Aumento da Capacidade de Armazenamento do SPRACE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aumento da Capacidade de Armazenamento do SPRACE"

Transcrição

1 Julho 2010 Aumento da Capacidade de Armazenamento do SPRACE São Paulo Regional Analysis Center Sergio Ferraz Novaes

2 Sumário I. IDENTIFICAÇÃO DA PROPOSTA... 3 II. QUALIFICAÇÃO DO PROBLEMA... 3 III. OBJETIVOS E METAS... 4 IV. METODOLOGIA... 5 V. CONTRIBUIÇÕES CIENTÍFICAS... 5 VI. ORÇAMENTO... 5 VII. CRONOGRAMA... 6 VIII. PARTICIPANTES DO PROJETO... 6 IX. COLABORAÇÕES E PARCERIAS... 6 X. INFRAESTRUTURA E APOIO TÉCNICO... 6 XI. ESTIMATIVA DE RECURSOS DE OUTRAS FONTES

3 I. Identificação da Proposta Título Aumento da Capacidade de Armazenamento do SPRACE Pesquisador Responsável Sérgio Ferraz Novaes II. Qualificação do Problema Em 2003, o grupo paulista que atua nas Colaborações DZero do Fermilab e CMS do CERN formou o Centro Regional de Análises de São Paulo SPRACE, com recursos da FAPESP, para capacitar os pesquisadores de São Paulo a realizar análise de dados e colaborar com a produção de simulação de Monte Carlo, (re)processamento e armazenamento de dados dos experimentos DZero no Fermilab e CMS no CERN. Simultaneamente à participação no esforço global de processamento de dados das colaborações às quais pertence, o grupo do SPRACE desenvolve, também, investigação científica na área de busca por nova física nesses experimentos, atuando principalmente, mas não somente, na procura por indícios da existência, em suas várias formas, de dimensões extras espaciais. O SPRACE também provê infraestrutura para treinamento a distância em física de altas energias, realiza projetos de extensão em ensino de física de partículas elementares para o ensino médio e lidera o desenvolvimento de projetos de computação científica de alto desempenho. Uma linha de pesquisa em pleno desenvolvimento na área de computação é a denominada computação em grid (Grid-Computing). Esse desenvolvimento permite que recursos computacionais distribuídos geograficamente sejam utilizados de forma agregada, operando como um sistema unificado. Atualmente, a simulação, o processamento, o armazenamento e a análise de dados dos experimentos DZero e CMS se dão, no SPRACE, através do ambiente de grid desenvolvido pelo Open Science Grid OSG, uma iniciativa de Grid americana voltada para a pesquisa científica. O uso do middleware provido pelo OSG torna o SPRACE capaz de oferecer sua infraestrutura computacional para o processamento de dados de várias organizações virtuais, notadamente o DZero e o CMS. O SPRACE é também parte integrante da infraestrutura distribuída de processamento de dados do Worldwide LHC Computing Grid WLCG, atuando como uma unidade de nível 2 (Tier 2) na estrutura de Grid do LHC. A participação do SPRACE no WLCG foi oficializada através da assinatura do Memorando de Entendimento para Colaboração na Implantação e Utilização do Grid Computacional Mundial do LHC assinado pelo Presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo, Prof. Dr. Celso Lafer, e pelo Diretor de Pesquisa e Computação Científica da Organização Européia Para Pesquisa Nuclear (CERN), Prof. Dr. Sergio Bertolucci. Simultaneamente, o FAPESP e a Universidade Estadual Paulista (UNESP) assinaram Memorando de Entendimento visando a participação de pesquisadores do Estado de 3

4 São Paulo na Colaboração Worldwide LHC Computing Grid. Vale lembrar que devido a assinatura desses documento o SPRACE tornou-se o único membro brasileiro no WLCG. Para isso o SPRACE comprometeu-se a manter sua infraestrutura atualizada conforme os requisitos mínimos ditados pelo WLCG para uma unidade Tier2. Assim o SPRACE depende do financiamento continuado para implantar as sucessivas ampliações de sua infraestrutura de processamento e armazenamento, conforme requerido pelo WLCG. Atualmente o sistema de armazenamento do SPRACE dispõe de uma capacidade consideravelmente inferior à recomendada pelo WLCG, de modo que se faz necessária a aquisição de grande quantidade de discos para continuarmos participando do esforço global de processamento do experimento nos níveis requeridos. III. Objetivos e Metas O WLCG, através do documento Tier 1 & Tier 2 Pledge and Resources Table 1, estabelece as capacidades requeridas dos recursos computacionais para as unidades de processamento de níveis 1 e 2 (Tiers 1 e 2) dos quatro experimentos do LHC. Na tabela abaixo, apresentamos os valores totais das capacidades requeridas dos recursos computacionais para as unidades de processamento de nível 2 do CMS. T2 CMS 2010 Oferecido Requerido CPU (HEP-SPEC06) Disk (TB) Número total de Tiers 2 34 Considerando a média por unidade de nível 2, observamos na tabela abaixo que o SPRACE apresenta déficit tanto de poder computacional quanto, e principalmente, de poder de armazenamento, quando comparado à média requerida e oferecida por uma unidade Tier 2. Média por Tier 2 CMS 2010 Oferecido Requerido SPRACE CPU (HEP-SPEC06) Disk (TB) Portanto, para se adequar ao valor médio requerido pelo WLCG às unidades Tier 2 do CMS, a capacidade de armazenamento do cluster do SPRACE deveria ser de 270 TB. Como a capacidade de armazenamento atualmente instalada é de 120 TB, há um déficit de 150 TB de armazenamento para nos equipararmos aos requerimentos mínimos do WLCG. 1 4

5 IV. Metodologia A opção de armazenamento mais utilizada pelos centros similares ao SPRACE tem sido a de se utilizar servidores dedicados de armazenamento. Esses servidores podem controlar diversas unidades de disco do tipo Serial ATA, de baixo custo, de até 2 TB cada. A aquisição de servidores desse tipo, totalizando uma capacidade de armazenamento de pelo menos 150 TB, será suficiente para que o SPRACE possa satisfazer aos requerimentos mínimos estabelecidos pelo WLCG. Para cobrir o crescimento da capacidade de armazenamento, esperamos contar com a subvenção do CNPq através deste projeto. Dessa forma, estamos solicitando a aquisição de um conjunto de servidores de armazenamento, totalizando uma capacidade de armazenamento de pelo menos 150 TB, em concordância com as especificações estabelecidas pela colaboração. V. Contribuições Científicas O fato da contribuição do SPRACE aos experimentos DZero e CMS ocorrer localmente, com hardware instalado e mantido no Brasil, nos capacita a produzir análise de dados na busca de sinais de Física Além do Modelo Padrão de forma muito mais ágil e eficiente. A proximidade da infraestrutura física do cluster permite que muitos dos serviços que necessitam ser prestados para a colaboração, como forma de manter o experimento em funcionamento (shifts), possam ser executados aqui mesmo no Brasil, reduzindo assim o número de deslocamentos dos pesquisadores até o CERN. Além disso, o SPRACE tem gerado competência em áreas como computação de alto desempenho, processamento distribuído, redes computacionais de alto desempenho, etc. VI. Orçamento Servidores dedicados de armazenamento são oferecidos por diversos fornecedores de primeira linha, como a Dell, HP, SGI, SUN, entre outros. Contatos com alguns desses fornecedores indicaram que, considerando uma verba de R$ ,00, a aquisição de um sistema de armazenamento da ordem de 150TB só é possível através de uma aquisição internacional, com os custos estimados na tabela abaixo: Ítem Servidor de armazenamento de 150TB Taxas de importação Total Preço R$ ,00 R$20.000,00 R$ ,00 5

6 VII. Cronograma O hardware solicitado será instalado imediatamente após sua aquisição, entrando em operação tão logo se completem as configurações de software, pois o objetivo é diminuir rapidamente o déficit do SPRACE em relação aos requisitos do WLCG. O prazo estimado para o término dos procedimentos de instalação e configuração após o recebimento do hardware é de duas semanas. VIII. Participantes do Projeto Nome Instituição Vínculo Função na Equipe Sérgio Novaes UNESP Professor Coordenador, CMS/D0 Eduardo Gregores UFABC Professor Vice-Coordenador, CMS/D0 Sandra Padula UNESP Professor Pesquisador, CMS Pedro Mercadante UNESP Professor Pesquisador, D0 Marco Dias UFRN Professor Pesquisador, CMS Sérgio Lietti UNESP Pesquisador CLT Pesquisador, D0 Franciole Marinho UNESP Pos-Doutor Fapesp Pesquisador, CMS Rogério Iope UNESP Técnico Especializado Engenheiro, CMS IX. Colaborações e Parcerias O grupo SPRACE mantém colaborações científicas com os Experimentos de Física de Altas Energias DZero do Fermilab CMS do CERN. X. Infraestrutura e Apoio Técnico Os equipamentos do SPRACE estão instalados no data center do Núcleo de Computação Científica da UNESP, que conta com sistemas de refrigeração, de fornecimento de energia elétrica, de rede e de segurança com alto grau de confiabilidade. Além disso, conta com o apoio de técnicos especializados para a manutenção de suas operações. 6

7 XI. Estimativa de Recursos de Outras Fontes Os equipamentos que compõem o cluster do SPRACE foram adquiridos em quatro fases ao longo de 6 anos, financiados por dois Projetos Temáticos da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP), totalizando R$ ,00 de investimento, aproximadamente. Todas as aquisições foram realizadas através de tomada de preços entre fornecedores nacionais de equipamentos voltados à computação de alto desempenho. São Paulo, 1 de julho de Sérgio Ferraz Novaes 7

Grid Computing: Processamento de Alto Desempenho em Rede

Grid Computing: Processamento de Alto Desempenho em Rede Grid Computing: Processamento de Alto Desempenho em Rede José Roberto B. Gimenez Coordenador de TI do GridUNESP jr@unesp.br Estrutura da apresentação Motivação para uso de Grid Discussão sobre problemas

Leia mais

Operações do SPRACE: DØD

Operações do SPRACE: DØD Operações do SPRACE: DØD Sergio M. Lietti I Workshop do SPRACE Sumário O Experimento DØ O Cluster SPRACE suas três fases Operações para o DØ durante a primeira fase Simulação de MC (mcfarm) Operações para

Leia mais

Estratégia de Implantação do GridUNESP. II Brazilian LHC Computing Workshop - GridUNESP

Estratégia de Implantação do GridUNESP. II Brazilian LHC Computing Workshop - GridUNESP Estratégia de Implantação do GridUNESP II Brazilian LHC Computing Workshop - GridUNESP O que é Grid? Grid é um sistema que coordena recursos computacionais geograficamente distribuídos. Usa protocolos

Leia mais

Computação no Alice e grid. Alexandre Suaide IF-USP

Computação no Alice e grid. Alexandre Suaide IF-USP Computação no Alice e grid Alexandre Suaide IF-USP 1 Resumo Alguns números importantes Requerimentos (dados e simulações) Processamente Armazenamento Estrutura computacional GRID Nossas necessidades 2

Leia mais

Planejamento para Implantação do GridUnesp. II Workshop GridUnesp Outubro de 2006

Planejamento para Implantação do GridUnesp. II Workshop GridUnesp Outubro de 2006 Planejamento para Implantação do GridUnesp II Workshop GridUnesp Outubro de 2006 2 Roteiro O que é Grid Porque Grid? Conceitos gerais. Componentes de um Grid. Exemplo: o SPRACE (São Paulo Regional Analysis

Leia mais

GridUNESP: Status do Projeto

GridUNESP: Status do Projeto GridUNESP: Status do Projeto S. F. Novaes UNESP IV Workshop do GridUNESP Dezembro 2008 Objetivos do Workshop Apresentar o status do projeto Apresentar a equipe técnica Discutir as próximas etapas da implementação

Leia mais

Laboratório de Instrumentação e Física Experimental de Partículas

Laboratório de Instrumentação e Física Experimental de Partículas Laboratório de Instrumentação e Física Experimental de Partículas grid: uma visão Jorge Gomes 2º Encontro Ciência em Portugal Ciência 2008 1 Computação grid Integração transparente de recursos computacionais

Leia mais

SUMÁRIO. Sistemas a serem considerados na construção de data centers. A gestão do projeto e a integração dos fornecedores

SUMÁRIO. Sistemas a serem considerados na construção de data centers. A gestão do projeto e a integração dos fornecedores REPORT 04 e fevereiro de 2013 INFRAESTRUTURA FÍSICA E DATA CENTERS SUMÁRIO Introdução O que são data centers Padrões construtivos para data centers Sistemas a serem considerados na construção de data centers

Leia mais

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia.

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A EMPRESA A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A experiência da Future Technology nas diversas áreas de TI disponibiliza aos mercados público

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid)

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Cluster, Grid e computação em nuvem Slide 8 Nielsen C. Damasceno Introdução Inicialmente, os ambientes distribuídos eram formados através de um cluster. Com o avanço das tecnologias

Leia mais

Testbed para métricas de dependabilidade em cloud computing.

Testbed para métricas de dependabilidade em cloud computing. Testbed para métricas de dependabilidade em cloud computing. Jonathan Brilhante(jlgapb@cin.ufpe.br), Bruno Silva (bs.cin.ufpe.br) e Paulo Maciel(prmm@cin.ufpe.br) Agenda 1. 2. 3. 4. 5. Motivação Objetivos

Leia mais

SERVIDOR VIRTUAL BÁSICO - WINDOWS

SERVIDOR VIRTUAL BÁSICO - WINDOWS SERVIDOR VIRTUAL BÁSICO - WINDOWS Estamos à sua disposição para quaisquer esclarecimentos. Atenciosamente, Eunice Dorino Consultora de Corporativa eunice@task.com.br Tel.: 31 3123-1000 Rua Domingos Vieira,

Leia mais

ONS ANALISA SOLUÇÃO DE CLOUD COMPUTING VISANDO AGILIZAÇÃO DE PROCESSOS E DIMINUIÇÃO DOS CUSTOS DO SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO

ONS ANALISA SOLUÇÃO DE CLOUD COMPUTING VISANDO AGILIZAÇÃO DE PROCESSOS E DIMINUIÇÃO DOS CUSTOS DO SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO Case de Sucesso Integrando CIOs, gerando conhecimento. ONS ANALISA SOLUÇÃO DE CLOUD COMPUTING VISANDO AGILIZAÇÃO DE PROCESSOS E DIMINUIÇÃO DOS CUSTOS DO SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO Perfil O Operador Nacional

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

CENAPAD-SP 15 ANOS APOIANDO A PESQUISA NACIONAL

CENAPAD-SP 15 ANOS APOIANDO A PESQUISA NACIONAL CENAPAD-SP 15 ANOS APOIANDO A PESQUISA NACIONAL Edison Z. da Silva Centro Nacional de Processamento de Alto Desempenho em São Paulo CENAPAD-SP, UNICAMP Computação de alto desempenho, a missão do CENAPAD-SP,

Leia mais

Universidade Paulista

Universidade Paulista Universidade Paulista Ciência da Computação Sistemas de Informação Gestão da Qualidade Principais pontos da NBR ISO/IEC 12207 - Tecnologia da Informação Processos de ciclo de vida de software Sergio Petersen

Leia mais

NORMAS PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA E EXTENSÃO

NORMAS PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA E EXTENSÃO NORMAS PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA E EXTENSÃO 1. Caracterização do Problema (máximo 1 página) Descrever objetivamente, com o apoio da literatura, o problema focalizado, sua relevância no contexto

Leia mais

Projeto Temático: Processo 2008/02799-8 Vigência: 01/Dezembro/2008 a 30/Novembro/2012 Relatório: 01/Dezembro/2009 a 30/Novembro/2010

Projeto Temático: Processo 2008/02799-8 Vigência: 01/Dezembro/2008 a 30/Novembro/2012 Relatório: 01/Dezembro/2009 a 30/Novembro/2010 Projeto Temático: Processo 2008/02799-8 Vigência: 01/Dezembro/2008 a 30/Novembro/2012 Relatório: 01/Dezembro/2009 a 30/Novembro/2010 Relatório Científico Centro Regional de Análise de São Paulo: Participação

Leia mais

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA ENTREGA ESPECIAL Na economia globalizada 24/7 de hoje, a logística e a gestão de armazéns eficientes são essenciais para o sucesso operacional. O BEUMER Group possui

Leia mais

COMPUTAÇÃO EM NUVEM. Michele Marques Costa 1,2, Julio César2 ¹Universidade paranaense (Unipar)

COMPUTAÇÃO EM NUVEM. Michele Marques Costa 1,2, Julio César2 ¹Universidade paranaense (Unipar) COMPUTAÇÃO EM NUVEM Michele Marques Costa 1,2, Julio César2 ¹Universidade paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil Mih_nai@hotmail.com juliocesar@unipar.br Resumo. Este artigo contém a definição e citação

Leia mais

RESOLUÇÃO POLÍTICA DE ATUALIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E SOFTWARES.

RESOLUÇÃO POLÍTICA DE ATUALIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E SOFTWARES. RESOLUÇÃO CAS Nº 39 /2010, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2010 POLÍTICA DE ATUALIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E SOFTWARES. O CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO SUPERIOR, face ao disposto no Artigo 5º do Regimento Unificado das

Leia mais

Relatório de Pesquisa

Relatório de Pesquisa Relatório de Pesquisa A Vantagem da Virtualização de Mainframe: Como Economizar Milhões de Dólares Utilizando um IBM System z como um Servidor em Nuvem Linux Sumário Executivo Os executivos de TI (Tecnologia

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE

ENGENHARIA DE SOFTWARE Pág. 1 0. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...2 2. OBJETIVOS....2 3. ESTIMATIVAS DO PROJETO....4 4. RISCOS DO PROJETO....5 4.1. Identificação e Análise dos Riscos....5 4.1.1. Riscos de Projeto...6 4.1.2. Riscos Técnicos....6

Leia mais

Cisco UCS Mini: solução avançada com recursos corporativos

Cisco UCS Mini: solução avançada com recursos corporativos Resumo da solução Cisco UCS Mini: solução avançada com recursos corporativos Você deseja uma solução de computação unificada para a sua empresa de médio ou pequeno porte ou para o padrão avançado do seu

Leia mais

Sistemas de computação e análise de dados

Sistemas de computação e análise de dados Sistemas de computação e análise de dados I Workshop RENAFAE Eduardo Gregores LHC: Uma nova escala em computação 20 MByte/s 100 MByte/s 1500 MByte/s Stored (After Level 3) 2 Processamento Distribuído 3

Leia mais

Avaliação de dependabilidade em infraestruturas Eucalyptus geograficamente distribuídas

Avaliação de dependabilidade em infraestruturas Eucalyptus geograficamente distribuídas Avaliação de dependabilidade em infraestruturas Eucalyptus geograficamente distribuídas Jonathan Brilhante(jlgapb@cin.ufpe), Bruno Silva(bs@cin.ufpe) e Paulo Maciel(prmm@cin.ufpe) Agenda 1. 2. 3. 4. 5.

Leia mais

Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor]

Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor] Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor] Data Gerador do documento: Gerente de Negociação: Versões Versão Data Revisão Autor Aprovação (Ao assinar abaixo, o cliente concorda com todos os

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

UFCG Universidade Federal de Campina Grande. A cooperação entre Universidades e Empresas estimulada pela Lei de Informática: Resultados

UFCG Universidade Federal de Campina Grande. A cooperação entre Universidades e Empresas estimulada pela Lei de Informática: Resultados UFCG Universidade Federal de Campina Grande A cooperação entre Universidades e Empresas estimulada pela Lei de Informática: Resultados Brasília, 03 de dezembro de 2003 Sumário Apresentação Estrutura Parceiros

Leia mais

Projeto: Atualização da Infra-estrutura de Comunicação por Videoconferência, para promover as Atividades de Pesquisa multicampus.

Projeto: Atualização da Infra-estrutura de Comunicação por Videoconferência, para promover as Atividades de Pesquisa multicampus. FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA DO ESTADO DE SÃO PAULO (FAPESP) AUXÍLIO À PESQUISA: Reserva Técnica Institucional Faculdade de Engenharia Unesp Campus de Bauru Relatório Científico Processo 2013/24395-4

Leia mais

PROPOSTA COMERCIAL Produto: Servidores Dedicados Gerenciados

PROPOSTA COMERCIAL Produto: Servidores Dedicados Gerenciados PROPOSTA COMERCIAL Produto: Servidores Dedicados Gerenciados Página 1 de 10 Sumário SOBRE A LOCAWEB 3 INFRAESTRUTURA DO DATA CENTER 4 SOLUÇÃO PROPOSTA 5 DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS INCLUSOS 6 CONDIÇÕES COMERCIAIS

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA-EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE GESTÃO DE PESSOAS

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA-EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE GESTÃO DE PESSOAS MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA-EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE GESTÃO DE PESSOAS DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO, TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO BOLETIM

Leia mais

SERVIDOR VIRTUAL BÁSICO - LINUX

SERVIDOR VIRTUAL BÁSICO - LINUX SERVIDOR VIRTUAL BÁSICO - LINUX Estamos à sua disposição para quaisquer esclarecimentos. Atenciosamente, Eunice Dorino Consultora de Vendas eunice@task.com.br Tel.: 31 3123-1000 Rua Domingos Vieira, 348

Leia mais

A consolidação de servidores traz uma séria de vantagens, como por exemplo:

A consolidação de servidores traz uma séria de vantagens, como por exemplo: INFRAESTRUTURA Para que as empresas alcancem os seus objetivos de negócio, torna-se cada vez mais preponderante o papel da área de tecnologia da informação (TI). Desempenho e disponibilidade são importantes

Leia mais

em grid como ferramenta essencial na investigação da estrutura do universo

em grid como ferramenta essencial na investigação da estrutura do universo Computação em grid como ferramenta essencial na investigação da estrutura do universo Alexandre Suaide Marcelo Gameiro Munhoz 19 dossiê Computação em nuvem RESUMO Movidos pela curiosidade e a necessidade

Leia mais

Programa FAPESP. Pesquisa Inovativa EM. Pequenas Empresas

Programa FAPESP. Pesquisa Inovativa EM. Pequenas Empresas Programa FAPESP Pesquisa Inovativa EM Pequenas Empresas Foto CAPA: LÉO ramos Objetivos Criado em 1997, o Programa FAPESP Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas (PIPE) apoia a execução de pesquisa científica

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS Ciência da Computação 5ª série Sistemas Operacionais A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto

Leia mais

Governança da Capacidade de TI

Governança da Capacidade de TI Coordenadoria de Tecnologia da Informação Documentos Formais Governança da Sumário 1 Introdução... 03 2 Políticas do Documento de Governança da... 04 3 Governança da... 05 4 Principais Serviços para Governança

Leia mais

PROPOSTA COMERCIAL CLOUD SERVER

PROPOSTA COMERCIAL CLOUD SERVER PROPOSTA COMERCIAL CLOUD SERVER Sobre a AbsamHost A AbsamHost atua no mercado de hosting desde 2008, fornecendo infraestrutura de data center a diversas empresas no Brasil e no mundo. Focada em servidores

Leia mais

O Projeto GridUNESP: Integrando a Capacidade Computacional da UNESP. S. F. Novaes

O Projeto GridUNESP: Integrando a Capacidade Computacional da UNESP. S. F. Novaes O Projeto GridUNESP: Integrando a Capacidade Computacional da UNESP S. F. Novaes GridUNESP: Proposta Inicial A UNESP Estrutura multicampi Perfil ideal para implementação da arquitetura Grid de processamento

Leia mais

II INTERNATIONAL MASTERCLASSES UFABC - HANDS ON IN PARTICLE PHYSICS

II INTERNATIONAL MASTERCLASSES UFABC - HANDS ON IN PARTICLE PHYSICS Conselho de Centro do CCNH Proposta de ação extensionista II INTERNATIONAL MASTERCLASSES UFABC - HANDS ON IN PARTICLE PHYSICS Giselle Watanabe Caramello (coordenador) Pedro Galli Mercadante (vice-coordenador)

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente MMA. Programa Nacional do Meio Ambiente PNMA (Fase 2)

Ministério do Meio Ambiente MMA. Programa Nacional do Meio Ambiente PNMA (Fase 2) Ministério do Meio Ambiente MMA Programa Nacional do Meio Ambiente PNMA (Fase 2) Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis - IBAMA Termo de Referência PNMA nº 02/2013 O presente

Leia mais

MECANISMOS PARA GOVERNANÇA DE T.I. IMPLEMENTAÇÃO DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MECANISMOS PARA GOVERNANÇA DE T.I. IMPLEMENTAÇÃO DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MECANISMOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza CICLO DA GOVERNANÇA DE TI O CICLO DA GOVERNANÇA DE TI O Ciclo da Governança de T.I. ALINHAMENTO

Leia mais

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO PARA ELABORAÇÃO DE PLANOS GERAIS DE PROJETOS DE SISTEMAS OU APLICATIVOS

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO PARA ELABORAÇÃO DE PLANOS GERAIS DE PROJETOS DE SISTEMAS OU APLICATIVOS INSTRUÇÃO DE SERVIÇO PARA ELABORAÇÃO DE PLANOS GERAIS DE PROJETOS DE SISTEMAS OU APLICATIVOS IS-CGMI-02/2005 Aprovada pela Portaria nº 1494 de 22/11/2005 Histórico de Versões Data Versão Descrição Autor

Leia mais

Utilizando clusters em aplicações de bancos de dados para reduzir os custos de TI Introdução Arquitetura tradicional vs. Arquitetura em grade

Utilizando clusters em aplicações de bancos de dados para reduzir os custos de TI Introdução Arquitetura tradicional vs. Arquitetura em grade Janeiro de 2010 Utilizando clusters em aplicações de bancos de dados para reduzir os custos de TI Reorganizando para obter eficiência, desempenho e alta disponibilidade Introdução O clustering é a nova

Leia mais

FAPESP: Apoio à Pesquisa para Inovação Tecnológica em Pequenas Empresas

FAPESP: Apoio à Pesquisa para Inovação Tecnológica em Pequenas Empresas FAPESP: Apoio à Pesquisa para Inovação Tecnológica em Pequenas Empresas Diálogo sobre apoio à Inovação na Pequena Empresa São Paulo, 18 de dezembro de 2013 Agenda da reunião Apresentação 1. Palavra da

Leia mais

Grades Computacionais: Uma Introdução Prática

Grades Computacionais: Uma Introdução Prática Grades Computacionais: Uma Introdução Prática Raphael Y. de Camargo Ricardo Andrade Departamento de Ciência da Computação Instituto de Matemática e Estatística Universidade de São Paulo, Brasil São Paulo,

Leia mais

Por Antonio Couto. Autor: Antonio Couto Enterprise Architect

Por Antonio Couto. Autor: Antonio Couto Enterprise Architect Cloud Computing e HP Converged Infrastructure Para fazer uso de uma private cloud, é necessário crescer em maturidade na direção de uma infraestrutura convergente. Por Antonio Couto O que é Cloud Computing?

Leia mais

APÊNDICE IX PROGRAMA DE FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO

APÊNDICE IX PROGRAMA DE FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO APÊNDICE IX PROGRAMA DE FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO 1 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 DIRETRIZES GERAIS... 3 3 PROGRAMA DE FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO NA IMPLANTAÇÃO DAS UNIDADES... 4 3.1 Módulo Conceitual - Diretrizes

Leia mais

OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 9_1: Clusters. Prof. Charles Christian Miers. e-mail: charles.miers@udesc.br

OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 9_1: Clusters. Prof. Charles Christian Miers. e-mail: charles.miers@udesc.br OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 9_1: Clusters Prof. Charles Christian Miers e-mail: charles.miers@udesc.br Redundância e Alta Disponibilidade Redundância: Duplicação de um elemento da infraestrutura

Leia mais

Rede do Saber - De projeto a sistema produtivo: um caso de engenharia e gestão do conhecimento

Rede do Saber - De projeto a sistema produtivo: um caso de engenharia e gestão do conhecimento Rede do Saber - De projeto a sistema produtivo: um caso de engenharia e gestão do conhecimento Angela Sprenger (FCAV) angelasp@uol.com.br Beatriz Leonel Scavazza (FCAV) bscavazza@vanzolini-ead.org.br Gulherme

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil José Monteiro Lysandro Junior Light Serviços de Eletricidade S/A jose.monteiro@light.com.br

Leia mais

Um Modelo de Virtualização em Grades Computacionais para Inserção de Recursos Ociosos

Um Modelo de Virtualização em Grades Computacionais para Inserção de Recursos Ociosos Um Modelo de Virtualização em Grades Computacionais para Inserção de Recursos Ociosos Josiney de Souza e Rubens Massayuki Suguimoto Mestrado em Informática - Grid Computing Grid Computing, computação em

Leia mais

O que é Grid Computing

O que é Grid Computing Grid Computing Agenda O que é Grid Computing Grid vs Cluster Benefícios Tipos de Grid Aplicações Ferramentas e padrões Exemplos no mundo Exemplos no Brasil Grid no mundo dos negócios Futuro O que é Grid

Leia mais

Contrato de Serviço (SLA) Para Hipermercados Extra Por Esperança_TI S.A

Contrato de Serviço (SLA) Para Hipermercados Extra Por Esperança_TI S.A Esperança_TI S.A S/A Contrato de Serviço (SLA) Para Hipermercados Extra Por Esperança_TI S.A 25/11/2014 Gerador do documento: Gerente de Negociação: Marcos Alves de Oliveira Marcos Antônio de Morais Aprovação

Leia mais

CENTRO DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO

CENTRO DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO NÚCLEO DE PESQUISA FORMULÁRIO 2 FORMULÁRIO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS PROCESSO Nº /20 NUPES NUPECHS NUPECET NDCA TÍTULO DO PROJETO 1- DADOS DO (A) PROFESSOR(A) RESPONSÁVEL PELO PROJETO TITULAÇÃO MÁXIMA

Leia mais

Sistema IBM PureApplication

Sistema IBM PureApplication Sistema IBM PureApplication Sistema IBM PureApplication Sistemas de plataforma de aplicativos com conhecimento integrado 2 Sistema IBM PureApplication A TI está vindo para o centro estratégico dos negócios

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE TEIXEIRA DE FREITAS ESTADO DA BAHIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE TEIXEIRA DE FREITAS ESTADO DA BAHIA _ LEI Nº 429/07 Cria a Secretaria Municipal de Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Teixeira de Freitas, Estado da Bahia. Faço saber que a Câmara Municipal

Leia mais

PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS

PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS 1. INTRODUÇÃO As Faculdades mantidas pelo Instituto Educacional de Assis IEDA (Escola de Educação Física de Assis, Faculdade de Administração de Assis,

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI e Site Backup

Gerenciamento de Serviços de TI e Site Backup Gerenciamento de Serviços de TI e Site Backup ATIVAS encerra o ano como a empresa que mais cresceu no mercado brasileiro de serviços de TI ATIVAS é formalmente apresentada ao mercado CEMIG Telecom adquire

Leia mais

Você pode não perceber, mas nós estamos sempre presentes

Você pode não perceber, mas nós estamos sempre presentes Centro de Informática e Automação do Estado de Santa Catarina Você pode não perceber, mas nós estamos sempre presentes Missão Marco Legal Atuação do CIASC Sistemas Data Center Rede Governo Responsabilidade

Leia mais

O Experimento CMS Parte 2/2

O Experimento CMS Parte 2/2 O Experimento CMS Parte 2/2 Thiago Tomei 29/03/2007 7/5/2007 Thiago Tomei 1 Sumário Parte 1: O Experimento CMS Large Hadron Collider LHC Compact Muon Solenoid CMS Estrutura de Hardware do CMS: Detector

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia do Porto Administração de Sistemas Informáticos I Clusters

Instituto Superior de Engenharia do Porto Administração de Sistemas Informáticos I Clusters Instituto Superior de Engenharia do Porto Administração de Sistemas Informáticos I Clusters Trabalho elaborado por: 980368 - Sérgio Gonçalves Lima 1010949 - Nisha Sudhirkumar Chaganlal Clusters O que é

Leia mais

Suporte de alto nível, equipe atualizada e a qualidade dos equipamentos HP.

Suporte de alto nível, equipe atualizada e a qualidade dos equipamentos HP. Suporte de alto nível, equipe atualizada e a qualidade dos equipamentos HP. Av. Paulo VI, 1.922 Perdizes São Paulo - SP Tel.: (11) 3875.1000 www.mpesolucoes.com.br POR QUE CONTRATAR OS SERVIÇOS DA MPE

Leia mais

PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS

PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS AEJ - ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DE JAÚ CNPJ 05.311.136/0001-36 FACULDADE JAUENSE PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS JAÚ/2012 MANUTENÇÃO E ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS DA FAJAU

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS A decisão de automatizar 1 A decisão de automatizar Deve identificar os seguintes aspectos: Cultura, missão, objetivos da instituição; Características

Leia mais

2 Oferta de cursos técnicos e superiores por eixo tecnológico, por Campus. Taxa de ingresso nos cursos técnicos na forma de oferta, por Campus

2 Oferta de cursos técnicos e superiores por eixo tecnológico, por Campus. Taxa de ingresso nos cursos técnicos na forma de oferta, por Campus PERSPECTIVA OBJETIVO INDICADOR META RESULTADOS INSTITUCIONAIS 1 Nº de cursos técnicos e superiores, articulados com os arranjos produtivos locais por Campus; 2 Oferta de cursos técnicos e superiores por

Leia mais

CASO DE SUCESSO SENAI

CASO DE SUCESSO SENAI Cloud Computing a serviço da Educação Profissional. CASO DE SUCESSO SENAI A indústria do conhecimento. Virtualização de servidores do Data Center Este estudo de caso mostra como as soluções Cisco ajudaram

Leia mais

Supercomputação em Portugal: realidade e perspectivas Pedro Alberto Centro de Física Computacional Laboratório de Computação Avançada Universidade de Coimbra Ciência 2008 3 Julho 2008 1 O que é supercomputação?

Leia mais

MODELO DE PROJETO DE PESQUISA CIENTÍFICA

MODELO DE PROJETO DE PESQUISA CIENTÍFICA MODELO DE PROJETO DE PESQUISA CIENTÍFICA 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO Título: Linha de Pesquisa: Área (*): Curso de Vínculo: *(Conforme Tabela de Áreas do Conhecimento do CNPq) 2 EQUIPE DE ORIENTAÇÃO:

Leia mais

3.2. Os projetos de pesquisa e de extensão deverão, necessariamente, referir-se ao Poder Legislativo e ser vinculados às seguintes linhas temáticas:

3.2. Os projetos de pesquisa e de extensão deverão, necessariamente, referir-se ao Poder Legislativo e ser vinculados às seguintes linhas temáticas: CÂMARA DOS DEPUTADOS DIRETORIA-GERAL DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO FORMAÇÃO DOS GRUPOS DE PESQUISA E EXTENSÃO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EDITAL Nº 14,

Leia mais

RESOLUÇÃO CNJ nº 90/09

RESOLUÇÃO CNJ nº 90/09 RESOLUÇÃO CNJ nº 90/09 29 de setembro de 2009 PLANO DE TRABALHO - PDTI O presente Plano de Trabalho objetiva o nivelamento do Tribunal de Justiça do Estado de Roraima aos requisitos de tecnologia da informação

Leia mais

Segurança Computacional. Rodrigo Fujioka

Segurança Computacional. Rodrigo Fujioka Segurança Computacional Rodrigo Fujioka Segurança Computacional Auditoria da Tecnologia da Informação Auditoria da Tecnologia da Informação A Auditoria da TI é uma auditoria operacional, analisa a gestão

Leia mais

1 Copyright 2012, Oracle and/or its affiliates. All rights reserved.

1 Copyright 2012, Oracle and/or its affiliates. All rights reserved. 1 Copyright 2012, Oracle and/or its affiliates. All rights reserved. About Eugenio Chleba Product Sales Specialist - PM (11) 5189-1211 (11) 96060-2687 eugenio.chleba@oracle.com Experience Skills Products

Leia mais

UNICAMP SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UNICAMP PROCEDIMENTOS PARA COLETA DE DADOS. Versão Preliminar

UNICAMP SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UNICAMP PROCEDIMENTOS PARA COLETA DE DADOS. Versão Preliminar UNICAMP SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UNICAMP PROCEDIMENTOS PARA COLETA DE DADOS Versão Preliminar MANUAL 2002 1 Manual editado pela Área de Planejamento da Biblioteca Central da Unicamp. UNIVERSIDADE ESTADUAL

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE - UFCG CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA - CEEI DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E COMPUTAÇÃO - DSC

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE - UFCG CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA - CEEI DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E COMPUTAÇÃO - DSC UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE - UFCG CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA - CEEI DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E COMPUTAÇÃO - DSC PLANO DE ESTÁGIO Suporte ao DDGfs Experimentos e ambientação

Leia mais

9.6. Política de segurança para Usuários(PSU)... 14 9.7. Questionários de Segurança da Informação... 14 10. CONCLUSÃO... 14

9.6. Política de segurança para Usuários(PSU)... 14 9.7. Questionários de Segurança da Informação... 14 10. CONCLUSÃO... 14 ANEXO I PSI Índice 1. FINALIDADE... 4 2. ABRANGÊNCIA... 4 3. FREQUÊNCIA DE REVISÃO... 4 4. PORTAL DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO... 4 5. TERMOS E DEFINIÇÕES... 4 5.1. Segurança da Informação... 4 5.2. Confidencialidade...

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA Consultor por Produto

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA Consultor por Produto MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE GESTÃO, ARTICULAÇÃO E PROJETOS EDUCACIONAIS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA Consultor por Produto

Leia mais

FEATI - Faculdade de Educação, Administração e Tecnologia de Ibaiti Mantida pela União das Instituições Educacionais do Estado de São Paulo UNIESP

FEATI - Faculdade de Educação, Administração e Tecnologia de Ibaiti Mantida pela União das Instituições Educacionais do Estado de São Paulo UNIESP PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS IBAITI/PR 2013 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 3 3 ATUALIZAÇÃO DO PARQUE TECNOLÓGICO... 3 3.1 Laboratório de Informática, Departamentos Acadêmicos

Leia mais

OBJETIVOS DA APRESENTAÇÃO

OBJETIVOS DA APRESENTAÇÃO Institucional OBJETIVOS DA APRESENTAÇÃO Apresentar as vantagens de se trabalhar com Thin Clients Apresentar como funciona a tecnologia Server Based Computing, Virtualização de Desktop e Aplicativos EVOLUÇÃO

Leia mais

Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK

Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK Residência em Arquitetura de Software Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Gerência de Desenvolvimento 2008.2 Faculdade de Computação

Leia mais

BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos

BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos Terceirização de Processos Empresariais da Capgemini Um componente da área de Serviços Públicos da Capgemini As concessionárias de serviços

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

CMS RENAFAE 21/6/2010!

CMS RENAFAE 21/6/2010! CMS RENAFAE 21/6/2010! 2010! 8 com M&O! Alberto Santoro! André Sznajder! Carley Martins! Helio Nogima! Luiz Mundim! Vitor Oguri! Wanda Prado! Wagner Carvalho! 16 sem M&O! Eduardo Revoredo! José Afonso!

Leia mais

TRIBUTAÇÃO NA NUVEM. Tax Friday 21 de outubro de 2011 AMCHAM - RJ

TRIBUTAÇÃO NA NUVEM. Tax Friday 21 de outubro de 2011 AMCHAM - RJ TRIBUTAÇÃO NA NUVEM Tax Friday 21 de outubro de 2011 AMCHAM - RJ PROGRAMA 1. INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO EM NUVEM CONCEITOS APLICÁVEIS 2. PRINCIPAIS OPERAÇÕES E ASPECTOS TRIBUTÁRIOS POLÊMICOS INTRODUÇÃO À

Leia mais

O que é GED? (wikipedia.com)

O que é GED? (wikipedia.com) O que é GED? Gerenciamento eletrônico de documentos ou Gestão eletrônica de documentos (GED) é uma tecnologia que provê um meio de facilmente gerar, controlar, armazenar, compartilhar e recuperar informações

Leia mais

Como Elaborar uma RFP

Como Elaborar uma RFP Como Elaborar uma RFP Eduardo Mayer Fagundes Engenheiro eletricista, especialista em telecomunicações, mestre em Ciência da Computação. Extensão universitária em Darden School of Business na Universidade

Leia mais

Case SICREDI Migração SGBD Oracle 9i para 11g

Case SICREDI Migração SGBD Oracle 9i para 11g Uso irrestrito Case SICREDI Migração SGBD Oracle 9i para 11g Agenda O SICREDI Histórico Core Bank Objetivo do Projeto Resumo do Projeto Ofensores vs. Mitigadores Cenário do Projeto A Migração Após a Migração

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA DÉBORA DE MEIRA PADILHA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA DÉBORA DE MEIRA PADILHA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA DÉBORA DE MEIRA PADILHA PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE PERGAMUM NA ESCOLA BÁSICA DR. PAULO FONTES Florianópolis

Leia mais

Infraestrutura: devo usar a nuvem? Prof. Artur Clayton Jovanelli

Infraestrutura: devo usar a nuvem? Prof. Artur Clayton Jovanelli Infraestrutura: devo usar a nuvem? Prof. Artur Clayton Jovanelli Conceitos principais Nuvem Local Dados (informações) Profissional Pessoal Procedimento padrão (modelo) Produzir Armazenar Como era... Como

Leia mais

Processo Nº 25545/2014 RESPOSTAS A QUESTIONAMENTOS

Processo Nº 25545/2014 RESPOSTAS A QUESTIONAMENTOS Processo Nº 25545/2014 RESPOSTAS A QUESTIONAMENTOS Brasília/DF, 18 de junho de 2014. Objeto Consultoria para desenvolvimento de metodologias e sistemáticas de inteligência para acompanhamento das famílias

Leia mais

EDITAL PI IPCIT - Nº001/2012 - PRPPGI/IFAM PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA PI-IPCIT

EDITAL PI IPCIT - Nº001/2012 - PRPPGI/IFAM PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA PI-IPCIT EDITAL PI IPCIT - Nº001/2012 - PRPPGI/IFAM PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA PI-IPCIT PROJETOS DE PESQUISA CIENTÍFICA E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DO IFAM Maio

Leia mais

Introdução A Engenharia Da Computação

Introdução A Engenharia Da Computação Introdução A Engenharia Da Computação AULA I Slide 1 O Que é Engenharia? [De engenho + -aria.] Substantivo feminino 1.Arte de aplicar conhecimentos científicos e empíricos e certas habilitações específicas

Leia mais

Oficinas de Integração 3

Oficinas de Integração 3 Oficinas de Integração 3 Introdução à Disciplina IF66J/S71 Oficinas de Integração 3 Eng. Computação Profs. João A. Fabro e Heitor S. Lopes.-Slide 1/32 Oficinas de Integração 3 Introdução (Ementa e Objetivos)

Leia mais

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Gestão 2013-2017 Plano de Trabalho Colaboração, Renovação e Integração Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Goiânia, maio de 2013 Introdução Este documento tem por finalidade apresentar o Plano de Trabalho

Leia mais

II Workshop Regional Latinoamericano FLOSSWorld. Buenos Aires, 30 de novembro e 1 1 de dezembro de 2006

II Workshop Regional Latinoamericano FLOSSWorld. Buenos Aires, 30 de novembro e 1 1 de dezembro de 2006 II Workshop Regional Latinoamericano FLOSSWorld Buenos Aires, 30 de novembro e 1 1 de dezembro de 2006 Forte política tecnológica que prioriza o software livre como opção estratégica em busca da: 1. redução

Leia mais

Diretoria de Informática TCE/RN 2012 PDTI PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Brivaldo Marinho - Consultor. Versão 1.0

Diretoria de Informática TCE/RN 2012 PDTI PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Brivaldo Marinho - Consultor. Versão 1.0 TCE/RN 2012 PDTI PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Brivaldo Marinho - Consultor Versão 1.0 CONTROLE DA DOCUMENTAÇÃO Elaboração Consultor Aprovação Diretoria de Informática Referência do Produto

Leia mais