REDE NACIONAL DE FÍSICA DE ALTAS ENERIAS COMITÊ TÉCNICO CIENTÍFICO. Fomulário para apresentação de projetos à RENAFAE 2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REDE NACIONAL DE FÍSICA DE ALTAS ENERIAS COMITÊ TÉCNICO CIENTÍFICO. Fomulário para apresentação de projetos à RENAFAE 2013"

Transcrição

1 REDE NACIONAL DE FÍSICA DE ALTAS ENERIAS COMITÊ TÉCNICO CIENTÍFICO Fomulário para apresentação de projetos à RENAFAE Informações Gerais Título Pesquisador Proponente Instituição Executora Instituições Co-executoras Instituições co-participantes do exterior Áreas de atuação dentro do Plano da Renafae Resumo da Proposta Número de pesquisadores participantes Número de alunos de pós-graduação Orçamento Geral na rubrica CAPITAL Calorimetria e Filtragem Online no Contexto de Upgrade do ATLAS José Manoel de Seixas UFRJ USP, UFJF, UFSJ, UFBA, UFF, CEFET-RJ, UFRJ CERN, BNL calorimetria, detetores, sistemas de filtragem de eventos, reconstrução de energia, instrumentação eletrônica Dentro do contexto do upgrade do ATLAS, estão sendo desenvolvidos protótipos para o trigger de múons assistido pela calorimetria, sistema de filtragem de eventos e aquisição de dados dos calorímetros. Bancadas de teste serão configuradas para testes de algoritmos e protótipos de sistemas, envolvendo estimação de energia dos calorímetros, filtragem online, hardware para aquisição dos dados dos calorímetros (TileCal e LAr) e resistência à radiação de ADC R$ ,00

2 2. Descrição Detalhada da Proposta 2.1 Objetivo O experimento ATLAS está desenvolvendo um intenso programa de pesquisa e desenvolvimento, a ser implementado em 3 fases, para adequar os detectores e sistemas associados (aquisição de dados, seleção de eventos, métodos e técnicas de análise) para as condições de operação de alta luminosidade do LHC. A primeira fase (Fase-0) envolve o reparo de vários componentes do ATLAS durante a parada técnica de e a instalação de protótipos dos futuros sistemas de aquisição de dados e trigger para testes. A segunda fase (Fase-I) envolve, principalmente, a adequação do sistema de seleção de eventos (trigger) do ATLAS, enquanto que a terceira fase (Fase-II) implicará numa atualização completa da eletrônica de front-end e aquisição de dados e modificações importantes nos detectores. Os calorímetros e seus sistemas associados serão objetos de estudo ao longo de todas as fases. Neste projeto, os desenvolvimentos do cluster ATLAS/Brazil estarão endereçados à calorimetria e sistema de aquisição de dados e filtragem. Bancadas de teste para protótipos e sistemas irão integrar as atividades do grupo brasileiro para os calorímetros do ATLAS: Eletromagnético de Argônio Líquido (LAr) e Hadrônico de Telhas (TileCal). 2.2 Áreas de Atuação 1. Calorimetria 2. Detectores e Técnicas de Detecção 3. Sistemas de Filtragem de Eventos 4. Reconstrução de Energia 5. Trigger de Múons Assistido por Calorimetria 6. Instrumentação Eletrônica 2.3 Resultados Esperados Os principais resultados esperados neste projeto são: 1. Desenvolvimento do protótipo do sistema de trigger de primeiro nível para múons assistido por calorimetria hadrônica. 2. Desenvolvimento de técnicas para estimação de energia do Calorímetro Hadrônico de Telhas (Tilecal) no novo cenário de alta luminosidade. 3. Desenvolvimento de técnicas para o sistema de filtragem online baseado em calorimetria e definicao da sua granularidade para o upgrade do ATLAS 4. Estudo de um novo hardware para aquisição dos sinais do Calorímetro Hadrônico de Telhas.

3 5. Realização dos testes com o ADC das placas digitalizadores do trigger do Calorímetro de Argônio Líquido (LAr) 6. Consolidação e desenvolvimento de bancadas de pesquisa e desenvolvimento para hardware e software dentro do upgrade do ATLAS 7. Integracao da participacao brasileira no upgrade do ATLAS. 8. Formação de pessoal de alto nível com expertise em calorimetria, filtragem online e sistemas de aquisição de dados. 9. Desenvolvimento de sistemas visando a participacao da industria nacional (hardware e software) no upgrade do ATLAS. 10. Spin-off das técnicas desenvolvidas para outras área de aplicação. 2.4 Metodologia O detector ATLAS [1] está atravessando a primeira parada técnica longa LS1 (Long Shutdown 1), também chamada de Fase 0 de upgrade, aonde vários de seus componentes estão passando por manutenção e protótipos dos novos sistemas estão sendo instalados. Após o LS1, em 2015, a luminosidade do LHC deverá atingir cm 2 s -1. A segunda parada técnica longa LS2 (Long Shutdown 2) está planejada para , aonde a luminosidade deverá atingir 2-3 x cm 2 s -1, correspondendo a 55 até 80 interações por colisão, com um intervalo de 25 ns por colisão. Durante esta fase, chamada Fase 1 de upgrade, várias modificações serão feitas, principalmente na eletrônica de front-end e de trigger dos detectores. A Fase 2 de upgrade está prevista para , após a qual a luminosidade deverá atingir 5-7 x cm 2 s -1 (HL-LHC). Nesta fase, irão ocorrer as modificações e instalações finais dos componentes dos detectores [2]. No experimento ATLAS, o aumento da luminosidade tem impacto importante tanto no sistema de filtragem e aquisição de dados (TDAQ) [3] quanto em sua calorimetria. O sistema de filtragem terá que ser capaz de lidar com uma quantidade maior de dados, o que dificulta o processo de filtragem e aquisição, enquanto a calorimetria tem como principal impacto o aumento da radiação, o aumento do empilhamento de dados (pile up) [4] e os novos requisitos do sistema de filtragem online. Para a Fase 1 [5], algumas mudanças nos detectores são previstas, mas tanto o acelerador quanto a eletrônica de front-end do ATLAS devem permanecer inalterados. As mudanças ficarão concentradas na adição de critérios de seleção baseados na informação topológica do evento no primeiro nível de filtragem, com o tempo de latência aumentando, mas ainda dentro de 2,5 µs. Vale ressaltar que nesta fase, serão mantidas as torres de trigger analógicas (informação compactada, obtida pelo sistema somador desenvolvido e fabricado no Brasil) [6] para servir como referencia para a nova estratégia de filtragem no primeiro nível, onde os sinais digitais dos calorímetros com granularidade total estarão disponíveis.

4 As torres de trigger terão papel importante a desempenhar já na Fase 0, pois fornecerão informação adicional para o trigger de múons do primeiro nível, utilizando o sinal da última camada do Tilecal, que é oferecido pelo circuito somador, Esta opção foi intensamente analisada nos últimos dois meses e recebeu o parecer favorável do ATLAS, visando testes em protótipo para dezembro de O sistema utiliza um filtro casado analógico para a detecção de múons e dispositivos na tecnologia FPGA para o tratamento digital dos sinais. Na Fase 2, diversas mudanças serão necessárias no ATLAS. Os requisitos de tempo do LHC irão mudar. A eletrônica de front-end dos calorímetros será completamente modificada devido aos novos requisitos de resistência à radiação, bem como aos novos requisitos do sistema de filtragem. A eletrônica no primeiro nível de filtragem também será modificada e câmaras adicionais de múons serão consideradas. O sistema de filtragem de alto nível (HLT) terá mudanças em seus algoritmos. O grande volume de dados irá requerer um novo sistema para aquisição dos dados dos calorímetros. Ainda é importante destacar, que o Tilecal e o LAr planejam desenvolver bancadas para demonstração [7] de sua eletrônica de front-end atualizada. Desta forma, tanto o hardware como o software poderão ser testados antes da instalação no detector. Neste contexto, percebe-se a importância do desenvolvimento de sistemas de teste para a nova eletrônica dos calorímetros, uma vez que estes irão validar ou não a utilização da eletrônica no ATLAS. O cluster ATLAS/Brazil vem trabalhando no desenvolvimento da nova versão do sistema portátil para teste da eletrônica do Tilecal, chamado de MobiDick [8]. Este sistema, que é baseado numa plataforma em FPGA, se comunica com a eletrônica do Tilecal de forma a controlá-la, adquire os dados de todos os seus canais e das torres de trigger, e verifica automaticamente se há problemas na eletrônica de front-end do detector. Para implementar o novo sistema de digitalização das torres do calorímetro LAr, a Liquid Argon Trigger Board Digitizer (LTDB), será necessário validar toda a eletrônica de digitalização e processamento dos sinais. Os primeiros dispositivos a serem validados são os conversores analógico digitais (ADC). Cada placa digitalizadora dos sinais das torres terá 320 canais distribuídos entre 40 ADC de 8 canais. Os ADC devem operar numa ampla faixa dinâmica para o trigger (12 bits no mínimo) a uma taxa de conversão de no mínimo 40 MHz; sendo, contudo, desejável a possibilidade de operar a 80 MHz, a fim de facilitar a identificação de empilhamento dos sinais. Esses dispositivos devem também sobreviver a uma dose de aproximadamente 1 kgy (que pode ser elevada para 2 kgy considerando a margem de segurança) acumulada nos próximos 15 anos de operação. A elevada densidade de sinais requer dispositivos altamente integrados (daí a utilização de ADC de 8 canais) e de baixo consumo. Os grupos de 80 canais de ADC serão agregados e serializados por dispositivos de lógica programável (FPGA) que se comunicam com a eletrônica de processamento do trigger através de 12 canais de 10Gb/s, de forma que a taxa de transferência agregada de cada

