Perfil representativo de ARGISSOLO VERMELHO Distrófico típico. Descrição geral

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Perfil representativo de ARGISSOLO VERMELHO Distrófico típico. Descrição geral"

Transcrição

1 Perfis representativos das unidades taxonômicas de solos, com sua classificação taxonômica (Sistema Brasileiro de Classificação de Solos), descrições morfológicas internas e externas e dados das análises de laboratório Perfil representativo de ARGISSOLO VERMELHO Distrófico típico A1 AB Bt1 Bt2 BC Classificação: ARGISSOLO VERMELHO Distrófico típico Localização: Porto Alegre Lami, na subida da estrada do Espigão. Situação e declive: Encosta, terço médio com 6 % de declividade Litologia e formação geológica: Período Pré-Cambriano, Grupo Cambaí Material originário: Granito Cantagalo Relevo local: ondulado Relevo regional: Forte ondulado Erosão: Laminar Drenagem: Bem drenado Vegetação: Mata secundária arbustiva, vassoura branca e mirtáceas Uso atual: Capoeira 0-25/30 cm; vermelho-escuro-acinzentado(2,5 YR 3/2, úmido), bruno (10YR 5/3, seco); franca cascalhenta; fraca a moderada média blocos subangulares; poros pequenos médios comuns; ligeiramente duro, friável ligeiramente plástico, ligeiramente pegajoso; transição clara e ondulada. 25/30-32/48cm; vermelho-escuro-acinzentado a vermelho acinzentado(2,5yr 3,5/2, úmido), bruno-avermelhado(5yr 4/4, seco); franco-argilosa cascalhenta; fraca a média blocos subangulares; poros pequenos médios comuns; ligeiramente duro, friável, ligeiramente plástico e ligeiramente pegajoso; transição gradual e ondulada;. 32/48-65cm; bruno-avermelhado-escuro a bruno-avermelhado (2,5YR3, 5/4 úmido); vermelhoamarelado (5YR5/6, seco); franco-argilosa cascalhenta; moderado médio grandes blocos subangulares; cerosidade fraca pouca; poros pequenos médios comuns; duro, friável, ligeiramente pegajoso; transição gradual e ondulada /100cm; bruno-avermelhado-escuro a vermelho-escuro(2,5yr3/5, úmido), vermelhoamarelado (5YR 5/6, seco); argila cascalhenta; moderada média e grande blocos subangulares e angulares; cerosidade moderada pouca; poros pequenos médios comuns, duro, friável, ligeiramente plástica ligeiramente pegajosa; transição gradual e ondulada. 95/ cm; variegado vermelho-escuro (2,5YR3/6, úmido) vermelho muito escuro avermelhado,(2,5yr 4/4, úmido), vermelho-amarelado (5YR 5/6, seco) bruno-claroacinzentado,(10yr 6/3, seco); franco-argilosa cascalhenta; moderado a médio blocos subangulares e angulares; cerosidade fraca pouca; poros pequenos médios comuns; duro, friável a firme; ligeiramente pegajoso.

2 Total-% terra (dispersão com NaOH) % muito 0,10 0,002 A / ,00 AB 25/30-32/ ,53 Bt 1 32/ ,28 Bt / ,67 BC 95/ ,34 Cmol (c) /kg A 1 4,8 5,7 0,64 1,49 0,29 0,03 2,45 1,1 3,47 7, ,47 AB 4,6 4,8 0,13 0,51 0,30 0,05 0,99 3,5 4,51 9, ,22 Bt 1 4,7 5,3 0,15 0,38 0,29 0,05 0,87 3,8 4,59 9, ,86 Bt 2 4,9 5,4 0,18 1,15 0,24 0,04 1,61 3,0 2,35 6, ,36 BC 4,9 5,3 0,22 1,82 0,23 0,05 2,32 2,2 3,27 7, ,17 Perfil representativo de ARGISSOLO VERMELHO-AMARELO Distrófico típico A 1 Classificação: ARGISSOLOS VERMELHO-AMARELO Distrófico típico Localização: Porto Alegre Lami, em barranco da estrada da Extrema. Situação e declive: terço superior de encosta de morro Litologia e formação geológica: Grupo Cambaí do período Pré-Cambriano Material originário: Granito Cantagalo Relevo local: Suave ondulado Relevo regional: Ondulado Erosão: Laminar, ligeira a moderada Drenagem: Bem drenado Vegetação: Floresta subtropical subcaducifólia Uso atual: Potreiro 0-32cm - Bruno-escuro a bruno (7,5YR 4/2, úmido), cinzento-rosado (7,5YR 6/2, seco); franca; fraca, médios e grandes blocos angulares; poros comuns pequenos; ligeiramente duro; muito friável; ligeiramente plástico, ligeiramente pegajoso; transição plana e brupta.

3 A 32-80/95cm - Bruno-avermelhado-escuro (5YR 3/2, úmido), cinzento-avermelhado (5YR 5/2, seco); franca; fraca, média e grandes blocos angulares; poros comuns e pequenos; ligeiramente duro; muito friável; ligeiramente plástico, ligeiramente pegajoso; transição clara e ondulada. BA 80/95-110/120 - Bruno-avermelhado-escuro (5YR 3/3, úmido), bruno-avermelhado (5YR5/4, seco); franco argilosa com cascalho; moderado, médio e grandes blocos angulares; cerosidade fraca e comum; poros comuns e pequenos; ligeiramente duro, muito friável, ligeiramente pegajoso; transição clara e ondulada. B t 110/ cm - Bruno-avermelhado-escuro (5YR 3/4, úmido), bruno-avermelhado (5YR 4/4, seco); argila cascalhenta; moderada médios e grandes blocos angulares; cerosidade fraca e comum; poros comuns pequenos; muito duro, muito friável; ligeiramente plástico, ligeiramente pegajoso; transição gradual ondulada. BC cm + - Vermelho-amarelado (5YR 7/6, úmido), amarelo-avermelhado (5YR 7/6, seco); argiloa cascalhenta; fraca moderada blocos subangulares; poros comuns e pequenos; muito duro, muito friável; ligeiramente plástico, ligeiramente pegajoso. terra (dispersão com NaOH) % muito 0,10 0,002 A ,50 A 32-80/ ,70 BA 80/95 110/ ,14 Bt 110/ ,67 BC ,67 A 1 4,3 5,8 0,22 0,19 0,15 0,03 0,59 1,50 2,25 4, ,63 A 4,4 5,6 0,31 0,37 0,17 0,04 0,89 1,60 4,.51 7, ,39 BA 4,3 5,6 0,29 0,52 0,23 0,04 1,08 1,20 3,95 7, ,45 Bt 4,3 5,0 0,54 1,35 0,31 0,07 2,27 3,40 2,28 7, ,39 BC 4,6 5,4 0,39 1,71 0,20 0,06 2,36 2,50 1,46 6, ,36 Perfil representativo de CAMBISSOLO HÁPLICO Ta Distrófico típico Classificação: CAMBISSOLO HÁPLICO Ta Distrófico típico Localização: Porto Alegre, Lami, em Barranco da estrada do Espigão, próximo aos templos. Situação e declive: Topo de morro Litologia e formação geológica: Grupo Cambaí - Pré-Cambriano Material originário: Granito Relevo local: Ondulado

4 Relevo regional: Forte ondulado Erosão: Não visível Drenagem: Imperfeitamente drenado Vegetação: Floresta subtropical subcaducifólia Uso atual: Mata arbustiva e reflorestamento A 1 B i C 0-18/26cm; cinzento muito escuro a cinzento escuro (10YR 3,5/5, úmido); franca cascalhenta; fraca medias/grandes, blocos subangulares angulares e granular; poros pequenos e comuns; ligeiramente duro, friável, ligeiramente plástico, ligeiramente pegajoso; transição clara e irregular. 18/26-30/50cm; bruno-escuro a bruno (10YR 4/3, úmido), bruno (10YR5/3, seco), com mosqueados comuns, médios e distintos bruno-avermelhado a vermelho-amarelado (5YR 5/5 úmido), com mosqueados comuns pequenos distintos bruno-forte (7,5YR 5/6 seco); franco argilosa cascalhenta; fraca, média/grande blocos subangulares e angulares; poros comuns pequenos; ligeiramente duro, friável, ligeiramente plástico, ligeiramente pegajoso; transição clara e irregular. 30/50-100cm + ; coloração variegada, composta de vermelho (10R 4/8, úmido), bruno a brunoamarelado (10YR 5/5, úmido), amarelo-brunado (10YR 6/6, úmido); coloração variegada composta de vermelho (2,5YR 5/8, seco) cinzento-claro (10YR 7/1, seco) branco (2,5Y 8/0, seco); franco siltosa, muito cascalhenta; maciça in situ desfaz em blocos subangulares; duro, firme, ligeiramente plástico e ligeiramente pegajoso; poros pequenos e comuns. terra (dispersão com NaOH) % muito 0,10 0,002 A 0-18/ ,24 Bi 18/26-30/ ,42 C 30/ ,12 A 4,9 5,7 0,83 2,07 0,37 0,12 3,39 1,30 5,77 10, ,73 Bi 4,9 5,4 0,67 2,20 0,37 0,14 3,38 2,70 4,44 10, ,12 C 5,1 5,9 0,57 2,42 0,34 0,12 3,45 1,60 3,87 8, ,34

