ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS VOÇOROCAS DA SERRA DA FORTALEZA EM CAMPOS GERAIS, SUL DE MINAS GERAIS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS VOÇOROCAS DA SERRA DA FORTALEZA EM CAMPOS GERAIS, SUL DE MINAS GERAIS"

Transcrição

1 87 ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS VOÇOROCAS DA SERRA DA FORTALEZA EM CAMPOS GERAIS, SUL DE MINAS GERAIS Welder Junho Batista¹ Dr. Lineo Gaspar Júnior² UNIFAL- Universidade Federal de Alfenas/ICN 1- INTRODUÇÃO Os impactos ambientais são um grande problema presente no mundo todo. A desertificação, o uso indevido da agricultura, a extração mineral, a retirada de cobertura vegetal, entre outros processos levam a impactos ambientais. A erosão do solo também é um grave problema de escala mundial, o qual acarreta diversos prejuízos à população e ao meio ambiente. Erosão é o desgaste do solo e das rochas, geralmente por causa do intemperismo. A erosão destrói as estruturas que compõem o solo (areias, argilas, óxidos e húmus), levando seus nutrientes e sais minerais existentes para as partes baixas do relevo. Sua principal forma de degradação é quando ocorre em solos férteis, podendo resultar na formação de sulcos, ravinas, que futuramente evoluem, formando voçorocas. Este tipo de feição erosiva se constitui em um grande poder destrutivo de terras e na perda de materiais por erosão dos solos. Essas voçorocas podem ser formadas por ação natural, ou por contribuição humana, devido a um mau planejamento de ocupação ou exploração da área, que é mais agravada devido aos processos acelerados de erosão do solo. Fatores climáticos também influenciam consideravelmente para a aceleração desse processo, além do desmatamento de regiões úmidas, semi-áridas e áridas. Segundo OLIVEIRA et al. (1999), este fenômeno de erosão vem acarretando, através da degradação dos solos e, por conseqüência, das águas, um pesado ônus à sociedade, pois além de danos ambientais irreversíveis, produz também prejuízos

2 econômicos e sociais, diminuindo a produtividade agrícola, provocando a redução da produção de energia elétrica e do volume de água para abastecimento urbano devido ao assoreamento de reservatórios, além de uma série de transtornos aos demais setores produtivos da economia. A área estudada em questão consiste em duas voçorocas que tiveram sua origem devida à exploração desordenada de cascalho para a construção de vias de transporte. Os estudos sobre as Voçorocas da Serra da Fortaleza serão realizados na área rural a 8 km do município de Campos Gerais MG. Esses estudos serão compostos por ensaios geotécnicos, análises mineralógicas e químicas, além de um constante monitoramento para identificar o sentido de crescimento e análises de fotografias aéreas OBJETIVOS Objetivos Gerais Fazer as análises mineralógicas, químicas e geotécnicas da área estudada, observando todos os fatores que podem levar ao agravamento das voçorocas, desde os fatores físicos (geologia, geomorfologia, pedologia, clima), até as atividades desenvolvidas no solo. Realizar um monitoramento para adquirir informações sobre o crescimento da voçoroca. Fazer uma comparação dos resultados para uma

3 melhor compreensão do crescimento das erosões, e conseqüentemente observar se esse crescimento está ligado a geologia do local. Objetivos Específicos Com o desenvolvimento deste trabalho, os seguintes objetivos serão atingidos: 89 Fazer uma análise geotécnica das voçorocas da Serra da Fortaleza; Análises químicas e mineralógicas dos solos; Interpretação de fotos aéreas ou de imagens de satélite do local; Fazer monitoramento para interpretar o crescimento da voçoroca; Levantar dados da geologia da área; Comparar os resultados e chegar a hipótese esperada. 3- REFERENCIAL TEÓRICO De acordo com Guerra (1999), a voçoroca é uma escavação ou rasgão de solo ou rocha decomposta, ocasionado pela erosão do lençol do escoamento superficial. Essa escavação pode ter ocorrida por ação antrópica, com a retirada da vegetação o solo fica exposto e vulnerável a ação de agentes exógenos que provocam a erosão do local. Inúmeras definições podem ser encontradas para explicar a diferença entre ravina e voçoroca. Contudo, em geral, predominam as distinções de caráter dimensional, sendo assim, as voçorocas caracterizam-se como incisões no solo com largura e profundidade superiores a cinquenta centímetros. A formação de voçorocas pode ocorrer por falta de planejamento de águas pluviais, como construções de estradas, cercas, com o ordenamento de enxurrada em um único ponto, retirada da vegetação, cavas para mineração entre outros fatores. Essas voçorocas podem acarretar grandes movimentos de massa, e chegar a vários metros de profundidade e comprimento, devido ao fluxo de água que passa em seu interior em períodos chuvosos. Em relação a isso, FERREIRA (2007), afirma que, as voçorocas são consideradas um dos piores problemas ambientais em áreas de rochas cristalinas nas regiões tropicais de montanha onde são freqüentes e podem alcançar grandes dimensões. Quando uma voçoroca atinge o nível do freático, pode ocorrer uma formação de um novo rio naquele lugar, e pode levar ao rebaixamento do lençol, ocorrendo a diminuição das águas nas nascentes próximas as regiões.

4 Segundo AB SABER (1968), o processo de formação das voçorocas está associado as paisagens de onde foram retiradas as suas coberturas vegetais. Nestas paisagens, a água de escoamento superficial, ao percolar linearmente no solo e atingir o lençol freático, compromete a estabilidade da área e gera a formação de voçorocas. As voçorocas podem ser classificadas segundo seu grau de desenvolvimento, com ativa, inativa ou paleovoçoroca. Tendo como base os conceitos acima citados, é plausível destacar que as voçorocas são um grande problema ambiental. Seu crescimento pode estar ligado a fatores associados ao clima, a geomorfologia, aos diversos tipos de solo e até mesmo da formação geológica do local METODOLOGIA A realização desse trabalho se fundamentará em análises mineralógicas, químicas e geotécnicas, dos diversos tipos de solo do local e na criação de medidas específicas para sua aplicação na área estudada, além do supervisionamento através de estacas colocadas próximas ao limite de erosão das voçorocas, onde a cada três meses será retirada medidas para estabelecer o índice de crescimento durante um ano e a utilização de um questionário sócio-ambiental. As análises de solo serão procedidas das seguintes maneiras: Mapeamento por foto aérea ou imagens de satélite das voçorocas; Análise dos minerais em lupa; Teor de Umidade; Teor de Liquidez; Teor de plasticidade; Distribuição granulométrica dos solos; Ensaios Físicos do Solo em Campo (Análise das características morfológicas que compõe o perfil do solo); Teor de Carbono Orgânico; Ph dos Solos; Teor de infiltração de água nos solos; Índices Físicos do Solo. 5- RESULTADOS PARCIAIS

5 Os Resultados preliminares indicam que a primeira voçoroca analisada na Serra da fortaleza é composta por quartzitos e mica xistos. A segunda apresenta como o solo predominante o latossolo rosa claro, que é extremamente arenoso. Existem também rochas alteradas que apresentam coloração branca, que ocorrem devido ao alto teor de quartzo. Algumas rochas apresentam coloração mais avermelhada, devido a uma lente de muscovita xisto identificada no mesmo. Segundo os resultados das análises, a alteração das rochas geraram latossolos vermelhos e amarelos, de granulometria arenosa (areia fina a média), com baixos teores de argila e de matéria orgânica, pouco plásticos e ácidos. Quanto a classificação das voçorocas, a primeira analisada por ser definidas como definida como dentrítica, enquanto a segunda pode ser considerada indefinida, com tendência a se tornar dentrítica REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AB SABER, A. N. As boçorocas de Franca. Revista da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Franca, 1968, 1(2): 5-27, Franca. AB SABER, A. N. Formas de Relevo: texto básico. São Paulo: EDART, p. ARAUJO, G. H. de S.; ALMEIDA, J. R. de; GUERRA, A. J. T. Gestão Ambiental de Áreas Degradadas. 2ed. Rio de Janeiro; Bertand Brasil, AUGUSTIN, C. H. R. R.; ARANHA, P. R. A. A Ocorrência de voçorocas em Gouveia, MG: características e processos associados. GEONOMOS (2006) 14(1, 2): FERREIRA, R. R. M.; FERREIRA, V. M.; TAVARES FILHO, J. ; RALISCH, R. Origem e evolução de voçorocas em Cambissolos na bacia do alto Rio Grande, Minas Gerais. In: XXXI Congresso Brasileiro de Ciência do Solo, 2007, Gramado-RS. Anais, 2007.

6 GUERRA, A. J. T. O início do processo erosivo. In: GUERRA, A. J. T.; SILVA, A. S.; BOTELHO, R. G. M. Erosão e conservação dos solos. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, CABRAL, A. E. Análise Geotécnica da voçoroca da serra da Fortaleza- Campos Gerais-Mg

Alguns processos erosivos que contribuem para o empobrecimento do solo

Alguns processos erosivos que contribuem para o empobrecimento do solo SOLO CONSERVAÇÃO Erosão Alguns processos erosivos que contribuem para o empobrecimento do solo Assoreamento: Depósito de acúmulo de sedimentos nos cursos d água, geralmente provocada, principalmente, pela

Leia mais

PHD Água em Ambientes Urbanos

PHD Água em Ambientes Urbanos PHD 2537 - Água em Ambientes Urbanos Erosões em Áreas Urbanas Professores: Prof. Dr. Kamel Zahed Filho Prof. Dr. José Rodolfo Scarati Martins Profª. Drª. Monica Ferreira do Amaral Porto Alunos: Filipe

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. MÓDULO 1: GEOMORFOLOGIA PROCESSUAL Introdução à Geomorfologia: Processos e Formas Domínio Tropical Úmido: Formas e Processos

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. MÓDULO 1: GEOMORFOLOGIA PROCESSUAL Introdução à Geomorfologia: Processos e Formas Domínio Tropical Úmido: Formas e Processos CONTEÚDO PROGRAMÁTICO MÓDULO 1: GEOMORFOLOGIA PROCESSUAL Introdução à Geomorfologia: Processos e Formas Domínio Tropical Úmido: Formas e Processos MÓDULO 2: FORMAS E PROCESSOS Paisagens Fluviais: formas

Leia mais

Solos. Professora: Jordana Costa

Solos. Professora: Jordana Costa Professora: Jordana Costa Você já pensou na importância dos solos para a humanidade e outros seres vivos, ou em como seria o planeta e a vida caso eles não existissem? O solo é a base para o desenvolvimento

Leia mais

Caracterização dos processos evolutivos e da dinâmica erosiva em Rondon do Pará, com ênfase na prevenção de desastres.

Caracterização dos processos evolutivos e da dinâmica erosiva em Rondon do Pará, com ênfase na prevenção de desastres. Caracterização dos processos evolutivos e da dinâmica erosiva em Rondon do Pará, com ênfase na prevenção de desastres. Pré - projeto de pesquisa apresentada ao curso de Pós- Graduação em Gestão de Risco

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE DE SOLOS COLAPSÍVEIS NA ÁREA URBANA DO MUNICÍPIO DE CAMPOS GERAIS MG

CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE DE SOLOS COLAPSÍVEIS NA ÁREA URBANA DO MUNICÍPIO DE CAMPOS GERAIS MG 192 CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE DE SOLOS COLAPSÍVEIS NA ÁREA URBANA DO MUNICÍPIO DE CAMPOS GERAIS MG ¹Leonardo D Olivo Margoto ²Prof. Dr. Lineo Gaspar Aparecido Junior ¹leonardomargoto@hotmail.com ²lineo.gaspar@unifal-mg.edu

Leia mais

Geologia e conservação de solos. Luiz José Cruz Bezerra

Geologia e conservação de solos. Luiz José Cruz Bezerra Geologia e conservação de solos Luiz José Cruz Bezerra SOLO É a parte natural e integrada à paisagem que dá suporte às plantas que nele se desenvolvem. Parte mais superficial e fina da crosta terrestre.

Leia mais

Agentes Externos ou Exógenos

Agentes Externos ou Exógenos RELEVO Relevo Terrestre Agentes Internos Agentes Externos Tectonismo Vulcanismo Abalos Sísmicos Intemperismo Erosão Agentes Externos ou Exógenos Em síntese, pode-se afirmar que os agentes exógenos realizam

Leia mais

Tipos e classificação FORMAÇÃO DOS SOLOS

Tipos e classificação FORMAÇÃO DOS SOLOS Tipos e classificação FORMAÇÃO DOS SOLOS PRIMEIRA CLASSIFICAÇÃO Baseia-se principalmente nos fatores de clima, tempo e relevo em que se encontram os solos. solos zonais são aqueles em relevos estáveis,

Leia mais

Análise da Susceptibilidade a Processos Erosivos, de Inundação e Assoreamento em Itajobi-SP a Partir do Mapeamento Geológico- Geotécnico

Análise da Susceptibilidade a Processos Erosivos, de Inundação e Assoreamento em Itajobi-SP a Partir do Mapeamento Geológico- Geotécnico Análise da a Processos Erosivos, de Inundação e em Itajobi-SP a Partir do Mapeamento Geológico- Geotécnico Lucas Duarte Beggiato Departamento de Geotecnia, Universidade de São Paulo, São Carlos, São Paulo

Leia mais

Tipos e classificação FORMAÇÃO DOS SOLOS

Tipos e classificação FORMAÇÃO DOS SOLOS Tipos e classificação FORMAÇÃO DOS SOLOS PRIMEIRA CLASSIFICAÇÃO Baseia-se principalmente nos fatores de clima, tempo e relevo em que se encontram os solos. solos zonais são aqueles em relevos estáveis,

Leia mais

ANALISE DOS SOLOS COLAPSÍVEIS E ARGILA ESPANSIVA NA REGIÃO DO BAIRRO SANTA LUIZA - MACHADO (MG)

ANALISE DOS SOLOS COLAPSÍVEIS E ARGILA ESPANSIVA NA REGIÃO DO BAIRRO SANTA LUIZA - MACHADO (MG) 129 ANALISE DOS SOLOS COLAPSÍVEIS E ARGILA ESPANSIVA NA REGIÃO DO BAIRRO SANTA LUIZA - MACHADO (MG) Pedro Henrique Gomes de Souza¹, Lineo Aparecido Gaspar Junior² ¹ UNIFAL Universidade Federal De Alfenas

Leia mais

Roteiro de estudos para recuperação trimestral

Roteiro de estudos para recuperação trimestral Roteiro de estudos para recuperação trimestral Disciplina: Professor (a): GEOGRAFIA SUELI VASCONCELOS Conteúdo: GEOGRAFIA FÍSICA: ESTRUTURA GEOLÓGICA MUNDO E BRASIL; RECURSOS MINERAIS DO BRASIL;AGENTES

Leia mais

GEOGRAFIA DO BRASIL Relevo e Solo

GEOGRAFIA DO BRASIL Relevo e Solo GEOGRAFIA DO BRASIL Relevo e Solo bruno7martins@gmail.com 1 Estrutura Geológica Bacias Sedimentares Acúmulo de sedimentos sobre os escudos Associadas a Combustíveis fósseis Rochas mais porosas, infiltração

Leia mais

EROSÃO EM ÁREAS URBANAS

EROSÃO EM ÁREAS URBANAS EROSÃO EM ÁREAS URBANAS GRUPO: Azussa Hirakata 3129173 Bruno Y. Katayama 3506844 Eduardo Takata 3104404 Kleber Ximenes 3633245 Meyre S. Taniguchi 3439620 Rodrigo T. O. Lemmi 3105600 Ronaldo Miyata 3439655

Leia mais

SOLOS. Parte mais superficial da crosta terrestre. Trata-se de um complexo composto de mineral, material orgânico e gases.

SOLOS. Parte mais superficial da crosta terrestre. Trata-se de um complexo composto de mineral, material orgânico e gases. SOLOS Parte mais superficial da crosta terrestre. Trata-se de um complexo composto de mineral, material orgânico e gases. Pedologia ramo da geografia que estuda os solos Formação do solo Decomposição da

Leia mais

Estudos Ambientais. Solos CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ - CEAP

Estudos Ambientais. Solos CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ - CEAP Estudos Ambientais Solos CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ - CEAP Objetivos da aula Definir os conceitos de solo e intemperismo Compreender o processo de formação do solo Conhecer os tipos de solos existentes.

Leia mais

ESTUDO GEOTÉCNICO E AMBIENTAL DA VOÇOROCA DA SERRA DA FORTALEZA EM CAMPOS GERAIS, SUL DE MINAS GERAIS.

ESTUDO GEOTÉCNICO E AMBIENTAL DA VOÇOROCA DA SERRA DA FORTALEZA EM CAMPOS GERAIS, SUL DE MINAS GERAIS. ESTUDO GEOTÉCNICO E AMBIENTAL DA VOÇOROCA DA SERRA DA FORTALEZA EM CAMPOS GERAIS, SUL DE MINAS GERAIS. Alessandro Expedito Cabral¹; Lineo Aparecido Gaspar Junior² alessandrocabral@ymail.com, lineo.gaspar@unifal-mg.edu.br

Leia mais

Hidrologia Bacias hidrográficas

Hidrologia Bacias hidrográficas Hidrologia Bacias hidrográficas 1. Introdução 2. Bacia hidrográfica 2.1. Definição e conceitos 2.2. Caracterização de bacias hidrográficas 3. Comportamento hidrológico da bacia hidrográfica 3.1. Enxurrada

Leia mais

Solos. Página 1 com Prof. Giba

Solos. Página 1 com Prof. Giba Solos O solo, a camada superficial da crosta terrestre, é um complexo composto de materiais minerais e orgânicos. A ciência que trata de seu estudo é a pedologia. Os solos se formam inicialmente pela desintegração

Leia mais

Fatores de Formação de Solos

Fatores de Formação de Solos Fatores de Formação de Solos De onde vem o solo? O solo resulta da ação simultânea do clima e organismos que atuam sobre um material de origem (rocha), que ocupa determinada paisagem ou relevo, durante

Leia mais

Universidade Metodista de Angola Faculdade de Engenharia Departamento de Construção Civil

Universidade Metodista de Angola Faculdade de Engenharia Departamento de Construção Civil Universidade Metodista de Angola Faculdade de Engenharia Departamento de Construção Civil Curso de Construção Civil Disciplina: Geologia em Engenharia Ano: 4to Professor: Dr. Silva Pereira Ginga (PhD)

Leia mais

Solos e suas várias importâncias

Solos e suas várias importâncias SOLOS Solos e suas várias importâncias Fornecer alimentos, madeira e terra para construções. Capacidade de decompor resíduos e purificar a água. Capacidade de regular as enchentes. Na paisagem, produzindo

Leia mais

Retrospectiva sobre regimes hidrológicos e importância do planejamento urbano na prevenção quanto a eventos extremos

Retrospectiva sobre regimes hidrológicos e importância do planejamento urbano na prevenção quanto a eventos extremos Retrospectiva sobre regimes hidrológicos e importância do planejamento urbano na prevenção quanto a eventos extremos José Teixeira Filho Faculdade de Engenharia Agrícola Ciência da Terra - Geografia UNICAMP

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica 459 EROSÃO ACELERADA ASSOCIADA A RODOVIAS NA PORÇÃO NORTE DE ANÁPOLIS (GO) Sandra Sardinha Lemes 1,3 ; Homero Lacerda 2,3 1 Bolsista PIBIC/CNPq 2 Pesquisador Orientador 3 Curso de Geografia UnUCSEH UEG

Leia mais

PROCESSOS EROSIVOS DO SOLO NA REGIÃO NOROESTE DO PARANÁ: UM ESTUDO DE CASO

PROCESSOS EROSIVOS DO SOLO NA REGIÃO NOROESTE DO PARANÁ: UM ESTUDO DE CASO PROCESSOS EROSIVOS DO SOLO NA REGIÃO NOROESTE DO PARANÁ: UM ESTUDO DE CASO 28 Carlos Eduardo Maronez Ganzaroli Acadêmico 3 o Geografia UNESPAR/Fafipa eduardoganzaroli01@hotmail.com Fernanda Perdigão da

Leia mais

NOÇÕES DE SOLO. Rita Moura Fortes

NOÇÕES DE SOLO. Rita Moura Fortes NOÇÕES DE SOLO Rita Moura Fortes rita.fortes@latersolo.com.br Terminologia de solos e rochas TERMINOLOGIA Engenharia Civil Terra: construção civil material natural não consolidado, possível de ser escavado

Leia mais

Difratometria por raios X

Difratometria por raios X 57 A amostra 06 foi coletada no fundo de um anfiteatro (Figura 23), em uma feição residual de um degrau no interior da voçoroca, este material, aparentemente mais coeso, também consiste em areia muito

Leia mais

FORMAÇÃO DO SOLO. *Vieira, M. A. RESUMO

FORMAÇÃO DO SOLO. *Vieira, M. A. RESUMO FORMAÇÃO DO SOLO *Vieira, M. A. RESUMO O solo é a superfície inconsolidada, constituído por camadas que diferem pela natureza física, química, biológica e mineralógica. Com a ação de quatro agentes formadores

Leia mais

Fatores de Formação do Solo. Unidade III - Fatores de Formação do Solo

Fatores de Formação do Solo. Unidade III - Fatores de Formação do Solo Unidade III - SILVA J.R.T., 2005 1. Material de Origem. 2. Clima. 3. Relevo. 4. Organismos Vivos. 5. Tempo. Estudo da influência de cada fator é difícil Interdependência entre eles. Fatores Ativos: Clima

Leia mais

PCS 502 Conservação do solo e da água

PCS 502 Conservação do solo e da água PCS 502 Conservação do solo e da água Aula 2: INTRODUÇÃO. ASPECTOS DE FORMAÇÃO DO SOLO E EROSÃO. EROSÃO GEOLÓGICA E ACELERADA. AGENTES E MECANISMOS DA EROSÃO. FORMAS DE EROSÃO HÍDRICA E EÓLICA. DIAGNÓSTICO,

Leia mais

DIAGNÓSTICOS DE PROCESSOS EROSIVOS NO MUNICÍPIO DE NOVA ANDRADINA MS

DIAGNÓSTICOS DE PROCESSOS EROSIVOS NO MUNICÍPIO DE NOVA ANDRADINA MS DIAGNÓSTICOS DE PROCESSOS EROSIVOS NO MUNICÍPIO DE NOVA ANDRADINA MS Celma Basilio da Silva Acadêmica da 4ª série do curso de Geografia do CPNA-UFMS - celma_nina@hotmail.com.br Ary Tavares Rezende Filho

Leia mais

VOÇOROCAS: PROCESSOS DE FORMAÇÃO, PREVENÇÃO E MEDIDAS CORRETIVAS. Gullies: Process of formation, prevention and corrective measures

VOÇOROCAS: PROCESSOS DE FORMAÇÃO, PREVENÇÃO E MEDIDAS CORRETIVAS. Gullies: Process of formation, prevention and corrective measures VOÇOROCAS: PROCESSOS DE FORMAÇÃO, PREVENÇÃO E MEDIDAS CORRETIVAS. RESUMO Rafael Said Bhering Cardoso, Universidade Federal de Viçosa, rafael.cardoso@ufv.br Lucas Valente Pires, Universidade Federal de

Leia mais

Hidrologia, Pedologia e Geologia

Hidrologia, Pedologia e Geologia CONCURSO PETROBRAS ENGENHEIRO(A) DE MEIO AMBIENTE JÚNIOR PROFISSIONAL DE MEIO AMBIENTE JÚNIOR PROFISSIONAL JR - ENG. DE MEIO AMBIENTE JÚNIOR Hidrologia, Pedologia e Geologia Questões Resolvidas QUESTÕES

Leia mais

1ª série EM - Lista de Questões para a RECUPERAÇÃO FINAL - GEOGRAFIA

1ª série EM - Lista de Questões para a RECUPERAÇÃO FINAL - GEOGRAFIA 1ª série EM - Lista de Questões para a RECUPERAÇÃO FINAL - GEOGRAFIA 01.A rosa dos ventos é um dos primeiros sistemas de referência terrestre, muito utilizado até hoje. Como se chegou à montagem da primeira

Leia mais

EROSÕES NO BAIRRO POLOCENTRO EM ANÁPOLIS (GO): CADASTRAMENTO E RELAÇÕES COM AS FORMAS DE RELEVO E USO DA TERRA.

EROSÕES NO BAIRRO POLOCENTRO EM ANÁPOLIS (GO): CADASTRAMENTO E RELAÇÕES COM AS FORMAS DE RELEVO E USO DA TERRA. EROSÕES NO BAIRRO POLOCENTRO EM ANÁPOLIS (GO): CADASTRAMENTO E RELAÇÕES COM AS FORMAS DE RELEVO E USO DA TERRA. Leide Laura F. M. Teixeira 1,4 ; Sandro Nunes de Oliveira 2,4 ; Homero Lacerda 3,4 1 Bolsista

Leia mais

ANÁLISE GEOTECNICA DO LIXÃO DA CIDADE DE ALFENAS - SUL DE MINAS GERAIS

ANÁLISE GEOTECNICA DO LIXÃO DA CIDADE DE ALFENAS - SUL DE MINAS GERAIS ANÁLISE GEOTECNICA DO LIXÃO DA CIDADE DE ALFENAS - SUL DE MINAS GERAIS Claudinei Donizeti Tibúrcio 1 Simone Pereira Rodrigues 1 Lineo Aparecido Gaspar Junior 2 577 auskney@hotmail.com; simonerodriguesbh@hotmail.com;

Leia mais

Composição do solo. Luciane Costa de Oliveira

Composição do solo. Luciane Costa de Oliveira Composição do solo Luciane Costa de Oliveira Introdução O solo é composto por matéria mineral, matéria orgânica, água e ar; Além da areia, argila e MO (fase sólida), o solo apresenta canais ou poros, importantes

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE ÁREA DEGRADADA: Caracterização, Métodos e Controle

RECUPERAÇÃO DE ÁREA DEGRADADA: Caracterização, Métodos e Controle RECUPERAÇÃO DE ÁREA DEGRADADA: Caracterização, Métodos e Controle Caio Vinicius Alves De Jesus Graduando em Agronomia, Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/ AEMS Matheus Assis De Alencar Graduando

Leia mais

ANÁLISE DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS COM DIFERENTES TIPOS DE USO DO SOLO EM CALHAS DE GERLACH (1966) NA FAZENDA EXPERIMENTAL DO GLÓRIA, UBERLÂNDIA MG.

ANÁLISE DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS COM DIFERENTES TIPOS DE USO DO SOLO EM CALHAS DE GERLACH (1966) NA FAZENDA EXPERIMENTAL DO GLÓRIA, UBERLÂNDIA MG. ANÁLISE DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS COM DIFERENTES TIPOS DE USO DO SOLO EM CALHAS DE GERLACH (1966) NA FAZENDA EXPERIMENTAL DO GLÓRIA, UBERLÂNDIA MG. PINESE, J. F. J 1 1 Graduando em Geografia. LAGES/UFU

Leia mais

Estudo da Dinâmica do Processo de Voçorocamento Através de Pesquisas de Campo no Município de Rancharia, SP, Brasil

Estudo da Dinâmica do Processo de Voçorocamento Através de Pesquisas de Campo no Município de Rancharia, SP, Brasil Estudo da Dinâmica do Processo de Voçorocamento Através de Pesquisas de Campo no Município de Rancharia, SP, Brasil Resumo Alyson Bueno FRANCISCO 1 alysonbueno@yahoo.com.br João Osvaldo Rodrigues NUNES

Leia mais

GEOTÉCNICA Bibliografia

GEOTÉCNICA Bibliografia GEOTÉCNICA Formação de Solos - Solos Residuais - Solos Transportados Bibliografia: Notas de aula (apostila) de Geotécnica, Prof. Reno Reine Castello (1998) Chiossi, N. J. (1979); Geologia Aplicada à Engenharia

Leia mais

PROPRIEDADES GEOMORFOLÓGICAS DAS ROCHAS

PROPRIEDADES GEOMORFOLÓGICAS DAS ROCHAS PROPRIEDADES GEOMORFOLÓGICAS DAS ROCHAS Aula 3 META Entender como as propriedades geomorfológicas de uma rocha podem infl uenciar no modo de escoamento superfi cial, na desagregação mecânica e na decomposição

Leia mais

FATORES CONTROLADORES DA FORMAÇÃO DE VOÇOROCAS NA MICROBACIA HIDROGRÁFICA ZÉ AÇU, PARINTINS-AM FATORES CONTROLADORES DA FORMAÇÃO DE VOÇOROCAS NA

FATORES CONTROLADORES DA FORMAÇÃO DE VOÇOROCAS NA MICROBACIA HIDROGRÁFICA ZÉ AÇU, PARINTINS-AM FATORES CONTROLADORES DA FORMAÇÃO DE VOÇOROCAS NA FATORES CONTROLADORES DA FORMAÇÃO DE VOÇOROCAS NA Marques, R. 1 ; Souza, R. 2 ; Batalha, C. 3 ; 1 IFAM Email:rildomarques.geo@gmail.com; 2 UEA Email:reginaldo.uea@gmail.com; 3 IFAM Email:cacau_batalha@hotmail.com;

Leia mais

- Para compreender os solos (conceitos e processos importantes)

- Para compreender os solos (conceitos e processos importantes) Os Solos - Para compreender os solos (conceitos e processos importantes) - Solo: camada superficial, resultante de rocha decomposta ou triturada. Mistura-se a matéria orgânica. - Intemperismo: ação decompositora

Leia mais

Formação dos Solos. Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Curso de Bacharelado em Engenharia Civil. Disciplina: Geologia Básica de Engenharia

Formação dos Solos. Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Curso de Bacharelado em Engenharia Civil. Disciplina: Geologia Básica de Engenharia Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Curso de Bacharelado em Engenharia Civil Formação dos Solos Disciplina: Geologia Básica de Engenharia Professora: Carolina Angélica Ghelli email: carolinaghelli@gmail.com

Leia mais

BACIA HIDROGRAFICA DO CÓRREGO DO BARBOSA

BACIA HIDROGRAFICA DO CÓRREGO DO BARBOSA Ângela Maria Soares * Carolina Santos Melo ** Laila da Silva Vieira *** Suely Regina Del Grossi **** RESUMO O presente artigo é o resultado de uma pesquisa que teve como objetivo mapear e caracterizar

Leia mais

Solos e sua importância ambiental

Solos e sua importância ambiental Solos e sua importância ambiental Atributos físicos e químicos do solo -Aula 1- Prof. Alexandre Paiva da Silva INTRODUÇÃO SOLO são produtos da ação combinada dos FATORES DE FORMAÇÃO DE SOLO (FFS) Equação

Leia mais

Solos: 7. O processo de desertificação e comprometimento do solo; 6. Conservação e cultivo do solo; 3. Principais solos agrícolas;

Solos: 7. O processo de desertificação e comprometimento do solo; 6. Conservação e cultivo do solo; 3. Principais solos agrícolas; Alexandre souza Geografia fisíca Solos: 1. Componentes; 2. Classificações; 3. Principais solos agrícolas; 4. Solos do Brasil; 5. Degradação dos solos; 6. Conservação e cultivo do solo; 7. O processo de

Leia mais

Características dos Solos Goianos

Características dos Solos Goianos Universidade do Estado de Mato Grosso Campus Universitário de Pontes e Lacerda Departamento de Zootecnia Disciplina: Geologia Docente: Prof. Dr. Eurico Características dos Solos Goianos Discente: Kepler

Leia mais

MONITORAMENTO DE PROCESSOS EROSIVOS EM TRÊS ENCOSTAS URBANAS NO MUNICÍPIO DE VIÇOSA-MINAS GERAIS

MONITORAMENTO DE PROCESSOS EROSIVOS EM TRÊS ENCOSTAS URBANAS NO MUNICÍPIO DE VIÇOSA-MINAS GERAIS MONITORAMENTO DE PROCESSOS EROSIVOS EM TRÊS ENCOSTAS URBANAS NO MUNICÍPIO DE VIÇOSA-MINAS GERAIS COSTA, F. O 1 Graduando do Curso de Geografia, Universidade Federal de Viçosa. fehq@ig.com.br FARIA, A.L.L

Leia mais

GEOGRAFIA FÍSICA DO BRASIL

GEOGRAFIA FÍSICA DO BRASIL GEOGRAFIA FÍSICA DO BRASIL (26/10/2016 às 15h ) 1) Há um domínio morfoclimático brasileiro, que está situado em zona climática temperada, mas ainda sob efeito dos trópicos, por isso in uenciado por um

Leia mais

ESTUDO GEOMORFOLÓGICO PARA O PLANEJAMENTO AMBIENTAL: O CASO DAS EROSÕES LINEARES NA CIDADE DE FRUTAL/MG

ESTUDO GEOMORFOLÓGICO PARA O PLANEJAMENTO AMBIENTAL: O CASO DAS EROSÕES LINEARES NA CIDADE DE FRUTAL/MG ESTUDO GEOMORFOLÓGICO PARA O PLANEJAMENTO AMBIENTAL: O Campos Silva, V. 1 ; de Souza Pinheiro, L. 2 ; 1 UNIFEB - BARRETOS/SP Email:venancio_mg@hotmail.com; 2 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS / UEMG

Leia mais

Geografia. Aula 01 EXISTEM TERREMOTOS NO BRASIL?

Geografia. Aula 01 EXISTEM TERREMOTOS NO BRASIL? Geografia. Aula 01 Relevo EXISTEM TERREMOTOS NO BRASIL? 1.1 Observe as imagens abaixo: O pior terremoto do Brasil derrubou 4 mil casas em João Câmara (RN), em 1996 Aécio vai à cidade onde terremoto deixou

Leia mais

2. Contestando o Tratado de Tordesilhas, o rei da França, Francisco I, declarou em 1540:

2. Contestando o Tratado de Tordesilhas, o rei da França, Francisco I, declarou em 1540: 1. Observe as figuras a seguir: O modo como a sociedade humana tem ocupado o espaço rural e urbano provoca impactos socioambientais negativos. Tendo como referência a interpretação e a análise das situações

Leia mais

Relatório Parcial de Andamento RPA-1

Relatório Parcial de Andamento RPA-1 Relatório Parcial de Andamento RPA-1 Consultoria para a Elaboração de Estudos para o Projeto FEHIDRO-PS 181/2008 Diagnóstico dos processos erosivos na Microbacia do Ribeirão das Antas Taubaté - SP. MARÇO/2011

Leia mais

Formas de relevo. Professora: Jordana Costa

Formas de relevo. Professora: Jordana Costa Formas de relevo Professora: Jordana Costa Relevo Observando a parte superficial da litosfera, isto é, o terreno sobre o qual vivemos, sobre o qual construímos cidades e estradas, vemos que ela apresenta

Leia mais

NUTRIÇÃO MINERAL GÊNESE DO SOLO. Rochas da Litosfera expostas ao calor, água e ar. Alterações físicas e químicas (intemperismo)

NUTRIÇÃO MINERAL GÊNESE DO SOLO. Rochas da Litosfera expostas ao calor, água e ar. Alterações físicas e químicas (intemperismo) NUTRIÇÃO MINERAL GÊNESE DO SOLO Rochas da Litosfera expostas ao calor, água e ar Alterações físicas e químicas (intemperismo) Físico (Altera o tamanho) Químico (Altera a composição) Intemperismo Físico

Leia mais

NÍVEIS DE MICRONUTRIENTES EM SOLOS COM USO INTENSIVO DE FERTILIZANTES.

NÍVEIS DE MICRONUTRIENTES EM SOLOS COM USO INTENSIVO DE FERTILIZANTES. NÍVEIS DE MICRONUTRIENTES EM SOLOS COM USO INTENSIVO DE FERTILIZANTES. Carla Thaisa Mendes de Souza (1) Hugo Rodrigues de Morais (1),Juliana Rosa Braga (1),Vinícius Nascimento Amaral (1), Maurício Antônio

Leia mais

Prof.º: Carlos D Boa Geofísica Relevo EXISTEM TERREMOTOS NO BRASIL?

Prof.º: Carlos D Boa Geofísica Relevo EXISTEM TERREMOTOS NO BRASIL? Prof.º: Carlos D Boa Geofísica Relevo EXISTEM TERREMOTOS NO BRASIL? 1.1 Observe as imagens abaixo: O pior terremoto do Brasil derrubou 4 mil casas em João Câmara (RN), em 1996 Aécio vai à cidade onde terremoto

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO SOLO E MONITORAMENTO DE RAVINAS E BOÇOROCAS NO MUNICÍPIO DE ITAUÇU/ GOIÁS RUBIN, J.C. R. 1 ; ROSA, M. E. C. 2 AZEREDO, G. V.

CARACTERIZAÇÃO DO SOLO E MONITORAMENTO DE RAVINAS E BOÇOROCAS NO MUNICÍPIO DE ITAUÇU/ GOIÁS RUBIN, J.C. R. 1 ; ROSA, M. E. C. 2 AZEREDO, G. V. CARACTERIZAÇÃO DO SOLO E MONITORAMENTO DE RAVINAS E BOÇOROCAS NO MUNICÍPIO DE ITAUÇU/ GOIÁS RUBIN, J.C. R. 1 ; 1 Universidade Católica de Goiás, Av. Universitária n 1440, Setor Universitário CEP 74605-010,

Leia mais

ANÁLISE MORFOLÓGICA DAS ÁREAS DEGRADADAS POR VOÇOROCAMENTO NA BACIA DO RIO BACANGA SÃO LUÍS/MA

ANÁLISE MORFOLÓGICA DAS ÁREAS DEGRADADAS POR VOÇOROCAMENTO NA BACIA DO RIO BACANGA SÃO LUÍS/MA ANÁLISE MORFOLÓGICA DAS ÁREAS DEGRADADAS POR Serra Lisboa, G. 1 ; Silva de Morais, M. 2 ; Domingos Viana, J. 3 ; Pereira da Silva, T. 4 ; Rodrigues Bezerra, J.F. 5 ; Teixeira Guerra, A.J. 6 ; 1 UEMA Email:gilberlene_serra@yahoo.com.br;

Leia mais

Edilene Américo Silva Doutoranda em Geografia - Universidade de Brasília

Edilene Américo Silva Doutoranda em Geografia - Universidade de Brasília Edilene Américo Silva Doutoranda em Geografia - Universidade de Brasília edileneamerico@hotmail.com José Luis Santos Neto CEB Distribuição jluisneto@uol.com.br Fernando Luiz Araújo Sobrinho Prof. Doutor

Leia mais

Adivane Terezinha Costa. Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Geologia

Adivane Terezinha Costa. Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Geologia Adivane Terezinha Costa Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Geologia BACIA HIDROGRÁFICA DEGRADADA. Cultivo morro abaixo e uso de agrotóxicos Crescimento urbano desordenado

Leia mais

ANÁLISE MINERALÓGICA, QUÍMICA E TEXTURAL DAS JAZIDAS DE ARGILA DO MUNICÍPIO DE TAMBAÚ - SP

ANÁLISE MINERALÓGICA, QUÍMICA E TEXTURAL DAS JAZIDAS DE ARGILA DO MUNICÍPIO DE TAMBAÚ - SP ANÁLISE MINERALÓGICA, QUÍMICA E TEXTURAL DAS JAZIDAS DE ARGILA DO MUNICÍPIO DE TAMBAÚ - SP Ana Lívia de Almeida Silva ¹ (ana-liviaas@hotmail.com) Lineo Aparecido Gaspar Junior² (lineo.gaspar@unifal-mg.edu.br)

Leia mais

ESTUDO DAS PROPRIEDADES MINERALÓGICAS E PETROGRÁFICAS DOS GNAISSES GRANÍTICOS DA REGIÃO DE ALFENAS - MG E SUA APLICAÇÃO NO SETOR DE ROCHAS ORNAMENTAIS

ESTUDO DAS PROPRIEDADES MINERALÓGICAS E PETROGRÁFICAS DOS GNAISSES GRANÍTICOS DA REGIÃO DE ALFENAS - MG E SUA APLICAÇÃO NO SETOR DE ROCHAS ORNAMENTAIS ESTUDO DAS PROPRIEDADES MINERALÓGICAS E PETROGRÁFICAS DOS GNAISSES GRANÍTICOS DA REGIÃO DE ALFENAS - MG E SUA APLICAÇÃO NO SETOR DE ROCHAS ORNAMENTAIS LAURA CRISTINA DIAS 1 e LINEO APARECIDO GASPAR JUNIOR

Leia mais

PROCESSOS PARA PREVENÇÃO DE EROSÃO DO SOLO

PROCESSOS PARA PREVENÇÃO DE EROSÃO DO SOLO PROCESSOS PARA PREVENÇÃO DE EROSÃO DO SOLO Antônio Cândido Filho (1); Jairo Janailton Alves dos Santos (2); Frederico Campos Pereira (3); Tadeu Macryne Lima Cruz (4) Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 23 AGENTES EXTERNOS: EROSÃO E INTEMPERISMO

GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 23 AGENTES EXTERNOS: EROSÃO E INTEMPERISMO GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 23 AGENTES EXTERNOS: EROSÃO E INTEMPERISMO Como pode cair no enem Da ação de solapamento realizado pelas ondas do mar na costa brasileira resulta uma forma de relevo escarpado,

Leia mais

Utilização de Técnicas de SIG e de Campo para Identificação de Áreas Sensíveis com Intuito de Regularização Fundiária

Utilização de Técnicas de SIG e de Campo para Identificação de Áreas Sensíveis com Intuito de Regularização Fundiária Utilização de Técnicas de SIG e de Campo para Identificação de Áreas Sensíveis com Intuito de Regularização Fundiária Ludmilson Roberto da Silva Lud_roberto@yahoo.com.br Rodrigo Baldson Godoi godoi_rodrigo@yahoo.com.br

Leia mais

DEGRADAÇÃO DO SOLO E INFLUÊNCIA NA QUALIDADE DA ÁGUA: O CASO DA EROSÃO URBANA DO BAIRRO JACU NA CIDADE DE AÇAILÂNDIA MA. CASTRO, R. A 1.

DEGRADAÇÃO DO SOLO E INFLUÊNCIA NA QUALIDADE DA ÁGUA: O CASO DA EROSÃO URBANA DO BAIRRO JACU NA CIDADE DE AÇAILÂNDIA MA. CASTRO, R. A 1. RESUMO DEGRADAÇÃO DO SOLO E INFLUÊNCIA NA QUALIDADE DA ÁGUA: O CASO DA EROSÃO URBANA DO BAIRRO JACU NA CIDADE DE AÇAILÂNDIA MA. CASTRO, R. A 1. 1 Pós-graduando em Geografia do CESI-UEMA raifrandicastro@yahoo.com.br

Leia mais

EROSÃO ACELERADA EM UMA CANAL URBANO ASSOCIADA À OCUPAÇÃO URBANA PERIFÉRICA NO MUNICÍPIO DE GOIÂNIA> RESULTADOS PRELIMINARES.

EROSÃO ACELERADA EM UMA CANAL URBANO ASSOCIADA À OCUPAÇÃO URBANA PERIFÉRICA NO MUNICÍPIO DE GOIÂNIA> RESULTADOS PRELIMINARES. EROSÃO ACELERADA EM UMA CANAL URBANO ASSOCIADA À Lima Amaral, L. 1 ; Soares Cherem, L.F. 2 ; 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Email:ludylima_04@hotmail.com; 2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Email:luis.cherem@gmail.com;

Leia mais

ANÁLISE DA VULNERABILIDADE A PERDA DE SOLOS UTILIZANDO TÉCNICAS DO SENSORIAMENTO REMOTO

ANÁLISE DA VULNERABILIDADE A PERDA DE SOLOS UTILIZANDO TÉCNICAS DO SENSORIAMENTO REMOTO ANÁLISE DA VULNERAILIDADE A PERDA DE SOLOS UTILIZANDO TÉCNICAS DO SENSORIAMENTO REMOTO Rita de Cássia Freire Carvalho 1, Luana Menezes Vianna 2, Norton Rodrigo Gomes Lima³, Odair Lacerda Lemos 4 1 Graduanda

Leia mais

COLETA E PREPARO DE MONÓLITO DE SOLOS NO MUNICÍPIO DE CONCEIÇÃO DO ARAGUAIA PA

COLETA E PREPARO DE MONÓLITO DE SOLOS NO MUNICÍPIO DE CONCEIÇÃO DO ARAGUAIA PA COLETA E PREPARO DE MONÓLITO DE SOLOS NO MUNICÍPIO DE CONCEIÇÃO DO ARAGUAIA PA Jhonatan Alcântara dos Santos (*), Anne Caroline da Conceição Silva, Douglas Henrique Neres da Luz, José Roberto Vergínio

Leia mais

LEVANTAMENTO DE ÁREAS AGRÍCOLAS DEGRADADAS NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

LEVANTAMENTO DE ÁREAS AGRÍCOLAS DEGRADADAS NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO LEVANTAMENTO DE ÁREAS AGRÍCOLAS DEGRADADAS NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Documento Resumo Vitória ES Setembro de 2012 1 COORDENAÇÃO AUTORES Phablo Barreto Eng. Agr. MS Solos Linha de Pesquisa: Áreas Degradadas

Leia mais

Conteúdo: Aula 1: As formas do relevo. A importância do estudo do relevo. A dinâmica do relevo. Aula 2: Agentes externos que modificam o relevo.

Conteúdo: Aula 1: As formas do relevo. A importância do estudo do relevo. A dinâmica do relevo. Aula 2: Agentes externos que modificam o relevo. Conteúdo: Aula 1: As formas do relevo. A importância do estudo do relevo. A dinâmica do relevo. Aula 2: Agentes externos que modificam o relevo. 2 Habilidades: Aula 1: Diferenciar as formas de relevo da

Leia mais

APLICAÇÃO DE METODOLOGIA DE ESTAQUEAMENTO PARA ESTUDO DO PROCESSO DE VOÇOROCAMENTO NO MUNICÍPIO DE RANCHARIA-SP.

APLICAÇÃO DE METODOLOGIA DE ESTAQUEAMENTO PARA ESTUDO DO PROCESSO DE VOÇOROCAMENTO NO MUNICÍPIO DE RANCHARIA-SP. APLICAÇÃO DE METODOLOGIA DE ESTAQUEAMENTO PARA ESTUDO DO PROCESSO DE VOÇOROCAMENTO NO MUNICÍPIO DE RANCHARIA-SP. Alyson Bueno FRANCISCO 1 João Osvaldo Rodrigues NUNES 2 Resumo Este texto apresenta a aplicação

Leia mais

Geomorfologia Aplicada

Geomorfologia Aplicada Geomorfologia Aplicada Escoamentos superficiais e erosões hídricas (produção e deposição de detrítos/sedimentos) Processos Elementares e Fatores envolvidos nas erosões hídricas Erosões diferentes agentes

Leia mais

Fatores de Formação do Solo

Fatores de Formação do Solo Clima Forma ativa e diferencial de atuação na formação do solo; Rochas iguais + condições climáticas diferentes = solos diferentes Rochas diferentes + condições climáticas iguais = solos iguais Sheila

Leia mais

DEGRADAÇÃO DAS MATAS CILIARES E SUAS CONSEQUÊNCIAS PARA NASCENTES DO MUNICÍPIO DE MARAVILHA, SERTÃO DE ALAGOAS

DEGRADAÇÃO DAS MATAS CILIARES E SUAS CONSEQUÊNCIAS PARA NASCENTES DO MUNICÍPIO DE MARAVILHA, SERTÃO DE ALAGOAS DEGRADAÇÃO DAS MATAS CILIARES E SUAS CONSEQUÊNCIAS PARA NASCENTES DO MUNICÍPIO DE MARAVILHA, SERTÃO DE ALAGOAS Leila Caroline Salustiano Silva¹; Ana Paula Lopes da Silva² Universidade Federal de Alagoas

Leia mais

IMPORTÂNCIA E PAPEL DO ESPAÇO RURAL NA DISPONIBILIZAÇÃO DE ÁGUA

IMPORTÂNCIA E PAPEL DO ESPAÇO RURAL NA DISPONIBILIZAÇÃO DE ÁGUA IMPORTÂNCIA E PAPEL DO ESPAÇO RURAL NA DISPONIBILIZAÇÃO DE ÁGUA Maurício R. Fernandes Engenheiro Agrônomo EMATER-MG Solummrf21@terra.com.br Sendo a água um recurso natural vital, estratégico e insubstituível

Leia mais

Geomorfologia Aplicada

Geomorfologia Aplicada Geomorfologia Aplicada Equilíbrio dinâmico dos sistemas naturais (estabilidade e resilência) Processos morfogenéticos/morfodinâmicos: Responsáveis pela esculturação das formas de relevo (morfogênese) Representam

Leia mais

RELATÓRIO DE CAMPO - GEOMORFOLOGIA II

RELATÓRIO DE CAMPO - GEOMORFOLOGIA II UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS. RELATÓRIO DE CAMPO - GEOMORFOLOGIA II Comentado [AVAL1]: NOTAS: INTRODUÇÃO: 0 DESENVOLVIMENTO: 6,0 CONSIDERAÇOES E BIBLIOGRAFIA:

Leia mais

Geotecnia Ambiental. Engenharia Civil 7º Período. Professor Mauro Cruz

Geotecnia Ambiental. Engenharia Civil 7º Período. Professor Mauro Cruz Geotecnia Ambiental Engenharia Civil 7º Período Professor Mauro Cruz mauro.cruz@ufv.br 1. Introdução A erosão é um processo que se traduz na desagregação, transporte e deposição do solo, subsolo e rocha

Leia mais

SOLO: CARACTERÍSTICAS E PROPRIEDADES

SOLO: CARACTERÍSTICAS E PROPRIEDADES Autores: Ana Maria Pace João Carlos Pinto Nazário de Oliveira Silva Ricardo Eiji Noguti Sergio Hideo Arakaki SOLO: CARACTERÍSTICAS E PROPRIEDADES Contexto: Esta aula é destinada a alunos da 5 a série (3

Leia mais

SISTEMA DE CULTIVO NAS CARACTERÍSTICAS FÍSICO-HÍDRICAS EM LATOSSOLO DISTROCOESO SOB CERRADO NO MARANHÃO (1)

SISTEMA DE CULTIVO NAS CARACTERÍSTICAS FÍSICO-HÍDRICAS EM LATOSSOLO DISTROCOESO SOB CERRADO NO MARANHÃO (1) SISTEMA DE CULTIVO NAS CARACTERÍSTICAS FÍSICO-HÍDRICAS EM LATOSSOLO DISTROCOESO SOB CERRADO NO MARANHÃO (1) Francisco de Brito Melo (2) Milton José Cardoso (3) ; Aderson Soares de Andrade Júnior (4) (1)

Leia mais

O RELEVO DA TERRA Capítulo 2

O RELEVO DA TERRA Capítulo 2 O RELEVO DA TERRA Capítulo 2 Ciclo da erosão RETIRADA TRANSPORTE SEDIMENTAÇÃO OU DEPOSIÇÃO A EROSÃO É UM PROCESSO NATURAL De uma forma simplificada, existe uma tendência em considerar a erosão como algo

Leia mais

AS ROCHAS E OS SOLOS MÓDULO 12

AS ROCHAS E OS SOLOS MÓDULO 12 AS ROCHAS E OS SOLOS MÓDULO 12 COMO AS ROCHAS SE FORMAM? A litosfera é a camada de rocha que existe sobre o manto, ou seja, a nossa crosta terrestre, que se transforme e se cria por meio do vulcanismo

Leia mais

PROCESSOS FUNDAMENTAIS DA EROSÃO

PROCESSOS FUNDAMENTAIS DA EROSÃO PROCESSOS FUNDAMENTAIS DA EROSÃO META Conhecer o processo erosivo em todos os seus estágios. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: Reconhecer a importância do uso dos recursos didáticos no ensino

Leia mais

USO DA TERRA, EROSÃO ACELERADA E ASSOREAMENTO NA MICROBACIA DO CÓRREGO DOS GÓIS, ANÁPOLIS (GO) Karine Vicência Souto 1 ; Homero Lacerda 2

USO DA TERRA, EROSÃO ACELERADA E ASSOREAMENTO NA MICROBACIA DO CÓRREGO DOS GÓIS, ANÁPOLIS (GO) Karine Vicência Souto 1 ; Homero Lacerda 2 USO DA TERRA, EROSÃO ACELERADA E ASSOREAMENTO NA MICROBACIA DO CÓRREGO DOS GÓIS, ANÁPOLIS (GO) 1 Bolsista PBIC/UEG; Karine Vicência Souto 1 ; Homero Lacerda 2 2 Orientador, Curso de Geografia, Unidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS DA TERRA DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA GEOMORFOLOGIA BÁSICA E ESTRUTURAL - GB 128 TEMA 1

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS DA TERRA DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA GEOMORFOLOGIA BÁSICA E ESTRUTURAL - GB 128 TEMA 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS DA TERRA DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA GEOMORFOLOGIA BÁSICA E ESTRUTURAL - GB 128 TEMA 1 Professor: Fabiano A. Oliveira 2017 Afinal, o que é Geomorfologia?

Leia mais

Planejamento de Uso Integrado da Terra Disciplina de Classificação de Solos

Planejamento de Uso Integrado da Terra Disciplina de Classificação de Solos Planejamento de Uso Integrado da Terra Disciplina de Classificação de Solos Para um planejamento de uso é necessário que se conheça informações do ambiente como os solos, clima, relevo, vegetação, drenagem

Leia mais

Importância do Manejo de Solos

Importância do Manejo de Solos CENTRO UNIVERSITÁRIO DO TRIÂNGULO IMPORTÂNCIA DO SOLO O seu uso adequado, além de garantir o suprimento de água para Importância do Manejo de Solos as culturas, criações e comunidades; previne a erosão

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS UFG - PPGA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS UFG - PPGA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS UFG - PPGA CURSO: Pós Graduação Agronomia DISCIPLINA: Classificação e Mapeamento de Solos PROF. RENATA S. MOMOLI Eng. Agrônoma Dra. em Solos e Nutrição de Plantas O QUE É

Leia mais

Características de regiões cárstica

Características de regiões cárstica Uma análise preliminar das subsidência e fissuras cársticas no município de Lapão Bahia, através da realização do cadastro de usuários de recursos hídricos Janaina Novaes Sobrinho; Cristiano Macedo Perreira;

Leia mais

PROCESSOS EROSIVOS NA CIDADE DE RIO BRANCO, ACRE: O CASO DO BAIRRO VILA NOVA

PROCESSOS EROSIVOS NA CIDADE DE RIO BRANCO, ACRE: O CASO DO BAIRRO VILA NOVA PROCESSOS EROSIVOS NA CIDADE DE RIO BRANCO, ACRE: O CASO DO Souza, A.J.G. 1 ; Arcos, F.O. 2 ; 1 UFAC Email:jaldo.geografia@gmail.com; 2 UFAC Email:frankarcos@gmail.com; RESUMO: Os processos erosivos se

Leia mais

GEOTÉCNICA Bibliografia

GEOTÉCNICA Bibliografia GEOTÉCNICA Intemperismo - Físico - Químico - Solução ou carbonatação Bibliografia: Notas de aula (apostila) de Geotécnica, Prof. Reno Reine Castello (1998) Teixeira, W.; Toledo, M.C.M.; Fairchild, T.R.;

Leia mais

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida.

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida. SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente POLÍCIA ALTERNATIVAS AMBIENTAIS COMO SOLUÇÃO PARA O ENFRENTAMENTO DA ESCASSEZ HIDRICA Luiz Henrique Ferraz Miranda Engenheiro Florestal Chefe do Escritório Regional

Leia mais

3 Aspectos Geológicos e Geotécnicos

3 Aspectos Geológicos e Geotécnicos 3 Aspectos Geológicos e Geotécnicos Nos itens a seguir serão abordados os aspectos geológicos e geotécnicos de maior interesse na área da Barragem de Terra da Margem Esquerda. 3.1. Características Gerais

Leia mais

Os vertisolos - Expandem-se e Contraem-se constantemente com a variação da humidade

Os vertisolos - Expandem-se e Contraem-se constantemente com a variação da humidade A análise de solos Os Solos O solo é o resultado da complexa interacção dos processos físicos, químicos e biológicos variados que actuam na pedra ou sedimento ao longo do tempo; Os solos são produtos das

Leia mais

UNIDADE 4 USO DE INFORMAÇÕES SOBRE SOLOS

UNIDADE 4 USO DE INFORMAÇÕES SOBRE SOLOS Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Rurais Departamento de Solos SOL 1001 Solos e Produção Animal UNIDADE 4 USO DE INFORMAÇÕES SOBRE SOLOS Alessandro Samuel-Rosa Santa Maria, junho de

Leia mais