CONTATO IMPROVISAÇÃO TECENDO CORPO, DANÇA E ORGANIZAÇÃO SOCIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONTATO IMPROVISAÇÃO TECENDO CORPO, DANÇA E ORGANIZAÇÃO SOCIAL"

Transcrição

1 CONTATO IMPROVISAÇÃO TECENDO CORPO, DANÇA E ORGANIZAÇÃO SOCIAL Ana Maria Alonso Krischke 1 1. RESUMO Apresentaremos em linhas gerais um tecido formado pela dança de Contato Improvisação nas relações da organização social, na educação, no corpo e na dança. Salientaremos alguns aspectos desta dança introduzindo questões. Mas temos clareza dos limites e esperamos que sejam apenas inspirações, quando muito, indicações para estudos nesta área da dança, da improvisação e do CI na atualidade. A intenção seria refletir sobre a dança de Contato Improvisação e o fazer dança hoje em nossa sociedade. Palavras-chave: dança improvisação, organização social, educação. 1. INTRODUZINDO CONTATO IMPROVISAÇÃO A história do Contato Improvisação começa nos EUA no inicio dos anos 70 do séc. XX. A iniciativa de pesquisa partiu de Steve Paxton, um bailarino com experiência em ginástica olímpica e Aikido 2 que vinha de um trabalho na dança moderna e experimental com Mercê Cunningam 3, Robert Ellis Dunn 4, com as cooperativas de performances Judson Church Dance Theatre 5 e Grand Union 6. 1 Ana Alonso (1972) Bailarina, coreógrafa, pesquisadora e professora de dança. Na Ufsc, Graduou-se em Educação Física (1999); Pós Graduouse em Ed. Física Escolar (2004), é mestranda do PPGE- UFSC (2010). Atualmente realiza o projeto Entrando em Contato cujo objetivo é a difusão promoção,intercambio e formação em dança de Contato Improvisação. Tal projeto ganhou premio Franklin Cascaes de destaque cultural em 2009 (www.entrandoemcontato.blogspot.com). Trabalha no projeto de pesquisa da Ufsc/Proext( Mec/Sesu) - Improvisação em Contato: poéticas do corpo como docente convidada e pesquisadora. 2 Arte Marcial do Japão com forte influencia na filosofia Zen Budista. 3 Mercê Cunningam, coreografo, bailarino e professor cuja filosofia estética causou mudanças na dança moderna. (Novack, 1990, p 33). 5

2 Ele estava interessado em descobrir como a improvisação em dança poderia facilitar a interação entre os corpos, as suas reações físicas e como proporcionar a participação igualitária das pessoas em um grupo, sem empregar arbitrariamente hierarquias sociais. Estava também empenhado em desenvolver um novo tipo de organização social para a dança, não ditatorial, não excludente, e em uma estrutura para a improvisação que não levasse ao isolamento de nenhum participante. (LEITE, 2005). A relevância do Contato Improvisação esta nos seguintes aspectos: sua influencia na dança e no teatro contemporâneo; a significativa produção intelectual realizada num período especifico principal (Contact Quaterly), revistas e jornais de dança 7, paginas e grupos da internet 8, conferencias 9, vídeos 10 ; trabalhos acadêmicos e livros 11, o grande numero de praticantes espalhados em diversos países (muitos deles constam publicados no periódico supra citado); as peculiaridades conceituais que abordam e discutem questões 4 Robert Dunn, musico associado a Cunningam que inspirou muitos coreógrafos da Judson Church por sua influencia dada em aulas de composição em dança. (Novack, 1990, p 53). 5 Judson Church Dance Theatre ( Dança Teatro Igreja Judson) foi uma cooperativa de performances no movimento de vanguarda da dança moderna experimental que existiu entre 1961 e 1964 em Nova Iorque, e foi a mais representativa na manifestaçao e anunciação de mudanças sociais (Novack, 1990, p 42). 6 Grand Union (Grande União) era uma cooperativa de livre improvisação em dança, teatro e musica que existiu entre 70 e 76 (Novack, 1990, p 53). 7 Por exemplo: jornais Movement Research de Nova Iorque, La Porta Voz de Barcelona, Novelles de Danse de Bruxelas, Proximity da Austrália. 8 Por exemplo: Ha um calendário de eventos nos sites e 10 VIDEODA disponibiliza para venda e aluguel os vídeos de Contato Improvisação: SFT Pallet; Chute; Magnesium; Peripheal Vision; Fall After Newton e Contact at 10th &2nd (ver: 11 Ver a lista de artigos, teses e livros no site: 6

3 sociais e culturais de corpo, dança, arte, educação, sensualidade, gênero, sexualidade, identidade e diferença. Aqui no Brasil ainda são escassas traduções e publicações a respeito dessa dança, ficando os estudos restritos as escolas informais 12 e algumas universidades. Nos últimos cinco anos esta acontecendo uma difusão maior por meio de festivais, encontros e oficinas de Contato Improvisação 13, a formação de um grupo com interesses comuns e voltados para a promoção desta dança vem crescendo e se expandindo, esta forma que começou em SP há cerca de dez anos, hoje em dia está abrindo espaço em Brasília, Rio de Janeiro, Florianópolis, Porto Alegre, Natal, Salvador e Campinas. 2. CORPO DANÇA: conteúdos e conceitos Novack (1990) lista características e valores centrais ao movimento do Contato Improvisação (CI), assim como sua organização e estrutura performática 14 : geração de movimentos através da mudança de pontos de contato entre corpos; percepção por meio da pele; foco na segmentação do corpo; movimentação em diversas direções simultaneamente; percepção interna do movimento; ênfase no peso e no fluxo; rolamento ao longo do corpo; uso do espaço em 360 graus; tácita inclusão da platéia; informalidade intencional da apresentação; entendimento do dançarino como uma 12 Como, por exemplo monografias que encontramos no Depto de Artes Cênicas da Universidade de Brasília; Depto de Educação Física da Universidade Federal de Porto Alegre; O Núcleo de Contato Improvisação da Escola de dança inserido na Universidade Federal da Bahia; no Curso de Dança da Universidade do Rio de Janeiro a uma cadeira de Improvisação com aulas de Contato Improvisação; o Centro de Formação de Artes Circenses _ CEFAC em SP possui Contato Improvisação em seu currículo. Estudos sobre Dança e Improvisação na Semiótica da PUC em SP. Provavelmente há produção de monografias pelos alunos dos cursos, mas não chegaram a ser publicadas de forma acessível ao publico em geral. 13 Citando alguns: Contact in Rio, no RJ desde 2008; Festival Internacional de Contato Improvisação em SP desde 2007; Encontro Internacional de Contato Improvisação em Florianopolis, 2009; projeto Sul em Contato POA 2009; Projeto Em Com Tato Salvador desde A autora guiou-se por conceitos de análise de movimento de Rudolf Laban (1971, 1974) e Irmgard Bartenieff (1980). 7

