ESTUDOS SOBRE A IMPLEMENTAÇÃO ONLINE DE UMA TÉCNICA DE ESTIMAÇÃO DE ENERGIA NO CALORÍMETRO HADRÔNICO DO ATLAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDOS SOBRE A IMPLEMENTAÇÃO ONLINE DE UMA TÉCNICA DE ESTIMAÇÃO DE ENERGIA NO CALORÍMETRO HADRÔNICO DO ATLAS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA ESTUDOS SOBRE A IMPLEMENTAÇÃO ONLINE DE UMA TÉCNICA DE ESTIMAÇÃO DE ENERGIA NO CALORÍMETRO HADRÔNICO DO ATLAS EM CENÁRIOS DE ALTA LUMINOSIDADE ALUNO: MARCOS VINÍCIUS TEIXEIRA ORIENTADORES: AUGUSTO S. CERQUEIRA LUCIANO M. DE A. FILHO

2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA 1- INTRODUÇÃO

3 Método COF (Constrained Optmal Filter) Trata apenas ruído eletrônico (WG) Matriz 7 x p Matriz 7 x 7 r DM - DECONVOLUÇÃO DETECTA SINAIS EMPILHADOS COF â Figura 7: Diagrama Geral do método COF. 3

4 Método COF (Constrained Optmal Filter) Ø A proposta visa estimar, além da amplitude do pulso de interesse, a amplitude de cada componente sobreposta. Ø Nestas condições o ruído é caracterizado somente pelo ruído eletrônico que é Gaussiano, mantendo a característica ótima do estimador. Ø O COF resulta em uma inversão de matrizes, dificultando a implementação em hardware para a estimação online. Ø Atualmente o COF está sendo utilizado para estimação off-line e vem obtendo excelentes resultados. Porém, sua implementação para processamento online não é otimizada pois se faz necessário a utilização de bancos de filtros para cada combinação de componentes sobrepostas. 4

5 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA 4- PROPOSTAS PARA IMPLEMENTAÇÃO ONLINE

6 Gradiente Descendente: GD-COF 6

7 Gradiente Descendente com Convergência Dinâmica: GDD-COF Devemos determinar o valor de µ na direção do gradiente a cada iteração, que alcança o valor mínimo da função custo. Isso é feito, obtendo a função custo em relação u. 7

8 Gradiente Conjugado: GC-COF Matriz simétrica definida positiva Problema de inversão de matrizes Propor x como sendo uma combinação linear de uma base vetorial pré-determinada. Restringindo a uma base A-ortogonal Taxa de convergência (equivalente ao GDD) Para encontrar p, somamos as direções d atuais com frações (β) das direções d anteriores. Para garantir que a nova direção p seja A-ortogonal, utilizamos o processo de conjugação de Gram- Schmidt. Direções d A-ortogonais = p 8

9 Gradiente Conjugado: GC-COF Exige o armazenamento dos vetores d das direções anteriores, o que gera operações adicionais a serem executadas. Simplificação Podemos calcular um novo vetor p usando apenas o seu vetor anterior 9

10 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA 4- SIMULAÇÕES DAS TÉCNICAS PROPOSTAS

11 Simulações: Banco de Dados Ø Inicialmente foi gerado um vetor linha com aproximadamente amostras, onde cada uma das amostras é equivalente a energia absorvida para uma determinada célula do calorímetro, após o evento de colisão (Barril Estendido - ocupância de 20%; Barril - ocupância de 10%). São sobrepostos sinais de referência do TileCal com uma distribuição de amplitude dada por uma exponencial e com o valor médio igual a 30 contagens de ADC para simular a energia depositada. ADC n AMOSTRAS Ø A sequência de colisões é então dividida em janelas de 7 amostras, gerando vetores de entrada para a simulação. Após determinado os vetores de entrada um ruído WG de 1 contagem de ADC é adicionado, representando o ruído eletrônico. 11

12 Simulações: GD-COF Figura 10: Identificação dos valores de µ em que há divergência. Figura 11: Convergência do algoritmo GD. DM COF / DM - GD Figura 12: Desvio do Erro para (0 <it< 20, 0.01 < µ < 0.5 e ocupância de 10%). Figura 13: Desvio do Erro para (20 <it< 100, 0.26 < µ < 0.5 e ocupância de 10%). 12

13 Simulações: GD-COF Figura 14: Desvio do Erro para (20 <it< 100, 0.26 < µ < 0.5 e ocupância de 20%). Figura 15: Desvio do Erro para (13 <it< 100, 0.4 < µ < 0.5 e ocupancia de 10%). Figura 16: Desvio do Erro para (20 <it< 100, 0.4 < µ < 0.5 e ocupancia de 20%). 13

14 Simulações GDD-COF e GC-COF Figura 17: Comparação entre os métodos GD, GDD e COF e a identificação do valor mínimo de iterações para o método GDD, considerando o desvio de 1% e ocupância de 10 e 20%. Figura 18: Comparação entre os métodos GD, GDD, GC e COF e a identificação do valor mínimo de iterações para o método GC, considerando o desvio de 1% e ocupância de 10 e 20%. 14

15 Simulações: Curva de Convergência Tabela 1: Comparativo entre os Métodos (COF, GD, GDD e GC) a partir da amplitude real de sinais sobrepostos. Figura 19: Curva de Convergêcia dos Métodos GD, GDD e GC 15

16 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA 5- IMPLEMENTAÇÃO EM FPGA

17 Análise de Complexidade Tabela 2: Análise de complexidade para células do Barril (ocupância de 10%), considerando o desenvolvimento de uma arquitetura sequencial. Tabela 3: Análise de complexidade para células do Barril Estendido (ocupância de 20%), considerando o desenvolvimento de uma arquitetura sequencial. 17

18 Arquitetura de Processamento Figura 20: Arquitetura do Processador em FPGA Figura 21: Fluxograma da máquina de estados Figura 22: Soma e subtração em ponto fixo. 18

