Ocorrência, gênese e classificação

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ocorrência, gênese e classificação"

Transcrição

1 Universidade Federal Rural de Pernambuco Programa de Pós-Graduação em Ciência do Solo Seminário em Ciência do Solo Ocorrência, gênese e classificação de solos halomórficos no Brasil Orientador: Prof. Mateus Rosas Ribeiro Filho Discente: José Thales Pantaleão Ferreira Recife, outubro de 2009

2 Introdução -Os solos halomórficos se caracterizam por apresentar altas concentrações de sais solúveis, sódio trocável ou ambos (Ribeiro et al., 2003).

3 Problemas com a salinidade e sodicidade: - Redução da produtividade agrícola - Aumento da tensão osmótica da solução do solo - Toxidez para as plantas -Dispersão das argilas - Formação de estruturas colunares ou prismáticas Agravamento dos problemas com a salinidade: - Manejo inadequado da irrigação - Água de rega - Drenagem ineficiente - Material de origem - Textura do solo

4 - Problema com sistema de irrigação. Foto gentilmente cedida pela Profª Betânia - UFRPE

5 Gênese dos solos halomórfico Processo Grupo Genético Classificação química Salinização Solonchak Salino Solonização Solodificação Solonchak Solonétzico Salino-Sódico Dessalinização Solonetz Sódico Solodização Degradação Solonetz Solodizado Sódico Solodi Não-salino e não sódico Fonte: Adaptado de Carvalho (1966) citado por Ribeiro et al., (2003).

6 Solos Salinos - Resultantes do processo de salinização; - As fontes de sais, primordialmente são as rochas; - Está normalmente relacionado com clima árido e semi-árido; - É um processo natural ou induzido.

7 Causas que podem desencadear o processo de salinização: 1- Invasão da água salgada que deposita seus sais nos terrenos atingidos; 2- Acumulação de sais provenientes de áreas circunvizinhas; 3- A ascensão dos sais, originários do próprio terreno e acumulados em camadas não superficiais; 4- Deposição dos sais pela água de rega contendo sais em solução; 5- Elevação dos sais à superfície por ascensão do lençol freático.

8 Características dos Solos Salinos CE 4 ds/m PST < 15% ph < 8,5 RAS < 13 Richards (1954), citado por Freire (2006) - Condições físicas favoráveis, devido a concentração de sais que evita a dispersão das argilas. - Condições químicas desfavoráveis ao desenvolvimento das plantas.

9 - Quando os níveis de salinidade são elevados, pode-se ver eflorescências de sais na superfície do solo. Foto gentilmente cedida pela Profª Betânia - UFRPE

10 - Atriplex, uma das plantas mais usadas para recuperação de solos salinizados. Foto gentilmente cedida pela Profª Betânia - UFRPE

11 Áreas de solos afetados por sais em sete Estados do Nordeste Estados Área Total Área Salina % do Total km 2 km 2 CE RN PB PE AL SE BA Fonte: IBGE (1992)

12 Solos salino-sódicos - Passagem do Na + para o complexo de troca; - Precipitação do Ca 2+ e Mg 2+ ; - Podem se tornar sódicos caso ocorra lixiviação dos sais ; - Antes classificados como Solonchark Solonétzico ; - Solos ainda floculados devido ao excesso de sais ;

13 Neossolo Flúvico Sálico sódico Foto gentilmente cedida pelo Prof. Mateus -UFRPE

14 Características dos Solos Salino - Sódicos CE 4 ds/m PST 15% ph < 8,5 RAS 13 Richards (1954), citado por Freire (2006)

15 Solos sódicos - Denominado Solonetz nos antigos sistemas de classificação ; - Pode ser formado pela lixiviação de um salino-sódico ; -Com a hidrólise ocorre o aumento no ph: Na X + H 2 O H X + NaOH - Dispersão das argilas: * Migração de argilas no perfil do solo; * Formação de estruturas colunares ou primáticas; * Formação de horizonte Btn - Dispersão da matéria orgânica: * Coloração escura ao solo; * Chamados Álcali Negro

16 Características dos Solos Sódicos CE < 4 ds/m PST 15% ph 8,5 RAS 13 Richards (1954), citado por Freire (2006)

17 Planossolo Nátrico Órtico típico (Jataúba) Foto gentilmente cedida pelo Prof. Mateus -UFRPE

18 Solos Halomórficos e o Sistema Brasileiro de Classificação de Solos - Os Solos Halomórficos não constituem classes individualizadas no primeiro nível categórico. - O caráter sálico separa classes nos níveis de subordem e grande grupo; Ex: Gleissolo Sálico e Neossolo Flúvico sálico - O caráter salino usado no nível de subgrupo; Ex: Planossolo Háplico órtico salino - O caráter sódico é geralmente usado no segundo nível e no terceiro nível (subordem e grande grupo); Ex: Neossolo Flúvico sódico - O caráter solódico usado no quarto nível (subgrupo); Ex: Planossolo Háplico eutrófico solódico EMBRAPA (2006)

19 Caráter CE (ds/m) Característica Salino 4 < 7 Quantidade de sais que interfere no desenvolvimento da maioria das culturas. Sálico 7 Quantidade de sais tóxica à maioria das culturas. EMBRAPA (2006)

20 Caráter PST Sódico 15% Solódico 6% < PST < 15% EMBRAPA (2006)

21 Alguns solos pela própria natureza dos processo pedogenético não apresentam problemas com salinidade, Ex: * Nitossolos * Latossolos * Espodossolos Por outro lado altos níveis de salinidade e sodicidade estão relacionados com a formação de classes de solos como: * Neossolos Flúvicos * Vertissolos * Cambissolos * Planossolos * Gleissolos

22 Os solos quando apresentam salinidade e sodicidade em grau moderado, os atributos são utilizados no quarto nível (subgrupo). Exemplos: * Neossolos Flúvicos Tb eutrófico solódico * Vertissolo Cromado órtico salino * Argissolo Amarelo eutrófico planossólico solódico * Cambissolo Háplico Ta eutrófico salino * Luvissolo Crômico órtico solódico * Plintossolo Argilúvico eutrófico solódico * Organossolo Tiomófico fíbrico solódico Ribeiro et al., (2003)

23 Neossolos - Compreendem solos constituídos por material mineral ou orgânico pouco espesso, com pequena expressão dos processos pedogenéticos em consequência. - Neossolos Litólicos apresenta contato litólico. - Neossolo Regolíticos apresenta soprólito a pouca profundidade. - Neossolos Quartzarênicos, são muito arenosos. - Neossolos Flúvicos são formados por sedimentos aluviais, todos situados em relevo aplainado ou deprimido. Oliveira (2008)

24 Neossolo Flúvico Sálico sódico Foto gentilmente cedida pelo Prof. Mateus - UFRPE

25 Vertissolos - Compreende solo constituídos por material mineral apresentando horizonte vértico. - Solos com no mínimo 30% de argila com atividade alta. - Possui problemas com as propriedades de físicas, sobre condutividade hidráulica e a consistência. - Devido a baixa condutividade hidráulica é difícil a lixiviação do excesso de sais. - Exemplos: * Vertissolos Háplicos sálicos; * Vertissolos Háplicos solódico; * Vertissolos Háplicos Órtico salino; Oliveira (2008)