5 Perfil representativo de NEOSSOLOS LITÓLICOS A R Classificação: NEOSSOLO LITÓLICO Distrófico típico Localização: Situação e declive: Perfil situado em meia encosta com 35% de declive. Litologia e formação geológica: Granito do Complexo Canguçu (Pré-Cambriano superior). Material originário: granito. Relevo local: Forte ondulado. Relevo regional: Forte ondulado. Pedregosidade: Muito pedregoso. Rochosidade: Rochoso. Erosão: Forte em sulcos. Drenagem: Fortemente drenado. Vegetação: Campo subtropical e mata nativa em capões. Uso atual: Sem utilização cm; bruno avermelhado escuro (5YR 3/2, úmido); franco argilo arenoso muito cascalhento; fraca pequena a média granular; firme, ligeiramente plástica e ligeiramente pegajosa; transição clara e ondulada. 18cm+ ; amarelo avermelhado (5YR 7/8, úmido). : terra (dispersão com NaOH) % muito 0,5 0,002 A ,18 A 5,2 3,7 0,74 0,73 0,42 0,16 2,05 1,50 4,03 7, ,41

6 Perfil representativo de NEOSSOLO REGOLÍTICO Distrófico típico Classificação: NEOSSOLO REGOLÍTICO Distrófico típico Localização: Porto Alegre, Lami, em barranco da estrada do Espigão. Situação e declive: Topo de morro Litologia e formação geológica: Grupo Cambaí - Pré-Cambriano Material originário: Granito Cantagalo Relevo local: Forte ondulado Relevo regional: Montanhoso Erosão: Não visível devido a cobertura vegetal Drenagem: bem drenado Vegetação: Floresta subtropical subcaducifólia Uso atual: Bosque secundário A cm - bruno-escuro a bruno (10YR 4/3, úmido), bruno (10YR 5/3, seco); franco-argiloarenosa muito cascalhenta; fraca média grande blocos subangulares; poros médios comuns; ligeiramente duro, muito friável, não plástico, não pegajoso; transição clara e plana. A /50cm; bruno-escuro ( 10YR 3/3, úmido), bruno (10YR 5/3, seco); franco-argilo arenosa muito cascalhenta; fraca média blocos subangulares; poros médios, comuns; ligeiramente duro, muito friável, não plástico, não pegajoso; transição clara e irregular. A/C 40/50-80cm + - coloração variegada, bruno-escuro (7,5YR 3/2, úmido), bruno-forte (7,5YR 5/8, úmido), vermelho-escuro (2,5YR 3/6, úmido), vermelho (10R 4/6, seco) vermelho-amarelado (5YR 5/6, seco), branco-rosado (5YR 8/2, seco; franco-argilo arenosa cascalhenta; fraca moderada média grande, blocos subangulares; poros pequenos e comuns; duro; friável a firme; ligeiramente plástico, ligeiramente pegajoso. terra (dispersão com NaOH) % muito 0,10 0,002 A ,45 A ,52 A/C ,95 A 1 4,3 6,2 0,83 0,60 0,28 0,05 1,76 0,4 2,39 4, ,83 A 2 5,2 6,4 0,71 0,65 0,13 0,04 1,53 0,5 2,41 4, ,44 A/C 5,1 6,0 1,71 2,83 0,14 0,10 4,78 1,2 2,85 8, ,39

7 Perfil representativo de NEOSSOLOS QUARTZARÊNICOS Órtico típico A C 1 C 2 Classificação: NEOSSOLO QUARTZARÊNICO Órtico típico Localização: Porto Alegre, no Balneário do Lami. Situação e declive: Margens da lagoa Relevo local: Plano Relevo regional: Plano a suave ondulado Erosão: Não aparente Drenagem: Bem drenado Material de origem: s de dunas lagunares Uso atual: Pastagens 0-15 cm; bruno-escuro a bruno (7,5YR 4/2, úmido ), bruno (7,5 YR 5/2, seco); ; grãos simples; solta, solta, não plástica e não pegajosa; transição clara e plana cm; bruno( 10 YR 5/3, úmido), bruno-claro-acinzentado (10 YR 6/3, seco); ; grãos simples; solta, solta, não plástica e não pegajosa; transição clara e plana ; bruno-amarelado (10 YR, 5/5), ; grãos simples; solta, solta, não plástica e não pegajosa; transição clara e plana. terra (dispersão com NaOH) % muito 0,10 0,002 A C PH (1:1) A 6,1 7,3 0,38 0,17 0,03 0,01 0,60 0,0 1,47 2, ,83 C 1 6,2 7,3 0,25 0,14 0,06 0,01 0,46 0,0 0,96 1, ,39

8 Perfil representativo de NEOSSOLO FLÚVICO Distrófico típico A1 A2 Ab C1 C2 Classificação: NEOSSOLO FLÚVICO Tb Distrófico típico Localização: Porto Alegre, na Estrada Antônio Silveira cerca de 1200m da Vila Restinga, na Estrada Chácara do Barco, à esquerda, a 1600m em estrada vicinal e a 20m desta. Situação e declive: trincheira situada na encosta inferior do Morro São Pedro, com 5% de declive Litologia e formação geológica: Granito Material originário: Granito Relevo local: suave ondulado Relevo regional: suave ondulado Erosão: laminar ligeira Drenagem: bem drenado Vegetação: Floresta subtropical subcaducifólia Uso atual: campo nativo e capoeira 0-15cm - bruno-escuro (10YR 4/3, úmido); franco arenoso; franca pequena e média blocos subangulares que se desfazem em grãos simples; muitos poros grandes e médios; ligeiramente duro; friável, não plástico, não pegajoso; transição gradual e plana /33cm; bruno-avermelhado-escuro (10YR 3/4 úmido), bruno (10YR 5/3, seco); francoarenosa; fraca pequena e média blocos subangulares e angulares que se desfazem em grãos simples; muitos poros grandes e médios; ligeiramente duro, friável, ligeiramente plástico, ligeiramente pegajoso; transição clara e ondulada. 27/33-97/103 cinzento muito escuro (10YR 3/1, úmido); franco-argilo arenosa; fraca grande e média blocos subangulares e angulares que se desfazem em grãos simples; muitos poros médios e pequenos; ligeiramente duro, friável, ligeiramente plástico, ligeiramente pegajoso; transição ondulada e clara. 97/ /113cm bruno muito escuro (10YR 2/2, úmido); franco-argilo arenosa; fraca pequena e média blocos subangulares que se desfazem em grãos simples; muitos poros médios e pequenos; ligeiramente duro, friável, ligeiramente plástico, ligeiramente pegajoso; transição ondulada e clara. 107/ cm granito em intemperização. terra (dispersão com NaOH) % muito 0,10 0,002 A ,7 A / ,7 Ab 27/33-97/ ,5 C1 97/ ,7 C2 107/ ,4

9 meq/100g P dispo- Matéria H 2 O KCl Ca 2+ Mg 2 K + Na Valor S H + +Al 3+ Valor T (saturação 100 Al 3+ nível orgânica (soma) (soma) de bases) % S + Al 3+ ppm % A1 5,5 5,1 2,0 0,6 0,2 0,05 2,8 0,9 3,7 43 3,4 8,6 2,5 A2 5,0 4,4 1,2 0,5 0,1 0,05 1,8 2,2 4, ,2 2,4 0,2 Ab 5,0 4,2 1,7 0,5 0,1 0,05 2,3 3,0 5, ,8 3,6 1,4 C1 5,3 4,5 1,3 0,4 0,1 0,05 1,8 0,9 2, ,0 3,0 0,2 C2 5,6 4,6 2,1 0,5 0,2 0,1 2,9 0,5 3,4 85 3,3 3,0 0,2 Perfil representativo de PLINTOSSOLO ARGILÚVICO Classificação: PLINTOSSOLO ARGILÚVICO Localização: Porto Alegre, Estrada do Espigão a 1km em direção do Lago Guaíba para a estrada do Lami.. Situação, declive e cobertura vegetal: trincheira aberta em antiga lavoura de arroz, declividade de 0% a 2%. Litologia e formação geológica: Graxaim Material originário: Depósitos sedimentares argilo-arenosos. Período: Cenozóico. Relevo local: plano. Relevo regional: plano Erosão: Nula. Drenagem: imperfeitamente drenado. Vegetação primária: Campo sujo Uso atual: Pastagem natural Ap Ex Bf C Descrição morfológica 0-35cm, bruno a bruno escuro (10YR 4/3, úmido); franco arenoso; fraca grande e média blocos subangulares; macio, friável, ligeiramente plástico e ligeiramente pegajoso; transição clara e plana , bruno acinzentado a bruno acinzentado escuro (10YR 4,5/2, úmido), franca com cascalho; grãos simples; solto, friável, não plástico e não pegajoso; transição clara e plana , cinzento escuro (10YR 4/1, úmido); mosqueado médio, comum, distinto bruno forte (7,5YR 5/8, úmido), mosqueado médio comum cinzento difuso bruno claro (10YR 6/2, úmido), mosqueado médio comum vermelho proeminente (2,5YR 4/8, úmido) e mosqueado bruno acinzentado difuso (10YR 5/2, úmido); muito argiloso com cascalho; forte grande blocos subangulares; cerosidade forte; extremamente duro, extremamente firme, muito plástico e pegajoso; transição clara e plana , cinzento a cinzento claro (5Y 6/1, úmido); mosqueado médio e comum difuso cinzento (5Y 5/1, úmido) e mosqueado comum grande bruno oliváceo claro (2,5YR 5/6, úmido); franca com cascalho.