19 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA 5- RESULTADOS DA IMPLEMENTAÇÃO EM FPGA E A COMPARAÇÃO COM DADOS SIMULADOS NO MATLAB

20 Resultados Figura 23: Comparação entre o GD FPGA e o GD MATLAB. Tabela 4: Tabela com valores de convergência do algoritmo GD. 20

21 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA 6- CONCLUSÕES E TRABALHOS FUTUROS

22 Conclusões Ø Neste trabalho foram propostos três métodos iterativos para estimação de energia online em calorímetros em cenários de empilhamento de eventos. Ø O GC-COF converge para um número finito de iterações (p iterações), que correspondem exatamente a quantidades de sinais empilhados observados. O método possui mais etapas de cálculo que os demais métodos. Apesar do exigir poucas iterações, o número elevado de etapas de cálculo demanda maior número de ciclos de clock para seu processamento (2254 ciclos). Ø O método GD-COF é dependente de uma boa escolha dos parâmetros de convergência (taxa de convergência e ponto de partida) para estimar com eficiência a amplitude de sinais empilhados. Este método resulta em simples operações de produto e soma. O GD-COF exige um número de iterações superior aos demais métodos, no entanto demanda um número de ciclos de clock aproximadamente igual ao GC-COF (2429 ciclos). Ø O método GDD-COF converge com um menor número iterações se comparado com o GD-COF pois a taxa de convergência pode ser formulada. Este método resulta em operações de produto, soma e uma divisão. No entanto demanda maior número de ciclos de clock se comparado aos demais métodos. 22

23 Conclusões Ø Neste caso, para atender aos requisitos de tempo de processamento exigidos no TileCal, o GC-COF deve ser processado com um clock 225,4 MHz. Para o método GD-COF, verificou-se a necessidade de um clock de 242,9 MHz considerando uma arquitetura sequencial. Ø Baseado em um arquitetura sequencial e utilizando lógica aritmética em ponto fixo, este trabalho mostrou que a arquitetura desenvolvida é capaz executar o método iterativo e consequentemente estimar a amplitude de sinais empilhados com desempenho similar ao método COF, o que viabiliza a implementação nas srods para processamento online. 23

24 Trabalhos Futuros e Publicações Ø As propostas de trabalhos futuros concentram-se inicialmente na implementação e testes dos algoritmos nas srods. Ø Novas propostas de arquiteturas paralelas de processamento também serão consideradas futuramente. PUBLICADO: Ø TEIXEIRA, M. V. ; A. FILHO, L. M. ; PERALVA, B. S. Reconstrução Online para Calorímetros Operando em Condições de Altas Luminosidades. In: XX Congresso Brasileiro de Automática, 2014, Belo Horizonte - MG. XX Congresso Brasileiro de Automática XX CBA, PARA PUBLICAÇÃO: Ø TEIXEIRA, M. V. ; A. FILHO, L. M. ; CERQUEIRA, A. S. Online Energy Estimation Method for Calorimeters Operating in High Luminosity Environment. IEEE Transactions on Nuclear Science. 24

Anais do XX Congresso Brasileiro de Automática Belo Horizonte, MG, 20 a 24 de Setembro de 2014

Anais do XX Congresso Brasileiro de Automática Belo Horizonte, MG, 20 a 24 de Setembro de 2014 Anais do XX Congresso Brasileiro de Automática RECONSTRUC A O ONLINE PARA CALORI METROS OPERANDO EM CONDIC O ES DE ALTAS LUMINOSIDADES Marcos Vinı cius Teixeira, Luciano M. de A. Filho, Bernardo S. Peralva

Leia mais

SISTEMA DIGITAL PARA REDUÇÃO DO EMPILHAMENTO EM MEDIÇÕES DE ENERGIA NUM DETECTOR DE PARTÍCULAS

SISTEMA DIGITAL PARA REDUÇÃO DO EMPILHAMENTO EM MEDIÇÕES DE ENERGIA NUM DETECTOR DE PARTÍCULAS SISTEMA DIGITAL PARA REDUÇÃO DO EMPILHAMENTO EM MEDIÇÕES DE ENERGIA NUM DETECTOR DE PARTÍCULAS MARCELO M. CAVALCANTI, EDUARDO F. SIMAS FILHO, PAULO C. M. A. FARIAS Laboratório de Sistemas Digitais, Departamento

Leia mais

Arquiteturas RISC. (Reduced Instructions Set Computers)

Arquiteturas RISC. (Reduced Instructions Set Computers) Arquiteturas RISC (Reduced Instructions Set Computers) 1 INOVAÇÕES DESDE O SURGIMENTO DO COMPU- TADOR DE PROGRAMA ARMAZENADO (1950)! O conceito de família: desacoplamento da arquitetura de uma máquina

Leia mais

O Experimento CMS Parte 2/2

O Experimento CMS Parte 2/2 O Experimento CMS Parte 2/2 Thiago Tomei 29/03/2007 7/5/2007 Thiago Tomei 1 Sumário Parte 1: O Experimento CMS Large Hadron Collider LHC Compact Muon Solenoid CMS Estrutura de Hardware do CMS: Detector

Leia mais

RECONHECIMENTO DE PLACAS DE AUTOMÓVEIS ATRAVÉS DE CÂMERAS IP

RECONHECIMENTO DE PLACAS DE AUTOMÓVEIS ATRAVÉS DE CÂMERAS IP RECONHECIMENTO DE PLACAS DE AUTOMÓVEIS ATRAVÉS DE CÂMERAS IP Caio Augusto de Queiroz Souza caioaugusto@msn.com Éric Fleming Bonilha eric@digifort.com.br Gilson Torres Dias gilson@maempec.com.br Luciano

Leia mais

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes 4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes Neste capítulo é apresentado o desenvolvimento de um dispositivo analisador de redes e de elementos de redes, utilizando tecnologia FPGA. Conforme

Leia mais

Localização Online do Vértice Primário de Colisão Utilizando a Transformada de Hough Adaptativa com Condição de Parada Dinâmica

Localização Online do Vértice Primário de Colisão Utilizando a Transformada de Hough Adaptativa com Condição de Parada Dinâmica CENTRO BRASILEIRO DE PESQUISAS FÍSICAS COORDENAÇÃO DE ATIVIDADES TÉCNICAS - CAT LABORATÓRIO DE PROCESSAMENTO DIGITAL DE SINAIS E IMAGENS - LPDSI Localização Online do Vértice Primário de Colisão Utilizando

Leia mais

Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais

Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais Esse documento é parte integrante do material fornecido pela WEB para a 2ª edição do livro Data Mining: Conceitos, técnicas, algoritmos, orientações

Leia mais

Lista de Atividades dos Autores do ATLAS

Lista de Atividades dos Autores do ATLAS Lista de Atividades dos Autores do ATLAS 1. Andre Asevedo Nepomuceno (UFF) Membro do grupo de física exótica do ATLAS, em particular na busca de novas ressonâncias que decaem em um par de elétrons ou muons.

Leia mais

Projeto de Máquinas de Estado

Projeto de Máquinas de Estado Projeto de Máquinas de Estado Organizado por Rodrigo Hausen. Original de Thomas L. Floyd. Versão 0: 15 de março de 2013 http://compscinet.org/circuitos Resumo Grande parte deste texto, exemplos e estrutura

Leia mais

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem:

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem: 1 As notas de aula que se seguem são uma compilação dos textos relacionados na bibliografia e não têm a intenção de substituir o livro-texto, nem qualquer outra bibliografia. Introdução O Cálculo Numérico

Leia mais

Deteção do Espaço Navegável para o ATLASCAR usando informação 3D

Deteção do Espaço Navegável para o ATLASCAR usando informação 3D Deteção do Espaço Navegável para o ATLASCAR usando informação 3D Diogo Artur Fonseca Matos Universidade de Aveiro Departamento de Engenharia Mecânica 16 de Julho 2013 Conteúdos 1 Introdução Apresentação

Leia mais

Engenharia de Requisitos

Engenharia de Requisitos 1 Engenharia de Requisitos Gerenciamento de Requisitos Prof Ms Vinícius Costa de Souza www.inf.unisinos.br/~vinicius 2 Agenda Introdução Requisitos voláteis x estáveis Identificação Armazenamento Gerenciamento

Leia mais

Tais operações podem utilizar um (operações unárias) ou dois (operações binárias) valores.

Tais operações podem utilizar um (operações unárias) ou dois (operações binárias) valores. Tais operações podem utilizar um (operações unárias) ou dois (operações binárias) valores. 7.3.1.2 Registradores: São pequenas unidades de memória, implementadas na CPU, com as seguintes características:

Leia mais

Árvores Binárias de Busca

Árvores Binárias de Busca Árvores Binárias de Busca Uma Árvore Binária de Busca T (ABB) ou Árvore Binária de Pesquisa é tal que ou T = 0 e a árvore é dita vazia ou seu nó contém uma chave e: 1. Todas as chaves da sub-árvore esquerda

Leia mais

Filtros Digitais. Capítulo 6.0 PDS Prof. César Janeczko (2 o semestre 2009) 10 A

Filtros Digitais. Capítulo 6.0 PDS Prof. César Janeczko (2 o semestre 2009) 10 A Capítulo 6.0 PDS Prof. César Janeczko (2 o semestre 2009) Filtros Digitais Filtros digitais são usados em geral para dois propósitos: 1 o separação de sinais que foram combinados, por exemplo, modulados;

Leia mais

Encontrando a Linha Divisória: Detecção de Bordas

Encontrando a Linha Divisória: Detecção de Bordas CAPÍTULO 1 Encontrando a Linha Divisória: Detecção de Bordas Contribuíram: Daniela Marta Seara, Geovani Cássia da Silva Espezim Elizandro Encontrar Bordas também é Segmentar A visão computacional envolve

Leia mais

3. Arquiteturas SIMD. 3.1 Considerações iniciais

3. Arquiteturas SIMD. 3.1 Considerações iniciais 3. Arquiteturas SIMD Computadores SIMD (Single Instruction Multiple Data) são utilizados para a resolução de problemas computacionalmente intensivos da área científica e de engenharia, em que existem estruturas

Leia mais

Uma Ferramenta para otimização em Engenharia Mecânica e aplicações na Fundição Eletromagnética de Metais

Uma Ferramenta para otimização em Engenharia Mecânica e aplicações na Fundição Eletromagnética de Metais Uma Ferramenta para otimização em Engenharia Mecânica e aplicações na Fundição Eletromagnética de Metais Departamento de Engenharia Mecânica COPPE UFRJ STIC-AMSUD, Novembro de 2009 Conteúdo Preliminares

Leia mais

Comparativo entre métodos de controle de demanda: qual o mais eficiente para o usuário nacional?

Comparativo entre métodos de controle de demanda: qual o mais eficiente para o usuário nacional? Comparativo entre métodos de controle de demanda: qual o mais eficiente para o usuário nacional? Mauricio R.Suppa (GESTAL Ltda) Marcos Iuquinori Terada (GESTAL Ltda) Afim de se obter o máximo aproveitamento

Leia mais

A SOLUTION OF N-QUEENS PROBLEM BY GENETIC ALGORITHMS

A SOLUTION OF N-QUEENS PROBLEM BY GENETIC ALGORITHMS UMA SOLUÇÃO DO PROBLEMA DAS N RAINHAS ATRAVÉS DE ALGORITMOS GENÉTICOS A SOLUTION OF N-QUEENS PROBLEM BY GENETIC ALGORITHMS Eliane Vendramini de Oliveira Mestre em Engenharia Elétrica UNESP/ Ilha Solteira

Leia mais

AUTOMAÇÃO E INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL. Sistema Integrado de Teste em Umbilicais

AUTOMAÇÃO E INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL. Sistema Integrado de Teste em Umbilicais BI AUTOMAÇÃO E INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL Sistema Integrado de Teste em Umbilicais Objetivos da Apresentação Demonstrar a Arquitetura de hardware e software da National Instruments utilizada na solução; Discutir

Leia mais

Pipelining. Professor: Carlos Bazilio. Pólo Universitário rio de Rio das Ostras

Pipelining. Professor: Carlos Bazilio. Pólo Universitário rio de Rio das Ostras Pipelining Professor: Carlos Bazilio Contextualizando Após apresentação da arquitetura interna de processadores Memória de Controle Microprograma Linguagem de Máquina... Motivação Idéia Geral Estágios

Leia mais

Cálculo Aproximado do número PI utilizando Programação Paralela

Cálculo Aproximado do número PI utilizando Programação Paralela Universidade de São Paulo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Cálculo Aproximado do número PI utilizando Programação Paralela Grupo 17 Raphael Ferras Renan Pagaiane Yule Vaz SSC-0143 Programação

Leia mais

Simulações Utilizando o OptiSystem. Belém - Mar 2006

Simulações Utilizando o OptiSystem. Belém - Mar 2006 Simulações Utilizando o OptiSystem Belém - Mar 2006 1 Conteúdo 1. Visão Geral 2. O Ambiente de Simulação 2.1 Conceito de SubSistema 3. Biblioteca de Componentes 4. Modelos Implementados 5. Variando Parâmetros

Leia mais

José Simão Filho(ITAIPU) RESUMO

José Simão Filho(ITAIPU) RESUMO MEDIÇÃO DE DESCARGAS PARCIAIS EM HIDROGERADOR DA USINA DE ITAIPU UMA AVALIAÇÃO EXPERIMENTAL DAS LIMITAÇÕES, DIFICULDADES DE MEDIÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE RESULTADOS Marcelo Fabiano Latini* (ITAIPU) Juan Carlos

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866 7 Unidade Central de Processamento (UCP): O processador é o componente vital do sistema de computação, responsável pela realização das operações de processamento e de controle, durante a execução de um

Leia mais

Sistemas Computacionais II Professor Frederico Sauer

Sistemas Computacionais II Professor Frederico Sauer Sistemas Computacionais II Professor Frederico Sauer Livro-texto: Introdução à Organização de Computadores 4ª edição Mário A. Monteiro Livros Técnicos e Científicos Editora. Atenção: Este material não

Leia mais

5 A Utilização da Técnica do Espaço Nulo e dos Atributos Baseados na Escolha de Coeficientes de Autocorrelações

5 A Utilização da Técnica do Espaço Nulo e dos Atributos Baseados na Escolha de Coeficientes de Autocorrelações 5 A Utilização da Técnica do Espaço Nulo e dos Atributos Baseados na Escolha de Coeficientes de Autocorrelações Este capítulo apresenta uma nova proposta que consiste em empregar os atributos baseados

Leia mais

Introdução às arquiteturas paralelas e taxonomia de Flynn

Introdução às arquiteturas paralelas e taxonomia de Flynn Introdução às arquiteturas paralelas e taxonomia de Flynn OBJETIVO: definir computação paralela; o modelo de computação paralela desempenhada por computadores paralelos; e exemplos de uso da arquitetura

Leia mais

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia de Controle e Automação. Ronilson Rocha

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia de Controle e Automação. Ronilson Rocha Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia de Controle e Automação PROJETO E CARACTERIZAÇÃO DE CIRCUITOS ELETRÔNICOS CAÓTICOS: O LADO NEGATIVO DO CIRCUITO DE CHUA Ronilson

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DOS PARÂMETROS DE UM MODELO DE BOMBA EM SISTEMAS DE BOMBEIO CENTRÍFUGO SUBMERSO

OTIMIZAÇÃO DOS PARÂMETROS DE UM MODELO DE BOMBA EM SISTEMAS DE BOMBEIO CENTRÍFUGO SUBMERSO OTIMIZAÇÃO DOS PARÂMETROS DE UM MODELO DE BOMBA EM SISTEMAS DE BOMBEIO CENTRÍFUGO SUBMERSO Ana Carla Costa Andrade 1, André Laurindo Maitelli 2, Carla Wilza Souza de Paula Maitelli 3 1 Universidade Federal

Leia mais

)LJXUD8PGRVSDUHV'SDUDFRQYROXomRTXHWHPRPHVPRHIHLWRGR NHUQHOGD)LJXUD

)LJXUD8PGRVSDUHV'SDUDFRQYROXomRTXHWHPRPHVPRHIHLWRGR NHUQHOGD)LJXUD )LOWURJDXVVLDQR O filtro Gaussiano pode ser usado como um filtro SDVVDEDL[D. Usando a função Gaussiana para obter valores de uma máscara a ser definida digitalmente. O Filtro de Gaussiano em 1-D tem a

Leia mais

MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação. Aula 02. Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano

MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação. Aula 02. Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação Aula 02 Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano 1 Guia de Estudo para Aula 02 Comandos de Repetição - O Comando FOR - O comando IF com o comando

Leia mais

Cálculo numérico. ln 1 = 0. Representação numérica. Exemplo. Exemplos. Professor Walter Cunha. ln 1. I s

Cálculo numérico. ln 1 = 0. Representação numérica. Exemplo. Exemplos. Professor Walter Cunha. ln 1. I s Representação numérica Cálculo numérico Professor Walter Cunha Um conjunto de ferramentas ou métodos usados para se obter a solução de problemas matemáticos de forma aproximada. Esses métodos se aplicam

Leia mais

um experimento dedicado a estudar a composição de partículas primárias de raios cósmicos e interações hadrônicas de altas energias.

um experimento dedicado a estudar a composição de partículas primárias de raios cósmicos e interações hadrônicas de altas energias. Uma análise sobre diferentes parametrizações da atmosfera em simulações de chuveiros atmosféricos extensos de raios cósmicos Stefano Castro TOGNINI; Ricardo Avelino GOMES Instituto de Física Universidade

Leia mais

Circuitos Digitais Cap. 6

Circuitos Digitais Cap. 6 Circuitos Digitais Cap. 6 Prof. José Maria P. de Menezes Jr. Objetivos Flip-Flops e Dispositivos Correlatos Latch com portas NAND Latch com portas NOR Sinais de Clock e Flip-Flops com Clock Flip-Flop S-C

Leia mais

29/3/2011. Primeira unidade de execução (pipe U): unidade de processamento completa, capaz de processar qualquer instrução;

29/3/2011. Primeira unidade de execução (pipe U): unidade de processamento completa, capaz de processar qualquer instrução; Em 1993, foi lançada a primeira versão do processador Pentium, que operava a 60 MHz Além do uso otimizado da memória cache (tecnologia já amadurecida) e da multiplicação do clock, o Pentium passou a utilizar

Leia mais

2 Controle de Congestionamento do TCP

2 Controle de Congestionamento do TCP 2 Controle de Congestionamento do TCP 17 2 Controle de Congestionamento do TCP A principal causa de descarte de pacotes na rede é o congestionamento. Um estudo detalhado dos mecanismos de controle de congestionamento

Leia mais

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Prof. Dr. Sergio Pilling (IPD/ Física e Astronomia) II Métodos numéricos para encontrar raízes (zeros) de funções reais. Objetivos:

Leia mais

computador-cálculo numérico perfeita. As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem:

computador-cálculo numérico perfeita. As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem: 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA Departamento de Matemática - CCE Cálculo Numérico - MAT 271 Prof.: Valéria Mattos da Rosa As notas de aula que se seguem são uma compilação dos textos relacionados na bibliografia

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I. de Computadores

Organização e Arquitetura de Computadores I. de Computadores Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Organização e Arquitetura de I Organização Básica B de (Parte V, Complementar)

Leia mais

Sumário. INF01040 Introdução à Programação. Elaboração de um Programa. Regras para construção de um algoritmo

Sumário. INF01040 Introdução à Programação. Elaboração de um Programa. Regras para construção de um algoritmo INF01040 Introdução à Programação Introdução à Lógica de Programação s Seqüenciais Sumário Elaboração de um programa/algoritmo Formas de representação de um algoritmo Elementos manipulados em um programa/algoritmo

Leia mais

Arquitetura de Computadores RISC x CISC. Gustavo Pinto Vilar

Arquitetura de Computadores RISC x CISC. Gustavo Pinto Vilar Arquitetura de Computadores RISC x CISC Gustavo Pinto Vilar PPF / DPF Papiloscopista Policial Federal Pós-Graduado em Docência do Ensino Superior UFRJ Graduado em Ciência da Computação e Processamento

Leia mais

Computadores de Programação (MAB353)

Computadores de Programação (MAB353) Computadores de Programação (MAB353) Aula 19: Visão geral sobre otimização de programas 06 de julho de 2010 1 2 3 Características esperadas dos programas O primeiro objetivo ao escrever programas de computador

Leia mais

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com /

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / andre.belini@ifsp.edu.br MATÉRIA: ICO Aula N : 09 Tema: Unidade Central de

Leia mais

Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação

Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação Laboratório da Disciplina CTA-147 Controle I Análise da Resposta Transitória (Este laboratório foi uma adaptação

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura de Computadores I Aritmética Computacional Slide 1 Sumário Unidade Lógica e Aritmética Representação de Números Inteiros Aritmética de Números Inteiros Representação de Números

Leia mais

O que é RAID? Tipos de RAID:

O que é RAID? Tipos de RAID: O que é RAID? RAID é a sigla para Redundant Array of Independent Disks. É um conjunto de HD's que funcionam como se fosse um só, isso quer dizer que permite uma tolerância alta contra falhas, pois se um

Leia mais

Lista de Atividades Realizadas dos Autores do ATLAS (Dezembro/2011 a Novembro/2012)

Lista de Atividades Realizadas dos Autores do ATLAS (Dezembro/2011 a Novembro/2012) Lista de Atividades Realizadas dos Autores do ATLAS (Dezembro/2011 a Novembro/2012) 1. Andre Asevedo Nepomuceno (UFF) Membro do grupo de física exótica do ATLAS, em particular na busca de novas ressonâncias

Leia mais

RESUMO 2 - FÍSICA III

RESUMO 2 - FÍSICA III RESUMO 2 - FÍSICA III CAMPO ELÉTRICO Assim como a Terra tem um campo gravitacional, uma carga Q também tem um campo que pode influenciar as cargas de prova q nele colocadas. E usando esta analogia, podemos

Leia mais

Conheça o 4017 (ART062)

Conheça o 4017 (ART062) 1 de 11 20/02/2013 18:14 Conheça o 4017 (ART062) Este artigo não é novo, mas sua atualidade se manterá por muito tempo, o que jusitifica o fato dele ser um dos mais acessados desse site. De fato, o circuito

Leia mais

OPERAÇÃO DE SISTEMAS DE POTÊNCIA. TEE-04091 Aula 13 Prof. Vitor Hugo Ferreira

OPERAÇÃO DE SISTEMAS DE POTÊNCIA. TEE-04091 Aula 13 Prof. Vitor Hugo Ferreira Universidade Federal Fluminense Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica OPERAÇÃO DE SISTEMAS DE POTÊNCIA TEE-04091 Aula 13 Pro. Vitor Hugo Ferreira Operação em tempo real e planejamento

Leia mais

Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA Divisão de Engenharia Eletrônica Departamento de Eletrônica Aplicada Laboratório de EEA-21

Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA Divisão de Engenharia Eletrônica Departamento de Eletrônica Aplicada Laboratório de EEA-21 Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA Divisão de Engenharia Eletrônica Departamento de Eletrônica Aplicada Laboratório de EEA-21 7ª Experiência Síntese de Circuitos Sequenciais Síncronos 1. Objetivos

Leia mais

Sistemas Embarcados. Introdução aos sistemas embarcados

Sistemas Embarcados. Introdução aos sistemas embarcados Sistemas Embarcados Introdução aos sistemas embarcados Introdução aos Sistemas embarcados Definição de um sistema embarcado Exemplos de sistemas embarcados Processadores utilizados em sistemas embarcados

Leia mais

Desenvolva aplicações mais eficientes de teste estrutural e bancos de teste

Desenvolva aplicações mais eficientes de teste estrutural e bancos de teste Desenvolva aplicações mais eficientes de teste estrutural e bancos de teste Alisson Kokot Engenheiro de Vendas - National Instruments Arquiteturas de medição condicionada Centralizada Distribuída Sala

Leia mais

PROJETO LÓGICO DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

PROJETO LÓGICO DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - O NÍVEL DA MICROARQUITETURA 1. INTRODUÇÃO Este é o nível cuja função é implementar a camada ISA (Instruction Set Architeture). O seu projeto depende da arquitetura do conjunto das instruções

Leia mais

A Figura 1 mostra uma organização do NEANDER com uma UAL de 6 funções. Figura 1: Organização para o NEANDER.

A Figura 1 mostra uma organização do NEANDER com uma UAL de 6 funções. Figura 1: Organização para o NEANDER. Disciplina: Arquitetura de Computadores Turma: 3CC Data: 18/12/12 Nota: Professor: Renato E. N. de Moraes Semestre: 2012-2 Valor: 2,0 pt Aluno: Trabalho 01 - Projeto Neander O computador NEANDER foi criado

Leia mais

EXCEL 2013. Público Alvo: Arquitetos Engenheiros Civis Técnicos em Edificações Projetistas Estudantes das áreas de Arquitetura, Decoração e Engenharia

EXCEL 2013. Público Alvo: Arquitetos Engenheiros Civis Técnicos em Edificações Projetistas Estudantes das áreas de Arquitetura, Decoração e Engenharia EXCEL 2013 Este curso traz a vocês o que há de melhor na versão 2013 do Excel, apresentando seu ambiente de trabalho, formas de formatação de planilhas, utilização de fórmulas e funções e a criação e formatação

Leia mais

CONTROLE DE SISTEMAS LINEARES SUJEITOS A SALTOS MARKOVIANOS APLICADO EM VEÍCULOS AUTÔNOMOS

CONTROLE DE SISTEMAS LINEARES SUJEITOS A SALTOS MARKOVIANOS APLICADO EM VEÍCULOS AUTÔNOMOS CONTROLE DE SISTEMAS LINEARES SUJEITOS A SALTOS MARKOVIANOS APLICADO EM VEÍCULOS AUTÔNOMOS Uma abordagem prática Apresentação preliminar Universidade de São Paulo USP Escola de Engenharia de São Carlos

Leia mais

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com. 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.br RESUMO A tele-medição de

Leia mais

5. Diagramas de blocos

5. Diagramas de blocos 5. Diagramas de blocos Um sistema de controlo pode ser constituído por vários componentes. O diagrama de blocos é uma representação por meio de símbolos das funções desempenhadas por cada componente e

Leia mais

Matlab - Neural Networw Toolbox. Ana Lívia Soares Silva de Almeida

Matlab - Neural Networw Toolbox. Ana Lívia Soares Silva de Almeida 27 de maio de 2014 O que é a Neural Networw Toolbox? A Neural Network Toolbox fornece funções e aplicativos para a modelagem de sistemas não-lineares complexos que não são facilmente modelados com uma

Leia mais

Figura 1.1: Exemplo de links patrocinados no Google

Figura 1.1: Exemplo de links patrocinados no Google 1 Links Patrocinados 1.1 Introdução Links patrocinados são aqueles que aparecem em destaque nos resultados de uma pesquisa na Internet; em geral, no alto ou à direita da página, como na Figura 1.1. Figura

Leia mais

Conversores D/A e A/D

Conversores D/A e A/D Conversores D/A e A/D Introdução Um sinal analógico varia continuamente no tempo. Som Temperatura Pressão Um sinal digital varia discretamente no tempo. Processamento de sinais digitais Tecnologia amplamente

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

Arquitetura de Computadores - Arquitetura RISC. por Helcio Wagner da Silva

Arquitetura de Computadores - Arquitetura RISC. por Helcio Wagner da Silva Arquitetura de Computadores - Arquitetura RISC por Helcio Wagner da Silva Introdução RISC = Reduced Instruction Set Computer Elementos básicos: Grande número de registradores de propósito geral ou uso

Leia mais

EMISSÕES OTOACÚSTICAS EVOCADAS TRANSIENTES (EOET):

EMISSÕES OTOACÚSTICAS EVOCADAS TRANSIENTES (EOET): EMISSÕES OTOACÚSTICAS EVOCADAS É a energia mecânica produzida vibração de células ciliadas externas na cóclea que voltará de forma reversa pela orelha média e será captada no condutivo auditivo externo.

Leia mais

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Prof. Dr. Sergio Pilling (IPD/ Física e Astronomia) I Representação dos números, aritmética de ponto flutuante e erros em máquinas

Leia mais

Filtragem. pixel. perfil de linha. Coluna de pixels. Imagem. Linha. Primeiro pixel na linha

Filtragem. pixel. perfil de linha. Coluna de pixels. Imagem. Linha. Primeiro pixel na linha Filtragem As técnicas de filtragem são transformações da imagem "pixel" a "pixel", que dependem do nível de cinza de um determinado "pixel" e do valor dos níveis de cinza dos "pixels" vizinhos, na imagem

Leia mais

Conversão Digital Analógico e Analógico Digital. Disciplina: Eletrônica Básica Prof. Manoel Eusebio de Lima

Conversão Digital Analógico e Analógico Digital. Disciplina: Eletrônica Básica Prof. Manoel Eusebio de Lima Conversão Digital Analógico e Analógico Digital Disciplina: Eletrônica Básica Prof. Manoel Eusebio de Lima Agenda Grandezas Digitais e Analógicas Por que converter? Diagrama básico para conversão Conversores

Leia mais

! Introdução. " Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do Processo Unificado

! Introdução.  Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP)  Definições  RUP x USDP  Características do Processo Unificado Agenda! Introdução " Motivação para Processos de Software! (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do! Descrição detalhada do! Processos Derivados! Templates simplificados! Conclusões 2 Processo

Leia mais

Otimização de Funções Não Lineares por Meio do Algoritmo Árvore da Montanha

Otimização de Funções Não Lineares por Meio do Algoritmo Árvore da Montanha Otimização de Funções Não Lineares por Meio do Algoritmo Árvore da Montanha Amarildo de Vicente Colegiado do Curso de Matemática Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas da Universidade Estadual do Oeste

Leia mais

Projeto de Redes Neurais e MATLAB

Projeto de Redes Neurais e MATLAB Projeto de Redes Neurais e MATLAB Centro de Informática Universidade Federal de Pernambuco Sistemas Inteligentes IF684 Arley Ristar arrr2@cin.ufpe.br Thiago Miotto tma@cin.ufpe.br Baseado na apresentação

Leia mais

Comparação entre a Máscara de Nitidez Cúbica e o Laplaciano para Realce de Imagens Digitais

Comparação entre a Máscara de Nitidez Cúbica e o Laplaciano para Realce de Imagens Digitais Comparação entre a Máscara de Nitidez Cúbica e o Laplaciano para Realce de Imagens Digitais Wesley B. Dourado, Renata N. Imada, Programa de Pós-Graduação em Matemática Aplicada e Computacional, FCT, UNESP,

Leia mais

Sistemas Distribuídos: Princípios e Algoritmos Introdução à Análise de Complexidade de Algoritmos

Sistemas Distribuídos: Princípios e Algoritmos Introdução à Análise de Complexidade de Algoritmos Sistemas Distribuídos: Princípios e Algoritmos Introdução à Análise de Complexidade de Algoritmos Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo Departamento de Informática 1 o Trabalho de Algoritmos Numéricos - 11/1. Sistemas Lineares

Universidade Federal do Espírito Santo Departamento de Informática 1 o Trabalho de Algoritmos Numéricos - 11/1. Sistemas Lineares Universidade Federal do Espírito Santo Departamento de Informática 1 o Trabalho de Algoritmos Numéricos - 11/1 Data de entrega: 22/05/11 Sistemas Lineares (Cursos: Física e Matemática) Objetivo Implementar

Leia mais

Dinâmicas de Acesso ao Espectro

Dinâmicas de Acesso ao Espectro Redes Cognitivas com Oportunidades Dinâmicas de Acesso ao Espectro Defesa de Tese Marcel William Rocha da Silva Orientador: José Ferreira de Rezende Roteiro Introdução e motivação Rádios cognitivos Oportunidades

Leia mais

Calibração do Tilecal

Calibração do Tilecal Calibração do Tilecal J. Carvalho P. Martins Departamento de Física & LIP-Coimbra Jornadas do LIP, Braga Janeiro 8, 2009 1 Calibração do TileCal O TileCal é um sistema complexo que exige a monitorização

Leia mais

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações.

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações. Roteiro de Estudos Redes PAN II O Portal Teleco apresenta periodicamente Roteiros de Estudo sobre os principais temas das Telecomunicações. Os roteiros apresentam uma sugestão de tutoriais publicados para

Leia mais

CÁLCULO DE INCERTEZA EM ENSAIO DE TRAÇÃO COM OS MÉTODOS DE GUM CLÁSSICO E DE MONTE CARLO

CÁLCULO DE INCERTEZA EM ENSAIO DE TRAÇÃO COM OS MÉTODOS DE GUM CLÁSSICO E DE MONTE CARLO ENQUALAB-28 Congresso da Qualidade em Metrologia Rede Metrológica do Estado de São Paulo - REMESP 9 a 2 de junho de 28, São Paulo, Brasil CÁLCULO DE INCERTEZA EM ENSAIO DE TRAÇÃO COM OS MÉTODOS DE GUM

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO IFSC - Campus São José. CST em Telecomunicações ELETRÔNICA DIGITAL CONTADORES. Marcos Moecke

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO IFSC - Campus São José. CST em Telecomunicações ELETRÔNICA DIGITAL CONTADORES. Marcos Moecke MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO IFSC - Campus São José CST em Telecomunicações ELETRÔNICA DIGITAL CONTADORES Marcos Moecke São José - SC, 29 SUMÁRIO 5. CONTADORES... 5. CONTADORES ASSÍNCRONOS 5. C 5.2 C ASSÍNCRONOS......

Leia mais

3/9/2010. Ligação da UCP com o barramento do. sistema. As funções básicas dos registradores nos permitem classificá-los em duas categorias:

3/9/2010. Ligação da UCP com o barramento do. sistema. As funções básicas dos registradores nos permitem classificá-los em duas categorias: Arquitetura de Computadores Estrutura e Funcionamento da CPU Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense P.U.R.O. Revisão dos conceitos básicos O processador é o componente vital do sistema de

Leia mais

Pesquisa em Memória Primária. Prof. Jonas Potros

Pesquisa em Memória Primária. Prof. Jonas Potros Pesquisa em Memória Primária Prof. Jonas Potros Pesquisa em Memoria Primária Estudo de como recuperar informação a partir de uma grande massa de informação previamente armazenada. A informação é dividida

Leia mais

6 Construção de Cenários

6 Construção de Cenários 6 Construção de Cenários Neste capítulo será mostrada a metodologia utilizada para mensuração dos parâmetros estocásticos (ou incertos) e construção dos cenários com respectivas probabilidades de ocorrência.

Leia mais

5 Um simulador estocástico para o fluxo de caixa

5 Um simulador estocástico para o fluxo de caixa 5 Um simulador estocástico para o fluxo de caixa O objetivo desse capítulo é o de apresentar um simulador estocástico para o fluxo de caixa de um plano de previdência do tipo PGBL de um único indivíduo.

Leia mais

28/9/2010. Paralelismo no nível de instruções Processadores superescalares

28/9/2010. Paralelismo no nível de instruções Processadores superescalares Arquitetura de Computadores Paralelismo no nível de instruções Processadores superescalares Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense P.U.R.O. Processadores superescalares A partir dos resultados

Leia mais

CALCULADORA SIMPLES COM ULA

CALCULADORA SIMPLES COM ULA CALCULADORA SIMPLES COM ULA Versão 2012 RESUMO 1 Esta experiência tem por objetivo a utilização de circuitos integrados de operações lógicas e aritméticas para o desenvolvimento de circuitos que executam

Leia mais

Unidade 13: Paralelismo:

Unidade 13: Paralelismo: Arquitetura e Organização de Computadores 1 Unidade 13: Paralelismo: SMP e Processamento Vetorial Prof. Daniel Caetano Objetivo: Apresentar os conceitos fundamentais da arquitetura SMP e alguns detalhes

Leia mais

Sumário Introdução... 15 1 Fundamentos... 19 2 Introdução ao IDE Delphi... 25 3 A Linguagem... 33 4 Projetos e Configurações do Ambiente...

Sumário Introdução... 15 1 Fundamentos... 19 2 Introdução ao IDE Delphi... 25 3 A Linguagem... 33 4 Projetos e Configurações do Ambiente... Sumário Introdução... 15 1 Fundamentos... 19 1.1 Linguagens de Programação... 19 1.1.1 Métodos de Implementação... 19 1.1.2 A Linkedição (Ligação)... 22 1.2 Ambientes Integrados de Desenvolvimento (Integrated

Leia mais

Lógica Programável Aplicada em Circuito Acionador de Ordens Pirotécnicas

Lógica Programável Aplicada em Circuito Acionador de Ordens Pirotécnicas Programável Aplicada em Circuito Acionador de Ordens Pirotécnicas Francisco Carlos Parquet Bizarria,2 João Mauricio Rosário 3 José Walter Parquet Bizarria Francisco Antonio Visconti Junior 2 fcpb@iae.cta.br

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

Informática. Informática. Valdir

Informática. Informática. Valdir Informática Informática Valdir Questão 21 A opção de alterar as configurações e aparência do Windows, inclusive a cor da área de trabalho e das janelas, instalação e configuração de hardware, software

Leia mais

Reconhecimento das Configurações de Mão da LIBRAS a Partir de Malhas 3D

Reconhecimento das Configurações de Mão da LIBRAS a Partir de Malhas 3D Reconhecimento das Configurações de Mão da LIBRAS a Partir de Malhas 3D Andres Jessé Porfirio Orientador: Prof. Dr. Daniel Weingaertner Universidade Federal do Paraná Sumário Introdução Abordagem Baseada

Leia mais

Sumário. Introdução...1. 2 Introdução ao IDE... 11. 3 Conceitos sobre a Linguagem C++ Builder... 17. 4 Projetos e Configurações de Ambiente...

Sumário. Introdução...1. 2 Introdução ao IDE... 11. 3 Conceitos sobre a Linguagem C++ Builder... 17. 4 Projetos e Configurações de Ambiente... Sumário Introdução...1 1 Fundamentos... 5 1.1 Linguagens de Programação... 5 1.1.1 Métodos de Implementação... 5 1.1.2 A Linkedição (Ligação)... 8 1.2 Ambientes Integrados de Desenvolvimento (Integrated

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR ORGANIZAÇÃO CURRICULAR O curso Técnico em Informática, em Nível Médio Subseqüente, será organizado de forma semestral, com aulas presenciais, compostos por disciplinas, com conteúdos estabelecidos, tendo

Leia mais

MODULAÇÃO AM E DEMODULADOR DE ENVELOPE

MODULAÇÃO AM E DEMODULADOR DE ENVELOPE 204/ MODULAÇÃO AM E DEMODULADOR DE ENVELOPE 204/ Objetivos de Estudo: Desenvolvimento de um modulador AM e um demodulador, utilizando MatLab. Visualização dos efeitos de modulação e demodulação no domínio

Leia mais

Análise estrutural do problema de programação da produção F3 r j, s ijk C max

Análise estrutural do problema de programação da produção F3 r j, s ijk C max Análise estrutural do problema de programação da produção F3 r j, s ijk C max Sânia da Costa Fernandes (UFG) saninha_fernandes@hotmail.com Tatiane Albuquerque Pires (UFG) tati_albuquerque_3@hotmail.com

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Criando o Termo de Abertura II. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Criando o Termo de Abertura II. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Criando o Termo de Abertura II Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Priorizando Projetos. Métodos Matemáticos. Métodos de análise de benefícios. Selecionando

Leia mais

Você acha que não precisa de um FPGA? Pense melhor!

Você acha que não precisa de um FPGA? Pense melhor! Você acha que não precisa de um FPGA? Pense melhor! Objetivos de hoje Definir e explicar os FPGAs Desmistificar os conceitos incorretos mais comuns sobre os FPGAs Compreender a melhor e mais intuitiva

Leia mais