26 Vertissolos Prado (2009)

27 Cambissolos - Esta classe compreende solos constituídos por material mineral com horizonte B incipiente; - Os solos no geral não são muito profundos, apresentando teores relativamente elevados de minerais primários facilmente intemperizáveis e argila de atividade alta; - Os Cambissolos aluviais estão sujeitos a inundações, onde encontra-se: * Horizonte glei; * CAMBISSOLOS Sálicos; * CAMBISSOLOS Salinos; * CAMBISSOLOS Sódicos; * CAMBISSOLOS Solódicos; Oliveira (2008)

28 Gleissolos Foto gentilmente cedida pelo Prof. Mateus - UFRPE

29 Ocorrência, gênese e classificação de solos halomórficos no Brasil Planossolos - Planossolo Nátrico Órtico típico (Sertão) Foto gentilmente cedida pelo Prof. Mateus - UFRPE

30 Considerações Finais - Os Solos Halomórficos ocorrem em regiões com baixas precipitações pluviométricas, elevada evapotranspiração e solos com impedimento à drenagem ou por influência da água do mar; - Os Solos Halomórficos são formados pelos processos de Salinização, Solinização e Solodização; - Os Solos Halomórficos podem ser formados naturalmente ou induzidos por manejos inadequados do solo;

31 Considerações Finais - O Sistema Brasileiro de Classificação de Solos identifica a presença de sais nos solos através dos caráter: Salino, Sálico, Sódico Solódico; - Altos níveis de salinidade e sodicidade estão relacionados com a formação de algumas classes solos.

32 Obrigado pela atenção!

Capítulo 4 CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS ATÉ O 4 O NÍVEL CATEGÓRICO

Capítulo 4 CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS ATÉ O 4 O NÍVEL CATEGÓRICO Capítulo 4 CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS ATÉ O 4 O NÍVEL CATEGÓRICO CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS ATÉ O 4 O NÍVEL CATEGÓRICO A classificação de um solo é obtida a partir dos dados morfológicos, físicos, químicos e

Leia mais

PRINCIPAIS SOLOS DO LITORAL DO PARANÁ

PRINCIPAIS SOLOS DO LITORAL DO PARANÁ PRINCIPAIS SOLOS DO LITORAL DO PARANÁ Prof. Dr. Marcelo R. de Lima (UFPR-Curitiba) mrlima@ufpr.br Prof. M.Sc. Jaime B. dos Santos Junior (UFPA-Altamira) jaime@ufpa.br Os solos são formados pela interação

Leia mais

Os solos corr espondem ao manto de alter ação das rochas por processos de intemper ismo.

Os solos corr espondem ao manto de alter ação das rochas por processos de intemper ismo. Os solos corr espondem ao manto de alter ação das rochas por processos de intemper ismo. Quanto a or igem os solos podem ser: ELUVIAIS Originado da alter ação da r ocha matriz situada abaixo dele. ALUVIAIS

Leia mais

A NOVA CLASSIFICAÇÃO BRASILEIRA DE SOLOS

A NOVA CLASSIFICAÇÃO BRASILEIRA DE SOLOS A NOVA CLASSIFICAÇÃO BRASILEIRA DE SOLOS Paulo Klinger Tito Jacomine Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife, Pernambuco. RESUMO A NOVA CLASSIFICAÇÃO BRASILEIRA DE SOLOS A nova Classificação Brasileira

Leia mais

UMA ANÁLISE DAS CLASSIFICAÇÕES DE SOLO UTILIZADAS NO ENSINO FUNDAMENTAL. Marcelo Ricardo de Lima

UMA ANÁLISE DAS CLASSIFICAÇÕES DE SOLO UTILIZADAS NO ENSINO FUNDAMENTAL. Marcelo Ricardo de Lima Uma análise das classificações de solo utilizadas no ensino fundamental Projeto Solo na Escola - UFPR 1 UMA ANÁLISE DAS CLASSIFICAÇÕES DE SOLO UTILIZADAS NO ENSINO FUNDAMENTAL Marcelo Ricardo de Lima Professor

Leia mais

O GEOPROCESSAMENTO APLICADO A AGRICULTURA: IDENTIFICAÇÃO DOS SOLOS PARA O CULTIVO DE COCO IRRIGADO NO MUNICÍPIO DE RODELAS - BAHIA

O GEOPROCESSAMENTO APLICADO A AGRICULTURA: IDENTIFICAÇÃO DOS SOLOS PARA O CULTIVO DE COCO IRRIGADO NO MUNICÍPIO DE RODELAS - BAHIA O GEOPROCESSAMENTO APLICADO A AGRICULTURA: IDENTIFICAÇÃO DOS SOLOS PARA O CULTIVO DE COCO IRRIGADO NO MUNICÍPIO DE RODELAS - BAHIA Roneíse de Jesus Lima¹, Diêgo Pereira Costa², Raphaela Santana Melo Araujo³,

Leia mais

FUNDAMENTAÇÃO TÉCNICO-CIENTÍFICA E A LEGISLAÇÃO AMBIENTAL

FUNDAMENTAÇÃO TÉCNICO-CIENTÍFICA E A LEGISLAÇÃO AMBIENTAL FUNDAMENTAÇÃO TÉCNICO-CIENTÍFICA E A LEGISLAÇÃO AMBIENTAL GUSTAVO RIBAS CURCIO PESQUISADOR EMBRAPA FLORESTAS COORDENADOR DO PROJETO BIOMAS (41) 3675-3511 PATROCINADORES PONTOS FOCAIS - A legislação ambiental

Leia mais

Perfil representativo de ARGISSOLO VERMELHO Distrófico típico. Descrição geral

Perfil representativo de ARGISSOLO VERMELHO Distrófico típico. Descrição geral Perfis representativos das unidades taxonômicas de solos, com sua classificação taxonômica (Sistema Brasileiro de Classificação de Solos), descrições morfológicas internas e externas e dados das análises

Leia mais

Revisão de geologia e Pedogênese

Revisão de geologia e Pedogênese Revisão de geologia e Pedogênese Ricardo Gonçalves de Castro 1 Minerais Mineral é um sólido homogêneo, com composição química definida, podendo variar dentro de intervalos restritos, formados por processos

Leia mais

AGRICULTURA CONSERVACIONISTA

AGRICULTURA CONSERVACIONISTA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE AGRONOMIA ELISEU MACIEL FAEM DEPARTAMENTO DE SOLOS AGRICULTURA CONSERVACIONISTA MARIA CÂNDIDA M. NUNES nunes.candida@gmail.com UFPEL

Leia mais

A NOVA VERSÃO DO SISTEMA BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE SOLOS (SiBCS) Paulo Klinger Tito Jacomine UFRPE Recife E mail: ricardo @ truenet.com.br.

A NOVA VERSÃO DO SISTEMA BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE SOLOS (SiBCS) Paulo Klinger Tito Jacomine UFRPE Recife E mail: ricardo @ truenet.com.br. 1 A NOVA VERSÃO DO SISTEMA BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE SOLOS (SiBCS) Paulo Klinger Tito Jacomine UFRPE Recife E mail: ricardo @ truenet.com.br. Comitê Executivo da Revisão do Sistema Américo Pereira

Leia mais

Reclassificação dos perfis descritos no Levantamento Exploratório- Reconhecimento de Solos do Estado da Paraíba (1).

