 881 CARACTERIZAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE SOLOS DESENVOLVIDOS DE ARENITOS DA FORMAÇÃO AQUIDAUANA-MS (1) Jolimar Antonio Schiavo (2), Marcos

Leia mais

Curso de Engenharia Ambiental - FAJ Manejo de Solos - Aula Prática Descrição de trincheiras

Curso de Engenharia Ambiental - FAJ Manejo de Solos - Aula Prática Descrição de trincheiras Curso de Engenharia Ambiental - FAJ Manejo de Solos - Aula Prática Descrição de trincheiras 1. Objetivo: Reconhecer, em campo, as feições morfológicas e físicas do solo, como suporte ao entendimento de

Leia mais

ATRIBUTOS DIAGNÓSTICOS

ATRIBUTOS DIAGNÓSTICOS ATRIBUTOS DIAGNÓSTICOS ATIVIDADE DA FRAÇÃO ARGILA Refere-se à capacidade de troca de cátions 1 correspondente à fração argila, calculada pela expressão: T x 1000/g.kg -1 de argila. Atividade alta (Ta)

Leia mais

Alexson de Mello Cunha John Kennedy Ferreira Cardoso Leandro Roberto Feitoza

Alexson de Mello Cunha John Kennedy Ferreira Cardoso Leandro Roberto Feitoza UNIDADE CENTRAL DE GESTÃO DO GEOBASES Alexson de Mello Cunha John Kennedy Ferreira Cardoso Leandro Roberto Feitoza INFORMAÇÕES AOS USUÁRIOS DO GEOBASES SOBRE A CAMADA SOLOS Nota Técnica de caráter provisório,

Leia mais

Solos tropicais: formação, distribuição e associações Potencialidades e limitações das principais classes de solos tropicais

Solos tropicais: formação, distribuição e associações Potencialidades e limitações das principais classes de solos tropicais Solos tropicais: formação, distribuição e associações Potencialidades e limitações das principais classes de solos tropicais Marcos Koiti Kondo Perfis hipotéticos ilustrando diferentes horizontes e camadas:

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS PRINCIPAIS CLASSES DE SOLOS

DESCRIÇÃO DAS PRINCIPAIS CLASSES DE SOLOS MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E DO ABASTECIMENTO - MAPA EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA - EMBRAPA CENTRO NACIONAL DE PESQUISA DE SOLOS - CNPS UNIDADE DE EXECUÇÃO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO FÍSICA E QUÍMICA DE UM PLANOSSOLO LOCALIZADO NO SEMIÁRIDO BAIANO. Guanambi BA Brasil. E-mail: jeffersonluan.santos@hotmail.

CARACTERIZAÇÃO FÍSICA E QUÍMICA DE UM PLANOSSOLO LOCALIZADO NO SEMIÁRIDO BAIANO. Guanambi BA Brasil. E-mail: jeffersonluan.santos@hotmail. CARACTERIZAÇÃO FÍSICA E QUÍMICA DE UM PLANOSSOLO LOCALIZADO NO SEMIÁRIDO BAIANO Jefferson Luan Dias dos Santos 1, Leandro Gonçalves dos Santos 2, Vandearley Neves de Souza 3, Bismark Lopes Bahia 4, Thiago

Leia mais

Revisão de geologia e Pedogênese

Revisão de geologia e Pedogênese Revisão de geologia e Pedogênese Ricardo Gonçalves de Castro 1 Minerais Mineral é um sólido homogêneo, com composição química definida, podendo variar dentro de intervalos restritos, formados por processos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS AMBIENTAIS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL CURSO DE GEOGRAFIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS AMBIENTAIS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL CURSO DE GEOGRAFIA 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS AMBIENTAIS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL CURSO DE GEOGRAFIA JOILDES BRASIL DOS SANTOS CLASSIFICAÇÃO E MAPEAMENTO DE SOLOS NA DEPRESSÃO DO SÃO FRANCISCO-BA:

Leia mais

EFEITO DA ADUBAÇÃO FOSFATADA SOBRE O RENDIMENTO DE FORRAGEM E COMPOSIÇÃO QUÍMICA DE PASPALUM ATRATUM BRA-009610

EFEITO DA ADUBAÇÃO FOSFATADA SOBRE O RENDIMENTO DE FORRAGEM E COMPOSIÇÃO QUÍMICA DE PASPALUM ATRATUM BRA-009610 REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA - ISSN 1677-0293 P UBLICAÇÃO C IENTÍFICA DA F ACULDADE DE A GRONOMIA E E NGENHARIA F LORESTAL DE G ARÇA/FAEF A NO IV, NÚMERO 08, DEZEMBRO DE 2005. PERIODICIDADE:

