>>Sumário. Gestão de Pessoas 8. Histórico do SESCOOP/GO 5. Gestão interna 40. Mensagem do Presidente 4. SESCOOP/GO Missão, Visão e Valores

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download ">>Sumário. Gestão de Pessoas 8. Histórico do SESCOOP/GO 5. Gestão interna 40. Mensagem do Presidente 4. SESCOOP/GO Missão, Visão e Valores"

Transcrição

1

2

3 >>Sumário Histórico do SESCOOP/GO 5 Gestão de Pessoas 8 Gestão interna 40 Mensagem do Presidente 4 SESCOOP/GO Missão, Visão e Valores Estrutura de Governança 6 17 Números do SESCOOP/GO 21 Reponsabilidade Socioambiental Relatório Contábil SESCOOP/GO 23 47

4 >> >> Mensagem do Presidente Prezados (as) Dirigentes, Trabalhando de forma conjunta com a OCB-GO, o SESCOOP/GO também não passou incólume aos desígnios do ambiente econômico, com claros reflexos sociais, no ano passado. Restrição da atividade econômica impacta inevitavelmente no plano de longo prazo das empresas e organizações e, por conseguinte, no trabalho de formação humana realizado no ambiente corporativo. Ainda assim, o SESCOOP/GO voltou a registrar um saldo positivo de sua missão, qual seja a de prover capacitação e qualificação para cooperados e funcionários das cooperativas. Cumpriu de novo em 100% sua meta de atividades estipuladas para o exercício, beneficiando mais de 32 mil pessoas em todo o estado. Subimos o número de atividades desenvolvidas nas mais diferentes esferas da formação humana. Algumas dessas atividades chegam também às comunidades. Foram nada menos do que 573 atividades, alta de quase 50% em relação ao ano anterior. Crescemos também no número de cooperativas contempladas (108 para 128) e o número de horas-aula do período. Ainda que as quase 33 mil pessoas beneficiadas tenham ficado abaixo do que registramos em 2011 (41,4 mil pessoas), esse recuo deriva do adiamento das atividades do Cooperjovem para este ano e, principalmente, da opção de realizar mais cursos sequenciados do que eventos únicos. De qualquer maneira, isso não mexeu em nossa tradicional performance de realização de uma ampla programação de qualificação e treinamento dos recursos humanos de nossas cooperativas. Isto porque continuamos a acreditar cada vez mais nos processos de transferência de conhecimento como a mais eficaz força motriz do desenvolvimento de nossas cooperativas. E não devemos esquecer de que isso é uma verdade não só para nós, cooperativistas, mas também para as empresas que disputam conosco espaço num mercado cada vez mais competitivo. Por fim, queremos reiterar aqui o convite a todos os presidentes e dirigentes de cooperativas a buscarem sempre o apoio do SESCOOP/GO neste trabalho de qualificação pessoal. Já não é tempo de tratar de formação humana como um trabalho extra, mas como uma necessidade de sobrevivência no mercado. De nossa parte, o SESCOOP/GO estará sempre a postos para cumprir sua missão e ajudar as cooperativas a crescerem juntas com seus quadros de pessoal, seus cooperados, familiares e comunidades. Boa leitura e saudações cooperativistas. Continuamos a acreditar cada vez mais nos processos de transferência de conhecimento como a mais eficaz força motriz do desenvolvimento de nossas cooperativas HAROLDO MAX DE SOUSA Presidente do Sistema OCB/SESCOOP-GO 4 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES SESCOOP/GO 2012

5 >> Histórico do SESCOOP/GO O SESCOOP/GO (Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado de Goiás) é um órgão descentralizado, criado pelo Conselho Nacional, e vinculado ao Sindicato e Organização das Cooperativas Brasileiras no Estado de Goiás OCB-GO, nos termos da Medida Provisória nº 1.715, de 03 de setembro de 1998, e suas edições, e do Decreto nº 3.017, de 07 de abril de 1999, sendo instalado efetivamente em 28 de outubro 1999.O SESCOOP/GO está também sob vinculação do Ministério do Trabalho, Emprego e Renda e tem a missão de promover, apoiar e executar as ações de formação profissional e promoção social no âmbito das cooperativas goianas, com foco básico de atuação nos empregados e cooperados destas cooperativas. Com o SESCOOP/GO, o cooperativismo goiano ganhou novo impulso porque soma a representação política da OCB-GO, a formação de novos líderes e o incremento da qualificação profissional e promoção social dos cooperados, o que representa um incentivo a mais para a autogestão das cooperativas. SESCOOP/GO 2012 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 5

6 >> Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado de Goiás CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO: Presidente: Haroldo Max de Sousa CONSELHEIROS EFETIVOS: Antonio Chavaglia (Cooperativa: Comigo) Conselheiro: Sizenando da Silva Campos Jr. (Cooperativa: Unimed Goiânia) Conselheiros: Astrogildo Gonçalves Peixoto (Cooperativa:Sicoob Goiás Coapil) Gesmar João Amorim (Cooperativa:Coapil) MEMBROS SUPLENTES: Julio Sânzio Vilela (Cooperativa: Comiva) João Batista da Paixão Jr. (Cooperativa: Cooperbelgo) Renato Nobile (Sescoop Nacional) Antonio Moraes Resende (Cooperativa: Centroleite) CONSELHO FISCAL Conselheiros efetivos: Enio Freitas de Sene (Cooperativa: Sicredi Vale GO) José Mário Pereira Lima (Cooperativa: Comai) Carlos Henrique Arruda Duarte (Cooperativa:Coacal) Conselheiros suplentes: Leopoldo José de Araújo (Cooperativa: Sicoob Credicapa) Cinézio Rezende (Cooperativa: Codrhil) Esmeraldo Alves Barbosa (Cooperativa:Cotrac) Superintendente: Valéria Mendes da Silva >> >> >> Missão Promover o desenvolvimento do cooperativismo de forma integrada e sustentável, por meio da formação profissional, da promoção social e do monitoramento das cooperativas, respeitando sua diversidade, contribuindo para sua competitividade e melhorando a qualidade de vida dos cooperados, empregados e familiares. Visão Ser reconhecida como forte componente de liderança do cooperativismo e de influência decisiva no desenvolvimento econômico e social dos seus sindicatos filiados e, consequentemente, das cooperativas do Centro-Oeste e Tocantins. Valores do Cooperativismo As cooperativas baseiam-se em valores de ajuda mútua e responsabilidade, democracia, igualdade, equidade e solidariedade. Na tradição dos seus fundadores, os membros das cooperativas acreditam nos valores éticos da honestidade, transparência, responsabilidade social e preocupação pelo seu semelhante. 6 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES SESCOOP/GO 2012

7 Representação do Cooperativismo Goiano SESCOOP/GO O Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado de Goiás (SESCOOP/GO), órgão descentralizado, com personalidade jurídica de direito privado, instituído pelo seu Conselho Nacional nos termos da Medida Provisória n.º 1.715, de 03 de setembro de 1998, e suas reedições, e regulamentado pelo Decreto n.º 3.017, de 06 de abril de 1999, é integrante do Sistema Cooperativista Nacional e presidido, na forma da lei, pelo Presidente do Sindicato e Organização das Cooperativas Brasileiras no Estado de Goiás (OCB-GO), sem prejuízo da fiscalização da aplicação de seus recursos pelo Tribunal de Contas da União (TCU), e cuja finalidade é a de executar as ações de monitoramento, formação profissional e promoção social no âmbito das cooperativas do estado de Goiás. SISTEMA OCB/SESCOOP-GO A Assembleia Geral é o órgão supremo da OCB-GO, com poderes para decidir sobre os interesses sociais, desde que dentro dos limites da Lei e do seu Estatuto, e suas deliberações são vinculadas a todos, ainda que ausentes e discordantes. Diferente para o SESCOOP/GO, em que pese ser seu Conselho Administrativo, o órgão máximo no âmbito da Administração Estadual. Os órgãos de deliberação, fiscalização e assessoramento tanto da OCB-GO quanto do SESCOOP/GO são o Conselho Administrativo, Conselho Fiscal e a Superintendência. Cabe ao Conselho Administrativo difundir e implementar as políticas, diretrizes, programas, projetos e normativos, com estrita observância da legislação, contribuindo para que as atribuições e os objetivos das entidades sejam prontamente alcançados. Ao Conselho Fiscal cabe acompanhar e fiscalizar as execuções financeiras, orçamentárias e os atos de gestão, bem como examinar e emitir pareceres sobre o balanço geral e demais demonstrações financeiras, dentre outras. Ambas as Instituições são auditadas. A OCB-GO por auditoria independente e o SESCOOP/GO pela Auditoria Operacional do Sescoop Nacional e pelas auditoriasdos órgãos de controle: a Controladoria Geral da União (CGU) e Tribunal de Contas da União (TCU). Cabe à presidência e à superintendência, a gestão do Sistema OCB/SESCOOP-GO, cujas ações são verificadas e acompanhadas rigorosamente tanto pelo Conselho Administrativo quanto pelo Conselho Fiscal por meio de reuniões ordinárias e extraordinárias, conforme determinam seus Estatutos e Regimentos Internos. A OCB-GO e o SESCOOP/GO trabalham, juntos, com a finalidade de dar apoio às cooperativas goianas no que tange aos aspectos de constituição, funcionamento, desenvolvimento e sustentabilidade do negócio. A estrutura administrativa e operacional das duas casas permite dar o apoio a esta relação, sempre com qualidade, transparência, agilidade e probidade, contribuindo, desta forma, para o avanço e o desenvolvimento das cooperativas e o conseqüente fortalecimento do cooperativismo no estado. O Sistema OCB/SESCOOP-GO tem sua estrutura organizacional demonstrada através do organograma simplificado, a seguir, sendo idealizada para melhor executar suas atividades, com flexibilidade e transparência. A estrutura administrativa e operacional das duas entidades permite dar apoio às cooperativas, sempre buscando fazê-lo com qualidade, transparência, agilidade e probidade. SESCOOP/GO 2012 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 7

8 >> >> Gestão de Pessoas Estrutura de Pessoal da Unidade O regime jurídico dos empregados do Sescoop é o da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) e respectiva legislação complementar. O SESCOOP/GO observa as normas gerais de tutela do trabalho, previstas na CLT e outras normas específicas constantes da Norma de Pessoal, expedida pelo Conselho Nacional do Sescoop, acerca dos procedimentos para admissão de todos os seus empregados, zelando pelos aspectos éticos das contratações, do contrato de trabalho e de suas obrigações. Conforme demonstrado no quadro a seguir, o número de empregados do SESCOOP/GO, em dezembro de 2012, retratou o quantitativo de 14 pessoas, três a mais em relação ao exercício anterior. Contou, ainda, com 03 pessoas jurídicas prestadoras de serviços contínuos, uma na área jurídica, uma na área de vigilância e uma na área de limpeza. A gestão do capital humano tem grande importância no SESCOOP/GO, dada sua responsabilidade de formar competências que trabalharão no desenvolvimento do cooperativismo goiano. A instituição entende que as pessoas são determinantes para o sucesso das empresas. É a força de trabalho que aglutina e preserva a cultura e os valores da organização. Diferentemente de, por exemplo, tecnologia e equipamentos, que podem ser adquiridos de um fornecedor, a cultura e os valores organizacionais são construídos em longo prazo. Um ambiente de trabalho saudável, atrativo e motivador impulsionam a produtividade organizacional e aumenta o nível de satisfação de seus colaboradores. Por isso, o Sescoop investe constantemente na valorização e na melhoria da qualidade de vida do seu quadro de pessoal. A Unidade do SESCOOP/GO dedica ao público interno atenção e cuidado semelhantes aos destinados às cooperativase a seus associados e empregados. Uma das prioridades é a capacitação e o desenvolvimento de seus colaboradores. Paralelamente, procura-se criar um clima organizacional positivo, que estimula a confraternização, o trabalho em equipe e o envolvimento das equipes em ações de voluntariado, nas campanhas promovidas pelo SESCOOP/GO: doação de sangue no Dia Internacional do Cooperativismo; arrecadação de livros e materiais esportivos para doação às escolas do programa Cooperjovem; coleta de papeis, jornais e revistas para doação ao Hospital do Câncer; dentre outros. Com treze anos de atuação, o Sescoop vê-se diante de desafios comuns a organizações que se relacionam com um cenário dinâmico, exigindo contínuo aprimoramento dos processos de trabalho. Por isso, a entidade vem crescendo e se desenvolvendo no sentido de melhor atender aos seus objetivos organizacionais.da mesma forma, os gestores do SESCOOP/GO primam pela excelência do clima organizacional da instituição, pois têm plena ciência do quanto afeta a motivação, o desempenho e a satisfação no trabalho e por isso, busca continuamente identificar os aspectos que precisam ser melhorados, em busca da satisfação e bem-estar dos colaboradores. Mesmo com toda preocupação na valorização de seu quadro de pessoal, por falta de um Plano de Cargos, Carreiras e Salários, o SESCOOP/GO enfrentou, a exemplo já de alguns anos, uma grande rotatividade de pessoal, como pode ser observado ao longo dos anos, no quadro a seguir. Outros fatores que podem ter colaborado para esse turnover dizem 8 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES SESCOOP/GO 2012

9 respeito à remuneração inadequada, e, também, falta de mão de obra qualificada que consiga suprir as necessidades da entidade. O quadro de pessoal do SESCOOP/GO somava 14 colaboradores, em 2012, sendo que destes, 42,86% (06) ingressaram na instituição há menos de dois anos, compondo um quadro jovem e em fase de consolidação. Os gráficos demonstram, ainda, que o SESCOOP/GO fechou 2012 com 71% dos colaboradores do sexo feminino. Quanto à faixa etária, 43% (06) dos profissionais encontram-se na faixa etária entre 31 e 40 anos de idade, e no que se refere à escolaridade, a entidade apresenta um quadro de colaboradores com excelente nível de qualificação, onde 64% (09) dos colaboradores são pós-graduados. PERCENTUAL DE EMPREGADOS POR SEXO PERCENTUAL DE EMPREGADOS POR FAIXA ETÁRIA 29 % 71 % 29 % 14 % 14 % Feminino Masculino 43 % De 21 a 25 anos De 26 a 30 anos De 31 a 40 anos Mais de 41 anos PERCENTUAL DE EMPREGADOS POR TEMPO DE CASA PERCENTUAL DE EMPREGADOS POR ESCOLARIDADE 21 % 43 % 64 % 36 % 14 % 22 % 0 % Até 1 ano De 1,1 a 2 anos De 2,1 a 5 anos Mais de 10 anos Graduação Pós-Graduação cursando Pós-Graduação completo SESCOOP/GO 2012 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 9

10 >> >> Organograma do SESCOOP/GO 10 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES SESCOOP/GO 2012

11 >> Sumário Executivo O cooperativismo é um movimento voltado para formas associativas e democráticas de organização da produção, do trabalho e do consumo, com o foco no atendimento às necessidades comuns dos seus associados e não apenas no lucro, no que se diferencia dos demais empreendimentos. A importância do cooperativismo pode ser avaliada em razão de recente estudo da Aliança Cooperativa Internacional (ACI) que apontou que as cooperativas somam aproximadamente 1 bilhão de membros em 90 países do mundo, o que equivale a 1/7 da população da Terra. De cada 07 (sete) pessoas no mundo, 01 (uma) está associada a uma cooperativa. No Brasil, estima-se em 30 milhões o número de pessoas envolvidas com o cooperativismo. Embora sejam sociedades sem fins lucrativos, as cooperativas atuam numa economia de mercado e em concorrência com empresas essencialmente privadas. Apesar das diferenças na propriedade do capital, na destinação dos resultados, e na relação com as comunidades, as cooperativas agem em um ambiente competitivo em que predominam o mercado e as empresas capitalistas e, portanto, devem estar bem preparadas. Diante disso, o sistema cooperativista depara-se com o desafio de atender às demandas sociais de seus cooperados e de seu entorno e, ao mesmo tempo, desenvolver-se em conformidade com um mercado altamente competitivo. O segmento cooperativista, público-alvo do SESCOOP/GO, abrange, em Goiás 11 dos 13 ramos econômicos, fechando 2012 com um universo de 219 cooperativas, que somaram mais de 157 mil associados, superando o número de 8 mil empregados. Internamente, o SESCOOP/GO teve um ano costumeiramente movimentado em 2012, quando várias atividades foram realizadas, dando continuidade ao processo de formação e capacitação de dirigentes e gestores cooperativistas. Eventos que contribuem significativamente do ponto de vista da disseminação de conhecimentos e funcionam sempre como agregador do espírito cooperativista, promovendo a intercooperação. Reduzimos, um pouco, o número de participantes nos cursos e atividades de capacitação e promoção social em 2012, devido à reformulação e transferência de 10 atividades do Programa Cooperjovem para 2013, porém, aumentamos em 46,5% o número de ações nesse exercício, fechando o ano com pessoas atendidas em 573 atividades, ou seja, foram centenas de cursos, palestras e encontros específicos para as necessidades profissionais de cooperados e colaboradores. Colhemos bons indicadores em 2012, fruto de um trabalho que se mantém competente e bem executado ao longo dos anos. Como já mencionado e poderá ser verificado em diversos itens deste documento, o SESCOOP/GO, em 2012, voltou a realizar 100% de seu planejamento no que se refere às metas previstas de formação profissional, tendo, apenas, prorrogado para 2013, algumas poucas atividades de promoção social, ligadas ao Programa Cooperjovem, fato que consolida o trabalho sério e de qualidade que cresce inclusive para fora dos circuitos cooperativistas, atendendo também às comunidades vizinhas de nossas cooperativas. Cabe ressaltar aqui, por exemplo, os números dos projetos Cooperjovem e Sorriso, frutos de nossa preocupação para com as próximas gerações. O Cooperjovem é o excelente trabalho realizado em parceria com cooperativas e escolas públicas do ensino fundamental que leva ensinamentos de cidadania cooperativista para as salas de aula. Em Goiás, trabalhamos em 2012, com pessoas. Já o projeto Sorriso é a parceria celebrada entre o SESCOOP/GO e as cooperativas Uniodonto Goiânia e Uniodonto Sudoeste Goiano (Rio Verde) para levar ensinamentos de saúde bucal a crianças e adultos às regiões mais necessitadas da região Metropolitana de SESCOOP/GO 2012 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 11

12 >> Goiânia e de Rio Verde. Por essa parceria foram beneficiadas no ano passado pessoas. De nossa parte, recebemos essa demanda crescente primeiro como um indicador de que trilhamos o caminho certo e segundo como um desafio para continuarmos aprimorando cada vez mais os serviços prestados pelo SESCOOP/GO para fazer jus à sua importância institucional em Goiás. Nosso intuito à frente do cooperativismo goiano segue sendo mais do que liderar sonhos, conclamar a todos para que este sonho possa se tornar peça de uma realidade palpável a um maior número possível de pessoas. Daí o Sescoop se constituir num instrumento fundamental e de incontestável importância para a capacitação e qualificação profissional dos empregados das cooperativas, cooperados e seus familiares, para que surjam novas lideranças preparadas para assumirem, verdadeiramente, seus negócios. Sabemos que da mesma forma que uma empresa mercantil, as cooperativas que querem se perenizar, participar do crescimento brasileiro e se inserir no mercado global, têm que aderir cada vez mais aos conceitos e práticas de excelência em gestão e de sustentabilidade, pois somente desta forma terão condições de obter o retorno sobre seu investimento, gerar resultados aos seus associados e garantir condições futuras de mercado. Para tanto, é necessário o envolvimento e comprometimento dos seus empregados e cooperados com a O SESCOOP/GO teve um ano costumeiramente movimentado em 2012, quando várias atividades foram realizadas, dando continuidade ao processo de formação e capacitação de dirigentes e gestores cooperativistas. finalidade de otimizar o desempenho e, ao mesmo tempo, proteger todas as partes relacionadas à cooperativa. Somente com uma boa estrutura de gestão ajuda a cooperativa a conquistar essa vantagem competitiva em um ambiente com muitos e complexos desafios, como manter o crescimento e melhorar a rentabilidade; otimizar a estrutura e o custo de capital; promover as capacitações necessárias para enfrentar a concorrência; aumentar os ativos intangíveis e o estoque de capital humano; identificar novas oportunidades de atuação no mercado e incentivar a inovação e estratégias de competição, sem nunca deixar de lado, os pilares da sustentabilidade socioambiental. Diante disso, o SESCOOP/GO desde o início de suas atividades, em 1999, vem buscando executar as ações de qualificação profissional e promoção social para os cooperados e empregados das cooperativas goianas, com o máximo de personalização e qualidade possíveis; e sempre com a preocupação de que os Planos de Trabalho, que direcionam a utilização dos seus recursos, contemplem as reais necessidades das cooperativas, observando os princípios da economicidade, eficiência e eficácia da gestão, bem como a preservação da legitimidade e legalidade de todos os atos praticados. É certo que a satisfação pelos êxitos alcançados não nos permite adotar uma postura de tranquilidade. Antes, nos inquieta quanto às posições conquistadas, pois estas necessitam ser mantidas, além de outras que precisam ser alcançadas. O SESCOOP/GO tem orgulho de dizer que o cooperativismo goiano fez dele um instrumento de promoção da sustentabilidade técnica e gerencial de nossas cooperativas. Podemos dizer hoje, sem medo de errar, que o cooperativismo goiano, como de resto em todo o país, é melhor por causa do compromisso que assumimos na gestão do SESCOOP/GO de elevar o nível de qualificação de todos os colaboradores cooperativistas, do mais simples funcionário ao alto executivo. 12 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES SESCOOP/GO 2012

13 CAPÍTULO 1 >> Identificação da Unidade Constituição e Natureza da Entidade A criação do Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (Sescoop) foi oficializada pela Medida Provisória 1.715, de 03 de setembro de O Decreto 3.017, de 06 de abril do ano seguinte, complementou a medida provisória, instituindo regulamentos e dispositivos que disciplina a atuação do Sescoop. O Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado de Goiás (SESCOOP/GO) é um órgão descentralizado, criado pelo Conselho Nacional, e vinculado ao Sindicato e Organização das Cooperativas Brasileiras no Estado de Goiás (OCB-GO), nos termos da Medida Provisória 8º 1.715, de 03 de setembro de 1998, e suas edições, e do Decreto nº 3.017, de 07 de abril de 1999, tendo sido instalado efetivamente em 28 de outubro Finalidade e Competências Institucionais O Sescoop integra o Sistema Cooperativista Brasileiro, fornecendo-lhe suporte em formação profissional - técnica e gerencial. A entidade atua também na promoção social dos cooperados, empregados e familiares, bem como no monitoramento/ desenvolvimento das cooperativas. Do ponto de vista formal, o Sescoop é uma entidade civil de direito privado, sem fins lucrativos, constituída sob o regimento de serviço social autônomo. A Instituição é mantida por recursos de natureza parafiscal. Os valores das contribuições, feitas pelas cooperativas, são definidos a partir de um percentual sobre as folhas de pagamento. Composto por uma Unidade Nacional e por 27 unidades estaduais, é considerado uma entidade "paraestatal", pois desempenha serviços não exclusivos do Estado, em colaboração com ele, recebendo incentivos do poder público. Por essa razão, está sujeito a controle pela Administração Pública e pelo Tribunal de Contas da União (TCU). Em linhas gerais, a Unidade Nacional do Sescoop é responsável pela normatização de procedimentos e pela definição das linhas de atuação a serem adotadas pelas unidades estaduais. Estas, por sua vez, devem seguir essas diretrizes sem, contudo, deixar de atender às demandas específicas de sua região. Constituem objetivos do Sescoop, segundo o seu Regimento Interno, aprovado pelo Decreto 3.017, de : >> Organizar, administrar e executar o ensino e formação profissional, a promoção social dos empregados de cooperativas, cooperados e de seus familiares, e o monitoramento das cooperativas em todo o território nacional; >> Operacionalizar o monitoramento, a supervisão, a auditoria e o controle em cooperativas, conforme aprovado em Assembleia Geral da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB); >> Assistir às sociedades cooperativas empregadoras na elaboração e execução de programas de treinamento e na realização da aprendizagem metódica e contínua; >> Estabelecer e difundir metodologias adequadas à formação profissional e à promoção social do empregado de cooperativa, do dirigente de cooperativa, do cooperado e de seus familiares; >> Exercer a coordenação, a supervisão e a realização de programas e de projetos de formação profissional e de gestão em cooperativas, para empregados, cooperados e seus familiares; SESCOOP/GO 2012 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 13

14 >> >> Colaborar com o poder público em assuntos relacionados à formação profissional e à gestão cooperativista e outras atividades correlatas; >> Divulgar a doutrina e a filosofia cooperativista como forma de desenvolvimento integral das pessoas; >> Promover e realizar estudos, pesquisas e projetos relacionados ao desenvolvimento humano, ao monitoramento e à promoção social, de acordo com os interesses das sociedades cooperativas e de seus integrantes. Os Macroprocessos do SESCOOP/GO Em razão principalmente do Plano Estratégico aprovado e em execução, procedemos à reflexão sobre a estrutura organizacional de forma a estabelecer o suporte necessário ao cumprimento da nossa missão e alcance dos objetivos estabelecidos. Nesse sentido, foram identificados, mediante parceria com a FGV, contratada pelo Sescoop Nacional, para desenvolvimento do Plano de Cargos, Carreiras e Salários de 20 (vinte) Unidades do Sescoop, dentre elas, o SESCOOP/GO, os macroprocessos, demonstrados e descritos a seguir. 14 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES SESCOOP/GO 2012

15 CAPÍTULO 2 >> Planejamento Estratégico e Plano de Metas e Ações Os alvos da atuação do Sescoop são as cooperativas, seus associados e empregados, bem como os respectivos familiares. O trabalho da entidade organiza-se a partir de quatro áreas de atuação. São elas: >> Formação/capacitação profissional; >> Promoção social; >> Monitoramento e desenvolvimento de cooperativas; >> Gestão do sistema. As ações do Sescoop para fortalecimento das cooperativas englobam capacitação, valorização e melhor aproveitamento dos cooperados e empregados. Desse modo, a entidade busca alçá-los a patamares mais elevados de inovação e excelência, favorecendo a competitividade dos produtos e serviços. No cumprimento da sua missão o SESCOOP/GO atua visando criar condições favoráveis ao desenvolvimento do cooperativismo goiano e propiciar a superação dos desafios encontrados pelas entidades cooperativistas em seus ambientes de atuação. >> Doutrina e Princípios: realiza ações no sentido de tornar a doutrina e princípios do cooperativismo conhecidos e praticados; >> Cooperativas: propicia condições para a implantação de governança e gestão profissionalizadas das cooperativas, possibilitando atuação em ambientes competitivos, por intermédio da capacitação dos dirigentes, cooperados e empregados. Assim, trabalha no sentido da sustentabilidade dos empreendimentos cooperativos. >> Legislação: atua em parceria com entidades, principalmente OCB- GO, buscando tornar a legislação, sua interpretação e aplicação pelos órgãos julgadores e fiscalizadores, adequada aos preceitos cooperativistas; >> Resultados: realiza ações de monitoramento do desempenho das cooperativas, propondo as medidas adequadas à obtenção de resultados econômicos e sociais positivos. Cuida, em parceria com a OCB-GO, da transparência e divulgação dos resultados do sistema cooperativista. >> Cultura da cooperação: realiza atividades visando sensibilizar a sociedade sobre a importância da cultura da cooperação, como forma de propiciar desenvolvimento econômico e social; >> Imagem: atua, em parceria com a OCB-GO, no sentido de divulgar, zelar e fortalecer a imagem do cooperativismo junto à sociedade. SESCOOP/GO 2012 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 15

16 >> >> Plano Estratégico do SESCOOP/GO O Plano Estratégico do Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (Sescoop) foi aprovado pelo Conselho Nacional em agosto de 2010 e apresenta como desafio impulsionar a atuação da entidade em prol do desenvolvimento das cooperativas brasileiras, dando maior visibilidade aos resultados gerados em favor do público-alvo. Por ser um plano corporativo, as macroestratégias nele definidas representam um esforço conjunto entre as unidades estaduais e a unidade nacional para a concretização de resultados. A partir do plano corporativo do Sescoop , o SESCOOP/GO realizou a construção do seu Plano Estratégico para o Exercício , validado em junho de 2011 por seu Conselho Administrativo, que se deu de forma participativa, observando as seguintes etapas: >> Análise do Plano Estratégico Sescoop , >> Análise dos desafios do cooperativismo no estado; >> Análise dos ambientes de atuação do Sescoop (externo e interno). >> Formulação da Visão de Futuro do SESCOOP/GO >> Escolha dos Objetivos Estratégicos, Linhas e Ação e Indicadores, para o horizonte do plano estratégico; >> Proposta de Projetos para implementação do Plano Estratégico. O planejamento, da forma como foi concebido, apresenta como desafio impulsionar a atuação do SESCOOP/GO em prol do desenvolvimento das cooperativas goianas, dando maior visibilidade aos resultados gerados em favor do público-alvo, cujos Valores, Missão, Visão e Objetivos Estratégicos foram consolidados conforme a seguir: VALORES COOPERATIVAS COOPERADOS EMPREGADOS DAS COOPERATIVAS FAMÍLIAS Gestão profissionalizada Educação cooperativista e em gestão cooperativa Formação profissional de qualidade Conhecimento da cultura da cooperação e exercício do empreendedorismo PROPOSTA DE VALOR Envolvimento maior dos cooperados com suas cooperativas Sensibilização para a responsabilidade socioambiental Desenvolvimento de lideranças cooperativistas Transparência da gestão Conhecimento da cultura da cooperação e exercício do empreendedorismo Melhores condições de saúde e segurança no trabalho Ambiente propício à cooperação Transparência da gestão Padrões de qualidade em gestão e governança cooperativistas 16 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES SESCOOP/GO 2012

17 CAPÍTULO 3 >> Estrutura de Governança A estrutura de gestão do SESCOOP/GO obedece às melhores práticas de governança corporativa, respeitando os quatro princípios básicos desse modelo de administração: >> Transparência Não só em relação aos dados contábeis, mas a todos os assuntos que possam gerar conflitos de interesses internos ou externos; >> Equidade Igualdade de tratamento a todos os grupos, sejam eles conselheiros, governos, cooperados, empregados, etc.; >> Prestação de contas Os gestores do Sescoop prestam contas à sociedade, ao sistema cooperativista e ao governo sobre todos os atos praticados no exercício de seu mandato; >> Responsabilidade Conjunto de ações que garantam a sustentabilidade do negócio, o desenvolvimento da comunidade e a preservação do meio ambiente. A entidade é administrada de forma colegiada e conta com a seguinte estrutura: um conselho nacional, um conselho fiscal e uma diretoria executiva, composta por um presidente e um superintendente. A presidência da entidade é cargo privativo do presidente da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB). Esse modelo de gestão é reproduzido nas unidades estaduais, onde as atividades são definidas e fiscalizadas pelos respectivos conselhos deliberativos e fiscais, em consonância com as diretrizes nacionais da instituição. Entenda, a seguir, o papel de cada um desses órgãos. Os órgãos de deliberação, fiscalização e assessoramento do SESCOOP/GO, são: conselho administrativo, conselho fiscal e a diretoria executiva (presidente e superintendente). >> Cabe ao conselho administrativo difundir e implementar as políticas, diretrizes, programas, projetos e normativos, com estrita observância das deliberações e decisões do conselho nacional, contribuindo para que as atribuições e os objetivos da entidade sejam prontamente alcançados. >> Cabe ao conselho fiscal acompanhar e fiscalizar as execuções financeiras, orçamentárias e os atos de gestão, bem como examinar e emitir pareceres sobre o balanço geral e demais demonstrações financeiras, dentre outras. O SESCOOP/GO não possui unidade de auditoria interna, ficando tal incumbência sob a responsabilidade do Sescoop Nacional. >> Cabe à diretoria executiva a gestão do SESCOOP/GO, cujas ações são verificadas e acompanhadas rigorosamente, tanto pelo conselho administrativo quanto pelo conselho fiscal, através de reuniões bimensais, conforme determina o regimento interno da entidade. O resultado dos trabalhos de auditoria interna é monitorado com auxílio de uma matriz de riscos, baseada nas melhores práticas geralmente aceitas, que permite visualizar a evolução dos controles internos dos processos operacionais e são atualizados ao final de cada trabalho. A área de auditoria interna do Sescoop Nacional também possui controle sobre o andamento das implementações dos planos de ação referentes às recomendações dos trabalhos realizados, que são avaliados SESCOOP/GO 2012 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 17

18 >> em testes específicos a cada auditoria executada, após os quais, os registros são atualizados em base de dados. Após cada trabalho realizado, a auditoria interna do Sescoop Nacional emite um relatório contendo recomendações/sugestões de melhoria, que é enviado para a diretoria da Unidade Estadual auditada, bem como para os conselhos fiscal e nacional da entidade. Objetivos Estratégicos Finalísticos O SESCOOP/GO opera mediante linhas de atuação voltadas para o desempenho finalístico que se dirigem à formação e capacitação profissional, à promoção social e ao monitoramento e desenvolvimento de cooperativas. A primeira delas confunde-se com a razão de ser da instituição. Pretende proporcionar aos associados, empregados e familiares aquele fator que faz a diferença entre avançar e estagnar: a informação que, assimilada, processada e compreendida transforma-se em conhecimento; o qual, aplicado à atividade empreendedora, conduz ao êxito. A promoção social serve ao bem-estar e à integração do público-alvo. É motivada pela convicção de que, num empreendimento associativo, há que se conseguir um alto nível de equalização de conhecimentos, habilidades e propósitos, em benefício do êxito comum. Se, ao criar uma cooperativa, seus membros não dispõem necessariamente de iguais condições socioeconômicas, é preciso ao menos diminuir as diferenças. O que não é só uma exigência de justiça social: é, também, condição necessária da homogeneidade profissional. Ou bem todos estarão capacitados a buscar o sucesso do empreendimento, ou não haverá sucesso. A linha de ação voltada para o monitoramento e desenvolvimento de cooperativas, busca estabelecer uma relação sinérgica entre o crescimento dessas e o progresso de seus associados e empregados. Quanto mais as cooperativas aperfeiçoam seus processos de gestão, mais contribuem para o progresso de seus membros e colaboradores. Por seu turno, associados e funcionários capacitados, enquanto ascendem social e economicamente, servem à gestão eficaz e favorecem o sucesso do empreendimento. OBJETIVO ESTRATÉGICO 1 Promover a cultura da cooperação e disseminar a doutrina, os princípios e os valores do cooperativismo em todo o Brasil. Linhas de Ação: >> Organizar conteúdos e preparar instrutores e multiplicadores para disseminação da cultura da cooperação e do cooperativismo >> Intensificar o trabalho de disseminação da cultura da cooperação com jovens e crianças >> Disseminar doutrina, princípios e valores do cooperativismo em todas as atividades do Sescoop OBJETIVO ESTRATÉGICO 2 Ampliar o acesso das cooperativas à formação em gestão cooperativista, alinhada às suas reais necessidades, com foco na eficiência e na competitividade. Linhas de Ação: >> Mapear, coletar e analisar as demandas das cooperativas em formação sobre gestão e definir prioridades >> Desenvolver banco de instrutores e consultores e qualificá-los para atender as demandas do Sescoop 18 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES SESCOOP/GO 2012

19 OBJETIVO ESTRATÉGICO 3 Linhas de Ação: Contribuir para viabilizar soluções para as principais demandas das cooperativas na formação profissional. >> Mapear, coletar e analisar as demandas das cooperativas em formação profissional e definir prioridades >> Estabelecer rede de parceiros para a viabilização das demandas das cooperativas na formação profissional OBJETIVO ESTRATÉGICO 4 Promover a adoção de boas práticas de governança e gestão nas cooperativas. OBJETIVO ESTRATÉGICO 5 Linhas de Ação: Monitorar desempenhos e resultados com foco na sustentabilidade das cooperativas. >> Estruturar cadastro consistente e ampliado (informações de gestão e governança) das cooperativas em cada estado OBJETIVO ESTRATÉGICO 6 Linhas de Ação: Incentivar as cooperativas na promoção da segurança no trabalho. >> Apoiar e incentivar práticas de prevenção de acidentes e melhoria das condições de trabalho OBJETIVO ESTRATÉGICO 7 Linhas de Ação: Promover um estilo de vida saudável entre cooperados, empregados e familiares. >> Articular parcerias para campanhas focadas na promoção da saúde dos cooperados, empregados e familiares OBJETIVO ESTRATÉGICO 8 Linhas de Ação: Intensificar a adoção da responsabilidade socioambiental na gestão das cooperativas brasileiras. >> Identificar e disseminar conceitos e boas práticas de responsabilidade socioambiental do cooperativismo OBJETIVO ESTRATÉGICO 9 Linhas de Ação: Intensificar o desenvolvimento de competências alinhadas à estratégia do Sescoop. >> Mapear e desenvolver as competências necessárias ao cumprimento da missão e da estratégia do Sescoop >> Garantir a estrutura organizacional e o quadro de pessoal adequado para o cumprimento dos objetivos do Sescoop >> Desenvolver e implementar mecanismos de avaliação de desempenho SESCOOP/GO 2012 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 19

20 >> OBJETIVO ESTRATÉGICO 10 Linhas de Ação: >> Integrar processos e sistemas corporativos OBJETIVO ESTRATÉGICO 11 Assegurar adequada utilização da tecnologia de informação e comunicação. Assegurar qualidade e transparência na divulgação das ações e na comunicação dos resultados. Linhas de Ação: >> Estabelecer política de transparência e meios de divulgação de ações e resultados >> Implementar ações de marketing institucional Atuação Finalística O cooperativismo é uma importante força impulsionadora de desenvolvimento do país, estando presente em municípios brasileiros mais de 25% do total do País. Uma das principais demandas do setor é a capacitação de seus profissionais, que buscam ganhar espaço no mercado nacional e internacional. Atento às necessidades dos associados, o Sescoop investe na formação de líderes, gestores e cooperados, visando sempre o fortalecimento, a qualificação e a sustentabilidade do setor. Graças ao trabalho do Sescoop e da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), o setor cooperativista tem se fortalecido em nível nacional, reflexo, também, das ações que são desenvolvidas pelas unidades estaduais, em seus pólos de atuação. Em Goiás, as cooperativas e a comunidade reconhecem a importância do SESCOOP/GO como instrumento fundamental de apoio à gestão. Efetivamente, através da qualificação profissional e do monitoramento, o SESCOOP/GO promove a sustentabilidade necessária ao desenvolvimento das cooperativas do estado, que, com isso, viabiliza melhores salários e condições de vida aos seus empregados e agrega maior renda aos seus cooperados e familiares. Como prova disso, desde a criação do SESCOOP/GO, em 1999, a entidade vem mantendo uma evolução considerável tanto em relação às atividades desenvolvidas, quanto pela participação de seus cooperados e empregados e pela participação das cooperativas, além da manutenção das horas/aula das atividades dentro de um patamar elevado, conforme observado na Tabela e Gráficos sequenciais, que demonstram a evolução nos últimos 10 anos. DADOS EVOLUTIVOS DO SESCOOP/GO ITENS Número atividades realizadas Número de pessoas beneficiadas Número de cooperativas atendidas Horas de atividades realizadas Fonte: Planos de Trabalho O SESCOOP/GO, em 2012, teve uma evolução de 66,57% no número de atividades desenvolvidas pela entidade em relação a 2008, se pegarmos os últimos 5 anos como base para uma análise. Em relação a 2011 essa evolução foi de 46,55%. 20 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES SESCOOP/GO 2012

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Sul Mineira 1 Índice Política de Sustentabilidade Unimed Sul Mineira Mas o que é Responsabilidade Social? Premissas Básicas Objetivos da Unimed Sul Mineira Para a Saúde Ambiental

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA BB PREVIDÊNCIA FUNDO DE PENSÃO BANCO DO BRASIL INTRODUÇÃO

CÓDIGO DE ÉTICA DA BB PREVIDÊNCIA FUNDO DE PENSÃO BANCO DO BRASIL INTRODUÇÃO CÓDIGO DE ÉTICA DA BB PREVIDÊNCIA FUNDO DE PENSÃO BANCO DO BRASIL INTRODUÇÃO Este Código de Ética é público e reúne diretrizes que norteiam o comportamento dos Conselheiros, Dirigentes e Colaboradores

Leia mais

DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA

DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA Área de Atuação 1. Formação Profissional Cooperativista São ações voltadas à formação, qualificação e capacitação dos associados,

Leia mais

Política de Gestão de Pessoas

Política de Gestão de Pessoas julho 2010 5 1. Política No Sistema Eletrobras, as pessoas são agentes e beneficiárias do fortalecimento organizacional, contribuindo para a competitividade, rentabilidade e sustentabilidade empresarial.

Leia mais

Os Valores e o Código ético do Grupo Pirelli

Os Valores e o Código ético do Grupo Pirelli Os Valores e o Código ético do Grupo Pirelli Os valores éticos como base da ação. Aidentidade de nosso Grupo assenta-se historicamente num conjunto de valores que foram ao longo dos anos visados e tutelados

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

6.2.2 RISCO SOCIOAMBIENTAL NA CONCESSÃO DE CRÉDITO 6.3 RELACIONAMENTO COM FUNCIONÁRIOS E COLABORADORES

6.2.2 RISCO SOCIOAMBIENTAL NA CONCESSÃO DE CRÉDITO 6.3 RELACIONAMENTO COM FUNCIONÁRIOS E COLABORADORES Índice 1. INTRODUÇÃO 2. PARTES INTERESSADAS. NORMATIVOS. ESTRUTURA DE GOVERNANÇA. PRINCÍPIOS 6. DIRETRIZES 6.1 NORMATIZAÇÃO 6.2 GERENCIAMENTO DO RISCO SOCIOAMBIENTAL 6.2.1 RISCO SOCIOAMBIENTAL DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

20 12 RELATÓRIO DE GESTÃO

20 12 RELATÓRIO DE GESTÃO 20 12 RELATÓRIO DE GESTÃO SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEBRAE NACIONAL RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 Brasília / 2012 2012. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas

Leia mais

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS Sistema Eletrobrás Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO 4 POLÍTICA DE Logística de Suprimento

Leia mais

b) supervisionar o cumprimento desta política pelas entidades integrantes do Sistema Sicoob;

b) supervisionar o cumprimento desta política pelas entidades integrantes do Sistema Sicoob; 1. Esta Política institucional de gestão de pessoas: Política institucional de gestão de pessoas a) é elaborada por proposta da área de Gestão de Pessoas da Confederação Nacional das Cooperativas do Sicoob

Leia mais

DIRETRIZES APROVADAS PELA SESSÃO PLENÁRIA DO CONGRESSO

DIRETRIZES APROVADAS PELA SESSÃO PLENÁRIA DO CONGRESSO DIRETRIZES APROVADAS PELA SESSÃO PLENÁRIA DO CONGRESSO Brasília, 11 de setembro de 2010 TEMA 1 DIRETRIZES E HORIZONTES DA RELAÇÃO POLÍTICA E INSTITUCIONAL DO SISTEMA COOPERATIVISTA 1.1 - FORTALECER A REPRESENTAÇÃO

Leia mais

Política de Logística de Suprimento

Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento 5 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas Eletrobras, através da integração

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

Preâmbulo. resultado econômico, ao mesmo tempo em que protege o meio ambiente e melhora a qualidade de vida das pessoas com as quais interage.

Preâmbulo. resultado econômico, ao mesmo tempo em que protege o meio ambiente e melhora a qualidade de vida das pessoas com as quais interage. Preâmbulo Para a elaboração da Política de Sustentabilidade do Sicredi, foi utilizado o conceito de Sustentabilidade proposto pela abordagem triple bottom line (TBL), expressão que reúne simultaneamente

Leia mais

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012)

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

CAERN. Descrição de Perfis

CAERN. Descrição de Perfis Nível: Superior Reporte: Coordenador Sumário Participar do planejamento e desenvolvimento das políticas e práticas de Recursos Humanos da empresa. Desenvolver atividades técnicas de avaliação comportamental

Leia mais

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO DA CLASSE CONTÁBIL

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO DA CLASSE CONTÁBIL PROGRAMA DE VOLUNTARIADO DA CLASSE CONTÁBIL PROGRAMA DE VOLUNTARIADO DA CLASSE CONTÁBIL 1. Apresentação O Programa de Voluntariado da Classe Contábil, componente do plano de metas estratégicas do Conselho

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 1 RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 Relatório de Gestão do exercício 2012, apresentado aos órgãos de controle interno e externo como prestação de contas anual a que esta Unidade está obrigada

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

RESUMO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO SESCOOP/AM

RESUMO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO SESCOOP/AM RESUMO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO SESCOOP/AM MISSÃO DO SESCOOP Promover o desenvolvimento do Cooperativismo de forma integrada e sustentável, por meio da formação profissional, da promoção social e

Leia mais

Auditoria Interna. Planejamento Estratégico 2014

Auditoria Interna. Planejamento Estratégico 2014 Auditoria Interna Planejamento Estratégico 2014 1 Sumário APRESENTAÇÃO... 3 METODOLOGIA DO PLANEJAMENTO... 4 MISSÃO... 5 VISÃO... 5 VALORES... 5 ANÁLISE AMBIENTAL... 6 OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 6 MACROPROCESSO

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

Competitividade e Resultados: conseqüência do alinhamento de estratégia, cultura e competências.

Competitividade e Resultados: conseqüência do alinhamento de estratégia, cultura e competências. 1 Programa Liderar O Grupo Solvi é um conglomerado de 30 empresas que atua nas áreas de saneamento, valorização energética e resíduos. Como alicerce primordial de seu crescimento encontrase o desenvolvimento

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

Promover maior integração

Promover maior integração Novos horizontes Reestruturação do Modelo de Gestão do SESI leva em conta metas traçadas pelo Mapa Estratégico Promover maior integração entre os departamentos regionais, as unidades de atuação e os produtos

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu PORTFÓLIO ESPECIALIZAÇÃO / MBA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Sumário ÁREA: CIÊNCIAS DA SAÚDE... 2 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO... 2 ÁREA: COMUNICAÇÃO E LETRAS...

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653 Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653 Estabelece a forma de organização e regulamenta o funcionamento das unidades administrativas da Secretaria de Trabalho e Geração

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

GESTÃO DE SST DESAFIOS E POSSÍVEIS SOLUÇÕES

GESTÃO DE SST DESAFIOS E POSSÍVEIS SOLUÇÕES GESTÃO DE SST DESAFIOS E POSSÍVEIS SOLUÇÕES Nov.2014 Negócio CONTRIBUIR PARA O AUMENTO DA COMPETITIVIDADE Educação Qualidade de Vida Declaração Estratégica Missão Promover a qualidade de vida do trabalhador

Leia mais

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar março de 2012 Introdução Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar na gestão pública. A criação

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROGRAMAS E PROJETOS

SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROGRAMAS E PROJETOS SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROGRAMAS E PROJETOS GERÊNCIA DE PROGRAMAS E PROJETOS - GPP COMISSÃO DE ORGANIZAÇÃO, NORMAS E PROCEDIMENTOS TERMO DE ABERTURA PROJETO: Centro de Treinamento e Capacitação

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional.

Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional. Tema 1: Eficiência Operacional Buscar a excelência na gestão de custos operacionais. Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional. Agilizar

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Síntese O Compromisso ALIANSCE para a Sustentabilidade demonstra o nosso pacto com a ética nos negócios, o desenvolvimento das comunidades do entorno de nossos empreendimentos,

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

PREMIER AMBIENTAL COMUNICAÇÃO DE PROGRESSO PACTO GLOBAL ONU - 2015 COMUNICAÇÃO DE PROGRESSO 1

PREMIER AMBIENTAL COMUNICAÇÃO DE PROGRESSO PACTO GLOBAL ONU - 2015 COMUNICAÇÃO DE PROGRESSO 1 COMUNICAÇÃO DE PROGRESSO PACTO GLOBAL ONU - 2015 COMUNICAÇÃO DE PROGRESSO 1 PERFIL DA EMPRESA A Premier Ambiental é uma empresa de Consultoria em Gerenciamento de Requisitos Legais, implantação e manutenção

Leia mais

Fundação Libertas. Nova denominação da entidade. Manual de Governança Corporativa

Fundação Libertas. Nova denominação da entidade. Manual de Governança Corporativa Manual de Governança Corporativa Sumário 1. Definição.... Objetivo... 3. Da Contextualização da PREVIMINAS... 3.1. Arcabouço Legal e Regulatório... 3.. A Identidade da PREVIMINAS... A Filosofia Empresarial

Leia mais

Cartilha para Conselhos. Municipais de Educação

Cartilha para Conselhos. Municipais de Educação Cartilha para Conselhos Municipais de Educação Sistemas de ensino são o conjunto de campos de competências e atribuições voltadas para o desenvolvimento da educação escolar que se materializam em instituições,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM DO COOPERATIVISMO SESCOOP/SP RELATÓRIO DE GESTÃO 2012

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM DO COOPERATIVISMO SESCOOP/SP RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM DO COOPERATIVISMO SESCOOP/SP RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 Relatório de Gestão do exercício 2012 apresentado aos órgãos de controle interno e externo como prestação de contas

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA. ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015

Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA. ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015 30/06/2015 Boletim Administrativo Eletrônico de Pessoal Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015 Revisa e altera os objetivos estratégicos do plano

Leia mais

CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS

CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS APRESENTAÇÃO Em Dezembro de 2004 por iniciativa da Federação das Indústrias do Estado do Paraná o CPCE Conselho Paranaense de Cidadania Empresarial nasceu como uma organização

Leia mais

FACULDADE DA REGIÃO DOS LAGOS INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS ECONÔMICAS

FACULDADE DA REGIÃO DOS LAGOS INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS ECONÔMICAS 1. Princípios Teórico-Filosóficos A Faculdade da Região dos Lagos vem se destacando como uma das principais instituições na formação de administradores, empresários e gerentes em nossa região. Além disso,

Leia mais

PGQP. Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade. Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade

PGQP. Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade. Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade PGQP Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade visão das lideranças A Excelência de qualquer organização depende da sinergia entre três fatores:

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE COMITÊ ORGANIZADOR DOS JOGOS OLÍMPICOS RIO 206 RIO 206 POLÍTICA DE 25/02/205 / 2 Sumário. OBJETIVO... 2 2. DEFINIÇÕES... 2 3. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 5 4. DIRETRIZES... 7 4. Programa Geral de...

Leia mais

ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS. 40 Relatório de Gestão 2014. Copyright. Proibida cópia ou reprodução sem autorização do IABAS.

ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS. 40 Relatório de Gestão 2014. Copyright. Proibida cópia ou reprodução sem autorização do IABAS. ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS 40 Relatório de Gestão 2014 B lanço Soci l ESF Estratégia de Saúde da Família Relatório de Gestão 2014 41 GESTÃO DE PESSOAS Gestão de Pessoas Com o

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE 1. OBJETIVO E ABRANGÊNCIA Esta Política tem como objetivos: Apresentar de forma transparente os princípios e as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e direcionam

Leia mais

PROGRAMA DE ADOÇÃO DE PRINCÍPIOS SOCIOAMBIENTAIS

PROGRAMA DE ADOÇÃO DE PRINCÍPIOS SOCIOAMBIENTAIS A Copagaz A Copagaz, primeira empresa do Grupo Zahran, iniciou suas atividades em 1955 distribuindo uma tonelada de Gás Liquefeito de Petróleo - GLP por dia nos estados de São Paulo, Mato Grosso e Mato

Leia mais

Gestão estratégica em finanças

Gestão estratégica em finanças Gestão estratégica em finanças Resulta Consultoria Empresarial Gestão de custos e maximização de resultados A nova realidade do mercado tem feito com que as empresas contratem serviços especializados pelo

Leia mais

Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012

Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

Conhecendo a Fundação Vale

Conhecendo a Fundação Vale Conhecendo a Fundação Vale 1 Conhecendo a Fundação Vale 2 1 Apresentação Missão Contribuir para o desenvolvimento integrado econômico, ambiental e social dos territórios onde a Vale atua, articulando e

Leia mais

Código de Conduta Ética

Código de Conduta Ética Código de Conduta Ética Jeito de Ser Índice 3 Introdução 3 Carta do Presidente 3 Missão do Grupo Marisa 3 Valores do Grupo Marisa 3 Código de Conduta Ética v Áreas de Relacionamento Colaboradores Fornecedores

Leia mais

ASSOCIATIVISMO. Fonte: Educação Sebrae

ASSOCIATIVISMO. Fonte: Educação Sebrae ASSOCIATIVISMO Fonte: Educação Sebrae O IMPORTANTE É COOPERAR A cooperação entre as pessoas pode gerar trabalho, dinheiro e desenvolvimento para toda uma comunidade COOPERAR OU COMPETIR? Cooperar e competir

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Projeto de Implantação e Implementação da Responsabilidade Socioambiental na Indústria

Mostra de Projetos 2011. Projeto de Implantação e Implementação da Responsabilidade Socioambiental na Indústria Mostra de Projetos 2011 Projeto de Implantação e Implementação da Responsabilidade Socioambiental na Indústria Mostra Local de: Umuarama Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados

Leia mais

PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS

PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS Gestão de Administração e Finanças Gerência de Desenvolvimento Humano e Responsabilidade Social Junho/2014 Desenvolvimento Sustentável Social Econômico

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Carta-Compromisso pela. Garantia do Direito à Educação de Qualidade. Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil

Carta-Compromisso pela. Garantia do Direito à Educação de Qualidade. Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil 1 Carta-Compromisso pela Garantia do Direito à Educação de Qualidade Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil Para consagrar o Estado Democrático de Direito, implantado pela Constituição

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO III Congresso Consad de Gestão Pública O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA SEPLAG Norma Maria Cavalcanti Alcoforado Painel 02/007 Avaliação de desempenho e remuneração variável O NOVO MODELO DE

Leia mais

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO (Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO... 3 2 ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO Missão: Atuar nas diferentes áreas (administração, planejamento e orientação educacional) com o intuito

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Introdução. Código de Ética. Nossos Valores na prática.

CÓDIGO DE ÉTICA. Introdução. Código de Ética. Nossos Valores na prática. CÓDIGO DE ÉTICA Introdução Nossos Valores Artigo 1º Premissa Artigo 2º Objetivos e Valores Artigo 3º Sistema de Controle Interno Artigo 4º Relação com os Stakeholders / Partes Interessadas 4.1 Acionistas

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT Quadro de Servidores SITUAÇÃO 2008 2009 Abril 2010 CARGOS EFETIVOS (*) 429 752 860 Analista Administrativo 16 40 41 Especialista em Regulação 98 156 169

Leia mais

Planejamento Estratégico Sistema OCB/MS 2 0 1 5-2 0 2 0

Planejamento Estratégico Sistema OCB/MS 2 0 1 5-2 0 2 0 Planejamento Estratégico Sistema OCB/MS 2 0 1 5-2 0 2 0 Planejamento Estratégico Sistema OCB/MS 2 0 1 5-2 0 2 0 Índice Mapa Estratégico OCB/MS 2015-2020 Visão do Cooperativismo Missão da OCB/MS Valores

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

Aliança do Brasil. É assim que a gente faz. Código de Conduta Ética

Aliança do Brasil. É assim que a gente faz. Código de Conduta Ética Aliança do Brasil. É assim que a gente faz. Código de Conduta Ética SUMÁRIO CONCEITO OBJETIVO ABRANGÊNCIA PRINCÍPIOS DE RELACIONAMENTOS CONFLITOS DE INTERESSE CONFIDENCIALIDADE DAS INFORMAÇÕES PRESERVAÇÃO

Leia mais

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Gestão 2013-2017 Plano de Trabalho Colaboração, Renovação e Integração Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Goiânia, maio de 2013 Introdução Este documento tem por finalidade apresentar o Plano de Trabalho

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ LUÍS MÁRIO LUCHETTA DIRETOR PRESIDENTE GESTÃO 2005/2008 HISTÓRICO

Leia mais

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 Rosely Vieira Consultora Organizacional Mestranda em Adm. Pública Presidente do FECJUS Educação

Leia mais

Número de. Empregados. Pessoa Física Nenhum R$ 50,00 R$ 600,00. Microempresa Até 5 R$ 70,00 R$ 840,00. Acima de 5 R$ 400,00 R$ 4800,00

Número de. Empregados. Pessoa Física Nenhum R$ 50,00 R$ 600,00. Microempresa Até 5 R$ 70,00 R$ 840,00. Acima de 5 R$ 400,00 R$ 4800,00 FICHA DE ADESÃO Por esta Ficha de adesão, solicito meu ingresso como associado da ABRIMPE ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE INCENTIVO E MELHORIA EM PROJETOS EMPRESARIAIS, EMPREENDEDORISMO E EDUCACIONAL, comprometendo-me

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO

CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO invepar índice Apresentação Visão, Missão, Valores Objetivos Princípios Básicos Pág. 4 Pág. 6 Pág. 7 Pág. 8 Abrangência / Funcionários Empresas do Grupo Sociedade / Comunidade

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Banco Cooperativo Sicredi S.A. Versão: Julho/2015 Página 1 de 1 1 INTRODUÇÃO O Sicredi é um sistema de crédito cooperativo que valoriza a

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO Controle de Versões Autor da Solicitação: Subseção de Governança de TIC Email:dtic.governanca@trt3.jus.br Ramal: 7966 Versão Data Notas da Revisão 1 03.02.2015 Versão atualizada de acordo com os novos

Leia mais

Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas

Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas (Produto 1) TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DA BAHIA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO DO SISTEMA DE CONTROLE EXTERNO DOS ESTADOS, DISTRITO FEDERAL E MUNICÍPIOS

Leia mais

gestão das Instâncias de Governança nas regiões turísticas prioritárias do país.

gestão das Instâncias de Governança nas regiões turísticas prioritárias do país. OBJETIVO GERAL Estabelecer cooperação técnica para desenvolver e implementar ações que visem a fortalecer o ciclo da gestão das Instâncias de Governança nas regiões turísticas prioritárias do país. IMPORTANTE:

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR

PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR CURITIBA Maio 2012 1 PROGRAMA TÍTULO: Formação de Gestores para o Terceiro Setor. JUSTIFICATIVA:

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 SALVADOR/ BAHIA, ABRIL/2013 0 SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM DO COOPERATIVISMO NO ESTADO DA BAHIA - SESCOOP/BA RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 Relatório de Gestão do exercício 2012

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2011

RELATÓRIO DE GESTÃO 2011 RELATÓRIO DE GESTÃO 2011 SALVADOR/ BAHIA, ABRIL/2012 0 SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM DO COOPERATIVISMO NO ESTADO DA BAHIA - SESCOOP/BA RELATÓRIO DE GESTÃO 2011 Relatório de Gestão do exercício 2011

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

Hermes Chipp Diretor Geral do ONS

Hermes Chipp Diretor Geral do ONS Nossa vida é feita de escolhas. Seja no âmbito pessoal ou profissional, a cada dia escolhemos caminhos a trilhar. A ética deve ser a premissa básica para pautar as nossas opções cotidianas. O ONS, desde

Leia mais

O Grupo Gerdau incentiva o trabalho em equipe e o uso de ferramentas de gestão pela qualidade na busca de soluções para os problemas do dia-a-dia.

O Grupo Gerdau incentiva o trabalho em equipe e o uso de ferramentas de gestão pela qualidade na busca de soluções para os problemas do dia-a-dia. O Grupo Gerdau incentiva o trabalho em equipe e o uso de ferramentas de gestão pela qualidade na busca de soluções para os problemas do dia-a-dia. Rio Grande do Sul Brasil PESSOAS E EQUIPES Equipes que

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial.

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. visão, missão e valores corporativos visão Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. MISSÃO O Grupo Gerdau é uma Organização empresarial focada em siderurgia, com a missão de satisfazer

Leia mais

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Pablo Sandin Amaral Renato Machado Albert

Leia mais