4 pessoa comum; improvisação despida de intenções dramáticas; consciência de que todos são igualmente importantes. O conceito de dança sem julgamentos e a não separação por níveis de habilidades e experiências, ao menos em termos explícitos, faz com que o Contato Improvisação promova uma atmosfera das situações de muitas danças sociais. Assemelha-se mais à dança social (como dançar rock and roll) e se contrapõe aos estilos de dança moderna e de ballet clássico. (NOVAK, 1990). Este estilo foi influenciado pelas circunstancias sociais e culturais da época e também idéias especificas de movimento. Paxton, junto com outros parceiros desta empreitada, queriam ampliar a noção de beleza física ate então muito restrita nas companhias de dança, e deixar o movimento derivar de uma outra base que não uma estética estabelecida ou um corpo tradicionalmente treinado. Como outros de sua vertente, aceitava qualquer material como um veículo de arte (COHEN, 2007). Paxton chamou a dança de Contact Improvisation porque descrevia exatamente o que eles estavam fazendo. Sua orientação ao físico constituía um compromisso com as raízes na filosofia da dança experimental dos anos sessenta e em parte da tradição da dança moderna. Eles buscavam explorar os aspectos físicos no trabalho como um valor neutro: o que era possível fazer e não o que pareceria esteticamente. De acordo com Paxton, a estética ideal do Contato Improvisação é um corpo totalmente integrado (Novack, 1990, p 69). Segundo Badiou (2002), a dança como metáfora do pensamento é o que, além da mostração dos movimentos ou da prontidão em seus desenhos exteriores, revela a força de sua retenção 15. Podemos ilustrar a afirmação com Leite (2005) ao citar dois importantes princípios para a dança CI: era um ato de parceria mais do que um ter que fazer tarefas ; foco no sentir o movimento internamente mais do que em colocar seus corpos intencionalmente em formas particulares. (LEITE, 2005). 15 O mesmo autor discorre que a liberdade na dança deve ser capacidade de não obedecer a cada impulso, mas ser em si o movimento e a retenção possíveis de serem vistos. 8

5 Improvisação em dança; devemos lembrar, não seria o que Nietzsche (in Badiou, 2002) chamaria de vulgaridade, quando o corpo cede aos impulsos, pois ali, ele mesmo não é livre, está somente respondendo a uma condição reflexa e não à sua capacidade criativa. A técnica do CI evoluiu não a partir da repetição de um padrão formal de movimentos, e sim a partir da sensação, da relação sensório motora. Assim, improvisação não é sinônimo de desorganização (LEITE, 2005). Gil (2001) lembra-nos que o movimento dançado não é de modo algum inconsciente ou reflexo, porém a consciência em dança é de natureza distinta. Gil afirma: a consciência deve deixar de ver o corpo do exterior, e tornar-se uma consciência do corpo (p.159, 2001). ). A idéia de Paxton citada em Gil (2001) de que mover-se em dança da maneira mais inconscientemente consciente possível estaria em não intensificar os poderes da consciência de si, coisa que atrapalharia o fluxo da dança por si; e, ao mesmo tempo, não abolir esses poderes a ponto de deixar o corpo agir às cegas (quando não se teria consciência das escolhas feitas no tempo da ação/movimento/dança nem a possibilidade de transformá-las). O autor coloca que uma estratégia para isso, seria uma aproximação ao ambiente com o qual o corpo lida, não é uma questão de acompanhar descritivamente as ações do corpo - coisa certamente impossível para a consciência humana; mas de ampliar a percepção e as sensações durante o movimento, abrindo mais espaços ( gaps buracos) para uma tomada de consciência vinda do corpo, que o corpo informa e que pode oferecer subsídios para o enriquecimento do movimento e da própria dança. Nesse sentido, o corpo não só não age ás cegas, mas oferece suporte especial para a dança na medida em que abrimos mais o corpo para nós mesmos. Por isso, muitos professores são formados em alguma técnica de educação somática 16,que é aplicada também em suas aulas de Contato Improvisação. Assim, as escolhas conscientes de ações predefinidas perdem lugar para as escolhas com base na sensação das relações durante a ação. 16 Segundo Thomas Hanna (p.1 in Fortin, 1996) e educação somática é: a arte e a ciência de um processo relacional interno entre a consciência, o biológico e o meio ambiente, estes três fatores sendo vistos como um todo agindo em sinergia. 9

6 Segundo Leite (2005), na aprendizagem do Contato Improvisação, uma pessoa adquire a prática mais em um jeito de se mover do que em executar um grupo particular de movimentos. Embora haja diferenças entre os professores, todos eles instruem seus alunos a focalizar na sensação interna do toque, do contato e da pressão do peso dos corpos. Desta maneira, no processo de aprendizagem, o sentido do toque, a propriocepção e as ações de reflexo físico assumem grande importância para o dançarino sendo enriquecido pelo o sentido da visão e pela cultura/historia corporal de cada dançarino e dança. O detalhamento do estudo do movimento com base nas suas leis e no desenvolvimento da percepção e sensibilização do dançarino foi uma escolha metodológica importante e de ruptura. No âmbito da cultura, pode-se entender esta estratégia como não tradicional uma vez que, como colocado em Fortin (1998), a aprendizagem da observação sustenta um conservadorismo do ensino, onde os professores repetem aquilo que aprenderam com seus professores, mantendo imagens difíceis de superar e seguindo, assim, uma maneira tacitamente aceita de pensar e fazer. Badiou (1999), ao falar da dança como metáfora da vida parece chamar a atenção para esta efemeridade da dança e a sua constante transformação e mudança de relação com o mundo no tempo em que se move. Podemos dizer que toda a dança é efêmera, desenvolve tal consciência e está oportunizando constantemente a criação, porém, em certos estilos há maior ênfase a essa condição primária, no caso do CI, talvez por se tratar de uma dança que buscava os princípios do movimento e da dança, há uma explicitação e valorização desta condição. Estas são consideradas, além de fundamentos, como aspectos de investigação própria à pesquisa. Essa busca do CI é também ligada à questão de como compor, criar dança para além dos moldes socioculturais por meio de um conhecimento muito especializado nas leis que regem o movimento enquanto ele se dá. Pois, o pensamento não se efetua em outra parte além daquela onde se dá, o pensamento é efetivo no lugar, é o que se intensifica, se assim se pode dizer, sobre si mesmo, ou ainda, o movimento de sua própria intensidade (Badiou, 2002, p.81). 10

7 O caráter de impermanência que a improvisação, como jogo apresenta. No que se refere a ampliação dos limites impostos sócio historicamente para a existência da criatividade; deve passar pela compreensão das relações sociais estabelecidas em nossa sociedade, e atuando na construção de uma nova. Um diálogo constante entre as posições definidas, e muitas vezes antagônicas na prática social (SAVIANI, 1983), pode contribuir para a não conformidade desses limites e para uma percepção mais precisa da improvisação em seus desdobramentos na dança (KRISCHKE, 2004). O saber no Contato Improvisação é um saber frágil e efêmero, transformável, aperfeiçoável sempre. O único lugar onde ele pode ser buscado e encontrado é no trabalho coletivo da vivência solidária do diálogo. 3. EDUCAÇÃO E ORGANIZAÇÃO SOCIAL Freire (1997) afirma que a educação mais do que tudo é a possibilidade e a necessidade de contínua renovação; da transformação ininterrupta de seus processos, de seus conteúdos, de seus sentidos e de seus significados. No que se refere à organização social para a dança, os contatistas consideram que esta cultura de dança se nutre de todos os participantes, pois não tem um modelo de corpos e movimento. Para eles, a inexistência de uma fonte centralizadora de autoridade que determine o que é apropriado em termos de currículo ou de metodologia pedagógica em Contato Improvisação estimula uma curiosidade ativa, opiniões controversas, e uma procura não só por respostas, mas também por questionamentos relevantes. As escolhas pedagógicas são analisadas tanto pelos próprios alunos ao final de uma aula quanto pelos outros professores na exposição dos métodos de cada um. Houve tentativas de formalização e centralização para o controle do repasse do conhecimento e da qualidade do mesmo, contudo, nunca foram postas em pratica porque não estavam de acordo com o espírito do CI. Decidiram evitar fazer uma estrutura formal, mantendo um forte senso de que o que eles faziam era ad hoc e espontâneo, tanto a dança como a interação social nos encontros para 11

