UNIDADES ECODINÂMICAS DA PAISAGEM DO MUNICÍPIO DE JEREMOABO- BA.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIDADES ECODINÂMICAS DA PAISAGEM DO MUNICÍPIO DE JEREMOABO- BA."

Transcrição

1 UNIDADES ECODINÂMICAS DA PAISAGEM DO MUNICÍPIO DE JEREMOABO- BA. Ivonice Sena de Souza 1, Ana Paula Sena de Souza 2, Danilo da Silva Carneiro 3, Jumara Souza Alves 4, Marcos Roberto Souza Santos 5, Deorgia Tayane Mendes de Souza 6. 1 Geografia, Estudante de Graduação, UEFS, Feira de Santana -BA, 2 Geografia, Estudante de Graduação, UEFS, Feira de Santana -BA, 3 Geografia, Estudante de Graduação, UEFS, Feira de Santana -BA, 4 Geografia, Estudante de Graduação, UEFS, Feira de Santana -BA, 5 Geografia, Estudante de Graduação, UEFS, Feira de Santana -BA, 6 Geógrafa, Professora do Depto. Ciências Humanas e Filosofia, UEFS, Feira de Santana-BA, RESUMO: O presente estudo foi desenvolvido no município de Jeremoabo, localizado na região do Nordeste no Norte do Estado da Bahia. O objetivo deste trabalho consistiu em realizar os mapas de susceptibilidade do solo aos processos erosivos, da geologia, da geomorfologia e do uso do solo do município de Jeremoabo- BA, por meio das ferramentas disponíveis no Sistema de Informações Geográficas, através da lógica fuzzy. A metodologia utilizada foi com base no método da Ecodinâmica, utilizando também como conceito e na reinterpretação de dados temáticos preexistentes e reclassificação desses mapas para valores de susceptibildade aos processos erosivos. Nas áreas encontradas com estabilidade temos a presença de Latossolos (bastante intemperizado), neste caso, existe a prevalência da pedogênese sobre a morfogênese. As classes de solos que foram classificadas como unidades instáveis foram os Neossolos Quatzarênicos e Litólicos, estes solos estão em processo de formação e são pouco intemperizados. A partir da modelagem e com base no método da Ecodinâmica, foi classificada a paisagem em unidade Intergrades. PALAVRAS-CHAVE: ecodinâmica, sistemas de informações geográficas, susceptibilidade a erosão INTRODUÇÃO: De acordo com Tricart (1977) uma unidade ecodinâmica é caracterizada a partir da morfodinamica da Paisagem, esta dinâmica é caracterizada pela relação morfogênese e pedogênese. Ainda segundo Tricart (1977) o conceito de unidades ecodinâmicas é integrado no conceito de ecossistemas e baseia- se no instrumento lógico de sistema, relacionando diversos componentes da dinâmica e os fluxos de energia e matéria no meio ambiente. As unidades ecodinâmicas são classificadas em meios estáveis, meios intergrades e os fortemente instáveis. Esta classificação se da de acordo com a relação morfogênese e pedogênese, ou seja, as áreas estáveis apresentam uma maior cobertura vegetal e dissecação moderada dos processos morfogeneticos, enquanto os meios intergrades apresentam um balanço entre a morfogênese e a pedogênese, já os meios fortemente instáveis esses apresentam solos rasos, inexistência de cobertura vegetal densa, planícies e fundos de vales sujeitos a inundações. Os meios instáveis são mais susceptíveis aos processos erosivos devido ao processo morfogenetico atuar com maior intensidade na Paisagem. A partir destes pressupostos este trabalho teve como objetivo realizar uma modelagem da área de estudo através dos mapas de temáticos do solo, da geologia, da geomorfologia e do uso do solo do município de Jeremoabo- BA, por meio das ferramentas disponíveis no Sistema de Informações Geográficas. Para Soares Filho (2000) a modelagem consiste em decompor o mundo real em uma serie de sistemas simplificados para alcançar uma visão sobre as características essenciais de certo domínio. No desenvolvimento da modelagem, o Sistema de Informações Geográficas tem sido ferramenta de grande potencial o qual nos permite sobrepor várias informações, com o propósito de identificar as unidades susceptíveis aos processos erosivos, para uma melhor gestão territorial, o qual serviu de ferramenta para a realização deste trabalho. O SIG é classificado por Miranda (2005) como um conjunto importante de ferramentas que coleta, armazena, recupera, sob demanda transforma e mostra dados espaciais do mundo real. MATERIAL E MÉTODOS: A metodologia utilizada para a realização da modelagem foi à lógica fuzzy com base no método da Ecodinâmica e na reinterpretação de dados temáticos preexistentes e a partir destes dados a confecção de mapas de susceptibilidade aos processos erosivos para as seguintes variáveis: solo, geologia, geomorfologia e uso do solo. Também foi utilizada como parte da 581

2 metodologia a reclassificação desses mapas para valores de vulnerabilidade ambiental. Depois de ter esses dados em mãos foram elaborados os mapas de susceptibilidade aos processos erosivos, sendo que para cada mapa atribuímos valores para gerar um produto final, ou seja, no mapa de solo atribuímos valores de 1 a 3. O valor 1 foi atribuído para ambiente estável, 2 para ambiente intergrades e 3 para ambiente instáveis, para as demais seguimos a mesma metodologia, foram gerados 4 mapas de susceptibilidade ambiental. Para obter o mapa final das unidades ecodinâmicas foi realizado a soma de cada mapa temático em ambiente SIG. O município de Jeremoabo, esta localizado na região do Nordeste no Norte do Estado da Bahia. A área municipal é de 4.761Km 2, possui coordenadas geográficas de latitude sul e de longitude oeste (Figura 1). Figura 1- Localização do municipio de Jeremoabo- BA. RESULTADOS E DISCUSSÃO: Os valores atribuídos para gerar o mapa de susceptibilidade a erosão, para a geologia foi baseado na litologia, ou seja, em sua susceptibilidade à erosão baseados nos critérios da ecodinâmica. Quanto ao grau de fragilidade dos solos do município, a maior parte dele é composta por Neossolos Quartzarênicos, categoria em que foi atribuído o valor máximo de susceptibilidade devido a sua constituição. Enquanto ao uso do solo a classe vegetação, foi atribuído valor intermediário, a agropecuária valor máximo de susceptibilidade e os corpos d água com um valor menor. A partir destas classificações foi possível obter as características geológicas, geomorfológicas, pedológicas e do uso da terra das áreas estáveis, intergrades e instáveis da área de estudo (Figuras 2). A partir destas classificações foi obtido o mapa das unidades ecodinâmicas do município de Jeremoabo. 582

3 Figura 2: Mapas das Classificações geológicas, geomorfológicas, pedológicas e do uso da terra das áreas estáveis, intergrades e instáveis da área de estudo. As características geomorfológicas das áreas instáveis correspondem à porção norte, sudoeste e pequena parte central, devido à modelagem realizada, representada na (Figura 3) onde foram atribuídos valores para determinar o índice estabilidade da geomorfologia. Nesta área compreende a classificação geológica bacia sedimentar, com características do relevo de áreas aplainadas com baixa declividade. Já nas áreas intergrades observa-se que a parte mais central de Jeremoabo, apresenta forma intergrades, uma vez que são áreas que apresenta solos do tipo, Neossolo Litólico Distrófico, que por sua vez são solos que apresenta um teor de alumínio, por sua vez são rasos, pois a rocha matriz se encontra bem próxima. Enquanto nas áreas instáveis observa-se que a parte norte e sudoeste, encontra-se de forma instável, uma vez que apresenta ambientes com um predomínio de dissecação, também são áreas características de perdimentos funcionais, apresenta Neossolo Quartzarénico. 583