Leia mais

NBR 8196 (Ago 1992) 2.7.2. Conceito Escala é a relação entre as medidas do desenho de um objeto e seu tamanho real:

NBR 8196 (Ago 1992) 2.7.2. Conceito Escala é a relação entre as medidas do desenho de um objeto e seu tamanho real: 2.7. ESCALAS NBR 8196 (Ago 1992) 2.7.1. OBJETIVO Fixa as condições exigíveis para o emprego de escalas e suas designações em desenho técnico e documentos semelhantes. 2.7.2. Conceito Escala é a relação

Leia mais

Sistema de Informação Geoambiental de Cuiabá, Várzea Grande e Entorno SIG CUIABÁ

Sistema de Informação Geoambiental de Cuiabá, Várzea Grande e Entorno SIG CUIABÁ Sistema de Informação Geoambiental de Cuiabá, Várzea Grande e Entorno SIG CUIABÁ Volume 1 Textos Foto Capa - Gilberto Scislewski - Vista do contato por discordância angular e erosiva entre os metassedimentos

Leia mais

REPRESENTATIVIDADE E POTENCIAL DE UTILIZAÇÃO DE UM BANCO DE DADOS DE SOLOS... 2591 NOTA

REPRESENTATIVIDADE E POTENCIAL DE UTILIZAÇÃO DE UM BANCO DE DADOS DE SOLOS... 2591 NOTA REPRESENTATIVIDADE E POTENCIAL DE UTILIZAÇÃO DE UM BANCO DE DADOS DE SOLOS... 2591 NOTA REPRESENTATIVIDADE E POTENCIAL DE UTILIZAÇÃO DE UM BANCO DE DADOS DE SOLOS DO BRASIL (1) Marcelo Muniz Benedetti

Leia mais

CURSO: PÓS GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA DISCIPLINA: CLASSIF. MAPEAMENTO DE SOLOS

CURSO: PÓS GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA DISCIPLINA: CLASSIF. MAPEAMENTO DE SOLOS CURSO: PÓS GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA DISCIPLINA: CLASSIF. MAPEAMENTO DE SOLOS PROF. RENATA SANTOS MOMOLI Eng. Agrônoma Dra. em Solos e Nutrição de Plantas PRINCÍPIOS BÁSICOS 1. Classificação Técnica: diferenciações

Leia mais

Tratamento de Superfície de Pisos de Concreto. Públio Penna Firme Rodrigues

Tratamento de Superfície de Pisos de Concreto. Públio Penna Firme Rodrigues Tratamento de Superfície de Pisos de Concreto Públio Penna Firme Rodrigues Públio Penna Firme Rodrigues Graduado em Engenharia Civil pela Escola de Engenharia Mauá, Mestre em Engenharia pela EPUSP (Escola

Leia mais

Análise de Risco de Taludes na Estrada de Ferro Vitória-Minas

Análise de Risco de Taludes na Estrada de Ferro Vitória-Minas Análise de Risco de Taludes na Estrada de Ferro Vitória-Minas Stefânia Moreira Alves Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, Brasil, stefaniamoreiraalves@yahoo.com.br Romero César Gomes Universidade

Leia mais

J. Miguel Reichert, PhD

J. Miguel Reichert, PhD Morfologia do solo J. Miguel Reichert, PhD (Prof. Ricardo Dalmolin) MORFOLOGI DO SOLO 2.1 Conceitos 2.2 - Horizontes pedogênicos 2.3 - Simbologia usada na identificação dos horizontes 2.4 - Características

Leia mais

Obras de Contenção. Necessidades e Soluções

Obras de Contenção. Necessidades e Soluções Obras de Contenção Necessidades e Soluções 00 "Este catálogo faz parte de uma série de publicações, cuja finalidade é apresentar as soluções MACCAFERRI. Uma outra série oferece aos usuários informações

Leia mais

ESTUDO DE EROSÃO DOS SOLOS NA ÁREA DO MÉDIO ALTO CURSO DO RIO GRANDE, REGIÃO SERRANA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

ESTUDO DE EROSÃO DOS SOLOS NA ÁREA DO MÉDIO ALTO CURSO DO RIO GRANDE, REGIÃO SERRANA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ESTUDO DE EROSÃO DOS SOLOS NA ÁREA DO MÉDIO ALTO CURSO DO Calderano Filho, B. 1 ; Carvalho Júnior, W. 2 ; Calderano, S.B. 3 ; Guerra, A.J.T. 4 ; Polivanov, H. 5 ; 1 EMBRAPA_CNPS Email:bccalder@gmail.com;

