CENTRO UNIVERSITÁRIO ANTÔNIO EUFRÁSIO DE TOLEDO DE PRESIDENTE PRUDENTE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO UNIVERSITÁRIO ANTÔNIO EUFRÁSIO DE TOLEDO DE PRESIDENTE PRUDENTE"

Transcrição

1 CENTRO UNIVERSITÁRIO ANTÔNIO EUFRÁSIO DE TOLEDO DE PRESIDENTE PRUDENTE PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL TOLEDO 2015

2 EQUIPE TÉCNICA Zely Fernanda de Toledo Pennacchi Machado Maria do Carmo de Toledo Pennacchi Maria Inês de Toledo Pennacchi Amaral Clarice Yoshioka Yara Pires Gonçalves Rosana da Silva Santos Jurazeky Lidiane do Prado Reis Marcio Ricardo da Silva Zago Maria Lúcia Ribeiro da Costa José Artur Teixeira Gonçalves Viviane Priscila Piloni Vilhegas Jéssica Cristina Fioravante Mario Augusto Andreta Carvalho Secretária: Juliana Milene Xavier Zago EQUIPE DE APOIO Júlio César Barrios Everson José Juarez Fabio Ibanhez Bertuchi Juliene Aglio de Oliveira Mário Augusto Andreta Carvalho Priscila Guidini Ronaldo Cardoso Machado Sergio Tibiriçá Amaral Júlia Fernandes Guimarães Pereira Marcos Rodrigues Fróis Carlos Eduardo Turino Secretárias: Lucilaine Mota Santos Gabriela Ferreira Cabrera Helen Costa David

3 CPA Yara Pires Gonçalves Zely Fernanda de Toledo Pennacchi Machado Ana Paula Ambrósio Zanelato Claudio José Palma Sanchez Eli Candido Junior Ronaldo Mancini Fabiana Junqueira Tamaoki Wilson de Luces Fortes Machado Rodrigo Lemos Arteiro Clarice Yoshioka Paulo Eduardo Pennacchi Marcondes José do Carmo Ferreira Marilena dos Santos Ferreira de Castilho

4 LISTA DE SIGLAS AET- Associação Educacional Toledo CAET- Centro Universitário Antônio Eufrásio de Toledo CIT - Centro de Informática e Tecnologia EJT - Empresa Junior Toledo ENADE - Exame Nacional de Desempenho de Estudantes ENEM - Exame Nacional do Ensino Médio ETIC - Encontro Toledo de Iniciação Científica FIAETPP- Faculdades Integradas Antônio Eufrásio de Toledo de Pres. Prudente/SP FIES - Financiamento Estudantil IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IDH - Índice de Desenvolvimento Humano IES - Instituição de Ensino Superior IGC- Índice Geral de Cursos INEP- Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira IPT - Índice de Preço Toledo LAP Laboratório de Apoio Pedagógico LDB - Lei de Diretrizes e Bases MEC - Ministério da Educação NDE- Núcleo Docente Estruturante NEPE - Núcleo de Estudos e Pesquisa NEET - Núcleo de Estágios e Empregos da Toledo PDI - Plano de Desenvolvimento Institucional PPI - Projeto Pedagógico Institucional PEC - Programa de Educação Continuada RAV- Recursos Audiovisuais SAT - Sistema Acadêmico Toledo SESU Secretaria de Educação Superior SINAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SIPAT- Semana Interna de Prevenção de Acidentes de Trabalho UAT União Atleticana Toledo

5 SUMÁRIO INTRODUÇÃO Contexto Institucional Missão, Princípios e Valores Áreas de Atuação Contexto educacional Caracterização da Cidade e Região Indicadores econômicos e sociais Diretrizes educacionais Articulação entre os Projetos Educacionais (PDI, PPI, PPC) Coerência entre o Projeto Pedagógico do Curso, a caracterização regional, demandas sociais, população escolar e políticas institucionais Políticas institucionais no âmbito do curso: ensino, pesquisa e extensão PARTE I CARACTERIZAÇÃO DO CURSO Bases legais do curso e número de vagas Justificativa do curso Objetivos do curso Perfil profissional do egresso Gestão do Curso Perfil do coordenador Colegiado de curso Núcleo Docente Estruturante-NDE Apoio aos discentes Atendimento psicopedagógico Mecanismos de nivelamento Atividades Acadêmicas Visitas Monitoradas Monitoria e tutoria Bolsas Perfis Discente e Docente Relações de Proporcionalidade Relação Alunos/Docentes Relação Disciplina/Docentes Relação Vagas Autorizadas/ Docentes em Tempo Integral Articulação entre Ensino, Pesquisa, Extensão e Pós-Graduação Políticas de Ensino... 53

6 8.1.1 Conteúdos curriculares Metodologia e técnicas de ensino Práticas pedagógicas diferenciadas Interdisciplinaridade Disciplinas Semipresenciais Tecnologias de informação e comunicação TICs no processo de ensinoaprendizagem Recursos tecnológicos Sistema de Comunicação: Toledo Portal Universitário Modos de integração entre teoria e prática e graduação e pós-graduação Sistema de avaliação de aprendizagem Avaliações especiais Políticas de Pesquisa Diretrizes de pesquisa Núcleo de Estudo e Pesquisa - NEPE Grupos de iniciação científica e pesquisa Programa institucional de iniciação científica Programa de iniciação científica do PIBIC/CNPq Divulgação científica Suporte técnico e financeiro Políticas de Extensão Coordenadoria de Extensão e Assuntos Comunitários - CEAC Caracterização da extensão na IES Encontro de Iniciação Científica e Extensão Políticas de Inovação Acadêmica Laboratório de Apoio Pedagógico em Inovação Acadêmica Internacionalização Pesquisa de metodologias inovadoras Capacitação e formação docente Implantação de metodologias ativas Pós-Graduação PARTE II ORGANIZAÇÃO CURRICULAR Concepção de curso: articulação dos conteúdos curriculares Núcleos Eixos Temáticos Abordagens Estrutura curricular: matriz (disciplinas em 2015)... 83

7 2.1 Representação gráfica de um perfil de formação Matriz curricular de ingressantes em Matrizes Curriculares de Transição Campos de formação Conteúdos de formação básica Conteúdos de formação profissional Conteúdos de estudos quantitativos e suas tecnologias Conteúdos de formação complementar Atividades de formação complementar Atividades complementares Estágio Supervisionado Produção Técnico Científica PTC Integralização do Curso Ações decorrentes dos processos de avaliação do curso Avaliação Interna Avaliação Externa Ementário, Objetivos e Bibliografias das Disciplinas em PARTE III APOIO E PRÁTICAS ACADÊMICO-PEDAGÓGICAS Práticas Formais de Avaliação do Curso Programa de Auto avaliação institucional do curso e CPA Avaliação Externa por Comissão de Especialistas do MEC Avaliação do Projeto Pedagógico Política de Qualificação Acadêmica Programa de Educação Continuada Projeto de Capacitação Docente Plano de Carreira Infraestrutura de apoio acadêmico Biblioteca Instalações Acervo Informatização Política de aquisição, expansão e atualização Serviços Pessoal técnico administrativo Manutenção e conservação Recursos Audiovisuais e de Multimídia

8 3.3 Laboratórios de Informática Equipamentos e Recursos Equipamentos de uso acadêmico Recurso Tecnológico Didático Complementar Recursos tecnológicos destinados ao corpo técnico-administrativo Apoios pedagógicos específicos Empresa Júnior Toledo Núcleo de Estágio e Emprego da Toledo NEET ANEXOS

9 9 INTRODUÇÃO A elaboração do Projeto Pedagógico foi realizada em equipe, envolvendo todos os sujeitos participantes do processo educativo do Curso de Administração. Mais do que competência evidenciou-se a necessidade de compromisso e responsabilidade de todos, bem como a exigência de postura filosófica, ética, axiológica e epistemológica diante do ato educativo. Depois de grande reflexão coletiva, de sugestões e propostas do corpo docente, administrativo, núcleo docente estruturante, pesquisas realizadas com os egressos, busca de dados nas avaliações institucionais e específicas do Projeto Pedagógico do Curso, resultados obtidos no Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes-ENADE e nas observações feitas pela comissão de avaliadores do Ministério de Educação - MEC procurou-se o aperfeiçoamento e atualização do Curso, com os redirecionamentos indicados, bem como a potencialização dos aspectos positivos igualmente apontados. O Projeto Pedagógico situa-se no âmbito organizacional escolar, que é o currículo educacional, engloba a estrutura administrativa e acadêmica da instituição e é sintetizado pelo processo de ensino-aprendizagem, campo de atuação docente onde se produz cultura. O currículo, enquanto campo de produção é, também, campo de contestação, porque supõe o envolvimento de relações sociais, ideológicas e culturais dos participantes. Retrata as características e as necessidades regionais, locais e institucionais com a finalidade de contemplar as exigências do mercado global e em atendimento às exigências legais. 1 Contexto Institucional A primeira faculdade criada pelo professor Antônio Eufrásio de Toledo, em Presidente Prudente-SP, foi a Faculdade de Direito, em 13 de maio de 1961, naquela época mantida pela Instituição Toledo de Ensino com sede em Bauru-SP, atendendo aos anseios de segmentos representativos da sociedade regional, com a finalidade precípua de atender à formação jurídica da clientela das regiões denominadas Alta Paulista e Alta Sorocabana.

10 10 Como um verdadeiro idealista da educação do seu país, tinha um sonho de levar o ensino superior para o Interior de São Paulo. Em Bauru, no ano de 1951, fundou a Escola Técnica de Bauru, com os cursos técnicos de Pontes e Estradas e Química Industrial. No ano seguinte, surgiu a Faculdade de Direito de Bauru e, em 1953, a Faculdade de Educação Física. Estava lançada a semente da interiorização do ensino superior. Em Bauru, funcionam hoje as faculdades de Direito, Serviço Social e Ciências Econômicas. Em Araçatuba, a Instituição Toledo de Ensino chegou em 1967, com a Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras. É de 1971 a criação da Faculdade de Direito. As sementes do ensino foram lançadas em outras cidades, como Botucatu (Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras e Faculdade de Ciências Econômicas e Administrativas), Presidente Venceslau (Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras), Santa Cruz do Rio Pardo (Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras), Lins (Escola Técnica de Pontes e Faculdade de Engenharia) e São José do Rio Preto (Faculdade de Medicina). Estas foram, posteriormente, transferidas para outras mantenedoras. As faculdades da Instituição ultrapassaram os limites do Estado de São Paulo. Loanda, Cambará e Cianorte, no Estado do Paraná receberam pelas mãos do professor Toledo, a Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, transferida, entretanto, para outra mantenedora antes de iniciar seu funcionamento. Depois da Faculdade de Direito, criada em 1961, em Presidente Prudente, outras vieram: Faculdade de Ciências Econômicas e Administrativas (1970) e Faculdade de Serviço Social (1984). Em 23 de fevereiro de 2000, a mantença das faculdades situadas em Presidente Prudente-SP, até então exercida pela Instituição Toledo de Ensino, com sede em Bauru- SP, foi transferida para Associação Educacional Toledo. As faculdades mantidas em Presidente Prudente-SP, Faculdade de Direito, Faculdade de Ciências Econômicas e Administrativas e Faculdade de Serviço Social passaram, em maio de 2001, a fazer parte das Faculdades Integradas Antônio Eufrásio de Toledo e conservam a mesma filosofia de trabalho semeada por seu fundador, Antônio Eufrásio de Toledo, homenageado na escolha das iniciais da nova mantenedora, a Associação Educacional Toledo - AET.

11 11 Em 2007, a IES pleiteou a sua transformação em Centro Universitário Antônio Eufrásio de Toledo de Presidente Prudente - CAET, visando ampliar a sua área de atuação acadêmica com excelência de qualidade de ensino. No ano de 2008, teve os seguintes cursos autorizados: Curso de Sistemas de Informação Bacharelado Cem vagas totais anuais Períodos diurno e noturno Portaria nº. 470, de 27 de junho de Publicada no DOU Seção 1, 30 de junho de 2008, p.9 Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Eixo Tecnológico de Informação e Comunicação Cem vagas totais anuais Períodos diurno e noturno Portaria nº. 453, de 25 de setembro de Publicada no DOU de 29/09/08, seção 1, p.72 Curso Superior de Tecnologia em Marketing Eixo Tecnológico de Gestão e Negócios Cem vagas totais anuais Períodos diurno e noturno Portaria nº. 454, de 25 de setembro de Publicada no DOU de 29/09/2008, seção 1, p. 72 Curso Superior de Tecnologia em Gestão Financeira Eixo Tecnológico de Gestão e Negócios Cem vagas totais anuais Períodos diurno e noturno Portaria nº. 543, de 17 de dezembro de Publicada no DOU de 19/12/2008, seção1, p.36

12 12 Em 2009, foram implantados os cursos de Sistemas de Informação e Tecnologia em Gestão Financeira. Em 2010, foi implantado o curso de Tecnologia em Marketing. O curso de Tecnologia em Gestão Financeira foi reconhecido pela Portaria nº. 136, de 27 de julho de 2012, publicado no DOU em 30 de julho de O curso de Sistemas de Informação foi reconhecido pela Portaria nº. 213, de 17 de maio de 2013, publicado no DOU em 21 de maio de O curso de Tecnologia em Marketing foi reconhecido pela Portaria nº. 297, de 9 de julho de 2013, publicado no DOU em 10 de julho de Em 2009, foram implantados os cursos de bacharelado em Sistemas de Informação e Tecnologia em Gestão Financeira. Em 2010, teve início o curso de Tecnologia em Marketing. Em 2014, as Faculdades Integradas Antônio Eufrásio de Toledo foram transformadas em Centro Universitário Antônio Eufrásio de Toledo, pela Portaria nº 634, de 22 de julho de 2014, publicada em 23 de julho de Em 2015, foram implantados os cursos de Engenharia Civil, Engenharia de Produção e Arquitetura e Urbanismo. Esse breve histórico delineia a trajetória de uma IES calcada em valores e princípios de base filosófica humanista. O foco na excelência de ensino, fundamentada em políticas geridas e construídas por pessoas comprometidas com a educação e com a instituição, a seriedade, a transparência e a ética têm possibilitado resultados institucionais positivos, nessas mais de cinco décadas de existência da Toledo Presidente Prudente. 2 Missão, Princípios e Valores A Toledo, desde 2002, tem se preocupado em definir sua missão, princípios e valores, que norteiam suas políticas de ensino, pesquisa e extensão da graduação e da pós-graduação, fundamentam seus projetos educacionais e constam do Regimento Geral. De 2002 a 2008, a missão, princípios e valores da IES constantes do Regimento Geral das Faculdades Integradas Antônio Eufrásio de Toledo, Capítulo II, Da missão, art. 2º. e 3º assim se expressavam: Art.2º: As Faculdades Integradas Antônio Eufrásio de Toledo têm por missão formar profissionais de nível superior, para a região de Presidente Prudente e do País, com ênfase nos conhecimentos

13 13 profissionais específicos e no treinamento prático, segundo sua tradição de qualidade, que se reflete no contínuo acompanhamento da relação ensino/aprendizagem, no controle permanente de seus recursos acadêmicos e administrativos e no desenvolvimento de uma cultura integrada e completa de avaliação. Art. 3º As Faculdades Integradas Antônio Eufrásio de Toledo, no exercício de suas atividades, seguirão e incentivarão os princípios e valores do respeito mútuo, da disciplina, da dedicação, da liberdade de expressão e de prática religiosa, da seriedade e do compromisso. A missão proposta foi alcançada em vários aspectos, em virtude de um investimento maciço de esforços institucionais nessa direção. Teve como base de referência o trabalho de seus colaboradores e competência essencial do Compromisso Toledo, via implantação de apoios acadêmicos (Escritório de Aplicação de Assuntos Jurídicos-EAAJ, Fórum Simulado-FS, Empresa Junior Toledo-EJT, Núcleo de Estágio e Emprego da Toledo-NEET, Núcleo de Estudos e Pesquisa-NEPE, Coordenadoria de Extensão e Assuntos Comunitários-CEAC), acompanhamento do processo de ensinoaprendizagem, atuação do coordenador de curso e da coordenação pedagógica, programa de avaliação institucional, desenvolvimento do Toledo Portal Universitário, dentre outros instrumentos qualificadores do ensino, assim como a adoção de sistemas de gestão empresarial. Embora a consecução da missão institucional estivesse num estágio bastante avançado, todas essas ações continuaram sendo realizadas, em virtude de o processo educacional ser dinâmico e exigir atualizações constantes. Em 2009, a partir da observação dos princípios e valores que fundamentam o agir essencial dos seus dirigentes, professores, funcionários, alunos e ex-alunos, optouse por focar o posicionamento de diferenciação, no que diz respeito à Excelência de Educação, em relação às demais instituições de ensino do país como base para a definição de uma nova missão para Toledo Presidente Prudente. Assim, a missão da IES passou a ser: oferecer Educação de Excelência com foco na prática profissional e por meio de pessoas comprometidas com os melhores resultados acadêmicos, formando e desenvolvendo profissionais de alto nível para atuarem em instituições públicas e privadas de todo País. A figura humana do educador Antônio Eufrásio de Toledo, sua vocação para realizar, o espírito de educador encontraram eco no dirigente da instituição, Milton Pennacchi, em seus familiares e em toda a sua equipe, determinando os valores da IES.

14 14 A valorização da pessoa é o princípio mais forte da Toledo. Daí o aprimoramento constante da qualidade de ensino ser, junto com a transparência, a ética, a seriedade e o respeito, os maiores valores da instituição. Em 2013, com vistas a acompanhar a evolução emergida das necessidades da sociedade atual, a Toledo, com base em estudos, pesquisas e consultoria especializada, envolvendo membros representativos da diretoria e setores pertinentes, definiu sua nova missão, visão e valores, constantes do seu Regimento Geral e aprovados pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão-CEPE, órgão colegiado, deliberativo e normativo da administração. Nova missão da Toledo: Oferecer educação superior de alta qualidade e uma ótima vivência acadêmica para formar profissionais qualificados para contribuir com o desenvolvimento de Presidente Prudente e do país. Nessa direção, emanou a visão da Toledo: Trabalharemos para conquistar o conceito máximo em todos os principais indicadores de qualidade de ensino e satisfação geral dos alunos, para que estes sejam preferidos pelo mercado de trabalho e felizes com o tempo que passaram conosco. Mais do que uma nova missão e visão consolidaram-se os seguintes valores latentes, emergentes e ou já existentes: 1. Ética. 2. Buscar excelência em todas as nossas atividades. 3. Compromisso com o desenvolvimento de nossos alunos, colaboradores e comunidade. 4. Enriquecer o aprendizado teórico através da promoção do engajamento com o curso, as pessoas e a faculdade. 5. Reconhecer de forma clara e relevante os bons resultados de todos. 6. Construir um ambiente positivo de convivência. A competência essencial da IES, portanto, está depositada não somente na sua infraestrutura física (salas de aula, laboratórios, biblioteca, dentre outros), projetos pedagógicos eficientes, alinhados com as especificidades de cada curso e mercado de trabalho. A competência passa pela qualidade do corpo docente que tem uma filosofia de educação humanizadora e pela condução integradora e agregadora de seus

15 15 funcionários. Há um comprometimento de todos em fazer o melhor na organização, visando sempre melhorar a qualidade do ensino. Essa filosofia de trabalho pode ser observada desde os processos mais simples como a limpeza e manutenção do prédio até os mais complexos como o desenvolvimento de um projeto pedagógico. O cuidado com a organização, com sistemas e métodos, com o fazer o certo e sempre melhor do que antes é prática em toda empresa. Mais do que uma filosofia existe uma cultura de criar valor e engajar todo o seu pessoal na competência essencial da corporação: o Compromisso Toledo. 3 Áreas de Atuação A IES atua, no ensino superior há mais de cinco décadas, oferecendo cursos de graduação bacharelado (Direito, Administração, Ciências Contábeis, Ciências Econômicas, Serviço Social e Sistemas de Informação) e tecnólogos (Tecnólogos em Gestão Financeira e em Marketing), todos reconhecidos, bem como pós-graduação com cursos na área jurídica, de negócios, serviço social e tecnologia. Os cursos de Direito e Administração funcionam nos períodos da manhã e noturno. Os demais, apenas, no noturno. A partir de 2015, serão oferecidos novos cursos de bacharelado: Engenharia Civil (5 anos, no noturno e 4 anos/integral, no diurno), Engenharia de Produção (noturno) e Arquitetura e Urbanismo (diurno e noturno). A IES oferece, ainda, cursos de extensão e propicia educação continuada afetos às áreas dos cursos de graduação e de acordo com as necessidades locais e regionais. Além disso, a IES mantém intercâmbio cultural com a sociedade com vistas à inclusão social e ao progresso e desenvolvimento econômico e social da cidade e região em que está inserida por intermédio de campos de estágio, atendimento ao público carente, assessorias e consultorias por meio de apoios acadêmicos tais como Núcleo de Estágio e Emprego-NEET, Núcleo de Estudos e Pesquisa-NEPE, Núcleo de Prática Jurídica-NPJ e Empresa Junior Toledo-EJT e Coordenação de Extensão e Assuntos Comunitários-CEAC.

