Análise da Susceptibilidade a Processos Erosivos, de Inundação e Assoreamento em Itajobi-SP a Partir do Mapeamento Geológico- Geotécnico

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise da Susceptibilidade a Processos Erosivos, de Inundação e Assoreamento em Itajobi-SP a Partir do Mapeamento Geológico- Geotécnico"

Transcrição

1 Análise da a Processos Erosivos, de Inundação e em Itajobi-SP a Partir do Mapeamento Geológico- Geotécnico Lucas Duarte Beggiato Departamento de Geotecnia, Universidade de São Paulo, São Carlos, São Paulo José Eduardo Zaine Departamento de Geologia Aplicada, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, São Paulo RESUMO: O trabalho utilizou como instrumento para análise e caracterização do meio físico de áreas urbanas o mapeamento geológico-geotécnico, considerando os dados do meio físico para a elaboração do mesmo. A área definida está localizada no Município de Itajobi, interior de São Paulo, totalizando aproximadamente 90 km 2. Os seus limites foram definidos pela bacia hidrográfica do ribeirão Três Pontes, formado pelos principais córregos que cortam a cidade, e por influência dos trabalhos de campo que foram realizados. Como produto, é apresentado um mapa geológico-geotécnico, na escala 1:25.000, baseado nas etapas tradicionais do mapeamento geológico-geotécnico, sendo que para a identificação e separação das unidades geológico-geotécnicas foram seguidos os procedimentos referentes à 1ª etapa do método do detalhamento progressivo (Cerri et al.,1996), conforme aplicados por Zaine (2000) em Rio Claro. Essas informações, aliadas ao mapa de declividade, possibilitaram uma análise da susceptibilidade das unidades aos processos de erosão linear, fluvial, inundação e assoreamento. PALAVRAS-CHAVE: Mapeamento Geológico-Geotécnico, Geologia de Áreas Urbanas, Itajobi,. 1 INTRODUÇÃO Os mapas geotécnicos devem considerar aspectos de interesses da geologia de engenharia, tendo informações como a descrição e classificação geotécnica de solos e rochas, propriedades físicas e mecânicas dos materiais, condições hidrogeológicas, condições e processos geomorfológicos e processos dinâmicos. A caracterização geotécnica é indispensável para orientar projetos de obras civis, planejamento urbano, planejamento ambiental e conservação do meio ambiente. O mapeamento geotécnico tem sido utilizado nos mais diferentes países como uma ferramenta que ajuda a definir e fiscalizar a ocupação territorial das regiões, de maneira tecnicamente adequada e respeitando as áreas de interesse ambiental. Os mapeamentos geotécnicos fornecem informações para o planejamento territorial, tanto no âmbito regional quanto no urbano (Zuquette & Gandolfi 2004). Nesse sentido, o trabalho procurou elaborar um mapa geológico-geotécnico no município de Itajobi, analisando a susceptibilidade aos processos de erosão linear, erosão fluvial, inundações e assoreamento da área. 2 ÁREA DE ESTUDO Itajobi situa-se no noroeste do Estado de São Paulo, a 400 quilômetros da capital do estado. O contexto geológico é composto por rochas das formações Adamantina (maior parte da área), Marilia (pequena porção a nordeste) e depósitos aluvionares acompanhando as drenagens (Beggiato 2005). A seqüência estratigráfica da área é apresentada na Tabela 1. Geomorfologicamente a área está inserida na Província denominada Planalto Ocidental. O Grupo Bauru encontra-se em relevo uniforme e monótono, com extensos espigões de perfis convexos e cimos ondulados, com terminações laterais lobadas, configurando colinas amplas e médias que avançam em direção aos vales dos principais rios (Tabela 2).

2 Tabela 1 Coluna Estratigráfica da Área UNIDADE DESCRIÇÃO LITOLÓGICA GEOLÓGICA Depósitos Aluvionares Q Grupo Bauru K Formação Marília Formação Adamantina Depósitos de areias e argilas inconsolidados. Arenitos de granulação fina a grossa, compreendendo bancos maciços com tênues estratificações cruzadas de médio porte, incluindo lentes e intercalações de siltitos e arenitos muito finos com estratificação plano-paralela. Presença comum de nódulos carbonáticos. Arenitos finos a muito finos, com lentes de siltitos argilosos e argilitos, ocorrendo em bancos maciços. Modificado de IPT, Mapa Geológico do Estado de São Paulo. Tabela 2 Principais Características das Formas de Relevo da Área. Unidades de Principais Características Relevo Relevo de Degradação ou de desgaste por erosão, em Planaltos Dissecados. Colinas Amplas Colinas Médias Predominam interflúvios com área superior a 4 Km 2, topos extensos e aplainados, vertentes com perfis retilíneos a convexos. Drenagem de baixa densidade, padrão subdendrítico, vales abertos, planícies aluviais interiores restritas, presença eventual de lagoas. Predominam interflúvios com áreas de 1 a 4 Km 2, topos aplainados, vertentes com perfis convexos a retilíneos. Drenagem de média a baixa densidade, padrão subretangular, vales abertos a fechados, planícies aluviais inferiores restritas, presença eventual de lagoas perenes ou intermitentes. Modificado de IPT, Mapa Geomorfológico do Estado de São Paulo 3 MÉTODO A escolha da área foi definida como a porção da bacia hidrográfica do ribeirão Três Pontes, que se forma pela junção dos córregos que cortam a cidade, considerando assim que esse segmento da bacia é uma área de influência direta para a cidade. O fluxograma da Figura 1 ilustra a seqüência das etapas para o desenvolvimento do trabalho. As informações geológicas, geomorfológicas e sobre o perfil de solo foram obtidas por bibliografia, fotointerpretação e trabalhos de campo. Da posse desses dados, pode-se sobrepor as informações, determinando e diferenciando as unidades geológico-geotécnicas. Com a determinação das unidades geológico-geotécnicas, pode-se elaborar um mapa preliminar para a área. Com esse mapa elaborado, foi realizada nova etapa de campo para correção de possíveis erros e melhor determinação da abrangência de cada unidade (Figura 2). Após essa etapa foi elaborado o mapa de declividade da área (Figura 3), e com a justaposição dos dados de declividade com as unidades geotécnicas e as informações da ocorrência de processos, foram feitas análises a susceptibilidade da ocorrência de erosão laminar, fluvial, assoreamentos e enchentes. Figura 1 Fluxograma

3 Figura 2 - Mapa Geológico-Geotécnico da Área

4 Figura 3 - Mapa de da Área

5 4 RESULTADOS Neste item, é apresentada uma breve descrição das unidades, definidas com as descrições litológicas, perfis de solos e feições de relevo. O cruzamento dos dados das unidades com o mapa de declividade, gerou uma análise a susceptibilidade a processos do meio físico, que é apresentada em tabelas para cada unidade. Unidade I - Solos areno-argilosos, arenitos finos a muito finos da Formação Adamantina, predominantemente em área de declividade maior que 6%. Aparecem feições erosivas, desde sulcos a boçorocas (Figura 4) (Tabela 3). Tabela 4 Análise a susceptibilidade a processos na unidade II Unidade III Topos compostos por solos extremamente arenosos oriundos da Formação Adamantina, predominantemente em área de declividade menor que 3% (Tabela 5). Tabela 5 Análise a susceptibilidade a processos na unidade III Unidade IV Solos areno-argilosos, arenitos médios com pequenos seixos, bem cimentados, da Formação Marilia, predominantemente em área de declividade menor que 3% (Tabela 6). Figura 4 - Voçoroca na unidade I, causada pela concentração de águas. Tabela 3 Análise a susceptibilidade a processos na unidade I Legenda Situação inexistente Sem susceptibilidade Baixa susceptibilidade Alta susceptibilidade Unidade II Solos arenosos com pequena quantidade de argila, arenitos finos de seleção moderada com pequenas intercalações de siltito e argilito, da Formação Adamantina, predominantemente em área de declividade entre 3 e 6%. Aparecem feições erosivas de menor dimensão que da unidade I, usualmente sulcos em estradas de terra (Tabela 4). Tabela 6 Análise a susceptibilidade a processos na unidade IV Unidade V Solos arenosos com pouca quantidade de argila, arenito médio com pequenos seixos, cimentação carbonática proeminente, aparecendo alguns calcretes, da Formação Marilia, em área de declividade maior que 6% (Tabela 7).