8 a pratica Jam 17. O que se fez foi, indiretamente e informalmente, manejar a necessidade de controle e de vigilância sobre o ensino, continuando com os boletins que em 1976 deram origem a revista Contact Quaterly 18. A revista, como democratizadora da cultura, teve um impacto transformador no CI e único entre as danças americanas. Citando Brandão (1986), a educação almejada hoje é uma educação que conhece, em sua fragilidade, em sua vocação a ser efêmera, mutável, transformável, a sua própria energia criadora. Um trabalho pedagógico não apenas dirigido a uma comunidade aprendente preestabelecida canônica e estruturalmente, mas uma comunidade que, ao envolver-se com a sua educação - com a criação cotidiana e infinita de seu próprio saber solidário - se recria a si mesma, a cada momento. Marques (2001), ao estudar a dança na realidade educacional brasileira, chama a atenção para a necessidade de mudanças no ensino da dança hoje, a formação em dança não pode ficar restrita às tradições que nasceram em épocas remotas e que não representam nossa realidade. As relações entre arte e vida devem ser conscientemente interligadas e servir de fato aos sujeitos que dela se apropriam. Da mesma forma, lembra da necessidade de traçar redes não hierárquicas de conhecimento. A disseminação do Contato Improvisação foi e ainda é realizada sem o benefício de uma escola formal de treinamento para professores, tutoria, ou programa de certificação (LEITE, 2005) Esta forma de dança consolidou-se através da pratica em grupos e através dos escritos sobre isso. O desenvolvimento foi se dando com as organizações informais, com a revista Contact Quaterly, as 17 JAM: abreviatura de jazz After Midnigth, usada por músicos para designar encontros ou sessões de improvisação e adotada aqui pelos contatistas para seus encontros livres de CI. 18 A revista Contact Quaterly foi inicialmente publicada trimestralmente e hoje em dia tem freqüência semestral. Uma organização sem fins lucrativos do estado de Nova Iorque e patrocinada pelo Conselho Cultural deste estado. Difunde, discute e acompanha o CI em diversas questões importantes para o seu desenvolvimento com qualidade. A revista Contact Quaterly segue sendo um espaço fundamental de divulgação de resultados das experiências pedagógicas (Leite, 2005). 12

9 viagens, a comunicação informal e, a partir de 76, com os freqüentes cursos intensivos e retiros. Encontros de professores de Contato Improvisação são freqüentes em festivais, jams e retiros. Podem-se chamar estes encontros de conferências pedagógicas de Contato Improvisação. Segundo Novack (1990), elas são o que os contatistas têm de mais parecido com uma autoridade central, porém possui uma postura de anti-autoridade. Tendo como princípio aquilo que caracteriza a improvisação: o estado de presença e consciência a respeito das decisões e do fluxo dos acontecimentos. Segundo Leite (2005), a direção e o futuro do Contato Improvisação são traçados a partir das experiências individuais e decididos coletivamente. O Contato Improvisação é uma prática que já existe há mais de trinta anos e possui praticantes nos Estados Unidos, América Latina, Canadá, Europa, Austrália, China, Japão, Israel e Nova Zelândia. Com uma ampliação significativa da comunidade há um esforço importante no sentido de universalizar suas idéias e o tipo de organização nos diferentes países do mundo, e isto só é possível porque os praticantes de Contato Improvisação organizam se norteados por regras básicas, algumas criadas nos primórdios da sua origem e outras criadas pelas necessidades que foram surgindo com o tempo, com o aumento da experiência e do número de praticantes. Estas regras dizem respeito também ao cuidado e à responsabilidade consigo e com o outro, à consciência corporal, à percepção e observação dos limites físicos, à espontaneidade, à generosidade, ao prazer, à liberdade, à inclusão e à cooperação. 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS Com estes princípios o Contato Improvisação é identificável pelo valor de seus códigos de conduta e assim instituído como uma arte socializadora, popular, agregativa, democrática e cooperativa (LEITE,2005). Por outro lado, corre se o risco de um tratamento purista e universalizante para com o corpo e a dança? Como podem ser interpretados estes princípios pensando que não existe um corpo fora de seu contexto histórico nem um movimento que seja destituído de significado? A intenção seria tentar garantir o caráter libertário sem generalizar corpo, movimento e dança. 13

10 Com base nas considerações até então, podemos encontrar no Contato Improvisação um esforço de se tecer coerência entre a expressão artística e todo o suporte para a realização da mesma: a organização social, o processo pedagógico e os princípios de movimento e dança; bem como conceitos de corpo e arte. Há um interesse na relação explicita e intrínseca entre arte e vida, forma se assim um tecido único com todos estes elementos e outros mais que a cada dança dão padrão, textura, cor e intensidade expressando o Contato Improvisação de forma atualizada. 5. REFERÊNCIAS BRANDÃO, Carlos Rodrigues. Educação Popular. 3 edição Brasiliense, SP: COHEN, Renato. Performance como Linguagem. Editora Pensamento/Cultrix SP: FORTIN, Sylvie. Educação somática: Novo ingrediente da formação prática em dança. Tradução Márcia Strazacappa. Nouvelles de Dance, 28, p , Bruxelas: Quando a ciência da dança e a educação somática entram em uma aula técnica de dança. Pró-Posições Vol.9 no 2(26). Unicamp, Campinas, São Paulo. Junho de FREIRE, Paulo. Que fazer? Teoria e pratica em educação. São Paulo: Vozes, Gil, José. Movimento total: o corpo e a dança. São Paulo: Iluminuras, Forum_de_contato_improvisacao/IMPROVISATION.Disponível em acessado em 24/08/

11 KRISCHKE, Ana Maria Alonso. Dança e improvisação: um caminho a ser trilhado com o lúdico. Pós-graduação em Educação Física Escolar. UFSC. 2004: Florianópolis (SC). LEITE, Fernanda Hubner Carvalho, Contato Improvisação (contact improvisation) um diálogo em dança. Revista Movimento, v.11, n. 2. Porto Alegre: maio/agosto de 2005 NOVACK, Cynthia. Sharing the dance: contact improvisation and american culture. Madison, Wiscotin: The University of Wiscontin Press, PAXTON, Steve. Transcription. Contact Quarterly. Contact Collaborations Northampton, MA, USA. V. 11, n. 1, p.48-50, winter, SAVIANI, Demerval. Filosofia da Educação. Summus, SP:

12 ASILO SANTA CLARA: POTÊNCIAS E RESTRIÇÕES Cinthia Bruck Kunifas 1. RESUMO O texto apresenta algumas das questões levantadas ao longo do trabalho que vem sendo desenvolvido no Asilo Santa Clara, desde o seu início em A partir de referências da Educação Somática, reflete sobre assuntos relativos a mudanças de padrões corporais e a possibilidades de acesso aos corpos das residentes deste local. Palavras-chave: percepção corporal; padrões de movimento; corpo. O presente texto busca refletir sobre algumas das questões levantadas ao longo do trabalho que vem sendo desenvolvido junto às residentes do Asilo Santa Clara, desde fevereiro de 2009, o qual se constitui em um projeto de extensão, por mim coordenado, apoiado pela Faculdade de Artes do Paraná. O Asilo Santa Clara é uma instituição mantida pela Ação Social do Paraná, que abriga mulheres a partir dos sessenta anos de idade, localizado no bairro Jardim Botânico, na cidade de Curitiba. O projeto desenvolvido no Asilo consiste em oportunizar as suas residentes uma prática corporal, que possui como ação norteadora a percepção do corpo. Este trabalho situa-se nas áreas da Dança e Educação Somática 19, tendo como uma de suas principais Mestre em Artes Cênicas pela Universidade Federal da Bahia e especialista em Consciência Corporal Dança pela Faculdade de Artes do Paraná, é dançarina, docente, pesquisadora em dança e coordenadora do projeto Dança como continuidade para o Asilo Santa Clara. 19 Educação Somática é um campo de estudo que engloba uma diversidade de conhecimentos onde os domínios sensorial, cognitivo, motor, afetivo e espiritual se misturam com ênfases diferentes (FORTIN, 1998, p. 40) e designa-se pelas práticas tais como Técnica de Alexander, Fundamentos Corporais Bartenieff, Ideokinesis, Body Mind Centering. 16

13 referências a Técnica de Alexander, a qual subsidiará as reflexões do presente texto. Partindo-se da premissa de que todo o indivíduo não apenas tem o direito, mas o poder de mover-se, independentemente da sua idade, o objetivo inicial do trabalho foi buscar promover um processo de reeducação corporal, o qual resultaria em maior eficiência nos movimentos diários, mais saúde e bem estar às residentes deste local. O que se constatou após um ano de trabalho, no entanto, foi que os resultados esperados talvez não pudessem ser alcançados; pelo menos, não do modo como fora planejado. Este reconhecimento se deu por se perceber que para um processo de reeducação corporal, de fato, acontecer, as condições deveriam ser outras, ou seja, para que houvesse uma mudança significativa no padrão de movimento das moradoras do Asilo, seria necessário um trabalho individualizado, com maior carga horária e mais profissionais envolvidos. Acreditase, entretanto, que mesmo em condições ideais, o processo estará sempre sujeito às limitações impostas pelo contexto do Asilo, o qual exclui suas moradoras do convívio social/familiar. Esta questão, certamente, merece discussão mais prolongada e encontra subsídios na área das Ciências Sociais 20. Neste primeiro ano de trabalho, os resultados foram de outra natureza. Decorrentes, em grande parte, das dificuldades encontradas e da tentativa de superá-las, os efeitos suscitados pelo projeto constituíram-se nos questionamentos levantados e nas conseqüentes reflexões realizadas. Este processo conduziu à reformulação dos objetivos iniciais do projeto com vistas a sua continuidade em 2010, os quais vem se constituindo na busca pelas condições e metodologias capazes de expandir o acesso aos corpos das residentes do Asilo Santa Clara, recém iniciado no primeiro ano de trabalho. A manifestação de sutis movimentos nos corpos das residentes, ao final desta etapa, demonstrou que a abordagem por meio do 20 Vide GOFFMAN, E. Manicômios, Prisões e Conventos. São Paulo: Perspectiva, SOUZA, J. L. C. Asilo para Idosos: o lugar da face rejeitada. Comunicações Palestras e Painéis, Belém, ano 4, nº 1, p , set,

14 sensível, ou seja, do estímulo à percepção das sensações, poderia ser uma estratégia válida e merecedora de investimento. Mas, se um processo de reeducação corporal talvez não pudesse se efetivar no sentido de uma modificação geral do padrão de movimentos das residentes, o que poderia então, um trabalho como este? Como realizá-lo? Uma prática que aborda o corpo por meio da percepção difere de outras, baseadas na repetição, por estimular o indivíduo a se relacionar com aquilo o que sente 21. Isto pressupõe uma tomada de consciência do corpo e do seu movimento inerente, proporcionando ao indivíduo a possibilidade de fazer escolhas, liberando-o do automatismo dos seus padrões. Se o objetivo do trabalho com as residentes do Asilo Santa Clara era encontrar um modo de proporcionar alterações nos seus hábitos, então o mesmo deveria ocorrer com quem estava propondo tais alterações. Isso ficou evidente logo no início do projeto quando observei que a primeira barreira encontrada tinha sido criada pelos meus próprios hábitos. À medida que as tentativas iniciais de acesso àqueles corpos foram frustradas, a reação automática e não consciente foi excluí-las de um pretenso padrão de normalidade, abrindo espaço para um pré-conceito que o projeto, justamente, busca eliminar, que subestima os indivíduos pelo fato de serem idosos. Este pré-conceito, contrário ao pensamento norteador do projeto, surge como solução (ineficiente) à situação inesperada. Quando o corpo responde automaticamente a um estímulo, responde por meio de seus padrões. Padrões são planos que o sistema neuromuscular desenvolve para poder executar uma ação, isto é, ativação habitual de caminhos musculares, os quais surgem para que uma necessidade ou intenção seja realizada/satisfeita (HACKNEY, 2002). Modos habituais do corpo se organizar para lidar com as relações do próprio corpo, deste com o outro e com o ambiente estão, 21 Sentir, segundo Cohen (1993), corresponde ao aspecto mais mecânico do movimento, à entrada da informação no organismo por meio da estimulação dos receptores e nervos sensoriais. A percepção, por sua vez, corresponde ao modo como o indivíduo se relaciona com esta informação. Este entendimento compreende, portanto, a percepção como ação, como movimento e não apenas recepção passiva das informações vindas de fora do corpo. 18

15 constantemente, sendo estabelecidos em nosso sistema neuromuscular. Padrões estabelecidos serão solicitados automaticamente frente a um estímulo, caso nada seja feito para interromper a ativação do caminho existente. A resposta corporal resultante será, então, a habitual e na maioria das vezes inapropriada, isto é, ineficiente (GARLICK, 1990). O processo de padronização faz parte do desenvolvimento humano, mas existem os padrões que progridem através dos estágios de desenvolvimento sendo, portanto, mutáveis, e os que surgem como hábitos que escolhemos, posteriormente, na vida. Estes, podem se fixar, buscando uma estrutura estável na rigidez corporal (FERNANDES, 2005). Constituem-se, desta forma, numa armadilha, pois se tornam resposta pronta a qualquer estímulo. Para que fosse possível conduzir as residentes do Asilo Santa Clara a uma possibilidade de mudança, seria necessário, portanto, alterar as minhas próprias respostas. Carrington (1995) explica que a eficiência de um professor da Técnica de Alexander depende, fundamentalmente, do modo como ele organiza o seu próprio corpo. Isso quer dizer que as intenções e as ações do professor devem estar em consonância. É necessário, portanto, que aquilo que se pretende promover ao outro seja, primeiramente e continuamente, exercitado por aquele que propõem. A constatação da manifestação de conceitos não coerentes com a proposta do projeto constitui-se no movimento necessário à mudança no meu modo de pensar, readequando minhas intenções as minhas ações. Este movimento foi fator determinante para a continuidade do trabalho. Outro padrão ineficiente revelado logo no início do trabalho foi o direcionamento do meu foco para os resultados. O desejo de ver os resultados esperados dificultou a observação dos resultados possíveis. Explica Gelb (2000) que, pensar no objetivo final aciona, naturalmente, os padrões indesejáveis, uma vez que a ação conhecida desencadeia maneiras conhecidas do corpo operar. Foi necessário, portanto, deslocar o foco do resultado para o processo. Retirar a ênfase do objetivo em si para colocá-la nos meios para se atingir esses objetivos. Essa ação mental de dirigir a atenção para o meios pelos quais constitui uma das idéias operacionais (GELB, 2000) 19