16 16 4 Contexto educacional A região de Presidente Prudente tem apresentado acentuado desenvolvimento socioeconômico na última década, conforme os dados apresentados, em especial no âmbito das médias, pequenas e microempresas. Esse desenvolvimento associado a um crescimento na área da tecnologia, em geral, exige do mercado mão-de-obra qualificada em diferentes setores. O município caracteriza-se por produção multissetorial, destacando-se o setor de serviços. Os índices de IDH, Índice Paulista de Responsabilidade Social e renda per capita garantem a Presidente Prudente potencial de desenvolvimento econômico e social. Buscando atender essas demandas sociais, a instituição busca, na formação dos seus alunos, fundamentar-se nos princípios que priorizam os valores humanos do respeito mútuo, da transparência, da ética, da seriedade e do compromisso, que norteiam seus planejamentos administrativos e pedagógicos. Sua missão é formar profissionais de nível superior, para a região de Presidente Prudente e do País, com ênfase nos conhecimentos profissionais específicos e no treinamento prático, segundo sua tradição de qualidade, que se reflete no contínuo acompanhamento da relação ensino/aprendizagem, no controle permanente de seus recursos acadêmicos e administrativos e no desenvolvimento de uma cultura integrada e completa de avaliação. Visando realizar a missão institucional de formar profissionais competentes para o desenvolvimento social local, regional e do país, a IES busca desenvolver ensino, pesquisa e extensão de qualidade. Quanto às suas diretrizes educacionais a IES visa, na formação do perfil de seus egressos, privilegiar as competências intelectuais que reflitam a heterogeneidade das demandas sociais, bem como promover no aluno uma sólida formação geral que fundamente a sua formação profissional, integrada às práticas educativas. Considera a importância da aprendizagem extraclasse (conhecimentos, habilidades e competências), quer por meio de atividades complementares, estágios obrigatórios e não obrigatórios, na produção do conhecimento multifacetado/interdisciplinar. Como suporte para a formação do perfil do aluno desejado, as políticas de ensino, pesquisa e extensão são operacionalizadas por meio de apoios acadêmicos: Núcleo de Prática Jurídica, Empresa Junior Toledo, Laboratórios de Informática,

17 17 Núcleo de Estágios e Empregos da Toledo-NEET, Núcleo de Estudos e Pesquisa NEPE, Coordenadoria de Extensão e Assuntos Comunitários-CEAC, articulados entre si. Para tanto, disponibiliza estrutura adequada (biblioteca, recursos audiovisuais, laboratórios de informática, dentre outras), meios de comunicação entre as partes que refletem avanço tecnológico (internet, intranet, Portal, site, wireless, smart board) dentre outros suportes, bem como conta com o apoio de pessoal técnico-administrativo especializado e corpo docente qualificado. Para atendimento às diretrizes pedagógicas, busca inovações acadêmicas significativas, flexibilização curricular, oportunidades de integralização diferenciada dos currículos; oferece atividades práticas e de estágio; incorpora ao ensino os avanços tecnológicos adequados as suas necessidades; implanta metodologias ativas de aprendizagem; incentiva a produção científica e sua divulgação e reforça os laços com a comunidade, por meio de projetos e cursos de extensão. A Toledo Presidente Prudente possui excelência nos processos de ensino aprendizagem; uma marca forte e valores, como tradição, seriedade e qualidade, percebidos pelos alunos que procuram maior empregabilidade no mercado de trabalho. Nessa direção, o curso de Administração se apresenta com perfil e objetivos adequados ao atendimento das necessidades sociais e tecnológicas demandadas, preenchendo as necessidades mais imediatas tanto do mercado como dos jovens em formação. 4.1 Caracterização da Cidade e Região O município de Presidente Prudente localiza-se a oeste do Estado de São Paulo, ocupando uma área de 562,7 km²; sua altitude é de 472 m, sua temperatura média anual, 23,1ºC e seu índice pluviométrico, 1244,2mm. A região de Presidente Prudente subdivide-se em três mesorregiões, a região de governo de Presidente Prudente, a de Adamantina e a de Dracena. A população da Região Administrativa é de habitantes, tendo o município de Presidente Prudente a população estimada em habitantes, segundo a projeção do IBGE para o ano de 2013 (disponível em: <http://cod.ibge.gov.br/232sr> acesso em: 25 de janeiro de 2015) Na década de 1940, a região foi se caracterizando como um centro comercial e de prestação de serviços. Mais tarde, o crescimento da população urbana, o

18 18 desmembramento para a criação de outros municípios, a expansão da malha urbana e o início da verticalização foram mudando as dimensões da cidade e do município nas décadas seguintes. Nessa época, as atividades agrícolas, colocadas em segundo plano, inverteram a situação das décadas anteriores. Nas décadas de 60 e 70, aconteceram mudanças importantes na cidade, em virtude do aumento populacional, diversidade industrial e do desenvolvimento de atividades terciárias o que se refletiu na postura política regional frente às administrações públicas. Esse caráter empresarial do governo municipal local tornou-se básico na década de 80, perdendo importância nas décadas seguintes, com a volta da importância do setor privado para a região. O Produto Interno Bruto - PIB de Presidente Prudente é o 128º maior do Brasil destacando-se na área de prestação de serviços. Nos dados do IBGE de 2011 o municipio possuía R$ mil no seu Produto Interno Bruto. O PIB per capita é de R$ mil. Dos municípios brasileiros, Presidente Prudente ocupa a 27ª colocação no ranking das mais promissoras cidades para se construir uma carreira profissional, segundo pesquisa da Fundação Getúlio Vargas, publicada na revista Você S.A, em 07 de agosto de A agricultura (setor primario) é o setor menos relevante da economia de Presidente Prudente. De todo o PIB da cidade mil reais é o valor adicionado bruto da agropecuária. Destacam-se no cenário da cidade, empresas de micro e pequeno porte. Uma importante parcela de participação do setor secundário municipal é oriunda dos quatro distritos industriais, que ocupam uma área total de 45 alqueires. A Prestação de Serviço (terceiro setor) reflete mil reais do PIB municipal. O setor terciário, atualmente, é a maior fonte geradora do PIB prudentino. De acordo com o IBGE, a cidade possuía no ano de 2011, um total de empresas e estabelecimentos comerciais e trabalhadores, sendo pessoal ocupado total e ocupado assalariado.

19 Indicadores econômicos e sociais O município de Presidente Prudente, em termos do Índice de Desenvolvimento Humano IDH, possui índice elevado, de 0,806, enquanto a média do estado é de 0,783, segundo a SEADE, com dados de O IDHM é um indicador que sintetiza três aspectos do desenvolvimento humano: vida longa e saudável, acesso a conhecimento e padrão de vida, traduzidos nas dimensões de longevidade, educação e renda, sendo que quanto mais próximo de 1, maior o desenvolvimento humano no município. É considerado um município com características de produção multissetorial e se caracteriza por estrutura produtiva complexa, em que, além da indústria, sobressai o setor de serviços, principalmente os mais sofisticados, voltados à produção, como a medicina diagnóstica e cirúrgica. A importância do setor de serviços para a atividade econômica, em Presidente Prudente se verifica claramente na distribuição da participação do valor adicionado por setor em comparação com a média estadual; no setor agropecuário o valor adicionado pelo município é 0,78%, enquanto a média estadual é de 2,54%; no setor industrial é de 20,08%, sendo a média estadual 20,30% e o setor de serviços com 27,28%, enquanto a média estadual é de 19,46% (SEADE, 2012). Esta realidade confirma a importância do setor de serviços para o município e deste para a região, sendo polo de atração na busca de serviços, principalmente com relação aos de saúde e educação. O município de Presidente Prudente conta ainda com 98,83% de coleta de lixo domiciliar, 100% de abastecimento de água e 100% de esgoto sanitário coletado e tratado. Eventos, fatos e fenômenos de conteúdo econômico, ocorridos no Estado de São Paulo, têm tido reflexos diretos na Região Administrativa de Presidente Prudente, entre 2001 e 2010; a produção paulista de açúcar dobrou e a de álcool cresceu 172%, impulsionada pelo mercado estadual de biocombustíveis, e a região de Presidente Prudente é a nova fronteira dessa atividade no Estado, com a implantação de novas unidades industriais e a aquisição de unidades antigas por grandes grupos empresariais nacionais e internacionais, gerando uma grande demanda por trabalhadores para esse segmento.

20 20 Outros setores que apresentaram boas ofertas de empregos no município, notadamente a partir de 2010, foram o de serviços e o de varejo, com a abertura de grandes lojas desses ramos na cidade. Neste contexto de ampliação da demanda por mão de obra qualificada, as oportunidades para as instituições de ensino têm se multiplicado, uma vez que a busca por mão de obra qualificada trouxe com ela um aumento real dos salários médios da cidade e região, o que permitiu maior número de ingressos nos cursos privados do ensino superior. Em sintonia com este desenvolvimento, com a implantação de novas indústrias do agronegócio, a chegada das grandes redes varejistas na região, surgem oportunidades na cadeia produtiva desses setores, além das acima citadas, e para atender essa demanda, é que serão preparados os alunos da IES, para o pleno aproveitamento dessas oportunidades, no setor primário, secundário e terciário. 4.3 Diretrizes educacionais A instituição tem como escopo, na formação do perfil de seus formandos: Privilegiar as competências intelectuais que reflitam a heterogeneidade das demandas sociais, na área de atuação dos cursos oferecidos, possibilitando o desenvolvimento das potencialidades individuais e a formação de perfis profissionais adequados ao seu âmbito de atuação. Promover no aluno uma sólida formação geral, necessária para que o futuro graduado possa superar os desafios emergentes do seu exercício profissional e da produção do conhecimento, a fim de que lhe sirva de alicerce para a construção dos conhecimentos específicos de sua área de atuação. Ressalta a formação profissional nas áreas peculiares ao seu curso, com forte integração com a formação básica e as práticas educativas, tais como estágio supervisionado, nos cursos em que são exigidos, e atividades complementares, dentre outras. Estimular a vivência de futuras práticas profissionais, objetivando uma progressiva autonomia profissional e intelectual do aluno, tendo em vista a articulação da teoria com a prática.

21 21 Considera a importância da aprendizagem extraclasse (conhecimentos, habilidades e competências), quer por meio de atividades complementares, estágios obrigatórios e não-obrigatórios, bem como atividades fora do ambiente escolar, na formação do conhecimento multifacetado e/ou interdisciplinar tendo em vista a formação de um profissional apto a enfrentar situações adversas/novas no seu futuro campo de atuação. Como suporte para a formação do perfil do aluno desejado são disponibilizados Núcleo de Prática Jurídica, Empresa Junior Toledo, Laboratórios de Informática, Núcleo de Estágio e Emprego Toledo-NEET, Núcleo de Estudos e Pesquisa-NEPE, Coordenadoria de Extensão e Assuntos Comunitários-CEAC, articulados entre si para a construção de um conhecimento integrado e multifacetado. Cada curso explicita, em seus respectivos Projetos Pedagógicos, o perfil do egresso desejado, destacando habilidades e competências pretendidas específicas de cada curso. 4.4 Articulação entre os Projetos Educacionais (PDI, PPI, PPC) Visando realizar a missão institucional de formar profissionais competentes para o desenvolvimento social local, regional e do país, a IES busca desenvolver ensino, pesquisa e extensão de qualidade. Para isso, incentiva os princípios e valores do respeito mútuo, da transparência, da ética, da seriedade e do compromisso com a sociedade, que norteiam seus planejamentos administrativos e pedagógicos, bem como políticas de ensino, pesquisa e extensão e respectivas ações para sua concretização, que se encontram expressos em seu Plano de Desenvolvimento Institucional-PDI, Projeto Pedagógico Institucional-PPI e Projetos Pedagógicos dos cursos oferecidos - PPCs. Nessa direção, conforme objetivos, diretrizes educacionais e metas explicitados no PDI, a IES propõe políticas e ações e possibilita condições de sua efetivação, nos cursos oferecidos, por meio de procedimentos administrativos facilitadores de sua execução, dentro de um contexto que se abre para a sociedade, estabelecendo com seus segmentos representativos relações de parcerias, com vistas ao mercado de trabalho, tanto do setor público como privado. Para tanto, disponibiliza estrutura adequada (biblioteca, recursos audiovisuais, laboratórios de informática, dentre outras), meios de comunicação entre as partes que

22 22 refletem avanço tecnológico (internet, intranet, Portal, site, wireless, smartboard) dentre outros suportes, bem como conta com o apoio de pessoal técnico-administrativo especializado e corpo docente qualificado. Para atendimento às diretrizes pedagógicas, busca inovações significativas, flexibilização curricular, oportunidades de integralização diferenciada dos currículos; oferece atividades práticas e de estágio; incorpora ao ensino os avanços tecnológicos adequados as suas necessidades; incentiva a produção científica e sua divulgação em seminários, congressos, encontros e/ou revistas, dentre outros, e reforça os laços com a comunidade, por meio de projetos e cursos de extensão. Os processos e procedimentos educacionais mencionados são assumidos pela IES à luz do exercício da responsabilidade social que lhe cabe, com vistas a possibilitar a inclusão social dos discentes em processo de formação. 4.5 Coerência entre o Projeto Pedagógico do Curso, a caracterização regional, demandas sociais, população escolar e políticas institucionais. A região de Presidente Prudente tem apresentado acentuado desenvolvimento socioeconômico na última década, conforme os dados apresentados, em especial no âmbito das médias, pequenas e microempresas. Esse desenvolvimento associado a um surto crescente na área da tecnologia, em geral, exige do mercado mão-de-obra qualificada em diferentes setores. Os cursos de graduação se apresentam com perfil e objetivos adequados ao atendimento das necessidades sociais demandadas, preenchendo as necessidades mais imediatas tanto do mercado como dos jovens em formação. Por último, a política institucional de expansão da área tecnológica, evidenciada no investimento em tecnologia a serviço da aprendizagem (laboratórios de Informática, equipamentos de última geração, internet, intranet, Portal, site, wireless, smartboard, recursos audiovisuais), na implantação de curso de Sistemas de Informação (bacharelado), bem como Cursos Superiores em Tecnologia de Gestão Financeira, Marketing e Sistemas para a Internet (este último, apenas, autorizado) aponta para a valorização dada pela IES à tecnologia, na consecução dos objetivos educacionais propostos, dentro do contexto social apontado.

23 23 O avanço tecnológico provoca mudanças em metodologias e estratégias de ensino, concepção de biblioteca, ensino a distância, atividades acadêmicas, pois impõe novas ferramentas e meios de estudo e de trabalho. A implementação das políticas institucionais expressas em seu PDI revelam a qualidade do ensino oferecido nesta IES. A Toledo Presidente Prudente possui excelência nos processos de ensino aprendizagem; uma marca forte e valores, como tradição, seriedade e qualidade, percebidos pelos alunos que procuram maior empregabilidade no mercado de trabalho. 5 Políticas institucionais no âmbito do curso: ensino, pesquisa e extensão As políticas institucionais no âmbito do curso se encontram institucionalizadas e refletem os princípios e valores da IES. Políticas de ensino O curso de Administração está voltado ao desenvolvimento das habilidades e ao perfil profissional do egresso desejado, contemplados na matriz curricular. Para tanto, foi computada uma carga horária específica para as disciplinas, com o objetivo de atender as diversas áreas de formação, bem como de se criar um elo de fortalecimento entre as disciplinas básicas, profissional, estudos quantitativos e suas tecnologias, complementares. As ementas foram elaboradas de acordo com o propósito do curso e com o perfil profissional do egresso. As atividades de Estágio convergem para a formação do aluno e seus conteúdos e atividades são voltados ao cumprimento do projeto pedagógico. As atividades complementares, realizadas ao longo do curso, nos três eixos ensino, pesquisa e extensão enriquecem o aprendizado realizado em sala de aula. Os conteúdos curriculares referem-se à formação básica, profissional, quantitativa, tecnológica e complementar (subdividem-se em quatorze eixos formados por disciplinas afins). A metodologia e técnicas de ensino utilizadas são variadas (aulas expositivas dialogadas, seminários, trabalhos em grupo, estudo de caso, dentre outras) e buscam atender a diversidade de formas de aprendizagem e a natureza do curso. Atividades

24 24 interdisciplinares e práticas pedagógicas diferenciadas são incentivadas e realizadas em torno de temáticas com envolvimento multidisciplinar. A metodologia utilizada inclui mecanismos que garantem articulação da vida acadêmica com a realidade concreta da sociedade e os avanços tecnológicos (multimídia, internet, Toledo Portal Universitário), não deixando de lado o processo constante de análise e reflexão, uso da Biblioteca e laboratórios de informática. As políticas de ensino são operacionalizadas pelos coordenadores de curso, professores, NEET e EJT. Políticas de Pesquisa Um dos focos pedagógicos buscados pela instituição no âmbito do currículo escolar é a pesquisa e a educação continuada, tanto do docente como do discente. Essa política é operacionalizada por meio de atividades educativas vivenciadas em sala de aula e atividades extracurriculares, sob a forma de grupos de pesquisa, encontros de iniciação científica, produção técnica e publicação de artigos em periódicos científicos. Entende-se a pesquisa como mecanismo de produção do conhecimento, viabilizadora da formação e desenvolvimento do aluno e da qualificação do ensino. As Políticas de Pesquisa são operacionalizadas via Núcleo de Estudo e Pesquisa-NEPE, criado em A instituição possui vários grupos de pesquisa, sendo um deles na área de negócios, eixo temático: Relações Empresariais. Os alunos, neste grupo, participam desenvolvendo pesquisas relevantes para o aprimoramento do conhecimento em administração. O NEPE realiza, anualmente, Encontro Toledo de Iniciação Científica e Extensão-ETIC. A divulgação da produção científica ocorre por meio da Revista INTERTEMAS e Revista (área jurídica); Revista Negócios e Social (eletrônicas) e Seminário Integrado Serviço Social (eletrônica) e CD- Rom (ETIC).

25 25 Políticas de Extensão As Políticas de Extensão são operacionalizadas pela Coordenadoria de Extensão e Assuntos Comunitários-CEAC que disponibiliza dados e resultados atualizados, anualmente, sob forma de quadros. Prioriza a formação inicial e continuada do aluno, por meio de projetos, cursos, atividades e prestação de serviço à luz das necessidades apontadas no âmbito local e regional com vínculos nacionais. A Coordenadoria de Extensão e Assuntos Comunitários CEAC foi implantada, em 2002, com o objetivo de promover e incentivar a integração da comunidade acadêmica com a comunidade regional, a partir de ações que difundam as produções culturais, científicas e tecnológicas geradas pela instituição, por meio do ensino e pesquisa, trazendo experiências, dados e informações que contribuam para a melhoria das atividades acadêmicas. Os Programas de Extensão englobam: Projetos de Extensão, Educação Continuada, Atividades Acadêmicas, Prestação de Serviços e Assuntos Comunitários. Os alunos da administração participam do Programa de Extensão com Projetos de Extensão na Empresa Junior Toledo, realizando trabalhos de pesquisa de marketing, pesquisa de preços, composição do Índice de Preços Toledo (IPT). Os alunos também podem participar do Programa de Extensão na Educação Continuada, com a Bolsa de Valores Simulada, onde os alunos e membros da comunidade adquirem conhecimento para operarem investimentos na Bolsa de Valores ações e derivativos. O Programa de Extensão oferece Atividades Acadêmicas das quais os alunos participam, como: congressos, jornadas de cinema, conferências, ciclo de debates.

26 26 PARTE I CARACTERIZAÇÃO DO CURSO 1 Bases legais do curso e número de vagas O curso de Administração foi autorizado pelo Parecer do C.F.E. (Conselho Federal de Educação) n.º 121/70, publicado na Documenta n.º 111, na página 57 e pelo Decreto Federal de n.º de 28/04/1970, cuja publicação no D.O.U. de 29/04/1970, autorizou o início do curso nessa data. O reconhecimento ocorreu a partir do Parecer do C.F.E., de n.º 1.824/75 datado de 03/06/1975, cuja publicação no D.O.U. foi em 25/07/1975. A partir de 2009, o regime escolar passou a ser seriado semestral, com duração de 08 (oito) termos/semestres, com duração mínima de 04 anos e máxima de 06, composto de 12 (doze) termos/semestres (período de integralização do curso). O regime de matrícula é por disciplina. O curso oferece, hoje, 125 (cento e vinte e cinco) vagas no período noturno e 50 (cinquenta) vagas no período matutino, em regime escolar semestral, cujo acesso se dá por meio de processos seletivos organizados pela mantenedora. 2 Justificativa do curso O Projeto Pedagógico do curso de Administração é considerado um documento que estabelece um vetor com especialidades, abordando de forma clara e objetiva o funcionamento do curso, elegendo suas prioridades, bem como apontando os principais órgãos de apoio acadêmico no estabelecimento de estratégias de trabalho. Adotando como ponto de partida o quadro da realidade brasileira, a experiência acumulada, o resultado da avaliação institucional e a necessidade de adequação do curso de Administração às peculiaridades regionais conhecidas e respeitadas, consideramos: as Diretrizes Curriculares de Administração estabelecidas pela Resolução n.º 4, de 13/07/2005, elaboradas pela Comissão de Especialistas de Ensino de Administração, propostas pelo CNE/CES 67/2003; 134/2003; 210/2004 e 23/2005.