4 Figura 3- Mapa das Unidades Ecodinâmicas do município de Jeremoabo- Ba. Nas áreas encontradas com estabilidade temos a presença de Latossolos (bastante intemperizado), neste caso, existe a prevalência da pedogênese sobre a morfogênese. Os meios intergrades podem ser visto na região: Norte, leste e noroeste do município. Existe um Balanço entre as interferências Morfogenéticas e Pedogenéticas. Nas porções sudoeste e extremo oeste tem se uma área classificada em instável, decorrente influencia da morfogênese sobre a pedogênese, onde é apresentada unidade geomorfológica de pedimentos funcionais ou retocados por drenagem incipiente, designando solos ainda em desenvolvimento, ambiente que existe uma maior inclinação na parte dos pedimentos funcionais. Quanto aos princípios de integração do fator morfogenético na classificação pedológica nas áreas onde apresentam uma litologia sedimentar, tem se consequentemente solos desenvolvidos, bem drenados e bastante intemperizados, classificados como Latossolos. As unidades intergrades na área têm se presente Planossolos Háplicos, esta classe pode ser classificada como intergrades devido à presença do horizonte B textural com maior presença de argila, o horizonte A mais arenoso. Vale ressaltar que esta classe de solo desenvolveu se em distintas áreas litológicas. As unidades de intergrades estão presentes numa formação de bacia sedimentar em contato cristalino, proporcionando o desenvolvimento de unidades geomorfológicas de aplainamento embutidos, formas de dissecação, pedimentos funcionais ou retocados por drenagem incipiente e tabuleiro. Resultando em ambientes de equilíbrio, por não haver predominância de pedogênese nem de morfogênese. Nas unidades de intergrades destacou-se o desenvolvimento dos Luvissolos, estes solos são caracterizados como pouco ou mediamente intemperizados, bem a imperfeitamente drenados e pouco profundos. As áreas de bacia sedimentar proporcionaram o desenvolvimento de unidade geomorfológicas de tabuleiros, aplainamentos embutidos e forma de dissecação. Este fenômeno proporciona áreas estáveis devido à baixa declividade e a presença de maior predominância pedogenética. Sobre a morfogênese em algumas áreas de bacia sedimentar, proporcionou o desenvolvimento de Latossolos Vermelho Amarelo, estes solos são caracterizados por serem muito intemperizados, bem drenados, bem desenvolvidos e homogêneos. As classes de solos que foram classificadas como unidades instáveis são os Neossolos Quatzarênicos e Litólicos, estes solos estão em processo de formação e são pouco intemperizados. Estão sob a característica geológica do embasamento cristalino, os Neossolos Quartzarênicos desenvolveram sob bacia sedimentar, no entanto nestas áreas, estão em áreas de 584

5 declividade e os solos apresentam maior quantidade de areia e a morfogênese encontra se atuante. Os Neossolos Litólicos formados por material orgânico pouco espesso, em via de formação, pela reduzida atuação dos processos pedogenéticos em detrimento do morfogenético, também foi desenvolvido nas unidades de instáveis. Para o uso da terra as unidades estáveis encontram- se conservadas onde encontramos parte da vegetação, já os locais que não se encontram conservadas se localizam as áreas antrópicas. CONCLUSÕES: A partir da elaboração dos mapas de susceptibilidade do município de Jeremoabo, foi possível obter o mapa das unidades ecodinâmicas, cujo resultado foi uma área de predominância da unidade ecodinâmica intergrades, em segundo lugar a predominância é de áreas estáveis e por ultimo de áreas instáveis. Assim podemos perceber quais partes do município é mais susceptível a processos erosivos, quais meios é mais propicio a agropecuária e assim por diante. Podemos concluir que os solos do município de Jeremoabo são poucos susceptíveis aos processos erosivos como pode ser observando no mapa das unidades ecodinâmicas. REFERÊNCIAS: MIRANDA, Jose Iguelmar. Fundamentos de sistemas de informações geográficas. Brasília, DF: EMBRAPA Informações Geográficas, TRICART, Jean. Ecodinâmica. Rio de Janeiro, IBGE, Diretoria Técnica, SUPREN, SOARES FILHO, Britaldo Silveira. Modelagem de dados espaciais. UFMG

ESTUDO DA FRAGILIDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA- ES: CONTRIBUIÇÃO PARA O PLANEJAMENTO MUNICIPAL

ESTUDO DA FRAGILIDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA- ES: CONTRIBUIÇÃO PARA O PLANEJAMENTO MUNICIPAL AMANDIO GONÇALVES DE OLIVEIRA FILHO amgfilho12@yahoo.com.br ESTUDO DA FRAGILIDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA- ES: CONTRIBUIÇÃO PARA O PLANEJAMENTO MUNICIPAL 1. INTRODUÇÃO O avanço das relações

Leia mais

ANÁLISE GEOMORFOLÓGICA DO MUNICÍPIO DE JARDIM OLINDA - PR

ANÁLISE GEOMORFOLÓGICA DO MUNICÍPIO DE JARDIM OLINDA - PR ANÁLISE GEOMORFOLÓGICA DO MUNICÍPIO DE JARDIM OLINDA - PR 17 Luiz Giovanni Bornia Acadêmico 4º Geografia - UEM luiz.bornia@cocamar.com.br Wérica Cardoso de Oliveira Acadêmica 1º Geografia - UEM wericaco@gmail.com

Leia mais

UNIDADE 4 USO DE INFORMAÇÕES SOBRE SOLOS

UNIDADE 4 USO DE INFORMAÇÕES SOBRE SOLOS Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Rurais Departamento de Solos SOL 1001 Solos e Produção Animal UNIDADE 4 USO DE INFORMAÇÕES SOBRE SOLOS Alessandro Samuel-Rosa Santa Maria, junho de

Leia mais

CAPÍTULO 7 EXEMPLO DE MANIPULAÇÃO EM LEGAL

CAPÍTULO 7 EXEMPLO DE MANIPULAÇÃO EM LEGAL CAPÍTULO 7 EXEMPLO DE MANIPULAÇÃO EM LEGAL Este capítulo é dedicado à apresentação de um exemplo real de uso da linguagem. Inicialmente descrevese a estrutura geral de um programa usando a linguagem LEGAL.

Leia mais

AVALIAÇÃO EMPÍRICA DE PARÂMETROS AMBIENTAIS APLICADOS AO MUNICÍPIO DE CRISTINÁPOLIS, SERGIPE

AVALIAÇÃO EMPÍRICA DE PARÂMETROS AMBIENTAIS APLICADOS AO MUNICÍPIO DE CRISTINÁPOLIS, SERGIPE AVALIAÇÃO EMPÍRICA DE PARÂMETROS AMBIENTAIS APLICADOS AO MUNICÍPIO DE CRISTINÁPOLIS, SERGIPE Débora Barbosa da Silva 1 ; Neise Mare de Souza Alves 1 ; Aracy Losano Fontes 1 deborabarbs@ig.com.br Universidade

Leia mais

Difratometria por raios X

Difratometria por raios X 57 A amostra 06 foi coletada no fundo de um anfiteatro (Figura 23), em uma feição residual de um degrau no interior da voçoroca, este material, aparentemente mais coeso, também consiste em areia muito

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DOS PRINCIPAIS. Solos do Acre. Professor Adjunto do DCA-UFAC

CARACTERÍSTICAS DOS PRINCIPAIS. Solos do Acre. Professor Adjunto do DCA-UFAC INSTRUTOR: Dr. José Ribamar Torres da Silva Professor Adjunto do DCA-UFAC Classificação Taxonômica LATOSSOLOS ------------------------------------------------------------- Local de Ocorrência A1 AB BA

Leia mais

Palavras-chaves: relevo; morfodinâmica; mapeamento; Presidente Prudente; Brasil.

