Aula 26: Arquiteturas RISC vs. CISC

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aula 26: Arquiteturas RISC vs. CISC"

Transcrição

1 Aula 26: Arquiteturas RISC vs CISC Diego Passos Universidade Federal Fluminense Fundamentos de Arquiteturas de Computadores Diego Passos (UFF) Arquiteturas RISC vs CISC FAC 1 / 33

2 Revisão Diego Passos (UFF) Arquiteturas RISC vs CISC FAC 2 / 33

3 Nas Aulas Anteriores Discutimos o sistema de E/S O que é Exemplos de dispositivos Barramentos Também falamos sobre métodos de acesso e mapeamento dos dispositivos de E/S Mapeamento em memória, mapeamento por porta E/S programada, por interrupções, DMA Diego Passos (UFF) Arquiteturas RISC vs CISC FAC 3 / 33

4 Na Aula de Hoje Última aula (de conteúdo novo) do período Vamos encerrar a disciplina discutindo duas abordagens para projetos de arquiteturas: RISC e CISC Discutiremos: O que são Motivações históricas Principais características Exemplos Vantagens e desvantagens Diego Passos (UFF) Arquiteturas RISC vs CISC FAC 4 / 33

5 Contexto Histórico Diego Passos (UFF) Arquiteturas RISC vs CISC FAC 5 / 33

6 O Gap Semântico Evolução de hardware dos computadores foi muito rápida Processadores cada vez mais rápidos Incorporando técnicas cada vez mais complexas Simultaneamente, surgiam as linguagens de alto nível Mais fáceis de programar Comandos complexos Faziam muito, em poucas linhas de código Gap Semântico: Grande diferença de expressividade das linguagens de alto nível e montagem Dificuldade no processo de tradução Diego Passos (UFF) Arquiteturas RISC vs CISC FAC 6 / 33

7 Hardware vs Software O que é mais eficiente: Implementar um dado algoritmo em software? Ou criar uma implementação em hardware do mesmo? Diego Passos (UFF) Arquiteturas RISC vs CISC FAC 7 / 33

8 Hardware vs Software O que é mais eficiente: Implementar um dado algoritmo em software? Ou criar uma implementação em hardware do mesmo? Uma implementação especializada em hardware é normalmente mais rápida Não há o overhead do software eg, decodificação de instruções Conclusão: Programas rodam mais rápido se tarefas complexas são implementadas em hardware Na forma de instruções Mas isso é realmente verdade? Diego Passos (UFF) Arquiteturas RISC vs CISC FAC 7 / 33

9 Redução no Uso de Memória Relembrando: Memória Principal = Gargalo de von Neumann Memória é lenta e também tem capacidade limitada Especialmente até a década de 1980 Idealmente, queremos minimizar os acessos à memória E também reduzir o tamanho dos programas armazenados na MP Com instruções mais complexas, podemos atingir ambos os objetivos: Uma única instrução substitui sequência de n Menos instruções armazenadas na MP Um único acesso vs n Diego Passos (UFF) Arquiteturas RISC vs CISC FAC 8 / 33

10 Redução no Uso de Memória: Exemplo Exemplo de multiplicação em duas arquiteturas hipotéticas Dados armazenados na MP Na arquitetura A, há apenas a instrução PROD que opera sobre registradores Na arquitetura B, há a instrução MULT, que opera diretamente sobre a MP Dados ainda são trazidos para registradores, mas de forma transparente Arquitetura A LOAD $1, 0x10 LOAD $2, 0x14 PROD $1, $2 STORE 0x10, $1 Arquitetura B MULT 0x10, 0x14 Diego Passos (UFF) Arquiteturas RISC vs CISC FAC 9 / 33

11 Consequências Projetos de processadores se tornavam cada vez mais complexos Grande número de instruções Instruções complexas Inúmeros modos de endereçamento Implementação em hardware de comandos/estruturas de linguagens de alto nível Instruções específicas para manipulação de estruturas de dados complexas Instruções de tamanhos e tempos de execução variados Circuitos complexos Esperava-se fechar o Gap Semântico elevando o conjunto de instruções para o nível das linguagens de alto nível Diego Passos (UFF) Arquiteturas RISC vs CISC FAC 10 / 33

12 A Filosofia RISC Diego Passos (UFF) Arquiteturas RISC vs CISC FAC 11 / 33

13 Surgimento RISC: Reduced Instruction Set Computer Vários projetos surgiram no final da década de 1970 Stanford Daria origem ao MIPS Berkeley Daria origem ao SPARC IBM Daria origem ao Power PC Ideia básica: Simplificar o conjunto de instruções Instruções simples podem ser implementadas de forma mais eficiente, barata Economia pode ser direcionada a outras partes do processador eg, mais registradores Diego Passos (UFF) Arquiteturas RISC vs CISC FAC 12 / 33

14 Características Instruções mais simples Não necessariamente menos instruções Mas instruções que façam menos eg, no máximo um acesso à MP Instruções com formato uniforme eg, tamanho fixo Mais fáceis de serem decodificadas Poucos modos de endereçamento Reduzem complexidade da busca de operandos Instruções lidam apenas com dados de tipos primitivos eg, não há instruções para strings Diego Passos (UFF) Arquiteturas RISC vs CISC FAC 13 / 33

15 Características (II) Registradores de propósito geral equivalentes Certas arquiteturas conferem significados especiais a determinados registradores de propósito geral eg, contadores em instruções de loop Na filosofia RISC, todos são equivalentes Mais registradores de propósito geral Lógica de controle mais simples permite alocar mais recursos em outras áreas Com mais registradores, espera-se menos acesso à memória para acessar dados Diego Passos (UFF) Arquiteturas RISC vs CISC FAC 14 / 33