27 27 as dificuldades encontradas na articulação da formação teórica/prática, considerando que se trata de um curso de formação de profissionais que intervêm no mercado de trabalho, e que se relacionam diretamente com o Estado, com a Sociedade Civil e com todas as suas relações produtivas. A construção deste Projeto Pedagógico com vistas ao atendimento do perfil do egresso e contexto em que o curso se insere considerou: O momento particular da trajetória da IES, que em expansão, consolida sua atuação regional e imagem junto às camadas da população envolvidas. A incorporação e solidificação de seu programa de avaliação específico e integrado às experiências originadas pelo Sistema Nacional de Avaliação do Ensino Superior-SINAES. A implementação e acompanhamento das Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Administração (Res. No. 4, de 13/7/2005). A necessidade de mostrar à comunidade que a formação em Administração vem ao encontro das necessidades em evolução. A identificação de fatores relevantes no processo de formação profissional, por meio de uma visão humanística, importante para a formação do administrador na construção de uma sociedade moderna e mais equitativa; formação de uma visão mais generalista de todas as áreas que compõem o universo do ambiente do administrador nas organizações, preparando-o para correlacionar variáveis múltiplas dos processos administrativos e de uma visão especialista, dividida em subáreas, com constante aprimoramento na busca de soluções integradas no plano geral, mas com profundidade específica de conhecimento, como fruto do estudo e da pesquisa. Surgimento de novas organizações no mercado, mais centradas na inteligência e no domínio de situação de imprevisto, mais abertas para a estratégia empresarial realizadas pelos próprios empregados e mais dinâmicas quanto à necessidade de competência profissional. A partir dessas considerações, observou-se que o mercado mais competitivo, novas tecnologias surgindo, a informática em constante atualização, dificuldades

28 28 econômicas e sociais, o mundo aproximado por políticas econômicas globais e sistemas de comunicação cada vez mais rápidos, organizações necessitando apresentar-se de maneira ágil, competente e flexível para atendimento de segmentos sempre mais exigentes e a formação de recursos humanos, nem sempre condizentes com que as empresas necessitam, todos esses fatores impõem mudanças profundas na formação do egresso. Assim, ele necessita obter um amplo conhecimento geral de seu ambiente, sem deixar de lado o conhecimento especializado nas áreas que compõem o amplo universo de estudo e pesquisa da Administração. As justificativas para a existência do curso de Administração se prendem ao quadro da realidade brasileira e organizacional, especificamente, à região de Presidente Prudente e à necessidade de adaptação dos profissionais aos novos tempos, que sejam capazes de: reconhecer e definir problemas, equacionar soluções, pensar estrategicamente e ser essencialmente criativo. Queremos participar como Instituição de Ensino de formação de profissionais que atendam as necessidades de empresas, agências governamentais, instituições financeiras, organismos internacionais e que saibam ser empreendedores bem sucedidos ou dinamizadores de negócios. A preocupação maior do curso de Administração tem sido preparar o aluno para enfrentar todas as áreas da profissão de Administração exigidas no mercado, e, para atingir esses objetivos, procuramos manter os professores mais especializados da região, concedendo-lhes apoio para o aprimoramento e qualificação acadêmica com uma moderna estrutura de apoio pedagógico. 3 Objetivos do curso O curso de Administração oferece ao acadêmico o diploma de Bacharel em Administração, habilitando-o a exercer as seguintes atividades: Planejamento, Organização, Direção, Coordenação e Controle. Este profissional deve apresentar uma soma de valores envolvendo: conhecimento técnico-teórico pertinente a sua área de atuação; internalização de responsabilidade social, justiça e ética; sólida formação humanística e visão global que o habilite a compreender o meio social, político, econômico e cultural onde está inserido.

29 29 O objetivo fundamental é, portanto, formar um profissional generalista, de acordo com as necessidades do contexto social global em que está inserido e que atenda também às particularidades regionais e locais. Tendo como referência o objetivo fundamental, correlacionando-o com uma eficiente formação profissional, busca-se a formação de um cidadão preparado para atender a atual realidade complexa em que vivemos, com postura crítica, aberto às novas ideias, catalisador de mudanças e consciente de que a atualização profissional faz parte de um processo de aprendizado permanente. O curso de Administração atua como um núcleo que irradia conhecimentos, técnicas e posturas, com total interação dos corpos docente e discente com a comunidade. Considerações que fundamentam os objetivos propostos Para a instituição, o ensino da Administração no Brasil precisa contribuir criativamente para o desenvolvimento da sociedade brasileira moderna, procurando se adaptar às inovações do conhecimento e absorver, ao mesmo tempo, as condições tecnológicas básicas para a acumulação de informações e conhecimento que respondam as exigências de seu próprio desenvolvimento e expansão. O ensino da Administração, por um lado, precisa contribuir para consolidar novos instrumentos de viabilização das demandas sociais emergentes e do acelerado processo interativo das sociedades modernas e, por outro lado, precisa estar integrado e voltado para as questões essenciais dos problemas e demandas regionais. Devemos considerar que, no Brasil, a profissão de Técnico em Administração foi criada pela Lei N /65 e que o especialista da área recebeu o nome de Administrador (Lei N /85). Sendo assim, estamos avançando a partir de uma visão meramente técnica para uma visão multi e interdisciplinar/funcional. Atualmente, o Administrador deve possuir e combinar algumas habilidades: habilidade técnica, habilidade humana e habilidade conceitual. Novos desafios de ordem política, filosófica e social estão surgindo, exigindo, cada vez mais, uma compreensão maior dos Administradores.

30 30 A educação continuada, mais do que nunca, deve fazer parte da vida de um Administrador e as organizações, por sua vez, buscam parcerias com escolas, mantendo uma formação mais eficiente de seus empregados e atendendo, assim, o mercado competitivo. Podemos observar o surgimento de enormes problemas enfrentados, mundialmente pobreza, saúde, segurança, educação e tensões internacionais, cujas soluções administrativas com um grande suporte ético se tornam cada vez mais urgentes. O Estado, cada vez mais, deve restringir-se às funções sociais, deixando à iniciativa privada o ônus do processo produtivo. Novas formas de organização de trabalho deverão ser desenvolvidas para substituir o desemprego causado por tentativas de aumentar a produtividade. Considerando toda essa perspectiva, o curso deve ter suas atividades acadêmicas e científicas voltadas para, ao lado da oferta do ensino formal, oferecer ações inovadoras em todas as disciplinas e atividades, tendo na investigação científica a base do ensino, tanto na graduação como na pós-graduação. Objetivos específicos e ações planejadas: Para que o perfil do aluno egresso seja alcançado, devemos: a) Viabilizar a ocorrência de seminários, conferências, provimentos e proposições, com a finalidade de atualização científica. b) Imprimir ao curso linhas de pensamento claras, plurais, de modo a permitir atitudes de intervenção e manifestação perante os grandes problemas da atualidade e, consequentemente, indicar soluções e mediações eficazes para os novos conflitos e problemas sociais. c) Identificar, na experiência da ação social coletiva dos movimentos sociais, novos sujeitos coletivos capazes de definir espaços sociais novos, criar direitos e construir novas práticas de cidadania. d) Propiciar os conhecimentos necessários das Teorias Administrativas, enfocando aspectos técnicos e legais, visões e ferramentas de planejamento estratégico.

31 31 e) Integrar vertical e horizontalmente os conteúdos das diversas disciplinas (interdisciplinaridade). f) Intensificar o princípio da educação continuada. g) Integrar teoria e prática. h) Valorização da ética nas relações pessoais e profissionais. i) Incentivar o aprimoramento de uma linguagem empresarial. j) Manter atualizados os conteúdos curriculares. k) Promover a integração comunidade, Empresa Júnior e NEET com a finalidade de aprimoramento do estágio supervisionado. l) Trabalhar de forma articulada as atividades de ensino, pesquisa e extensão. m) Refletir sobre as relações entre as organizações e o meio onde estão inseridas, considerando os mais diversos aspectos: econômicos, sociais, políticos, tecnológicos, governamentais, legais, éticos e ambientais. n) Propor ações conjuntas com os demais cursos (intercursos). A realização dessas ações permitirá a concretização de um elo fortalecido entre ensino (graduação e pós-graduação), pesquisa e extensão. A atenção ao currículo e programas integrados de forma interdisciplinar possibilitará aos alunos lidarem com novas situações, novas tecnologias, ampliando de forma significativa o universo das informações disponíveis. 4 Perfil profissional do egresso Hoje se exige do administrador a posse e a combinação de algumas habilidades necessárias e indispensáveis: habilidade técnica, habilidade humana e habilidade conceitual. A primeira diz respeito à capacidade de aplicar conhecimentos técnicos, métodos e equipamentos quando da execução de tarefas específicas. Com relação a tal habilidade, três fatores são considerados fundamentais: experiência, educação e treinamento.

32 32 A segunda diz respeito à capacidade e discernimento para trabalhar com e por meio de pessoas, incluindo o conhecimento do processo de motivação e a aplicação eficaz de liderança. Finalmente, a terceira é a capacidade de compreender a complexidade das organizações como um todo e cada área específica se enquadra nesse complexo. O Bacharel em Administração que pretendemos formar deve estar habilitado para o exercício de atividades de supervisão, gerenciamento, coordenação e orientação; planejamento, elaboração de estudos e projetos; prestação de assessorias e consultorias. Sendo assim, desejamos um profissional generalista polivalente, que saiba analisar e avaliar a realidade local, regional e global. Para que haja uma formação profissional adequada, o Administrador que pretendemos formar deve ter, além dos conhecimentos específicos, conhecimentos básicos nas seguintes áreas: sociologia, psicologia, direito, contabilidade, economia, estatística, filosofia, matemática e informática, incluindo também, o desenvolvimento pessoal esperado, tais como: dinamismo, criatividade, aprendizagem de idiomas, bem como a capacidade de relacionar várias áreas do conhecimento. No término do curso, o graduando deve demonstrar: Internalização de valores de responsabilidade social, justiça e ética profissional. Formação humanística e visão global. Formação técnico científica pertinentes à profissão. Capacidade para trabalhar em equipes multidisciplinares. Capacidade de compreensão da necessidade de uma contínua atualização e aperfeiçoamento profissional. Habilidades que fundamentam a sua formação: Comunicação interpessoal e expressão correta. Utilização de raciocínio lógico, crítico e analítico. Interação de forma criativa e reflexiva frente a diferentes contextos. Seleção de estratégias adequadas de ação.

33 33 No decorrer de sua formação, o curso deve proporcionar meios que o formando: Compreenda o todo administrativo, de modo integrado, sistêmico e estratégico, bem como suas relações com o ambiente externo. Utilize-se de raciocínio lógico, crítico e analítico, operando com valores, formulações matemáticas, e estabeleça relações formais e casuais entre fenômenos, além de expressar-se de modo crítico e criativo, frente aos diferentes contextos organizacionais e sociais. Comunique-se interpessoalmente e expressem-se corretamente nos documentos técnicos específicos e de interpretação da realidade. Resolva situações difíceis com flexibilidade e adaptabilidade. Selecione estratégias adequadas de ação, visando a atender interesses interpessoais e institucionais. Ordene atividade e programas, tome decisões acertadas entre alternativas variadas e identifique e dimensione riscos quando se apresentarem. Proponha modelos de gestão inovadores. Selecione procedimentos que visem objetivos comuns. 5 Gestão do Curso A gestão do curso de Administração, conduzida, na sua essência, pelo Coordenador do Curso, é organizada a partir de alguns parâmetros: No contexto institucional do Centro Universitário Antônio Eufrásio de Toledo, tendo com referencial o Regimento Geral. Com relação ao Projeto Político Pedagógico, as Diretrizes Curriculares do curso representam um avanço considerável para o ensino de Administração, possibilitando um grau relativo de liberdade por parte das IES, no sentido de construírem currículos voltados para as realidades e necessidades do mercado de trabalho e, por que não dizer, da própria região. Através da figura abaixo, podemos observar o norte estabelecido pelas Diretrizes Curriculares para o curso de Administração:

34 34 NOVAS DIRETRIZES CURRICULARES APONTAM PARA O BALANCEAMENTO ENTRE TEORIA E PRÁTICA O FORTALECIMENTO DA CRÍTICA E DA CRIATIVIDADE DE TODOS OS AGENTES O FAVORECIMENTO A IMPLANTAÇÃO DE MUDANÇAS O SURGIMENTO DE UM COORDENADOR COM PERFIL DE GESTOR Sendo assim, a condução do curso de Administração é pautada na gestão conhecida como participativa norteada pelos seguintes indicadores. Especificamente para o Curso de Administração Gestão realizada pelo Coordenador do Curso com apoio do NDE no planejamento e execução do PPC. O colegiado do curso ocupa um papel de importância consultiva na área didático-pedagógica. Acompanhamento constante das ações do Núcleo de Estágio e Emprego Toledo-NEET, no desenvolvimento do processo de estágio. Acompanhamento constante das ações do Núcleo de Estudos e Pesquisas- NEPE e da Coordenadoria de Extensão e Assuntos Comunitários-CEAC. Acompanhamento constante da Empresa Junior Toledo-EJT. Acompanhamento constante das atividades complementares. Monitoramento das etapas de um Plano de Negócios. Participação individual do Coordenador do curso Encontros mensais entre coordenadores de curso, juntamente com a coordenação pedagógica.

35 35 Como membro da comissão da biblioteca. Como membro do Conselho de Ensino Pesquisa e Extensão-CEPE. Na ouvidoria do curso realizada entre alunos representantes de sala, assessoria de direção e coordenação pedagógica. Acompanhamento periódico das atividades de secretaria no que tange a: colação de grau, trancamentos ou cancelamentos de matrículas, transferências e outras demandas burocráticas. Acompanhamento do processo seletivo (vestibular). Acompanhamento dos indicadores de resultados de aprendizagem dos alunos por meio de notas (gráficos e tabelas de desempenho). 5.1 Perfil do coordenador O coordenador do curso apresenta um perfil adequado, com características empreendedoras, responsabilidade ética, sólida formação acadêmica, coerente com as necessidades e exigências do curso de Administração. O coordenador do curso, assim como dos demais cursos, é nomeado pelo Reitor do Centro Universitário Antônio Eufrásio de Toledo, em consonância com a Pró-Reitora de Ensino, Pesquisa e Extensão. As atribuições do coordenador, também, estão no Regimento Geral, mas ressalta-se que ao coordenador são atribuídas funções relativas à estrutura pedagógica, junto com o Colegiado de Cursos e NDE. O curso de Administração é coordenado pelo professor Júlio César Barrios, com a seguinte titulação: Mestrando em Matemática pela Universidade Estadual Paulista UNESP Presidente Prudente SP (2015). Especialista em Gestão de Pequenas e Médias Empresas pelas Faculdades Integradas Antônio Eufrásio de Toledo de Presidente Prudente (FIAETPP), em Graduado em Administração de Empresas pelas Faculdades Integradas Antônio Eufrásio de Toledo de Presidente Prudente (FIAETPP), em 2001.

36 36 Especialista em Matemática para o Ensino Superior pela Universidade Estadual Paulista UNESP Presidente Prudente SP, em Graduado em Matemática Licenciatura pela Universidade Estadual Paulista UNESP Presidente Prudente SP, em O curso de Administração é coordenado pelo referido professor, com dedicação de 20 horas semanais para reuniões de planejamento, administração e condução do curso. 5.2 Colegiado de curso O Regimento Geral prevê o Colegiado de Curso, de natureza consultiva, representativo da comunidade acadêmica do curso, anualmente constituído, composto majoritariamente por integrantes da carreira docente, ocupa um espaço importante na gestão do curso, acompanhando as atividades técnico-didáticas, propondo diretrizes para elaboração de currículos, programas e normas metodológicas de ensino, projetos de pesquisa e extensão, dentre outras competências. O presidente do Colegiado é o coordenador de curso, fazendo parte ao todo 7 professores e 4 representantes discentes, sendo um aluno por termo, eleitos pelos pares. Os professores que compõem o colegiado do curso são eleitos considerando as seguintes áreas temáticas: Colegiado de Curso: Administração Área Nº de docentes Básicas 1 Profissionais 5 Composição do Colegiado do Curso de Administração para 2015 Coordenador: Júlio César Barrios Básicas: Wilson de Luces Fortes Machado. Profissionalizantes: Hiroshi Wilson Yonemoto, Ronaldo Mancini, Érico Giuliano de Souza Giani, Carolina Martins Fernandes e Gilson Rodrigo Silvério Polidorio. Alunos:

37 37 1º Termo: Juliana Aparecida Ramos Pereira 1º B 3º Termo: Isabela Yuri Tokawa Gomes 3º A 5º Termo: Ademilson Rodrigues Peres Júnior 5º A 7º Termo: Mariana Thaís Guarinão 7º B 5.3 Núcleo Docente Estruturante-NDE Na IES, o Núcleo Docente Estruturante-NDE é formado por um grupo de professores que contribuem mais diretamente pela criação, implantação e consolidação do Projeto Pedagógico de Curso. Em 2009, o Núcleo Docente Estruturante-NDE funcionou por meio dos membros do Colegiado de Cursos, com representantes das áreas de formação básica e profissionalizante, bem como por representantes discentes por termo, presididos pelo coordenador do curso. A partir de 2010, o NDE passou a responder definitivamente pelo Projeto Pedagógico dos cursos, conforme atribuições expressas na Resolução nº. 01, de 17 de junho de 2010, embora todos possam participar e fazer sugestões para o seu aprimoramento. Em 2015, o Núcleo Docente Estruturante é composto por: Docentes Júlio César Barrios Emanuel Álvares Calvo Ronaldo Mancini Rosana da Silva Santos Jurazeky Wilson de Luces Fortes Machado Titulação Especialista Mestre Mestre Doutora Mestre 5.4 Apoio aos discentes A IES disponibiliza aos seus alunos apoio pedagógico e financeiro. A partir das avaliações institucionais realizadas, são diagnosticadas as necessidades dos alunos adequando-as ao perfil institucional e demandas regionais. Os alunos têm à disposição um Programa de Educação Continuada, apoio docente, por intermédio de tutorias, apoio da coordenação pedagógica e atendimento psicopedagógico, participação em grupos de estudos e iniciação científica, em campos

38 38 de estágios em sua área e em atividades complementares. Os alunos regulares têm, ainda, a possibilidade do exercício de Monitoria e de consecução de bolsas de estudo. No curso de Administração, são consideradas atividades extraclasse e extracurriculares, não computadas como atividades complementares: monitoria, tutorias e provas simuladas Atendimento psicopedagógico O Centro Universitário Antônio Eufrásio de Toledo de Presidente Prudente desenvolve um programa de apoio psicopedagógico junto a alunos e professores com o objetivo de auxiliar nos conflitos relacionados ao processo educacional, abrindo um espaço de escuta para possíveis orientações e encaminhamentos, contribuindo para que o aluno possa monitorar e regular a própria aprendizagem. Nos encontros, procura-se maximizar o desempenho intelectual dos alunos da graduação, auxiliando-os no desenvolvimento e aprendizagem de metodologias adequadas a cada conteúdo, a cada disciplina. O trabalho realizado abrange não somente os alunos, como também a instituição, os professores e coordenadores de curso. Para os alunos, são desenvolvidas palestras sobre temas pertinentes: metodologia de estudo, técnicas e práticas pós-modernas de aprendizagem, para poder postar-se na frente dos tempos e oferecer ao aluno o que há de melhor. Junto aos professores e coordenadores, busca-se compreender o porquê o aluno apresenta dificuldades de aprendizagem, o que ele pode aprender e de que forma. Os professores, quando necessário, são instrumentalizados sobre práticas e reflexões diante de novas formas de aprender para, assim, auxiliar no processo de aprendizagem dos alunos com dificuldade de organização, metodologia, compreensão e falta de concentração. Os resultados dos atendimentos mostram que estamos auxiliando nossos alunos na ressignificação de suas práticas educacionais, deixando-os mais confiantes e, consequentemente, obtendo melhores resultados. Os atendimentos são realizados por meio de agendamento dos alunos, na secretaria de coordenação de cursos.