Leia mais

FLG Pedologia AULA 12. Distribuição dos processos de alteração na superfície da Terra e os solos do mundo

FLG Pedologia AULA 12. Distribuição dos processos de alteração na superfície da Terra e os solos do mundo FLG 1254 - Pedologia AULA 12 Distribuição dos processos de alteração na superfície da Terra e os solos do mundo Varia em função dos parâmetros climáticos atuais, distinguindo dois domínios: 1) Regiões

Leia mais

CENSO ESCOLAR EDUCACENSO O ITEM COR/RAÇA NO CENSO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA

CENSO ESCOLAR EDUCACENSO O ITEM COR/RAÇA NO CENSO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS COORDENAÇÃO GERAL DO CENSO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA CENSO ESCOLAR

Leia mais

BR-290/BR-116/RS Ponte sobre o Rio Guaíba Pista Dupla com 3 Faixas Porto Alegre, Eldorado do Sul

BR-290/BR-116/RS Ponte sobre o Rio Guaíba Pista Dupla com 3 Faixas Porto Alegre, Eldorado do Sul CARACTERIZAÇÃO DE SOLOS MOLES DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE E SUAS MELHORIAS COM ADIÇÃO DE CAL V WORKSHOP DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO NAS CONCESSÕES Apresentação Lélio A. T. Brito, MSc., CONCEPA

Leia mais

Fatores de formação do solo

Fatores de formação do solo Fatores de formação do solo Fatores de formação do solo Clima Organismos Relevo Solo Tempo Material de Origem Fatores de formação do solo: clima Temperatura, precipitação e deficiência e excedente hídrico

Leia mais

Boletim de Pesquisa 67 e Desenvolvimento

Boletim de Pesquisa 67 e Desenvolvimento Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Boletim de Pesquisa 67 e Desenvolvimento ISSN 1678-0876 Dezembro, 2005 Solos das Áreas-Piloto do Projeto BiosBrasil (Conservation and Sustainable Management

Leia mais

Estudo Comparativo do Coeficiente de Absorção dos Solos do Terciário de Maceió-Al, com os Valores Sugeridos por Norma

Estudo Comparativo do Coeficiente de Absorção dos Solos do Terciário de Maceió-Al, com os Valores Sugeridos por Norma COBRAMSEG 00: ENGENHARIA GEOTÉCNICA PARA O DESENVOLVIMENTO, INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE. 00 ABMS. Estudo Comparativo do Coeficiente de Absorção dos Solos do Terciário de Maceió-Al, com os Valores Sugeridos

Leia mais

8/29/2011. J. Miguel Reichert, PhD. Conceito de solos. Histórico. (Prof. Ricardo Dalmolin)

8/29/2011. J. Miguel Reichert, PhD. Conceito de solos. Histórico. (Prof. Ricardo Dalmolin) Fatores de formação do solo J. Miguel Reichert, PhD (Prof. Ricardo Dalmolin) 2. Solos florestais e desenvolvimento de vegetação O solo como corpo natural Fatores e processos de formação do solo Propriedades

Leia mais

Rochas e minerais. Professora Aline Dias

Rochas e minerais. Professora Aline Dias Rochas e minerais Professora Aline Dias Os minerais São substâncias químicas, geralmente sólida, encontradas naturalmente na Terra. São compostos pela união de vários tipos de elementos químicos (silício,

Leia mais

Aula do curso a distância tópicos da cultura da cana-de-açúcar Hélio do Prado

Aula do curso a distância tópicos da cultura da cana-de-açúcar Hélio do Prado SOLOS E AMBIENTES DE PRODUÇÃO DE CANA-DE-AÇÚCAR NA REGIÃO CENTRO-SUL DO BRASIL 1. INTRODUÇÃO Hélio do Prado Alceu Linares Pádua Jr Centro de Cana do IAC - 2010 O solo é a massa natural, de constituição

Leia mais

TEXTURA DO SOLO. Conceito. Representa a distribuição quantitativa das partículas sólidas do solo, quanto ao tamanho (areia, silte e argila).

