NATUREZA E TIPOS DE SOLOS ACH1085

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NATUREZA E TIPOS DE SOLOS ACH1085"

Transcrição

1 NATUREZA E TIPOS DE SOLOS ACH1085 SISTEMA BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE SOLOS 1

2 Introdução O que significa classificar solos? Distribuir os solos em classes e/ou grupos segundo um sistema ou método de classificação Há 2 tipos: Classificações técnicas ou interpretativas Classificações naturais ou taxonômicas 2

3 Introdução Classificações técnicas ou interpretativas: Estabelecem grupos de indivíduos para uma finalidade específica. Exemplos: Sistema Brasileiro de Capacidade de Uso dos Solos Sistema de Avaliação da Aptidão Agrícola das Terras Sistema Brasileiro de Classificação de Terras para Irrigação Avaliação da Susceptibilidade à Erosão das Terras 3

4 Introdução Exemplo de Sistema de Capacidade de Uso dos Solos LEPSCH,

5 Introdução Exemplo de Sistema de Capacidade de uso do solo LEPSCH (2010) 5

6 Introdução Classificações naturais ou taxonômicas: Organizar o conhecimento que se encontra sem referências para um objetivo específico. Exemplos: Sistema Brasileiro de Classificação de Solos United States Soil Taxonomy FAO/UNESCO 6

7 Introdução Por que classificar? Facilitar a troca de informações Facilitar a lembrança dos atributos mais essenciais Facilitar fazer inferências sobre gênese e manejo do solo Realçar e entender as relações entre os indivíduos da paisagem. 7

8 Introdução 8

9 Hierarquia da classificação de solos no Brasil Níveis categóricos EMBRAPA (2013) 9

10 Hierarquia da classificação de solos do Brasil Geral Específico Níveis categóricos FONTE: 10

11 Níveis categóricos do SiBCS Definição de nível categórico: Nível categórico de um sistema de classificação de solos é um conjunto de classes definidas segundo atributos diagnósticos em um mesmo nível de generalização ou abstração e incluindo todos os solos que satisfazem a essa definição FONTE: EMBRAPA (2006) pg 67 11

12 Atributos diagnósticos Atributo Saturação por bases Caráter alumínico ou caráter alítico Atividade da fração argila Caráter ácrico Contato lítico Caráter sódico e solódico Caráter sálico e salino Caráter carbonático e com carbonato Mudança textural abrúpta Duripã Significado Solos ricos (eutróficos) e pobres (distróficos) Toxicidade Al 3+ Poder tampão do solo Baixíssima CTC Profundidade efetiva Na+ trocável em excesso Sais em excesso Indisponibilidade micronutrientes Erodibilidade Profundidade efetiva 12

13 Níveis categóricos do SiBCS As características ou propriedades dos solos consideradas para definir um nível categórico, necessitam ser identificadas no campo As características que diferenciam os níveis categóricos mais elevados da classificação dos solos devem ser propriedades dos solos que resultam dos processos de gênese do solo e que afetam a gênese do solo. Ordem subordem 13

14 1º. Nível categórico: Ordens A separação de classes se da pela presença ou ausência de determinados atributos, horizontes diagnósticos, ou propriedades dos solos. A separação de classes tem como base os sinais deixados no solo pela atuação de um conjunto de processos que foram considerados os dominantes no desenvolvimento do solo. Exemplos: Latossolos; Argissolos; Neossolo... 14

15 USP/EACH/ACH

16 2º. Nível categórico: Subordens As classes são separadas por propriedades ou características que: Refletem a atuação de outros processos de formação que agiram conjuntamente ou afetaram os processos dominantes e cujas características foram utilizadas para separar os solos no 1º. Nível categórico. Exemplos: Vermelho 2,5 YR ou 10R Vermelho-Amarelo 5YR COLORAÇÃO 16

17 3º. Nível categórico: grandes grupos As classes são separadas por uma ou mais das seguintes características: Tipo de arranjamento dos horizontes Atividade da fração argila; condição de saturação do complexo sortivo por bases ou por alumínio, ou por sódio e/ou a presença de sais solúveis. Presença de horizontes ou propriedades que restringem o desenvolvimento das raízes e afetam o livre movimento da água no solo Exemplos: Eutrófico; Distrófico; Alumínico... CONDIÇÃO QUÍMICA 17

18 4º. Nível categórico: Subgrupos TÍPICO OU INTERMEDIÁRIO As classes são separadas por uma das seguintes características: Típico: representa o conceito central da classe, ou o indivíduo mais simples; ainda que possa não ser o de maior expressão geográfica, mas apresenta a organização de horizontes e sinais dos processos pedogenéticos mais simples. Representa solos com atributos que os definem como intermediários para outras classes no 1º, 2º ou 3º níveis categóricos Representa os solos com características extraordinárias 18

19 Horizontes Diagnósticos de Superfície Existem 7 tipos de Horizontes diagnósticos de superfície Chernozêmico Proeminente Húmico Antrópico Moderado Fraco Hístico 19

20 Horizontes diagnósticos de superfície Horizontes minerais superficiais Aspectos pedológicos Cor escura (1), horizonte relativamente espesso Chernozêmico (2), carbono orgânico >= 6%, P solúvel em ácido cítrico < 250 mg.kg -1, V > ou = 65%. Proeminente Idem A chemozêmico, mas deve apresentar V < 65%. Húmico Cor escura (3), mais espesso que A chernozêmico, carbono elevado (4), V< 65%. Idem A chemozêmico ou A húmico, mas P 2 0 S Antrópico solúvel em ácido cítrico> = 250 mg. Kg- 1 20

21 Horizontes diagnósticos de superfície Horizontes minerais superficiais Moderado Fraco Hístico Aspectos pedológicos Quando escuro(1), Espessura menor que do A chernozêmico(2), ou de cor menos clara do que A fraco. Cor muito clara(5), estrutura em grãos simples, ou se for maciça, com grau fraco; carbono orgânico < 0,6%.8e ainda nenhuma dessas exigências ocorre é A fraco se a espessura for menor Que 5 cm. Carbono orgânico> = 8% e atender pelo menos uma dessas exigências:espessura > 20 cm, ou >= 10 cm se ocorre contato I ítico, ou > = 40cm quando 75% ou mais em volume do horizonte é tecido vegetal. 21

22 Horizontes Diagnósticos de Subsuperfície Os horizontes de subsuperfícies podem ou não serem representados pelo horizonte B O Horizonte B é considerado o mais importante no ponto de vista da pedologia, por ser o de máxima expressão morfológica Existem 6 tipos de Horizontes B. B Latossólico, B Nítico, B Incipiente B Plânico B Espódico B Textural 22

23 Horizontes diagnósticos de sub superfície Horizontes Aspectos morfológicos subsuderficiais Textura média, ou argilosa ou muito argilosa com discreto aumento de argila em profundidade (quadro 8); B Latossólico espessura mínima de 50cm; cerosidade ausente, ou se existe, em pouca quantidade e com grau fraco de nitidez.transição nos sub horizontes: oradual ou difusa, cor homooênea. Textura argilosa ou muito argilosa com discreto aumento de argila em profundidade (quadro 8); espessura mínima 30cm(1); B Nítico estrutura em blocos ou prismática moderada ou forte;cerosidade comum ou abundante e moderada ou forte. Transição nos sub horizontes; gradual ou difusa, cor homooênea. Textura média, ou argilosa ou muito argilosa com grande aumento de argila em relação ao horizonte A (2) B Textural (quadro 9), cerosidade presente nas diferentes faces dos agregados da maioria dos B texturais, espessura = 15 cm quando A+B com mais de 150 cm, ou quando a textura é arenosa nos horizontes A ou E(3) Textura média, ou argilosa ou muito argilosa com discreto aumento de argila em profundidade (quadro 8); B Incipiente* Espessura mínima 10 cm e ausência da estrutura original da rocha original em 50% ou mais do seu volume 23

24 Horizontes diagnósticos de sub superfície Horizontes subsuperfíciais Plânico Espódico Aspectos morfológicos Idem B textural, mas com transição abrupta de cor e mudança textural abrupta na textura, lenta permeabilidade devido ao elevado teor de argila dispersa em água. Geralmentle textura arenosa; espessura mínima 2,5 cm. 24

25 Descrição de Horizontes diagnósticios 25

26 U.S. Soil Taxonomy USP/EACH/ACH

27 USP/EACH/ACH

28 Solos no mundo 28

29 Bibliografia EMBRAPA Sistema brasileiro de classificação de solos. 2. ed. Brasília: Embrapa Solos, p. ISBN Cap. 3 pg 67 a 72 LEPSCH, I. F. Formação e Conservação dos Solos. São Paulo: Oficina de Textos, 2ed., p. ISBN Páginas 80 a 95 PRADO, Hélio. Pedologia fácil : aplicações na agricultura. Piracicaba : H. Prado, p. 29

30 FIM 30

UNIDADE 4 USO DE INFORMAÇÕES SOBRE SOLOS

UNIDADE 4 USO DE INFORMAÇÕES SOBRE SOLOS Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Rurais Departamento de Solos SOL 1001 Solos e Produção Animal UNIDADE 4 USO DE INFORMAÇÕES SOBRE SOLOS Alessandro Samuel-Rosa Santa Maria, junho de

Leia mais

Níveis categóricos do. Sistema Brasileiro de. Classificação de Solos

Níveis categóricos do. Sistema Brasileiro de. Classificação de Solos Níveis categóricos do Sistema Brasileiro de Classificação de Solos Ordens Subordens Grandes grupos Subgrupos Famílias Séries 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4 Nível 5 Nível 6 Nível Presença ou ausência de atributos,

Leia mais

Horizontes Diagnósticos

Horizontes Diagnósticos Horizontes Diagnósticos Horizonte Pedogenético X Horizonte Diagnóstico Horizonte pedogenético Cada uma das seções do solo resultantes dos processos pedogenéticos e que guardam relações entre si. Estas

Leia mais

NITOSSOLOS. Ordem. Sheila R. Santos 1

NITOSSOLOS. Ordem. Sheila R. Santos 1 NITOSSOLOS Ordem Solos medianamente profundos, bastante intemperizados, e com fraca diferenciação de horizontes, mas com macroagregados nítidos e reluzentes no horizonte B. Sheila R. Santos 1 SiBCS: NITOSSOLOS

Leia mais

Principais Solos do Brasil. Prof a Adélia Aziz A. Pozza CSO 110 PEDOLOGIA

Principais Solos do Brasil. Prof a Adélia Aziz A. Pozza CSO 110 PEDOLOGIA Principais Solos do Brasil Prof a Adélia Aziz A. Pozza CSO 110 PEDOLOGIA Componentes do Solo A Líquido Sólido inorgânico B Gás C Sólido orgânico Cor do Solo Matéria Orgânica Argila e quartzo Goethita (óxido

Leia mais

%

% PERFIL 2 1. Descrição geral Situação e declive: Corte de estrada na meia encosta de uma elevação com 5% de declividade. Material de origem: Rochas sedimentares, arenito. Pedregosidade e rochosidade: Não

Leia mais

Hélio do Prado Atalho Pedológico

Hélio do Prado Atalho Pedológico Hélio do Prado Atalho Pedológico Para classificar solos no campo Edição do autor Piracicaba 2013 Autor Hélio do Prado Capa e projeto gráfico João Paulo de Carvalho 2013, Hélio do Prado - Todos os direitos

Leia mais

Aula de Pedologia. Solos do Brasil. Benjamim Pereira Vilela e Selma Simões de Castro

Aula de Pedologia. Solos do Brasil. Benjamim Pereira Vilela e Selma Simões de Castro Aula de Pedologia Solos do Brasil Benjamim Pereira Vilela e Selma Simões de Castro Solos do Brasil Sumário Formação dos solos Classificação dos solos Principais solos do Brasil Solos do Brasil em correlação

Leia mais

O SISTEMA BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE SOLOS (SIBCS) Sheila R. Santos 1

O SISTEMA BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE SOLOS (SIBCS) Sheila R. Santos 1 O SISTEMA BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE SOLOS (SIBCS) Sheila R. Santos 1 Os solos devem ser estudados e classificados de acordo com os seus perfis Para que classificar os solos? Sheila R. Santos 2 Manihot

Leia mais

Perfil do solo e horizontes diagnósticos

Perfil do solo e horizontes diagnósticos Universidade de São Paulo Escola Superior de gricultura Luiz de Queiroz Gênese, Morfologia e Classificação de Solos Perfil do solo e horizontes diagnósticos Prof. Rafael Otto Piracicaba, SP 14 de setembro

Leia mais

Atributos Diagnósticos

Atributos Diagnósticos Atributos Diagnósticos MATERIAL ORGÂNICO Constituído por compostos orgânicos apresentando proporção variável de material mineral. Deve apresentar conteúdo de carbono orgânico maior ou igual a 80 g kg -1

