On Scalability of Software-Defined Networking

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "On Scalability of Software-Defined Networking"

Transcrição

1 On Scalability of Software-Defined Networking Bruno dos Santos Silva Instituto de Computação IC Universidade Federal Fluminense UFF 24 de Setembro de 2015 B. S. Silva (IC-UFF) On Scalability of SDN 24 de Setembro de / 30

2 Introdução 1 Introdução 2 Raizes das preocupações sobre escalabilidade em SDN 3 Escalabilidade em diferentes configurações de rede 4 Oportunidades e desafios 5 Conclusão B. S. Silva (IC-UFF) On Scalability of SDN 24 de Setembro de / 30

3 Introdução Apesar de todas as vantagens oferecidas pelo SDN, existe um questionamento quanto a performance e escalabilidade do mesmo. Esse questionamento surge do fato de o controlador do SDN ser centralizado. Intuitivamente, isso nos leva a pensar que o controlador não escala conforme a rede cresce. Não ajuda o fato de testes iniciais com o NOX apontarem um limite de inicializações de fluxo por segundo mantendo um tempo abaixo de 10 ms para instalação do fluxo. B. S. Silva (IC-UFF) On Scalability of SDN 24 de Setembro de / 30

4 Introdução O artigo argumenta que não há um gargalo inerente a escalabilidade do SDN, mas que essa preocupação vem de suposições. E que sem essas suposições, é possível projetar um plano de controle escalável. Porém, admite que há motivo para preocupação, mas com limitações a escalabilidade que não estão restritas somente ao SDN (i.e. protocolo de controle de redes tradicionais) B. S. Silva (IC-UFF) On Scalability of SDN 24 de Setembro de / 30

5 Raizes das preocupações sobre escalabilidade em SDN 1 Introdução 2 Raizes das preocupações sobre escalabilidade em SDN 3 Escalabilidade em diferentes configurações de rede 4 Oportunidades e desafios 5 Conclusão B. S. Silva (IC-UFF) On Scalability of SDN 24 de Setembro de / 30

6 Raizes das preocupações sobre escalabilidade em SDN Com a separação do plano de controle do plano de dados, os componentes podem evoluir de forma independente, tendo somente um API (application programming interfece) entre eles. Além disso, a visão centralizada da rede cria oportunidades para simplificar as aplicações de controle, acelerando as mudanças e inovações no plano de controle. Mas essa separação entre os planos também tem suas dificuldades. B. S. Silva (IC-UFF) On Scalability of SDN 24 de Setembro de / 30

7 Raizes das preocupações sobre escalabilidade em SDN Figura: Plano de controle e de dados podem ter diferentes topologias, usar diferentes tecnologias e evoluir de forma independente. B. S. Silva (IC-UFF) On Scalability of SDN 24 de Setembro de / 30

8 Raizes das preocupações sobre escalabilidade em SDN O que abordar na separação dos planos A definição da API deve atender a necessidade de várias arquiteturas e deve facilitar a evolução independente de ambos os planos. Além disso, as empresas que comercializam switchs devem adotar a mesma API, caso contrário, redes estarão presas a vendedores específicos, o que pode dificultar a inovação. E a separação entre os planos traz, como já dito, preocupação quanto a escalabilidade. Isso por causa da possibilidade de gargalos e de alto custo na sinalização da rede. B. S. Silva (IC-UFF) On Scalability of SDN 24 de Setembro de / 30

9 Raizes das preocupações sobre escalabilidade em SDN Escalabilidade do controlador Como já visto, uma das formas de projetar uma rede SDN é delegar todas as funcionalidades de controle a um controlador centralizado, mas isto pode causar problemas de escalabilidade. Formas de tratar esse problema passam por utilizar paralelismo em sistemas multicore e melhorar a desempenho de E/S (i.e. Modificação no controlador NOX) Pode-se também reduzir o número de requisições enviadas ao controlador (i.e. DIFANE, DevoFlow). B. S. Silva (IC-UFF) On Scalability of SDN 24 de Setembro de / 30

10 Raizes das preocupações sobre escalabilidade em SDN Escalabilidade do controlador Alternativamente, pode-se distribuir a tarefa do controlador para múltiplos controladores. Ter um único controlador não é uma característica intrínsica do SDN. É necessário somente ter uma visão unificada e abrangente da rede. E projetar aplicações de controle com o nível de consistência a mais fraco possível. a Termo utilizado no domínio de Programação Concorrente B. S. Silva (IC-UFF) On Scalability of SDN 24 de Setembro de / 30

11 Raizes das preocupações sobre escalabilidade em SDN Escalabilidade do controlador Já existem soluções onde pode-se distribuir os elementos do plano de controle, mantendo uma visão geral da rede. Onix: plataforma de controle distribuída que facilita a implementação de um plano de controle distribuído. HyperFlow: sincroniza o estado da rede entre múltiplas instâncias de controladores, levando as aplicações, rodando em cada controlador, a assumir que possuem controle sobre toda a rede. Uma outra forma de distribuir o plano de controle é através de escopos, na qual aplicações que podem operar usando o estado local do switch (escopo local) são implantadas próximas ao plano de dados, aliviando outras partes do plano de controle, da carga. B. S. Silva (IC-UFF) On Scalability of SDN 24 de Setembro de / 30

12 Raizes das preocupações sobre escalabilidade em SDN Outras preocupações quanto a escalabilidade do SDN Carga elevada no controlador é só uma das preocupações quanto a escalabilidade do SDN. Outras causas de preocupação são: alto custo na inicialização de fluxos, e resiliência a falhas. B. S. Silva (IC-UFF) On Scalability of SDN 24 de Setembro de / 30

13 Raizes das preocupações sobre escalabilidade em SDN Alto custo na inicialização de fluxos Primeiros projetos de controladores (i.e. NOX e ETHANE) utilizavam um modelo reativo, no qual o controlador instalava o estado de encaminhamento no switch baseado em cada fluxo. Isso levou a suposição generalizada de que todos os sistemas SDN são reativos. No entanto, projetos proativos (no qual o encaminhamento é configurado antes da inicialização dos fluxos) são, não só aceitáveis, como podem evitar o atraso na inicialização de fluxos. B. S. Silva (IC-UFF) On Scalability of SDN 24 de Setembro de / 30

14 Raizes das preocupações sobre escalabilidade em SDN Alto custo na inicialização de fluxos Processo de configuração de fluxo Chega um fluxo no switch que não combina com nenhuma entrada na tabela de fluxo O switch gera uma nova requisição de fluxo para o controlador O controlador responde com uma nova regra de encaminhamento O switch atualiza sua tabela de fluxos B. S. Silva (IC-UFF) On Scalability of SDN 24 de Setembro de / 30

15 Raizes das preocupações sobre escalabilidade em SDN Alto custo na inicialização de fluxos Devido a falta de recursos e a implementação não ótima de software, os switches suportam apenas algumas milhares de instalação de fluxos por segundo com uma latência inferior a 10 ms, enquanto que o Open vswitch é capaz de instalar dezenas de milhares. É, portanto, previsível que a atualização da FIB (Forwarding Information Base) será o fator principal na latência da configuração de fluxo pelo switch. B. S. Silva (IC-UFF) On Scalability of SDN 24 de Setembro de / 30

16 Raizes das preocupações sobre escalabilidade em SDN Alto custo na inicialização de fluxos No entanto, não levando em consideração essas limitações na configuração reativa de fluxo, a lógica de controle é quem então determina a escalabilidade do SDN. Isso porque um programa de controle instalando um caminho fim-a-fim baseado em fluxo não escala, já que a memória do switch é fixa mas o número de regras de encaminhamento cresce de acordo com o número de fluxos ativos na rede. Contudo, o programa de controle pode instalar regras agregadas que combinem com um grande número de micro-fluxos ou, proativamente instalar regras no núcleo da rede, enquanto classifica e rotula reativamente fluxo nas bordas. B. S. Silva (IC-UFF) On Scalability of SDN 24 de Setembro de / 30

17 Raizes das preocupações sobre escalabilidade em SDN Resiliência a falhas Resiliência a falhas e o tempo de convergência após uma falha sempre foram preocupações importantes em desempenho de redes. Porém, em SDN, dados controladores slave sincronizados por estado e um mecanismo escalável de descoberta de controladores caso um venha a falhar, teria-se o suficiente para que a rede continuasse funcionando. B. S. Silva (IC-UFF) On Scalability of SDN 24 de Setembro de / 30

18 Raizes das preocupações sobre escalabilidade em SDN Resiliência a falhas Processo de reparação de falha 1 O switch detecta uma mudança 2 O switch notifica o controlador 3 O programa de controle computa as ações de reparo 4 O programa de controle envia atualizações para o switch 5 O switch atualiza suas tabelas de encaminhamento B. S. Silva (IC-UFF) On Scalability of SDN 24 de Setembro de / 30

19 Raizes das preocupações sobre escalabilidade em SDN Resiliência a falhas O tempo de propagação de falha em redes SDN não é pior do que em redes tradicionais, pois, em SDN, a informação é enviada diretamente para o controlador, enquanto que em redes tradicionais, a rede é inundada com notificações. Além disso, em SDN, a computação é efetuada em um controlador mais capaz do que em redes tradicionais. Portanto, o processo de recuperação de falhas em SDN não é pior do que em redes tradicionais e SDN pode utilizar as mesmas técnicas usadas em redes tradicionais para minimizar indisponibilidade. B. S. Silva (IC-UFF) On Scalability of SDN 24 de Setembro de / 30

20 Escalabilidade em diferentes configurações de rede 1 Introdução 2 Raizes das preocupações sobre escalabilidade em SDN 3 Escalabilidade em diferentes configurações de rede 4 Oportunidades e desafios 5 Conclusão B. S. Silva (IC-UFF) On Scalability of SDN 24 de Setembro de / 30

21 Escalabilidade em diferentes configurações de rede Além de analisar métricas, pode-se também verificar padrões de escalabilidade e imprevistos em tipos específicos de redes. Para identificar padrões que possam ser generalizados e usados como referência no entendimento de problemas de escalabilidade, foram analisados os seguintes exemplos: Data centers Redes de provedores de serviços B. S. Silva (IC-UFF) On Scalability of SDN 24 de Setembro de / 30

22 Escalabilidade em diferentes configurações de rede Data centers O número absoluto de eventos de controle gerados em uma rede cuja escala é tão grande quanto dezenas de milhares de elementos é suficiente para sobrecarregar qualquer controlador centralizado. Uma forma de resolver esse problema é proativamente instalar regras nos switches, com custo de perda de precisão e reatividade no controlador. Caso seja necessário ter precisão, pode-se implantar as aplicações próximas aos switches. E, por último, pode-se utilizar controladores distribuídos, já que a sincronização de estados e configuração de fluxos teriam latência mínima, dada a baixa latência em redes de data centers. B. S. Silva (IC-UFF) On Scalability of SDN 24 de Setembro de / 30

23 Escalabilidade em diferentes configurações de rede Redes de provedores de serviços Normalmente, redes de provedores de serviços estão distribuídas geograficamente, o que aumenta preocupações quanto a escalabilidade, configuração de fluxos, latência de convergência de estados e consistência. Uma vantagem da distribuição física da rede é que permite a criação de partições em diferentes regiões, cada uma com um controlador independente. Por também ter um grande número de fluxos, deve-se também se preocupar com limites de recursos para dados de fluxos. Uma solução simples para esse problema é a agregação de fluxos, que tem como custo a perda de granularidade no controle. B. S. Silva (IC-UFF) On Scalability of SDN 24 de Setembro de / 30

24 Oportunidades e desafios 1 Introdução 2 Raizes das preocupações sobre escalabilidade em SDN 3 Escalabilidade em diferentes configurações de rede 4 Oportunidades e desafios 5 Conclusão B. S. Silva (IC-UFF) On Scalability of SDN 24 de Setembro de / 30

25 Oportunidades e desafios Existem outros aspectos além do desempenho, que permitem mensurar a escalabilidade de uma rede. Tais como: Gerenciabilidade: quão conveniente é gerenciar uma rede quando elementos de rede são adicionados, removidos ou modificados em larga escala Escalabilidade funcional: quanto esforço é necessário fazer para adicionar uma nova funcionalidade na rede B. S. Silva (IC-UFF) On Scalability of SDN 24 de Setembro de / 30

26 Oportunidades e desafios Abstrações comportamentais e de programação Processo de configuração de fluxo Apesar de fornecer uma API que expõe detalhes de interface entre plano de dados e controle, tal nível de detalhe não se faz necessário a quem gerencia a rede. Operadores e programadores necessitam de uma interface na qual possam especificar o comportamento desejado com o mínimo de esforço possível. B. S. Silva (IC-UFF) On Scalability of SDN 24 de Setembro de / 30

27 Oportunidades e desafios Teste e verificação Teste ainda é um grande desafio para todos os tipos de redes, incluindo SDNs. Porém, SDNs já fornecem formas de teste que ainda não estão totalmente disponíveis para redes tradicionais. B. S. Silva (IC-UFF) On Scalability of SDN 24 de Setembro de / 30

28 Extensibilidade Oportunidades e desafios Implementações atuais do SDN implementam apenas protocolos conhecidos cujo suporte é dado pela maioria do equipamentos. Conforme SDN cresce, novos protocolos ou versões terão que ser implementadas nas APIs atuais. Uma solução para esse problema seria fornecer uma API mais expressiva entre o plano de dados e o plano de controle. B. S. Silva (IC-UFF) On Scalability of SDN 24 de Setembro de / 30

29 Conclusão 1 Introdução 2 Raizes das preocupações sobre escalabilidade em SDN 3 Escalabilidade em diferentes configurações de rede 4 Oportunidades e desafios 5 Conclusão B. S. Silva (IC-UFF) On Scalability of SDN 24 de Setembro de / 30

30 Conclusão Conclui-se que as preocupações referentes a escalabilidade em redes SDN não são causadas ou únicas a rede SDN. E que a maioria desses problemas podem ser resolvidos sem perda de benefícios oferecidos pelas redes SDN. Além disso, que SDNs oferecem a flexibilidade que permite a programação da rede e a gestão em escala. B. S. Silva (IC-UFF) On Scalability of SDN 24 de Setembro de / 30

Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações

Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações Redes definidas por software e Computação em Nuvem Prof. Rodrigo de Souza Couto PARTE 1 REDES DEFINIDAS POR SOFTWARE (SDN) 2 Bibliografia Esta aula é baseada

Leia mais

Maestro. Arthur Kazuo Tojo Costa 317497. Universidade Federal de São Carlos Campus Sorocaba Bacharelado em Ciência da Computação

Maestro. Arthur Kazuo Tojo Costa 317497. Universidade Federal de São Carlos Campus Sorocaba Bacharelado em Ciência da Computação Maestro Arthur Kazuo Tojo Costa 317497 Universidade Federal de São Carlos Campus Sorocaba Bacharelado em Ciência da Computação Introdução Sistema Operacional de Redes Detalhes do hardware Multiplexação

Leia mais

Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações

Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações Redes definidas por software e Computação em Nuvem Prof. Rodrigo de Souza Couto Informações Gerais Prof. Rodrigo de Souza Couto E-mail: rodsouzacouto@ieee.org

Leia mais

Tecnologias Web. Padrões de Projeto - Camada de Apresentação

Tecnologias Web. Padrões de Projeto - Camada de Apresentação Tecnologias Web Padrões de Projeto - Camada de Apresentação Cristiano Lehrer, M.Sc. Padrões da Camada de Apresentação (1/2) Intercepting Filter Viabiliza pré e pós processamento de requisições. Front Controller

Leia mais

Towards Secure and Dependable Software-Defined Networks. Carlos Henrique Zilves Nicodemus

Towards Secure and Dependable Software-Defined Networks. Carlos Henrique Zilves Nicodemus Towards Secure and Dependable Software-Defined Networks Carlos Henrique Zilves Nicodemus Sumário Introdução Vetores de Ameaças Segurança e Confiabilidade em SDN Exemplo de Design Trabalhos Relacionados

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor

Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor Desenvolvimento de Sistemas Cliente Servidor Prof. Esp. MBA Heuber G. F. Lima Aula 1 Ciclo de Vida Clássico Aonde estamos? Page 2 Análise O que fizemos

Leia mais

Forneça a próxima onda de inovações empresariais com o Open Network Environment

Forneça a próxima onda de inovações empresariais com o Open Network Environment Visão geral da solução Forneça a próxima onda de inovações empresariais com o Open Network Environment Visão geral À medida que tecnologias como nuvem, mobilidade, mídias sociais e vídeo assumem papéis

Leia mais

Detecção e investigação de ameaças avançadas. INFRAESTRUTURA

Detecção e investigação de ameaças avançadas. INFRAESTRUTURA Detecção e investigação de ameaças avançadas. INFRAESTRUTURA DESTAQUES A infraestrutura do RSA Security Analytics Arquitetura modular para coleta distribuída Baseada em metadados para indexação, armazenamento

Leia mais

Sistemas distribuídos:comunicação

Sistemas distribuídos:comunicação M. G. Santos marcela@estacio.edu.br Faculdade Câmara Cascudo - Estácio de Sá 16 de abril de 2010 Formas de comunicação Produtor-consumidor: comunicação uni-direccional, com o produtor entregando ao consumidor.

Leia mais

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Quando se projeta um sistema cuja utilização é destinada a ser feita em ambientes do mundo real, projeções devem ser feitas para que o sistema possa

Leia mais

3 SCS: Sistema de Componentes de Software

3 SCS: Sistema de Componentes de Software 3 SCS: Sistema de Componentes de Software O mecanismo para acompanhamento das chamadas remotas se baseia em informações coletadas durante a execução da aplicação. Para a coleta dessas informações é necessário

Leia mais

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição 15 2 Conceitos relativos a Web services e sua composição A necessidade de flexibilidade na arquitetura das aplicações levou ao modelo orientado a objetos, onde os processos de negócios podem ser representados

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

Estudo de Caso 22. Figura 4 Console da TEC*. *Alguns dados foram removidos atendendo a política de segurança da informação da empresa.

Estudo de Caso 22. Figura 4 Console da TEC*. *Alguns dados foram removidos atendendo a política de segurança da informação da empresa. 2 Estudo de Caso O gerenciamento de serviços é um fator crítico para a organização em análise, os processos devem garantir os acordos de níveis de serviços estabelecidos com os clientes. Destarte, a atividade

Leia mais

CLOUD. tendências CLOUD. entendendo e contratando assertivamente. Agosto/2012 INFORMATIVO TECNOLÓGICO DA PRODESP EDIÇÃO 02

CLOUD. tendências CLOUD. entendendo e contratando assertivamente. Agosto/2012 INFORMATIVO TECNOLÓGICO DA PRODESP EDIÇÃO 02 tendências CLOUD EDIÇÃO 02 Agosto/2012 CLOUD O conceito de nuvem é nebuloso Como uma organização pode contratar assertivamente Serviços em Cloud? Quais são os principais riscos de um contrato de Cloud

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Processos- Clientes, Servidores, Migração Capítulo 3 Agenda Clientes Interfaces de usuário em rede Sistema X Window Software do lado cliente para

Leia mais

Redes e Internet do Futuro

Redes e Internet do Futuro Redes e Internet do Futuro ::: SDN e NDN ::: Samuel Henrique Bucke Brito Departamento de Engenharia de Computação e Automação Industrial (DCA) Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação (FEEC) Universidade

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Redes Definidas por Software

Redes Definidas por Software Redes de Computadores I Redes Definidas por Software Antonio Gonzalez Pastana Lobato Ulisses da Rocha Figueiredo Redes de Computadores I Introdução Introdução Aplicações Atuais Data-Centers Muitas máquinas

Leia mais

Utilização de Sistemas Distribuídos em MMOGs (Massive MultiPlayer Online Games) Mauro A. C. Júnior

Utilização de Sistemas Distribuídos em MMOGs (Massive MultiPlayer Online Games) Mauro A. C. Júnior Utilização de Sistemas Distribuídos em MMOGs (Massive MultiPlayer Online Games) Mauro A. C. Júnior Tópicos Abordados Um pouco sobre MMOGs Aplicação e Importância Dificuldades e Soluções Tendência Um pouco

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Modelo Cliente-Servidor: Introdução aos tipos de servidores e clientes Prof. MSc. Hugo Souza Iniciando o módulo 03 da primeira unidade, iremos abordar sobre o Modelo Cliente-Servidor

Leia mais

7 Utilização do Mobile Social Gateway

7 Utilização do Mobile Social Gateway 7 Utilização do Mobile Social Gateway Existem três atores envolvidos na arquitetura do Mobile Social Gateway: desenvolvedor do framework MoSoGw: é o responsável pelo desenvolvimento de novas features,

Leia mais

Faculdades Santa Cruz - Inove. Plano de Aula Base: Livro - Distributed Systems Professor: Jean Louis de Oliveira.

Faculdades Santa Cruz - Inove. Plano de Aula Base: Livro - Distributed Systems Professor: Jean Louis de Oliveira. Período letivo: 4 Semestre. Quinzena: 5ª. Faculdades Santa Cruz - Inove Plano de Aula Base: Livro - Distributed Systems Professor: Jean Louis de Oliveira. Unidade Curricular Sistemas Distribuídos Processos

Leia mais

Redes Overlay. Estrutura. Exemplo. Um Exemplo Histórico. Aldo Monteiro do Nascimento, Dionei Marcelo Moraes. 08 de novembro de 2006

Redes Overlay. Estrutura. Exemplo. Um Exemplo Histórico. Aldo Monteiro do Nascimento, Dionei Marcelo Moraes. 08 de novembro de 2006 1 DINF / UFPR 08 de novembro de 2006 2 3 4 5 6 são redes lógicas construídas sobre redes físicas. Nas são estabelecidos enlaces lógicos entre nós que pertencem a rede. Estes enlaces podem ou não ser enlaces

Leia mais

4 Plano de Recuperação

4 Plano de Recuperação 4 Plano de Recuperação Como pode ser observado na Seção 3.2, um projeto de um middleware para TVD deve considerar o fato que ele será embarcado em plataformas diversas e, portanto, que fará uso de diversas

Leia mais

Protocolo OSPF. O p e n S h o r t e s t P at h F i r s t. E s pec i a li s ta

Protocolo OSPF. O p e n S h o r t e s t P at h F i r s t. E s pec i a li s ta Ebook Exclusivo Protocolo OSPF O p e n S h o r t e s t P at h F i r s t E s pec i a li s ta em S e rv i ços G e r e n c i a do s Segurança de de Perímetro Sumário Introdução P.3 Ententendendo o Protocolo

Leia mais

Gerência de Redes. Introdução. filipe.raulino@ifrn.edu.br

Gerência de Redes. Introdução. filipe.raulino@ifrn.edu.br Gerência de Redes Introdução filipe.raulino@ifrn.edu.br Introdução Sistemas complexos com muitos componentes em interação devem ser monitorados e controlados. 2 Introdução A de gerência de redes surgiu

Leia mais

Resumo. Introdução História Caracteristicas Exemplos Arquitetura Distribuição Vertical vs Distribuição Horizontal Segurança Conclusão

Resumo. Introdução História Caracteristicas Exemplos Arquitetura Distribuição Vertical vs Distribuição Horizontal Segurança Conclusão Peer 2 Peer (P2P) Resumo Introdução História Caracteristicas Exemplos Arquitetura Distribuição Vertical vs Distribuição Horizontal Segurança Conclusão O que é P2P? Introdução Tipo de arquitetura de rede

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Design de Rede Local Design Hierárquico Este design envolve a divisão da rede em camadas discretas. Cada camada fornece funções específicas que definem sua função dentro da rede

Leia mais

Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes

Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes 1. Necessidades de Gerenciamento Por menor e mais simples que seja uma rede de computadores, precisa ser gerenciada, a fim de garantir, aos seus usuários,

Leia mais

EMC UNIFIED INFRASTRUCTURE MANAGER

EMC UNIFIED INFRASTRUCTURE MANAGER EMC UNIFIED INFRASTRUCTURE MANAGER Facilite a transição para uma infraestrutura em nuvem privada ou híbrida nos Vblock Systems Crie um ambiente único e virtualizado Provisione como uma só infraestrutura

Leia mais

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS Prof. Victor Halla Conteúdo Arquitetura de Processadores: Modo Operacional; Velocidade; Cache; Barramento; Etc. Virtualização: Maquinas virtuais; Gerenciamento

Leia mais

BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING

BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING http://www.uniriotec.br/~tanaka/tin0036 tanaka@uniriotec.br Bancos de Dados Distribuídos Conceitos e Arquitetura Vantagens das Arquiteturas C/S (em relação

Leia mais

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart.

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Versão 1.6 15/08/2013 Visão Resumida Data Criação 15/08/2013 Versão Documento 1.6 Projeto Responsáveis

Leia mais

MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com. Gerenciamento e Administração de Redes

MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com. Gerenciamento e Administração de Redes MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com Gerenciamento e Administração de Redes 2 Gerência de Redes ou Gerenciamento de Redes É o controle de qualquer objeto passível de ser monitorado numa estrutura de

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Redes Convergentes II Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Guia Rápido de Licenciamento do SQL Server 2012

Guia Rápido de Licenciamento do SQL Server 2012 Guia Rápido de Licenciamento do SQL Server 2012 Data de publicação: 1 de Dezembro de 2011 Visão Geral do Produto SQL Server 2012 é uma versão significativa do produto, provendo Tranquilidade em ambientes

Leia mais

Voz em ambiente Wireless

Voz em ambiente Wireless Voz em ambiente Wireless Mobilidade, acesso sem fio e convergência são temas do momento no atual mercado das redes de comunicação. É uma tendência irreversível, que vem se tornando realidade e incorporando-se

Leia mais

Projeto e Análise de Algoritmos Projeto de Algoritmos Introdução. Prof. Humberto Brandão humberto@dcc.ufmg.br

Projeto e Análise de Algoritmos Projeto de Algoritmos Introdução. Prof. Humberto Brandão humberto@dcc.ufmg.br Projeto e Análise de Algoritmos Projeto de Algoritmos Introdução Prof. Humberto Brandão humberto@dcc.ufmg.br aula disponível no site: http://www.bcc.unifal-mg.edu.br/~humberto/ Universidade Federal de

Leia mais

Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens

Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens Academia de Tecnologia da IBM White paper de liderança de pensamento Novembro de 2010 Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens 2 Proteção da nuvem: do desenvolvimento da estratégia

Leia mais

Programação Concorrente Processos e Threads

Programação Concorrente Processos e Threads Programação Concorrente Processos e Threads Prof. Eduardo Alchieri Processos O conceito mais central em qualquer sistema operacional é o processo Uma abstração de um programa em execução Um programa por

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI 1. PI06 TI 1.1. Processos a serem Atendidos pelos APLICATIVOS DESENVOLVIDOS Os seguintes processos do MACROPROCESSO

Leia mais

Forefront Server Security Management Console: Gerenciamento Simplificado da Segurança para Mensagens e Colaboração White Paper

Forefront Server Security Management Console: Gerenciamento Simplificado da Segurança para Mensagens e Colaboração White Paper Forefront Server Security Management Console: Gerenciamento Simplificado da Segurança para Mensagens e Colaboração White Paper Outubro de 2007 Resumo Este white paper explica a função do Forefront Server

Leia mais

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais

Gerência de Redes: Modelos de Gerência de Redes: Modelo FCAPS: Ferramentas de Gerência de Redes:

Gerência de Redes: Modelos de Gerência de Redes: Modelo FCAPS: Ferramentas de Gerência de Redes: Gerência de Redes: - Gerência de redes é o monitoramento de qualquer estrutura física e/ou lógica de uma rede. É de extrema importância esse gerenciamento para que se obtenha um bom fluxo no tráfego das

Leia mais

Gestão de Configurações II

Gestão de Configurações II Gestão de Configurações II Bibliografia Livro: Software Configuration Management Patterns: Effective Teamwork, Practical Integration Gestão de Projecto 14 Padrões de Gestão Os padrões de gestão de configurações

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GTL 16 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XVI GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO PARA SISTEMAS

Leia mais

ITIL V3 (aula 2) AGENDA: GERENCIAMENTO DE INCIDENTE GERENCIAMENTO DE PROBLEMA

ITIL V3 (aula 2) AGENDA: GERENCIAMENTO DE INCIDENTE GERENCIAMENTO DE PROBLEMA ITIL V3 (aula 2) AGENDA: GERENCIAMENTO DE INCIDENTE GERENCIAMENTO DE PROBLEMA Padronizando Conceitos Risco: é a medida para um fator de incerteza Avaliação: considera a pior situação, no pior momento,

Leia mais

5º Semestre. AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento)

5º Semestre. AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento) Disciplina: Gerência de Redes Professor: Jéferson Mendonça de Limas 5º Semestre AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento) 2014/1 Agenda de Hoje Evolução da Gerência

Leia mais

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC RESUMO EXECUTIVO O PowerVault DL2000, baseado na tecnologia Symantec Backup Exec, oferece a única solução de backup em

Leia mais

Resumo: Perguntas a fazer ao elaborar um projeto arquitetural

Resumo: Perguntas a fazer ao elaborar um projeto arquitetural Resumo: Perguntas a fazer ao elaborar um projeto arquitetural Sobre entidades externas ao sistema Quais sistemas externos devem ser acessados? Como serão acessados? Há integração com o legado a ser feita?

Leia mais

Curso ITIL Foundation. Introdução a ITIL. ITIL Introduction. Instrutor: Fernando Palma fernando.palma@gmail.com http://gsti.blogspot.

Curso ITIL Foundation. Introdução a ITIL. ITIL Introduction. Instrutor: Fernando Palma fernando.palma@gmail.com http://gsti.blogspot. Curso ITIL Foundation Introdução a ITIL ITIL Introduction Instrutor: Fernando Palma fernando.palma@gmail.com http://gsti.blogspot.com Agenda Definição / Histórico Escopo Objetivos Benefícios e Problemas

Leia mais

Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com. http://www.tiagodemelo.info

Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com. http://www.tiagodemelo.info Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com Última atualização: 20.03.2013 Conceitos Banco de dados distribuídos pode ser entendido como uma coleção de múltiplos bds

Leia mais

Levando os benefícios do IP aberto ao controle de acesso físico. Controlador de porta em rede AXIS A1001

Levando os benefícios do IP aberto ao controle de acesso físico. Controlador de porta em rede AXIS A1001 Levando os benefícios do IP aberto ao controle de acesso físico. Controlador de porta em rede AXIS A1001 Abra as portas para o futuro. Com o Controlador de porta em rede AXIS A1001, estamos introduzindo

Leia mais

ARQUITETURA TRADICIONAL

ARQUITETURA TRADICIONAL INTRODUÇÃO Atualmente no universo corporativo, a necessidade constante de gestores de tomar decisões cruciais para os bons negócios das empresas, faz da informação seu bem mais precioso. Nos dias de hoje,

Leia mais

Gerência e Administração de Redes

Gerência e Administração de Redes Gerência e Administração de Redes IFSC UNIDADE DE SÃO JOSÉ CURSO TÉCNICO SUBSEQUENTE DE TELECOMUNICAÇÕES! Prof. Tomás Grimm Agenda! Apresentação da disciplina! Introdução! Tipos de Gerência! Ferramentas

Leia mais

Gerência de Redes. Arquitetura de Gerenciamento. filipe.raulino@ifrn.edu.br

Gerência de Redes. Arquitetura de Gerenciamento. filipe.raulino@ifrn.edu.br Gerência de Redes Arquitetura de Gerenciamento filipe.raulino@ifrn.edu.br Sistema de Gerência Conjunto de ferramentas integradas para o monitoramento e controle. Possui uma interface única e que traz informações

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

Arquitetura de Software e Atributos de Qualidade

Arquitetura de Software e Atributos de Qualidade Arquitetura de Software e Atributos de Qualidade Jair C Leite Requisitos e atributos de qualidade Requisitos Características, atributos, propriedades e restrições associadas ao software. Requisitos funcionais

Leia mais

Service Oriented Architecture (SOA)

Service Oriented Architecture (SOA) São Paulo, 2011 Universidade Paulista (UNIP) Service Oriented Architecture (SOA) Prof. MSc. Vladimir Camelo vladimir.professor@gmail.com 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com 1 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com

Leia mais

Open Graphics Library OpenGL

Open Graphics Library OpenGL Open Graphics Library OpenGL Filipe Gonçalves Barreto de Oliveira Castilho Nuno Alexandre Simões Aires da Costa Departamento de Engenharia Informática Universidade de Coimbra 3030 Coimbra, Portugal http://student.dei.uc.pt/~fgonc/opengl/

Leia mais

Engenharia de Software. Parte I. Introdução. Metodologias para o Desenvolvimento de Sistemas DAS 5312 1

Engenharia de Software. Parte I. Introdução. Metodologias para o Desenvolvimento de Sistemas DAS 5312 1 Engenharia de Software Parte I Introdução Metodologias para o Desenvolvimento de Sistemas DAS 5312 1 Mitos do Desenvolvimento de Software A declaração de objetivos é suficiente para se construir um software.

Leia mais

Considerações no Projeto de Sistemas Cliente/Servidor

Considerações no Projeto de Sistemas Cliente/Servidor Cliente/Servidor Desenvolvimento de Sistemas Graça Bressan Graça Bressan/LARC 2000 1 Desenvolvimento de Sistemas Cliente/Servidor As metodologias clássicas, tradicional ou orientada a objeto, são aplicáveis

Leia mais

Introdução a computação móvel. Middlewares para Rede de Sensores sem Fio. Uma avaliação na ótica de Adaptação ao Contexto

Introdução a computação móvel. Middlewares para Rede de Sensores sem Fio. Uma avaliação na ótica de Adaptação ao Contexto Introdução a computação móvel Monografia: Middlewares para Rede de Sensores sem Fio Uma avaliação na ótica de Adaptação ao Contexto Adriano Branco Agenda Objetivo do trabalho O que é uma WSN Middlewares

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL

Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL Information Technology Infrastructure Library ou Biblioteca de Infraestrutura da Tecnologia da Informação A TI de antes (ou simplesmente informática ),

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Projeto de Arquitetura Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 11 Slide 1 Objetivos Apresentar projeto de arquitetura e discutir sua importância Explicar as decisões de projeto

Leia mais

Mitigação Flexível de Ataques Usando SDN

Mitigação Flexível de Ataques Usando SDN Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP Mitigação Flexível de Ataques Usando SDN Leandro Bertini Lara Gonçalves¹ Marcelo Boeira de Barcelos² ¹ACME! Cybersecurity Research ²DATACOM

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Consistência e Replicação Capítulo 7 Agenda Razões para Replicação Replicação como técnica de escalabilidade Modelos de Consistência centrados

Leia mais

Aula 02 Conceitos básicos elipse. INFORMÁTICA INDUSTRIAL II ENG1023 Profª. Letícia Chaves Fonseca leticia.chavesfonseca@gmail.com

Aula 02 Conceitos básicos elipse. INFORMÁTICA INDUSTRIAL II ENG1023 Profª. Letícia Chaves Fonseca leticia.chavesfonseca@gmail.com Aula 02 Conceitos básicos elipse INFORMÁTICA INDUSTRIAL II ENG1023 Profª. Letícia Chaves Fonseca leticia.chavesfonseca@gmail.com 1. Introdução O Elipse E3 trabalha totalmente orientado para a operação

Leia mais

Agenda da Aula. Resumo dos Padrões (Aula 4) Padrões Arquiteturais. Arquitetura Cliente-Servidor. Arquitetura Cliente-Servidor

Agenda da Aula. Resumo dos Padrões (Aula 4) Padrões Arquiteturais. Arquitetura Cliente-Servidor. Arquitetura Cliente-Servidor Reuso de Software Aula 05 Agenda da Aula Linha de Produtos de Software Eduardo Figueiredo http://www.dcc.ufmg.br/~figueiredo reuso.software@gmail.com 19 Março 2012 Padrões arquiteturais Cliente-Servidor

Leia mais

Cálculo Aproximado do número PI utilizando Programação Paralela

Cálculo Aproximado do número PI utilizando Programação Paralela Universidade de São Paulo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Cálculo Aproximado do número PI utilizando Programação Paralela Grupo 17 Raphael Ferras Renan Pagaiane Yule Vaz SSC-0143 Programação

Leia mais

Sistemas Distribuídos Arquitetura de Sistemas Distribuídos I. Prof. MSc. Hugo Souza

Sistemas Distribuídos Arquitetura de Sistemas Distribuídos I. Prof. MSc. Hugo Souza Sistemas Distribuídos Arquitetura de Sistemas Distribuídos I Prof. MSc. Hugo Souza Como já vimos, os sistemas distribuídos são apresentados considerando um planejamento bem mais complexo relacionado aos

Leia mais

Novidades no Q-flow 3.02

Novidades no Q-flow 3.02 Novidades no Q-flow 3.02 Introdução Um dos principais objetivos do Q-flow 3.02 é adequar-se às necessidades das grandes organizações. Por isso, o Q-flow 3.02 possui uma versão Enterprise que inclui funcionalidades

Leia mais

Exame de Fundamentos da ITIL

Exame de Fundamentos da ITIL Exame de Fundamentos da ITIL Simulado A, versão 5.1 Múltipla escolha Instruções 1. Todas as 40 perguntas devem ser respondidas. 2. Todas as respostas devem ser assinaladas na grade de respostas fornecida.

Leia mais

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML 2ª edição Eduardo Bezerra Editora Campus/Elsevier Capítulo 11 Arquitetura do sistema Nada que é visto, é visto de uma vez e por completo. --EUCLIDES

Leia mais

Documento de Arquitetura

Documento de Arquitetura Documento de Arquitetura A2MEPonto - SISTEMA DE PONTO ELETRÔNICO A2MEPonto - SISTEMA DE PONTO ELETRÔNICO #1 Pág. 1 de 11 HISTÓRICO DE REVISÕES Data Versão Descrição Autor 28/10/2010 1 Elaboração do documento

Leia mais

Sistemas Distribuídos Arquitetura de Sistemas Distribuídos Aula II Prof. Rosemary Silveira F. Melo Arquitetura de Sistemas Distribuídos Conceito de Arquitetura de Software Principais elementos arquiteturais

Leia mais

Unidade 13: Paralelismo:

Unidade 13: Paralelismo: Arquitetura e Organização de Computadores 1 Unidade 13: Paralelismo: SMP e Processamento Vetorial Prof. Daniel Caetano Objetivo: Apresentar os conceitos fundamentais da arquitetura SMP e alguns detalhes

Leia mais

É CLOUD. É ON-DEMAND.

É CLOUD. É ON-DEMAND. É CLOUD. É ON-DEMAND. Última geração de software para transferência de arquivos digitais PARA MOVIMENTAÇÃO INTELIGENTE DA SUA MÍDIA Conceito digital FedEx: A maneira mais fácil e confiável para enviar

Leia mais

EDITAL CONCORRÊNCIA PÚBLICA N.º 001/2015 PROCESSO ADMINISTRATIVO 009/2015

EDITAL CONCORRÊNCIA PÚBLICA N.º 001/2015 PROCESSO ADMINISTRATIVO 009/2015 Londrina, 07 de outubro de 2015. EDITAL CONCORRÊNCIA PÚBLICA N.º 001/2015 PROCESSO ADMINISTRATIVO 009/2015 OBJETO: Art.1º. Constitui objeto desta licitação a aquisição de 01 (uma) Plataforma de Solução

Leia mais

Air-Fi - sistema sem fio Sinta-se confortável com a confiança e o desempenho líderes do setor.

Air-Fi - sistema sem fio Sinta-se confortável com a confiança e o desempenho líderes do setor. Air-Fi - sistema sem fio Sinta-se confortável com a confiança e o desempenho líderes do setor. Corte os fios e sinta-se confortável com a solução sem fio Air-Fi da Trane. A comunicação sem fio Air-Fi da

Leia mais

Introdução. Definição de um Sistema Distribuído (1) Definição de um Sistema Distribuído(2) Metas de Sistemas Distribuídos (2)

Introdução. Definição de um Sistema Distribuído (1) Definição de um Sistema Distribuído(2) Metas de Sistemas Distribuídos (2) Definição de um Sistema Distribuído (1) Introdução Um sistema distribuído é: Uma coleção de computadores independentes que aparecem para o usuário como um único sistema coerente. Definição de um Sistema

Leia mais

Dinâmicas de Acesso ao Espectro

Dinâmicas de Acesso ao Espectro Redes Cognitivas com Oportunidades Dinâmicas de Acesso ao Espectro Defesa de Tese Marcel William Rocha da Silva Orientador: José Ferreira de Rezende Roteiro Introdução e motivação Rádios cognitivos Oportunidades

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 3 Virtualização de Sistemas 1. Conceito Virtualização pode ser definida

Leia mais

SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português

SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português 1 de 7 28/10/2012 16:47 SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português RESULTADO DO SIMULADO Total de questões: 40 Pontos: 0 Score: 0 % Tempo restante: 55:07 min Resultado: Você precisa

Leia mais

RESPOSTAS DE QUESTIONAMENTOS - IV

RESPOSTAS DE QUESTIONAMENTOS - IV Conselho Federal de Contabilidade CPL - Comissão Permanente de Licitação SAS Quadra 05 - Bloco J Edifício CFC CEP: 70070-920 - Brasília-DF E-mail: cpl@cfc.org.br RESPOSTAS DE QUESTIONAMENTOS - IV PREGÃO

Leia mais

Como manter uma rede com qualidade de serviço? Gerência de Rede. Visão Geral da Gerência de Redes. Importância de gerência de Redes. Cont.

Como manter uma rede com qualidade de serviço? Gerência de Rede. Visão Geral da Gerência de Redes. Importância de gerência de Redes. Cont. Gerência de Rede A importância estratégica crescente das redes envolve: Aplicações indispensáveis à organização Quanto mais complexo o ambiente maior o risco de coisas erradas acontecerem. Como manter

Leia mais

Gerência de Redes. Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com

Gerência de Redes. Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com Gerência de Redes Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com Plano de Aula Histórico Introdução Gerenciamento de Redes: O que é Gerenciamento de Redes? O que deve ser gerenciado Projeto de Gerenciamento

Leia mais

4 Ms i s t e m a s soluções em TI para telefonia fixa e móvel SPS 2. julho 2007 V. 1.0. http:// www. m4sistemas. com. br/

4 Ms i s t e m a s soluções em TI para telefonia fixa e móvel SPS 2. julho 2007 V. 1.0. http:// www. m4sistemas. com. br/ soluções em TI para telefonia fixa e móvel o seu diferencial em service delivery. julho 2007 V. 1.0 http:// www. m4sistemas. com. br/ Porque nem você, nem seus clientes podem esperar. A M4 Sistemas apresenta

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Eriko Carlo Maia Porto UNESA Universidade Estácio de Sá eriko_porto@uol.com.br Última revisão Julho/2003 REDES DE COMPUTADORES INTRODUÇÃO EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO Década de 50 introdução dos

Leia mais

5 Framework para coordenação e mediação de Web Services para ambientes de aprendizado à distância

5 Framework para coordenação e mediação de Web Services para ambientes de aprendizado à distância 5 Framework para coordenação e mediação de Web Services para ambientes de aprendizado à distância O capítulo anterior apresentou uma discussão sobre a inclusão dos chamados learning services no processo

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 2 Computação em Nuvem Desafios e Oportunidades A Computação em Nuvem

Leia mais

Ferramenta de apoio a gerência de configuração de software. Aluno: Rodrigo Furlaneto Orientador: Everaldo Artur Grahl

Ferramenta de apoio a gerência de configuração de software. Aluno: Rodrigo Furlaneto Orientador: Everaldo Artur Grahl Ferramenta de apoio a gerência de configuração de software Aluno: Rodrigo Furlaneto Orientador: Everaldo Artur Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Gerência de Configuração

Leia mais

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento HOME O QUE É TOUR MÓDULOS POR QUE SOMOS DIFERENTES METODOLOGIA CLIENTES DÚVIDAS PREÇOS FALE CONOSCO Suporte Sou Cliente Onde sua empresa quer chegar? Sistemas de gestão precisam ajudar sua empresa a atingir

Leia mais

Planejamento e Projeto de Redes de Computadores. Eduardo Barrére

Planejamento e Projeto de Redes de Computadores. Eduardo Barrére Planejamento e Projeto de Redes de Computadores Eduardo Barrére Aula Presencial Projeto Lógico Eduardo Barrére eduardo.barrere@ice.ufjf.br O projeto deve conter Topologia da Rede Modelo de nomenclatura

Leia mais

GE Intelligent Platforms. Automação em alta performance Soluções para um mundo conectado

GE Intelligent Platforms. Automação em alta performance Soluções para um mundo conectado GE Intelligent Platforms Automação em alta performance Soluções para um mundo conectado Na vanguarda da evolução da automação industrial. Acreditamos que o futuro da automação industrial seguirá o mesmo

Leia mais