TEXTURA DO SOLO. Conceito. Representa a distribuição quantitativa das partículas sólidas do solo, quanto ao tamanho (areia, silte e argila). Conceito Representa a distribuição quantitativa das partículas sólidas do solo, quanto ao tamanho (areia, silte e argila). Sistemas de classificação Quadro 1. Frações granulométricas encontradas nos sistemas

Leia mais

Professora Dra. da Universidade Estadual de Maringá (UEM), campus regional de Umuarama; e-mail: vanilde@yahoo.com

Professora Dra. da Universidade Estadual de Maringá (UEM), campus regional de Umuarama; e-mail: vanilde@yahoo.com ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 IMPORTÂNCIA DA CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS NO SISTEMA BRASILEIRO E QUANTO A CAPACIDADE DE USO

Leia mais

ANALISE DE PERDA DE SOLO EM DIFERENTES RELEVOS NO SEMIÁRIDO CEARENSE

ANALISE DE PERDA DE SOLO EM DIFERENTES RELEVOS NO SEMIÁRIDO CEARENSE ANALISE DE PERDA DE SOLO EM DIFERENTES RELEVOS NO SEMIÁRIDO CEARENSE Sebastião Cavalcante de Sousa (1); Rafaela Alves de Melo (1); Francisco Ramon da Cunha Alcantara (2) (Universidade Federal do Cariri,

Leia mais

Quanto à sua origem, podemos considerar três tipos básicos de rochas:

Quanto à sua origem, podemos considerar três tipos básicos de rochas: O que são rochas? Usamos rochas para tantos fins em nosso dia-a-dia sem nos preocupar com sua origem que esses materiais parecem ter sempre existido na natureza para atender as necessidades da humanidade.

Leia mais

SOLOS E DISPONIBILIDADE QUALIDADE DA ÁGUA

SOLOS E DISPONIBILIDADE QUALIDADE DA ÁGUA SITUAÇÃO HÍDRICA NO BRASIL DIMENSÕES CLIMA E SOLO SOLOS E DISPONIBILIDADE QUALIDADE DA ÁGUA Paulo César do Nascimento Departamento de Solos Agronomia Univ. Federal Rio Grande do Sul Junho - 2015 1 O QUE

Leia mais

ACLIMATIZAÇÃO DE CULTIVARES DE ABACAXIZEIRO SOB MALHAS DE SOMBREAMENTO COLORIDAS

ACLIMATIZAÇÃO DE CULTIVARES DE ABACAXIZEIRO SOB MALHAS DE SOMBREAMENTO COLORIDAS ACLIMATIZAÇÃO DE CULTIVARES DE ABACAXIZEIRO SOB MALHAS DE SOMBREAMENTO COLORIDAS RAFAEL SOUZA MELO 1 ; JEFFERSON BITTENCOURT VENÂNCIO 2 ; WELLINGTON FARIAS ARAÚJO 3 ; EDVAN ALVES CHAGAS 4 ; NILMA BRITO

Leia mais

Indução de Recalques das Fundações de um Edifício Através de Rebaixamento do Lençol Freático.

Indução de Recalques das Fundações de um Edifício Através de Rebaixamento do Lençol Freático. Indução de Recalques das Fundações de um Edifício Através de Rebaixamento do Lençol Freático. Aline D. Pinheiro e Paulo César A. Maia Laboratório de Engenharia Civil, Universidade Estadual do Norte Fluminense,

Leia mais

AVALIAÇÃO DA INFILTRAÇÃO DE ÁGUA NO SOLO ATRAVÉS DE FUNÇÕES NÃO LINEARES EM PARAGOMINAS-PA

AVALIAÇÃO DA INFILTRAÇÃO DE ÁGUA NO SOLO ATRAVÉS DE FUNÇÕES NÃO LINEARES EM PARAGOMINAS-PA AVALIAÇÃO DA INFILTRAÇÃO DE ÁGUA NO SOLO ATRAVÉS DE FUNÇÕES NÃO LINEARES EM PARAGOMINAS-PA Carlos José Capela Bispo 1 Renata Silva de Loureiro 2 Edson José Paulino da Rocha 3 RESUMO O experimento foi realizado

Leia mais

Referências Bibliográficas

Referências Bibliográficas Considerações Finais Todos os tratamentos testados apresentaram teores foliares de N inferiores ao recomendado para a cultura da soja. As aplicações isoladas de BIOMOL (0,3 L/ha), KALIBRE (1,5 L/ha) e

Leia mais

Organização em Enfermagem

Organização em Enfermagem Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Enfermagem Departamento de Enfermagem Básica Disciplina Administração em Enfermagem I Organização em Enfermagem Prof. Thiago C. Nascimento Objetivos: Discorrer

Leia mais

Comunicação Científica ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE OS SIGNIFICADOS DO SÍMBOLO = NA PERSPECTIVA DOS ALUNOS DO 7º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

Comunicação Científica ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE OS SIGNIFICADOS DO SÍMBOLO = NA PERSPECTIVA DOS ALUNOS DO 7º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Comunicação Científica ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE OS SIGNIFICADOS DO SÍMBOLO = NA PERSPECTIVA DOS ALUNOS DO 7º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Emerson dos Santos Pinheiro de Matos- UFRB n0sreme@hotmail.com

Leia mais