UNIDADES ECODINÂMICAS DA PAISAGEM DO MUNICÍPIO DE JEREMOABO- BA.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIDADES ECODINÂMICAS DA PAISAGEM DO MUNICÍPIO DE JEREMOABO- BA."

Transcrição

1 UNIDADES ECODINÂMICAS DA PAISAGEM DO MUNICÍPIO DE JEREMOABO- BA. Ivonice Sena de Souza 1, Ana Paula Sena de Souza 2, Danilo da Silva Carneiro 3, Jumara Souza Alves 4, Marcos Roberto Souza Santos 5, Deorgia Tayane Mendes de Souza 6. 1 Geografia, Estudante de Graduação, UEFS, Feira de Santana -BA, 2 Geografia, Estudante de Graduação, UEFS, Feira de Santana -BA, 3 Geografia, Estudante de Graduação, UEFS, Feira de Santana -BA, 4 Geografia, Estudante de Graduação, UEFS, Feira de Santana -BA, 5 Geografia, Estudante de Graduação, UEFS, Feira de Santana -BA, 6 Geógrafa, Professora do Depto. Ciências Humanas e Filosofia, UEFS, Feira de Santana-BA, RESUMO: O presente estudo foi desenvolvido no município de Jeremoabo, localizado na região do Nordeste no Norte do Estado da Bahia. O objetivo deste trabalho consistiu em realizar os mapas de susceptibilidade do solo aos processos erosivos, da geologia, da geomorfologia e do uso do solo do município de Jeremoabo- BA, por meio das ferramentas disponíveis no Sistema de Informações Geográficas, através da lógica fuzzy. A metodologia utilizada foi com base no método da Ecodinâmica, utilizando também como conceito e na reinterpretação de dados temáticos preexistentes e reclassificação desses mapas para valores de susceptibildade aos processos erosivos. Nas áreas encontradas com estabilidade temos a presença de Latossolos (bastante intemperizado), neste caso, existe a prevalência da pedogênese sobre a morfogênese. As classes de solos que foram classificadas como unidades instáveis foram os Neossolos Quatzarênicos e Litólicos, estes solos estão em processo de formação e são pouco intemperizados. A partir da modelagem e com base no método da Ecodinâmica, foi classificada a paisagem em unidade Intergrades. PALAVRAS-CHAVE: ecodinâmica, sistemas de informações geográficas, susceptibilidade a erosão INTRODUÇÃO: De acordo com Tricart (1977) uma unidade ecodinâmica é caracterizada a partir da morfodinamica da Paisagem, esta dinâmica é caracterizada pela relação morfogênese e pedogênese. Ainda segundo Tricart (1977) o conceito de unidades ecodinâmicas é integrado no conceito de ecossistemas e baseia- se no instrumento lógico de sistema, relacionando diversos componentes da dinâmica e os fluxos de energia e matéria no meio ambiente. As unidades ecodinâmicas são classificadas em meios estáveis, meios intergrades e os fortemente instáveis. Esta classificação se da de acordo com a relação morfogênese e pedogênese, ou seja, as áreas estáveis apresentam uma maior cobertura vegetal e dissecação moderada dos processos morfogeneticos, enquanto os meios intergrades apresentam um balanço entre a morfogênese e a pedogênese, já os meios fortemente instáveis esses apresentam solos rasos, inexistência de cobertura vegetal densa, planícies e fundos de vales sujeitos a inundações. Os meios instáveis são mais susceptíveis aos processos erosivos devido ao processo morfogenetico atuar com maior intensidade na Paisagem. A partir destes pressupostos este trabalho teve como objetivo realizar uma modelagem da área de estudo através dos mapas de temáticos do solo, da geologia, da geomorfologia e do uso do solo do município de Jeremoabo- BA, por meio das ferramentas disponíveis no Sistema de Informações Geográficas. Para Soares Filho (2000) a modelagem consiste em decompor o mundo real em uma serie de sistemas simplificados para alcançar uma visão sobre as características essenciais de certo domínio. No desenvolvimento da modelagem, o Sistema de Informações Geográficas tem sido ferramenta de grande potencial o qual nos permite sobrepor várias informações, com o propósito de identificar as unidades susceptíveis aos processos erosivos, para uma melhor gestão territorial, o qual serviu de ferramenta para a realização deste trabalho. O SIG é classificado por Miranda (2005) como um conjunto importante de ferramentas que coleta, armazena, recupera, sob demanda transforma e mostra dados espaciais do mundo real. MATERIAL E MÉTODOS: A metodologia utilizada para a realização da modelagem foi à lógica fuzzy com base no método da Ecodinâmica e na reinterpretação de dados temáticos preexistentes e a partir destes dados a confecção de mapas de susceptibilidade aos processos erosivos para as seguintes variáveis: solo, geologia, geomorfologia e uso do solo. Também foi utilizada como parte da 581

2 metodologia a reclassificação desses mapas para valores de vulnerabilidade ambiental. Depois de ter esses dados em mãos foram elaborados os mapas de susceptibilidade aos processos erosivos, sendo que para cada mapa atribuímos valores para gerar um produto final, ou seja, no mapa de solo atribuímos valores de 1 a 3. O valor 1 foi atribuído para ambiente estável, 2 para ambiente intergrades e 3 para ambiente instáveis, para as demais seguimos a mesma metodologia, foram gerados 4 mapas de susceptibilidade ambiental. Para obter o mapa final das unidades ecodinâmicas foi realizado a soma de cada mapa temático em ambiente SIG. O município de Jeremoabo, esta localizado na região do Nordeste no Norte do Estado da Bahia. A área municipal é de 4.761Km 2, possui coordenadas geográficas de latitude sul e de longitude oeste (Figura 1). Figura 1- Localização do municipio de Jeremoabo- BA. RESULTADOS E DISCUSSÃO: Os valores atribuídos para gerar o mapa de susceptibilidade a erosão, para a geologia foi baseado na litologia, ou seja, em sua susceptibilidade à erosão baseados nos critérios da ecodinâmica. Quanto ao grau de fragilidade dos solos do município, a maior parte dele é composta por Neossolos Quartzarênicos, categoria em que foi atribuído o valor máximo de susceptibilidade devido a sua constituição. Enquanto ao uso do solo a classe vegetação, foi atribuído valor intermediário, a agropecuária valor máximo de susceptibilidade e os corpos d água com um valor menor. A partir destas classificações foi possível obter as características geológicas, geomorfológicas, pedológicas e do uso da terra das áreas estáveis, intergrades e instáveis da área de estudo (Figuras 2). A partir destas classificações foi obtido o mapa das unidades ecodinâmicas do município de Jeremoabo. 582

3 Figura 2: Mapas das Classificações geológicas, geomorfológicas, pedológicas e do uso da terra das áreas estáveis, intergrades e instáveis da área de estudo. As características geomorfológicas das áreas instáveis correspondem à porção norte, sudoeste e pequena parte central, devido à modelagem realizada, representada na (Figura 3) onde foram atribuídos valores para determinar o índice estabilidade da geomorfologia. Nesta área compreende a classificação geológica bacia sedimentar, com características do relevo de áreas aplainadas com baixa declividade. Já nas áreas intergrades observa-se que a parte mais central de Jeremoabo, apresenta forma intergrades, uma vez que são áreas que apresenta solos do tipo, Neossolo Litólico Distrófico, que por sua vez são solos que apresenta um teor de alumínio, por sua vez são rasos, pois a rocha matriz se encontra bem próxima. Enquanto nas áreas instáveis observa-se que a parte norte e sudoeste, encontra-se de forma instável, uma vez que apresenta ambientes com um predomínio de dissecação, também são áreas características de perdimentos funcionais, apresenta Neossolo Quartzarénico. 583