10 terra (dispersão com NaOH) % muito silte Argila % Silte 0,002 Ap Ex Bf C meq/100g P dispo- Matéria H 2 O KCl Ca 2+ Mg 2 K + Na Valor S H + +Al 3+ Valor T (saturação 100 Al 3+ nível orgânica (soma) (soma) de bases) % S + Al 3+ ppm % Ap 4, ,2 2,2 Ex 5, ,2 1,0 Bf 5, ,2 2,3 C 5, ,2 3,5 Perfil representativo de PLANOSSOLO HIDROMÓRFICO Distrófico típico Classificação: PLANOSSOLO HIDROMÓRFICO Eutrófico espessarênico Localização: Porto Alegre, Lami, próximo à Fazenda do Lami Situação e declive: 0-2 % Relevo local: Suave ondulado Relevo regional: Plano/suave ondulado Erosão: Não aparente Drenagem: Imperfeita Material de origem: Sedimentos argilo-arenosos Vegetação: Higrófila Uso atual: Pastagem com gramíneas Ap A cm.; bruno-muito- escuro (10 YR 2/2, úmido), cinzento-escuro (10 YR 4/1, seco); ; fraca, pequena blocos subangulares; solta, não plástica, não pegajosa; transição gradual e plana cm.; preto (10 YR 2/1,úmido); bruno-acinzentado muito escuro (10 YR 3/2, seco); ; fraca pequenos médios blocos subangulares; solto, solto, não plástico e não pegajoso; transição gradual e plana.

11 AE 53-80cm.; bruno-acinzentado muito escuro (10 YR 3/2, úmido ), bruno-acinzentado escuro ( 10 YR 4/2, seco ); franca; grãos simples; solta, solta, não plástica e não pegajosa, transição clara e plana. E cm.; bruno-claro a bruno-claro-acinzentado ( 2,5 YR 7/3, úmido ), bruno-claro ( 2,5 Y 7/2, seco ); ; grãos simples; solto, solto, não plástica e não pegajosa; transição abrupta. Btg 175cm+; cinzento (2,5 Y 5/0, úmido); cinzento-brunado-claro (2,5 Y 6/2, seco); franco argilosa; maciço poroso; extremamente duro, extremamente firme, plástico, pegajoso. terra (dispersão com NaOH) % muito 0,10 0,002 Ap ,00 A ,25 AE ,00 E ,00 Btg ,12 Ap 1 4,1 5,4 0,11 0,12 0,04 0,01 0,28 1,5 3,12 4, ,83 A 1 4,3 5,4 0,09 0,05 0,02 0,01 0,17 1,8 4,17 6, ,75 AE 4,2 5,4 0,13 0,13 0,05 0,02 0,33 1,8 3,00 5, ,71 E 4,9 7,2 0,00 0,00 0,01 0,01 0,02 0,3 1,74 2, ,01 Btg 4,9 6,5 1,96 6,45 0,44 0,90 9,75 0,4 2,55 12, ,34 Perfil representativo de GLEISSOLO HÁPLICO Ta Eutrófico típico Classificação: GLEISSOLO HÁPLICO Ta Eutrófico típico Localização: Porto Alegre, Lami, Estrada da Extrema, próximo à estrada São Caetano Situação e declive: Plano Litologia e formação geológica: Formação Itapoã, sedimentos do Quaternário Material originário: Sedimentos do Pleistoceno, da Formação Graxaim Relevo local: Plano Relevo regional: Plano a suave ondulado Erosão: Não visível Drenagem: Muito mal drenado Vegetação: Floresta subtropical subcaducifólia Uso atual: Pastagens

12 Ap 0-17/24cm; bruno muito escuro (10YR 2/2, úmido), cinzento a cinzento-claro (10YR 6/1, seco); franco argilosa; maciça desfazendo-se em grandes blocos angulares e subangulares; friável, plástica, pegajosa; transição abrupta e ondulada; A1 17/24-35/40cm; cinzento muito escuro (10YR 3/1, úmido) com mosqueados poucos pequenos difusos bruno-amarelado (10YR 5/6, úmido), cinzento (10YR 5/1, seco); franco argilosa; maciça desfazendo-se em grandes blocos ondulares e subangulares; muito friável, plástica pegajosa; transição gradual e ondulada. Cg1 35/40-65cm; bruno-acinzentado-escuro (10YR 4/2, úmido), cinzento a cinzento-claro (10YR 6/1, seco); franco argilosa; maciça desfazendo-se em grandes blocos angulares e subangulares; friável; plástica, pegajoso. Cg cm; cinzento-escuro (10YR 4/1, úmido), cinzento a cinzento-claro (10YR 6/1, seco); franco argilosa; maciça desfazendo-se em grandes blocos angulares e subangulares; friável, pegajosa, plástica. terra (dispersão com NaOH) % muito 0,10 0,002 Ap 0-17/ ,07 A 1 17/24-35/ ,50 Cg 1 35/ ,30 Cg ,00 H 2 O SMP Ca 2+ Mg 2 K + Na Valor S Al 3+ H + Valor T (saturação 100 Al 3+ Milável orgânico Ap 5,4 6,0 5,70 2,68 0,36 0,10 8,84 0,4 5,25 14, ,07 A 1 5,4 5,7 6,50 3,70 0,42 0,17 10,79 0,8 5,26 16, ,83 Cg 1 5,3 6,1 3,00 2,23 0,10 0,10 5,43 0,6 2,31 8, ,20 Cg 2 5,0 6,0 2,48 2,38 0,09 0,34 5,29 1,4 2,86 9, ,39

%

% PERFIL 2 1. Descrição geral Situação e declive: Corte de estrada na meia encosta de uma elevação com 5% de declividade. Material de origem: Rochas sedimentares, arenito. Pedregosidade e rochosidade: Não

Leia mais

Curso de Engenharia Ambiental - FAJ Manejo de Solos - Aula Prática Descrição de trincheiras

Curso de Engenharia Ambiental - FAJ Manejo de Solos - Aula Prática Descrição de trincheiras Curso de Engenharia Ambiental - FAJ Manejo de Solos - Aula Prática Descrição de trincheiras 1. Objetivo: Reconhecer, em campo, as feições morfológicas e físicas do solo, como suporte ao entendimento de

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Embrapa Arroz e Feijão. Documentos 258

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Embrapa Arroz e Feijão. Documentos 258 ISSN 1678-9644 Dezembro, 2010 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Documentos 258 Descrição Morfológica de Perfis de Solos

Leia mais

PRINCIPAIS SOLOS DA DEPRESSÃO CENTRAL E CAMPANHA DO RIO GRANDE DO SUL

PRINCIPAIS SOLOS DA DEPRESSÃO CENTRAL E CAMPANHA DO RIO GRANDE DO SUL Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Rurais Departamento de Solos PRINCIPAIS SOLOS DA DEPRESSÃO CENTRAL E CAMPANHA DO RIO GRANDE DO SUL GUIA DE EXCURSÃO Dalvan José Reinert José Miguel

Leia mais

Horizonte Prof. Cor Estrutura Transição. (cm) Grau Tamanho Forma

Horizonte Prof. Cor Estrutura Transição. (cm) Grau Tamanho Forma Horizonte Prof. Cor Estrutura Transição (cm) Grau Tamanho Forma Podzólico Vermelho-Amarelo - terço superior da encosta (PVA1) Ap 0-15 10 YR 3/3 Fraca Pequena Granular Ondulada e clara AB 15-29 10 YR ¾

Leia mais

FUNDAMENTAÇÃO TÉCNICO-CIENTÍFICA E A LEGISLAÇÃO AMBIENTAL

FUNDAMENTAÇÃO TÉCNICO-CIENTÍFICA E A LEGISLAÇÃO AMBIENTAL FUNDAMENTAÇÃO TÉCNICO-CIENTÍFICA E A LEGISLAÇÃO AMBIENTAL GUSTAVO RIBAS CURCIO PESQUISADOR EMBRAPA FLORESTAS COORDENADOR DO PROJETO BIOMAS (41) 3675-3511 PATROCINADORES PONTOS FOCAIS - A legislação ambiental

Leia mais

ESTUDO DOS SOLOS DO BANHADO DO COLÉGIO

ESTUDO DOS SOLOS DO BANHADO DO COLÉGIO Circular Técnica, N.º 29 ISSN 1516-8832 Fevereiro / 2001 ESTUDO DOS SOLOS DO BANHADO DO COLÉGIO Noel Gomes da Cunha Luiz Fernando Spinelli Pinto Ruy José Costa da Silveira Valberto Müller Ana Cláudia Rodrigues

Leia mais

J. Miguel Reichert, PhD

J. Miguel Reichert, PhD Morfologia do solo J. Miguel Reichert, PhD (Prof. Ricardo Dalmolin) MORFOLOGI DO SOLO 2.1 Conceitos 2.2 - Horizontes pedogênicos 2.3 - Simbologia usada na identificação dos horizontes 2.4 - Características

Leia mais

XXXI CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA DO SOLO Gramado (RS) 6 a 10 de agosto de 2007. ROTEIRO E RELATÓRIO DA EXCURSÃO TÉCNICA - PEDOLÓGIA

XXXI CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA DO SOLO Gramado (RS) 6 a 10 de agosto de 2007. ROTEIRO E RELATÓRIO DA EXCURSÃO TÉCNICA - PEDOLÓGIA XXXI CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA DO SOLO Gramado (RS) 6 a 10 de agosto de 2007. ROTEIRO E RELATÓRIO DA EXCURSÃO TÉCNICA - PEDOLÓGIA ORGANIZADORES Paulo César do Nascimento Élvio Giasson Carlos Alberto

Leia mais

PRINCIPAIS SOLOS DO LITORAL DO PARANÁ

PRINCIPAIS SOLOS DO LITORAL DO PARANÁ PRINCIPAIS SOLOS DO LITORAL DO PARANÁ Prof. Dr. Marcelo R. de Lima (UFPR-Curitiba) mrlima@ufpr.br Prof. M.Sc. Jaime B. dos Santos Junior (UFPA-Altamira) jaime@ufpa.br Os solos são formados pela interação

Leia mais

Composição e Morfologia de Solos Prof. Fernando Ximenes T. Salomão. UFMT- Cuiabá 2010

Composição e Morfologia de Solos Prof. Fernando Ximenes T. Salomão. UFMT- Cuiabá 2010 Composição e Morfologia de Solos Prof. Fernando Ximenes T. Salomão UFMT- Cuiabá 2010 1 Solo: Composição do solo Minerais Matéria Orgânica ar Água 2 Distribuição volumétrica dos constituintes de dois solos

Leia mais

4.2.1. Classe dos CAMBISSOLOS:

4.2.1. Classe dos CAMBISSOLOS: 71 4.2.1. Classe dos CAMBISSOLOS: Os solos do tipo CAMBISSOLO, foram encontrados nos setores próximos a nascente do córrego Guavirá. Na topossequência 1 o CAMBISSOLO FLÚVICO Tb Eutrófico gleissólico é

Leia mais

CURSO: PÓS GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA DISCIPLINA: CLASSIF. MAPEAMENTO DE SOLOS

CURSO: PÓS GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA DISCIPLINA: CLASSIF. MAPEAMENTO DE SOLOS CURSO: PÓS GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA DISCIPLINA: CLASSIF. MAPEAMENTO DE SOLOS PROF. RENATA SANTOS MOMOLI Eng. Agrônoma Dra. em Solos e Nutrição de Plantas PRINCÍPIOS BÁSICOS 1. Classificação Técnica: diferenciações

Leia mais

LEVANTAMENTO DE RECONHECIMENTO DE BAIXA INTENSIDADE DOS SOLOS DA RESERVA EXTRATIVISTA DO ALTO JURUÁ, MARECHAL THAUMATURGO, ACRE

LEVANTAMENTO DE RECONHECIMENTO DE BAIXA INTENSIDADE DOS SOLOS DA RESERVA EXTRATIVISTA DO ALTO JURUÁ, MARECHAL THAUMATURGO, ACRE Documentos ISSN 0104-9046 Número, 53 Janeiro, 2000 LEVANTAMENTO DE RECONHECIMENTO DE BAIXA INTENSIDADE DOS SOLOS DA RESERVA EXTRATIVISTA DO ALTO JURUÁ, MARECHAL THAUMATURGO, ACRE REPÚBLICA FEDERATIVA DO

Leia mais

Paraná Campus Francisco Beltrão (PR), email: fercecchet@hotmail.com. Campus Francisco Beltrão (PR), email: marciareg_calegari@hotmail.

Paraná Campus Francisco Beltrão (PR), email: fercecchet@hotmail.com. Campus Francisco Beltrão (PR), email: marciareg_calegari@hotmail. ANÁLISES ISOTÓPICAS E CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA DE UM NITOSSOLO VERMELHO DISTROFÉRRICO TÍPICO COM HORIZONTE A HÚMICO NO MUNICÍPIO DE CAMPO ERÊ (SC). Fernanda Aparecida Cecchet 1 Marcia Regina Calegari

Leia mais

Mapa Pedológico Digital - SIG Atualizado do Distrito Federal Escala 1:100.000 e uma Síntese do Texto Explicativo

Mapa Pedológico Digital - SIG Atualizado do Distrito Federal Escala 1:100.000 e uma Síntese do Texto Explicativo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento ISSN 1517-5111 Junho, 2004 120 Mapa Pedológico Digital - SIG Atualizado do Distrito Federal Escala 1:100.000 e uma Síntese do Texto Explicativo ISSN

Leia mais

Universidade Federal do Acre. UNIDADE 5 Perfil de Solo - Parte II Descrição Morfológica

Universidade Federal do Acre. UNIDADE 5 Perfil de Solo - Parte II Descrição Morfológica Universidade Federal do Acre UNIDADE 5 Perfil de Solo - Parte II Descrição Morfológica Prof. Dr. José de Ribamar Silva 1. Importância. Classificação taxonômica e técnica de solos;. Levantamento de solos;.

Leia mais

Mosqueado/concreções Textura 2 Transição

Mosqueado/concreções Textura 2 Transição α Horizonte Profundidade (cm) Cor úmida (Munsell) Mosqueado/concreções Textura 2 Transição Podzólico Amarelo álico - P21 Ap 0-15 10YR 4/3 Fr.-arg.-arenosa Clara e plana BA 15-35 10YR 5/4 Arg.-arenosa Difusa

Leia mais

NATUREZA E TIPOS DE SOLOS ACH1085. Solos do Brasil

NATUREZA E TIPOS DE SOLOS ACH1085. Solos do Brasil NATUREZA E TIPOS DE SOLOS ACH1085 Solos do Brasil 1 conteúdo 1. Introdução 2. Tipos de solos do Brasil 2 2.Tipos de solos do Brasil: área absoluta e relativa 3 Mapa com os tipos de solo do Brasil 38,73%

Leia mais

LEVANTAMENTO PEDOLÓGICO SEMIDETALHADO DO MUNICÍPIO DE ATIBAIA, SP ( 1 )

LEVANTAMENTO PEDOLÓGICO SEMIDETALHADO DO MUNICÍPIO DE ATIBAIA, SP ( 1 ) LEVANTAMENTO PEDOLÓGICO SEMIDETALHADO DO MUNICÍPIO DE ATIBAIA, SP ( 1 ) A. CARVALHO, I. F. LEPSCH, J. B. OLIVEIRA, J. VALADARES e C. L. ROTTA Seção de Pedologia, Instituto Agronômico ( ) SINOPSE Neste

Leia mais

Simpósio Brasileiro de Solos Arenosos. Características Gerais da Fertilidade dos Solos Arenosos no Brasil

Simpósio Brasileiro de Solos Arenosos. Características Gerais da Fertilidade dos Solos Arenosos no Brasil jose.ronaldo@embrapa.br www.embrapa.br/cnps Simpósio Brasileiro de Solos Arenosos Características Gerais da Fertilidade dos Solos Arenosos no Brasil Presidente Prudente 2014 José Ronaldo de Macedo Embrapa

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DOS PRINCIPAIS. Solos do Acre. Professor Adjunto do DCA-UFAC

CARACTERÍSTICAS DOS PRINCIPAIS. Solos do Acre. Professor Adjunto do DCA-UFAC INSTRUTOR: Dr. José Ribamar Torres da Silva Professor Adjunto do DCA-UFAC Classificação Taxonômica LATOSSOLOS ------------------------------------------------------------- Local de Ocorrência A1 AB BA

Leia mais

CURSO: PPGA DISCIPLINA: MAPEAMENTO E CLASSIFICAÇÃO DO SOLO

CURSO: PPGA DISCIPLINA: MAPEAMENTO E CLASSIFICAÇÃO DO SOLO CURSO: PPGA DISCIPLINA: MAPEAMENTO E CLASSIFICAÇÃO DO SOLO Adaptado de Solos do Brasil (Benjamim Pereira Vilela e Selma Simões de Castro) PROF. RENATA SANTOS MOMOLI Eng. Agrônoma Dra. em Solos e Nutrição

Leia mais

UMA ANÁLISE DAS CLASSIFICAÇÕES DE SOLO UTILIZADAS NO ENSINO FUNDAMENTAL. Marcelo Ricardo de Lima

UMA ANÁLISE DAS CLASSIFICAÇÕES DE SOLO UTILIZADAS NO ENSINO FUNDAMENTAL. Marcelo Ricardo de Lima Uma análise das classificações de solo utilizadas no ensino fundamental Projeto Solo na Escola - UFPR 1 UMA ANÁLISE DAS CLASSIFICAÇÕES DE SOLO UTILIZADAS NO ENSINO FUNDAMENTAL Marcelo Ricardo de Lima Professor

Leia mais

ANEXO 3. Imagens das Unidades de Relevo e Terreno do Parque Estadual da Cantareira. Anexo 3 Imagens das Unidades de Terreno e Relevo do PEC 1

ANEXO 3. Imagens das Unidades de Relevo e Terreno do Parque Estadual da Cantareira. Anexo 3 Imagens das Unidades de Terreno e Relevo do PEC 1 ANEXO 3 Imagens das Unidades de Relevo e Terreno do Parque Estadual da Cantareira Anexo 3 Imagens das Unidades de Terreno e Relevo do PEC 1 2 Anexo 3 Imagens das Unidades de Relevo e Terreno do PEC Foto

Leia mais

GEOTECNOLOGIAS APLICADAS A SIMULAÇÃO DE PERDAS DE SOLO POR EROSÃO HÍDRICA FRANCIENNE GOIS OLIVEIRA

GEOTECNOLOGIAS APLICADAS A SIMULAÇÃO DE PERDAS DE SOLO POR EROSÃO HÍDRICA FRANCIENNE GOIS OLIVEIRA GEOTECNOLOGIAS APLICADAS A SIMULAÇÃO DE PERDAS DE SOLO POR EROSÃO HÍDRICA FRANCIENNE GOIS OLIVEIRA Sabendo-se que a erosão pode comprometer até mesmo o volume de água de uma bacia hidrográfica, o presente

Leia mais

ESTUDO DOS SOLOS DO MUNICÍPIO DE RIO GRANDE

ESTUDO DOS SOLOS DO MUNICÍPIO DE RIO GRANDE DOCUMENTOS CPACT Nº 16/96 ESTUDO DOS SOLOS DO MUNICÍPIO DE RIO GRANDE Noel Gomes da Cunha Ruy José da Costa Silveira Carlos Roberto Soares Severo Ministério da Agricultura e do Abastecimento - MA Empresa

Leia mais

Principais Solos do Brasil. Prof a Adélia Aziz A. Pozza CSO 110 PEDOLOGIA

Principais Solos do Brasil. Prof a Adélia Aziz A. Pozza CSO 110 PEDOLOGIA Principais Solos do Brasil Prof a Adélia Aziz A. Pozza CSO 110 PEDOLOGIA Componentes do Solo A Líquido Sólido inorgânico B Gás C Sólido orgânico Cor do Solo Matéria Orgânica Argila e quartzo Goethita (óxido

Leia mais

SONDAGEM A TRADO INICIO PERFIL INDIVIDUAL INTERCEPTOR DE ESGOTO Córrego Brejo Alegre - Araguari / MG TECMINAS ENGENHARIA

SONDAGEM A TRADO INICIO PERFIL INDIVIDUAL INTERCEPTOR DE ESGOTO Córrego Brejo Alegre - Araguari / MG TECMINAS ENGENHARIA FN. (017) 334-334 - CEP. 02-080 CLIENTE 0,39 /08/2014 TÉRMINO /08/2014 ATERRO DE AREIA FINA, ARGILOSA, MARROM ACINZENTADA. 903,090 ST.01 AREIA FINA, MUITO ARGILOSA, AMARELA ACINZENTADA. 2,63 cinza ARGILA

Leia mais

Boletim de campo para sondagem/ poço de monitoramento

Boletim de campo para sondagem/ poço de monitoramento Sigla SP1 Data de início 21/12/2009 Data de término 21/12/2009 UTM - N (m) 7.382.650 Diâmetro da perfuração 4 UTM - E (m) 327.753 Diâmetro da Instalação - Altitude do terreno (m) Prof. total do poço (m)

Leia mais

OS SOLOS E A SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL NAS MICROBACIAS PANTANINHO E DIVISA EM IRAÍ DE MINAS (MG)

OS SOLOS E A SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL NAS MICROBACIAS PANTANINHO E DIVISA EM IRAÍ DE MINAS (MG) OS SOLOS E A SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL NAS MICROBACIAS PANTANINHO E DIVISA EM IRAÍ DE MINAS (MG) Samuel do Carmo Lima Mauro das Graças Mendonça Key words: Solos, Cerrado, Sustentabilidade Ambiental 1

Leia mais

A NOVA CLASSIFICAÇÃO BRASILEIRA DE SOLOS

A NOVA CLASSIFICAÇÃO BRASILEIRA DE SOLOS A NOVA CLASSIFICAÇÃO BRASILEIRA DE SOLOS Paulo Klinger Tito Jacomine Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife, Pernambuco. RESUMO A NOVA CLASSIFICAÇÃO BRASILEIRA DE SOLOS A nova Classificação Brasileira

Leia mais

Aptidão Agrícola das Terras da Bacia do Alto Curso do Rio Descoberto, DF/GO, escala de 1:100.000. ISSN 1676-918X Dezembro, 2003

Aptidão Agrícola das Terras da Bacia do Alto Curso do Rio Descoberto, DF/GO, escala de 1:100.000. ISSN 1676-918X Dezembro, 2003 Aptidão Agrícola das Terras da Bacia do Alto Curso do Rio Descoberto, DF/GO, escala de 1:100.000 115 ISSN 1676-918X Dezembro, 2003 ISSN 1676-918X Dezembro, 2003 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária

Leia mais

Professora Dra. da Universidade Estadual de Maringá (UEM), campus regional de Umuarama; e-mail: vanilde@yahoo.com

Professora Dra. da Universidade Estadual de Maringá (UEM), campus regional de Umuarama; e-mail: vanilde@yahoo.com ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 IMPORTÂNCIA DA CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS NO SISTEMA BRASILEIRO E QUANTO A CAPACIDADE DE USO

Leia mais

CAPÍTULO 4 TIPOLOGIA DE SOLOS

CAPÍTULO 4 TIPOLOGIA DE SOLOS CAPÍTULO 4 TIPOLOGIA DE SOLOS Valdenira Ferreira dos Santos Antônio Tebaldi Tardin 4.1 INTRODUÇÃO Este trabalho faz parte do Projeto Zoneamento Ecológico- Econômico do Setor Costeiro Estuarino do Estado

Leia mais

Fatores de formação do solo

Fatores de formação do solo Fatores de formação do solo Fatores de formação do solo Clima Organismos Relevo Solo Tempo Material de Origem Fatores de formação do solo: clima Temperatura, precipitação e deficiência e excedente hídrico

Leia mais

Palavras-chave: semiárido, relação solo-paisagem, caatinga.

Palavras-chave: semiárido, relação solo-paisagem, caatinga. RELAÇÃO SOLO E PAISAGEM NO BIOMA CAATINGA José Coelho de Araújo Filho, Eng. Agrôn., D.Sc. (IGc/USP), pesquisador da Embrapa Solos UEP-Recife, Rua Antônio Falcão, 402 - Boa Viagem, Recife - PE Brasil, CEP:

Leia mais

AVALIAÇÃO DO USO DA TERRA NO PROJETO DE ASSENTAMENTO CHE GUEVARA, MIMOSO DO SUL, ESPÍRITO SANTO

AVALIAÇÃO DO USO DA TERRA NO PROJETO DE ASSENTAMENTO CHE GUEVARA, MIMOSO DO SUL, ESPÍRITO SANTO AVALIAÇÃO DO USO DA TERRA NO PROJETO DE ASSENTAMENTO CHE GUEVARA, MIMOSO DO SUL, ESPÍRITO SANTO Natália Aragão de Figueredo 1, Paulo Henrique Dias Barbosa 2, Thiago Dannemann Vargas 3, João Luiz Lani 4

Leia mais

MORFOLOGIA DO PERFIL DO SOLO

MORFOLOGIA DO PERFIL DO SOLO MORFOLOGIA DO PERFIL DO SOLO MORFOLOGIA DO PERFIL SOLO Conceito: - Aparência do solo no campo (perfil). - Características visíveis a olho nu ou perceptíveis por manipulação Características morfológicas

Leia mais

BASENG Engenharia e Construção LTDA

BASENG Engenharia e Construção LTDA RELATÓRIO DE INVESTIGAÇÃO GEOLÓGICO- GEOTÉCNICA: SONDAGEM A PERCUSSÃO LT2 ENGENHARIA E CONSTRUÇÃO CONTRUÇÃO DE UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO HOSPITAL E MATERNIDADE Praia de Boiçucanga São Sebatião / SP

Leia mais

Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PEDOLOGIA LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PEDOLOGIA LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 8 EDITAL N o 04/2013 LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 01 - O candidato recebeu do fiscal o seguinte material: a) este CADERNO DE QUESTÕES, com os enunciados das 8 (oito) questões discursivas, sem

Leia mais

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3.1. Localização O aproveitamento Hidrelétrico de Itumbiara, com potência instalada de 2080 MW, situa-se no rio Paranaíba, na divisa dos estados de Minas Gerais e Goiás,

Leia mais

A NOVA VERSÃO DO SISTEMA BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE SOLOS (SiBCS) Paulo Klinger Tito Jacomine UFRPE Recife E mail: ricardo @ truenet.com.br.

