Cálculo Aproximado do número PI utilizando Programação Paralela

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cálculo Aproximado do número PI utilizando Programação Paralela"

Transcrição

1 Universidade de São Paulo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Cálculo Aproximado do número PI utilizando Programação Paralela Grupo 17 Raphael Ferras Renan Pagaiane Yule Vaz SSC-0143 Programação Concorrente São Carlos Março de 2012

2 1 - Introdução Gauss-Legendre Borwein Monte Carlo Desenvolvimento Gauss-Legendre Versão Seqüencial Versão Paralela Borwein Versão Seqüencial Versão Paralela Versão Seqüencial Versão Paralela Resultados Obtidos Ferramentas utilizadas e Metodologia de Execução dos Experimentos Forma de Execução... Erro! Indicador não definido. 6 - Conclusão Bibliografia...13

3 1 - Introdução O número Pi é a constante matemática que representa a relação entre perímetro e diâmetro circular. Apesar de ser conhecido há milhares anos, ainda é fonte de pesquisas em diversas áreas. Suas propriedades continuam a ser investigadas e busca-se frequentemente desenvolver novos e mais poderosos métodos para calcular seu valor. Em nosso trabalho, utilizaremos três algoritmos para o cálculo aproximado do PI. São eles: Gauss-Legendre, Borwein e Monte Carlo Gauss-Legendre O algoritmo de Gauss-Legendre é um método de aproximações sucesivas. É baseado no trabalho de Carl Friedrich Gauss( ) e Adrien-Marie Legendre ( ) combinado com algoritmos modernos para multiplicação e raízes quadradas. Em 2002 foi utilizado por Yasumasa Kanada para obter o recorde mundial no cálculo de casas decimais de pi. É um método considerado rapidamente convergente. Ele produz 45 milhões de dígitos corretos do utilizando apenas 25 iterações (a cada inretação a precisão dobra). Sua desvantagem é a necessidade de grande quantidade de memória para sua execução Borwein O algoritmo de Borwein é um método numérico de aproximação com crescimento quadrático da precisão do. Obteve-se pouca informação a seu respeito e dentre os três algoritmos é o menos conhecido, Monte Carlo O Método de Monte Carlo é um método para aproximação por meio da utilização de simulações estocásticas.

4 Possui diversas aplicações em diferentes áreas científicas e tem sido utilizado há bastante tempo para obter aproximações numéricas de funções complexas. Em nosso trabalho utilizaremos este método para a aproximação do valor do número Pi. 2 - Desenvolvimento Gauss-Legendre Versão Seqüencial Inicialização das variáveis: A cada iteração: O valor de será aproximado por: Versão Paralela Inicialização das variáveis:

5 A cada iteração separamos em três threads para todo n > 0. Serão registrados os valores de e a cada iteração para podermos paralelizar o cálculo de. Primeira Thread (Thread A): Segunda Thread (Thread B): Terceira Thread (Thread T): O valor de será aproximado por:

6 Figura 1. Representação gráfica da estratégia de paralelismo utilizada no algoritmo de Gauss-Legendre Borwein Versão Seqüencial Inicialização das variáveis: Para cada iteração: A aproximação de feita por interações será aproximado por:.

7 Versão Paralela A inicialização das duas primeiras variáveis foi a mesma, e para sua paralelização o algoritmo foi quebrado em blocos dependentes, sendo esses blocos: Primeiro Termo de A (Thread A1): Segundo Termo de A (Thread A2): Cálculo de A (Thread A): Cálculo de Y (Thread Y): Como o cálculo de é independente de, foi utilizada a estratégia de produtor vs consumidor em que é gerado e, paralelamente, consumimos para calcular o valor de. Nesta estratégia utilizamos um buffer circular com capacidade de três váriaveis de ponto flutuante da biblioteca GMP. Para sincronizar as threads foi utilizado um vetor de mutex de tamanho três. A sincronia das threads funciona a partir da seguinte estratégia: ao finalizar uma operação sobre uma região crítica (RC) do buffer, a thread requisita o bloqueio da próxima região crítica para poder atuar sobre a mesma liberando a RC atual apenas se ou quando a próxima RC for liberada para uso(por isso, se utilizarmos apenas um buffer de tamanho dois as threads entrarão em deadlock). Note que a thread Y deve ser executada primeiramente visto que, ao mesmo tempo, esta deve bloquear a execução da thread A caso esta tente acessar região crítica utilizada pela thread Y ou as RCs posteriores.

8 Figura 2. Representação gráfica da estratégia de paralelismo utilizada no algoritmo de Borwein Monte Carlo Versão Seqüencial Inicialização das variáveis: Para cada iteração faz-se: A aproximação de será dada por:

9 Versão Paralela Dividiu-se os cálculos e testes estatísticos entre todos os nós disponiveis visto que este algoritmo é bastante paralelizável já que possui poucas dependências; seu resultado foi apenas acumulado na hora de calcular o número aproximado de PI. Figura 3. Representação gráfica da estratégia de paralelismo utilizada no algoritmo de Monte Carlo. 3 - Resultados Obtidos Dos três algoritmos estudados obtivemos os seguintes speed-ups: Resultados comparados no site Gauss-Legendre: Tempo Sequencial Paralelo T1(s) 146,739 96,194 T2(s) 146,373 96,022 T3(s) 146, T Méd 146,598 96,097 Desvio Padrão 0,197 0,087 Borwein:

10 Tempo Sequencial Paralelo T1(s) 185, ,008 T2(s) 185, ,964 T3(s) 185, ,896 T Méd 185, ,956 Desvio Padrão 0,062 1,784 Monte Carlo: Como o método de monte carlo não converge, utilizamos iterações para estipular se há ou não maior eficiência do algoritmo executado paralelamente em relação ao sequencial. Tempo Sequencial Paralelo T1(s) 17,349 36,614 T2(s) 17,381 34,986 T3(s) 17,501 35,339 T Méd 17,410 35,646 Desvio Padrão 0,080 0, Ferramentas utilizadas 4.1- Software Devido a precisão em número de casas decimais ser muito alta, os tipos de dados básicos oferecidos na linguagem c não foram suficientes. Para resolver essa questão utilizamos em todas as soluções a biblioteca GMP (The GNU Multiple Precision Arithmetic Library), a qual nos deixou como limitante em uma operação

11 aritmética apenas a quantidade de memória disponível em um computador. Para o problema alocamos uma memoria de tamanha bits (aproximadamente, onde n é o tamanho da precisão que desejamos atingir, que no caso é de digitos decimais). Para a programação distribuída foi utilizada a API Posix Pthreads que facilita a manipulação, sincronização e criação de threads. 4.2 Hardware Para a realização do calculo do speed-up utilizamos uma de nossas máquinas. Apesar de também termos rodádos os programas no Cluster, não vimos necessidades do calculo do tempo ser realizado no mesmo, pois nossos programas apenas rodária em uma unica máquina. Máquina utilizada: Modelo: HP DV6636 Processador: AMD Turion X2 64bits Dual Core 1.9GH:: Memória: 2GB de ram DD2:: Placa de Vídeo Dedicada: Vídeo NVIDIA GeForce Go 7150 S0: Ubuntu Conclusão O algoritmo de Monte Carlo foi o que apresentou pior speed-up. Isto se deve pois as threads não foram paralelizadas em nós independentes e sim executadas em um mesmo processador com dois núcleos. Mesmo possuindo dois núcleos, o escalonamento das threads é gerenciado pelo sistema operacional (SO) que, por motivos intrínsecos deste, não paralelizou o programa da forma desejada. Sendo assim, apesar de se possuir threads independentes, perde-se muito tempo na mudança de contexto feita pelo SO devido o escalonamento das mesmas (um tempo considerável se compararmos com o tempo de execução das simples operações definidas em cada thread). Outro ponto importante do algoritmo de monte carlo é que

12 por ser um método estatístico e utilizar elementos pseudo-randômicos em seu algoritmo, sua precisão se torna menos confiável. Por motivos semelhantes ao do algoritmo de Monte Carlo, o método de Borwein não apresentou o desempenho desejado ao ser executado de forma paralela visto que seu tempo de execução com a utilização de threads se comportou de forma semelhante ao mesmo algoritmo executado de forma seqüencial. Pode-se perceber também que, apesar da estratégia utilizada neste algoritmo para sua paralelização ser promissora, as threads devem ser definidas de forma que possuam tempo de execução similares fazendo com que as mesmas não se tornem gargalos. O algoritmo Gauss-Legendre paralelo possuiu o melhor speed-up dos três algorítmos já que sua paralelização foi implantada de uma forma em que presencia-se menos gargalos na execução e em que as cargas divididem-se de forma mais homogênea entre as threads. Consideramos satisfatórios nossos resultados obtidos, levando-se em consideração o estudo de diferentes estratégias e abordagens de paralelização. Em todos os algoritmos a forma sequencial mostrou-se mais fácil de se implementar do que a paralela já que foi necessária uma mudança do paradigma lógico sequencial para o paralelo. Dentre as dificuldades enfrentadas pelo grupo, podemos citar: 1) encontrar o algoritmo correto a ser implementado. Esta tarefa nos fez ter um retrabalho considerável em boa parte de nossa implementação. 2) A não-trivialidade na paralelização dos algoritmos de Borwein e de Gauss-Legendre que em muitas soluções propostas o ganho obtido aparentava-se nulo, 3) Problemas com sincronização de threads já que a não-trivialidade na paralelização exigia complexas estratégias, 4) Dificuldade na implementação devido a grande quantidade de fatores influênciadores tais como a grande quantidade de memória utilizada pelos pontos flutuantes da biblioteca GMP fazendo com que o programador adote uma atenção maior no uso da memória. A maioria dos problemas encontrados se deve principalmente ao fato dos integrantes do grupo estarem condicionados a pensar em algoritmos sequenciais.