39 Mecanismos de nivelamento Ao inscrever-se para o Processo Seletivo Unificado do Centro Universitário Antônio Eufrásio de Toledo, o candidato preenche um formulário que nos permite detectar o perfil do aluno ingressante nos aspectos socioeconômico e cultural. A pontuação geral, obtida pelo candidato no Processo Seletivo a que se submete para ingresso nas faculdades, nos revela seu nível de escolaridade, apontando-nos as médias máximas e mínimas dos ingressantes, bem como o índice de acertos das questões respondidas. A partir desses dados, temos o perfil do nosso aluno real que, confrontado com o perfil desejado para o curso, nos permite planejar mecanismos de nivelamento das suas deficiências e desenvolvimento de habilidades necessárias ao futuro profissional da área escolhida. Um levantamento do número de acertos das questões objetivas, relativas aos conteúdos programáticos de Português (Língua e Literatura), Matemática, História Geral e do Brasil, Geografia Geral e do Brasil, Língua Estrangeira (Inglês ou Espanhol) do Processo Seletivo, nos aponta o grau de deficiência do aluno ingressante nessas disciplinas. O Processo Seletivo de 2015 foi realizado em três edições e, na média geral, os vestibulandos da 1ª. e 2ª. edições apresentaram as médias mais altas. A disciplina que apresentou menor média foi Matemática, nas três edições; Geografia na 3ª. e na 2 edições; e História, na 2ª edição. Língua Estrangeira foi a única disciplina que apresentou média acima de 50%, na 1ª. edição. Percentual de Acertos por Assunto Processo Seletivo ª Edição Processo Seletivo ª Edição Processo Seletivo ª Edição Nº de % de Nº de % de Nº de % de Assunto Certas Assunto Certas Assunto Certas Questões Acertos Questões Acertos Questões Acertos Geografia ,82% Geografia ,45% Geografia ,01% História ,18% História ,89% História ,98% Língua Estrangeira ,45% Língua Estrangeira ,24% Língua Estrangeira ,14% Matemática ,15% Matemática ,96% Matemática ,62% Língua Portuguesa ,72% Média Geral ,92% Data -Base: março/2015 Língua Portuguesa ,29% Média Geral ,02% Língua Portuguesa ,31% Média Geral ,38%

40 40 O Processo Seletivo de 2014 foi realizado em três edições e, na média geral, os vestibulandos da 1ª. e 2ª. edições apresentaram as médias mais altas e próximas. A disciplina que apresentou menor média foi Português, na 1ª edição; Matemática na 2ª edição; e Geografia e História, na 3ª edição. Língua Estrangeira foi a única disciplina que apresentou média acima de 50%, na 1ª. e na 2ª. edições. Percentual de Acertos por Assunto Processo Seletivo ª Edição Processo Seletivo ª Edição Processo Seletivo ª Edição Assunto Nº de % de Nº de % de Nº de % de Certas Assunto Certas Assunto Certas Questões Acertos Questões Acertos Questões Acertos Geografia ,89% Geografia ,44% Geografia ,26% História ,70% História ,89% História ,63% Língua Estrangeira ,69% Língua Estrangeira ,27% Língua Estrangeira ,18% Matemática ,53% Matemática ,91% Matemática ,48% Língua Portuguesa ,38% Média Geral ,34% Data -Base: março/2014 Língua Portuguesa ,56% Média Geral ,52% Língua Portuguesa ,29% Média Geral ,31% O Processo Seletivo de 2013 foi realizado em três edições e, na média geral, os vestibulandos da 2ª. edição apresentaram melhor média. A disciplina que apresentou menor média foi Matemática, na 1ª edição; Língua Portuguesa e Matemática na 2ª edição; e Matemática e Geografia na 3ª edição. Nenhuma disciplina apresentou média acima de 50%. Percentual de Acertos por Assunto Processo Seletivo ª Edição Processo Seletivo ª Edição Processo Seletivo ª Edição Assunto Certas Nº de % de Nº de % de Nº de % de Assunto Certas Assunto Certas Questões Acertos Questões Acertos Questões Acertos Geografia ,81% Geografia ,15% Geografia ,89% História ,60% História ,01% História ,10% Língua Língua Língua ,53% ,19% Estrangeira Estrangeira Estrangeira ,24% Matemática ,92% Matemática ,91% Matemática ,55% Língua Língua Língua ,68% ,98% Portuguesa Portuguesa Portuguesa ,78% Média Média Média ,75% ,13% Geral Geral Geral ,23% Data -Base: abril/2013 As deficiências detectadas pelos professores das disciplinas do 1º ano quer quanto aos conteúdos programáticos considerados pré-requisitos, quer quanto a habilidades necessárias ao desenvolvimento e formação do aluno, são supridas com a

41 41 utilização de metodologias e estratégias adequadas a cada disciplina pelo professor em sala de aula ou por meio de atividades extraclasse. As atividades de monitoria e tutoria, sob regime de plantões, cooperam com o nivelamento do aluno, possibilitando-lhe um maior e melhor aproveitamento dos conteúdos programáticos ministrados. As deficiências de leitura, interpretação de textos e redação apontadas nos Processos Seletivos, bem como na execução das atividades escolares propostas pelos docentes ensejam a realização de oficinas de Metodologia da Leitura e da Interpretação de Questões Dissertativas, sob a orientação da Coordenação Pedagógica, conforme registros e material à disposição na Coordenação de Cursos. Os professores que detectam a necessidade de mecanismos de nivelamento, quer quanto a pré-requisitos, quer quanto a conteúdos não ministrados na série indicada por não cumprimento do conteúdo programático previsto, devem preencher o formulário específico para esse fim e encaminhá-lo ao coordenador de curso para o planejamento das atividades necessárias e adequadas. Formulário de Mecanismo de Nivelamento I Objetivo: Recuperação das deficiências de formação do aluno ingressante II Público Alvo: Curso: Termo: Disciplina: Nº de alunos do termo: Nº de alunos com deficiência no termo: Professor Responsável: III Natureza da Atividade de Recuperação: ( ) Curricular ( ) Extracurricular IV Deficiências Detectadas: 1-Quanto aos conteúdos programáticos: (enumerá-las) 2-Habilidades necessárias: (enumerá-las) V Metodologia de Ensino: VI Recursos Didático-Pedagógicos Utilizados: VII Cronograma de Recuperação (contendo: o dia aula/atividade, o conteúdo ministrado, os procedimentos de ensino e a carga horária utilizada com a finalidade de justificar o redirecionamento do planejamento de ensino): Projetos de Nivelamento (Toledo Portal Universitário) Com a finalidade de subsidiar a formação plena do nosso aluno, o Centro Universitário Antônio Eufrásio de Toledo de Presidente Prudente oferece, via Toledo Portal Universitário, apoio pedagógico a título de propiciar o seu nivelamento em questões de Língua Portuguesa e Matemática, disponibilizando módulos de aprendizagem nos referidos conteúdos, contendo cada um: embasamento teórico, exercícios explicativos e questões objetivas.

42 42 Esta ferramenta multidisciplinar visa a auxiliar os alunos, que apresentam dificuldades de leitura, interpretação de textos e raciocínio lógico, exigidos nas diferentes disciplinas do seu curso, na comunicação e expressão oral e escrita corretas, bem como no desenvolvimento do raciocínio lógico e pensamento claro, elementos esses fundamentais na produção do conhecimento próprio e sua aplicação em situações reais diversas, requisitadas em sua formação profissional e pessoal. Esses Projetos envolvem conteúdos de Comunicação e Expressão e de Matemática. Foram elaborados, respectivamente, pelos professores Maria de Lourdes Thomaz (Língua Portuguesa) e Júlio César Barrios (Matemática), sob a orientação da Coordenação Pedagógica e Supervisão da Diretoria Acadêmica, a partir de dados objetivos via Processo Seletivo (pontuação nas questões objetivas das referidas disciplinas e na redação), bem como indicação dos Coordenadores de Curso e da Psicopedagoga, que faz o acompanhamento das dificuldades de aprendizagem dos alunos. Cada projeto a seguir contém objetivos, conteúdo programático e público-alvo. Cada assunto desenvolvido nos respectivos projetos, no Toledo Portal Universitário, apresenta ao aluno: fundamentação teórica explicativa, exemplos de exercícios resolvidos, questões objetivas e gabaritos. O aluno pode escolher os conteúdos em que ele tem mais dificuldade. a) Projeto de Nivelamento em Língua Portuguesa Objetivos 1. Suprir deficiências de entendimento e interpretação de textos, expressão oral e escrita, bem como competências do uso adequado da língua culta que colaboram com a formação do futuro profissional. 2. Possibilitar ao aluno o desenvolvimento da competência de ler, interpretar e produzir textos com autonomia, em razão do caráter interdisciplinar dessas atividades interferirem na aprendizagem de todas as disciplinas. 3. Fornecer ao aluno meios de: a) disciplinar o raciocínio; b) estimular-lhe o espírito de observação e leitura dos fatos; c) ensiná-lo a criar ou prover-se de ideia; d) expressar-se de forma clara e correta.

43 43 Conteúdo a) Metodologia de leitura e interpretação de textos. b) Gramática aplicada (conteúdos que os alunos apresentarem maior grau de dificuldade): Concordância Verbal; Concordância Nominal; Regência verbal e nominal; Colocação Pronominal; Crase; Pontuação. Público-alvo Alunos de todos os cursos, em especial aqueles que apresentarem dificuldades de expressão escrita e oral b) Projeto de Nivelamento em Matemática Objetivos 1. Gerais: O programa de nivelamento de forma geral visa: - Desenvolver a confiança dos alunos ao lidar com dados quantitativos. - Minimizar as defasagens de conteúdos oriundos do ensino fundamental e médio, de forma a facilitar o acompanhamento adequado das disciplinas que se utilizam de dados quantitativos previstas no currículo, por parte dos alunos. - Discutir as diferentes ferramentas matemáticas e estatísticas introdutórias para uso na interpretação e análise de dados econômicos e empresariais. 2. Específicos: Espera-se que o participante do programa de nivelamento seja capaz de: - Identificar termos algébricos e expressões racionais e inteiras que caracterizam os monômios e polinômios e os respectivos graus. - Calcular valores numéricos de expressões algébricas e reconhecer que uma expressão algébrica sempre equivale a um determinado número quando se atribuem valores aos seus parâmetros. - Reconhecer os produtos notáveis fundamentais e desenvolvê-los. - Entender que existem expressões algébricas decomponíveis num produto finito de termos. - Reconhecer equações matemáticas e discutir suas soluções dentro do domínio de validade.

44 44 - Identificar e entender as principais unidades estatísticas utilizadas para análise de fatos de ordem financeira e econômica. - Entender as diferenças existentes entre índices, coeficientes e taxas e seus respectivos cálculos aplicativos. - Entender e aplicar o somatório e suas respectivas propriedades. - Entender e aplicar o produtório e suas respectivas propriedades. Conteúdo O conjunto dos números reais - Cálculo do valor de expressões numéricas. - Potenciação com expoente inteiro e não inteiro. - Expressões algébricas. - Produtos notáveis. - Fatoração. Justificativa: Ferramentas indispensáveis para o desenvolvimento dos próximos módulos. Equações: - Equação do 1º grau. - Equação do 2º grau. - Resolução de problemas envolvendo estruturas lógicas. Justificativa: - Inúmeras aplicações em economia, estatística, administração de materiais e produção. - Aplicações em contabilidade: montagem e resolução de problemas que envolvem pelo menos duas variáveis. Unidades estatísticas e razões: - Unidades estatísticas compostas. - Porcentagens e regra de três. - Índices, coeficientes e taxas. - Conceito de per capita. - Produção per capita. - Consumo per capita. - Venda per capita. - Receita per capita. - Resolução de problemas aplicativos. Justificativa:

45 45 - Aplicações diversas em: matemática financeira, teoria da probabilidade, números índices na área estatística. - Aplicações na área contábil: custos e análise das demonstrações contábeis (índices contábeis). - Conceitos que facilitam as leituras econômicas. Somatórios e produtórios: - Partes do símbolo do somatório. - Propriedades do somatório. - Produtório. - Resolução de exemplos aplicativos. - Utilização da simbologia na simplificação de sequências matemáticas e estatísticas. - Média aritmética e a somatória. Justificativa: - Símbolos que simplificam expressões matemáticas finitas e infinitas. - Ferramentas que são utilizadas frequentemente em: estatística, administração da produção, administração de materiais e administração financeira. Público-alvo Alunos de todos os cursos, em especial aqueles que apresentarem dificuldades em conteúdos que requisitem conhecimento e raciocínio matemático. OBS: Os conteúdos de Língua Portuguesa e Matemática poderão ser atualizados, alterados ou acrescidos, de acordo com solicitação dos coordenadores de curso/professores, à luz da observação das necessidades apresentadas pelos alunos nas atividades escolares correlatas Atividades Acadêmicas A IES promove eventos culturais, científicos e sociais com a finalidade de complementar a formação do aluno, visando desenvolver as suas potencialidades. Cabe à Coordenadoria de Extensão e Assuntos Comunitários-CEAC operacionalizar as políticas de extensão e propiciar atividades acadêmicas com vistas à consecução desse objetivo. Os eventos são variados e ocorrem durante o ano letivo de acordo com o planejamento institucional e de cada curso oferecido. De modo geral, são oferecidas

46 46 atividades acadêmicas de caráter científico como Encontros, Fóruns, Simpósios, Debates, Palestras, Júri Simulado, audiências trabalhistas, dentre outras. No âmbito cultural, são promovidos eventos como Intervalo Cultural, Feira de Vestibular, Inverno Solidário, Jornada de Cinema, dentre outras. Os alunos e professores são incentivados a participarem de atividades acadêmicas promovidas por outras instituições de ensino superior, como Congressos, Simpósios, Encontros Científicos, dentre outros. Além disso, os alunos participam da União Atleticana Toledo-UAT, bem como do Programa de Intercâmbio Ciências Sem Fronteira Visitas Monitoradas O programa de visitas monitoradas tem como objetivo proporcionar aos alunos, uma experiência prática, de acordo com as características e particularidades das empresas/órgãos visitados, objetivando, demonstrar o funcionamento, aplicação de conteúdos e técnicas, e são válidas como atividades complementares. As visitas técnicas monitoradas são preparadas pelo coordenador e acompanhadas por professores do curso. Estão planejadas para o ano de 2015 visitas técnicas nas seguintes empresas: Volkswagen (São Bernardo do Campo/SP), Bovespa Bolsa de Valores do Estado de São Paulo (São Paulo/SP) e Bebidas Funada (Presidente Prudente/SP) Monitoria e tutoria A monitoria e a tutoria são outras modalidades que visam implementar o desenvolvimento do educando. A monitoria tem por objetivo despertar no aluno que apresenta rendimento acadêmico satisfatório o gosto pela carreira docente, bem como assegurar a cooperação do corpo discente ao docente, nas atividades de ensino, pesquisa e extensão. É um projeto que visa aumentar o número de professores que participam da atividade extraclasse, bem como proporcionar ao aluno novas opções dentro do processo de aprendizado. A monitoria não implica vínculo empregatício entre o aluno e a instituição e não é admitido que o monitor exerça suas atividades sem a orientação do professor

47 47 responsável, de acordo com programa e cronograma a serem cumpridos. É concedido ao discente Certificado de Monitoria, no final do período de exercício dessa atividade, cuja importância é relevante para o seu ingresso na carreira docente nas faculdades. A seleção de monitores é realizada, no início do ano letivo, pelos professores das respectivas disciplinas. O exercício da monitoria é regulamentado por resolução. Para o cumprimento de suas funções, o monitor deverá: I aprofundar seus estudos nas áreas/conjunto de disciplinas que constituem objeto da monitoria; II auxiliar na preparação e realização de seminários e atividades de cunho prático; III organizar e dirigir grupos de estudos das áreas/conjunto de disciplinas/disciplinas nas quais a monitoria será desenvolvida, de conformidade com a orientação do respectivo tutor; IV desenvolver as tarefas que lhe forem atribuídas pelo Coordenador de Curso e pelo tutor responsável pelas áreas/conjunto de disciplinas/disciplinas. Cabe ao aluno monitor, colaborar nas atividades de ensino, pesquisa e extensão, sob a orientação dos professores das áreas/conjunto de disciplinas e dos tutores, sob a supervisão do Coordenador de Cursos. A tutoria conta com a presença dos professores escolhidos para enriquecer o processo de ensino-aprendizagem, por meio de mecanismos que permitam ao professor e ao aluno, maior aprofundamento do conteúdo. O Programa de Tutoria consiste no atendimento aos alunos pelos professores e tem como objetivos: I propiciar ao aluno, um espaço e momento para esclarecimento de dúvidas e aprofundamento de temas pertinentes à matéria; II permitir ao professor, desenvolver atividades destinadas a sedimentar, junto aos alunos, os conhecimentos transmitidos em sala de aula; III desenvolver atividades que permitirão ao aluno, de forma efetiva, a aplicação prática do conteúdo ministrado;

48 48 IV nivelar turmas heterogêneas, que se encontram em diferentes estágios dentro do processo de conhecimento; V propiciar ao monitor, o acesso ao professor para que este possa instrumentalizá-lo adequada e produtivamente para o exercício de suas funções. Os programas citados fazem parte da política de recursos humanos desenvolvida na IES e concorrem para a efetiva qualificação do nosso ensino Bolsas A Toledo Presidente Prudente oferece a seus alunos regulares bolsas de estudo nas seguintes modalidades, mediante os respectivos processos seletivos: Bolsa Programa Escola da Família Oferecida em convênio com o Governo do Estado de São Paulo: - Percentual: 100%, sendo que o governo estadual arca com 50% da mensalidade (até o limite de R$ 500,00) e a Toledo Presidente Prudente com 50% ou mais, de acordo com o valor da parcela. Não se aplica a disciplinas cursadas como dependência. - Contrapartida: atuar junto as escolas de Ensino Médio durante os finais de semana. - Abrangência: matrículas, rematrículas/julho e mensalidades. - Critério de seleção: carência do aluno. Bolsa Programa Jovens Acolhedores Até o ano de 2014 era oferecida em convênio com o Governo do Estado de São Paulo- Secretaria da Saúde: - Percentual: 100%, sendo que o governo estadual arca com R$ 350 da mensalidade e a Toledo Presidente Prudente complementa o valor da parcela. Não se aplica a disciplinas cursadas como dependência. - Contrapartida: atuar junto a instituições de saúde pública, com jornada de 04 horas/dia: Ambulatório Regional de Saúde. Hospital Estadual Dr. Odilo Antunes Siqueira. - Abrangência: matrículas, rematrículas/julho e mensalidades.

49 49 - Critério de seleção: sorteio. Para 2015, foi firmado um Convênio com o município de Presidente Prudente, no qual alunos dos cursos de Serviço Social, Tecnologia em Gestão Financeira e Tecnologia em Marketing participarão de um Processo Seletivo Simplificado para concorrer ao benefício junto ao órgão responsável. Bolsas de Extensão Oferecidas pela Toledo Presidente Prudente aos alunos que atuam nos seus projetos de extensão: - Percentual: 10%, 15% ou 20% sobre o valor das mensalidades, de conformidade com a carga horária dedicada ao projeto. Não se aplica a disciplinas cursadas como dependência. - Contrapartida: participação nos projetos de extensão da Toledo Presidente Prudente. - Abrangência: mensalidades e rematrícula/julho, desde que a participação do extensionista seja ininterrupta. - Critério de seleção: perfil e disponibilidade do aluno. Bolsas de Iniciação Científica Oferecidas pela Toledo Presidente Prudente aos alunos que participam de grupos de iniciação científica - Percentual: 25%. Não se aplica a disciplinas cursadas como dependência. - Contrapartida: participação em grupos de iniciação científica da IES (encontros semanais), publicação de um artigo semestral e participação em eventos de iniciação científica. - Abrangência: mensalidades e rematrícula/julho. - Critério de seleção: perfil de pesquisador e disponibilidade do aluno. A partir do ano letivo de 2015 houve uma variação no percentual da bolsa, sendo de 25% para 40%. Bolsas Comunidade Oferecidas pela Toledo Presidente Prudente a alunos que comprovem sua carência financeira.

50 50 - Percentual: corresponde a 20% da mensalidade. Não se aplica a disciplinas cursadas como dependência. - Contrapartida: aprovação em todas as disciplinas cursadas no semestre. - Abrangência: mensalidades. - Critério de seleção: carência do aluno. A partir de 2015 não haverá abertura de inscrições para a Bolsa Comunidade. Bolsa de Responsabilidade Social - Concedida exclusivamente a alunos regulares do Curso de Serviço Social; - Percentual: 36,3%. Não se aplica a disciplinas cursadas como dependência; - Contrapartida: participação em projetos sociais desenvolvidos pela Toledo Presidente Prudente ou Prefeituras conveniadas com a IES e pagamento pontual das mensalidades. - Abrangência: matrículas, rematrículas e mensalidades. Bolsa de Mérito Acadêmico-Ensino Médio Público Alvo: melhores alunos das escolas da rede pública de Presidente Prudente e região que participam do Programa Toledo nas Escolas, que tenham obtido a maior média, consideradas as disciplinas da 1ª e 2ª séries e primeiro semestre da 3ª série no período letivo de Procedimento: a) as escolas contatadas pela Toledo Presidente Prudente deverão indicar os cinco (5) melhores alunos concluintes do ensino médio que tenham interesse em matricular-se num de seus cursos de graduação; b) os candidatos serão classificados, por média, conforme suas preferências de curso, em primeira e segunda opção; c) as bolsas serão concedidas seguindo-se a classificação dos candidatos de acordo com a sua primeira opção de curso; d) A concessão da bolsa é condicionada, ainda, a assinatura do beneficiário, no respectivo Termo de Compromisso, no período destinado a matricula dos aprovados no Processo Seletivo.