A NOVA VERSÃO DO SISTEMA BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE SOLOS (SiBCS) Paulo Klinger Tito Jacomine UFRPE Recife E mail: ricardo @ truenet.com.br. 1 A NOVA VERSÃO DO SISTEMA BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE SOLOS (SiBCS) Paulo Klinger Tito Jacomine UFRPE Recife E mail: ricardo @ truenet.com.br. Comitê Executivo da Revisão do Sistema Américo Pereira

Leia mais

VULNERABILIDADE NATURAL DOS SOLOS À EROSÃO

VULNERABILIDADE NATURAL DOS SOLOS À EROSÃO VULNERABILIDADE NATURAL DOS SOLOS À EROSÃO A formação dos solos num determinado ambiente envolve um complexo de agentes e processos dentre os quais destacam-se a alteração física e química da rochaque

Leia mais

Universidade Federal do Amazonas Instituto de Ciências Exatas Departamento de Geociências. Capítulo 11:

Universidade Federal do Amazonas Instituto de Ciências Exatas Departamento de Geociências. Capítulo 11: Universidade Federal do Amazonas Instituto de Ciências Exatas Departamento de Geociências Geologia Capítulo 11: Movimento de Massa Clauzionor Lima da Silva Movimento de Massa Inclui todos os processos

Leia mais

do substrato gnáissico.

do substrato gnáissico. 55 6.2 - Descrição de eventos locais Informações obtidas em campo possibilitaram a descrição de eventos locais que permitem caracterizar situações práticas relacionadas aos processos erosivos. A presença

Leia mais

LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA MATA CILIAR. Áreas de Preservação Permanente RESERVA LEGAL

LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA MATA CILIAR. Áreas de Preservação Permanente RESERVA LEGAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE MEDICINA VETERINÁRIA DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO ANIMAL ESPECIALIZAÇÃO EM PRODUÇÃO DE BOVINOS FORMAÇÃO E MANEJO DE PASTAGENS (IMPLANTAÇÃO DE PASTAGENS) EDGAR FRAGA

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DA APTIDÃO AGRÍCOLA

CLASSIFICAÇÃO DA APTIDÃO AGRÍCOLA 3 CASSIICAÇÃO DA APTIDÃO AGRÍCOA O enquadramento das terras em classes de aptidão resulta da interação de suas condições agrícolas, do nível de manejo considerado e das exigências dos diversos tipos de

Leia mais

ESTUDO MORFOLÓGICO DA TOPOSSEQUÊNCIA FAZENDA CANGUIRI, PR: SUBSÍDIO PARA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES SOLO / RELEVO. RAKSSA, M. L. 1 SANTOS, L. J. C.

ESTUDO MORFOLÓGICO DA TOPOSSEQUÊNCIA FAZENDA CANGUIRI, PR: SUBSÍDIO PARA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES SOLO / RELEVO. RAKSSA, M. L. 1 SANTOS, L. J. C. ESTUDO MORFOLÓGICO DA TOPOSSEQUÊNCIA FAZENDA CANGUIRI, PR: SUBSÍDIO PARA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES SOLO / RELEVO. RAKSSA, M. L. 1 1 Universidade Federal do Paraná. Mestrando do Programa de Pós Graduação

Leia mais

ANEXO 1. DOCUMENTAÇÃO FOTOGRÁFICA DOS LOCAIS DE SONDAGEM A TRADO km 353

ANEXO 1. DOCUMENTAÇÃO FOTOGRÁFICA DOS LOCAIS DE SONDAGEM A TRADO km 353 ANEXO 1 DOCUMENTAÇÃO FOTOGRÁFICA DOS LOCAIS DE SONDAGEM A TRADO km 353 Foto 1 Vista do local de execução da sondagem a trado ST-01 (km353). Foto 2- Vista dos tipos de materiais ocorrentes no local da sondagem

Leia mais

ALEXSANDRA FERNANDES DE QUEIROZ CARACTERIZAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE SOLOS DO MUNICÍPIO DE CASA NOVA-BA PARA FINS DE USO, MANEJO E CONSERVAÇÃO

ALEXSANDRA FERNANDES DE QUEIROZ CARACTERIZAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE SOLOS DO MUNICÍPIO DE CASA NOVA-BA PARA FINS DE USO, MANEJO E CONSERVAÇÃO ALEXSANDRA FERNANDES DE QUEIROZ CARACTERIZAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE SOLOS DO MUNICÍPIO DE CASA NOVA-BA PARA FINS DE USO, MANEJO E CONSERVAÇÃO MOSSORÓ - RN 2013 ALEXSANDRA FERNANDES DE QUEIROZ CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

CAPÍTULO 2 LEVANTAMENTO DE RECONHECIMENTO DE SOLOS. Por Ari Délcio Cavedon e Edgar Shinzato

CAPÍTULO 2 LEVANTAMENTO DE RECONHECIMENTO DE SOLOS. Por Ari Délcio Cavedon e Edgar Shinzato CAPÍTULO 2 LEVANTAMENTO DE RECONHECIMENTO DE SOLOS Por Ari Délcio Cavedon e Edgar Shinzato 2.1 Metodologia No levantamento de solos das áreas dos municípios de Porto Seguro e Santa Cruz Cabrália, em nível

Leia mais

TEXTURA DO SOLO. Conceito. Representa a distribuição quantitativa das partículas sólidas do solo, quanto ao tamanho (areia, silte e argila).

TEXTURA DO SOLO. Conceito. Representa a distribuição quantitativa das partículas sólidas do solo, quanto ao tamanho (areia, silte e argila). Conceito Representa a distribuição quantitativa das partículas sólidas do solo, quanto ao tamanho (areia, silte e argila). Sistemas de classificação Quadro 1. Frações granulométricas encontradas nos sistemas

Leia mais

3. Região do Bolsão FIGURA 14. Região de Planejamento do Estado de Mato Grosso do Sul - Bolsão

3. Região do Bolsão FIGURA 14. Região de Planejamento do Estado de Mato Grosso do Sul - Bolsão 3. Região do Bolsão FIGURA 14. Região de Planejamento do Estado de Mato Grosso do Sul - Bolsão R egião localizada à NE do Estado, com características muito próprias, devido à sua estreita ligação e proximidade

Leia mais

5 - PRINCIPAIS SOLOS UTILIZADOS NA CULT.URA DO MILHO NO CENTRO-SUL DO BRASIL

5 - PRINCIPAIS SOLOS UTILIZADOS NA CULT.URA DO MILHO NO CENTRO-SUL DO BRASIL , 5 PRINCIPAIS SOLOS UTILIZADOS NA CULT.URA DO MILHO NO CENTROSUL DO BRASIL 8ernardo Carvalho Avelar" Os solos foram ordenados poso Tanto quanto possível, as subdivisões importantes. a nível categórico

Leia mais

BIOENGENHARIA DE SOLOS ENGENHARIA NATURAL AULA 2 PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DO SOLO

BIOENGENHARIA DE SOLOS ENGENHARIA NATURAL AULA 2 PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DO SOLO BIOENGENHARIA DE SOLOS ENGENHARIA NATURAL AULA 2 PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DO SOLO IGOR PINHEIRO DA ROCHA ENGENHEIRO FLORESTAL, M.Sc. AS FASES DO SOLO Fase sólida (Matriz do solo) Material mineral

Leia mais

O SENSORIAMENTO REMOTO NA PESQUISA GEOMORFOLÓGICA: APLICAÇÕES NO MUNICÍPIO DE ANTONINA, PARANÁ

O SENSORIAMENTO REMOTO NA PESQUISA GEOMORFOLÓGICA: APLICAÇÕES NO MUNICÍPIO DE ANTONINA, PARANÁ O SENSORIAMENTO REMOTO NA PESQUISA GEOMORFOLÓGICA: APLICAÇÕES NO MUNICÍPIO DE ANTONINA, PARANÁ Julio Manoel França da Silva Universidade Federal do Paraná juliosilva.geografo@gmail.com Leonardo José Cordeiro

Leia mais

Boletim de Pesquisa 66 e Desenvolvimento

Boletim de Pesquisa 66 e Desenvolvimento Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Boletim de Pesquisa 66 e Desenvolvimento ISSN 1678-0892 Dezembro, 2005 Solos ISSN 1678-0892 Dezembro, 2005 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária

Leia mais

APÊNDICE H-DIAGNÓSTICO FÍSICO- CONSERVACIONISTA

APÊNDICE H-DIAGNÓSTICO FÍSICO- CONSERVACIONISTA APÊNDICE H-DIAGNÓSTICO FÍSICO- CONSERVACIONISTA O DFC tem por objetivo determinar o estado de deterioração ou de conservação de uma região. É levado a efeito, correlacionando-se uma série de parâmetros

Leia mais

Sistema Brasileiro de Classificação de Solos (SiBCS)

Sistema Brasileiro de Classificação de Solos (SiBCS) ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA Luiz de Queiroz LSO 410 - Gênese, Morfologia e Classificação de Solos Sistema Brasileiro de Classificação de Solos (SiBCS) Prof. Dr. Rafael Otto Prof. Dr. Jairo Antonio Mazza

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A BIOMAS BRASILEIROS 2011 Aula VII BRASIL E VARIABILIDADE FITOGEOGRÁFICA O Brasil possui um território de dimensões continentais com uma área de 8.547.403 quilômetros quadrados. 4.320

Leia mais

Palavras-chave: Sub bacia, Caracterização Ambiental, Sustentabilidade.

Palavras-chave: Sub bacia, Caracterização Ambiental, Sustentabilidade. CARACTERIZACÃO AMBIENTAL DA SUB-BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO DO SANGUE, JAURU - MT, VISANDO O LEVANTAMENTO DE RECONHECIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS Aldo Max Custódio (1) ; Ms. Juberto Babilônia de

Leia mais

CURSO DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL A DISTÂNCIA

CURSO DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL A DISTÂNCIA CURSO DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL A DISTÂNCIA SOLOS DA REGIÃO DOS CERRADOS: RECONHECIMENTO NA PAISAGEM, POTENCIALIDADES E LIMITAÇÕES PARA USO AGRÍCOLA Geraldo César de Oliveira Universidade Federal de

Leia mais

5. CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL DA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO

5. CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL DA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO 5. CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL DA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO 5.1 Caracterização dos Fatores Abióticos 5.1.1 Clima Este item trata dos aspectos climáticos da região em que se situa o Parque Estadual das Araucárias,

Leia mais

Prefeitura Municipal de Campinas. Secretaria Municipal de Meio Ambiente SMMA

Prefeitura Municipal de Campinas. Secretaria Municipal de Meio Ambiente SMMA Coordenadoria de Planejamento e Educação Ambiental - CPEA Projeto APA de Campinas APA de Campinas: Situação dos recursos hídricos da Bacia do Ribeirão das Cabras: identificação, caracterização e georeferenciamento

Leia mais

Mapeamento dos solos do bioma cerrado do Estado do Amapá. Moacir Azevedo Valente 1 Antonio Guilherme Soares Campos 2 Orlando dos Santos Watrin 2

Mapeamento dos solos do bioma cerrado do Estado do Amapá. Moacir Azevedo Valente 1 Antonio Guilherme Soares Campos 2 Orlando dos Santos Watrin 2 Mapeamento dos solos do bioma cerrado do Estado do Amapá Moacir Azevedo Valente 1 Antonio Guilherme Soares Campos 2 Orlando dos Santos Watrin 2 1 CNPq/ Embrapa Amazônia Oriental Caixa Postal 48-66095-903

Leia mais

Relatório de Campo (operação II)

Relatório de Campo (operação II) Relatório de Campo (operação II) Referente a Definição de Áreas Prioritárias para Conservação do Estado de Goiás, Brasil Consórcio Imagem - WWF Brasil NOVEMBRO DE 2004 1 SUMÁRIO 1.0 Objetivos... 3 2.0

Leia mais

SOLO NA FAIXA DE INFLUÊNCIA DO RIO MADEIRA, PORTO VELHO-RO A HUMAITÁ-AM

SOLO NA FAIXA DE INFLUÊNCIA DO RIO MADEIRA, PORTO VELHO-RO A HUMAITÁ-AM ANÁLISE DA FERTILIDADE NATURAL (K + ; Ca +2 ; Mg +2 ; Al +3 ) DO SOLO NA FAIXA DE INFLUÊNCIA DO RIO MADEIRA, PORTO VELHO-RO A HUMAITÁ-AM Tatiane Rodrigues Lima 1 Dorisvalder Dias Nunes 2 Ângelo Mansur

Leia mais

Aula 3: Prof. Dr. Marx Leandro Naves Silva

Aula 3: Prof. Dr. Marx Leandro Naves Silva PCS 502 CONSERVAÇÃO DO SOLO E DA ÁGUA Aula 3: FATORES DETERMINANTES DA EROSÃO. ERODIBILIDADE DO SOLO. MÉTODOS PARA A ESTIMATIVA DE ERODIBILIDADE. TIPOS DE PRECIPITAÇÃO. EROSIVIDADE DA CHUVA. MÉTODO PARA

Leia mais

Levantamento semidetalhado dos solos da Estação Experimental de Ouro Preto, RO

Levantamento semidetalhado dos solos da Estação Experimental de Ouro Preto, RO ------ Levantamento semidetalhado dos solos da Estação Experimental de Ouro Preto, RO RAIMUNDO CARLOS MOIA BARBOSA ANTONIO DÃVILA DE S. NEVES Boletim Técnico los Centro de Pesquisas do Cacau Km 22 Rodom

Leia mais

Ocorrência, gênese e classificação

Ocorrência, gênese e classificação Universidade Federal Rural de Pernambuco Programa de Pós-Graduação em Ciência do Solo Seminário em Ciência do Solo Ocorrência, gênese e classificação de solos halomórficos no Brasil Orientador: Prof. Mateus

Leia mais

Mecanica dos solos I. Pedogênese. Princípios físicos da pedogênese. Princípios físicos da pedogênese. Adição. Adição. Transformação.

Mecanica dos solos I. Pedogênese. Princípios físicos da pedogênese. Princípios físicos da pedogênese. Adição. Adição. Transformação. Universidade Federal do Reconcavo da Bahia Centro de Ciencias Exatas e Tecnologicas Mecanica dos solos I Pedogênese 1. Intemperismo 1. Físico 2. Químico 3. Zonalidade 2. Mineralogia do solo 1. Classificação

Leia mais

Os Domínios Morfoclimáticos do Brasil

Os Domínios Morfoclimáticos do Brasil Os Domínios Morfoclimáticos do Brasil A classificação morfoclimática reúne grandes combinações de fatos geomorfológicos, climáticas, hidrológicos, pedológicos e botânicos que por sua relativa homogeinidade,

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS PRINCIPAIS CLASSES DE SOLOS

DESCRIÇÃO DAS PRINCIPAIS CLASSES DE SOLOS MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E DO ABASTECIMENTO - MAPA EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA - EMBRAPA CENTRO NACIONAL DE PESQUISA DE SOLOS - CNPS UNIDADE DE EXECUÇÃO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO

Leia mais

UNIDADES GEOTÉCNICAS DE SOLOS DE PORTO ALEGRE

UNIDADES GEOTÉCNICAS DE SOLOS DE PORTO ALEGRE Rev. IG. São Paulo, Volume Especial 1995 UNIDADES GEOTÉCNICAS DE SOLOS DE PORTO ALEGRE Cezar Augusto Burkert BASTOS Regina Davison DIAS RESUMO O artigo trata da caracterização dos solos do município de

Leia mais

Parte I FOTO: ALDICIR SCARIOT. Determinantes Abióticos

Parte I FOTO: ALDICIR SCARIOT. Determinantes Abióticos Parte I FOTO: ALDICIR SCARIOT Determinantes Abióticos Capítulo 1 Classes de solo FOTO: EDER MARTINS em relação aos controles da paisagem do bioma Cerrado Adriana Reatto Éder de Souza Martins Embrapa Cerrados

Leia mais

MAPEAMENTO DE FRAGILIDADE DE DIFERENTES CLASSES DE SOLOS DA BACIA DO RIBEIRÃO DA PICADA EM JATAÍ, GO

MAPEAMENTO DE FRAGILIDADE DE DIFERENTES CLASSES DE SOLOS DA BACIA DO RIBEIRÃO DA PICADA EM JATAÍ, GO MAPEAMENTO DE FRAGILIDADE DE DIFERENTES CLASSES DE SOLOS DA BACIA DO RIBEIRÃO DA PICADA EM JATAÍ, GO Régia Estevam ALVES (UFG/Campus Jataí - E-mail: regiaestevam@gmail.com). Raquel Maria de OLIVEIRA (Profa.

Leia mais

aula Classificação e tipos de solos do Brasil e do estado do Rio Grande do Norte Geografia Física II Autores Fernando Moreira da Silva

aula Classificação e tipos de solos do Brasil e do estado do Rio Grande do Norte Geografia Física II Autores Fernando Moreira da Silva DISCIPLINA Geografia Física II Classificação e tipos de solos do Brasil e do estado do Rio Grande do Norte Autores Fernando Moreira da Silva Marcelo dos Santos Chaves Zuleide Maria C. Lima aula 12 Geo_Fis_II_A12_RF_M_SF_SI_SE_170709.indd

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE SOLOS FERRUGINOSOS ALTOMONTANOS DA SERRA DO GANDARELA

CARACTERIZAÇÃO DE SOLOS FERRUGINOSOS ALTOMONTANOS DA SERRA DO GANDARELA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA JOÃO SANTIAGO REIS CARACTERIZAÇÃO DE SOLOS FERRUGINOSOS ALTOMONTANOS DA SERRA DO GANDARELA VIÇOSA MINAS GERAIS - BRASIL

Leia mais

ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS

ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS 10 DE DEZEMBRO DE 2013 REALIZAÇÃO: CATI SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO E SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DE

Leia mais

Projeto Lagoas Costeiras

Projeto Lagoas Costeiras Projeto Lagoas Costeiras Curso de formação para multiplicadores Módulos 1 e 2: Ecologia da Restinga Águas Subterrâneas Formação da Água Subterrânea: Ciclo de água Ciclo de água e volumes distribuídos nas

Leia mais

Fonte: Rondônia Rural Disponível em: Rondônia Rural.com

Fonte: Rondônia Rural Disponível em: Rondônia Rural.com I. INTRODUÇÃO O estado de Rondônia está localizado na região Norte do Brasil, a região Norte é a maior das cinco regiões do Brasil definidas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)

Leia mais

3 GEOLOGIA, GEOMORFOLOGIA E SOLOS

3 GEOLOGIA, GEOMORFOLOGIA E SOLOS 3 GEOLOGIA, GEOMORFOLOGIA E SOLOS 3.1 EMBASAMENTO ROCHOSO 3.1.1 Panorama Geológico Regional A região do Norte Fluminense é constituída por rochas cristalinas do embasamento Pré-Cambriano, sedimentos cenozóicos

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE SOLOS DESENVOLVIDOS DE ARENITOS DA FORMAÇÃO AQUIDAUANA-MS (1)

CARACTERIZAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE SOLOS DESENVOLVIDOS DE ARENITOS DA FORMAÇÃO AQUIDAUANA-MS (1) CARACTERIZAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE SOLOS DESENVOLVIDOS DE ARENITOS... 881 CARACTERIZAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE SOLOS DESENVOLVIDOS DE ARENITOS DA FORMAÇÃO AQUIDAUANA-MS (1) Jolimar Antonio Schiavo (2), Marcos

Leia mais

O MEIO TERRESTRE. Profa. Sueli Bettine

O MEIO TERRESTRE. Profa. Sueli Bettine O MEIO TERRESTRE COMPOSIÇÃO E FORMAÇÃO Profa. Sueli Bettine O SOLO E SUA ORIGEM SUPERFÍCIE SÓLIDA S DA TERRA E ELEMENTO DE FIXAÇÃO DE PLANTAS ORIGEM DESAGREGAÇÃO DE ROCHAS E DECOMPOSIÇÃO DE ANIMAIS E VEGETAIS

Leia mais

HORIZONTES DIAGNÓSTICOS SUPERFICIAIS

HORIZONTES DIAGNÓSTICOS SUPERFICIAIS HORIZONTES DIAGNÓSTICOS SUPERFICIAIS HORIZONTES DIAGNÓSTICOS SUBSUPERFICIAIS HORIZONTES DIAGNÓSTICOS SUPERFICIAIS HORIZONTE HÍSTICO É um tipo de horizonte constituído predominantemente de material orgânico,

Leia mais

Exemplos de questões em provas teóricas

Exemplos de questões em provas teóricas Exemplos de questões em provas teóricas Rochas, minerais e argilominerais 1- Qual a diferença entre mineral e rocha? 2- No mapa do RS, coloque os nomes dos principais tipos de rochas, algumas de suas características

Leia mais

- Programa Fome Zero - Antonio Cabral Cavalvanti Ademar Barros da Silva

- Programa Fome Zero - Antonio Cabral Cavalvanti Ademar Barros da Silva LEVANTAMENTO DE RECONHECIMENTO DE MÉDIA INTENSIDADE DOS SOLOS E AVALIAÇÃO DO POTENCIAL AGROECOLÓGICO DAS TERRAS DO MUNICÍPIO DE POÇO DAS TRINCHEIRAS, ALAGOAS (Escala 1:100.000) - Programa Fome Zero - Antonio

Leia mais

Os solos corr espondem ao manto de alter ação das rochas por processos de intemper ismo.

Os solos corr espondem ao manto de alter ação das rochas por processos de intemper ismo. Os solos corr espondem ao manto de alter ação das rochas por processos de intemper ismo. Quanto a or igem os solos podem ser: ELUVIAIS Originado da alter ação da r ocha matriz situada abaixo dele. ALUVIAIS

Leia mais

Estrutura Hierárquica do Sistema Brasileiro de Classificação de Solos (SiBCS)

Estrutura Hierárquica do Sistema Brasileiro de Classificação de Solos (SiBCS) Estrutura Hierárquica do Sistema Brasileiro de Classificação de Solos (SiBCS) Workshop: Técnicas Inteligentes na Classificação de Solos para Aplicações na Agricultura UNICAMP/CNPTIA 18/04/2012 Critérios

Leia mais

Compartimentos de Relevo do Município de Porto Alegre, capital do Estado do Rio Grande do Sul Brasil

Compartimentos de Relevo do Município de Porto Alegre, capital do Estado do Rio Grande do Sul Brasil Compartimentos de Relevo do Município de Porto Alegre, capital do Estado do Rio Grande do Sul Brasil Nina Simone Vilaverde Moura Fujimoto 1 Tielle Soares Dias 2 Resumo: Este trabalho consiste na identificação

Leia mais

Perfil do solo e horizontes diagnósticos

Perfil do solo e horizontes diagnósticos Universidade de São Paulo Escola Superior de gricultura Luiz de Queiroz Gênese, Morfologia e Classificação de Solos Perfil do solo e horizontes diagnósticos Prof. Rafael Otto Piracicaba, SP 14 de setembro

Leia mais

ESTUDO DE EROSÃO DOS SOLOS NA ÁREA DO MÉDIO ALTO CURSO DO RIO GRANDE, REGIÃO SERRANA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

ESTUDO DE EROSÃO DOS SOLOS NA ÁREA DO MÉDIO ALTO CURSO DO RIO GRANDE, REGIÃO SERRANA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ESTUDO DE EROSÃO DOS SOLOS NA ÁREA DO MÉDIO ALTO CURSO DO Calderano Filho, B. 1 ; Carvalho Júnior, W. 2 ; Calderano, S.B. 3 ; Guerra, A.J.T. 4 ; Polivanov, H. 5 ; 1 EMBRAPA_CNPS Email:bccalder@gmail.com;

Leia mais

República Federativa do Brasil Luis Inácio Lula da Silva Presidente. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Roberto Rodrigues Ministro

República Federativa do Brasil Luis Inácio Lula da Silva Presidente. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Roberto Rodrigues Ministro República Federativa do Brasil Luis Inácio Lula da Silva Presidente Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Roberto Rodrigues Ministro Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - Embrapa

Leia mais

UNIDADES DE PAISAGEM DO PARQUE ESTADUAL DE ITAPEVA - RS

UNIDADES DE PAISAGEM DO PARQUE ESTADUAL DE ITAPEVA - RS UNIDADES DE PAISAGEM DO PARQUE ESTADUAL DE ITAPEVA - RS VERDUM, R. 1 Professor Doutor do Departamento de Geografia/IG/UFRGS; verdum@ufrgs.br. VIEIRA, L. DE F. DOS S. 2 Mestranda do Programa de Pós-graduação

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

AULAS DE RECUPERAÇÃO FINAL 7º ANO: AULAS 6, 7, 20, 27, 34 e 35,36 e 37 E 53.

AULAS DE RECUPERAÇÃO FINAL 7º ANO: AULAS 6, 7, 20, 27, 34 e 35,36 e 37 E 53. AULAS DE RECUPERAÇÃO FINAL 7º ANO: AULAS 6, 7, 20, 27, 34 e 35,36 e 37 E 53. AULAS 6 e 7: O RELEVO BRASILEIRO PLANALTOS BRASILEIROS: Muito desgastados, antigos, conhecidos também como cinturões orogênicos

Leia mais

Tipos de intemperismo

Tipos de intemperismo INTEMPERISMO Conjunto de processos que transformam rochas maciças e tenazes em materiais friáveis solos DESEQUILÍBRIO Tipos de intemperismo Intemperismo físico (desintegração) Processos físicos fragmentação

Leia mais

COMPARTIMENTAÇÃO MORFOPEDOLÓGICA E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DA BACIA DO CÓRREGO AMIANTO, MINAÇU GO

COMPARTIMENTAÇÃO MORFOPEDOLÓGICA E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DA BACIA DO CÓRREGO AMIANTO, MINAÇU GO COMPARTIMENTAÇÃO MORFOPEDOLÓGICA E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DA BACIA DO CÓRREGO AMIANTO, MINAÇU GO Uhênia Caetano PEREIRA Universidade Federal de Goiás (uhenea@hotmail.com) Cláudia Valéria LIMA

Leia mais

LAUDO GEOLÓGICO GEOTÉCNICO GUARITUBA

LAUDO GEOLÓGICO GEOTÉCNICO GUARITUBA LAUDO GEOLÓGICO GEOTÉCNICO GUARITUBA LOCALIZAÇÃO E ACESSO A região de Guarituba esta localizada no Município de Piraquara entre o rio Iguaçu e o rio Itaqui. Os principais acessos à área são a PR 415 e

Leia mais