16 RISC vs CISC Com o advento da filosofia RISC, convencionou-se chamar as alternativas de arquiteturas CISC CISC: Complex Instruction Set Computer A filosofia CISC, portanto, consiste em: Empregar conjuntos de instruções complexas Permitir instruções em formatos variados Trazer funcionalidades de alto nível para o hardware Diego Passos (UFF) Arquiteturas RISC vs CISC FAC 15 / 33

17 RISC: Compiladores Ao restringir o conjunto de instruções a instruções simples, processadores RISC se distanciam das linguagens de alto nível Aumentam o Gap Semântico Isto impõe mais pressão aos compiladores Tarefas de tradução e otimização do código se tornam mais difíceis Por outro lado, compilador tem mais registradores à disposição Pode manter mais dados na CPU com menos esforço Diego Passos (UFF) Arquiteturas RISC vs CISC FAC 16 / 33

18 RISC: Número de Instruções Como já explicado, o termo reduzido diz respeito a instruções mais simples Não necessariamente a menos instruções Mas um número menor de instruções é uma consequência comum em vários processadores com arquiteturas RISC Exemplos: Característica CISC RISC Modelo IBM 370/168 VAX 11/780 Intel SPARC MIPS R4000 Ano Instruções Registradores Diego Passos (UFF) Arquiteturas RISC vs CISC FAC 17 / 33

19 RISC e CISC: Adoção Diego Passos (UFF) Arquiteturas RISC vs CISC FAC 18 / 33

20 Adoção do Princípio CISC em Processadores Atuais Principal exemplo: arquiteturas x86 e x86-64 Instruções de tamanho variado Instruções com tempos de execução variados Vários modos de endereçamento Diversas variações da mesma instrução Há ainda outros exemplos, como o Motorola Arquitetura menos popular que a x86, mas ainda usada em certos dispositivos Diego Passos (UFF) Arquiteturas RISC vs CISC FAC 19 / 33

21 Adoção do Princípio RISC em Processadores Atuais Mais exemplos que para o CISC: ARM MIPS PowerPC Atmel AVR Muito encontrados hoje em dispositivos embarcados Principalmente os alimentados por bateria Diego Passos (UFF) Arquiteturas RISC vs CISC FAC 20 / 33

22 Micro-Arquiteturas Um princípio de projeto comum hoje Hardware do processador implementa um conjunto de instruções bastante simples e reduzido As micro-instruções Memória não-volátil interna ao processador guarda um micro-programa Interpretador das macro-instruções Ciclo de execução implementado em software Programas executados no processador são escritos em macro-instruções Interpretadas pelo micro-programa Diego Passos (UFF) Arquiteturas RISC vs CISC FAC 21 / 33

23 Micro-Arquiteturas (II) Micro-arquiteturas geralmente se caracterizam como RISC Instruções simples Sempre mesmo tamanho Sempre mesmo tempo de execução E são utilizadas mesmo quando a macro-arquitetura é CISC eg, processadores atuais da Intel baseados em x86 ou x86-64 Diego Passos (UFF) Arquiteturas RISC vs CISC FAC 22 / 33

24 RISC e CISC: Comparações Diego Passos (UFF) Arquiteturas RISC vs CISC FAC 23 / 33

25 Ciclo de Clock Instruções mais simples podem ser executadas mais rapidamente Comprimento do ciclo de clock é determinado pelo tempo da tarefa mais longa Logo, uma arquitetura com instruções mais simples pode operar com ciclos de clock mais curtos Conclusão: Teoricamente, arquiteturas RISC podem ter ciclos de clock menores Diego Passos (UFF) Arquiteturas RISC vs CISC FAC 24 / 33

26 Densidade de Código Medida do quão compacta é a representação dos programas em memória Maior densidade menor código Arquiteturas CISC têm instruções mais complexas Fazem mais Podem substituir sequências de várias instruções mais simples Conclusão: Arquiteturas CISC tendem a resultar em maior densidade de código Diego Passos (UFF) Arquiteturas RISC vs CISC FAC 25 / 33

27 Número de Registradores Arquiteturas RISC têm uma lógica interna mais simples Menos componentes Menor custo Recursos economizados geralmente são investidos na forma de mais memória interna ao processador eg, registradores Conclusão: Arquiteturas RISC geralmente possuem mais registradores Diego Passos (UFF) Arquiteturas RISC vs CISC FAC 26 / 33

28 Eficiência Energética Uma lógica interna mais simples permite implementação mais simples ie, circuitos menores Com menos componentes Isto tende a se refletir em economia de energia Conclusão: Arquiteturas RISC tendem a ser mais eficientes energeticamente Diego Passos (UFF) Arquiteturas RISC vs CISC FAC 27 / 33

29 Escalabilidade Neste contexto, escalabilidade é a capacidade de combinar múltiplos processadores em um único computador Multiprocessamento Há vários fatores que limitam ou dificultam esta escalabilidade Entre eles: Consumo energético Complexidade de projeto Custo Por serem mais simples e mais eficientes energeticamente, processadores RISC tendem a ser mais escaláveis Diego Passos (UFF) Arquiteturas RISC vs CISC FAC 28 / 33

30 Compiladores Máquinas RISC têm instruções mais simples, básicas Mais distantes das linguagens de alto nível Dificulta o processo de tradução Máquinas CISC tendem a ter um número maior de instruções Mais variações de uma mesma operação básica Mais modos de endereçamento Compiladores são capazes de tirar proveito disso? Outra diferença é o ônus de certas otimizações, como mudanças de ordem de execução e soluções para conflitos de pipeline Alguns processadores RISC deixam isso a cargo do compilador Processadores CISC geralmente lidam com isso em hardware Diego Passos (UFF) Arquiteturas RISC vs CISC FAC 29 / 33

