CURSO DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL A DISTÂNCIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CURSO DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL A DISTÂNCIA"

Transcrição

1 CURSO DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL A DISTÂNCIA SOLOS DA REGIÃO DOS CERRADOS: RECONHECIMENTO NA PAISAGEM, POTENCIALIDADES E LIMITAÇÕES PARA USO AGRÍCOLA Geraldo César de Oliveira Universidade Federal de Lavras - UFLA Fundação de Apoio ao Ensino, Pesquisa e Extensão - FAEPE Lavras MG 2009

2 Parceria UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS - UFLA Reitor Antônio Nazareno Guimarães Mendes Vice-Reitor Elias Tadeu Fialho Pró-Reitor de Extensão Rubens José Guimarães Coordenação do Curso Geraldo César de Oliveira Coordenação Geral Ilza Aparecida Gualberto Loureiro FUNDAÇÃO DE APOIO AO ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Presidente do Conselho Deliberativo da FAEPE Nadiel Massahud DIRETORIA Edson Ampélio Pozza Afonso de Oliveira Andrade Coordenação Geral Débora Cristina Guerra Editoração Centro de Editoração/FAEPE Impressão Gráfica Universitária/UFLA NENHUMA PARTE DESTA PUBLICAÇÃO PODE SER REPRODUZIDA, POR QUALQUER MEIO OU FORMA, SEM A PRÉVIA AUTORIZAÇÃO DA FAEPE. 2

3 3

4 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 2 CONCEITUAÇÃO DE SOLO... 3 GÊNESE DO SOLO... 4 PERFIL DO SOLO... 5 LITOLOGIA E SOLOS... 6 RELAÇÃO RELEVO, PEDOFORMA E SOLOS... 7 VEGETAÇÃO DE CERRADOS E SUA RELAÇÃO COM SOLO E RELEVO... 8 SOLOS DOS CERRADOS ABRANGÊNCIA DOS SOLOS DOS CERRADOS... 9 EROSÃO DO SOLO TIPOS DE EROSÃO EROSÃO GEOLÓGICA EROSÃO ACELERADA FORMAS DE EROSÃO ACELERADA EROSÃO HÍDRICA MECANISMOS E FASES DA EROSÃO HÍDRICA FATORES QUE AFETAM A EROSÃO HÍDRICA CAPACIDADE DE USO DA TERRA CONSIDERAÇÕES FINAIS LITERATURA RECOMENDADA... 4 PÁGINA

5 1 INTRODUÇÃO A região dos Cerrados, no Brasil, ocupa uma área que corresponde a 25% do território nacional (Figura 1). Apesar da baixa fertilidade e da acidez dos solos, em função do clima favorável ao desenvolvimento das culturas, do relevo suavizado em grande parte da região e do elevado percentual de solos profundos e friáveis, a região tem aptidão inequívoca para a agricultura tecnificada. Figura 1. Área de Cerrados no Brasil. Fonte: 5

6 Devido a estas características favoráveis, atualmente, a região dos Cerrados ocupa lugar de destaque no cenário agropecuário nacional. É de se destacar que poucos setores da economia brasileira têm se desenvolvido tanto como a agricultura. Salienta-se que, na maioria das vezes, dentro de uma visão econômica simplista e imediatista, extensas áreas com pouca vocação agropecuária foram incorporadas ao processo produtivo de forma desordenada e acelerada, com elevado prejuízo ambiental. A vegetação tem sofrido profunda e, talvez, irreversível alteração pelo homem, a ponto de, em algumas áreas de atividade agrícola mais intensa, já ser difícil observar locais com cerrado nativo. Da mesma forma, os recursos hídricos vêm sofrendo mudanças profundas e irreversíveis em curto prazo, haja vista que o uso inadequado do solo tem levado à diminuição da infiltração da água das chuvas e do assoreamento nas partes baixas da paisagem. Os prejuízos são para toda a população, em particular no que se refere à escassez de água, quando se sabe que se avolumam os problemas relacionados à perenização dos cursos de água, sendo alguns formadores dos principais rios brasileiros. A principal causa disso é a baixa cobertura vegetal, associada à destruição da estrutura de alguns solos. Salienta-se a importância das áreas aptas para a agropecuária, no que se refere à economia do País, entretanto, a preservação dos ecossistemas naturais, com ênfase na manutenção dos cursos de água, tem valor inestimável para toda a sociedade. O fato de as paisagens dessa região possuir um alto valor ecológico, além do econômico, origina, muitas vezes, conflitos de interesses de difícil solução. O reconhecimento de solos e sua adequabilidade para os mais diferentes usos revestem-se de grande importância, pelo fato de ser muito comum o uso dos mesmos em desarmonia, com perdas de produtividade das culturas, do potencial curativo de plantas, do potencial de domesticação de inúmeras fruteiras nativas, além de comprometimento dos demais recursos naturais, particularmente a água. Com o objetivo de se estabelecer critérios básicos para o reconhecimento dos solos na paisagem e o balizamento para a avaliação das terras da região objetivando o melhor uso, é apresentada, neste material didático, uma síntese, com adaptações, dos conhecimentos existentes sobre os solos da região dos cerrados. 6

7 2 CONCEITUAÇÃO DE SOLO Solo é uma mistura de materiais de origem mineral e orgânica, geralmente organizados em agregados, entre e dentro dos quais se encontram poros destinados ao armazenamento e fluxo de ar e água, além de organismos vivos. As proporções desses componentes determinam diferentes características e propriedades responsáveis pelo comportamento dos mesmos quando sob manejo, salientando que uma das principais funções do solo é ser fonte de água e nutrientes, além de suporte físico para o desenvolvimento das plantas. Os solos diferem na paisagem pela resistência à erosão, além da fertilidade; profundidade, trabalhabilidade, etc. Dessa forma, os produtores rurais deveriam ter uma preocupação especial com os solos, tendo em vista que é a natureza dos mesmos que determina a adequabilidade de uso desse importante recurso natural para os mais diferentes tipos de culturas e manejos empregados. 7

8 3 GÊNESE DO SOLO Os conhecimentos de gênese dos solos favorecem muito o reconhecimento dos mesmos na paisagem, na análise de suas propriedades e, conseqüentemente, de suas potencialidades para uso. Uma combinação de eventos físicos, químicos e biológicos está envolvida na formação do solo. A formação do solo inicia-se com a fragmentação física do material de origem, geralmente, algum tipo de rocha ou outros depósitos geológicos mais recentes. O tipo de material de origem, o relevo e o clima determinam o tipo de solo formado. Fragmentação física e alterações químicas do material de origem são conhecidas como intemperismo. Oscilações de temperatura, que promovem dilatação e contração de rochas e minerais, e abrasão, causada por vento e água, são agentes do intemperismo físico. Observa-se, na Figura 2a, que o aquecimento ou o resfriamento de um bloco rochoso podem causar fraturas, pois a expansão, ou a dilatação e a contração térmica, não se dá de maneira uniforme. Pedaços da rocha podem se desprender ou, mesmo, sofrer algum outro tipo de alteração, tendo seu tamanho reduzido. As raízes das plantas crescendo nas fissuras das rochas podem também exercer pressão suficiente para promover a quebra do bloco rochoso. Figura 2a. Fissuras em rocha devido à dilatação e à contração. Coqueiral, MG. (Foto: Geraldo Oliveira). Figura 2b. Liquens formando comunidades pioneiras sobre granito. Coqueiral, MG. (Foto: Geraldo Oliveira). 8

9 Vento e água podem causar a colisão de pequenas partículas, aumentando o intemperismo. O formato arredondado de cascalhos e de blocos rochosos às margens de cursos d água é prova desse desgaste pelas águas. Além disso, vento e água removem partículas pequenas para outros locais, onde servirão de material de origem para a formação de outros solos. As reações químicas também alteram o tamanho e a composição do material de origem e participam do processo de construção do solo. Reações químicas de hidratação, dissolução, hidrólise, oxidação e redução promovem o intemperismo químico de rochas e minerais. Pequenos fragmentos de rochas expostos a condições atmosféricas podem ter elementos de alguns de seus constituintes oxidados; isto é, podem, sob ação do oxigênio do ar, transformar-se quimicamente, propiciando a formação de outros compostos. Um exemplo desse tipo de alteração é o surgimento de crosta amarelada ou avermelhada na superfície daquelas rochas de cor escura. Neste caso, trata-se, principalmente, da oxidação de ferro do estado de oxidação 2 (Fe2+) para 3 (Fe3+). Podem ser citados como exemplos de minerais constituintes de rochas de coloração escura e que contêm Fe2+, os piroxênios ((Ca,Mg,Fe,Ti,Al)(Si,Al)O3), os anfibólios ((Ca,Na,K)2,3(Mg,Fe,Al)5(OH)2[Si,Al)4O11]2) e as olivinas ((Mg,Fe)2SiO4). Outros constituintes de rochas podem combinar com moléculas de água, resultando em hidratação, dissolução e hidrólise. Frequentemente, as moléculas oxidadas ou hidrolisadas são mais prontamente solúveis em água e, portanto, podem ser removidas pela água que se movimenta em meio aos fragmentos. A água das chuvas é ligeiramente ácida, o que pode facilitar a dissolução dos minerais constituintes das rochas. Organismos são também importantes agentes de alterações físicas e químicas das rochas. A pequena camada de material transformado à superfície da rocha, contendo compostos químicos mais solúveis, propicia a instalação e o desenvolvimento de diferentes organismos (Figura 2b). Os primeiros organismos a se instalarem neste material de origem modificado também contribuem para o processo de fragmentação. Liquens, frequentemente, formam comunidades pioneiras que alteram quimicamente a rocha subjacente. Outros tipos de organismos, como plantas e pequenos animais, também contribuem para o processo, aumentando a quantidade de matéria orgânica que, incorporada aos pequenos fragmentos de rochas, forma a primeira camada de solo (figura 2b). No processo de decomposição e de mineralização, a matéria orgânica pode suprir, em parte, as necessidades da planta em nutrientes e também aumentar a agregação do material fragmentado, promovendo a estruturação do solo, responsável, dentre outros, por maior resistência à erosão. Na Figura 3 é ilustrada a formação do solo, iniciando-se pela instalação de liquens à superfície da rocha. Esses organismos buscam nutrientes, a exemplo do 9

10 potássio, indispensável à sobrevivência, dando, em troca, o hidrogênio, por meio de substâncias orgânicas. Neste caso, uma pequena camada alterada e solta surge na superfície da rocha. Essa camada representa um ambiente propício à germinação de sementes e do desenvolvimento de plantas. Em continuidade ao processo, a alteração atinge camadas cada vez mais profundas e as plantas se desenvolvem em maior número. A camada recém-transformada apresenta poros e é capaz de armazenar água que intensifica a dissolução de minerais. Isso faz com que uma camada cada vez mais espessa de material transformado se forme sobre a rocha. As diferenças em profundidade, cor, estrutura, textura, etc. são aproximadamente paralelas à superfície e são chamadas horizontes do solo. Todo esse processo de formação do solo é extremamente lento e exige séculos ou milênios de trabalho da natureza, enquanto a perda de solo pela erosão acelerada pode ocorrer em poucos anos, meses ou mesmo dias e horas. H + K + Figura 3. Sequência da formação do solo a partir da rocha (Fonte: Silva et al., 2007) O solo formado apresenta as fases sólida, líquida e gasosa. Parte da fração sólida apresenta matéria orgânica, cuja quantidade diminui em profundidade. A parte mineral é constituída de partículas de areia, silte e argila e a parte orgânica é composta por material proveniente de restos de plantas e organismos em diferentes graus de decomposição. Juntos, estes constituintes formam unidades separadas por planos de fraqueza, chamadas de agregados, constituintes da estrutura do solo. Os poros formados entre e dentro dos agregados são responsáveis pelo armazenamento e fluxo da água e do ar. As proporções das fases do solo estão representadas na Figura 4. A figura da direita representa um solo com maior teor de matéria orgânica (25%-30%), em função de condições ambientais (geralmente drenagem deficiente) que condiciona a diminuição da taxa de mineralização, causando este maior acúmulo de matéria orgânica. A figura à esquerda representa um solo bem drenado, cujos teores de 10

11 matéria orgânica estão em torno de 2%-3% na camada mais superficial. ÁGUA MINERAL ÁGUA MATÉRIA ORGÂNICA M. RGÂNICA AR MINERAL AR Figura 4. Relação aproximada de volumes das fases sólida, líquida e gasosa do solo (Fonte: Silva et al., 2007). 11

12 4 PERFIL DO SOLO O perfil do solo é formado por camadas de diferentes composições químicas, tamanho de partículas, teor de matéria orgânica, cor ou outros atributos genéticos do solo. A essa camada geneticamente formada é dado o nome de horizonte (Figura 5). A B C R Figura 5. Perfil de solo. A camada mineral mais superficial contém, normalmente, mais matéria orgânica do que as demais. Esta camada é conhecida como horizonte A (Figura 5). A espessura do horizonte A pode variar de menos de um centímetro, nas condições íngremes de montanhas, a mais de um metro, em situações de baixadas e pradarias. A maior parte dos organismos e nutrientes é encontrada na parte superior do horizonte A. A parte inferior deste horizonte contém, frequentemente, menos nutrientes, devido ao fluxo de água que promove a dissolução e o transporte para camadas mais profundas e/ou a sua remoção do perfil. Este processo é chamado lixiviação. O horizonte B contém menos matéria orgânica e organismos do que o horizonte A. Em alguns solos, nos quais os nutrientes lixiviados do horizonte A se 12

13 acumulam no horizonte B, este serve de reserva para as plantas que possuem sistema radicular mais desenvolvido. Situações de topografia mais acidentada também apresentam solos com horizonte B pouco desenvolvidos (horizonte B incipiente, Bi), devido à maior quantidade de remoção do material transformado pela erosão. Nestes casos, os solos são relativamente mais jovens do que aqueles com horizonte B mais desenvolvido (horizonte Bw). A translocação de material do horizonte A para o horizonte B pela água, em alguns solos, também é responsável pela diferenciação dos horizontes. Argila é um tipo de material que pode ser translocado, dando origem aos solos com horizonte B argílico (Bt). Neste caso, trata-se de uma camada na qual a permeabilidade é mais reduzida, podendo, inclusive, limitar o desenvolvimento do sistema radicular de plantas. Abaixo do horizonte B se encontra o horizonte C, constituído de fragmentos de rochas e material pouco intemperizado, considerado o material de origem do solum (horizonte A e B, acima). Este material de origem não contém matéria orgânica, mas contribui para algumas propriedades dos solos. A composição química do horizonte C contribui, por exemplo, para o ph do solo. O horizonte C pode também influenciar na capacidade de retenção e permeabilidade de água no solo como um todo. Abaixo do horizonte C se encontra uma camada de rocha mole e fragmentada chamada de CR; abaixo desta se situa a rocha dura (R). Solos de regiões desérticas têm pequeno desenvolvimento dos horizontes devido à pequena quantidade de chuva. Além disso, a menor cobertura vegetal contribui para que estes solos apresentem baixos teores de matéria orgânica. Em regiões frias e úmidas, como no caso do norte da Europa, no Canadá, e no sul da Argentina, pode haver considerável acumulação de matéria orgânica no solo, uma vez que o processo de decomposição é relativamente mais lento. Além disso, a acidez desses solos também limita a decomposição da matéria orgânica. Em regiões de clima quente e úmido, a exemplo da região dos Cerrados, para a mesma condição de relevo, material de origem e tempo de formação, o desenvolvimento do perfil do solo é maior, originando solos mais profundos e com horizontes mais espessos. Nestes solos, a acumulação de matéria orgânica é menor devido à elevada taxa de decomposição microbiana e os solos são mais empobrecidos pela remoção de nutrientes por lixiviação. Uma vez que os fatores que contribuem para o desenvolvimento do solo são variados, os perfis dos solos são também variados. Na região temperada, os principais solos estão originalmente sob pastagens e florestas, enquanto que, nas regiões tropicais, estes se encontram, também, sob os diferentes tipos de Cerrados. Além das diferenças causadas por vegetação e clima, a topografia, como já 13

14 salientado, também influencia o perfil do solo. Em áreas relativamente planas, a camada formada permanecerá no local, aumentando a profundidade do solo. Em situações de topografia mais íngreme, o material de solo formado pode ser transportado por erosão para áreas mais baixas, na mesma taxa em que este é formado. Nesta situação, a acumulação de material na camada superficial do solo pode não ser suficiente para suportar o uso agrícola. O material de solo removido destas encostas é eventualmente depositado nas partes mais baixas. 14

15 5 LITOLOGIA E SOLOS As rochas imprimem características marcantes nos solos que originam. É assim com os arenitos (que originam solos arenosos) e os basaltos (que originam solos argilosos) que se estendem do sul do país até ao sul do planalto central brasileiro; com as ardósias, filitos e micaxistos (como na área de Brasília e na Serra da Canastra); com os quartzitos (como em Diamantina e em outros trechos do Espinhaço e na Chapada Diamantina); com os calcários de Arcos e Pains, MG, etc. Segundo Resende (1990) a associação entre classe de solo e a rocha de origem pode servir de elemento valioso para se predizer, no campo, ainda que de forma apenas geral, nos teores (ou níveis gerais) dos elementos que tendem a se concentrar residualmente. Um exemplo disso é o do Latossolo Vermelho Férrico (antigo Latossolo Roxo), originado de rochas máficas1, mesmo sob Cerrado, e com baixíssimos teores de elementos disponíveis, respondem muito bem à adubação relativamente simples. Tal não é o caso, por exemplo, dos solos desenvolvidos de rochas pelíticas, a exemplo dos filitos e siltitos, comuns na Serra da Canastra. Estas rochas pelíticas, dos macroelementos de maior interesse são ricas apenas em K, sendo pobres em Ca, Mg e P. Estas rochas possuem muito alumínio na estrutura de alguns minerais que as compõem. Assim, particularmente nos solos jovens originados destas rochas, há altos teores de Al trocável; nos solos mais velhos, os teores de Al na solução tendem a ser menores, pois há a formação de um mineral, denominado gibbsita, que é pouco solúvel. As formas de vegetação tendem a refletir essas diferenças. Na região de Brasília, os solos dos topos das chapadas são ricos em gibbsita e, apesar da vegetação ser cerrado, ela é melhor do que os campos cerrados e os campos sujos que recobrem os solos mais jovens localizados nas áreas mais acidentadas. 1 São rochas escuras como basalto, diabásio, gabro, etc., ricas em minerais como olivinas, piroxênios, biotita, anfibólios, etc., minerais que possuem altos teores de Fe, Mg e elementos traços. 15

16 6 RELAÇÃO RELEVO, PEDOFORMA E SOLOS O relevo (topografia do terreno) está ligado ao fator tempo na gênese dos solos, sendo, portanto, de se esperar que na paisagem dos Cerrados onde os processos de formação são bastante ativos haja um papel crítico muito acentuado do fator relevo, o grande condicionador da formação dos solos. Na região dos Cerrados as partes mais velhas (expostas ao intemperismo a mais tempo) são justamente as grandes e altas chapadas, tão comuns no Centro Oeste Brasileiro. Nestas áreas ocorrem os solos mais velhos e pobres da paisagem, quase sempre sustentando a vegetação de Cerrados. Nestes solos as propriedades físicas também são melhores a exemplo de porosidade; permeabilidade; facilidade de penetração de raízes, etc. As partes rejuvenescidas, mais baixas, e na maioria das vezes mais declivosas, já apresentam solos mais jovens. Quanto à Pedoforma (topografia do solo), salienta-se que o solo é um corpo tridimensional possuindo, portanto, forma externa. Ao lado da cor, a pedoforma é a característica mais visível do solo, e é aquela que mais facilita sua identificação na paisagem. Nas grandes chapadas, de pedoforma suave, ocorre solos mais velhos. Os solos mais jovens situam-se nas partes mais rejuvenescidas da paisagem que apresenta pedoforma mais dobrada. Os solos mais velhos têm pedoforma normalmente convexo-convexo, significando que a curva de nível (curvatura) é convexa e que o perfil (inclinação) é também convexa. A título de exemplo, uma laranja cortada ao meio apresenta do lado de fora uma forma convexo-convexo; do lado de dentro (laranja sem o bagaço) a pedoforma é côncavo-côncavo. Os solos mais novos tendem a apresentar maior incidência de ravinas. A pedoforma é mais rupturada (mais descontínua) o que tem implicações na penetração de água e na mecanização. Salienta-se que uma superfície ravinada concentra a água em canaletas, em alguns locais, drenando rapidamente outros, o que diminui a infiltração, aumentando a erosão. 16

17 Figura 6. Paisagem com pedoforma convexo-convexo no topo, típica de solo velho (acima da estrada) associado à pedoforma rupturada (ravinada) típica de solo jovem (abaixo da estrada). Na área de ravinas observa-se a coloração mais clara, de horizonte C que foi revolvido, demonstrado ser o solo desta área bem raso. Município de Vargem Bonita MG. Foto: Geraldo Oliveira Quando o material de origem já foi muito intemperizado, antes do ciclo atual de pedogênese, podem-se ter solos muito velhos mesmo num relevo acidentado e pedoforma mais ou menos ravinada, o que expressa a fase de rejuvenescimento atual. Neste caso o solo tende a ser mais raso comparado àqueles das chapadas. 7. VEGETAÇÃO DE CERRADOS E SUA RELAÇÃO COM SOLO E RELEVO. O aparecimento da vegetação de cerrados está condicionado principalmente à acidez, fertilidade, capacidade de retenção de água e profundidade do solo, além das queimadas que na região ocorrem de forma espontânea ou provocada. Assim, o reconhecimento da vegetação auxilia no reconhecimento dos solos na paisagem. O Bioma Cerrado não apresenta uma cobertura vegetal uniforme, pois no sentido geral a vegetação de cerrados é um complemento vegetacional onde podemos encontrar desde campos até florestas, passando gradualmente ou mesmo bruscamente de uma formação cerrado, cerrado propriamente dito e o cerradão, além das inclusões de mata ciliar, mata seca, veredas e campos rupestres (campos pedregosos de altitude). 1. Campo Limpo 17

18 Formação vegetal caracterizada por campos revestidos maciçamente por gramíneas, apresentando às vezes arvoretas muito afastadas entre si. Ocorre em solos rasos e coesos, nos quais há real deficiência de água durante os meses secos. 2. Campo Sujo Forma degradada de cerrado onde este se mostra composto principalmente por um campo graminoso, no qual aparecem algumas arvoretas e arbustos muito afastados entre si, porém com maior freqüência se comparado ao campo limpo. 3. Campo Cerrado Constitui-se também de uma forma degradada de cerrado, ocorrendo em solos rasos, às vezes cascalhentos, quase sempre em relevo ondulado ou, mais raramente, em relevo plano ou suave-ondulado de chapadas. A composição florística é quase a mesma do cerrado propriamente dito, sendo que a cobertura vegetal torna-se bem mais baixa reduzindo-se a arbustos sem grande significação. Ocorrem na Zona do Alto e Médio São Francisco, Alto Paranaíba, Paracatu e Triângulo Mineiro. Figura 7.1. Vegetação de Campo Limpo mesclado com Campo Sujo sobre solo raso e cascalhento em área próxima às nascentes do Rio São Francisco. Foto: Geraldo Oliveira. Figura 7.2. Vegetação de Campo Cerrado sobre solo arenoso nas imediações de Mambaí - GO. Foto: Geraldo Oliveira. 4. Cerrado Stritu Sensu. O cerrado propriamente dito apresenta geralmente paisagem monótona com árvores tortuosas, de cascas grossas e gretadas, interrompidas de longe em longe por uma ou outra árvore de porte mais ereto, emergente. Freqüentemente o cerrado é composto por três estratos: o arbóreo, que é aberto e mais ou menos contínuo; o arbustivo e subarbustivo, que se mostra denso e de composição florística muito variável; e o estrato herbáceo constituído principalmente por gramíneas. Áreas do cerrado podem ser encontradas nas Zonas 18

19 de Alto e Médio Jequitinhonha (partes), Montes Claros (sul), Alto e Médio São Francisco (quase totalidade), Campos das Vertentes (parte), Metalúrgica (parte), Paracatu (em quase totalidade), Triângulo e Alto Paranaíba (áreas esparsas), ocupando relevo de plano a suave ondulado. Fazendo parte de sua composição florística, que de maneira geral mostra-se bastante constante e pouco variável, vamos encontrar no estrato mais desenvolvido, típico desta formação, arvoretas com 5-6m de altura, relativamente espaçadas entre si, às vezes tocando-se de leve. O estrato arbustivo pode ser muito diversificado, rico e denso em algumas áreas do Triângulo Mineiro, Paracatu, Alto e Médio São Francisco, geralmente em área de Latossolos (solos profundos e pobres quimicamente). Pode também apresentar-se ralo e pouco representativo sobre solos pobres ou que empobreceram através de práticas condenáveis como o manejo incorreto ou pastoreio intensivo. 5. Cerradão (floresta mesófila esclerofila) Cobertura vegetal peculiar que difere do cerrado pelo aspecto silvestre. Além de possuir uma densidade maior, as árvores não são tão ramificadas quanto neste. Sua estratificação é composta por três estratos: o estrato arbóreo (denso); o estrato arbustivo (nítido e não raro denso); e o herbáceo, constituído por algumas poucas gramíneas. A altura média de suas árvores varia de 3 a 12m, geralmente de porte bem menos desenvolvido que o de uma mata seca. Apresenta dois estratos arbóreos distintos, as copas das árvores tocando-se, mesmo assim havendo bastante espaço entre os troncos para penetração irregular de luz. Esta vegetação é mais comum em solos velhos e profundos dotados de alguma fertilidade e/ou com maior capacidade de retenção de água. 19

20 Figura 8.1. Vegetação de Cerrado Stritu Sensu. Figura 8.2. Vegetação de Cerradão. Conforme salientado a tendência é que Cerradão e Cerrado ocorram nos solos mais profundos que por sua vez recobrem as partes mais suavizadas da paisagem. É de se esperar que campo cerrado, campo sujo e campo limpo recubram os solos pobres, rasos e/ou cascalhentos que na região dos Cerrados estão relacionados a relevos mais movimentados. Resende (1990) salienta a tendência de diminuição de fertilidade e aumento de alumínio, alternadamente, na direção de Cerradão, passando por Cerrado stritu sensu, Campo Cerrado, Campo Sujo até Campo Limpo. 20

21 OUTRAS FORMAÇÕES VEGETAIS PRESENTES NOS DOMÍNIOS DO CERRADO Nas regiões conhecidas como Domínio do Cerrado, acham-se presentes alguns ecossistemas que se constituem como inclusões em meio ao cerrado. Em muitas áreas do Triangulo Mineiro e parte do planalto central brasileiro se observa uma transição marcante entre a paisagem ao longo dos rios principais, onde ocorre floresta, principalmente, sobre solos profundos de textura argilosa e com alguma fertilidade, circundado de Cerrado sobre solo também profundo com textura variando de média a argilosa e baixa fertilidade. Esta descontinuidade da vegetação está correlacionada, portanto, com o tipo de solo (Resende, 1990). Dentre as mais comuns inclusões destacam-se as abaixo descritas. 1. MATA PERENIÓFILA DE GALERIA OU MATA CILIAR Situada ao longo dos rios e demais cursos d água menores, além de áreas abaciadas onde há uma maior retenção e armazenamento de água. Esta vegetação hoje está reduzida a capões esparsos, representando estações avançadas da mata atlântica. 2. MATA SECA (floresta mesófila estacional) Formação florestal sujeita a um ritmo estacional que se traduz pela queda de suas folhas durante a seca. Acha-se muito associada ao cerradão, diferindo deste principalmente pelo seu solo ser bem mais rico, pela camada de folhas mortas que é mais espessa e por se localizar geralmente em depressões onde haja certa abundância de água. De forma geral, as formações florestais como o cerradão, a mata perenifólia e outras formas apresentam-se sempre degradadas pela extração constante de espécies de maior valor madeireiro. 21

22 Figura 9.1. Vegetação Galeria de Mata de Figura 9.2. Vegetação de Mata Seca. A vegetação de mata seca muitas das vezes está associada a solos rasos originados de calcário. 3. VEREDAS Em depressões e em alguns vales dos rios São Francisco, Pardo, Cocha, Preto, Claro, Abaeté entre outros, ocorre esta comunidade que possui fisionomia sempre verde, sendo constituída por um estrato arbóreo arbustivo envolvido por área graminosa. O estrato arbóreo é quase que exclusivamente representado por agrupamentos de buritis. São considerados como bacias coletoras de águas absorvidas pelos platôs adjacentes, funcionando como vias de drenagem. Pelo seu aterro gradual, aliado ao tipo de solo e à umidade existente, transformaram-se gradativamente em uma forma típica de floresta, com espécies características, de porte não muito desenvolvido, conhecidas como matas de alagado. As áreas de veredas estão associadas aos solos hidromórficos a exemplo dos Gleissolos e Organossolos. 4. CAMPO RUPESTRE Ocorrências escassas e geralmente pouco extensas marcam os altos de serras apresentando-se como campos pedregosos e castigados pelos ventos, constantes. Seus estratos herbáceos e arbustivos mostram-se os mais desenvolvidos, contando com exemplares das famílias Velosiácea, Eucariaceae e Melastomatácea, entre outras. 22

23 Figura Vegetação de Campo Rupestre em área de Neossolo Litólico. Figura Vegetação de Vereda com presença de Buritis. Segundo Resende e Rezende (1983) a vegetação campestre está muito relacionada com os extremos de pedoclima (clima do solo): ou muita falta de oxigênio (campos hidrófilos, higrófilos e até mesmo pampas), o que diz respeito aos solos hidromórficos a exemplo do Gleissolo; falta de água (xerófilo); ou carência mais acentuada de nutrientes, ligada a altos teores de alumínio trocável. 8. SOLOS DOS CERRADOS Somente a partir de 1981, com a publicação do Mapa de Solos do Brasil na escala 1: , pelo Serviço Nacional de Levantamento e Conservação de Solos da EMBRAPA, tornaram-se disponíveis informações generalizadas sobre os solos da região dos Cerrados. Devido à escala cartográfica empregada na época e à carência de informações precisas referentes à distribuição dos solos, as unidades mapeadas foram constituídas por associação de solos em que apenas os componentes principais são indicados; Entretanto, são muitas as pesquisas existentes sobre o comportamento das principais Classes de Solos dos Cerrados o que permite uma descrição dos mesmos. a) Latossolos Estes são os solos que formam os grandes chapadões da região dos cerrados, se apresentando na forma de terra solta, em relevo suave, e no geral 23

24 com grandes problemas de fertilidade. São solos bem drenados, muito profundos (normalmente a profundidade ultrapassa os 2 metros), com seqüência de horizonte A, Bw, C pouco diferenciados. No horizonte B latossólico, os teores de argila permanecem constantes ao longo do perfil ou aumentam levemente sem, contudo chegar a configurar um B textural. As cores variam de vermelho muito escuro a amarelado; estas cores são geralmente escuras no A, vivas no B e mais claras no C. São solos minerais, não hidromórficos, em avançado estágio de intemperização, virtualmente destituídos de minerais primários (facilmente intemperizáveis), formados por uma mistura, em que predominam óxidos hidratados de ferro e/ou alumínio, ou argilo-minerais 1: 1, de capacidade de troca de cátions (CTC)2 muito baixa. Características físicas e morfológicas Os componentes granulométricos principais são argila3 e areia4. A argila varia de 15 a mais de 80%5. O silte6 apresenta-se relativamente constante quaisquer que sejam as combinações entre argila e areia, situando-se normalmente entre 10 e 20%. As estruturas dominantes são maciças porosas formadas de agregados ultrapequenos com formato granular ou em forma de blocos subangulares (fracamente desenvolvidos). Estudos sobre a disponibilidade de água indicam que cerca de 2/3 da água disponível para as plantas, nesses solos, são removidos entre as tensões de 0,06 a 1 kpa, independentemente da textura. Tal fato pode ser explicado pela presença de estrutura ultra pequena granular nos solos argilosos e muito argilosos, que lhes confere comportamento semelhante ao dos solos de textura média ou mesmo arenosa. Características químicas Devido à importância dos Latossolos nas atividades agropecuárias da região dos Cerrados, é de grande interesse a discussão do parâmetro CTC e alguns outros parâmetros químicos comuns nestes solos. Existem 3 tipos de CTC: 1- CTC efetiva ou a ph natural do solo 2 Capacidade de Troca de Cátions. Quantidade de cátions (Al, H, Ca, Mg e K) que o solo é capaz de reter. Argila: partícula com diâmetro menor que 2 micras (0,002 milímetros); 4 Areia: partícula com diâmetro entre 2 mm e 0,05 mm; 5 Os Latossolos podem apresentar textura média (15 a 35% de argila); argilosa (35 a 60% de argila) e muita argilosa (> 60% de argila). 6 Silte: partícula com diâmetro entre 0,05 e 0,002 mm. 3 24

25 Corresponde à soma de cálcio, magnésio, potássio e sódio (soma de bases, SB); mais o alumínio, ou seja, CTC efetiva = SB + Al Essa CTC efetiva é utilizada no cálculo da retenção de cátions (RC 7) como um dos critérios de classificação dos Latossolos ácricos (solos muito velhos que apresentam baixa CTC efetiva). 2-CTC potencial ou a ph 7 Corresponde a SB + Al + H A CTC a ph 7 é utilizada por exemplo, para calcular a dose de calcário, fundamental para a correção da acidez, neutralização do Al+++ tóxico e fornecimento de Ca++ e Mg++ na maioria dos Latossolos. Na literatura adota-se os seguintes valores de CTC e suas interpretações para a camada arável do solo (Tabela 1). Tabela 1. Classificação da capacidade de troca de cátions em solos CTC potencial ou a ph 7 cmolc kg-1 <4 4-8 >8 Interpretação Baixa Média Alta Na adubação potássica, recomenda-se parcelamento do potássio quando a CTC é baixa porque nem todo elemento K é retido pela baixa quantidade de cargas negativas, e o que não é retido pode ser lixiviado. A perda da matéria orgânica na camada arável pela queima do forte calor ou erosão reflete diretamente na redução da CTC da camada arável e o solo fica menos produtivo ao longo do tempo. Assim, uma grande ênfase deve ser dada à manutenção da matéria orgânica nestes solos mais intemperizados. 3- CTC pedológica: refere-se à CTC da argila, sem a contribuição da matéria orgânica, utilizada para se saber qual é a atividade da argila no horizonte B dos solos. CTC da argila= CTC a ph 7x100/argila% Mais de 95% dos Latossolos são distróficos ácidos e com baixos valores de capacidade de troca de cátions. A importância da CTC nestes solos refere-se não só a retenção de cátions, mas também de água, além de ter direta relação com a estruturação e consistência dos solos. Quanto mais intemperizado o solo, menor sua CTC, por isso os Latossolos tem um dos mais baixos valores de CTC no horizonte B. 7 RC= SB+ Al / %argila x

26 Os valores predominantes de ph nos Latossolos situam-se entre 4,0 e 5,5, o que caracteriza solos fortes a medianamente ácidos. Estudos comparativos das camadas superficiais destes solos na região dos cerrados revelaram variações predominantes entre 0,6 a 1,0 unidades de ph, indicando cargas negativas líquidas e, conseqüentemente uma predominância de capacidade de troca de cátions sobre a troca de anions. Isso é, provavelmente, devido ao fato de as cargas negativas do complexo orgânico ser suficientemente altas para contrabalançar possíveis cargas positivas, resultantes da fração mineral desses solos. Nas camadas inferiores com o decréscimo de matéria orgânica, esses valores são próximos de zero. Os valores de matéria orgânica em Latossolos argilosos variam de 1,0 a 5,0% (médio a alto) nas camadas superficiais decrescendo até o valor de 0,3% nas camadas inferiores. Em solos de textura média estes valores são inferiores. A matéria orgânica é fonte de nutrientes; aumenta a capacidade de troca de cátions; aumenta a agregação dos solos, e conseqüentemente sua permeabilidade à água e enraizamento de plantas, e aumenta a retenção de água que é muito baixa nestes solos. Ainda assim os valores de CTC nestes solos são muito baixos o que se deve, possivelmente, aos elevados teores de óxidos de ferro e alumínio e à elevada acidez desses solos, o que determina a baixa atividade da matéria orgânica. Os valores de soma de bases na maioria dos Latossolos são bastante baixos variando de 0,2 a 3,8 cmolc dm-3. Os teores de fósforo disponíveis são extremamente baixos, situando-se em torno de 2 mg kg-1, quando comparados com o nível crítico de 12 mg kg-1 para solos argilosos. Diversos trabalhos têm demonstrado que a capacidade de adsorção de fósforo adicionado a esses solos é muito grande. uma característica marcante do clima dos Cerrados é a interrupção do período de chuvas estivais, conhecida como veranico. Como os Latossolos possuem baixa capacidade de retenção de água; são muito ácidos, e são dotados de alta saturação em alumínio, o efeito da estiagem neste caso é mais acentuado do que nas áreas onde o volume de solo explorado pelas raízes é maior. Problemas relativos à baixa capacidade de retenção de água destes solos podem ser minimizados na medida em que se adotem sistemas em que o solo esteja sempre coberto por palha, o que contribui para a diminuição da evaporação e da temperatura do solo e, ao mesmo tempo, ocorre aumento na matéria orgânica favorecendo o armazenamento de água no solo. Considerando-se que a quantidade de água disponível para as plantas é tanto maior quanto mais profunda a camada considerada e que os Latossolos são muito profundos e porosos, o que condiciona um grande armazenamento de água, uma 26

27 forma de aumentar a quantidade de água para as plantas é procurar conduzir o sistema radicular para as camadas mais profundas do solo. O manejo adequado de adubos, corretivos e gesso como condicionador do solo, associados ao uso do capim Brachiaria nas entre linhas de café (Figura 11), tem sido apontado por alguns produtores da região Alto São Francisco como uma importante decisão para redução dos efeitos negativos da falta de água em cafezais, particularmente nos anos mais secos. A B Figura 11. Enraizamento abundante de café em profundidade superior a 2,0 metros em perfil de Latossolo corrigido quimicamente (A); e, uso do capim Brachiaria nas entre linhas de café (B), ambos no município de Bambuí MG. Foto Geraldo Oliveira. Os Latossolos são subdivididos com base na cor. Na classificação brasileira de solos são reconhecidas quatro categorias de Latossolos: Latossolos Brunos; Latossolos amarelos; Latossolos Vermelhos e Latossolos Vermelho-Amarelos. Na região do Alto são Francisco são comuns os Latossolos Amarelos, os Latossolos Vermelho-amarelos e os Latossolos Vermelhos. Os Latossolos amarelos apresentam matiz mais amarela que 5YR na maior Parte dos primeiros 100 cm do horizonte B (inclusive BA); nos Latossolos Vermelho-amarelos a matiz é mais amarela que 2,5YR e mais vermelha que 5,0 YR na maior Parte dos primeiros 100 cm do horizonte B (inclusive BA). Os Latossolos Vermelhos apresentam matiz igual ou mais vermelho que 2,5 YR na maior parte dos primeiros 100 cm do horizonte B (inclusive BA). Para se ter uma noção da importância dos Latossolos Amarelos, Latossolos Vermelho-amarelos e dos Latossolos Vermelhos no Brasil, na região dos Cerrados, 27

28 e, particularmente na região do Alto São Francisco na figura 12 é mostrado a distribuição das principais áreas de ocorrência dos mesmos. A B Figura 12. Distribuição no território Brasileiro dos Latossolos Amarelos e Vermelho Amarelos (A), e Latossolos Vermelhos (B). Fonte: Para exemplificar é apresentada no círculo a região do Alto São Francisco em Minas Gerais. O Latossolo Amarelo (LA), Vermelho-Amarelo (LVA) e Vermelho (LV) estão amplamente distribuído por todo o território brasileiro. O teor de óxidos de ferro dos LA e LVA extraídos pelo ataque sulfúrico é geralmente, mas nem sempre, menor que em outros Latossolos. Isso acontece ou porque o material de origem era pobre em ferro ou porque o ferro foi removido do solo pela água de percolação. Os LA e LVA podem apresentar todo o tipo de textura, desde média até muito argilosa. Graças à cor amarela, é relativamente fácil separar os horizontes. Embora os LA e LVA geralmente tenham vários metros de profundidade, eles não são tão profundos quantos os Latossolos Vermelhos. Outra característica interessante é a presença, em alguns Latossolos Amarelos, de nódulos e concreções avermelhadas. Alguns pedólogos dizem que isso indica que os LA já foram mais vermelhos, ou seja, no passado eles tinham características semelhantes aos Latossolos Vermelhos. LA e LVA ocupam 22% da área do Cerrado. Os Latossolos Vermelhos podem ser divididos em Latossolos Vermelhos férricos e não férricos. Nos Latossolos Vermelhos não-férricos (LV), o teor de óxidos de ferro extraídos pelo ataque sulfúrico é menor que 18%. Estes solos ocupam 19% da área dos Cerrados. Como se vê (Figura 12), os Latossolos Vermelhos estão concentrados no sudoeste do Brasil. Os Latossolos Vermelhos não-férricos eram anteriormente classificados como Latossolos Vermelho-Escuros. A cor vermelha é devida ao mineral hematita (um óxido de ferro). Existem LV com todo o tipo de textura desde 28

29 muito argilosa à média. A forte coloração faz com que seja relativamente difícil separar os horizontes somente com base na cor. O material de origem desses solos é bem variado desde arenitos até rochas pelíticas, desde que tenham teores razoáveis de ferro. b) Neossolo Quartzarênico A figura 13 mostra a distribuição das principais áreas de ocorrência de Neossolos Quartzarênicos (RQ) no Brasil. Como se vê eles estão concentrados na região do Cerrado onde ocupam cerca de 15% da área. Figura 13. Distribuição dos Neossolos Quartzarênicos no território Brasileiro. Fonte: Estes solos eram anteriormente chamados de Areias Quartzosas. Ao contrário dos Neossolos Litólicos, os Neossolos Quartzarênicos são muito profundos. As características principais destes solos, no entanto, é serem completamente dominados por areia. Como o nome já diz, o mineral da fração areia destes solos é o quartzo, um mineral extremamente resistente ao intemperismo e desprovido de nutrientes. Os poucos nutrientes que existem nos RQ estão concentrados na matéria orgânica. A cor avermelhada dos RQ é dada por um pouco de hematita, presente na fração argila. RQ são solos muito homogêneos. A única diferença entre os horizontes destes solos é devida à presença de matéria orgânica nos primeiros 10 ou 15 cm. O horizonte A é seguido diretamente pelo horizonte C, já que o alto teor de areia não permite formação de horizonte B. Na região sudoeste de Goiás (particularmente Jataí, Rio Verde, Mineiros e Montevidiu) o elevado grau de degradação de algumas paisagens está relacionado 29

30 em grande parte ao uso desordenado (Figura 14), (CONSÓRCIO IMAGEM WWF BRASIL, 2004). A C Figura 14: Perfil de Neossolo Quartzarênico e paisagem com sulcos profundos em pastagem degradada na região de Jataí GO Foto: Geraldo Oliveira Nestes solos, segundo Motta (1983), o plantio de lavouras anuais, em condições de sequeiro com exploração contínua não é recomendável. Apesar disso verifica-se que estes solos arenosos têm sido cultivados intensivamente com soja, assim como em outras partes da região dos Cerrados (Resck, 1991), o que se justifica pela facilidade de mecanização e ao fato desses solos possuírem reduzida capacidade de adsorção de fósforo (Resende et al., 2002) o que diminui o custo de produção, tornando-os atrativos para a produção agrícola. É importante destacar que problemas de degradação em áreas ocupadas por estes solos tem surgido após poucos anos de uso (Cunha et ai., 1996 citado por spera et al., 1999) o que se deve a vulnerabilidade dos mesmos e a falta de cuidados especiais visando o controle de erosão hídrica e eólica desde o início da exploração. É comum o depauperamento total das lavouras nos anos mais secos tendo em vista a muito baixa retenção de água destes solos. De acordo com revisão realizada por Spera et al. (1999) estudos realizados na região de Barreiras, no oeste baiano, onde a ocorrência dos Neossolos Quartzarênicos é muito expressiva, mostram que as atividades agrícolas atualmente desenvolvidas nesses solos são prejudiciais ao meio ambiente, por causarem perda de matéria orgânica e argila e lixiviação de fertilizantes para as 30

31 camadas mais profundas, provocando arenização da cobertura pedológica, além de destruir a estrutura pouco desenvolvida do solo. Associados a esses problemas, o desmatamento da vegetação ciliar, o assoreamento das veredas e a redução acentuada do estoque de matéria orgânica dos solos comprometeram a estabilidade ambiental da região. Uma sugestão de uso mais racional em áreas de Neossolos Quartzarênicos é com sistemas agroflorestais. Estes sistemas associam árvores com pastagens e um componente animal que pode ser geralmente bovino, ovino ou caprino. As espécies florestais para consorciação com pastagens devem ser: perenifólias, crescimento rápido, resistentes ao vento, de sistema radicular profundo e não oferecer efeitos negativos sobre a pastagem e os animais. Devem também permitir a produção de forragem de boa qualidade, rebrotar e ter um manejo florestal conhecido (Baggio, 1983, citado por Spera et al., 1999). Segundo Spera et al. (1999) em Mato Grosso do Sul a seringueira tem sido considerada apta para ser cultivada com sucesso em sistemas agroflorestais em Neossolos Quartzarênicos pois além de minimizar o processo de degradação dos mesmos, oferece a possibilidade de combinar esta espécie florestal com a produção agropecuária. Salientam-se os riscos por ocasião da implantação do seringal tendo em vista a baixa retenção de água destes solos, sendo sugerido que seja previsto a adoção de irrigação complementar. Alternativa que precisa ser mais bem estudada para os Neossolos Quartzarênicos diz respeito ao seu potencial de uso com espécies frutíferas nativas dos Cerrados. Naves (1999) estudando a ocorrência de Pequi, Caju, Araticum, Cagaita e Mangaba em cinqüenta áreas espalhadas por todo o Estado de Goiás, todas frutíferas nativas com grande aceitação popular e, portanto com grande potencial para a domesticação, verificou que destas cinqüenta áreas, nove estavam recobertas por Neossolos Quartzarênicos. Das plantas citadas o Araticum, o Pequi e a Mangaba ocorreram de forma exuberante em áreas de Neossolo Quartzarênico. Da Rosa (2004) estudando ambientes de ocorrência e produção do Pequizeiro no Estado de Goiás destaca a grande produção desta fruteira em uma área de Neossolo Quartzarênico sob pastagem nativa localizada no município de Mambaí. Salienta-se, entretanto que o solo desta área apresentou incremento de argila e de areia fina na profundidade de 180 a 200 cm em relação à camada superficial, o que levou a autora a considerar a importância da presença de uma camada de maior armazenamento de água nestes solos na produção da fruteira. De qualquer forma salienta-se a possibilidade de cultivo de Pequizeiros associados a áreas de pastagens manejadas de forma racional, podendo ser esta uma boa alternativa de sistema agro florestal para uso dos Neossolos Quartzarênicos na 31

32 região dos Cerrados. As áreas de Neossolos Quartzarênicos que ocorrem junto aos mananciais devem ser obrigatoriamente preservadas, isoladas e mantidas sem nenhum uso por força de lei segundo a Resolução do CONAMA 04/85. c) Argissolos Os Argissolos ocupam 15% da área do Cerrado. A figura 15 mostra a ampla distribuição desta classe no Brasil. Estes solos eram anteriormente chamados de Solos Podzólicos. Figura 15: Distribuição de Argissolos no Brasil. Fonte: Estes solos (Figura 16) têm como característica principal a presença de um horizonte B textural (Bt). Esse horizonte B textural é formado pela movimentação de argila dos horizontes superiores para os inferiores. Como conseqüência, os horizontes acima do Bt ficam com teores menores de argila e maiores de areia. Embora existam Argissolos de todas as colorações, a maioria deles tem cores amareladas. Eles não são tão profundos quanto os Latossolos, mas são mais profundos que os Cambissolos. Os Argissolos tendem a ser mais férteis que os outros solos da região dos Cerrados e a vegetação que os recobre tende a ser mais exuberante (Figura 16), sendo predominantemente formada por Floresta Tropical Subcaducifólia e Cerradão. Cerca de 30% dos Argissolos são eutróficos. 32

33 A AB Bt BC C Figura Perfil de Argissolo Vermelho Eutrófico em Coqueiral MG. Foto Geraldo Oliveira Figura Paisagem de ocorrência de Argissolo Vermelho Eutrófico em Coqueiral MG. Foto Geraldo Oliveira Algumas sugestões de uso para os Argissolos devem ser destacadas: a) Por estarem localizados normalmente em relevo movimentado, mesmo os Argissolos mais férteis quimicamente, quando sob uso intensivo, tendem a degradar-se rapidamente, sendo, portanto, necessário a adoção de medidas conservacionistas eficientes. A degradação ocorrerá mais rápida se o uso for incoerente com sua capacidade de uso; b) Em função particularmente da fertilidade química destes solos o uso racional dessas terras por pequenos produtores rurais talvez seja a alternativa mais promissora. Salienta-se a necessidade de planejamento e acompanhamento por instituições públicas de pesquisa e extensão ou mesmo empresas privadas de colonização que indiquem as atividades agropecuárias e florestais do empreendimento de acordo com a capacidade de uso destas terras. Nessas terras é possível inclusive a implantação de lavouras anuais em glebas dotadas de pequeno comprimento de rampa, como sugerido por Resende et al. (2005), o que é possível pela adoção de medidas de conservação relativamente simples, a exemplo dos cordões em contorno, pequenos terraços utilizando o amontoamento de pedras, etc. Um cuidado especial deve ser dado com a preservação das nascentes e margens de cursos d'água, assim como em qualquer 33

34 tipo de solo, por razões legais, ambientais e ecológicas; c) Os sistemas agrossilvipastoris provavelmente são as melhores opções de uso sustentável desses solos e devem ser priorizados no planejamento do uso dos mesmos, apesar da pouca tecnologia desenvolvida para esses sistemas. No Sul de Minas Gerais estes solos são muito utilizados com Cafeicultura; pastagens e pequenas lavouras de milho e feijão. d) Cambissolos e Neossolos Litólicos. Uma das principais características dos Cambissolos e Neossolos Litólicos é serem pouco profundos e, na região dos Cerrados, muitas vezes cascalhentos. Estes são solos "jovens" que possuem minerais primários e altos teores de silte até mesmo nos horizontes superficiais (os Latossolos, por exemplo, podem ter muita areia ou argila, mas nunca têm teores altos de silte). O alto teor de silte e a pouca profundidade fazem com que estes solos tenham permeabilidade muito baixa. Cambissolos diferenciam-se dos Neossolos Litólicos por apresentarem um horizonte B incipiente que tem pelo menos 10 cm de espessura. Os Cambissolos tendem apresentar profundidade de solum maior que os Neossolos Litólicos. As principais características dos Cambissolos são: teor de argila superior a 15% e mais de 20% da fração silte na composição granulométrica; na estrutura dos solos não se observa cerosidade; presença de minerais primários menos resistentes ao intemperismo. Características físicas e morfológicas A textura normalmente varia de franco a franco-argilosa, com ligeiro predomínio da fração silte. A composição granulométrica é bastante semelhante nos horizontes A e B, podendo haver um pequeno incremento de argila no B. A estrutura é bastante variável, predominando blocos subangulares. Ocorrem perfis desde os sem estrutura até aos com estrutura prismática. Alguns perfis são cascalhentos ou concrecionários. Características químicas Na região dos Cerrados ocorrem tanto os Cambissolos eutróficos, com boa disponibilidade de nutrientes, quanto os distróficos (Figura 17), de carência generalizada dos elementos essenciais para as plantas. Nesta região, no geral, 34

35 estes são solos ácidos, com valores médios de matéria orgânica e teores muito baixos de fósforo. Os elevados valores de saturação de alumínio (m) caracterizam esses solos como distróficos ou mesmo álicos; neste caso a vegetação natural sobre estes solos tende a ser Campo Cerrado; Campo Sujo e mesmo Campo Limpo. Quando eutróficos a vegetação sobre estes solos é a mata. Os Cambissolos distróficos representam mais de 90% da área total da classe. Esses solos ocorrem predominantemente nas regiões centro-sul de Minas Gerais, leste e oeste de Goiás, leste de Mato Grosso e no Distrito Federal, normalmente associado a superfícies dobradas, com presença de ravinamentos (Figura 17.1). A Bi C CR Figura Vegetação de Campo Limpo sobre Cambissolo Distrófico no município de Vargem Bonita MG, próximo às nascentes do Rio São Francisco. Figura Perfil de Cambissolo Distrófico originado de Siltito no município de Vargem Bonita MG. Foto Geraldo Oliveira. A capacidade de troca de cátions potencial (CTC a ph 7,0) destes solos sob Cerrado é relativamente alta. Devido aos baixos valores da soma de bases da maioria desses solos, conclui-se que esta CTC é formada essencialmente pelo aporte de alumínio e do hidrogênio. Por serem solos pouco desenvolvidos, os Cambissolos possuem na fração areia, além de quartzo, minerais primários menos resistentes ao intemperismo, como Calcita, Olivina, Hornblenda, Biotita e Sericita, dentre outros. A figura 18 mostra a distribuição das principais áreas de ocorrência de Cambissolos (azul) associados aos Neossolos Litólicos (vermelho) no Brasil. Como se vê, eles estão amplamente distribuídos por todo o território brasileiro. Os 35

36 Cambissolos e Neossolos Litólicos ocupam 10% da área dos Cerrados. Figura 18. Distribuição de Cambissolos e Neossolos Litólicos no território Brasileiro. Fonte: Para exemplificar é apresentada no círculo a região do Alto São Francisco em Minas Gerais. Os Neossolos Litólicos caracterizam-se por apresentarem perfis pouco desenvolvidos, rasos, com horizonte A assentado diretamente sobre a rocha (A, R), ou sobre um horizonte C de pequena espessura (A, C, R). Comumente teores elevados de minerais primários menos resistentes ao intemperismo e blocos de rochas semi-intemperizadas de diversos tamanhos na massa do solo. Os Solos Litólicos estão relacionados com áreas de relevo movimentado, situadas nas cristas de montanhas ou escarpas de chapadas. Predominam no centro-sul do Piauí, sul do Maranhão, nordeste e centro-leste de Goiás, norte de Minas Gerais, sudoeste da Bahia e oeste de Mato Grosso do Sul. e) Plintossolos. Na paisagem esses solos ocorrem em superfícies planas, suavemente onduladas, especialmente na posição de terço inferior da encosta, ou nas áreas deprimidas das várzeas (Figura 19). No Brasil grandes áreas de Plintossolos localizam-se nos estados do Amazonas, Tocantins, Goiás, Mato Grosso, e nas ilhas de Marajó e do Bananal. No Cerrado correspondem a cerca de 9% A característica mais marcante dos Plintossolos é a presença de manchas ou mosqueados avermelhados, ricos em ferro e de consistência macia, que podem ser facilmente individualizados da matriz do solo (Figura 19) ou, ainda, de nódulos ou 36

https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y

https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y Definição é a camada superficial da crosta terrestre formada por quatro elementos principais: a, o, a e os. Possui importância fundamental para variadas atividades

Leia mais

Perfil representativo de ARGISSOLO VERMELHO Distrófico típico. Descrição geral

Perfil representativo de ARGISSOLO VERMELHO Distrófico típico. Descrição geral Perfis representativos das unidades taxonômicas de solos, com sua classificação taxonômica (Sistema Brasileiro de Classificação de Solos), descrições morfológicas internas e externas e dados das análises

Leia mais

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Biomas Brasileiros I Floresta Amazônica Caatinga Cerrado Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Floresta Amazônica Localizada na região norte e parte das regiões centro-oeste e nordeste;

Leia mais

Vegetação. Solo. Relevo. Clima. Hidrografia

Vegetação. Solo. Relevo. Clima. Hidrografia Vegetação Solo Relevo Clima Hidrografia VEGETAÇÃO E SOLOS HETEROGÊNEA CALOR E UMIDADE RÁPIDA DECOMPOSIÇÃO/FERTILIDADE. NUTRIENTES ORGÂNICOS E MINERAIS (SERRAPILHEIRA). EM GERAL OS SOLOS SÃO ÁCIDOS E INTEMPERIZADOS.

Leia mais

Pedologia. Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br

Pedologia. Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br Pedologia Professor: Cláudio Custódio Conceitos: Mineração: solo é um detrito que deve ser separado dos minerais explorados. Ecologia: é um sistema vivo composto por partículas minerais e orgânicas que

Leia mais

Os solos corr espondem ao manto de alter ação das rochas por processos de intemper ismo.

Os solos corr espondem ao manto de alter ação das rochas por processos de intemper ismo. Os solos corr espondem ao manto de alter ação das rochas por processos de intemper ismo. Quanto a or igem os solos podem ser: ELUVIAIS Originado da alter ação da r ocha matriz situada abaixo dele. ALUVIAIS

Leia mais

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA Atividade de Ciências 5º ano Nome: ATIVIDADES DE ESTUDO Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA FLORESTA AMAZÔNICA FLORESTA ARAUCÁRIA MANGUEZAL PANTANAL CAATINGA CERRADO

Leia mais

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ - UNOCHAPECÓ INTEMPERISMO

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ - UNOCHAPECÓ INTEMPERISMO UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ - UNOCHAPECÓ INTEMPERISMO Prof. Carolina R. Duarte Maluche Baretta Chapecó (SC), Abril de 2013. Intemperismo? Definição: Intemperismo: alterações físicas e

Leia mais

Capítulo 10 ELEMENTOS SOBRE SOLOS

Capítulo 10 ELEMENTOS SOBRE SOLOS 1 - Conceitos: Capítulo 10 ELEMENTOS SOBRE SOLOS O solo deve ser considerado sob o aspecto de ente natural e, como tal é tratado pelas ciências que estudam a natureza, como a geologia, a pedologia e a

Leia mais

Domínios Morfoclimáticos

Domínios Morfoclimáticos Domínios Morfoclimáticos Os domínios morfoclimáticos representam a interação e a integração do clima, relevo e vegetação que resultam na formação de uma paisagem passível de ser individualizada. Domínios

Leia mais

Professora Dra. da Universidade Estadual de Maringá (UEM), campus regional de Umuarama; e-mail: vanilde@yahoo.com

Professora Dra. da Universidade Estadual de Maringá (UEM), campus regional de Umuarama; e-mail: vanilde@yahoo.com ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 IMPORTÂNCIA DA CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS NO SISTEMA BRASILEIRO E QUANTO A CAPACIDADE DE USO

Leia mais

CURSO: PPGA DISCIPLINA: MAPEAMENTO E CLASSIFICAÇÃO DO SOLO

CURSO: PPGA DISCIPLINA: MAPEAMENTO E CLASSIFICAÇÃO DO SOLO CURSO: PPGA DISCIPLINA: MAPEAMENTO E CLASSIFICAÇÃO DO SOLO Adaptado de Solos do Brasil (Benjamim Pereira Vilela e Selma Simões de Castro) PROF. RENATA SANTOS MOMOLI Eng. Agrônoma Dra. em Solos e Nutrição

Leia mais

PRINCIPAIS SOLOS DO LITORAL DO PARANÁ

PRINCIPAIS SOLOS DO LITORAL DO PARANÁ PRINCIPAIS SOLOS DO LITORAL DO PARANÁ Prof. Dr. Marcelo R. de Lima (UFPR-Curitiba) mrlima@ufpr.br Prof. M.Sc. Jaime B. dos Santos Junior (UFPA-Altamira) jaime@ufpa.br Os solos são formados pela interação

Leia mais

Fonte: Rondônia Rural Disponível em: Rondônia Rural.com

Fonte: Rondônia Rural Disponível em: Rondônia Rural.com I. INTRODUÇÃO O estado de Rondônia está localizado na região Norte do Brasil, a região Norte é a maior das cinco regiões do Brasil definidas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)

Leia mais

PROF. JEFERSON CARDOSO DE SOUZA

PROF. JEFERSON CARDOSO DE SOUZA PROF. JEFERSON CARDOSO DE SOUZA UFRGS 2012 São fatores limitantes dos biomas: Umidade: ausência ou excesso; Solo: tipo de nutrientes e tempo de intemperismo; Temperatura: Amplitude Térmica; Luz solar:

Leia mais

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS. Elaborado por: Aziz Ab Saber Contém as seguintes características: clima relevo Vegetação hidrografia solo fauna

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS. Elaborado por: Aziz Ab Saber Contém as seguintes características: clima relevo Vegetação hidrografia solo fauna DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Elaborado por: Aziz Ab Saber Contém as seguintes características: clima relevo Vegetação hidrografia solo fauna Domínio Amazônico Clima equatorial Solos relativamente pobres Relevo

Leia mais

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO Como pode cair no enem? (UNESP) Leia. Imagens de satélite comprovam aumento da cobertura florestal no Paraná O constante monitoramento nas áreas em recuperação do

Leia mais

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3.1. Localização O aproveitamento Hidrelétrico de Itumbiara, com potência instalada de 2080 MW, situa-se no rio Paranaíba, na divisa dos estados de Minas Gerais e Goiás,

Leia mais

Simpósio Brasileiro de Solos Arenosos. Características Gerais da Fertilidade dos Solos Arenosos no Brasil

Simpósio Brasileiro de Solos Arenosos. Características Gerais da Fertilidade dos Solos Arenosos no Brasil jose.ronaldo@embrapa.br www.embrapa.br/cnps Simpósio Brasileiro de Solos Arenosos Características Gerais da Fertilidade dos Solos Arenosos no Brasil Presidente Prudente 2014 José Ronaldo de Macedo Embrapa

Leia mais

Paisagens Climatobotânicas do Brasil

Paisagens Climatobotânicas do Brasil Paisagens Climatobotânicas do Brasil 1. (UEL-2012) Os domínios morfoclimáticos brasileiros são definidos a partir da combinação dos elementos da natureza, como os climáticos, botânicos, pedológicos, hidrológicos

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A BIOMAS BRASILEIROS 2011 Aula VII BRASIL E VARIABILIDADE FITOGEOGRÁFICA O Brasil possui um território de dimensões continentais com uma área de 8.547.403 quilômetros quadrados. 4.320

Leia mais

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BRASILEIROS

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BRASILEIROS O que você deve saber sobre DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BRASILEIROS Segundo o geógrafo Aziz Ab Sáber, um domínio morfoclimático é todo conjunto no qual haja interação entre formas de relevo, tipos de solo,

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

UMA ANÁLISE DAS CLASSIFICAÇÕES DE SOLO UTILIZADAS NO ENSINO FUNDAMENTAL. Marcelo Ricardo de Lima

UMA ANÁLISE DAS CLASSIFICAÇÕES DE SOLO UTILIZADAS NO ENSINO FUNDAMENTAL. Marcelo Ricardo de Lima Uma análise das classificações de solo utilizadas no ensino fundamental Projeto Solo na Escola - UFPR 1 UMA ANÁLISE DAS CLASSIFICAÇÕES DE SOLO UTILIZADAS NO ENSINO FUNDAMENTAL Marcelo Ricardo de Lima Professor

Leia mais

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25 Profº André Tomasini Localizado na Região Centro-Oeste. Campos inundados na estação das chuvas (verão) áreas de florestas equatorial e tropical. Nas áreas mais

Leia mais

Tarefa online 8º ANO

Tarefa online 8º ANO Tarefa online 8º ANO 1) Estabelecendo-se correlações entre a exploração florestal no Globo e as Zonas Climáticas, pode-se inferir que: 2) O Domínio morfoclimático das pradarias é uma área marcada: a) pelo

Leia mais

Reconhecer as diferenças

Reconhecer as diferenças A U A UL LA Reconhecer as diferenças Nesta aula, vamos aprender que os solos são o resultado mais imediato da integração dos processos físicos e biológicos na superfície da Terra. A formação e o desenvolvimento

Leia mais

do substrato gnáissico.

do substrato gnáissico. 55 6.2 - Descrição de eventos locais Informações obtidas em campo possibilitaram a descrição de eventos locais que permitem caracterizar situações práticas relacionadas aos processos erosivos. A presença

Leia mais

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral BIOMAS DO BRASIL Ecologia Geral Biomas do Brasil segundo classificação do IBGE Segundo a classificação do IBGE, são seis os biomas do Brasil: Mata Atlântica Cerrado Amazônia Caatinga Pantanal Pampa O

Leia mais

Fatores de formação do solo

Fatores de formação do solo Fatores de formação do solo Fatores de formação do solo Clima Organismos Relevo Solo Tempo Material de Origem Fatores de formação do solo: clima Temperatura, precipitação e deficiência e excedente hídrico

Leia mais

Os constituintes do solo

Os constituintes do solo Os constituintes do solo Os componentes do solo Constituintes minerais Materiais orgânicos Água Ar Fase sólida partículas minerais e materiais orgânicos Vazios ocupados por água e/ou ar Os componentes

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 3ª PROVA SUBSTITUTIVA DE GEOGRAFIA Aluno: Nº Série: 7º Turma: Data: Nota: Professor: Edvaldo Valor da Prova: 50 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 25 O PANTANAL, A MATA DE ARAUCÁRIAS E AS PRADARIAS

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 25 O PANTANAL, A MATA DE ARAUCÁRIAS E AS PRADARIAS GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 25 O PANTANAL, A MATA DE ARAUCÁRIAS E AS PRADARIAS Como pode cair no enem? (FUVEST) Estas fotos retratam alguns dos tipos de formação vegetal nativa encontrados no território

Leia mais

Biomas, Domínios e Ecossistemas

Biomas, Domínios e Ecossistemas Biomas, Domínios e Ecossistemas Bioma, domínio e ecossistema são termos ligados e utilizados ao mesmo tempo nas áreas da biologia, geografia e ecologia, mas, não significando em absoluto que sejam palavras

Leia mais

IMPLANTAÇÃO E MANEJO DE GRAMÍNEAS EM ESTRADAS E RODOVIAS 1. INTRODUÇÃO

IMPLANTAÇÃO E MANEJO DE GRAMÍNEAS EM ESTRADAS E RODOVIAS 1. INTRODUÇÃO IMPLANTAÇÃO E MANEJO DE GRAMÍNEAS EM ESTRADAS E RODOVIAS Carlos Henrique A. Affonso & Luiz Gustavo Bento de Freitas Eng. Agrônomos; Verdyol Hidrosemeadura Ltda; São Paulo SP. vhl@uol.com.br 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

3º BIMESTRE 2ª Avaliação Área de Ciências Humanas Aula 148 Revisão e avaliação de Humanas

3º BIMESTRE 2ª Avaliação Área de Ciências Humanas Aula 148 Revisão e avaliação de Humanas 3º BIMESTRE 2ª Avaliação Área de Ciências Humanas Aula 148 Revisão e avaliação de Humanas 2 Tipos de vegetação Vegetação é caracterizada como o conjunto de plantas de uma determinada região. Em razão da

Leia mais

A Mata Atlântica é uma formação vegetal brasileira. Acompanhava o litoral do país do Rio Grande do Sul ao Rio Grande do Norte (regiões meridional e

A Mata Atlântica é uma formação vegetal brasileira. Acompanhava o litoral do país do Rio Grande do Sul ao Rio Grande do Norte (regiões meridional e Mata Atlântica A Mata Atlântica (floresta pluvial costeira) está situada entre o R.N e o R.S. É um dos hotspots (O conceito dos Hotspots, criado em 1988 pelo Dr. Norman Myers, estabeleceu 10 áreas críticas

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

Universidade Federal do Paraná

Universidade Federal do Paraná * Universidade Federal do Paraná * *O que são Biomas? *Bioma é uma unidade biológica ou espaço geográfico caracterizado de acordo com o macroclima, a fitofisionomia (aspecto da vegetação de um lugar),

Leia mais

CURSO: PÓS GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA DISCIPLINA: CLASSIF. MAPEAMENTO DE SOLOS

CURSO: PÓS GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA DISCIPLINA: CLASSIF. MAPEAMENTO DE SOLOS CURSO: PÓS GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA DISCIPLINA: CLASSIF. MAPEAMENTO DE SOLOS PROF. RENATA SANTOS MOMOLI Eng. Agrônoma Dra. em Solos e Nutrição de Plantas PRINCÍPIOS BÁSICOS 1. Classificação Técnica: diferenciações

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 14

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 14 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 14 Cobertura Vegetal A localização espacial e a diversidade da vegetação estão sistematicamente integradas às especificidades do meio físico e a ação humana sobre o território

Leia mais

www.tiberioge.tibe o.c rioge om.br o.c A Ge G og o r g afi f a Le L va v da d a Sério

www.tiberioge.tibe o.c rioge om.br o.c A Ge G og o r g afi f a Le L va v da d a Sério 1 FLORESTA AMAZÔNICA 2 Características Localiza-se: Região Norte; parte do norte do Mato Grosso e Goiás; e parte oeste do Maranhão; O maior bioma brasileiro ocupa, praticamente, um terço da área do País.

Leia mais

QUI 116 Química do Meio Ambiente. Aula 1 Litosfera Parte 2

QUI 116 Química do Meio Ambiente. Aula 1 Litosfera Parte 2 Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) Instituto de Ciências Exatas Depto. de Química QUI 116 Química do Meio Ambiente Aula 1 Litosfera Parte 2 Prof. Julio C. J. Silva Juiz de For a, 2010 Solo O solo

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 1ª Ano Tema da aula: Dinâmica Climática e Formações Vegetais no Brasil Objetivo da aula: conhecer a diversidade

Leia mais

Mª Regina Menino Mª Amélia Castelo-Branco J. Casimiro Martins

Mª Regina Menino Mª Amélia Castelo-Branco J. Casimiro Martins Mª Regina Menino Mª Amélia Castelo-Branco J. Casimiro Martins ? O QUE É O SOLO? É um meio natural, limitado, que tem origem na desagregação do material originário ou rocha-mãe, através de um processo designado

Leia mais

BIOENGENHARIA DE SOLOS ENGENHARIA NATURAL AULA 2 PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DO SOLO

BIOENGENHARIA DE SOLOS ENGENHARIA NATURAL AULA 2 PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DO SOLO BIOENGENHARIA DE SOLOS ENGENHARIA NATURAL AULA 2 PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DO SOLO IGOR PINHEIRO DA ROCHA ENGENHEIRO FLORESTAL, M.Sc. AS FASES DO SOLO Fase sólida (Matriz do solo) Material mineral

Leia mais

DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA

DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA Por: Julio Franchini Área: Manejo do Solo Julio Franchini possui graduação em Agronomia pela Universidade Estadual

Leia mais

Definição. Unidade Territorial com características naturais bem. Por essa razão, muitas vezes o termo é usado

Definição. Unidade Territorial com características naturais bem. Por essa razão, muitas vezes o termo é usado Definição Compreende-se como sendo uma Unidade Territorial com características naturais bem marcantes e que o individualizam. Por essa razão, muitas vezes o termo é usado como sinônimo para identificar

Leia mais

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 1º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor: Bruno Matias Telles 1ª RECUPERAÇÃO AUTÔNOMA ROTEIRO DE ESTUDO - QUESTÕES

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 1º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor: Bruno Matias Telles 1ª RECUPERAÇÃO AUTÔNOMA ROTEIRO DE ESTUDO - QUESTÕES COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 1º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor: Bruno Matias Telles 1ª RECUPERAÇÃO AUTÔNOMA ROTEIRO DE ESTUDO - QUESTÕES Estudante: Turma: Data: / / QUESTÃO 1 Fonte: .

Leia mais

UNIPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos GRANDES CULTURAS II CULTURA DO CAFEEIRO CLIMA E SOLOS. Profª Fernanda Basso

UNIPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos GRANDES CULTURAS II CULTURA DO CAFEEIRO CLIMA E SOLOS. Profª Fernanda Basso UNIPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos GRANDES CULTURAS II CULTURA DO CAFEEIRO CLIMA E SOLOS Profª Fernanda Basso FATORES CLIMÁTICOS IMPORTANTES Temperatura Precipitação Luminosidade Crescimento e

Leia mais

Capítulo 07. Distribuição dos Ecossistemas

Capítulo 07. Distribuição dos Ecossistemas Capítulo 07 Distribuição dos Ecossistemas A terra possui regiões que apresentam características próprias, onde cada uma desenvolve sua flora e fauna típica, sejam elas aquáticas ou terrestres, vindo a

Leia mais

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia Bioma Conjunto de vida, vegetal e animal, constituído pelo agrupamento de tipos de vegetação, condições

Leia mais

Sistemas de manejo do solo

Sistemas de manejo do solo Sistemas de manejo do solo Introdução Uso e preparo do solo O arado. Evolução dos conhecimentos de uso e manejo do solo. O Ecossistema tropical Temperatura elevada e solos muito imteperizados 1 Sistemas

Leia mais

Composição e Morfologia de Solos Prof. Fernando Ximenes T. Salomão. UFMT- Cuiabá 2010

Composição e Morfologia de Solos Prof. Fernando Ximenes T. Salomão. UFMT- Cuiabá 2010 Composição e Morfologia de Solos Prof. Fernando Ximenes T. Salomão UFMT- Cuiabá 2010 1 Solo: Composição do solo Minerais Matéria Orgânica ar Água 2 Distribuição volumétrica dos constituintes de dois solos

Leia mais

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.:

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= TEMPO ATMOSFÉRICO

Leia mais

O MEIO TERRESTRE. Profa. Sueli Bettine

O MEIO TERRESTRE. Profa. Sueli Bettine O MEIO TERRESTRE COMPOSIÇÃO E FORMAÇÃO Profa. Sueli Bettine O SOLO E SUA ORIGEM SUPERFÍCIE SÓLIDA S DA TERRA E ELEMENTO DE FIXAÇÃO DE PLANTAS ORIGEM DESAGREGAÇÃO DE ROCHAS E DECOMPOSIÇÃO DE ANIMAIS E VEGETAIS

Leia mais

Causas humanas Prejuízos ao ser humano Formas de evitar

Causas humanas Prejuízos ao ser humano Formas de evitar EROSÃO A erosão é um processo de deslocamento de terra ou de rochas de uma superfície. A erosão pode ocorrer por ação de fenômenos da natureza ou do ser humano. Causas naturais No que se refere às ações

Leia mais

Revisão de geologia e Pedogênese

Revisão de geologia e Pedogênese Revisão de geologia e Pedogênese Ricardo Gonçalves de Castro 1 Minerais Mineral é um sólido homogêneo, com composição química definida, podendo variar dentro de intervalos restritos, formados por processos

Leia mais

O que você deve saber sobre BIOMAS MUNDIAIS

O que você deve saber sobre BIOMAS MUNDIAIS O que você deve saber sobre Elementos do clima, como temperatura e umidade, interferem na formação de diferentes ecossistemas, e em cada um deles há um equilíbrio dinâmico. As regiões polares - Tundra

Leia mais

EFEITO DE SISTEMAS DE CULTIVO E MANEJO NA CONSERVAÇÃO DO SOLO E PRODUTIVIDADE DAS CULTURAS PARA AGRICULTURA DE SEQUEIRO

EFEITO DE SISTEMAS DE CULTIVO E MANEJO NA CONSERVAÇÃO DO SOLO E PRODUTIVIDADE DAS CULTURAS PARA AGRICULTURA DE SEQUEIRO EFEITO DE SISTEMAS DE CULTIVO E MANEJO NA CONSERVAÇÃO DO SOLO E PRODUTIVIDADE DAS CULTURAS PARA AGRICULTURA DE SEQUEIRO Nielson Gonçalves Chagas, João Tavares Nascimento, Ivandro de França da Silva & Napoleão

Leia mais

AULAS DE RECUPERAÇÃO FINAL 7º ANO: AULAS 6, 7, 20, 27, 34 e 35,36 e 37 E 53.

AULAS DE RECUPERAÇÃO FINAL 7º ANO: AULAS 6, 7, 20, 27, 34 e 35,36 e 37 E 53. AULAS DE RECUPERAÇÃO FINAL 7º ANO: AULAS 6, 7, 20, 27, 34 e 35,36 e 37 E 53. AULAS 6 e 7: O RELEVO BRASILEIRO PLANALTOS BRASILEIROS: Muito desgastados, antigos, conhecidos também como cinturões orogênicos

Leia mais

FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA. DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber. Ipê Amarelo

FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA. DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber. Ipê Amarelo FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber Ipê Amarelo Fatores que influenciam na distribuição das formações vegetais: Clima 1. Temperatura; 2. Umidade; 3. Massas de ar; 4. Incidência

Leia mais

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO Estrada da Água Branca, 2551 Realengo RJ Tel: (21) 3462-7520 www.colegiomr.com.br PROFESSOR ALUNO ANA CAROLINA DISCIPLINA GEOGRAFIA A TURMA SIMULADO: P3 501 Questão

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Embrapa Arroz e Feijão. Documentos 258

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Embrapa Arroz e Feijão. Documentos 258 ISSN 1678-9644 Dezembro, 2010 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Documentos 258 Descrição Morfológica de Perfis de Solos

Leia mais

D) As planícies brasileiras terminam, na sua grande maioria, em frentes de cuestas nome que se dá às áreas planas das praias.

D) As planícies brasileiras terminam, na sua grande maioria, em frentes de cuestas nome que se dá às áreas planas das praias. 01 - (UDESC 2008) Para classificar o relevo, deve-se considerar a atuação conjunta de todos fatores analisados a influência interna, representada pelo tectonismo, e a atuação do clima, nos diferentes tipos

Leia mais

A BIOSFERA DO BRASIL (I) AULAS 34 E 35

A BIOSFERA DO BRASIL (I) AULAS 34 E 35 A BIOSFERA DO BRASIL (I) AULAS 34 E 35 OS BIOMAS DO BRASIL: (Aziz Ab Saber) O que se leva em consideração nesses domínios morfoclimáticos? Clima. Relevo. Solo. Vegetação. Vida. História da Terra e da ocupação

Leia mais

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO O laudo (Figura 1) indica os valores determinados no laboratório para cada camada do perfil do solo, servindo de parâmetros para direcionamento de métodos corretivos. Figura

Leia mais

Terminologia Vegetal Aciculifoliadas folhas em forma de agulha; Latifoliadas folhas largas e grandes; Perenes nunca perdem as folhas por completo; Caducas (decíduas) perdem as folhas antes de secas ou

Leia mais

ANEXO 3. Imagens das Unidades de Relevo e Terreno do Parque Estadual da Cantareira. Anexo 3 Imagens das Unidades de Terreno e Relevo do PEC 1

ANEXO 3. Imagens das Unidades de Relevo e Terreno do Parque Estadual da Cantareira. Anexo 3 Imagens das Unidades de Terreno e Relevo do PEC 1 ANEXO 3 Imagens das Unidades de Relevo e Terreno do Parque Estadual da Cantareira Anexo 3 Imagens das Unidades de Terreno e Relevo do PEC 1 2 Anexo 3 Imagens das Unidades de Relevo e Terreno do PEC Foto

Leia mais

Distinguir os conjuntos

Distinguir os conjuntos A UU L AL A Distinguir os conjuntos Nesta aula, vamos acompanhar como os geógrafos distinguem conjuntos espaciais diferenciados na superfície da Terra. Vamos verificar que tais conjuntos resultam de diferentes

Leia mais

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BIOMAS BRASILEIROS

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BIOMAS BRASILEIROS DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BIOMAS BRASILEIROS Creative Commons/Nao Iizuka Bioma Amazônia ou Domínio Amazônico Heterogêneo Perene Denso Ombrófila Três estratos Influenciado pelo relevo e hidrografia Bacia

Leia mais

Conservação, preparo de solo e plantio de eucalipto

Conservação, preparo de solo e plantio de eucalipto Conservação, preparo de solo e plantio de eucalipto José Henrique T. Rocha José Henrique Bazani Eduardo S. A. C. Melo José Leonardo de Moraes Gonçalves Departamento de Ciências Florestais ESALQ - USP Conceitos:

Leia mais

LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA MATA CILIAR. Áreas de Preservação Permanente RESERVA LEGAL

LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA MATA CILIAR. Áreas de Preservação Permanente RESERVA LEGAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE MEDICINA VETERINÁRIA DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO ANIMAL ESPECIALIZAÇÃO EM PRODUÇÃO DE BOVINOS FORMAÇÃO E MANEJO DE PASTAGENS (IMPLANTAÇÃO DE PASTAGENS) EDGAR FRAGA

Leia mais

ÁGUA NO SOLO. Geografia das Águas Continentais. Profª Rosângela Leal

ÁGUA NO SOLO. Geografia das Águas Continentais. Profª Rosângela Leal ÁGUA NO SOLO Geografia das Águas Continentais Profª Rosângela Leal A ÁGUA E O SOLO Os solos são constituídos de elementos figurados, água e ar. Os elementos figurados são contituídos partículas minerais

Leia mais

RESPOSTA D LISTA DE EXERCÍCIOS. 1) Analise o diagrama e as afirmativas a seguir.

RESPOSTA D LISTA DE EXERCÍCIOS. 1) Analise o diagrama e as afirmativas a seguir. 1) Analise o diagrama e as afirmativas a seguir. LISTA DE EXERCÍCIOS I) A partir de critérios geomorfológicos, os planaltos corrrespondem às regiões do relevo onde predomina o processo erosivo; neste compartimento

Leia mais

MÉTODOS DE PROTEÇÃO CONTRA GEADAS EM CAFEZAIS EM FORMAÇÃO

MÉTODOS DE PROTEÇÃO CONTRA GEADAS EM CAFEZAIS EM FORMAÇÃO MÉTODOS DE PROTEÇÃO CONTRA GEADAS EM CAFEZAIS EM FORMAÇÃO Paulo Henrique Caramori, Armando Androcioli Filho, Francisco Carneiro Filho, Dalziza de Oliveira, Heverly Morais, Alex Carneiro Leal e Jonas Galdino.

Leia mais

AULA 12: O SOLO E O SEU MANEJO

AULA 12: O SOLO E O SEU MANEJO AULA 12: O SOLO E O SEU MANEJO NESTA AULA SERÁ ABORDADO Importância do planejamento Planejamento do sistema orgânico Capacidade de uso dos solos Como fazer o manejo e a conservação dos solos uma propriedade.

Leia mais

2.Óxidos!!! Óxidos Modelo Simples 16/08/2012. Óxidos de ferro Modelo Simples Hematita, Goethita

2.Óxidos!!! Óxidos Modelo Simples 16/08/2012. Óxidos de ferro Modelo Simples Hematita, Goethita 2.Óxidos!!! Geralmente são mais abundantes à medida em que o solo fica mais intemperizado (lembrese do índice ki calculado na aula prática); Além de CTC, podem desenvolver cargas positivas (CTA), que quando

Leia mais

FCHA DE TRABALHO /TRABALHO DE CAMPO / TRABALHO EXPERIMENTAL Aluno: Ano: Turma:

FCHA DE TRABALHO /TRABALHO DE CAMPO / TRABALHO EXPERIMENTAL Aluno: Ano: Turma: FCHA DE TRABALHO /TRABALHO DE CAMPO / TRABALHO EXPERIMENTAL Aluno: Ano: Turma: O quê Objetivos Onde Analisa o solo da tua região Como se formam e são constituídos os solos Compreender como se formam os

Leia mais

BIOMAS DO BRASIL UM MOSAICO DE PAISAGENS

BIOMAS DO BRASIL UM MOSAICO DE PAISAGENS BIOMAS DO BRASIL UM MOSAICO DE PAISAGENS Principais Biomas Os biomas diferem quanto à fisionomia, estrutura, e fatores ambientais relacionados ao clima, como temperatura, quantidade e distribuição das

Leia mais

Quanto à sua origem, podemos considerar três tipos básicos de rochas:

Quanto à sua origem, podemos considerar três tipos básicos de rochas: O que são rochas? Usamos rochas para tantos fins em nosso dia-a-dia sem nos preocupar com sua origem que esses materiais parecem ter sempre existido na natureza para atender as necessidades da humanidade.

Leia mais

Matéria Orgânica do solo (m.o.s)

Matéria Orgânica do solo (m.o.s) Matéria Orgânica do solo (m.o.s) Objetivos Proporcionar conhecimentos básicos sobre a origem e dinâmica da m.o. do solo; Conhecer suas características e propriedades; Discutir como algumas propriedades

Leia mais

AULA 1 EROSÃO HÍDRICA E EÓLICA PARTE 2. Profᵃ. Drᵃ. Carolina Riviera Duarte Maluche Barettta carolmaluche@unochapeco.edu.br

AULA 1 EROSÃO HÍDRICA E EÓLICA PARTE 2. Profᵃ. Drᵃ. Carolina Riviera Duarte Maluche Barettta carolmaluche@unochapeco.edu.br AULA 1 EROSÃO HÍDRICA E EÓLICA PARTE 2 Profᵃ. Drᵃ. Carolina Riviera Duarte Maluche Barettta carolmaluche@unochapeco.edu.br EROSÃO HÍDRICA E EÓLICA EROSÃO HÍDRICA FATOR TOPOGRAFIA O relevo do solo exerce

Leia mais

VEGETAÇÃO. Página 1 com Prof. Giba

VEGETAÇÃO. Página 1 com Prof. Giba VEGETAÇÃO As formações vegetais são tipos de vegetação, facilmente identificáveis, que dominam extensas áreas. É o elemento mais evidente na classificação dos ecossistemas e biomas, o que torna importante

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A BIOMAS DO MUNDO SAVANAS E DESERTOS 2011 Aula VI AS PRINCIPAIS FORMAÇÕES VEGETAIS DO PLANETA SAVANAS As savanas podem ser encontradas na África, América do Sul e Austrália sendo

Leia mais

Caatinga. Clima: Semi-árido. Solo: Raso e pobre em matéria orgânica e rico em sais minerais. Vegetação: Arbustiva, com cactáceas

Caatinga. Clima: Semi-árido. Solo: Raso e pobre em matéria orgânica e rico em sais minerais. Vegetação: Arbustiva, com cactáceas Caatinga Clima: Semi-árido. Solo: Raso e pobre em matéria orgânica e rico em sais minerais. Vegetação: Arbustiva, com cactáceas ceas ou xerófitas (plantas adaptadas a ambientes secos). Caatinga As espécies

Leia mais

Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura. de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães

Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura. de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura Júlio César C de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães Sumário 1. História do café no Brasil 2. Conceitos e legislação

Leia mais

A interdependência entre os elementos na BIOSFERA.

A interdependência entre os elementos na BIOSFERA. A interdependência entre os elementos na BIOSFERA. A biosfera contém inúmeros ecossistemas (conjunto formado pelos animais e vegetais em harmonia com os outros elementos naturais). Biomas: conjuntos dinâmicos

Leia mais

Caracterização dos Solos

Caracterização dos Solos Mecânica dos Solos Caracterização dos Solos Prof. Fernando A. M. Marinho Exemplos de obras de Engenharia Geotécnica Talude Natural Talude de corte Barragem de terra Aterro de estradas Construções em solos

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 O território brasileiro e suas regiões.( 7º ano) *Brasil é dividido em 26 estados e um Distrito Federal (DF), organizados em regiões. * As divisões

Leia mais

CLIMAS E FORMAÇÕES VEGETAIS DO BRASIL

CLIMAS E FORMAÇÕES VEGETAIS DO BRASIL CLIMAS E FORMAÇÕES VEGETAIS DO BRASIL CLIMA BRASILEIRO O extenso território brasileiro, a diversidade de formas de relevo, a altitude e dinâmica das correntes e massas de ar, possibilitam uma grande diversidade

Leia mais

Climas e Formações Vegetais no Mundo. Capítulo 8

Climas e Formações Vegetais no Mundo. Capítulo 8 Climas e Formações Vegetais no Mundo Capítulo 8 Formações Vegetais Desenvolvem-se de acordo com o tipo de clima, relevo, e solo do local onde se situam.de todos estes, o clima é o que mais se destaca.

Leia mais

Conjunto de ecossistemas caracterizados por tipos fisionômicos vegetais comuns.

Conjunto de ecossistemas caracterizados por tipos fisionômicos vegetais comuns. OS BIOMAS BIOMAS Conjunto de ecossistemas caracterizados por tipos fisionômicos vegetais comuns. ECOSSISTEMA Comunidade de organismos (biocenose) junto com o ambiente físico e químico (biótopo) no qual

Leia mais

Os Domínios Morfoclimáticos do Brasil

Os Domínios Morfoclimáticos do Brasil Os Domínios Morfoclimáticos do Brasil A classificação morfoclimática reúne grandes combinações de fatos geomorfológicos, climáticas, hidrológicos, pedológicos e botânicos que por sua relativa homogeinidade,

Leia mais

A origem, evolução e diversidade da vegetação do Bioma Cerrado. Vânia R. Pivello Dept. Ecologia - IB/USP

A origem, evolução e diversidade da vegetação do Bioma Cerrado. Vânia R. Pivello Dept. Ecologia - IB/USP A origem, evolução e diversidade da vegetação do Bioma Cerrado Vânia R. Pivello Dept. Ecologia - IB/USP Sumário Conceituação, definições Classificações da vegetação do Cerrado Condições ambientais Origem

Leia mais

PLANTIO DIRETO. Definição JFMELO / AGRUFBA 1

PLANTIO DIRETO. Definição JFMELO / AGRUFBA 1 Definição JFMELO / AGRUFBA 1 INFLUÊNCIAS NO SOLO Matéria orgânica Estabilidade dos agregados e infiltração JFMELO / AGRUFBA 2 INFLUÊNCIAS NO SOLO Temperatura do solo JFMELO / AGRUFBA 3 INFLUÊNCIAS NO SOLO

Leia mais

REVISÃO UDESC GAIA GEOGRAFIA GEOGRAFIA FÍSICA PROF. GROTH

REVISÃO UDESC GAIA GEOGRAFIA GEOGRAFIA FÍSICA PROF. GROTH REVISÃO UDESC GAIA GEOGRAFIA GEOGRAFIA FÍSICA PROF. GROTH 01. (UDESC_2011_2) Segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), existem no Brasil oito Bacias Hidrográficas. Assinale a alternativa

Leia mais

Formação das Rochas. 2.Rochas sedimentares: formadas pela deposição de detritos de outras rochas,

Formação das Rochas. 2.Rochas sedimentares: formadas pela deposição de detritos de outras rochas, Relevo Brasileiro 1.Rochas magmáticas ou ígneas, formadas pela solidificação do magma.podem ser intrusivas formadas dentro da crosta terrestre ou extrusivas na superfície. Formação das Rochas 2.Rochas

Leia mais

ANEXO AULA 12: CONSERVAÇÃO DO SOLO NA AGROECOLOGIA

ANEXO AULA 12: CONSERVAÇÃO DO SOLO NA AGROECOLOGIA ANEXO AULA 12: CONSERVAÇÃO DO SOLO NA AGROECOLOGIA NESTA AULA SERÁ ABORDADO Importância de conservar o solo e sua influência sobre as plantas As formas e métodos de conservação do terreno Como combater

Leia mais

EVZ/UFG GESTÃO E PLANEJAMENTO AMBIENTAL Impactos Ambientais III

EVZ/UFG GESTÃO E PLANEJAMENTO AMBIENTAL Impactos Ambientais III EVZ/UFG GESTÃO E PLANEJAMENTO AMBIENTAL Impactos Ambientais III COMPACTAÇÃO DE SOLOS Selma Simões de Castro 2012-2 Conceitos COMPACTAÇÃO 1. Compressão do solo não saturado durante a qual há aumento de

Leia mais