ANÁLISE DA MATURIDADE EM GESTÃO DE PROJETOS COMO CONTRIBUIÇÃO PARA A MELHORIA NO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DA MATURIDADE EM GESTÃO DE PROJETOS COMO CONTRIBUIÇÃO PARA A MELHORIA NO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS"

Transcrição

1 ANÁLISE DA MATURIDADE EM GESTÃO DE PROJETOS COMO CONTRIBUIÇÃO PARA A MELHORIA NO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS Galafassi, A. Bernardes, M. Resumo Universidade Federal do Rio Grande do Sul No mundo globalizado, a gestão de projetos adquire fundamental importância no desenvolvimento de produtos sendo importante também na economia mundial, pois através da utilização de conceitos, técnicas e ferramentas de gestão é possível tornar as empresas mais competitivas. O gerenciamento de projetos tem sido utilizado em organizações como fator essencial para estruturar, organizar e aprimorar suas práticas, bem como alinhar projetos aos seus objetivos estratégicos. Este estudo aborda a análise da maturidade em gestão de projetos como uma forma de auxiliar na identificação de melhorias ao processo de desenvolvimento de produtos. Para isto, realizou-se uma revisão bibliográfica dos conceitos de gestão de projetos e maturidade em gestão de projetos procurando-se compreender a contribuição deste tema para o desenvolvimento de produtos nas organizações. Keywords: Gestão de projetos, maturidade em gestão de projetos, desenvolvimento de produtos. Abstract In a globalized world, project management acquires fundamental importance in product development is also important in the world economy, because through the use of concepts, techniques and management tools can make businesses more competitive. Project management has been used in organizations as an essential factor to structure, organize and improve their practices and align projects to strategic objectives. This study addresses the analysis of maturity in project management as a way to help identify improvements to the process of product development. To achieve this, a literature review of the concepts of project management maturity in project management in an attempt to understand the contribution of this theme for product development organizations. Keywords: Project management, maturity project management, product development. 1.Introdução Atualmente, a gestão de projetos destaca-se tanto no meio acadêmico como nas organizações públicas e privadas sendo responsável também pelo desenvolvimento de regiões e nações. Segundo Shenhar (2010), os projetos são instrumentos de inovação e mudança impulsionado as organizações para que sejam melhores e mais eficientes. 161

2 Ao refletir sobre caminhos que contribuam para o desenvolvimento da Iberoamérica, muitas são as possibilidades em gestão de projetos. PORTER (1989, p.765), a cerca do desenvolvimento das nações, apresenta que a preocupação econômica central de todo país deveria ser a capacidade de sua economia melhorar de modo que as empresas obtenham mais vantagens competitivas sofisticadas e maior produtividade. Só assim pode haver um padrão de vida em elevação e prosperidade econômica. Neste sentido, o aspecto que o estudo apresenta é a gestão de projetos de design, abordando mais especificamente a contribuição da análise de maturidade em gerenciamento de projetos no desenvolvimento de novos produtos industriais. No início de 2000, difundiram-se modelos para avaliar o nível de maturidade em gerenciamento de projetos. Estes modelos propõem um ciclo evolutivo de crescimento em estágios. Os estágios, basicamente, vão de 1 a 5, sendo 5 o nível mais alto e dão às empresas uma base para aplicação do planejamento estratégico para a gestão de projetos (KERZNER, 2006, p. 21). Prado (2008) argumenta que os modelos de Maturidade em Gerenciamento de Projetos auxiliam a organização a estabelecer um plano de crescimento. Esta argumentação, torna-se um dos objetivos da proposta deste trabalho. Busca-se compreender como o estudo do nível de maturidade em gestão de projetos pode contribuir para a inovação e o aumento da competitividade do setor industrial no aspecto de desenvolvimento de novos produtos. Para essa compreensão é necessário conhecer a realidade da indústria possibilitando a realização de iniciativas em prol da melhoria contínua. Este aspecto vem ao encontro do que é proposto por SENGE (1999) onde, a sustentação de qualquer processo de mudança profunda requer uma mudança fundamental na maneira de pensar. Precisamos compreender a natureza dos processos de crescimento (forças que apóiam nossos esforços) e saber como catalisá-los. Mas também temos que compreender as forças e os desafios que impedem o progresso, e temos que desenvolver estratégias viáveis para lidar com estes desafios. Precisamos analisar a dança das mudanças, a inevitável interação entre processos de crescimento e processos limitantes [...] É como funciona a natureza (SENGE, 1999, p.21). Para Tachizawa e Scaico (2006), a moderna teoria da gestão, pelo enfoque sistêmico, possibilita uma visão macroscópica da organização e é a chave para a gestão eficiente diante da concorrência acirrada e de novas necessidades dos consumidores em constante mutação. Pelo conceito de organização como um sistema, interagindo com o meio ambiente, as indústrias podem ser definidas como um processo que transformam recursos em produtos bens e serviços orientados pelo modelo de gestão, por crenças e valores que fazem parte da cultura organizacional. Os autores destacam que, a abordagem sistêmica, de forma global, permite visualizar o cliente, o produto e o fluxo de atividades empresariais, assim como os processos funcionais necessários a cada etapa na produção de um produto ou bem e o relacionamento entre clientes e fornecedores. Em outras palavras, o enfoque sistêmico possibilita compreender a organização de forma holística. Benner (2009), analisando a gestão organizacional e as mudanças tecnológicas através do desenvolvimento de novos produtos, salienta que a adaptação à mudança ambiental é um desafio para as organizações. Estas últimas, são organismos vivos que evoluem através de desafios e inovações. Pode-se dizer que também amadurecem em relação à gestão de projetos. Isto significa, no entender de Rabechini (2005) e de Kerzner (2006) que a maturidade em gerenciamento de projetos é um processo que ocorre ao longo do tempo, evoluindo em estágios. Para LUKOSEVICIUS et al. (2007, p.7), a maturidade em gestão de projetos descreve como a indústria gerencia projetos estrategicamente onde, a função básica do modelo é ajudar as 162

3 organizações a avaliar e entender seu nível atual de maturidade organizacional provendo um caminho para melhoramento por meio do reconhecimento de quais competências da organização devem ser desenvolvidas. Assim, identificar o nível de maturidade em gerenciamento de projetos proporciona um diagnóstico para as indústrias identificando o caminho que estão seguindo e que mudanças necessitam realizar para contemplar o seu planejamento estratégico. 2.Gestão de Projetos O termo projeto, tem origem do latim - projectus - o que tem a intenção de fazer; desígnio, intento, enquanto que a sua ação, projetar, significa planejar (CASTOR e ZUGMAN, 2008). Phillips (2003) propõe que o objetivo do projeto e a sua gestão é melhorar a qualidade de vida das pessoas, melhorando também, a experiência com o mundo material. Neste sentido, projeto tem caráter humano, da criação, e da ação com um objetivo, com intencionalidade. O Project Management Institute (PMI), órgão internacional que trata do Gerenciamento de Projetos, criado na Filadélfia, Estados Unidos, em 1969, define projeto como sendo um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo (PMBOK, 2004, p.5). Considera que os projetos podem causar impactos sociais, econômicos, ambientais com duração bem maior que o projeto em si. Para a International Project Management Association (IPMA), entidade que representa a Europa nas questões de gerenciamento de projetos, criada em Viena, Áustria, em 1965, o projeto tem como objetivo produzir os resultados definidos na proposta do negócio. Quanto às competências da gestão de projetos, o IPMA Competence Baseline (2003) propõem a inter-relação das áreas comportamentais, técnicas e contextuais. Conforme Lenfle (2008), os projetos não são apenas um conjunto de ferramentas de gestão, mas uma forma de construir o futuro rompendo com rotinas do passado. O autor argumenta que o resultado de um projeto é mais do que um produto, é uma possibilidade de aprendizagem e investigação. No pensamento contemporâneo sobre inovação, a concepção de conceitos leva ao conhecimento e este, dá origem a desenvolvimento de novos produtos. Neste aspecto a estratégia do desenvolvimento de novos produtos torna-se fundamental para a mudança e melhoria contínua nas indústrias. Barber (2003) e Lenfle (2008) destacam projeto como uma forma de conhecer, aprender. Em outras palavras, de organizar o caminho da inovação onde a eficácia da gestão de projetos determina se o projeto desempenha vantagens competitivas para a organização. Este será o conceito de projeto adotado para fins desta pesquisa, uma vez que a maturidade é adquirida num processo de evolução, de aprendizagem e melhoria contínua. Compreende-se, então, que a maturidade pode promover a inovação nas organizações. Para Maximiano (2002) e Kerzner (2006), a gestão de projeto envolve o processo de planejamento, organização, execução e controle. É um processo em que são tomadas decisões e uso de recursos para chegar-se a um objetivo, no caso do estudo, a um produto. O produto será desenvolvido observando prazo, custo e qualidade. Não apenas as grandes corporações, mas a gestão de projetos deve ser uma ferramenta a ser utilizada pelas pequenas e médias empresas com o objetivo de planejamento, execução e resultado que as tornem mais competitivas. Davies e Arzymanow (2002) e Chowdhury (2003) destacam que os aspectos do gerenciamento de projetos possuem duas dimensões: uma técnica (processos) e uma humana (as pessoas e seus conhecimentos) que criam a cultura organizacional. 163

4 No entender de Kerzner (2006) a gestão de projetos deve iniciar pela alta cúpula da organização e ser difundida com treinamentos por toda a empresa. Deve ser assumida como uma filosofia, um norteador de todas as ações e atividades como planejamento estratégico. Centrando a questão no fator humano, KERZNER (2006, p. 57) propõe que [...] as empresas excelentes compreendem que as pessoas é que executam as metodologias e que as melhores práticas na gestão de projetos podem ser alcançadas mais rapidamente se o foco estiver inicialmente nas pessoas e não nas ferramentas. Muitas empresas acreditam que o desenvolvimento de uma metodologia de gestão de projetos é a solução para suas dificuldades mas isto não basta se elas não considerarem a importância da metodologia e a praticarem. 3.Maturidade em Gestão de Projetos Resgatando o conceito da Teoria da Maturidade estabelecido por Chris Argyris, relacionando-o com o desenvolvimento humano e, aplicando-o às organizações, é apresentado que, empresas imaturas improvisam e não vêem o processo como um todo integrando as diversas áreas envolvidas; focalizam resolução de crises imediatas; não têm preocupação com a qualidade do que entregam. Enquanto que, as organizações maduras, propõem o autor, possuem habilidade gerencial para desenvolvimento do processo de administração do projeto. [...] a partir do estabelecimento de um planejamento adequado em que as especificações são detalhadas, o projeto é executado e controlado devidamente, evitando desperdícios de recursos e prazos. Estas organizações também se preocupam em armazenar informações dos projetos, mantendo seus dados históricos para o bom desenvolvimento de seus futuros projetos, realizando, assim, um processo de melhoramento contínuo referente às ações em gerenciamento de projetos. Para Becker et al.(2009) os modelos de maturidade melhoram o posicionamento da organização e ajudam a encontrar as melhores soluções para a mudança. Kolotelo (2008) destaca que o gerenciamento de projetos suporta a estratégia do negócio e, a maturidade em gerenciamento de projetos, tem a preocupação com a melhoria contínua dos processos. Ambos se evidenciam de fundamental importância para o sucesso das organizações e devem enfatizar questões estratégicas. Não faz parte do objetivo deste trabalho a apresentação dos diversos modelos de maturidade encontrados na literatura pois cada organização deve buscar o que melhor se adapta à sua realidade. No entanto, procura-se destacar a contribuição destes modelos como forma de diagnosticar a prática da gestão de projetos orientando para o amadurecimento e para um melhor desenvolvimento de produtos. Conforme Kerzner (2006), existem forças motrizes que conduzem o gerenciamento na direção certa e encaminham a organização rumo à maturidade em gestão de projetos. As forças motrizes surgem a partir de problemas e oportunidades reais do negócio que precisam ser encaminhados mediante sólidas práticas. As forças motrizes, normalmente, se baseiam em algumas das necessidades empresariais vivenciadas por meio de práticas em gestão de projetos. Segundo o autor, são sete as forças motrizes mais freqüentes da maturidade em gestão de projetos: a) Projetos estratégicos: há a necessidade de desenvolver uma metodologia de gestão de projetos. b) Expectativas dos clientes: mais do que a aquisição de um produto, os clientes buscam qualidade e eficiência de produto e serviço. 164

5 c) Competitividade: a gestão de projetos como um instrumento para a competitividade (KERZNER, 2006, p.81). e) Entendimento e comprometimento dos gerentes executivos: o comprometimento dos executivos no projeto são motivadores para a implementação da gestão de projetos em toda a organização. d) Desenvolvimento de novos produtos: o processo de desenvolvimento envolve o tempo necessário para desenvolver, comercializar e introduzir o novo produto no mercado (KERZNER, 2006, p.81). f) Eficiência e efetividade: compreende a otimização das atividades e envolve mudanças de práticas existentes. g) Sobrevivência: é a força motriz mais poderosa da excelência em gestão de projetos. KERZNER (2006, p. 45) destaca que o nível de maturidade varia de organização para organização conforme o tipo de gestão, a estrutura da empresa e com a relação entre seus membros. A cultura da organização e a natureza do negócio definem o tempo necessário para uma organização chegar à maturidade em gestão de projetos, destacando que todas as empresas atravessam seus próprios processos de maturidade e que precisam de constante aperfeiçoamento para manterem-se neste nível. No que se refere aos resultados da aplicação de modelos de maturidade pelas organizações, o mesmo autor propõe que os principais resultados estão na descoberta de oportunidades para a melhoria no gerenciamento de projetos; no aprendizado pela verificação de mudanças necessárias; pela identificação de pontos fortes e fracos da organização e, pela orientação ao desenvolvimento de um plano de ações para estas mudanças. 4.Desenvolvimento de novos produtos Sendo, o desenvolvimento de novos produtos, uma das forças que conduzem à maturidade em gestão de projetos, conforme apresentado acima por Kerzner (2006) e, considerado por SCHMIDT et al. (2009), essencial para a sobrevivência das organizações constituindo um dos mais importantes empreendimentos das empresas modernas, este estudo centraliza-se neste aspecto. Manion e Cherion (2009) destacam, que o projeto de desenvolvimento de novos produtos, é o principal meio pelo qual as organizações expandem seus mercados e que deve estar em consonância com a estratégia da empresa. Isto significa que os gestores podem aumentar o sucesso do desenvolvimento de novos produtos se considerarem o aspecto estratégico de sua organização na busca de vantagem competitiva. Para BAXTER (2003, p.21), o desenvolvimento de produto é um processo de transformar uma idéia sobre um produto em um conjunto de instruções para a sua fabricação. Mas como desenvolver novos produtos? As organizações têm utilizado o design como ferramenta para um melhor processo de desenvolvimento de produtos. O design considera o produto desde o seu conceito até o descarte. Engloba aspectos estéticos, funcionais, produtivos, ambientais, sociais, econômicos, simbólicos. Neste momento, considera-se importante a apresentação de um conceito de design. Toma-se o conceito proposto pelo International Council of Societies of Industrial Design (ICSID), fundado em 1957, em Londres, que define design como sendo, uma atividade criativa cujo alvo é o de estabelecer as qualidades multifacetadas dos objetos, dos processos, dos serviços e dos seus 165

6 sistemas de vida em ciclos completos. O design é o fator central da humanização e da inovação das tecnologias e o fator crucial da troca cultural e econômica (ICSID, 2003) Considerando a importância do design, BÜRDEK (2006, p. 363) argumenta que, a partir da década de 80, os empresários reconheceram que mais que estético o design tem um importante valor econômico e, hoje as decisões estratégicas destas empresas são em muitos casos também decisões de design. Complementa que o design é cada vez mais central no desenvolvimento de produtos. Conforme Verganti (2009), as empresas orientadas ao mercado compreenderam que o design oportuniza vantagem competitiva. Corroborando o que foi apresentado acima, segundo o autor, o design não serve apenas a criar uma forma agradável aos objetos, mas deve, ao contrário, antecipar uma necessidade da sociedade. BORJA de MOZOTA (2006) propõem que o design tem quatro poderes: a) Design como diferenciador: é fonte de vantagem competitiva no mercado. b) Design como integrador: é um recurso que melhora o processo de desenvolvimento de novos produtos e orienta para a inovação. c) Design como transformador: é um recurso que cria novas oportunidades de negócio e melhora a capacidade da empresa para mudanças; uma experiência para melhor interpretar a sociedade e o mercado. d) Design como um bom negócio: é uma fonte de aumento de vendas; melhora o retorno dos investimentos, melhora o valor da marca; melhora a sociedade como um todo. Toma-se como conceito de design, para o âmbito deste estudo, o que foi proposto por Borja de Mozota (2006) onde, através do design as empresas podem melhor compreender a sociedade e suas necessidades apresentando produtos que possibilitam trazer vantagens competitivas, melhoram processos produtivos, tornam-se inovadoras e obtém aumento nas vendas. Através do design também, pode-se contribuir com a melhor utilização de recursos naturais e melhorar a qualidade de vida das pessoas. Aspecto primeiro na função do design. A investigação no setor de desenvolvimento de produtos, pelo processo do design, possibilita a compreensão da relação destes aspectos com a questão da maturidade em gestão de projetos, pois analisa práticas indicando pontos fortes e fracos da organização neste setor específico. Isto possibilita mudanças com vistas a um melhor desempenho no desenvolvimento de produtos. Para Kerzner (2006) a aplicação dos princípios da gestão de projetos ao desenvolvimento de produtos possibilita um menor tempo de produção, com custos inferiores e com um melhor nível de qualidade. Estes tópicos conduzem também a pensar na inovação que é definida no Manual de Oslo como sendo, a implementação de um produto (bem ou serviço) novo ou significativamente melhorado, ou um processo, ou um novo método de marketing, ou um novo método organizacional nas práticas de negócios, na organização do local de trabalho ou nas relações externas (OECD, 2005, p.46). Infere-se, neste sentido, que empresas maduras são mais propensas a serem também inovadoras. É fato cada vez mais aceito ser, a inovação, fonte de desenvolvimento econômico nas organizações e nações. 166

7 5.Conclusões Este trabalho pautou-se na revisão da literatura sobre a gestão de projetos e a análise da maturidade em gestão de projetos como contribuição para o desenvolvimento de produtos. Entendeu-se ser, a gestão de projetos, um processo utilizado pelas organizações com o propósito de aumento da competitividade e inovação nos seus produtos, processos e serviços. Como a análise da maturidade em gestão de projetos, possibilita um diagnóstico das práticas realizadas, focando-se no desenvolvimento de novos produtos tem-se uma ferramenta de apoio à tomada de decisões e ações no setor de desenvolvimento de produtos (P&D), porém com visão sistêmica, melhorando a dinâmica das ações para o desenvolvimento de produtos. Este diagnóstico é a avaliação de pontos fortes e fracos identificando oportunidades de mudanças e amadurecimento. Sendo indicados como forças motrizes para a maturidade em gestão de projetos, o desenvolvimento de produtos e a competitividade, ambos se relacionam, também, quando é estudado o processo industrial e o desenvolvimento econômico. Outro aspecto destacado é o valor econômico originado, com a utilização do design como fator estratégico, para o desenvolvimento de produtos nas indústrias. Mais que o caráter estético, o design é um processo amplo que envolve o produto, do conceito ao descarte, com o objetivo de tornar a vida das pessoas melhor. Então, desenvolver produtos utilizando-se o design, efetivamente, melhora o desempenho das indústrias e, conseqüentemente, das nações, oportunizando o desenvolvimento tecnológico e a inovação como proposto pelo Manual de Oslo, referência nas pesquisas em inovação. Concluindo-se este estudo, pretende-se ainda resgatar a importância do conhecimento e aprendizagem que a gestão de projetos oferece, aos stakeholders, uma vez que ocorre sempre sobre uma prática. Refletir, relacionar, e construir novas compreensões sobre o que se está realizando podem conduzir à mudanças, apontar caminhos e chegar-se a maturidade. Referências BARBER, E. Benchmarking the management of projects: a review of current thinking. International Journal Project Management, v.22; p , BAXTER, M. Projeto de produto: guia prático para o design de novos produtos. 2ª ed. São Paulo: Edgard Blücher, BECKER, J; KNACKSTEDT, R. Developing maturity models for IT management a procedure model and its applications. Business & Informationn systems Engineering. Vol.3, BENNER, M. Dynamic or static capabilities? Process management practices and response to technological change. Journal of Product Innovation Management. Vol.26, p , BORJA de MOZOTA, B. The four powers of Design: a value model in Design Management. Design Management Review, spring BÜRDEK, B. Design: história, teoria e prática do design de produtos. São Paulo: Edgard Blücher, CASTOR, B; ZUGMAN, F. Dicionário de termos de estratégia empresarial. São Paulo: Atlas,

8 CHOWDHURY, S. Administração no século XXI: o estilo de gerenciar hoje e no futuro. São Paulo: Pearson Education do Brasil, COOKE-DAVIES, T; ARZYMANOW, A. The maturity of project management in different industries: an investigation into variations between project management models. International Journal of Project Management, v.21, p , IPMA (International Project Management Association). Disponível em: [http://www.ipma.ch]. Acessado em 06.setembro PORTER, M. A vantagem competitiva das nações. 11ª ed. Rio de Janeiro. Campus, KERZNER, H. Gestão de projetos: as melhores práticas. 2ª ed. Porto Alegre: Bookman, KOLOTELO, J. Nível de Maturidade em Gerenciamento de Projetos: levantamento nas indústrias do estado do Paraná. Dissertação de Mestrado em Engenharia de Produção. Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Ponta Grossa, LENFLE, S. Exploration and Project Management. International Journal of Project Management, v. 26, p , MANION, M; CHERION, J. Impact o strategic type on success measures for product development projects. Journal of Project Innovation Management. V. 26, p.71-85, MAXIMIANO, A. Teoria Geral da Administração: da escola científica à competitividade na economia globalizada. 2ª ed. São Paulo: Atlas, PHILLIPS, J. Gerência de Projetos de tecnologia de informação. Rio de Janeiro: Campus, PMI. Um guia do conjunto de conhecimentos em Gerenciamento de Projetos. Guia PMBOK. Norma nacional americana. 3ª ed., Disponível em: [www.pmi.org]. Acessado em 20. maio PRADO, D. Maturidade em gerenciamento de projetos. Nova Lima: INDG Tecnologia e serviços Ltda, RABECHINI, R. Competências e maturidade em Gestão de Projetos: uma perspectiva estruturada. São Paulo: Annablume Fapesp, SENGE, P. A dança das mudanças. Rio de Janeiro: Campus, SCHIMIDT, J. et al. Exploring new product development project review practices. Journal of Product Innovation Management. V.26, p , SHENHAR, A; DVIR, D. Reinventando gerenciamento de projetos: a abordagem diamante ao crescimento e inovação bem-sucedidos. São Paulo: M. Books, TACHIZAWA, T; SCAICO, O. Organização Flexível: qualidade na gestão por processos. 2ª ed. São Paulo: Atlas, VERGANTI, R. Design-driven innovation: cambiare le regole della competizione innovando radicalmente il significato dei prodotti e dei servizi. Milano: ETAS,

9 Agradecimento Agradecimento ao Núcleo de Desenvolvimento de Produtos (NDP) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul que motivou a realização deste estudo. Correspondência Ana Gelsemina Galafassi Rua Visconde de Tamandaré, 479 apto 403 Bairro Florestal CEP: Lajeado Rio Grande do Sul Brasil Universidade Federal do Rio Grande do Sul Núcleo de Desenvolvimento de Produtos - NDP Coordenador: Prof. Dr. Maurício Moreira e Silva Bernardes Av. Sarmento Leite, 320 sala 504 CEP: Porto Alegre Rio Grande do Sul - Brasil Fone: (51) Fax: (51) www. ndp.ufrgs.br 169

10 170

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Projetos tem por fornecer conhecimento teórico instrumental que

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS ISSN 1984-9354 GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS Emerson Augusto Priamo Moraes (UFF) Resumo Os projetos fazem parte do cotidiano de diversas organizações, públicas e privadas, dos mais diversos

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

3 Gerenciamento de Projetos

3 Gerenciamento de Projetos 34 3 Gerenciamento de Projetos Neste capítulo, será abordado o tema de gerenciamento de projetos, iniciando na seção 3.1 um estudo de bibliografia sobre a definição do tema e a origem deste estudo. Na

Leia mais

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br C1 Introdução Este guia traz noções essenciais sobre inovação e foi baseado no Manual de Oslo, editado pela Organização para a Cooperação

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

Porque Educação Executiva Insper

Porque Educação Executiva Insper 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo atual exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

COMUNICAÇÃO, GESTÃO E PLANO DE RECUPERAÇÃO DE PROJETOS EM CRISE CONSULTORIA

COMUNICAÇÃO, GESTÃO E PLANO DE RECUPERAÇÃO DE PROJETOS EM CRISE CONSULTORIA COMUNICAÇÃO, GESTÃO E PLANO DE RECUPERAÇÃO DE PROJETOS EM CRISE CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Minimize os impactos de um projeto em crise com a expertise de quem realmente conhece o assunto. A Macrosolutions

Leia mais

MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE

MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE O modelo CMM Capability Maturity Model foi produzido pelo SEI (Software Engineering Institute) da Universidade Carnegie Mellon (CMU), em Pittsburgh, EUA, por um grupo

Leia mais

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL MBA e Pós-Graduação Cursos inovadores e alinhados às tendências globais Nossos cursos seguem modelos globais e inovadores de educação. Os professores

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

VISÃO SISTÊMICA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS PARA WEB

VISÃO SISTÊMICA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS PARA WEB VISÃO SISTÊMICA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS PARA WEB Rogério Fernandes da Costa Professor especialista Faculdade Sumaré rogerio.fernandes@sumare.edu.br Resumo: O presente estudo tem como objetivo abordar

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA Executivo em Saúde Coordenação Acadêmica: Drª Tânia Regina da Silva Furtado

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA Executivo em Saúde Coordenação Acadêmica: Drª Tânia Regina da Silva Furtado CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA Executivo em Saúde Coordenação Acadêmica: Drª Tânia Regina da Silva Furtado APRESENTAÇÃO A FGV é uma instituição privada sem fins lucrativos, fundada

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE RESUMO Carlos Eduardo Spolavori Martins 1 Anderson Yanzer Cabral 2 Este artigo tem o objetivo de apresentar o andamento de uma pesquisa

Leia mais

COACHING E MENTORING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS CONSULTORIA

COACHING E MENTORING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS CONSULTORIA COACHING E MENTORING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Assegure resultados superiores do seu time de projetos e dos executivos com o coaching e mentoring exclusivo da Macrosolutions.

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E INVESTIMENTOS ATRAVÉS DO GERENCIAMENTO DE PROGRAMAS CONSULTORIA

OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E INVESTIMENTOS ATRAVÉS DO GERENCIAMENTO DE PROGRAMAS CONSULTORIA OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E INVESTIMENTOS ATRAVÉS DO GERENCIAMENTO DE PROGRAMAS CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Alcance melhores resultados através da gestão integrada de projetos relacionados ou que compartilham

Leia mais

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos Bacharel em Sistemas de Informação Faculdade de Informática de Presidente Prudente Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE) thiago@visioncom.com.br;

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas 10 Minutos sobre práticas de gestão de projetos Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas Destaques Os CEOs de setores que enfrentam mudanças bruscas exigem inovação

Leia mais

2 Seminário de Engenharia Química. Silvia Binda 1

2 Seminário de Engenharia Química. Silvia Binda 1 2 Seminário de Engenharia Química Silvia Binda 1 Inter-relação entre o conceito de qualidade, gestão da qualidade e elementos que a compõem QUALIDADE Gestão da Qualidade Habilidade de um conjunto de características

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas

MBA em Gestão de Pessoas REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Profª. Dra. Ana Ligia Nunes Finamor A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios foi fundada

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

PLANEJAMENTO ACELERADO DE PROJETOS ATRAVÉS DOS GANHOS RÁPIDOS EM PROJETOS CONSULTORIA

PLANEJAMENTO ACELERADO DE PROJETOS ATRAVÉS DOS GANHOS RÁPIDOS EM PROJETOS CONSULTORIA PLANEJAMENTO ACELERADO DE PROJETOS ATRAVÉS DOS GANHOS RÁPIDOS EM PROJETOS CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA De 0 a 100% em 3 semanas! Entenda porque a nossa metodologia Ganhos Rápidos dará visibilidade aos

Leia mais

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Uma estrutura de apoio à Inovação Eliza Coral, Dr. Eng., PMP Outubro, 2010 Diretrizes Organizacionais Missão Contribuir para o desenvolvimento sustentável

Leia mais

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 Análise de Tendências e Inovação Estratégica Levar o aluno a compreender os conceitos e as ferramentas de inteligência preditiva e inovação estratégica. Analisar dentro

Leia mais

ESTRUTURAÇÃO DOS PROCESSOS DE COMUNICAÇÃO EM PROJETOS, PROGRAMAS E PORTFÓLIOS CONSULTORIA

ESTRUTURAÇÃO DOS PROCESSOS DE COMUNICAÇÃO EM PROJETOS, PROGRAMAS E PORTFÓLIOS CONSULTORIA ESTRUTURAÇÃO DOS PROCESSOS DE COMUNICAÇÃO EM PROJETOS, PROGRAMAS E PORTFÓLIOS CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Assegure melhores resultados em seus projetos com uma estrutura de comunicação simples, efetiva,

Leia mais

4. BANCO DE COMPETÊNCIAS PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO DE CAPACITAÇÃO DE RH

4. BANCO DE COMPETÊNCIAS PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO DE CAPACITAÇÃO DE RH 4. BANCO DE COMPETÊNCIAS PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO DE CAPACITAÇÃO DE RH 1. INTRODUÇÃO Gilson da Silva Cardoso Antonio Carlos Francisco Luciano Scandelari O mundo está experimentando

Leia mais

Estabelecimento da Diretriz Organizacional

Estabelecimento da Diretriz Organizacional Estabelecimento da Diretriz Organizacional AULA 3 Bibliografia: Administração Estratégica: Planejamento e Implantação da Estratégia SAMUEL C. CERTO & J. P. PETERTO ASSUNTO: Três importantes considerações

Leia mais

Palestra: Gerenciamento de Projetos A Equipe fazendo a diferença

Palestra: Gerenciamento de Projetos A Equipe fazendo a diferença Palestra: Gerenciamento de Projetos A Equipe fazendo a diferença Lincoln Firmino, MSc PMP lincoln@iguassugp.com.br (5521) 8040-6969 (5545) 9802-2344 Projetos - Conceito Projetos são um meio de organizar

Leia mais

INOVAÇÃO: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA SOBRE O TEMA INNOVATION: A REVIEW. Palavras-chaves: Gestão, Inovação, Referencial Bibliográfico

INOVAÇÃO: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA SOBRE O TEMA INNOVATION: A REVIEW. Palavras-chaves: Gestão, Inovação, Referencial Bibliográfico Eixo Temático: Inovação e Sustentabilidade RESUMO INOVAÇÃO: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA SOBRE O TEMA INNOVATION: A REVIEW Thiago Favarini Beltrame, Andressa Rocha Lhamby e Victor K. Pires O que seria inovar?

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu PORTFÓLIO ESPECIALIZAÇÃO / MBA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Sumário ÁREA: CIÊNCIAS DA SAÚDE... 2 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO... 2 ÁREA: COMUNICAÇÃO E LETRAS...

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE EMPRESAS CONSTRUTURAS DE PEQUENO PORTE

SISTEMA DE GESTÃO DE EMPRESAS CONSTRUTURAS DE PEQUENO PORTE SISTEMA DE GESTÃO DE EMPRESAS CONSTRUTURAS DE PEQUENO PORTE MOURA, Adilson Tadeu Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva BILESKY, Luciano Rossi Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva

Leia mais

Estrutura do Curso. Planejamento Estratégico

Estrutura do Curso. Planejamento Estratégico Estrutura do Curso (Prof. Mauricio Neves) INTRODUÇÃO À ESTRATÉGIA EMPRESARIAL (Unidade I) MODELO PORTER: TÉCNICAS ANALÍTICAS (Unidade II) ESTRATÉGIA BASEADA EM RECURSOS, (Unidade IV) Planejamento Estratégico

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

APRESENTAÇÃO INOVAÇÃO COM DESIGN POR QUÊ E COMO?

APRESENTAÇÃO INOVAÇÃO COM DESIGN POR QUÊ E COMO? APRESENTAÇÃO INOVAÇÃO COM DESIGN POR QUÊ E COMO? Por quê o design pode inovar? O design é forte elemento de competitividade empresarial, em especial para os segmentos pressionados pela concorrência internacional...

Leia mais

Curso de Graduação. Dados do Curso. Administração. Contato. Modalidade a Distância. Ver QSL e Ementas. Universidade Federal do Rio Grande / FURG

Curso de Graduação. Dados do Curso. Administração. Contato. Modalidade a Distância. Ver QSL e Ementas. Universidade Federal do Rio Grande / FURG Curso de Graduação Administração Modalidade a Distância Dados do Curso Contato Ver QSL e Ementas Universidade Federal do Rio Grande / FURG 1) DADOS DO CURSO: COORDENAÇÃO: Profª MSc. Suzana Malta ENDEREÇO:

Leia mais

O GERENCIAMENTO DE PROJETOS ARTÍSTICO-CULTURAIS

O GERENCIAMENTO DE PROJETOS ARTÍSTICO-CULTURAIS O GERENCIAMENTO DE PROJETOS ARTÍSTICO-CULTURAIS Helio Ricardo Sauthier 74 Ms. Maria Cristina Queiroz Maia 75 Grupo Interdisciplinar de Pesquisa em Artes - GIPA/FAP Faculdade de Artes do Paraná, Curitiba,

Leia mais

CONSULTORIA MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO

CONSULTORIA MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO CONTEÚDO 1 APRESENTAÇÃO 2 PÁGINA 4 3 4 PÁGINA 9 PÁGINA 5 PÁGINA 3 APRESENTAÇÃO 1 O cenário de inovação e incertezas do século 21 posiciona o trabalho

Leia mais

UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr.

UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr. UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr. 1 UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA JSROCHA@EPS.UFSC.BR UFSC UNIVERSIDADE

Leia mais

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Uma abordagem voltada para a qualidade de processos e produtos Prof. Paulo Ricardo B. Betencourt pbetencourt@urisan.tche.br Adaptação do Original de: José Ignácio Jaeger

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA)

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Engenharia de Software Orientada a Serviços

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.)

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Resenha Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Patrícia Morais da Silva 1 Superar as expectativas do mercado atendendo de forma satisfatória as demandas dos clientes

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis APRESENTAÇÃO A FGV é uma instituição privada sem fins lucrativos, fundada em

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Osmar Mendes 1 Gilberto Raiser 2 RESUMO Elaborar uma proposta de planejamento estratégico é uma forma de criar um bom diferencial competitivo, pois apresenta para a organização

Leia mais

Apresentação Institucional. Clientes Parceiros Fornecedores Consultores

Apresentação Institucional. Clientes Parceiros Fornecedores Consultores Apresentação Institucional Clientes Parceiros Fornecedores Consultores Identidade Corporativa MISSÃO Desenvolver soluções criativas e inovadoras que viabilizem a execução da estratégica do cliente no mercado

Leia mais

Este trabalho foi motivado basicamente por três fatores:

Este trabalho foi motivado basicamente por três fatores: Introdução à ITIL ITIL vem do inglês IT infra-structure library e, como o próprio nome diz, é uma biblioteca ou um conjunto de livros que apresenta melhores práticas para a gestão dos serviços de TI. Esta

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

MBA EXECUTIVO EM SAÚDE

MBA EXECUTIVO EM SAÚDE PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA EXECUTIVO EM SAÚDE SIGA: TMBAES*06/26 Av. Conselheiro Nébias, 159 Bairro Paquetá Santos SP - CEP 11015-001 - Fone: (13) 3228 6000 Rua Almirante Protógenes,

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Louis Albert Araujo Springer Luis Augusto de Freitas Macedo Oliveira Atualmente vem crescendo

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL ZAROS, Raíssa Anselmo. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG E-mail: raissa_zaros@hotmail.com LIMA, Sílvia Aparecida Pereira

Leia mais

decisões tomadas. Euchner e Ries (2013) argumentam, entretanto, que é difícil implementar o planejamento tradicional e a previsão de resultados em

decisões tomadas. Euchner e Ries (2013) argumentam, entretanto, que é difícil implementar o planejamento tradicional e a previsão de resultados em 1 Introdução Não é recente a preocupação das empresas em buscar uma vantagem competitiva, de forma a gerar mais valor para os seus clientes do que os concorrentes por meio da oferta de produtos ou serviços

Leia mais

Apresentação da disciplina, conteúdo, metodologia e diretrizes de trabalhos.

Apresentação da disciplina, conteúdo, metodologia e diretrizes de trabalhos. IDENTIFICAÇÃO Nome do Curso: Administração de Empresas. Disciplina: Organização, Sistemas e Métodos. Número da Disciplina: 4520. Carga Horária Semanal: 2 h/a. Carga Horária Semestral: 40 h/a. Período Letivo:

Leia mais

O CLIENTE COMO FONTE DE INFORMAÇÃO PARA INOVAÇÃO: INTEGRAÇÃO ENTRE AS DIMENSÕES CLIENTES E RELACIONAMENTO

O CLIENTE COMO FONTE DE INFORMAÇÃO PARA INOVAÇÃO: INTEGRAÇÃO ENTRE AS DIMENSÕES CLIENTES E RELACIONAMENTO O CLIENTE COMO FONTE DE INFORMAÇÃO PARA INOVAÇÃO: INTEGRAÇÃO ENTRE AS DIMENSÕES CLIENTES E RELACIONAMENTO Aliny Francielly de Oliveira Formada em Administração, atuante nos segmentos comércio varejista

Leia mais

Princípios de Finanças

Princípios de Finanças Princípios de Finanças Apostila 03 O objetivo da Empresa e as Finanças Professora: Djessica Karoline Matte 1 SUMÁRIO O objetivo da Empresa e as Finanças... 3 1. A relação dos objetivos da Empresa e as

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11

GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11 GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11 Índice 1. Importância do ERP para as organizações...3 2. ERP como fonte de vantagem competitiva...4 3. Desenvolvimento e implantação de sistema de informação...5

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROJETOS E INVESTIMENTOS CONSULTORIA

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROJETOS E INVESTIMENTOS CONSULTORIA GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROJETOS E INVESTIMENTOS CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Como realizar inúmeros projetos potenciais com recursos limitados? Nós lhe mostraremos a solução para este e outros

Leia mais

Análise de Construtibilidade

Análise de Construtibilidade IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO EM ENGENHARIA DE PLANEJAMENTO Turma 01 Análise de Construtibilidade Fernando Souza Cota Carvalho Melanie Deborah Cardoso de Souza Diniz Belo

Leia mais

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos As organizações em torno do mundo estão implantando processos e disciplinas formais

Leia mais

Objetivos da aula. Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. O que é um plano de projeto? O que é um projeto?

Objetivos da aula. Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. O que é um plano de projeto? O que é um projeto? Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. Objetivos da aula 1) Dizer o que é gerenciamento de projetos e a sua importância; 2) Identificar os grupos de processos do gerenciamento de projetos

Leia mais

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Bacharelado em Administração Disciplina: Estratégia empresarial Professor: Salomão David Vergne Cardoso E-mail: vergne07@gmail.com Código: Carga Horária:

Leia mais

ESTRUTURAÇÃO DOS PROCESSOS DE GERENCIAMENTO DE RISCOS CONSULTORIA

ESTRUTURAÇÃO DOS PROCESSOS DE GERENCIAMENTO DE RISCOS CONSULTORIA ESTRUTURAÇÃO DOS PROCESSOS DE GERENCIAMENTO DE RISCOS CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Ganhe vantagem competitiva através da gestão adequada das ameaças e oportunidades de seus projetos. A Macrosolutions

Leia mais

Análise exploratória da Inovação Tecnológica nos Estados, Regiões e. no Brasil com base na Pesquisa de Inovação Tecnológica PINTEC

Análise exploratória da Inovação Tecnológica nos Estados, Regiões e. no Brasil com base na Pesquisa de Inovação Tecnológica PINTEC USCS UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Guilherme Yukihiro Dallaido Shibata Análise exploratória da Inovação Tecnológica nos Estados, Regiões e no Brasil com

Leia mais

MMGP: UM MODELO BRASILEIRO DE MATURIDADE EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS

MMGP: UM MODELO BRASILEIRO DE MATURIDADE EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS MMGP: UM MODELO BRASILEIRO DE MATURIDADE EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS Darci Prado - Introdução Maturida em Gerenciamento Projetos (GP) está na moda: inúmeros artigos têm surgido nas revistas especializadas,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO GESTÃO DE PROJETOS: UM ESTUDO DE CASO SOBRE A IMPLANTAÇÃO DE UM SOFTWARE PMIS Área de conhecimento

Leia mais

SOBRE O WORKSHOP [ WORKSHOP

SOBRE O WORKSHOP [ WORKSHOP WORKSHOP [ WORKSHOP SOBRE O WORKSHOP O PMDome é um treinamento muito dinâmico e prático em gerenciamento de projetos onde os participantes são divididos em times que, em uma competição desafiadora e animada,

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

Gestão Estratégica de Marketing

Gestão Estratégica de Marketing Gestão Estratégica de Marketing A Evolução do seu Marketing Slide 1 O Marketing como Vantagem Competitiva Atualmente, uma das principais dificuldades das empresas é construir vantagens competitivas sustentáveis;

Leia mais

A experiência na Implantação do Escritório de Projetos do Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso.

A experiência na Implantação do Escritório de Projetos do Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso. A experiência na Implantação do Escritório de Projetos do Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso. Vivian D. de Arruda e S. Pires Coordenadora de Planejamento do TJ/MT 23 de outubro de 2012 ESTRATÉGIAS

Leia mais

4 Metodologia e estratégia de abordagem

4 Metodologia e estratégia de abordagem 50 4 Metodologia e estratégia de abordagem O problema de diagnóstico para melhoria da qualidade percebida pelos clientes é abordado a partir da identificação de diferenças (gaps) significativas entre o

Leia mais

Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença?

Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença? Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença? * Daniela Ramos Teixeira A Inteligência vem ganhando seguidores cada vez mais

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CURSO TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL Série do Curso: 4ª SÉRIE Nome da Disciplina: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que ANEXO II Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui registro em base de patentes brasileira. Também serão considerados caráter inovador para este Edital os registros de patente de domínio público

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DA PESQUISA-AÇÃO PARA OBTENÇÃO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

A CONTRIBUIÇÃO DA PESQUISA-AÇÃO PARA OBTENÇÃO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA A CONTRIBUIÇÃO DA PESQUISA-AÇÃO PARA OBTENÇÃO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Daniela GIBERTONI 1 RESUMO A inovação tecnológica continua a ser um desafio para as empresas e para o desenvolvimento do país. Este

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO Resende, J.M.; Nascimento Filho, W.G.; Costa S.R.R. INEAGRO/UFRuralRJ INTRODUÇÃO O patrimônio de uma empresa é formado por ativos tangíveis

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Coordenação de Documentação e Informação INOVAÇÃO E GERENCIAMENTO DE PROCESSOS: UMA ANÁLISE BASEADA NA GESTÃO DO CONHECIMENTO

TRABALHOS TÉCNICOS Coordenação de Documentação e Informação INOVAÇÃO E GERENCIAMENTO DE PROCESSOS: UMA ANÁLISE BASEADA NA GESTÃO DO CONHECIMENTO TRABALHOS TÉCNICOS Coordenação de Documentação e Informação INOVAÇÃO E GERENCIAMENTO DE PROCESSOS: UMA ANÁLISE BASEADA NA GESTÃO DO CONHECIMENTO INTRODUÇÃO Os processos empresariais são fluxos de valor

Leia mais

ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ

ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ INTRODUÇÃO Estratégia é hoje uma das palavras mais utilizadas

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

Metodologias de Gestão de Projetos no Escritório de Inovação Tecnológica (EIT) da Universidade Federal de Mato Grosso

Metodologias de Gestão de Projetos no Escritório de Inovação Tecnológica (EIT) da Universidade Federal de Mato Grosso Metodologias de Gestão de Projetos no Escritório de Inovação Tecnológica (EIT) da Universidade Federal de Mato Grosso INTRODUÇÃO GESTÃO DE PROJETOS; IMPORTÂNCIA DA GP PARA O CONTEXTO ATUAL DAS ORGANIZAÇÕES;

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PLANO DE T&D

AVALIAÇÃO DO PLANO DE T&D AVALIAÇÃO DO PLANO DE T&D Ariadne Cedraz 1 Léa Monteiro Rocha 2 Luciana Cristina Andrade Costa Franco 3 A quarta e última etapa do processo refere-se à avaliação que tem por objetivo averiguar se os resultados

Leia mais