13 6 - Bibliografia

Guilherme Pina Cardim. Pesquisa de Sistemas Operacionais I

Guilherme Pina Cardim. Pesquisa de Sistemas Operacionais I Guilherme Pina Cardim Pesquisa de Sistemas Operacionais I Presidente Prudente - SP, Brasil 30 de junho de 2010 Guilherme Pina Cardim Pesquisa de Sistemas Operacionais I Pesquisa realizada para identicar

Leia mais

Programação Concorrente Processos e Threads

Programação Concorrente Processos e Threads Programação Concorrente Processos e Threads Prof. Eduardo Alchieri Processos O conceito mais central em qualquer sistema operacional é o processo Uma abstração de um programa em execução Um programa por

Leia mais

Notas da Aula 4 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 4 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 4 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Threads Threads são linhas de execução dentro de um processo. Quando um processo é criado, ele tem uma única linha de execução, ou thread. Esta

Leia mais

Processos e Threads (partes I e II)

Processos e Threads (partes I e II) Processos e Threads (partes I e II) 1) O que é um processo? É qualquer aplicação executada no processador. Exe: Bloco de notas, ler um dado de um disco, mostrar um texto na tela. Um processo é um programa

Leia mais

Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos

Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos Necessidade de máquinas com alta capacidade de computação Aumento do clock => alta dissipação de calor Velocidade limitada dos circuitos => velocidade da

Leia mais

Sistemas Operacionais Aula 06: Threads. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com

Sistemas Operacionais Aula 06: Threads. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com Sistemas Operacionais Aula 06: Threads Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com Objetivos Introduzir o conceito de thread Discutir as APIs das bibliotecas de threads Pthreads, Win32

Leia mais

Cálculo Numérico. ECA / 4 créditos / 60 h Introdução, Erros e Matlab. Ricardo Antonello. www.antonello.com.br

Cálculo Numérico. ECA / 4 créditos / 60 h Introdução, Erros e Matlab. Ricardo Antonello. www.antonello.com.br Cálculo Numérico ECA / 4 créditos / 60 h Introdução, Erros e Matlab Ricardo Antonello www.antonello.com.br Conteúdo Erros na fase de modelagem Erros na fase de resolução Erros de arredondamento Erros de

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Modelo Cliente-Servidor: Introdução aos tipos de servidores e clientes Prof. MSc. Hugo Souza Iniciando o módulo 03 da primeira unidade, iremos abordar sobre o Modelo Cliente-Servidor

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Processos I: Threads, virtualização e comunicação via protocolos Prof. MSc. Hugo Souza Nesta primeira parte sobre os Processos Distribuídos iremos abordar: Processos e a comunicação

Leia mais

Carlos Eduardo Batista Centro de Informática - UFPB bidu@ci.ufpb.br

Carlos Eduardo Batista Centro de Informática - UFPB bidu@ci.ufpb.br Carlos Eduardo Batista Centro de Informática - UFPB bidu@ci.ufpb.br Principais problemas programação concorrente Deadlocks (impasses) Starvation (inanição) Condições de corrida Erros de consistência na

Leia mais

Arquiteturas RISC. (Reduced Instructions Set Computers)

Arquiteturas RISC. (Reduced Instructions Set Computers) Arquiteturas RISC (Reduced Instructions Set Computers) 1 INOVAÇÕES DESDE O SURGIMENTO DO COMPU- TADOR DE PROGRAMA ARMAZENADO (1950)! O conceito de família: desacoplamento da arquitetura de uma máquina

Leia mais

PROJETO LÓGICO DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

PROJETO LÓGICO DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 6 - ARQUITETURAS AVANÇADAS DE COMPUTADORES 1. INTRODUÇÃO As arquiteturas dos processadores têm evoluído ao longo dos anos, e junto com ela o conceito de arquitetura avançada tem se modificado. Nos

Leia mais

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem:

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem: 1 As notas de aula que se seguem são uma compilação dos textos relacionados na bibliografia e não têm a intenção de substituir o livro-texto, nem qualquer outra bibliografia. Introdução O Cálculo Numérico

Leia mais

On Scalability of Software-Defined Networking

On Scalability of Software-Defined Networking On Scalability of Software-Defined Networking Bruno dos Santos Silva bruno.silva@ic.uff.br Instituto de Computação IC Universidade Federal Fluminense UFF 24 de Setembro de 2015 B. S. Silva (IC-UFF) On

Leia mais

Programação Orientada a Objetos Threads

Programação Orientada a Objetos Threads Threads Prof. Edwar Saliba Júnior Janeiro de 2013 1 Introdução Multithreading: fornece múltiplas threads de execução para a aplicação; permite que programas realizem tarefas concorrentemente; às vezes

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS Ciência da Computação 5ª série Sistemas Operacionais A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto

Leia mais

Sincronização e Comunicação entre Processos. Adão de Melo Neto

Sincronização e Comunicação entre Processos. Adão de Melo Neto Sincronização e Comunicação entre Processos Adão de Melo Neto 1 INTRODUÇÃO Em um sistema multitarefa os processos alternam sua execução segundo critérios de escalonamento estabelecidos pelo sistema operacional.

Leia mais

Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO

Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Conceitos básicos e serviços do Sistema Operacional Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Tipos de serviço do S.O. O S.O.

Leia mais

AULA4: PROCESSADORES. Figura 1 Processadores Intel e AMD.

AULA4: PROCESSADORES. Figura 1 Processadores Intel e AMD. AULA4: PROCESSADORES 1. OBJETIVO Figura 1 Processadores Intel e AMD. Conhecer as funcionalidades dos processadores nos computadores trabalhando suas principais características e aplicações. 2. INTRODUÇÃO

Leia mais

TABELA DE EQUIVALÊNCIA FECOMP Curso de Engenharia de Computação

TABELA DE EQUIVALÊNCIA FECOMP Curso de Engenharia de Computação TABELA DE EQUIVALÊNCIA FECOMP Curso de Engenharia de Computação Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 66303 ESTRUTURA DE DADOS I 68/0 ENG. DE

Leia mais

Capacidade = 512 x 300 x 20000 x 2 x 5 = 30.720.000.000 30,72 GB

Capacidade = 512 x 300 x 20000 x 2 x 5 = 30.720.000.000 30,72 GB Calculando a capacidade de disco: Capacidade = (# bytes/setor) x (méd. # setores/trilha) x (# trilhas/superfície) x (# superfícies/prato) x (# pratos/disco) Exemplo 01: 512 bytes/setor 300 setores/trilha

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Operacionais Machado/Maia. Arquitetura de Sistemas

Arquitetura de Sistemas Operacionais Machado/Maia. Arquitetura de Sistemas Arquitetura de Sistemas Operacionais Capítulo 4 Estrutura do Sistema Operacional Cap. 4 Estrutura do Sistema 1 Sistemas Operacionais Pitágoras Fadom Divinópolis Material Utilizado na disciplina Sistemas

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Gerência de processos Controle e descrição de processos Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Sumário Representação e controle de processos pelo SO Estrutura

Leia mais

TRABALHO COM GRANDES MONTAGENS

TRABALHO COM GRANDES MONTAGENS Texto Técnico 005/2013 TRABALHO COM GRANDES MONTAGENS Parte 05 0 Vamos finalizar o tema Trabalho com Grandes Montagens apresentando os melhores recursos e configurações de hardware para otimizar a abertura

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais AULA 09 Sincronização de Processos - II Monitores Conforme comentamos, o uso equivocado dos semáforos pode levar a uma situação de deadlock, por isso devemos tomar cuidado ao programar utilizando este

Leia mais

Programação Concorrente Introdução

Programação Concorrente Introdução Introdução Prof. Eduardo Alchieri (definição) Programação Concorrente Do inglês Concurrent Programming, onde Concurrent signifca "acontecendo ao mesmo tempo" Programação Concorrente é diferente de programação

Leia mais

Capítulo 2 Processos e Threads Prof. Fernando Freitas

Capítulo 2 Processos e Threads Prof. Fernando Freitas slide 1 Capítulo 2 Processos e Threads Prof. Fernando Freitas Material adaptado de: TANENBAUM, Andrew S. Sistemas Operacionais Modernos. 3ª edição. Disponível em: http://www.prenhall.com/tanenbaum_br slide

Leia mais

6 Construção de Cenários

6 Construção de Cenários 6 Construção de Cenários Neste capítulo será mostrada a metodologia utilizada para mensuração dos parâmetros estocásticos (ou incertos) e construção dos cenários com respectivas probabilidades de ocorrência.

Leia mais

1.1. Organização de um Sistema Computacional

1.1. Organização de um Sistema Computacional 1. INTRODUÇÃO 1.1. Organização de um Sistema Computacional Desde a antiguidade, o homem vem desenvolvendo dispositivos elétricoeletrônicos (hardware) que funciona com base em instruções e que são capazes

Leia mais

Universidade Federal de Alfenas

Universidade Federal de Alfenas Universidade Federal de Alfenas Projeto e Análise de Algoritmos Aula 04 Introdução a Análise de Algoritmos humberto@bcc.unifal-mg.edu.br Última aula Fundamentos de Matemática Exercícios: Somatórios; Logaritmos

Leia mais

Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Gerenciamento de Memória: Introdução O gerenciamento de memória é provavelmente a tarefa mais complexa de um sistema operacional multiprogramado.

Leia mais

Auditoria de senhas em hardware paralelo com o John the Ripper O impacto das tecnologias de processamento paralelo na quebra de senhas

Auditoria de senhas em hardware paralelo com o John the Ripper O impacto das tecnologias de processamento paralelo na quebra de senhas Auditoria de senhas em hardware paralelo com o John the Ripper O impacto das tecnologias de processamento paralelo na quebra de senhas Claudio André claudio.andre@correios.net.br Motivação Seu computador

Leia mais

Análise de complexidade

Análise de complexidade Introdução Algoritmo: sequência de instruções necessárias para a resolução de um problema bem formulado (passíveis de implementação em computador) Estratégia: especificar (definir propriedades) arquitectura

Leia mais

ANÁLISE DE DESEMPENHO DA PARALELIZAÇÃO DO CÁLCULO DE NÚMEROS PRIMOS UTILIZANDO PTHREAD E OPENMP 1

ANÁLISE DE DESEMPENHO DA PARALELIZAÇÃO DO CÁLCULO DE NÚMEROS PRIMOS UTILIZANDO PTHREAD E OPENMP 1 ANÁLISE DE DESEMPENHO DA PARALELIZAÇÃO DO CÁLCULO DE NÚMEROS PRIMOS UTILIZANDO PTHREAD E OPENMP 1 Francisco Berti Da Cruz 2, Cleber Cristiano Sartorio 3, Edson Luiz Padoin 4, Emilio Hoffmann 5. 1 Trabalho

Leia mais

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PIM PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO COM O MERCADO GUIA DE CURSO Tecnologia em Sistemas de Informação Tecnologia em Desenvolvimento Web Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnologia em Sistemas

Leia mais

Sistemas Operacionais Processos e Threads

Sistemas Operacionais Processos e Threads Sistemas Operacionais Processos e Threads Prof. Marcos Monteiro, MBA http://www.marcosmonteiro.com.br contato@marcosmonteiro.com.br 1 Estrutura de um Sistema Operacional 2 GERÊNCIA DE PROCESSOS Um processo

Leia mais

computador-cálculo numérico perfeita. As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem:

computador-cálculo numérico perfeita. As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem: 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA Departamento de Matemática - CCE Cálculo Numérico - MAT 271 Prof.: Valéria Mattos da Rosa As notas de aula que se seguem são uma compilação dos textos relacionados na bibliografia

Leia mais

Balanceamento de Carga

Balanceamento de Carga 40 4. Balanceamento de Carga Pode-se entender por balanceamento de carga uma política a ser adotada para minimizar tanto a ociosidade de utilização de alguns equipamentos quanto a super utilização de outros,

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

29/3/2011. Primeira unidade de execução (pipe U): unidade de processamento completa, capaz de processar qualquer instrução;

29/3/2011. Primeira unidade de execução (pipe U): unidade de processamento completa, capaz de processar qualquer instrução; Em 1993, foi lançada a primeira versão do processador Pentium, que operava a 60 MHz Além do uso otimizado da memória cache (tecnologia já amadurecida) e da multiplicação do clock, o Pentium passou a utilizar

Leia mais

} Monolíticas Aplicações em um computador centralizado. } Em Rede Aplicações com comunicação em rede. } Distribuídas Comunicação e cooperação em rede

} Monolíticas Aplicações em um computador centralizado. } Em Rede Aplicações com comunicação em rede. } Distribuídas Comunicação e cooperação em rede Prof. Samuel Souza } Monolíticas Aplicações em um computador centralizado } Em Rede Aplicações com comunicação em rede } Distribuídas Comunicação e cooperação em rede } Aplicações que são funcionalmente

Leia mais

Programação Paralela e Distribuída (DCC/UFRJ)

Programação Paralela e Distribuída (DCC/UFRJ) Programação Paralela e Distribuída (DCC/UFRJ) Aula 7: Programação com memória compartilhada usando OpenMP 1, 8, 10 e 15 de abril de 2015 OpenMP (Open MultiProcessing) Projetado para sistemas de memória

Leia mais

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes 4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes Neste capítulo é apresentado o desenvolvimento de um dispositivo analisador de redes e de elementos de redes, utilizando tecnologia FPGA. Conforme

Leia mais

O método de Monte Carlo: algumas aplicações na Escola Básica

O método de Monte Carlo: algumas aplicações na Escola Básica 1 Universidade de São Paulo/Faculdade de Educação Seminários de Ensino de Matemática (SEMA-FEUSP) Coordenador: Nílson José Machado novembro/2009 O método de Monte Carlo: algumas aplicações na Escola Básica

Leia mais

Projeto e Análise de Algoritmos Projeto de Algoritmos Introdução. Prof. Humberto Brandão humberto@dcc.ufmg.br

Projeto e Análise de Algoritmos Projeto de Algoritmos Introdução. Prof. Humberto Brandão humberto@dcc.ufmg.br Projeto e Análise de Algoritmos Projeto de Algoritmos Introdução Prof. Humberto Brandão humberto@dcc.ufmg.br aula disponível no site: http://www.bcc.unifal-mg.edu.br/~humberto/ Universidade Federal de

Leia mais

Processos. Adão de Melo Neto

Processos. Adão de Melo Neto Processos Adão de Melo Neto 1 EXECUTE O SEGUINTE Baixa a aula dos dias 20 MAR 15 e 08 MAI 15 e salve no computador. Feche o browser Inicialize o vmware player e inicialize a máquina virtual ubuntu Inicialize

Leia mais

28/9/2010. Paralelismo no nível de instruções Processadores superescalares

28/9/2010. Paralelismo no nível de instruções Processadores superescalares Arquitetura de Computadores Paralelismo no nível de instruções Processadores superescalares Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense P.U.R.O. Processadores superescalares A partir dos resultados

Leia mais

Programação Concorrente

Programação Concorrente + XV Jornada de Cursos CITi Programação Concorrente Aula 1 Benito Fernandes Fernando Castor João Paulo Oliveira Weslley Torres + Suposições básicas Conhecimento básico sobre Programação Orientada a Objetos

Leia mais

O texto desta seção foi publicado em http://msdn.microsoft.com/ptbr/library/ms177433.aspx. o http://msdn.microsoft.com/pt-br/library/ms178104.

O texto desta seção foi publicado em http://msdn.microsoft.com/ptbr/library/ms177433.aspx. o http://msdn.microsoft.com/pt-br/library/ms178104. AULA 12 - Deadlocks Em alguns casos pode ocorrer a seguinte situação: um processo solicita um determinado recurso e este não está disponível no momento. Quando isso ocontece o processo entra para o estado

Leia mais

Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos

Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul UEMS Curso de Licenciatura em Computação Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos Prof. José Gonçalves Dias Neto profneto_ti@hotmail.com Introdução A gerência

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

Esta dissertação apresentou duas abordagens para integração entre a linguagem Lua e o Common Language Runtime. O objetivo principal da integração foi

Esta dissertação apresentou duas abordagens para integração entre a linguagem Lua e o Common Language Runtime. O objetivo principal da integração foi 5 Conclusão Esta dissertação apresentou duas abordagens para integração entre a linguagem Lua e o Common Language Runtime. O objetivo principal da integração foi permitir que scripts Lua instanciem e usem

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Questões Em uma rede de sobreposição (overlay), mensagens são roteadas de acordo com a topologia da sobreposição. Qual uma importante desvantagem

Leia mais

Sistema de Computação

Sistema de Computação Sistema de Computação Máquinas multinível Nível 0 verdadeiro hardware da máquina, executando os programas em linguagem de máquina de nível 1 (portas lógicas); Nível 1 Composto por registrados e pela ALU

Leia mais

Cálculo Numérico Aula 1: Computação numérica. Tipos de Erros. Aritmética de ponto flutuante

Cálculo Numérico Aula 1: Computação numérica. Tipos de Erros. Aritmética de ponto flutuante Cálculo Numérico Aula : Computação numérica. Tipos de Erros. Aritmética de ponto flutuante Computação Numérica - O que é Cálculo Numérico? Cálculo numérico é uma metodologia para resolver problemas matemáticos

Leia mais

ALP Algoritmos e Programação. . Linguagens para Computadores

ALP Algoritmos e Programação. . Linguagens para Computadores ALP Algoritmos e Programação Iniciação aos computadores. Linguagens para Computadores. Compiladores, Interpretadores. Ambientes de Programação 1 Linguagens para Computadores. Linguagem binária: Dispositivos

Leia mais

ESTUDO PRELIMINAR SOBRE A ESCALABILIDADE DE UM ALGORITMO GENÉTICO PARALELIZADO COM OPENMP. Mateus Fontoura Gomes da Rosa Márcia C.

ESTUDO PRELIMINAR SOBRE A ESCALABILIDADE DE UM ALGORITMO GENÉTICO PARALELIZADO COM OPENMP. Mateus Fontoura Gomes da Rosa Márcia C. ESTUDO PRELIMINAR SOBRE A ESCALABILIDADE DE UM ALGORITMO GENÉTICO PARALELIZADO COM OPENMP Mateus Fontoura Gomes da Rosa Márcia C. Cera Roteiro Introdução Problema de Roteamento de Veículos Objetivos da

Leia mais

Paralelização de Simuladores de Hardware Descritos em SystemC

Paralelização de Simuladores de Hardware Descritos em SystemC Paralelização de Simuladores de Hardware Descritos em SystemC 18 de maio de 2011 Roteiro Motivação Introdução à SLDL SystemC O Escalonador SystemC Simulação Paralela baseada em Eventos Discretos Suporte

Leia mais

7 Processamento Paralelo

7 Processamento Paralelo 7 Processamento Paralelo Yes, of course, who has time? Who has time? But then if we do not ever take time, how can we ever have time? (The Matrix) 7.1 Introdução Classificação de Sistemas Paralelos Diversas

Leia mais

Capítulo 3. Avaliação de Desempenho. 3.1 Definição de Desempenho

Capítulo 3. Avaliação de Desempenho. 3.1 Definição de Desempenho 20 Capítulo 3 Avaliação de Desempenho Este capítulo aborda como medir, informar e documentar aspectos relativos ao desempenho de um computador. Além disso, descreve os principais fatores que influenciam

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional

Sistemas Operacionais. Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional Sistemas Operacionais Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional INTRODUÇÃO Sistema Operacional (S.O.) Aplicativos Formado por um conjunto de rotinas que oferecem serviços aos usuários, às aplicações

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Aula 1 Ementa Fases do Ciclo de Vida do Desenvolvimento de Software, apresentando como os métodos, ferramentas e procedimentos da engenharia de software, podem

Leia mais

Monitores. Conceito Sistemas Operacionais II

Monitores. Conceito Sistemas Operacionais II Monitores Conceito Sistemas Operacionais II Monitores Autores Daniel Artur Seelig Fábio Lutz Local Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Informática Sistemas Operacionais II Professor

Leia mais

Aula 03 Custos de um algoritmo e funções de complexidade

Aula 03 Custos de um algoritmo e funções de complexidade BC1424 Algoritmos e Estruturas de Dados I Aula 03 Custos de um algoritmo e funções de complexidade Prof. Jesús P. Mena-Chalco jesus.mena@ufabc.edu.br 1Q-2015 1 Custo de um algoritmo e funções de complexidade

Leia mais

O que veremos nesta aula? Principais Aspectos de Sistemas Operacionais. Visão geral de um sistema computacional

O que veremos nesta aula? Principais Aspectos de Sistemas Operacionais. Visão geral de um sistema computacional O que veremos nesta aula? Principais Aspectos de Sistemas Operacionais Laboratório de Sistemas Operacionais Aula 1 Flávia Maristela (flavia@flaviamaristela.com) Tudo o que já vimos antes... Introdução

Leia mais

Dadas a base e a altura de um triangulo, determinar sua área.

Dadas a base e a altura de um triangulo, determinar sua área. Disciplina Lógica de Programação Visual Ana Rita Dutra dos Santos Especialista em Novas Tecnologias aplicadas a Educação Mestranda em Informática aplicada a Educação ana.santos@qi.edu.br Conceitos Preliminares

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE JOGOS: FERRAMENTA ELETRÔNICA PARA ENSINO DA RESOLUÇÃO DO CUBO DE RUBIK

CONSTRUÇÃO DE JOGOS: FERRAMENTA ELETRÔNICA PARA ENSINO DA RESOLUÇÃO DO CUBO DE RUBIK CONSTRUÇÃO DE JOGOS: FERRAMENTA ELETRÔNICA PARA ENSINO DA RESOLUÇÃO DO CUBO DE RUBIK Resumo: César Augusto Goulart Universidade Estadual do Centro-Oeste, bolsista de iniciação cientifica PIBIC/FA goulart.cesaraugusto@gmail.com

Leia mais

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais

Sistema Operacional Correção - Exercício de Revisão

Sistema Operacional Correção - Exercício de Revisão Prof. Kleber Rovai 1º TSI 22/03/2012 Sistema Operacional Correção - Exercício de Revisão 1. Como seria utilizar um computador sem um sistema operacional? Quais são suas duas principais funções? Não funcionaria.

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

Cálculo numérico. ln 1 = 0. Representação numérica. Exemplo. Exemplos. Professor Walter Cunha. ln 1. I s

Cálculo numérico. ln 1 = 0. Representação numérica. Exemplo. Exemplos. Professor Walter Cunha. ln 1. I s Representação numérica Cálculo numérico Professor Walter Cunha Um conjunto de ferramentas ou métodos usados para se obter a solução de problemas matemáticos de forma aproximada. Esses métodos se aplicam

Leia mais

Oracle Grid Engine. Thiago Marques Soares. Pós-Graduação em Modelagem Computacional Universidade Federal de Juiz de Fora. 8 de abril de 2015

Oracle Grid Engine. Thiago Marques Soares. Pós-Graduação em Modelagem Computacional Universidade Federal de Juiz de Fora. 8 de abril de 2015 Oracle Grid Engine Thiago Marques Soares Pós-Graduação em Modelagem Computacional Universidade Federal de Juiz de Fora 8 de abril de 2015 Thiago Marques Soares Algoritmos e E.D. 8 de abril de 2015 1 /

Leia mais

Maestro. Arthur Kazuo Tojo Costa 317497. Universidade Federal de São Carlos Campus Sorocaba Bacharelado em Ciência da Computação

Maestro. Arthur Kazuo Tojo Costa 317497. Universidade Federal de São Carlos Campus Sorocaba Bacharelado em Ciência da Computação Maestro Arthur Kazuo Tojo Costa 317497 Universidade Federal de São Carlos Campus Sorocaba Bacharelado em Ciência da Computação Introdução Sistema Operacional de Redes Detalhes do hardware Multiplexação

Leia mais

Sistemas Distribuídos Processos I. Prof. MSc. Hugo Souza

Sistemas Distribuídos Processos I. Prof. MSc. Hugo Souza Sistemas Distribuídos Processos I Prof. MSc. Hugo Souza Até agora vimos a organização como um todo dos SDS, com o mapeamento estrutural e suas devidas características descritas em elementos, regras, conceitos,

Leia mais

Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação

Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação Prof. Simão Sirineo Toscani Projeto de Simulação Revisão de conceitos básicos Processo de simulação Etapas de projeto Cuidados nos projetos de simulação

Leia mais

Comparação de Desempenho Computacional com Vários Algoritmos Implementados Paralelamente em C

Comparação de Desempenho Computacional com Vários Algoritmos Implementados Paralelamente em C Comparação de Desempenho Computacional com Vários Algoritmos Implementados Paralelamente em C Tiago M. Rohde, Edilaine R. Ferrari, Luciano A. Destefani, Leonardo B. Motyczka, Rogério Martins Departamento

Leia mais

Sistemas Operativos. Threads. 3º ano - ESI e IGE (2011/2012) Engenheiro Anilton Silva Fernandes (afernandes@unipiaget.cv)

Sistemas Operativos. Threads. 3º ano - ESI e IGE (2011/2012) Engenheiro Anilton Silva Fernandes (afernandes@unipiaget.cv) Sistemas Operativos Threads 3º ano - ESI e IGE (2011/2012) Engenheiro Anilton Silva Fernandes (afernandes@unipiaget.cv) Dos Processos para os Threads O conceito de thread foi introduzido na tentativa de

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores. Capítulo 13 Paralelismo no nível de instruções

Organização e Arquitetura de Computadores. Capítulo 13 Paralelismo no nível de instruções Organização e Arquitetura de Computadores Capítulo 13 Paralelismo no nível de instruções O que é Superescalar? As arquiteturas superescalares são aquelas capazes de buscar, decodificar, executar e terminar

Leia mais

Quarta-feira, 09 de janeiro de 2008

Quarta-feira, 09 de janeiro de 2008 Quarta-feira, 09 de janeiro de 2008 ÍNDICE 3 4 RECOMENDAÇÕES DE HARDWARE PARA O TRACEGP TRACEMONITOR - ATUALIZAÇÃO E VALIDAÇÃO DE LICENÇAS 2 1. Recomendações de Hardware para Instalação do TraceGP Este

Leia mais

Projeto de Sistemas de Tempo Real

Projeto de Sistemas de Tempo Real Projeto de Sistemas de Tempo Real Centro de Informática - Universidade Federal de Pernambuco Engenharia da Computação Kiev Gama kiev@cin.ufpe.br Slides elaborados pelo professor Marcio Cornélio O autor

Leia mais

EXEMPLO: Processo para atualização da hora Processo para monitoramento da necessidade de proteção de tela. Figura 4-1 - Exemplo

EXEMPLO: Processo para atualização da hora Processo para monitoramento da necessidade de proteção de tela. Figura 4-1 - Exemplo 4 PROCESSOS Os primeiros sistemas operacionais permitiam que apenas um processo fosse executado por vez. Dessa maneira, este processo tinha todo o sistema computacional a sua disposição. Os atuais sistemas

Leia mais

PARALELIZAÇÃO DE APLICAÇÕES NA ARQUITETURA CUDA: UM ESTUDO SOBRE VETORES 1

PARALELIZAÇÃO DE APLICAÇÕES NA ARQUITETURA CUDA: UM ESTUDO SOBRE VETORES 1 PARALELIZAÇÃO DE APLICAÇÕES NA ARQUITETURA CUDA: UM ESTUDO SOBRE VETORES 1 DUTRA, Evandro Rogério Fruhling 2 ; VARINI, Andre Luis 2 ; CANAL, Ana Paula 2 1 Trabalho de Iniciação Científica _UNIFRA 2 Ciência

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Sistemas Operacionais IV

Arquitetura de Computadores. Sistemas Operacionais IV Arquitetura de Computadores Sistemas Operacionais IV Introdução Multiprogramação implica em manter-se vários processos na memória. Memória necessita ser alocada de forma eficiente para permitir o máximo

Leia mais

1º Estudo Dirigido. Capítulo 1 Introdução aos Sistemas Operacionais

1º Estudo Dirigido. Capítulo 1 Introdução aos Sistemas Operacionais 1º Estudo Dirigido Capítulo 1 Introdução aos Sistemas Operacionais 1. Defina um sistema operacional de uma forma conceitual correta, através de suas palavras. R: Sistemas Operacionais são programas de

Leia mais

Guilherme Pina Cardim. Relatório de Sistemas Operacionais I

Guilherme Pina Cardim. Relatório de Sistemas Operacionais I Guilherme Pina Cardim Relatório de Sistemas Operacionais I Presidente Prudente - SP, Brasil 30 de junho de 2010 Guilherme Pina Cardim Relatório de Sistemas Operacionais I Pesquisa para descobrir as diferenças

Leia mais

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel 1 4 Estrutura do Sistema Operacional 4.1 - Kernel O kernel é o núcleo do sistema operacional, sendo responsável direto por controlar tudo ao seu redor. Desde os dispositivos usuais, como unidades de disco,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC DCC Departamento de Ciência da Computação Joinville-SC

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC DCC Departamento de Ciência da Computação Joinville-SC CURSO: Bacharelado em Ciência da Computação DISCIPLINA: ANPS Análise e Projeto de Sistemas AULA NÚMERO: 3 DATA: PROFESSOR: Murakami Sumário 1 APRESENTAÇÃO...1 2 DESENVOLVIMENTO...1 2.1 Revisão...1 2.1.1

Leia mais

4 Computação Paralela 4.1. Introdução

4 Computação Paralela 4.1. Introdução 4 Computação Paralela 4.1. Introdução Nos últimos anos observa-se uma tendência cada vez maior do aumento da demanda computacional na resolução de grandes problemas. Exemplos de aplicações que exigem alto

Leia mais

NOTAS DE AULA Prof. Antonio Carlos Schneider Beck Filho (UFSM) Prof. Júlio Carlos Balzano de Mattos (UFPel) Arquitetura de Von Neumann

NOTAS DE AULA Prof. Antonio Carlos Schneider Beck Filho (UFSM) Prof. Júlio Carlos Balzano de Mattos (UFPel) Arquitetura de Von Neumann Universidade Federal de Santa Maria NOTAS DE AULA Prof. Antonio Carlos Schneider Beck Filho (UFSM) Prof. Júlio Carlos Balzano de Mattos (UFPel) Arquitetura de Von Neumann O modelo (ou arquitetura) de von

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA

SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA 1. INTRODUÇÃO O conceito de concorrência é o princípio básico para o projeto e a implementação dos sistemas operacionais multiprogramáveis. O sistemas multiprogramáveis

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul UEMS Curso de Licenciatura em Computação Sistemas Operacionais Prof. José Gonçalves Dias Neto profneto_ti@hotmail.com Sistemas Operacionais Carga horária total:

Leia mais

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 60 h 1º Evolução histórica dos computadores. Aspectos de hardware: conceitos básicos de CPU, memórias,

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Introdução à Programação Carga horária total: 60 Carga horária teórica: 0 Carga horária prática: 60 Código da Disciplina: CCMP0041 Período de oferta: 2010.2 Turma: CA

Leia mais

Unidade 13: Paralelismo:

Unidade 13: Paralelismo: Arquitetura e Organização de Computadores 1 Unidade 13: Paralelismo: SMP e Processamento Vetorial Prof. Daniel Caetano Objetivo: Apresentar os conceitos fundamentais da arquitetura SMP e alguns detalhes

Leia mais