16 da Técnica de Alexander, a qual burla os caminhos neuromusculares pré-estabelecidos. Desta constatação surgem, então, as seguintes questões - o que é bom para o outro? O que desejo da relação com o outro? Colocar o foco no processo é uma excelente estratégia para não impormos ao outro nossa própria vontade. O grande exercício parece ser buscar, continuamente, o que é bom para nós e, a partir daí, comunicar ao outros nossas descobertas por meio do diálogo. Aprender a fazer as perguntas e saber ouvir as respostas tem sido a estratégia metodológica capaz de abrir espaço para uma comunicação real, tanto no do Asilo Santa Clara como em outros ambientes: o que você sente quando faz este movimento? A sensação é prazerosa, estranha, conhecida? Deseja repeti-lo? Deseja conhecer o caminho? Podemos experimentar outros caminhos... isso que você fez é surpreendente, quer ir além? Neste processo, dois fatores parecem ser fundamentais a confiança e o desejo. Confiança do professor naquilo que está propondo e confiança no outro; compreender que seu trabalho é passível de ser compartilhado e que o outro é sempre capaz de se relacionar. Confiança do aluno naquele que o acolhe para poder confiar nas suas próprias percepções. Para tanto, é necessário se construir um ambiente sem julgamentos para que toda a experiência possa ser incluída, assim como é preciso que o aluno perceba a presença do professor. Isto quer dizer que o professor deve estar inteiro, sua atenção, seus sentidos, seu corpo como um todo deve estar voltado para as relações das quais participa. Lembrando Carrington (1995), quando fala sobre a Técnica de Alexander, a eficiência de um professor depende, fundamentalmente, do modo como ele organiza o seu próprio corpo. O que impulsiona, entretanto, um indivíduo a mover-se em direção a algo, a buscar outras possibilidades para sua vida, ir adiante...? É o impulso inicial de mover-se e a continuidade desse movimento, o real problema na Técnica de Alexander, assim como na vida (CARRINGTON, p. 18, tradução nossa). Ao longo dos vinte anos de docência, do trabalho de corpo, corpo a corpo com os mais diversos alunos, tenho observado que existe algo por trás ou anterior ao trabalho que se está 20

17 realizando. Aquilo que move o aluno (e também o professor) e que parece ser determinante no sucesso de qualquer empreitada o desejo, a vontade. Matthias Alexander, criador da técnica que leva seu nome, faz desta idéia uma das ações centrais do seu trabalho: Embora estejamos pensando sobre estruturas que se movem, não estamos, de fato, interessados em estruturas que se movem do mesmo modo que estamos interessados no desejo e na vontade por trás do movimento (CARRINGTON, p. 16, tradução nossa). O autor explica que o único modo de levar as pessoas a se moverem é fazendo-as pensar, entretanto, reconhece que as pessoas não gostam de pensar, não são boas nisso e se puderem, evitarão ao máximo fazê-lo. O desafio torna-se, portanto, descobrir as maneiras mais eficientes de estimular o outro a exercitar esta ação. Embora pareça não existir uma resposta final a esta questão, algumas estratégias metodológicas vêm sendo experimentas com as residentes do Asilo Santa Clara na tentativa de mobilizar seus corpos. Compreendendo que corpo e mente são aspectos indissociáveis de um mesmo organismo (DAMÁSIO, 1996), mover o corpo significa mover a relação corpo-mente. Assim, uma das idéias que vêm sendo aplicadas é a do Mapeamento Corporal (Body Mapping), desenvolvida por William Conable (1992), decorrente dos seus estudos da Técnica de Alexander. Baseia-se na compreensão de que o organismo humano cria um mapa de si mesmo, uma interface entre a consciência e os mecanismos corporais, a qual fornece informações sobre a estrutura e o funcionamento do corpo. Segundo o autor, o mapa constitui o modo como nos conhecemos. O que ele percebeu a partir de suas experiências em sala de aula foi que o modo como o indivíduo pensa que é, determina o modo como seu corpo irá se comportar. Se a idéia que o indivíduo faz de si mesmo não corresponde ao modo como ele é constituído, o seu funcionamento será ineficiente. Estimular as residentes do Asilo Santa Clara a acessar seus mapas corporais e a readequá-los é estimular um melhor funcionamento dos seus corpos. Para tanto, têm sido utilizados recursos verbais, visuais e táteis, bem como o uso da imaginação com o intuito de estimular a propriocepção 22. Exercícios de 22 Propriocepção é o sentido cinestésico. O sentido que lida com as sensações da posição do corpo, postura, equilíbrio e movimento (Mosby s Dictionary of 21

18 respiração com ênfase em certas áreas do corpo ou em um trajeto específico também têm sido utilizados como estratégia. O trabalho desenvolvido no Asilo Santa Clara é um convite à primeira pessoa, a uma mobilização de idéias e crenças, a uma mudança no modo de se pensar o corpo, portanto, de ser corpo. Neste segundo ano de trabalho, a resposta corporal das residentes tem se mostrado significativamente maior do que no ano anterior. Observa-se que o maior responsável pela imobilidade de seus corpos é o hábito de não se mover. Isso se evidencia quando articulações anteriormente enrijecidas mobilizam-se com uma facilidade não familiar; quando os costumeiros e difíceis atos de se levantar ou caminhar tornam-se, inesperadamente, mais leves e fáceis, dado um direcionamento consciente. Ouso afirmar que, em alguns momentos, experimentam um sentimento de satisfação, mesmo que momentâneo, quando percebem essas mudanças ocorrendo nos seus corpos em movimento. Parece surgir uma perspectiva de que algo pode ser diferente. O trabalho, contudo, é um convite e enquanto convite está passível de ser ou não aceito, ou ainda, de poder ser ou não aceito. Isso implica, conforme mencionado, em questões tanto de ordem pessoal - o desejo, a vontade de cada indivíduo - como de ordem social, que diz respeito ao contexto onde estes indivíduos estão inseridos, o qual pode agir como catalisador de processos de mudança ou como limitador desses processos. O desejo e o desafio de desenvolver um trabalho de percepção corporal com as residentes do Asilo Santa Clara tem sido uma fonte inesgotável de questionamentos e descobertas, que me fazem pensar sobre a potência desse tipo de abordagem, seus efeitos na vida das pessoas, assim como na minha. Compoementary and Alternative Medicine. Elsevier, 2005, tradução livre). Disponível em: 22

19 2. REFERÊNCIAS COHEN, Bonnie B. Sensing, feeling and action: the experimental anatomy of Body-Mind Centering. The collected articles from Contact Quaterly dance journal Contact Editions, Northampton, MA. CONABLE, Barbara. How to learn the Alexander Technique. Columbus: Andover Road, CARRINGTON, Walter. Thinking Aloud: talks on teaching the Alexander Technique. Jerry Sontag. Califórnia : Mornum Time Press, 1995 (2 a edição). DAMÁSIO, António R. O erro de Descartes. São Paulo, Companhia das Letras :1996. FERNANDES, Ciane. Corpo-Imagem-Espaço: Transformando Padrões através de Relações Geométricas Dinâmicas. In: Cadernos do GIPE-CIT, Salvador, n. 13, p , jul FORTIN, Sylvie. Educação Somática: novo ingrediente na formação prática em dança. In: Cadernos do GIPE-CIT: UFBA/PPGAC, Salvador, n.2. p , jan GARLICK, David. The lost sixth sense: a medical scientist looks at the Alexander Technique. Centatime NSW Pty. Kesington (Austrália), 1990 GELB, Michael. O aprendizado do corpo: introdução à técnica de Alexander. Tradução Jefferson Luiz Camargo. São Paulo : Martins Fontes, HACKNEY, Peggy. Making Connections. Total body integration through Bartenieff Fundamentals. New York: Routledge,

20 REFLEXÕES SOBRE DANÇA E DIVERSIDADE CORPORAL Claudia Aparecida Fantin Souza 23 Tiago Scalvenzi Sául RESUMO Este ensaio apresenta uma reflexão sobre dança e diversidade corporal, lançando olhares para a década de 2010, baseada especialmente no conceito de sociedade de Norbert Elias e nas teorias sociológicas de Pierre Bourdieu, objetivando desvendar mecanismos ocultos de reprodução e dominação social. Palavras-chave: dança; corpo; deficiente físico; reprodução social. Refletindo acerca da Nova História Cultural e com base nas obras dos autores Norbert Elias e Pierre Bourdieu, o objetivo deste ensaio é fazer uma sucinta reflexão sobre a dança enquanto manifestação artística e a diversidade corporal. Para isso, faremos um recorte no momento atual (década de 2010) e nos basearemos especialmente no conceito de sociedade de Norbert Elias e nas teorias sociológicas de Pierre Bourdieu, objetivando desvendar mecanismos ocultos de reprodução e dominação social. A dança caracteriza-se pelo uso do corpo seguindo movimentos previamente estabelecidos ou improvisados e pode existir como manifestação artística ou como forma de divertimento ou cerimônia. Como arte, a dança se expressa através dos signos de movimento com a intenção de comunicação. O homem dança para satisfazer 23 Claudia Fantin é orientanda da professora Cristiane Wosniak no curso de pós-graduação em Artes e Ensino das Artes da Faculdade de Artes do Paraná. Pesquisadora e bailarina da Limites Cia. de Dança desde 1992, investiga a temática da diversidade corporal na dança contemporânea. 24 Tiago Saul é formado em Licenciatura em Música pela UFSM (RS) e pós graduando em Artes e Ensino das Artes da Faculdade de Artes do Paraná. 24

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1

A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1 A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1 Claudiane da S. EUSTACHIO Dayana Pires Alves GARCIA Fátima RODRIGUES Jean de J. SANTANA 2 Juliana CESANA 3 Ana Lucia de Carvalho MARQUES

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL ROSA, Maria Célia Fernandes 1 Palavras-chave: Conscientização-Sensibilização-Transferência RESUMO A psicóloga Vanda

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA CLAINES KREMER GENISELE OLIVEIRA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: POR UMA PERSPECTIVA DE RELAÇÕES ENTRE

Leia mais

NOÇÕES DE CORPO E MOVIMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES NO TRABALHO DO ESPETÁCULO CIDADE EM PLANO.

NOÇÕES DE CORPO E MOVIMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES NO TRABALHO DO ESPETÁCULO CIDADE EM PLANO. NOÇÕES DE CORPO E MOVIMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES NO TRABALHO DO ESPETÁCULO CIDADE EM PLANO. Luciana Lara 1 RESUMO: Este estudo pretende refletir sobre algumas implicações das noções de corpo e movimento

Leia mais

1 Acadêmico, formando do Curso de Licenciatura com Habilitação em Música da UDESC. 2 Professora Mestra do Departamento de Música da UDESC.

1 Acadêmico, formando do Curso de Licenciatura com Habilitação em Música da UDESC. 2 Professora Mestra do Departamento de Música da UDESC. 1 O ensino de música extracurricular na Escola Técnica Federal em Florianópolis/SC: relato de experiência sobre uma oficina de improvisação musical realizada Maycon José de Souza 1 Universidade do Estado

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

ESPAÇOS PEDAGÓGICOS ADAPTADOS: EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGENS DE ADAPTAÇÃO QUE ENRIQUECEM A EDUCAÇÃO

ESPAÇOS PEDAGÓGICOS ADAPTADOS: EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGENS DE ADAPTAÇÃO QUE ENRIQUECEM A EDUCAÇÃO 1 ESPAÇOS PEDAGÓGICOS ADAPTADOS: EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGENS DE ADAPTAÇÃO QUE ENRIQUECEM A EDUCAÇÃO VOGEL, Deise R. 1 BOUFLEUR, Thaís 2 RAFFAELLI, Alexandra F. 3 Palavras chave: Espaços adaptados; experiências;

Leia mais

PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO

PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO ISSN 2316-7785 PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO RESUMO Karen Rodrigues Copello Universidade Federal de Santa Maria karen_keruso@hotmail.com Debora Silvana Soares Universidade

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE *

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * DILMEIRE SANT ANNA RAMOS VOSGERAU ** m 2003, com a publicação do livro Educação online, o professor Marco Silva conseguiu, com muita pertinência, recolher

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais Edilson José de Carvalho¹ Jarbas de Holanda Beltrão² 1 Pedagogo e Especialista em Educação

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO Fátima Aparecida Queiroz Dionizio UEPG faqdionizio@hotmail.com Joseli Almeida Camargo UEPG jojocam@terra.com.br Resumo: Este trabalho tem como

Leia mais

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 TEXTO NUM. 2 INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 Max Weber, O indivíduo e a ação social: O alemão Max Weber (1864-1920), diferentemente de Durkheim, tem como preocupação central compreender o indivíduo e suas

Leia mais

NOSSA MISSÃO OS PROGRAMAS METODOLOGIAS AVALIAÇÕES

NOSSA MISSÃO OS PROGRAMAS METODOLOGIAS AVALIAÇÕES Desde 1999 NOSSA MISSÃO AÇÕES DE TREINAMENTO OS PROGRAMAS METODOLOGIAS AVALIAÇÕES MISSÃO Inspirar nossos clientes para a expansão de ideias e formação de relacionamentos saudáveis e duradouros no ambiente

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna:

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna: TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

O Paradigma da nova liderança

O Paradigma da nova liderança O Paradigma da nova liderança Robert B. Dilts Um dos mais importantes conjuntos de habilidades Um dos mais importantes conjuntos de habilidades necessárias num mundo em transformação são as habilidades

Leia mais

REFLEXÕES PEDAGÓGICAS SOBRE A DANÇA NO ENSINO MÉDIO

REFLEXÕES PEDAGÓGICAS SOBRE A DANÇA NO ENSINO MÉDIO REFLEXÕES PEDAGÓGICAS SOBRE A DANÇA NO ENSINO MÉDIO Izabele Trindade Caldas (CALDAS I. T.) e Elaine Melo de Brito Costa (COSTA E. M. DE B.). Departamento de Educação Física Universidade Estadual da Paraíba

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

A construção de um espaço artístico extracurricular dentro da escola pública

A construção de um espaço artístico extracurricular dentro da escola pública Anais do I Seminário PIBID/FPA 2014. FPA. Vol I, nº 1. São Paulo, 2014. 1 A construção de um espaço artístico extracurricular dentro da escola pública Uma proposta pedagógica de ensino de artes visuais

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Silvia Christina Madrid Finck E-mail: scmfinck@ uol.com.br Resumo: Este artigo refere-se ao projeto de pesquisa

Leia mais

Florianópolis SC - maio 2012. Categoria: C. Setor Educacional: 3. Classificação das Áreas de Pesquisa em EaD Macro: A / Meso: L / Micro: N

Florianópolis SC - maio 2012. Categoria: C. Setor Educacional: 3. Classificação das Áreas de Pesquisa em EaD Macro: A / Meso: L / Micro: N LABORATÓRIO DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UM ESPAÇO DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E AMPLIAÇÃO DE CONHECIMENTOS REFERENTES À INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Florianópolis SC - maio 2012 Categoria: C Setor

Leia mais

Projeto Música e Cidadania no CAp: Extensão, Universidade, Comunidade

Projeto Música e Cidadania no CAp: Extensão, Universidade, Comunidade 1 Projeto Música e Cidadania no CAp: Extensão, Universidade, Comunidade Maria Helena de Lima helenal@terra.com.br/helena.lima@ufrgs.br Universidade Federal do Rio Grande do Sul Resumo. Este artigo constitui

Leia mais

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Camila Turati Pessoa (Universidade Federal de Uberlândia) camilatpessoa@gmail.com Ruben de Oliveira

Leia mais

Palestras e Cursos da Área Pedagógica

Palestras e Cursos da Área Pedagógica Portfólio Palestras e Cursos da Área Pedagógica Pedagogia dos Projetos Construir um cenário para demonstrar que os projetos podem ser uma solução e não um serviço a mais para o professor. Enfatizar a necessidade

Leia mais

O DIA DO BIS NAS AULAS DE RECREAÇÃO

O DIA DO BIS NAS AULAS DE RECREAÇÃO O DIA DO BIS NAS AULAS DE RECREAÇÃO Profª Tatyanne Roiek Lazier 1 Prof. Esp. Cleber Mena Leão Junior (ABRE) 2 O objetivo principal deste estudo foi propor a inserção de um dia em que as crianças possam

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL II OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R INTRODUÇÃO A pesquisa é um procedimento reflexivo e crítico de busca de respostas para problemas ainda não solucionados. O

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

A Educação Física como meio de inclusão social: mito ou verdade?