51 51 e) A bolsa concedida nos termos do parágrafo anterior será lançada a partir da matricula. Contudo, a sua efetivação fica condicionada à apresentação do comprovante de conclusão do Ensino Médio. Percentual de bolsa conforme tabela disponibilizada no site. A bolsa incide sobre matrícula, rematrículas e mensalidades. A partir do ano de 2014 não houve abertura de inscrições para a bolsa em referência, porém os alunos anteriormente contemplados permanecerão com tal benefício desde que obedecidas às regras do Termo de Compromisso. 6 Perfis Discente e Docente Encontram-se, em anexo, os quadros relativos a: a) Perfil discente: Perfil do aluno ingressante (indicadores socioeconômicos e culturais e indicadores de escolaridade); Evasão; Retenção; Fluxo dos alunos; Perfil do egresso. b) Perfil docente: Área de atuação; Qualificação profissional; Titulação; Capacitação; Regime de Trabalho.

52 52 7 Relações de Proporcionalidade 7.1 Relação Alunos/Docentes Administração Nº alunos no curso Nº Total de docentes Média de alunos por docentes ,11 Data-Base utilizada: 05/03/ Relação Disciplina/Docentes Administração Nº de disciplinas Nº Total de docentes Média de disciplinas por docentes ,03 Data-Base utilizada: 05/03/2015 Proximidade temática das disciplinas lecionadas pelo docente Todos os docentes do curso lecionam disciplinas com proximidade temática, pois em sua maioria, se dedicam, exclusivamente, a uma disciplina e os professores que trabalham com duas disciplinas, fazem-no porque estão inter-relacionadas, como pode ser verificado no quadro em anexo. 7.3 Relação Vagas Autorizadas/ Docentes em Tempo Integral Vagas Autorizadas Administração Docentes em Tempo Integral Média de vagas por docentes em tempo integral ,58 Data-Base utilizada: 05/03/ Articulação entre Ensino, Pesquisa, Extensão e Pós-Graduação De acordo com as diretrizes educacionais expressas na Lei de Diretrizes e Bases, o Ensino Superior tem por finalidade estimular a cultura, o espírito científico e o pensamento reflexivo, assim como o trabalho de pesquisa e a investigação científica, a sua divulgação, promover a produção cultural, gerada na IES, e divulgá-la à comunidade. Para tanto, a Associação Educacional Toledo, por meio do Centro Universitário que

53 53 mantém e dos seus respectivos cursos, disponibiliza à comunidade ensino, pesquisa e extensão, visando atender as finalidades propostas na LDB. O curso de Administração coloca-se dentro desse propósito, buscando, por meio do ensino, pesquisa e extensão desenvolver habilidades adequadas ao perfil profissional desejado, expressas nos objetivos propostos e no próprio currículo. Nesse sentido, foi dedicada uma carga horária compatível às disciplinas básicas, profissionalizantes, quantitativas e suas tecnologias e complementares, bem como as ementas foram cuidadosamente elaboradas para atender aos objetivos propostos. As atividades complementares, Estágios Curriculares Supervisionados e conteúdos programáticos foram especialmente selecionados para o cumprimento do projeto pedagógico. 8.1 Políticas de Ensino O curso de Administração está voltado ao desenvolvimento das habilidades e ao perfil profissional desejado, contemplados na própria matriz curricular. Para tanto, foi elaborada uma carga horária específica para as disciplinas ditas fundamentais, com o objetivo de atender os conteúdos de formação básica, profissionalizantes, estudos quantitativos e suas tecnologias e complementares (DCN/ Res. No. 4/2005). Com o intuito de se criar um elo de fortalecimento entre as disciplinas, as ementas foram cuidadosamente elaboradas e verificadas. As atividades de Estágio foram adequadamente estruturadas, e seus conteúdos e atividades, especificamente, voltados ao cumprimento do projeto. Durante o desenvolvimento do ensino, existe uma clara pretensão de se buscar um vetor de ação que seja compatível com a realidade brasileira, não deixando de lado o processo constante de análise e reflexão, contando também com a valorização dos casos concretos. É primordial que o conhecimento no ensino superior não seja tão somente transmitido, pois não é o suficiente para preparar o aluno para, criativamente, reconstruir o próprio conhecimento e avançar no processo de crescimento.

54 Conteúdos curriculares Adotando como referência as Diretrizes Curriculares para o curso de Administração, a habilidade de administrar e, ao mesmo tempo, de aplicar teorias em situações práticas têm sido os grandes diferenciais de competências exigidas no mundo altamente competitivo das organizações. Sendo assim, o administrador deve possuir um conjunto de competências e habilidades para: reconhecer e definir problemas, pensar de forma estratégica, negociar, liderar, entre outras. Para tanto, o curso de Administração, entende que o conjunto de disciplinas, o estágio supervisionado, entre outros componentes curriculares, se encontram articulados, possibilitando ao aluno um entendimento teórico-prático das exigências e necessidades de uma organização. Com relação aos aspectos organização e articulação de conteúdos, busca-se a formação de um administrador que tenha acima de tudo responsabilidades pelo planejamento e funcionamento administrativo de uma empresa, reforçando de forma ímpar a opção de uma formação generalista e polivalente. Cabe ao administrador a responsabilidade de coordenar equipes no sentido de ordenar fatores de produção e monitorar sua eficiência; estudar e planejar ações de crescentes índices de produtividade; avaliar resultados; reavaliar constantemente o planejamento estratégico da organização; participar de forma efetiva da seleção e admissão de pessoal e da análise de programas e métodos. Por fim, existe um entendimento que a formação que se tenta alcançar venha a atender aos anseios dos mercados local, regional e nacional Metodologia e técnicas de ensino A metodologia utilizada em sala de aula é variada, além da tradicional exposição didática, o professor, de acordo com a natureza da disciplina e do conteúdo programático elege outras. Assim, também podem ser utilizadas as técnicas de seminário, estudo de caso e estudo dirigido, e sempre que o conteúdo permite, é incentivada a realização de atividades em grupo, visando oxigenar a aula e desenvolver a habilidade de equipe e exercício de liderança em pequenos grupos. Outras técnicas como seminários, discussão de textos, painéis, simpósios conduzem ao

55 55 desenvolvimento do raciocínio social e à reflexão crítica exigida na configuração do perfil do profissional desejado. A metodologia a ser utilizada deverá incluir mecanismos que garantam articulação da vida acadêmica com a realidade concreta da sociedade e os avanços tecnológicos, incluindo alternativas como multimídia, visitas técnicas, teleconferências, Internet e projetos desenvolvidos com outros parceiros. Atividades interdisciplinares são incentivadas e realizadas em torno de temáticas com envolvimento multidisciplinar. A metodologia científica direcionada para a pesquisa, fundamental no ensino superior, é desenvolvida nas disciplinas que requerem investigação científica por meio de trabalhos em grupo ou individuais. A partir de 2013, a IES tem investido na capacitação docente voltada para metodologias ativas de aprendizagem, inclusive através do Laboratório de Apoio Pedagógico em Inovação Acadêmica (LAP) que pretende implantar, desenvolver e conhecer novas metodologias que podem ser utilizadas na aplicação da tecnologia em favor da educação em sala de aula Práticas pedagógicas diferenciadas As práticas pedagógicas diferenciadas são realizadas de acordo com a natureza da disciplina. Quando da sua ocorrência, recomenda-se observar os itens a seguir, conforme formulário disponibilizado: curso, série, disciplina, turma, data de realização, tipo de atividade (atividade interdisciplinar e visitas monitoradas), descrição da atividade, objetivo, metodologia, recursos utilizados, grau de participação dos alunos com comentários, resultados obtidos, bem como anexar produção relativa à atividade. Algumas práticas pedagógicas se destacam não por serem originais, mas pelos resultados ocasionados no processo de aprendizagem dos alunos. Em alinhamento com informações obtidas em reuniões de Colegiado de Curso e também nas Avaliações Institucionais, pretende-se fortalecer, as atividades de Visitas Técnicas Monitoradas. Estão planejadas para o ano de 2015 visitas técnicas nas seguintes empresas: Volkswagen (São Bernardo do Campo/SP), Bovespa Bolsa de Valores do Estado de São Paulo (São Paulo/SP) e Bebidas Funada (Presidente Prudente/SP).

56 56 O que se pretende com essas atividades diferenciadas, extraclasse, ou não, é formar um profissional que tenha uma visão da teoria e da prática como unidade dialética, observando-se que toda prática tem uma teoria embutida e que o profissional, no mercado de trabalho, deve demonstrar, na sua ação profissional, essa articulação sólida, de acordo com a nossa missão que é formar profissionais competentes que possam interferir na realidade e provocar mudanças sociais. Acrescentam-se às práticas descritas as atividades virtuais propostas pelos docentes aos alunos, via Toledo Portal Universitário, em suas aulas estruturadas, divulgadas antecipadamente, bem como disponibiliza espaço para debates sobre temas de interesse do aluno. Essas atividades flexibilizam os componentes curriculares, no que diz respeito à ampliação e à diversificação da ótica do discente em relação aos conteúdos selecionados, reforçando por meio de atividades interdisciplinares a construção de um conhecimento multifacetado, não fragmentado, não compartimentalizado, como o requerido em situações concretas de aprendizagem, quer reais, em sala de aula ou extraclasse, quer virtuais, via eletrônica Interdisciplinaridade A interdisciplinaridade é uma estratégia de abordagem e tratamento do conhecimento em que duas ou mais disciplinas/unidades curriculares ofertadas simultaneamente estabelecem relações de análise e interpretação de conteúdos com o fim de propiciar condições de apropriação, pelo discente, de um conhecimento mais abrangente e contextualizado. A interdisciplinaridade se expressa por meio da compatibilização dos objetivos de cada curso, bem como dos conteúdos programáticos, objetivando a construção do conhecimento multifacetado que permite ao aluno uma visão mais ampla dos resultados de aprendizagem. Realiza-se sob diferentes formas e espaços, inclusive por meio de atividades que abrangem diferentes cursos, de forma real e virtual. As informações detalhadas sobre a flexibilidade e interdisciplinaridade curricular do curso de bacharelado em Administração constam no subitem abaixo.

57 57 Projetos e atividades técnico-científicas A tendência do mercado é absorver profissionais que saibam muito mais que disciplinas/unidades curriculares isoladas, que consigam integrar e relacionar todo o conteúdo em prol de uma solução inovadora. A proposta das atividades técnico-científicas, desenvolvidas em disciplinas específicas, visa envolver os alunos por meio do relacionamento entre as disciplinas/unidades curriculares e os conteúdos do curso, realizando atividades que exijam conhecimento dos professores e dedicação dos alunos em correlacionar todo o aprendizado na intenção de resolver problemas tecnológicos reais do mercado de trabalho. Em grupos, os alunos desenvolverão projetos em várias disciplinas/unidades curriculares que compõem o currículo de cada fase do curso, nas quais possam demonstrar o conhecimento acumulado, habilidades desenvolvidas e atitudes adequadas. Assim, o aluno poderá demonstrar o aprendizado teórico, a capacidade de realizar as tarefas e o comportamento diante de aspectos como meio ambiente, qualidade, respeito à legislação, respeito aos colegas, entre outros. Esse modelo de educação tem por objetivo a formação completa do profissional. Entende-se que a utilização de Projetos é uma forma bastante eficiente de se motivar e envolver o aluno, fazendo com que ele aprenda fazendo. Em lugar de se ensinar uma série de conteúdos para eventual utilização futura (quando provavelmente tais conteúdos já estarão parcialmente esquecidos), apresenta-se um desafio que, para ser vencido, necessitará do apoio de técnicas, ferramentas e teorias que o aluno buscará nas disciplinas e professores do curso. É como se o aluno estivesse desenvolvendo um estágio ou um projeto de iniciação científica, com a vantagem de que os temas e a orientação estarão sob o controle da coordenação acadêmica e do projeto pedagógico do curso, garantindo-se uma maior sinergia entre as disciplinas. É também nesse tipo de atividade que se consegue complementar a formação do aluno, por meio do desenvolvimento de habilidades e atitudes, que contribuirão para a formação de um profissional com espírito inovador e transformador, capaz de interferir na evolução tecnológica da área. No 1º termo, os alunos elaboram, em conjunto com as disciplinas de Economia I e Matemática I, uma análise microeconômica de um negócio em questão, sua viabilidade e real capacidade de preenchimento de uma demanda específica. Já no 2º termo, uma visão sistêmica a respeito do conceito de valor compartilhado, através de

58 58 exemplos empresariais reais, é desenvolvida por meio de trabalhos comuns às disciplina de Teoria das Organizações II, Ética e Sociedade II e Comportamento Organizacional e Liderança. Durante o 3º termo, nas disciplinas Marketing I e Estatística e Análise de Dados I os alunos terão os conceitos básicos de cada disciplina para que ao longo do 4º termo, na disciplina Marketing II, os alunos realizem uma pesquisa sobre Marketing Digital e os dados obtidos nessa pesquisa sejam tabulados e analisados na disciplina Estatística e Análise de Dados II. A partir do 5º termo, nas disciplinas de Administração Mercadológica e Gestão de Pessoas I, os alunos desenvolvem um programa de endomarketing para os funcionários de uma empresa fictícia, planejando toda sua estratégia e aplicação. No 6º termo, uma análise mercadológica de uma cadeia de suprimentos, seus conceitos e possibilidades de integração, são desenvolvidos nas disciplinas de Planejamento Estratégico de Marketing e Gestão da Cadeia de Suprimentos e Logística. Durante o 7º termo, os alunos passam a conhecer as aplicações financeiras e possibilidades de investimentos na prática a partir das atividades conjuntas desenvolvidas nas disciplinas de Gestão Financeira e Jogos de Empresa. Já no 8º termo, modelos de gestão atuais são trabalhados e desenvolvidos de forma contextualizadas nas disciplinas de Novos Modelos Organizacionais e Desenvolvimento de Novos Negócios II Disciplinas Semipresenciais O ensino semipresencial caracteriza-se como atividade didática, módulo ou unidade de ensino-aprendizagem centrada na autoaprendizagem e com a mediação de recursos didáticos organizados em diferentes suportes de informação que utilizem tecnologias de comunicação remota. Esta modalidade vem crescendo rapidamente e não podemos ficar alheios às transformações que vêm ocorrendo no meio educacional. Na verdade, não se pode mais pensar em um ensino em que os estudantes apenas ouvem e aceitam os conceitos estabelecidos pelos professores. O ensino atual está muito mais ligado a métodos ativos, por meio dos quais o aluno é estimulado, a todo o momento a pensar, a saber resolver problemas, a aprender a aprender, o que constitui um estímulo à educação continuada.

59 59 Por meio dessa proposta, o aluno desenvolverá atividades mais dinâmicas, podendo escolher a melhor hora para estudar e efetuar suas tarefas. É importante destacar que uma disciplina na modalidade semipresencial considera a aprendizagem numa perspectiva cognitivista e construtivista, que envolve a interação e a atividade do sujeito que constrói o conhecimento. Por meio dela, o ensino é visto como um processo que favorece as trocas de experiências e propõe desafios. A partir de situações-problema, busca-se desenvolver a reflexão, sistematizar os conhecimentos e promover a relação teoria-prática. Além disso, estimula o desenvolvimento da autonomia dos alunos e o aprender a aprender permanentemente. Envolve a autoaprendizagem e inclui práticas pedagógicas que utilizam as novas tecnologias da informação e comunicação. Por meio do ambiente virtual de aprendizagem (Toledo Portal Universitário), o professor disponibiliza todos os conteúdos e atividades relativas às aulas. É disponibilizado um cronograma com os encontros presenciais, quando são utilizadas metodologias ativas de ensino, abordando conteúdos que são disponibilizados online. A avaliação será composta de uma prova presencial (0-7) acrescida de atividades diversas (0-3), a critério do professor, como trabalhos individuais ou em grupo, leituras, seminários, visitas monitoradas, dentre outras. A prova presencial, individual e escrita, deverá avaliar os conteúdos programáticos desenvolvidos por meio de aulas online e atividades presenciais, bem como exigir do aluno raciocínio lógico, compreensão de texto, conhecimento aplicado, postura ético-crítica, discernimento conceitual, organização, comparação e seleção de idéias, que deverão ser expressos por meio de uma linguagem clara, adequada e gramaticalmente correta. É estabelecida a frequência mínima obrigatória de 75% (setenta e cinco por cento) às aulas dos encontros presenciais da disciplina para aprovação. Administração: Ética e Sociedade I (30h) - 1º termo Metodologia do Trabalho Científico (30h) - 3º termo

60 Tecnologias de informação e comunicação TICs no processo de ensinoaprendizagem Estão disponibilizados na IES para promoção do ensino aprendizagem no curso de Administração (laboratórios, multimídia, internet, intranet, site, lousa digital, wireless, smart board) e sistema de comunicação (Toledo Portal Universitário) Recursos tecnológicos Os avanços tecnológicos provocaram mudanças as mais diversas em vários setores. Em relação à educação, as ferramentas disponibilizadas pela tecnologia devem ser vistas a serviço do ensino. Embora a tecnologia restrinja a sociabilidade, as normas éticas de seu uso estejam se delineando, o acesso à informática ainda não atinja, satisfatoriamente, as camadas menos favorecidas, a tecnologia veio para ficar. Portanto, cabe aos educadores pesquisar metodologias e estratégias de ensino que utilizem a tecnologia. Há muito a ser estudado, adequado e ressignificado dentre os avanços da tecnologia para ser colocado à disposição do ensino de qualidade. A disciplina Jogos de Empresas, lecionada nos 7º termos de Administração, utiliza como ferramenta para a condução das aulas um simulador empresarial (Jogos de Empresa), fornecido pela Tangram Sistemas. Sendo assim, os jogos de empresa têm como objetivo possibilitar a simulação da vivência empresarial e suas diversas atividades, abrangendo desde o planejamento até a avaliação do trabalho. Caracterizamse como técnica educacional alternativa, em que o participante pode assumir um papel ativo, através do exercício virtual de funções e papéis, desenvolvendo a capacidade intelectual, a criatividade, a sociabilidade e a competência para estabelecer estratégias a fim de tomada de decisão Sistema de Comunicação: Toledo Portal Universitário A partir de 2007, foi implantado o Toledo Portal Universitário com a finalidade de ampliar o seu sistema de comunicação entre os sujeitos envolvidos no processo educacional na instituição, bem como possibilitar a integração de procedimentos educacionais que já vinham sendo realizados ao longo dos últimos anos. O Portal é uma ferramenta que incrementa o relacionamento entre o aluno e os professores, possibilitando ao discente:

61 61 Ver suas aulas disponibilizadas por seus professores. Ler avisos para sua turma. Ter uma conta particular de . Criar e participar de debates. Entregar trabalhos solicitados pelos professores. Realizar avaliações e exercícios. Responder a enquetes da instituição. Participar de salas virtuais organizadas por seus professores ou coordenadores. Notas e faltas. Atualização de currículo. Biblioteca on line. Calendário e horários. Vagas de estágio. Documentos em geral. O Portal permite que o docente divulgue seu Plano de Ensino e seu Plano de Aula com antecedência para que o aluno possa preparar-se para suas aulas com a finalidade de obter melhor aproveitamento. Possibilita aos usuários consulta à biblioteca da Toledo, bem como anexar as referências bibliográficas diretamente do acervo. Disponibiliza espaço para avisos, proposta e recebimento de trabalhos, discussões de temas relevantes, dentre outras formas de comunicação e entendimento entre os sujeitos do processo educacional. É atualizado com frequência, visando acompanhar as exigências da evolução da aprendizagem do aluno e as demandas do mercado, sendo construídas novas ferramentas ou novidades permanentemente Modos de integração entre teoria e prática e graduação e pós-graduação A produção do conhecimento integrado é um dos objetivos maiores dos cursos oferecidos pela IES. Essa integração se realiza considerando-se o conhecimento produzido na instituição e extramuros, respaldado nos vínculos estabelecidos entre a graduação, a pós-graduação e a comunidade. Várias são as formas de concretização

62 62 dessa integração: atividades complementares, estágios, trabalhos de conclusão de curso, cursos de extensão, palestras, projetos sociais, grupos de pesquisa, dentre outras. A integração ocorre, na graduação, a partir da estruturação curricular de cada curso, fundamentada na flexibilização e compatibilização de conteúdos, que permite que os conteúdos de formação básica fundamentem as questões de conteúdos de formação profissional e prática, por intermédio das atividades complementares, estágios, trabalho de conclusão de curso e grupos de pesquisa que envolvem discentes e docentes. A integração da graduação com a pós-graduação e a comunidade se realiza por meio de um ciclo de palestras ministradas por professores da pós-graduação aos alunos da graduação e representantes da comunidade, bem como por meio de cursos de extensão/workshop que envolvem a comunidade realizados em conjunto com professores e alunos e ex-alunos da graduação e pós-graduação, e, ainda, mediante a presença de pós-graduandos em pontos estratégicos de orientação de estágio, quer na área jurídica, quer de negócios ou de serviço social. Esse processo, que estabelece vínculos entre a IES e a comunidade, num movimento de vai e vem gerador de conhecimento, permite o enriquecimento da matriz curricular, a adequação dos projetos pedagógicos de curso, em especial, ao perfil do egresso exigido pelo mercado, e a produção do conhecimento multifacetado, elementos fundamentais para a consolidação da missão institucional, no que diz respeito à formação de profissionais competentes para o mercado de trabalho regional e nacional. No que tange ao estágio supervisionado, o aluno além da vivência da prática profissional, desenvolve a responsabilidade social, pois dentro desta estrutura, foi possível estabelecer um número significativo de empresas parceiras, com ênfase nas entidades conhecidas como sociais, auxiliando-as na melhoria de gestão administrativa e contábil. Sendo assim, o estágio proporciona de forma significativa a integração, inclusive, entre os cursos de Administração e Ciências Contábeis. A produção do conhecimento por meio de Trabalhos de Curso, Grupos de Pesquisa e Iniciação Científica, promove de forma ímpar o envolvimento de discentes e docentes, oportunizando a integração entre a graduação e pós-graduação. São oferecidas aos graduandos, palestras sobre temática de interesse do aluno, proferidas por professores da pós-graduação Toledo (área de negócios).