Reclassificação dos perfis descritos no Levantamento Exploratório- Reconhecimento de Solos do Estado da Paraíba (1). REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 Volume 6- Número 1-1º Semestre 2006 RESUMO Reclassificação dos perfis descritos no Levantamento Exploratório- Reconhecimento de Solos do Estado da

Leia mais

SOLO NA FAIXA DE INFLUÊNCIA DO RIO MADEIRA, PORTO VELHO-RO A HUMAITÁ-AM

SOLO NA FAIXA DE INFLUÊNCIA DO RIO MADEIRA, PORTO VELHO-RO A HUMAITÁ-AM ANÁLISE DA FERTILIDADE NATURAL (K + ; Ca +2 ; Mg +2 ; Al +3 ) DO SOLO NA FAIXA DE INFLUÊNCIA DO RIO MADEIRA, PORTO VELHO-RO A HUMAITÁ-AM Tatiane Rodrigues Lima 1 Dorisvalder Dias Nunes 2 Ângelo Mansur

Leia mais

Determinação das Durezas Temporária, Permanente e Total de uma Água

Determinação das Durezas Temporária, Permanente e Total de uma Água Determinação das Durezas Temporária, Permanente e Total de uma Água Dureza: Parâmetro característico das águas de abastecimento industrial e doméstico. Em suma é a dificuldade de uma água não dissolver

Leia mais

CICLO DA ÁGUA O ciclo da água corresponde ao conjunto de mudanças, de lugar e de estado físico, que acontecem com a água ao longo do tempo.

CICLO DA ÁGUA O ciclo da água corresponde ao conjunto de mudanças, de lugar e de estado físico, que acontecem com a água ao longo do tempo. CONSIDERAÇÕES INICIAIS Irrigação pode ser definida como sendo a aplicação artificial de água ao solo, em quantidades adequadas, visando proporcionar a umidade adequada ao desenvolvimento normal das plantas

Leia mais

Coeficientes de distribuição de metais pesados em solos de São Paulo. Luís Reynaldo F. Alleoni ESALQ/USP Dep. de Ciência do Solo

Coeficientes de distribuição de metais pesados em solos de São Paulo. Luís Reynaldo F. Alleoni ESALQ/USP Dep. de Ciência do Solo Coeficientes de distribuição de metais pesados em solos de São Paulo Luís Reynaldo F. Alleoni ESALQ/USP Dep. de Ciência do Solo Definição de metais pesados Química - grande grupo de elementos com: densidade

Leia mais

aula Classificação e tipos de solos do Brasil e do estado do Rio Grande do Norte Geografia Física II Autores Fernando Moreira da Silva

aula Classificação e tipos de solos do Brasil e do estado do Rio Grande do Norte Geografia Física II Autores Fernando Moreira da Silva DISCIPLINA Geografia Física II Classificação e tipos de solos do Brasil e do estado do Rio Grande do Norte Autores Fernando Moreira da Silva Marcelo dos Santos Chaves Zuleide Maria C. Lima aula 12 Geo_Fis_II_A12_RF_M_SF_SI_SE_170709.indd

Leia mais

Sistema Brasileiro de Classificação de Solos

Sistema Brasileiro de Classificação de Solos Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Solos Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Sistema Brasileiro de Classificação de Solos 3ª edição revista e ampliada Embrapa Brasília,

Leia mais

CURSO: PÓS GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA DISCIPLINA: CLASSIF. MAPEAMENTO DE SOLOS

CURSO: PÓS GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA DISCIPLINA: CLASSIF. MAPEAMENTO DE SOLOS CURSO: PÓS GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA DISCIPLINA: CLASSIF. MAPEAMENTO DE SOLOS PROF. RENATA SANTOS MOMOLI Eng. Agrônoma Dra. em Solos e Nutrição de Plantas PRINCÍPIOS BÁSICOS 1. Classificação Técnica: diferenciações

Leia mais

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ - UNOCHAPECÓ INTEMPERISMO

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ - UNOCHAPECÓ INTEMPERISMO UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ - UNOCHAPECÓ INTEMPERISMO Prof. Carolina R. Duarte Maluche Baretta Chapecó (SC), Abril de 2013. Intemperismo? Definição: Intemperismo: alterações físicas e

Leia mais

Impactos Ambientais Provenientes da Expansão Urbana Desordenada no Município de Campos dos Goytacazes-RJ.

Impactos Ambientais Provenientes da Expansão Urbana Desordenada no Município de Campos dos Goytacazes-RJ. Impactos Ambientais Provenientes da Expansão Urbana Desordenada no Município de Campos dos Goytacazes-RJ. Aline Nogueira Costa e Helena Polivanov Departamento de Geologia de Engenharia e Ambiental, Universidade

Leia mais

Sumário. Apresentação 04. O que é um dessalinizador 04. Como funciona o sistema de dessalinização 05. Descrição dos componentes 06

Sumário. Apresentação 04. O que é um dessalinizador 04. Como funciona o sistema de dessalinização 05. Descrição dos componentes 06 Sumário Apresentação 04 O que é um dessalinizador 04 Como funciona o sistema de dessalinização 05 Descrição dos componentes 06 Processo de osmose reversa 07 Instrumentação 07 Verificações importantes antes

Leia mais

Zona Vulnerável a Nitratos-Tejo. Condicionalidades e Obrigações. Agricultura Presente, um Projeto com Futuro

Zona Vulnerável a Nitratos-Tejo. Condicionalidades e Obrigações. Agricultura Presente, um Projeto com Futuro Zona Vulnerável a Nitratos-Tejo Condicionalidades e Obrigações Agricultura Presente, Agricultura Presente, um Projeto com Futuro um Projecto com Futuro Santarém 28 de fevereiro de 2015 Agenda 1. Definição

Leia mais

j1111111,11111,1111 (21)PI0902102-7 A2 (22) Data de Depósito: 30/06/2009 (43) Data da Publicação: 09/03/2011 (RPI 2096)

j1111111,11111,1111 (21)PI0902102-7 A2 (22) Data de Depósito: 30/06/2009 (43) Data da Publicação: 09/03/2011 (RPI 2096) (21)PI0902102-7 A2 j1111111,11111,1111 1,1H FLIeraliva (22) Data de Depósito: 30/06/2009 (43) Data da Publicação: 09/03/2011 (RPI 2096) (51) InÉCL: CO2F 1/14 CO2F 9/12 (54) Título: SISTEMA DE DESSALINIZAÇÃO

Leia mais

aula Propriedades dos solos características químicas e mineralógicas Geografia Física II Autores Fernando Moreira da Silva Marcelo dos Santos Chaves

aula Propriedades dos solos características químicas e mineralógicas Geografia Física II Autores Fernando Moreira da Silva Marcelo dos Santos Chaves D I S C I P L I N A Geografia Física II Propriedades dos solos características químicas e mineralógicas Autores Fernando Moreira da Silva Marcelo dos Santos Chaves Zuleide Maria C. Lima aula 09 Governo

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE SOLOS FERRUGINOSOS ALTOMONTANOS DA SERRA DO GANDARELA

CARACTERIZAÇÃO DE SOLOS FERRUGINOSOS ALTOMONTANOS DA SERRA DO GANDARELA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA JOÃO SANTIAGO REIS CARACTERIZAÇÃO DE SOLOS FERRUGINOSOS ALTOMONTANOS DA SERRA DO GANDARELA VIÇOSA MINAS GERAIS - BRASIL

Leia mais

NOVO MAPA NO BRASIL?

NOVO MAPA NO BRASIL? NOVO MAPA NO BRASIL? Como pode acontecer A reconfiguração do mapa do Brasil com os novos Estados e Territórios só será possível após a aprovação em plebiscitos, pelos poderes constituídos dos respectivos

Leia mais

CARTA DE APRESENTAÇÃO

CARTA DE APRESENTAÇÃO CARTA DE APRESENTAÇÃO Fabiano Lima Dantas AV. Almeida Santos, 13, Galés - Brotas Salvador - BA Tel.: (71) 3322-0546 / 9308-9370 E-mail: terralpa1@hotmail.com terralpa@bol.com.br Ao Setor de Recursos da

Leia mais

PRÁTICA DE FUNDAÇÕES NA FORMAÇÃO BARREIRAS

PRÁTICA DE FUNDAÇÕES NA FORMAÇÃO BARREIRAS PRÁTICA DE FUNDAÇÕES NA FORMAÇÃO BARREIRAS Prof. Fábio Lopes Soares, DSc. (UFPB) Consultor da PROJETO Consultoria de Engenharia Consultor da ENGEOBASE Engenharia de Fundações Apresentação - Introdução;

Leia mais

Solos da Reserva Particular do Patrimônio Natural SESC Pantanal

Solos da Reserva Particular do Patrimônio Natural SESC Pantanal SESC - Departamento Nacional Assessoria de Divulgação e Promoção fevereiro / 2011 Conhecendo o Pantanal 7 Solos da Reserva Particular do Patrimônio Natural SESC Pantanal Solos da Reserva Particular do

Leia mais

SIMPÓSIO POLO GESSEIRO DO ARARIPE: POTENCIALIDADES, PROBLEMAS E SOLUÇÕES. Recife 12 a 14 de agosto de 2014 Salão Nobre da UFRPE

SIMPÓSIO POLO GESSEIRO DO ARARIPE: POTENCIALIDADES, PROBLEMAS E SOLUÇÕES. Recife 12 a 14 de agosto de 2014 Salão Nobre da UFRPE SIMPÓSIO POLO GESSEIRO DO ARARIPE: POTENCIALIDADES, PROBLEMAS E SOLUÇÕES Recife 12 a 14 de agosto de 2014 Salão Nobre da UFRPE O Território do Sertão do Araripe é formado por 10 municípios: Araripina,

Leia mais

A DEFICIÊNCIA HÍDRICA NO BRASIL Reflexo da falta de planejamento

A DEFICIÊNCIA HÍDRICA NO BRASIL Reflexo da falta de planejamento ISSN 1983-6015 PESAGRO-RIO - Nº 55 - agosto/2015 - Niterói - RJ A DEFICIÊNCIA HÍDRICA NO BRASIL Reflexo da falta de planejamento 1 1 1 Luiz de Morais Rego Filho ; Alcilio Vieira ; Julio Cesar da Silva

Leia mais

Palavras-chave: semiárido, relação solo-paisagem, caatinga.

Palavras-chave: semiárido, relação solo-paisagem, caatinga. RELAÇÃO SOLO E PAISAGEM NO BIOMA CAATINGA José Coelho de Araújo Filho, Eng. Agrôn., D.Sc. (IGc/USP), pesquisador da Embrapa Solos UEP-Recife, Rua Antônio Falcão, 402 - Boa Viagem, Recife - PE Brasil, CEP:

Leia mais

QUÍMICA (2ºBimestre 1ºano)

QUÍMICA (2ºBimestre 1ºano) QUÍMICA (2ºBimestre 1ºano) TABELA PERIÓDICA ATUAL Exemplo: Se o K (potássio) encontra-se no 4º período ele possui 4 camadas. Nº atômico = Z 19 K-2; L-8, M-8; N-1 Propriedades gerais dos elementos Metais:

Leia mais

Professora Dra. da Universidade Estadual de Maringá (UEM), campus regional de Umuarama; e-mail: vanilde@yahoo.com

Professora Dra. da Universidade Estadual de Maringá (UEM), campus regional de Umuarama; e-mail: vanilde@yahoo.com ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 IMPORTÂNCIA DA CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS NO SISTEMA BRASILEIRO E QUANTO A CAPACIDADE DE USO

Leia mais

Veracel Celulose S/A Programa de Monitoramento Hidrológico em Microbacias Período: 2006 a 2009 RESUMO EXECUTIVO

Veracel Celulose S/A Programa de Monitoramento Hidrológico em Microbacias Período: 2006 a 2009 RESUMO EXECUTIVO Veracel Celulose S/A Programa de Monitoramento Hidrológico em Microbacias Período: 2006 a 2009 RESUMO EXECUTIVO Alcançar e manter índices ótimos de produtividade florestal é o objetivo principal do manejo

Leia mais

CURSO: PPGA DISCIPLINA: MAPEAMENTO E CLASSIFICAÇÃO DO SOLO

CURSO: PPGA DISCIPLINA: MAPEAMENTO E CLASSIFICAÇÃO DO SOLO CURSO: PPGA DISCIPLINA: MAPEAMENTO E CLASSIFICAÇÃO DO SOLO Adaptado de Solos do Brasil (Benjamim Pereira Vilela e Selma Simões de Castro) PROF. RENATA SANTOS MOMOLI Eng. Agrônoma Dra. em Solos e Nutrição

Leia mais

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 4A AULA 11. Profº André Tomasini

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 4A AULA 11. Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 4A AULA 11 Profº André Tomasini ÁGUAS CONTINENTAIS Os oceanos e mares cobrem 2/3 da superfície do planeta. Águas Oceânicas : Abrange oceanos e mares. Águas Continentais: Rios,

Leia mais

Pedologia Fácil. Aplicações em solos tropicais. Fácil. Hélio do Prado. Hélio do Prado. Pedologia. Pedologia Fácil - Aplicações em solos tropicais

Pedologia Fácil. Aplicações em solos tropicais. Fácil. Hélio do Prado. Hélio do Prado. Pedologia. Pedologia Fácil - Aplicações em solos tropicais zootecnia, biologia, geologia, geomorfologia e ecologia podem conhecer de uma forma simples os critérios de classificação dos solos do Brasil, correlacionados com a classificação dos Estados Unidos e da

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 1ª PROVA PARCIAL DE CIÊNCIAS Aluno(a): Nº Ano: 6º Turma: Data: 02/04/2011 Nota: Professora: Karina Valor da Prova: 50 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

EXPERIMENTOTECA DE SOLOS SALINIDADE DO SOLO

EXPERIMENTOTECA DE SOLOS SALINIDADE DO SOLO EXPERIMENTOTECA DE SOLOS SALINIDADE DO SOLO Maria Harumi Yoshioka (Acadêmica do Curso de Engenharia Florestal/UFPR) Marcelo Ricardo de Lima (Prof. Doutor do DSEA/UFPR) ATENÇÃO: Copyright 2005 - Departamento