6 Tabela 7 Análise a susceptibilidade a processos na unidade V Unidade VI - Solos arenosos oriundos da Formação Marilia, predominantemente em área de declividade menor que 3% (Tabela 8). Tabela 8 Análise a susceptibilidade a processos na unidade VI Unidade VII Depósitos de aluviões e cobertura cenozóica indiferenciada (argilosos e/ou arenosos), predominantemente em áreas de declividade menor que 3%. Foi registrado assoreamento de parte do córrego que atravessa a cidade, além de ser sabido de enchentes que ocorreram nos últimos anos (Tabela 9). Tabela 9 Análise a susceptibilidade a processos na unidade VII O material carreado pelas erosões pode gerar o assoreamento de córregos e conseqüentes inundações em épocas chuvosas. A não urbanização da área de ocorrência da Formação Marilia não causa grandes processos de erosão linear, mas a unidade V possue alta susceptibilidade a erosão fluvial devido à alta declividade. REFERÊNCIAS Beggiato, L.D. (2005) Mapeamento Geológico- Geotécnico da Área Urbana e Peri-Urbana do Município de Itajobi-SP, na escala 1: Trabalho de Formatura. Instituto de Geociências e Ciências Exatas/ Universidade Estadual Paulista/campus de Rio Claro-SP. Cerri, L.E.S.; Akiossi, A.; Augusto Filho, O. & Zaine, J.E. (1996) Cartas e Mapas Geotécnicos de Áreas Urbanas: Reflexões Sobre as Escalas de Trabalho e Proposta de Elaboração com o Emprego do Método de Detalhamento Progressivo. In: Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia, 8, Anais, ABGE, v.2, p Rio de Janeiro. Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo (IPT). (1981). Mapa Geomorfológico do Estado de São Paulo. Divisão de Minas e Geologia Aplicada. São Paulo. Volumes 1 e 2. Escala 1: Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo (IPT). (1984) Mapa Geológico do Estado de São Paulo. Escala 1: São Paulo. Zaine, J.E. (2000) Mapeamento Geológico-Geotécnico por Meio do Método do Detalhamento Progressivo: Ensaio de Aplicação na Área Urbana do Município de Rio Claro. Tese de Doutorado. Instituto de Geociências e Ciências Exatas/Universidade Estadual Paulista/campus de Rio Claro. Zuquette, L.V.; Gandolfi, N. (1998) Cartografia Geotécnica. Oficina de Textos, São Paulo. 5 CONCLUSÕES O principal processo de natureza geológicageotécnica que ocorre na área são os erosivos lineares. Nesse contexto, a principal preocupação é com a unidade I, na qual foram encontradas, sulcos, ravinas e voçorocas. Esses processos são acelerados através da ação antrópica (urbanização, desmatamento para cultivos, etc...), concentrando o escoamento de águas.

Kátia Canil IPT /

Kátia Canil IPT / Goiânia (GO), 03 a 06 de maio de 2001 Pag 1 METODOLOGIA PARA ELABORAÇÃO DA CARTA DE RISCO DE EROSÃO DO MUNICÍPIO DE FRANCA, SP. Kátia Canil IPT / e.mail:canilkat@ipt.br RESUMO A ocorrência de processos

Leia mais

ANÁLISE GEOMORFOLÓGICA DO MUNICÍPIO DE JARDIM OLINDA - PR

ANÁLISE GEOMORFOLÓGICA DO MUNICÍPIO DE JARDIM OLINDA - PR ANÁLISE GEOMORFOLÓGICA DO MUNICÍPIO DE JARDIM OLINDA - PR 17 Luiz Giovanni Bornia Acadêmico 4º Geografia - UEM luiz.bornia@cocamar.com.br Wérica Cardoso de Oliveira Acadêmica 1º Geografia - UEM wericaco@gmail.com

Leia mais

Universidade Metodista de Angola Faculdade de Engenharia Departamento de Construção Civil

Universidade Metodista de Angola Faculdade de Engenharia Departamento de Construção Civil Universidade Metodista de Angola Faculdade de Engenharia Departamento de Construção Civil Curso de Construção Civil Disciplina: Geologia em Engenharia Ano: 4to Professor: Dr. Silva Pereira Ginga (PhD)

Leia mais

MAPA GEOMORFOLÓGICO PRELIMINAR DA PORÇÃO SUDOESTE DE ANÁPOLIS- GO EM ESCALA 1/ Frederico Fernandes de Ávila 1,3 ;Homero Lacerda 2,3 RESUMO

MAPA GEOMORFOLÓGICO PRELIMINAR DA PORÇÃO SUDOESTE DE ANÁPOLIS- GO EM ESCALA 1/ Frederico Fernandes de Ávila 1,3 ;Homero Lacerda 2,3 RESUMO MAPA GEOMORFOLÓGICO PRELIMINAR DA PORÇÃO SUDOESTE DE ANÁPOLIS- GO EM ESCALA 1/25.000 Frederico Fernandes de Ávila 1,3 ;Homero Lacerda 2,3 1 Bolsista PIBIC/UEG 2 Orientador - Pesquisador 3 Curso de Geografia,

Leia mais

Difratometria por raios X

Difratometria por raios X 57 A amostra 06 foi coletada no fundo de um anfiteatro (Figura 23), em uma feição residual de um degrau no interior da voçoroca, este material, aparentemente mais coeso, também consiste em areia muito

Leia mais

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP, BRASIL.

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP, BRASIL. MAPEAMENT GEMRFÓGIC N MUNICÍPI DE PRESIDENTE PRUDENTE SP, BRASI. Melina Fushimi (melinafushimi@yahoo.com.br), João svaldo Rodrigues Nunes (joaosvaldo@fct.unesp.br) Universidade Estadual Paulista Júlio

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS VOÇOROCAS DA SERRA DA FORTALEZA EM CAMPOS GERAIS, SUL DE MINAS GERAIS

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS VOÇOROCAS DA SERRA DA FORTALEZA EM CAMPOS GERAIS, SUL DE MINAS GERAIS 87 ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS VOÇOROCAS DA SERRA DA FORTALEZA EM CAMPOS GERAIS, SUL DE MINAS GERAIS Welder Junho Batista¹ Dr. Lineo Gaspar Júnior² ¹weldertiao@yahoo.com.br ²lineo.gaspar@unifal-mg.edu.br

Leia mais

MAPEAMENTO DE UNIDADES GEOLÓGICO-GEOMORFOLÓGICAS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO CURUÇU-RS 1

MAPEAMENTO DE UNIDADES GEOLÓGICO-GEOMORFOLÓGICAS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO CURUÇU-RS 1 MAPEAMENTO DE UNIDADES GEOLÓGICO-GEOMORFOLÓGICAS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO CURUÇU-RS 1 BAZZAN, T. ¹ ¹ Universidade Federal de Santa Maria, thiagobaz@yahoo.com.br ROBAINA, L. E. S. ² ² Universidade

Leia mais

CARACTERÍSTICA DO CRESCIMENTO URBANO EM ÁREAS DE RISCO À EROSÃO NO SETOR LESTE DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - SP

CARACTERÍSTICA DO CRESCIMENTO URBANO EM ÁREAS DE RISCO À EROSÃO NO SETOR LESTE DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - SP CARACTERÍSTICA DO CRESCIMENTO URBANO EM ÁREAS DE RISCO À EROSÃO NO SETOR LESTE DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - SP C.R Serafim IP&D - UNIVAP M. Valério Filho IP&D - UNIVAP RESUMO: O município de São

Leia mais

Palavras-chaves: relevo; morfodinâmica; mapeamento; Presidente Prudente; Brasil.

Palavras-chaves: relevo; morfodinâmica; mapeamento; Presidente Prudente; Brasil. Revista Geográfica de América Central Número Especial EGAL, 2011- Costa Rica II Semestre 2011 pp. 1-16 GEOMORFOLOGIA DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE-SP, BRASIL. RESUMO Melina Fushimi 1 João Osvaldo

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DA ESTAÇÃO ECOLÓGICA DE ITAPEVA E DE SUA ÁREA DE ENTORNO, SÃO PAULO, BRASIL

CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DA ESTAÇÃO ECOLÓGICA DE ITAPEVA E DE SUA ÁREA DE ENTORNO, SÃO PAULO, BRASIL VI Seminário Latino Americano de Geografia Física II Seminário Ibero Americano de Geografia Física Universidade de Coimbra, Maio de 2010 CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DA ESTAÇÃO ECOLÓGICA DE ITAPEVA E

Leia mais

USO DA TERRA, EROSÃO ACELERADA E ASSOREAMENTO NA MICROBACIA DO CÓRREGO DOS GÓIS, ANÁPOLIS (GO) Karine Vicência Souto 1 ; Homero Lacerda 2

USO DA TERRA, EROSÃO ACELERADA E ASSOREAMENTO NA MICROBACIA DO CÓRREGO DOS GÓIS, ANÁPOLIS (GO) Karine Vicência Souto 1 ; Homero Lacerda 2 USO DA TERRA, EROSÃO ACELERADA E ASSOREAMENTO NA MICROBACIA DO CÓRREGO DOS GÓIS, ANÁPOLIS (GO) 1 Bolsista PBIC/UEG; Karine Vicência Souto 1 ; Homero Lacerda 2 2 Orientador, Curso de Geografia, Unidade

Leia mais

Monitoramento das alterações da cobertura vegetal e uso do solo na Bacia do Alto Paraguai Porção Brasileira Período de Análise: 2012 a 2014

Monitoramento das alterações da cobertura vegetal e uso do solo na Bacia do Alto Paraguai Porção Brasileira Período de Análise: 2012 a 2014 Monitoramento das alterações da cobertura vegetal e uso do solo na Bacia do Alto Paraguai Porção Brasileira Período de Análise: 2012 a 2014 1 Sumário Executivo Apresentação A Bacia Hidrográfica do Alto

Leia mais

ANÁLISE DE RELAÇÕES ENTRE DECLIVIDADE E USO DO SOLO COM AUXÍLIO DO GEOPROCESSAMENTO, MUNICÍPIO DE SOMBRIO, SC

ANÁLISE DE RELAÇÕES ENTRE DECLIVIDADE E USO DO SOLO COM AUXÍLIO DO GEOPROCESSAMENTO, MUNICÍPIO DE SOMBRIO, SC ANÁLISE DE RELAÇÕES ENTRE DECLIVIDADE E USO DO SOLO COM AUXÍLIO DO GEOPROCESSAMENTO, MUNICÍPIO DE SOMBRIO, SC HADLICH, G. M.¹ ¹ Universidade Federal da Bahia, Instituto de Geociências, Depto. Geoquímica

Leia mais

MAPEAMENTO DE UNIDADES DO RELEVO NO OESTE DO RS: O CASO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO MIRACATÚ

MAPEAMENTO DE UNIDADES DO RELEVO NO OESTE DO RS: O CASO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO MIRACATÚ MAPEAMENTO DE UNIDADES DO RELEVO NO OESTE DO RS: O CASO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO MIRACATÚ Dionara DE NARDIN 1 Luís Eduardo de Souza ROBAINA 2 RESUMO A problemática ambiental tornou-se evidente a

Leia mais

ANÁLISE DO RELEVO DA MICROBACIA

ANÁLISE DO RELEVO DA MICROBACIA 1. INTRODUÇÃO ANÁLISE DO RELEVO DA MICROBACIA Valdemir Antonio Rodrigues FCA Unesp Luis Alberto Bucci Instituto Florestal de São Paulo Danilo Simões Estudante de Pós Graduação Carlos Adolfo Bantel Engenheiro

Leia mais

Agentes Externos ou Exógenos

Agentes Externos ou Exógenos RELEVO Relevo Terrestre Agentes Internos Agentes Externos Tectonismo Vulcanismo Abalos Sísmicos Intemperismo Erosão Agentes Externos ou Exógenos Em síntese, pode-se afirmar que os agentes exógenos realizam

Leia mais

O ESTUDO DA CARACTERIZAÇÃO DOS ASPECTOS NATURAIS E IMPACTOS AMBIENTAIS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO SÃO JOSÉ /ITUIUTABA/MG

O ESTUDO DA CARACTERIZAÇÃO DOS ASPECTOS NATURAIS E IMPACTOS AMBIENTAIS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO SÃO JOSÉ /ITUIUTABA/MG O ESTUDO DA CARACTERIZAÇÃO DOS ASPECTOS NATURAIS E IMPACTOS AMBIENTAIS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO SÃO JOSÉ /ITUIUTABA/MG Cecília Mussa MALVEZZI, Discente do Curso de Graduação em Geografia, FACIP/UFU,

Leia mais

DIRETRIZES PARA O CONTROLE DA EROSÃO NO MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DE IRACEMA, SP

DIRETRIZES PARA O CONTROLE DA EROSÃO NO MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DE IRACEMA, SP Goiânia (GO), 03 a 06 de maio de 2001 Pag 1 1 DIRETRIZES PARA O CONTROLE DA EROSÃO NO MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DE IRACEMA, SP Zeno Hellmeister Junior* (zenohell@ipt.br); Fausto Luis Stefani*; Samuel Sussumu

Leia mais

AVALIAÇÃO DA VULNERABILIDADE DO RELEVO NA BACIA DO RIBEIRÃO DOS BAÚS.

AVALIAÇÃO DA VULNERABILIDADE DO RELEVO NA BACIA DO RIBEIRÃO DOS BAÚS. AVALIAÇÃO DA VULNERABILIDADE DO RELEVO NA BACIA DO RIBEIRÃO DOS BAÚS. FAGUNDES, Aline. A. 1 DUTRA, Thiago D. 2 Resumo A bacia do Ribeirão dos Baús, esta situada no Município de Ituiutaba. Nesta bacia foi

Leia mais

Ambientes tectônicos e sedimentação

Ambientes tectônicos e sedimentação Rochas Sedimentares Ambientes tectônicos e sedimentação Intemperismo físico e químico de rochas sedimentares, ígneas e metamórficas Erosão Transporte Deposição Diagênese e litificação (compactação ) =

Leia mais

Objetivo. Material de apoio. Curso básico de mecânica dos solos (Carlos Souza Pinto, Oficina de Textos, 2006); Sumário

Objetivo. Material de apoio. Curso básico de mecânica dos solos (Carlos Souza Pinto, Oficina de Textos, 2006); Sumário Universidade Paulista Instituto de Ciências Exatas e Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Professora Moema Castro, MSc. 1 Material de apoio 2 Curso básico de mecânica dos solos (Carlos Souza Pinto,

Leia mais

CARTA GEOLÓGICO-GEOTÉCNICA APLICADA AO PLANEJAMENTO URBANO DA REGIÃO DO CÓRREGO BERTINI, MUNICÍPIO DE AMERICANA - SP

CARTA GEOLÓGICO-GEOTÉCNICA APLICADA AO PLANEJAMENTO URBANO DA REGIÃO DO CÓRREGO BERTINI, MUNICÍPIO DE AMERICANA - SP Campus de Rio Claro UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Instituto de Geociências e Ciências Exatas Curso de Graduação em Engenharia Ambiental ANDRÉ KAZUO ISHIKAWA CARTA GEOLÓGICO-GEOTÉCNICA APLICADA AO PLANEJAMENTO

Leia mais

9. Domínios de Dissecação

9. Domínios de Dissecação 9. Domínios de Dissecação Os domínios de dissecação correspondem a uma porção espacial na qual os processos erosivos e de dissecação do relevo são controlados por um nível de base dominante. Tem por objetivo

Leia mais

Palavras-chave: análise pluviométrica, ravinas e voçorocas, controle e prevenção de enchentes

Palavras-chave: análise pluviométrica, ravinas e voçorocas, controle e prevenção de enchentes Análise Pluviométrica: uma base para a prevenção de enchentes e para o entendimento da ocorrência das ravinas e voçorocas nas bacias Ribeirão Carioca, Córrego do Bação e Córrego Carioca, afluentes do Rio

Leia mais

Solos Transportados (Sedimentares): Solo Aluvial, Solo Lacustre, Solo Coluvial, Solo Eólico e Solo Marinho

Solos Transportados (Sedimentares): Solo Aluvial, Solo Lacustre, Solo Coluvial, Solo Eólico e Solo Marinho Formação dos Solos Solos Transportados (Sedimentares): Solo Aluvial, Solo Lacustre, Solo Coluvial, Solo Eólico e Solo Marinho Bibliografia: Notas de aula (apostila) de Geotécnica, Prof. Reno Reine Castello

Leia mais

Estrutura Geológica e o Relevo Brasileiro

Estrutura Geológica e o Relevo Brasileiro Estrutura Geológica e o Relevo Brasileiro Estrutura Geológica e o Relevo Brasileiro 1. Sobre a estrutura geológica e relevo brasileiro é correto afirmar que: a) a formação recente das estruturas geológicas

Leia mais

2 Geologia 2.1. Carvão

2 Geologia 2.1. Carvão 2 Geologia 2.1. Carvão O carvão é uma rocha sedimentar combustível contendo mais que 50% em peso e mais que 70% em volume de material orgânico, tendo sofrido soterramento e compactação de uma massa vegetal

Leia mais

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO MIRACATU, OESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO MIRACATU, OESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO MIRACATU, OESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DE NARDIN, D.¹ ¹ Universidade Federal de Santa Maria-dionaradenardin@mail.ufsm.br ROBAINA, L. E.

Leia mais

PHD Água em Ambientes Urbanos

PHD Água em Ambientes Urbanos PHD 2537 - Água em Ambientes Urbanos Erosões em Áreas Urbanas Professores: Prof. Dr. Kamel Zahed Filho Prof. Dr. José Rodolfo Scarati Martins Profª. Drª. Monica Ferreira do Amaral Porto Alunos: Filipe

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA SUSCETIBILIDADE À EROSÃO LINEAR, FLUVIAL E ASSOREAMENTO EM TRECHO DA BACIA DO RIO PASSA CINCO, IPEÚNA-SP.

DIAGNÓSTICO DA SUSCETIBILIDADE À EROSÃO LINEAR, FLUVIAL E ASSOREAMENTO EM TRECHO DA BACIA DO RIO PASSA CINCO, IPEÚNA-SP. UNESP - UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Instituto de Geociências e Ciências Exatas Campus de Rio Claro (SP) DIAGNÓSTICO DA SUSCETIBILIDADE À EROSÃO LINEAR, FLUVIAL E ASSOREAMENTO EM TRECHO DA BACIA DO RIO

Leia mais

Ernesto Luiz Alves SUSCEPTIBILIDADE E RISCO A MOVIMENTO DE MASSA E INUNDAÇÕES NA ZONA URBANA DO MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ DO SUL-RS

Ernesto Luiz Alves SUSCEPTIBILIDADE E RISCO A MOVIMENTO DE MASSA E INUNDAÇÕES NA ZONA URBANA DO MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ DO SUL-RS Ernesto Luiz Alves SUSCEPTIBILIDADE E RISCO A MOVIMENTO DE MASSA E INUNDAÇÕES NA ZONA URBANA DO MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ DO SUL-RS DISSERTAÇÃO DE MESTRADO UFRGS, Ernesto Luiz Alves Orientadora: Profª. Drª.

Leia mais

COMPARTIMENTAÇÃO MORFOLÓGICA DA BACIA DO RIO SÃO THOMÉ, MUNICÍPIOS DE ALFENAS, SERRANIA E MACHADO (MG)

COMPARTIMENTAÇÃO MORFOLÓGICA DA BACIA DO RIO SÃO THOMÉ, MUNICÍPIOS DE ALFENAS, SERRANIA E MACHADO (MG) 209 COMPARTIMENTAÇÃO MORFOLÓGICA DA BACIA DO RIO SÃO THOMÉ, MUNICÍPIOS DE ALFENAS, SERRANIA E MACHADO (MG) Emmanuelle Rodrigues de Nazareth 1 ; Marta Felícia Marujo Ferreira. 2 (1) Geógrafa, Universidade

Leia mais

Anais III Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto Aracaju/SE, 25 a 27 de outubro de 2006

Anais III Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto Aracaju/SE, 25 a 27 de outubro de 2006 CARTOGRAFIA DIGITAL COMO SUBSÍDIO AO PLANEJAMENTO AMBIENTAL DA SUB-BACIA DO RIO COTINGUIBA(SE) LIMA, A. S. 1 ; SANTANA, L. B. 2 ; FONTES, A. L. 3 ; ALMEIDA, J. A. P. 4 RESUMO: Este artigo tem como objetivo

Leia mais

SELEÇÃO DE MUNICÍPIOS CRÍTICOS A DESLIZAMENTOS

SELEÇÃO DE MUNICÍPIOS CRÍTICOS A DESLIZAMENTOS MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Secretaria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral SELEÇÃO DE MUNICÍPIOS CRÍTICOS A DESLIZAMENTOS NOTA EXPLICATIVA Vale do Cuiabá Petrópolis/RJ Jan 2011 Outubro de

Leia mais

MAPA GEOLÓGICO-GEOTÉCNICO DA BACIA DO RIO BACANGA SÃO LUÍS (MA)

MAPA GEOLÓGICO-GEOTÉCNICO DA BACIA DO RIO BACANGA SÃO LUÍS (MA) MAPA GEOLÓGICO-GEOTÉCNICO DA BACIA DO RIO BACANGA SÃO LUÍS (MA) Ediléa Dutra PEREIRA 1 & José Eduardo ZAINE 2 (1) Departamento de Geociências, Universidade Federal do Maranhão. Avenida do Português s/n.

Leia mais

PLANEJAMENTO AMBIENTAL E GESTÃO DAS ÁGUAS: estudo aplicado à bacia hidrográfica do Ribeirão Taquaruçu, Sandovalina São Paulo

PLANEJAMENTO AMBIENTAL E GESTÃO DAS ÁGUAS: estudo aplicado à bacia hidrográfica do Ribeirão Taquaruçu, Sandovalina São Paulo Renata Marchi Garcia renatinha_marchi@hotmail.com Bolsista FAPESP Orientador: Dr. Antonio Cezar Leal Universidade Estadual Paulista Campus Presidente Prudente Pesquisador PQ/CNPq PLANEJAMENTO AMBIENTAL

Leia mais

Zoneamento morfolitológico no Município de Manoel Viana-RS

Zoneamento morfolitológico no Município de Manoel Viana-RS 27 Zoneamento morfolitológico no Município de Manoel Viana-RS Morpholithologic zoning of the Manoel Viana Municipality-RS Luís Eduardo de Souza Robaina 1 Anderson Augusto Volpato Sccoti 2 Romario Trentin

Leia mais

Gestão das águas e Planejamento Ambiental da Bacia Hidrográfica do ribeirão Santo Antonio. Um diagnóstico de degradação e conflitos socioambientais.

Gestão das águas e Planejamento Ambiental da Bacia Hidrográfica do ribeirão Santo Antonio. Um diagnóstico de degradação e conflitos socioambientais. Gestão das águas e Planejamento Ambiental da Bacia Hidrográfica do ribeirão Santo Antonio. Um diagnóstico de degradação e conflitos socioambientais. João Paulo Peres Bezerra. UNESP- de Presidente Prudente

Leia mais

BACIA HIDROGRAFICA DO CÓRREGO DO BARBOSA

BACIA HIDROGRAFICA DO CÓRREGO DO BARBOSA Ângela Maria Soares * Carolina Santos Melo ** Laila da Silva Vieira *** Suely Regina Del Grossi **** RESUMO O presente artigo é o resultado de uma pesquisa que teve como objetivo mapear e caracterizar

Leia mais

AGREGADOS. Conceito AGREGADOS AGREGADOS

AGREGADOS. Conceito AGREGADOS AGREGADOS Conceito Agregado é um material sem forma ou volume definido, de custo relativamente baixo, geralmente inerte, com dimensões e propriedades adequadas para a produção de argamassa e concreto. 1 Generalidades

Leia mais

Mapa de Landforms para previsão preliminar de Suscetibilidade à Erosão para a área de expansão urbana de Ilha Solteira - SP.

Mapa de Landforms para previsão preliminar de Suscetibilidade à Erosão para a área de expansão urbana de Ilha Solteira - SP. Mapa de Landforms para previsão preliminar de Suscetibilidade à Erosão para a área de expansão urbana de Ilha Solteira - SP. Rodrigo Vissoto Moretti¹ Jaime Mauricio Cabrera Vivanco 2 José Augusto de Lollo

Leia mais

3 Aspectos Geológicos e Geotécnicos

3 Aspectos Geológicos e Geotécnicos 3 Aspectos Geológicos e Geotécnicos Nos itens a seguir serão abordados os aspectos geológicos e geotécnicos de maior interesse na área da Barragem de Terra da Margem Esquerda. 3.1. Características Gerais

Leia mais

DELIMITAÇÃO DAS FORMAÇÕES FERRUGINOSAS DA BACIA DO RIO VERMELHO (GO)

DELIMITAÇÃO DAS FORMAÇÕES FERRUGINOSAS DA BACIA DO RIO VERMELHO (GO) DELIMITAÇÃO DAS FORMAÇÕES FERRUGINOSAS DA BACIA DO RIO VERMELHO (GO) Luiz Eduardo Giacomolli MACHADO Cláudia Valéria de LIMA (orientadora) Pedro Alves VIEIRA luizmachado.geo@gmail.com; claudlima@gmail.com;

Leia mais

Avaliação da Ocupação do Solo da Bacia do rio Itiquira Pantanal Matogrossense, Mato Grosso, Brasil.

Avaliação da Ocupação do Solo da Bacia do rio Itiquira Pantanal Matogrossense, Mato Grosso, Brasil. Avaliação da Ocupação do Solo da Bacia do rio Itiquira Pantanal Matogrossense, Mato Grosso, Brasil. Chisato Oka-Fiori (1), Alberto Pio Fiori (2), Yociteru Hasui (3) (1) Depart. de Geografia, UFPR, 81531-990

Leia mais

AVALIAÇÃO EMPÍRICA DE PARÂMETROS AMBIENTAIS APLICADOS AO MUNICÍPIO DE CRISTINÁPOLIS, SERGIPE

AVALIAÇÃO EMPÍRICA DE PARÂMETROS AMBIENTAIS APLICADOS AO MUNICÍPIO DE CRISTINÁPOLIS, SERGIPE AVALIAÇÃO EMPÍRICA DE PARÂMETROS AMBIENTAIS APLICADOS AO MUNICÍPIO DE CRISTINÁPOLIS, SERGIPE Débora Barbosa da Silva 1 ; Neise Mare de Souza Alves 1 ; Aracy Losano Fontes 1 deborabarbs@ig.com.br Universidade

Leia mais

SERVIÇO GEOLÓGICO DO BRASIL CPRM SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE PORTO ALEGRE Diretoria de Recursos Minerais Divisão de Minerais Industriais

SERVIÇO GEOLÓGICO DO BRASIL CPRM SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE PORTO ALEGRE Diretoria de Recursos Minerais Divisão de Minerais Industriais SERVIÇO GEOLÓGICO DO BRASIL CPRM SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE PORTO ALEGRE Diretoria de Recursos Minerais Divisão de Minerais Industriais PROJETOS DE INSUMOS PARA CONSTRUÇÃO CIVIL - CPRM Rio Grande do

Leia mais

EAD SR-II Geomorfologia. Ciência que estuda o Relevo da Superfície Terrestre. Teresa G. Florenzano DSR/OBT/INPE

EAD SR-II Geomorfologia. Ciência que estuda o Relevo da Superfície Terrestre. Teresa G. Florenzano DSR/OBT/INPE EAD SR-II - 2013 Geomorfologia Ciência que estuda o Relevo da Superfície Terrestre Teresa G. Florenzano DSR/OBT/INPE Relevo da Superfície Terrestre Caracteriza-se - elevações e depressões de diferentes

Leia mais

UNIDADES DO RELEVO E CLASSIFICAÇÃO DO RELEVO BRASILEIRO. Módulos 29 e 30 Livro 2 paginas 122 a 124 / 127 a 129

UNIDADES DO RELEVO E CLASSIFICAÇÃO DO RELEVO BRASILEIRO. Módulos 29 e 30 Livro 2 paginas 122 a 124 / 127 a 129 UNIDADES DO RELEVO E CLASSIFICAÇÃO DO RELEVO BRASILEIRO Módulos 29 e 30 Livro 2 paginas 122 a 124 / 127 a 129 Formas de relevo Escarpa: encosta de planalto intensamente dissecada (erodida) Serra: Morros

Leia mais

PROPRIEDADES MORFOMÉTRICAS E ASPECTOS FÍSICOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO ATUBA: CURITIBA-PARANÁ

PROPRIEDADES MORFOMÉTRICAS E ASPECTOS FÍSICOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO ATUBA: CURITIBA-PARANÁ PROPRIEDADES MORFOMÉTRICAS E ASPECTOS FÍSICOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO ATUBA: CURITIBA-PARANÁ NUNES, F. G. 1 1- UFPR Pós Graduação em Geologia Ambiental. e-mail: fabrizia@ufpr.br RIBEIRO, N. C. 2 2-

Leia mais

O PROCESSO INTERATIVO NA ELABORAÇÃO DA CARTA GEOTÉCNICA DE APTIDÃO

O PROCESSO INTERATIVO NA ELABORAÇÃO DA CARTA GEOTÉCNICA DE APTIDÃO III Congresso da Sociedade de Análise de Risco Latino Americana IPT, São Paulo, Brasil 10 a 13 de Maio de 2016 Desenvolvimento e Riscos no Contexto Latinoamericano O PROCESSO INTERATIVO NA ELABORAÇÃO DA

Leia mais

Geógrafo Frank Gundim Assessora Especial de Planejamento do DER-RJ

Geógrafo Frank Gundim Assessora Especial de Planejamento do DER-RJ DER-RJ Geógrafo Frank Gundim Assessora Especial de Planejamento do DER-RJ O uso inapropriado do meio ambiente aceleram e ampliam alguns processos. Por exemplo, as inundações são agravadas pelo desmatamento

Leia mais

Dia 10/12/2014 Eixo 1

Dia 10/12/2014 Eixo 1 Data da Apresentação dos Trabalhos Dia 10/12/2014 Eixo 1 ANÁLISE FATORIAL NA SELEÇÃO DE INDICADORES PARA ANÁLISE DE VULNERABILIDADE SOCIOAMBIENTAL: ESTUDO DE CASO PARA DOIS MUNICÍPIOS DO LITORAL PAULISTA

Leia mais

Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Inglês

Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Inglês Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Inglês 1 Os exercícios deverão ser feitos no caderno. Leitura das págs. 91 e 93 do livro de Português

Leia mais

Mapeamento geoambiental da área interfluvial dos rios Ibicuí e Jaguari - São Vicente do Sul, RS 1

Mapeamento geoambiental da área interfluvial dos rios Ibicuí e Jaguari - São Vicente do Sul, RS 1 Mapeamento geoambiental da área interfluvial dos rios Ibicuí e Jaguari - São Vicente do Sul, RS 1 Elisabete Weber Reckziegel 2, Luís Eduardo de Souza Robaina 3 2 Laboratório de Geologia Ambiental (LAGEOLAM)/UFSM

Leia mais

ESTUDO DO RELEVO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO CURUÇU, SANTIAGO, RIO GRANDE DO SUL

ESTUDO DO RELEVO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO CURUÇU, SANTIAGO, RIO GRANDE DO SUL ESTUDO DO RELEVO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO CURUÇU, SANTIAGO, RIO GRANDE DO SUL Thiago BAZZAN 1 Vagner Paz MENGUE 2 Luís Eduardo de Souza ROBAINA 3 RESUMO Os estudos sobre a dinâmica do relevo em

Leia mais

UNIDADE 4 USO DE INFORMAÇÕES SOBRE SOLOS

UNIDADE 4 USO DE INFORMAÇÕES SOBRE SOLOS Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Rurais Departamento de Solos SOL 1001 Solos e Produção Animal UNIDADE 4 USO DE INFORMAÇÕES SOBRE SOLOS Alessandro Samuel-Rosa Santa Maria, junho de

Leia mais

Módulo 3 Análise de Bacias de Drenagem

Módulo 3 Análise de Bacias de Drenagem Módulo 3 Análise de Bacias de Drenagem AULA1 Bacia de Drenagem: Limites e Importância Hierarquização de Rios em Bacias de Drenagem Perfil Longitudinal dos Rios Organização Espacial da Rede de Drenagem

Leia mais

CICLO HIDROLÓGICO CICLO HIDROLÓGICO CARACTERIZAÇÃO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS

CICLO HIDROLÓGICO CICLO HIDROLÓGICO CARACTERIZAÇÃO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS CICLO HIDROLÓGICO CARACTERIZAÇÃO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS José Antonio Tosta dos Reis Departamento de Engenharia Ambiental Universidade Federal do Espírito Santo CICLO HIDROLÓGICO 1 Ciclo hidrológico médio

Leia mais

USO DA TERRA E COBERTURA VEGETAL NA BACIA HIDROGRÁFICA DO XIDARINI NO MUNICÍPIO DE TEFÉ-AM.

USO DA TERRA E COBERTURA VEGETAL NA BACIA HIDROGRÁFICA DO XIDARINI NO MUNICÍPIO DE TEFÉ-AM. USO DA TERRA E COBERTURA VEGETAL NA BACIA HIDROGRÁFICA DO XIDARINI NO MUNICÍPIO DE TEFÉ-AM. Selma Coelho de Carvalho- Discente do curso de Geografia da Universidade do Estado do Amazonas - CEST. Bolsista

Leia mais

Profª Ana Claudia Ramos Sacramento

Profª Ana Claudia Ramos Sacramento Universidade do Estado do Rio de Janeiro Faculdade de Formação de Professores Coordenação de Pesquisa CPesq Projetos DGEO (Atualização em Julho de 2015) Profª Ana Claudia Ramos Sacramento Um estudo sobre

Leia mais

CARTA DE RISCO E PLANEJAMENTO DO MEIO FÍSICO DO MUNICÍPIO DE GOIÂNIA: INSTRUMENTO DE GESTÃO AMBIENTAL URBANA

CARTA DE RISCO E PLANEJAMENTO DO MEIO FÍSICO DO MUNICÍPIO DE GOIÂNIA: INSTRUMENTO DE GESTÃO AMBIENTAL URBANA CARTA DE RISCO E PLANEJAMENTO DO MEIO FÍSICO DO MUNICÍPIO DE GOIÂNIA: INSTRUMENTO DE GESTÃO AMBIENTAL URBANA M. Sc. Rosângela Mendanha da Veiga Consultora em Planejamento e Gestão Ambiental GESTÃO AMBIENTAL

Leia mais

Geologia: Histórico, conceitos, divisão e aplicação da Geologia CCTA/UACTA/UFCG. Geologia, geomorfologia, origem do Universo e da Terra.

Geologia: Histórico, conceitos, divisão e aplicação da Geologia CCTA/UACTA/UFCG. Geologia, geomorfologia, origem do Universo e da Terra. GERAL -AULA 1- Geologia: Histórico, conceitos, divisão e aplicação da Geologia Prof. Alexandre Paiva da Silva CCTA/UACTA/UFCG HISTÓRICO JAMES HUTTON (1726-1797) 1797) 2 THEORY of the EARTH; or an INVESTIGATION

Leia mais

Carta Geotécnica de Suscetibilidade e Risco Potencial a Movimentos de Massa e Inundações na Região Urbana do Município de Natal - RN

Carta Geotécnica de Suscetibilidade e Risco Potencial a Movimentos de Massa e Inundações na Região Urbana do Município de Natal - RN Carta Geotécnica de Suscetibilidade e Risco Potencial a Movimentos de Massa e Inundações na Região Urbana do Município de Natal - RN Melquisedec Medeiros Moreira Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação

Leia mais

ESTUDO SOBRE A MUDANÇA DOS NE EM SÃO JOSÉ DO RIO PRETO, SP

ESTUDO SOBRE A MUDANÇA DOS NE EM SÃO JOSÉ DO RIO PRETO, SP ESTUDO SOBRE A MUDANÇA DOS NE EM SÃO JOSÉ DO RIO PRETO, SP Jefferson N. de Oliveira 1 & Edson Wendland 2 Resumo A importância de se analisar o comportamento dos NE (níveis estáticos) dos poços situados

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DO RELEVO BRASILEIRO. Prof.º Elves Alves

CLASSIFICAÇÃO DO RELEVO BRASILEIRO. Prof.º Elves Alves CLASSIFICAÇÃO DO RELEVO BRASILEIRO Prof.º Elves Alves www.professorelves.webnode.com.br ERAS GEOLÓGICAS ERAS GEOLÓGICAS Cenozoica (Terciário e Quaternário): Dobramentos modernos: Alpes, Andes, Himalaia,

Leia mais

HIDROGEOLOGIA DA BACIA DO RIO TAQUARÍ/ANTAS-RS

HIDROGEOLOGIA DA BACIA DO RIO TAQUARÍ/ANTAS-RS HIDROGEOLOGIA DA BACIA DO RIO TAQUARÍ/ANTAS-RS Marcos I. Leão 1, Nelson O. L. Caicedo 1 e Alfonso Risso 1 Resumo O presente trabalho apresenta uma metodologia para a análise hidrogeológica, baseada em

Leia mais

O mapeamento geomorfológico como subsídio ao estudo das fragilidades ambientais

O mapeamento geomorfológico como subsídio ao estudo das fragilidades ambientais DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2179-460x826 Revista do Centro do Ciências Naturais e Exatas - UFSM Ciência e Natura, Santa Maria, ISSN: 2179-460X, v. 35 n. 2 dezembro, 2013, p. 246-260 O mapeamento geomorfológico

Leia mais

PROCESSOS EROSIVOS LINEARES ASSOCIADOS A EVENTOS PLUVIOSOS NA ÁREA URBANA DO MUNICÍPIO DE BAURU, SP

PROCESSOS EROSIVOS LINEARES ASSOCIADOS A EVENTOS PLUVIOSOS NA ÁREA URBANA DO MUNICÍPIO DE BAURU, SP Goiânia (GO), 03 a 06 de maio de 2001 Pag 1 PROCESSOS EROSIVOS LINEARES ASSOCIADOS A EVENTOS PLUVIOSOS NA ÁREA URBANA DO MUNICÍPIO DE BAURU, SP Gerson Salviano de Almeida Filho 1 ;Evaldo Miranda Coiado

Leia mais

Oscilação Marinha. Regressão diminuição do nível do mar (Glaciação) Transgressão aumento do nível do mar (Inundação)

Oscilação Marinha. Regressão diminuição do nível do mar (Glaciação) Transgressão aumento do nível do mar (Inundação) Oscilação Marinha Regressão diminuição do nível do mar (Glaciação) Transgressão aumento do nível do mar (Inundação) Devido a variação do nível do mar a região costeira sofre alterações profundas em sua

Leia mais

Emprego de Fotografias Aéreas e Modelo Digital de Terreno no Mapeamento Geotécnico da Área de Proteção Ambiental do Rio São Bartolomeu-DF

Emprego de Fotografias Aéreas e Modelo Digital de Terreno no Mapeamento Geotécnico da Área de Proteção Ambiental do Rio São Bartolomeu-DF Emprego de Fotografias Aéreas e Modelo Digital de Terreno no Mapeamento Geotécnico da Área de Proteção Ambiental do Rio São Bartolomeu-DF Carlos Petrônio Leite da Silva 1 Cássio André da Silva 1 Joseleide

Leia mais

Quantidade e diversidade dos recursos minerais depende de: Características geológicas das várias unidades geomorfológicas

Quantidade e diversidade dos recursos minerais depende de: Características geológicas das várias unidades geomorfológicas Recursos do subsolo Quantidade e diversidade dos recursos minerais depende de: Características geológicas das várias unidades geomorfológicas Produção dos recursos minerais depende de: Existência de jazidas

Leia mais

O 2º do artigo 22 passa a vigorar com a seguinte redação:

O 2º do artigo 22 passa a vigorar com a seguinte redação: SUGESTÃO Nº 113 Autor: MÁRCIA O. KAUFFMAN O 2º do artigo 22 passa a vigorar com a seguinte redação: Art. 22 -... 1º -... 2º - Para a elaboração de Planos de Estruturação Urbana, conforme o estabelecido

Leia mais

Vanir Tiscoski Junior CURITIBA / PR RELATÓRIO DE SONDAGENS A PERCUSSÃO

Vanir Tiscoski Junior CURITIBA / PR RELATÓRIO DE SONDAGENS A PERCUSSÃO Vanir Tiscoski Junior CURITIBA / PR RELATÓRIO DE SONDAGENS A PERCUSSÃO ELABORAÇÃO Dezembro / 2013 Sumário 1 Introdução... 3 2- ABORDAGEM TEÓRICA - SISTEMA DEPOSICIONAL FLUVIAL MEANDRANTE... 3 3 TRABALH

Leia mais

Aplicação do SIG em estudos de degradação ambiental: o caso de São Carlos (SP)

Aplicação do SIG em estudos de degradação ambiental: o caso de São Carlos (SP) Revista Brasileira de Geociências Nívea Adriana Dias Pons & Osni José Pejon 38(2): 295-302, junho de 2008 Aplicação do SIG em estudos de degradação ambiental: o caso de São Carlos (SP) Nívea Adriana Dias

Leia mais

MAPEAMENTO DE ÁREAS SUSCETÍVEIS À EROSÃO NO MUNICÍPIO DE UBÁ-MG RESUMO

MAPEAMENTO DE ÁREAS SUSCETÍVEIS À EROSÃO NO MUNICÍPIO DE UBÁ-MG RESUMO 1 MAPEAMENTO DE ÁREAS SUSCETÍVEIS À EROSÃO NO MUNICÍPIO DE UBÁ-MG Clever Geraldo Coelho¹ Michelle de Sales Moreira Demolinari² Adelson Lemes Silva Júnior³ Fabrício Oliveira Ramos 4 Lucas Vallente Pires

Leia mais

Gestão Ambiental: A Travessia Férrea do Jardim da Grama na cidade de Bauru/SP

Gestão Ambiental: A Travessia Férrea do Jardim da Grama na cidade de Bauru/SP Gestão Ambiental: A Travessia Férrea do Jardim da Grama na cidade de Bauru/SP Dr. Manuel Joaquim Duarte da Silva (DEC-UNESP/BAURU) manuel@feb.unesp.br Caoni Farias Ponchio (Curso de Engenharia Civil-UNESP/BAURU)

Leia mais

ANÁLISE DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS COM DIFERENTES TIPOS DE USO DO SOLO EM CALHAS DE GERLACH (1966) NA FAZENDA EXPERIMENTAL DO GLÓRIA, UBERLÂNDIA MG.

ANÁLISE DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS COM DIFERENTES TIPOS DE USO DO SOLO EM CALHAS DE GERLACH (1966) NA FAZENDA EXPERIMENTAL DO GLÓRIA, UBERLÂNDIA MG. ANÁLISE DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS COM DIFERENTES TIPOS DE USO DO SOLO EM CALHAS DE GERLACH (1966) NA FAZENDA EXPERIMENTAL DO GLÓRIA, UBERLÂNDIA MG. PINESE, J. F. J 1 1 Graduando em Geografia. LAGES/UFU

Leia mais

O USO E OCUPAÇÃO DA BACIA DO ALTO CURSO DO RIO UBERABINHA, MG E OS REFLEXOS NA PERMEABILIDADE DO SOLO E NA RECARGA DA ZONA SATURADA FREÁTICA

O USO E OCUPAÇÃO DA BACIA DO ALTO CURSO DO RIO UBERABINHA, MG E OS REFLEXOS NA PERMEABILIDADE DO SOLO E NA RECARGA DA ZONA SATURADA FREÁTICA O USO E OCUPAÇÃO DA BACIA DO ALTO CURSO DO RIO UBERABINHA, MG E OS REFLEXOS NA PERMEABILIDADE DO SOLO E NA RECARGA DA ZONA SATURADA FREÁTICA Autora: Ângela Maria Soares UFTM Universidade Federal do Triângulo

Leia mais

HIERARQUIZAÇÃO DAS MORADIAS EM SITUAÇÃO DE RISCO GEOMORFOLÓGICO ASSOCIADO À DINÂMICA FLUVIAL NA VILA URLÂNDIA, SANTA MARIA RIO GRANDE DO SUL¹

HIERARQUIZAÇÃO DAS MORADIAS EM SITUAÇÃO DE RISCO GEOMORFOLÓGICO ASSOCIADO À DINÂMICA FLUVIAL NA VILA URLÂNDIA, SANTA MARIA RIO GRANDE DO SUL¹ HIERARQUIZAÇÃO DAS MORADIAS EM SITUAÇÃO DE RISCO GEOMORFOLÓGICO ASSOCIADO À DINÂMICA FLUVIAL NA VILA URLÂNDIA, SANTA MARIA RIO GRANDE DO SUL¹ RECKZIEGEL, B. W.² ² Mestranda do PPGGeo da Universidade Federal

Leia mais

SÍNTESE. AUTORES: MSc. Clibson Alves dos Santos, Dr. Frederico Garcia Sobreira, Shirlei de Paula Silva.

SÍNTESE. AUTORES: MSc. Clibson Alves dos Santos, Dr. Frederico Garcia Sobreira, Shirlei de Paula Silva. Mapeamento da cobertura vegetal e uso do solo nas bacias do ribeirão Carioca, córrego do Bação e córrego da Carioca, no município de Itabirito - MG: uma análise preliminar. AUTORES: MSc. Clibson Alves

Leia mais

Estrutura Geológica e o Relevo Brasileiro

Estrutura Geológica e o Relevo Brasileiro Estrutura Geológica e o Relevo Brasileiro 1. (ENEM-2010) TEIXEIRA, W. et. al. (Orgs.) Decifrando a Terra. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 2009 O esquema mostra depósitos em que aparecem fósseis

Leia mais

GUIA PARA ELABORAÇÃO DE CARTAS GEOTÉCNICAS DE APTIDÃO À URBANIZAÇÃO FRENTE AOS DESASTRES NATURAIS

GUIA PARA ELABORAÇÃO DE CARTAS GEOTÉCNICAS DE APTIDÃO À URBANIZAÇÃO FRENTE AOS DESASTRES NATURAIS GUIA PARA ELABORAÇÃO DE CARTAS GEOTÉCNICAS DE APTIDÃO À URBANIZAÇÃO FRENTE AOS DESASTRES NATURAIS ESTUDO DE CASO DE OURO PRETO 2013 Leonardo Andrade de Souza Frederico Garcia Sobreira Autores: Leonardo

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E ESTUDO DOS IMPACTOS DAS AÇÕES ANTRÓPICAS SOBRE A BACIA DO RIO COXIPÓ.

CARACTERIZAÇÃO E ESTUDO DOS IMPACTOS DAS AÇÕES ANTRÓPICAS SOBRE A BACIA DO RIO COXIPÓ. CARACTERIZAÇÃO E ESTUDO DOS IMPACTOS DAS AÇÕES ANTRÓPICAS SOBRE A BACIA DO RIO COXIPÓ. Adriana Xavier da Silva Bello Graduada em Letras - UNIVAG; Graduanda em Gestão Ambiental (IFMT); Mestranda em Educação

Leia mais

Projeto Geométrico de Rodovias. Escolha do Traçado

Projeto Geométrico de Rodovias. Escolha do Traçado Projeto Geométrico de Rodovias Escolha do Traçado Objetivos (i) a delimitação dos locais convenientes para a passagem da rodovia, a partir da obtenção de informações básicas a respeito da geomorfologia

Leia mais

AGG 209 INTRODUÇÃO À PETROFÍSICA AULA 1

AGG 209 INTRODUÇÃO À PETROFÍSICA AULA 1 AGG 209 INTRODUÇÃO À PETROFÍSICA AULA 1 O QUE É PETROFÍSICA? O termo petrofísica foi introduzido por Archie (1950) para descrever o estudo das propriedades físicas das rochas que dizem respeito à distribuição

Leia mais

Características dos Solos Goianos

Características dos Solos Goianos Universidade do Estado de Mato Grosso Campus Universitário de Pontes e Lacerda Departamento de Zootecnia Disciplina: Geologia Docente: Prof. Dr. Eurico Características dos Solos Goianos Discente: Kepler

Leia mais

7ºs anos Professor Daniel Fonseca

7ºs anos Professor Daniel Fonseca Salesiano Dom Bosco Capítulo 3 Geologia, Solo e Relevo 7ºs anos Professor Daniel Fonseca ROCHAS: Aglomerado de um ou mais minerais ÍGNEAS OU MAGMÁTICAS (cristalinas) - intrusivas ou plutônicas - extrusivas

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO MEIO ABIÓTICO DA REGIÃO DE PIRAÍ DA SERRA - PARANÁ

CARACTERIZAÇÃO DO MEIO ABIÓTICO DA REGIÃO DE PIRAÍ DA SERRA - PARANÁ CARACTERIZAÇÃO DO MEIO ABIÓTICO DA REGIÃO DE PIRAÍ DA SERRA - PARANÁ Rafael Köene (PIBIC/CNPq-UEPG), Mário Sérgio de Melo, e-mail: msmelo@uepg.br, Gilson Burigo Guimarães Universidade Estadual de Ponta

Leia mais

INTRODUÇÃO. VI Seminário Latino Americano de Geografia Física II Seminário Ibero Americano de Geografia Física Universidade de Coimbra, Maio de 2010

INTRODUÇÃO. VI Seminário Latino Americano de Geografia Física II Seminário Ibero Americano de Geografia Física Universidade de Coimbra, Maio de 2010 DIAGNÓSTICO E ANÁLISE GEOAMBIENTAL DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DO RIBEIRÃO CARIOCA E DOS CÓRREGOS DO BAÇÃO E CARIOCA, AFLUENTES DO RIO ITABIRITO (MG), COMO SUBSÍDIO AO ZONEAMENTO AMBIENTAL. CLIBSON ALVES

Leia mais

Análise morfométrica das microbacias do Córrego da Onça, dos Macacos e dos. Dourados na Bacia do Rio Araguari.

Análise morfométrica das microbacias do Córrego da Onça, dos Macacos e dos. Dourados na Bacia do Rio Araguari. 1 Análise morfométrica das microbacias do Córrego da Onça, dos Macacos e dos Dourados na Bacia do Rio Araguari. José Arlindo Braga Neto 1 ; Ana Cláudia Bernardes Brito! ; Kathereyn Jéssica Rosa Fiordelice!

Leia mais

ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DA HIDROGRAFIA

ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DA HIDROGRAFIA ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DA HIDROGRAFIA 1.0. Introdução O ciclo hidrológico, se considerado de maneira global, pode ser visto como um sistema hidrológico fechado, uma vez que a quantidade total da água

Leia mais

Estudo Preliminar da Erodibilidade de um Perfil Solo Residual na BR 101 No Município de Campos dos Goytacazes/RJ.

Estudo Preliminar da Erodibilidade de um Perfil Solo Residual na BR 101 No Município de Campos dos Goytacazes/RJ. Estudo Preliminar da Erodibilidade de um Perfil Solo Residual na BR 101 No Município de Campos dos Goytacazes/RJ. Francisco de Deus Fonseca Neto, Izabel de Souza Ramos, Maria da Glória Alves, Josué Alves

Leia mais

ANÁLISE INTEGRADA DA VARIAÇÃO ESPACIAL DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS NO RIO SANTO ANASTÁCIO, OESTE PAULISTA

ANÁLISE INTEGRADA DA VARIAÇÃO ESPACIAL DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS NO RIO SANTO ANASTÁCIO, OESTE PAULISTA ANÁLISE INTEGRADA DA VARIAÇÃO ESPACIAL DO TRANSPORTE DE Rocha, P.C. 1 ; 1 FCT/UNESP Email:pcrocha@fct.unesp.br; RESUMO: Este trabalho tem como objetivos a avaliação dos padrões de transporte de sedimentos

Leia mais

AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS MUNICÍPIO DE RIO VERDE (GO)

AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS MUNICÍPIO DE RIO VERDE (GO) UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE ESTUDOS SÓCIO-AMBIENTAIS LABORATÓRIO DE GEOLOGIA E GEOGRAFIA FÍSICA AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS MUNICÍPIO DE RIO VERDE (GO) RELATÓRIO TÉCNICO PARCIAL I:

Leia mais

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA - HIDROLOGIA APLICADA EXERCÍCIO DE REVISÃO

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA - HIDROLOGIA APLICADA EXERCÍCIO DE REVISÃO FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA - HIDROLOGIA APLICADA EXERCÍCIO DE REVISÃO 1. CONCEITUE HIDROLOGIA? 2. QUAL A IMPORTÂNCIA DA HIDROLOGIA NA ENGENHARIA CIVIL? 3. ASSINALE

Leia mais

Definição e Identificação de Áreas Ambientalmente Sensíveis

Definição e Identificação de Áreas Ambientalmente Sensíveis Definição e Identificação de Áreas Ambientalmente Sensíveis Semasa Serviço Municipal de Saneamento Ambiental de Santo André Definição e Identificação de Áreas Ambientalmente Sensíveis 00 TEMA: Definição

Leia mais

FUNDAMENTOS DE GEOLOGIA. Movimentos de Massa. Definição Fatores Influentes Tipos de Movimento de Massa Medidas Mitigadoras

FUNDAMENTOS DE GEOLOGIA. Movimentos de Massa. Definição Fatores Influentes Tipos de Movimento de Massa Medidas Mitigadoras FUNDAMENTOS DE GEOLOGIA Movimentos de Massa Definição Fatores Influentes Tipos de Movimento de Massa Medidas Mitigadoras MOVIMENTOS DE MASSA São todos os processos pelos quais massas de rocha e solo movem-se

Leia mais

ESTRADAS E AEROPORTOS DRENAGEM DE VIAS. Prof. Vinícius C. Patrizzi

ESTRADAS E AEROPORTOS DRENAGEM DE VIAS. Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS DRENAGEM DE VIAS Prof. Vinícius C. Patrizzi OBJETIVOS DA DRENAGEM COLETAR, CONDUZIR E LANÇAR, O MAIS RÁPIDO POSSÍVEL E EM LOCAL ADEQUADO, TODA ÁGUA QUE SE ORIGINA, QUE CORRE/CAI NA

Leia mais

MOVIMENTOS DE MASSA. (Bacia do Quitite, Jacarepaguá- RJ, 02/1996)

MOVIMENTOS DE MASSA. (Bacia do Quitite, Jacarepaguá- RJ, 02/1996) MOVIMENTOS DE MASSA (Bacia do Quitite, Jacarepaguá- RJ, 02/1996) MOVIMENTOS DE MASSA Classificação e Fatores Condicionantes Importância Diversidade de Enfoques Classificação dos Movimentos de Massa Principais

Leia mais