Leia mais

Considerações Metodológicas Embrapa Solos

Considerações Metodológicas Embrapa Solos Página 1 de 5 Considerações Metodológicas Embrapa Solos 1) Geração do Mapa de CE do Solo para o Brasil: Proposta de Atualização do Sistema Brasileiro de Classificação de Solos (SBCS 2012). As propostas

Leia mais

Sistema Brasileiro de Classificação de Solos (SiBCS)

Sistema Brasileiro de Classificação de Solos (SiBCS) ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA Luiz de Queiroz LSO 410 - Gênese, Morfologia e Classificação de Solos Sistema Brasileiro de Classificação de Solos (SiBCS) Prof. Dr. Rafael Otto Prof. Dr. Jairo Antonio Mazza

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA Luiz de Queiroz LSO Gênese, Morfologia e Classificação de Solos SOLOS SOLOS POUCO DESENVOLVIDOS RASOS

ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA Luiz de Queiroz LSO Gênese, Morfologia e Classificação de Solos SOLOS SOLOS POUCO DESENVOLVIDOS RASOS ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA Luiz de Queiroz LSO 410 - Gênese, Morfologia e Classificação de Solos SOLOS SOLOS POUCO DESENVOLVIDOS RASOS Prof. Jairo A. Mazza Piracicaba, SP Fonte: Buol et al., 1997.

Leia mais

Sistema Brasileiro de Classificação de Solos (SiBS)

Sistema Brasileiro de Classificação de Solos (SiBS) Adilson de C. Antônio Aula 4 e-tec Brasil Solos Sistema Brasileiro de Classificação de Solos (SiBS) Meta Apresentar a hierarquia do sistema brasileiro de classificação de solos. Objetivos Ao final desta

Leia mais

NATUREZA E TIPOS DE SOLOS ACH1085. Solos do Brasil

NATUREZA E TIPOS DE SOLOS ACH1085. Solos do Brasil NATUREZA E TIPOS DE SOLOS ACH1085 Solos do Brasil 1 conteúdo 1. Introdução 2. Tipos de solos do Brasil 2 2.Tipos de solos do Brasil: área absoluta e relativa 3 Mapa com os tipos de solo do Brasil 38,73%

Leia mais

Estrutura Hierárquica do Sistema Brasileiro de Classificação de Solos (SiBCS)

Estrutura Hierárquica do Sistema Brasileiro de Classificação de Solos (SiBCS) Estrutura Hierárquica do Sistema Brasileiro de Classificação de Solos (SiBCS) Workshop: Técnicas Inteligentes na Classificação de Solos para Aplicações na Agricultura UNICAMP/CNPTIA 18/04/2012 Critérios

Leia mais

VERTISSOLOS. Ordem. Conhecidos como os solos de Deus. Deus nos defenda! Deus nos gilgai! Sheila R. Santos 3

VERTISSOLOS. Ordem. Conhecidos como os solos de Deus. Deus nos defenda! Deus nos gilgai! Sheila R. Santos 3 VERTISSOLOS Ordem Conhecidos como os solos de Deus. Deus nos defenda! Deus nos gilgai! Sheila R. Santos 3 VERTISSOLOS Deus nos defenda! Deus nos gilgai! Sheila R. Santos 4 VERTISSOLOS do latim vertere

Leia mais

Aula do curso a distância tópicos da cultura da cana-de-açúcar Hélio do Prado

Aula do curso a distância tópicos da cultura da cana-de-açúcar Hélio do Prado SOLOS E AMBIENTES DE PRODUÇÃO DE CANA-DE-AÇÚCAR NA REGIÃO CENTRO-SUL DO BRASIL 1. INTRODUÇÃO Hélio do Prado Alceu Linares Pádua Jr Centro de Cana do IAC - 2010 O solo é a massa natural, de constituição

Leia mais

Ocorrência, gênese e classificação

Ocorrência, gênese e classificação Universidade Federal Rural de Pernambuco Programa de Pós-Graduação em Ciência do Solo Seminário em Ciência do Solo Ocorrência, gênese e classificação de solos halomórficos no Brasil Orientador: Prof. Mateus

Leia mais

Atributos Diagnósticos

Atributos Diagnósticos UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE DOCENTE: Dr. Ribamar Silva ph do Solo. É o logaritmo negativo da atividade (concentração) de H + na solução do solo. ph = - log [H + ] [H + ] = 10 -ph. p H e Acidez são diferentes..

Leia mais

Mecanica dos solos I. Pedogênese. Princípios físicos da pedogênese. Princípios físicos da pedogênese. Adição. Adição. Transformação.

Mecanica dos solos I. Pedogênese. Princípios físicos da pedogênese. Princípios físicos da pedogênese. Adição. Adição. Transformação. Universidade Federal do Reconcavo da Bahia Centro de Ciencias Exatas e Tecnologicas Mecanica dos solos I Pedogênese 1. Intemperismo 1. Físico 2. Químico 3. Zonalidade 2. Mineralogia do solo 1. Classificação

Leia mais

NATUREZA E TIPOS DE SOLOS ACH1085. Perfil do solo

NATUREZA E TIPOS DE SOLOS ACH1085. Perfil do solo NATUREZA E TIPOS DE SOLOS ACH1085 Perfil do solo 1 conteúdo 1.Horizontes 2.Fenômenos que ocorrem no perfil do solo 3.Sub-divisão dos perfis do solo 2 1.Horizontes no perfil do solo Formação e definição

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DO 5º NÍVEL DO SiBCS. Proposta

DESENVOLVIMENTO DO 5º NÍVEL DO SiBCS. Proposta DESENVOLVIMENTO DO 5º NÍVEL DO SiBCS Paulo Klinger Tito Jacomine UFRPE Proposta O desenvolvimento do 5º nível do SiBCS está dependendo da revisão e modificação dos tipos de horizonte A fraco e moderado,

Leia mais

PCS 502 CONSERVAÇÃO DO SOLO E DA ÁGUA. Aula 5: Levantamento Conservacionista e classes de capacidade. Prof. Marx Leandro Naves Silva

PCS 502 CONSERVAÇÃO DO SOLO E DA ÁGUA. Aula 5: Levantamento Conservacionista e classes de capacidade. Prof. Marx Leandro Naves Silva PCS 502 CONSERVAÇÃO DO SOLO E DA ÁGUA Aula 5: Levantamento Conservacionista e classes de capacidade de uso do solo Prof. Marx Leandro Naves Silva Levantamento Conservacionista e classes de capacidade de

Leia mais

Endereço (1) : Av. Colombo, 5790, Bloco D-90, Bairro Zona Sete, Maringá/PR, CEP Fone: (44)

Endereço (1) : Av. Colombo, 5790, Bloco D-90, Bairro Zona Sete, Maringá/PR, CEP Fone: (44) CARACTERIZAÇÃO DOS ATRIBUTOS MORFOLÓGICOS, FÍSICOS, QUÍMICOS E CLASSIFICAÇÃO DE UM PERFIL DE SOLO PARA ESTUDO EM PARCELA EROSIVA NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO MARINGÁ - PR Rosane Freire (1) Engenheira

Leia mais

Universidade Federal do Acre. UNIDADE 5 Perfil de Solo - Parte II Descrição Morfológica

Universidade Federal do Acre. UNIDADE 5 Perfil de Solo - Parte II Descrição Morfológica Universidade Federal do Acre UNIDADE 5 Perfil de Solo - Parte II Descrição Morfológica Prof. Dr. José de Ribamar Silva 1. Importância. Classificação taxonômica e técnica de solos;. Levantamento de solos;.

Leia mais

Fatores de Formação do Solo. Unidade III - Fatores de Formação do Solo

Fatores de Formação do Solo. Unidade III - Fatores de Formação do Solo Unidade III - SILVA J.R.T., 2005 1. Material de Origem. 2. Clima. 3. Relevo. 4. Organismos Vivos. 5. Tempo. Estudo da influência de cada fator é difícil Interdependência entre eles. Fatores Ativos: Clima

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS PRINCIPAIS CLASSES DE SOLOS

DESCRIÇÃO DAS PRINCIPAIS CLASSES DE SOLOS MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E DO ABASTECIMENTO - MAPA EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA - EMBRAPA CENTRO NACIONAL DE PESQUISA DE SOLOS - CNPS UNIDADE DE EXECUÇÃO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO

Leia mais

FLG 1254 Pedologia. Horizontes diagnósticos e Classificação Brasileira de Solos

FLG 1254 Pedologia. Horizontes diagnósticos e Classificação Brasileira de Solos FLG 1254 Pedologia Horizontes diagnósticos e Classificação Brasileira de Solos HORIZONTES PEDOGENÉTICOS E DIAGNÓSTICOS Horizonte pedogenético: corresponde a cada uma das seções do solo resultante dos processos

Leia mais

INTRODUÇÃO. Argissolos 16,7%

INTRODUÇÃO. Argissolos 16,7% INTRODUÇÃO A região Nordeste do Brasil, em razão da diversidade de climas, formações vegetais, tipos de rochas e conformações do relevo, apresenta uma grande diversidade de ambientes e, consequentemente,

Leia mais

Solos de Goiás. Adriana Aparecida Silva e Selma Simões de Castro

Solos de Goiás. Adriana Aparecida Silva e Selma Simões de Castro Solos de Goiás Adriana Aparecida Silva e Selma Simões de Castro Solos de Goiás Sumário 1. Solos de Goiás distribuição caracterização elementos de correlação 2. Aptidão agrícola das terras 1. Solos de Goiás

Leia mais

Estudos Ambientais. Solos CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ - CEAP

Estudos Ambientais. Solos CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ - CEAP Estudos Ambientais Solos CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ - CEAP Objetivos da aula Definir os conceitos de solo e intemperismo Compreender o processo de formação do solo Conhecer os tipos de solos existentes.

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DOS PRINCIPAIS. Solos do Acre. Professor Adjunto do DCA-UFAC

CARACTERÍSTICAS DOS PRINCIPAIS. Solos do Acre. Professor Adjunto do DCA-UFAC INSTRUTOR: Dr. José Ribamar Torres da Silva Professor Adjunto do DCA-UFAC Classificação Taxonômica LATOSSOLOS ------------------------------------------------------------- Local de Ocorrência A1 AB BA

Leia mais

4. Características da CTC do Solo

4. Características da CTC do Solo 4. Características da CTC do Solo Dada a importância da CTC no solo, as características relacionadas com esta propriedade são constantemente determinadas e utilizadas em interpretações e em cálculos de

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A PEDOLOGIA NO BRASIL (Ênfase ao levantamento de solos)

CONSIDERAÇÕES SOBRE A PEDOLOGIA NO BRASIL (Ênfase ao levantamento de solos) IV SIMPÓSIO MINEIRO DE CIÊNCIA DO SOLO SOLOS NO ESPAÇO E TEMPO: TRAJETÓRIAS E TENDÊNCIAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A PEDOLOGIA NO BRASIL (Ênfase ao levantamento de solos) Palestrante: João Carlos Ker Professor

Leia mais

SOLOS AFETADOS POR EXCESSO DE SAIS E SÓDIO SOLOS AFETADAS POR EXCESSO DE SAIS E SÓDIO

SOLOS AFETADOS POR EXCESSO DE SAIS E SÓDIO SOLOS AFETADAS POR EXCESSO DE SAIS E SÓDIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA AGROALIMENTAR UNIDADE ACADÊMICA DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA AMBIENTAL SOLOS AFETADAS POR EXCESSO DE SAIS E SÓDIO Atributos físicos e

Leia mais

Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PEDOLOGIA LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PEDOLOGIA LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 8 EDITAL N o 04/2013 LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 01 - O candidato recebeu do fiscal o seguinte material: a) este CADERNO DE QUESTÕES, com os enunciados das 8 (oito) questões discursivas, sem

Leia mais

Atributos químicos no perfil de solos cultivados com bananeira sob irrigação, no Projeto Formoso, Bom Jesus da Lapa, Bahia

Atributos químicos no perfil de solos cultivados com bananeira sob irrigação, no Projeto Formoso, Bom Jesus da Lapa, Bahia Atributos químicos no perfil de solos cultivados com bananeira sob irrigação, no Projeto Formoso, om Jesus da Lapa, ahia A utilização de solos de baixa fertilidade e a não manutenção de níveis adequados

Leia mais

ANÁLISE SOBRE UM PERFIL DO SOLO NO MUNICÍPIO DE TABOLEIRO GRANDE/RN

ANÁLISE SOBRE UM PERFIL DO SOLO NO MUNICÍPIO DE TABOLEIRO GRANDE/RN Revista do CERES Volume 1, Número 2 2015 http://www.cerescaico.ufrn.br/ceres/ ANÁLISE SOBRE UM PERFIL DO SOLO NO MUNICÍPIO DE TABOLEIRO GRANDE/RN Analysis Of A Soil Profile In Great Taboleiro County /

Leia mais

Caracterização das Classes de Solo Ocorrentes e Aptidão Agrícola de uma Área Destinada a um Sistema de Agrovila em Ouro Preto d Oeste-RO

Caracterização das Classes de Solo Ocorrentes e Aptidão Agrícola de uma Área Destinada a um Sistema de Agrovila em Ouro Preto d Oeste-RO ISSN 0103-9865 Setembro, 2001 52 Caracterização das Classes de Solo Ocorrentes e Aptidão Agrícola de uma Área Destinada a um Sistema de Agrovila em Ouro Preto d Oeste-RO República Federativa do Brasil

Leia mais

Ciclo Hidrológico AUGUSTO HEINE

Ciclo Hidrológico AUGUSTO HEINE Ciclo Hidrológico AUGUSTO HEINE Infiltração de água no solo Processo pelo qual a água penetra no solo através de sua superfície. Fatores que afetam a infiltração Tipo de solo Umidade atual do solo Condutividade

Leia mais

Processos Pedogenéticos

Processos Pedogenéticos Processos Pedogenéticos São reações ou mecanismos de caráter químico, físico e biológico que produzem no interior do solo zonas características, correlacionadas com os chamados fatores de formação São

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina SOL250 Constituição, Propriedades e Classificação de Solos Departamento de Solos - Centro de Ciências Agrárias

Programa Analítico de Disciplina SOL250 Constituição, Propriedades e Classificação de Solos Departamento de Solos - Centro de Ciências Agrárias 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de - Centro de Ciências Agrárias Número de créditos: 5 Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 5 Carga horária semanal 3 2 5 Períodos - oferecimento:

Leia mais

CLASSIFICAÇÕES TÉCNICAS OU INTERPRETATIVAS

CLASSIFICAÇÕES TÉCNICAS OU INTERPRETATIVAS CLASSIFICAÇÕES TÉCNICAS OU INTERPRETATIVAS Introdução: Objetivos: a) ajudar os agricultores e técnicos nas interpretações e utilização de mapas de solos; b) apresentar aos usuários, os detalhes dos mapas

Leia mais

Solos tropicais: formação, distribuição e associações Potencialidades e limitações das principais classes de solos tropicais

Solos tropicais: formação, distribuição e associações Potencialidades e limitações das principais classes de solos tropicais Solos tropicais: formação, distribuição e associações Potencialidades e limitações das principais classes de solos tropicais Marcos Koiti Kondo Perfis hipotéticos ilustrando diferentes horizontes e camadas:

Leia mais

Determinação da Aptidão Agrícola da Bacia do Rio Brumado com base em características climáticas, pedológicas e topográficas

Determinação da Aptidão Agrícola da Bacia do Rio Brumado com base em características climáticas, pedológicas e topográficas Determinação da Aptidão Agrícola da Bacia do Rio Brumado com base em características climáticas, pedológicas e topográficas Mateus Tinôco Silva 1 1 UESB Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. E-mail:

Leia mais

Universidade Federal do Acre. Unidade V Perfil de Solo - Parte I

Universidade Federal do Acre. Unidade V Perfil de Solo - Parte I Universidade Federal do Acre Unidade V Perfil de Solo - Parte I Prof. Dr. José de Ribamar Silva 1. Conceito: Seção vertical de um solo englobando a sucessão de horizontes ou camadas, incluindo:. Manto

Leia mais

SOLOS E AMBIENTES DE PRODUÇÃO DE CANA-DE-AÇÚCAR NA REGIÃO CENTRO-SUL DI BRASIL. Hélio do Prado-Centro de Cana- IAC

SOLOS E AMBIENTES DE PRODUÇÃO DE CANA-DE-AÇÚCAR NA REGIÃO CENTRO-SUL DI BRASIL. Hélio do Prado-Centro de Cana- IAC 1 SOLOS E AMBIENTES DE PRODUÇÃO DE CANA-DE-AÇÚCAR NA REGIÃO CENTRO-SUL DI BRASIL Hélio do Prado-Centro de Cana- IAC André C.Vitti- Polo Regional Centro-Sul O solo é a massa natural, de constituição de

Leia mais

MORFOLOGIA DO PERFIL DO SOLO

MORFOLOGIA DO PERFIL DO SOLO MORFOLOGIA DO PERFIL DO SOLO MORFOLOGIA DO PERFIL SOLO Conceito: - Aparência do solo no campo (perfil). - Características visíveis a olho nu ou perceptíveis por manipulação Características morfológicas

Leia mais

HORIZONTES DIAGNÓSTICOS SUPERFICIAIS

HORIZONTES DIAGNÓSTICOS SUPERFICIAIS HORIZONTES DIAGNÓSTICOS SUPERFICIAIS As características dos horizontes superficiais dos solos têm estreita relação com a dinâmica do carbono orgânico. O padrão desta dinâmica se estabelece a partir da

Leia mais

Horizonte Prof. Cor Estrutura Transição. (cm) Grau Tamanho Forma

Horizonte Prof. Cor Estrutura Transição. (cm) Grau Tamanho Forma Horizonte Prof. Cor Estrutura Transição (cm) Grau Tamanho Forma Podzólico Vermelho-Amarelo - terço superior da encosta (PVA1) Ap 0-15 10 YR 3/3 Fraca Pequena Granular Ondulada e clara AB 15-29 10 YR ¾

Leia mais

Vamos começar pelas ordens: argissolos, cambissolos e chernossolos

Vamos começar pelas ordens: argissolos, cambissolos e chernossolos Vamos começar pelas ordens: argissolos, cambissolos e chernossolos Aula 5 Adilson de C. Antônio e-tec Brasil Solos Meta Apresentar as ordens de solos: argissolos, cambissolos e chernossolos. Objetivos

Leia mais

Princípios da classificação dos solos

Princípios da classificação dos solos UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA Princípios da classificação dos solos Prof. Paulo Jorge de Pinho Itaqui, março de 2017 Conceituação Classificação São esquemas organizados pelo homem para atender seus objetivos;

Leia mais

ATRIBUTOS DIAGNÓSTICOS

ATRIBUTOS DIAGNÓSTICOS ATRIBUTOS DIAGNÓSTICOS ATIVIDADE DA FRAÇÃO ARGILA Refere-se à capacidade de troca de cátions 1 correspondente à fração argila, calculada pela expressão: T x 1000/g.kg -1 de argila. Atividade alta (Ta)

Leia mais

Agora, as quatro ordens que faltam!

Agora, as quatro ordens que faltam! Adilson de C. Antônio Aula 8 e-tec Brasil Solos Agora, as quatro ordens que faltam! Meta Apresentar as seguintes ordens de solos: ORGANOSSOLOS, PLINTOSSOLOS, LATOSSOLOS e PLANOSSOLOS. Objetivos Ao final

Leia mais

Solos e suas várias importâncias

Solos e suas várias importâncias SOLOS Solos e suas várias importâncias Fornecer alimentos, madeira e terra para construções. Capacidade de decompor resíduos e purificar a água. Capacidade de regular as enchentes. Na paisagem, produzindo

Leia mais

FLG Pedologia AULA 12. Distribuição dos processos de alteração na superfície da Terra e os solos do mundo

FLG Pedologia AULA 12. Distribuição dos processos de alteração na superfície da Terra e os solos do mundo FLG 1254 - Pedologia AULA 12 Distribuição dos processos de alteração na superfície da Terra e os solos do mundo Varia em função dos parâmetros climáticos atuais, distinguindo dois domínios: 1) Regiões

Leia mais

Topossequência de solos derivados de basaltos da formação Serra Geral, Mato Grosso do Sul (1)

Topossequência de solos derivados de basaltos da formação Serra Geral, Mato Grosso do Sul (1) 1 Topossequência de solos derivados de basaltos da formação Serra Geral, Mato Grosso do Sul (1) Eloise Mello Viana-Moraes (2) ; Tatiane Aparecida Curim Faria (3) ; Valquiria Rodrigues Lopes (4) ; Naelmo

Leia mais

Mosqueado/concreções Textura 2 Transição

Mosqueado/concreções Textura 2 Transição α Horizonte Profundidade (cm) Cor úmida (Munsell) Mosqueado/concreções Textura 2 Transição Podzólico Amarelo álico - P21 Ap 0-15 10YR 4/3 Fr.-arg.-arenosa Clara e plana BA 15-35 10YR 5/4 Arg.-arenosa Difusa

Leia mais

Proposta de atualização da segunda edição do Sistema Brasileiro de Classificação de Solos ano 2012

Proposta de atualização da segunda edição do Sistema Brasileiro de Classificação de Solos ano 2012 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Documentos 140 ISSN 1517-2627 Agosto, 2012 Proposta de atualização da segunda edição do Sistema Brasileiro de Classificação de Solos ano 2012 ISSN 1517-2627

Leia mais

CONCEITO DE SOLO CONCEITO DE SOLO. Solos Residuais 21/09/2017. Definições e Conceitos de Solo. Centro Universitário do Triângulo

CONCEITO DE SOLO CONCEITO DE SOLO. Solos Residuais 21/09/2017. Definições e Conceitos de Solo. Centro Universitário do Triângulo Centro Universitário do Triângulo CONCEITO DE SOLO Sistema Brasileiro de Classificação do Solo Definições e Conceitos de Solo É uma coleção de corpos naturais, constituídos por partes sólidas, líquidas

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 8 PEDOLOGIA

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 8 PEDOLOGIA Questão n o 1 Conhecimentos Específicos O texto deverá apresentar os aspectos abaixo. O tipo de mapeamento de solo que atende à demanda apresentada e que, ao mesmo tempo, tenha o menor custo é o denominado

Leia mais

Construção de Perfil do Solo

Construção de Perfil do Solo Gargalos Tecnológicos para Produção Agrícola Construção de Perfil do Solo Eduardo Fávero Caires Universidade Estadual de Ponta Grossa Solos com Fertilidade Baixa ou Muito Baixa Acidez Excessiva Teor tóxico

Leia mais

Tipos e classificação FORMAÇÃO DOS SOLOS

Tipos e classificação FORMAÇÃO DOS SOLOS Tipos e classificação FORMAÇÃO DOS SOLOS PRIMEIRA CLASSIFICAÇÃO Baseia-se principalmente nos fatores de clima, tempo e relevo em que se encontram os solos. solos zonais são aqueles em relevos estáveis,

Leia mais

NATUREZA E TIPOS DE SOLOS ACH1085. Conceituação de Solo

NATUREZA E TIPOS DE SOLOS ACH1085. Conceituação de Solo NATUREZA E TIPOS DE SOLOS ACH1085 Conceituação de Solo 1 Introdução Quanto de nosso planeta é terra? Os continentes ocupam cerca de 30% da superfície terrestre. 2 Conceituação Qual a diferença entre Terra,

Leia mais

SOLOS REPRESENTATIVOS DO ESTADO DO TOCANTINS SOB VEGETAÇÃO NATURAL DO CERRADO Helena Maria de Paula Santana 1 e Marilusa Pinto Coelho Lacerda 2, ( 1

SOLOS REPRESENTATIVOS DO ESTADO DO TOCANTINS SOB VEGETAÇÃO NATURAL DO CERRADO Helena Maria de Paula Santana 1 e Marilusa Pinto Coelho Lacerda 2, ( 1 SOLOS REPRESENTATIVOS DO ESTADO DO TOCANTINS SOB VEGETAÇÃO NATURAL DO CERRADO Helena Maria de Paula Santana 1 e Marilusa Pinto Coelho Lacerda 2, ( 1 Mestranda em Ciências Agrárias - Faculdade de Agronomia

Leia mais

LSO 410: GÊNESE, MORFOLOGIA E CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS SEMANA 1

LSO 410: GÊNESE, MORFOLOGIA E CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS SEMANA 1 LSO 410: GÊNESE, MORFOLOGIA E CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS SEMANA 1 Introdução à disciplina Programa Sobre as aulas O que vamos estudar? Solos profundos e muito intemperizados Solos Rasos e pouco intemperizados

Leia mais

UNIDADES ECODINÂMICAS DA PAISAGEM DO MUNICÍPIO DE JEREMOABO- BA.

UNIDADES ECODINÂMICAS DA PAISAGEM DO MUNICÍPIO DE JEREMOABO- BA. UNIDADES ECODINÂMICAS DA PAISAGEM DO MUNICÍPIO DE JEREMOABO- BA. Ivonice Sena de Souza 1, Ana Paula Sena de Souza 2, Danilo da Silva Carneiro 3, Jumara Souza Alves 4, Marcos Roberto Souza Santos 5, Deorgia

Leia mais

AMBIENTES DE PRODUÇÃO DE CANA-DE-AÇÚCAR DO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS, DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS, ARARAS-SP

AMBIENTES DE PRODUÇÃO DE CANA-DE-AÇÚCAR DO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS, DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS, ARARAS-SP AMBIENTES DE PRODUÇÃO DE CANA-DE-AÇÚCAR DO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS, DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS, ARARAS-SP Prado, T. A. B.* 1 ; Stolf, R. 1 ; Silva, L. C. F. 1 ;Prado, H. 2 ;Vitti, A. C.

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DA CAPACIDADE DE USO DAS TERRAS

CLASSIFICAÇÃO DA CAPACIDADE DE USO DAS TERRAS CLASSIFICAÇÃO DA CAPACIDADE DE USO DAS TERRAS Introdução adaptabilidade das terras para fins diversos sem que sofra depauperamento pelos fatores de desgaste ou de empobrecimento. Este sistema considera

Leia mais

HORIZONTES DIAGNÓSTICOS SUBSUPERFICIAIS

HORIZONTES DIAGNÓSTICOS SUBSUPERFICIAIS HORIZONTES DIAGNÓSTICOS SUBSUPERFICIAIS Mayame de Brito SANTANA 1 Vinicius Santos Gomes da SILVA 2 Elaine Rocha GALVÃO 3 1 Engenheira Agrônoma, doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em Ciência do Solo

Leia mais

MATÉRIA ORGÂNICA DO SOLO (MOS) Fertilidade do Solo Prof. Josinaldo

MATÉRIA ORGÂNICA DO SOLO (MOS) Fertilidade do Solo Prof. Josinaldo MATÉRIA ORGÂNICA DO SOLO (MOS) Fertilidade do Solo Prof. Josinaldo 1 ASPECTOS GERAIS - MOS todos os compostos orgânicos do solo - Influência os atributos do solo - Teor no solo amplamente variável (0,5

Leia mais

NATUREZA E TIPOS DE SOLOS ACH1085

NATUREZA E TIPOS DE SOLOS ACH1085 NATUREZA E TIPOS DE SOLOS ACH1085 MORFOLOGIA DOS SOLOS 1 O que é morfologia? Definição Morfologia é o estudo das formas dos objetos, retratando-os com: Palavras Desenhos fotos Objetivo Descrição padronizada

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Não imprimir este material em duas páginas por folha, pois a letra ficará ilegível. Não encadernar

Leia mais

Agronomia/Agronomy 17 CLASSIFICAÇÃO DOS NEOSSOLOS E NITOSSOLOS QUANTO A NATUREZA FÍSICA, QUÍMICAS E MORFOLÓGICAS. CARMO, D.A.B.¹ e VAL, B.H.P.

Agronomia/Agronomy 17 CLASSIFICAÇÃO DOS NEOSSOLOS E NITOSSOLOS QUANTO A NATUREZA FÍSICA, QUÍMICAS E MORFOLÓGICAS. CARMO, D.A.B.¹ e VAL, B.H.P. Agronomia/Agronomy 17 CLASSIFICAÇÃO DOS NEOSSOLOS E NITOSSOLOS QUANTO A NATUREZA FÍSICA, QUÍMICAS E MORFOLÓGICAS. CARMO, D.A.B.¹ e VAL, B.H.P. ¹ Engenheiro Agrônomo, Mestrando em agronomia (Ciência do

Leia mais

Fatores de formação dos solos

Fatores de formação dos solos Liquens e musgos crescendo sobre rocha granítica, somados aos materiais orgânicos de folhas caídas de uma árvore próxima, prenunciam o início da formação de um novo solo. Sheila Santos 1 O intemperismo

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO PORTO ORGANIZADO DE ITAITUBA

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO PORTO ORGANIZADO DE ITAITUBA DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO PORTO ORGANIZADO DE ITAITUBA Janeiro/2016 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 CARACTERISTICAS AMBIENTAIS DE ITAITUBA... 3 2.1 CLIMA... 3 2.2 RECURSOS HÍDRICOS... 4 2.3 SOLOS... 5 2.4 GEOLOGIA...

Leia mais

Quadro 1 - Fatores para conversão de unidades antigas em unidades do Sistema Internacional de Unidades.

Quadro 1 - Fatores para conversão de unidades antigas em unidades do Sistema Internacional de Unidades. Informação sobre interpretação de Análise de Solo, segundo o Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Solos e Recursos Ambientais, Instituto Agronômico de Campinas. Quadro 1 - Fatores para conversão de

Leia mais

Classificação dos Solos

Classificação dos Solos Classificação dos Solos SOLOS BRASILEIROS exemplo - solos do RS Lemos e outros,1973- escala 1:750.000 Levantamento semelhante p/ Santa Catarina Levantamentos Brasileiros - EMBRAPA e IBGE - RADAMBRASIL

Leia mais

TEXTURA DO SOLO. Atributos físicos e químicos do solo -Aula 4- Prof. Alexandre Paiva da Silva

TEXTURA DO SOLO. Atributos físicos e químicos do solo -Aula 4- Prof. Alexandre Paiva da Silva TEXTURA DO SOLO Atributos físicos e químicos do solo -Aula 4- Prof. Alexandre Paiva da Silva Introdução Textura vs Granulometria Tamanho das partículas minerais Frações de interesse Atributo intrínseco

Leia mais

VULNERABILIDADE DE AQÜÍFEROS

VULNERABILIDADE DE AQÜÍFEROS VULNERABILIDADE DE AQÜÍFEROS Claudio Benedito Baptista Leite, Dr. Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo - IPT Agrupamento de Geologia Aplicada ao Meio Ambiente AGAMA Seção de Recursos

Leia mais

Solos e sua importância ambiental

Solos e sua importância ambiental Solos e sua importância ambiental Atributos físicos e químicos do solo -Aula 1- Prof. Alexandre Paiva da Silva INTRODUÇÃO SOLO são produtos da ação combinada dos FATORES DE FORMAÇÃO DE SOLO (FFS) Equação

Leia mais

Tipos e classificação FORMAÇÃO DOS SOLOS

Tipos e classificação FORMAÇÃO DOS SOLOS Tipos e classificação FORMAÇÃO DOS SOLOS PRIMEIRA CLASSIFICAÇÃO Baseia-se principalmente nos fatores de clima, tempo e relevo em que se encontram os solos. solos zonais são aqueles em relevos estáveis,

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE SOLOS E PAISAGENS DO ASSENTAMENTO VALE VERDE, EM GURUPI-TO, PARA FINS DE APTIDÃO AGRÍCOLA

IDENTIFICAÇÃO DE SOLOS E PAISAGENS DO ASSENTAMENTO VALE VERDE, EM GURUPI-TO, PARA FINS DE APTIDÃO AGRÍCOLA IDENTIFICAÇÃO DE SOLOS E PAISAGENS DO ASSENTAMENTO VALE VERDE, EM GURUPI-TO, PARA FINS DE APTIDÃO AGRÍCOLA Rita de Cassia Cunha Saboya 1, Maria de Jesus Dias de Brito 2, Leonardo Santos Collier, Luciano

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento SOLO

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento SOLO Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento SOLO Substrato da Vida José Francisco Bezerra Mendonça 2ª edição

Leia mais

Atualização do mapa de solos do Perímetro Irrigado de Jaíba MG

Atualização do mapa de solos do Perímetro Irrigado de Jaíba MG Anais XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Curitiba, PR, Brasil, 30 de abril a 05 de maio de 2011, INPE p.9104 Atualização do mapa de solos do Perímetro Irrigado de Jaíba MG Dener Correia

Leia mais

Lauro Charlet Pereira Francisco Lombardi Neto IAC W. J. Pallone Filho FEAGRI/UNICAMP H. K. Ito - IBGE Jaguariúna, 2006.

Lauro Charlet Pereira Francisco Lombardi Neto IAC W. J. Pallone Filho FEAGRI/UNICAMP H. K. Ito - IBGE Jaguariúna, 2006. DIAGNÓSTICO DO POTENCIAL AGROAMBIENTAL DA QUADRÍCULA DE RIBEIRÃO PRETO, SP. Lauro Charlet Pereira Francisco Lombardi Neto IAC W. J. Pallone Filho FEAGRI/UNICAMP H. K. Ito - IBGE Jaguariúna, 2006. INTRODUÇÃO

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA. Disciplina: Morfologia, Classificação e Levantamento de Solos Código da Disciplina: AGR255

PROGRAMA DE DISCIPLINA. Disciplina: Morfologia, Classificação e Levantamento de Solos Código da Disciplina: AGR255 PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Morfologia, Classificação e Levantamento de Solos Código da Disciplina: AGR255 Curso: Agronomia Semestre de oferta da disciplina: 4 período Faculdade responsável: Agronomia

Leia mais

Da rocha ao solo. Intemperismo: contexto aplicado Mudança ambiental O tipo e o grau de intemperismo da rocha pode informar sobre mudanças ambientais.

Da rocha ao solo. Intemperismo: contexto aplicado Mudança ambiental O tipo e o grau de intemperismo da rocha pode informar sobre mudanças ambientais. ROCHA NUTRIENTES PEDOGÊNESE Intemperismo Prof. J.Miguel Reichert (Prof. Ricardo Dalmolin) PRODUTOS INTERMEDIÁRIOS NUTRIENTES SOLO NUTRIENTES 2KAlSi 3 O 8 + H 2 O Primário (rocha) Da rocha ao solo Al 2

Leia mais

Condicionadores de solo - Uso eficiente do gesso agrícola

Condicionadores de solo - Uso eficiente do gesso agrícola UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DO SOLO LSO-526 Adubos e Adubação Condicionadores de solo - Uso eficiente do gesso agrícola Prof. Dr. Paulo

Leia mais

AVALIAÇÃO DE MÉTODOS DE SELEÇÃO DE ATRIBUTOS PARA CLASSIFICAÇÃO DE SOLOS

AVALIAÇÃO DE MÉTODOS DE SELEÇÃO DE ATRIBUTOS PARA CLASSIFICAÇÃO DE SOLOS AVALIAÇÃO DE MÉTODOS DE SELEÇÃO DE ATRIBUTOS PARA CLASSIFICAÇÃO DE SOLOS Fernando Attique Maximo Embrapa Informática Agropecuária Stanley Robson de Medeiros Oliveira Embrapa Informática Agropecuária Maria

Leia mais

Características dos Solos Goianos

Características dos Solos Goianos Universidade do Estado de Mato Grosso Campus Universitário de Pontes e Lacerda Departamento de Zootecnia Disciplina: Geologia Docente: Prof. Dr. Eurico Características dos Solos Goianos Discente: Kepler

Leia mais

Fator erodibilidade e tolerância de perda dos solos do Estado de São Paulo

Fator erodibilidade e tolerância de perda dos solos do Estado de São Paulo Fator erodibilidade e tolerância de perda dos solos do Estado de São Paulo Anny Rosi Mannigel, Morel de Passos e Carvalho*, Dolorice Moreti e Luciano da Rosa Medeiros Pós-Graduação em Sistemas de Produção,

Leia mais

61 ISSN Dezembro, 2007 Corumbá, MS

61 ISSN Dezembro, 2007 Corumbá, MS 61 ISSN 1981-7231 Dezembro, 2007 Corumbá, MS Atualização do Mapa de Solos da Planície Pantaneira para o Sistema Brasileiro de Classificação de Solos Fernando Antonio Fernandes 1 Ana H B Marozzi Fernandes

Leia mais

Nitidus, Vertere, Spodos! Palavras mágicas?

Nitidus, Vertere, Spodos! Palavras mágicas? Nitidus, Vertere, Spodos! Palavras mágicas? Aula 6 Nitidus, Vertere, Spodos! Adilson de C. Antônio e-tec Brasil Solos Meta Apresentar as ordens de solos NITOSSOLOS, VERTISSOLOS e ESPODOSSOLOS. Objetivos

Leia mais

Capítulo 3 Sistemas de Avaliação de terras

Capítulo 3 Sistemas de Avaliação de terras 117 1 Métodos de Avaliação do Uso da Terra Capítulo 3 Sistemas de Avaliação de terras 1.1 Introdução Cada parcela de terra deve ser trabalhada de acordo com a sua capacidade de sustentação e produtividade

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO QUÍMICA DO LATOSSOLO VERMELHO DA FAZENDA ESCOLA DA FAZU* CHIMICAL CHARACTERIZATION OF OXISSOL AT FAZU SCHOOL FARM

CARACTERIZAÇÃO QUÍMICA DO LATOSSOLO VERMELHO DA FAZENDA ESCOLA DA FAZU* CHIMICAL CHARACTERIZATION OF OXISSOL AT FAZU SCHOOL FARM 34 Agronomia/Agronomy CARACTERIZAÇÃO QUÍMICA DO LATOSSOLO VERMELHO DA FAZENDA ESCOLA DA FAZU* PEDROSO NETO, J. C. 1 ; SOUZA, J. A. de 2 ; PAES, J. M V. 3 ; CIOCIOLA A. I. 4 1Eng Agr, Doutor em Ciências,

Leia mais

Composição do solo. Luciane Costa de Oliveira

Composição do solo. Luciane Costa de Oliveira Composição do solo Luciane Costa de Oliveira Introdução O solo é composto por matéria mineral, matéria orgânica, água e ar; Além da areia, argila e MO (fase sólida), o solo apresenta canais ou poros, importantes

Leia mais