MAPA GEOMORFOLÓGICO PRELIMINAR DA PORÇÃO SUDOESTE DE ANÁPOLIS- GO EM ESCALA 1/ Frederico Fernandes de Ávila 1,3 ;Homero Lacerda 2,3 RESUMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MAPA GEOMORFOLÓGICO PRELIMINAR DA PORÇÃO SUDOESTE DE ANÁPOLIS- GO EM ESCALA 1/ Frederico Fernandes de Ávila 1,3 ;Homero Lacerda 2,3 RESUMO"

Transcrição

1 MAPA GEOMORFOLÓGICO PRELIMINAR DA PORÇÃO SUDOESTE DE ANÁPOLIS- GO EM ESCALA 1/ Frederico Fernandes de Ávila 1,3 ;Homero Lacerda 2,3 1 Bolsista PIBIC/UEG 2 Orientador - Pesquisador 3 Curso de Geografia, Unidade Universitária de Ciências Sócio-Econômicas e Humanas, UEG RESUMO O trabalho trata do mapeamento geomorfológico da porção sudoeste de Anápolis, em escala 1/ A área tem 15 Km² e está localizada no Planalto Central Goiano, na área de transição entre o Planalto do Alto Tocantins/Paranaíba e Planalto Rebaixado de Goiânia. A compartimentação do relevo compreende quatro categorias de natureza genética: Modelado de Aplanamento; Modelado de Dissecação; Modelado de Acumulação; e Modelado Antrópico. As três primeiras se subdividem em nove compartimentos menores, caracterizados por seus atributos morfológicos e morfométricos. O Modelado Antrópico é representado pelas formas de relevo relacionadas ao assoreamento e pelas erosões. Os compartimentos mais afetados pela erosão são Vertentes, Rampas, Escarpas de Erosão e Rebordo Erosivo. Palavras-Chaves: compartimentação geomorfológica, modelados e acidentes geomorfológicos Introdução A área abordada mede 15 Km 2, está localizada na porção sudoeste de Anápolis e inserida no Planalto Central Goiano. Na proposta de Ross (1992), referente à taxonomia do relevo, o Planalto Goiano pode ser considerado como 1 táxon. A área está na transição entre o Planalto do Alto Tocantins/Paranaíba e Planalto Rebaixado de Goiânia (Nascimento, 2004), que seriam unidades correspondentes ao 2 táxon. Trata-se de um lugar de grande importância sócio-ambiental, pois está localizado na bacia hidrográfica do Ribeirão João Leite, responsável pelo fornecimento de 52% da água consumida em Goiânia. A região tem grande diversidade de compartimentos de relevo, incluindo desde topos planos, rampas e vales bastante encaixados, além de várias cabeceiras de drenagem. É afetada por acidentes geomorfológicos como erosão acelerada e assoreamento. Estes fatores motivaram a elaboração do mapa geomorfológico apresentado nesta contribuição, abordando os compartimentos do relevo e as suas relações com a erosão acelerada e o assoreamento. Uma proposta de compartimentação do relevo para a região de Anápolis foi apresentada por Lacerda (2005), com base em mapeamento geomorfológico em escala 1/ Na área abordada 1

2 nesta contribuição este autor cartografou dois compartimentos principais: um modelado de aplanamento contendo topos planos, rebordos erosivos e rampas; um modelado de dissecação em morros. Este autor assinala a concentração de ravinas e voçorocas no modelado de dissecação comentando, ainda, a existência de ravinas no modelado de aplanamento. A proposta do trabalho ora apresentado é avançar no conhecimento da geomorfologia da área, através de mapeamento geomorfológico mais detalhado, em escala 1/25.000, utilizando a proposta de Ross (1992) quanto à taxonomia das formas do relevo. Material e Métodos Os documentos cartográficos utilizados no mapeamento compreendem: planta digital da cidade de Anápolis em arquivo do programa AutoCAD, com Imagem de Satélite Ikonos 2001 anexada, que serviu de mapa base; Mapa topográfico em escala 1/ com eqüidistância das curvas de nível de 20m; Fotos aéreas preto e branco da USAF/1965. A identificação e mapeamento dos compartimentos do relevo foram feitos principalmente com base na interpretação de fotografias aéreas, utilizando-se estereoscópio de bolso, com traçado sobre overlays. As formas do relevo antrópico foram identificadas e delimitadas com auxílio da imagem Ikonos. Para auxiliar no mapeamento, foram utilizados mapas hipsométricos e clinográficos, além de bloco diagrama. Estes documentos foram gerados utilizando-se os programas dxf2xyz e Surfer 8. Toda a digitalização foi feita utilizando o programa AutoCAD. O trabalho foi enriquecido com informações obtidas de mapas temáticos preexistentes, tais como: Mapa geológico e mapa de materiais inconsolidados da região de Anápolis em escala 1/ , compilados por Lacerda (2005); e Mapas geológico, geomorfológico e pedológico em escala 1/ (Projeto RadamBrasil, 1983). No mapeamento foi empregado o conceito de taxonomia das formas do relevo, segundo a proposta de Ross (1992). Resultados e Discussão Na porção sudoeste de Anápolis foram identificados e cartografados quatro tipos de modelados, que correspondem ao 3 táxon de Ross (1992). Segundo Jatobá e Lins (2003) Modelados são agrupamentos de formas de relevo que apresentam similitudes de definição geométrica em função de uma gênese comum e da generalização dos processos morfogenéticos atuantes. Os modelados cartografados são: Modelado de Dissecação; Modelado de Aplanamento; Modelado de Acumulação; e Modelado Antrópico. Os três primeiros foram subdivididos em nove compartimentos menores, que correspondem ao 4 táxon (as formas individualizadas de relevo como, por exemplo, os Interflúvios Aguçados) e 5 táxons (as partes das formas do relevo como, por exemplo, as Vertentes). O Modelado Antrópico corresponderia ao 6 táxon, englobando as 2

3 pequenas formas de relevo que se desenvolvem sob ação antrópica tais como erosão acelerada e assoreamento (Figura 1). Figura 1: Mapa Geomorfológico e perfil topográfico da Porção Sudoeste de Anápolis. Fonte: fotointerpretação e análise cartográfica. Modelado de Acumulação: Está representado por Planícies Fluviais, geradas pelo processo de sedimentação em ambiente fluvial e caracterizadas pela presença dos Depósitos Aluvionares. Estes 3

4 compartimentos se estendem ao longo do Córrego Guerobal e afluentes do Córrego Jenipapo, em altitudes de a m. Modelado de Aplanamento: É representado por relevo de gradiente suave, com pouco ou nenhum entalhamento pelos processos erosivos lineares. São recobertos por latossolos profundos e Lateritas, indicando a natureza estável destes terrenos. Este modelado se subdivide em quatro compartimentos menores: Topo Plano; Topo Convexo; Rebordo Erosivo; e Rampas. Topo Plano: Ocorre exclusivamente na parte leste da área, em altitudes de 1.100m a 1.140m. As declividades são baixas e os valores medidos em campo são geralmente inferiores a 3%. Topo Convexo: Compreendem quatro pequenas elevações identificadas na transição das Rampas para as Vertentes, em altitudes de cerca de 1.080m. Rampas: Ocupam grande parte da área de estudo, em altitudes de 1.000m a 1.120m. São formas de relevo que apresentam declividades geralmente inferiores a 10% mas podem, na parte norte da área, ter declividades de 10 a 20%. Rebordo Erosivo: São as formas de relevo que se encontram entre o Topo Plano e as Rampas, têm declividades entre 10% e 30% e formas retilíneas e até mesmo convexas em perfil. Modelado de Dissecação: É composto por compartimentos de relevo em que a erosão fluvial foi o fator preponderante na sua formação. Por ser um compartimento mais dinâmico, que de certa forma é mais instável, há grande variedade nas formações superficiais. Os solos são mais rasos que no Modelado de Aplanamento, sendo encontrados cascalhos com fragmentos líticos e de quartzo de veio, Podzólico Vermelho-Amarelo (Lacerda, 2005), além de Gleissolos em cabeceiras de drenagem. Este modelado compreende quatro subdivisões: Vertentes; Interflúvio Aguçado; Interflúvio Convexo; e Escarpa Erosiva. Escarpa Erosiva: É similar ao Rebordo Erosivo, mas está na transição do Topo Plano para as Vertentes. Ocorre em altitudes que vão de a 1.120m, com declividades de 20 a 30% e, pontualmente, superiores a 30%. Vertentes: Podem ter formas côncavas, convexas e retilíneas, tanto em planta quanto em perfil. Ocorrem em altitudes de 980m a 1.120m e a declividade mais freqüente é de 20% a 30%. No entanto, existem locais onde a declividade é menor, inferior a 10% e locais onde é maior, superior aos 30%. Destaca-se a presença de numerosas (18) Cabeceiras de Drenagem, caracterizadas pela forma côncavas (em mapa) do limite Vertente/Rampa ou Vertente/Topo Plano. Interflúvios Aguçados: Têm forma alongada e estreita e, no centro da área, estão em altitudes de 1.020m a 1.080m com declividades entre 10% a 20%. O compartimento situado na porção norte da área tem declividade menor que 10% até 20% e ocorre em altitudes de 980m a 1.060m. 4

5 Interflúvios Convexos: Distinguem-se dos anteriores por sua forma convexa e maior amplitude. Ocorrem em altitudes de 1.000m e 1.040m, com declividades entre 10 e 20%. Modelado Antrópico: Ávila (2005) identificou 53 erosões e 2 fundos de vales assoreados na área. Analisando-se as relações entre erosão acelerada e formas de relevo, observa-se que os compartimentos afetados são Vertentes, Rampas, Escarpa Erosiva e Rebordo Erosivo (Tabela 1). FORMAS DE RELEVO RAVINAS VOÇOROCAS Vertentes 24 4 Rampas 15 1 Escarpa Erosiva 4 1 Rebordo Erosivo 4 TOTAL 47 6 Tabela 1: Relação da erosões com as formas de relevo. A partir dos dados morfométricos pode-se admitir que as Escarpas Erosivas e as Vertentes são as áreas com maior suscetibilidade à erosão acelerada, devido às altas declividades, que chegam a exceder 30%. No caso das vertentes, é importante ressaltar que contém numerosas Cabeceiras de Drenagem, locais de grande suscetibilidade à erosão, pois são áreas de confluência de fluxos subterrâneos e superficiais. Rebordos Erosivos tem altas declividades e, deste ponto de vista, também seriam áreas suscetíveis à erosão. No entanto, como os comprimentos de rampas são pequenos, esta suscetibilidade não é alta. Rampas são compartimentos pouco suscetíveis à erosão acelerada, tendo em vista as baixas declividades. No entanto, as Rampas e Rebordo Erosivo são áreas que, em conjunto, contém 31 erosões. Isto é devido ao uso do solo, pois nestas áreas são freqüentes as caixas de empréstimo. Segundo Lacerda (2005) nas cascalheiras existentes em Anápolis não se tem cuidados com a proteção do solo, o que resultou em degradação por processos erosivos acelerados. Este fato mostra que o uso inadequado do solo influencia no desencadeamento dos processos erosivos acelerados. Conclusões A cartografia geomorfológica da porção sudoeste de Anápolis foi feita em escala 1/25.000, tendo como base teórica a proposta de taxonomia de formas de relevo de Ross (1992). Este trabalho permitiu avançar em relação aos conhecimentos prévios (Lacerda, 2005). Na cartografia ora apresentada foram identificados quatro modelados, que representam o 3 táxon. O Modelado de Acumulação está representado por Planícies Fluviais. O Modelado de Aplanamento 5

6 compreende Topos Planos, Topos Convexos, Rebordos Erosivos e Rampas, representando o 5 o táxon. O Modelado de Dissecação foi subdividido em compartimentos correspondentes aos 4 o e 5 o táxons: Vertentes; Interflúvios Aguçados; Interflúvios Convexos; e Escarpas Erosivas. O Modelado Antrópico, que também corresponde ao 6 táxon, está representado pelas 53 erosões aceleradas e os dois locais onde ocorre assoreamento. Das 53 erosões, 33 estão relacionadas ao Modelado de Dissecação, onde as declividades são mais elevadas. Os compartimentos com maior suscetibilidade erosiva são Escarpas Erosivas e Vertentes. No entanto, das 20 erosões no Modelado de Aplanamento 16 estão relacionados às Rampas onde a declividade é baixa, porém existem caixas de empréstimo. Isto indica que o uso do solo é um fator de grande importância no desencadeamento dos processos erosivos acelerados. Referências Bibliográficas ÁVILA F. F.. Uso da Terra e Erosão Acelerada na Porção Sudoeste de Anápolis (GO). In: EREGEO, 9, 2005, Porto Nacional. Anais... Porto Nacional: UFT, disco compacto, JATOBÁ, L.; LINS, R. C.. Introdução a Geomorfologia. 4 edª. Ed. Bagaço. Recife, LACERDA, H. Mapeamento geomorfológico como subsídio ao controle preventivo da erosão urbana em Anápolis-GO. In: 11 CONGRESSO BRASILEIRO DE GEOLOGIA DE ENGENHARIA E AMBIENTAL. Florianópolis-SC: ABGE, (Aceito) MME/SG. Projeto RADAMBRASIL: Levantamento de recursos naturais, v. 31. Rio de Janeiro: MME/SG, NASCIMENTO, A. S.. Impactos Ambientais e Expansão Urbana nas Cabeceiras de Drenagem do Córrego Catingueiro Anápolis/GO. In: CONGR. BRAS. DE GEÓGRAFOS, 6, 2004, Goiânia. Anais...Goiânia: AGB, disco compacto, ROSS, J. L. S. O registro cartográfico dos Fatos Geomórficos e a Questão da Taxonomia do Relevo, Rev. do Depto. Geografia, FFLCH-USP, São Paulo, n.6, p.17-29, Geomorfologia: Ambiente e planejamento. 7 ed. São Paulo: Contexto, 2003, p. 29. SANTOS, L. R.; LACERDA, L. Compartimentação do relevo na porção noroeste de Anápolis (GO).. In: AGB, 6 Congr. Bras. de Geógrafos, Goiânia. Anais, disco compacto, 10p

ELABORAÇÃO DE MAPA GEOMORFOLÓGICO DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP.

ELABORAÇÃO DE MAPA GEOMORFOLÓGICO DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP. ELABORAÇÃO DE MAPA GEOMORFOLÓGICO DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP. João Osvaldo Rodrigues Nunes (joaosvaldo@fct.unesp.br), Melina Fushimi (melinafushimi@yahoo.com.br) Universidade Estadual Paulista

Leia mais

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP, BRASIL.

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP, BRASIL. MAPEAMENT GEMRFÓGIC N MUNICÍPI DE PRESIDENTE PRUDENTE SP, BRASI. Melina Fushimi (melinafushimi@yahoo.com.br), João svaldo Rodrigues Nunes (joaosvaldo@fct.unesp.br) Universidade Estadual Paulista Júlio

Leia mais

GEOMORFOLOGIA ANTRÓPICA E RISCOS GEOMORFOLÓGICOS NA MICROBACIA DO CÓRREGO ÁGUA FRIA, ANÁPOLIS (GO) Andrelisa Santos de Jesus 1 ; Homero Lacerda 2

GEOMORFOLOGIA ANTRÓPICA E RISCOS GEOMORFOLÓGICOS NA MICROBACIA DO CÓRREGO ÁGUA FRIA, ANÁPOLIS (GO) Andrelisa Santos de Jesus 1 ; Homero Lacerda 2 1 GEOMORFOLOGIA ANTRÓPICA E RISCOS GEOMORFOLÓGICOS NA MICROBACIA DO CÓRREGO ÁGUA FRIA, ANÁPOLIS (GO) 1 Bolsista PBIC/UEG; Andrelisa Santos de Jesus 1 ; Homero Lacerda 2 2 Orientador, Curso de Geografia,

Leia mais

USO DA TERRA, EROSÃO ACELERADA E ASSOREAMENTO NA MICROBACIA DO CÓRREGO DOS GÓIS, ANÁPOLIS (GO) Karine Vicência Souto 1 ; Homero Lacerda 2

USO DA TERRA, EROSÃO ACELERADA E ASSOREAMENTO NA MICROBACIA DO CÓRREGO DOS GÓIS, ANÁPOLIS (GO) Karine Vicência Souto 1 ; Homero Lacerda 2 USO DA TERRA, EROSÃO ACELERADA E ASSOREAMENTO NA MICROBACIA DO CÓRREGO DOS GÓIS, ANÁPOLIS (GO) 1 Bolsista PBIC/UEG; Karine Vicência Souto 1 ; Homero Lacerda 2 2 Orientador, Curso de Geografia, Unidade

Leia mais

ESTUDO DO RELEVO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO CURUÇU, SANTIAGO, RIO GRANDE DO SUL

ESTUDO DO RELEVO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO CURUÇU, SANTIAGO, RIO GRANDE DO SUL ESTUDO DO RELEVO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO CURUÇU, SANTIAGO, RIO GRANDE DO SUL Thiago BAZZAN 1 Vagner Paz MENGUE 2 Luís Eduardo de Souza ROBAINA 3 RESUMO Os estudos sobre a dinâmica do relevo em

Leia mais

UNIDADES ECODINÂMICAS DA PAISAGEM DO MUNICÍPIO DE JEREMOABO- BA.

UNIDADES ECODINÂMICAS DA PAISAGEM DO MUNICÍPIO DE JEREMOABO- BA. UNIDADES ECODINÂMICAS DA PAISAGEM DO MUNICÍPIO DE JEREMOABO- BA. Ivonice Sena de Souza 1, Ana Paula Sena de Souza 2, Danilo da Silva Carneiro 3, Jumara Souza Alves 4, Marcos Roberto Souza Santos 5, Deorgia

Leia mais

O SENSORIAMENTO REMOTO NA PESQUISA GEOMORFOLÓGICA: APLICAÇÕES NO MUNICÍPIO DE ANTONINA, PARANÁ

O SENSORIAMENTO REMOTO NA PESQUISA GEOMORFOLÓGICA: APLICAÇÕES NO MUNICÍPIO DE ANTONINA, PARANÁ O SENSORIAMENTO REMOTO NA PESQUISA GEOMORFOLÓGICA: APLICAÇÕES NO MUNICÍPIO DE ANTONINA, PARANÁ Silva, J.M.F. (UNICENTRO) ; Santos, L.J.C. (UFPR) RESUMO O presente artigo enfatiza o uso do sensoriamento

Leia mais

Caracterização dos processos evolutivos e da dinâmica erosiva em Rondon do Pará, com ênfase na prevenção de desastres.

Caracterização dos processos evolutivos e da dinâmica erosiva em Rondon do Pará, com ênfase na prevenção de desastres. Caracterização dos processos evolutivos e da dinâmica erosiva em Rondon do Pará, com ênfase na prevenção de desastres. Pré - projeto de pesquisa apresentada ao curso de Pós- Graduação em Gestão de Risco

Leia mais

GEOMORFOLOGIA DA ALTA BACIA DO RIO DAS ANTAS, ANÁPOLIS (GO) E A OCORRÊNCIA DE PROCESSOS EROSIVOS. JESUS, A. S. l

GEOMORFOLOGIA DA ALTA BACIA DO RIO DAS ANTAS, ANÁPOLIS (GO) E A OCORRÊNCIA DE PROCESSOS EROSIVOS. JESUS, A. S. l GEOMORFOLOGIA DA ALTA BACIA DO RIO DAS ANTAS, ANÁPOLIS (GO) E A OCORRÊNCIA DE PROCESSOS EROSIVOS JESUS, A. S. l 1 Mestranda em Geografia pelo Instituto de Estudos Sócio-Ambientais IESA/UFG Goiânia. E_mail:

Leia mais

NOTA DE AULA CURVAS DE NÍVEL e REPRESENTAÇÃO DO RELEVO

NOTA DE AULA CURVAS DE NÍVEL e REPRESENTAÇÃO DO RELEVO NOTA DE AULA CURVAS DE NÍVEL e REPRESENTAÇÃO DO RELEVO Adaptado do Manual de Cartografia do IBGE Escala e Curva de Nível Objetivos da Aula: - Apresentar as principais características a ser analisadas no

Leia mais

MAPEAMENTO DO USO DO SOLO NA REGIÃO SUL DE ANÁPOLIS: AVALIAÇÃO DO ESTADO DA COBERTURA VEGETAL ORIGINAL Ludiana Ribeiro da Silva 1, Homero Lacerda 2

MAPEAMENTO DO USO DO SOLO NA REGIÃO SUL DE ANÁPOLIS: AVALIAÇÃO DO ESTADO DA COBERTURA VEGETAL ORIGINAL Ludiana Ribeiro da Silva 1, Homero Lacerda 2 MAPEAMENTO DO USO DO SOLO NA REGIÃO SUL DE ANÁPOLIS: AVALIAÇÃO DO ESTADO DA COBERTURA VEGETAL ORIGINAL Ludiana Ribeiro da Silva 1, Homero Lacerda 2 1 Voluntária de Pesquisa (PVIC/UEG), graduanda em Ciências

Leia mais

GEOMORFOLOGIA E USO DE GEOTECNOLOGIAS NA CARTOGRAFIA DO ALTO SERTÃO SERGIPANO

GEOMORFOLOGIA E USO DE GEOTECNOLOGIAS NA CARTOGRAFIA DO ALTO SERTÃO SERGIPANO GEOMORFOLOGIA E USO DE GEOTECNOLOGIAS NA CARTOGRAFIA DO ALTO SERTÃO SERGIPANO Rosa Helena Almeida Leite Santos 1, José Antônio Pacheco de Almeida 2, José Batista Siqueira 3, Samiramisthais Souza Linhares

Leia mais

USO DO SOLO E INUNDAÇÕES AO LONGO DO RIO DAS ANTAS E CÓRREGO DOS GÓIS EM ANÁPOLIS (GO).

USO DO SOLO E INUNDAÇÕES AO LONGO DO RIO DAS ANTAS E CÓRREGO DOS GÓIS EM ANÁPOLIS (GO). 1 USO DO SOLO E INUNDAÇÕES AO LONGO DO RIO DAS ANTAS E CÓRREGO DOS GÓIS EM ANÁPOLIS (GO). Kesia Rodrigues dos Santos - UEG/PVIC - k2r3s4@yahoo.com.br INTRODUÇÃO Anápolis é uma cidade situada na porção

Leia mais

ESTUDO DE CASO DA VULNERABILIDADE À OCUPAÇÃO URBANA DO MUNICÍPIO DE BLUMENAU (SC-BRASIL) COM APLICAÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA (SIG) 1

ESTUDO DE CASO DA VULNERABILIDADE À OCUPAÇÃO URBANA DO MUNICÍPIO DE BLUMENAU (SC-BRASIL) COM APLICAÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA (SIG) 1 ESTUDO DE CASO DA VULNERABILIDADE À OCUPAÇÃO URBANA DO MUNICÍPIO DE BLUMENAU (SC-BRASIL) COM APLICAÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA (SIG) 1 1. INTRODUÇÃO CRISTIANE MANSUR DE MORAES SOUZA 2 GILBERTO

Leia mais

MAPEAMENTO DE UNIDADES DO RELEVO NO OESTE DO RS: O CASO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO MIRACATÚ

MAPEAMENTO DE UNIDADES DO RELEVO NO OESTE DO RS: O CASO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO MIRACATÚ MAPEAMENTO DE UNIDADES DO RELEVO NO OESTE DO RS: O CASO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO MIRACATÚ Dionara DE NARDIN 1 Luís Eduardo de Souza ROBAINA 2 RESUMO A problemática ambiental tornou-se evidente a

Leia mais

SUSCEPTIBILIDADE E POTENCIALIDADE À EROSÃO LAMINAR NA BACIA DO CÓRREGO BARREIRO - GOIÂNIA GO

SUSCEPTIBILIDADE E POTENCIALIDADE À EROSÃO LAMINAR NA BACIA DO CÓRREGO BARREIRO - GOIÂNIA GO SUSCEPTIBILIDADE E POTENCIALIDADE À EROSÃO LAMINAR NA BACIA DO CÓRREGO BARREIRO - GOIÂNIA GO André Souto REZENDE, GECON/UFG andresoutoufg@hotmail.com Patrícia Araújo ROMÃO, IESA/UFG pat_iesa@yahoo.com.br

Leia mais

FORMAS DE RELEVO, OCUPAÇÃO E EROSÃO ACELERADA NO BAIRRO GEOVANNI BRAGA EM ANÁPOLIS (GO)

FORMAS DE RELEVO, OCUPAÇÃO E EROSÃO ACELERADA NO BAIRRO GEOVANNI BRAGA EM ANÁPOLIS (GO) FORMAS DE RELEVO, OCUPAÇÃO E EROSÃO ACELERADA NO BAIRRO GEOVANNI BRAGA EM ANÁPOLIS (GO) Kesia Rodrigues dos Santos Universidade Estadual de Goiás Bolsista PIVIC. E-mail: k2r3s4@yahoo.com.br Sandra Sardinha

Leia mais

Bacias Hidrográficas. Universidade de São Paulo PHA3307 Hidrologia Aplicada. Escola Politécnica. Aula 3

Bacias Hidrográficas. Universidade de São Paulo PHA3307 Hidrologia Aplicada. Escola Politécnica. Aula 3 Universidade de São Paulo PHA3307 Hidrologia Aplicada Escola Politécnica Departamento de Eng. Hidráulica e Ambiental Bacias Hidrográficas Aula 3 Prof. Dr. Arisvaldo Méllo Prof. Dr. Joaquin Garcia Objetivos

Leia mais

BACIA HIDROGRÁFICA. Nomenclatura. Divisor de água da bacia. Talweg (talvegue) Lugar geométrico dos pontos de mínimas cotas das seções transversais

BACIA HIDROGRÁFICA. Nomenclatura. Divisor de água da bacia. Talweg (talvegue) Lugar geométrico dos pontos de mínimas cotas das seções transversais U 6 BCI HIDROGRÁFIC Bacia hidrográfica ou bacia de drenagem de uma seção de um curso d água é a área geográfica coletora de água de chuva que escoa pela superfície do solo e atinge a seção considerada.

Leia mais

Estrutura Geológica e o Relevo Brasileiro

Estrutura Geológica e o Relevo Brasileiro Estrutura Geológica e o Relevo Brasileiro 1. (ENEM-2010) TEIXEIRA, W. et. al. (Orgs.) Decifrando a Terra. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 2009 O esquema mostra depósitos em que aparecem fósseis

Leia mais

ANÁLISE GEOMORFOLÓGICA DA MICRO-BACIA DO CÓRREGO DA PEDRA BRANCA ÁREA URBANA DE ALFENAS (MG)

ANÁLISE GEOMORFOLÓGICA DA MICRO-BACIA DO CÓRREGO DA PEDRA BRANCA ÁREA URBANA DE ALFENAS (MG) ANÁLISE GEOMORFOLÓGICA DA MICRO-BACIA DO CÓRREGO DA PEDRA BRANCA ÁREA URBANA DE ALFENAS (MG) Rodolfo Lopes de Souza Oliveira 1, Marta Felícia Marujo Ferreira 2 1 - Acadêmico do curso de Geografia, Universidade

Leia mais

COMPARTIMENTAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO LAGO VERDE, MUNICÍPIO DE LAGOA DA CONFUSÃO, TO.

COMPARTIMENTAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO LAGO VERDE, MUNICÍPIO DE LAGOA DA CONFUSÃO, TO. COMPARTIMENTAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO LAGO VERDE, MUNICÍPIO DE LAGOA DA CONFUSÃO, TO. Daniel Araújo Ramos dos Santos¹, Fernando de Morais² ¹Aluno do curso de Geografia; Campus de

Leia mais

AVALIAÇÃO GEOMORFOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO AMBIENTAL DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ALTO SOROCABUÇU, IBIÚNA, SP

AVALIAÇÃO GEOMORFOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO AMBIENTAL DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ALTO SOROCABUÇU, IBIÚNA, SP AVALIAÇÃO GEOMORFOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO AMBIENTAL DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ALTO SOROCABUÇU, IBIÚNA, SP Luiz Augusto Manfré 1 ; Alexandre Marco da Silva 1 ; Rodrigo Custódio Urban 1 1 UNESP Campus

Leia mais

DIAGNÓSTICO E MONITORAMENTO DO ASSOREAMENTO NO RIO SÃO FRANCISCO ENTRE PETROLINA-PE E JUAZEIRO-BA.

DIAGNÓSTICO E MONITORAMENTO DO ASSOREAMENTO NO RIO SÃO FRANCISCO ENTRE PETROLINA-PE E JUAZEIRO-BA. DIAGNÓSTICO E MONITORAMENTO DO ASSOREAMENTO NO RIO SÃO FRANCISCO ENTRE PETROLINA-PE E JUAZEIRO-BA. Márcia Evangelista Sousa (UPE, discente); marah-sousa@hotmail.com Nilson Evangelista da Silva Santos Filho

Leia mais

Realizado de 25 a 31 de julho de Porto Alegre - RS, ISBN

Realizado de 25 a 31 de julho de Porto Alegre - RS, ISBN PROCESSOS EROSIVOS LINEARES EM GOIÂNIA: UMA AVALIAÇÃO NO PERÍODO DE 1992 A 2007 COM BASE NA COMPARTIMENTAÇÃO EM BACIAS HIDROGRÁFICAS Elizon Dias Nunes Patrícia de Araújo Romão - Mestrando do Programa de

Leia mais

MAPEAMENTO DAS FEIÇÕES DE DISSECAÇÃO DO RELEVO DA FOLHA TOPOGRÁFICA DE SÃO PEDRO DO SUL-RS

MAPEAMENTO DAS FEIÇÕES DE DISSECAÇÃO DO RELEVO DA FOLHA TOPOGRÁFICA DE SÃO PEDRO DO SUL-RS Goiânia (GO), 03 a 06 de maio de 2001 Pag 1 MAPEAMENTO DAS FEIÇÕES DE DISSECAÇÃO DO RELEVO DA FOLHA TOPOGRÁFICA DE SÃO PEDRO DO SUL-RS RAFFAELLI, J.A(1); WERLANG, M.K.(2) (1) Licenciado em Geografia pela

Leia mais

AVALIAÇÃO EMPÍRICA DE PARÂMETROS AMBIENTAIS APLICADOS AO MUNICÍPIO DE CRISTINÁPOLIS, SERGIPE

AVALIAÇÃO EMPÍRICA DE PARÂMETROS AMBIENTAIS APLICADOS AO MUNICÍPIO DE CRISTINÁPOLIS, SERGIPE AVALIAÇÃO EMPÍRICA DE PARÂMETROS AMBIENTAIS APLICADOS AO MUNICÍPIO DE CRISTINÁPOLIS, SERGIPE Débora Barbosa da Silva 1 ; Neise Mare de Souza Alves 1 ; Aracy Losano Fontes 1 deborabarbs@ig.com.br Universidade

Leia mais

O uso de atributos topográficos como subsídio para o mapeamento pedológico preliminar da bacia hidrográfica do rio Pequeno (Antonina/PR)

O uso de atributos topográficos como subsídio para o mapeamento pedológico preliminar da bacia hidrográfica do rio Pequeno (Antonina/PR) O uso de atributos topográficos como subsídio para o mapeamento pedológico preliminar da bacia hidrográfica do rio Pequeno (Antonina/PR) Nowatzki, A. (UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ) ; Santos, L.J.C. (UNIVERSIDADE

Leia mais

AVALIAÇÃO AMBIENTAL A PARTIR DO USO DO SOLO NOS BAIRROS ROQUE E MATO GROSSO EM PORTO VELHO RO

AVALIAÇÃO AMBIENTAL A PARTIR DO USO DO SOLO NOS BAIRROS ROQUE E MATO GROSSO EM PORTO VELHO RO AVALIAÇÃO AMBIENTAL A PARTIR DO USO DO SOLO NOS BAIRROS ROQUE E MATO GROSSO EM PORTO VELHO RO 1 Tito José de Barba Avaroma Universidade Federal de Rondônia - UNIR tito.geo.ro@gmail.com Introdução Porto

Leia mais

15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental FRAGILIDADE POTENCIAL E EMERGENTE NO BAIRRO BRIGADEIRO TOBIAS, SOROCABA SP

15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental FRAGILIDADE POTENCIAL E EMERGENTE NO BAIRRO BRIGADEIRO TOBIAS, SOROCABA SP 15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental FRAGILIDADE POTENCIAL E EMERGENTE NO BAIRRO BRIGADEIRO TOBIAS, SOROCABA SP Camila Bertaglia Carou 1 ; Fernando Nadal Junqueira Villela 2 ;

Leia mais

Formas de relevo. Professora: Jordana Costa

Formas de relevo. Professora: Jordana Costa Formas de relevo Professora: Jordana Costa Relevo Observando a parte superficial da litosfera, isto é, o terreno sobre o qual vivemos, sobre o qual construímos cidades e estradas, vemos que ela apresenta

Leia mais

ASPECTOS MORFOPEDOLÓGICOS E USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA REGIÃO NORDESTE DE GOIÂNIA(GO)

ASPECTOS MORFOPEDOLÓGICOS E USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA REGIÃO NORDESTE DE GOIÂNIA(GO) ASPECTOS MORFOPEDOLÓGICOS E USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA REGIÃO NORDESTE DE GOIÂNIA(GO) Dias, M.B.G. (UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA) ; Martins, R.N.S. (UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS) RESUMO As interações

Leia mais

Monitoramento das alterações da cobertura vegetal e uso do solo na Bacia do Alto Paraguai Porção Brasileira Período de Análise: 2012 a 2014

Monitoramento das alterações da cobertura vegetal e uso do solo na Bacia do Alto Paraguai Porção Brasileira Período de Análise: 2012 a 2014 Monitoramento das alterações da cobertura vegetal e uso do solo na Bacia do Alto Paraguai Porção Brasileira Período de Análise: 2012 a 2014 1 Sumário Executivo Apresentação A Bacia Hidrográfica do Alto

Leia mais

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DO PERIMETRO URBANO DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE-SP

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DO PERIMETRO URBANO DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE-SP MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DO PERIMETRO URBANO DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE-SP NUNES, J.O.R. 1 1 Professor Doutor do Departamento de Geografia da FCT/UNESP, rua Roberto Simonsem, 305, Presidente

Leia mais

MAPEAMENTO DAS FORMAS E DA DISSECAÇÃO DO RELEVO

MAPEAMENTO DAS FORMAS E DA DISSECAÇÃO DO RELEVO Área: CV ( ) CHSA (x) ECET ( ) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA Coordenadoria de Pesquisa CPES Campus Universitário Ministro Petrônio Portela, Bloco 06

Leia mais

Kátia Canil IPT /

Kátia Canil IPT / Goiânia (GO), 03 a 06 de maio de 2001 Pag 1 METODOLOGIA PARA ELABORAÇÃO DA CARTA DE RISCO DE EROSÃO DO MUNICÍPIO DE FRANCA, SP. Kátia Canil IPT / e.mail:canilkat@ipt.br RESUMO A ocorrência de processos

Leia mais

Apoio do IG à CETESB para análise de áreas de preservação permanente (APP's) na Fazenda Serramar, em Caraguatatuba SP.

Apoio do IG à CETESB para análise de áreas de preservação permanente (APP's) na Fazenda Serramar, em Caraguatatuba SP. São Paulo, 18 de junho de 2010 Processo SMA: 14.287/2009 Interessado: IG Instituto Geológico Assunto: Apoio do IG à CETESB para análise de áreas de preservação permanente (APP's) na Fazenda Serramar, em

Leia mais

CARTOGRAFIA SISTEMÁTICA SISTEMA DE REFERÊNCIA

CARTOGRAFIA SISTEMÁTICA SISTEMA DE REFERÊNCIA CARTOGRAFIA SISTEMÁTICA SISTEMA DE REFERÊNCIA Elaboração e Organização: Profa. Dra. Andréia Medinilha Pancher SISTEMA DE REFERÊNCIA Nomenclatura Séries Cartográficas Método de dividir uma área geográfica

Leia mais

Características dos Solos Goianos

Características dos Solos Goianos Universidade do Estado de Mato Grosso Campus Universitário de Pontes e Lacerda Departamento de Zootecnia Disciplina: Geologia Docente: Prof. Dr. Eurico Características dos Solos Goianos Discente: Kepler

Leia mais

RESUMO. Rafael Carvalho Santos

RESUMO. Rafael Carvalho Santos Riscos e vulnerabilidades Na compartimentação geomorfológica da sub-bacia do rio gaviãozinho, bahia, brasil Rafael Carvalho Santos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB, Brasil rafac.16@gmail.com

Leia mais

SUBDOMÍNIO OBJETIVOS DESCRITORES CONTEÚDOS

SUBDOMÍNIO OBJETIVOS DESCRITORES CONTEÚDOS DISCIPLINA: Geografia ANO DE ESCOLARIDADE: 7.º Ano 2016/2017 METAS CURRICULARES PROGRAMA SUBDOMÍNIO OBJETIVOS DESCRITORES CONTEÚDOS A Terra: Estudos e Representações - A Geografia e o Território - A representação

Leia mais

Recursos Hídricos e Manejo de Bacias Hidrográficas Profa. Cristiana C. Miranda RECORDANDO NOSSA AULA DE INFILTRAÇÃO..

Recursos Hídricos e Manejo de Bacias Hidrográficas Profa. Cristiana C. Miranda RECORDANDO NOSSA AULA DE INFILTRAÇÃO.. Recursos Hídricos e Manejo de Bacias Hidrográficas Profa. Cristiana C. Miranda RECORDANDO NOSSA AULA DE INFILTRAÇÃO.. Características que influenciam a infiltração da água Textura do solo e composição

Leia mais

Anais III Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto Aracaju/SE, 25 a 27 de outubro de 2006

Anais III Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto Aracaju/SE, 25 a 27 de outubro de 2006 CARTOGRAFIA DIGITAL COMO SUBSÍDIO AO PLANEJAMENTO AMBIENTAL DA SUB-BACIA DO RIO COTINGUIBA(SE) LIMA, A. S. 1 ; SANTANA, L. B. 2 ; FONTES, A. L. 3 ; ALMEIDA, J. A. P. 4 RESUMO: Este artigo tem como objetivo

Leia mais

SIG para levantamento de riscos e atendimento a desastres naturais no Vale do Ribeira e Litoral Sul de SP, Brasil

SIG para levantamento de riscos e atendimento a desastres naturais no Vale do Ribeira e Litoral Sul de SP, Brasil SIG para levantamento de riscos e atendimento a desastres naturais no Vale do Ribeira e Litoral Sul de SP, Brasil Arlei Benedito Macedo Fábio Rodrigo de Oliveira Alex Joci dos Santos Isis Sacramento da

Leia mais

Complexo deltaico do rio Paraíba do Sul: caracterização geomorfológica do ambiente e sua dinâmica recente

Complexo deltaico do rio Paraíba do Sul: caracterização geomorfológica do ambiente e sua dinâmica recente Complexo deltaico do rio Paraíba do Sul: caracterização geomorfológica do ambiente e sua dinâmica recente Gilberto Pessanha Ribeiro 1,2 1 Universidade do Estado do Rio de Janeiro Faculdade de Engenharia

Leia mais

ESTUDO DAS UNIDADES DE RELEVO COMO BASE PARA A ANÁLISE GEOAMBIENTAL DA BACIA DO RIO DOURADOS, MS

ESTUDO DAS UNIDADES DE RELEVO COMO BASE PARA A ANÁLISE GEOAMBIENTAL DA BACIA DO RIO DOURADOS, MS ESTUDO DAS UNIDADES DE RELEVO COMO BASE PARA A ANÁLISE GEOAMBIENTAL DA BACIA DO RIO DOURADOS, MS BENEVENTO, K. J. 1 1. acadêmica do curso de Geografia,Universidade Estadual de Maringá Av. Colombo, 5790,

Leia mais

NOTAS DE GEOMORFOLOGIA URBANA. Homero Lacerda - Universidade Estadual de Goiás/UEG

NOTAS DE GEOMORFOLOGIA URBANA. Homero Lacerda - Universidade Estadual de Goiás/UEG NOTAS DE GEOMORFOLOGIA URBANA 1 Homero Lacerda - Universidade Estadual de Goiás/UEG homerolacerda@yahoo.com.br INTRODUÇÃO Esta contribuição é uma tentativa de síntese sobre geomorfologia urbana, com ênfase

Leia mais

MAPA DIGITAL DE PRESSÕES ESTÁTICAS NO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

MAPA DIGITAL DE PRESSÕES ESTÁTICAS NO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO MAPA DIGITAL DE PRESSÕES ESTÁTICAS NO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Guaraci Loureiro Sarzedas (1) Formado em Engenharia Civil, pela Universidade Mackenzie, São Paulo

Leia mais

MAPA DOS COMPARTIMENTOS DE RELEVO DO MUNICÍPIO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA SP

MAPA DOS COMPARTIMENTOS DE RELEVO DO MUNICÍPIO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA SP MAPA DOS COMPARTIMENTOS DE RELEVO DO MUNICÍPIO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA SP Mariana Lopes Nishizima Graduanda em Geografia pela Faculdade de Ciências e Tecnologia - Universidade Estadual Paulista Júlio

Leia mais

VARIÁVEIS GEOMORFOLÓGICAS NO ESTUDO DE DESLIZAMENTOS EM CARAGUATATUBA-SP UTILIZANDO IMAGENS TM-LANDSAT E SIG

VARIÁVEIS GEOMORFOLÓGICAS NO ESTUDO DE DESLIZAMENTOS EM CARAGUATATUBA-SP UTILIZANDO IMAGENS TM-LANDSAT E SIG MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS INPE-7511-TDI/724 VARIÁVEIS GEOMORFOLÓGICAS NO ESTUDO DE DESLIZAMENTOS EM CARAGUATATUBA-SP UTILIZANDO IMAGENS TM-LANDSAT E SIG

Leia mais

Neste capítulo serão apresentados os resultados da análise quantitativa e

Neste capítulo serão apresentados os resultados da análise quantitativa e 4.2 - ANÁLISE QUANTITATIVA DAS FORMAS EROSIVAS LINEARES Neste capítulo serão apresentados os resultados da análise quantitativa e temporal das formas erosivas da sub-bacia do córrego do Querosene. Foi

Leia mais

Retrospectiva sobre regimes hidrológicos e importância do planejamento urbano na prevenção quanto a eventos extremos

Retrospectiva sobre regimes hidrológicos e importância do planejamento urbano na prevenção quanto a eventos extremos Retrospectiva sobre regimes hidrológicos e importância do planejamento urbano na prevenção quanto a eventos extremos José Teixeira Filho Faculdade de Engenharia Agrícola Ciência da Terra - Geografia UNICAMP

Leia mais

Unidades geomorfológicas em municípios da Quarta Colônia do Rio Grande do Sul

Unidades geomorfológicas em municípios da Quarta Colônia do Rio Grande do Sul Meio Ambiente, Paisagem e Qualidade Ambiental DOI: 10.5902/22364994/9244 Unidades geomorfológicas em municípios da Quarta Colônia do Rio Grande do Sul Resumo: Este artigo apresenta um mapeamento de unidades

Leia mais

2. AS PAISAGENS NATURAL E CULTURAL DAS UNIDADES FEDERATIVAS

2. AS PAISAGENS NATURAL E CULTURAL DAS UNIDADES FEDERATIVAS 2. AS PAISAGENS NATURAL E CULTURAL DAS UNIDADES FEDERATIVAS 1. Escreva V para as informações verdadeiras e F para as informações falsas. A superfície dos lugares não é igual em toda a sua extensão. b)

Leia mais

UNIDADE 4 USO DE INFORMAÇÕES SOBRE SOLOS

UNIDADE 4 USO DE INFORMAÇÕES SOBRE SOLOS Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Rurais Departamento de Solos SOL 1001 Solos e Produção Animal UNIDADE 4 USO DE INFORMAÇÕES SOBRE SOLOS Alessandro Samuel-Rosa Santa Maria, junho de

Leia mais

ANÁLISE DE RELAÇÕES ENTRE DECLIVIDADE E USO DO SOLO COM AUXÍLIO DO GEOPROCESSAMENTO, MUNICÍPIO DE SOMBRIO, SC

ANÁLISE DE RELAÇÕES ENTRE DECLIVIDADE E USO DO SOLO COM AUXÍLIO DO GEOPROCESSAMENTO, MUNICÍPIO DE SOMBRIO, SC ANÁLISE DE RELAÇÕES ENTRE DECLIVIDADE E USO DO SOLO COM AUXÍLIO DO GEOPROCESSAMENTO, MUNICÍPIO DE SOMBRIO, SC HADLICH, G. M.¹ ¹ Universidade Federal da Bahia, Instituto de Geociências, Depto. Geoquímica

Leia mais

EAD SR-II Geomorfologia. Ciência que estuda o Relevo da Superfície Terrestre. Teresa G. Florenzano DSR/OBT/INPE

EAD SR-II Geomorfologia. Ciência que estuda o Relevo da Superfície Terrestre. Teresa G. Florenzano DSR/OBT/INPE EAD SR-II - 2013 Geomorfologia Ciência que estuda o Relevo da Superfície Terrestre Teresa G. Florenzano DSR/OBT/INPE Relevo da Superfície Terrestre Caracteriza-se - elevações e depressões de diferentes

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE DADOS GEOPROCESSADOS PARA MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA FOLHA MUCUGÊ BA

INTEGRAÇÃO DE DADOS GEOPROCESSADOS PARA MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA FOLHA MUCUGÊ BA INTEGRAÇÃO DE DADOS GEOPROCESSADOS PARA MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA FOLHA MUCUGÊ BA Ana Isabel Leite Oliveira 1 Washington da Franca-Rocha 2 Raquel Cardoso do Vale 3 Universidade Estadual de Feira de

Leia mais

FOTOGRAMETRIA E FOTOINTERPRETAÇÃO

FOTOGRAMETRIA E FOTOINTERPRETAÇÃO FOTOGRAMETRIA E FOTOINTERPRETAÇÃO GENERALIDADES Fotogrametria => é o processo de derivação de informação métrica de um objeto através de medições feitas em fotografias desse objeto Foto-interpretação =>

Leia mais

ELEMENTOS ESTRUTURAIS

ELEMENTOS ESTRUTURAIS ELEMENTOS ESTRUTURAIS Fundações Superficiais (diretas): blocos e sapatas Profundas: estacas e tubulões Pilares Pequena altura: maciços ou formados por fustes ligados por vigas transversais Grande altura:

Leia mais

MAPEAMENTO DAS CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO 15 DE OUTUBRO ES

MAPEAMENTO DAS CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO 15 DE OUTUBRO ES MAPEAMENTO DAS CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO 15 DE OUTUBRO ES Caroline Bandeira Henrique1 Jessica Butcovsky Ferreira1 Roberta Adrielly Magri1 Stela Lugon Vargas1 Thiago Augusto

Leia mais

MÉTODOS DE REPRESENTAÇÃO DA CARTOGRAFIA TEMÁTICA: REPRESENTAÇÕES QUALITATIVAS MANIFESTAÇÃO PONTUAL

MÉTODOS DE REPRESENTAÇÃO DA CARTOGRAFIA TEMÁTICA: REPRESENTAÇÕES QUALITATIVAS MANIFESTAÇÃO PONTUAL MÉTODOS DE REPRESENTAÇÃO DA CARTOGRAFIA TEMÁTICA: REPRESENTAÇÕES QUALITATIVAS MANIFESTAÇÃO PONTUAL META Demonstrar a localização e a extensão dos fenômenos geográficos qualitativos a partir da manifestação

Leia mais

CAPÍTULO III CARACTERIZAÇÃO DA VITICULTURA POR MEIO DA GEOMORFOLOGIA NA REGIÃO DE REFERÊNCIA DA IG MONTE BELO

CAPÍTULO III CARACTERIZAÇÃO DA VITICULTURA POR MEIO DA GEOMORFOLOGIA NA REGIÃO DE REFERÊNCIA DA IG MONTE BELO CAPÍTULO III CARACTERIZAÇÃO DA VITICULTURA POR MEIO DA GEOMORFOLOGIA NA REGIÃO DE REFERÊNCIA DA IG MONTE BELO Rosemary Hoff, Rafael Munari Torri 1 INTRODUÇÃO O município de Monte Belo do Sul se situa na

Leia mais

O crescimento urbano e suas implicações na água subterrânea: o exemplo de Mirassol/SP

O crescimento urbano e suas implicações na água subterrânea: o exemplo de Mirassol/SP O crescimento urbano e suas implicações na água subterrânea: o exemplo de Mirassol/SP Marcelo Marconato Prates Josiane Lourencetti Orientador: Prof. Dr. Jefferson Nascimento de Oliveira Bonito, M.S Outubro,

Leia mais

FORMAÇÃO DE DEPÓSITOS TECNOGÊNICOS: AÇÃO GEOMORFOLÓGICA DA SOCIEDADE NAS PLANÍCIES FLUVIAIS DA CIDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE

FORMAÇÃO DE DEPÓSITOS TECNOGÊNICOS: AÇÃO GEOMORFOLÓGICA DA SOCIEDADE NAS PLANÍCIES FLUVIAIS DA CIDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE FORMAÇÃO DE DEPÓSITOS TECNOGÊNICOS: AÇÃO GEOMORFOLÓGICA DA SOCIEDADE NAS PLANÍCIES FLUVIAIS DA CIDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE Érika Cristina Nesta Silva (erikacnsdreamer@yahoo.com.br), João Osvaldo Rodrigues

Leia mais

Interbits SuperPro Web

Interbits SuperPro Web 1. (Ufrn 2013) Um estudante australiano, ao realizar pesquisas sobre o Brasil, considerou importante saber a localização exata de sua capital, a cidade de Brasília. Para isso, consultou o mapa a seguir:

Leia mais

MAPEAMENTO DIGITAL E PERCEPÇÃO DOS MORADORES AO RISCO DE ENCHENTE NA BACIA DO CÓRREGO DO LENHEIRO SÃO JOÃO DEL-REI - MG

MAPEAMENTO DIGITAL E PERCEPÇÃO DOS MORADORES AO RISCO DE ENCHENTE NA BACIA DO CÓRREGO DO LENHEIRO SÃO JOÃO DEL-REI - MG 334 MAPEAMENTO DIGITAL E PERCEPÇÃO DOS MORADORES AO RISCO DE ENCHENTE NA BACIA DO CÓRREGO DO LENHEIRO SÃO JOÃO DEL-REI - MG Thiago Gonçalves Santos, thiiaguim.13@gmail.com, Graduando em Geografia pela

Leia mais

ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DA HIDROGRAFIA

ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DA HIDROGRAFIA ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DA HIDROGRAFIA 1.0. Introdução O ciclo hidrológico, se considerado de maneira global, pode ser visto como um sistema hidrológico fechado, uma vez que a quantidade total da água

Leia mais

45 mm. Av. Colombo, 5.790, Bloco J-12, Zona 7, Maringá, Paraná, Brasil. Fone: (44)

45 mm. Av. Colombo, 5.790, Bloco J-12, Zona 7, Maringá, Paraná, Brasil. Fone: (44) CONTROLE MORFOESTRUTURAL E TECTÔNICO DA EVOLUÇÃO DOS DEPÓSITOS DE FLUXOS GRAVITACIONAIS DA BACIA DO RIBEIRÃO LAÇADOR - PARANÁ, BRASIL: UMA ABORDAGEM PRELIMINAR Edison Fortes 1 ; Michael Vinícius de Sordi

Leia mais

USO DE IMAGEM DE ALTA RESOLUÇÃO COMO SUPORTE AO PLANEJAMENTO

USO DE IMAGEM DE ALTA RESOLUÇÃO COMO SUPORTE AO PLANEJAMENTO Revista Educação Agrícola Superior Associação Brasileira de Educação Agrícola Superior- ABEAS - v.22, n.2,p.36-41, 2007 USO DE IMAGEM DE ALTA RESOLUÇÃO COMO SUPORTE AO PLANEJAMENTO 1 Pedro Roberto de Azambuja

Leia mais

LISTA DE RECUPERAÇÃO PARALELA DE CIÊNCIAS HUMANAS - GEOGRAFIA

LISTA DE RECUPERAÇÃO PARALELA DE CIÊNCIAS HUMANAS - GEOGRAFIA LISTA DE RECUPERAÇÃO PARALELA DE CIÊNCIAS HUMANAS - GEOGRAFIA Professor: GUILHERME Data: / /2016 Aluno (a): 3º ANO 1) O cálculo de fuso horário hoje é muito comum em uma sociedade globalizada. Explique

Leia mais

Geologia do Brasil. Página 1 com Prof. Giba

Geologia do Brasil. Página 1 com Prof. Giba Geologia do Brasil O território brasileiro é formado, basicamente, por dois tipos de estrutura geológica: os escudos cristalinos (blocos cratônicos) e as bacias sedimentares. As formações serranas originaram-se

Leia mais

Avaliação das características do relevo da área urbana de São Pedro/SP e o diagnóstico dos processos erosivos e suas causas.

Avaliação das características do relevo da área urbana de São Pedro/SP e o diagnóstico dos processos erosivos e suas causas. Avaliação das características do relevo da área urbana de São Pedro/SP e o diagnóstico dos processos erosivos e suas causas. Evandro Daniel graduando do curso de Geografia da Universidade Estadual Paulista

Leia mais

Mapeamento Geomorfológico da Parte Superior da Bacia do Córrego Piedade, Noroeste Paulista, como Subsídio para Zoneamento (Geo)Ambiental

Mapeamento Geomorfológico da Parte Superior da Bacia do Córrego Piedade, Noroeste Paulista, como Subsídio para Zoneamento (Geo)Ambiental Mapeamento Geomorfológico da Parte Superior da Bacia do Córrego Piedade, Noroeste Paulista, como Subsídio para Zoneamento (Geo)Ambiental Geomorphological mapping of the Upper Part of the Piedade Stream

Leia mais

GEOAMBIENTE ON-LINE. Revista Eletrônica do Curso de Geografia do Campus Jataí - UFG

GEOAMBIENTE ON-LINE. Revista Eletrônica do Curso de Geografia do Campus Jataí - UFG ZONEAMENTO GEOAMBIENTAL DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO CURUÇU, OESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Thiago Bazzan1,3 Luis Eduardo de Souza Robaina2 (1 - Laboratório de Geologia Ambiental (LAGEOLAM) -

Leia mais

GEOLOGIA COSTEIRA DA ILHA DE SÃO FRANCISCO DO SUL/SC COASTAL GEOLOGY OF THE SÃO FRANCISCO DO SUL/SC ISLAND.

GEOLOGIA COSTEIRA DA ILHA DE SÃO FRANCISCO DO SUL/SC COASTAL GEOLOGY OF THE SÃO FRANCISCO DO SUL/SC ISLAND. GEOLOGIA COSTEIRA DA ILHA DE SÃO FRANCISCO DO SUL/SC COASTAL GEOLOGY OF THE SÃO FRANCISCO DO SUL/SC ISLAND. Celso Voos Vieira 1 ; Tarcísio Possamai 2 ; Norberto Olmiro Horn Filho 3 celso.v@univille.net

Leia mais

A carta de declividade como instrumento para o gerenciamento costeiro paulista

A carta de declividade como instrumento para o gerenciamento costeiro paulista 1 A carta de declividade como instrumento para o gerenciamento costeiro paulista Simone Emiko Sato a, Cenira Maria Lupinacci da Cunha b, Ana Cecilía Pereira c Universidade Estadual Júlio de Mesquita Filho

Leia mais

DATA: 06 / 05 / 2015 I ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE GEOGRAFIA 6.º ANO/EF

DATA: 06 / 05 / 2015 I ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE GEOGRAFIA 6.º ANO/EF SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA UNIDADE: DATA: 06 / 05 / 205 I ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE GEOGRAFIA 6.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR(A): VALOR:

Leia mais

Sensoriamento Remoto Aplicado à Geografia. Interpretação de imagens e confecção de mapas

Sensoriamento Remoto Aplicado à Geografia. Interpretação de imagens e confecção de mapas Sensoriamento Remoto Aplicado à Geografia Interpretação de imagens e confecção de mapas Prof. Dr. Ailton Luchiari Prof. Dr. Reinaldo Paul Pérez Machado Interpretação de imagens e confecção de mapas Etapas

Leia mais

Geologia: Histórico, conceitos, divisão e aplicação da Geologia CCTA/UACTA/UFCG. Geologia, geomorfologia, origem do Universo e da Terra.

Geologia: Histórico, conceitos, divisão e aplicação da Geologia CCTA/UACTA/UFCG. Geologia, geomorfologia, origem do Universo e da Terra. GERAL -AULA 1- Geologia: Histórico, conceitos, divisão e aplicação da Geologia Prof. Alexandre Paiva da Silva CCTA/UACTA/UFCG HISTÓRICO JAMES HUTTON (1726-1797) 1797) 2 THEORY of the EARTH; or an INVESTIGATION

Leia mais

GEOSSISTEMAS DA REGIÃO DE ALFENAS, ESTADO DE MINAS GERAIS, BRASIL

GEOSSISTEMAS DA REGIÃO DE ALFENAS, ESTADO DE MINAS GERAIS, BRASIL GEOSSISTEMAS DA REGIÃO DE ALFENAS, ESTADO DE MINAS GERAIS, BRASIL Rodolfo Lopes de Souza Oliveira (lopes.rodolfo@gmail.com) Marta Felícia Marujo Ferreira (martafelicia@uol.com.br) Universidade Federal

Leia mais

COMPARTIMENTAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DA BACIA DO RIO DOCE: UMA ATUALIZAÇÃO COELHO; A. L. N. 1

COMPARTIMENTAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DA BACIA DO RIO DOCE: UMA ATUALIZAÇÃO COELHO; A. L. N. 1 COMPARTIMENTAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DA BACIA DO RIO DOCE: UMA ATUALIZAÇÃO COELHO; A. L. N. 1 1 Doutorando pela UFF andré.ufes@bol.com.br RESUMO A Bacia Hidrográfica do Rio Doce localiza-se na Região Sudeste

Leia mais

ANÁLISE DO RELEVO DA FLORESTA ESTADUAL EDMUNDO NAVARRO DE ANDRADE (RIO CLARO-SP) E CIRCUNVIZINHANÇAS: SUBSÍDIO PARA A AVALIAÇÃO DA ÁREA DE ENTORNO

ANÁLISE DO RELEVO DA FLORESTA ESTADUAL EDMUNDO NAVARRO DE ANDRADE (RIO CLARO-SP) E CIRCUNVIZINHANÇAS: SUBSÍDIO PARA A AVALIAÇÃO DA ÁREA DE ENTORNO ANÁLISE DO RELEVO DA FLORESTA ESTADUAL EDMUNDO NAVARRO DE ANDRADE (RIO CLARO-SP) E CIRCUNVIZINHANÇAS: SUBSÍDIO PARA A AVALIAÇÃO DA ÁREA DE ENTORNO MACHI, D.A. 1 1 Universidade Estadual de Campinas, IG/UNICAMP,

Leia mais

Quantidade e diversidade dos recursos minerais depende de: Características geológicas das várias unidades geomorfológicas

Quantidade e diversidade dos recursos minerais depende de: Características geológicas das várias unidades geomorfológicas Recursos do subsolo Quantidade e diversidade dos recursos minerais depende de: Características geológicas das várias unidades geomorfológicas Produção dos recursos minerais depende de: Existência de jazidas

Leia mais

II Semana de Geografia UNESP / Ourinhos 29 de Maio a 02 de Junho de 2006

II Semana de Geografia UNESP / Ourinhos 29 de Maio a 02 de Junho de 2006 USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA MICROBACIA CÓRREGO DO PORTO-TRÊS LAGOAS MS SILVA, Laís C.N. Universidade Federal de Mato Grosso do Sul- UFMS lais_cns@yahoo.com.br DELGADO, Valeria P. Universidade Federal de

Leia mais

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA REGIÃO DE CUIABÁ CASTRO-JÚNIOR, P. R. 1 SALOMÃO, F. X. T. 2 BORDEST, S. M. L. 3

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA REGIÃO DE CUIABÁ CASTRO-JÚNIOR, P. R. 1 SALOMÃO, F. X. T. 2 BORDEST, S. M. L. 3 MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA REGIÃO DE CUIABÁ CASTRO-JÚNIOR, P. R. 1 1 Universidade Federal de Mato Grosso, Avenida Fernando Corrêa, s/nº Coxipó Cuiabá-MT 78060-900. Fone 65 3615 8751. prudencio@ufmt.com.br

Leia mais

GEOGRAFIA DO BRASIL Relevo e Solo

GEOGRAFIA DO BRASIL Relevo e Solo GEOGRAFIA DO BRASIL Relevo e Solo bruno7martins@gmail.com 1 Estrutura Geológica Bacias Sedimentares Acúmulo de sedimentos sobre os escudos Associadas a Combustíveis fósseis Rochas mais porosas, infiltração

Leia mais

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA - HIDROLOGIA APLICADA EXERCÍCIO DE REVISÃO

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA - HIDROLOGIA APLICADA EXERCÍCIO DE REVISÃO FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA - HIDROLOGIA APLICADA EXERCÍCIO DE REVISÃO 1. CONCEITUE HIDROLOGIA? 2. QUAL A IMPORTÂNCIA DA HIDROLOGIA NA ENGENHARIA CIVIL? 3. ASSINALE

Leia mais

Cap. 3 Unidade de Conservação

Cap. 3 Unidade de Conservação Cap. 3 BACIA HIDROGRÁFICA 3.1. Introdução O Ciclo Hidrológico, como descrito anteriormente, tem um aspecto geral e pode ser visto como um sistema hidrológico fechado, já que a quantidade de água disponível

Leia mais

ESTUDO PRELIMINAR DAS VOÇOROCAS DA BACIA DO RIO CARIOCA, QUADRILÁTERO FERRÍFERO, MG.

ESTUDO PRELIMINAR DAS VOÇOROCAS DA BACIA DO RIO CARIOCA, QUADRILÁTERO FERRÍFERO, MG. Goiânia (GO), 03 a 06 de maio de 2001 Pag 1 ESTUDO PRELIMINAR DAS VOÇOROCAS DA BACIA DO RIO CARIOCA, QUADRILÁTERO FERRÍFERO, MG. COSTA, F.M. (1) ; SOBREIRA, F.G. (2) ; (1) (Graduação Geologia UFOP); Femartineli@starmedia.com.br,

Leia mais

ESTRUTURA GEOLÓGICA,RELEVO E HIDROGRAFIA

ESTRUTURA GEOLÓGICA,RELEVO E HIDROGRAFIA ESTRUTURA GEOLÓGICA,RELEVO E HIDROGRAFIA Definição de DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS: Pode ser compreendido como uma região que apresenta elementos naturais específicos que interagem resultando em uma determinada

Leia mais

ESTUDO DA FRAGILIDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA- ES: CONTRIBUIÇÃO PARA O PLANEJAMENTO MUNICIPAL

ESTUDO DA FRAGILIDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA- ES: CONTRIBUIÇÃO PARA O PLANEJAMENTO MUNICIPAL AMANDIO GONÇALVES DE OLIVEIRA FILHO amgfilho12@yahoo.com.br ESTUDO DA FRAGILIDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA- ES: CONTRIBUIÇÃO PARA O PLANEJAMENTO MUNICIPAL 1. INTRODUÇÃO O avanço das relações

Leia mais

RELAÇÃO SOLO-PAISAGEM EM TOPOSSEQUÊNCIA NA REGIÃO DO TRIÂNGULO MINEIRO, MINAS GERAIS (BR).

RELAÇÃO SOLO-PAISAGEM EM TOPOSSEQUÊNCIA NA REGIÃO DO TRIÂNGULO MINEIRO, MINAS GERAIS (BR). RELAÇÃO SOLO-PAISAGEM EM TOPOSSEQUÊNCIA NA REGIÃO DO TRIÂNGULO MINEIRO, MINAS GERAIS (BR). Souza, B. B. de *1 ; Prado, T. A. B. 2 Prado, R. C. 2 ; Vitti, A. C. 3 ; Prado, H. 4 1 Universidade Estadual Paulista

Leia mais

Zoneamento morfolitológico no Município de Manoel Viana-RS

Zoneamento morfolitológico no Município de Manoel Viana-RS 27 Zoneamento morfolitológico no Município de Manoel Viana-RS Morpholithologic zoning of the Manoel Viana Municipality-RS Luís Eduardo de Souza Robaina 1 Anderson Augusto Volpato Sccoti 2 Romario Trentin

Leia mais

DELIMITAÇÃO DAS FORMAÇÕES FERRUGINOSAS DA BACIA DO RIO VERMELHO (GO)

DELIMITAÇÃO DAS FORMAÇÕES FERRUGINOSAS DA BACIA DO RIO VERMELHO (GO) DELIMITAÇÃO DAS FORMAÇÕES FERRUGINOSAS DA BACIA DO RIO VERMELHO (GO) Luiz Eduardo Giacomolli MACHADO Cláudia Valéria de LIMA (orientadora) Pedro Alves VIEIRA luizmachado.geo@gmail.com; claudlima@gmail.com;

Leia mais

GEOMORFOLOGIA E NEOTECTÔNICA NA BACIA HIDROGRÁFICA DO ALTO TAPEROÁ, PARAÍBA, BRASIL

GEOMORFOLOGIA E NEOTECTÔNICA NA BACIA HIDROGRÁFICA DO ALTO TAPEROÁ, PARAÍBA, BRASIL GEOMORFOLOGIA E NEOTECTÔNICA NA BACIA HIDROGRÁFICA DO ALTO TAPEROÁ, PARAÍBA, BRASIL Saulo Roberto de Oliveira Vital 1 ; Gilvonete Maria Araújo de Freitas 2, Jean Carlos Ferreira de Lima 2, Marquilene da

Leia mais

UNIDADES MORFODINÂMICAS E ORDENAMENTO TERRITORIAL DA BACIA DO CÓRREGO MANDACARU PARANÁ - BRASIL

UNIDADES MORFODINÂMICAS E ORDENAMENTO TERRITORIAL DA BACIA DO CÓRREGO MANDACARU PARANÁ - BRASIL UNIDADES MORFODINÂMICAS E ORDENAMENTO TERRITORIAL DA BACIA DO CÓRREGO MANDACARU PARANÁ - BRASIL Susana Volkmer - Universidade Estadual de Maringá, PR, BRASIL Edison Fortes Universidade Estadual de Maringá,

Leia mais

Laurindo Antonio Guasselli 1,2 Henrique Evers 2 Mateus Gleiser Oliveira 2 Dirce Maria Antunes Suertegaray 1,2

Laurindo Antonio Guasselli 1,2 Henrique Evers 2 Mateus Gleiser Oliveira 2 Dirce Maria Antunes Suertegaray 1,2 Definição de padrões de formas das vertentes relacionadas com a ocorrência de areais, através de dados geomorfométricos, em sub-bacias da Bacia Hidrográfica do Rio Ibicuí - RS Laurindo Antonio Guasselli

Leia mais

Projeto Geométrico de Rodovias. Escolha do Traçado

Projeto Geométrico de Rodovias. Escolha do Traçado Projeto Geométrico de Rodovias Escolha do Traçado Objetivos (i) a delimitação dos locais convenientes para a passagem da rodovia, a partir da obtenção de informações básicas a respeito da geomorfologia

Leia mais

MONITORAMENTO AMBIENTAL: A DEGRADAÇÃO AMBIENTAL NO TRÓPICO SEMI-ARIDO DO NORDESTE BRASILEIRO

MONITORAMENTO AMBIENTAL: A DEGRADAÇÃO AMBIENTAL NO TRÓPICO SEMI-ARIDO DO NORDESTE BRASILEIRO MONITORAMENTO AMBIENTAL: A DEGRADAÇÃO AMBIENTAL NO TRÓPICO SEMIARIDO DO NORDESTE BRASILEIRO SÁ I.B. de 1 1. INTRODUÇÃO O Nordeste brasileiro, sobretudo sua porção semiárida, vem sofrendo cada vez mais

Leia mais