31 Na Prática Comparações práticas de desempenho entre processadores RISC e CISC são difíceis Mercados diferentes Capacidades diferentes Tecnologias de fabricação diferentes Compiladores diferentes Sem comparações práticas justas, é difícil apontar um vencedor Há ainda muita controvérsia sobre qual abordagem é superior Diego Passos (UFF) Arquiteturas RISC vs CISC FAC 30 / 33

32 Na Prática (II) Mas arquiteturas RISC vêm ganhando popularidade Dominam mercado de dispositivos embarcados Começam a entrar no mercado de grandes servidores Mesmo em processadores baseados em conjuntos de instrução CISC, é comum a implementação de uma micro-arquitetura RISC Diego Passos (UFF) Arquiteturas RISC vs CISC FAC 31 / 33

33 Outra Forma de Comparação: TOP500 TOP500: projeto que lista 500 computadores mais poderosos do mundo Atualizada a cada 6 meses Segundo a lista atual (Novembro de 2014): 80% da lista é composta por computadores baseados em x86 Mas pode contabilizar vários fortemente baseados em GPUs Por outro lado, dos 10 mais rápidos, 5 são baseados em processadores RISC Power e SPARC Diego Passos (UFF) Arquiteturas RISC vs CISC FAC 32 / 33

34 RISC e CISC: Aproximação Nos últimos anos, as diferenças entre processadores RISC e CISC têm diminuído Processadores RISC têm incorporado funcionalidades complexas, como execução fora de ordem Processadores CISC têm adotado implementações baseadas em micro-arquiteturas RISC A definição mais precisa hoje para diferenciar as duas abordagens é em relação ao acesso à MP Arquiteturas RISC só acessam a memória em instruções do tipo load ou store Arquiteturas CISC possuem instruções que executam operações lógicas/aritméticas sobre valores que estão na MP ie, instruções implicitamente trazem valores da MP para registradores Diego Passos (UFF) Arquiteturas RISC vs CISC FAC 33 / 33

RISC X CISC - Pipeline

RISC X CISC - Pipeline RISC X CISC - Pipeline IFBA Instituto Federal de Educ. Ciencia e Tec Bahia Curso de Analise e Desenvolvimento de Sistemas Arquitetura de Computadores 25 e 26/30 Prof. Msc. Antonio Carlos Souza Referências

Leia mais

Arquitetura de Computadores Paralelismo, CISC X RISC, Interpretação X Tradução, Caminho de dados

Arquitetura de Computadores Paralelismo, CISC X RISC, Interpretação X Tradução, Caminho de dados Arquitetura de Computadores Paralelismo, CISC X RISC, Interpretação X Tradução, Caminho de dados Organização de um Computador Típico Memória: Armazena dados e programas. Processador (CPU - Central Processing

Leia mais

Arquiteturas RISC. (Reduced Instructions Set Computers)

Arquiteturas RISC. (Reduced Instructions Set Computers) Arquiteturas RISC (Reduced Instructions Set Computers) 1 INOVAÇÕES DESDE O SURGIMENTO DO COMPU- TADOR DE PROGRAMA ARMAZENADO (1950)! O conceito de família: desacoplamento da arquitetura de uma máquina

Leia mais

RISC - Reduced Instruction Set Computer

RISC - Reduced Instruction Set Computer Arquietura MAC 412- Organizãção de Computadores - Siang W. Song Baseado no livro de Tanenbaum - Structured Computer Organization Arquietura Índice 1 Avaliação da arquitetura CISC (microprogramada) Críticas

Leia mais

Aula 14: Instruções e Seus Tipos

Aula 14: Instruções e Seus Tipos Aula 14: Instruções e Seus Tipos Diego Passos Universidade Federal Fluminense Fundamentos de Arquiteturas de Computadores Diego Passos (UFF) Instruções e Seus Tipos FAC 1 / 35 Conceitos Básicos Diego Passos

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES 01001111 01110010 01100111 01100001 01101110 01101001 01111010 01100001 11100111 11100011 01101111 00100000 01100100 01100101 00100000 01000011 01101111 01101101 01110000 01110101 01110100 01100001 01100100

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I. de Computadores

Organização e Arquitetura de Computadores I. de Computadores Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Organização e Arquitetura de I Organização Básica B de (Parte V, Complementar)

Leia mais

CISC RISC Introdução A CISC (em inglês: Complex Instruction Set Computing, Computador com um Conjunto Complexo de Instruções), usada em processadores Intel e AMD; suporta mais instruções no entanto, com

Leia mais

Introdução à Organização de Computadores. Sistemas da Computação Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007

Introdução à Organização de Computadores. Sistemas da Computação Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007 Introdução à Organização de Computadores Sistemas da Computação Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007 Tópicos Processadores Memória Principal Memória Secundária Entrada e

Leia mais

Arquitetura de processadores: RISC e CISC

Arquitetura de processadores: RISC e CISC Arquitetura de processadores: RISC e CISC A arquitetura de processador descreve o processador que foi usado em um computador. Grande parte dos computadores vêm com identificação e literatura descrevendo

Leia mais

Capítulo 1 Introdução

Capítulo 1 Introdução Capítulo 1 Introdução Programa: Seqüência de instruções descrevendo como executar uma determinada tarefa. Computador: Conjunto do hardware + Software Os circuitos eletrônicos de um determinado computador

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 3 Software Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br SO - Prof. Edilberto Silva Barramento Sistemas Operacionais Interliga os dispositivos de E/S (I/O), memória principal

Leia mais

Sistemas Computacionais II Professor Frederico Sauer

Sistemas Computacionais II Professor Frederico Sauer Sistemas Computacionais II Professor Frederico Sauer Livro-texto: Introdução à Organização de Computadores 4ª edição Mário A. Monteiro Livros Técnicos e Científicos Editora. Atenção: Este material não

Leia mais

3/9/2010. Ligação da UCP com o barramento do. sistema. As funções básicas dos registradores nos permitem classificá-los em duas categorias:

3/9/2010. Ligação da UCP com o barramento do. sistema. As funções básicas dos registradores nos permitem classificá-los em duas categorias: Arquitetura de Computadores Estrutura e Funcionamento da CPU Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense P.U.R.O. Revisão dos conceitos básicos O processador é o componente vital do sistema de

Leia mais

SIS17 - Arquitetura de Computadores

SIS17 - Arquitetura de Computadores SIS17 - Arquitetura de Computadores Organização Básica B de Computadores (Parte I) Organização Básica B de Computadores Composição básica b de um Computador eletrônico digital Processador Memória Memória

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Fernando Fonseca Ramos Faculdade de Ciência e Tecnologia de Montes Claros Fundação Educacional Montes Claros 1 Índice 1- Introdução 3- Memórias 4- Dispositivos

Leia mais

Informática I. Aula 5. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 5-13/05/2006 1

Informática I. Aula 5. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 5-13/05/2006 1 Informática I Aula 5 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 5-13/05/2006 1 Ementa Histórico dos Computadores Noções de Hardware e Software Microprocessadores Sistemas Numéricos e Representação

Leia mais

Unidade 14: Arquiteturas CISC e RISC Prof. Daniel Caetano

Unidade 14: Arquiteturas CISC e RISC Prof. Daniel Caetano Arquitetura e Organização de Computadores 1 Unidade 14: Arquiteturas CISC e RISC Prof. Daniel Caetano Objetivo: Apresentar os conceitos das arquiteturas CISC e RISC, confrontando seus desempenhos. Bibliografia:

Leia mais

Arquitetura de Computadores - Arquitetura RISC. por Helcio Wagner da Silva

Arquitetura de Computadores - Arquitetura RISC. por Helcio Wagner da Silva Arquitetura de Computadores - Arquitetura RISC por Helcio Wagner da Silva Introdução RISC = Reduced Instruction Set Computer Elementos básicos: Grande número de registradores de propósito geral ou uso

Leia mais

Introdução à Arquitetura de Computadores

Introdução à Arquitetura de Computadores 1 Introdução à Arquitetura de Computadores Hardware e software Organização de um computador: Processador: registradores, ALU, unidade de controle Memórias Dispositivos de E/S Barramentos Linguagens de

Leia mais

A Unidade Central de Processamento é a responsável pelo processamento e execução de programas armazenados na MP.

A Unidade Central de Processamento é a responsável pelo processamento e execução de programas armazenados na MP. A ARQUITETURA DE UM COMPUTADOR A arquitetura básica de um computador moderno segue ainda de forma geral os conceitos estabelecidos pelo Professor da Universidade de Princeton, John Von Neumann (1903-1957),

Leia mais

ANHANGUERA EDUCACIONAL. Capítulo 2. Conceitos de Hardware e Software

ANHANGUERA EDUCACIONAL. Capítulo 2. Conceitos de Hardware e Software ANHANGUERA EDUCACIONAL Capítulo 2 Conceitos de Hardware e Software Hardware Um sistema computacional é um conjunto de de circuitos eletronicos. Unidade funcionais: processador, memória principal, dispositivo

Leia mais

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES ARQUITETURAS RISC E CISC. Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES ARQUITETURAS RISC E CISC. Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES ARQUITETURAS RISC E CISC Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Objetivos Conhecer as premissas da Arquitetura CISC Conhecer as premissas da Arquitetura RISC Compreender

Leia mais

Unidade Central de Processamento (CPU) Processador. Renan Manola Introdução ao Computador 2010/01

Unidade Central de Processamento (CPU) Processador. Renan Manola Introdução ao Computador 2010/01 Unidade Central de Processamento (CPU) Processador Renan Manola Introdução ao Computador 2010/01 Componentes de um Computador (1) Computador Eletrônico Digital É um sistema composto por: Memória Principal

Leia mais

Professores: Aula 10. Lúcia M. A. Drummond Simone de Lima Martins. Conteúdo: Arquiteturas Avançadas. - Arquiteturas RISC - Processamento Paralelo

Professores: Aula 10. Lúcia M. A. Drummond Simone de Lima Martins. Conteúdo: Arquiteturas Avançadas. - Arquiteturas RISC - Processamento Paralelo 1 Professores: Aula 10 Lúcia M. A. Drummond Simone de Lima Martins Conteúdo: Arquiteturas Avançadas - Arquiteturas RISC - Processamento Paralelo 2 Arquiteturas RISC Reduced Instruction Set Computer se

Leia mais

Algumas características especiais

Algumas características especiais Algumas características especiais Tópicos o Medidas de desempenho o CISC versus RISC o Arquiteturas Superescalares o Arquiteturas VLIW Medidas de desempenho Desempenho é muito dependente da aplicação MIPS:

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores. Hugo Barros email@hugobarros.com.br

Organização e Arquitetura de Computadores. Hugo Barros email@hugobarros.com.br Organização e Arquitetura de Computadores Hugo Barros email@hugobarros.com.br RISC X SISC RISC: Reduced Instruction Set Computer Nova Tecnologia para máquinas de alta performance; Máquina com um conjunto

Leia mais

Visão Geral da Arquitetura de Computadores. Prof. Elthon Scariel Dias

Visão Geral da Arquitetura de Computadores. Prof. Elthon Scariel Dias Visão Geral da Arquitetura de Computadores Prof. Elthon Scariel Dias O que é Arquitetura de Computadores? Há várias definições para o termo arquitetura de computadores : É a estrutura e comportamento de

Leia mais

Arquitetura de Computadores RISC x CISC. Gustavo Pinto Vilar

Arquitetura de Computadores RISC x CISC. Gustavo Pinto Vilar Arquitetura de Computadores RISC x CISC Gustavo Pinto Vilar PPF / DPF Papiloscopista Policial Federal Pós-Graduado em Docência do Ensino Superior UFRJ Graduado em Ciência da Computação e Processamento

Leia mais

Edeyson Andrade Gomes

Edeyson Andrade Gomes Sistemas Operacionais Conceitos de Arquitetura Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br Roteiro da Aula Máquinas de Níveis Revisão de Conceitos de Arquitetura 2 Máquina de Níveis Máquina de níveis Computador

Leia mais

Introdução à Arquitetura de Computadores. Renan Manola Introdução ao Computador 2010/01

Introdução à Arquitetura de Computadores. Renan Manola Introdução ao Computador 2010/01 Introdução à Arquitetura de Computadores Renan Manola Introdução ao Computador 2010/01 Introdução Conceitos (1) Computador Digital É uma máquina que pode resolver problemas executando uma série de instruções

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional

Sistemas Operacionais. Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional Sistemas Operacionais Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional Hardware HARDWARE Sistema Computacional = conjunto de circuitos eletrônicos interligados formado por processador, memória, registradores,

Leia mais

Processador ( CPU ) E/S. Memória. Sistema composto por Processador, Memória e dispositivos de E/S, interligados por um barramento

Processador ( CPU ) E/S. Memória. Sistema composto por Processador, Memória e dispositivos de E/S, interligados por um barramento 1 Processadores Computador Processador ( CPU ) Memória E/S Sistema composto por Processador, Memória e dispositivos de E/S, interligados por um barramento 2 Pastilha 3 Processadores (CPU,, Microcontroladores)

Leia mais

NOTAS DE AULA Prof. Antonio Carlos Schneider Beck Filho (UFSM) Prof. Júlio Carlos Balzano de Mattos (UFPel) Arquitetura de Von Neumann

NOTAS DE AULA Prof. Antonio Carlos Schneider Beck Filho (UFSM) Prof. Júlio Carlos Balzano de Mattos (UFPel) Arquitetura de Von Neumann Universidade Federal de Santa Maria NOTAS DE AULA Prof. Antonio Carlos Schneider Beck Filho (UFSM) Prof. Júlio Carlos Balzano de Mattos (UFPel) Arquitetura de Von Neumann O modelo (ou arquitetura) de von

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866 7 Unidade Central de Processamento (UCP): O processador é o componente vital do sistema de computação, responsável pela realização das operações de processamento e de controle, durante a execução de um

Leia mais

Sistemas Operacionais. Revisando alguns Conceitos de Hardware

Sistemas Operacionais. Revisando alguns Conceitos de Hardware Sistemas Operacionais Revisando alguns Conceitos de Hardware Sumário Hardware Processador Memória principal Cache Memória secundária Dispositivos de E/S e barramento Pipelining Arquiteturas RISC e CISC

Leia mais

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com /

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / andre.belini@ifsp.edu.br MATÉRIA: ICO Aula N : 09 Tema: Unidade Central de

Leia mais

Processadores. Prof. Alexandre Beletti Ferreira

Processadores. Prof. Alexandre Beletti Ferreira Processadores Prof. Alexandre Beletti Ferreira Introdução O processador é um circuito integrado de controle das funções de cálculos e tomadas de decisão de um computador. Também é chamado de cérebro do

Leia mais

3. O NIVEL DA LINGUAGEM DE MONTAGEM

3. O NIVEL DA LINGUAGEM DE MONTAGEM 3. O NIVEL DA LINGUAGEM DE MONTAGEM Nas aulas anteriores tivemos a oportunidade de discutir dois diferentes níveis presentes na maioria dos computadores atuais. Nesta aula dedica-se a outro nível que também

Leia mais

Máquinas Multiníveis

Máquinas Multiníveis Infra-Estrutura de Hardware Máquinas Multiníveis Prof. Edilberto Silva www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Sumário Conceitos básicos Classificação de arquiteturas Tendências da tecnologia Família Pentium

Leia mais

Componentes do Computador e. aula 3. Profa. Débora Matos

Componentes do Computador e. aula 3. Profa. Débora Matos Componentes do Computador e modelo de Von Neumann aula 3 Profa. Débora Matos O que difere nos componentes que constituem um computador? Princípios básicos Cada computador tem um conjunto de operações e

Leia mais

Tais operações podem utilizar um (operações unárias) ou dois (operações binárias) valores.

Tais operações podem utilizar um (operações unárias) ou dois (operações binárias) valores. Tais operações podem utilizar um (operações unárias) ou dois (operações binárias) valores. 7.3.1.2 Registradores: São pequenas unidades de memória, implementadas na CPU, com as seguintes características:

Leia mais

SIS17-Arquitetura de Computadores

SIS17-Arquitetura de Computadores Sistema de Computação SIS17-Arquitetura de Computadores Apresentação da Disciplina Peopleware Hardware Software Carga Horária: 40 horas 2 Computadores atuais Unidade Central de Processamento Entrada Computadores

Leia mais

SSC510 Arquitetura de Computadores. 2ª aula

SSC510 Arquitetura de Computadores. 2ª aula SSC510 Arquitetura de Computadores 2ª aula PROFA. SARITA MAZZINI BRUSCHI CISC E RISC ARQUITETURA MIPS PIPELINE Arquitetura CISC CISC Complex Instruction Set Computer Computadores complexos devido a: Instruções

Leia mais

BARRAMENTO DO SISTEMA

BARRAMENTO DO SISTEMA BARRAMENTO DO SISTEMA Memória Principal Processador Barramento local Memória cachê/ ponte Barramento de sistema SCSI FireWire Dispositivo gráfico Controlador de vídeo Rede Local Barramento de alta velocidade

Leia mais

Pipeline, RISC e CISC

Pipeline, RISC e CISC Pipeline, RISC e CISC Abordaremos nesta aula assuntos referentes às arquiteturas RISC e CISC. Esses dois tipos de arquiteturas diferem muito entre si. Porém tanto uma quanto a outra traz consigo vantagens

Leia mais

Introdução. ULA: Faz os Cálculos UC: Como isso tudo ocorre?

Introdução. ULA: Faz os Cálculos UC: Como isso tudo ocorre? Introdução ULA: Faz os Cálculos UC: Controla a execução do programa (ordem de leitura das instruções) Traz dados da memória e dispositivos para os registradores Comanda a ULA Como isso tudo ocorre? A UNIDADE

Leia mais

Agenda do Mini-Curso. Sérgio Yoshio Fujii. Ethan Boardman. sergio.fujii@areva-td.com. ethan.boardman@areva-td.com

Agenda do Mini-Curso. Sérgio Yoshio Fujii. Ethan Boardman. sergio.fujii@areva-td.com. ethan.boardman@areva-td.com Agenda do Mini-Curso Sérgio Yoshio Fujii sergio.fujii@areva-td.com Ethan Boardman ethan.boardman@areva-td.com Agenda do Mini-Curso Evolução de sistemas SCADA/EMS nos Centros de Controle: Sistemas operacionais

Leia mais

O modelo do computador

O modelo do computador O modelo do computador Objetivos: Mostrar como é o funcionamento dos computadores modernos Mostrar as limitações a que estamos sujeitos quando programamos Histórico Os primeiros computadores são da década

Leia mais

1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA (Cont.) 1.3. INSTRUÇÕES Conceitos Básicos

1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA (Cont.) 1.3. INSTRUÇÕES Conceitos Básicos 1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA (Cont.) 1.3. INSTRUÇÕES Conceitos Básicos Já estudamos anteriormente que os processadores funcionam (ou melhor, o seu hardware funciona) através de ordens simples e básicas,

Leia mais

Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Gerenciamento de Memória: Introdução O gerenciamento de memória é provavelmente a tarefa mais complexa de um sistema operacional multiprogramado.

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I. de Computadores

Organização e Arquitetura de Computadores I. de Computadores Universidade Federal de Campina Grande Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Organização e Arquitetura de Computadores I Organização Básica B de Computadores

Leia mais

Introdução. Introdução. Introdução. Organização Estruturada de Computadores. Introdução. Máquinas Multiníveis

Introdução. Introdução. Introdução. Organização Estruturada de Computadores. Introdução. Máquinas Multiníveis Ciência da Computação Arq. e Org. de Computadores Máquinas Multiníveis Prof. Sergio Ribeiro Computador digital máquina que resolve problemas executando uma série de instruções. Programa conjunto de instruções

Leia mais

Sistema de Computação

Sistema de Computação Sistema de Computação Máquinas multinível Nível 0 verdadeiro hardware da máquina, executando os programas em linguagem de máquina de nível 1 (portas lógicas); Nível 1 Composto por registrados e pela ALU

Leia mais

Unidade Central de Processamento Organização da UCP Execução de instruções em paralelo ("pipeline") Execução de programas

Unidade Central de Processamento Organização da UCP Execução de instruções em paralelo (pipeline) Execução de programas http://www.ic.uff.br/~debora/fac! Dar noções iniciais dos componentes básicos de um sistema de computador, assim também como conceitos fundamentais necessários para a manipulação de informação dentro do

Leia mais

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS Prof. Victor Halla Conteúdo Arquitetura de Processadores: Modo Operacional; Velocidade; Cache; Barramento; Etc. Virtualização: Maquinas virtuais; Gerenciamento

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br ESQUEMA DE UM COMPUTADOR Uma Unidade Central de

Leia mais

Computadores de Programação (MAB353)

Computadores de Programação (MAB353) Computadores de Programação (MAB353) Aula 19: Visão geral sobre otimização de programas 06 de julho de 2010 1 2 3 Características esperadas dos programas O primeiro objetivo ao escrever programas de computador

Leia mais

Microarquiteturas Avançadas

Microarquiteturas Avançadas Univ ersidade Federal do Rio de Janei ro Info rmátic a DCC/IM Arquitetura de Computadores II Microarquiteturas Avançadas Gabrie l P. Silva Introdução As arquiteturas dos processadores têm evoluído ao longo

Leia mais

O hardware é a parte física do computador, como o processador, memória, placamãe, entre outras. Figura 2.1 Sistema Computacional Hardware

O hardware é a parte física do computador, como o processador, memória, placamãe, entre outras. Figura 2.1 Sistema Computacional Hardware 1 2 Revisão de Hardware 2.1 Hardware O hardware é a parte física do computador, como o processador, memória, placamãe, entre outras. Figura 2.1 Sistema Computacional Hardware 2.1.1 Processador O Processador

Leia mais

Visão Geral de Sistemas Operacionais

Visão Geral de Sistemas Operacionais Visão Geral de Sistemas Operacionais Sumário Um sistema operacional é um intermediário entre usuários e o hardware do computador. Desta forma, o usuário pode executar programas de forma conveniente e eficiente.

Leia mais

Introdução à Organização de Computadores. Execução de Programas Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007

Introdução à Organização de Computadores. Execução de Programas Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007 Introdução à Organização de Computadores Execução de Programas Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007 CPU (Central Processing Unit) é o coordenador de todas as atividades

Leia mais

Arquitetura de Von Neumann e os Computadores Modernos

Arquitetura de Von Neumann e os Computadores Modernos Arquitetura de Von Neumann e os Computadores Modernos Arquitetura de Computadores e Software Básico Aula 5 Flávia Maristela (flaviamsn@ifba.edu.br) Arquitetura de Von Neumann e as máquinas modernas Onde

Leia mais

Introdução à Arquitetura de Computadores IFES Campus Serra

Introdução à Arquitetura de Computadores IFES Campus Serra Os computadores atuais possuem seis ou mais níveis de máquinas conforme podemos observar no quadro abaixo Nível de linguagem orientada para problemas Nível de linguagem de montagem Nível de sistema operacional

Leia mais

Capítulo 4. MARIE (Machine Architecture Really Intuitive and Easy)

Capítulo 4. MARIE (Machine Architecture Really Intuitive and Easy) Capítulo 4 João Lourenço Joao.Lourenco@di.fct.unl.pt Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade Nova de Lisboa 2007-2008 MARIE (Machine Architecture Really Intuitive and Easy) Adaptado dos transparentes

Leia mais

AULA1 Introdução a Microprocessadores gerais

AULA1 Introdução a Microprocessadores gerais AULA1 Introdução a Microprocessadores gerais Disciplina: Aplicações Avançadas de Microprocessadores (AAM) Prof. Eduardo Henrique Couto ehcouto@hotmail.com 2014/1 Apresentação do Professor: Cronograma:

Leia mais

Máquina Multinível. Um programa pode ser definido como uma seqüência de instruções que descrevem como executar uma determinada tarefa.

Máquina Multinível. Um programa pode ser definido como uma seqüência de instruções que descrevem como executar uma determinada tarefa. Máquina Multinível Um programa pode ser definido como uma seqüência de instruções que descrevem como executar uma determinada tarefa. Uma instrução pode ser definida como um comando para o processador.

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

INSTALAÇÃO e MANUTENÇÃO de MICRO COMPUTADORES

INSTALAÇÃO e MANUTENÇÃO de MICRO COMPUTADORES INSTALAÇÃO e MANUTENÇÃO de MICRO COMPUTADORES 2010/2011 1 Processador O microprocessador, popularmente conhecido como processador, é um circuito integrado que realiza as funções de cálculo e tomada de

Leia mais

Arquitetura de Computadores

Arquitetura de Computadores Arquitetura de Computadores Prof. Fábio M. Costa Instituto de Informática UFG 1S/2004 ISA: Arquitetura de Conjunto de Instruções Roteiro Introdução Classificação de conjuntos de instruções Endereçamento

Leia mais

PROJETO LÓGICO DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

PROJETO LÓGICO DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - O NÍVEL DA MICROARQUITETURA 1. INTRODUÇÃO Este é o nível cuja função é implementar a camada ISA (Instruction Set Architeture). O seu projeto depende da arquitetura do conjunto das instruções

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES ARQUITETURA DE COMPUTADORES Aula 08: UCP Características dos elementos internos da UCP: registradores, unidade de controle, decodificador de instruções, relógio do sistema. Funções do processador: controle

Leia mais

Microcontroladores e Microprocessadores

Microcontroladores e Microprocessadores Microcontroladores e Microprocessadores Arquitetura Von Neumann e Arquitetura Harvard Prof. Samuel Cavalcante Conteúdo Componentes básicos de um computador Processamento Unidades de Entrada/Saída (I/O)

Leia mais

O que é Arquitetura de Computadores?

O que é Arquitetura de Computadores? O que é Arquitetura de Computadores? Forças Coordenação de um conjunto de níveis de abstração de um computador sobre um grande conjunto de forças de mudança Arquitetura de Computadores = Arquitetura de

Leia mais

SIS17 - Arquitetura de Computadores. Introdução (Parte III)

SIS17 - Arquitetura de Computadores. Introdução (Parte III) SIS17 - Arquitetura de Computadores Introdução (Parte III) Espectro Computacional (Visão Geral) Servidor Estações de Trabalho Mainframe Supercomputador TIPO Computadores de uso comum (pequenos chips) Computadores

Leia mais

Nível da Microarquitetura

Nível da Microarquitetura Nível da Microarquitetura (Aula 10) Roberta Lima Gomes - LPRM/DI/UFES Sistemas de Programação I Eng. Elétrica 2007/2 Agradecimentos: Camilo Calvi - LPRM/DI/UFES Máquina de Vários Níveis Modernas (ISA)

Leia mais

AULA4: PROCESSADORES. Figura 1 Processadores Intel e AMD.

AULA4: PROCESSADORES. Figura 1 Processadores Intel e AMD. AULA4: PROCESSADORES 1. OBJETIVO Figura 1 Processadores Intel e AMD. Conhecer as funcionalidades dos processadores nos computadores trabalhando suas principais características e aplicações. 2. INTRODUÇÃO

Leia mais

Sistemas Microcontrolados

Sistemas Microcontrolados Sistemas Microcontrolados Uma Abordagem com o Microcontrolador PIC 16F84 Nardênio Almeida Martins Novatec Editora Capítulo 1 Introdução Os microcontroladores estão presentes em quase tudo o que envolve

Leia mais

Conceitos básicos. Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Conceitos básicos. Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Conceitos básicos Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Organização de Computadores Prof. André Luiz 1 Um computador

Leia mais

28/9/2010. Unidade de Controle Funcionamento e Implementação

28/9/2010. Unidade de Controle Funcionamento e Implementação Arquitetura de Computadores Unidade de Controle Funcionamento e Implementação Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense P.U.R.O. Operação da Unidade de Controle Unidade de controle: parte do

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Arquitetura de Computadores 1

Arquitetura de Computadores. Arquitetura de Computadores 1 Computadores Computadores 1 Introdução Componentes: Processador; UC; Registradores; ALU s, FPU s, etc. Memória (Sistema de armazenamento de informações; Dispositivo de entrada e saída. Computadores 2 Introdução

Leia mais

Organização de Computadores

Organização de Computadores Organização de Computadores Marcelo Lobosco DCC/UFJF Avaliando e Compreendendo o Desempenho Aula 09 Agenda Avaliando e Compreendendo o Desempenho Introdução Definindo Desempenho Medindo o Desempenho Desempenho

Leia mais

Notas da Aula 4 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 4 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 4 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Threads Threads são linhas de execução dentro de um processo. Quando um processo é criado, ele tem uma única linha de execução, ou thread. Esta

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 8

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 8 ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 8 Índice 1. A Organização do Computador - Continuação...3 1.1. Processadores - II... 3 1.1.1. Princípios de projeto para computadores modernos... 3 1.1.2. Paralelismo...

Leia mais

Microprocessadores. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Microprocessadores. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Microprocessadores Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Arquitetura de Microprocessadores; Unidade de Controle UC; Unidade Lógica Aritméticas ULA; Arquitetura de von Neumann; Execução de

Leia mais

Organização de Computadores 1. Prof. Luiz Gustavo A. Martins

Organização de Computadores 1. Prof. Luiz Gustavo A. Martins Organização de Computadores 1 1 - INTRODUÇÃO Prof. Luiz Gustavo A. Martins Arquitetura Define os elementos que impactuam diretamente na execução lógica do programa. Corresponde aos atributos visíveis veis

Leia mais

1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA

1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA 1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA Relembrando a nossa matéria de Arquitetura de Computadores, a arquitetura de Computadores se divide em vários níveis como já estudamos anteriormente. Ou seja: o Nível 0

Leia mais

1. INTRODUÇÃO. Computador Digital: É uma máquina capaz de solucionar problemas através da execução de instruções que lhe são fornecidas.

1. INTRODUÇÃO. Computador Digital: É uma máquina capaz de solucionar problemas através da execução de instruções que lhe são fornecidas. 1. INTRODUÇÃO Computador Digital: É uma máquina capaz de solucionar problemas através da execução de instruções que lhe são fornecidas. Programa: É uma seqüência de instruções que descrevem como executar

Leia mais

ULA Sinais de Controle enviados pela UC

ULA Sinais de Controle enviados pela UC Solução - Exercícios Processadores 1- Qual as funções da Unidade Aritmética e Lógica (ULA)? A ULA é o dispositivo da CPU que executa operações tais como: Adição Subtração Multiplicação Divisão Incremento

Leia mais

Sistemas Operacionais e Introdução à Programação. Módulo 1 Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais e Introdução à Programação. Módulo 1 Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais e Introdução à Programação Módulo 1 Sistemas Operacionais 1 Sistema computacional Sistemas feitos para resolver problemas Problema: como obter determinado resultado, com base em dados

Leia mais

Organização de Sistemas de Computadores

Organização de Sistemas de Computadores Organização de Sistemas de Computadores Cap. 2 (Tanenbaum), Cap. 3 (Weber) 2.1 Processadores 1 CPU UC = buscar instruções na memória principal e determinar o seu tipo ULA = adição e AND Registradores =

Leia mais

Organização de Computadores 1

Organização de Computadores 1 Organização de Computadores 1 5 CONJUNTO DE INSTRUÇÕES Prof. Luiz Gustavo A. Martins Introdução O que é um conjunto de instruções? Coleção completa das instruções que a CPU é capaz de executar (entende).

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES 1 ARQUITETURA DE COMPUTADORES U C P Prof. Leandro Coelho Plano de Aula 2 Aula Passada Definição Evolução dos Computadores Histórico Modelo de Von-Neumann Básico CPU Mémoria E/S Barramentos Plano de Aula

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores

Organização e Arquitetura de Computadores Organização e Arquitetura de Computadores Entrada e saída Alexandre Amory Edson Moreno Nas Aulas Anteriores Foco na Arquitetura e Organização internas da Cleo Modelo Von Neuman Circuito combinacional Circuito

Leia mais

Introdução às arquiteturas paralelas e taxonomia de Flynn

Introdução às arquiteturas paralelas e taxonomia de Flynn Introdução às arquiteturas paralelas e taxonomia de Flynn OBJETIVO: definir computação paralela; o modelo de computação paralela desempenhada por computadores paralelos; e exemplos de uso da arquitetura

Leia mais

PROJETO LÓGICO DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

PROJETO LÓGICO DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 5 - O NÍVEL DA LINGUAGEM DE MONTAGEM 1. INTRODUÇÃO É relativamente fácil compreender os fundamentos da programação de computadores, sob o ponto de vista da inteligibilidade dos comandos de alto

Leia mais

Arquitetura de Computadores - Princípio de Funcionamento da CPU. Por Helcio Wagner da Silva

Arquitetura de Computadores - Princípio de Funcionamento da CPU. Por Helcio Wagner da Silva Arquitetura Computadores - Princípio Funcionamento da CPU Por Helcio Wagner da Silva Arquitetura Von Neumann Memória Principal CPU ULA UC Dispositivo E/S ULA : Unida Lógica Aritmética UC : Unida Controle

Leia mais

Objetivos. Arquitetura RISC vs. CISC. Evolução Da Arquitetura De Computadores. Roteiro. Evolução Da Arquitetura De Computadores CISC

Objetivos. Arquitetura RISC vs. CISC. Evolução Da Arquitetura De Computadores. Roteiro. Evolução Da Arquitetura De Computadores CISC Arquitetura RISC vs. CISC Edward David Moreno edwdavid@gmail.com Objetivos Ao final desta apresentação o aluno deverá ser capaz de: Reconhecer máquinas RISC Diferenciar máquinas RISC de CISC Conhecer algumas

Leia mais

Arquitetura de Computadores 1

Arquitetura de Computadores 1 Prof. João Marcelo M Fernandes TANENBAUM, Andrew S. Organização Estruturada de computadores 4a Edição. Rio de Janeiro: Printice-Hall do Brasil, 2001 Agenda do Curso Organização estruturada de computadores

Leia mais

Disciplina: Introdução à Engenharia da Computação

Disciplina: Introdução à Engenharia da Computação Colegiado de Engenharia de Computação Disciplina: Introdução à Engenharia da Computação Aulas 10 (semestre 2011.2) Prof. Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto, M.Sc. rosalvo.oliveira@univasf.edu.br 2 Hardware

Leia mais