A Educação Física como meio de inclusão social: mito ou verdade? A Educação Física como meio de inclusão social: mito ou verdade? Discente em formação do curso de Licenciatura Plena em Educação Física, da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB, Campus Jequié.

Leia mais

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo:

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo: 3 METODOLOGIA Apresenta-se a seguir a descrição da metodologia utilizada neste trabalho com o objetivo de expor os caminhos que foram percorridos não só no levantamento dos dados do estudo como também

Leia mais

Reciclando Sonhos: o Teatro em Comunidades no Contexto das ONGS

Reciclando Sonhos: o Teatro em Comunidades no Contexto das ONGS Reciclando Sonhos: o Teatro em Comunidades no Contexto das ONGS Lia Alarcon Lima Programa de Pós-Graduação em Teatro UDESC Mestranda Teatro Or. Profª Dra. Márcia Pompeo Nogueira Resumo: A pesquisa aqui

Leia mais

UM ESPAÇO DE ESTUDO SOBRE A INCLUSÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA

UM ESPAÇO DE ESTUDO SOBRE A INCLUSÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA UM ESPAÇO DE ESTUDO SOBRE A INCLUSÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA Aline Alcalá; Amanda Fernandes Dayrell; Danielle Martins Rezende; Gabriela Camacho; Renata Carmo-Oliveira O processo de inclusão de pessoas com necessidades

Leia mais

Perfil e Competências do Coach

Perfil e Competências do Coach Perfil e Competências do Coach CÉLULA DE TRABALHO Adriana Levy Isabel Cristina de Aquino Folli José Pascoal Muniz - Líder da Célula Marcia Madureira Ricardino Wilson Gonzales Gambirazi 1. Formação Acadêmica

Leia mais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais Situando o uso da mídia em contextos educacionais Maria Cecília Martinsi Dentre os pressupostos educacionais relevantes para a época atual, considera-se que as múltiplas dimensões do ser humano - intelectual,

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP ALVES, Crislaine 1; CARVALHO, Daiane 1; CRUZ, Júlia 1, FÉLIX, Michelle 1; FERREIRA, Juliane

Leia mais

A CONSTRUÇÃO HISTÓRICO CULTURAL DA DEFICIÊNCIA E AS DIFICULDADES ATUAIS NA PROMOÇÃO DA INCLUSÃO

A CONSTRUÇÃO HISTÓRICO CULTURAL DA DEFICIÊNCIA E AS DIFICULDADES ATUAIS NA PROMOÇÃO DA INCLUSÃO A CONSTRUÇÃO HISTÓRICO CULTURAL DA DEFICIÊNCIA E AS DIFICULDADES ATUAIS NA PROMOÇÃO DA INCLUSÃO (2009) Taís Evangelho Zavareze Psicóloga - CRP 12/07644 - Brasil. Especialista em Avaliação Psicológica.

Leia mais

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA Jacqueline Oliveira de Melo Gomes Faculdade de Formação de Professores da Mata Sul / FAMASUL-PE jacomgomes@yahoo.com.br

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil NOSSA MISSÃO: Por meio da educação formar cidadãos felizes, independentes, éticos e solidários VALORES: Respeito, honestidade, boa moral

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias.

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias. PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias. A INCLUSÃO DA CRIANÇA COM SINDROME DE DOWN E SEU PROCESSO

Leia mais

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Fernanda Pimentel Dizotti Academia de Ensino Superior fernandadizotti@gmail.com Norma Suely Gomes Allevato Universidade Cruzeiro do Sul normallev@uol.com.br

Leia mais

ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP

ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP 1 ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP Claudete da Silva Ferreira - IFESP Márcia Maria Alves de Assis - IFESP RESUMO Esta apresentação se

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Rosália Diogo 1 Consideramos que os estudos relacionados a processos identitários e ensino, que serão abordados nesse Seminário,

Leia mais

O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu

O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu GTT: Escola O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu Almir Zandoná Júnior 1 Fernando Henrique Silva Carneiro 2 Justificativa/Base teórica A entrada da Educação

Leia mais

LINGUAGENS ARTÍSTICAS E LÚDICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL.

LINGUAGENS ARTÍSTICAS E LÚDICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. LINGUAGENS ARTÍSTICAS E LÚDICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. ANA PAULA CORDEIRO ARTE ARTE? O QUE É? QUAL SUA NECESSIDADE? QUAL SUA FUNÇÃO? ARTE: O QUE É? ARTE Uma forma de criação de linguagens- a linguagem visual,

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

Como transformar a sua empresa numa organização que aprende

Como transformar a sua empresa numa organização que aprende Como transformar a sua empresa numa organização que aprende É muito interessante quando se fala hoje com profissionais de Recursos Humanos sobre organizações que aprendem. Todos querem trabalhar em organizações

Leia mais

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN Autor: Anne Charlyenne Saraiva Campos; Co-autor: Emerson Carpegiane de Souza Martins

Leia mais

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES Resumo Gabriela Jeanine Fressato 1 - Universidade Positivo Mariana Gomes de Sá Amaral

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre Sumário I. Apresentação do Manual II. A Prevenção de Acidentes com Crianças III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre IV. Como a Educação pode contribuir para a Prevenção de Acidentes no Trânsito V. Dados

Leia mais

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking.

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking. Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

Composição musical na educação infantil: uma experiência possível

Composição musical na educação infantil: uma experiência possível Composição musical na educação infantil: uma experiência possível Francine Kemmer Cernev francine@cernev.com.br Universidade Estadual de Londrina/ Colégio Nossa Senhora do Rosário, Cornélio Procópio/PR/

Leia mais

PNL Tecnologia, Metodologia e Atitude

PNL Tecnologia, Metodologia e Atitude 1 Dossiê Gilberto C. Cury Presidente da SBPNL - Sociedade Brasileira de Programação Neurolinguística Responsável por trazer a PNL ao Brasil, em 1981 gilberto@pnl.com.br PNL Tecnologia, Metodologia e Atitude

Leia mais

Blue Mind Desenvolvimento Humano

Blue Mind Desenvolvimento Humano Conhecendo o Coaching Por Fábio Ferreira Professional & Self Coach pelo Instituto Brasileiro de Coaching, com certificação internacional pela European Coaching Association e Global Coaching Community,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO FERNANDA SERRER ORIENTADOR(A): PROFESSOR(A) STOP MOTION RECURSO MIDIÁTICO NO PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS

EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS Cordeiro, Juliana SEMED/Pinhais, vínculo efetivo, Pinhais, Paraná, Brasil juliana.cordeiro@pinhais.pr.gov.br

Leia mais

O Trabalho Coletivo na Escola

O Trabalho Coletivo na Escola O Trabalho Coletivo na Escola Profa. Dra. Myrtes Alonso 1. A gestão da escola: uma relação pedagógico-administrativa Antes de ingressarmos propriamente no tema enunciado, devemos ter bem claro os modernos

Leia mais

Palavras-chave: Aprendizagem dialógica, aprendizagem escolar, conteúdos-escolares.