Leia mais

Universidade Estadual Paulista Campus de Dracena Disciplina: Solos. Estrutura do Solo. Prof. Dr. Reges Heinrichs 2010

Universidade Estadual Paulista Campus de Dracena Disciplina: Solos. Estrutura do Solo. Prof. Dr. Reges Heinrichs 2010 Universidade Estadual Paulista Campus de Dracena Disciplina: Solos Estrutura do Solo Prof. Dr. Reges Heinrichs 2010 Estrutura do Solo É o resultado da agregação das partículas primárias, originando formas

Leia mais

Pedologia. Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br

Pedologia. Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br Pedologia Professor: Cláudio Custódio Conceitos: Mineração: solo é um detrito que deve ser separado dos minerais explorados. Ecologia: é um sistema vivo composto por partículas minerais e orgânicas que

Leia mais

O USO E OCUPAÇÃO DA BACIA DO ALTO CURSO DO RIO UBERABINHA, MG E OS REFLEXOS NA PERMEABILIDADE DO SOLO E NA RECARGA DA ZONA SATURADA FREÁTICA

O USO E OCUPAÇÃO DA BACIA DO ALTO CURSO DO RIO UBERABINHA, MG E OS REFLEXOS NA PERMEABILIDADE DO SOLO E NA RECARGA DA ZONA SATURADA FREÁTICA O USO E OCUPAÇÃO DA BACIA DO ALTO CURSO DO RIO UBERABINHA, MG E OS REFLEXOS NA PERMEABILIDADE DO SOLO E NA RECARGA DA ZONA SATURADA FREÁTICA Autora: Ângela Maria Soares UFTM Universidade Federal do Triângulo

Leia mais

Erosão Eólica no Brasil

Erosão Eólica no Brasil Erosão Eólica no Brasil Identificação de Formas de Erosão Hídrica: Impacto da gota de chuva Laminar (Grau) Sulcos (Prof. e Freq.) Pináculo Pedestal Túnel Deslocamento de massa Voçorocas (Prof, área, bacia

Leia mais

CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS SERES VIVOS PROF. PANTHERA

CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS SERES VIVOS PROF. PANTHERA CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS SERES VIVOS PROF. PANTHERA COMPOSIÇÃO QUÍMICA COMPLEXA Está representada por: Substâncias inorgânicas: água e sais minerais. Substâncias orgânicas (possuem o carbono como elemento

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Agricultura Familiar; Reuso de água; Semiárido.

PALAVRAS-CHAVE: Agricultura Familiar; Reuso de água; Semiárido. 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 QUALIDADE DE SOLO IRRIGADO POR EFLUENTE TRATADO PELO BIOÁGUA FAMILIAR Fábio dos Santos Santiago 2 ; Solange Aparecida Goularte

Leia mais

Fonte: Rondônia Rural Disponível em: Rondônia Rural.com

Fonte: Rondônia Rural Disponível em: Rondônia Rural.com I. INTRODUÇÃO O estado de Rondônia está localizado na região Norte do Brasil, a região Norte é a maior das cinco regiões do Brasil definidas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)

Leia mais

2.Óxidos!!! Óxidos Modelo Simples 16/08/2012. Óxidos de ferro Modelo Simples Hematita, Goethita

2.Óxidos!!! Óxidos Modelo Simples 16/08/2012. Óxidos de ferro Modelo Simples Hematita, Goethita 2.Óxidos!!! Geralmente são mais abundantes à medida em que o solo fica mais intemperizado (lembrese do índice ki calculado na aula prática); Além de CTC, podem desenvolver cargas positivas (CTA), que quando

Leia mais

Simpósio Brasileiro de Solos Arenosos. Características Gerais da Fertilidade dos Solos Arenosos no Brasil

Simpósio Brasileiro de Solos Arenosos. Características Gerais da Fertilidade dos Solos Arenosos no Brasil jose.ronaldo@embrapa.br www.embrapa.br/cnps Simpósio Brasileiro de Solos Arenosos Características Gerais da Fertilidade dos Solos Arenosos no Brasil Presidente Prudente 2014 José Ronaldo de Macedo Embrapa

Leia mais

Solos Transportados (Sedimentares): Solo Aluvial, Solo Lacustre, Solo Coluvial, Solo Eólico e Solo Marinho

Solos Transportados (Sedimentares): Solo Aluvial, Solo Lacustre, Solo Coluvial, Solo Eólico e Solo Marinho Formação dos Solos Solos Transportados (Sedimentares): Solo Aluvial, Solo Lacustre, Solo Coluvial, Solo Eólico e Solo Marinho Bibliografia: Notas de aula (apostila) de Geotécnica, Prof. Reno Reine Castello

Leia mais

Curso de Engenharia Civil

Curso de Engenharia Civil Curso de Engenharia Civil Disciplina: Mecânica dos Solos Período: 5º semestre Professor: Luiz Antonio do Nascimento Email: ladnascimento@gmail.com Página: www.lnascimento.com.br Sondagem A investigação

Leia mais

Sistemas da UFRN : iproject SUMÁRIO 3.MENU TESTES (DALTON ESTÁ ALTERANDO)...9 4.MENU ATUALIZAR EM PRODUÇÃO...10 6.MENU ATUALIZAR BANCO...

Sistemas da UFRN : iproject SUMÁRIO 3.MENU TESTES (DALTON ESTÁ ALTERANDO)...9 4.MENU ATUALIZAR EM PRODUÇÃO...10 6.MENU ATUALIZAR BANCO... Sistemas da UFRN : iproject SUMÁRIO 1.INTRODUÇÃO...4 2.MENU TAREFAS/UC...5 3.MENU TESTES (DALTON ESTÁ ALTERANDO)...9 4.MENU ATUALIZAR EM PRODUÇÃO...10 5.MENU SUPORTE...12 6.MENU ATUALIZAR BANCO...13 7.MENU

Leia mais

PARALISIA CEREBRAL: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA ACERCA DA INCLUSÃO ESCOLAR

PARALISIA CEREBRAL: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA ACERCA DA INCLUSÃO ESCOLAR EDUCAÇÃO FÍSICA E PARALISIA CEREBRAL: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA ACERCA DA INCLUSÃO ESCOLAR Gabrielle Cristina Sanchez Adriana Garcia Gonçalves São Carlos - UFSCar Eixo Temático: 9 Pesquisa e Inovação Metodológica

Leia mais

Estado. Observado. Estrutura strutura da Salinidade alinidade dos Oceanosceanos. Médio

Estado. Observado. Estrutura strutura da Salinidade alinidade dos Oceanosceanos. Médio Estado Médio Observado Estrutura strutura da Salinidade alinidade dos Oceanosceanos Introdução O entendimento dos fluxos de calor e água doce é fundamental para a compreensão da distribuição de temperatura