4 Figura 3- Mapa das Unidades Ecodinâmicas do município de Jeremoabo- Ba. Nas áreas encontradas com estabilidade temos a presença de Latossolos (bastante intemperizado), neste caso, existe a prevalência da pedogênese sobre a morfogênese. Os meios intergrades podem ser visto na região: Norte, leste e noroeste do município. Existe um Balanço entre as interferências Morfogenéticas e Pedogenéticas. Nas porções sudoeste e extremo oeste tem se uma área classificada em instável, decorrente influencia da morfogênese sobre a pedogênese, onde é apresentada unidade geomorfológica de pedimentos funcionais ou retocados por drenagem incipiente, designando solos ainda em desenvolvimento, ambiente que existe uma maior inclinação na parte dos pedimentos funcionais. Quanto aos princípios de integração do fator morfogenético na classificação pedológica nas áreas onde apresentam uma litologia sedimentar, tem se consequentemente solos desenvolvidos, bem drenados e bastante intemperizados, classificados como Latossolos. As unidades intergrades na área têm se presente Planossolos Háplicos, esta classe pode ser classificada como intergrades devido à presença do horizonte B textural com maior presença de argila, o horizonte A mais arenoso. Vale ressaltar que esta classe de solo desenvolveu se em distintas áreas litológicas. As unidades de intergrades estão presentes numa formação de bacia sedimentar em contato cristalino, proporcionando o desenvolvimento de unidades geomorfológicas de aplainamento embutidos, formas de dissecação, pedimentos funcionais ou retocados por drenagem incipiente e tabuleiro. Resultando em ambientes de equilíbrio, por não haver predominância de pedogênese nem de morfogênese. Nas unidades de intergrades destacou-se o desenvolvimento dos Luvissolos, estes solos são caracterizados como pouco ou mediamente intemperizados, bem a imperfeitamente drenados e pouco profundos. As áreas de bacia sedimentar proporcionaram o desenvolvimento de unidade geomorfológicas de tabuleiros, aplainamentos embutidos e forma de dissecação. Este fenômeno proporciona áreas estáveis devido à baixa declividade e a presença de maior predominância pedogenética. Sobre a morfogênese em algumas áreas de bacia sedimentar, proporcionou o desenvolvimento de Latossolos Vermelho Amarelo, estes solos são caracterizados por serem muito intemperizados, bem drenados, bem desenvolvidos e homogêneos. As classes de solos que foram classificadas como unidades instáveis são os Neossolos Quatzarênicos e Litólicos, estes solos estão em processo de formação e são pouco intemperizados. Estão sob a característica geológica do embasamento cristalino, os Neossolos Quartzarênicos desenvolveram sob bacia sedimentar, no entanto nestas áreas, estão em áreas de 584

5 declividade e os solos apresentam maior quantidade de areia e a morfogênese encontra se atuante. Os Neossolos Litólicos formados por material orgânico pouco espesso, em via de formação, pela reduzida atuação dos processos pedogenéticos em detrimento do morfogenético, também foi desenvolvido nas unidades de instáveis. Para o uso da terra as unidades estáveis encontram- se conservadas onde encontramos parte da vegetação, já os locais que não se encontram conservadas se localizam as áreas antrópicas. CONCLUSÕES: A partir da elaboração dos mapas de susceptibilidade do município de Jeremoabo, foi possível obter o mapa das unidades ecodinâmicas, cujo resultado foi uma área de predominância da unidade ecodinâmica intergrades, em segundo lugar a predominância é de áreas estáveis e por ultimo de áreas instáveis. Assim podemos perceber quais partes do município é mais susceptível a processos erosivos, quais meios é mais propicio a agropecuária e assim por diante. Podemos concluir que os solos do município de Jeremoabo são poucos susceptíveis aos processos erosivos como pode ser observando no mapa das unidades ecodinâmicas. REFERÊNCIAS: MIRANDA, Jose Iguelmar. Fundamentos de sistemas de informações geográficas. Brasília, DF: EMBRAPA Informações Geográficas, TRICART, Jean. Ecodinâmica. Rio de Janeiro, IBGE, Diretoria Técnica, SUPREN, SOARES FILHO, Britaldo Silveira. Modelagem de dados espaciais. UFMG

UNIDADE 4 USO DE INFORMAÇÕES SOBRE SOLOS

UNIDADE 4 USO DE INFORMAÇÕES SOBRE SOLOS Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Rurais Departamento de Solos SOL 1001 Solos e Produção Animal UNIDADE 4 USO DE INFORMAÇÕES SOBRE SOLOS Alessandro Samuel-Rosa Santa Maria, junho de

Leia mais

ANÁLISE GEOMORFOLÓGICA DO MUNICÍPIO DE JARDIM OLINDA - PR

ANÁLISE GEOMORFOLÓGICA DO MUNICÍPIO DE JARDIM OLINDA - PR ANÁLISE GEOMORFOLÓGICA DO MUNICÍPIO DE JARDIM OLINDA - PR 17 Luiz Giovanni Bornia Acadêmico 4º Geografia - UEM luiz.bornia@cocamar.com.br Wérica Cardoso de Oliveira Acadêmica 1º Geografia - UEM wericaco@gmail.com

Leia mais

Difratometria por raios X

Difratometria por raios X 57 A amostra 06 foi coletada no fundo de um anfiteatro (Figura 23), em uma feição residual de um degrau no interior da voçoroca, este material, aparentemente mais coeso, também consiste em areia muito

Leia mais

1ª série EM - Lista de Questões para a RECUPERAÇÃO FINAL - GEOGRAFIA

1ª série EM - Lista de Questões para a RECUPERAÇÃO FINAL - GEOGRAFIA 1ª série EM - Lista de Questões para a RECUPERAÇÃO FINAL - GEOGRAFIA 01.A rosa dos ventos é um dos primeiros sistemas de referência terrestre, muito utilizado até hoje. Como se chegou à montagem da primeira

Leia mais

Palavras-chaves: relevo; morfodinâmica; mapeamento; Presidente Prudente; Brasil.

Palavras-chaves: relevo; morfodinâmica; mapeamento; Presidente Prudente; Brasil. Revista Geográfica de América Central Número Especial EGAL, 2011- Costa Rica II Semestre 2011 pp. 1-16 GEOMORFOLOGIA DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE-SP, BRASIL. RESUMO Melina Fushimi 1 João Osvaldo

Leia mais

Caixa Postal São José dos Campos - SP, Brasil {agomes, vitor, e

Caixa Postal São José dos Campos - SP, Brasil {agomes, vitor, e Aplicação da metodologia ZEE para a análise da vulnerabilidade à perda de solo em ambiente semi-árido Alessandra Rodrigues Gomes 1 Edison Crepani 1 Vitor Celso de Carvalho 1 José Simeão de Medeiros 1 1

Leia mais

MAPA GEOMORFOLÓGICO PRELIMINAR DA PORÇÃO SUDOESTE DE ANÁPOLIS- GO EM ESCALA 1/ Frederico Fernandes de Ávila 1,3 ;Homero Lacerda 2,3 RESUMO

MAPA GEOMORFOLÓGICO PRELIMINAR DA PORÇÃO SUDOESTE DE ANÁPOLIS- GO EM ESCALA 1/ Frederico Fernandes de Ávila 1,3 ;Homero Lacerda 2,3 RESUMO MAPA GEOMORFOLÓGICO PRELIMINAR DA PORÇÃO SUDOESTE DE ANÁPOLIS- GO EM ESCALA 1/25.000 Frederico Fernandes de Ávila 1,3 ;Homero Lacerda 2,3 1 Bolsista PIBIC/UEG 2 Orientador - Pesquisador 3 Curso de Geografia,

Leia mais

ESTRUTURA GEOLÓGICA,RELEVO E HIDROGRAFIA

ESTRUTURA GEOLÓGICA,RELEVO E HIDROGRAFIA ESTRUTURA GEOLÓGICA,RELEVO E HIDROGRAFIA Definição de DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS: Pode ser compreendido como uma região que apresenta elementos naturais específicos que interagem resultando em uma determinada

Leia mais

Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Inglês

Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Inglês Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Inglês 1 Os exercícios deverão ser feitos no caderno. Leitura das págs. 91 e 93 do livro de Português

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS PRINCIPAIS CLASSES DE SOLOS

DESCRIÇÃO DAS PRINCIPAIS CLASSES DE SOLOS MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E DO ABASTECIMENTO - MAPA EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA - EMBRAPA CENTRO NACIONAL DE PESQUISA DE SOLOS - CNPS UNIDADE DE EXECUÇÃO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO

Leia mais

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP, BRASIL.

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP, BRASIL. MAPEAMENT GEMRFÓGIC N MUNICÍPI DE PRESIDENTE PRUDENTE SP, BRASI. Melina Fushimi (melinafushimi@yahoo.com.br), João svaldo Rodrigues Nunes (joaosvaldo@fct.unesp.br) Universidade Estadual Paulista Júlio

Leia mais

SELEÇÃO DE MUNICÍPIOS CRÍTICOS A DESLIZAMENTOS

SELEÇÃO DE MUNICÍPIOS CRÍTICOS A DESLIZAMENTOS MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Secretaria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral SELEÇÃO DE MUNICÍPIOS CRÍTICOS A DESLIZAMENTOS NOTA EXPLICATIVA Vale do Cuiabá Petrópolis/RJ Jan 2011 Outubro de

Leia mais

Avaliação de métodos de classificação para o mapeamento de remanescentes florestais a partir de imagens HRC/CBERS

Avaliação de métodos de classificação para o mapeamento de remanescentes florestais a partir de imagens HRC/CBERS http://dx.doi.org/10.12702/viii.simposfloresta.2014.131-592-1 Avaliação de métodos de classificação para o mapeamento de remanescentes florestais a partir de imagens HRC/CBERS Juliana Tramontina 1, Elisiane

Leia mais

APLICAÇÃO DE SIG NO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS: LOCALIZAÇÃO DE ÁREA PARA ATERRO SANITÁRIO

APLICAÇÃO DE SIG NO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS: LOCALIZAÇÃO DE ÁREA PARA ATERRO SANITÁRIO APLICAÇÃO DE SIG NO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS: LOCALIZAÇÃO DE ÁREA PARA ATERRO SANITÁRIO Ilka Soares Cintra (1) Professora Assistente do Departamento de Cartografia do Instituto de Geo- Ciências

Leia mais

Zoneamento de risco de incêndios florestais para a bacia hidrográfica do Córrego Santo Antônio, São Francisco Xavier (SP)

Zoneamento de risco de incêndios florestais para a bacia hidrográfica do Córrego Santo Antônio, São Francisco Xavier (SP) Zoneamento de risco de incêndios florestais para a bacia hidrográfica do Córrego Santo Antônio, São Francisco Xavier (SP) Aline Kuramoto Gonçalves Faculdade de Ciências Agronômicas/UNESP Campus Botucatu

Leia mais

Estrutura Geológica e o Relevo Brasileiro

Estrutura Geológica e o Relevo Brasileiro Estrutura Geológica e o Relevo Brasileiro Estrutura Geológica e o Relevo Brasileiro 1. Sobre a estrutura geológica e relevo brasileiro é correto afirmar que: a) a formação recente das estruturas geológicas

Leia mais

Estrutura Geológica e o Relevo Brasileiro

Estrutura Geológica e o Relevo Brasileiro Estrutura Geológica e o Relevo Brasileiro 1. (ENEM-2010) TEIXEIRA, W. et. al. (Orgs.) Decifrando a Terra. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 2009 O esquema mostra depósitos em que aparecem fósseis

Leia mais

UNIDADES DO RELEVO E CLASSIFICAÇÃO DO RELEVO BRASILEIRO. Módulos 29 e 30 Livro 2 paginas 122 a 124 / 127 a 129

UNIDADES DO RELEVO E CLASSIFICAÇÃO DO RELEVO BRASILEIRO. Módulos 29 e 30 Livro 2 paginas 122 a 124 / 127 a 129 UNIDADES DO RELEVO E CLASSIFICAÇÃO DO RELEVO BRASILEIRO Módulos 29 e 30 Livro 2 paginas 122 a 124 / 127 a 129 Formas de relevo Escarpa: encosta de planalto intensamente dissecada (erodida) Serra: Morros

Leia mais

A AMEAÇA QUE VEM DO MAR: A ÁREA DE RISCO DA PRAIA DE ATAFONA (RJ-BRASIL)

A AMEAÇA QUE VEM DO MAR: A ÁREA DE RISCO DA PRAIA DE ATAFONA (RJ-BRASIL) I Seminário da Rede Incêndios-Solo e I Simpósio Ibero-Afro-Americano de Riscos 4 a 7 Nov 2015 A AMEAÇA QUE VEM DO MAR: A ÁREA DE RISCO DA PRAIA DE ATAFONA (RJ-BRASIL) Cláudio Henrique Reis Departamento

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO PREÇO DA TERRA EM GOIÁS A PARTIR DO USO DE GEOESTATÍSTICA

DETERMINAÇÃO DO PREÇO DA TERRA EM GOIÁS A PARTIR DO USO DE GEOESTATÍSTICA DETERMINAÇÃO DO PREÇO DA TERRA EM GOIÁS A PARTIR DO USO DE GEOESTATÍSTICA Fábio Campos MACEDO 1 ; Laerte Guimarães FERREIRA 2 ; Nilson Clementino FERREIRA 3 1 Doutorando em Geografia IESA/UFG; Professor

Leia mais

Obtenção de Parâmetros para Simulação Hidrológica na Bacia do Rio Japaratuba por meio de Geotecnologias

Obtenção de Parâmetros para Simulação Hidrológica na Bacia do Rio Japaratuba por meio de Geotecnologias 168 III Seminário de Iniciação Científica e Pós-Graduação da Embrapa Tabuleiros Costeiros Obtenção de Parâmetros para Simulação Hidrológica na Bacia do Rio Japaratuba por meio de Geotecnologias Rafael

Leia mais

CAPÍTULO 02 Estrutura Geológica, Relevo e Hidrografia.

CAPÍTULO 02 Estrutura Geológica, Relevo e Hidrografia. 18/02/2016 7º Ano B CAPÍTULO 02 Estrutura Geológica, Relevo e Hidrografia. Profº Delsomar de Sousa Barbosa Páginas: 19 a 39 Itens 01 a 03. Estrutura Geológica Relevo Hidrografia Estrutura Temática Crátons

Leia mais

BACIA HIDROGRAFICA DO CÓRREGO DO BARBOSA

BACIA HIDROGRAFICA DO CÓRREGO DO BARBOSA Ângela Maria Soares * Carolina Santos Melo ** Laila da Silva Vieira *** Suely Regina Del Grossi **** RESUMO O presente artigo é o resultado de uma pesquisa que teve como objetivo mapear e caracterizar

Leia mais

1) Em se tratando de questões de natureza cartográfica, assinale o correto.

1) Em se tratando de questões de natureza cartográfica, assinale o correto. 1) Em se tratando de questões de natureza cartográfica, assinale o correto. a) A realização de mapeamentos temáticos muito detalhados requer a utilização de produtos de sensoriamento remoto de alta resolução

Leia mais

Apostila de Geografia 07 Noções de Geologia

Apostila de Geografia 07 Noções de Geologia 1.0 Geosfera Apostila de Geografia 07 Noções de Geologia Meios de estudo da estrutura interna da Terra: Diretos: Afloramentos rochosos à superfície. Vulcanismo. Sondagens. Geotermia. Indiretos: Magnetismo.

Leia mais

MAPEAMENTO DE SUSCEPTIBILIDADE À EROSÃO EM ZONA DE AMORTECIMENTO DE ÁREAS PROTEGIDAS BRASILEIRAS, ULTILIZANDO TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO

MAPEAMENTO DE SUSCEPTIBILIDADE À EROSÃO EM ZONA DE AMORTECIMENTO DE ÁREAS PROTEGIDAS BRASILEIRAS, ULTILIZANDO TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO MAPEAMENTO DE SUSCEPTIBILIDADE À EROSÃO EM ZONA DE AMORTECIMENTO DE ÁREAS PROTEGIDAS BRASILEIRAS, ULTILIZANDO TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO Taiana Evangelista dos Reis, Mestranda em Geografia, Universidade

Leia mais

USO DA TERRA E COBERTURA VEGETAL NA BACIA HIDROGRÁFICA DO XIDARINI NO MUNICÍPIO DE TEFÉ-AM.

USO DA TERRA E COBERTURA VEGETAL NA BACIA HIDROGRÁFICA DO XIDARINI NO MUNICÍPIO DE TEFÉ-AM. USO DA TERRA E COBERTURA VEGETAL NA BACIA HIDROGRÁFICA DO XIDARINI NO MUNICÍPIO DE TEFÉ-AM. Selma Coelho de Carvalho- Discente do curso de Geografia da Universidade do Estado do Amazonas - CEST. Bolsista

Leia mais

GEOGRAFIA DO BRASIL Relevo e Solo

GEOGRAFIA DO BRASIL Relevo e Solo GEOGRAFIA DO BRASIL Relevo e Solo bruno7martins@gmail.com 1 Estrutura Geológica Bacias Sedimentares Acúmulo de sedimentos sobre os escudos Associadas a Combustíveis fósseis Rochas mais porosas, infiltração

Leia mais

TRABALHO DE CAMPO: sua metodologia, escala de abrangência, ensino e confronto de dados. Brunno Cesar Pereira Universidade Federal de Minas Gerais

TRABALHO DE CAMPO: sua metodologia, escala de abrangência, ensino e confronto de dados. Brunno Cesar Pereira Universidade Federal de Minas Gerais TRABALHO DE CAMPO: sua metodologia, escala de abrangência, ensino e confronto de dados. Brunno Cesar Pereira Universidade Federal de Minas Gerais brbuc@hotmail.com Eduarda Carolina Moraes de Assis Universidade

Leia mais

MAPEAMENTO DE UNIDADES GEOLÓGICO-GEOMORFOLÓGICAS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO CURUÇU-RS 1

MAPEAMENTO DE UNIDADES GEOLÓGICO-GEOMORFOLÓGICAS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO CURUÇU-RS 1 MAPEAMENTO DE UNIDADES GEOLÓGICO-GEOMORFOLÓGICAS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO CURUÇU-RS 1 BAZZAN, T. ¹ ¹ Universidade Federal de Santa Maria, thiagobaz@yahoo.com.br ROBAINA, L. E. S. ² ² Universidade

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO PORTO ORGANIZADO DE ITAITUBA

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO PORTO ORGANIZADO DE ITAITUBA DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO PORTO ORGANIZADO DE ITAITUBA Janeiro/2016 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 CARACTERISTICAS AMBIENTAIS DE ITAITUBA... 3 2.1 CLIMA... 3 2.2 RECURSOS HÍDRICOS... 4 2.3 SOLOS... 5 2.4 GEOLOGIA...

Leia mais

Geografia. Aula 01 EXISTEM TERREMOTOS NO BRASIL?

Geografia. Aula 01 EXISTEM TERREMOTOS NO BRASIL? Geografia. Aula 01 Relevo EXISTEM TERREMOTOS NO BRASIL? 1.1 Observe as imagens abaixo: O pior terremoto do Brasil derrubou 4 mil casas em João Câmara (RN), em 1996 Aécio vai à cidade onde terremoto deixou

Leia mais

Ernesto Luiz Alves SUSCEPTIBILIDADE E RISCO A MOVIMENTO DE MASSA E INUNDAÇÕES NA ZONA URBANA DO MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ DO SUL-RS

Ernesto Luiz Alves SUSCEPTIBILIDADE E RISCO A MOVIMENTO DE MASSA E INUNDAÇÕES NA ZONA URBANA DO MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ DO SUL-RS Ernesto Luiz Alves SUSCEPTIBILIDADE E RISCO A MOVIMENTO DE MASSA E INUNDAÇÕES NA ZONA URBANA DO MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ DO SUL-RS DISSERTAÇÃO DE MESTRADO UFRGS, Ernesto Luiz Alves Orientadora: Profª. Drª.

Leia mais

Potencial de Produção de Sedimentos e de Inundação da Sub-Bacia do Ribeirão Caveirinha Goiânia GO

Potencial de Produção de Sedimentos e de Inundação da Sub-Bacia do Ribeirão Caveirinha Goiânia GO Potencial de Produção de Sedimentos e de Inundação da Sub-Bacia do Ribeirão Caveirinha Goiânia GO Sousa, J. (UFG) ; Borges, M. (UFG) ; Faria, K. (UFG) RESUMO A Sub-bacia do Ribeirão Caveirinha, localizada

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO MEIO ABIÓTICO DA REGIÃO DE PIRAÍ DA SERRA - PARANÁ

CARACTERIZAÇÃO DO MEIO ABIÓTICO DA REGIÃO DE PIRAÍ DA SERRA - PARANÁ CARACTERIZAÇÃO DO MEIO ABIÓTICO DA REGIÃO DE PIRAÍ DA SERRA - PARANÁ Rafael Köene (PIBIC/CNPq-UEPG), Mário Sérgio de Melo, e-mail: msmelo@uepg.br, Gilson Burigo Guimarães Universidade Estadual de Ponta

Leia mais

Geografia. Estrutura Geológica do Brasil. Professor Luciano Teixeira.

Geografia. Estrutura Geológica do Brasil. Professor Luciano Teixeira. Geografia Estrutura Geológica do Brasil Professor Luciano Teixeira Geografia ESTRUTURA GEOLÓGICA DO BRASIL Formas de Relevo Montanhas Montanhas constituem grandes elevações da superfície, cujas altitudes

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA Luiz de Queiroz LSO Gênese, Morfologia e Classificação de Solos SOLOS SOLOS POUCO DESENVOLVIDOS RASOS

ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA Luiz de Queiroz LSO Gênese, Morfologia e Classificação de Solos SOLOS SOLOS POUCO DESENVOLVIDOS RASOS ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA Luiz de Queiroz LSO 410 - Gênese, Morfologia e Classificação de Solos SOLOS SOLOS POUCO DESENVOLVIDOS RASOS Prof. Jairo A. Mazza Piracicaba, SP Fonte: Buol et al., 1997.

Leia mais

VULNERABILIDADE AMBIENTAL E ASPECTOS GEOAMBIENTAIS NO VALE DO PACOTI CE

VULNERABILIDADE AMBIENTAL E ASPECTOS GEOAMBIENTAIS NO VALE DO PACOTI CE VULNERABILIDADE AMBIENTAL E ASPECTOS GEOAMBIENTAIS NO VALE DO PACOTI CE INTRODUÇÃO Andrea Bezerra Crispim Mestranda em Geografia UECE crispimab@gmail.com Marcos José Nogueira de Souza Prof. Dr. Em Geografia

Leia mais

LISTA DE EXERCICIOS I TOPOGRAFIA I

LISTA DE EXERCICIOS I TOPOGRAFIA I LISTA DE EXERCICIOS I TOPOGRAFIA I 1-Em um mapa cuja escala é 1:2.500.000, duas cidades estão separadas, em linha reta, por 5 centímetros. A distância real (no terreno) entre essas duas cidades é a) 50

Leia mais

DISCIPLINA: Geografia Professor: Alissom Queiroz Data: 11/11/2016 Ensino Fundamental II Série: SEXTO ANO Turmas: 16A, 16B e 16C

DISCIPLINA: Geografia Professor: Alissom Queiroz Data: 11/11/2016 Ensino Fundamental II Série: SEXTO ANO Turmas: 16A, 16B e 16C DISCIPLINA: Geografia Professor: Alissom Queiroz Data: 11/11/2016 Ensino Fundamental II Série: SEXTO ANO Turmas: 16A, 16B e 16C RELAÇÃO DE CONTEÚDOS PARA O EXAME FINAL E AVALIAÇÃO ESPECIAL Conteúdos de

Leia mais

INTRODUÇÃO. Argissolos 16,7%

INTRODUÇÃO. Argissolos 16,7% INTRODUÇÃO A região Nordeste do Brasil, em razão da diversidade de climas, formações vegetais, tipos de rochas e conformações do relevo, apresenta uma grande diversidade de ambientes e, consequentemente,

Leia mais

Principais Solos do Brasil. Prof a Adélia Aziz A. Pozza CSO 110 PEDOLOGIA

Principais Solos do Brasil. Prof a Adélia Aziz A. Pozza CSO 110 PEDOLOGIA Principais Solos do Brasil Prof a Adélia Aziz A. Pozza CSO 110 PEDOLOGIA Componentes do Solo A Líquido Sólido inorgânico B Gás C Sólido orgânico Cor do Solo Matéria Orgânica Argila e quartzo Goethita (óxido

Leia mais

Geógrafo Frank Gundim Assessora Especial de Planejamento do DER-RJ

Geógrafo Frank Gundim Assessora Especial de Planejamento do DER-RJ DER-RJ Geógrafo Frank Gundim Assessora Especial de Planejamento do DER-RJ O uso inapropriado do meio ambiente aceleram e ampliam alguns processos. Por exemplo, as inundações são agravadas pelo desmatamento

Leia mais

ENSINO MÉDIO Geografia

ENSINO MÉDIO Geografia ENSINO MÉDIO Geografia Conteúdos da 1ª Série 1º/2º Bimestre 2016 Trabalho de Dependência Nome: N. o : Turma: Professor(a): Bruno Data: / /2016 Unidade: Cascadura Mananciais Méier Taquara Resultado / Rubrica

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. Ministério do Meio Ambiente

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. Ministério do Meio Ambiente Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação Ministério do Meio Ambiente O Projeto TerraClass é resultado da integração de esforços entre o MAPA, o MCTI

Leia mais

Mecanica dos solos I. Pedogênese. Princípios físicos da pedogênese. Princípios físicos da pedogênese. Adição. Adição. Transformação.

Mecanica dos solos I. Pedogênese. Princípios físicos da pedogênese. Princípios físicos da pedogênese. Adição. Adição. Transformação. Universidade Federal do Reconcavo da Bahia Centro de Ciencias Exatas e Tecnologicas Mecanica dos solos I Pedogênese 1. Intemperismo 1. Físico 2. Químico 3. Zonalidade 2. Mineralogia do solo 1. Classificação

Leia mais

Prof.º: Carlos D Boa Geofísica Relevo EXISTEM TERREMOTOS NO BRASIL?

Prof.º: Carlos D Boa Geofísica Relevo EXISTEM TERREMOTOS NO BRASIL? Prof.º: Carlos D Boa Geofísica Relevo EXISTEM TERREMOTOS NO BRASIL? 1.1 Observe as imagens abaixo: O pior terremoto do Brasil derrubou 4 mil casas em João Câmara (RN), em 1996 Aécio vai à cidade onde terremoto

Leia mais

Os principais aspectos físicos do continente americano

Os principais aspectos físicos do continente americano Os principais aspectos físicos do continente americano O CONTINENTE AMERICANO CARACTERÍSTICAS GERAIS O continente americano se destaca pela sua grande extensão Norte-Sul. É o segundo maior continente do

Leia mais

ANÁLISE DA VULNERABILIDADE À EROSÃO ATRAVÉS DE SIG: um subsídio ao zoneamento ecológico-econômico de Santo Amaro da Imperatriz/SC.

ANÁLISE DA VULNERABILIDADE À EROSÃO ATRAVÉS DE SIG: um subsídio ao zoneamento ecológico-econômico de Santo Amaro da Imperatriz/SC. ANÁLISE DA VULNERABILIDADE À EROSÃO ATRAVÉS DE SIG: um subsídio ao zoneamento ecológico-econômico de Santo Amaro da Imperatriz/SC. Autores: Allan Saddi Arnesen 1 ; Frederico Thompson Genofre 2 ; Marcelo

Leia mais

CAATINGA: UM BIOMA EXCLUSIVAMENTE BRASILEIRO

CAATINGA: UM BIOMA EXCLUSIVAMENTE BRASILEIRO CAATINGA: UM BIOMA EXCLUSIVAMENTE BRASILEIRO Caatinga 10 Estados 1280 municípios 844.453 km ² Projeto Cenários para o Bioma Caatinga Banco de Dados do Bioma Caatinga Rede Virtual da Informações da Caatinga

Leia mais

CARACTERÍSTICA DO CRESCIMENTO URBANO EM ÁREAS DE RISCO À EROSÃO NO SETOR LESTE DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - SP

CARACTERÍSTICA DO CRESCIMENTO URBANO EM ÁREAS DE RISCO À EROSÃO NO SETOR LESTE DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - SP CARACTERÍSTICA DO CRESCIMENTO URBANO EM ÁREAS DE RISCO À EROSÃO NO SETOR LESTE DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - SP C.R Serafim IP&D - UNIVAP M. Valério Filho IP&D - UNIVAP RESUMO: O município de São

Leia mais

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 07 ESTRUTURA GEOLÓGICA BRASILEIRA

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 07 ESTRUTURA GEOLÓGICA BRASILEIRA GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 07 ESTRUTURA GEOLÓGICA BRASILEIRA Como pode cair no enem? A partir dos dados apresentados, assinale a alternativa correta. a) A maior quantidade de minerais concentra-se em áreas

Leia mais

GEOMORFOLOGIA E USO DE GEOTECNOLOGIAS NA CARTOGRAFIA DO ALTO SERTÃO SERGIPANO

GEOMORFOLOGIA E USO DE GEOTECNOLOGIAS NA CARTOGRAFIA DO ALTO SERTÃO SERGIPANO GEOMORFOLOGIA E USO DE GEOTECNOLOGIAS NA CARTOGRAFIA DO ALTO SERTÃO SERGIPANO Rosa Helena Almeida Leite Santos 1, José Antônio Pacheco de Almeida 2, José Batista Siqueira 3, Samiramisthais Souza Linhares

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PAPEL DA DRENAGEM NA ELABORAÇÃO DE FEIÇÕES GEOMORFOLÓGICAS NO MUNICÍPIO DE GOIANA - PE

AVALIAÇÃO DO PAPEL DA DRENAGEM NA ELABORAÇÃO DE FEIÇÕES GEOMORFOLÓGICAS NO MUNICÍPIO DE GOIANA - PE Revista Brasileira de Geomorfologia - v. 10, nº 2 (2009) www.ugb.org.br AVALIAÇÃO DO PAPEL DA DRENAGEM NA ELABORAÇÃO DE FEIÇÕES GEOMORFOLÓGICAS NO MUNICÍPIO DE GOIANA - PE Daniel Rodrigues de Lira Mestrando

Leia mais

4. (Uemg 2016) BANGCOC AFUNDA, EM MÉDIA, DEZ MILÍMETROS POR ANO, SEGUNDO ESPECIALISTAS.

4. (Uemg 2016) BANGCOC AFUNDA, EM MÉDIA, DEZ MILÍMETROS POR ANO, SEGUNDO ESPECIALISTAS. 1. (G1 - cps 2016) A colonização do norte do Paraná ocorreu principalmente pela expansão da cafeicultura. Para que essa ocupação ocorresse, um dos fatores decisivos foi a presença de um solo muito fértil

Leia mais

DIAGNÓSTICO DOS IMPACTOS SOCIOAMBIENTAIS DECORRENTES DA AMPLIAÇÃO DA PONTE JUSCELINO KUBITSCHEK EM TERESINA-PI

DIAGNÓSTICO DOS IMPACTOS SOCIOAMBIENTAIS DECORRENTES DA AMPLIAÇÃO DA PONTE JUSCELINO KUBITSCHEK EM TERESINA-PI DIAGNÓSTICO DOS IMPACTOS SOCIOAMBIENTAIS DECORRENTES DA AMPLIAÇÃO DA PONTE JUSCELINO KUBITSCHEK EM TERESINA-PI Dinael David Ferreira Lima (*), Amanda Alves Feitosa *Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

ANÁLISE DOS PARÂMETROS MORFOMÉTRICOS DO MÉDIO DA BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO-RJ.

ANÁLISE DOS PARÂMETROS MORFOMÉTRICOS DO MÉDIO DA BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO-RJ. ANÁLISE DOS PARÂMETROS MORFOMÉTRICOS DO MÉDIO DA BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO-RJ. ANGEL LOO 1 e CLIBSON ALVES DOS SANTOS 2 angeel.loo@hotmail.com, clibsonsantos@gmail.com 1 Estudante

Leia mais

ANÁLISE DA VULNERABILIDADE NATURAL À PERDA DE SOLO DE BARÃO DE COTEGIPE, RS

ANÁLISE DA VULNERABILIDADE NATURAL À PERDA DE SOLO DE BARÃO DE COTEGIPE, RS ANÁLISE DA VULNERABILIDADE NATURAL À PERDA DE SOLO DE BARÃO DE COTEGIPE, RS Franciele Francisca Marmentini Rovani 1 Roberto Cassol 2 Cássio Arthur Wollmann 3 João Paulo Delapasse Simioni 4 Resumo: Esta

Leia mais

O uso de atributos topográficos como subsídio para o mapeamento pedológico preliminar da bacia hidrográfica do rio Pequeno (Antonina/PR)

O uso de atributos topográficos como subsídio para o mapeamento pedológico preliminar da bacia hidrográfica do rio Pequeno (Antonina/PR) O uso de atributos topográficos como subsídio para o mapeamento pedológico preliminar da bacia hidrográfica do rio Pequeno (Antonina/PR) Nowatzki, A. (UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ) ; Santos, L.J.C. (UNIVERSIDADE

Leia mais

ANÁLISE PAISAGÍSTICA INTEGRADA DO PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO MAR - NÚCLEO PICINGUABA, UBATUBA SP

ANÁLISE PAISAGÍSTICA INTEGRADA DO PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO MAR - NÚCLEO PICINGUABA, UBATUBA SP ANÁLISE PAISAGÍSTICA INTEGRADA DO PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO MAR - NÚCLEO PICINGUABA, UBATUBA SP Francisco Sérgio Bernardes LADEIRA 1 Ricardo de Sampaio DAGNINO 2 Marcos Wellausen Dias de FREITAS 3 Márcio

Leia mais

Conceito de Relevo. Internas ou endógenas: constroem o relevo. Externas ou exógenas: desgastam, modificam e modelam o relevo.

Conceito de Relevo. Internas ou endógenas: constroem o relevo. Externas ou exógenas: desgastam, modificam e modelam o relevo. Conceito de Relevo Relevo pode ser definido o conjunto das desnivelações que ocorrem sobre a superfície terrestre e que formam o modelado do planeta. Os desnivelamentos da crosta terrestre resultam da

Leia mais

8/14/2011. Conceito de solos. Levantamentos de solos. Processos pedogenéticos. Fatores pedogenéticos

8/14/2011. Conceito de solos. Levantamentos de solos. Processos pedogenéticos. Fatores pedogenéticos O SOLO NOS ECOSSISTEMAS (FLORESTAIS) Prof. J.Miguel Reichert (Prof. Ricardo Dalmolin) 1. O solo nos ecossistemas florestais 1.1. Funções gerais e ambientais do solo 1.2. O solo florestal Conceito de solos

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES. Turma: A, B, C, D ANO: 8º ANO LECTIVO 2010/2011 ACTIVIDADES/ ESTRATÉGIAS. Discussão / Debate.

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES. Turma: A, B, C, D ANO: 8º ANO LECTIVO 2010/2011 ACTIVIDADES/ ESTRATÉGIAS. Discussão / Debate. ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES 3º C.E.B. DISCIPLINA: Ciências Naturais Turma: A, B, C, D ANO: 8º ANO LECTIVO 2010/2011 COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ACTIVIDADES/ ESTRATÉGIAS AULAS

Leia mais

A TEORIA DO CONFORTO NATURAL, A DINÂMICA DA NATUREZA TERRESTRE E O PARADIGMA DA GEOGRAFIA ARTICULADA AO CONHECIMENTO HUMANO

A TEORIA DO CONFORTO NATURAL, A DINÂMICA DA NATUREZA TERRESTRE E O PARADIGMA DA GEOGRAFIA ARTICULADA AO CONHECIMENTO HUMANO Ricardo Carlos Trindade FCT/ UNESP Universidade Estadual Paulista ricatri86@gmail.com A TEORIA DO CONFORTO NATURAL, A DINÂMICA DA NATUREZA TERRESTRE E O PARADIGMA DA GEOGRAFIA ARTICULADA AO CONHECIMENTO

Leia mais

7. o ANO FUNDAMENTAL. Prof. a Andreza Xavier Prof. o Walace Vinente

7. o ANO FUNDAMENTAL. Prof. a Andreza Xavier Prof. o Walace Vinente 7. o ANO FUNDAMENTAL Prof. a Andreza Xavier Prof. o Walace Vinente CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade III Cidadania e movimento. Aula 13. 2 Conteúdo Estrutura geológica e relevo. Habilidade Compreender a

Leia mais

COLEÇÃO CARTOGRÁFICA DO SUDOESTE GOIANO: A UTILIZAÇÃO DO GEOPROCESSAMENTO COMO FERRAMENTA PARA CONFECCIONAR MATERIAL DIDÁTICO DE CARTOGRAFIA.

COLEÇÃO CARTOGRÁFICA DO SUDOESTE GOIANO: A UTILIZAÇÃO DO GEOPROCESSAMENTO COMO FERRAMENTA PARA CONFECCIONAR MATERIAL DIDÁTICO DE CARTOGRAFIA. COLEÇÃO CARTOGRÁFICA DO SUDOESTE GOIANO: A UTILIZAÇÃO DO GEOPROCESSAMENTO COMO FERRAMENTA PARA CONFECCIONAR MATERIAL DIDÁTICO DE CARTOGRAFIA. Leonardo Martins, MACHADO CAJ/UFG 1 Iraci, SCOPEL CAJ/UFG 2

Leia mais

Cartografia Digital e Geoprocessamento

Cartografia Digital e Geoprocessamento Cartografia Digital e Geoprocessamento Processo/ Fenômeno Dado Espacial/ Geodado Espaço Geográfico Redução de Dimensionalidade Espaço (Representado) Mapas Representações Computacionais De ALGUMAS Dimensões

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DO RELEVO BRASILEIRO. Prof.º Elves Alves

CLASSIFICAÇÃO DO RELEVO BRASILEIRO. Prof.º Elves Alves CLASSIFICAÇÃO DO RELEVO BRASILEIRO Prof.º Elves Alves www.professorelves.webnode.com.br ERAS GEOLÓGICAS ERAS GEOLÓGICAS Cenozoica (Terciário e Quaternário): Dobramentos modernos: Alpes, Andes, Himalaia,

Leia mais

SÍNTESE. AUTORES: MSc. Clibson Alves dos Santos, Dr. Frederico Garcia Sobreira, Shirlei de Paula Silva.

SÍNTESE. AUTORES: MSc. Clibson Alves dos Santos, Dr. Frederico Garcia Sobreira, Shirlei de Paula Silva. Mapeamento da cobertura vegetal e uso do solo nas bacias do ribeirão Carioca, córrego do Bação e córrego da Carioca, no município de Itabirito - MG: uma análise preliminar. AUTORES: MSc. Clibson Alves

Leia mais

ENSINANDO HISTÓRIA E GEOGRAFIA. A Geografia Levada a Sério

ENSINANDO HISTÓRIA E GEOGRAFIA.  A Geografia Levada a Sério ENSINANDO HISTÓRIA E GEOGRAFIA 1 Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina. Cora Coralina 2 Aquarela Toquinho Vinícius de Moraes M. Fabrízio G. Moura - 1983 3 Tempo e espaço Deve-se

Leia mais

Análise morfométrica das microbacias do Córrego da Onça, dos Macacos e dos. Dourados na Bacia do Rio Araguari.

Análise morfométrica das microbacias do Córrego da Onça, dos Macacos e dos. Dourados na Bacia do Rio Araguari. 1 Análise morfométrica das microbacias do Córrego da Onça, dos Macacos e dos Dourados na Bacia do Rio Araguari. José Arlindo Braga Neto 1 ; Ana Cláudia Bernardes Brito! ; Kathereyn Jéssica Rosa Fiordelice!

Leia mais

Regionalização e Planejamento regional

Regionalização e Planejamento regional Regionalização e Planejamento regional O que é regionalização? Entende-se por regionalização, a divisão de um espaço ou território em unidades de área que apresentam características que as individualizam.

Leia mais

Análise da vulnerabilidade natural à perda de solo do município de Fátima TO

Análise da vulnerabilidade natural à perda de solo do município de Fátima TO Análise da vulnerabilidade natural à perda de solo do município de Fátima TO Warley da Costa Arruda 1 Ricardo Ribeiro Dias 2 Eduardo Quirino Pereira 3 1 Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia INPA

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2013 Conteúdos Habilidades Avaliação

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2013 Conteúdos Habilidades Avaliação COLÉGIO LA SALLE BRASÍLIA Disciplina: Geografia Trimestre: 1º PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2013 1. Mundo contemporâneo: economia e geopolítica: - Processo de desenvolvimento do capitalismo - Geopolítica

Leia mais

Geografia. As Regiões Geoeconômicas do Brasil. Professor Luciano Teixeira.

Geografia. As Regiões Geoeconômicas do Brasil. Professor Luciano Teixeira. Geografia As Regiões Geoeconômicas do Brasil Professor Luciano Teixeira www.acasadoconcurseiro.com.br Geografia Aula XX AS REGIÕES GEOECONÔMICAS DO BRASIL A divisão regional oficial do Brasil é aquela

Leia mais

ANÁLISE DO RELEVO DA MICROBACIA

ANÁLISE DO RELEVO DA MICROBACIA 1. INTRODUÇÃO ANÁLISE DO RELEVO DA MICROBACIA Valdemir Antonio Rodrigues FCA Unesp Luis Alberto Bucci Instituto Florestal de São Paulo Danilo Simões Estudante de Pós Graduação Carlos Adolfo Bantel Engenheiro

Leia mais

Dr. Mário Jorge de Souza Gonçalves

Dr. Mário Jorge de Souza Gonçalves Avaliação Qualitativa da Porosidade /Permeabilidade de Aquíferos em Função da Dinâmica Sazonal das Precipitações e das Vazões na Bacia Hidrográfica do Rio Verde-BA. Dr. Mário Jorge de Souza Gonçalves Novembro

Leia mais

Alessander C. Morales Kormann

Alessander C. Morales Kormann Riscos geológico-geotécnicos em taludes rodoviários: desenvolvimento de uma metodologia de mapeamento e gerenciamento integrado de informações para a BR-376, trecho da Serra do Mar (PR-SC) Alessander C.

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DA ESTAÇÃO ECOLÓGICA DE ITAPEVA E DE SUA ÁREA DE ENTORNO, SÃO PAULO, BRASIL

CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DA ESTAÇÃO ECOLÓGICA DE ITAPEVA E DE SUA ÁREA DE ENTORNO, SÃO PAULO, BRASIL VI Seminário Latino Americano de Geografia Física II Seminário Ibero Americano de Geografia Física Universidade de Coimbra, Maio de 2010 CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DA ESTAÇÃO ECOLÓGICA DE ITAPEVA E

Leia mais

Grade curricular do curso de graduação em Geologia da Universidade Federal do Espírito Santo

Grade curricular do curso de graduação em Geologia da Universidade Federal do Espírito Santo 1 ENG 05501 Álgebra Linear e Geometria Analítica - Obr 30-30-0 3 60 1 ENG 05504 Cálculo I - Obr 30-30-0 3 60 1 ZOO 05228 Química Básica - Obr 15-0-30 2 45 1 DPV 05631 Ecologia Básica - Obr 60-0-0 4 60

Leia mais

Mapeamento geoambiental da área interfluvial dos rios Ibicuí e Jaguari - São Vicente do Sul, RS 1

Mapeamento geoambiental da área interfluvial dos rios Ibicuí e Jaguari - São Vicente do Sul, RS 1 Mapeamento geoambiental da área interfluvial dos rios Ibicuí e Jaguari - São Vicente do Sul, RS 1 Elisabete Weber Reckziegel 2, Luís Eduardo de Souza Robaina 3 2 Laboratório de Geologia Ambiental (LAGEOLAM)/UFSM

Leia mais

O USO E OCUPAÇÃO DA BACIA DO ALTO CURSO DO RIO UBERABINHA, MG E OS REFLEXOS NA PERMEABILIDADE DO SOLO E NA RECARGA DA ZONA SATURADA FREÁTICA

O USO E OCUPAÇÃO DA BACIA DO ALTO CURSO DO RIO UBERABINHA, MG E OS REFLEXOS NA PERMEABILIDADE DO SOLO E NA RECARGA DA ZONA SATURADA FREÁTICA O USO E OCUPAÇÃO DA BACIA DO ALTO CURSO DO RIO UBERABINHA, MG E OS REFLEXOS NA PERMEABILIDADE DO SOLO E NA RECARGA DA ZONA SATURADA FREÁTICA Autora: Ângela Maria Soares UFTM Universidade Federal do Triângulo

Leia mais

MÉTODOS DE REPRESENTÇÃO DA CARTOGRAFIATEMÁTICA: REPRESENTAÇÕES DINÂMICAS E CARTOGRAFIA DE SÍNTESE

MÉTODOS DE REPRESENTÇÃO DA CARTOGRAFIATEMÁTICA: REPRESENTAÇÕES DINÂMICAS E CARTOGRAFIA DE SÍNTESE Aula MÉTODOS DE REPRESENTÇÃO DA CARTOGRAFIATEMÁTICA: REPRESENTAÇÕES DINÂMICAS E CARTOGRAFIA DE SÍNTESE META Representar os fenômenos quando estes variam no tempo e no espaço e apresentar como se processa

Leia mais

SUBTROPICAL (SÃO GABRIEL - RS)

SUBTROPICAL (SÃO GABRIEL - RS) PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= 01- Analise as imagens.

Leia mais

MAPEAMENTO DE UNIDADES DO RELEVO NO OESTE DO RS: O CASO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO MIRACATÚ

MAPEAMENTO DE UNIDADES DO RELEVO NO OESTE DO RS: O CASO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO MIRACATÚ MAPEAMENTO DE UNIDADES DO RELEVO NO OESTE DO RS: O CASO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO MIRACATÚ Dionara DE NARDIN 1 Luís Eduardo de Souza ROBAINA 2 RESUMO A problemática ambiental tornou-se evidente a

Leia mais

Uso de geotecnologias livres para o mapeamento das plantações de Eucalipto, Nossa Senhora do Socorro-SE

Uso de geotecnologias livres para o mapeamento das plantações de Eucalipto, Nossa Senhora do Socorro-SE http://dx.doi.org/10.12702/viii.simposfloresta.2014.210-469-2 Uso de geotecnologias livres para o mapeamento das plantações de Eucalipto, Nossa Senhora do Socorro-SE Janisson B. de Jesus 1, Dráuzio C.

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS CHUVAS NA BACIA DO RIO ARAGUARI (MG) Washington Luiz Assunção 1 Jorge Luís Silva Brito 2 Dayane Zandonadi Soares 3

DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS CHUVAS NA BACIA DO RIO ARAGUARI (MG) Washington Luiz Assunção 1 Jorge Luís Silva Brito 2 Dayane Zandonadi Soares 3 DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS CHUVAS NA BACIA DO RIO ARAGUARI (MG) (Texto publicado no VII Simpósio Brasileiro de Climatologia Geográfica Rondonópolis/MT Agosto de 2006) Washington Luiz Assunção 1 Jorge Luís

Leia mais

Evolução da Paisagem Geomorfológica no Médio Vale do Rio Paraíba do Sul: o papel do pulso erosivo do Atlântico. Marcelo Motta MorfoTektos

Evolução da Paisagem Geomorfológica no Médio Vale do Rio Paraíba do Sul: o papel do pulso erosivo do Atlântico. Marcelo Motta MorfoTektos Evolução da Paisagem Geomorfológica no Médio Vale do Rio Paraíba do Sul: o papel do pulso erosivo do Atlântico Marcelo Motta MorfoTektos Seminário PosGeo UERJ outubro 2015 Almeida, 1978 N 68 36 0 A 8

Leia mais

Roteiro de estudos para recuperação trimestral

Roteiro de estudos para recuperação trimestral Roteiro de estudos para recuperação trimestral Disciplina: Professor (a): GEOGRAFIA SUELI VASCONCELOS Conteúdo: GEOGRAFIA FÍSICA: ESTRUTURA GEOLÓGICA MUNDO E BRASIL; RECURSOS MINERAIS DO BRASIL;AGENTES

Leia mais

O GEOPROCESSAMENTO APLICADO A AGRICULTURA: IDENTIFICAÇÃO DOS SOLOS PARA O CULTIVO DE COCO IRRIGADO NO MUNICÍPIO DE RODELAS - BAHIA

O GEOPROCESSAMENTO APLICADO A AGRICULTURA: IDENTIFICAÇÃO DOS SOLOS PARA O CULTIVO DE COCO IRRIGADO NO MUNICÍPIO DE RODELAS - BAHIA O GEOPROCESSAMENTO APLICADO A AGRICULTURA: IDENTIFICAÇÃO DOS SOLOS PARA O CULTIVO DE COCO IRRIGADO NO MUNICÍPIO DE RODELAS - BAHIA Roneíse de Jesus Lima¹, Diêgo Pereira Costa², Raphaela Santana Melo Araujo³,

Leia mais

ASPECTOS NATURAIS E ANTRÓPICOS RELEVANTES PARA A COMPREENSÃO DO ASSOREAMENTO DA BAÍA DE ANTONINA: ABORDAGEM INTRODUTÓRIA PAULA, E. V. 1 CUNICO, C.

ASPECTOS NATURAIS E ANTRÓPICOS RELEVANTES PARA A COMPREENSÃO DO ASSOREAMENTO DA BAÍA DE ANTONINA: ABORDAGEM INTRODUTÓRIA PAULA, E. V. 1 CUNICO, C. ASPECTOS NATURAIS E ANTRÓPICOS RELEVANTES PARA A COMPREENSÃO DO ASSOREAMENTO DA BAÍA DE ANTONINA: ABORDAGEM INTRODUTÓRIA PAULA, E. V. 1 1 Doutorando em Geografia da Universidade Federal do Paraná LABOFIS/ADEMADAN

Leia mais

Colégio de Nossa Senhora de Fátima - Leiria. Geografia 8º ano. Planificação a longo prazo. Filipe Miguel Botelho 2012/2013

Colégio de Nossa Senhora de Fátima - Leiria. Geografia 8º ano. Planificação a longo prazo. Filipe Miguel Botelho 2012/2013 Colégio de Nossa Senhora de Fátima - Leiria Geografia 8º ano Planificação a longo prazo Filipe Miguel Botelho 0/03 Planificação a longo prazo 8º ano - Geografia º Período Aulas º Período Aulas 3º Período

Leia mais

Decifrar as formas. Nesta aula, vamos acompanhar o trabalho

Decifrar as formas. Nesta aula, vamos acompanhar o trabalho A UU L AL A Decifrar as formas Nesta aula, vamos acompanhar o trabalho do geógrafo na interpretação das formas que as diferentes paisagens assumem. Vamos perceber que a crosta terrestre, ou litosfera,

Leia mais

FRAGILIDADE AMBIENTAL NA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO DO YUNG JUIZ DE FORA/MG

FRAGILIDADE AMBIENTAL NA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO DO YUNG JUIZ DE FORA/MG FRAGILIDADE AMBIENTAL NA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO DO YUNG JUIZ DE FORA/MG Waltencir Menon Júnior 1 Ricardo Tavares Zaidan 2 Universidade Federal de Juiz de Fora FRAGILIDADE AMBIENTAL NA BACIA HIDROGRÁFICA

Leia mais

O USO DO GEOPROCESSAMENTO NO ESTUDO AMBIENTAL DE BACIA HIDROGRÁFICA

O USO DO GEOPROCESSAMENTO NO ESTUDO AMBIENTAL DE BACIA HIDROGRÁFICA O USO DO GEOPROCESSAMENTO NO ESTUDO AMBIENTAL DE BACIA HIDROGRÁFICA 1. INTRODUÇÃO Danielli Batistella Saquet Geógrafa e Mestre em Geomática pela UFSM E-mail: danisaquet@hotmail.com José Américo de Mello

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO EM FÍSICA DO SOLO. Não estudar apenas por esta lista

ESTUDO DIRIGIDO EM FÍSICA DO SOLO. Não estudar apenas por esta lista ESTUDO DIRIGIDO EM FÍSICA DO SOLO QUESTÕES: Não estudar apenas por esta lista 1) Cite três importantes aplicações da moderna física do solo. 2) Cite as principais causas de compactação do solo. 3) Descreva

Leia mais

COMPARTIMENTAÇÃO GEOAMBIENTAL COMO SUBSÍDIO AO PLANEJAMENTO MUNICIPAL: ESTUDO DE CASO DE CAMOCIM, CEARÁ.

COMPARTIMENTAÇÃO GEOAMBIENTAL COMO SUBSÍDIO AO PLANEJAMENTO MUNICIPAL: ESTUDO DE CASO DE CAMOCIM, CEARÁ. Autora: Vanessa Barbosa de Alencar Graduada em Geografia modalidade Bacharelado e graduanda em Geografia modalidade Licenciatura, ambas pela Universidade Estadual do Ceará- UECE. E-mail: vanessa.alencar@aluno.uece.br

Leia mais

Ministério Público do Rio Grande do Sul Divisão de Assessoramento Técnico PARECER DOCUMENTO DAT-MA Nº 3038/2008

Ministério Público do Rio Grande do Sul Divisão de Assessoramento Técnico PARECER DOCUMENTO DAT-MA Nº 3038/2008 PARECER DOCUMENTO DAT-MA Nº 3038/2008 UNIDADE DE ASSESSORAMENTO AMBIENTAL GEOPROCESSAMENTO BACIAS HIDROGRÁFICAS PARA: Dr. Alexandre Saltz Centro de Apoio Operacional de Defesa do Meio Ambiente DE: Luciano

Leia mais

EUVG PARQ 5 TECNOLOGIAS E MATERIAIS E TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO III

EUVG PARQ 5 TECNOLOGIAS E MATERIAIS E TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO III EUVG PARQ 5 TECNOLOGIAS E MATERIAIS E TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO III EUVG PARQ 5 TMTC III 24.10 ESTABILIZAÇÃO DE TALUDES TÉCNICA DE ENGENHARIA NATURAL AMRP-AP NATURAIS E ARTIFICIAIS: TALUDE NATURAL é aquele

Leia mais