5 LTDB chega a mais de 400 Gb/s. No total, serão 64 dessas placas apenas na região central do calorímetro, o que significa uma taxa agregada de mais de 25 Tb/s apenas para o trigger eletromagnético. Vários protótipos com um número reduzido de canais estão sendo construídos para considerar as possíveis alternativas no que se refere à arquitetura do LTDB, bem como avaliar a tolerância à radiação dos componentes utilizados. Desta forma, estamos trabalhando na implantação de um sistema de testes em laboratório para o desenvolvimento de métodos de reconstrução de sinais e o estudo da tolerância à radiação dos ADC. Protótipos de 8 canais já foram construídos e estão em fase de testes e um sistema de 80 canais (1/4 slice LTDB) será implementado nos próximos meses. No que tange a estimação de energia nos calorímetros do ATLAS e a filtragem de alto nível, o cluster ATLAS/Brazil tem liderado as discussões, apresentando soluções avançadas para o contexto de empilhamento baseadas em filtragem ótima [9], branqueamento de ruído e análise de componentes independentes [10]. Estas técnicas têm potencial de aplicação tanto no Tilecal quanto no calorímetro eletromagnético LAr [11]. No calorímetro eletromagnético, pré-processamento com ICA para estimação de energia pode ser fundamental, uma vez que neste calorímetro o problema de crosstalk entre canais deve ser considerado. Atualmente, o primeiro nível de filtragem de eventos do ATLAS utiliza uma informação compactada dos calorímetros, as torres de trigger. No cenário de alta luminosidade, a informação de todos os canais dos calorímetros será disponibilizada já no primeiro nível, o que irá mudar completamente a estratégia de filtragem, e consequentemente os algoritmos de filtragem, tanto no primeiro nível quanto nos níveis subsequentes. Desta forma, estudos sobre a utilização desta informação com maior granularidade no primeiro nível de filtragem e seu impacto na eficiência do sistema estão sendo realizados. Vale ressaltar que, nestes aspectos, o cluster ATLAS/Brazil tem experiência no desenvolvimento da torre de trigger do Tilecal [5] e em trabalhos alternativos para o sistema de filtragem do ATLAS [12,13], que utilizam uma descrição da informação de calorimetria através de anéis concêntricos de deposição de energia [14]. Este enfoque alternativo tem demosntrado desempenho superior às técnicas atualmente usadas no segundo nível de filtragem online e, neste novo cenário previsto, poderá ser utilizado no primeiro nível.atlas. Técnicas de processamento digital de sinais como filtragem adaptativa [15], e de reconhecimento de padrões e inteligência computacional [16] terão papel bastante importante neste novo cenário do sistema de filtragem com total granularidade desde o primeiro nível, sem falar no desafio que será processar toda informação com o tempo de latência total de 2.5 µs. Nestes aspectos, os projetos vêm utilizando a tecnologia FPGA para o tratamento digital dos sinais [17]. Finalmente, deve ser ressaltado que as técnicas de instrumentação, processamento digital de sinais e reconhecimento de padrões desenvolvidas para

6 o ATLAS têm potencial de utilização em outras áreas, o que vem sendo explorado com sucesso pelo cluster ATLAS/Brazil. Adicionalmente, o upgrade do ATLAS abre novas oportunidades de negócio para a indústria nacional, com destaque para empresas de base tecnológica. Desta forma, o upgrade do ATLAS enseja um aumento no envolvimento da indústria nacional nos experimentos em física de altas energias, com o oferecimento de oportunidades numa área de tecnologia sofisticada com elevado valor agregado. 2.5 Colaborações Nacionais e Internacionais Este projeto conta com a participação da Universidade Federal do Rio Janeiro (UFRJ), Universidade de São Paulo (USP), Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), Universidade Federal de São João Del Rei (UFSJ), Universidade Federal Fluminense (UFF), Universidade Federal da Bahia e CEFET-RJ.. Do ponto de vista internacional, o trabalho será desenvolvido no âmbito da colaboração ATLAS, tendo uma participação direta com os grupos do Tilecal, Trigger/DAq, Liquid Argon (LAr) e a coordenação técnica do ATLAS. Em particular, pode-se citar a colaboração com os grupos de Estocolmo (Suécia), Tokyo (Japão), Valência (Espanha), Brookhaven Nacional Laboratory (EUA) e Universidade de Chicago (EUA). As atividades descritas neste projeto são amplamente apoiadas no ATLAS, estando no núcleo central dos desenvolvimentos do upgrade do detector, o que fortalece as parcerias formadas nacional e internacionalmente. 2.6 Equipe Pesquisadores e PosDocs: 1. Aline Gesualdi (trigger, hardware) 2. Andre Asevedo Nepomuceno (análise calorimetria e trigger) 3. Augusto Santiago Cerqueira (estimação de energia, trigger de nível 1, trigger de múons assistido por calorimetria, instrumentação analógica) 4. Carmen Lucia Lodi Maidantchik (sistemas de engenharia de software) 5. Daniel Pedro Bezerra Chaves (análise de calorimetria) 6. Eduardo Luiz Augusto Macchione (Detectores e Instrumentação) 7. Eduardo Furtado Simas Filho (trigger de alto nível e projetos com FPGA) 8. Emi Marcia Takagui Análise de dados, simulação) 9. Fernando Marroquim (análise de calorimetria) 10. Jose Manoel de Seixas (estimação de energia, trigger de alto nível, trigger de múons assistido por calorimetria, instrumentação analógica) 11. Luciano Manhães de Andrade Filho (estimação de energia, trigger de múons assistido por calorimetria, projetos com FPGA)

7 12. Luiz Pereira Calôba (instrumentação analógica, trigger de alto nível) 13. Marco Aurelio Lisboa Leite (Detectores, Instrumentação e análise de dados) 14. Maria Aline Barros do Vale (análise de calorimetria) 15. Marisilvia Donadelli (análise de dados) 16. Olacio Dietzsch (Análise de dados e Instrumentação) 17. Paulo César Machado de Abreu Farias (trigger de alto nível, projetos com FPGA) 18. Rafael Antunes Nóbrega (trigger de primeiro nível, projetos com FPGA) 19. Yara do Amaral Coutinho (análise de calorimetria e fatores de qualidade para os sinais de calorimetria) Estudantes: 1. Adolfo Machado (I.C.) 2. Alfredo Antunes Junior (M.Sc.) 3. Victor Ferraz (D.Sc.) 4. Andressa Andrea Sivolella Gomes (I.C.) 5. Bernardo Sotto-Maior Peralva (D.Sc.) 6. Bruno Lange Ramos (I.C.) 7. Candida Meneghin (M.Sc.) 8. Rafael Gama (D.Sc.) 9. Davis Pereira Barbosa (D.Sc.) 10. João Victor da Fonseca Pinto (I.C.) 11. Felipe Fink Grael (D.Sc.) 12. Fernando Guimarães Ferreira (D.Sc.) 13. Fernando Miranda Vieira Xavier (D.Sc.) 14. Fernando Roberto de Andrade (M.Sc.) 15. José Navarro (D.Sc.) 16. Julio de Souza Vieira (M.Sc.) 17. Ramon Worme dos Santos (I.C) 18. Karina da Silva Dias (I.C.) 19. Luiz Eduardo Balabram Filho (M.Sc.) 20. Luiz Felipe Correa de Sá Santos Ferreira (I.C.) 21. Luiz Fernando Cagiano Parodi de Frias (I.C.) 22. Luiz Henrique Ramos Azevedo Évora (M.Sc) 23. Marcos Vinicius Oliveria (M.Sc.) 24. Natanael Nunes de Moura Junior (M.Sc.) 25. Rodrigo Pereira (M.Sc.) 26. Sérgio Manoel Valverde Pereira (M.Sc.) 27. Werner Freund (M.Sc.) 28. Matheus Araújo Marins (I.C.) 29. Vinicius Barbosa Schettino (M.Sc.) 30. Edmar Egídio (M.Sc.)

8 2.7 Cronograma Este projeto será desenvolvido seguindo as seguintes etapas em 24 meses: 1. Continuação dos estudos e do desenvolvimento de algoritmos para estimação de energia dos calorímetros no cenário de empilhamento de eventos e desenvolvimento/teste do trigger de múons assistido pelo Tilecal 2. Complementação das bancadas para testes experimentais 3. Montagem e testes das placas de testes dos digitalizadores para a LTDB 4. Desenvolvimento de firmware para a aquisição de dados e monitoramento dos digitlizadores do LAr. Início da caracterização dos componentes quanto aos danos por dose total por ionização (TID) utilizando radiação gama 5. Avaliação do desempenho da eletrônica do TileCal utilizando o MobiDick 6. Integração de placa de digitalização de 80 canais (1/4 slice LTDB) em sistema de aquisição de dados dedicado 7. Finalização dos testes de TID dos digitalizadores e análise dos dados. Finalização da integração do ¼ slice LTDB ao sistema de aquisição de dados, emulando o sistema de back-end do ATLAS 8. Implementação em FPGA do algoritmo de estimação de energia dos calorímetros 9. Avaliação do desempenho das técnicas de estimação implementadas em FPGA Etapa\Semestre

9 2.8 Orçamento Abaixo é apresentada a tabela com os equipamentos solicitados: Item Descrição Quantidade Preço (R$) 1 Sistema para inspeção e montagem de protótipos de placas de circuitos eletrônicos de alta densidade ,00 (15.680,00 Libras) 4 Crate VME64X 9U ,00 (8.043,00 Libras) 5 Osciloscópio DPO ,00 As cotações dos equipamentos estão sendo encaminhadas em anexo. 4. Justificativa do orçamento O Sistema de inspeção e montagem de protótipos de placas de circuitos eletrônicos de alta densidade será utilizado no teste e validação dos circuitos eletrônicos de alta densidade em placas de grande dimensão, utilizados nas bancadas de teste e no desenvolvimento de novos circuitos fabricados e montados no Brasil. O osciloscópio digital será utilizado nos desenvolvimentos de hardware, visando o trigger de múons assistido por calorimetria e os desenvolvimentos para a estimação de energia. Irá apoiar o desenvolvimentos dos protótipos e os testes de circuito. Para a complementação da bancada experimental para os desenvolvimento e testes de algoritmos de estimação e do trigger ainda é necessário pelo menos um gabinete VME64X 9U, barramento utilizado no ATLAS que servirá de base para o acoplamento de placas que serão desenvolvidas e onde os algoritmos desenvolvidos para estimação de energia e para o sistema de validação deverão ser implementados.

10 Referências [1] THE ATLAS COLLABORATION, The ATLAS Experiment at the CERN Large Hadron Collider, Journal of Instrumentation, JINST 3 S08003, [2] HESSEY, N., Upgrade News: Schedule, machine, organization, Atlas upgrade week, CERN, Geneva, Switzerland, November [3] HUBBARD, J. R., The ATLAS trigger/daq system, Nuclear Instruments and Methods in Physics Research A, v. 360, pp , [4] TEUSCHER, R. Study of ATLAS TileCal Response to Minimum Bias Pileup Events, ATLAS Internal Note, [5] ATLAS Letter of Intent Phase I Upgrade, CERN-LHCC , (2012) [6] CERQUEIRA, A. S., SEIXAS, J. M., CALOBA, L. P., Analog system for building the first-level triggering signal provided by the ATLAS hadronic calorimeter of ATLAS detector, Nuclear instruments and methods in physics research. Section A, v. 570, pp , [7] CARRIO, F, on behalf of the ATLAS Tile Calorimeter System, Upgrading The ATLAS Tile Calorimeter Electronics, First Large Hadron Collider Physics Conference, Barcelona, Spain, May 2013 [8] MARIN, C. New Version of Mobile Drawer Integrity Check System (ModiDICK), Tilecal Week, CERN, Geneva, Switzerland, May [9] TREES, H. L. V., Detection, Estimation and Modulation Theory, Part I. Wiley Interscience, Reprint Ed., [10] HYVARINEN, A., KARHUNEN, J., OJA, E., Independent Component Analysis. Wiley Interscience, New York, [11] THE ATLAS COLLABORATION. Liquid Argon Calorimeter Technical Design Report, CERN/LHCC/96-041, 1996.

11 [12] IGONKINA, O. ; SEIXAS, J. M. de ; et al.. Calorimetry Triggering in ATLAS. Journal of Physics. Conference Series (Online), v. 160, p , [13] CIODARO, T., SEIXAS, J. M. ; et al (ATLAS TileCal Collaboration). A Receiver System for Detecting Calorimeter Signals Under Low Signal to Noise Ratio Conditions. In: Internoise 2010, 2010, Lisboa. Proceedings of Internoise 2010, v. 1. p [14] TORRES, R. C., SEIXAS, J. M. De, ANJOS, A. R. Dos, CUNHA, Danilo Vannier. Online Electron/Jet Neural High-level Trigger Over Independent Calorimetry Information. The Journal of High-Energy Physics - POS online, v. ACAT, p. 1-15, [15] HAYKIN, S., Adaptive Filter Theory, Prentice Hall, Third Edition, [16] HAYKIN, S, Neural Network A Comprehensive Foundation, Prentice Hall, Second Edition, [17] BROWN, S., Fundamentals of Digital Logic with VHDL Design, Mc Graw Hill, 2000.

Lista de Atividades Realizadas dos Autores do ATLAS (Dezembro/2011 a Novembro/2012)

Lista de Atividades Realizadas dos Autores do ATLAS (Dezembro/2011 a Novembro/2012) Lista de Atividades Realizadas dos Autores do ATLAS (Dezembro/2011 a Novembro/2012) 1. Andre Asevedo Nepomuceno (UFF) Membro do grupo de física exótica do ATLAS, em particular na busca de novas ressonâncias

Leia mais

Lista de Atividades dos Autores do ATLAS

Lista de Atividades dos Autores do ATLAS Lista de Atividades dos Autores do ATLAS 1. Andre Asevedo Nepomuceno (UFF) Membro do grupo de física exótica do ATLAS, em particular na busca de novas ressonâncias que decaem em um par de elétrons ou muons.

Leia mais

Eduardo F. Simas F., José Manoel de Seixas, Luiz Pereira Calôba Laboratório de Processamento de Sinais, COPPE/Poli-UFRJ Rio de Janeiro-RJ, 21945-970.

Eduardo F. Simas F., José Manoel de Seixas, Luiz Pereira Calôba Laboratório de Processamento de Sinais, COPPE/Poli-UFRJ Rio de Janeiro-RJ, 21945-970. ANÁLISE DE COMPONENTES INDEPENDENTES PARA FILTRAGEM ONLINE NUM AMBIENTE DE ALTA TAXA DE EVENTOS E INFORMAÇÃO SEGMENTADA Eduardo F. Simas F., José Manoel de Seixas, Luiz Pereira Calôba Laboratório de Processamento

Leia mais

O Experimento CMS Parte 2/2

O Experimento CMS Parte 2/2 O Experimento CMS Parte 2/2 Thiago Tomei 29/03/2007 7/5/2007 Thiago Tomei 1 Sumário Parte 1: O Experimento CMS Large Hadron Collider LHC Compact Muon Solenoid CMS Estrutura de Hardware do CMS: Detector

Leia mais

ESTUDOS SOBRE A IMPLEMENTAÇÃO ONLINE DE UMA TÉCNICA DE ESTIMAÇÃO DE ENERGIA NO CALORÍMETRO HADRÔNICO DO ATLAS

ESTUDOS SOBRE A IMPLEMENTAÇÃO ONLINE DE UMA TÉCNICA DE ESTIMAÇÃO DE ENERGIA NO CALORÍMETRO HADRÔNICO DO ATLAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA ESTUDOS SOBRE A IMPLEMENTAÇÃO ONLINE DE UMA TÉCNICA DE ESTIMAÇÃO DE ENERGIA NO CALORÍMETRO HADRÔNICO DO ATLAS EM CENÁRIOS DE ALTA LUMINOSIDADE ALUNO: MARCOS VINÍCIUS

Leia mais

Laboratório de Processamento de Sinais (LPS), Escola Politécnica/COPPE, UFRJ 1. E-mails: {xavier,seixas}@lps.ufrj.br 2. Universidade de Wisconsin.

Laboratório de Processamento de Sinais (LPS), Escola Politécnica/COPPE, UFRJ 1. E-mails: {xavier,seixas}@lps.ufrj.br 2. Universidade de Wisconsin. DISCRIMINAÇÃO NEURAL DE PARTÍCULAS PARA UM DETECTOR SUBMETIDO A UMA ALTA TAXA DE EVENTOS Thiago Ciodaro Xavier1, José Manoel de Seixas1, André Rabello dos Anjos2 1 Laboratório de Processamento de Sinais

Leia mais

SISTEMA NEURAL SEGMENTADO DE DETECÇÃO ONLINE DE ELÉTRONS UTILIZANDO PRÉ-PROCESSAMENTO ESTATÍSTICO

SISTEMA NEURAL SEGMENTADO DE DETECÇÃO ONLINE DE ELÉTRONS UTILIZANDO PRÉ-PROCESSAMENTO ESTATÍSTICO SISTEMA NEURAL SEGMENTADO DE DETECÇÃO ONLINE DE ELÉTRONS UTILIZANDO PRÉ-PROCESSAMENTO ESTATÍSTICO Diego C. Teles, Fabio Batista, Edmar E. P. de Souza, Eduardo F. Simas Filho, P. C. M. A. Farias, José M.

Leia mais

Uma Breve Introdução à Física de Partículas O DEE-UFBA na Colaboração do Detector ATLAS do LHC

Uma Breve Introdução à Física de Partículas O DEE-UFBA na Colaboração do Detector ATLAS do LHC no do do no Uma Breve à Física de Partículas O na Colaboração do Detector do LHC Prof. (eduardo.simas@ufba.br) Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Universidade Federal da Bahia Colaboração

Leia mais

xavier@lps.ufrj.br, Andre.Dos.Anjos@cern.ch, seixas@lps.ufrj.br

xavier@lps.ufrj.br, Andre.Dos.Anjos@cern.ch, seixas@lps.ufrj.br DISCRIMINADORES NEURAIS DE PARTÍCULAS PARA UM DETECTOR SUBMETIDO A UMA ALTA TAXA DE EVENTOS Thiago Ciodaro Xavier, André dos Anjos Rabello, Jose Manoel de Seixas Laboratório de Processamento de Sinais

Leia mais

SISTEMA DIGITAL PARA REDUÇÃO DO EMPILHAMENTO EM MEDIÇÕES DE ENERGIA NUM DETECTOR DE PARTÍCULAS

SISTEMA DIGITAL PARA REDUÇÃO DO EMPILHAMENTO EM MEDIÇÕES DE ENERGIA NUM DETECTOR DE PARTÍCULAS SISTEMA DIGITAL PARA REDUÇÃO DO EMPILHAMENTO EM MEDIÇÕES DE ENERGIA NUM DETECTOR DE PARTÍCULAS MARCELO M. CAVALCANTI, EDUARDO F. SIMAS FILHO, PAULO C. M. A. FARIAS Laboratório de Sistemas Digitais, Departamento

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG)

PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG) PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG) MONTES CLAROS FEVEREIRO/2014 COORDENAÇÃO DE PESQUISA PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DISPOSITIVOS MÓVEIS INTELIGENTES ORIENTADOR:

Leia mais

Detector de Neutrinos para o Reator de Angra

Detector de Neutrinos para o Reator de Angra Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas (CBPF) Detector de Neutrinos para o Reator de Angra Detector Central, Sistema de VETO, Eletrônica (resumo das diretivas de projeto) Laudo Barbosa (24 de Maio, 2007)

Leia mais

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Quim. Nova, Vol. 38, No. 3, S1-S6, 2015 O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Fernando Arruda Mendes de Oliveira a,b, Eduardo Ribeiro

Leia mais

DETECÇÃO DE SINAIS E ESTIMAÇÃO DE ENERGIA PARA CALORIMETRIA DE ALTAS ENERGIAS. Bernardo Sotto-Maior Peralva

DETECÇÃO DE SINAIS E ESTIMAÇÃO DE ENERGIA PARA CALORIMETRIA DE ALTAS ENERGIAS. Bernardo Sotto-Maior Peralva PPEE/UFJF DETECÇÃO DE SINAIS E ESTIMAÇÃO DE ENERGIA PARA CALORIMETRIA DE ALTAS ENERGIAS Bernardo Sotto-Maior Peralva Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-graduação em Engenharia Elétrica,

Leia mais

Eletrônica Digital para Instrumentação

Eletrônica Digital para Instrumentação G4 Eletrônica Digital para Instrumentação Prof. Márcio Portes de Albuquerque (mpa@cbpf.br) Prof. Herman P. Lima Jr (hlima@cbpf.br) Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas Ministério da Ciência e Tecnologia

Leia mais

Aumento da Capacidade de Armazenamento do SPRACE

Aumento da Capacidade de Armazenamento do SPRACE Julho 2010 Aumento da Capacidade de Armazenamento do SPRACE São Paulo Regional Analysis Center Sergio Ferraz Novaes Sumário I. IDENTIFICAÇÃO DA PROPOSTA... 3 II. QUALIFICAÇÃO DO PROBLEMA... 3 III. OBJETIVOS

Leia mais

Fabricação, Montagem e Testes de Placas Eletrônicas. Sérgio Rodrigo Marques Em nome do grupo de Diagnóstico de Feixe 28-Junho-2013

Fabricação, Montagem e Testes de Placas Eletrônicas. Sérgio Rodrigo Marques Em nome do grupo de Diagnóstico de Feixe 28-Junho-2013 Fabricação, Montagem e Testes de Placas Eletrônicas Sérgio Rodrigo Marques Em nome do grupo de Diagnóstico de Feixe 28-Junho-2013 Fabricação e Testes de Eletrônicas Resumo Circuitos (ou placas) eletrônicos

Leia mais

Sistema de Teste Para um Torquímetro Dinâmico Telemétrico Aplicado a Eixos Rotativos

Sistema de Teste Para um Torquímetro Dinâmico Telemétrico Aplicado a Eixos Rotativos Sistema de Teste Para um Torquímetro Dinâmico Telemétrico Aplicado a Eixos Rotativos Eudisley G. dos Anjos eudisley@les.ufpb.br Francisco A. Belo belo@les.ufpb.br Manuella D. C. Silva manuella@les.ufpb.br

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO PROCESSO SELETIVO 2015 PROVA ESCRITA DE CONHECIMENTO JURÍDICO DOUTORADO

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO PROCESSO SELETIVO 2015 PROVA ESCRITA DE CONHECIMENTO JURÍDICO DOUTORADO BANCA: D-01D LINHA DE PESQUISA: DIREITOS HUMANOS E ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO: FUNDAMENTAÇÃO, PARTICIPAÇÃO E EFETIVIDADE ÁREA DE ESTUDO: DIREITO POLÍTICO SALA: 501 Carlos Athayde Valadares Viegas Ricardo

Leia mais

Localização Online do Vértice Primário de Colisão Utilizando a Transformada de Hough Adaptativa com Condição de Parada Dinâmica

Localização Online do Vértice Primário de Colisão Utilizando a Transformada de Hough Adaptativa com Condição de Parada Dinâmica CENTRO BRASILEIRO DE PESQUISAS FÍSICAS COORDENAÇÃO DE ATIVIDADES TÉCNICAS - CAT LABORATÓRIO DE PROCESSAMENTO DIGITAL DE SINAIS E IMAGENS - LPDSI Localização Online do Vértice Primário de Colisão Utilizando

Leia mais

Desenvolva aplicações mais eficientes de teste estrutural e bancos de teste

Desenvolva aplicações mais eficientes de teste estrutural e bancos de teste Desenvolva aplicações mais eficientes de teste estrutural e bancos de teste Alisson Kokot Engenheiro de Vendas - National Instruments Arquiteturas de medição condicionada Centralizada Distribuída Sala

Leia mais

EXPERIMENTOS DE FÍSICA DE ALTAS ENERGIAS COMO FOMENTO PARA ATRAÇÃO E PERMANÊNCIA DE ALUNOS EM CURSOS DE ENGENHARIA

EXPERIMENTOS DE FÍSICA DE ALTAS ENERGIAS COMO FOMENTO PARA ATRAÇÃO E PERMANÊNCIA DE ALUNOS EM CURSOS DE ENGENHARIA EXPERIMENTOS DE FÍSICA DE ALTAS ENERGIAS COMO FOMENTO PARA ATRAÇÃO E PERMANÊNCIA DE ALUNOS EM CURSOS DE ENGENHARIA Eduardo F. Simas Filho eduardo.simas@ufba.br Mariana Reis marianareis24@yahoo.com.br Universidade

Leia mais

Emulando Equipamentos Obsoletos com Instrumentos Definidos por Software

Emulando Equipamentos Obsoletos com Instrumentos Definidos por Software Emulando Equipamentos Obsoletos com Instrumentos Definidos por Software Marcela Trindade Engenheira de Vendas Pesquisa rápida Alguém tem que manter sistemas de teste em funcionamento por mais de 10 anos?

Leia mais

Monitor Cardíaco. Universidade Federal de Santa Maria Centro de Tecnologia Departamento de Eletrônica e Computação

Monitor Cardíaco. Universidade Federal de Santa Maria Centro de Tecnologia Departamento de Eletrônica e Computação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Tecnologia Departamento de Eletrônica e Computação Monitor Cardíaco Proposta de Trabalho de Conclusão de Curso Prof. Giovani Baratto Santa Maria Agosto de

Leia mais

CoNaIISI 2014 2º Congresso Nacional de Engenharia Informática / Sistemas de Informação

CoNaIISI 2014 2º Congresso Nacional de Engenharia Informática / Sistemas de Informação CoNaIISI 2014 2º Congresso Nacional de Engenharia Informática / Sistemas de Informação San Luis, 13 y 14 de Novembro de 2014 CHAMADA PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS O CoNaIISI é organizado pela rede de

Leia mais

ÁREA: CV ( ) CHSA ( ) ECET ( )

ÁREA: CV ( ) CHSA ( ) ECET ( ) ADAPTAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO PROCESSADOR RISCO A UMA ARQUITETURA MULTI-CORE PARA SISTEMAS EMBARCADOS DE PROPOSITO GERAL Laysson Oliveira Luz (Bolsista PIBIC/CNPq), Ivan Saraiva Silva (Orientador, Departamento

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES

DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES 39 A, por resolução do seu Comitê Técnico, em acordo com o Estatuto e as Regras da Competição, adotou as exigências mínimas que seguem no tocante a esta

Leia mais

Primeiro Foguete Brasileiro com Propulsão Líquida

Primeiro Foguete Brasileiro com Propulsão Líquida Primeiro Foguete Brasileiro com Propulsão Líquida Sucesso na Operação Raposa para lançamento do VS-30 no último dia 01/09 Tendências e tecnologias dos sistemas de testes aeroespacial e de defesa Alisson

Leia mais

HARDWARE E SOFTWARE PARA MONITORAMENTO EM INSTALAÇÕES RADIOATIVAS

HARDWARE E SOFTWARE PARA MONITORAMENTO EM INSTALAÇÕES RADIOATIVAS 2005 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2005 Santos, SP, Brazil, August 28 to September 2, 2005 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 85-99141-01-5 HARDWARE E SOFTWARE PARA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO PERFIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO PERFIL PERFIL 3001 - Válido para os alunos ingressos a partir de 2002.1 Disciplinas Obrigatórias Ciclo Geral Prát IF668 Introdução à Computação 1 2 2 45 MA530 Cálculo para Computação 5 0 5 75 MA531 Álgebra Vetorial

Leia mais

MECANISMOS PARA GOVERNANÇA DE T.I. IMPLEMENTAÇÃO DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MECANISMOS PARA GOVERNANÇA DE T.I. IMPLEMENTAÇÃO DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MECANISMOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza CICLO DA GOVERNANÇA DE TI O CICLO DA GOVERNANÇA DE TI O Ciclo da Governança de T.I. ALINHAMENTO

Leia mais

UM CLASSIFICADOR NEURONAL COMPACTO E EFICIENTE COM CAPACIDADE DE IDENTIFICAR CONTAMINAÇÃO EM DADOS EXPERIMENTAIS

UM CLASSIFICADOR NEURONAL COMPACTO E EFICIENTE COM CAPACIDADE DE IDENTIFICAR CONTAMINAÇÃO EM DADOS EXPERIMENTAIS UM CLASSIFICADOR NEURONAL COMPACTO E EFICIENTE COM CAPACIDADE DE IDENTIFICAR CONTAMINAÇÃO EM DADOS EXPERIMENTAIS Denis Oliveira Damazio damazio@lps.ufrj.br A. C. Soares cecilia@lps.ufrj.br José ManoeldeSeixas

Leia mais

NI FlexRIO - Tecnologia e Aplicações

NI FlexRIO - Tecnologia e Aplicações NI FlexRIO - Tecnologia e Aplicações Mike Munhato Marketing Técnico André Oliveira Gerente de Vendas Agenda O que é FPGA e por que ele é tão útil? Vantagens do FPGA em sistemas de teste Plataforma NI FlexRIO

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Sistemas e Automação Departamento de Engenharia - Universidade Federal de Lavras

Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Sistemas e Automação Departamento de Engenharia - Universidade Federal de Lavras Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Sistemas e Automação Histórico Início 2007 com foco em modelagem biológica (Engenharias IV Capes) e característica multidisciplinar com professores da área de

Leia mais

PROGRAMAÇÃO EM VHDL DE CIRCUITOS LÓGICOS PARA IMPLEMENTAÇÃO EM FPGA RELATÓRIO FINAL DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

PROGRAMAÇÃO EM VHDL DE CIRCUITOS LÓGICOS PARA IMPLEMENTAÇÃO EM FPGA RELATÓRIO FINAL DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PROGRAMAÇÃO EM VHDL DE CIRCUITOS LÓGICOS PARA IMPLEMENTAÇÃO EM FPGA RELATÓRIO FINAL DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PIBIC/CNPq/INPE) Yegor Gomes de Mello (UFRN, Bolsista PIBIC/CNPq) E-mail: yegor_melo@crn.inpe.br

Leia mais

Avaliação de Riscos Aplicada à Qualidade em Desenvolvimento de Software

Avaliação de Riscos Aplicada à Qualidade em Desenvolvimento de Software Rafael Espinha, Msc rafael.espinha@primeup.com.br +55 21 9470-9289 Maiores informações: http://www.primeup.com.br riskmanager@primeup.com.br +55 21 2512-6005 Avaliação de Riscos Aplicada à Qualidade em

Leia mais

Co-simulação gráfica. André Pereira Gerente de Marketing Técnico. ni.com

Co-simulação gráfica. André Pereira Gerente de Marketing Técnico. ni.com Co-simulação gráfica André Pereira Gerente de Marketing Técnico A revolução da energia digital Meça(Entenda o problema) Adquira Analise Apresente Implemente Prototipe Melhore(Crie soluções) Projete 2 NI

Leia mais

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas Perguntas e Respostas Índice 1. Qual é a participação de mercado da ALL no mercado de contêineres? Quantos contêineres ela transporta por ano?... 4 2. Transportar por ferrovia não é mais barato do que

Leia mais

Projeto Gráfico de Sistemas. Tecnologias e Aplicações na Indústria Pesquisa e Ensino

Projeto Gráfico de Sistemas. Tecnologias e Aplicações na Indústria Pesquisa e Ensino Projeto Gráfico de Sistemas Tecnologias e Aplicações na Indústria Pesquisa e Ensino Arnaldo Clemente André Oliveira Perfil Líderes em Medição e Automação Baseados em PC Longa história de crescimento e

Leia mais

1º EXAMINADOR 2º EXAMINADOR 3º EXAMINADOR MÉDIA ESC. X3 MED PON DID. X4 TIT. X2 P.A. X1. - - - - - - - - - - - - - - - - Desclassificado

1º EXAMINADOR 2º EXAMINADOR 3º EXAMINADOR MÉDIA ESC. X3 MED PON DID. X4 TIT. X2 P.A. X1. - - - - - - - - - - - - - - - - Desclassificado PLANILHA DE 01 02 03 04 05 06 07 08 Adeilton Correia de Barros Júnior Aline Lopes Timóteo Ana Paula Carvalho Cavalcanti Furtado Alysson Barros de Morais André Felipe Lemos Audrey Bezerra Vasconcelos Boaz

Leia mais

Virtualização de Sistemas Operacionais

Virtualização de Sistemas Operacionais Virtualização de Sistemas Operacionais Felipe Antonio de Sousa 1, Júlio César Pereira 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil felipeantoniodesousa@gmail.com, juliocesarp@unipar.br Resumo.

Leia mais

Laboratório de Máquinas Elétricas Utilizando um Sistema de Aquisição de Dados

Laboratório de Máquinas Elétricas Utilizando um Sistema de Aquisição de Dados Laboratório de Máquinas Elétricas Utilizando um Sistema de Aquisição de Dados Mauricélio Alves de Sousa, Eng o Fernando Luiz Marcelo Antunes, PhD Ricardo Silva Thé Pontes, MSc Grupo de Processamento de

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE CIRCUITOS CONVERSORES DIGITAL-ANALÓGICOS PARA CONTROLE DE POLARIZAÇÃO

DESENVOLVIMENTO DE CIRCUITOS CONVERSORES DIGITAL-ANALÓGICOS PARA CONTROLE DE POLARIZAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE CIRCUITOS CONVERSORES DIGITAL-ANALÓGICOS PARA CONTROLE DE POLARIZAÇÃO Aluno: Joaquim Masset Lacombe Dias Garcia Aluna: Ana Sofia Viotti Daker Aranha Orientador: Guilherme Penello Temporão

Leia mais

GE Intelligent Platforms. Automação em alta performance Soluções para um mundo conectado

GE Intelligent Platforms. Automação em alta performance Soluções para um mundo conectado GE Intelligent Platforms Automação em alta performance Soluções para um mundo conectado Na vanguarda da evolução da automação industrial. Acreditamos que o futuro da automação industrial seguirá o mesmo

Leia mais

PROPOSTA DE PROJETO DE PESQUISA APLICADA PARA AUXÍLIO FINANCEIRO A CURSOS PROJETO DE TELEFONIA IP

PROPOSTA DE PROJETO DE PESQUISA APLICADA PARA AUXÍLIO FINANCEIRO A CURSOS PROJETO DE TELEFONIA IP Ministério Público do Estado do Paraná PROPOSTA DE PROJETO DE PESQUISA APLICADA PARA AUXÍLIO FINANCEIRO A CURSOS PROJETO DE TELEFONIA IP ALEXANDRE GOMES DE LIMA SILVA CURITIBA - PR 2012-2013 Ministério

Leia mais

I Seminário dos Grupos de Pesquisa da UNISC Ficha de Inscrição do Grupo de Pesquisa. Nome do Grupo: GPSEM Grupo de Projeto de Sistemas Embarcados e

I Seminário dos Grupos de Pesquisa da UNISC Ficha de Inscrição do Grupo de Pesquisa. Nome do Grupo: GPSEM Grupo de Projeto de Sistemas Embarcados e I Seminário dos Grupos de Pesquisa da UNISC Ficha de Inscrição do Grupo de Pesquisa Nome do Grupo: GPSEM Grupo de Projeto de Sistemas Embarcados e Microeletrônica Área: Sistemas de Computação Nome do Líder:

Leia mais

Programação. Dia 31/05 1º período do curso de Engenharia de Computação

Programação. Dia 31/05 1º período do curso de Engenharia de Computação Programação Dia 31/05 1º período do curso de Engenharia de Computação 1ª PALESTRA DO DIA: 19h As perspectivas mercadológicas na era da Tecnologia da Informação para Utilização de Software nas Empresas

Leia mais

PROTÓTIPO DE ATENDIMENTO DOMICILIAR AUTOMATIZADO: HOME CARE DE BAIXO CUSTO

PROTÓTIPO DE ATENDIMENTO DOMICILIAR AUTOMATIZADO: HOME CARE DE BAIXO CUSTO PROTÓTIPO DE ATENDIMENTO DOMICILIAR AUTOMATIZADO: HOME CARE DE BAIXO CUSTO Wilker Luiz Machado Barros¹, Wyllian Fressatti¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil wilkermachado1@hotmail.com,

Leia mais

Transforme o aprendizado de circuitos na sala de aula e no laboratório. ni.com. NI ELVIS Uma plataforma modular para ensino de Engenharia

Transforme o aprendizado de circuitos na sala de aula e no laboratório. ni.com. NI ELVIS Uma plataforma modular para ensino de Engenharia Transforme o aprendizado de circuitos na sala de aula e no laboratório NI ELVIS Uma plataforma modular para ensino de Engenharia Ajudando os alunos a Fazer Engenharia Ensinando a teoria fundamental de

Leia mais

Guia de recomendações para implementação de PLM em PME s

Guia de recomendações para implementação de PLM em PME s 1 Guia de recomendações para implementação de PLM em PME s RESUMO EXECUTIVO Este documento visa informar, de uma forma simples e prática, sobre o que é a gestão do ciclo de vida do Produto (PLM) e quais

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por:

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por: A metodologia do Projecto SMART MED PARKS ARTIGO TÉCNICO O Projecto SMART MED PARKS teve o seu início em Fevereiro de 2013, com o objetivo de facultar uma ferramenta analítica de confiança para apoiar

Leia mais

EPUSP PCS 2021/2308/2355 Laboratório Digital GERADOR DE SINAIS

EPUSP PCS 2021/2308/2355 Laboratório Digital GERADOR DE SINAIS GERADOR DE SINAIS E.T.M./2007 (adaptação) E.T.M./2011 (revisão) RESUMO Esta experiência tem como objetivo a familiarização com o problema da conversão de sinais digitalizados em sinais analógicos, o conversor

Leia mais

II Encontro do Projeto Neutrinos Angra

II Encontro do Projeto Neutrinos Angra Eletrônica de front-end e teste de PMT s no CBPF II Encontro do Projeto Neutrinos Angra Laudo Barbosa, Rogério Machado (10 de Dezembro, 2007) 1 V(t) 30µs evento PMT cintilador sinal t 2 Sinal típico na

Leia mais

Detectores de Partículas: Tiago dos Anjos

Detectores de Partículas: Tiago dos Anjos Detectores de Partículas: Uma Introdução ao CMS Tiago dos Anjos Sumário Aceleradores Circulares LHC O Detector CMS - Sistema de Trajetórias - Detector de múons - Calorímetro Eletromagnético - Calorímetro

Leia mais

Atendimento no sábado 06/11/2010. Grupo I 8h00 às 10h30. Local: Campus Samambaia. José Osvaldino da Silva Francisco Santos Sousa João Batista Quirino

Atendimento no sábado 06/11/2010. Grupo I 8h00 às 10h30. Local: Campus Samambaia. José Osvaldino da Silva Francisco Santos Sousa João Batista Quirino Atendimento no sábado 06/11/2010 Grupo I 8h00 às 10h30 NOME José Osvaldino da Silva Francisco Santos Sousa João Batista Quirino Edmilson de Araujo Cavalcante Alexandre Brito dos Santos Vacirlene Moura

Leia mais

O Conversor Serial Ethernet MUX-10

O Conversor Serial Ethernet MUX-10 O Conversor Serial Ethernet MUX-10 M. B. Pereira, E. Araujo, ENAUTEC e F. Santana, COELBA Resumo - O Conversor Serial Ethernet MUX-10 é um protótipo destinado a interconectar equipamentos baseados em porta

Leia mais

GT-ATER: Aceleração do Transporte de Dados com o Emprego de Redes de Circuitos Dinâmicos. RP1 - Relatório de detalhamento das atividades

GT-ATER: Aceleração do Transporte de Dados com o Emprego de Redes de Circuitos Dinâmicos. RP1 - Relatório de detalhamento das atividades GT-ATER: Aceleração do Transporte de Dados com o Emprego de Redes de Circuitos Dinâmicos RP1 - Relatório de detalhamento das atividades Marcelo Akira Inuzuka Mário Augusto da Cruz Micael Oliveira Massula

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE AUTOMAÇÃO DA MEDIÇÃO NO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA

DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE AUTOMAÇÃO DA MEDIÇÃO NO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE AUTOMAÇÃO DA MEDIÇÃO NO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA Gilva Altair Rossi gilva@demec.ufmg.br José Maria Galvez jmgalvez@ufmg.br Universidade

Leia mais

Simplifique a complexidade do sistema

Simplifique a complexidade do sistema 1 2 Simplifique a complexidade do sistema Com o novo controlador de alto desempenho CompactRIO Rodrigo Schneiater Engenheiro de Vendas National Instruments Leonardo Lemes Engenheiro de Sistemas National

Leia mais

eletrônica: Parceria Inmetro com o desenvolvimento

eletrônica: Parceria Inmetro com o desenvolvimento Novos padrões para a medição eletrônica: Parceria Inmetro com o desenvolvimento Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial Inmetro Ditec Cgint - Incubadora Samuel Valle - Eng.º

Leia mais

Estudos Iniciais do Sistema didático para análise de sinais no domínio da frequência DSA-PC: tipos de janelas temporais.

Estudos Iniciais do Sistema didático para análise de sinais no domínio da frequência DSA-PC: tipos de janelas temporais. Estudos Iniciais do Sistema didático para análise de sinais no domínio da frequência DSA-PC: tipos de janelas temporais. Patricia Alves Machado Telecomunicações, Instituto Federal de Santa Catarina machadopatriciaa@gmail.com

Leia mais

Condicionamento da Energia Solar Fotovoltaica para Sistemas Interligados à Rede Elétrica

Condicionamento da Energia Solar Fotovoltaica para Sistemas Interligados à Rede Elétrica Condicionamento da Energia Solar Fotovoltaica para Sistemas Interligados à Rede Elétrica Autor: Pedro Machado de Almeida O aproveitamento da energia gerada pelo sol, considerada inesgotável na escala de

Leia mais

1 Instituições. 2 Pesquisadores Autores: 3 Pesquisadores Colaboradores. 4 PosDocs Colaboradores. 5 Estudantes:

1 Instituições. 2 Pesquisadores Autores: 3 Pesquisadores Colaboradores. 4 PosDocs Colaboradores. 5 Estudantes: Relatório ATLAS Janeiro a Dezembro de 2013 1 Instituições Oficialmente no ATLAS: 1.Universidade Federal do Rio de Janeiro 2.Universidade de São Paulo 3.Universidade Federal de Juiz de Fora 4.Universidade

Leia mais

Sociedade para o Desenvolvimento da Tecnologia da Informação. CRISE FISCAL x OPORTUNIDADES DE MELHORIA NO ATENDIMENTO AO CIDADÃO

Sociedade para o Desenvolvimento da Tecnologia da Informação. CRISE FISCAL x OPORTUNIDADES DE MELHORIA NO ATENDIMENTO AO CIDADÃO Sociedade para o Desenvolvimento da Tecnologia da Informação CRISE FISCAL x OPORTUNIDADES DE MELHORIA NO ATENDIMENTO AO CIDADÃO Rápido, Fácil e Barato! TEMPOS DE CRISE REQUEREM PRAGMATISMO E SOLUÇÕES

Leia mais

Implementação de um módulo Ethernet 10/100Mbps com interface Avalon para o processador Nios II da Altera

Implementação de um módulo Ethernet 10/100Mbps com interface Avalon para o processador Nios II da Altera Implementação de um módulo Ethernet 10/100Mbps com interface Avalon para o processador Nios II da Altera Ricardo Menotti Orientador: Prof. Dr. Eduardo Marques Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação

Leia mais

ATA DO WORKSHOP E REUNIÃO DO CTC. 07 e 08 de Dezembro de 2011. RENAFAE Rede Nacional de Física de Altas Energias

ATA DO WORKSHOP E REUNIÃO DO CTC. 07 e 08 de Dezembro de 2011. RENAFAE Rede Nacional de Física de Altas Energias ATA DO WORKSHOP E REUNIÃO DO CTC 07 e 08 de Dezembro de 2011 RENAFAE Rede Nacional de Física de Altas Energias O Presidente da RENAFAE, Prof. Ricardo Galvão convocou o Workshop para todos os membros da

Leia mais

Thiago Ciodaro Xavier

Thiago Ciodaro Xavier IDENTIFICAÇÃO ONLINE DE SINAIS BASEADA EM CALORIMETRIA DE ALTAS ENERGIAS E COM FINA SEGMENTAÇÃO Thiago Ciodaro Xavier Tese de Doutorado apresentada ao Programa de Pós-graduação em Engenharia Elétrica,

Leia mais

Declaração de Escopo

Declaração de Escopo 1/9 Elaborado por: Adriano Marra, Bruno Mota, Bruno Leite, Janaina Versão: 1.4 Lima, Joao Augusto, Paulo Takagi, Ricardo Reis. Aprovado por: Porfírio Carlos Roberto Junior 24/08/2010 Time da Equipe de

Leia mais

Fonte de Consulta: Sistemas de Informação e as Decisões Gerenciais na Era da Internet James A. O Brien NOTAS DE AULA

Fonte de Consulta: Sistemas de Informação e as Decisões Gerenciais na Era da Internet James A. O Brien NOTAS DE AULA NOTAS DE AULA 1. TENDÊNCIAS EM SISTEMAS DE MICROCOMPUTADORES Existem várias categorias principais de sistemas de computadores com uma diversidade de características e capacidades. Consequentemente, os

Leia mais

Disciplina: Introdução à Informática Profª Érica Barcelos

Disciplina: Introdução à Informática Profª Érica Barcelos Disciplina: Introdução à Informática Profª Érica Barcelos CAPÍTULO 4 1. ARQUITETURA DO COMPUTADOR- HARDWARE Todos os componentes físicos constituídos de circuitos eletrônicos interligados são chamados

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO CURVE TRACER

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO CURVE TRACER PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO CURVE TRACER CURITIBA 2011 GUSTAVO MURILO SCHMITT MASSANEIRO CURVE TRACER Documentação apresentada

Leia mais

PLANO DE ENSINO CARGA HORÁRIA TOTAL: 72 TEORIA: 50 PRÁTICA: 22

PLANO DE ENSINO CARGA HORÁRIA TOTAL: 72 TEORIA: 50 PRÁTICA: 22 DEPARTAMENTO: Sistemas de Informação PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: Redes de Computadores I PROFESSOR: SERGIO ROBERTO VILLARREAL SIGLA: RED I E-MAIL: sergio.villarreal@udesc.br CARGA HORÁRIA TOTAL: 72 TEORIA:

Leia mais

Semana Tecnológica 2009. Projetos do Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet

Semana Tecnológica 2009. Projetos do Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Semana Tecnológica 2009 Projetos do Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Barbacena Outubro de 2009 PROJETO: Montagem, configuração e utilização de um cluster de computadores Anderson

Leia mais

II INTERNATIONAL MASTERCLASSES UFABC - HANDS ON IN PARTICLE PHYSICS

II INTERNATIONAL MASTERCLASSES UFABC - HANDS ON IN PARTICLE PHYSICS Conselho de Centro do CCNH Proposta de ação extensionista II INTERNATIONAL MASTERCLASSES UFABC - HANDS ON IN PARTICLE PHYSICS Giselle Watanabe Caramello (coordenador) Pedro Galli Mercadante (vice-coordenador)

Leia mais

1. Ementa 2. Objetivos Gerais: 3. Objetivos Específicos 4. Estruturação do conteúdo da disciplina e sistemática as ser desenvolvida:

1. Ementa 2. Objetivos Gerais: 3. Objetivos Específicos 4. Estruturação do conteúdo da disciplina e sistemática as ser desenvolvida: 1. Ementa Gerenciamento e desenvolvimento de um projeto que acompanhe as etapas do ciclo de vida do software e ou hardware, com ênfase em: documentação, determinação dos requisitos, projeto lógico, projeto

Leia mais

Sistema de Aquisição de Dados

Sistema de Aquisição de Dados Sistema de Aquisição de Dados Versão 2013 RESUMO Nesta experiência será desenvolvido o projeto de um sistema de aquisição e armazenamento de dados analógicos em formato digital. O sinal de um sensor de

Leia mais

Local SÍTIO DO SOSSEGO, CASIMIRO DE ABREU, RJ. Data 07 E 08 DE SETEMBRO DE 2012 PROVAS E COMPETIÇÕES BÍBLICAS 2012

Local SÍTIO DO SOSSEGO, CASIMIRO DE ABREU, RJ. Data 07 E 08 DE SETEMBRO DE 2012 PROVAS E COMPETIÇÕES BÍBLICAS 2012 Página 1 de 6 PROVAS E COMPETIÇÕES BÍBLICAS 2012 Data 07 E 08 DE SETEMBRO DE 2012 Local SÍTIO DO SOSSEGO, CASIMIRO DE ABREU, RJ PROVA DE MARCOS (Junior) 01 JUAN DA COSTA SOUZA IB EBENEZER EM STA LUZIA

Leia mais

Comunicação de dados entre um Amplificador Lock-in e um Monocromador Cornerstone utilizando o DataSocket do LabVIEW

Comunicação de dados entre um Amplificador Lock-in e um Monocromador Cornerstone utilizando o DataSocket do LabVIEW Comunicação de dados entre um Amplificador Lock-in e um Monocromador Cornerstone utilizando o DataSocket do LabVIEW Julyanne Silva Cunha 1 ; Francisco Aurilo Azevedo Pinho 2 1 Aluna do Curso de Física;

Leia mais

Reconhecimento de Dados Biométricos em Larga Escala

Reconhecimento de Dados Biométricos em Larga Escala Reconhecimento de Dados Biométricos em Larga Escala Profa. Fabíola Gonçalves Pereira Greve DCC - UFBA Departamento de Ciência da Computação Grupo de Algoritmos e Computação Distribuída http:// Equipe Profa.

Leia mais

O AMPLIFICADOR LOCK-IN

O AMPLIFICADOR LOCK-IN O AMPLIFICADOR LOCK-IN AUTORES: MARCELO PORTES DE ALBUQUERQUE LEONARDO CORREIA RESENDE JORGE LUÍS GONZALEZ RAFAEL ASTUTO AROUCHE NUNES MAURÍCIO BOCHNER FEVEREIRO 2008 SUMÁRIO RESUMO... 3 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

Ferramentas para Simulação e Avaliação de Processadores. de Alto Desempenho

Ferramentas para Simulação e Avaliação de Processadores. de Alto Desempenho Ferramentas para Simulação e Avaliação de Processadores de Alto Desempenho 5 de agosto de 2010 Resumo 1 Apresentação e Justificativa A tarefa de avaliar e comparar experimentalmente projetos em torno de

Leia mais

Vantagens da arquitetura LabVIEW RIO para aplicações de controle de movimento

Vantagens da arquitetura LabVIEW RIO para aplicações de controle de movimento 1 Vantagens da arquitetura LabVIEW RIO para aplicações de controle de movimento Rodrigo Schneiater Engenheiro de Vendas National Instruments Telles Soares Engenheiro de Sistemas National Instruments O

Leia mais

Governo Orientado por Serviços

Governo Orientado por Serviços Governo Orientado por Serviços Qual a Sociedade da Informação que Queremos? Uso das tecnologias da informação e da comunicação na administração pública - combinado com mudanças organizacionais e novas

Leia mais

Da Física de Partículas às Ciências da Saúde. Projecto ClearPEM

Da Física de Partículas às Ciências da Saúde. Projecto ClearPEM Da Física de Partículas às Ciências da Saúde Projecto ClearPEM Projecto e construção de um sistema de Tomogragrafia por Emissão de Positrões (PET) para Mamografia partindo de tecnologias importadas da

Leia mais

COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com Introdução Atualmente, é impossível imaginar uma empresa sem uma forte área de sistemas

Leia mais

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia.

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A EMPRESA A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A experiência da Future Technology nas diversas áreas de TI disponibiliza aos mercados público

Leia mais

Conferência de Digitação

Conferência de Digitação Programa: 4394P - Informática 22 Nome: CUDEN: Collaborative Centric User-Device Networking (Programa CAPES/STIC-AmSud - Edital DRI/CAPES no. 2/2) Ano Início: 2 Natureza: Outra Graduação: Especialização:

Leia mais

Smart Grid A Transição nas Redes das Concessionárias de Energia

Smart Grid A Transição nas Redes das Concessionárias de Energia 1 Smart Grid A Transição nas Redes das Concessionárias de Energia Autor: Kobi Gol Gerente de Desenvolvimento de Negócios e Soluções da RAD Data Communications. 2 As redes das empresas de energia estão

Leia mais

RECEPÇÃO DO SINAL DE MÚONS NO CALORÍMETRO HADRÔNICO DO EXPERIMENTO ATLAS. Fernando Miranda Vieira Xavier

RECEPÇÃO DO SINAL DE MÚONS NO CALORÍMETRO HADRÔNICO DO EXPERIMENTO ATLAS. Fernando Miranda Vieira Xavier PPEE/UFJF RECEPÇÃO DO SINAL DE MÚONS NO CALORÍMETRO HADRÔNICO DO EXPERIMENTO ATLAS Fernando Miranda Vieira Xavier Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-graduação em Engenharia Elétrica,

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Como Desenvolver Sistemas de Informação Capítulo 11 Pág. 337 2

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

Comunicado à Imprensa

Comunicado à Imprensa Industry 4.0 Página 1 de 6 Beckhoff na Hanover Messe: Hall 9 Stand F06 Indústria 4.0 Fórum: Controle baseado em PC como base tecnológica para aplicações em fabricas inteligentes Com o Indústria Integrada

Leia mais

II Seminário Resultados da Lei da Informática

II Seminário Resultados da Lei da Informática II Seminário Resultados da Lei da Informática Rodrigo Pinto Diretor de P&D 29 de março de 2006 Agenda A Solectron Estratégia Organização Realizações Resultados entre 1998 2003 Resultados entre 2004-2005

Leia mais

Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software

Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software Objetivos da aula: Introduzir os conceitos de um processo de desenvolvimento de software Definir os processos básicos Apresentar as vantagens

Leia mais

Projeto CITAR Circuitos Integrados Tolerantes à Radiação

Projeto CITAR Circuitos Integrados Tolerantes à Radiação Projeto CITAR Circuitos Integrados Tolerantes à Radiação Saulo Finco Chefe da DCSH saulo.finco@cti.gov.br Tel.: (19) 3746-6246 - Fax: (19) 3746-6028 www.cti.gov.br Projeto CITAR Circuitos Integrados Tolerantes

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG)

PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG) PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG) MONTES CLAROS FEVEREIRO/2014 1 COORDENAÇÃO DE PESQUISA PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA RASTREAMENTO DE MOTOCICLETAS ORIENTADOR:

Leia mais

A Utilização de Softwares Livres no Desenvolvimento de Cursos de Educação a Distância (EAD) nas Universidades e a Inclusão Digital² RESUMO

A Utilização de Softwares Livres no Desenvolvimento de Cursos de Educação a Distância (EAD) nas Universidades e a Inclusão Digital² RESUMO 1 A Utilização de Softwares Livres no Desenvolvimento de Cursos de Educação a Distância (EAD) nas Universidades e a Inclusão Digital² Bruna Barçante¹ Aylla Barbosa Ribeiro¹ Fernanda Teixeira Ferreira Leite¹

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Design de Rede Local Design Hierárquico Este design envolve a divisão da rede em camadas discretas. Cada camada fornece funções específicas que definem sua função dentro da rede

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA Estudo e aperfeiçoamento da técnica de Steering Behaviors na simulação física de fluidos

Leia mais