Leia mais

Aula 3: Prof. Dr. Marx Leandro Naves Silva

Aula 3: Prof. Dr. Marx Leandro Naves Silva PCS 502 CONSERVAÇÃO DO SOLO E DA ÁGUA Aula 3: FATORES DETERMINANTES DA EROSÃO. ERODIBILIDADE DO SOLO. MÉTODOS PARA A ESTIMATIVA DE ERODIBILIDADE. TIPOS DE PRECIPITAÇÃO. EROSIVIDADE DA CHUVA. MÉTODO PARA

Leia mais

FUNGOS: UMA ANÁLISE EXPERIMENTAL SOBRE OS AGENTES CAUSADORES DE PROBLEMAS AOS PRODUTOS TÊXTEIS

FUNGOS: UMA ANÁLISE EXPERIMENTAL SOBRE OS AGENTES CAUSADORES DE PROBLEMAS AOS PRODUTOS TÊXTEIS FUNGOS: UMA ANÁLISE EXPERIMENTAL SOBRE OS AGENTES CAUSADORES DE PROBLEMAS AOS PRODUTOS TÊXTEIS Júlia Carla de Queiroz 1, Veronica Rodrigues de Mendonça 2, Ammanda Adhemer Albuquerque Bandeira 3, Etienne

Leia mais

O manejo e a conservação do solo no Semi-árido baiano:

O manejo e a conservação do solo no Semi-árido baiano: Foto: Acervo Biblioteca SEAGRI - BA O manejo e a conservação do solo no Semi-árido baiano: desafios para a sustentabilidade José Fernandes de Melo Filho* André Leonardo Vasconcelos Souza** Os ambientes

Leia mais

PANORAMA DAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO EM MATO GROSSO

PANORAMA DAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO EM MATO GROSSO PANORAMA DAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO EM MATO GROSSO Gabriela Victória Corrêa da Silva 1, Jessica Maria Klemp Moura, Marcelo Sacardi Biudes, Nadja Gomes Machado 1 Laboratório de Biologia da Conservação,

Leia mais

Composição e Morfologia de Solos Prof. Fernando Ximenes T. Salomão. UFMT- Cuiabá 2010

Composição e Morfologia de Solos Prof. Fernando Ximenes T. Salomão. UFMT- Cuiabá 2010 Composição e Morfologia de Solos Prof. Fernando Ximenes T. Salomão UFMT- Cuiabá 2010 1 Solo: Composição do solo Minerais Matéria Orgânica ar Água 2 Distribuição volumétrica dos constituintes de dois solos

Leia mais

INFORME ETENE. INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NO NORDESTE 2ª Edição 1. INTRODUÇÃO

INFORME ETENE. INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NO NORDESTE 2ª Edição 1. INTRODUÇÃO Ano V Maio de 2011 Nº 8 INFORME ETENE Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste - ETENE Ambiente de Estudos, Pesquisas e Avaliação-AEPA Célula de Estudos e Pesquisas Macroeconômicas, Industriais

Leia mais

Reconhecer as diferenças

Reconhecer as diferenças A U A UL LA Reconhecer as diferenças Nesta aula, vamos aprender que os solos são o resultado mais imediato da integração dos processos físicos e biológicos na superfície da Terra. A formação e o desenvolvimento

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ETNOBIOLOGIA E CONSERVAÇÃO DA NATUREZA -Doutorado-

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ETNOBIOLOGIA E CONSERVAÇÃO DA NATUREZA -Doutorado- PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ETNOBIOLOGIA E CONSERVAÇÃO DA NATUREZA -Doutorado- URCA UEPB MANUAL DO DOUTORANDO Recife, 2012 1 O que é o PPGEtno? O Programa de Pós-Graduação em Etnobiologia e Conservação

Leia mais

8/29/2011. J. Miguel Reichert, PhD. Conceito de solos. Histórico. (Prof. Ricardo Dalmolin)

8/29/2011. J. Miguel Reichert, PhD. Conceito de solos. Histórico. (Prof. Ricardo Dalmolin) Fatores de formação do solo J. Miguel Reichert, PhD (Prof. Ricardo Dalmolin) 2. Solos florestais e desenvolvimento de vegetação O solo como corpo natural Fatores e processos de formação do solo Propriedades

Leia mais

3 Descrição Fisiográfica e Geológica da Região

3 Descrição Fisiográfica e Geológica da Região 3 Descrição Fisiográfica e Geológica da Região As linhas de transmissão de energia elétrica, como comentado anteriormente, possuem traçados longos com grande espaçamento entre seus suportes. Num país de

Leia mais

Aptidão dos solos para o cultivo do arroz irrigado no estado do Rio Grande do Sul

Aptidão dos solos para o cultivo do arroz irrigado no estado do Rio Grande do Sul Aptidão dos solos para o cultivo do arroz irrigado no estado do Rio Grande do Sul Carlos Alberto Flores José Maria Filippini Alba Pesquisadores da Embrapa Clima Temperado flores@cpact.embrapa.br fili@cpact.embrapa.br

Leia mais

Concimi Speciali PH DE CALDA 137

Concimi Speciali PH DE CALDA 137 Concimi Speciali PH DE CALDA RELATÓRIO DO MULTICARE COMO ACIDIFICANTE E QUEBRA DE DUREZA DA ÁGUA, NA FAZENDA AGRÍCOLA FAMOSA (POÇO 02). RELATÓRIO DO MULTICARE COMO ACIDIFICANTE E QUEBRA DE DUREZA DA ÁGUA,

Leia mais

Vanir Tiscoski Junior CURITIBA / PR RELATÓRIO DE SONDAGENS A PERCUSSÃO

Vanir Tiscoski Junior CURITIBA / PR RELATÓRIO DE SONDAGENS A PERCUSSÃO Vanir Tiscoski Junior CURITIBA / PR RELATÓRIO DE SONDAGENS A PERCUSSÃO ELABORAÇÃO Dezembro / 2013 Sumário 1 Introdução... 3 2- ABORDAGEM TEÓRICA - SISTEMA DEPOSICIONAL FLUVIAL MEANDRANTE... 3 3 TRABALH

Leia mais

Teoria dos erros em medições

Teoria dos erros em medições Teoria dos erros em medições Medições Podemos obter medidas diretamente e indiretamente. Diretas - quando o aparelho ( instrumento ) pode ser aplicado no terreno. Indireta - quando se obtêm a medição após

Leia mais

Monitoramento Nutricional e Recomendação de Adubação

Monitoramento Nutricional e Recomendação de Adubação NU REE Programa em Nutrição e Solos Florestais DPS - SIF - UFV - Viçosa - MG UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS Monitoramento Nutricional e Recomendação de Adubação Contribuição

Leia mais

MAPEAMENTO DE CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS PARA O MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL, RS, BRASIL CLASSIFICATION MAPPING SOIL FOR THE CITY OF SÃO GABRIEL, RS, BRAZIL

MAPEAMENTO DE CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS PARA O MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL, RS, BRASIL CLASSIFICATION MAPPING SOIL FOR THE CITY OF SÃO GABRIEL, RS, BRAZIL Eixo Temático: Inovação e Sustentabilidade MAPEAMENTO DE CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS PARA O MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL, RS, BRASIL CLASSIFICATION MAPPING SOIL FOR THE CITY OF SÃO GABRIEL, RS, BRAZIL Tharso José

Leia mais

SOLOS DO MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA

SOLOS DO MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA SOLOS DO MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA Anderson Clayton Rhoden 1 ; Fabiana Raquel Muhl 2 ; Neuri Antônio Feldmann 3 ; Joel Hennecka 4 ; Odair José Lucatelli 4 ; Tamires Oviedo 4 Palavras chaves: Argissolo, Cambissolo,

Leia mais

Mudanças Climáticas e Desertificação: Implicações para o Nordeste. Antonio R. Magalhães Agosto 2007

Mudanças Climáticas e Desertificação: Implicações para o Nordeste. Antonio R. Magalhães Agosto 2007 Mudanças Climáticas e Desertificação: Implicações para o Nordeste Antonio R. Magalhães Agosto 2007 ROTEIRO Introdução Definições Cenários Impactos Adaptação e Mitigação Vulnerabilidade Desenvolvimento

Leia mais

Mapa Pedológico Digital - SIG Atualizado do Distrito Federal Escala 1:100.000 e uma Síntese do Texto Explicativo

Mapa Pedológico Digital - SIG Atualizado do Distrito Federal Escala 1:100.000 e uma Síntese do Texto Explicativo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento ISSN 1517-5111 Junho, 2004 120 Mapa Pedológico Digital - SIG Atualizado do Distrito Federal Escala 1:100.000 e uma Síntese do Texto Explicativo ISSN

Leia mais

CONTROLE DA QUALIDADE TOTAL (TQC)

CONTROLE DA QUALIDADE TOTAL (TQC) CONTROLE DA QUALIDADE TOTAL (TQC) Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT 1 Objetivos de uma empresa Objetivo principal Pessoas Meios Satisfação das necessidades das pessoas CONSUMIDORES EMPREGADOS ACIONISTAS

Leia mais

AVALIAÇÃO DO USO DA TERRA NO PROJETO DE ASSENTAMENTO CHE GUEVARA, MIMOSO DO SUL, ESPÍRITO SANTO

AVALIAÇÃO DO USO DA TERRA NO PROJETO DE ASSENTAMENTO CHE GUEVARA, MIMOSO DO SUL, ESPÍRITO SANTO AVALIAÇÃO DO USO DA TERRA NO PROJETO DE ASSENTAMENTO CHE GUEVARA, MIMOSO DO SUL, ESPÍRITO SANTO Natália Aragão de Figueredo 1, Paulo Henrique Dias Barbosa 2, Thiago Dannemann Vargas 3, João Luiz Lani 4

Leia mais

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB Yuri Tomaz Neves 1 ; Laércio Leal dos Santos 2 ; Jonathan Nóbrega Gomes 3 ; Bruno Menezes

Leia mais

Experiências no uso de águas residuais em irrigação em Israel

Experiências no uso de águas residuais em irrigação em Israel Experiências no uso de águas residuais em irrigação em Israel WORK SHOP- REUSO DE ÁGUAS Eng Agr Ayrton Freddi Jr Fortaleza Ce: 07 e 08 de Outubro de 2013 Linha do tempo 1937 1970 2001 2007 2012 Naan Irrigation

Leia mais

Universidade Federal de Viçosa Centro de Ciências Agrárias Departamento de Solos

Universidade Federal de Viçosa Centro de Ciências Agrárias Departamento de Solos Universidade Federal de Viçosa Centro de Ciências Agrárias Departamento de Solos Metais Pesados em Solos do Brasil: Influência do Material de Origem e Valores Anômalos Jaime W. V. de Mello Walter A. P.

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS RESÍDUOS GERADOS PELOS DOMICÍLIOS LOCALIZADOS NO DISTRITO INDUSTRIAL DO MUNICÍPIO DE CÁCERES

LEVANTAMENTO DOS RESÍDUOS GERADOS PELOS DOMICÍLIOS LOCALIZADOS NO DISTRITO INDUSTRIAL DO MUNICÍPIO DE CÁCERES LEVANTAMENTO DOS RESÍDUOS GERADOS PELOS DOMICÍLIOS LOCALIZADOS NO DISTRITO INDUSTRIAL DO MUNICÍPIO DE CÁCERES 1 Paula Mendes dos Santos Graduada em Ciências Biológicas pela UNEMAT. Graduanda em Tecnologia

Leia mais

Indicadores Sociais Municipais 2010. Uma análise dos resultados do universo do Censo Demográfico 2010

Indicadores Sociais Municipais 2010. Uma análise dos resultados do universo do Censo Demográfico 2010 Diretoria de Pesquisas Coordenação de População e Indicadores Sociais Indicadores Sociais Municipais 2010 Uma análise dos resultados do universo do Censo Demográfico 2010 Rio, 16/11/ 2011 Justificativa:

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO PROCESSO DE SALINO-SODIFICAÇÃO NO PERÍMETRO IRRIGADO JABIBERI-SE 1 RESUMO

DIAGNÓSTICO DO PROCESSO DE SALINO-SODIFICAÇÃO NO PERÍMETRO IRRIGADO JABIBERI-SE 1 RESUMO 448 Irriga, Botucatu, v. 11, n. 4, p. 448-459, outubro-dezembro, 2006 ISSN 1808-3765 DIAGNÓSTICO DO PROCESSO DE SALINO-SODIFICAÇÃO NO PERÍMETRO IRRIGADO JABIBERI-SE Antenor de Oliveira Aguiar Netto; Regina

Leia mais

Caracterização química e biológica de solos com diferentes históricos de manejo e uso no Agreste Meridional Pernambucano.

Caracterização química e biológica de solos com diferentes históricos de manejo e uso no Agreste Meridional Pernambucano. Universidade Federal Rural de Pernambuco Programa de Pós-Graduação em Ciência do Solo Disciplina: Seminário III Caracterização química e biológica de solos com diferentes históricos de manejo e uso no

Leia mais

PRÁTICAS MECÂNICAS DE CONTROLE DA EROSÃO

PRÁTICAS MECÂNICAS DE CONTROLE DA EROSÃO DISCIPLINA: GCS 104 PRÁTICAS MECÂNICAS DE CONTROLE DA EROSÃO 3ª AULA PRÁTICA II SEMESTRE/2010 TERRAÇO: Canal e CAMALHÃO CANAL CAMALHÃO Classificação dos terraços: Quanto a função: Terraço em nível ou de

Leia mais

Estalactites e Estalagmites

Estalactites e Estalagmites Escola Secundária José Saramago Mafra Química Estalactites e Estalagmites Docente: Marília Peres Discente: Catarina Duarte Turma: 11º C 13 de Abril de 2007 1 Índice O que se entende por estalactites e

Leia mais

Novas tecnologias para o desenvolvimento produtivo baseado na experiência do desenvolvimento do Cerrado Brasileiro

Novas tecnologias para o desenvolvimento produtivo baseado na experiência do desenvolvimento do Cerrado Brasileiro Novas tecnologias para o desenvolvimento produtivo baseado na experiência do desenvolvimento do Cerrado Brasileiro Cláudio Takao Karia Chefe Adjunto de P&D Embrapa Cerrados VI Foro por el desarrollo de

Leia mais

Tecnologias para disposição final de resíduos sólidos urbanos em municípios de pequeno porte. Dr. Cristiano Kenji Iwai

Tecnologias para disposição final de resíduos sólidos urbanos em municípios de pequeno porte. Dr. Cristiano Kenji Iwai Tecnologias para disposição final de resíduos sólidos urbanos em municípios de pequeno porte Dr. Cristiano Kenji Iwai Belo Horizonte Março/2013 Introdução Condições da disposição de resíduos no Brasil

Leia mais

Tratamento de Água Osmose Reversa

Tratamento de Água Osmose Reversa Tratamento de Água Osmose Reversa O que é osmose? Tendência natural dos líquidos (p.ex., água) a se deslocarem do lado menos concentrado (em soluto) para o lado mais concentrado (em soluto) de uma membrana

Leia mais

ROTEIRO ENTREGUE NA AULA PRÁTICA

ROTEIRO ENTREGUE NA AULA PRÁTICA ROTEIRO ENTREGUE NA AULA PRÁTICA 1 - FILO MOLLUSCA CLASSE GASTROPODA CONCHA A concha típica dos gastrópodes é uma espiral cônica assimétrica, composta de voltas tubulares e contendo a massa visceral do

Leia mais

Aptidão Agrícola das Terras da Bacia do Alto Curso do Rio Descoberto, DF/GO, escala de 1:100.000. ISSN 1676-918X Dezembro, 2003

Aptidão Agrícola das Terras da Bacia do Alto Curso do Rio Descoberto, DF/GO, escala de 1:100.000. ISSN 1676-918X Dezembro, 2003 Aptidão Agrícola das Terras da Bacia do Alto Curso do Rio Descoberto, DF/GO, escala de 1:100.000 115 ISSN 1676-918X Dezembro, 2003 ISSN 1676-918X Dezembro, 2003 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CONHECIMENTO DOS AGRICULTORES DO ASSENTAMENTO SANTA CRUZ, NO MUNICIPIO DE CAMPINA GRANDE - PB

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CONHECIMENTO DOS AGRICULTORES DO ASSENTAMENTO SANTA CRUZ, NO MUNICIPIO DE CAMPINA GRANDE - PB DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CONHECIMENTO DOS AGRICULTORES DO ASSENTAMENTO SANTA CRUZ, NO MUNICIPIO DE CAMPINA GRANDE - PB Autor: Josué Souza Martins Universidade Federal da Paraíba josué.mart@hotmail.com;

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA PESQUISA MINERAL

LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA PESQUISA MINERAL LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA PESQUISA MINERAL 1 PESQUISA MINERAL PRELIMINARES 2 Alvará de Pesquisa Mineral O título para a pesquisa mineral é a autorização, denominada no Brasil de Alvará de Pesquisa, concedida

Leia mais

QUALIDADE DA ÁGUA DE RESERVATÓRIOS DE BACIA ANTROPIZADA NO NORDESTE: POTENCIAL DE USO DA ÁGUA NA IRRIGAÇÃO

QUALIDADE DA ÁGUA DE RESERVATÓRIOS DE BACIA ANTROPIZADA NO NORDESTE: POTENCIAL DE USO DA ÁGUA NA IRRIGAÇÃO QUALIDADE DA ÁGUA DE RESERVATÓRIOS DE BACIA ANTROPIZADA NO NORDESTE: POTENCIAL DE USO DA ÁGUA NA IRRIGAÇÃO Halison Alves da Costa 1* ; Ismael Romão dos Santos 1 ; José Normand Vieira Fernandes 1 ; Joseilson

Leia mais

Noções sobre tipos de estrutura do solo e sua importância para o manejo conservacionista

Noções sobre tipos de estrutura do solo e sua importância para o manejo conservacionista Comunicado Técnico Dezembro, 51 ISSN 1517-5685 Rio de Janeiro, RJ 2008 Noções sobre tipos de estrutura do solo e sua importância para o manejo conservacionista Cláudio Lucas Capeche 1 1. Introdução No

Leia mais

3. Região do Bolsão FIGURA 14. Região de Planejamento do Estado de Mato Grosso do Sul - Bolsão

3. Região do Bolsão FIGURA 14. Região de Planejamento do Estado de Mato Grosso do Sul - Bolsão 3. Região do Bolsão FIGURA 14. Região de Planejamento do Estado de Mato Grosso do Sul - Bolsão R egião localizada à NE do Estado, com características muito próprias, devido à sua estreita ligação e proximidade

Leia mais

GEOMETRIA. sólidos geométricos, regiões planas e contornos PRISMAS SÓLIDOS GEOMÉTRICOS REGIÕES PLANAS CONTORNOS

GEOMETRIA. sólidos geométricos, regiões planas e contornos PRISMAS SÓLIDOS GEOMÉTRICOS REGIÕES PLANAS CONTORNOS PRISMAS Os prismas são sólidos geométricos muito utilizados na construção civil e indústria. PRISMAS base Os poliedros representados a seguir são denominados prismas. face lateral base Nesses prismas,

Leia mais

Vagas autorizadas. 4.146 vagas* autorizadas em 1.294 municípios e 12 DSEIs *35 vagas nos Distritos Indígenas e 361 vagas de reposição

Vagas autorizadas. 4.146 vagas* autorizadas em 1.294 municípios e 12 DSEIs *35 vagas nos Distritos Indígenas e 361 vagas de reposição Vagas autorizadas 4.146 vagas* autorizadas em 1.294 municípios e 12 DSEIs *35 vagas nos Distritos Indígenas e 361 vagas de reposição Fonte: IBGE e MS. Datum: SIRGAS2000 Elaboração: MS/SGTES/DEPREPS Data:

Leia mais

Caracterização pedológica do entorno do Rio Inhandava-RS

Caracterização pedológica do entorno do Rio Inhandava-RS Caracterização pedológica do entorno do Rio Inhandava-RS Francisco G. Magro 1, Evanisa Fátima Reginato Quevedo Melo 2, Silvio Túlio Spera 3, Mozara Benetti 4 e Rubens Marcon Astolfi 5 1 Universidade de

Leia mais

Documentos. O Novo Mapa de Solos do Brasil Legenda Atualizada escala 1:5.000.000. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Documentos. O Novo Mapa de Solos do Brasil Legenda Atualizada escala 1:5.000.000. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Documentos ISSN 1517-2627 Dezembro, 2011 130 O Novo Mapa de Solos do Brasil Legenda Atualizada escala 1:5.000.000 ISSN 1517-2627 Dezembro, 2011 Empresa

Leia mais

MAPEAMENTO DAS UNIDADES GEOMORFOLÓGICAS DOS MUNICÍPIOS DE CASTELO DO PIAUÍ E JUAZEIRO DO PIAUÍ, PIAUÍ, BRASIL

MAPEAMENTO DAS UNIDADES GEOMORFOLÓGICAS DOS MUNICÍPIOS DE CASTELO DO PIAUÍ E JUAZEIRO DO PIAUÍ, PIAUÍ, BRASIL MAPEAMENTO DAS UNIDADES GEOMORFOLÓGICAS DOS MUNICÍPIOS DE dos Santos, F.A. 1 ; 1 IFPI / UFPI Email:francilio.amorim@ifpi.edu.br; RESUMO: O estudo objetivou identificar as características geoambientais

Leia mais