O Fluxo de Caixa Indireto é uma farsa contábil. Prof. Alvaro Guimarães de Oliveira

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Fluxo de Caixa Indireto é uma farsa contábil. Prof. Alvaro Guimarães de Oliveira"

Transcrição

1 O Fluxo de Caixa Indireto é uma farsa contábil Prof. Alvaro Guimarães de Oliveira

2 Parte I Introdução Após a publicação da Lei das Sociedades por Ação (Lei 6.404/76) de 15 de dezembro de 1976, fiquei um tanto perplexo com a demonstração do Balanço Patrimonial que trazia como uma das novidades a classificação das contas de resultados pendentes, misturadas às contas patrimoniais. Antes desta lei, estas contas de resultados pendentes eram apresentadas na demonstração do balanço patrimonial, mas separadas das contas patrimoniais. Se o resultado pendente fosse negativo, apareceriam no ativo, mas depois das contas patrimoniais e se fosse positivo seriam registradas no passivo, após as contas patrimoniais. Na Nova Lei das SAs.as contas de resultados pendentes tiveram as seguintes classificações: Despesas Antecipadas foram classificadas no Ativo Corrente, as Despesas Diferidas foram contabilizadas no Ativo Permanente e as contas de Resultados Futuros Receitas e Despesas Futuras - foram consideradas como um agrupamento de contas, no passivo, localizado entre o Exigível de Longo Prazo e o Patrimônio Líquido Contábil. Estas classificações, da Lei 6.404, provocaram muitas distorções na demonstração do Balanço Patrimonial, tornando-a complexa, difícil de ser entendida, interpretada e analisada e, sobretudo, incorreta. Os cálculos dos indicadores financeiros tiveram de ser modificados para que não permitissem interpretações errôneas de liquidez da empresa, assim como o cálculo do capital de giro, também, teve de ser adaptado. No meu trabalho Erros Conceituais Inconcebíveis nas Leis e (de 27/03/2014) postado no blog Fórum de Contabilidade AGO (www.forumdecontabilidade.com.br ), esta classificação das contas de resultados pendentes, misturadas com as contas patrimoniais, foi uma das falhas apontadas como causas principais da total complexidade, falta de clareza, dificuldade de entendimento, análise e interpretação, incorreção e dificuldade de elaboração do Balanço Patrimonial, fortemente recomendado pela Lei

3 Nos primeiros momentos pensei que não demoraria muito e haveria alguma medida visando corrigir este erro conceitual de classificação contábil. Ledo engano. No final do ano de 2007, portanto 31 anos depois, foi editada a Lei /2007 que alterou o texto legal da Lei 6.404/76 a Lei das Sociedades Anônimas. Apesar dos vários melhoramentos trazidos para o registro de informações contábeis, as três principais falhas 1) Falta de distinção entre operações financeiras e econômico- -financeiras; 2) Apuração periódica de resultados econômicos e 3) Ausência da informação sobre o valor mais importante de uma Demonstração da Posição Financeira (DPF): o PLF apontadas, no nosso trabalho (citado acima)sobre a Demonstração do Balanço Patrimonial, continuaram incólumes. A Lei fez algumas alterações em relação às contas de despesas diferidas, despesas futuras, receitas futuras e despesas futuras resultados pendentes - que tornaram mais confusos, ainda, o entendimento e interpretação da Demonstração da Posição Financeira. Diga-se, de passagem, que esta lei não fez a alteração necessária e desejada em relação à classificação das Despesas Antecipadas no Ativo Corrente. Mas o pior estava por vir: É inacreditável, mas é verdade, a Lei /07 abandonou o Demonstrativo de Origem e Aplicação de Recursos (DOAR) que reputo como uma das mais importantes demonstrações financeiraspor demonstrar como foi constituído o Capital de Giro do exercício e permitir, também, uma visão geral e imediata da liquidez financeira da empresa até o final do próximo período e adotou o Demonstrativo do Fluxo de Caixa, nos modelos Direto ou Indireto, cuja utilidade é zero. Análise Comparativa Para procedermos a nossa análise comparativa entre o Demonstrativo de Fluxo de Caixa modelos Direto e Indireto e o DOAR apresentaremos um exemplo bastante simples, porém esclarecedor e que deverá facilitar sobremaneira os entendimentos sobre nossos argumentos e pontos de vista. A Cia. XYZ apresentava no ano 1 a sua posição financeira como está registrada a seguir: 2

4 Durante o exercício do ano 2, aconteceram os seguintes fatos: CORRENTE CORRENTE Disponível Empréstimo Dupl. a Receber Liq Fornecedores Dupl. a Receber Outras PDD NÃO CORRENTE Estoque PLC NÃO CORRENTE Capital Móveis Líquidos Lucros Acm Móveis Dep. Acumulada As vendas do período atingiram : 70% à vista; 2. O Estoque anterior foi totalmente vendido; 3. Depreciação: 10% a.a. 4. PDD: 3%; 5. Foi recebido de Duplicatas a Receber do ano anterior 90%; 6. Foi pago o empréstimo existente de ; 7. Foi pago 90% do saldo anterior de Fornecedores; 8. O total de compras do ano foi , sendo pago 90% % das compras do ano foram vendidas, no mesmo ano. 3

5 Lançamentos Contábeis: 1) D Caixa D Duplicatas a Receber C Vendas ) D CMV C Estoque ) D Depreciação C Depreciação Acumulada ) D PDD (Fundos) C Lucros Acumulados D PDD (Despesa) C PDD (Fundo) ) D Caixa C Duplicatas a Receber ) D Empréstimo C Caixa ) D Fornecedores C Caixa ) D Estoque C Caixa C Fornecedores ) D CMV C Estoque

6 Ativo Ano 1 Ano 2 CORRENTE Disponível Duplicatas a Receber Liquidas Duplicatas a Receber PDD Estoque Móveis Líquidos Móveis Depreciação Acumulada Total PASSIVO Ano 1 Ano 2 CORRENTE Empréstimo Fornecedores Outras PLC Capital Lucros Acumulados Resultado do Ano Total D R E I Receitas de Vendas CMV ( ) Lucro Bruto Despesas: Depreciação (10.000) PDD (13.800) (23.800) Lucro Líquido

7 Demonstração de Fluxo de Caixa Real (DFC Real) Saldo Inicial Do DREI: Vendas à vista Compra de mercadorias à vista ( ) Do Capital de Giro: Duplicatas a Receber Estoque - Empréstimo ( ) Fornecedores ( ) Caixa Gerado no Período Saldo Final Demonstração de Fluxo de Caixa Indireto (DFCI) Saldo Inicial Do DREI: Lucro Líquido Depreciação PDD Do Capital de Giro: Duplicatas a Receber Estoque Empréstimo ( ) Fornecedores ( ) Caixa Gerado no Período Saldo Final Demonstração do Fluxo de Caixa Direto (DFCD) Saldo Inicial Do Capital de Giro: Recebimentos de Clientes (1) Pagamentos a Fornecedores ( ) (2) Pagamento de Empréstimo ( ) Saldo Final

8 Parte II Análise Comparativa: DFCR x DFCI x DFCD Inicialmente, objetivando um melhor entendimento dos nossos pontos de vistas, faremos uma análise comparativa entre o DFCR e o DFCI. DFC Real DFCI Diferença Saldo Inicial Do DREI: Vendas à vista Compra de mercadorias à vista ( ) - Caixa Gerado do DRE (1) ( ) Do Capital de Giro: Estoque ( ) Duplicatas a Receber Empréstimo ( ) ( ) - Fornecedores ( ) ( ) (70.000) Caixa Gerado no Período Saldo do Final (1) Lucro Líquido Depreciação PDD Lucro Líquido Ajustado

9 Explicações das Diferenças: DFCR X DFCI DFCR DFCI Dif. Do DRE: Fluxo do Período: Vendas (1) ( ) CMV (2) ( ) ( ) Caixa Gerado do DRE ( ) Do Capital de Giro: Fluxo do Período Anterior: (3) Duplicatas a Receber (4) Estoque ( ) (5) Empréstimo ( ) ( ) - (6) Fornecedores ( ) ( ) (70.000) Total Caixa Gerado nos Períodos Saldo de Caixa: Inicial Final Explicações Complementares: 1. Como o método Indireto DFCI - usou o lucro ajustado para determinar a entrada de caixa do DRE, o valor de vendas considerado foi então , ou seja, o valor de vendas totais do ano. O DFCR considerou, devidamente, o valor de vendas à vista do ano que foi Daí a diferença a menor apresentado pelo DFCR ( ). 2. O DFCI usou o valor do custo contábil do CMV contudo este valor teve a seguinte formação: Comprado em dinheiro e foi proveniente do Estoque, daí a diferença de para o apresentado pelo DFCR. 3. A diferença entre o saldo de Duplicatas a Receber do ano anterior ( ) e o atual ( ), isto é , usada pelo DFCI, não retrata a realidade conforme podemos ver a seguir. Esta diferença foi assim constituída: recebimento de Duplicatas a Receber do ano anterior e vendas a prazo do exercício consideradas como Duplicatas a Receber perfazendo a diferença de

10 Devemos observar que o DFCR usou o valor correto de O DFCI usa, como sempre, valores que não representam a realidade. Quem gera entrada de dinheiro é vendas à vista, estoque não. Esta diferença de foi assim formada: do Estoque inicial no valor , foi levado para o CMV. A empresa comprou mercadorias no valor total de , pagou , que foi para o CMV e o restante que foi financiado por Fornecedores foi para o Estoque final, perfazendo o total de ( ). Finalmente Estoque inicial Estoque final = Como vimos, não houve nenhuma geração de dinheiro pelo Estoque, portanto, o DFCI está dando informações errôneas. 5. Por mera coincidência esta operação em dinheiro foi registrada corretamente pelo DFCI, aliás a única de todas as operações ocorridas no nosso exemplo. 6. Mais uma operação registrada incorretamente pelo DFCI. Esta diferença de ( ) em Fornecedores foi formada deste modo: Saldo Inicial Pagamento do período ( ) Compra a prazo no período Portanto, o valor a ser listado como movimento de Caixa é , como fez o DFCR, e não Conclusão: Conforme vimos, pelos lançamentos contábeis das operações do nosso exemplo, o DFCR apresenta, de formaorganizada, para atender as nossas necessidades de informações, todas as operações que, de fato, passaram pelo Caixa(Disponível), portanto, não existe nenhuma operação baseada em suposições ou deduções de lógica contábil, como é característica do DFC Indireto e Direto. É, claramente, o retrato dos fluxos de caixa que foram registrados durante o período em foco ( ), embora tenham sido de operações, deste período,e foram provenientes de operações do período anterior. O importante é que entraram no Caixa, no período, provenientes das atividades de negócios da empresa, portanto, um recurso saudável que não tem data para devolução, como acontece com os recursos provenientes de financiamentos de longo prazo. 9

11 O DFCI, ao contrário do DFCR, apresenta números que não tem nenhum significado, são todos irreais, conforme pudemos demonstrar nas nossas explicações(acima) sobre as diferenças. Este demonstrativo já começa com um erro grosseiro: lucro líquido ajustado como uma entrada de Caixa. Nós, professores de contabilidade, de administração financeira, finanças, etc. nos deparamos, sempre, com a pergunta: Pode uma empresa lucrativa ter problemas financeiros e falir? E nos desdobramos para explicar que o lucro de hoje não é igual a caixa. No futuro este lucro, talvez, se realize totalmente como caixa. E aí vem a Lei e adota o DFCI começando como registro de entrada de caixa o Lucro Líquido Ajustado, ou seja, indiretamente afirmando que o lucro é caixa. Isto é um absurdo. Esta adoção do DFCI só me fez confirmar a impressão que tive quando da publicação da Lei /76: os legisladores destas leis e são carentes de práticas contábeis. Os números apresentados por este modelo de caixa DFCI não têm a mínima semelhança com a realidade e, por isso, não têm a menor utilidade. É um desperdício de tempo e de papel tratar deles, pois nenhuma decisão acertada, a respeito do futuro de uma empresa, pode ser tomada com base nestes números apurados com conta de chegar e, portanto, irreais. 10

12 Análise Comparativa: DFCR X DFCD DFC Real DFCD Diferença Saldo Inicial Do DREI: Vendas à vista Compra de mercadorias à vista ( ) - ( ) Do Capital de Giro: Recebimentos de Clientes (1) ( ) Pagamento a Fornecedores (2) - ( ) Duplicatas a Receber Estoque Empréstimo ( ) ( ) - Fornecedores - ( ) ( ) Caixa Gerado no Período Saldo do Final ExplicaçõesComplementares: 1. O valor apresentado como Recebimentos de Clientes se refere a todo recebimento do período, não há distinção entreo recebido referente ao ano anterior ( ) e o do período( ), como faz o DFCR. 2. Acontece a mesma coisa em relação ao valor apresentado como Pagamento a Fornecedores( ). Ou seja, não há distinção entre valores pagos do exercício ( ) e os referentes ao período anterior ( ) Conclusão: Podemos, ainda, observar que embora os valores apresentados pelo DFCD sejam facilmente explicáveis, ao contrário dos apresentados pelo DFCI que são irreais, eles não permitem uma análise mais detalhada do fluxo de caixa, como o faz o DFCD. Portanto, a adoção dos modelos de fluxo de caixa DFCI e DFCD para substituírem o DOAR foi totalmente equivocada, errônea e inexplicável. 11

13 Parte III Demonstrativo de Origens e Aplicações de Recursos A apresentação obrigatória do DOAR, no Brasil, passou a ser exigida com o advento da Lei a Nova Lei das S.A. - editada em Originariamente, as empresas americanas denominavam esta demonstração Origens e Usos de Fundos, nome largamente utilizado, principalmente nos estudos de projetos econômicos. Contudo, o Accounting Principles Board Opinion no. 19 (Dez de 1970) recomendou que esta demonstração passasse a ser denominada Demonstração das Mudanças na Posição Financeira (Statement of Changes in Financial Position) devido ao conceito amplo utilizado para determinação de fundos. No Brasil, contudo,a denominação de DOAR continuou a mesma. Somos de opinião que existe uma falta de entendimento completo, por parte dos profissionais que atuam nesta área, do que é e para que serve esta demonstração. Tal inteligibilidade começa pelo seu nome: Demonstração de Origens e Aplicações de Recursos. Este nome é vago, e, por isso, não diz absolutamentequal é o seu objetivo básico. O DOAR é uma demonstração que tem por objetivo básico mostrar como o Capital de Giro de uma empresa evoluiu de um período para o outro. Analogamente, da mesma maneira que o DRE demonstra as operações, do negócio da empresa, que durante o período aumentaram ou diminuíram o seu patrimônio líquido. Evidentemente, o DOAR começou a ser elaborado e utilizado na era pré-computador e é por esta razão que a sua elaboração começa com o Lucro Líquido. Ora, elaborado o Balanço Patrimonial e o Demonstrativo de Resultado Econômico (DRE) e sabendo- -se que receitas e despesas afetam o Capital de Giro, por que não começar o DOAR com o resultado já apurado pelo DRE? Desta maneira, se evitaria o trabalho dobrado de pesquisar nos registros contábeis, novamente (lembrem-se: as operações não eram digitalizadas). Mas tinha um problema: nem todas as despesas e receitasafetam o capital de giro. Por exemplo, as despesas de depreciação. A solução encontrada foi colocar o Lucro Líquido e estornar dele as receitas e despesas que não alteram o capital de giro. Exemplo clássico: 12

14 D O A R Lucro Líquido Depreciação Fundo proveniente das atividades operacionais Esta forma clássica de elaboração, do DOAR, significa que o fundo gerado, pelas atividades operacionais, que foi incorporado ao capital de giro da empresa, no período, foi de , supondo-se que houve uma despesa de depreciação de no cálculo do lucro líquido. Esta solução, embora inteligente, gerou muita discussão, muitos trabalhos e gasto de papel para explicar que a depreciação não gera fundo como parece, à primeira vista, pelo modelo de elaboração acima. Naquele contexto, em que o registro das operações não era digitalizado, este modelo do DOAR era perfeitamente aceitável, apesar das enormes dificuldades que apresentava e ainda apresenta: a. A elaboração do modelo atual do DOAR exige conhecimentos profundos de Contabilidade. É tamanha a dificuldade para a sua elaboração que, de uma maneira geral, as empresas que contam com empresa de auditoria externa, delegam (ou delegavam) a elaboração anual do DOAR para elas. E éesta a razão porque as empresas não apresentam esta demonstração mensalmente e, com isso, deixam de contar com um excelente instrumento de acompanhamento da posição financeira da empresa. b. Para que o computador produza o DOAR, repetindo o modelo manual ou mecânico, precisa de um programa cuja elaboração exige, do programador, conhecimentos aprofundados de Contabilidade e, ainda, que este profissional seja orientado por um contador extremamente competente. Esta é a razão porque praticamentenão existem programas de contabilidade incluindo o DOAR e os que existem (que conheci) não conseguem apresentar as operações, desta demonstração, corretamente. Esta constatação nos levou a desenvolver, juntamente com a MULTMEDIA DESIGN STUDIO Sérgio Mariz o Selftest Contábil software que a partir do lançamento contábil gera, automaticamente, todas as demonstrações financeiras atuais Demonstração da Posição Financeira, Demonstração do Resultado Econômico, Demonstração das Mutações Financeiras, Demonstração do Fluxo de Caixa e, inclusive, a Demonstração de Origens e Aplicações de Recursos (DOAR), todas totalmente corretas. Este software foi desenvolvido para o ensino de contabilidade. (Se você é professor de contabilidade e tiver interesse no Selftest Contábil entre em contato com o Prof. Alvaro Guimarães de Oliveira: Fones (21) e ). 13

15 c. O modelo atual do DOAR apresenta enormes dificuldades para ser ensinado e ser aprendido, a consequência disto é que a maioria esmagadora dos profissionais, responsáveis pela Contabilidade da empresa, não sabe como fazê-lo e não tem uma ideia exata para que serve este modelo. Contudo, com a chegada e evolução da informática que permitiu a digitalização das operações contábeis e possibilitou que a elaboração da DOAR fossefeita através de cada operação que efetivamente modifique o capital de giro, nova forma de elaboração, mais perfeita, que possibilite uma análise mais refinada das mudanças no capital de giro deverá ser adotada, conforme sugeri no meu livro Contabilidade Digital é Mais Fácil Capítulo 8 Contabilidade Digital. Para melhor esclarecimento e entendimento, vejamos o DOAR elaborado com os dados do exemplo, deste nosso trabalho, nos modelos Pré-Computador e Pós-Computador: D O A R (Pré-Computador) Lucro Líquido do período Depreciação Estorno do PDD Fundos provenientes das atividades operacionais Variação do Capital de Giro Saldo: Inicial Final D O A R (Pós-Computador) Do DRE: Fundos provenientes das atividades operacionais (1) Variação do Capital de Giro Saldo: Inicial Final (1) Este é o valor que apareceria no DOAR como fundos provenientes das atividades operacionais. 14

16 As contas a seguir que resultaram no valor de são um exemplode instruções introduzidas num programa de computador para calcular o total dos fundos, gerado pelo DRE, proveniente das atividades operacionais. Desta maneira, só colocamos o valor do fundo proveniente do DRE porque, estas contas constam do DRE e seria uma repetição se as colocássemos no DOAR. D O A R Do DRE: Vendas CMV ( ) PDD: Estorno Do período (13.800) Fundos provenientes das operações Variação do Capital de Giro Saldo: Inicial Final De fato, a única diferença notável, neste nosso exemplo, entre os modelos pré e pós- -computador é a depreciação no valor de Contudo ela é determinante entre um modelo e o outro. No modelo pré-computador ela aparece duas vezes, corretamente como despesa no DRE e, também corretamente, como estorno no DOAR, já que esta despesa não afeta o capital de giro, mas o permanente. No entanto, no modelo pós-computador, ela não aparece nenhuma vez. Primeiro porque o programa do computador está instruído para considerar somente as operações que afetem o capital de giro e, segundo, porque a despesa de depreciação, como já sabemos, não provoca mudanças no capital de giro. De imediato vemos duas grandes vantagens do modelo pós-computador sobre o pré: 1) Como no modelo pós não aparece o estorno da depreciação, não haverá possibilidade de se cometer este erro de considerar a depreciação como fato gerador de recursos financeiros. 2) Listar somente as operações que afetam o capital de giro, como faz o modelo pós-computador, torna a elaboração do DOAR mais fácil e a interpretação do que ocorreu na mudança do capital de giro, mais fácil ainda. Começar a elaboração do DOAR com o lucro líquido, como faz o modelo pré, e depois estornar ou acrescentar valores para extrair o montante que realmente alterou o capital de giro é um tanto complicado e muito trabalhoso. 15

17 No modelo pós-computador elaboramos um programa de contabilidade com todas as informações possíveis sobre as transações que afetam o capital giro e a forma de apresentação que achamos necessária para a nossa análise e só, o computador faz o resto. 16

18 Parte IV Análise Comparativa: DOAR x DFCR Já fizemos as devidas comparações entre o DFCR e os DFCI e DFCD e chegamos à conclusão que o DFCI é, no mínimo, uma farsa contábil, uma demonstração que apresenta números pretensiosos e errôneos, sem a mínima verossimilhança com a realidade das mudanças que ocorrem no capital giro. O DFCD apresenta números do interesse do tesoureiro: ele quer saber quanto recebeu e quanto pagou num determinado período, não importa se se o valor recebido ou pago se refere às operações do passado ou do presente. Por outro lado o DFCR apresenta os valores monetários que afetaram o capital de giro, inclusive o total recebido ou pago no exercício subdividido em valores do passado e do presente. Portanto, o DFCR é o demonstrativo de fluxo de caixa que nos permite observar e analisar o que aconteceu e oque vai acontecer com o capital de giro da empresa. Desta maneira, só o DFCR é válido para uma comparação com o DOAR. Conforme vimos o DOAR, no seu modelo de elaboração pré-computador, é muito complicado e amplia as chances de profissionais não especialistas em contabilidade a cometerem muitos erros de avaliação e interpretação da situação financeira da empresa. Contudo, conforme vimos, a digitalização das operações contábeis proporcionam a elaboração de um DOAR que é muito mais fácil de ser elaborado, analisado e interpretado. E que fez a Lei ? Abandonou o DOAR e adotou a Demonstração do Fluxo de Caixa (DFC)com o modelo problemático de elaboração pré-computador. Dá para entender? Não dá. Poderia se admitir que ela substituísse o DOAR por um modelo que fosse mais fácil de ser elaborado, analisado e interpretado, mas não pelo DFC que é muito mais complicado de ser elaborado, interpretado e analisado. Tenho sempre a impressão de que quem determina as normas e procedimentos contábeis são os financistas (Economistas, Engenheiros, Matemáticos, Estatísticos, etc., que atuam em áreas onde a informação contábil é fundamental: Administração Financeira, 17

19 Mercado de Capitais, etc.) porque sempre percebo que são confusas as normas a respeito dos aspectos econômicos e financeiros das operações contábeis. Esta confusão, creio eu, é originada de uma falta de conhecimento aprofundado de contabilidade, natural entre os financistas. Na realidade, eles não gostam de contabilidade e até mesmo a desprezam. E, por isso, pagam um preço enorme: nunca vão conhecê-la profundamente. Conforme vimos, o importante para a saúde financeira da empresa é o aspecto financeiro de suas operações. Contudo, os financistas mais uma vez começaram a confundir alhos com bugalhos, isto é, financeiro com monetário, e começaram a afirmar coisas absurdas, como: o importante é o Caixa, o Caixa é Rei e, assim por diante. Em função disso, a Lei sugeriu que as empresas de capital aberto publiquem o Demonstrativo de Caixa em detrimento do Demonstrativo de Origens e Aplicações de Recursos (DOAR) e isto é um absurdo como veremos a seguir. Quando estudamos Fundos de Investimentos, aprendemos que a rentabilidade passada, de um fundo, não diz muita coisa sobre a sua rentabilidade futura. Quando estudamos análise de balanço das empresas, aprendemos, também, que a sua rentabilidade não é um indicadorseguro dos seus resultados econômicos futuros. O que então aprenderemos a respeito do Fluxo de Caixa do período passado para utilizar na sua projeção futura ou compreender o que vai acontecer com a liquidez da empresa no futuro? Praticamente nada, por isso não vejo nenhuma vantagem na apresentação do Demonstrativo do Fluxo de Caixa. Aliás, muito pelo contrário, o DOAR é muito mais útil para a análise e decisão a respeito da situação de liquidez da empresa a curto prazo porquedemonstra como o Capital de Giro foi modificado, durante o exercício findo, e permite uma visão sobre a capacidade da empresa para o próximo período. O Capital de Giro, como engloba as contas do ativo e passivo corrente conjunto de contas, inclusive o Caixa, que têm um significativo relacionamento entre elas é, sem sombra de dúvidas, a demonstração financeira mais importante para a administração financeira da empresa. O administrador financeiro só estará apto e seguro para tomar decisões a respeito da situação financeira da empresa, se tiver respostas para as três mais importantesquestões financeiras da empresa: 1. Quanto temos no disponível? 2. Quanto temos a receber no curto prazo? 18

20 3. Quanto temos a pagar no curto prazo? E onde encontrar estas respostas? No Fluxo de Caixa do exercício quepassou? É claro que não. Quem nos dá estas respostas é o DOAR. Na realidade, a evidência empírica nos mostra que o caixa tem cada vez menos importância no mundo globalizado, particularmente, após o advento da Internet. A economia mundial estava apresentando um ritmo de desenvolvimento, pelo menos de 2000 até 2007, talvez sem precedentes na história da economia mundial, quando entrou em crise. Qual foi um dos principais motivos deste desenvolvimento, se não o principal? Foi o desenvolvimento do crédito imobiliário nos EUA, afirmam os economistas mais talentosos e experientes. E qual foi o motivo da nova crise da economia mundial? A crise do crédito imobiliário (subprimes) americano, o mesmo que foi responsável pelo grande desenvolvimento recente da economia mundial. Portanto, afirmar que o caixa é Rei agride o nosso bom senso e inteligência, evidentemente. Podemos concluir afirmando que no mundo atual, globalizado e wireless, quem é Rei é o crédito, e o caixa e, no máximo, um príncipe adorado. Conclusão geral e final A conclusão mais geral que chegamos é que a contabilidade brasileira está atrasada tecnologicamente, isto é, está usando o computador como uma máquina de escrever. Em relação à Demonstração do Fluxo de Caixa, por que a Lei sugere o modelo Indireto, que é exatamente o modelo de elaboração do DOAR na era pré-computador, o mais complicado e o que jamais registrará o movimento real do fluxo de caixa do período? É incrível, não dá para entender. Quem são os responsáveis por esta aberração contábil? É mais difícil ainda de entender quando sabemos, por experiência própria, que o Demonstrativo do Fluxo de Caixa Real, isto é, aquele elaborado através da listagem das operações de caixa diretamente, é a demonstração contábil mais fácil de ser elaborada, digitalmente. Por que a Lei não sugeriu o DFCR? Será que esta Lei está sugerindo dificuldade para vender facilidade? Será que o objetivo é criar mais empregos para os contadores? Realmente, não tenho a menor ideia sobre esta sugestão tão estapafúrdia. E o pior é que não vejo nenhuma contestação desta aberração, muito pelo contrário, tenho visto e lido alguns livros dedicando capítulos à explicação destas demonstrações 19

21 inexplicáveis. Na realidade vejo estes modelos de demonstrações de caixa direto e indireto - como se a própria empresa precisasse fazer deduções contábeis para chegar ao valor monetário real. Isto é uma maluquice. Para acabar com este samba do crioulo doido basta sugerir que as empresas apresentem a Demonstração do Fluxo de Caixa Real e o resto, é resto. Outro problema da nossa contabilidade que demonstra claramente o atraso tecnológico da nossa contabilidade é o Balancete que pressupõe a apuração de resultados econômicos, periodicamente. Não é mais admissível que vivamos num mundo altamente tecnológico e ainda usemos o balancete. Esta demonstração foi uma solução brilhante na era pré-computador, mas atualmente deve ser, o mais rápido possível, aposentada e enviada para um museu. A tecnologia está aí, todas operações contábeis são registradas digitalmente e, portanto, podemos e devemos apurar resultados econômicos instantaneamente. E fazendo desta maneira, os resultados econômicos se tornam mais fáceis de serem apurados, entendidos e interpretados. É difícil entender porque esta solução tão vantajosa, inclusive porque reduz custos, não foi ainda sugerida vigorosamente pelos legisladores da contabilidade. E, finalmente, acho que os processos contábeis atuais precisam sofrer uma revisão completa, visando atualizá-los,adaptando-os aos registros das operações contábeis digitalizadas. Se você, leitor, tiver interesse em discutir este trabalho, forme um grupo de, no mínimo 4 e no máximo 10 pessoas, e entre em contato direto com o Prof. Alvaro Guimarães de Oliveira nos seguintes números: Fones: (21) e Skype number: agoliveira

6 O SignificadO do LucrO

6 O SignificadO do LucrO 6 O Significado do Lucro Para que haja uma compreensão total e absoluta do processo de apuração de resultados econômicos Lucro ou Prejuízo é mister que entendamos porque a apuração de resultados é tão

Leia mais

UM CONCEITO FUNDAMENTAL: PATRIMÔNIO LÍQUIDO FINANCEIRO. Prof. Alvaro Guimarães de Oliveira Rio, 07/09/2014.

UM CONCEITO FUNDAMENTAL: PATRIMÔNIO LÍQUIDO FINANCEIRO. Prof. Alvaro Guimarães de Oliveira Rio, 07/09/2014. UM CONCEITO FUNDAMENTAL: PATRIMÔNIO LÍQUIDO FINANCEIRO Prof. Alvaro Guimarães de Oliveira Rio, 07/09/2014. Tanto as pessoas físicas quanto as jurídicas têm patrimônio, que nada mais é do que o conjunto

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII

Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII Montando o fluxo de caixa pelo método indireto Situações especiais na montagem do fluxo de caixa Caso prático completo Como utilizar os quadros

Leia mais

No concurso de São Paulo, o assunto aparece no item 27 do programa de Contabilidade:

No concurso de São Paulo, o assunto aparece no item 27 do programa de Contabilidade: Olá, pessoal! Como já devem ter visto, dois bons concursos estão na praça: Fiscal do ISS de São Paulo e Auditor Fiscal do Ceará. As bancas são, respectivamente, a Fundação Carlos Chagas (FCC) e a Escola

Leia mais

CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS

CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS 1.1 - CONCEITO A Demonstração das Origens e Aplicações de recursos (DOAR) deixou de ser obrigatória por força da lei

Leia mais

1) Elabore os lançamentos contábeis em razonetes e em seguida elabore a DRE e o BP:

1) Elabore os lançamentos contábeis em razonetes e em seguida elabore a DRE e o BP: 1) Elabore os lançamentos contábeis em razonetes e em seguida elabore a DRE e o BP: a) Constituição de uma sociedade com capital totalmente integralizado de R$ 30.000 b) Compra à vista de mercadorias para

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0401 01 IDENTIFICAÇÃO Título: CONTABILIDADE E EFICIÊNCIA NA ADMINISTRAÇÃO DO NEGÓCIO Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: ACOMPANHAMENTO CONTÁBIL O QUE É : Este é

Leia mais

AULA 8: FLUXO DE CAIXA

AULA 8: FLUXO DE CAIXA AULA 8: FLUXO DE CAIXA E os estudos, na reta final? A pedidos estou colocando a aula de Demonstração do Fluxo de Caixa. Como é uma matéria nova em Contabilidade Geral, estou fazendo uma introdução teórica

Leia mais

Professor conteudista: Hildebrando Oliveira

Professor conteudista: Hildebrando Oliveira Contabilidade Professor conteudista: Hildebrando Oliveira Sumário CONTABILIDADE Unidade I 1 CONCEITO DE CONTABILIDADE...1 2 OBJETO DA CONTABILIDADE...2 3 O BALANÇO PATRIMONIAL...3 4 A CONTA...4 O RESULTADO...6

Leia mais

Estrutura das Demonstrações Financeiras

Estrutura das Demonstrações Financeiras Estrutura das Demonstrações Financeiras 1 - ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS A Análise das demonstrações financeiras exige noções do seu conteúdo, significado, origens e limitações. Através de uma

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ):

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Contabilidade Gerencial e Controladoria Prof. Oscar Scherer Dia 23/03/2012. AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Parte importante da administração financeira, devendo

Leia mais

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO 2 -DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS. OBJETIVO E CONTEÚDO Os objetivos da Análise das Demonstrações Contábeis podem ser variados. Cada grupo de usuários pode ter objetivos específicos para analisar as Demonstrações

Leia mais

Análise das Demonstrações Financeiras

Análise das Demonstrações Financeiras UNIPAC UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS, LETRAS E SAÚDE DE UBERLÂNDIA. Rua: Barão de Camargo, nº. 695 Centro Uberlândia/MG. Telefax: (34) 3223-2100 Análise das Demonstrações

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA - DFC

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA - DFC DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA DFC A DFC é uma demonstração que tem por finalidade evidenciar as transações ocorridas em determinado período e que provocaram modificações nas disponibilidades da empresa

Leia mais

4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA. 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis:

4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA. 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: 4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA Exercícios: 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: Banco 100.000 Duplicatas a receber 80.000 Financiamentos 80.000

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «21. A respeito das funções da Contabilidade, tem-se a administrativa e a econômica. Qual das alternativas abaixo apresenta uma função econômica? a) Evitar erros

Leia mais

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1 Exercícios de Fixação (Questões de concurso) 1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1.1.1 Concurso para AFRF 2000 prova de contabilidade avançada - Questão 15 ENUNCIADO 15- Aplicações em Investimentos

Leia mais

A Demonstração no Brasil A Demonstração do Fluxo de Caixa - DFC

A Demonstração no Brasil A Demonstração do Fluxo de Caixa - DFC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI CAMPUS MINISTRO REIS VELLOSO CMRV DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E JURÍDICAS DCCJ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CCC EMPRESA JUNIOR DE CONTABILDIADE CONAC JUNIOR CURSO

Leia mais

Unidade II ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

Unidade II ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Unidade II DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) 3 INTRODUÇÃO 1 2 A demonstração dos fluxos de caixa (DFC), a partir de 01/01/08, passou a ser uma demonstração obrigatória, conforme estabeleceu a lei

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09 Demonstração de Fluxo de Caixa Demonstração de Fluxo de Caixa A partir de 28.12.2007 com a publicação

Leia mais

FCPERJ UCAM Centro. Contabilidade Empresarial DFC. Prof. Mônica Brandão

FCPERJ UCAM Centro. Contabilidade Empresarial DFC. Prof. Mônica Brandão FCPERJ UCAM Centro Contabilidade Empresarial DFC Prof. Mônica Brandão DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA É uma demonstração que tem por finalidade evidenciar as transações ocorridas em determinado período

Leia mais

Contabilidade bem básica

Contabilidade bem básica Contabilidade bem básica Instruções simples para que você possa compreender todo o conteúdo do site. A contabilidade é uma base para os demais. Conceitos de contabilidade básica O que é contabilidade?

Leia mais

CAPÍTULO 2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS, IMPOSTOS, e FLUXO DE CAIXA. CONCEITOS PARA REVISÃO

CAPÍTULO 2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS, IMPOSTOS, e FLUXO DE CAIXA. CONCEITOS PARA REVISÃO Bertolo Administração Financeira & Análise de Investimentos 6 CAPÍTULO 2 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS, IMPOSTOS, e FLUXO DE CAIXA. CONCEITOS PARA REVISÃO No capítulo anterior determinamos que a meta mais

Leia mais

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações Contabilidade: é objetivamente um sistema de informação e avaliação, destinado a prover seus usuários com demonstrações e análise de natureza econômica financeira. tratar as informações de natureza repetitiva

Leia mais

Vamos, então, à nossa aula de hoje! Demonstração de Fluxo de Caixa (2.ª parte) Método Indireto

Vamos, então, à nossa aula de hoje! Demonstração de Fluxo de Caixa (2.ª parte) Método Indireto Olá, pessoal! Aqui estou eu de novo, para continuar o assunto da aula passada: Fluxo de Caixa e Demonstração do Fluxo de Caixa. Assunto da maior importância, que está sendo cobrado nos atuais concursos

Leia mais

Introdução l Resumo Exercícios 15 Demonstrações Contábeis

Introdução l Resumo Exercícios 15 Demonstrações Contábeis Introdução l 1. l Um breve histórico l l.2 Definição do termo Contabilidade 2 1.3 O processo contábil 3 1.3.1 Posicionamento do contador em relação à empresa 4 l.4 Ramos de atuação da Contabilidade 5 l.4.

Leia mais

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC Contabilidade Avançada Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 7 Cash Flow Statements No CPC: CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Fundamentação

Leia mais

Como tirar proveito de um balanço na administração financeira...

Como tirar proveito de um balanço na administração financeira... Como tirar proveito de um balanço na administração financeira... José Alberto Bonassoli* Muitos contadores ficam frustrados quando entregam um balancete ou um balanço para administração. São poucos empresários

Leia mais

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 10 Demonstração do Fluxo de Caixa. Conteúdo

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 10 Demonstração do Fluxo de Caixa. Conteúdo Aula 10 Demonstração do Fluxo de Caixa. Conteúdo 12. Demonstração do Fluxo de Caixa 2 12.1. Introdução 2 12.2. Conceitos Importantes 2 12.3. Atividades Operacionais 5 12.4. Atividades de Investimento 7

Leia mais

Bloco Contábil e Fiscal

Bloco Contábil e Fiscal Bloco Contábil e Fiscal Contabilidade e Conciliação Contábil Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos Contabilidade e Conciliação Contábil, que fazem parte do Bloco Contábil

Leia mais

Exercício Elaboração da DOAR e da DFC passo a passo

Exercício Elaboração da DOAR e da DFC passo a passo UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - UERJ FAF / DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DOAR e DFC Exercício Elaboração da DOAR e da DFC passo a passo Com base nas demonstrações contábeis que seguem,

Leia mais

PÓS GRADUAÇÃO DIRETO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DE CONTABILIDADE E LIVROS EMPRESARIAS PROF. SIMONE TAFFAREL FERREIRA

PÓS GRADUAÇÃO DIRETO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DE CONTABILIDADE E LIVROS EMPRESARIAS PROF. SIMONE TAFFAREL FERREIRA PÓS GRADUAÇÃO DIRETO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DE CONTABILIDADE E LIVROS EMPRESARIAS PROF. SIMONE TAFFAREL FERREIRA DISTRIBUIÇÃO DA APRESENTAÇÃO - Aspectos Conceituais - Definições Teóricas e Acadêmicas

Leia mais

DECIFRANDO O CASH FLOW

DECIFRANDO O CASH FLOW Por: Theodoro Versolato Junior DECIFRANDO O CASH FLOW Para entender melhor o Cash Flow precisamos entender a sua origem: Demonstração do Resultado e Balanço Patrimonial. O Cash Flow é a Demonstração da

Leia mais

Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro

Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro Faculdade Atenas Maranhense - FAMA Professor: Esp. CLEIDIANA SACCHETTO Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO CIRCULANTE 19.549.765,82 17.697.855,44

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO CIRCULANTE 19.549.765,82 17.697.855,44 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO ATIVO R$ CIRCULANTE 19.549.765,82 17.697.855,44 Disponibilidades 1.222.288,96 946.849,34 Mensalidades a receber 4.704.565,74 4.433.742,86 Endosso para terceiros 1.094.384,84

Leia mais

WRM Auditoria e Consultoria Ltda. - CNPJ (MF) 00.164.845/0001/12.

WRM Auditoria e Consultoria Ltda. - CNPJ (MF) 00.164.845/0001/12. Lins (SP), 12 de Março de 2.010. À SOCIEDADE DE PROMOÇÃO SOCIAL DO FISSURADO LÁBIO- PALATAL - PROFIS Rua Silvio Marchione 3-55 Bauru SP. ILMO.SR. Diretor - Presidente Encaminhando em anexo, o Relatório

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos Tópicos do Estudo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (Doar). Uma primeira tentativa de estruturar

Leia mais

A demonstração dos fluxos de caixa evidencia a variação ocorridas no saldo das disponibilidades da companhia, em um determinado exercício ou período,

A demonstração dos fluxos de caixa evidencia a variação ocorridas no saldo das disponibilidades da companhia, em um determinado exercício ou período, A demonstração dos fluxos de caixa evidencia a variação ocorridas no saldo das disponibilidades da companhia, em um determinado exercício ou período, por meio eo da exposição posção dos fluxos de recebimentos

Leia mais

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO Lúcia de Fátima de Lima Lisboa RESUMO O presente artigo apresenta o fluxo de caixa como uma ferramenta indispensável para a gestão financeira

Leia mais

Fluxo de Caixa método direto e indireto

Fluxo de Caixa método direto e indireto Fluxo de Caixa método direto e indireto A empresa Claudio Zorzo S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: Banco 100.000 Duplicatas a receber 80.000 Financiamentos 80.000 Capital Social

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP PROF. Ms. EDUARDO RAMOS Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E ESTRUTURA CONCEITUAL 3. O CICLO CONTÁBIL

Leia mais

TEORIA DA CONTABILIDADE 2010

TEORIA DA CONTABILIDADE 2010 DFC DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA ( Exercícios ) 1. INTRODUÇÃO A Demonstração de Fluxos de Caixa, de acordo com a lei 11.638/2007, passou a ser obrigatória para as companhias abertas, companhias de

Leia mais

WWW.aplicms.com.br Aula de Apuração do Resultado (ARE) Prof. Pedro A. Silva (67) 3382-9772

WWW.aplicms.com.br Aula de Apuração do Resultado (ARE) Prof. Pedro A. Silva (67) 3382-9772 WWW.aplicms.com.br Aula de Apuração do Resultado (ARE) Prof. Pedro A. Silva (67) 3382-9772 Receitas x Despesas Podemos conceituar receitas como todos os recursos, em princípio, provenientes da venda de

Leia mais

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA www.editoraferreira.com.br CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Professor Humberto Fernandes de Lucena 6.1. Balanço Patrimonial Desde o início de nosso curso, vimos tratando sobre Balanço Patrimonial apenas

Leia mais

Marketing Prof. Sidney Leone. Hoje Você Aprenderá: Ferramentas. Gestão Financeira: Planejamento Financeiro

Marketing Prof. Sidney Leone. Hoje Você Aprenderá: Ferramentas. Gestão Financeira: Planejamento Financeiro Marketing Prof. Sidney Leone Gestão Financeira: Planejamento Financeiro Hoje Você Aprenderá: Demonstrativos financeiros da empresa (Balanço Patrimonial, DRE, DMPL etc...) Análise econômicofinanceira.(fluxo

Leia mais

Comentários da prova ISS-SJC/SP Disciplina: Contabilidade Professor: Feliphe Araújo

Comentários da prova ISS-SJC/SP Disciplina: Contabilidade Professor: Feliphe Araújo Disciplina: Professor: Feliphe Araújo Olá amigos, Comentários da prova ISS-SJC/SP ANÁLISE DA PROVA DE CONTABILIDADE - ISS-SJC/SP Trago para vocês os comentários da prova do concurso de Auditor Tributário

Leia mais

ETEP TÉCNICO EM CONTABILIDADE MÓDULO 3 INFORMÁTICA 3 2012 PÓS MÉDIO

ETEP TÉCNICO EM CONTABILIDADE MÓDULO 3 INFORMÁTICA 3 2012 PÓS MÉDIO 2012 TÉCNICO EM CONTABILIDADE MÓDULO 3 INFORMÁTICA 3 PÓS MÉDIO 1 AULA 1 Verificação de Erros cometidos no Domínio Escrita Fiscal Para verificar o que já foi realizado no domínio escrita fiscal (e também

Leia mais

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA REGIONAL DE CHAPECÓ - UNOCHAPECÓ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CONTABILIDADE SOCIETÁRIA II

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA REGIONAL DE CHAPECÓ - UNOCHAPECÓ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CONTABILIDADE SOCIETÁRIA II UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA REGIONAL DE CHAPECÓ - UNOCHAPECÓ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CONTABILIDADE SOCIETÁRIA II EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO MATRIZ E FILIAL A empresa Comércio Vai Bem Ltda, optante

Leia mais

Durante o mês de dezembro a Companhia efetuou as seguintes transações:

Durante o mês de dezembro a Companhia efetuou as seguintes transações: Durante o mês de dezembro a Companhia efetuou as seguintes transações: 1) Antecipação do pagamento de uma duplicata de $ 140.000 a um de seus fornecedores, com 2% de desconto. i 2) Efetuou os seguintes

Leia mais

Contabilidade Geral Correção da Prova APO 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL

Contabilidade Geral Correção da Prova APO 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL CONTABILIDADE GERAL 61- De acordo com a 750/93, do Conselho Federal de Contabilidade, foram aprovados os seguintes Princípios Fundamentais de Contabilidade: da Competência; da Prudência; do Denominador

Leia mais

CURSO de CIÊNCIAS CONTÁBEIS - Gabarito

CURSO de CIÊNCIAS CONTÁBEIS - Gabarito UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE TRANSFERÊNCIA 2 o semestre letivo de 2006 e 1 o semestre letivo de 2007 CURSO de CIÊNCIAS CONTÁBEIS - Gabarito INSTRUÇÕES AO CANDIDATO Verifique se este caderno contém:

Leia mais

CONTABILIDADE E CUSTOS Atualizado em 14 de abril de 2009

CONTABILIDADE E CUSTOS Atualizado em 14 de abril de 2009 Conceito de Contabilidade CONTABILIDADE E CUSTOS Atualizado em 14 de abril de 2009 Processo de identificar, mensurar e comunicar informações econômicas para permitir julgamentos e decisões fundamentais

Leia mais

. Natureza de saldo das contas

. Natureza de saldo das contas . Natureza de saldo das contas Introdução Prezado candidato/aluno é de extrema importância entendermos a natureza de saldo das contas em contabilidade, em razão disse devemos separar as contas patrimoniais

Leia mais

4. O balancete de verificação de uma certa empresa apresentava os seguintes saldos em 31.12.x1: $ 4.500 $ 2.750 $ 800 $ 4.250

4. O balancete de verificação de uma certa empresa apresentava os seguintes saldos em 31.12.x1: $ 4.500 $ 2.750 $ 800 $ 4.250 MÚLTIPLA ESCOLHA 1 Não integra o Ativo: a contas representativas de origem dos recursos b contas com saldo devedor c contas representativas de bens d contas representativas de direitos e capital fixo e

Leia mais

ANÁLISE DE DEMONSTRATIVOS FINANCEIROS

ANÁLISE DE DEMONSTRATIVOS FINANCEIROS ANÁLISE DE DEMONSTRATIVOS FINANCEIROS Prof. Herbert Kimura INTRODUÇÃO À ANÁLISE DE BALANÇOS CONTEXTUALIZAÇÃO Prof. Herbert Kimura INFORMAÇÕES Interna Externa Armazenagem Contábil! Relatórios contábeis

Leia mais

Pronunciamentos Contábeis (CPCs): esquematizados, resumidos e anotados. CPC 03 Demonstração dos Fluxos de Caixa

Pronunciamentos Contábeis (CPCs): esquematizados, resumidos e anotados. CPC 03 Demonstração dos Fluxos de Caixa Pronunciamentos Contábeis (CPCs): esquematizados, resumidos e anotados CPC 03 Demonstração dos Fluxos de Caixa Pessoal, no artigo de hoje daremos continuidade ao nosso projeto Detonando os CPCs. Caso você

Leia mais

ANALISE DE BALANÇO UNIDADE 1 : INTRODUÇÃO. Extrair informações das Demonstrações Financeiras para a tomada de decisões.

ANALISE DE BALANÇO UNIDADE 1 : INTRODUÇÃO. Extrair informações das Demonstrações Financeiras para a tomada de decisões. ANALISE DE BALANÇO 1.1 Objetivo da análise de Balanços UNIDADE 1 : INTRODUÇÃO Extrair informações das Demonstrações Financeiras para a tomada de decisões. 1.2 Dados versus Informações Dados: São os números

Leia mais

Correção da Prova. Questões: 7, 8, 12, 20, 21, 22, 24, 34, 45 e 46

Correção da Prova. Questões: 7, 8, 12, 20, 21, 22, 24, 34, 45 e 46 Correção da Prova Questões: 7, 8, 12, 20, 21, 22, 24, 34, 45 e 46 Questão 7 Uma sociedade empresária mantém no seu estoque de mercadorias para revenda três tipos de mercadorias: I, II e III. O valor total

Leia mais

CONTABILIDADE. Conceito. Campo de Aplicação. Instrumento informações úteis tomada de decisões

CONTABILIDADE. Conceito. Campo de Aplicação. Instrumento informações úteis tomada de decisões Conceito Instrumento informações úteis tomada de decisões Campo de Aplicação Comércio - Indústria - Entidades Públicas - Hospitais Agropecuárias - Seguradoras - etc. Finalidade da Contabilidade Controle

Leia mais

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi Gestão Financeira Prof. Eduardo Pozzi Finanças Corporativas Questões centrais na gestão financeira de uma empresa: Quais investimentos de longo prazo precisam ser feitos? Que tipo de instalações, maquinário

Leia mais

ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Prof. Mário Leitão

ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Prof. Mário Leitão ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Mário Leitão Estrutura das Demonstrações Financeiras A análise das demonstrações financeiras exige conhecimento do que representa cada conta que nela figura. Há

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INTRODUÇÃO O objetivo da Administração Financeira é maximizar o patrimônio dos acionistas. A função do administrador financeiro é orientar as decisões de investimentos

Leia mais

Profa. Ma. Divane A. Silva. Unidade II CONTABILIDADE

Profa. Ma. Divane A. Silva. Unidade II CONTABILIDADE Profa. Ma. Divane A. Silva Unidade II CONTABILIDADE Contabilidade A disciplina está dividida em quatro unidades. Unidade I 1. Contabilidade Unidade II 2. Balanços sucessivos com operações que envolvem

Leia mais

Pessoal, ACE-TCU-2007 Auditoria Governamental - CESPE Resolução da Prova de Contabilidade Geral, Análise e Custos

Pessoal, ACE-TCU-2007 Auditoria Governamental - CESPE Resolução da Prova de Contabilidade Geral, Análise e Custos Pessoal, Hoje, disponibilizo a resolução da prova de Contabilidade Geral, de Análise das Demonstrações Contábeis e de Contabilidade de Custos do Concurso para o TCU realizado no último final de semana.

Leia mais

APURAÇÃO DO RESULTADO (1)

APURAÇÃO DO RESULTADO (1) APURAÇÃO DO RESULTADO (1) Isnard Martins - UNESA Rodrigo de Souza Freitas http://www.juliobattisti.com.br/tutoriais/rodrigosfreitas/conhecendocontabilidade012.asp 1 Apuração do Resultado A maioria das

Leia mais

1. CONCEITOS 2. OBJETIVOS

1. CONCEITOS 2. OBJETIVOS 1. CONCEITOS A Demonstração do Fluxo de Caixa demonstra a origem e a aplicação de todo o dinheiro que transitou pelo Caixa em um determinado período e o resultado desse fluxo (Iudícibus e Marion, 1999).

Leia mais

ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 1

ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 1 ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 1 Índice Análise Vertical e Análise Horizontal...3 1. Introdução...3 2. Objetivos e técnicas de análise...4 3. Análise vertical...7 3.1 Cálculos da análise vertical do balanço

Leia mais

CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS: AJUSTES E ELIMINAÇÕES IMPORTANTES

CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS: AJUSTES E ELIMINAÇÕES IMPORTANTES CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS: AJUSTES E ELIMINAÇÕES IMPORTANTES Qual o objetivo da consolidação? O que precisa ser consolidado? Quais são as técnicas de consolidação? Como considerar a participação

Leia mais

Módulo Contábil e Fiscal

Módulo Contábil e Fiscal Módulo Contábil e Fiscal Contabilidade Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Contábil e Fiscal Contabilidade. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

CONVERSAO DE DEMONSTRACOES CONTABEIS EM MOEDA. ESTRAGEIRA: FASB nº 8 e FASB nº 52

CONVERSAO DE DEMONSTRACOES CONTABEIS EM MOEDA. ESTRAGEIRA: FASB nº 8 e FASB nº 52 CONVERSAO DE DEMONSTRACOES CONTABEIS EM MOEDA Evolução das Normas de Contabilidade aplicadas no EUA Critérios Contábeis brasileiros e americanos (USGAAP) Objetivos da conversão de demonstrações contábeis

Leia mais

Curso Completo de Contabilidade Geral e Avançada Professor: Silvio Sande

Curso Completo de Contabilidade Geral e Avançada Professor: Silvio Sande ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS É a técnica que consiste na decomposição, comparação e interpretação dos demonstrativos do estado patrimonial e do resultado econômico de uma entidade. Técnicas de análise

Leia mais

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária Alcance 1. Uma entidade que prepara e apresenta Demonstrações Contábeis sob o regime de competência deve aplicar esta Norma

Leia mais

Contabilidade Decifrada

Contabilidade Decifrada Contabilidade Decifrada Demonstração de Origens e Aplicações de Recursos DOAR Luiz Eduardo Conceitos iniciais Capital Circulante líquido CCL, Origens e Aplicações 1 Capital Circulante Líquido CCL, definido

Leia mais

Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro. Contabilidade. História. Contabilidade e Balanço Patrimonial

Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro. Contabilidade. História. Contabilidade e Balanço Patrimonial Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro Contabilidade e Balanço Patrimonial Contabilidade É a ciência teórica e prática que estuda os métodos de cálculo e registro da movimentação financeira e patrimônio

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO

ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2013 ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO Demonstrações Contábeis Em 31

Leia mais

Princípios Fundamentais Contabilidade

Princípios Fundamentais Contabilidade Princípios Fundamentais Contabilidade 1 Princípios Contábeis. Resolução CFC 750 de 29 de dezembro de 1993. Art. 3 São Princípios de Contabilidade:(2) I o da ENTIDADE; II o da CONTINUIDADE; III o da OPORTUNIDADE;

Leia mais

LEITURA COMPLEMENTAR UNIDADE II

LEITURA COMPLEMENTAR UNIDADE II LEITURA COMPLEMENTAR UNIDADE II A leitura complementar tem como objetivo reforçar os conteúdos estudados e esclarecer alguns assuntos que facilitem a compreensão e auxiliem na elaboração da atividade.

Leia mais

ANALISANDO A ESTRATÉGIA ENTRE O APORTE DE CAPITAL E EMPRÉSTIMOS DE ACIONISTAS

ANALISANDO A ESTRATÉGIA ENTRE O APORTE DE CAPITAL E EMPRÉSTIMOS DE ACIONISTAS ANALISANDO A ESTRATÉGIA ENTRE O APORTE DE CAPITAL E EMPRÉSTIMOS DE ACIONISTAS! Se as linhas de crédito estão escassas, qual a melhor estratégia para suprir a empresa com recursos?! É possível manter a

Leia mais

Noções Básicas de Contabilidade 27-07- 2011

Noções Básicas de Contabilidade 27-07- 2011 Noções Básicas de Contabilidade Aplicada Telefonica 27-07- 2011 0 Apresentação Rogério PROCÓPIO da Cunha Programação Início 14:00 Intervalo 15:30 Retorno 15:50 Conclusão 17:30 Este material poderá ser

Leia mais

UM ESTUDO HISTÓRICO DA ANÁLISE DE BALANÇO BEM COMO A SUAS APLICAÇÕES NO NOSSO TEMPO. Paola Guariso Crepaldi 1, Renato Nogueira Perez Avila 2,

UM ESTUDO HISTÓRICO DA ANÁLISE DE BALANÇO BEM COMO A SUAS APLICAÇÕES NO NOSSO TEMPO. Paola Guariso Crepaldi 1, Renato Nogueira Perez Avila 2, UM ESTUDO HISTÓRICO DA ANÁLISE DE BALANÇO BEM COMO A SUAS APLICAÇÕES NO NOSSO TEMPO Paola Guariso Crepaldi 1, Renato Nogueira Perez Avila 2, Elisangela Leme Antonio 3, Viviane Batista Mastelari 4 RESUMO

Leia mais

Projeções dos Demonstrativos Contábeis. Prof. Isidro

Projeções dos Demonstrativos Contábeis. Prof. Isidro Projeções dos Demonstrativos Contábeis Prof. Isidro Planejamento Financeiro O planejamento financeiro de uma empresa busca determinar suas necessidades de caixa e é feito em dois níveis: Curto prazo (operacional)

Leia mais

Aula 2 - Técnicas contábeis e Demonstrações Financeiras. Prof Adelino Correia

Aula 2 - Técnicas contábeis e Demonstrações Financeiras. Prof Adelino Correia Tema: Técnicas Contábeis e Demonstrações Financeiras MATERIAL DE APOIO - ENVIADO PELO PROFESSOR Índice 1. Síntese Técnicas Contábeis e Demonstrações Financeiras 2. Simulado 3. Gabarito Aula 2 - Técnicas

Leia mais

Unidade II CONTABILIDADE. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade II CONTABILIDADE. Prof. Jean Cavaleiro Unidade II CONTABILIDADE Prof. Jean Cavaleiro Objetivo Conhecer a estrutura do balanço patrimonial: ativo; passivo. Conhecer a estrutura do DRE. Conhecer a estrutura do DFC: direto; indireto. Balanço patrimonial

Leia mais

COMO ENTENDER BALANÇOS Por: Antoninho Marmo Trevisan

COMO ENTENDER BALANÇOS Por: Antoninho Marmo Trevisan COMO ENTENDER BALANÇOS Por: Antoninho Marmo Trevisan Destrinchar os segredos de um Balanço não é nenhum bicho de sete cabeças. Com 35 questões, cujas respostas você agora vai conhecer, Ter acesso aos mistérios

Leia mais

Faculdade Alves Faria

Faculdade Alves Faria Apresentação Discente e Docente. Apresentação e Entrega do Plano de Ensino, 1 2 3 4 5 6 7 1. Introdução às Finanças Corporativas: Agrupamento das áreas básicas de finanças relacionadas às empresas. Evolução

Leia mais

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro.

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro. Plano de Ensino Conceito A Função Financeira nas Empresas Utilização das informações contábeis Áreas de Decisões Financeiras Objetivos do Administrador Financeiro Organização da Função Financeira Estrutura

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 QUOCIENTES DE RENTABILIDADE Os Quocientes de Rentabilidade servem para medir a capacidade econômica da empresa, isto é, evidenciam o grau de êxito econômico obtido pelo

Leia mais

O BANCO DO DESENVOLVIMENTO PROVA DISCURSIVA PROFISSIONAL BÁSICO - CIÊNCIAS CONTÁBEIS LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

O BANCO DO DESENVOLVIMENTO PROVA DISCURSIVA PROFISSIONAL BÁSICO - CIÊNCIAS CONTÁBEIS LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 04 NOVEMBRO / 2009 O BANCO DO DESENVOLVIMENTO PROVA DISCURSIVA PROFISSIONAL BÁSICO - CIÊNCIAS CONTÁBEIS (2 a FASE) LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 01 - Você recebeu do fiscal o seguinte material:

Leia mais

CGM-SP Auditor Municipal de Controle Interno Geral Prova Objetiva Comentada Contabilidade Geral

CGM-SP Auditor Municipal de Controle Interno Geral Prova Objetiva Comentada Contabilidade Geral CGM-SP Auditor Municipal de Controle Interno Geral Prova Objetiva Comentada Contabilidade Geral Salve, guerreiros(as)! A seguir comentamos as questões de Contabilidade Geral aplicadas no concurso da CGM-SP

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS EM REDE

ASSOCIAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS EM REDE ASSOCIAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS EM REDE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 E 2007 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 E 2007 CONTEÚDO Parecer dos auditores independentes Quadro

Leia mais

PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES. Aos Sócios, Conselheiros e Diretores da INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO BLUMENAU-SOLIDARIEDADE ICC BLUSOL

PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES. Aos Sócios, Conselheiros e Diretores da INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO BLUMENAU-SOLIDARIEDADE ICC BLUSOL Auditores Independentes S/S PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES Aos Sócios, Conselheiros e Diretores da INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO BLUMENAU-SOLIDARIEDADE ICC BLUSOL 1. Examinamos os balanços patrimoniais

Leia mais

Contabilidade Empresarial

Contabilidade Empresarial Contabilidade Empresarial PROGRAMA DO CURSO Conceitos básicos de contabilidade Balanço patrimonial Demonstrativo de resultado de exercício Demonstrativo de fluxo de caixa Demonstrativo das Origens e Aplicações

Leia mais

COMENTÁRIO ÀS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE REFERENTES À ESTRUTURA DO ATIVO CIRCULANTE E DO GRUPO DO PASSIVO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS

COMENTÁRIO ÀS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE REFERENTES À ESTRUTURA DO ATIVO CIRCULANTE E DO GRUPO DO PASSIVO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS COMENTÁRIO ÀS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE REFERENTES À ESTRUTURA DO ATIVO CIRCULANTE E DO GRUPO DO PASSIVO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS Salézio Dagostim ESTRUTURA DO ATIVO CIRCULANTE Diz a Norma

Leia mais

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios Vanessa da Silva Sidônio vanessa_sidonio@hotmail.com Professor Heber Lavor Moreira heber@peritocontador.com.br Trabalho da Disciplina Administração

Leia mais

Prefácio, xvii. Parte I Ambiente da Análise Financeira, 1

Prefácio, xvii. Parte I Ambiente da Análise Financeira, 1 Prefácio, xvii Parte I Ambiente da Análise Financeira, 1 1 Amplitude da análise financeira, 3 1.1 Visão estratégica da empresa, 3 1.2 Que é análise financeira de empresas, 6 1.3 Análise financeira e áreas

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL PROFESSOR: OTÁVIO SOUZA QUESTÕES COMENTADAS. Neste artigo comentarei algumas questões de provas sobre o tema Análise de Balanços.

CONTABILIDADE GERAL PROFESSOR: OTÁVIO SOUZA QUESTÕES COMENTADAS. Neste artigo comentarei algumas questões de provas sobre o tema Análise de Balanços. QUESTÕES COMENTADAS Neste artigo comentarei algumas questões de provas sobre o tema Análise de Balanços. 01. (FCC Analista Contabilidade TRT 24ª Região 2011) Considere: ATIVO CIRCULANTE Companhia X Companhia

Leia mais

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente,

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente, Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Exercícios de Contabilidade Professora Niuza Adriane da Silva 1º A empresa XYZ adquire mercadorias para revenda, com promessa de pagamento em 3 parcelas iguais, sendo

Leia mais