UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIR NÚCLEO DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM BR 364 km 9,5 Sentido Rio Branco Porto Velho, Rondônia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIR NÚCLEO DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM BR 364 km 9,5 Sentido Rio Branco Porto Velho, Rondônia"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIR NÚCLEO DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM BR 64 km 9,5 Sentido Rio Branco Porto Velho, Rondônia CASOS DE VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES NOTIFICADOS NA DPCA DE OUTUBRO À DEZEMBRO DE DELFINO RK 2, MIRANDA MIF,ANDRADE RN 2,VASCONCELOS DMP 2,SOUSA KC 2 RESUMO: O fenômeno da violência contra crianças e adolescentes materializa-se através de várias formas, ou seja, violência física, psicológica, negligência e principalmente o abuso e a exploração sexual. Estes últimos são o foco deste trabalho o qual busca descrever o contexto da violência sexual contra crianças e adolescentes, bem como conhecer o perfil do agressor e da vítima. A pesquisa é de caráter quantitativo, cuja fonte de dados foram os Boletins de Ocorrências Policiais (BOP) registrados durante o último trimestre de 2008 na Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA), além de uma revisão de literatura delimitando os temas em bancos de dados indexados (Bireme e Scielo). A análise das variáveis foi realizada através do programa Microsoft Office Excel 2007, o que possibilitou a reflexão de algumas das facetas da violência sexual. Os dados revelam que 87,6% são vitimas do sexo feminino, sendo que 85% dos agressores são do sexo masculino, paralelamente as maiores ocorrências de vítimas estão na faixa etária entre 12 a 18 anos, enquanto que 44,8% não informam a relação do agressor com vitima, já a distribuição por zona de moradia do agressor/vítima prevalece à zona leste, entretanto, observou-se que todas as zonas do município foram apontadas. Diante desta análise percebeu-se que os cuidadores são os mesmos que abusam e que as ações de prevenção e proteção pouco tem se traduzido em resultados efetivos. PALAVRAS-CHAVE: Violência sexual, Criança e Adolescente.

2 ABSTRACT: The phenomenon of violence against children and teenagers take place in different ways: physical violence, psychological pressure, negligence and especially through the sexual abuse and exploration. The last two ways are the main subject covered by this work, which aims to evaluate the context of sexual violence against children and teenagers as well as to characterize the aggressor and victim profiles. The research is quantitative in nature, whose source of data were the bulletins of Events Police (BOP) recorded during the last quarter of 2008 in the Police Station for the Protection of Children and Adolescents (CAPD), a literature review themes in delimiting data banks indexed (Bireme and Scielo).The data analysis of variables was done through the software MS Office Excel 2007, allowing us to figure out the different shapes of the violence, especially the sexual violence. The data show that 87.6% of victims are female, while 85% of perpetrators are male, alongside the largest events of victims are aged between 12 to 18 years, while 44.8% did not inform the relationship of victim to offender, because the distribution by area of residence of the offender/victim prevails to the east, however, noted that all areas of the city were identified. In this analysis found that the caregivers are those who abuse and the actions of prevention and protection has just been translated into effective results. KEY WORDS: Sexual violence, Child and Teenager.

3 INTRODUÇÃO A violência é considerada por Souza 1 como um fenômeno complexo e de difícil conceituação e pode ser entendida como todo evento representado por relações, ações, negligências e omissões realizadas por indivíduos, grupos, classes e nações que ocasionam danos físicos, emocionais, morais e/ou espirituais a outrem. Da mesma maneira é reforçado por Azevedo & Guerra 2 que a violência ocorre em uma relação assimétrica de poder, e caracteriza-se pela existência de um sujeito agressor em condições superiores (idade, força, posição social ou econômica, inteligência, autoridade), que comete um dano físico, psicológico e/ou sexual, contrariamente à vontade da vítima ou por consentimento obtido a partir de indução, sedução enganosa, intimidação, coerção, chantagem, suborno, manipulação, ameaça ou qualquer outro mecanismo que anule ou limite a vontade pessoal. Esse fenômeno não é recente e exclusivo do mundo contemporâneo. A história mostra exemplos de violência cometida contra os diferentes, como negros, mulheres, crianças, adolescentes, idosos e outros. Esta diferença ao ser traduzida em desigualdade tem propiciado e justificado as situações de violência que foram e ainda são perpetradas pelo ser humano, reforçando a discussão de que as raízes da violência se encontram nas estruturas sociais, econômicas e políticas e na própria consciência individual. Neste contexto histórico-social perpetuou-se atrocidades no comportamento das pessoas, dentro da relação abuso-vitimização, de forma que se sedimentou a violência 4. É dentro deste cenário que crianças e adolescentes são muitas vezes educados. Freqüentemente inseridos em atividades de trabalho intenso, a criança foi por muito tempo, considerada uma miniatura mais frágil e menos inteligente do que o adulto 5. No Brasil, considera-se violência contra criança, quando esta se encontra na faixa etária dentre doze anos incompletos, e adolescente entre doze e dezoito anos de idade, conforme previsto na Lei de 1 de Julho de 1990, que dispõe sobre todos os direitos das crianças e dos adolescentes no Estatuto da Criança e Adolescente (ECA), mas que ainda não está efetivada nas práticas dos equipamentos públicos e privados que prestam assistência a esta parcela da população 6.

4 Em diversos países do mundo, assim como no Brasil, a violência sexual constitui um sério problema de saúde pública por ser uma das principais causas de morbimortalidade 7. Estudos indicam que dos 62 milhões de menores de 18 anos de idade, cerca de 155 mil são vítimas deste tipo de violência, embora somente 25% dos casos de abuso sexual dentro da família sejam denunciados aos órgãos competentes 8. Apesar dos números acima expostos, não há dados precisos a respeito de crimes sexuais. Estima-se que os registros dos órgãos oficiais correspondam a cerca de 10 a 20% dos casos que realmente acontecem. Outros estudos 8 revelam ainda que a violência sexual é comum, porém ressaltam que há uma relativa invisibilidade deste tipo de violência nas denúncias apresentadas aos órgãos especializados. Uma possível explicação para esta situação pode ser atribuída às barreiras sócio-culturais presentes na vida destes jovens e de suas famílias que dificultam a elaboração e o compartilhamento de suas vivências 9. Aliada a estas barreiras, a atuação do serviço de saúde ainda é extremamente limitada. Deve-se acrescer que o abuso sexual exige da equipe multidisciplinar conhecimentos apropriados de medicina legal e sexologia forense. A vítima necessita de acolhimento 10, fator fundamental para a humanização da assistência à saúde e essencial para que se estabeleça um relacionamento adequado entre o profissional e usuário 11. Exemplos desta humanização na assistência são demonstrados nos Estados Unidos e Canadá, no programa Sexual Assault Nurse Examiners (SANE - Enfermeiras Examinadoras de Agressão Sexual), no qual a enfermeira é especialista na realização do exame forense em crianças e adultos, e têm mostrado eficientes resultados em reduzir o trauma decorrente da agressão sexual na avaliação e tratamento às vítimas deste tipo de violência 12. A carência de estudos e pesquisas sobre violência contra crianças e adolescentes é uma barreira que tem dificultado a implementação de ações e medidas efetivas contra a violência, em nosso País e conseqüentemente no Município de Porto Velho/RO. Mediante a esta deficiência, propomos o presente estudo a fim de levantar dados que possam ser utilizados como subsídios para a identificação e desenvolvimento de uma assistência singular aos usuários vítimas deste tipo de violência. Partindo deste pressuposto este trabalho tem como objetivo descrever o contexto de violência sexual contra crianças e adolescentes no período de outubro a dezembro de 2008,