Palavras-chaves: relevo; morfodinâmica; mapeamento; Presidente Prudente; Brasil. Revista Geográfica de América Central Número Especial EGAL, 2011- Costa Rica II Semestre 2011 pp. 1-16 GEOMORFOLOGIA DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE-SP, BRASIL. RESUMO Melina Fushimi 1 João Osvaldo

Leia mais

Atividade 14 Exercícios Complementares de Revisão sobre Geologia Brasileira

Atividade 14 Exercícios Complementares de Revisão sobre Geologia Brasileira Atividade 14 Exercícios Complementares de Revisão sobre Geologia Brasileira Atenção: Pesquise PREFERENCIALMENTE em seu Livro e complemente a pesquisa em sites. 1. Comparação entre as Classificações do

Leia mais

MAPA GEOMORFOLÓGICO PRELIMINAR DA PORÇÃO SUDOESTE DE ANÁPOLIS- GO EM ESCALA 1/ Frederico Fernandes de Ávila 1,3 ;Homero Lacerda 2,3 RESUMO

MAPA GEOMORFOLÓGICO PRELIMINAR DA PORÇÃO SUDOESTE DE ANÁPOLIS- GO EM ESCALA 1/ Frederico Fernandes de Ávila 1,3 ;Homero Lacerda 2,3 RESUMO MAPA GEOMORFOLÓGICO PRELIMINAR DA PORÇÃO SUDOESTE DE ANÁPOLIS- GO EM ESCALA 1/25.000 Frederico Fernandes de Ávila 1,3 ;Homero Lacerda 2,3 1 Bolsista PIBIC/UEG 2 Orientador - Pesquisador 3 Curso de Geografia,

Leia mais

Geomorfologia Aplicada

Geomorfologia Aplicada Geomorfologia Aplicada Equilíbrio dinâmico dos sistemas naturais (estabilidade e resilência) Processos morfogenéticos/morfodinâmicos: Responsáveis pela esculturação das formas de relevo (morfogênese) Representam

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Geoprocessamento, Ecologia da Paisagem, Uso e Cobertura,

PALAVRAS-CHAVE: Geoprocessamento, Ecologia da Paisagem, Uso e Cobertura, 1820 ESTUDO DA FRAGMENTAÇÃO DA VEGETAÇÃO COMO INDICADOR DA SUSCEPTIBILIDADE A DESERTIFICAÇÃO NO POLO DE IRECÊ-BA Maurílio Queirós Nepomuceno¹; Jocimara Souza Britto Lobão²; 1. Bolsista FAPESB, graduando

Leia mais

ELABORAÇÃO DE MAPA GEOMORFOLÓGICO DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP.

ELABORAÇÃO DE MAPA GEOMORFOLÓGICO DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP. ELABORAÇÃO DE MAPA GEOMORFOLÓGICO DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP. João Osvaldo Rodrigues Nunes (joaosvaldo@fct.unesp.br), Melina Fushimi (melinafushimi@yahoo.com.br) Universidade Estadual Paulista

Leia mais

RESUMO. Introdução. [Palavras-chave: Vulnerabilidade Ambiental; Morfogênese e Pedogênese; Reserva Biológica]

RESUMO. Introdução. [Palavras-chave: Vulnerabilidade Ambiental; Morfogênese e Pedogênese; Reserva Biológica] Evidências de vulnerabilidade ambiental no relevo da REBIO Guaribas: algumas características geográficas ROSA, Pablo Rodrigues estudante do Bacharelado em Geografia, UFPB I. siga5@geociencias.ufpb.br ROSA,

Leia mais

II Semana de Geografia UNESP / Ourinhos 29 de Maio a 02 de Junho de 2006

II Semana de Geografia UNESP / Ourinhos 29 de Maio a 02 de Junho de 2006 USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA MICROBACIA CÓRREGO DO PORTO-TRÊS LAGOAS MS SILVA, Laís C.N. Universidade Federal de Mato Grosso do Sul- UFMS lais_cns@yahoo.com.br DELGADO, Valeria P. Universidade Federal de

Leia mais

Caixa Postal São José dos Campos - SP, Brasil {agomes, vitor, e

Caixa Postal São José dos Campos - SP, Brasil {agomes, vitor, e Aplicação da metodologia ZEE para a análise da vulnerabilidade à perda de solo em ambiente semi-árido Alessandra Rodrigues Gomes 1 Edison Crepani 1 Vitor Celso de Carvalho 1 José Simeão de Medeiros 1 1

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO PORTO ORGANIZADO DE ÓBIDOS

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO PORTO ORGANIZADO DE ÓBIDOS DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO PORTO ORGANIZADO DE ÓBIDOS 2016 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 CARACTERISTICAS AMBIENTAIS DE ÓBIDOS... 3 2.1 CLIMA... 3 2.2 RECURSOS HÍDRICOS... 4 2.3 SOLOS... 5 2.4 GEOLOGIA... 5

Leia mais

RESUMO. Rafael Carvalho Santos

RESUMO. Rafael Carvalho Santos Riscos e vulnerabilidades Na compartimentação geomorfológica da sub-bacia do rio gaviãozinho, bahia, brasil Rafael Carvalho Santos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB, Brasil rafac.16@gmail.com

Leia mais

CARTA DE VULNERABILIDADE NATURAL DA REGIÃO DO BICO DO PAPAGAIO TO

CARTA DE VULNERABILIDADE NATURAL DA REGIÃO DO BICO DO PAPAGAIO TO ELIAE VOLL CARTA DE VULERABILIDADE ATURAL DA REGIÃO DO BICO DO PAPAGAIO TO Monografia apresentada ao Curso de Especialização em Geoprocessamento da Universidade Federal de Minas Gerais para a obtenção

Leia mais

AVALIAÇÃO AMBIENTAL A PARTIR DO USO DO SOLO NOS BAIRROS ROQUE E MATO GROSSO EM PORTO VELHO RO

AVALIAÇÃO AMBIENTAL A PARTIR DO USO DO SOLO NOS BAIRROS ROQUE E MATO GROSSO EM PORTO VELHO RO AVALIAÇÃO AMBIENTAL A PARTIR DO USO DO SOLO NOS BAIRROS ROQUE E MATO GROSSO EM PORTO VELHO RO 1 Tito José de Barba Avaroma Universidade Federal de Rondônia - UNIR tito.geo.ro@gmail.com Introdução Porto

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS PRINCIPAIS CLASSES DE SOLOS

DESCRIÇÃO DAS PRINCIPAIS CLASSES DE SOLOS MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E DO ABASTECIMENTO - MAPA EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA - EMBRAPA CENTRO NACIONAL DE PESQUISA DE SOLOS - CNPS UNIDADE DE EXECUÇÃO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO

Leia mais

PREVENDO IMPACTOS: AVALIAÇÃO DA FRAGILIDADE AMBIENTAL EM ÁREAS VULNERÁVEIS DE PROTEÇÃO

PREVENDO IMPACTOS: AVALIAÇÃO DA FRAGILIDADE AMBIENTAL EM ÁREAS VULNERÁVEIS DE PROTEÇÃO PREVENDO IMPACTOS: AVALIAÇÃO DA FRAGILIDADE AMBIENTAL EM ÁREAS VULNERÁVEIS DE PROTEÇÃO Geraldo César Rocha Prof. Dr. Depto de Geociências / UFJF Priscila Marinho Fontainha Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

ESTUDO DAS UNIDADES DE RELEVO COMO BASE PARA A ANÁLISE GEOAMBIENTAL DA BACIA DO RIO DOURADOS, MS

ESTUDO DAS UNIDADES DE RELEVO COMO BASE PARA A ANÁLISE GEOAMBIENTAL DA BACIA DO RIO DOURADOS, MS ESTUDO DAS UNIDADES DE RELEVO COMO BASE PARA A ANÁLISE GEOAMBIENTAL DA BACIA DO RIO DOURADOS, MS BENEVENTO, K. J. 1 1. acadêmica do curso de Geografia,Universidade Estadual de Maringá Av. Colombo, 5790,

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO MEIO ABIÓTICO DA REGIÃO DE PIRAÍ DA SERRA - PARANÁ

CARACTERIZAÇÃO DO MEIO ABIÓTICO DA REGIÃO DE PIRAÍ DA SERRA - PARANÁ CARACTERIZAÇÃO DO MEIO ABIÓTICO DA REGIÃO DE PIRAÍ DA SERRA - PARANÁ Rafael Köene (PIBIC/CNPq-UEPG), Mário Sérgio de Melo, e-mail: msmelo@uepg.br, Gilson Burigo Guimarães Universidade Estadual de Ponta

Leia mais

SUSCEPTIBILIDADE E POTENCIALIDADE À EROSÃO LAMINAR NA BACIA DO CÓRREGO BARREIRO - GOIÂNIA GO

SUSCEPTIBILIDADE E POTENCIALIDADE À EROSÃO LAMINAR NA BACIA DO CÓRREGO BARREIRO - GOIÂNIA GO SUSCEPTIBILIDADE E POTENCIALIDADE À EROSÃO LAMINAR NA BACIA DO CÓRREGO BARREIRO - GOIÂNIA GO André Souto REZENDE, GECON/UFG andresoutoufg@hotmail.com Patrícia Araújo ROMÃO, IESA/UFG pat_iesa@yahoo.com.br

Leia mais

EVIDÊNCIAS DE RISCOS A INUNDAÇÕES E ALAGAMENTOS A PARTIR DA LEITURA DA PAISAGEM NO BAIXO CURSO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO

EVIDÊNCIAS DE RISCOS A INUNDAÇÕES E ALAGAMENTOS A PARTIR DA LEITURA DA PAISAGEM NO BAIXO CURSO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO I Seminário da Rede Incêndios-Solo e I Simpósio Ibero-Afro-Americano de Riscos 4 a 7 Nov 2015 EVIDÊNCIAS DE RISCOS A INUNDAÇÕES E ALAGAMENTOS A PARTIR DA LEITURA DA PAISAGEM NO BAIXO CURSO DA BACIA HIDROGRÁFICA

Leia mais

Uso da terra na bacia hidrográfica do alto rio Paraguai no Brasil

Uso da terra na bacia hidrográfica do alto rio Paraguai no Brasil 102 Resumos Expandidos: XI Mostra de Estagiários e Bolsistas... Uso da terra na bacia hidrográfica do alto rio Paraguai no Brasil Cezar Freitas Barros 1 João dos Santos Vila da Silva 2 Resumo: Busca-se

Leia mais

1ª série EM - Lista de Questões para a RECUPERAÇÃO FINAL - GEOGRAFIA

1ª série EM - Lista de Questões para a RECUPERAÇÃO FINAL - GEOGRAFIA 1ª série EM - Lista de Questões para a RECUPERAÇÃO FINAL - GEOGRAFIA 01.A rosa dos ventos é um dos primeiros sistemas de referência terrestre, muito utilizado até hoje. Como se chegou à montagem da primeira

Leia mais

NATUREZA E TIPOS DE SOLOS ACH1085. Solos do Brasil

NATUREZA E TIPOS DE SOLOS ACH1085. Solos do Brasil NATUREZA E TIPOS DE SOLOS ACH1085 Solos do Brasil 1 conteúdo 1. Introdução 2. Tipos de solos do Brasil 2 2.Tipos de solos do Brasil: área absoluta e relativa 3 Mapa com os tipos de solo do Brasil 38,73%

Leia mais

Alterações no padrão de cobertura da terra na Zona Oeste da cidade do Rio de Janeiro/RJ nos anos de 1985 e DOMINIQUE PIRES SILVA

Alterações no padrão de cobertura da terra na Zona Oeste da cidade do Rio de Janeiro/RJ nos anos de 1985 e DOMINIQUE PIRES SILVA Alterações no padrão de cobertura da terra na Zona Oeste da cidade do Rio de Janeiro/RJ nos anos de 1985 e 2010. DOMINIQUE PIRES SILVA Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro E-mail: nique_rhcp@hotmail.com

Leia mais

COMPARTIMENTAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO LAGO VERDE, MUNICÍPIO DE LAGOA DA CONFUSÃO, TO.

COMPARTIMENTAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO LAGO VERDE, MUNICÍPIO DE LAGOA DA CONFUSÃO, TO. COMPARTIMENTAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO LAGO VERDE, MUNICÍPIO DE LAGOA DA CONFUSÃO, TO. Daniel Araújo Ramos dos Santos¹, Fernando de Morais² ¹Aluno do curso de Geografia; Campus de

Leia mais

DIAGNÓSTICO E MONITORAMENTO DO ASSOREAMENTO NO RIO SÃO FRANCISCO ENTRE PETROLINA-PE E JUAZEIRO-BA.

DIAGNÓSTICO E MONITORAMENTO DO ASSOREAMENTO NO RIO SÃO FRANCISCO ENTRE PETROLINA-PE E JUAZEIRO-BA. DIAGNÓSTICO E MONITORAMENTO DO ASSOREAMENTO NO RIO SÃO FRANCISCO ENTRE PETROLINA-PE E JUAZEIRO-BA. Márcia Evangelista Sousa (UPE, discente); marah-sousa@hotmail.com Nilson Evangelista da Silva Santos Filho

Leia mais

NATUREZA E TIPOS DE SOLOS ACH1085

NATUREZA E TIPOS DE SOLOS ACH1085 NATUREZA E TIPOS DE SOLOS ACH1085 SISTEMA BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE SOLOS 1 Introdução O que significa classificar solos? Distribuir os solos em classes e/ou grupos segundo um sistema ou método de

Leia mais

ARTIGO COM APRESENTAÇÃO BANNER - MONITORAMENTO AMBIENTAL

ARTIGO COM APRESENTAÇÃO BANNER - MONITORAMENTO AMBIENTAL ARTIGO COM APRESENTAÇÃO BANNER - MONITORAMENTO AMBIENTAL ANÁLISE MULTITEMPORAL DA COBERTURA VEGETAL NO MUNICIPIO DE SÃO MIGUEL DO GUAMÁ, ESTADO DO PARÁ. RAYSSA CHAVES BRAGA, LAIS VIEIRA DE CARVALHO, MERILENE

Leia mais

Utilização de Técnicas de SIG e de Campo para Identificação de Áreas Sensíveis com Intuito de Regularização Fundiária

Utilização de Técnicas de SIG e de Campo para Identificação de Áreas Sensíveis com Intuito de Regularização Fundiária Utilização de Técnicas de SIG e de Campo para Identificação de Áreas Sensíveis com Intuito de Regularização Fundiária Ludmilson Roberto da Silva Lud_roberto@yahoo.com.br Rodrigo Baldson Godoi godoi_rodrigo@yahoo.com.br

Leia mais

ASPECTOS MORFOPEDOLÓGICOS E USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA REGIÃO NORDESTE DE GOIÂNIA(GO)

ASPECTOS MORFOPEDOLÓGICOS E USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA REGIÃO NORDESTE DE GOIÂNIA(GO) ASPECTOS MORFOPEDOLÓGICOS E USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA REGIÃO NORDESTE DE GOIÂNIA(GO) Dias, M.B.G. (UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA) ; Martins, R.N.S. (UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS) RESUMO As interações

Leia mais

LISTA DE RECUPERAÇÃO PARALELA DE CIÊNCIAS HUMANAS - GEOGRAFIA

LISTA DE RECUPERAÇÃO PARALELA DE CIÊNCIAS HUMANAS - GEOGRAFIA LISTA DE RECUPERAÇÃO PARALELA DE CIÊNCIAS HUMANAS - GEOGRAFIA Professor: GUILHERME Data: / /2016 Aluno (a): 3º ANO 1) O cálculo de fuso horário hoje é muito comum em uma sociedade globalizada. Explique

Leia mais

BACIA HIDROGRAFICA DO CÓRREGO DO BARBOSA

BACIA HIDROGRAFICA DO CÓRREGO DO BARBOSA Ângela Maria Soares * Carolina Santos Melo ** Laila da Silva Vieira *** Suely Regina Del Grossi **** RESUMO O presente artigo é o resultado de uma pesquisa que teve como objetivo mapear e caracterizar

Leia mais

Características físicas do município de São José do Rio Pardo-SP 1

Características físicas do município de São José do Rio Pardo-SP 1 Características físicas do município de São José do Rio Pardo-SP 1 FOLHARINI, Saulo de Oliveira ¹; OLIVEIRA, Regina Célia de ² ¹ graduando em geografia Instituto de Geociências, Universidade Estadual de

Leia mais

Tipos e classificação FORMAÇÃO DOS SOLOS

Tipos e classificação FORMAÇÃO DOS SOLOS Tipos e classificação FORMAÇÃO DOS SOLOS PRIMEIRA CLASSIFICAÇÃO Baseia-se principalmente nos fatores de clima, tempo e relevo em que se encontram os solos. solos zonais são aqueles em relevos estáveis,

Leia mais

SOBRINHO, J. Falcão ; ROSS, J. L. S.. O Processo de Erosão em Ambiente de Superfície Sertaneja - Varjota (CE). Geousp, v. 21, p.

SOBRINHO, J. Falcão ; ROSS, J. L. S.. O Processo de Erosão em Ambiente de Superfície Sertaneja - Varjota (CE). Geousp, v. 21, p. SOBRINHO, J. Falcão ; ROSS, J. L. S.. O Processo de Erosão em Ambiente de Superfície Sertaneja - Varjota (CE). Geousp, v. 21, p. 53-66, 2007 SANTOS, Leonardo J. C ; OKA-FIORI, C. ; CANALI, N. E. ; FIORI,

Leia mais

Características dos Solos Goianos

Características dos Solos Goianos Universidade do Estado de Mato Grosso Campus Universitário de Pontes e Lacerda Departamento de Zootecnia Disciplina: Geologia Docente: Prof. Dr. Eurico Características dos Solos Goianos Discente: Kepler

Leia mais

TRABALHO DE CAMPO: sua metodologia, escala de abrangência, ensino e confronto de dados. Brunno Cesar Pereira Universidade Federal de Minas Gerais

TRABALHO DE CAMPO: sua metodologia, escala de abrangência, ensino e confronto de dados. Brunno Cesar Pereira Universidade Federal de Minas Gerais TRABALHO DE CAMPO: sua metodologia, escala de abrangência, ensino e confronto de dados. Brunno Cesar Pereira Universidade Federal de Minas Gerais brbuc@hotmail.com Eduarda Carolina Moraes de Assis Universidade

Leia mais

Obtenção de Parâmetros para Simulação Hidrológica na Bacia do Rio Japaratuba por meio de Geotecnologias

Obtenção de Parâmetros para Simulação Hidrológica na Bacia do Rio Japaratuba por meio de Geotecnologias 168 III Seminário de Iniciação Científica e Pós-Graduação da Embrapa Tabuleiros Costeiros Obtenção de Parâmetros para Simulação Hidrológica na Bacia do Rio Japaratuba por meio de Geotecnologias Rafael

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DAS FORMAÇÕES SUPERFICIAIS EM UMA VERTENTE DO CÓRREGO DO QUEBRA DEPRESSÃO DE GOUVEIA/MG MENEZES, M. L. N 1. CARVALHO, V. L. M 2.

CARACTERIZAÇÃO DAS FORMAÇÕES SUPERFICIAIS EM UMA VERTENTE DO CÓRREGO DO QUEBRA DEPRESSÃO DE GOUVEIA/MG MENEZES, M. L. N 1. CARVALHO, V. L. M 2. CARACTERIZAÇÃO DAS FORMAÇÕES SUPERFICIAIS EM UMA VERTENTE DO CÓRREGO DO QUEBRA DEPRESSÃO DE GOUVEIA/MG MENEZES, M. L. N 1. 1 Programa de Pós-graduação em Geografia/ IGC-UFMG *mlnmenezes@bol.com.br Universidade

Leia mais

Mapeamento do risco de deslizamento de encostas na região da Serra do Mar no Estado do Rio de Janeiro

Mapeamento do risco de deslizamento de encostas na região da Serra do Mar no Estado do Rio de Janeiro Mapeamento do risco de deslizamento de encostas na região da Serra do Mar no Estado do Rio de Janeiro Supervisor: Gilvan Sampaio Vanessa Canavesi PCI CCST Engenheira Florestal Mestre em Ciências Florestais

Leia mais

MODELAGEM DINÂMICA DE ESCOAMENTO SUPERFICIAL INFLUENCIANDO A SUSCEPTIBILIDADE À EROSÃO DOS SOLOS NUM MUNICÍPIO DO SEMI-ÁRIDO DE PERNAMBUCO

MODELAGEM DINÂMICA DE ESCOAMENTO SUPERFICIAL INFLUENCIANDO A SUSCEPTIBILIDADE À EROSÃO DOS SOLOS NUM MUNICÍPIO DO SEMI-ÁRIDO DE PERNAMBUCO MODELAGEM DINÂMICA DE ESCOAMENTO SUPERFICIAL INFLUENCIANDO A SUSCEPTIBILIDADE À EROSÃO DOS SOLOS NUM MUNICÍPIO DO SEMI-ÁRIDO DE PERNAMBUCO AILTON FEITOSA (1) Professor Assistente da Universidade Estadual

Leia mais

MAPEAMENTO DE SUSCEPTIBILIDADE À EROSÃO EM ZONA DE AMORTECIMENTO DE ÁREAS PROTEGIDAS BRASILEIRAS, ULTILIZANDO TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO

MAPEAMENTO DE SUSCEPTIBILIDADE À EROSÃO EM ZONA DE AMORTECIMENTO DE ÁREAS PROTEGIDAS BRASILEIRAS, ULTILIZANDO TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO MAPEAMENTO DE SUSCEPTIBILIDADE À EROSÃO EM ZONA DE AMORTECIMENTO DE ÁREAS PROTEGIDAS BRASILEIRAS, ULTILIZANDO TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO Taiana Evangelista dos Reis, Mestranda em Geografia, Universidade

Leia mais

Ernesto Luiz Alves SUSCEPTIBILIDADE E RISCO A MOVIMENTO DE MASSA E INUNDAÇÕES NA ZONA URBANA DO MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ DO SUL-RS

Ernesto Luiz Alves SUSCEPTIBILIDADE E RISCO A MOVIMENTO DE MASSA E INUNDAÇÕES NA ZONA URBANA DO MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ DO SUL-RS Ernesto Luiz Alves SUSCEPTIBILIDADE E RISCO A MOVIMENTO DE MASSA E INUNDAÇÕES NA ZONA URBANA DO MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ DO SUL-RS DISSERTAÇÃO DE MESTRADO UFRGS, Ernesto Luiz Alves Orientadora: Profª. Drª.

Leia mais

DELIMITAÇÃO DAS FORMAÇÕES FERRUGINOSAS DA BACIA DO RIO VERMELHO (GO)

DELIMITAÇÃO DAS FORMAÇÕES FERRUGINOSAS DA BACIA DO RIO VERMELHO (GO) DELIMITAÇÃO DAS FORMAÇÕES FERRUGINOSAS DA BACIA DO RIO VERMELHO (GO) Luiz Eduardo Giacomolli MACHADO Cláudia Valéria de LIMA (orientadora) Pedro Alves VIEIRA luizmachado.geo@gmail.com; claudlima@gmail.com;

Leia mais

~J',164x" Cartografia Ambiental da Região de Vitória da Conquista - BA

~J',164x Cartografia Ambiental da Região de Vitória da Conquista - BA .-...--~'" ) ~J',164x" Marcelo Guimarães Cartografia Ambiental da Região de Vitória da Conquista - BA Dissertação apresentada ao Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo, para a obtenção de

Leia mais

TRIÂNGULO MINEIRO E ALTO PARANAÍBA. PARANÁ Tupaciguara Araguari

TRIÂNGULO MINEIRO E ALTO PARANAÍBA. PARANÁ Tupaciguara Araguari MATO GROSSO II SIMPÓSIO REGIONAL DE GEOGRAFIA 1 ELABORAÇÃO DO MAPA DE SOLOS DA BACIA DO RIO ARAGUARI NA ESCALA DE 1:500.000 Jorge Luis Silva Brito Prof. Dr. Do Instituto de Geografia - UFU e-mail:jbrito@ufu.br

Leia mais

Caracterização dos processos evolutivos e da dinâmica erosiva em Rondon do Pará, com ênfase na prevenção de desastres.

Caracterização dos processos evolutivos e da dinâmica erosiva em Rondon do Pará, com ênfase na prevenção de desastres. Caracterização dos processos evolutivos e da dinâmica erosiva em Rondon do Pará, com ênfase na prevenção de desastres. Pré - projeto de pesquisa apresentada ao curso de Pós- Graduação em Gestão de Risco

Leia mais

¹ Estudante de Geografia na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), estagiária na Embrapa Informática Agropecuária (Campinas, SP).

¹ Estudante de Geografia na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), estagiária na Embrapa Informática Agropecuária (Campinas, SP). 89 Interpretação e classificação de imagens de satélite na extração de informações sobre o uso da terra e cobertura vegetal na bacia hidrográfica do rio Teles Pires/MT-PA Jéssica da Silva Rodrigues Cecim

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE EXPANSÃO URBANA E O RELEVO LOCAL O CASO DO MUNICÍPIO DE SOROCABA (1)

RELAÇÃO ENTRE EXPANSÃO URBANA E O RELEVO LOCAL O CASO DO MUNICÍPIO DE SOROCABA (1) RELAÇÃO ENTRE EXPANSÃO URBANA E O RELEVO LOCAL O CASO DO MUNICÍPIO DE SOROCABA (1) SILVA, A. M. (2) (2) Pesquisador bolsista da FAPESP (Processo: FAPESP 04/15.796-6) e professor voluntário da Unidade Diferenciada

Leia mais

O PAPEL DOS PROCESSOS MORFODINÂMICOS E O USO E OCUPAÇÃO DA ÁREA DE TRÊS COMUNIDADES PERI-URBANAS DA RMC - REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA

O PAPEL DOS PROCESSOS MORFODINÂMICOS E O USO E OCUPAÇÃO DA ÁREA DE TRÊS COMUNIDADES PERI-URBANAS DA RMC - REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA O PAPEL DOS PROCESSOS MORFODINÂMICOS E O USO E OCUPAÇÃO DA ÁREA DE TRÊS COMUNIDADES PERI-URBANAS DA RMC - REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA DIAS, J. B.¹ 1 Programa de Doutorado em Meio Ambiente e Desenvolvimento

Leia mais

VARIÁVEIS GEOMORFOLÓGICAS NO ESTUDO DE DESLIZAMENTOS EM CARAGUATATUBA-SP UTILIZANDO IMAGENS TM-LANDSAT E SIG

VARIÁVEIS GEOMORFOLÓGICAS NO ESTUDO DE DESLIZAMENTOS EM CARAGUATATUBA-SP UTILIZANDO IMAGENS TM-LANDSAT E SIG MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS INPE-7511-TDI/724 VARIÁVEIS GEOMORFOLÓGICAS NO ESTUDO DE DESLIZAMENTOS EM CARAGUATATUBA-SP UTILIZANDO IMAGENS TM-LANDSAT E SIG

Leia mais

Estrutura Geológica e o Relevo Brasileiro

Estrutura Geológica e o Relevo Brasileiro Estrutura Geológica e o Relevo Brasileiro Estrutura Geológica e o Relevo Brasileiro 1. Sobre a estrutura geológica e relevo brasileiro é correto afirmar que: a) a formação recente das estruturas geológicas

Leia mais

Modelo de distribuição de solos na Microbacia do Ribeirão Salinas, Distrito Federal

Modelo de distribuição de solos na Microbacia do Ribeirão Salinas, Distrito Federal Modelo de distribuição de solos na Microbacia do Ribeirão Salinas, Distrito Federal Marilusa Pinto Coelho Lacerda 1,2 Rosana Quirino de Souza 1 Bruna Gonçalves Vieira 1 Manuel Pereira Oliveira Júnior 1

Leia mais

ANÁLISE DA VULNERABILIDADE À EROSÃO ATRAVÉS DE SIG: um subsídio ao zoneamento ecológico-econômico de Santo Amaro da Imperatriz/SC.

ANÁLISE DA VULNERABILIDADE À EROSÃO ATRAVÉS DE SIG: um subsídio ao zoneamento ecológico-econômico de Santo Amaro da Imperatriz/SC. ANÁLISE DA VULNERABILIDADE À EROSÃO ATRAVÉS DE SIG: um subsídio ao zoneamento ecológico-econômico de Santo Amaro da Imperatriz/SC. Autores: Allan Saddi Arnesen 1 ; Frederico Thompson Genofre 2 ; Marcelo

Leia mais

ANÁLISE GEOAMBIENTAL INTEGRADA DA SUB-BACIA HIDROGRÁFICA DO RIACHO SANTANA, COMO SUBSIDIO AO PLANEJAMENTO AMBIENTAL.

ANÁLISE GEOAMBIENTAL INTEGRADA DA SUB-BACIA HIDROGRÁFICA DO RIACHO SANTANA, COMO SUBSIDIO AO PLANEJAMENTO AMBIENTAL. P á g i n a 27 ANÁLISE GEOAMBIENTAL INTEGRADA DA SUB-BACIA HIDROGRÁFICA DO RIACHO SANTANA, COMO SUBSIDIO AO PLANEJAMENTO AMBIENTAL. Laerton Bernardino da Costa Aluno do Mestrado Acadêmico em Geografia

Leia mais

PAISAGENS NO SEMIÁRIDO CEARENSE: UMA BREVE APRESENTAÇÃO DOS ASPECTOS NATURAIS

PAISAGENS NO SEMIÁRIDO CEARENSE: UMA BREVE APRESENTAÇÃO DOS ASPECTOS NATURAIS PAISAGENS NO SEMIÁRIDO CEARENSE: UMA BREVE APRESENTAÇÃO DOS ASPECTOS NATURAIS Nayara dos Santos Barros; Flávia Freire Barros; Frederico de Holanda Bastos; Universidade Estadual do Ceará - UECE nayarabarros_@hotmail.com

Leia mais

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP, BRASIL.

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP, BRASIL. MAPEAMENT GEMRFÓGIC N MUNICÍPI DE PRESIDENTE PRUDENTE SP, BRASI. Melina Fushimi (melinafushimi@yahoo.com.br), João svaldo Rodrigues Nunes (joaosvaldo@fct.unesp.br) Universidade Estadual Paulista Júlio

Leia mais

Mapeamento e Análise da Vulnerabilidade Natural à Erosão do Município de Salinas-MG

Mapeamento e Análise da Vulnerabilidade Natural à Erosão do Município de Salinas-MG Mapeamento e Análise da Vulnerabilidade Natural à Erosão do Município de Salinas-MG Hugo Henrique Cardoso de Salis (1) ; Carlos Henrique Soares Silva (1) ; Rafaela Letícia Ramires Cardoso (1) ; Ronaldo

Leia mais

Anais XVII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, João Pessoa-PB, Brasil, 25 a 29 de abril de 2015, INPE

Anais XVII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, João Pessoa-PB, Brasil, 25 a 29 de abril de 2015, INPE Uso de ferramentas de geoprocessamento na análise de risco de erosão do solo e relevo: estudo de caso na bacia hidrográfica do submédio rio São Francisco Cinthya Antonia Vieira Gurgel ¹ Madson Tavares

Leia mais

USO DA TERRA E COBERTURA VEGETAL NA BACIA HIDROGRÁFICA DO XIDARINI NO MUNICÍPIO DE TEFÉ-AM.

USO DA TERRA E COBERTURA VEGETAL NA BACIA HIDROGRÁFICA DO XIDARINI NO MUNICÍPIO DE TEFÉ-AM. USO DA TERRA E COBERTURA VEGETAL NA BACIA HIDROGRÁFICA DO XIDARINI NO MUNICÍPIO DE TEFÉ-AM. Selma Coelho de Carvalho- Discente do curso de Geografia da Universidade do Estado do Amazonas - CEST. Bolsista

Leia mais

Potencial de Produção de Sedimentos e de Inundação da Sub-Bacia do Ribeirão Caveirinha Goiânia GO

Potencial de Produção de Sedimentos e de Inundação da Sub-Bacia do Ribeirão Caveirinha Goiânia GO Potencial de Produção de Sedimentos e de Inundação da Sub-Bacia do Ribeirão Caveirinha Goiânia GO Sousa, J. (UFG) ; Borges, M. (UFG) ; Faria, K. (UFG) RESUMO A Sub-bacia do Ribeirão Caveirinha, localizada

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO PORTO ORGANIZADO DE ITAITUBA

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO PORTO ORGANIZADO DE ITAITUBA DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO PORTO ORGANIZADO DE ITAITUBA Janeiro/2016 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 CARACTERISTICAS AMBIENTAIS DE ITAITUBA... 3 2.1 CLIMA... 3 2.2 RECURSOS HÍDRICOS... 4 2.3 SOLOS... 5 2.4 GEOLOGIA...

Leia mais

Zoneamento de risco de incêndios florestais para a bacia hidrográfica do Córrego Santo Antônio, São Francisco Xavier (SP)

Zoneamento de risco de incêndios florestais para a bacia hidrográfica do Córrego Santo Antônio, São Francisco Xavier (SP) Zoneamento de risco de incêndios florestais para a bacia hidrográfica do Córrego Santo Antônio, São Francisco Xavier (SP) Aline Kuramoto Gonçalves Faculdade de Ciências Agronômicas/UNESP Campus Botucatu

Leia mais

MAPEAMENTO DAS ÁREAS DE RISCO À INUNDAÇÃO NA CIDADE DE GUARAPUAVA-PR

MAPEAMENTO DAS ÁREAS DE RISCO À INUNDAÇÃO NA CIDADE DE GUARAPUAVA-PR MAPEAMENTO DAS ÁREAS DE RISCO À INUNDAÇÃO NA CIDADE DE GUARAPUAVA-PR Thiago Roberto Goldoni Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO) E-mail: thiagoldoni@gmail.com INTRODUÇÃO Leandro RedinVestena

Leia mais

Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Inglês

Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Inglês Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Inglês 1 Os exercícios deverão ser feitos no caderno. Leitura das págs. 91 e 93 do livro de Português

Leia mais

Fatores de Formação do Solo. Unidade III - Fatores de Formação do Solo

Fatores de Formação do Solo. Unidade III - Fatores de Formação do Solo Unidade III - SILVA J.R.T., 2005 1. Material de Origem. 2. Clima. 3. Relevo. 4. Organismos Vivos. 5. Tempo. Estudo da influência de cada fator é difícil Interdependência entre eles. Fatores Ativos: Clima

Leia mais

FORMAS DO RELEVO NA PORÇÃO NOROESTE DE ANÁPOLIS-GO. Lidiane Ribeiro dos Santos 1 ; Homero Lacerda 2

FORMAS DO RELEVO NA PORÇÃO NOROESTE DE ANÁPOLIS-GO. Lidiane Ribeiro dos Santos 1 ; Homero Lacerda 2 1 FORMAS DO RELEVO NA PORÇÃO NOROESTE DE ANÁPOLIS-GO. Lidiane Ribeiro dos Santos 1 ; Homero Lacerda 2 1 Bolsista PIBIC/UEG 2 Orientador, Curso de Geografia, Unidade Universitária de Ciências Sócio Econômicas

Leia mais

SOIL CLASSES DETALLIING OF HYDROGRAFIC BASIN: RIACHO DO TIGRE

SOIL CLASSES DETALLIING OF HYDROGRAFIC BASIN: RIACHO DO TIGRE Volume 2, Número Especial 2016 http://www.periodicos.ufrn.br/revistadoregne DETALHAMENTO DAS CLASSES SOLOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIACHO DO TIGRE SOIL CLASSES DETALLIING OF HYDROGRAFIC BASIN: RIACHO

Leia mais

Interbits SuperPro Web

Interbits SuperPro Web 1. (Ufrn 2013) Um estudante australiano, ao realizar pesquisas sobre o Brasil, considerou importante saber a localização exata de sua capital, a cidade de Brasília. Para isso, consultou o mapa a seguir:

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 8 PEDOLOGIA

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 8 PEDOLOGIA Questão n o 1 Conhecimentos Específicos O texto deverá apresentar os aspectos abaixo. O tipo de mapeamento de solo que atende à demanda apresentada e que, ao mesmo tempo, tenha o menor custo é o denominado

Leia mais

Fragilidade ambiental do meio físico e potencialidade de uso do solo no parque

Fragilidade ambiental do meio físico e potencialidade de uso do solo no parque 1 Fragilidade ambiental do meio físico e potencialidade de uso do solo no parque estadual do Jaraguá Silvia Maria Bellato Nogueira a*, Sidnei Raimundo b. A Instituto Florestal de São Paulo (IF-SP), Secretaria

Leia mais

Geógrafo Frank Gundim Assessora Especial de Planejamento do DER-RJ

Geógrafo Frank Gundim Assessora Especial de Planejamento do DER-RJ DER-RJ Geógrafo Frank Gundim Assessora Especial de Planejamento do DER-RJ O uso inapropriado do meio ambiente aceleram e ampliam alguns processos. Por exemplo, as inundações são agravadas pelo desmatamento

Leia mais

UNIDADES DO RELEVO E CLASSIFICAÇÃO DO RELEVO BRASILEIRO. Módulos 29 e 30 Livro 2 paginas 122 a 124 / 127 a 129

UNIDADES DO RELEVO E CLASSIFICAÇÃO DO RELEVO BRASILEIRO. Módulos 29 e 30 Livro 2 paginas 122 a 124 / 127 a 129 UNIDADES DO RELEVO E CLASSIFICAÇÃO DO RELEVO BRASILEIRO Módulos 29 e 30 Livro 2 paginas 122 a 124 / 127 a 129 Formas de relevo Escarpa: encosta de planalto intensamente dissecada (erodida) Serra: Morros

Leia mais

VULNERABILIDADE AMBIENTAL DAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE SABIAGUABA, FORTALEZA-CE.

VULNERABILIDADE AMBIENTAL DAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE SABIAGUABA, FORTALEZA-CE. VULNERABILIDADE AMBIENTAL DAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE SABIAGUABA, FORTALEZA-CE. Andrea Bezerra Crispim Mestranda em Geografia (UECE) E-mail: andreacrispim1@yahoo.com.br Jader de Oliveira Santos Doutorando

Leia mais

Avaliação de métodos de classificação para o mapeamento de remanescentes florestais a partir de imagens HRC/CBERS

Avaliação de métodos de classificação para o mapeamento de remanescentes florestais a partir de imagens HRC/CBERS http://dx.doi.org/10.12702/viii.simposfloresta.2014.131-592-1 Avaliação de métodos de classificação para o mapeamento de remanescentes florestais a partir de imagens HRC/CBERS Juliana Tramontina 1, Elisiane

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. PALAVRAS-CHAVE: Erosão, Carta de Suscetibilidade, Geoprocessamento, SIG.

1 INTRODUÇÃO. PALAVRAS-CHAVE: Erosão, Carta de Suscetibilidade, Geoprocessamento, SIG. Análise da Suscetibilidade dos Solos à Erosão Laminar Utilizando Sistema de Informação Geográfica na Bacia Hidrográfica da Lagoa Feia no Limite do Município de Campos dos Goytacazes/RJ Fabricia Benda,

Leia mais

INTRODUÇÃO. Argissolos 16,7%

INTRODUÇÃO. Argissolos 16,7% INTRODUÇÃO A região Nordeste do Brasil, em razão da diversidade de climas, formações vegetais, tipos de rochas e conformações do relevo, apresenta uma grande diversidade de ambientes e, consequentemente,

Leia mais

Nome do Sítio Experimental: Cruz Alta. Localização e Mapas do Sítio Experimental: Latitude: Longitude: Altitude: 432 m

Nome do Sítio Experimental: Cruz Alta. Localização e Mapas do Sítio Experimental: Latitude: Longitude: Altitude: 432 m Nome do Sítio Experimental: Cruz Alta Localização e Mapas do Sítio Experimental: Latitude: -28.6036 Longitude: -53.6736 Altitude: 432 m Rio Grande do Sul torre Cruz Alta torre DESCRIÇÃO: Descrição Geral:

Leia mais

Tipos e classificação FORMAÇÃO DOS SOLOS

Tipos e classificação FORMAÇÃO DOS SOLOS Tipos e classificação FORMAÇÃO DOS SOLOS PRIMEIRA CLASSIFICAÇÃO Baseia-se principalmente nos fatores de clima, tempo e relevo em que se encontram os solos. solos zonais são aqueles em relevos estáveis,

Leia mais

MAPEAMENTO DE UNIDADES GEOLÓGICO-GEOMORFOLÓGICAS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO CURUÇU-RS 1

MAPEAMENTO DE UNIDADES GEOLÓGICO-GEOMORFOLÓGICAS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO CURUÇU-RS 1 MAPEAMENTO DE UNIDADES GEOLÓGICO-GEOMORFOLÓGICAS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO CURUÇU-RS 1 BAZZAN, T. ¹ ¹ Universidade Federal de Santa Maria, thiagobaz@yahoo.com.br ROBAINA, L. E. S. ² ² Universidade

Leia mais

SOLOS REPRESENTATIVOS DO ESTADO DO TOCANTINS SOB VEGETAÇÃO NATURAL DO CERRADO Helena Maria de Paula Santana 1 e Marilusa Pinto Coelho Lacerda 2, ( 1

SOLOS REPRESENTATIVOS DO ESTADO DO TOCANTINS SOB VEGETAÇÃO NATURAL DO CERRADO Helena Maria de Paula Santana 1 e Marilusa Pinto Coelho Lacerda 2, ( 1 SOLOS REPRESENTATIVOS DO ESTADO DO TOCANTINS SOB VEGETAÇÃO NATURAL DO CERRADO Helena Maria de Paula Santana 1 e Marilusa Pinto Coelho Lacerda 2, ( 1 Mestranda em Ciências Agrárias - Faculdade de Agronomia

Leia mais

Michael Vandesteen da Silva Souto 1 Venerando Eustáquio Amaro 1, 2

Michael Vandesteen da Silva Souto 1 Venerando Eustáquio Amaro 1, 2 Aplicação das técnicas de geoprocessamento para o mapeamento da Vulnerabilidade Natural para a região da Ponta do Tubarão, litoral setentrional do Estado do Rio Grande do Norte, município de Macau Michael

Leia mais

SELEÇÃO DE MUNICÍPIOS CRÍTICOS A DESLIZAMENTOS

SELEÇÃO DE MUNICÍPIOS CRÍTICOS A DESLIZAMENTOS MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Secretaria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral SELEÇÃO DE MUNICÍPIOS CRÍTICOS A DESLIZAMENTOS NOTA EXPLICATIVA Vale do Cuiabá Petrópolis/RJ Jan 2011 Outubro de

Leia mais

Análise Multicritério e Modelagem de Dados Ambientais. Web Treinamento do Instituto GEOeduc Autor: Arthur Paiva

Análise Multicritério e Modelagem de Dados Ambientais. Web Treinamento do Instituto GEOeduc Autor: Arthur Paiva Análise Multicritério e Modelagem de Dados Ambientais Web Treinamento do Instituto GEOeduc Autor: Arthur Paiva SUMÁRIO Análise Espacial e Geoprocessamento Mapeamento Temático no Ambiente SIG Conceito de

Leia mais

Principais Solos do Brasil. Prof a Adélia Aziz A. Pozza CSO 110 PEDOLOGIA

Principais Solos do Brasil. Prof a Adélia Aziz A. Pozza CSO 110 PEDOLOGIA Principais Solos do Brasil Prof a Adélia Aziz A. Pozza CSO 110 PEDOLOGIA Componentes do Solo A Líquido Sólido inorgânico B Gás C Sólido orgânico Cor do Solo Matéria Orgânica Argila e quartzo Goethita (óxido

Leia mais

ESTRUTURA GEOLÓGICA,RELEVO E HIDROGRAFIA

ESTRUTURA GEOLÓGICA,RELEVO E HIDROGRAFIA ESTRUTURA GEOLÓGICA,RELEVO E HIDROGRAFIA Definição de DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS: Pode ser compreendido como uma região que apresenta elementos naturais específicos que interagem resultando em uma determinada

Leia mais

CAPÍTULO 02 Estrutura Geológica, Relevo e Hidrografia.

CAPÍTULO 02 Estrutura Geológica, Relevo e Hidrografia. 18/02/2016 7º Ano B CAPÍTULO 02 Estrutura Geológica, Relevo e Hidrografia. Profº Delsomar de Sousa Barbosa Páginas: 19 a 39 Itens 01 a 03. Estrutura Geológica Relevo Hidrografia Estrutura Temática Crátons

Leia mais

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DO PERIMETRO URBANO DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE-SP

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DO PERIMETRO URBANO DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE-SP MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DO PERIMETRO URBANO DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE-SP NUNES, J.O.R. 1 1 Professor Doutor do Departamento de Geografia da FCT/UNESP, rua Roberto Simonsem, 305, Presidente

Leia mais

Yanayne Benetti Barbosa & Reinaldo Lorandi

Yanayne Benetti Barbosa & Reinaldo Lorandi Yanayne Benetti Barbosa & Reinaldo Lorandi GEOPROCESSAMENTO APLICADO AO ESTUDO DA VULNERABILIDADE À EROSÃO NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO DO PÂNTANO NOS MUNICÍPIOS DE SÃO CARLOS, ANALÂNDIA E DESCALVADO

Leia mais

Apostila de Geografia 07 Noções de Geologia

Apostila de Geografia 07 Noções de Geologia 1.0 Geosfera Apostila de Geografia 07 Noções de Geologia Meios de estudo da estrutura interna da Terra: Diretos: Afloramentos rochosos à superfície. Vulcanismo. Sondagens. Geotermia. Indiretos: Magnetismo.

Leia mais

MAPEAMENTO DA FRAGILIDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE UBATUBA/SP. G.S. Oliveira, G.A.M. Asciutti, M. Dantas-Ferreira

MAPEAMENTO DA FRAGILIDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE UBATUBA/SP. G.S. Oliveira, G.A.M. Asciutti, M. Dantas-Ferreira MAPEAMENTO DA FRAGILIDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE UBATUBA/SP G.S. Oliveira, G.A.M. Asciutti, M. Dantas-Ferreira RESUMO Este trabalho tem o presente objetivo de elaborar um Mapa de Fragilidade Ambiental

Leia mais

REAVALIAÇÃO E REORGANIZAÇÃO DO MAPA PEDOLÓGICO DO MUNICÍPIO DE CAMPO VERDE MT: EXPANSÃO DA ÁREA DE INCIDÊNCIA DE NEOSSOLOS QUARTZARÊNICOS.

REAVALIAÇÃO E REORGANIZAÇÃO DO MAPA PEDOLÓGICO DO MUNICÍPIO DE CAMPO VERDE MT: EXPANSÃO DA ÁREA DE INCIDÊNCIA DE NEOSSOLOS QUARTZARÊNICOS. REAVALIAÇÃO E REORGANIZAÇÃO DO MAPA PEDOLÓGICO DO MUNICÍPIO DE CAMPO VERDE MT: EXPANSÃO DA ÁREA DE INCIDÊNCIA DE NEOSSOLOS QUARTZARÊNICOS. GraciellePatricia de Moraes 1 - gracielle.moraes@gmail.com Cleberson

Leia mais

Fragilidade ambiental e expansão urbana da Região. Administrativa Nordeste da sede do município de Santa Maria,RS. A

Fragilidade ambiental e expansão urbana da Região. Administrativa Nordeste da sede do município de Santa Maria,RS. A Fragilidade ambiental e expansão urbana da Região Administrativa Nordeste da sede do município de Santa Maria, RS Marilene Dias do Nascimento, Bernardo Sayão Penna e Souza Laboratório de Geomorfologia

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO AGRÍCOLA DOS SOLOS DO DISTRITO DE MUTUM- PARANÁ RONDÔNIA. 1

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO AGRÍCOLA DOS SOLOS DO DISTRITO DE MUTUM- PARANÁ RONDÔNIA. 1 1 AVALIAÇÃO DA APTIDÃO AGRÍCOLA DOS SOLOS DO DISTRITO DE MUTUM- PARANÁ RONDÔNIA. 1 PINTO, Gizele Carvalho; NUNES, Dorisvalder Dias; ASSUNÇÃO, Aldina Gomes de; BORGES, Luciana Riça Mourão; WATANABE, Michel;

Leia mais