Palavras-chave: Aprendizagem dialógica, aprendizagem escolar, conteúdos-escolares. APRENDIZAGEM ESCOLAR NA PRIMEIRA DÉCADA DO SÉCULO XXI: POSSÍVEIS ENCONTROS COM A APRENDIZAGEM DIALÓGICA NOS CADERNOS DE PESQUISA 1 Adrielle Fernandes Dias 2 Vanessa Gabassa 3 Pôster - Diálogos Abertos

Leia mais

Profª. Maria Ivone Grilo Martinimariaivone@superig.com.br

Profª. Maria Ivone Grilo Martinimariaivone@superig.com.br Educação Inclusiva Direito à Diversidade O Ensino comum na perspectiva inclusiva: currículo, ensino, aprendizage m, conheciment o Educação Inclusiva Direito à Diversidade Profª. Maria Ivone Grilo Martinimariaivone@superig.com.br

Leia mais

A partir das coisas. ZUMTHOR, Peter. Pensar a arquitetura. Barcelona: Gustavo Gili, 2005. 66p. Alda Mirian Augusto de Oliveira*

A partir das coisas. ZUMTHOR, Peter. Pensar a arquitetura. Barcelona: Gustavo Gili, 2005. 66p. Alda Mirian Augusto de Oliveira* ZUMTHOR, Peter. Pensar a arquitetura. Barcelona: Gustavo Gili, 2005. 66p. A partir das coisas Alda Mirian Augusto de Oliveira* Pensar a arquitetura reúne seis conferências de Peter Zumthor, proferidas

Leia mais

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD Município: Pirassununga Estado: São Paulo Turma: 440 Pólo: Fundação de Ensino de Pirassununga Tutor (a): Inez Nunes Paula

Leia mais

Incorporando a teoria e refletindo sobre a prática em dança contemporânea

Incorporando a teoria e refletindo sobre a prática em dança contemporânea Incorporando a teoria e refletindo sobre a prática em dança contemporânea Suzi Weber Departamento do Teatro da UFRGS Mestra (Université du Québec à Montreal (UQAM) Doutoranda Resumo: O corpo social refere-se

Leia mais

XIII Congresso Estadual das APAEs

XIII Congresso Estadual das APAEs XIII Congresso Estadual das APAEs IV Fórum de Autodefensores 28 a 30 de março de 2010 Parque Vila Germânica, Setor 2 Blumenau (SC), BRASIL A IMPORTÂNCIA E SIGNIFICÂNCIA DO TRABALHO EM EQUIPE INTERDISCIPLINAR

Leia mais

TRILHEIROS QUE BUSCAM ENSINAGEM NA MODA. Rogério Justino FLORI fotoflori@gmail.com Faculdade de Artes Visuais - Universidade Federal de Goiás

TRILHEIROS QUE BUSCAM ENSINAGEM NA MODA. Rogério Justino FLORI fotoflori@gmail.com Faculdade de Artes Visuais - Universidade Federal de Goiás TRILHEIROS QUE BUSCAM ENSINAGEM NA MODA Rogério Justino FLORI fotoflori@gmail.com Faculdade de Artes Visuais - Universidade Federal de Goiás Irene TOURINHO irenetourinho@yahoo.es Faculdade de Artes Visuais

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA A ESCOLA INCLUSIVA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA A ESCOLA INCLUSIVA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA A ESCOLA INCLUSIVA Vera Lúcia de Brito Barbos Mestranda em Educação Lúcia de Araújo R. Martins UFRN 1. INTRODUÇÃO Podemos considerar que estamos atravessando um dos maiores

Leia mais

Palavras-chave: aulas coletivas; motivação; execução musical; flauta transversal; prática interpretativa.

Palavras-chave: aulas coletivas; motivação; execução musical; flauta transversal; prática interpretativa. 794 AULAS COLETIVAS DE INSTRUMENTO COMO FATOR DE MOTIVAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EXECUÇÃO MUSICAL DE FLAUTISTAS EM CURSOS DE GRADUAÇÃO. José Benedito Viana Gomes Universidade Federal do Estado do Rio

Leia mais

AVALIAÇÃO ESCOLAR E INTERVENÇÃO NO DESENHO INFANTIL: UMA PROPOSTA DE CRITÉRIOS PARA ANÁLISE.

AVALIAÇÃO ESCOLAR E INTERVENÇÃO NO DESENHO INFANTIL: UMA PROPOSTA DE CRITÉRIOS PARA ANÁLISE. AVALIAÇÃO ESCOLAR E INTERVENÇÃO NO DESENHO INFANTIL: UMA PROPOSTA DE CRITÉRIOS PARA ANÁLISE. Mônica Cintrão França Ribeiro Universidade Paulista (UNIP) Comunicação Científica RESUMO O objetivo desse estudo

Leia mais

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL Introdução Com frequência as tecnologias digitais estão sendo empregadas pelos educadores em

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Rendimento escolar, fracasso escolar, prática educativa.

PALAVRAS-CHAVE: Rendimento escolar, fracasso escolar, prática educativa. 1 RENDIMENTO ESCOLAR: ACOMPANHAMENTO PEDAGÓGICO PARA ESTIMULOS À APRENDIZAGEM NO ENSINO DE FÍSICA E MATEMÁTICA. Lidiane Prestes Auad 1 Professora Orientadora: Sonia Regina Silva Duarte 2 Resumo O estudo

Leia mais

Mini-curso - Descrição

Mini-curso - Descrição Mini-curso - O CORPO NA DINÂMICA DE CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO: ENSINAR A CONDIÇÃO HUMANA E ENSINAR A IDENTIDADE TERRENA Autora: Profª Drª Alice Maria Corrêa Medina Universidade de Brasília - UnB Resumo

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior UNIrevista - Vol. 1, n 2: (abril 2006) ISSN 1809-4651 A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior Marilú Mourão Pereira Resumo Fisioterapeuta especialista em neurofuncional

Leia mais

Corpo e Fala EMPRESAS

Corpo e Fala EMPRESAS Corpo e Fala EMPRESAS A Corpo e Fala Empresas é o braço de serviços voltado para o desenvolvimento das pessoas dentro das organizações. Embasado nos pilares institucionais do negócio, ele está estruturado

Leia mais

Edenilson Fernando Catarina 1 ; Leisi Fernanda Moya 2

Edenilson Fernando Catarina 1 ; Leisi Fernanda Moya 2 A CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES SOBRE A DANÇA, JOGOS E BRINCADEIRAS NO CONTEXTO ESCOLAR Experiência teórica e prática por meio de um projeto extensionista Edenilson Fernando Catarina 1 ; Leisi Fernanda Moya

Leia mais

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO Rebeca Vieira de Queiroz Almeida Faculdade Saberes Introdução O presente texto é um relato da experiência do desenvolvimento do projeto

Leia mais

7 Conclusão e sugestões para futuros estudos

7 Conclusão e sugestões para futuros estudos 7 Conclusão e sugestões para futuros estudos Neste capítulo são apresentadas as conclusões do estudo, em seguida é feita uma reflexão sobre os objetivos iniciais do trabalho, as sugestões para estudos

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Educação Física do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo busca preencher

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais