Circuitos Digitais Cap. 6

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Circuitos Digitais Cap. 6"

Transcrição

1 Circuitos Digitais Cap. 6 Prof. José Maria P. de Menezes Jr. Objetivos Flip-Flops e Dispositivos Correlatos Latch com portas NAND Latch com portas NOR Sinais de Clock e Flip-Flops com Clock Flip-Flop S-C com Clock Flip-Flop J-K com Clock Flip-Flop D com Clock Latch D (Latch transparente) Entradas Síncronas Símbolos IEEE/ANSI Considerações sobre temporização em Flip-Flops Problemas Potenciais de temporização em circuitos com FFs Flip-Flops Mestre/Escravo Aplicações com Flip-Flops Sincronização de Flip-Flops Detectando uma Seqüência de Entrada Armazenamento e Transferência de Dados Transferência Serial de Dados: Registradores de Deslocamento Divisão de freqüência e contagem Representação de Circuitos Seqüênciais Análise de Circuitos Seqüênciais Modelos de Circuitos Seqüênciais Procedimentos de Projeto Projeto com flip-flops D Projeto com flip-flops JK Simplificação em Circuitos Seqüênciais 1

2 Flip-Flops e Dispositivos Correlatos Os circuitos lógicos estudados até o momento dependiam apenas dos níveis lógicos de entrada para a cada instante de tempo para gerar suas saídas circuitos lógicos combinacionais. Entretanto, a maioria dos sistemas digitais é constituída de circuitos combinacionais e de elementos de memória, conforme o digrama abaixo. FIGURA 5-1 Diagrama geral de um sistema digital. Flip-Flops e Dispositivos Correlatos Na parte combinacional: recebe sinais externos e saídas dos elementos de memória. No elemento de memória: armazena entradas anteriores, sendo o elemento de memória mais importante o flip-flop. 2

3 Flip-Flops e Dispositivos CorrelatosK O Flip-Flop Embora uma porta lógica, por si, não tenha capacidade de armazenamento, algumas delas podem ser conectadas entre si de tal forma que permita o armazenamento de informação. Abaixo é mostrado um tipo de símbolo genérico para representar um flip-flop. Esse símbolo apresenta duas saídas oposta entre si. As entradas do FF são usadas para fazer com que o mesmo comute entre os seus possíveis estados de saída. Em geral, a maioria das entradas dos FFs precisa ser apenas momentaneamente ativada para provocar mudança na saída, sendo que a saída permanece no novo estado mesmo após o pulso de entrada ter terminado. MEMÓRIA Flip-Flops e Dispositivos CorrelatosK O Flip-Flop O flip-flop é conhecido por outros nomes, incluindo lactch e multivibrador biestável. O termo latch é usado para certos tipos de FFs. O termo multivibrador biestável é uma denominação mais técnica para um FF. O circuito de um FF mais simples pode ser construído a partir de duas portas NAND ou duas portas NOR. Latch com portas NAND 3

4 Flip-Flops e Dispositivos CorrelatosK Latch com portas NAND As saídas das portas, em condições normais, estão sempre em níveis lógicos inversos. Existem duas entradas no latch: SET é a que seta Q para o estado 1; a entrada CLEAR é a que reseta Q para o estado 0. As entradas estão normalmente em repouso no estado ALTO, e uma delas é pulsada em nível baixo sempre que se deseja alterar as saídas do latch. Caso realizar mudanças na saída? Flip-Flops e Dispositivos CorrelatosK Setando o latch (FF) Quando a entrada SET é momentaneamente pulsada em nível BAIXO, enquanto a entrada CLEAR é mantida em nível ALTO, há mudança nas saídas do latch. As figuras abaixo demonstram essa mudança para as duas condições anteriormente vistas do latch. 4

5 Flip-Flops e Dispositivos CorrelatosK Resetanto o latch (FF) Quando a entrada CLEAR é momentaneamente pulsada em nível BAIXO, enquanto a entrada SET é mantida em nível ALTO, também há mudança nas saídas do latch. As figuras abaixo demonstram essa mudança para as duas condições incialmente vistas do latch. Flip-Flops e Dispositivos CorrelatosK Setando e Resetanto simultaneamente O último caso a ser considerado seria as entradas SET e CLEAR serem pulsadas em nível BAIXO simultaneamente. Esse procedimento gera nível ALTO em ambas as saídas das portas NAND, de forma que chegamos a uma condição indesejada, uma vez que as duas saídas são supostamente complementaresentre si. Além disso, quando as entradas SET e CLEAR retornarem para o nível ALTO, o estado resultante da saída dependerá de qual entrada retornou primeiro para o nível ALTO. Transições simultâneas de volta para o nível 1 produzirão resultados imprevisíveis 5

6 Flip-Flops e Dispositivos CorrelatosK Representações Alternativas Flip-Flops e Dispositivos CorrelatosK 6

7 Flip-Flops e Dispositivos CorrelatosK Latch com portas NAND Duas portas NOR interligadas de modo cruzado podem ser usadas como um latch com portas NOR. Abaixo essa configuração é exibida, de forma similar à configuração do latch NAND, exceto pelo fato de as saídas estarem em posições trocadas. SET e CLEAR são ativadas em nível ALTO, ao invés de em nível BAIXO. Sinais de clock e flip-flop com clock Os sistemas digitais podem funcionar tanto no modo assíncrono quanto no síncrono. Nos sistemas assíncronos, as saídas de circuitos lógicos podem mudar de estado a qualquer momento em que uma ou mais entradas mudem de estado. Em sistemas síncronos, os momentos exatos em que uma saída qualquer pode mudar de estado são determinados por um sinal normalmente denominado clock. Um sistema assíncrono geralmente é mais difícil de projetar e analisar! 7

8 Flip-flops com clock Sistemas Síncronos 1. Os sistemas digitais, em sua maioria, são síncronos (embora tenham algumas partes assíncronas). 2. A análise de defeitos desses sistemas é mais fácil pois as saídas desses circuitos só podem mudar de estado em instantes específicos. 3. A sincronização dos eventos com o sinal de clock é obtida com o uso de flip-flops com clock que são projetados para mudarem de estado em uma das transições do sinal de clock. Vários tipos de FFs com clock são usados em um grande números de aplicações. Flip-flops com clock Características comuns a FFs com clock 1. Os FFs com clock têm a entrada de clock denominada CLK, CK ou CP. Na maioria desses FFs a entrada CLK é disparada por borda isso é indicado por um pequeno triângulo nessa entrada. Isso diferencia os FFs dos latches que são disparados por nível. 2. FFs com clock têm uma ou mais entradas de controle que podem ter vários nomes, dependendo do seu funcionamento. As entradas de controle não terão efeito na saída Q até que uma transição ativa do clock ocorra. 3. RESSUMO: As entrada de controle determinam O QUE ocorrerá com as saídas; a entrada CLK determina QUANDO as saídas serão alteradas em função das entradas de controle. 8

9 Flip-flops com clockk Características comuns a FFs com clock 3. Em resumo, as entradas de controle deixam as saídas do FF prontas para mudarem de estado, enquanto a transição ativa da entrada CLK é que dispara essa mudança de estado.. Tempos de setup (preparação) e hold (manutenção) O tempo de setup, t s, é o intervalo de tempo que precede a transição ativa do clock durante o qual a entrada de controle deve ser mantida. O tempo de hold, t H, é o intervalo de tempo que se segue após a transição ativa do clock durante o qual a entrada de controle deve ser mantida. Tempo entre utilização do controle e do clock Flip-flop S-C com clockk A figura abaixo mostra o símbolo lógico para um flip-flop S-C com clock que é disparado na borda positiva do clock. As entradas S e C controlam o estado do FF como a tabela verdade abaixo (semelhante à do latch NOR). A tabela-verdade do FF S-C com clock usa nomenclaturas novas: a seta para cima ( ) indica que uma borda de subida é necessária na entrada CLK; a denominação Q 0 indica o nível na saída Q antes da borda de subida do clock. 9

10 Flip-flop S-C com clockk As formas de onda abaixo, considerando que se obedeça aos tempos de setup e hold, ilustram a operação do flip-flop S-C com clock. Deve-se observar, a partir dessas formas de onda, que o FF não é afetado pelas transições negativas dos pulsos de clock. Flip-flop S-C com clockk A figura abaixo mostra o símbolo e a tabela-verdade para um flip-flop S-C disparado na transição negativa que ocorre na entrada CLK. O pequeno círculo e o pequeno triângulo na entrada CLK indicam que o FF é disparado apenas na transição de 1 para 0. Tanto FFs disparados por borda positiva quanto os disparados por borda negativa são usados em sistemas digitais. 10

11 Flip-flop S-C com clockk Circuito interno de um flip-flop disparado por borda O circuito é formado por três seções: (i) latch NAND básico, (ii) circuito direcionador de pulsos e (iii) circuito detector de borda. Como seria o circuito detector de borda??? Flip-flop S-C com clockk Circuito interno de um flip-flop disparado por borda O circuito detector de borda pode ser implementado a partir dos circuitos abaixo: (a) borda positiva e (b) borda negativa. Inversor produz um atraso de alguns nanossegundos para gerar o pulso estreito. 11

12 Flip-flop J-K com clockk A figura abaixo mostra o símbolo lógico e a tabela-verdade para um flip-flop J- K com clock que é disparado na borda positiva do clock. As entradas J e K controlam o estado do FF da mesma forma que fazem as entradas S e C para um FF S-C com clock, exceto por uma importante diferença: a condição em que J = K = 1 não resulta em uma saída ambígua. Para a condição J=K=1, o FF sempre irá mudar para o estado lógico oposto no instante da transição positiva do sinal de clock. Esse modo é denominado modo de comutação. Flip-flop J-K com clockk As formas de onda abaixo, considerando que se obedeça aos tempos de setup e hold, ilustram a operação do flip-flop J-K com clock. 12

13 Flip-flop J-K com clockk Circuito interno de um flip-flop J-K disparado por borda O circuito também é formado por três seções: (i) latch NAND básico, (ii) circuito direcionador de pulsos e (iii) circuito detector de borda. Flip-flop D com clockk A figura abaixo mostra o símbolo lógico e a tabela-verdade para um flip-flop D com clock que é disparado na borda positiva do clock. Ao contrário dos FFs S- C e J-K, offd tem apenas uma entrada de controle síncrona, entrada D, que representa a palavra data (dado). A operação do flip-flop D é simples: a saída Q irá para o mesmo estado lógico da entrada presente na entrada D quando ocorrer uma transição positiva em CLK. Em resumo: o nível lógico presente na entrada D será armazenado no flip-flop no instante em que ocorrer a borda de subida do clock. 13

14 Flip-flop D com clockk As formas de onda abaixo, considerando que se obedeça aos tempos de setup e hold, ilustram a operação do flip-flop D com clock. Flip-flop D com clockk Implementação de um flip-flop D Um FF D disparado por borda é facilmente implementado acrescentando um único INVERSOR a um FF J-K disparado por borda. Qual seria uma aplicação para o FF D??? 14

15 Flip-flop D com clockk Transferência de dados em paralelo Latch D (Latch Transparente)K O flip-flop D disparado por borda usa um circuito detector de borda para garantir que a saída responderá à entrada D apenas quando ocorrer a transição ativa do clock. Caso esse detector não seja usado, teremos um circuito chamado latch D. 15

16 Latch D (Latch Transparente)K A entrada comum das portas que implementam o circuito direcionador é denominada entrada de habilitação (enable, abreviado por EN) emvezdeser denominada de clock, pois seu efeito nas saídas Q e Q não está restrito às transições. A operação do latch D é dada por: 1. Quando EN for nível ALTO, a entrada D produzirá um nível BAIXO em uma das entradas SET ou CLEAR do latch NAND fazendo com que a saída Q tenha o mesmo nível lógico que a entrada D. Se a entrada D mudar de nível enquanto EN = 1, a saída Q será igual à entrada D, nesse modo, dizse que o latch D é transparente. 2. Quando EN for nível BAIXO, a entrada D estará desbilitada a alterar o latch NAND visto que as saídas das duas portas direcionadas serão mantidas em nível ALTO. Assim, as saídas Q permanecerão e Q no mesmo nível lógico em que estavam antes que a entrada EN fosse para nível BAIXO. Em outras palavras, as saídas têm os níveis lógicos fixos, não podendo mudar de valor enquanto EN estiver em nível BAIXO mesmo que o nível lógico na entrada D mude. Latch D (Latch Transparente)K Acompanhe abaixo o comportamento de um latch D para as formas de onda dadas: 16

17 Entradas Assíncronas Para os FFs com clock estudados até o momento, as entradas S, C, J, K e D têm sido denominadas entradas de controle. Essas entradas também podem ser ditas entradas síncronas, pois seus efeitos na saída do FF são sincronizados com a entrada CLK. Entretanto, há também entradas assíncronas em FFs com clock que operam independentemente das entradas síncronas e do clock. As entradas assíncronas podem ser usadas para colocar o FF no estado 1 ou 0 em qualquer instante, independente das outras entradas. Dizemos que essas entradas são entradas de sobreposição.. Entradas Assíncronas Dois exemplos de entradas assíncronas são o PRESET e o CLEAR dados no flipflop J-K abaixo. Destaca-se que essas entradas assíncronas respondem a níveis de tensão contínua (DC). Portanto, essas entradas podem ser usadas para manter o FF em um estado particular por qualquer intervalo de tempo desejado. Na maioria das vezes, as entradas assíncronas são usadas para setar ou resetar o FF no estado desejado, por um pulso momentâneo. 17

18 Símbolos IEEE/ANSI Da mesma forma que para as portas lógicas padrão, há uma simbologia IEEE/ANSI para os flip-flops. FIGURA 5-31 Símbolos IEEE/ANSI para (a) um único flip-flop J-K disparado por borda e (b) um CI comercial (74LS112 que é um duplo flip-flop J-K disparado por borda negativa). Símbolos IEEE/ANSI FIGURA 5-32 Símbolos IEEE/ANSI para (a) um único flip-flop D disparado por borda e (b) um CI comercial (74HC175 que é um CI quádruplo de flip-flops com clock e clear comuns). 18

19 Aplicações com Flip-Flops Flip-flops disparados por borda (com clock) são dispositivos versáteis que podem ser usados em uma ampla variedade de aplicações, incluindo: contagem, armazenamento binário de dados, transferência de dados, e muito mais. Quase todas essas aplicações usam FFs com clock, e muitas delas estão incluídas na categoria de circuitos seqüênciais. Um circuito seqüêncial é aquele em que as saídas seguem uma seqüência predeterminada de estados, com um novo estado ocorrendo a cada pulso de clock. Sincronização de Flip-Flops A maioria dos sistemas digitais opera de forma essencialmente síncrona e a maioria dos sinais muda de estado em sincronismo com as transições do clock. Em muitos casos, entretanto, haverá um sinal externo que não estará sincronizado com o clock; em outras palavras, ele será um sinal assíncrono. Esse sinal aleatório poderá produzir resultados imprevisíveis e indesejados. Exemplo A figura abaixo mostra uma situação em que o sinal de entrada A é gerado a partir de uma chave, sem o efeito de trepidação, acionada por um operador. O problema é que por ser assíncrona a entrada A, ela pode produzir pulsos parciais de clock na saída X. Como evitar a ocorrência desses pulsos parciais de clock??? 22

20 Sincronização de Flip-Flops Solução: Ao se adicionar um flip-flop D ao circuito, podemos solucionar o problema de pulsos parciais na saída. Detectando uma Seqüência de Entrada Em muitas situações, uma saída é ativada apenas quando as entradas são ativadas em uma determinada seqüência. Isso não pode ser realizado usando apenas lógica combinacional, sendo necessário o uso da característica de armazenamento dos FFs. Por exemplo, uma porta AND pode ser usada para determinar quando duas entradas A e B estão ambas em nível ALTO, mas a sua saída responderá da mesma forma independente de qual entrada foi primeiro para o nível ALTO. Porém, suponha que desejamos gerar uma saída em nível ALTO apenas se a entrada A for para nível ALTO e, alguns instantes depois, a entrada B for para nível ALTO. Como implementar esse sistema??????????? 23

21 Detectando uma Seqüência de Entrada As formas de onda abaixo mostram como o sistema baseado no flip-flop J-K obedece ao comportamento desejado. Para que esse circuito funcione adequadamente, a entrada A tem de estar em nível ALTO antes da entrada B por pelo menos um intervalo de tempo igual ao tempo de setup requerido pelo FF. Armazenamento e Transferência de Dados O uso mais comum de flip-flops é no armazenamento de dados ou informações. Esses dados são geralmente armazenados em grupos de FFs denominados registradores. A operação mais comum realizada sobre os dados armazenados em FFs ou registradores é a operação de transferência de dados. Essa operação é ilustrada abaixo para os flip-flops S-C, J-K e D. 24

22 Armazenamento e Transferência de Dados As operações de transferência exibidas são exemplos de transferência síncrona, visto que as entradas de controle síncronas e a entrada CLK foram usadas para realizar a transferência. Entretanto, a operação de transferência também pode ser obtida usando entradas assíncronas de um FF (transferência assíncrona), conforme o circuito da figura abaixo. Armazenamento e Transferência de Dados Transferência paralela de dados 25

23 Transferência Serial de Dados:Registradores de Deslocamento Um registrador de deslocamento é um grupo de FFs organizados de modo que os números binários armazenados nos FFs sejam deslocados de um FF para o seguinte a cada pulso de clock. DATA IN Transferência Serial de Dados:Registradores de Deslocamento DATA IN x 3 x 2 x 1 x 0 26

24 Transferência Serial de Dados:Registradores de Deslocamento Transferência serial entre registradores Divisão de freqüência e contagem 27

25 Divisão de freqüência e contagem Além de funcionar como um divisor de freqüência, o circuito apresentado também funciona como um contador binário. Isso pode ser demonstrado analisando-se a seqüência de estados dos FFs após a ocorrência de cada pulso de clock. A tabela de estados do circuito mostra esse comportamento. Divisão de freqüência e contagem Outra forma de mostrar como os estados dos FFs mudam a cada pulso de clock aplicado é através do uso de um diagrama de transição de estados. Estes diagramas de transição de estados são usados para auxiliar na descrição, análise e projeto de circuitos seqüênciais. 28

26 Bibliografia Básica Tocci,R.j.,Widmer,N.S.; Sistemas Digitais - Princípios e Aplicações - 8ª Ed, Editora Pearson, Milos Ercegovac; Tomas Lang; Jaime H. Moreno; Introdução aos Sistemas Digitais, Editora Bookman, Material da Disciplina 51

Circuitos Sequenciais. Sistemas digitais

Circuitos Sequenciais. Sistemas digitais Circuitos Sequenciais Sistemas digitais Agenda } Introdução } Latchs (trava) } Latch NAND e Latch NOR } Flip-Flop Set-Reset (FF S-R) } FF S-R Latch NAND, FF S-R Latch NOR, FF S-R Latch NAND com Clock }

Leia mais

Circuitos Seqüenciais: Latches e Flip-Flops. Fabrício Noveletto

Circuitos Seqüenciais: Latches e Flip-Flops. Fabrício Noveletto Circuitos Seqüenciais: Latches e Flip-Flops Fabrício Noveletto Objetivos Usar portas lógicas para construir latches básicos Explicar a diferença entre um latch S-R e um latch D Reconhecer a diferença entre

Leia mais

CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS

CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS Circuitos com memória Latches NAND e NOR e exemplos de utilização Estado do Flip-flop ao ligar o circuito Pulsos digitais Sinais de clock e flip-flops com clock circuitos

Leia mais

FLIP-FLOPS FLOPS. INTRODUÇÃO Os circuitos anteriormente estudados são chamados de

FLIP-FLOPS FLOPS. INTRODUÇÃO Os circuitos anteriormente estudados são chamados de FLIP-FLOPS FLOPS INTRODUÇÃO Os circuitos anteriormente estudados são chamados de circuitos combinacionais porque os níveis n lógicos l de saída dependem apenas dos níveis n lógicos l nas entradas. (os

Leia mais

Flip-Flops (Aplicações) Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara

Flip-Flops (Aplicações) Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Flip-Flops (Aplicações) Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Carga Horária: 2h/60h Pulsos Digitais Pulso positivo: executa sua função quando está em nível alto Pulso negativo: executa sua função quando

Leia mais

Figura 1 - Diagrama de um sistema de controle de temperatura que requer conversão analógico-digital para permitir o uso de técnicas de processamento

Figura 1 - Diagrama de um sistema de controle de temperatura que requer conversão analógico-digital para permitir o uso de técnicas de processamento 1 2 3 Figura 1 - Diagrama de um sistema de controle de temperatura que requer conversão analógico-digital para permitir o uso de técnicas de processamento digital - (Sistemas Digitais: Princípios e Aplicações

Leia mais

TÉCNICAS DIGITAIS I (CURSO DE ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES)

TÉCNICAS DIGITAIS I (CURSO DE ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES) CENTRO TECNOLÓGICO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES-TET APOSTILA DE TÉCNICAS DIGITAIS I (CURSO DE ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES) &CIRCUITOS DIGITAIS (CURSO DE CIÊNCIAS

Leia mais

Conceitos básicos do

Conceitos básicos do Conceitos básicos Conceitos básicos do Este artigo descreve os conceitos de memória eletrônica. Apresentar os conceitos básicos dos flip-flops tipo RS, JK, D e T, D Apresentar o conceito da análise de

Leia mais

Capítulo 7 Circuitos sequenciais: latches, flipflops, registradores, contadores

Capítulo 7 Circuitos sequenciais: latches, flipflops, registradores, contadores MC62 Mario Côrtes IC / Unicamp IC-UNICAMP MC 62 Circuitos Lógicos e Organização de Computadores IC/Unicamp Prof Mario Côrtes Capítulo 7 Circuitos sequenciais: latches, flipflops, registradores, contadores

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal do Ceará Pró-Reitoria de Graduação

Ministério da Educação Universidade Federal do Ceará Pró-Reitoria de Graduação Ministério da Educação Universidade Federal do Ceará Pró-Reitoria de Graduação PROGRAMA DA DISCIPLINA 1 2 Curso: Engenharia Elétrica Código: 20 3 4 Modalidade(s): Bacharelado Currículo(s): 2005/1 5 Turno(s):

Leia mais

Capítulo VIII Registradores de Deslocamento e Contadores

Capítulo VIII Registradores de Deslocamento e Contadores Capítulo VIII Registradores de Deslocamento e Contadores 1 Introdução Vimos no capítulo anterior que flip-flops são dispositivos capazes de memorizar o seu estado (SET ou RESET). Neste capítulo estudaremos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO IFSC - Campus São José. CST em Telecomunicações ELETRÔNICA DIGITAL CONTADORES. Marcos Moecke

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO IFSC - Campus São José. CST em Telecomunicações ELETRÔNICA DIGITAL CONTADORES. Marcos Moecke MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO IFSC - Campus São José CST em Telecomunicações ELETRÔNICA DIGITAL CONTADORES Marcos Moecke São José - SC, 29 SUMÁRIO 5. CONTADORES... 5. CONTADORES ASSÍNCRONOS 5. C 5.2 C ASSÍNCRONOS......

Leia mais

Sistemas Digitais para Computação. AULAS TEÓRICAS 19 a 33

Sistemas Digitais para Computação. AULAS TEÓRICAS 19 a 33 Departamento de Computação Sistemas Digitais para Computação AULAS TEÓRICAS 9 a 33 Prof. MSc. Mário Oliveira Orsi Prof. MSc. Carlos Alexandre Ferreira de Lima Abril de 29 Sistemas Digitais para Computação

Leia mais

SISTEMAS DIGITAIS CIRCUITOS SEQUENCIAIS BÁSICOS

SISTEMAS DIGITAIS CIRCUITOS SEQUENCIAIS BÁSICOS CICUITO EUENCIAI BÁICO CICUITO EUENCIAI BÁICO - 2 UMÁIO: ELEMENTO BÁICO DE MEMÓIA LATCHE LATCH LATCH INCONIZADO LATCH D FLIP-FLOP FLIP-FLOP MATE-LAVE FLIP-FLOP JK FLIP-FLOP EDGE-TIGGEED IMBOLOGIA CAACTEIZAÇÃO

Leia mais

Aula 09. Memórias e Circuitos Digitais Seqüenciais

Aula 09. Memórias e Circuitos Digitais Seqüenciais Aula 09 Memórias e Circuitos Digitais Seqüenciais Introdução Os circuitos lógicos estudados até aqui são chamados de combinacionais (ou combinatórios). São assim chamados porque a sua saída depende apenas

Leia mais

Circuitos Lógicos Aula 23

Circuitos Lógicos Aula 23 Circuitos Lógicos Aula 23 Rodrigo R. Paim ECI, LAND - UFRJ 09/06/2011 Circuitos Lógicos Aula 23 Aula Passada Aritmética Binária Representação binária com sinal Complemento a 2 Adição e Subtração Multiplicação

Leia mais

UFSM-CTISM. Circuitos Digitais Contadores Aula-11

UFSM-CTISM. Circuitos Digitais Contadores Aula-11 UFSM-CTISM Circuitos Digitais Aula-11 Professor: Andrei Piccinini Legg Santa Maria, 2011 : digitais são circuitos implementados a partir de flip-flops; Existem basicamente 2 tipos de contadores: : a saída

Leia mais

Índice. Modelos e Procedimentos

Índice. Modelos e Procedimentos Sumário Introdução ao projecto de lógica sequencial. Índice Modelos e Procedimentos Abstracção de elementos com estado Formas de lógica sequencial Representação de Máquinas de Estados Finitas Parte da

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SERGIPE COORDENADORIA DE ELETRÔNICA CONTADORES

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SERGIPE COORDENADORIA DE ELETRÔNICA CONTADORES INSTITUTO DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SERGIPE COORDENADORIA DE ELETRÔNICA CONTADORES Relatório técnico apresentado como requisito parcial para obtenção de aprovação na disciplina de Sistemas Digitais.

Leia mais

Contadores (Aula1) Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara

Contadores (Aula1) Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Contadores (Aula1) Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Carga Horária: 2h/60h Contadores Contadores (cont.) Os contadores podem ser classificados por: Tipo de controle - Assíncrono - Síncrono Tipo de contagem

Leia mais

CONSTRUÍNDO OS SISTEMAS SEQÜENCIAIS PELA ASSOCIAÇÃO DOS FLIPs/FLOPs À UMA LÓGICA COMBINACIONAL.

CONSTRUÍNDO OS SISTEMAS SEQÜENCIAIS PELA ASSOCIAÇÃO DOS FLIPs/FLOPs À UMA LÓGICA COMBINACIONAL. CAPÍTULO 3 CONSTRUÍNDO OS SISTEMAS SEQÜENCIAIS PELA ASSOCIAÇÃO DOS FLIPs/FLOPs À UMA LÓGICA COMBINACIONAL.. Introdução : O uso dos F/Fs nos permite uma série de aplicações, tais como, memórias, contadores,

Leia mais

DATA: HORÁRIO DE ENTRADA: HORÁRIO DE SAÍDA: BANCADA: NOMES DOS COMPONENTES DO GRUPO DE TRABALHO: PROJETO - CONTADORES ASSÍNCRONOS

DATA: HORÁRIO DE ENTRADA: HORÁRIO DE SAÍDA: BANCADA: NOMES DOS COMPONENTES DO GRUPO DE TRABALHO: PROJETO - CONTADORES ASSÍNCRONOS DATA: HORÁRIO DE ENTRADA: HORÁRIO DE SAÍDA: BANCADA: RGM: NOMES DOS COMPONENTES DO GRUPO DE TRABALHO: PROJETO - CONTADORES ASSÍNCRONOS O objetivo desse projeto extra é aplicar os conceitos vistos em aula

Leia mais

Projeto de Máquinas de Estado

Projeto de Máquinas de Estado Projeto de Máquinas de Estado Organizado por Rodrigo Hausen. Original de Thomas L. Floyd. Versão 0: 15 de março de 2013 http://compscinet.org/circuitos Resumo Grande parte deste texto, exemplos e estrutura

Leia mais

Apostila para Eletrônica ELETRÔNICA DIGITAL I

Apostila para Eletrônica ELETRÔNICA DIGITAL I Apostila para Eletrônica ELETRÔNICA DIGITAL I Prof. Reinaldo Bolsoni Eletrônica Digital I 1/37 ÍNDICE 1 - SISTEMA NUMÉRICO... 3 1.1 - SISTEMA BINÁRIO...3 Conversão Decimal para Binário...4 Conversão Binário

Leia mais

LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA DIGITAL Experiência 9: Análise de Circuitos com Contadores

LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA DIGITAL Experiência 9: Análise de Circuitos com Contadores 45 1. Objetivos Realizar a analise detalhada de todos os blocos constituintes de um relógio digital. Implementar um relógio digital. 2. Conceito Um contador é construído a partir de flip-flops (T, D JK,

Leia mais

Flip-Flops. Slide 1. Flip-flop NOR SR cruzado. Reiniciar Configurar Reter Não usado. Flip-flop NAND SR cruzado. Reiniciar Configurar Reter Não usado

Flip-Flops. Slide 1. Flip-flop NOR SR cruzado. Reiniciar Configurar Reter Não usado. Flip-flop NAND SR cruzado. Reiniciar Configurar Reter Não usado Slide 1 Flip-flop NOR SR cruzado Flip-Flops Reiniciar Configurar Reiniciar Configurar Reter Não usado Flip-flop NAND SR cruzado Reiniciar Configurar Reiniciar Configurar Reter Não usado 6.071 Lógica Digital

Leia mais

DATA: HORÁRIO DE ENTRADA: HORÁRIO DE SAÍDA: BANCADA: NOMES DOS COMPONENTES DO GRUPO DE TRABALHO:

DATA: HORÁRIO DE ENTRADA: HORÁRIO DE SAÍDA: BANCADA: NOMES DOS COMPONENTES DO GRUPO DE TRABALHO: DATA: HORÁRIO DE ENTRADA: HORÁRIO DE SAÍDA: BANCADA: RGM: NOMES DOS COMPONENTES DO GRUPO DE TRABALHO: PROJETO - CONTADOR SÍNCRONO O objetivo desse projeto extra é aplicar os conceitos vistos em aula teórica

Leia mais

Circuitos Lógicos Registradores e Contadores

Circuitos Lógicos Registradores e Contadores Circuitos Lógicos Registradores e Contadores Prof.: Daniel D. Silveira 1 Problemas de temporização Como Q1 muda de estado na borda de descida, J2 e Q2 mudará de estado quando receber a mesma borda de descida.

Leia mais

Programa da disciplina, i metodologia de ensino, avaliações e bibliografia básica. Objetivos da Disciplina

Programa da disciplina, i metodologia de ensino, avaliações e bibliografia básica. Objetivos da Disciplina Circuitos Digitais Cap. 1 Prof. José Maria P. de Menezes Jr. Circuitos Digitais Tópicos Digitais I- Engenharia Elétrica -UFPI Programa da disciplina, i metodologia de ensino, avaliações e bibliografia

Leia mais

CAPÍTULO 4 CIRCUITOS SEQUENCIAIS II: CONTADORES ASSÍNCRONOS

CAPÍTULO 4 CIRCUITOS SEQUENCIAIS II: CONTADORES ASSÍNCRONOS 50 Sumário CAPÍTULO 4 CIRCUITOS SEQUENCIAIS II: CONTADORES ASSÍNCRONOS 4.1. Introdução... 52 4.2. Contadores Assíncronos Crescentes... 52 4.3. Contadores Assíncronos Decrescentes... 56 4.4. Contador Assíncrono

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico Departamento de Informática e Estatística Curso de Graduação em Ciências da Computação

Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico Departamento de Informática e Estatística Curso de Graduação em Ciências da Computação Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico Departamento de Informática e Estatística Curso de Graduação em Ciências da Computação Lógica Programável INE 5348 Aula 5 Máquinas Seqüenciais

Leia mais

Projeto Dirigido: Genius

Projeto Dirigido: Genius Projeto Dirigido: Genius Genius era um brinquedo muito popular na década de 80 e que buscava estimular a memorização de cores e sons. Com um formato semelhante a um objeto voador não identificado, possuía

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CEFET/SC - Unidade de São José. Curso Técnico em Telecomunicações CONTADORES. Marcos Moecke

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CEFET/SC - Unidade de São José. Curso Técnico em Telecomunicações CONTADORES. Marcos Moecke MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - Unidade de São José Curso Técnico em Telecomunicações CONTADORES Marcos Moecke São José - SC, 25 SUMÁRIO 5. CONTADORES... 5. CONTADORES ASSÍNCRONOS... CONTADOR ASSÍNCRONO CRESCENTE...

Leia mais

Sistemas Digitais I LESI :: 2º ano. Questões Práticas de Sistemas Sequenciais

Sistemas Digitais I LESI :: 2º ano. Questões Práticas de Sistemas Sequenciais Sistemas Digitais I LESI :: 2º ano Questões Práticas de Sistemas Sequenciais António Joaquim Esteves João Miguel Fernandes www.di.uminho.pt/~aje Bibliografia: secções 8.3.1, 8.4 (parte), 8.5 (parte), DDPP,

Leia mais

Circuitos sequenciais elementares

Circuitos sequenciais elementares Circuitos sequenciais elementares João Canas Ferreira Arquitectura de Computadores FEUP/LEIC Contém figuras de Computer Organization and esign,. Patterson & J. Hennessey, 3ª. ed., MKP ópicos Sistemas sequenciais

Leia mais

Circuitos Digitais Cap. 5

Circuitos Digitais Cap. 5 Circuitos Digitais Cap. 5 Prof. José Maria P. de Menezes Jr. Objetivos Aritmética Digital Adição Binária Subtração Binária Representação de números com sinal Complemento de 2 Negação Subtração como soma

Leia mais

CAPÍTULO 6 CIRCUITOS SEQUENCIAIS IV: PROJETO DE REDES SEQUENCIAIS

CAPÍTULO 6 CIRCUITOS SEQUENCIAIS IV: PROJETO DE REDES SEQUENCIAIS 92 CAPÍTULO 6 CIRCUITOS SEQUENCIAIS IV: PROJETO DE REDES SEQUENCIAIS Sumário 6.. Introdução... 94 6... Máquina de Estados de Moore... 94 6..2. Máquina de Estados de Mealy... 95 6.2. Projeto de Redes Sequenciais...

Leia mais

Disciplina: Laboratório de Circuitos Digitais

Disciplina: Laboratório de Circuitos Digitais Universidade Federal de São Carlos Disciplina: Laboratório de Circuitos Digitais Prof. Dr. Emerson Carlos Pedrino 7ª Prática: Introdução à Verilog-HDL e á Lógica Sequencial Data: 22/05/2014 Nome: Adrián

Leia mais

DECODIFICADOR DE DISPLAY DE 7 SEGMENTOS COM LATCH

DECODIFICADOR DE DISPLAY DE 7 SEGMENTOS COM LATCH UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DECODIFICADOR DE DISPLAY DE 7 SEGMENTOS COM LATCH Projeto para a matéria TE130 Projeto de Circuitos Integrados Digitais, ministrada pelo

Leia mais

Contadores. Contadores Assíncronos Crescentes

Contadores. Contadores Assíncronos Crescentes Contadores Variam seus estados sob o comando de um clock; São utilizados para: Contagens diversas; Divisão de frequência; Medição de frequência e tempo; Geração de formas de onda; Conversão analógico para

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico Departamento de Informática e Estatística Curso de Graduação em Ciências da Computação

Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico Departamento de Informática e Estatística Curso de Graduação em Ciências da Computação Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico Departamento de Informática e Estatística Curso de Graduação em Ciências da Computação Sistemas Digitais INE 546 Aula 4-T 4 Máquinas Seqüenciais

Leia mais

Arquitetura de Computadores Circuitos Combinacionais, Circuitos Sequênciais e Organização de Memória

Arquitetura de Computadores Circuitos Combinacionais, Circuitos Sequênciais e Organização de Memória Introdução Arquitetura de Computadores Circuitos Combinacionais, Circuitos Sequênciais e O Nível de lógica digital é o nível mais baixo da Arquitetura. Responsável pela interpretação de instruções do nível

Leia mais

Eletrônica Digital Mecatrônica 2º Etapa. Apostila de Eletrônica Digital

Eletrônica Digital Mecatrônica 2º Etapa. Apostila de Eletrônica Digital Apostila de Eletrônica Digital Fevereiro de 2012 1 Prefácio Esta apostila tem por objetivo servir como referência aos alunos do curso de mecatrônica na disciplina de Eletrônica Digital, e não substitui,

Leia mais

ROTEIRO DE LABORATÓRIO

ROTEIRO DE LABORATÓRIO ROTEIRO DE LABORATÓRIO Laboratório 47 48 Laboratório Laboratório 49 ÍNDICE. ORIENTAÇÕES GERAIS, 5. PARA O PROFESSOR, 5. PARA O ALUNO, 5. TIPOS DE LABORATÓRIO,6.. Tipo Hardware, 6 Dispositivos para as Entradas,

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Circuitos Digitais - ECA. Prof. Dr. Fabian Vargas.

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Circuitos Digitais - ECA. Prof. Dr. Fabian Vargas. Prof. Dr. Fabian Vargas Índice 1. Portas Lógicas 1.1 Introdução 1.2 Diagramas de Tempo 1.3 Análise Booleana de Circuitos Lógicos Básicos 2. Circuitos Combinacionais 2.1. Introdução aos Circuitos Combinacionais

Leia mais

GUIA DE LABORATÓRIO DE SISTEMAS DIGITAIS PARA O CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO

GUIA DE LABORATÓRIO DE SISTEMAS DIGITAIS PARA O CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO GUIA DE LABORATÓRIO DE SISTEMAS DIGITAIS PARA O CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO Agosto/2004 V2 INTRODUÇÃO Este guia foi preparado para auxilio às aulas de laboratório para o curso de Engenharia

Leia mais

CAPÍTULO 5 CONTADORES NA FORMA DE CIRCUITO INTEGRADO

CAPÍTULO 5 CONTADORES NA FORMA DE CIRCUITO INTEGRADO 1 CAPÍTULO 5 CONTADORES NA FORMA DE CIRCUITO INTEGRADO INTRODUÇÃO Devido a necessidade geral de contadores, já existem muitos contadores de forma de CI's. Na série TTL 74 os mais simples são o 74LS90,

Leia mais

Velocímetro Digital para Bicicletas

Velocímetro Digital para Bicicletas Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia Elétrica Velocímetro Digital para Bicicletas Gildenir Soares Batista da Silva Instrumentação Eletrônica, 2009.2 Luciano Fontes Cavalcanti

Leia mais

Lista dos circuitos integrados utilizando transistores TTL da série 7400.

Lista dos circuitos integrados utilizando transistores TTL da série 7400. Lista dos circuitos integrados utilizando transistores TTL da série 7400. 7400: Quatro portas NAND de duas entradas 7401: Quatro portas NAND de duas entradas com coletor aberto 7402: Quatro portas NOR

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO. Caderno Didático - Disciplina de Sistemas Digitais A

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO. Caderno Didático - Disciplina de Sistemas Digitais A UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO Caderno Didático - Disciplina de Sistemas Digitais A Prof. Dr. José Renes Pinheiro Colaboradores: José Eduardo

Leia mais

Portas Lógicas Básicas Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara. Carga Horária: 2h/60h

Portas Lógicas Básicas Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara. Carga Horária: 2h/60h Portas Lógicas Básicas Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Carga Horária: 2h/60h Colegiado de Engenharia da Computação CECOMP Introdução à Algebra de Boole Em lógica tradicional, uma decisão é tomada

Leia mais

Básculas, Flip-Flops e Debouncing

Básculas, Flip-Flops e Debouncing Trabalho Prático n o 6 Componentes Sequenciais SSI Básculas, Flip-Flops e Debouncing 1 Introdução Este trabalho tem como objectivo: introduzir os rudimentos de circuitos sequenciais em projectos digitais,

Leia mais

Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA Divisão de Engenharia Eletrônica Departamento de Eletrônica Aplicada Laboratório de EEA-21

Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA Divisão de Engenharia Eletrônica Departamento de Eletrônica Aplicada Laboratório de EEA-21 Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA Divisão de Engenharia Eletrônica Departamento de Eletrônica Aplicada Laboratório de EEA-21 7ª Experiência Síntese de Circuitos Sequenciais Síncronos 1. Objetivos

Leia mais

Disciplina: Laboratório de Circuitos Digitais

Disciplina: Laboratório de Circuitos Digitais Universidade Federal de São Carlos Disciplina: Laboratório de Circuitos Digitais Prof. Dr. Emerson Carlos Pedrino 3ª Prática: Rotação de uma palavra nos Displays de 7 segmentos Data: 10/04/2014 Nome: Adrián

Leia mais

Colégio Metrópole. Curso Técnico Instrumentação e Automação Industrial

Colégio Metrópole. Curso Técnico Instrumentação e Automação Industrial Colégio Metrópole Curso Técnico Instrumentação e Automação Industrial Eletrônica Digital Professor: David Maciel 1 Colégio Metrópole VIASHOPPING BARREIRO - 4º Piso Inverno Tel.: 3322-8941 e-mail: metropole@colegiometropole.com.br

Leia mais

Microprocessadores e Microcontroladores Prof. Edilson R. R. Kato Simulação do computador SAP-1

Microprocessadores e Microcontroladores Prof. Edilson R. R. Kato Simulação do computador SAP-1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA (CCET) DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO Microprocessadores e Microcontroladores Prof. Edilson R. R. Kato Simulação do computador SAP-1

Leia mais

Conversor Analógico /Digital

Conversor Analógico /Digital O que é: Um sistema eletrônico que recebe uma tensão analógica em sua entrada e converte essa tensão para um valor digital em sua saída. Processo de conversão Consiste basicamente em aplicar uma informação

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA - SANTIAGO DO CACÉM

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA - SANTIAGO DO CACÉM p./9 Grupo Disciplinar: 540 Ano Lectivo: 008/009 -Circuitos sequenciais síncronos.. Aplicações com contadores síncronos... Registos. Utilizar circuitos CMOS da série 74HCT ou 4000. Testar o funcionamento

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE P L A N O D E E N S I N O DEPARTAMENTO: Engenharia Elétrica DISCIPLINA: Eletrônica Digital SIGLA: ELD0001 PRÉ-REQUISITOS: ALB0001 CARGA HORÁRIA TOTAL: 108 h/aula TEORIA: 72 h/aula PRÁTICA: 36 h/aula CURSO:

Leia mais

SEQUENCIADOR COM 10 LEDs

SEQUENCIADOR COM 10 LEDs SEQUENCIADOR COM 10 LEDs Este projeto cria um sequenciador de 10 linhas a partir de um oscilador formado por um CI 555. O oscilador 555 envia um pulso para a entrada de um contador de década (CI 7490),

Leia mais

Experimento 11 - Contador síncrono

Experimento 11 - Contador síncrono Circuitos Digitais Rafael S. Sardenberg 10/0019706 Objetivo Experimento 11 - Contador síncrono O objetivo deste experimento é estudar os contadores síncronos e as formas de síntese desses circuitos utilizando

Leia mais

Descrição de circuitos algebricamente, álgebra de Boole e circuitos lógicos, teorema de boole e De Morgan. Simplificação e projeto.

Descrição de circuitos algebricamente, álgebra de Boole e circuitos lógicos, teorema de boole e De Morgan. Simplificação e projeto. EMENTA: Ferramentas para simulação e projeto de sistemas digitais. Equipamentos e componentes para montagem de sistemas digitais. Equipamentos para mensuração e teste na implementação de sistemas digitais.

Leia mais

Circuito integrado 555 e suas aplicações

Circuito integrado 555 e suas aplicações Circuito integrado 555 e suas aplicações Introdução Um circuito integrado popular é o versátil 555. Introduzido pela em 1973 pela Signetcs, este circuito integrado tem aplicações que variam de equipamentos

Leia mais

Análise e Projeto de Contadores Síncronos. Circuitos Lógicos Prof. Daniel D. Silveira

Análise e Projeto de Contadores Síncronos. Circuitos Lógicos Prof. Daniel D. Silveira Circuitos Lógicos Análise e Projeto de Contadores Síncronos Prof.: Daniel D. Silveira 1 Análise de contadores síncronos Circuitos de contadores síncronos podem ser projetados para gerar qualquer seqüência

Leia mais

CAPÍTULO 14 MONOESTÁVEIS E ASTÁVEIS

CAPÍTULO 14 MONOESTÁVEIS E ASTÁVEIS 1 CAPÍTULO 14 MONOESTÁVEIS E ASTÁVEIS INTRODUÇÃO Basicamente tem-se dois tipos de multivibradores: os monoestáveis e os astáveis ou osciladores. Como o próprio nome indica, um monoestável tem somente um

Leia mais

Circuitos Digitais. Tipos de circuitos digitais: Circuitos combinacionais Circuitos sequenciais

Circuitos Digitais. Tipos de circuitos digitais: Circuitos combinacionais Circuitos sequenciais Circuitos Digitais Tipos de circuitos digitais: Circuitos combinacionais Circuitos sequenciais Circuito combinacional: Possui portas lógicas conectadas para produzir valor dos sinais de saída Não possui

Leia mais

CEFET/RJ - Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca Rio de Janeiro, 13 de novembro de 2008.

CEFET/RJ - Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca Rio de Janeiro, 13 de novembro de 2008. CEFET/RJ - Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca Rio de Janeiro, 13 de novembro de 2008. 4 a LISTA DE EXERCÍCIOS DE ELETRÔNICA DIGITAL Prof. Alessandro Jacoud Peixoto 1. Suponha

Leia mais

Experiência 01 Oscilador e Sequenciador Binário - Decimal

Experiência 01 Oscilador e Sequenciador Binário - Decimal Experiência 01 Oscilador e Sequenciador Binário - Decimal Thiago Valentin de Oliveira 29/09/2010 1 Introdução Esta experiência consta basicamente da união dos ramos analógico e digital da Eletrônica. Abordamos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. Projeto de Circuito Integrado: Convesor Série-Paralelo Bidirecional

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. Projeto de Circuito Integrado: Convesor Série-Paralelo Bidirecional UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Projeto de Circuito Integrado: Convesor Série-Paralelo Bidirecional Alunos: Cezar Oliveira Douglas Alencar Professores: Márlio José do

Leia mais

Arquitectura de Computadores (I)

Arquitectura de Computadores (I) epartamento de iências e Tecnologias da Informação Arquitectura de omputadores (I) Textos de apoio ircuitos Sequenciais raft Versão.2b Novembro de 29 Tomás Brandão. Índice. LATHES...5.. LATH SR...5.2.

Leia mais

Álgebra de Boole e Teorema de De Morgan Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara. Carga Horária: 2h/60h

Álgebra de Boole e Teorema de De Morgan Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara. Carga Horária: 2h/60h Álgebra de Boole e Teorema de De Morgan Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Carga Horária: 2h/60h Álgebra de Boole A Álgebra de Boole é empregada no projeto de circuitos digitais, para: análise - é um

Leia mais

Introdução. de Eletrônica Digital (Parte II) Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação. Carga Horária: 60 horas

Introdução. de Eletrônica Digital (Parte II) Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação. Carga Horária: 60 horas Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação Introdução à Computação Conceitos Básicos B de Eletrônica Digital (Parte II) Prof. a Joseana Macêdo Fechine Régis de Araújo

Leia mais

FERRAMENTA DIDÁTICA PARA DISCIPLINA DE ELETRÔNICA DIGITAL

FERRAMENTA DIDÁTICA PARA DISCIPLINA DE ELETRÔNICA DIGITAL FERRAMENTA DIDÁTICA PARA DISCIPLINA DE ELETRÔNICA DIGITAL Diego S. Mageski diego.mageski@hotmail.com Bene R. Figueiredo bfigueiredo@ifes.edu.br Wagner T. da Costa wagnercosta@ifes.edu.br Instituto Federal

Leia mais

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Quim. Nova, Vol. 38, No. 3, S1-S6, 2015 O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Fernando Arruda Mendes de Oliveira a,b, Eduardo Ribeiro

Leia mais

Sistemas Digitais I LESI :: 2º ano. Conceitos sobre Sistemas Sequenciais

Sistemas Digitais I LESI :: 2º ano. Conceitos sobre Sistemas Sequenciais Sistemas Digitais I LESI :: 2º ano Conceitos sobre Sistemas Sequenciais António Joaquim Esteves João Miguel Fernandes www.di.uminho.pt/~aje Bibliografia: secções 7.1, 7.2, 7.4, 7.5, 7.12, 9.2, DDPP, Wakerly

Leia mais

EA773 - Experimento 5

EA773 - Experimento 5 EA773 - Experimento 5 Wu Shin - Ting DCA - FEEC - Unicamp 19 de Novembro de 2009 O projeto consiste em implementar uma calculadora com memória com uso de barramento de 8 bits. Neste documento são discutidos

Leia mais

VHDL Lógica Síncrona. Sinais de Saída. Sinais de Entrada. barreira. carg. VHDL -Lógica Síncrona

VHDL Lógica Síncrona. Sinais de Saída. Sinais de Entrada. barreira. carg. VHDL -Lógica Síncrona VHDL Lógica Síncrona Circuitos combinacionais respondem a estímulos com um atraso que depende de sua implementação Para sincronizar subsistemas em lógica combinacional utiliza-se barreiras temporais, que

Leia mais

Eletrônica Digital para Instrumentação. Prof.: Herman P. Lima Jr (hlima@cbpf.br) Monitor: Rafael Gama

Eletrônica Digital para Instrumentação. Prof.: Herman P. Lima Jr (hlima@cbpf.br) Monitor: Rafael Gama G15 Eletrônica Digital para Instrumentação Prof.: Herman P. Lima Jr (hlima@cbpf.br) Monitor: Rafael Gama Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) Organização

Leia mais

Experimento 06 Unidade Aritmética

Experimento 06 Unidade Aritmética Murilo Soares Pereira, RA: 298468 Pedro Henrique de Freitas, RA: 321443 Experimento 06 Unidade Aritmética Prof. Takashi Utsonomiya Universidade Federal de São Carlos São Carlos - SP Sumário 3 1 Resumo

Leia mais

Memorias. Flip-Flop RS básico (Assíncrono) preencher. Tabela da verdade S R Q A S Q

Memorias. Flip-Flop RS básico (Assíncrono) preencher. Tabela da verdade S R Q A S Q Memorias Flip-Flop básico (Assíncrono) Tabela da verdade A preencher Flip-Flop básico (Assíncrono) Tabela da verdade esumindo: A = A = A = = = A X = X não permitido X não permitido Flip-Flops íncrono Com

Leia mais

Portas lógicas e circuitos digitais. Sistemas da Computação Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007

Portas lógicas e circuitos digitais. Sistemas da Computação Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007 Portas lógicas e circuitos digitais Sistemas da Computação Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007 Tópicos Portas Circuito somador Circuito subtrator flip-flops (registradores)

Leia mais

ANO LETIVO 2015 / 2016

ANO LETIVO 2015 / 2016 1 30 40 21-9-2015 03-11-2015 Sistemas de Numeração Conhecer a estrutura de um Sistema de Numeração e os principais Sistemas de Numeração Efetuar a conversão de números entre os vários sistemas de numeração.

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO Amanda 5ª Atividade: Codificador e codificação de linha e seu uso em transmissão digital Petrópolis, RJ 2012 Codificador: Um codoficador

Leia mais

MÓDULO N.º 1 SISTEMAS DE NUMERAÇÃO HORAS / TEMPOS CONTEÚDOS OBJETIVOS AVALIAÇÃO

MÓDULO N.º 1 SISTEMAS DE NUMERAÇÃO HORAS / TEMPOS CONTEÚDOS OBJETIVOS AVALIAÇÃO ESCOLA SECUNDÁRIA JOÃO GONÇALVES ZARCO-402011 CURSO PROFISSIONAL TÉCNICO DE GESTÃO DE EQUIPAMENTOS INFORMÁTICOS SISTEMAS DIGITAIS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES 10º 12 PLANIFICAÇÃO MODULAR MÓDULO N.º 1

Leia mais

Programação de CLPs por 1. Diagramas de Contato

Programação de CLPs por 1. Diagramas de Contato Programação de CLPs por Diagramas de Contato 1. Diagramas de Contato 2. Um CLP Genérico 3. Instruções de Entrada e Saída 4. Instruções Booleanas 5. Circuitos de Intertravamento 6. Detecção de Borda 7.

Leia mais

LÓGICA SEQÜENCIAL Prof. Corradi www.corradi.junior.nom.br

LÓGICA SEQÜENCIAL Prof. Corradi www.corradi.junior.nom.br LÓGICA SEQÜENCIAL Prof. Corradi www.corradi.junior.nom.br SUMÁRIO Página 1 A NECESSIDADE DA MEMÓRIA OU ESTADO SEQÜENCIAL... 02 1.1 Conceito de memória... 02 1.2 Impacto da memória seqüencial no desempenho

Leia mais

5 Circuitos de Armazenamento

5 Circuitos de Armazenamento 5 ircuitos de Armazenamento Nos sistemas digitais, e em particular nos computadores, as informações estão representadas por conjuntos de dígitos binários denominados "palavras". Nos computadores atuais

Leia mais

EA075 Processadores Dedicados

EA075 Processadores Dedicados EA075 Processadores Dedicados Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação (FEEC) Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) Prof. Levy Boccato Introdução Processador: circuito digital projetado para

Leia mais

Profª Danielle Casillo

Profª Danielle Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Automação e Controle Aula 08 Linguagem Laddercont... Profª Danielle Casillo Funções Lógicas em Ladder A. Função NãoE (NAND) Consiste

Leia mais

Fundamentos de Arquitetura de Computadores. Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO

Fundamentos de Arquitetura de Computadores. Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Fundamentos de Arquitetura de Computadores Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Hardware de um Sistema Computacional Hardware: são os componentes

Leia mais

1 Transmissão digital em banda base

1 Transmissão digital em banda base 1 Transmissão digital em banda base A transmissão digital oferece algumas vantagens no que diz respeito ao tratamento do sinal, bem como oferecimento de serviços: Sinal pode ser verificado para avaliar

Leia mais

(1) Slide 1. Osciladores e temporizadores

(1) Slide 1. Osciladores e temporizadores (1) Slide 1 Osciladores e temporizadores A maioria dos equipamentos eletrônicos inclui alguma forma de oscilador ou temporizador, que podem ser com formatos de onda pulsada, senoidal, quadrada, em dente-de-serra

Leia mais

Controle de elevador

Controle de elevador Controle de elevador Aluno...: Leonardo Rafael Coordenador: Prof. Eng Luiz Antonio Vargas Pinto vargasp@uol.com.br Escola Técnica Rubens de Faria e Souza 1 Dedicatória e Agradecimentos Dedico aos meus

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico Departamento de Informática e Estatística Curso de Graduação em Ciências da Computação

Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico Departamento de Informática e Estatística Curso de Graduação em Ciências da Computação Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico Departamento de Informática e Estatística Curso de Graduação em Ciências da Computação Aula 6-T 2. Máquinas Sequencias Síncronas: Comparação entre

Leia mais

SISTEMAS DIGITAIS CONTADORES

SISTEMAS DIGITAIS CONTADORES CONTADORES Setembro de 0 CONTADORES - 2 SUMÁRIO: CONTADORES SÍNCRONOS CONTADORES DE MÓDULO 2 N PROJECTO DE CONTADORES FREQUÊNCIA MÁXIMA DE FUNCIONAMENTO SITUAÇÃO DE LOCKOUT SIMBOLOGIA CONTADOR EM ANEL

Leia mais

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 555 M-1108A *Only illustrative image./imagen meramente ilustrativa./ Imagem meramente ilustrativa. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos Conteúdo 1. Introdução... 2 2. Experiência

Leia mais

Capítulo I Portas Lógicas Básicas

Capítulo I Portas Lógicas Básicas Capítulo I Portas Lógicas Básicas 1 Introdução Em qualquer sistema digital 1 a unidade básica construtiva é o elemento denominado Porta Lógica. Este capítulo descreve as portas lógicas usuais, seu uso

Leia mais

Circuitos Combinacionais. Sistemas digitais

Circuitos Combinacionais. Sistemas digitais Circuitos Combinacionais Sistemas digitais Agenda } Codificador X Decodificador } Código BCD 8421, código BCH, código 9876543210 } Display de 7 segmentos } Multiplexador X Demultiplexador } Comparadores

Leia mais

Eletrônica Digital 1 PET - Engenharia Elétrica UFC Março - 2014

Eletrônica Digital 1 PET - Engenharia Elétrica UFC Março - 2014 Eletrônica Digital PET - Engenharia Elétrica UFC Março - 2014 1 Responsáveis A apostila de Eletrônica Digital é de responsabilidade do Programa de Educação Tutorial do curso de Engenharia Elétrica da Universidade

Leia mais

Modelagem de Sistemas

Modelagem de Sistemas Modelagem de Sistemas Em muitas áreas de estudo, um fenômeno não é estudado diretamente, mas através de um modelo. Um modelo é uma representação, freqüentemente em termos matemáticos, do que parecem ser

Leia mais