5 atendidas pela Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA) no município de Porto Velho RO, identificar a sua incidência e conhecer o perfil das vítimas e agressores. Acredita-se que após a construção de um diagnóstico sobre tal problemática ficarão pontuados subsídios para auxiliar no planejamento das ações de proteção e promoção da saúde, além de contribuir para a elaboração de programas preventivos e formulação de políticas públicas, que atendam as reais necessidades de crianças e adolescentes em todos os níveis de complexidade. MÉTODOS Na elaboração do presente estudo, realizou-se uma revisão de literatura sistematizada, nas bases de dados do Centro Latino Americano e do Caribe de Informações em Ciências da Saúde (Bireme) e Scientific Eletronic Library Online (SCIELO), procurando descrever o contexto da violência sexual. A pesquisa foi desenvolvida a partir de material constituído por sessenta trabalhos científicos publicados durante o período de 1978 a 2009, sendo que destes foram selecionados vinte e sete trabalhos que abordavam a referente temática. Também foi realizada pesquisa de campo a partir da análise de 600 Boletins de Ocorrências Policiais (BOP) da DPCA do município de Porto Velho - RO referente ao último trimestre de 2008, dos quais foram utilizados na pesquisa 87 boletins. A investigação proposta caracteriza-se como um estudo exploratório descritivo com abordagem quantitativa, cuja metodologia aplicada nos direciona a avaliar o contexto e alguns aspectos sobre violência sexual por meio de pesquisa de campo a partir da análise dos Boletins de Ocorrências Policiais (BOP) da DPCA do município de Porto Velho - RO que foram registradas durante o último trimestre de Como critérios de inclusão foram consideradas publicações relacionadas à violência sexual, enquanto que para a sistematização dos Boletins de Ocorrência Policial foram selecionadas as ocorrências intituladas com nome de: Comunicação, Atentado Violento ao Pudor, Abuso Sexual e Aliciamento. Ressalta-se que a escolha dessas ocorrências deve-se à necessidade de identificação da violência sexual a partir da leitura da história relatada pelo

6 comunicante, tendo em vista que não há um protocolo de notificação deste tipo de violência. Para busca bibliográfica foram utilizadas as seguintes palavras - chave: violência sexual, abuso, criança e adolescente. Após uma primeira investigação em outros órgãos competentes, optou-se por coletar os dados na DPCA, pois de acordo com a rede de captação de dados relativos à violência sexual, esta unidade é referência no Município. O instrumento metodológico para coleta das informações foi o mapa censitário sobre Violência Sexual de Gil 1, previamente testado para este tipo de estudo. Para levantamento das notificações de abuso sexual registradas na DPCA no período de outubro a dezembro de 2008 foram contempladas no instrumento metodológico as seguintes variáveis: A) Agressor A1. Vínculo com a vítima, A2. Sexo e A. Bairro e com relação a B) Vítima B1. Sexo, B2. Idade e B. Bairro. No entanto, ressalta-se que o número pequeno de variáveis investigadas devem-se ao fato do BOP não ser preenchido na íntegra e/ou não possuir em sua estrutura outras variáveis. Após a coleta, os dados foram digitados e trabalhados dentro do programa Microsoft Office Excel 2007 analisando a freqüência e associação das variáveis investigadas. RESULTADOS E DISCUSSÃO Em levantamento realizado nos Boletins de Ocorrência Policial no período de outubro a dezembro 2008 na Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente de Porto Velho RO foram obtidos dados que propiciaram uma análise da incidência de violência sexual e o perfil do agressor e da vítima.

7 Sexo Agressor % Vítima % Masculino ,6 Feminino ,6 Não Informado ,89 Total Fonte: Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente - DPCA de Porto Velho-RO, de 01 de Outubro à 1 de Dezembro de Tabela 1 - Distribuição do número de casos de violência sexual registrados segundo sexo do agressor e da vítima. Porto Velho/RO outubro a dezembro de 2008 Na distribuição dos registros analisados observa-se uma maior incidência de agressores do sexo masculino quando comparado ao sexo feminino. Antagonicamente, um maior número de vítimas de abuso sexual são do sexo feminino enquanto que observa-se uma pequena parcela de meninos abusados sexualmente. Paralelamente a esta análise a tabela 1 demonstra uma variação significativa entre o número total de agressores com a ocorrência de 90 casos, enquanto que o número total de vítimas 112 perpassa o número de agressores. Este dado corrobora com o fato do mesmo agressor violentar várias vítimas, aliado à não existência de uma ficha de notificação no serviço, que separe casos novos de violência sexual dos de revitimização. Segundo Ribeiro et al 14, afirmam que não é apenas o desejo sexual o fator proeminente na motivação dos agressores sexuais, mas também o gênero, pois crianças e adolescentes fazem parte da categoria dominada e sujeita ao poder exercido pelo mais velho sobre o mais novo e do masculino sobre o feminino. Dessa forma, crianças e adolescentes como seres em desenvolvimento, psicológico e moralmente imaturos, não conseguem resistir a um familiar adulto que lhes impõe sua autoridade transformando-os em objetos sexuais. É nesse contexto, conforme, Faleiros & Faleiros 15 que subsiste a violência sexual de adultos contra crianças e adolescentes, onde o autoritarismo, o machismo e os

8 preconceitos se articulam com as condições de vida das famílias e as questões de poder se manifestam nas relações afetivas e na sexualidade. Fonte: Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente - DPCA de Porto Velho-RO, de 01 de Outubro a 1 de Dezembro de Gráfico 1 - Distribuição do número de casos de violência sexual registrados segundo faixa etária da vítima. Porto Velho/RO outubro a dezembro de 2008 A maior incidência de abuso sexual, conforme gráfico 1 está presente na faixa etária de 12 a 17 anos, seguida das faixas de 2 a 6 anos e de 7 a 11 anos o que corrobora as explicações biológicas, ou seja, a fase de transição entre a infância e a vida adulta, onde há a retomada dos impulsos sexuais e o adolescente passa a buscar em pessoas fora do grupo familiar um objeto de amor. Este é um período de maior vulnerabilidade e resiliência que predispõe à prostituição, preconceitos, estereótipos, repressões, medos e dúvidas em relação ao exercício da sexualidade, uso ou recusa do preservativo em relações sexuais; valores e possíveis tabus e experiências negativas em torno de práticas de masturbação, ejaculação, menstruação, namoro, homossexualidade/bissexualidade, entre outros. Apesar destes dados, a literatura indica a faixa de 4 a 12 anos como a mais representativa para este tipo de abuso quando se analisa a ocorrência de vários tipos de violências contra a crianças e adolescentes 16. Nesta faixa etária, balas, pipocas, videogames, computadores e dinheiro são meios que facilitam a aproximação entre agressor e vítima, fato

9 comprobatório é a recente reportagem sobre os casos de pedofilia na cidade de Catanduva/SP 17,18. Na fase de latência, de 6 a 11 anos de idade aproximadamente, a criança passa a deslocar a libido da sexualidade para as atividades socialmente aceitas, o que infere menor incidência de abusos sexuais nesta faixa etária conforme o gráfico 1. 44,8% 16,09% 4,60% Amigo Avô 5,75% Mãe 2,0% Namorado Nora Padrasto 1,15% 11,49% Pai Primo Tia(o) 2,0% 2,0% 2,0% 6,89% Vizinho Não Informado Fonte: Delegacia de Proteção à Criança e Adolescente - DPCA de Porto Velho-RO, de 01 de Outubro a 1 de Dezembro de Gráfico 2 - Distribuição do número de casos de violência sexual registrados segundo o tipo de relação do agressor com a vítima. Porto Velho/RO outubro a dezembro de 2008 É evidente a falha do sistema de notificação quando constata-se que 9 das 87 ocorrências não informam o tipo de relação que o agressor tem com a vítima, ou seja, não consta no BOP o real vínculo entre agressor/vítima, seja por falha no preenchimento do boletim ou por desconhecimento do suspeito pela vítima. O agente agressor classificado como amigo representa 14 ocorrências. A literatura especializada 19 registra que geralmente os agressores têm grande proximidade com a família da criança e adolescente abusados, exercendo alguma influência sobre e/ou desfrutando da confiança de seus membros.

10 As ocorrências onde os agressores são do ambiente intrafamiliar são representadas nos números encontrados: padrasto (10), pai (6), mãe (5), avô (4), tio e primo (2) o que infere que o próprio cuidador é o mesmo que abusa sexualmente. Em relação a maior incidência somadas (6+10) de agressores serem reconhecidos como o padrasto ou o pai, o padrasto também representa a figura paterna, pedofilia e incesto, apesar de não serem sinônimos, podem ser usados para exemplificar alguns casos de abuso sexual, pois no primeiro crime ocorre a atração e abuso sexual contra crianças e o segundo refere-se ao abuso sexual de um membro da família, como no caso recente ocorrido na Áustria onde o pai abusou sexualmente de sua filha por vinte e quatro anos, mantendo-a em cativeiro num calabouço, onde nasceram 7 filhos produtos dos sistemáticos estupros, sendo que um destes morreu no cativeiro e foi incinerado pelo avô 18,19. Fonte: Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente - DPCA de Porto Velho-RO, de 01 de Outubro a 1 de Dezembro de Gráfico - Distribuição do número violência sexual registradas, segundo zona de moradia do agressor. Porto Velho/RO outubro a dezembro de 2008

11 Fonte: Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente - DPCA de Porto Velho-RO, de 01 de Outubro a 1 de Dezembro de Gráfico 4 - Distribuição do número de violência sexual registradas por zona de moradia da vítima. Porto Velho/RO outubro a dezembro de 2008 Os gráficos 4 e 5 demonstram que a incidência de violência sexual ocorre em todas as zonas do município de Porto Velho, abrangendo desde a periferia até as regiões de maior poder aquisitivo, o que contradiz a imediata associação entre pobreza/miserabilidade e violência 20. Pela região de moradia do agredido infere-se que as crianças e adolescentes menos favorecidas foram as mais atingidas, entretanto não foram somente elas. Além do que, a proximidade geográfica entre o agressor e vítima é relevante visto que fatores externos como cultura, nível socioeconômico e ciclo social são variáveis interdependentes que influenciam neste contexto. Observa-se também um alto número de BOP sem identificação da zona onde moram os agressores e as vítimas. As zonas Norte e Sul de ambos os gráficos evidenciam uma concentração dos locais de moradia dos agressores e das vítimas comprovando que ambos compartilham o mesmo espaço geográfico ou até mesmo se conhecem.

12 CONCLUSÃO O presente estudo discutiu a incidência de violência sexual contra crianças e adolescentes, através das notificações dos BOPs da DPCA, o que permitiu o conhecimento do perfil do agressor e da vítima. Observa-se que apesar de marcos históricos e avanços nas discussões sobre as facetas da violência, em especial a violência sexual, pouco de efetivo pôde ser feito até o momento. Os dados revelam que o cuidador é o mesmo que abusa. Assim, as intervenções são cada vez mais importantes para que sejam realizadas o mais precocemente possível, ações de prevenção e de correção dos atos abusivos. Para tanto, não basta ter e capacitar equipes e pessoas, mas, principalmente, estudar com rigor científico a amplitude do tema em questão e discuti-lo também com a sociedade. Desse modo, a abordagem do problema necessita de muitas mãos, que juntas construam redes de proteção e apoio. Trabalhar de modo intersetorial e interdisciplinar com profissionais das áreas de saúde, educação e segurança, de modo que estes recebam uma capacitação sobre notificação de violência sexual, em conjunto com o Programa de Saúde da Família, é o caminho que melhor atende as necessidades do cenário atual. É importante atentar-se ainda para a necessidade de modernizar o sistema de dados e incluir variáveis que possam auxiliar no conhecimento da situação que crianças, adolescentes e famílias vivenciam, devido à carência de informações nas fichas de notificação dos casos, com a finalidade de elaborar programas e políticas públicas eficientes que possam reduzir os índices de violência sexual encontrados. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. SOUZA ER. Processos, sistemas e métodos de informação em acidentes e violência no âmbito da saúde pública. In: Minayo, MCS, Deslandes SR, organizadores. Caminhos do Pensamento: epistemologia e método. Rio de Janeiro, 2002.

13 2. AZEVEDO MA., GUERRA VNA (Org.). Crianças Vitimizadas: A Síndrome do Pequeno Poder. São Paulo: Iglu, DREZETT J. Estudo de fatores relacionados com a violência sexual contra crianças, adolescentes e mulheres adultas [Tese]. São Paulo: Centro de Referência da Saúde da Mulher e de Nutrição, Alimentação e Desenvolvimento Infantil, ARIÉS P. História Social da Criança e da Família. 2. ed. Rio de Janeiro: Zahar, PALÁCIOS J., MARCHESI A. (Org.). Desenvolvimento Psicológico e Educação: Psicologia Evolutiva. Tradução de Francisco Franke Settineri e Marcos A. G. Domingues. Porto Alegre: Artes Médicas, CAMPOS MAMR. et al. Violência sexual: integração saúde e segurança pública no atendimento imediato à vítima. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 14, n. 1, p , jan./abr HEISE L. Gender-based abuse: the global epidemic. Cad. Saúde Pública Disponível em: <http// Acesso em: 15/0/ MULLER R.C.L., VEIGA M.K. Abuso sexual. In: FRANÇOSO, L., GEJER, D., REATO, L. Sexualidade e saúde reprodutiva na adolescência. São Paulo: Atheneu, FERREIRA A.L. et al. A prevenção da violência contra a criança na experiência do ambulatório de atendimento à família: entraves e possibilidades de atuação. In: Ciência e Saúde Coletiva. É possível prevenir a violência? Rio de Janeiro. ABRASCO, v.04, n BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de Gestão de Políticas Estratégicas. Área Técnica Saúde da Mulher. Normas sobre a prevenção

14 e tratamento dos agravos resultantes da violência sexual contra mulheres e adolescente. Brasília: HOGA LAK. A dimensão subjetiva do profissional na humanização da assistência a saúde: uma reflexão. Ver. Esc. Enferm. USP Disponível em: <http://bases.bireme.br>. Acesso em: 15/0/ DELGADO L. de F., FISBERG M. Síndrome do bebê espancado. Pediatria Moderna, v. 25, n., p , , jul GIL DG. Violence against children: physical abuse en the United USA. Harvard University, RIBEIRO MA, FERRIANI, MGC, REIS, JN. Violência sexual contra crianças e adolescentes: características relativas à vitimização nas relações familiares, Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, FALEIROS VP, FALEIROS ETS. Circuito e curtos - circuitos: atendimento, defesa e responsabilização do abuso sexual contra crianças e adolescentes. São Paulo, ed.veras, SANTOS HO. Crianças Espancadas. Campinas, Papirus, MEZAN R. Predadores psíquicos. Folha de São Paulo, São Paulo, 22 de março de Caderno Especial, seção Autores, do Mais, p COUTINHO L, DINIZ L. Violadas e feridas. Dentro de casa. Revista Veja, São Paulo, 25 de março de Caderno Especial, ed. Abril, edição 2105, ano 42 nº AZEVEDO MA, GUERRA VNA (Org.). Infância e violência doméstica: fronteiras do conhecimento. º ed. São Paulo: Cortez

15 20. BIDARRA ZS, GREGÓRIO, FJ; Configurações da violência da Psicológica contra crianças e adolescentes no município de Toledo PR [Monografia]. Paraná, Unicamp.

ARTIGO DE PESQUISA VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES PERFIL DA VÍTIMA E DO AGRESSOR EM PORTO VELHO/RO

ARTIGO DE PESQUISA VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES PERFIL DA VÍTIMA E DO AGRESSOR EM PORTO VELHO/RO 19/ Rev. Soc. Bras. Enferm. Ped. v.9, n.1, p.19-25 São Paulo, julho de 2009 ARTIGO DE PESQUISA VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES PERFIL DA VÍTIMA E DO AGRESSOR EM PORTO VELHO/RO Sexual violence

Leia mais

1.4 Objeto e Metodologia

1.4 Objeto e Metodologia 1.4 Objeto e Metodologia O objeto a pesquisa cujos dados serão apresentados foi definido juntamente com a SAS- Secretaria de Assistência Social de Presidente Prudente em especial com a equipe do CREAS

Leia mais

Abuso Sexual Contra Crianças e Adolescentes

Abuso Sexual Contra Crianças e Adolescentes Abuso Sexual Contra Crianças e Adolescentes Direitos Sexuais de Crianças e Adolescentes Direitos sexuais são direitos humanos universais; Baseiam-se no direito à liberdade, à dignidade e à igualdade para

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: a experiência do II Conselho Tutelar de Niterói. Paloma Rodrigues Carvalho 1 1.

VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: a experiência do II Conselho Tutelar de Niterói. Paloma Rodrigues Carvalho 1 1. VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: a experiência do II Conselho Tutelar de Niterói Paloma Rodrigues Carvalho 1 RESUMO Este trabalho é produto do Projeto Violência Silenciada - Criança e Adolescente

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA: ADOLESCENTES E ATIVIDADE SEXUAL PRECOCE EM UMA UNIDADE DE SAÚDE NA ZONA OESTE RJ

RELATO DE EXPERIÊNCIA: ADOLESCENTES E ATIVIDADE SEXUAL PRECOCE EM UMA UNIDADE DE SAÚDE NA ZONA OESTE RJ Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2013, v. 17, n. 17, p. 134 138 RELATO DE EXPERIÊNCIA: ADOLESCENTES E ATIVIDADE SEXUAL PRECOCE EM UMA UNIDADE DE SAÚDE NA ZONA OESTE RJ PORTO, Adriana Vianna Costa 1

Leia mais

O PAPEL DO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA NA REDE DE PROTEÇÃO A CRIANÇA E AO ADOLESCENTE EM SITUACAO DE RISCO PARA A VIOLENCIA NO HOSPITAL DE CLÍNICAS.

O PAPEL DO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA NA REDE DE PROTEÇÃO A CRIANÇA E AO ADOLESCENTE EM SITUACAO DE RISCO PARA A VIOLENCIA NO HOSPITAL DE CLÍNICAS. O PAPEL DO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA NA REDE DE PROTEÇÃO A CRIANÇA E AO ADOLESCENTE EM SITUACAO DE RISCO PARA A VIOLENCIA NO HOSPITAL DE CLÍNICAS. AREA TEMÁTICA: Saúde. COORDENADORA: Prof.ª Dr.ª Denise

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: ESTUDO EXPLORATÓRIO E REFLEXIVO NO CREAS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP

VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: ESTUDO EXPLORATÓRIO E REFLEXIVO NO CREAS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 385 VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: ESTUDO EXPLORATÓRIO E REFLEXIVO NO CREAS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE

Leia mais

Saúde para redução de acidentes e violências. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2007.p.17 30. A155

Saúde para redução de acidentes e violências. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2007.p.17 30. A155 Apostólico MR. Violência como problema de pesquisa em saúde e Enfermagem. In: Seminário Nacional de Pesquisa em Enfermagem, 17, 2013 jun 3 5. Anais. Natal: Associação Brasileira de Enfermagem Seção Rio

Leia mais

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência?

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Dados preliminares do sistema de informações de mortalidade do Ministério da Saúde de

Leia mais

Violência doméstica contra a mulher: perspectiva para o trabalho das equipes de saúde da família

Violência doméstica contra a mulher: perspectiva para o trabalho das equipes de saúde da família Violência doméstica contra a mulher: perspectiva para o trabalho das equipes de saúde da família Clara de Jesus Marques Andrade 1 Introdução Este artigo extraído da tese As equipes de Saúde da Família

Leia mais

Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes

Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Mostrando que a proteção de nossas crianças e adolescentes também está em fase de crescimento Subsecretaria de Promoção

Leia mais

Palestrante: Silvana Ferreira Fernandes silvanaff@yahoo.com.br Psicopedagoga e Neuropedagoga

Palestrante: Silvana Ferreira Fernandes silvanaff@yahoo.com.br Psicopedagoga e Neuropedagoga Palestrante: Silvana Ferreira Fernandes silvanaff@yahoo.com.br Psicopedagoga e Neuropedagoga CONTRA MULHERES, CRIANÇAS E IDOSOS CONCEITO DE VIOLÊNCIA A violência é um fenômeno polissêmico e complexo que

Leia mais

A MULHER VÍTIMA DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR EM PONTA GROSSA: SUBSÍDIOS PARA O DEBATE

A MULHER VÍTIMA DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR EM PONTA GROSSA: SUBSÍDIOS PARA O DEBATE 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA A MULHER

Leia mais

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero Nesta unidade, analisaremos os aspectos específicos referentes

Leia mais

O PERFIL DA VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA REDE DENÚNCIA E ATENDIMENTO EM FEIRA DE SANTANA 2003 A 2006.

O PERFIL DA VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA REDE DENÚNCIA E ATENDIMENTO EM FEIRA DE SANTANA 2003 A 2006. 274 O PERFIL DA VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA REDE DENÚNCIA E ATENDIMENTO EM FEIRA DE SANTANA 2003 A 2006. Thyana Cordeiro Lopes ; Rosely Cabral de Carvalho 2 ; Maria Conceição Oliveira

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE Equipe LENAD: Ronaldo Laranjeira Clarice Sandi Madruga IlanaPinsky Maria Carmen Viana Divulgação: Maio de 2014. 1. Porque esse estudo é relevante? Segundo a Subsecretaria

Leia mais

PERSPECTIVAS DE ANÁLISE DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA MULHER: MAPEAMENTO DAS DENÚNCIAS ENTRE OS ANOS DE 2010 E 2011 NA CIDADE DE CAMPINA GRANDE-PB

PERSPECTIVAS DE ANÁLISE DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA MULHER: MAPEAMENTO DAS DENÚNCIAS ENTRE OS ANOS DE 2010 E 2011 NA CIDADE DE CAMPINA GRANDE-PB PERSPECTIVAS DE ANÁLISE DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA MULHER: MAPEAMENTO DAS DENÚNCIAS ENTRE OS ANOS DE 2010 E 2011 NA CIDADE DE CAMPINA GRANDE-PB Autoria: Antonio Pereira Cardoso da Silva Filho Universidade

Leia mais

Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual Contra Crianças e Adolescentes. Disque Denúncia Nacional: DDN 100

Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual Contra Crianças e Adolescentes. Disque Denúncia Nacional: DDN 100 Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual Contra Crianças

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA Área Temática: Direitos Humanos e Justiça Liza Holzmann (Coordenadora da Ação de Extensão) Liza Holzmann 1 Palavras Chave:

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO EPB0178 QUEBRA DO SIGILO PROFISSIONAL EM CASOS DE PEDOFILIA GABRIELE

Leia mais

Vamos Combater o Abuso e a Exploração Sexual Contra Crianças e Adolescentes

Vamos Combater o Abuso e a Exploração Sexual Contra Crianças e Adolescentes Vamos Combater o Abuso e a Exploração Sexual Contra Crianças e Adolescentes A violência sexual contra crianças e adolescentes acontece em todo o mundo, em diversas famílias e classes sociais. O QUE É A

Leia mais

O TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL NO ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES Alicia Santolini TONON 1 Juliene AGLIO 2

O TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL NO ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES Alicia Santolini TONON 1 Juliene AGLIO 2 1 O TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL NO ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES Alicia Santolini TONON 1 Juliene AGLIO 2 RESUMO: Este artigo apresenta uma reflexão sobre a violência

Leia mais

Como proceder à notificação e para onde encaminhá-la?

Como proceder à notificação e para onde encaminhá-la? Se a família não quiser ou não puder assumir a notificação, o educador deverá informar a família que, por força da lei, terá que notificar o fato aos órgãos competentes. Como proceder à notificação e para

Leia mais

Perfil da mulher vítima de violência doméstica no Brasil, Rio Grande Sul e Caxias do Sul

Perfil da mulher vítima de violência doméstica no Brasil, Rio Grande Sul e Caxias do Sul Perfil da mulher vítima de violência doméstica no Brasil, Rio Grande Sul e Caxias do Sul Adalberto Ayjara Dornelles Filho Ramone Mincato Paula Cervelin Grazzi Resumo: Uma breve revisão de estudos sobre

Leia mais

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS PAPÉIS E COMPETÊNCIAS O SERVIÇO PSICOSSOCIAL NO CREAS... O atendimento psicossocial no serviço é efetuar e garantir o atendimento especializado (brasil,2006). Os profissionais envolvidos no atendimento

Leia mais

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação Saúde Escolar Secretaria Regional da Educação e Formação «Um programa de saúde escolar efectivo é o investimento de custo-benefício mais eficaz que um País pode fazer para melhorar, simultaneamente, a

Leia mais

Secretaria Nacional de Assistência Social

Secretaria Nacional de Assistência Social POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SUAS Secretaria Nacional de Assistência Social MARCOS NORMATIVOS E REGULATÓRIOS Constituição Federal 1988 LOAS 1993 PNAS 2004

Leia mais

Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores

Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE POLÍTICAS PARA MULHERES SECRETRIA DE ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores

Leia mais

ANEXO III CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA APOIO A ESTUDOS, PESQUISAS E PROJETOS INOVADORES

ANEXO III CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA APOIO A ESTUDOS, PESQUISAS E PROJETOS INOVADORES ANEXO III CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA APOIO A ESTUDOS, PESQUISAS E PROJETOS INOVADORES I ÁREAS DE INTERESSE Criança e Adolescente Apoio a Estudos e Pesquisas e Projetos Inovadores para promoção,

Leia mais

Palavras-chave: adolescente, risco pessoal, prática profissional

Palavras-chave: adolescente, risco pessoal, prática profissional PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL E ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL NA CASA SANTA LUIZA DE MARILLAC. SOMER, Diana Galone (estagio I), e-mail: dianassomer@gmail.com BOMFATI, Adriana (supervisor), e-mail:

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( x ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

Palavras-chaves: denuncia, consumo de álcool, consumo de drogas.

Palavras-chaves: denuncia, consumo de álcool, consumo de drogas. VIOLENCIA CONTRA A MULHER E A DEPENDENCIA FINACEIRA. UM ESTUDO DE CASO NO MUNICIPIO DE PITANGA. MARLY APARECIDA MAZUR MACHADO/UNICENTRO E-MAIL: maymazur@outlook.com SIMÃO TERNOSKI (ORIENTADOR)/UNICENTRO

Leia mais

FORTALECIMENTO DO SISTEMA DE GARANTIAS DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES NOS MUNICÍPIOS DA REGIÃO DOS CAMPOS GERAIS

FORTALECIMENTO DO SISTEMA DE GARANTIAS DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES NOS MUNICÍPIOS DA REGIÃO DOS CAMPOS GERAIS FORTALECIMENTO DO SISTEMA DE GARANTIAS DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES NOS MUNICÍPIOS DA REGIÃO DOS CAMPOS GERAIS Área Temática: Direitos Humanos e Justiça Cleide Lavoratti (Coordenadora

Leia mais

Doutoranda: Vera Lúcia de Azevedo Lima (UFPA) Orientadora: Dra. Maria de Lourdes de Souza (UFSC)

Doutoranda: Vera Lúcia de Azevedo Lima (UFPA) Orientadora: Dra. Maria de Lourdes de Souza (UFSC) UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PROGRAMA DE DOUTORADO INTERINSTITUCIONAL EM ENFERMAGEM - UFSC/UFPA/CAPES ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: FILOSOFIA, SAÚDE E SOCIEDADE Doutoranda:

Leia mais

Pedofilia: Em Defesa de um Corpo em Desenvolvimento Pesquisa Ação Contra o Abuso Sexual de Crianças

Pedofilia: Em Defesa de um Corpo em Desenvolvimento Pesquisa Ação Contra o Abuso Sexual de Crianças Pedofilia: Em Defesa de um Corpo em Desenvolvimento Pesquisa Ação Contra o Abuso Sexual de Arnaldo Risman Risman@risman.psc.br Gabriela Medeiros Vieira gabrielam_vieira@yahoo.com.br Franciane Cesar Motta

Leia mais

ALCOOLISMO ENTRE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM: UM ESTUDO TRANSVERSAL

ALCOOLISMO ENTRE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM: UM ESTUDO TRANSVERSAL ALCOOLISMO ENTRE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM: UM ESTUDO TRANSVERSAL RESUMO Descritores: Alcoolismo. Drogas. Saúde Pública. Introdução Durante a adolescência, o indivíduo deixa de viver apenas com a família

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA IDOSOS: IDENTIFICAÇÃO DE CASOS E ATENDIMENTO NO CREAS

VIOLÊNCIA CONTRA IDOSOS: IDENTIFICAÇÃO DE CASOS E ATENDIMENTO NO CREAS VIOLÊNCIA CONTRA IDOSOS: IDENTIFICAÇÃO DE CASOS E ATENDIMENTO NO CREAS Jakson Luis Galdino Dourado CREAS - jaksonpsi@gmail.com Joana Grazziele Bomfim Ribeiro CREAS Silvia Catarina Dourado Vasconcelos -

Leia mais

MULHERES IDOSAS E AIDS: UM ESTUDO ACERCA DE SEUS CONHECIMENTOS E SITUAÇÕES DE VULNERABILIDADE

MULHERES IDOSAS E AIDS: UM ESTUDO ACERCA DE SEUS CONHECIMENTOS E SITUAÇÕES DE VULNERABILIDADE MULHERES IDOSAS E AIDS: UM ESTUDO ACERCA DE SEUS CONHECIMENTOS E SITUAÇÕES DE VULNERABILIDADE Karolayne Germana Leal e Silva e-mail: karolaynegermana@hotmail.com Magna Adriana de Carvalho e-mail: magnacreas@hotmail.com

Leia mais

VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: humanizando o cuidar feminino na prática assistencial através de atividade de extensão 1

VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: humanizando o cuidar feminino na prática assistencial através de atividade de extensão 1 VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: humanizando o cuidar feminino na prática assistencial através de atividade de extensão 1 Anna Maria de Oliveira Salimena 2 Maria Carmen Simões Cardoso de Melo 2 Ívis

Leia mais

O Paraná Está Ligado!

O Paraná Está Ligado! VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER O Paraná Está Ligado! Lançamento de rede estadual marca o enfrentamento à violência contra a mulher no Paraná O lançamento simbólico de uma rede de atenção à mulher em situação

Leia mais

70% 500.000. De acordo com a nova lei, são crianças e adolescentes. 1. de estupro

70% 500.000. De acordo com a nova lei, são crianças e adolescentes. 1. de estupro O QUE É VIOLÊNCIA SEXUAL Todos os anos, estima-se que 500.000 70% Mulheres das vítimas sejam vítimas de estupro no Brasil, e que outros tantos milhões sofram com abusos e violências sexuais. de estupro

Leia mais

Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas

Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas Andrea da Silveira Rossi Brasília, 15 a 18 out 2013 Relato de adolescentes e jovens vivendo com HIV Todo adolescente pensa

Leia mais

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO Maria Salete da Silva Josiane dos Santos O Programa Assistência Sócio-Jurídica, extensão do Departamento de Serviço Social, funciona no Núcleo

Leia mais

PAPEL DO ENFERMEIRO FRENTE AO ABUSO SEXUAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES ROLE OF NURSES IN FRONT OF THE SEXUAL ABUSE OF CHILDREN AND TEENS

PAPEL DO ENFERMEIRO FRENTE AO ABUSO SEXUAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES ROLE OF NURSES IN FRONT OF THE SEXUAL ABUSE OF CHILDREN AND TEENS C. L. V. Tapia, L. J. AntoniassI, J.P. Aquino 1 PAPEL DO ENFERMEIRO FRENTE AO ABUSO SEXUAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES ROLE OF NURSES IN FRONT OF THE SEXUAL ABUSE OF CHILDREN AND TEENS Carmen Elisa Villalobos

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 Estabelece parâmetros para orientar a constituição, no âmbito dos Estados, Municípios e Distrito Federal, de Comissões Intersetoriais de Convivência

Leia mais

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 1 Introdução

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 1 Introdução Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 1 Introdução Em Introdução, veremos os conceitos gerais referentes à violência, sua

Leia mais

Secretaria de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres 1º Fórum de Violência contra a Mulher: Múltiplos olhares

Secretaria de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres 1º Fórum de Violência contra a Mulher: Múltiplos olhares Secretaria de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres 1º Fórum de Violência contra a Mulher: Múltiplos olhares Campinas, Abril de 2014 Violência contra as Mulheres: dados Internacional: 1 de cada

Leia mais

Política Nacional de Saúde do Homem

Política Nacional de Saúde do Homem Política Nacional de Saúde do Homem O Ministério da Saúde lançou a Política Nacional de Saúde do Homem. O objetivo é facilitar e ampliar o acesso da população masculina aos serviços de saúde. A iniciativa

Leia mais

SERVIÇO DE CONVIVENCIA E FORTALECIMENTO DE VINCULOS PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES. PRINCIPIOS FUNDAMENTAIS & Algumas reflexões

SERVIÇO DE CONVIVENCIA E FORTALECIMENTO DE VINCULOS PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES. PRINCIPIOS FUNDAMENTAIS & Algumas reflexões SERVIÇO DE CONVIVENCIA E FORTALECIMENTO DE VINCULOS PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES. PRINCIPIOS FUNDAMENTAIS & Algumas reflexões ASSISTÊNCIA SOCIAL ASSISTENTE SOCIAL CARIDADE? FAVOR? O QUE OS VEREADORES FAZEM?

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO. NÚCLEO DE DEFESA DO IDOSO E PESSOA COM DEFICIÊNCIA ALEXANDRE DE OLIVEIRA ALCÂNTARA

REFLEXÕES SOBRE A VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO. NÚCLEO DE DEFESA DO IDOSO E PESSOA COM DEFICIÊNCIA ALEXANDRE DE OLIVEIRA ALCÂNTARA REFLEXÕES SOBRE A VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO. NÚCLEO DE DEFESA DO IDOSO E PESSOA COM DEFICIÊNCIA ALEXANDRE DE OLIVEIRA ALCÂNTARA FORTALEZA, 17 de junho de 2011. VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO PESQUISA: Violência

Leia mais

COMPARAÇÃO DOS CONHECIMENTOS SOBRE SEXO, GRAVIDEZ, DST s E AIDS ANTES E APÓS TREINAMENTO ADOLESCENTES MULTIPLICADORES

COMPARAÇÃO DOS CONHECIMENTOS SOBRE SEXO, GRAVIDEZ, DST s E AIDS ANTES E APÓS TREINAMENTO ADOLESCENTES MULTIPLICADORES COMPARAÇÃO DOS CONHECIMENTOS SOBRE SEXO, GRAVIDEZ, DST s E AIDS ANTES E APÓS TREINAMENTO ADOLESCENTES MULTIPLICADORES Fernanda Bartalini Mognon¹, Cynthia Borges de Moura² Curso de Enfermagem 1 (fernanda.mognon89@gmail.com);

Leia mais

SERVIÇO DE ACOLHIMENTO INSTITUCONAL

SERVIÇO DE ACOLHIMENTO INSTITUCONAL SERVIÇO DE ACOLHIMENTO INSTITUCONAL Abrigo Casa lar Casa de passagem Beatriz Guimarães Bernardeth Gondim Cláudia Souza A PNAS Situando o acolhimento institucional e familiar Proteção Básica Proteção Especial

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

Nota Técnica. Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01. Curitiba, PR. Junho de 2014. Coordenação da Gestão do SUAS

Nota Técnica. Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01. Curitiba, PR. Junho de 2014. Coordenação da Gestão do SUAS Nota Técnica Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01 Curitiba, PR. Junho de 2014 Coordenação da Gestão do SUAS Conceitos da Vigilância Socioassistencial Finalidade: Considerando a importância da

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES PAIR

PROGRAMA NACIONAL DE ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES PAIR Presidência da República Secretaria de Direitos Humanos Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Departamento de Políticas Temáticas dos Direitos da Criança e do Adolescente

Leia mais

DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB

DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB (ASFORA, R. V. S.) - Raphaella Viana Silva Asfora/Autora ¹ Escola Superior da Magistratura

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS SENADO FEDERAL BRASÍLIA, 16 DE MAIO DE 2013 Criação de um novo departamento dentro da SAS: DAET- Departamento de Atenção

Leia mais

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte PPCAAM Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Secretaria de Direitos Humanos Presidência

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER NA CIDADE DE PONTA GROSSA

NÚCLEO DE ESTUDOS DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER NA CIDADE DE PONTA GROSSA 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

Violência contra a Pessoa Idosa. Sandra Regina Gomes Fonoaudióloga e Gerontóloga sandra@longevida.com.br

Violência contra a Pessoa Idosa. Sandra Regina Gomes Fonoaudióloga e Gerontóloga sandra@longevida.com.br Violência contra a Pessoa Idosa Sandra Regina Gomes Fonoaudióloga e Gerontóloga sandra@longevida.com.br Violência contra as pessoas idosas: FOTOGRAFIA: THINKSTOCK problema sério e invisível Síntese de

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA IDOSOS: produção científica em periódicos online RESUMO

VIOLÊNCIA CONTRA IDOSOS: produção científica em periódicos online RESUMO VIOLÊNCIA CONTRA IDOSOS: produção científica em periódicos online Natalia Leite Pedrosa (ufpb) Débora Cristina Alves Barros (ufpb) Kelma Rayanne Santos Moura (ufpb) Leila de Cássia Tavares da Fonsêca (ufpb)

Leia mais

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2-Violência e criança

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2-Violência e criança Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2-Violência e criança Nesta unidade, analisaremos os aspectos específicos referentes

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Observatório de Violências e Acidentes Observatório de Violações de Direitos de Crianças e Adolescentes Carnaval 2015 Bahia

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Observatório de Violências e Acidentes Observatório de Violações de Direitos de Crianças e Adolescentes Carnaval 2015 Bahia RELATÓRIO CONSOLIDADO 6º DIA DO CARNAVAL 2015 Salvador-BA Revisado 24-02-15 Das 18 horas de 12/02/2015 às 06 horas de 17/02/2015 foram consolidados/analisados pelo Observatório um total de 1126 atendimentos:

Leia mais

Exploração Sexual Comercial de Crianças as e Adolescentes

Exploração Sexual Comercial de Crianças as e Adolescentes Exploração Sexual Comercial de Crianças as e Adolescentes Gorete Vasconcelos go_vasconcelos@yahoo.com.br Marcos Históricos e Políticos Código de Menores /1927 Doutrina da Situação Irregular; Declaração

Leia mais

Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e

Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e Anexo II Di r e t r i z e s Ge r a i s d o s Se rv i ç o s d e Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e Educação do Agressor SERVIÇO DE RESPONSABILIZAÇÃO E EDUCAÇÃO DO AGRESSOR Ap r e s e n ta ç ã o A presente

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS CASOS DE VIOLÊNCIA NA POPULAÇÃO ACIMA DE 60 ANOS NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE-PB

AVALIAÇÃO DOS CASOS DE VIOLÊNCIA NA POPULAÇÃO ACIMA DE 60 ANOS NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE-PB AVALIAÇÃO DOS CASOS DE VIOLÊNCIA NA POPULAÇÃO ACIMA DE 60 ANOS NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE-PB INTRODUÇÃO Anna Flávia Martins Diniz 1 Janine Florêncio de Souza 2 Jéssica Oliveira Rodrigues 3 Natália

Leia mais

Serviço Social. DISCURSIVA Residência Saúde 2012 C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A. wwww.cepuerj.uerj.br ATIVIDADE DATA LOCAL

Serviço Social. DISCURSIVA Residência Saúde 2012 C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A. wwww.cepuerj.uerj.br ATIVIDADE DATA LOCAL HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A Serviço Social DISCURSIVA Residência Saúde 2012 ATIVIDADE DATA LOCAL Divulgação do gabarito - Prova Objetiva (PO) 31/10/2011

Leia mais

Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres

Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres META 3 Eliminar as disparidades entre os sexos no ensino fundamental e médio, se possível, até 2005, e em todos os níveis de ensino, o mais

Leia mais

O ACONSELHAMENTO NO HIV EM UMA COMUNIDADE COMO MEDIDA PREVENTIVA

O ACONSELHAMENTO NO HIV EM UMA COMUNIDADE COMO MEDIDA PREVENTIVA O ACONSELHAMENTO NO HIV EM UMA COMUNIDADE COMO MEDIDA PREVENTIVA Zardo L*¹ Silva CL*² Zarpellon LD*³ Cabral LPA* 4 Resumo O Vírus da Imunodeficiência humana (HIV) é um retrovírus que ataca o sistema imunológico.através

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

BALANÇO. 1º Semestre 2015

BALANÇO. 1º Semestre 2015 BALANÇO 1º Semestre 2015 Dilma Rousseff Presidenta da República Eleonora Menicucci Ministra de Estado Chefe da Secretaria de Políticas para as Mulheres Linda Goulart Secretária-Executiva Aparecida Gonçalves

Leia mais

PENSANDO NA PRÁTICA: AS AÇÕES E ATIVIDADES EXECUTADAS NOS CRAS/CREAS FACILITADORA: INÊS DE MOURA TENÓRIO

PENSANDO NA PRÁTICA: AS AÇÕES E ATIVIDADES EXECUTADAS NOS CRAS/CREAS FACILITADORA: INÊS DE MOURA TENÓRIO a Área da Assistência Social PENSANDO NA PRÁTICA: AS AÇÕES E ATIVIDADES EXECUTADAS NOS CRAS/CREAS FACILITADORA: INÊS DE MOURA TENÓRIO Assistência Social na PNAS Situada como proteção social não contributiva;

Leia mais

PROGRAMA Nº- 105 CASA DA MULHER/CENTRO ESPECIALIZADO DE ATENDIMENTO A MULHER CASA ABRIGO

PROGRAMA Nº- 105 CASA DA MULHER/CENTRO ESPECIALIZADO DE ATENDIMENTO A MULHER CASA ABRIGO ÓRGÃO RESPONSÁVEL: Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulher NOME: PROGRAMA Nº- 105 CASA DA MULHER/CENTRO ESPECIALIZADO DE ATENDIMENTO A MULHER CASA ABRIGO Código Descrição FUNÇÃO: 14 Direitos

Leia mais

TÍTULO: DIAGNÓSTICO DO PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DAS VÍTIMAS DOS ACIDENTES DE TRÂNSITO DO MUNICÍPIO DE MARÍLIA-SP

TÍTULO: DIAGNÓSTICO DO PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DAS VÍTIMAS DOS ACIDENTES DE TRÂNSITO DO MUNICÍPIO DE MARÍLIA-SP Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: DIAGNÓSTICO DO PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DAS VÍTIMAS DOS ACIDENTES DE TRÂNSITO DO MUNICÍPIO DE MARÍLIA-SP

Leia mais

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico seguranca.cidada@mj.gov.br até o dia 20 de dezembro de 2015.

Leia mais

Acadêmica do curso de Psicologia da Faculdade Luciano Feijão (FLF). E-mail: gilsianemarques@gmail.com 2

Acadêmica do curso de Psicologia da Faculdade Luciano Feijão (FLF). E-mail: gilsianemarques@gmail.com 2 PSICOLOGIA E ABUSO SEXUAL INFANTIL: UMA DELICADA E INTRODUÇÃO ESSENCIAL INTERVENÇÃO GILSIANE MARIA VASCONCELOS MARQUES 1 MAYARA SOARES BRITO TELES 2 GEORGIA MARIA MELO FEIJÃO 3 Na atualidade o abuso sexual

Leia mais

Violência doméstica contra crianças e adolescentes: estudo de um programa de intervenção

Violência doméstica contra crianças e adolescentes: estudo de um programa de intervenção 143 Violência doméstica contra crianças e adolescentes: estudo de um programa de intervenção Domestic violence against children and adolescents: a supporting program study TEMAS LIVRES FREE THEMES Ana

Leia mais

P - ÁREA PROFISSIONAL SERVIÇO SOCIAL

P - ÁREA PROFISSIONAL SERVIÇO SOCIAL P - ÁREA PROFISSIONAL SERVIÇO SOCIAL P 41 - SERVIÇO SOCIAL EM ASSISTÊNCIA A PACIENTES PORTADORES DE HIV/AIDS Titulação: Aprimoramento Supervisora: Susan Marisclaid Gasparini Dirigido aos profissionais

Leia mais

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 337 DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM

Leia mais

Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 2013 PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD.

Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 2013 PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. Edital para publicação no site período de 3 a 30 de junho de 013 PROJETO BRA/04/09 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. TRILHAS Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM - PNAISH

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM - PNAISH POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM - PNAISH Brasília, outubro de 2015 População Masculina 99 milhões (48.7%) População alvo: 20 a 59 anos População Total do Brasil 202,7 milhões de

Leia mais

PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL

PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL MEDIDAS CONCRETAS PARA O ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER NO ÂMBITO DOMÉSTICO/FAMILIAR A presente Matriz insere-se no

Leia mais

Violência contra as Mulheres em Pernambuco

Violência contra as Mulheres em Pernambuco Violência contra as Mulheres em Pernambuco Recife, 25 de novembro de 2015 FICHA TÉCNICA Coordenação: Equipe do SOS Corpo Instituto Feminista para Democracia Pesquisadora: Ana Paula Melo (pesquisadora convidada)

Leia mais

Carta Política. Campanha Cidades Seguras para as Mulheres

Carta Política. Campanha Cidades Seguras para as Mulheres Carta Política Campanha Cidades Seguras para as Mulheres Brasil - 2014 Nós, mulheres de diversas localidades e comunidades de Pernambuco, Rio Grande do Norte, Rio de Janeiro e São Paulo, que há muito

Leia mais

ENTREVISTA COM A CRIANÇA / ADOLESCENTE E A FAMÍLIA

ENTREVISTA COM A CRIANÇA / ADOLESCENTE E A FAMÍLIA ENTREVISTA COM A CRIANÇA / ADOLESCENTE E A FAMÍLIA Se possível, a criança deve ser entrevistada separadamente. O entrevistador deve ser sensível aos possíveis temores e apreensões da criança quando discutir

Leia mais

SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, JURÍDICA E DE ESTUDOS SOBRE A PESSOA IDOSA

SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, JURÍDICA E DE ESTUDOS SOBRE A PESSOA IDOSA 110. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( x ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO

Leia mais

Curso de. Direito. Núcleo de Prática Jurídica. Crimes Sexuais Estupro e Pedofilia. www.faesa.br

Curso de. Direito. Núcleo de Prática Jurídica. Crimes Sexuais Estupro e Pedofilia. www.faesa.br Curso de Direito Núcleo de Prática Jurídica Crimes Sexuais Estupro e Pedofilia www.faesa.br mportante: Serviços especializados em crimes sexuais: Ÿ Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA)

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER

VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER A Organização Mundial de Saúde (OMS) define violência como o uso intencional da força física ou do poder, real ou em ameaça, contra si próprio, contra outra pessoa, ou contra

Leia mais

Mostra de Projetos 2011 "UMA REFLEXÃO ACERCA DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES NO BAIRRO DO XARQUINHO, NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA-PR"

Mostra de Projetos 2011 UMA REFLEXÃO ACERCA DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES NO BAIRRO DO XARQUINHO, NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA-PR Mostra de Projetos 2011 "UMA REFLEXÃO ACERCA DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES NO BAIRRO DO XARQUINHO, NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA-PR" Mostra Local de: Guarapuava Categoria do projeto: Projetos

Leia mais