63 63 Na IES, a integração da graduação com a pós-graduação e a comunidade se realiza por meio de um ciclo de palestras, cursos de extensão e prestação de serviços, que compõem um projeto denominado Toledo na Cidade, conforme segue: Projeto Toledo na Cidade Objetivo geral: Atrair os profissionais do mercado de Presidente Prudente e região para dentro da IES com o intuito de aproximá-los da realidade acadêmica, possibilitando a atualização constante dos projetos pedagógicos dos cursos e a abertura de oportunidades profissionais aos nossos alunos e ex-alunos. Objetivos específicos: Integrar a graduação com a pós-graduação e o mercado de trabalho; Incentivar a atualização constante dos sujeitos envolvidos por meio de palestras que possibilitam a educação continuada; Discutir temas regionais e atuais de interesse para o mercado de trabalho; Apresentar a Toledo para a comunidade (empresas, profissionais das áreas jurídica, negócios e serviço social, bem como órgãos públicos), evidenciando os valores que poderão ser agregados aos serviços e à formação do nosso profissional, mediante uma atividade compartilhada. Público-alvo: Alunos e ex-alunos do curso de graduação e pós-graduação da Toledo; Profissionais de Presidente Prudente e Região. Atividades Programadas 1) Ciclo de Palestras Objetivo geral: Favorecer a formação continuada e a atualização dos interessados no que diz respeito aos conteúdos desenvolvidos nas áreas de ensino oferecidas pela Toledo: jurídica, negócios e serviço social. Objetivo específico: Integrar a graduação, a pós-graduação e a comunidade local e regional. Público-alvo: Alunos da graduação, da pós-graduação, professores e funcionários da Toledo, bem como segmentos representativos da sociedade em geral. Informações gerais sobre o ciclo de palestras: áreas de atuação: Direito, Negócios e Serviço Social; aberto à comunidade em geral; inscrições pelo site ; certificação: no final do semestre, com a carga horária total; locais: Cupertino, Salão Nobre, Projeção, dependendo do número de inscritos; vagas limitadas; frequência controlada por lista de presença; para efeito de atividades complementares será lançada a carga horária total do ciclo de palestras. 2) NEETWORK Toledo A IES oferecerá, ainda, aos professores, alunos, ex-alunos e empresários cursos e workshop que versarão sobre assuntos do seu interesse, objetivando enriquecer sua formação nas áreas profissionais em que a Toledo atua, consolidando os vínculos entre a instituição e a comunidade. outros países. Outro programa é o Toledo no Mundo que propicia o intercâmbio cultural com Sistema de avaliação de aprendizagem O sistema de avaliação escolar foi concebido como parte integrante importante do currículo escolar, entendido como espaço de produção de cultura e de contestação,

64 64 visto que permeado de ideologia, cultura e relações de poder. É expresso por meio de um sistema numérico de zero a dez. Os cursos tal como foram concebidos visam formar um profissional adequado ao seu espaço e às necessidades de sua época. As habilidades requeridas na formação do profissional do respectivo curso, conforme o perfil desejado, já amplamente definido neste projeto, fundamentaram um sistema de avaliação que prioriza a elaboração do conhecimento pelo aluno, sujeito de sua aprendizagem e possibilita a formação de um discente capaz, autônomo e livre que saiba posicionar-se diante da realidade que se lhe apresenta, tenha postura ética, raciocínio lógico, saiba interpretar e inferir ideias a partir do conhecido, dentre outras. O processo de ensino-aprendizagem, caracterizado por sua continuidade, exige diversidade de formas de aprender e avaliação pertinente ao processo metodológico utilizado, de acordo com a natureza de cada conteúdo e disciplina. A avaliação de desempenho escolar é feita por disciplina, tendo como base o aproveitamento escolar e a frequência do aluno. Frequência escolar Sistema de Avaliação de Aprendizagem É condição para aprovação do aluno, a sua presença a pelo menos 75% (setenta e cinco por cento) das aulas e às demais atividades programadas. É vedado ao aluno o abono de faltas, salvo nos casos previstos em lei. Aproveitamento escolar O aproveitamento do aluno, no semestre, será aferido por meio de uma prova, individual e escrita, expressa em nota com grau numérico variando de zero a sete mais a pontuação referente a outras atividades, a critério do professor, valendo de zero a três, perfazendo um total de dez pontos, ou seja, Prova de 0 a 7,0 + atividades (0 a 3) Critério de aprovação Será aprovado o aluno que obtiver aproveitamento (nota da prova+atividades), no semestre, igual ou superior a 7,0 (sete) e frequência mínima de 75%. OBS:1) É promovido ao termo seguinte o aluno aprovado em todas as disciplinas cursadas, admitindo-se ainda a promoção com dependências. 2) Caso o aluno não atinja a nota 7,0 (sete), no semestre, deverá se submeter a exame final conforme segue: Exame final O aproveitamento do exame final será expresso em nota com grau numérico variando de zero a dez. O aluno com frequência igual ou superior a 75% (setenta e cinco por cento) e com nota de aproveitamento, no semestre, entre 3,0 e 6,99, deve submeter-se a exame final. A nota mínima para aprovação no exame será a média 5,0 (cinco), resultante da média aritmética entre o aproveitamento do semestre (nota da prova +atividades) e o exame final, considerada a média de aproveitamento final. Aluno aprovado

65 65 Exemplo: Nota da prova+ atividades, no semestre= 6,0 (seis) Nota do exame final = 4,0 (quatro) Total =10,0: 2= média 5,0 (cinco) Média final = 5,0 (aprovado com a média mínima) Critério de reprovação 1) Independentemente dos resultados obtidos pelo seu desempenho, será considerado reprovado na disciplina o aluno que não tiver comparecido a pelo menos 75% (setenta e cinco por cento) das aulas e demais atividades. 2) Será considerado reprovado o aluno que obtiver aproveitamento (nota da prova + atividade), no semestre, inferior a 3,0 (três). 3) Será considerado reprovado o aluno que, tendo realizado o exame final, não conseguir média cinco, nota mínima exigida para aprovação com exame final. Exemplo: Nota da prova + atividades, no semestre = 6,0 (seis) Nota do exame final = 2,0 (dois) Total = 8,0 : 2= 4,0 (quatro) Aluno reprovado: Média final = 4,0 (não obteve média final mínima de 5,0, após a realização do exame final). Prova repositiva Ao aluno que deixar de comparecer a prova (0-7), é permitida a realização de uma prova repositiva de cada disciplina, por semestre, valendo de zero a 7,0 (sete), desde que requerida dentro do prazo de 5 (cinco) dias úteis antes da sua realização, que ocorrerá ao final de cada semestre letivo. A nota obtida nas atividades (0-3) deverá ser somada nesse momento Avaliações especiais Ao longo do Estágio Supervisionado I e II, os alunos contarão com avaliações intermediárias, geralmente dividas em três partes: duas fases iniciais com avaliações de peso 3,0 pontos cada e a entrega de um relatório final tendo como peso 4,0 pontos. A disciplina de Jogos de Empresa, não existe avaliação intermediária de 3,0 pontos, somente uma nota final, variando de 0 a 10 pontos. A avaliação será feita a partir da elaboração de relatórios, de análises e planejamentos, sujeitos a reformulações referentes as etapas do Simulador para mensurar a performance dos grupos de alunos como responsáveis pela gestão das empresas nas funções: financeira, recursos humanos, produção e marketing para determinar seus desempenhos nos jogos de empresas visando a compreensão, eficiência, resultados obtidos e relacionamento interpessoal. A disciplina de Desenvolvimento de Novos Negócios II, por ser desenvolvido um Plano de Negócio de forma ampla e completa, no 8º termo, o sistema de avaliação é composto pela entrega das partes do Plano de Negócios, de acordo com cronograma e

66 66 Banca como Exame Final, em que os alunos apresentarão o todo de seus Planos de Negócios. 8.2 Políticas de Pesquisa Um dos focos pedagógicos buscados pela instituição no âmbito do currículo escolar é a postura investigativa e a educação continuada, tanto do docente como do discente, o que se instrumentaliza por atividades educativas vivenciadas em sala de aula e atividades extracurriculares, sob a forma de grupos de pesquisa, encontros de iniciação científica, produção e publicação de artigos em periódicos científicos. Entende-se a pesquisa como mecanismo de produção do conhecimento, possibilitadora da formação e desenvolvimento do aluno e da qualificação do ensino. As Políticas de Pesquisa são operacionalizadas via Núcleo de Estudos e Pesquisa-NEPE, como veremos a seguir Diretrizes de pesquisa temáticos: A pesquisa na IES é norteada por um tema central, linha de pesquisa e eixos Tema central Linha de Pesquisa Eixos Temáticos Relações Sociais Contemporâneas Estado, Sociedade e Desenvolvimento Políticas Públicas e Desenvolvimento Regional Questões Sócio-jurídicas Relações Empresariais Núcleo de Estudo e Pesquisa - NEPE O Núcleo de Estudo e Pesquisa-NEPE operacionaliza as políticas de pesquisa da IES, viabilizando a formação de grupos de iniciação científica e pesquisa com a finalidade de produção científica e divulgação de conhecimento produzido, por meio de atividades capazes de desenvolver competências e habilidades que caracterizam o perfil do egresso desejado. Os Projetos Pedagógicos dos cursos apontam, de forma específica, como o apoio acadêmico do NEPE pode interferir na formação do nosso aluno, por meio das atividades propostas, visando mudanças no contexto social em que se insere.

67 67 O NEPE tem por finalidade proporcionar qualificação do corpo docente e discente no que diz respeito à formação acadêmica, técnica e científica por meio da pesquisa, envolvendo a graduação, a pós-graduação e a comunidade. Ao NEPE compete, ainda, orientar a normalização dos trabalhos da instituição com base na ABNT, sistematizando e acompanhando o processo de orientação dos trabalhos científicos e sua defesa, coordenar as edições das Revistas, bem como os grupos de estudo e pesquisa Grupos de iniciação científica e pesquisa Os grupos de estudos foram iniciados a partir de 1999, no entanto, sua sistematização começou a ser trabalhada a partir de Os resultados, inclusive com participação em eventos internacionais, ocorreram em seguida. A partir de agosto de 2005, iniciaram-se os grupos de pesquisa, aprovados previamente pelo Comitê de Avaliação de Projetos de Pesquisa. Tais grupos têm fomento institucional e são compostos por alunos da graduação, pós-graduação e participantes voluntários. Os grupos de iniciação científica são conduzidos por um professor orientador, que deve atender os requisitos previstos no Regulamento do Programa de Iniciação Científica Toledo-PICT, o qual deve apresentar projeto de iniciação científica, obedecendo ao calendário das atividades escolares, prévia aprovação do Comitê de Seleção e Avaliação de Projetos de Pesquisa da Instituição. Atualmente a IES mantém cinco grupos de iniciação científica: Área Grupo Coordenador Eixo Temático Direito O Estado de direito: aspectos políticos, jurídicos e Filosóficos Prof. Caíque Tomaz Leite da Silva Questões Sócio- Jurídicas Direito Novas Perspectivas do Conhecimento Processo Civil Moderno (Processo de Conhecimento e Acesso à Justiça) Serviço Social Políticas de Atendimento à Família, Criança e ao Adolescente Interdisciplinar Interdisciplinar/ Negócios Perspectivas alternativas sobre a violência e os direitos humanos: religião e o campo histórico-social contemporâneo Gestão e Sustentabilidade Prof. Dr. Gelson Amaro de Souza Profa. Ms. Juliene Aglio de Oliveira Prof. Dr. José Artur Teixeira Gonçalves Prof. Ms. Wilson de Luces Fortes Questões Sócio- Jurídicas Políticas Públicas e Desenvolvimento Regional Questões Sócio- Jurídicas Relações

68 68 Área Grupo Coordenador Eixo Temático Machado Empresariais no NEPE. A produção científica resultante dos grupos de estudo se encontra à disposição Programa institucional de iniciação científica A IES mantém um Programa de Bolsas de Iniciação Científica-PICT, cujo objetivo é fomentar a participação de alunos de graduação e pós-graduação nos grupos de pesquisa. A concessão de bolsas e seus valores são estipulados, anualmente, por intermédio de edital, conforme disponibilidade orçamentária. Os bolsistas são obrigados a apresentar semestral e anualmente relatório com os resultados técnicos e científicos da produção durante o período de vigência da bolsa Programa de iniciação científica do PIBIC/CNPq Em 2011, as FIAETPP ingressaram no Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica-PIBIC, do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico-CNPq, obtendo uma cota de 5 bolsas, o que trouxe um incremento à política de iniciação científica já desenvolvida pela instituição. Atualmente, estão em desenvolvimento projetos com 6 bolsas do PIBIC/CNPq Divulgação científica Os trabalhos científicos produzidos na IES produzidos são divulgados à comunidade por meio de palestras, seminários, eventos científicos, elaboração de cartilhas, publicação de artigos, dentre outros. A IES mantém seis publicações periódicas, nas áreas de Direito, Negócios e Serviço Social: Veículos Área Meio de veiculação ISSN Revista INTERTEMAS Jurídica Impressa (brochura) Revista Jurídica Eletrônica

69 69 Revista Negócios Negócios Eletrônica Revista Social Social Eletrônica ETIC - Encontro Toledo de Iniciação Científica ETIC - Encontro Toledo de Iniciação Científica Multidisciplinar CD-Rom Multidisciplinar Eletrônica Seminário Integrado - Serviço Social Social Eletrônica Suporte técnico e financeiro O NEPE oferece suporte técnico para a produção científica por meio de cursos, cujo objetivo é estimular o aluno e o docente para a cultura investigativa e metodológica, realizando, assim, a integração do ensino com a pesquisa. São oferecidos cursos sobre produção de artigos, formatação, fichamento, e outros de caráter técnicometodológico. A IES oferece ainda suporte financeiro para participação dos docentes e discentes dos grupos de pesquisa em eventos científicos. O apoio é regido por resolução própria. 8.3 Políticas de Extensão Coordenadoria de Extensão e Assuntos Comunitários - CEAC As Políticas de Extensão são operacionalizadas pela Coordenadoria de Extensão e Assuntos Comunitários-CEAC que disponibiliza dados e resultados atualizados, anualmente, sob forma de quadros. Prioriza a formação inicial e continuada do aluno, por meio de projetos, cursos, atividades e prestação de serviço à luz das necessidades apontadas no âmbito local e regional com vínculos nacionais. A Coordenadoria de Extensão e Assuntos Comunitários-CEAC foi implantada, em 2002, com o objetivo de promover e incentivar a integração da comunidade acadêmica com a comunidade regional, a partir de ações que difundam as produções culturais, científicas e tecnológicas geradas pela instituição, por meio do ensino e pesquisa, trazendo experiências, dados e informações que contribuam para a melhoria das atividades acadêmicas.

70 Caracterização da extensão na IES Seguindo as definições apresentadas no Plano Nacional de Extensão Universitária, esclarecemos a seguir as ações extensionistas desenvolvidas na instituição, que podem ser realizadas sob forma de Programas de Extensão e abrangem: Projetos de Extensão, Educação Continuada, Atividades Acadêmicas e Prestação de Serviços. Programas de Extensão Projetos de Extensão Educação Continuada Figura 1: Organograma dos Programas de Extensão Atividades Acadêmicas Prestação de Serviços a) Programas de Extensão Conjunto articulado de projetos e outras ações de extensão (cursos, eventos, prestação de serviços), preferencialmente integradas a atividades de pesquisa e ensino. Tem caráter orgânico-institucional, clareza de diretrizes e orientação para um objetivo comum, sendo executado a médio e longo prazo. Programas de Extensão: Programa Toledo Comunidade, Programa Toledo Empresa, Programa Toledo Jurídico. b) Projetos de Extensão Ação processual e contínua de caráter educativo, social, cultural, científico ou tecnológico, com objetivo específico, a curto e médio prazo. Projetos de Extensão: Projeto E-lixo, Escritório de Aplicação de Assuntos Jurídicos, Empresa Júnior Toledo, Coleta de Preços, Consumidor Consciente. c) Educação Continuada Oferecida sob a forma de cursos, presenciais ou à distância, com uma carga horária entre 08 e 359 horas. São propostas esporádicas, destinadas aos membros da

71 71 comunidade interna e externa da Toledo, visando ao aperfeiçoamento, à atualização ou à produção de novos conhecimentos numa determinada área de estudos. Cursos: Complementação de Estudos, Cursos de Aperfeiçoamento, Cursos de Extensão. d) Atividades Acadêmicas São ações que dinamizam a relação da Toledo com a sociedade e que implicam apresentação e/ou exibição pública, livre ou com clientela específica, do conhecimento ou produto cultural, artístico, esportivo, científico e tecnológico desenvolvido, conservado ou reconhecido pela Universidade. Atividades Acadêmicas: Congresso, Jornada, Conferência, Ciclo de debates, Exposição, Espetáculo, evento esportivo. e) Prestação de Serviços É expressa por realização de trabalho oferecido pela instituição ou contratado por terceiros (comunidade, empresa, órgão público, etc.). A prestação de serviços se caracteriza por intangibilidade, inseparabilidade processo/produto e não resulta na posse de um bem. Serviços: Consultoria, assessoria, atendimento jurídico e judicial, espaço e museu cultural, Jornada de Cinema. f) Assuntos Comunitários A Instituição possui como um de seus objetivos a interação com a sociedade mediante participação e colaboração em ações de forma solidária, sendo essas ações, dentro ou fora do ambiente da Instituição. Ações: Inverno Solidário, Coleta seletiva de lixo, Doação de sangue, Cadastro de doadores de medula. 8.4 Encontro de Iniciação Científica e Extensão Visando divulgar e incentivar pesquisas concluídas ou em andamento, resultantes de grupos de iniciação científica, monografias, trabalhos de curso, atividades de extensão universitária e outros, em temática pertinente à linha de pesquisa Estado, Sociedade e Desenvolvimento e proporcionar à comunidade acadêmica um espaço para discussões e reflexões sobre as pesquisas desenvolvidas e atividades de extensão universitária, em

72 , o Centro Universitário Antônio Eufrásio de Toledo implantou o Encontro de Iniciação Científica e, em 2006, acrescentou ao evento o Encontro de Extensão Universitária da Toledo. Anualmente, realiza-se, na IES, o Encontro Toledo de Iniciação Científica Prof. Dr. Sebastião Jorge Chammé -ETIC, evento que congrega os encontros de Iniciação Científica, Extensão Universitária e Iniciação Científica para o Ensino Médio. Além de professores e alunos da instituição, o ETIC recebe pesquisadores de outras IES da região e de outros Estados. Todos os dados referentes a esses encontros estão à disposição no NEPE. 8.5 Políticas de Inovação Acadêmica As políticas de inovação acadêmica são operacionalizadas na instituição pelo Laboratório de Apoio Pedagógico em Inovação Acadêmica-LAP, sendo que as principais ações envolvem: a internacionalização, a pesquisa de metodologias inovadoras, a capacitação e formação docente e a implantação de metodologias ativas Laboratório de Apoio Pedagógico em Inovação Acadêmica A preocupação com a inovação acadêmica não é recente na instituição, mas recebeu novos delineamentos em 2013, com a criação de um novo apoio acadêmico, o Laboratório de Apoio Pedagógico em Inovação Acadêmica-LAP. A missão do Laboratório é o estudo e desenvolvimento de metodologias inovadoras, com uso de tecnologia ou não, buscando a capacitação e a formação docente, bem como a implementação da inovação acadêmica na IES, comprometida com sua difusão para escolas do Ensino Médio Internacionalização Com o propósito de sintonizar a IES ao cenário internacional de transformações na educação, a Toledo formalizou participação em um Consórcio firmado por instituições brasileiras e pela organização Laspau, filiada à Universidade de Harvard. O convênio permitirá assimilar e multiplicar metodologias inovadoras desenvolvidas em universidades de referência, como Harvard e Massachusetts Institute of Technology-

73 73 MIT, e impactar o cenário da educação brasileira, sem perder o referencial da identidade da instituição. Além disso, a IES tem participado de missões internacionais em centros de referência, nos Estados Unidos, Canadá e, em 2014, na Inglaterra e na Irlanda, bem como acompanhado as experiências de outras instituições por meio de eventos externos no Brasil, com ou sem participação de representantes de IES estrangeiras Pesquisa de metodologias inovadoras No segundo semestre de 2013, foi institucionalizado, junto ao LAP, um Grupo de Pesquisa em Metodologias Ativas, com a finalidade de analisar, testar, aperfeiçoar e multiplicar as metodologias inovadoras na instituição. O grupo é formado por oito docentes titulares, com titulação de Doutorado (1), Mestrado (4) e Especialização (3), além de professores convidados e voluntários. Entre outras metodologias, estão em estudo e desenvolvimento, o Peer Instruction (PI), o Team Based Learning (TBL), o Project Based Learning (PrjBL), o Game Based Learning (GBL) e o Problem Based Learning (PBL). O grupo, também, tem estudado a aplicação do teatro ao ensino. O LAP realiza, ainda, pesquisas sobre as metodologias em implantação na IES, levantamento de dados sobre o perfil de aprendizagem dos alunos, tendo desenvolvido, para implantação em 2014, um sistema eletrônico para o Questionário Honey-Alonso de Estilos de Aprendizagem-CHAEA. Em 2015, o grupo vem mantendo os estudos sobre metodologias e iniciou pesquisa sobre motivação intrínseca dos estudantes, por meio de Escala de Motivação Situacional-EMSI Capacitação e formação docente A multiplicação das metodologias ativas de aprendizagem na IES ocorre por meio de capacitações organizadas pelo LAP, com ou sem participação de facilitadores de outras instituições. Como exemplo, cita-se a Capacitação em Método do Caso (2012), a Capacitação sobre PrjBL e GBL (2013), os Workshops de Capacitação Docente sobre TBL e PI (2014) e a Capacitação em PBL (2015). A institucionalização do LAP veio reforçar o processo contínuo de formação docente, já antes desenvolvido na instituição.

74 Implantação de metodologias ativas Após capacitações e estudos, o LAP vem realizando a implantação de metodologias ativas. Como resultados preliminares da primeira fase de implementação das metodologias TBL e PI, aferiu-se que, em 2014, as metodologias TBL e PI foram utilizadas de forma piloto por 25% dos docentes da IES, em todos os cursos da instituição. Com o objetivo de consolidar a aplicação das metodologias, o LAP deu início, em 2014, ao projeto Café com Inovação, encontro periódico para troca de experiências entre docentes e o Apoio Pedagógico. Em 2015, estão sendo estruturados micronúcleos para apoio aos docentes em cada metodologia. A meta institucional é de implantar e consolidar 4 metodologias ativas até 2017: Peer Instruction, Team Based Learning, Problem Based Learning e Project Based Learning. No curso de Sistemas de Informação, alguns projetos desenvolvidos com PrjBL, estão sendo transformados, também, em Game Based Learning (GBL), como a competição de aplicativos (APP Game) e o challenge de robôs (Robô Game). 8.6 Pós-Graduação O Centro Universitário Antônio Eufrásio de Toledo mantém um Centro de Pós- Graduação, Pesquisa e Extensão-CPPE, subordinado à Pró-Reitoria de Ensino Pesquisa e Extensão e cujo coordenador é indicado pela Pró-Reitora de Ensino, Pesquisa e Extensão e nomeado pelo Reitor. A coordenação das atividades de pós-graduação é exercida pelo Centro de Pós- Graduação, Pesquisa e Extensão-CPPE e possui Regimento Interno Próprio e Regulamento para oferta de cursos. As atribuições do coordenador do CPPE encontram-se registradas no Regimento Geral da IES. O CPPE desmembra-se em Centro de Pós-Graduação-CPG, Núcleo de Estudos e Pesquisa-NEPE e Centro de Extensão e Assuntos Comunitários-CEAC. A estrutura organizacional do CPPE é realizada por um Coordenador e pelos demais coordenadores específicos: Coordenadorias de Pós-Graduação, Coordenadorias de Pesquisa e Coordenadorias de Extensão e Assuntos Comunitários, cada um com suas respectivas competências. O Coordenador é responsável pela execução das políticas, sendo os demais coordenadores pela execução das atividades acadêmicas.

75 75 Os cursos de Pós-Graduação são cursos regulares que visam desenvolver e aprofundar a formação adquirida nos cursos de graduação, conduzindo à obtenção do respectivo grau de especialista ( lato-sensu ). A IES oferece cursos de especialização nas áreas de Direito, Negócios, Serviço Social e Tecnologia. Os cursos são custeados pela própria instituição, não havendo auxílio externo de nenhum órgão de fomento. Os cursos oferecidos não são avaliados pela CAPES, seguem a Res. 01/2007 e atendem os requisitos sugeridos pelo INEP. Cursos de Especialização foram oferecidos pela IES desde No período de 1989 a 2003 foram oferecidos, em parceria com o Instituto Brasileiro de Estudos e Pesquisas Sócio-Econômicos INBRAPE, cursos, visando melhor qualificar seu corpo docente e os profissionais da região, possibilitando-lhes a diversificação e ampliação de seus conhecimentos. A partir de 2004, a Toledo, visando à qualificação de seu ensino, à integração da pós-graduação com a graduação, ao desenvolvimento da pesquisa e ao intercâmbio com a sociedade, oferece diversos cursos de Pós Graduação lato sensu : Cursos de Especialização oferecidos pela TOLEDO Área: Negócios Curso Período Carga Horária Gestão de Negócios para Pequenas e Médias Empresas Fevereiro/2003 a outubro/ MBA em Gestão de Negócios e Empreendedorismo Fevereiro/2004 a novembro/ MBA em Controladoria e Gestão Financeira T1 Fevereiro/2004 a outubro/ MBA em Agronegócios T1 Agosto/2004 a junho/ MBA em Gestão Empresarial T1 Fevereiro/2005 a dezembro/ MBA em Controladoria e Gestão Financeira T2 Fevereiro/2005 a dezembro/ MBA em Gestão Empresarial T2 Fevereiro/2006 a dezembro/ MBA em Controladoria e Gestão Financeira T3 Fevereiro/2006 a dezembro/ MBA em Agronegócios T2 Fevereiro/2005 a novembro/ MBA em Agronegócios T3 Agosto/2006 a junho/ MBA em Gestão de Pessoas T1 Agosto/2006 a junho/ MBA em Controladoria e Gestão Financeira T4 Fevereiro/2007 a Dezembro/ MBA em Gestão Empresarial T3 Fevereiro/2007 a dezembro/ MBA em Marketing e Gestão de Vendas T1 Fevereiro/2007 a dezembro/ MBA em Gestão de Pessoas - T2 Agosto/2007 a agosto/ MBA em Gestão Empresarial - T4 Fevereiro/2008 a dezembro/ MBA em Controladoria e Gestão Financeira - T5 Fevereiro/2008 a dezembro/ MBA em Marketing e Gestão de Vendas T2 Março/2008 a janeiro/ MBA em Gestão de Pessoas T3 Agosto/2008 a agosto/ MBA em Controladoria e Gestão Financeira T6 Fevereiro/2009 a fevereiro/ MBA em Gestão Empresarial T5 Fevereiro/2009 a fevereiro/ MBA em Gestão de Projetos T1 Fevereiro/2009 a fevereiro/ MBA em Gestão de Pessoas T4 Agosto/2009 a agosto/

76 76 Área: Negócios Curso Período Carga Horária MBA em Marketing e Gestão de Vendas T3 Agosto/2009 a agosto/ MBA em Controladoria e Gestão Financeira - 7 Fevereiro/2010 a Fevereiro/ MBA em Gestão Empresarial T6 Fevereiro/2010 a Fevereiro/ MBA em Gestão Empresarial T7 Abril/2010 a Fevereiro/ MBA em Gestão de Projetos T2 Agosto/2010 a Junho/ MBA em Gestão de Pessoas T5 Agosto/2010 a Junho/ MBA em Controladoria e Gestão Financeira T8 Fevereiro/2011 a Fevereiro/ MBA em Gestão Empresarial T8 Fevereiro/2011 a Fevereiro/ MBA em Marketing e Gestão de Vendas T4 Fevereiro/2011 a Fevereiro/ MBA em Gestão de Pessoas T6 Agosto/2011 a Junho/ MBA em Gestão Empresarial T9 Agosto/2011 a Julho/ MBA em Gestão Tributária T1 Setembro/2011 a Agosto/ MBA em Controladoria e Gestão Financeira T9 Fevereiro/2012 a Outubro/ MBA em Gestão Empresarial T10 Fevereiro/2012 a Janeiro/ MBA em Gestão de Negócios da Saúde In Company Unimed T1 Fevereiro/2012 a Abril/ MBA em Marketing e Gestão de Vendas T5 Março/2012 a Novembro/ MBA em Gestão de Pessoas T7 Agosto/2012 a Junho/ MBA em Controladoria e Gestão Financeira T10 Fevereiro/2013 a Janeiro/ MBA em Gestão Empresarial T11 Fevereiro/2013 a Janeiro/ MBA em Gestão de Projetos T3 Março/2013 a Janeiro/ MBA em Gestão de Pessoas T8 Agosto/2013 a Junho/ MBA em Gestão Tributária T2 Agosto/2013 a Junho/ MBA em Controladoria e Gestão Financeira T11 Fevereiro/2014 a Dezembro/ MBA em Business Intelligence T1 Março/2014 a Dezembro/ MBA em Gestão Empresarial T12 Março/2014 a Dezembro/ MBA em Vendas e Gestão de Marketing T1 Março/2014 a Dezembro/ MBA em Gestão de Pessoas T9 Setembro/2014 a Junho/ MBA em Gestão de Pessoas T10 Fevereiro/2015 a Dezembro/ Data-Base utilizada: 26/03/2015. Área: Direito Curso Período Carga Horária Direito Civil Turma II Março/2002 a julho/ Direito Penal Turma II Março/2002 a julho/ Direito Processual Turma I Fevereiro/2002 a março/ Direito Processual Turma II Maio/2002 a abril/ O Novo Código e o Direito Civil no 3º Milênio Agosto/2003 a março/ Direito Civil e Processo Civil T1 Agosto/2004 a junho/ Direito Civil e Processo Civil T2 Agosto/2005 a junho/ Direito Empresarial Agosto/2004 a junho/ Direito do Trabalho e Processo do Trabalho T1 Março/2005 a janeiro/ Direito Tributário e Processo Tributário T1 Agosto/2005 a junho/ Direito Civil e Processo Civil T3 Agosto/2006 a junho/ Direito Previdenciário Agosto/2006 a junho/ Direito Civil e Processo Civil T4 Fevereiro/2007 a dezembro/ Direito do Trabalho e Processo do Trabalho T2 Fevereiro/2007 a dezembro/ Direito do Trabalho e Processo do Trabalho T3 Maio/2007 a Julho/ Direito Civil e Processo Civil T5 Março/2008 a dezembro/ Direito Tributário e Processo Tributário T2 Março/2008 a dezembro/ Direito Civil e Processo Civil T6 Fevereiro/2009 a fevereiro/ Direito do Trabalho e Processo do Trabalho T4 Abril/2009 a fevereiro/ Direito Civil e Processo Civil T7 Fevereiro/2010 a Fevereiro/

77 77 Direito do Trabalho e Direito Previdenciário T1 Fevereiro/2010 a Fevereiro/ Direito Tributário e Empresarial T1 Março/2010 a Fevereiro/ Direito Civil e Processo Civil T8 Fevereiro/2011 a Fevereiro/ Direito do Trabalho e Processo do Trabalho T5 Agosto/2011 a Agosto/ Direito Penal e Processo Penal T1 Agosto/2011 a Agosto/ Direito Civil e Processo Civil T9 Fevereiro/2012 a Fevereiro/ Direito Penal e Processo Penal T2 Fevereiro/2012 a Fevereiro/ Direito Penal e Processo Penal T3 Agosto/2012 a Agosto/ Direito do Trabalho e Processo do Trabalho T6 Fevereiro/2013 a Fevereiro/ Direito Penal e Processo Penal T4 Fevereiro/2013 a Fevereiro/ Direito Civil e Processo Civil T10 Março/2013 a Fevereiro/ Direito Penal e Processo Penal T5 Agosto/2013 a Agosto/ Direito Civil e Processo Civil T11 Fevereiro/2014 a Dezembro/ Direito Penal e Processo Penal T6 Fevereiro/2014 a Dezembro/ Direito Empresarial e Tributário T1 Março/2014 a Dezembro/ Direito Penal e Processo Penal T7 Agosto/2014 a Junho/ Direito Penal e Processo Penal T8 Fevereiro/2015 a Dezembro/ Direito do Trabalho e Direito Previdenciário T2 Fevereiro/2015 a Dezembro/ Interesses Difusos e Coletivos T1 Março/2015 a Dezembro/ Data-Base utilizada: 26/03/2015 Área: Políticas Sociais Curso Período Carga Horária Políticas Sociais e Processos de Gestão T1 Março/2005 a dezembro/ Políticas Sociais e Processos de Gestão T2 Fevereiro/2007 a dezembro/ Políticas Sociais e Processos de Gestão T3 Agosto/2009 a Agosto/ Gestão do Sistema Único de Assistência Social T1 Março/2013 a Fevereiro/ Gestão do Trabalho Social com Famílias T1 Março/2014 a Dezembro/ Data-Base utilizada: 26/03/2015

78 78 PARTE II ORGANIZAÇÃO CURRICULAR 1 Concepção de curso: articulação dos conteúdos curriculares O curso de Administração pertencente ao Centro Universitário Antônio Eufrásio de Toledo de Presidente Prudente propõe uma formação generalista, capacitando o futuro Bacharel a atuar em atividades próprias ao campo profissional do Administrador, na iniciativa privada ou pública, de acordo com as DCN, instituídas pela REs. Nº. 4, de 13/7/2005. O curso encontra-se intimamente articulado com as diretrizes curriculares para o curso de Administração em todos os seus componentes, ou seja, um balanceamento entre teoria e prática, o fortalecimento do aspecto crítico e da criatividade de todos os agentes, uma geração de espaço institucional de discussões (CEPE, NDE, colegiado, assembleia de professores, ouvidorias, entre outros) visando ao favorecimento de implantação de ações inovadoras e mudanças significativas. Sendo assim, a estrutura curricular proposta para o curso de administração compreende quatro áreas interligadas de formação: área de formação básica, área de formação profissional, área de estudos quantitativos e tecnologia e a área de formação complementar. A Matriz Curricular para o curso de Administração, por sua vez, para o contexto da instituição, obedece a alguns apontamentos específicos: As matérias eleitas são distribuídas em 04 (quatro) anos totalizando 3000 horas, incluindo disciplinas e atividades complementares. A estrutura curricular é resultado de um processo de discussão e avaliação pelo corpo docente, com participação discente, por meio do colegiado do curso e Núcleo Docente Estruturante. A estratégia pedagógica adotada tem como vetor principal a obtenção de uma inter-relação no que diz respeito às unidades de ensino (distribuição por meio de eixos por série com as respectivas áreas temáticas), como seguem:

79 Núcleos Formação básica - Ressaltar a importância do conteúdo de cada disciplina para a formação do futuro profissional. Os conteúdos deste núcleo são relacionados com estudos antropológicos, sociológicos, filosóficos, psicológicos, ético-profissional, políticos, comportamentais, econômicos e contábeis, de tecnologia da informação e das ciências jurídicas. - Proporcionar aos alunos o necessário embasamento teórico nas mais variadas áreas do conhecimento que auxiliam na formação do administrador, como pré-requisito para seu desenvolvimento. Formação profissional - Promover o conhecimento e aplicação das áreas específicas da administração, tais como teorias administrativas, administração de recursos humanos, mercado e marketing, materiais, produção e logística, financeiro e orçamentário, planejamento estratégico e serviços. - O aluno deverá compreender a complexidade e a diversidade sociocultural e as interações entre indivíduo e organizações, bem como entender e saber utilizar as mais variadas abordagens quali-quantitativas no auxílio da tomada de decisão. - Promover a compreensão do todo administrativo, de modo integrado, sistêmico e estratégico, bem como suas relações com o ambiente externo, visando flexibilizar os componentes curriculares profissionalizantes. Formação de Estudos Quantitativos e suas Tecnologias Os conteúdos deste núcleo são relacionados a pesquisa operacional, modelos matemáticos e estatísticos e aplicações de tecnologias para definição de estratégias e procedimentos inerentes à administração. - Promover o conhecimento e aplicação das técnicas quantitativas para auxílio na tomada de decisão nas diversas áreas da administração.

80 80 - Fazer com que o aluno discuta e aprimore a percepção das funções estratégicas de todos os setores das organizações, como participantes diretos na formulação e no desenvolvimento dos objetivos empresariais. Formação Complementar As disciplinas relativas a esta formação são de caráter transversal e interdisciplinar para o enriquecimento do perfil do aluno. - O aluno deverá aplicar todos os conhecimentos básicos, profissionais quantitativos e de tecnologias adquiridos nos outros eixos, tais como: jogos de empresa e desenvolvimento de novos negócios. 1.2 Eixos Temáticos Os quatorzes eixos temáticos de estudo são desenvolvidos ao longo dos oito semestres com diferentes abordagens, como veremos, são eles: Fundamentos Matemáticos: Apresenta, de forma abrangente, aplicações matemáticas para ambientes empresariais como, estudo de funções, cálculo diferencial, estatística e análise de dados. Contabilidade/Economia: Fundamenta os aspectos técnicos e práticos da contabilidade e economia que facilitam o trabalho profissional no campo da economia e da administração. Capacita para o diagnóstico da situação econômico-financeira da empresa, fornecendo informações para os planos estratégicos, táticos e operacionais das empresas. Psicologia e Comportamento Organizacional: Constrói conhecimento sobre o comportamento humano que orienta com eficácia e discernimento as relações humanas, a tomada de decisões e intervenções na organização do trabalho. Tecnologia: Apresenta conceitos sobre Tecnologia da Informação. Capacita na utilização de softwares aplicativos para a manipulação de dados e informações nas organizações. Direito Aplicado: Apresenta normas e conceitos jurídicos próprios das áreas trabalhista e tributária, visando a demonstrar a importância dos mesmos para a formação profissional do administrador, enquanto atividade científica e não meramente técnica.

81 81 Metodologia do Trabalho Científico: Inicia o processo do pensamento e produção científicos. Instrumentaliza os alunos teórica e metodologicamente para a formulação de artigos e trabalhos acadêmicos, de acordo com as normas técnicas da ABNT. Ética: Contribui para a formação do administrador, permitindo-lhe maior domínio de conhecimento sobre a sociedade, sua ética e seus mecanismos de funcionamento. Teorias e Técnicas Administrativas: Capacita para assumir o papel de agente de mudança e aperfeiçoamento nas organizações empresariais, estimula a adotar uma postura empreendedora e criativa, visualiza a integração das atividades de uma organização feita por meio de processos que são analisados e modificados para se adaptarem aos clientes. Fundamentos Financeiros: Prepara o administrador para atuar no campo da matemática financeira, mostrando-lhe os aspectos positivos e a importância de sua aplicação. Capacita para a área financeira da empresa, preparando-o para analisar investimentos por meio de planejamento e projeções financeiras com o controle dos riscos e resultados almejados. Marketing: Apresenta conceitos básicos relativos à administração de marketing, proporcionando visão global do planejamento e variáveis relativas ao conceito de marketing. Prepara para a tomada de decisões das principais funções e tarefas de marketing, ou seja, de posse da análise de mercado, organizar a estrutura do negócio para decidir quanto ao produto, preço, logística e promoção. Exercita, o planejamento, a direção e o controle de marketing com ênfase global e societal em áreas de interesse regional e emergentes mundialmente. Sistemas Produtivos: Apresenta os objetivos, função dos sistemas produtivos para o setor da indústria, comércio e serviços. Analisa as diversas variáveis que contribuem para a melhoria dos processos produtivos. Desenvolve o raciocínio lógico, analisa a inter-relação entre variáveis de otimização, apresenta técnicas e ferramentas de produtividade.

82 82 Gestão de Pessoas: Apresenta visão sistêmica da gestão de pessoas, aborda as principais ferramentas utilizadas nessa área, proporcionando visão crítica e construtiva diante das novas tendências organizacionais. Formação Teórico-prática: Apresenta as ferramentas, características e benefícios do business intelligence. Desenvolve habilidade de interpretar e utilizar dados históricos para a tomada de decisão, desenvolve a utilização de indicadores de desempenho organizacional. Introduz conceitos fundamentais de vantagem competitiva por meio da tecnologia da informação, dá exemplos de aplicações estratégicas de sistemas de informação que podem resultar em vantagens competitivas para a empresa Fundamentos Práticos das Organizações: Utiliza os conceitos teóricos da disciplina de administração em situações simuladas da realidade empresarial. Prepara Plano de Negócios, aplicando os conceitos de empreendedorismo, e as técnicas de gestão aprendidas no curso. 1.3 Abordagens A matriz curricular do curso de Administração no Centro Universitário Antônio Eufrásio de Toledo de Presidente Prudente possui uma lógica que permite um desenvolvimento de uma linha de pensamento linear, mas progressiva. Assim, durante os quatro anos do curso, os alunos passarão por quatro abordagens diferentes, com denominações próprias sobre o mesmo eixo temático. Abordagem Conceitual - 1º Ano: No conjunto de disciplinas do primeiro ano do curso, existe concentração dos conteúdos de formação básica. O objetivo principal deste período é preparar o aluno para, nos próximos períodos, construir pensamentos e desenvolver conceitos sobre as áreas específicas da administração. Abordagem Operacional 2º Ano: No segundo ano do curso, as disciplinas ministradas são de formação básica e de formação profissional. O objetivo deste período é apresentar os conceitos básicos das áreas da administração, fazer com que o aluno relacione os vários conteúdos da administração. Abordagem Gerencial 3º Ano: No terceiro ano do curso, os alunos já possuem embasamento conceitual e técnico suficiente para aplicação de conceitos

83 83 gerenciais, podendo assim elaborar análises e estudos de viabilidade das principais alternativas tecnológicas existentes no mercado. O objetivo principal deste período é, de acordo com cada eixo, responder a seguinte pergunta: Quais as alternativas existentes? Abordagem Estratégica - 4º Ano: Esta abordagem apresenta tópicos especiais de cada eixo, com ênfase em atualidades e tendências de mercado. Esta etapa possui como principal objetivo capacitar o aluno na identificação da melhor solução tecnológica perante uma realidade. O objetivo principal deste período é, de acordo com cada eixo, responder a seguinte pergunta: Entre as alternativas existentes, qual a melhor solução para um determinado problema? 2 Estrutura curricular: matriz (disciplinas em 2015) ADMINISTRAÇÃO Disciplinas em 2015 Matriz de Ingressantes em 2015 Matriz de Ingressantes em 2014 Disciplinas 1º termo 2º termo 3º termo 4º termo Disciplinas Créditos Créditos Créditos Créditos Contabilidade Básica I e II 4 4 Análise das Demonstrações Contábeis I e II 2 2 Economia I e II 4 4 Análise Empresarial I e II 2 2 Matemática I e II 2 2 Empreendedorismo e Inovação I e II 2 2 Ética e Sociedade I e II 2 2 Estatística e Análise de Dados I e II 4 4 Tecnologia da Informação I e II 2 2 Matemática Financeira I e II 4 4 Teoria das Organizações I e II 4 4 Processos Administrativos I e II 2 2 Psicologia 2 - Marketing I e II 2 2 Comportamento Organizacional e Liderança - 2 Metodologia do Trabalho Científico Processo Decisório - 2 Matriz de Ingressantes em 2013 Matriz de Ingressantes em º termo 6º termo 7º termo 8º termo Disciplinas Disciplinas Créditos Créditos Créditos Créditos Direito Aplicado I e II 2 2 Administração de Produção I e II 4 4 Gestão de Pessoas I e II 4 4 Administração e Pensamento Estratégico I e II 4 4 Sistemas de Informação I e II 2 2 Desenvolvimento de Novos Negócios I e II 6 6 Administração de Materiais 4 - Gestão Financeira 4 - Administração Mercadológica 4 - Jogos de Empresa 4 - Contabilidade Gerencial 4 - Direito Aplicado III 2 - Gestão da Informação - 2 Consultoria Empresarial - 4 Gestão de Cadeia de Suprimentos e Logística - 4 Gestão de Investimento - 4 Planejamento Estratégico de Marketing - 4 Novos Modelos Organizacionais - 2 Planejamento e Controle Financeiro

84 Formação Complementar Atividades Compl. Práticas superv. Fundamentos práticos das Organizações Estudos Quant. e suas Tecnologias Formação teórica-prática Gest. Pessoas Sist. Prod. Formação Profissional Marketing Fund. Financeiros Teorias e técnicas Administrativas Direito Aplicado Ética Metodol. Tecnologia Formação Básica Psico. e Comp. Organiz. Contabilidade/ Economia Fundamentos Matemáticos Representação gráfica de um perfil de formação Núcleos Eixo Temático 1º 2º 3º 4º 5º 6º 7º 8º Mat. I Mat II 30hs 30hs Est. An. Est. An. Dados I Dados I 60hs 60hs Ana. Empr. Ana. Empr. Eco I Eco II I II 60hs 60hs 30hs 30hs Ana. Ana. Contabilidade Cont. Bás. I Cont. Bás. II Demonstr. Demonstr. Gerencial Cont. I Cont. II 60hs 60hs 60hs 60hs 60hs Comp. Org. Psicologia e Liderança 30hs 30hs Tecnol. da Info. I Tecnol. da Info. II Abordagens/ Termos Conceitual O peracional Gerencial Estratégica 30hs Ética Soc. I 30hs Teo. Org. I 30hs Ética Soc. II 30hs Metodol. Trabalho Científico 30hs Teo. Org. II Proc. Adm. I Proc. Adm. II Direito Direito Direito Aplicado I Aplicado II Aplicado III 30hs 30hs 30hs Adm. Pens. Estr. I Adm. Pens. Estr. II 60hs 60hs 30hs 30hs 60hs 60hs Emp. Emp. Novos Mod. Inovação I Inovação II Org. 30hs 30hs 30hs Proc. Dec. 30hs Cons. Empr. 60hs Mat. Fin. I Mat. Fin. II Gestão Fin. Gestão Invest. 60hs 60hs 60hs 60hs Pl. Contr. Fin. Mkt. I Mkt. II Adm. Merc. 30hs Pl. Estr. Mkt. 30hs 30hs 60hs 60hs Adm. Mat. Cad. Sup. Adm. Prod. I Adm. Prod. II 60hs 60hs 60hs 60hs Gestão Pessoas I Gestão Pessoas II 60hs 60hs Sist. Info. I 30hs Sist. Info. II 30hs Gestão da Informação 30hs Jogos Empr. 60hs Des. Novos Neg. I 60hs Des. Novos Neg. II 60hs Estágio Superv. I Estágio Superv. II Atividades Complementares Observação: As disciplinas apresentadas na representação gráfica possui coloração de acordo com os eixos temáticos.

85 85 Representação gráfica da matriz curricular Horas % Horas % Horas % Horas % Formação Básica Formação Profissional Estudos Quantitativos e suas Tecnologias Matriz curricular de ingressantes em 2015 Disciplinas 1º termo 2º termo 3º termo Créditos 4º termo 5º termo 6º termo 7º termo 8º termo Contabilidade Básica I e II Economia I e II Matemática I e II Teoria das Organizações I e II Tecnologia da Informação I e II Psicologia Ética e Sociedade I e II Comportamento Organizacional e Liderança C/H

CENTRO UNIVERSITÁRIO ANTÔNIO EUFRÁSIO DE TOLEDO DE PRESIDENTE PRUDENTE

CENTRO UNIVERSITÁRIO ANTÔNIO EUFRÁSIO DE TOLEDO DE PRESIDENTE PRUDENTE 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO ANTÔNIO EUFRÁSIO DE TOLEDO DE PRESIDENTE PRUDENTE PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL TOLEDO 2015 2 EQUIPE TÉCNICA Zely Fernanda de Toledo Pennacchi

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA Mantenedora: Fundação Presidente Antônio Carlos Mantida: Faculdade Presidente Antônio Carlos de Araguari

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ANTÔNIO EUFRÁSIO DE TOLEDO DE PRESIDENTE PRUDENTE PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE DIREITO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ANTÔNIO EUFRÁSIO DE TOLEDO DE PRESIDENTE PRUDENTE PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE DIREITO CENTRO UNIVERSITÁRIO ANTÔNIO EUFRÁSIO DE TOLEDO DE PRESIDENTE PRUDENTE PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE DIREITO ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL TOLEDO 215 EQUIPE TÉCNICA Zely Fernanda de Toledo Pennacchi Machado

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior- Conaes Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Engenharia Agrícola e dá outras providências.

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Resolução

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 28/7/2009, Seção 1, Pág. 53. Portaria n 760, publicada no D.O.U. de 28/7/2009, Seção 1, Pág. 53. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 Sete Lagoas Março de 2014 Sumário 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO... 4 1.1. Composição da Comissão

Leia mais

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006.

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. Aprova, em extrato, o Instrumento de Avaliação Externa de Instituições de Educação Superior do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES O MINISTRO

Leia mais

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Com a finalidade de otimizar o processo de elaboração e avaliação dos Projetos Pedagógicos do Cursos (PPC), sugere-se que os itens a seguir sejam

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO

PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO Os objetivos desse Plano de Gestão estão pautados na missão da Faculdade de Ciências Farmacêuticas como escola pública de excelência, que tem suas atividades

Leia mais

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus 2013-2016 0 1 Sumário Apresentação... 2 Análise Situacional... 2 Programas Estruturantes...

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO FACULDADE UNIÃO

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO FACULDADE UNIÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO FACULDADE UNIÃO A avaliação institucional tem sido objeto de discussões na Faculdade Educacional de Ponta Grossa - Faculdade União e sempre foi reconhecida como um instrumento

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, BACHARELADO Administração LFE em Administração de Empresas Administração LFE em Análise de Sistemas

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011

PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011 PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL De acordo com o Decreto 5.773/2006 PERÍODO - 2012-2015 Resolução COP Nº 113/2011, de 08/12/2011 PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011 Lucas

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Esperidião Amin Helou Filho

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Esperidião Amin Helou Filho PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Esperidião Amin Helou Filho 1 PROJETO DE LEI Nº 8.035, DE 2010. Ementa: Aprova o Plano Nacional de Educação para o decênio 2011-2020 e dá outras providências. 2 PROJETO DE LEI

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior Daes Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação UF: DF Superior. ASSUNTO: Instrumentos de avaliação para credenciamento

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso

Projeto Pedagógico do Curso Projeto Pedagógico do Curso Fundamentação Diretrizes curriculares do MEC Diretrizes curriculares da SBC Carta de Princípios da UNICAP Projeto Pedagógico Institucional da UNICAP Diretrizes Curriculares

Leia mais

Cursos de Administração: qualidade necessária. XIV Fórum Internacional de Administração

Cursos de Administração: qualidade necessária. XIV Fórum Internacional de Administração Cursos de Administração: qualidade necessária XIV Fórum Internacional de Administração Rio de Janeiro, 18 de maio de 2015 ENSINAR, APRENDER, AVALIAR... TRAJETÓRIA DA AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO SUPERIOR CAPES avaliação

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 Curso Superior em Tecnologia em Design de Moda Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente

Leia mais

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior Sesu Departamento de Supervisão da Educação Superior - Desup Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos Superiores de Pedagogia

Instrumento de Avaliação de Cursos Superiores de Pedagogia MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior -

Leia mais

FACULDADE PASCHOAL DANTAS

FACULDADE PASCHOAL DANTAS FACULDADE PASCHOAL DANTAS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO ÊNFASE GESTÃO DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SÃO PAULO - SP NOVEMBRO DE 2008 ÍNDICE 1. Visão e Missão da FPD...3 2. ORGANIZAÇÃO

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. (Resumido)

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. (Resumido) FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRATIVAS DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM ES Curso de Administração reconhecido pelo Decreto Federal nº 78.951, publicado no D.O.U. de 16-12-1976 Curso de Ciências Contábeis

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Associação Escola Superior de Propaganda e Marketing UF: SP ASSUNTO: Recredenciamento da Escola Superior de Propaganda

Leia mais

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com. ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.br CPC Conceito Preliminar de Curso 1 - Nota dos Concluintes no ENADE

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Turismo

Leia mais

RELATÓRIO 2009 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

RELATÓRIO 2009 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL RELATÓRIO 2009 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Jaboticabal, março de 2010 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL ADMINISTRAÇÃO SUPERIOR Diretora Geral: Profa.Iracê Miriam de Castro Martins Diretora Acadêmica: Profa.Dra. Lucia

Leia mais

INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX

INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA IZABELA HENDRIX RELATÓRIO AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL CURSO DE DIREITO - CAMPUS VN PERÍODO 2014 1 INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX CENTRO

Leia mais

PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL FACULDADE CASA DO ESTUDANTE. Aprovado no CONSU Conselho Superior em 02/02/2012

PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL FACULDADE CASA DO ESTUDANTE. Aprovado no CONSU Conselho Superior em 02/02/2012 PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL DA FACULDADE CASA DO ESTUDANTE PPI 2012 a 2015 Aprovado no CONSU Conselho Superior em 02/02/2012 Diretor Geral FACULDADE CASA DO ESTUDANTE PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL

Leia mais

Padrões de Qualidade para os Cursos de Graduação em Direito

Padrões de Qualidade para os Cursos de Graduação em Direito MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE DIREITO APRESENTAÇÃO: Padrões de Qualidade para os Cursos

Leia mais

INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX

INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA IZABELA HENDRIX RELATÓRIO AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO INTEGRAL CAMPUS PL PERÍODO 2014 1 INSTITUTO METODISTA

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Medicina

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Medicina MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

Estrutura para elaboração do PDI

Estrutura para elaboração do PDI Estrutura para elaboração do PDI NOTA 1 - Orientações para elaboração do Plano de Desenvolvimento Institucional PDI O Plano de Desenvolvimento Institucional PDI consiste num documento em que se definem

Leia mais

Instituto Nacional de Ensino e Pesquisa

Instituto Nacional de Ensino e Pesquisa REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE INESP INSTITUTO NACIONAL DE ENSINO E PESQUISA Em conformidade com o Parecer CES/CNE 146/2002, homologado em 13 de maio de

Leia mais

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de RESOLUÇÃO Nº 014/2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Informática, da Escola Superior de Tecnologia, da Universidade do Estado do Amazonas. O REITOR, EM EXERCÍCIO, DA UNIVERSIDADE

Leia mais

PPI PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL Política Pedagógica Institucional Faculdade Eniac Ver. 02 (2010 / 2011) APRESENTAÇÃO

PPI PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL Política Pedagógica Institucional Faculdade Eniac Ver. 02 (2010 / 2011) APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO O presente documento tem por finalidade apresentar o PPI que é o Projeto Pedagógico Institucional do ENIAC, conjunto das melhores práticas pedagógicas, tecnológicas, administrativas e de gestão

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Instituto Doctum de Educação e Tecnologia Ltda. UF: MG ASSUNTO: Credenciamento da Faculdade de Ciências Gerenciais

Leia mais

EDUCAÇÃO SUPERIOR NO CONTEXTO DO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2010

EDUCAÇÃO SUPERIOR NO CONTEXTO DO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2010 EDUCAÇÃO SUPERIOR NO CONTEXTO DO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2010 Contribuições para o Plano Municipal de Educação de Palmas Maio 22, 2012 DAS 20 METAS DO PNE, CINCO ESTÃO DIRETAMENTE LIGADAS ÀS INSTITUIÇÕES

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS BAMBUÍ

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS BAMBUÍ INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS BAMBUÍ RELATÓRIO DO QUESTIONÁRIO APLICADO AO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO II SEMESTRE/2014 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO (CPA)

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Grupo Nobre de Ensino Ltda. UF: BA ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade Nobre de Feira de Santana, a ser instalada

Leia mais

O Curso de Engenharia Elétrica da Faculdade de Engenharia /Unesp/Bauru

O Curso de Engenharia Elétrica da Faculdade de Engenharia /Unesp/Bauru O Curso de Engenharia Elétrica da Faculdade de Engenharia /Unesp/Bauru Projeto Pedagógico e Estrutura Curricular Missão do Curso de Engenharia Elétrica da FE/Unesp/Bauru A formação continuada de Engenheiros

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

PUBLICIDADE E PROPAGANDA

PUBLICIDADE E PROPAGANDA PUBLICIDADE E PROPAGANDA Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: AGRONOMIA Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC 1 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC O PPC, Projeto Pedagógico de Curso, é o instrumento de concepção de ensino e aprendizagem de um curso e apresenta características de um projeto, no qual devem ser definidos

Leia mais

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL Com o advento da nova Constituição em 1988 e a promulgação e da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional em fins de 1996, novas perspectivas foram colocadas

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

Maio 2013 Macaé- RJ. Rafael Pacheco Lívia Leite

Maio 2013 Macaé- RJ. Rafael Pacheco Lívia Leite Maio 2013 Macaé- RJ Rafael Pacheco Lívia Leite Matriz do Curso de Engenharia Química 2013 Page 2 Sumário 1. APRESENTAÇÃO 2. JUSTIFICATIVA 3. DA CONCEPÇÃO DO CURSO 4. ORGANIZAÇÃO DO CURSO 5. A MATRIZ CURRICULAR

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância - Dresead Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Associação Educacional da Igreja Evangélica Assembléia de UF: PR Deus em Curitiba (AEIEADC) ASSUNTO: Credenciamento

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior Daes Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior Daes Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

Consulta Pública para aprimoramento do. Instrumento de Acreditação das Escolas Médica

Consulta Pública para aprimoramento do. Instrumento de Acreditação das Escolas Médica Consulta Pública para aprimoramento do Instrumento de Acreditação das Escolas Médica Estamos disponibilizando para sugestões, avaliação e comentários o instrumento que será utilizado para a acreditação

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO - BACHARELADO MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*)

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Ciências Contábeis, bacharelado, e dá outras providências. O Presidente da Câmara de Educação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 24/8/2009, Seção 1, Pág. 16. Portaria n 816, publicada no D.O.U. de 24/8/2009, Seção 1, Pág. 16. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA DE SOFTWARE, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente

Leia mais

FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE CONSELHEIRO LAFAIETE

FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE CONSELHEIRO LAFAIETE 1 FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE CONSELHEIRO LAFAIETE RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO (Síntese dos resultados) COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA Mantenedora: Fundação Presidente

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação / Câmara de Educação Superior ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Engenharia RELATOR(A):

Leia mais

INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX

INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA IZABELA HENDRIX RELATÓRIO AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - LICENCIATURA CAMPUS PL PERÍODO 2014 1 INSTITUTO METODISTA

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Construção coletiva a partir das experiências, coordenada pelo Colegiado do Curso de Graduação (art. 34 do Regimento Geral

Leia mais

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Profª. Vânia Amaro Gomes Coordenação de Curso DIADEMA, 2015 Introdução Atualmente há uma grande dificuldade dos alunos egressos das Faculdades em obter emprego

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

RESUMO DO PPC Curso Superior de Tecnologia em Logística Emitente: Adriano Araújo Data: 21/10/2015

RESUMO DO PPC Curso Superior de Tecnologia em Logística Emitente: Adriano Araújo Data: 21/10/2015 1. PERFIL DO CURSO O Curso de da Unijorge (UJ), instalado no Comércio, está fundamentado em mecanismos efetivos de interdisciplinaridade e flexibilização curricular que permitem a formação de profissionais

Leia mais

Quadro Resumo de Projeto Pedagógico do Curso Superior de Tecnologia em GESTÃO COMERCIAL

Quadro Resumo de Projeto Pedagógico do Curso Superior de Tecnologia em GESTÃO COMERCIAL Quadro Resumo de Projeto Pedagógico do Curso Superior de Tecnologia em GESTÃO COMERCIAL Dados de Identificação: -Modalidade: Graduação Tecnológica -Ato Legal de Autorização: Resolução CONSUNI nº -Turnos

Leia mais

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ARQUITETURA E URBANISMO Graduar arquitetos e urbanistas com uma sólida formação humana, técnico-científica e profissional,

Leia mais

Design Manual do curso

Design Manual do curso Design Manual do curso Informações gerais INFORMAÇÕES GERAIS Nome: curso de Design, bacharelado Código do currículo: 2130 Nível: curso superior de graduação Início: o curso de Design com habilitação em

Leia mais

MANUAL DO CANDIDATO. PROCESSO SELETIVO 2013 Cursos Técnicos a Distância 2 SEMESTRE

MANUAL DO CANDIDATO. PROCESSO SELETIVO 2013 Cursos Técnicos a Distância 2 SEMESTRE MANUAL DO CANDIDATO PROCESSO SELETIVO 2013 Cursos Técnicos a Distância 2 SEMESTRE APRESENTAÇÃO Neste Manual, desenvolvido pela Comissão de Processo Seletivo (COPESE) do Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC)

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC) , INCLUINDO ESSE, DEVEM SER RETIRADOS DO TEXTO FINAL, POIS SERVEM SOMENTE COMO ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO DOCUMENTO FINAL> PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC)

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 18/9/2009, Seção 1, Pág. 47. Portaria n 886, publicada no D.O.U. de 18/9/2009, Seção 1, Pág. 46. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO: PEDAGOGIA

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO: PEDAGOGIA 1 FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS DE CRUZEIRO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO: PEDAGOGIA 2 CRUZEIRO - SP 2014 APRESENTAÇÃO De acordo com a Resolução n o 1, de 02 de fevereiro de 2004,

Leia mais

Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012)

Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012) Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012) O Ensino de Direitos Humanos da Universidade Federal do

Leia mais

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES Bacharelados Interdisciplinares (BIs) e similares são programas de formação em nível de graduação de natureza geral, que conduzem a diploma, organizados por grandes áreas

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 18/9/2009, Seção 1, Pág. 47. Portaria n 890, publicada no D.O.U. de 18/9/2009, Seção 1, Pág. 47. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais