Graxaria Brasileira. Brasil do Biodiesel. Revista. O País está entre os maiores produtores e consumidores mundiais do combustível biodegradável

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Graxaria Brasileira. Brasil do Biodiesel. Revista. O País está entre os maiores produtores e consumidores mundiais do combustível biodegradável"

Transcrição

1 1 Ano 4 / Edição 22 / Jul - Ago 2011 / Revista Graxaria Brasileira Indústria de Farinha e Gordura Animal Brasil do Biodiesel O País está entre os maiores produtores e consumidores mundiais do combustível biodegradável

2 C M Y CM MY CY CMY K CAPA ed 22 D.pdf 1 11/08/11 15:37 Ano 4 / Edição 22 / Jul - Ago 2011 / 2 3 Revista Graxaria Brasileira Indústria de Farinha e Gordura Animal Editorial Brasil do Biodiesel O País está entre os maiores produtores e consumidores mundiais do combustível biodegradável Edição 22 - Jul/Ago 2011 Prezado Leitor Após quase meio século de pesquisas sobre o biodiesel, muitas iniciativas para uso em testes, e o Brasil tornou-se um dos pioneiros ao registrar, na década de 80, a patente sobre o processo de produção do combustível. Segundo dados fornecidos pela ANP Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, o Brasil está entre os maiores produtores e consumidores de biodiesel do mundo. Em 2010, a produção anual atingiu 2,4 bilhões de litros e a capacidade instalada registrou cerca de 5,8 bilhões de litros. Atualmente, há 67 plantas produtoras de biodiesel para operação no País, correspondendo a uma capacidade total autorizada de ,95 m 3 /dia. Uma série de vantagens, sob os aspectos ambiental, econômico e social, está atrelada à produção e uso do biodiesel, por se tratar de uma fonte energética sustentável. Hoje, a principal matériaprima utilizada para a sua produção, representando mais de 80% do mercado brasileiro, continua sendo a soja, seguida pelo sebo bovino. O futuro do setor depende de um novo marco regulatório e existem grupos trabalhando para avançar neste sentido. Até o final do ano haverá uma visão mais clara de como o mercado deverá evoluir. Neste mês estamos com um especial sobre o tema, confira nas próximas páginas da Revista Graxaria Brasileira. Boa Leitura! Daniel Geraldes

3 4 5 Sumário / Expediente Notícias Em Foco 1 Em Foco 2 Em Foco 3 Em Foco 4 Em Foco 5 Em Foco 6 Em Foco 7 De olho no mercado Índices de mercado Capa Diretor Daniel Geraldes Editor Chefe Daniel Geraldes MTB Jornalista Colaboradora Lia Freire - MTB Publicidade Luiz Carlos Nogueira Lubos Direção de Arte e Produção Leonardo Piva Conselho Editorial Bruno Montero Claudio Mathias Clênio Antonio Gonçalves Daniel Geraldes José Antonio Fernandes Moreira Luiz Guilherme Razzo Valdirene Dalmas Comitê Tecnico Cláudio Bellaver Dirceu Zanotto Lucas Cypriano Fontes Seção Notícias BeefPoint, Avisite, Valor Econômico, Gazeta Mercantil, Sincobesp, Abra, Sindirações, National Render, Embrapa, Biodiesel, AgriPoint, Aliança Pecuarista. Capa: Impressão Gráfica Intergraf Editora Distribuição ACF Alfonso Bovero Foco na qualidade 48 Pet Food On Line Entrevista Caderno técnico 1 Caderno técnico 2 Agenda Ponto de Vista Editora Stilo Rua Sampaio Viana, Conj. 61 Cep: / São Paulo (SP) (11) A Revista Graxaria Brasileira é uma publicação bimestral do mercado de Graxarias, clientes de graxarias, fornecedores de: máquinas, equipamentos, insumos, matérias-primas, biodisel, frigoríficos e prestadores de serviços, com tiragem de exemplares. Distribuída entre as empresas nos setores de engenharia, projetos, manutenção, compras, diretoria, gerentes. É enviada aos executivos e especificadores destes segmentos. Os artigos assinados são de responsabilidade de seus autores e não necessariamente refletem as opiniões da revista. Não é permitida a reprodução total ou parcial das matérias sem expressa autorização da Editora.

4 6 7 Notícias RS: convênio libera R$ 31,9 milhões para a defesa sanitária animal O Rio Grande do Sul vai investir, nos próximos cinco anos, R$ ,70 no aprimoramento do serviço de defesa sanitária animal, recurso liberado por um convênio assinado pelo governador Tarso Genro na última sexta-feira (05), em Brasília. Parte dos recursos - R$ ,36 - serão repassados pelo Ministério da Agricultura, e o restante, correspondente a 20% do valor total, representa a contrapartida do Governo Estadual. Tarso destacou a importância dos recursos para o setor agropecuário. Acompanhado do secretário da Agricultura, Luiz Fernando Mainardi, ele comemorou os resultados obtidos no Distrito Federal e lembrou que o Estado larga na frente na busca por recursos. Esse trabalho de reestruturação vai ter um reflexo extraordinário na nossa pecuária. É uma grande conquista do nosso Governo, porque nós somos praticamente o primeiro Estado a se adequar ao sistema único de saúde animal, explicou. Os objetivos deste convênio são o fortalecimento do sistema de vigilância sanitária, do controle das enfermidades dos rebanhos, da certificação sanitária, incremento das ações de fiscalização, por meio da inspeção de propriedades, animais e trânsito, com ênfase em descaminho e cadastro, ações de educação sanitária, inquéritos epidemiológicos, entre outros. Essas ações, que têm reflexo sobre todos os municípios gaúchos, garantem a condição sanitária dos rebanhos e, em consequência, o acesso das cadeias pecuárias aos mercados. Serão adquiridos veículos, promovida a adequação de Inspetorias Veterinárias com a compra de equipamentos, investimento em informatização e treinamento de pessoal. Os recursos serão investidos ao longo dos próximos cinco anos. Este ano devem ser aplicados R$ ,58, com previsão de ações nas áreas de vigilância de doenças dos animais - febre aftosa, raiva, tuberculose, brucelose, peste suína e outras - controle de movimentação de animais, combate ao contrabando, fiscalização de propriedades e barreiras sanitárias. Também está prevista a realização do inquérito epidemiológico de tuberculose, que fornecerá subsídios para o planejamento de ações. O secretário Mainardi comemorou a conquista, estratégica para os programas da secretaria que envolvem as cadeias produtivas do setor animal. Com este aporte de recursos vamos modernizar e ampliar nossas estruturas de fiscalização e de educação sanitária, além de promover a reciclagem e o treinamento dos servidores, afirmou Mainardi. Fonte: As informações são do Governo do Rio Grande do Sul, adaptadas pela Equipe AgriPoint. Cooperativas detêm 50% do Agronegócio Partir das pequenas produções agrícolas para as cooperativas, e deste estágio avançar para verdadeiros conglomerados agropecuários, com a criação de grandes marcas e empresas. Esta é a tendência do setor agrícola no Brasil, prevê a Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB). Hoje, mais de 50% de toda a produção agropecuária do País passam, direta ou indiretamente, por uma cooperativa. Já no patamar de grandes marcas cooperativadas, a Coopercentral Aurora, em Santa Catarina, e a Coamo, no Paraná, apostam em mais associados para continuar lançando novos produtos. Muitos não sabem, mas uma parcela expressiva do iogurte fresquinho consumido pela manhã, do filé de frango do almoço e do cafezinho da tarde é originária de cooperativas, agentes de produção fundamentais para o abastecimento do mercado doméstico. Segundo dados da OCB, já são as cooperativas agropecuárias espalhadas pelo País, formadas por cerca de 943 mil produtores, que exportam US$ 4,4 bilhões por ano, e respondem por 37% do Produto Interno Bruto (PIB). Mas a tendência é ir além. O volume da produção agrícola que passa por cooperativas deve crescer em média 8% ao ano, projeta o analista de mercado da OCB, Marco Olívio Morato. Já o número de cooperativas deve ficar menor. Existe um movimento de fortalecimento desses grupos, o que indica que o intuito de união apenas para reduzir custos foi substituído pela maior profissionalização do setor, comenta. Neste sentido, o primeiro passo é diminuir os riscos do negócio e, em seguida, crescer, como fizeram Aurora e Coamo. Mário Lanznaster, presidente do grupo Aurora, conta que a marca possui 13 cooperativas anexadas, com pouco mais de 70 mil produtores, que dividem entre si os lucros da megaempresa. Já a Coamo Agroindustrial Cooperativa estima um faturamento de R$ 5,2 bilhões este ano, com incremento de 10% ante Nas exportações, o faturamento em 2011 deverá ser de US$ 1 bilhão, prevê seu presidente, José Aroldo Gallassini. Vamos criar mais produtos dentro dessa linha. Também estudamos adquirir novas indústrias. Mas isso não acontece da noite para o dia. Biodiesel valoriza o sebo bovino nacional O Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel (PNPB) contribuiu para a valorização do sebo bovino, um subproduto da indústria pecuária nacional. A análise é do Boletim dos Combustíveis Renováveis, divulgado nesta segunda-feira pelo Ministério de Minas e Energia. De acordo com o documento, o biodiesel agrega valor ao sebo, cujo preço tem crescido nos últimos anos, em comparação com o do óleo de soja. Com um dos maiores rebanhos bovinos comerciais do mundo cerca de 200 milhões de cabeças - o Brasil abate cerca de 40 milhões de cabeças por ano. Hoje, o sebo bovino é a segunda matéria-prima mais utilizada na produção de biodiesel (13,8% do total no ano passado), perdendo apenas para a soja (82,0%). Além do biodiesel, o sebo bovino é destinado à indústria alimentícia, à indústria de produtos de higiene e limpeza e à produção de ração animal. Fonte: Comunicação Social com Biodiesel BR. JBS adapta curtume em Lins Após três advertências, sete multas administrativas do órgão ambiental paulista e uma ameaça de interdição, a JBS anunciou investimentos de R$ 14 milhões para adequação de sua fábrica de couros em Lins (SP). A planta receberá até outubro cinco neutralizadores de odor, na tentativa de pôr fim ao incômodo causado pelo processo industrial do couro à comunidade local. Situada entre a rodovia Marechal Rondon e a BR-154, a planta está a menos de dois quilômetros de distância da cidade. A unidade de Lins produz sete mil peles de couro por dia, sendo quase todo o volume voltado ao mercado externo. A planta, que pertencia à Bertin - adquirida pela JBS em setembro de , tem um histórico substancioso de irregularidades O problema ocorre quando os barris são abertos. As peles vão ambientais. para o beneficiamento e o sulfeto segue em circuito interno para A primeira advertência ocorreu em 3 de agosto de 2009, um reutilização ou tratamento. Normalmente o cheiro fica contido mês antes da troca de comando da empresa. Dois dias depois na planta, mas sempre um pouco escapa, afirma Andressa Torres, veio a segunda, seguida por multas referentes à disposição de gerente de Meio Ambiente da divisão de couros da JBS. resíduos em áreas agrícolas e ao lançamento de efluentes fora Segundo ela, o inverno de 2010 foi especialmente ruim. Isso dos padrões ambientais legais. porque o ar mais denso dos dias frios faz com que o cheiro de Em janeiro do ano passado, a Cetesb, agência de saneamento enxofre fique nas camadas mais baixas de ar, sendo percebido ambiental paulista, realizou o primeiro auto de infração pela de forma inconfundível pela população. O vento de sul para emissão de odor, motivo de outras quatro multas que culminaram norte, que vai em direção à cidade, é outro complicador. Eram com a solicitação de interdição da planta e, posteriormente, um reclamações praticamente diárias, diz Andressa. Termo de Ajuste de Conduta (TAC) com o Ministério Público. Tamanho problema tem forçado a JBS a trabalhar em O odor tem sido o calcanhar de aquiles da JBS devido ao melhorias. O monitoramento constante de efluentes e a uso do sulfeto, produto químico que tem em sua composição o substituição do sulfeto por produtos alternativos são algumas enxofre. É o cheiro do ovo podre, explica Carlos Henrique, gerente delas. Agora, o aporte de R$ 14 milhões (R$ 4 milhões só para da Cetesb em Lins. Apesar dessa característica, ele é indispensável pesquisas ambientais por meio de convênio acadêmico, na produção do couro, que é mergulhado por 24 horas em barris exigência do TAC) pode trazer algum alívio para Lins. com o produto para a retirada dos pelos dos animais. Fonte: Valor Econômico

5 8 9 Notícias Rússia barra importação de carne de mais frigoríficos do Brasil A Rússia suspendeu as importações de mais 37 plantas frigoríficas do Brasil, elevando ao total de 126 as unidades processadoras que estão proibidas de exportarem ao mercado russo, disse nesta segunda-feira a agência de notícias local Interfax, citando o órgão regulador Rosselkhoznadzor. A Rússia já havia embargado as compras de 89 processadoras do Paraná, Mato Grosso e Rio Grande do Sul, desde 15 de junho, citando problemas com as condições de produção no país. O governo brasileiro afirma que não há base técnica para a decisão russa. Uma missão brasileira esteve no país no início de julho para discutir o assunto, mas o Ministério da Agricultura não divulgou detalhes sobre o encontro. Falha em estratégia do governo foi motivo de novo embargo russo O embargo de mais 37 plantas frigoríficas brasileiras exportadoras de carne para a Rússia, na semana passada, foi motivado por uma falha estratégica do governo brasileiro, segundo afirmou à Agência Leia uma fonte do setor. A lista de empresas embargadas foi, na verdade, feita pelo próprio Ministério da Agricultura, e o objetivo era usá-la como moeda de troca para a liberação das 85 plantas que haviam sido embargadas em junho. Assim, o governo brasileiro esperava que o Serviço Federal de Vigilância Veterinária e Fitossanitária da Rússia (Rosselkhoznadzor) visse essa atitude com bons olhos e interpretasse que apenas as 37 plantas listadas eram as que efetivamente apresentavam problemas sanitários e, portanto, considerasse que as 85 companhias do primeiro embargo poderiam ser liberadas do bloqueio inicial. O problema é que quando o governo russo recebeu a lista, ele apenas a somou à lista inicial de 85 empresas. Foi uma manobra desastrosa do Ministério da Agricultura. Agora o governo viu o erro que cometeu e está pedindo que o governo russo adie as restrições dessas 37 companhias, afirmou a fonte. O Ministério da Agricultura tenta reverter a situação, principalmente, porque já há produtos das 37 plantas em trânsito para a Rússia. Eles estão pedindo, ao menos, que os produtos cheguem até o porto, disse. As plantas embargadas são de vários Estados do Brasil, incluindo Mato Grosso, São Paulo, Goiás, Santa Catarina, Pará, Distrito Federal, Minas Gerais, Bahia e Tocantins. O Brasil está tendo de lidar constantemente com embargos vindo da Rússia, mas o mercado vê as restrições como estratégia muito mais política do que sanitária. Para a decisão da semana passada, por exemplo, não foi dada nenhuma explicação específica pelo governo russo e também não foi enviada nenhuma missão a algumas das plantas listadas que justificassem a decisão. A falta de explicações também faz do primeiro embargo feito no início de junho às 85 plantas. Na ocasião, o Rosselkhoznadzor proibiu a entrega de todos os produtos de origem animal dos Estados do Paraná, Rio Grande do Sul e Mato Grosso. Na época, o secretário de Defesa Agropecuário do Ministério da Agricultura, Francisco Jardim, afirmou à Agência Leia que acreditava que o embargo estava revestido de motivos que iam além de questões técnicas. Causa estranheza o fato de as medidas terem sido anunciadas sem consistência técnica, repetindo argumentos anteriormente já esclarecidos, disse, na época. Para a fonte que conversou com a reportagem da Agência Leia trata-se de uma estratégia de proteção ao mercado local russo. A questão sanitária sempre é usada como desculpa para proteger o mercado doméstico, afirmou. O país tem investido na produção local de carne suína e de aves, mas ainda é muito dependente do Brasil em proteína bovina, principalmente porque o clima do país não privilegia o ciclo do animal, que é longo e mais complexo. Atualmente, o Brasil comercializa as carnes bovina, suína e de aves para a Rússia com regras definidas numa política de cotas que contempla outros parceiros comerciais do país, como Estados Unidos e União Europeia. A Rússia tem sido o principal destino das exportações brasileiras de carnes suína e bovina, produto da qual é a maior compradora individual. Apenas de carne bovina in natura o Brasil embarca, anualmente, o equivalente a US$ 1 bilhão, o que representa 25% da pauta de exportações para aquele país. Entre as empresas inseridas nas duas listas do embargo russo estão JBS, Marfrig, Brasil Foods e Minerva. A Agência Leia procurou o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, mas o órgão não quis comentar o novo embargo. Fonte: Agência Leia

6 10 11 Notícias Bovinos nos EUA As exportações americanas de carne bovina devem chegar a valores recordes neste ano, puxadas pelo forte consumo na Ásia, baixa oferta no mercado internacional e o enfraquecimento do dólar. O renascimento do setor nos Estados Unidos, depois do duro golpe provocado pelo surgimento da doença da vaca louca em 2003, acirra a competição com os produtores australianos, mas por enquanto tem pouco impacto para o Brasil. Estamos indo bem comparado com os anos anteriores, mas ainda estamos recuperando participação de mercado que perdemos com a BSE [sigla em inglês para doença da vaca louca], afirma Jim Robb, diretor da Livestock Marketing Information Center, um centro de pesquisa do Colorado. De janeiro a maio deste ano, as exportações americanas de carne bovina chegaram a US$ 2,086 bilhões, alta de 44% em relação ao mesmo período do ano passado, segundo dados do Departamento de Agricultura compilados pela Federação dos Exportadores de Carne dos Estados Unidos. O volume de embarques cresceu 28%. Segundo Robb, embora os valores exportados sejam recordes, os volumes embarcados estão apenas recuperando os níveis históricos. A doença da vaca louca surgiu em 2003 e, no ano seguinte, as exportações tiveram uma queda de 82%. Muitos atribuem o impulso nas exportações ao enfraquecimento do dólar, mas analistas ouvidos pelo Valor afirmam que esse não é o fator principal. Acho que dão mais peso ao enfraquecimento do dólar que o merecido, diz Brett Suart, co-fundador da Global AgriTrends, consultoria especializada em comércio agrícola mundial. Um fator mais importante, afirma, é a queda na produção mundial de carne por quatros anos seguidos, algo inédito em muitas décadas. A Austrália enfrentou secas por oito anos, a pecuária se retraiu na Argentina devido à intervenção oficial, e a produção caiu nos EUA e no Canadá. Enquanto isso, o consumo cresceu, sobretudo na Ásia, puxado pelo aumento da renda. Mas também há efeitos da desvalorização cambial americana. A moeda que é mais importante para as exportações americanas é o dólar australiano, afirma Stuart. Cerca de 75% das exportações americanas vão para cinco mercados: Canadá, México, Coreia, Japão e Vietnã. Os EUA fornecem 44% da carne importada por esses países, enquanto a Austrália fornece 43%. De março de 2009 para cá, o dólar australiano subiu quase 70% em relação ao dólar americano. Stuart diz que o Brasil fornece muito pouco para esses cinco países - cerca de 1% das importações. Mais de metade das exportações brasileiras vai para Rússia, Irã e Egito. Os EUA vendem para a Rússia, mas os volumes não são tão representativos. Os EUA vendem sobretudo miúdos para o Egito. Apenas Hong Kong é um mercado relevante tanto para EUA e Brasil. Os Estados Unidos tomaram um pouco da fatia de mercado da Austrália na Coreia do Sul, afirma Robb. Também tomou um pouco do mercado do Brasil na Rússia, mas não considero que seja algo muito grande. Há pelo menos duas explicações para Brasil e EUA atuarem em mercados distintos: o rebanho americano é alimentado com grãos, por isso a carne tende a ter mais gordura, atendendo o gosto do consumidor asiático. No Brasil, é alimentado a pasto, produzindo uma carne mais magra. Além disso, alguns países asiáticos só adquirem carne de áreas livres de aftosa sem vacinação. O Brasil ainda vacina. Embora as exportações estejam bem, são relativamente pequenas para a indústria americana. Apenas cerca de 10% da carne do país é exportada. Os EUA são também um grande importador, sobretudo da Austrália, que fornece carne para hambúrger. A recessão fez os consumidores trocarem o bife pelo hambúrger, que é mais barato. Ainda há dúvidas sobre quanto tempo os EUA serão capazes de sustentar recordes de exportação. Robb acha que poderá haver uma desaceleração no último trimestre em virtude da queda da produção americana, que tende a elevar os preços. A alta de preços leva algum tempo para se refletir em aumento de rebanho. Esse é um ciclo que produção que leva anos, afirma. Stuart acha, porém, que o bom ciclo exportador poderá avançar em 2012 porque a oferta de carne bovina é apertada no mercado internacional, frente à demanda asiática, e o dólar americano tende a seguir fraco. Vai haver boa demanda para a carne brasileira também, diz. As exportações brasileiras só não cresceram tanto porque a demanda interna é forte. Fonte: Valor Econômico Sadia/Perdigão e Cade chegam a impasse sobre marcas BRF (Brasil Foods) e o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica), órgão vinculado ao Ministério da Justiça, chegaram a um impasse nas negociações da fusão entre Sadia e Perdigão por conta do uso das marcas. A fusão entre as duas empresas, que resultou na BRF, poderá ser vetada pelo conselho caso as duas partes não cheguem a uma solução para manter a concorrência em segmentos como os de pizza congelada, hambúrguer e empanado de frango. Segundo a Folha apurou, os conselheiros querem a retirada de uma das marcas em ao menos alguns mercados mais problemáticos, mas a empresa está irredutível nesse ponto. Para a BRF, contudo, abrir mão de uma das marcas premium é o mesmo que desfazer a fusão. Fontes ligadas às negociações disseram que as conversas foram divididas em três pontos, mas estes não foram detalhados. Em dois deles já existe praticamente um consenso, mas, em relação às marcas, os dois lados não conseguem chegar a um ponto comum. Esse impasse, porém, poderá levar ao insucesso de toda a negociação e ao veto do negócio pelo Cade. Consenso Um dos pontos em que já há consenso é a necessidade de a BRF, em alguns segmentos, vender cadeias inteiras de produção. Como a Folha noticiou na terça-feira, a proposta da empresa é, no caso de empanados de frango, por exemplo, repassar a um concorrente abatedouros, frigoríficos, fábricas, marcas secundárias e centros de distribuição, o que possibilitaria à empresa ter acesso a todas as etapas da produção. Anteriormente, a BRF se dispunha a vender ativos isolados, o que o Cade via como insuficiente para a empresa compradora concorrer com Sadia e Perdigão. Para o conselho, porém, a venda das cadeias não seria suficiente sem resolver a questão das duas marcas principais. Soluções específicas Apesar da divisão da negociação em três pontos principais, estão sendo estudadas soluções específicas para cada mercado, além do remanejamento de fábricas e linhas de produção. Isso porque as indústrias produzem vários itens diferentes -como congelados e laticínios, por exemplo- e em alguns deles não há problema de concentração exagerada de mercado, dispensando a intervenção do Cade. A fusão deverá ir a julgamento pelo conselho no próximo dia 13. Fonte: Folha de São Paulo

7 12 13 Notícias Rodopa arrenda planta em Goiás e investe no aumento da capacidade Pouco mais de um ano após iniciar seu processo de profissionalização, a Rodopa Alimentos - dona da marca Tatuibi - investe em aumento da capacidade de abate de bovinos e espera elevar em 30% seu faturamento bruto em No ano que passou, a receita da companhia foi de R$ 766 milhões. A Rodopa, criada em 1958 em Limeira (SP), pela família Bindilatti, tem três unidades em operação e acaba de arrendar (com opção de compra) um frigorífico na cidade de Goiás (GO), com capacidade de abate de 500 bovinos por dia, segundo Sérgio Longo, diretor geral executivo da companhia. A unidade, que já foi arrendada pelo Frigoestrela (hoje em recuperação judicial), entrará em atividade na segunda quinzena de agosto. Longo, que foi diretor-financeiro da JBS S.A., diz que o plano é ampliar a capacidade de Goiás e habilitar a planta para exportar à Europa. As outras unidades, em Santa Fé do Sul e Ipuã, ambas em São Paulo, e em Cassilândia (MS), têm capacidade de abate equivalente de animais por dia. A de Santa Fé é habilitada a vender para países da lista geral e também para a Europa. Cassilândia pode exportar para os de lista geral. Além do arrendamento de Goiás, a Rodopa também investiu em ampliação das fábricas de Santa Fé e Cassilândia e na frota de caminhões. No total, os aportes somaram, segundo Longo, R$ 30 milhões. Está previsto mais para este ano, acrescenta. Os valores ainda não estão definidos. São investimentos necessários para sustentar o crescimento da companhia. Antes do começo do processo de profissionalização, a Rodopa pertencia a três irmãos da família Bindilatti, Paulo, Marcos e Rosana, que possuíam ainda revendas de automóveis, corretoras de seguros e fazendas de pecuária. No início de 2010, a família decidiu separar os diferentes negócios, e Paulo Bindilatti comprou a participação dos irmãos na Rodopa. Hoje, ele é presidente da companhia. Entre 2008 e 2009, quando o setor de carne bovina foi afetado por uma crise que levou várias companhias a pedir recuperação judicial, o faturamento da Rodopa caiu de R$ 586 milhões para R$ 526 milhões. No ano passado, quando as mudanças na gestão foram implementadas, a receita bruta subiu para R$ 766 milhões. O lucro bruto foi de R$ 111 milhões, 56% mais do que em 2009 e o Ebitda (Lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização) somou R$ 50 milhões, mais do que o dobro dos R$ 23,7 milhões do ano anterior, segundo a empresa. Os números mostram ainda uma alavancagem (relação entre dívida líquida e Ebitda) de 1,09 vez no fim de A empresa fechou o ano que passou com dívida líquida de R$ 57,6 milhões e Ebitda de R$ 50 milhões. Hoje, segundo Longo, a empresa está trabalhando no alongamento de seu passivo financeiro. Dentre as possibilidades, a empresa avalia, para o segundo semestre, a emissão de um bond no mercado internacional. Com 90% de sua receita proveniente de vendas no mercado interno - especialmente pequeno e médio varejo do interior do país -, a Rodopa também busca reforçar sua atuação no food service. A origem da companhia, assim como a da concorrente Marfrig, é exatamente a distribuição. Antes de ter unidades de bovinos, a empresa terceirizava o abate dos animais e distribuía a carne com a marca Tatuibi. A Rodopa, que atua ainda em higiene e limpeza, também considera a possibilidade de uma fusão para continuar a crescer. Podemos crescer por meio de fusão, de várias formas (...). Não vamos sair comprando [ativos] para não crescer demais e ficar com demanda inferior à oferta, afirmou Longo. Em 2008 e 2009, foi justamente o excesso de capacidade num cenário de queda de demanda por carne bovina e redução da oferta de animais para o abate que detonou a crise dos frigoríficos no país. O executivo não comenta, mas o jornal Valor Econômico apurou que a Rodopa tentou uma fusão com o frigorífico Mataboi, que pediu recuperação judicial. A negociação, porém, não prosperou, segundo fontes do setor de carne bovina. Fonte: BeefPoint Balança do agronegócio registra superávit A balança comercial do agronegócio brasileiro registrou superávit de US$ 34,7 bilhões de janeiro a junho de O valor representa um crescimento de 20,5% no saldo de negócios externos do setor em relação ao mesmo período de 2010, quando o total foi de US$ 28,8 bilhões. As exportações totalizaram US$ 43,1 bilhões, o que representa elevação de 23,4% em relação ao mesmo período de As importações apresentaram variação positiva de 36,8%, no mesmo período, totalizando US$ 8,3 bilhões. O incremento das exportações do complexo soja (grão, farelo e óleo), carnes, complexo sucroalcooleiro (etanol e açúcar), produtos florestais e café que juntos responderam por 82,4% do total das exportações foi o principal responsável pelo resultado positivo da balança. O valor embarcado dos cinco produtos foi de US$ 35,5 bilhões. Tivemos um expressivo aumento das exportações de soja em grão tanto em quantidade quanto em valor. O destaque negativo foi a queda do volume exportado de óleo de soja, produto com maior renda agregada, analisa o diretor do Departamento de Promoção Internacional do Agronegócio (DPI) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Marcelo Junqueira Ferraz. Na análise por destinos, as exportações apresentaram aumento para praticamente todos os continentes. A Ásia, embora tenha perdido participação em comparação a 2010, continua no primeiro lugar com 30,1% do mercado. Entre os 20 principais destinos dos produtos brasileiros, alguns países atingiram um acréscimo superior ao incremento das exportações no semestre: Argélia (+131,9%), Espanha (+73,5), Japão (+47,4%), Alemanha (+42%) e Rússia (+41%). Este último, apesar da recente suspensão de compra de carne do Brasil, ultrapassou as aquisições dos Estados Unidos e ficou em terceiro lugar no ranking de importadores dos produtos brasileiros. Nas importações, o principal crescimento ocorreu no valor adquirido da palma de óleo, que passou de US$ 142 milhões no primeiro semestre do ano passado para US$ 289 milhões (+103,8%) nos seis meses iniciais de O setor de produtos florestais, considerado o mais importante da pauta importadora, teve elevação de 37,8% nas aquisições. O segmento lácteo também registrou forte alta, passando de US$ 149 milhões para US$ 277 milhões (+85,6%), além de ter sofrido redução nas vendas externas de US$ 76 milhões para US$ 57 milhões. O grande aumento das importações de leite em pó ocorreu devido à menor oferta interna do produto, em face da entressafra e do inverno rigoroso que estamos atravessando, justifica Ferraz. Fonte: Mapa Proteína animal para aves Atualmente proibidas, a União Europeia poderá incluir novamente proteína animal na ração de animais não ruminantes. Ou seja, o uso de proteína de suíno processada pode ser utilizado na alimentação de aves, por exemplo. Membros do Parlamento Europeu votaram a favor de um relatório - Roth-Behrendt - que recomenda a extinção gradual da proibição de alimentar os animais com proteínas animais processadas. Saiba mais clicando aqui (em inglês). As informações são do site World Poultry.

8 14 15 Notícias BRF define as fábricas que serão vendidas à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), provocou apreensão dos funcionários e criadores integrados ligados às plantas que serão vendidas. Frangos Canção investe em ações ambientais A Brasil Foods anunciou quais são as dez fábricas e quatro abatedouros que devem ser vendidos para atender às exigências feitas pelo Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) para aprovar a fusão Sadia/Perdigão, que deu origem à companhia. A empresa irá vender as unidades de São Gonçalo dos Campos (BA), Bom Retiro do Sul (RS), Lages (SC), Salto Veloso (SC); Duque de Caxias (RJ), Santa Cruz do Sul (RS), Três Passos (RS) e Brasília (DF). Além disso, irá negociar parte das plantas de Carambeí (PR) e Várzea Grande (MT) e os equipamentos industriais da unidade de Valinhos (SP). Em quatro localidades, há tanto fábrica quanto abatedouro (São Gonçalo, Três Passos, Brasília e Carambeí). A BRF também terá que se desfazer de 12 granjas, 4 fábricas de ração e 8 centros de distribuição. Além disso, será obrigada a repassar marcas, como Rezende e Doriana, assim como suspender a venda de alguns produtos da Perdigão e da Batavo por até cinco anos. O Cade determinou ainda que esse conjunto de ativos terá de ser absorvido por apenas um concorrente. O objetivo é dar escala para que a empresa compradora possa competir com a BRF. Estamos vendendo uma empresa com abrangência nacional e capacidade de concorrer conosco, disse Wilson de Mello Neto, vice-presidente de assuntos corporativos da BRF. O diretor técnico da Informa Economics/FNP, José Vicente Ferraz, diz que, apesar do esforço, não há garantia de que a nova empresa consiga concorrer com a BRF. É uma tentativa de preservar a concorrência, mas isso vai depender da qualidade de gestão de quem assumir. A BRF estima uma perda de cerca de R$ 3 bilhões no faturamento após a venda dos ativos e a suspensão das marcas - 13% da receita líquida (R$ 22,6 bilhões). Os ativos vendidos têm capacidade para produzir 730 mil toneladas de alimentos derivados de carne e 96 mil toneladas de margarinas por ano, o correspondente a 80% da capacidade produtiva da Perdigão anterior à fusão. Segundo analistas, as unidades colocadas à venda não incluem as fábricas mais modernas da Brasil Foods, localizadas em Rio Verde (GO), Lucas do Rio Verde (MT) e Vitória de Santo Antão (PE). O Cade estabeleceu o volume de vendas, mas foi a empresa que escolheu as unidades que disponibilizaria aos concorrentes. O pacote não incluiu as melhores unidades, mas a maior parte das fábricas da BRF está muito acima da média do mercado, disse um analista que preferiu não identificar. Apesar da diferença tecnológica, esse tipo de indústria ainda é muito intensiva em mão de obra e as margens operacionais das fábricas da BRF são parecidas. Segundo um outro profissional, o mais valioso é a logística de distribuição, que vai permitir acessar os clientes da BRF e mercados regionais. A empresa não divulgou onde estão localizados os oito centros de distribuição que serão colocados à venda. Pedro Herrera, analista do HSBC nos EUA, acredita que empresas estrangeiras e brasileiras terão interesse no pacote. Ele destaca que as fábricas envolvidas estão associadas a um pacote de marcas populares, como Rezende, Wilson e Confiança. Para uma multinacional que esteja interessada em entrar no mercado brasileiro e ter acesso aos consumidores emergentes do País, essa é uma oportunidade importante, disse Herrera. Boa parte dos analistas acredita que o vencedor será um player local, porque o governo não gostaria de entregar os ativos a um estrangeiro. Nesse caso, o principal interessado seria o Marfrig, que já possui a marca Seara. O JBS também estaria no páreo, pois atua no setor de frangos no exterior, mas no Brasil permanece focada apenas em bovinos. No total, as unidades colocadas à venda empregam cerca de nove mil funcionários e têm ao redor de integrados, tanto de aves quanto de suínos, conforme a assessoria de comunicação da BRF. A lista, enviada Representantes dos sindicatos dos trabalhadores de algumas das localidades afetadas ouvidos disseram temer demissões após os seis meses durante os quais o comprador terá que manter o nível de empregos nas unidades. Já as entidades dos integrados reclamam que sequer têm garantia de prazo mínimo para a continuidade do fornecimento de animais. O prazo de seis meses sem demitir está previsto no acordo em que o Cade permitiu a compra da Sadia pela Perdigão. Em Três Passos a BRF abate 1,3 mil suínos por dia e fabrica ração para abastecer os 200 integrados da região, informou o presidente do sindicato dos trabalhadores rurais da cidade, Erhardt Hepp. A unidade produz cortes com a marca Sadia e planejava aumentar os abates para 4 mil animais/dia a partir de 2012, acrescentou. Segundo ele, a determinação da venda causou surpresa, porque no fim de 2010 a empresa havia dito que a unidade seria preservada. Agora não está claro se o comprador será obrigado a manter o número de integrados, disse. O temor é semelhante para os 363 empregados da planta de Bom Retiro do Sul, onde a BRF produz 1,9 mil toneladas por mês de embutidos das marcas Perdigão, Confiança e Batavo, afirmou o presidente do sindicato dos trabalhadores na indústria da alimentação da cidade, Pedro Malamnn. Não temos garantia de que os empregos serão mantidos após os seis meses, disse. O vice-presidente do sindicato de Santa Cruz, Renê da Rosa, também teme pelo futuro dos 400 funcionários da Excelsior, que produz embutidos. Em Carambeí, serão vendidas as linhas de abate, cortes e de embutidos suínos das marcas Perdigão e Batavo, que absorvem mil dos 4,8 mil empregados da unidade. Os demais trabalham em produtos avícolas e lácteos, que permanecerá com a BRF. A situação aqui é complexa, porque toda a estrutura de apoio, como refeitório e transportes, é unificada, disse o secretário-geral do sindicato dos trabalhadores na indústria da alimentação da cidade, Wagner Rodrigues. Em Várzea Grande, a BRF irá colocar à venda a unidade de processados. A operação de bovinos não será afetada. Segundo o secretário de Desenvolvimento Econômico de Várzea Grande, Fernando Sé, a unidade da BRF é a maior geradora de impostos na cidade e uma das maiores empregadoras. As informações são da Folha de S.Paulo, do jornal O Estado de S.Paulo e do Valor Econômico, resumidas e adaptadas pela Equipe AgriPoint. Diante das constantes preocupações no cenário mundial com o que diz respeito ao meio ambiente, o Grupo Frangos Canção, a principal indústria avícola da região de Maringá, vem investindo em ações constantes na área ambiental, buscando estar dentro de um conceito de indústria sustentável. O tratamento de efluentes está entre as atividades mais importantes dentro dessa questão e o Frangos Canção está investindo na ampliação e modernização de seu sistema na planta em Maringá. Hoje, a indústria atua com em um sistema primário de tratamento, que reduz a carga orgânica enviada para as lagoas de tratamento em 90%, reduzindo a geração de gás metano nas lagoas (gás de efeito estufa). De acordo com Fábio Guerlles, engenheiro ambiental do Frangos Canção, as ações que o Canção desenvolve na área ambiental são ações consistentes, que se diferenciam por serem contínuas, sempre buscando a melhoria dos processos e da qualidade ambiental do Grupo. Além do tratamento de efluentes, o Frangos Canção também investe em reflorestamento das áreas de preservação com espécies nativas da região; monitoramento das emissões atmosféricas; gerenciamento ambientalmente correto de todos os resíduos gerados pelo grupo, com acompanhamento do destino final dos resíduos. Além disso, realizamos ações voltadas à educação ambiental dos colaboradores e monitoramento de emissão de poluentes pela frota de veículos do grupo, conta Guerlles. Ainda cuidando do meio ambiente, o Frangos Canção vem realizando ações de cuidado com os corpos hídricos receptores de seus lançamentos, como o Ribeirão dos Bandeirantes, em que foram recolocados peixes em pontos estratégicos de sua extensão. Os colaboradores do Frangos Canção também tem participado do processo de conscientização ambiental. A partir de agosto, uma parceria com a Secretaria Municipal do Meio Ambiente de Maringá irá promover palestras e debates sobre educação ambiental para os colaboradores, focando nas questões do setor avícola. Programa Despoluir Desde 2010, o Frangos Canção estabeleceu uma parceria com a Setcamar - Maringá (Sindicato das Empresas de Transporte de Cargas e Logística de Maringá) para monitorar os níveis de emissões de poluentes na frota de caminhões do grupo. A cada 60 dias técnicos da Setcamar visitam as unidades do grupo para verificar os níveis de poluentes e certificar os caminhões. Além da questão ambiental, essa certificação também atesta que não está sendo desperdiçado combustível, o que reverte recursos para investimentos em outras ações ambientais, afirma Guerlles. Fonte: Assessoria de Imprensa Frangos Canção

9 16 17 Em Foco 1 Bahia combate abate clandestino de animais Bahia, graças, sobretudo, às inúmeras campanhas educativas feitas pelo órgão. O nosso público-alvo são as crianças. Precisamos e estamos inserindo a educação sanitária nas escolas. Os estudantes de hoje serão os produtores e consumidores de amanhã, pontuou. Frigoríficos Outra questão chave para combater o abate informal de animais é a construção de unidades frigoríficas no Estado, que faz parte do Projeto de Descentralização e Regionalização do abate. O secretário Eduardo Salles lembrou que a Seagri, através da Adab, assinou com 15 municípios baianos termom de compromisso para construção de unidades frigoríficas de abate. Os novos abatedouros vão se somar aos 30 existentes, ampliando o combate ao abate clandestino, disse. Com planta padrão desenvolvida pela Seagri/Adab, os abatedouros são modulares, com capacidade para abater de 30 até 100 animais por dia. Dez deles serão instalados nos municípios de Itanhém, Barra, Santa Rita de Cássia, Medeiros Neto, Valente, Iguaí, Araci, Itaberaba, Jaguaquara e Paramirim. Os outros cinco vão ser implantados em Bom Jesus da Lapa, Valença, Remanso, Morro do Chapéu e Itabuna e terão capacidade de abater pelo menos 100 animais/dia. O projeto está sendo executado em parceria com os ministérios da Agricultura e do Desenvolvimento Agrário. De acordo com o secretário, os 15 municípios onde as novas unidades serão instaladas foram definidos depois de um estudo das zonas do Estado que mais necessitavam do equipamento, em função das distâncias dos já existentes e do rebanho da região. Dessa forma, preservamos as demandas locais. No município de Barra, por exemplo, onde estivemos essa semana realizando o Programa Seagri Itinerante e também iremos implantar um abatedouro, a carne transportada precisa percorrer 200 quilômetros para chegar ao destino de abate. Essa realidade será modificada. Os frigoríficos serão construídos com base nas exigências da Portaria 304 do Ministério da Agricultura, que regula o abate de bovinos, caprinos e ovinos, e impõe normas à construção dos equipamentos e a existência de câmaras de refrigeração. Além de ser mais barata, tendo custo em torno de R$ 1,2 milhão, quando era voz corrente que não era possível construir uma unidade de abate com menos de R$ 5 milhões, a planta padrão contempla características peculiares, como o proveitamento de carcaças e vísceras, finalizou o secretário. Com informações da assessoria de comunicação da Secretaria de Agricultura da Bahia. Fonte: SAA/BA Combater o abate clandestino é uma questão de trabalho segurança alimentar, afirma o secretário estadual da Agricultura da Bahia, engenheiro agrônomo Eduardo Salles, comparando a situação com a segurança pública. O ideal seria termos um policial em cada esquina, mas isso o Estado não tem como fazer. Da mesma forma, não podemos ter um fiscal agropecuário em cada distrito ou município da Bahia, um Estado com 56 milhões de hectares, dos quais 30 milhões com atividades agrícolas e pecuárias. As declarações do secretário foram feitas na abertura do 1 Encontro Baiano sobre Abate e Comércio Ilegal de Carnes, no Fiesta Convention Center, em Salvador. O evento foi promovido pelo Ministério Público da Bahia, com apoio da Agência Baiana de Defesa Agropecuária, Adab. Destacando a relevância do evento realizado para discutir o tema no Estado, o secretário disse que a educação sanitária é tão importante quanto a fiscalização. Em parceria com o Sindcarne e com a Federação da Agricultura do Estado da Bahia, Faeb, a Adab tem se empenhado em promover a edcução sanitária, realizando peças educativas nas escolas e nas comunidades, conscientizando crianças e adultos para a importância de consumir alimentos sadios. Esse encontro fortalece o de inteligência realizado pelo governo, juntamente com as entidades parceiras. Somente assim, com essa união, conseguiremos levar carne com mais qualidade para a mesa dos baianos. O secretário lembrou ainda que a Seagri/Adab desenvolveu uma planta padrão para construção de frigoríficos, com capacidade para abate de 30 a 100 animais/dia, com preço reduzido. Dizia-se que não se construía uma unidade frigorífica com menos de R$ 5 milhões. Nós conseguimos fazer uma planta que viabiliza a construção com R$ 1,2 milhão, afirmou. A planta padrão da Seagri foi validada pelo Ministério da Agricultura e tornou-se modelo para o Brasil, solicitada pelos secretários de agricultura de outros estados. O procurador-geral de justiça do Estado em exercício, José Gomes Brito, também salientou a importância de as entidades fiscalizadoras se unirem para fortalecer as ações de combate ao abate informal, e afirmou que o Ministério Público estadual continuará coibindo com veemência as atividades ilegais. Segundo o MP, o abate clandestino é responsável pela procedência de mais de 45% da carne consumida no Estado. Para o coordenador-geral da Adab, Paulo Emílio Torres, o abate não inspecionado vem diminuindo pouco a pouco na

10 18 19 Em Foco 2 José Roberto Mendonça de Barros: cenário é desafiador, mas Agronegócio passa por uma fase excepcional Mendonça de Barros avaliou que o PIB dos Estados Unidos já apresenta um crescimento, apesar deste ser menor do que o esperado. Isso posterga a alta dos juros e qualquer mudança na política financeira só deverá ocorrer em 2012 ou 2013, devendo manter a cotação do Dólar reduzida. Dessa forma a expectativa é que os produtos norte-americanos sigam ganhando competitividade. Apesar da situação ainda complicada, na Europa já existe crescimento após a crise de 2008 e no gráfico abaixo é possível ver indicadores econômicos que mostram crescimento nos países do norte europeu. Porém, o palestrante avalia que em países como a Grécia a situação ainda é difícil e provavelmente será preciso realizar uma reestruturação da dívida, numa situação parecida com o que aconteceu na América Latina nos anos 80. Em Bruxelas se fala em uma recuperação soft, realizando apenas o adiamento das dívidas. Ação que acho que não será suficiente para resolver o problema, completou. No final de maio, o economista José Roberto Mendonça de Barros, da MB Associados - que foi Secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda (1995 a 1998) e Secretário Executivo da Câmara de Comércio Exterior da Presidência da República (1998) - apresentou a palestra Cenários da macroeconomia e o agronegócio, no Seminário Perspectivas para o Agribusiness em 2011 e 2012, organizado pela BM&FBovespa. O palestrante iniciou sua apresentação com a seguinte pergunta: O crescimento mundial está mais moderado? Segundo Mendonça de Barros, estamos passando por um momento onde temos uma consolidação da recuperação da economia norte-americana. Na Europa a situação segue complicada, para ele esse ainda é o maior risco para o cenário de recuperação gradual da economia mundial. Enquanto na China o crescimento continua bastante acelerado, com mudanças importantes em andamento no mercado de trabalho chinês. Entretanto, este cenário ficou mais complicado e incerto desde os eventos no Oriente Médio e com a divulgação de indicadores de atividade mais moderados nos EUA, sugerindo um crescimento mais lento do que o imaginado para José Roberto Mendonça de Barros ainda pontuou que nos países emergentes existe uma piora em relação à inflação, pois estamos observando que existe um choque de oferta num momento em que a demanda segue aquecida e na opinião dele este desequilíbrio deve continuar. Apresentando uma série de dados da economia norteamericana, ele mostrou que mesmo tendo uma lenta recuperação, a situação dos EUA está melhorando. Existe melhora na renda da população, aumento da renda agrícola e recuperação no valor das ações das empresas norteamericanas.

11 20 21 Em Foco 2 2- crescimento das exportações das cadeias de commodities agrícolas, mineração e produtos naturais; 3- crescimento dos investimentos privados (Petrobras, Copa do Mundo e Olimpíadas). custos de transporte. De qualquer forma ele avalia que o Agronegócio, de maneira geral, passa por uma fase excepcional. Cenário Alternativo Na Ásia o crescimento deve continuar bastante acelerado. Mendonça de Barros avalia que na China não deve ocorrer desaceleração do crescimento, já que o Banco Central do país é controlado pelo Governo e este tem pavor de manifestações populares como as que ocorreram no Oriente Médio. Assim, eles devem combater o desemprego e a economia vai crescer 7,5% como é esperado. Segundo levantamento do banco central chinês, o salário médio real na China subiu 9% em 2010 em relação ao ano anterior. Isso pode ser prejudicial para a inflação, mas vai a favor de maior participação do consumo no país. Como fatores que podem limitar este crescimento estão os desequilíbrios macroeconômicos crescentes, causados pelo aumento do consumo; e a perda da competitividade, causada pelo aumento do chamado custo Brasil, forte valorização do Real, baixa eficiência do setor público, alta tributação, péssima infraestrutura, falta de mão de obra qualificada e ausência de reformas e avanços institucionais. Mendonça de Barros dividiu o setor produtivo brasileiro em 3 Classes: 1- Produtores de commodities; que estão se saindo bem, pois os preços internacionais estão em alta; 2- Serviços; que tem apresentado elevação dos custos; 3- Industriais; que tem que enfrentar indústrias mais competitivas em outros países e estão trabalhando com margens reduzidas. Em 2010 foi fácil vender, mas difícil entregar, comentou o palestrante. Segundo ele faltou mão de obra, os custos foram elevados e as margens recuaram. Assim foi preciso repassar esse Pensando no mercado doméstico, Mendonça de Barros acredita que a demanda interna também seguirá crescendo e a procura por produtos de maior qualidade e diferenciação será cada vez mais marcante. Por outro lado ele frisou que a infraestrutura continuará afetando a oferta regional de alimentos e produtos do Agronegócio. Nesse ponto saem ganhando a região do Mapito e do oeste da Bahia; as regiões tradicionais do sudeste continuarão com vantagens pela proximidade dos portos e das grandes cidades; já o Mato Grosso e outras regiões distantes continuarão negativamente afetadas pelos Apesar do cenário mais provável ser bastante otimistas, o palestrante propôs uma situação alternativa onde o crescimento da China desacelera. A questão mais substantiva entretanto, se coloca com a seguinte questão: irá a China ultrapassar os Estados Unidos ou seguirá a trajetória do Japão?, questionou Mendonça de Barros. A economia americana segue derrapando, agora pelo peso do excesso de endividamento e do ajuste fiscal e a zona do Euro enfrenta maiores problemas. Neste cenário o ciclo de alta das commodities se reverte. Entretanto, existirá uma certa compensação pela subsequente desvalorização do Real, ou seja, o Real mais fraco poderia compensar uma retração nos preços internacionais. André Camargo é Zootecnista, formado pela FZEA - USP, cursou MBA em Agronegócios na Esalq - USP, trabalhou com gerenciamento de fazendas de gado de corte em SP e MS e atualmente é Analista de Mercado do BeefPoint. aumento de custos para o consumidor. Isso gera problemas para a economia e o Governo tardou a perceber esses problemas. De qualquer forma, este é um cenário doméstico bom, mas é um cenário desafiante, comentou. Impactos sobre o Agronegócio Na avaliação de José Roberto Mendonça de Barros neste cenário os preços internacionais devem continuar elevados, a demanda seguirá crescendo pela elevação da população e pelo crescimento da renda das famílias levando a entrada de novos consumidores no mercado. A volatilidade também deve continuar elevada, com os problemas climáticos se tornando mais recorrentes e o fundos Assim Mendonça de Barros concluiu que no cenário internacional, financeiros assumindo papel cada vez mais importante. Segundo o mesmo com EUA crescendo menos que o esperado, dificuldades na palestrante, esses fundos respeitam os fundamentos dos mercados, Europa, a economia mundial deve crescer em ritmo lento e na sua mas se movimentam muito rapidamente, entrando e saindo com opinião o cenário é otimista. agilidade de determinados mercados e isso acaba influenciando o Ele acredita que o crescimento mundial deverá ser da ordem de movimento dos preços. 4,0% ao ano, os países do G7 devem crescer por volta de 2% ao ano e O preço do petróleo também seguirá alto. Projetamos um preço a China em torno de 8,0%. Para o Brasil a hipótese mais provável é um médio entre 100 e 110 dólares por barril. Com isto a pressão nos crescimento por volta de 4,5% a.a. preços de fertilizantes e nos custos de transportes será importante, Como alavancas do crescimento da economia brasileira o bem como continuará a haver suporte para o etanol. palestrante elencou 3 pontos: Em algum momento de 2012/13 o juro americano vai subir e o Real brasileiro irá ser desvalorizado, trazendo melhoras na 1- continuidade do aumento do consumo da classes C; competitividade das empresas brasileiras.

12 22 23 Em Foco 3 Onde estamos após um ano da lei da Política Nacional de Resíduos Sólidos de transportes, mineração, industriais e agrossilvopastoris, considerando também como se dará a inserção de catadores de materiais recicláveis e o pagamento por serviços ambientais. Esse trabalho resultará na versão preliminar do Plano Nacional de Resíduos Sólidos, que depois passará por um processo de audiência pública, na qual receberá contribuições da sociedade. Independentemente dos trabalhos que serão realizados pelos comitês acima mencionados, a lei é clara e tem metas, que embora difíceis de serem atendidas precisam ser cumpridas, pois trata-se de lei sancionada e regulamentada. Evidentemente que os setores organizados podem contribuir para a discussão das regras da logística reversa e de como se inserem no plano de gestão da PNRS e quanto mais cedo compreenderem isso melhor se situarão frente à lei. Por sua vez, o Plano Nacional de Resíduos Sólidos a ser elaborado pela União tem uma natureza complexa por envolver vários atores da sociedade, do produtor ao consumidor, envolvendo o poder público e o setor empresarial. A partir desse diagnóstico estados e municípios vão montar seus planos de gestão dos resíduos que terão um horizonte de 20 anos reavaliados a cada quatro anos. A lei propõe a redução, reutilização e reciclagem de lixo, linhas de créditos, cooperativas, coleta do resíduo industrial através da logística reversa, pagamento por serviços ambientais entre outros mecanismos de gestão integrada e compartilhada do lixo. Aplicam-se aos Resíduos Sólidos, além do disposto na lei e seu decreto 7.404, as leis nos de 2007, de 2000 e de 2000, as normas estabelecidas pelos órgãos do Sistema Nacional do Meio Ambiente, do Sistema Nacional de Vigilância Sanitária, do Sistema Unificado de Atenção à Sanidade Agropecuária e do Sistema Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial. Entre as definições, o RSU não é mais considerado como lixo, visto que, o que não pode ser aproveitado na cadeia do reuso ou reciclagem, a lei define como rejeito. Não cabe mais, portanto, a denominação de lixo para aquilo que sobra no processo de produção ou de consumo. Os resíduos sólidos urbanos (RSU), constituídos por restos de alimentos, matérias orgânicas, embalagens descartadas, plásticos, objetos inservíveis quando separados em materiais secos e úmidos, passam a ser resíduos recicláveis. A lei se refere aos resíduos quanto a origem: doméstico, urbano, saneamento básico, industrial, construção civil, eletroeletrônico, lâmpadas de vapores mercuriais, agrosilvopastoril, da área de saúde, do transporte, mineração e perigosos (inflamáveis, corrosivos, tóxicos, patogênicos, que apresentem risco a saúde publica ou ambiente). Pontos de preocupação especifica são também relacionados com os resíduos de construção e demolição e os resíduos de serviços de saúde. Um princípio fundamental da lei determina o poluidor - pagador e o protetor - recebedor. Isso responsabiliza todo o poluidor e, associado aos planos de gestão, permitirá a cobrança de taxas do plano de gerenciamento de resíduos. Nos instrumentos da PNRS constam estímulos à pesquisa tecnológica, Claudio Bellaver QualyFoco Consultoria Ltda Depois de duas décadas, a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) deixou de ser projeto para tornar-se, finalmente a lei Nº A sanção presidencial dessa lei foi em 02 de agosto de 2010 e com ela instituiu-se a PNRS, sendo regulamentada através do Decreto Nº em 23/12/2010. Nesse decreto cria-se o comitê orientador para a implantação dos sistemas de logística reversa e o comitê interministerial da política nacional de resíduos sólidos. O comitê orientador da logística reversa reúne cinco ministérios e terá a função de definir a estratégia de implantação, além de cronogramas e metas. O comitê interministerial de coordenação da PNRS, com representantes de doze pastas do governo federal, será responsável por elaborar uma versão preliminar do plano nacional de resíduos sólidos. No comitê da Logística Reversa, todos os envolvidos na cadeia (importador, fabricante, distribuidor, comerciante e o consumidor) são responsáveis pela restituição dos resíduos sólidos ao seu local de origem, para reaproveitamento ou destinação final adequada. Para isso, o governo fará acordos setoriais com as empresas. Primeiro será lançado um edital, construída uma proposta e realizada uma consulta pública. Depois, o governo emite um decreto regulamentado o setor, com abrangência nacional. Os seis tipos de produtos sujeitos à logística reversa são: pilhas e baterias; pneus; óleos lubrificantes, seus resíduos e embalagens; lâmpadas fluorescentes, de vapor de sódio e mercúrio e de luz mista; eletroeletrônicos e seus componentes; e agrotóxicos. Já o comitê interministerial da PNRS analisará o documento do IPEA com diagnóstico de algumas metas para diferentes cenários estudados e propostos por Grupo de Trabalho formado especificamente para análise da PNRS. O trabalho reúne um conjunto informações, dados e metas propostas para os cenários dos resíduos sólidos, da construção civil, dos serviços de saúde,

13 24 25 Em Foco 3 incentivos fiscais, financeiros e creditícios. Prevê que na gestão e gerenciamento de resíduos sólidos, deve ser observada a seguinte ordem de prioridade: não geração, redução, reutilização, reciclagem, tratamento dos resíduos sólidos e disposição final ambientalmente adequada dos rejeitos. A recuperação energética e o tratamento dos RSU são permitidos desde que tenha sido comprovada sua viabilidade... A lei propõe a redução, reutilização e reciclagem de lixo, linhas de créditos, cooperativas, coleta do resíduo industrial através da logística reversa, pagamento por serviços ambientais entre outros mecanismos de gestão integrada e compartilhada do lixo... técnica e ambiental e com a implantação de programa de monitoramento de emissão de gases tóxicos aprovado pelo órgão ambiental. É preciso clareza sobre os diferenciais entre queima e incineração e geração de emissões atmosféricas. Assim, em adição a separação e classificação dos RSU por peneiras, magnetos, ondes eletromagnéticas, balística, é preciso o monitoramento dos gases emitidos pelo sistema. No caso da fração orgânica do RSU é a viabilidade do sistema ficará facilitada se for considerado o arranjo produtivo local (APL), que pode interagir com a PNRS viabilizando plantas de reciclagem com recuperação energética. Nesse sentido os resíduos orgânicos industriais e agrícolas, bem como culturas energéticas devem ser considerados e aqui se insere o parceiro Agro, via produção de biogás industrial e compostagem acelerada. Porém, segundo a Abrelpe a gestão de resíduos sólidos no Brasil ainda encontra diversos obstáculos, principalmente nos grandes centros urbanos onde há um aumento da geração de RSU, sem o aumento respectivo na correta destinação do RSU. Entretanto, todos os municípios tem responsabilidade similar frente à lei , respeitadas as diferenças regionais. As novas disposições trazidas pela PNRS exigem por parte dos municípios, uma postura muito diferente da que vem sendo adotada. A modernização do setor por meio de novos sistemas e tecnologias se faz necessária para que os objetivos da lei sejam alcançados. Obviamente, o sucesso também está vinculado a uma política clara de incentivos e estímulos, tanto do governo federal como dos governos estaduais e municípios que, por sua vez, deverão buscar soluções conjuntas e regionalizadas, por meio dos consórcios públicos e/ou privados. Além disso, as soluções para o cumprimento das novas diretrizes da PNRS devem ser estruturadas com uma perspectiva de longo prazo, plena adequação ambiental e atualização tecnológica, o que demanda a utilização de capital intensivo para investimento e operacionalização, o que pode ser integralmente suprido com a adoção do modelo de Parcerias Público-Privadas (PPP s). Para resolver os problemas relacionados aos resíduos sólidos, não há solução única, não há medidas isoladas e nem planejamento e solução através de apenas um ponto. Os desafios somente serão superados com ações integradas, uma vez que a gestão de resíduos é um processo, composto de sistemas conectados com uso de tecnologia intensiva. Nos últimos anos se constata que a politica mais eficiente para a gestão de resíduos é a integração de ações conectadas entre si, como: redução dos resíduos gerados; utilização e reutilização dos produtos; separação das frações dos resíduos e encaminhamento para processos de reciclagem; recuperação da energia contida nos resíduos cuja reciclagem não for viabilizada; e implementação do tratamento e destinação que traga consigo a melhor tecnologia disponível com custo que seja acessível pela população a ser servida. Por todos esses motivos e também por imposição legal, as novas práticas deverão estar respaldadas nos Planos de Gestão e Gerenciamento de Resíduos Sólidos, conforme o caso, os quais, dentre outros fatores, deverão indicar os procedimentos operacionais para adoção da ordem de prioridade e hierarquia da gestão de resíduos. As autoridades responsáveis devem adotar práticas preventivas na geração de resíduos e não apenas direcionar esforços na solução do problema em seu estágio final, mas, sobretudo, identificar e viabilizar fontes de recursos para financiar ações exigidas, estabelecendo um modelo de custeio que permita as mudanças decorrentes. É impulso eficaz, para quebrar-se o paradigma existente e propiciar a mudança migrando-se de uma filosofia de gestão do lixo para a filosofia da gestão de recursos, claro que, com agregação de valor econômico.

14 26 27 Em Foco 4 mais de um sócio. Essa realidade é extremamente comum, como exemplo, nas pequenas casas de carnes em que muitas vezes o empreendedor indica a companheira, sogra ou amigo próximo para figurar como quotista de uma quota apenas. Alguns sequer lembram que eram sócios quotistas. Pois bem. Com a edição da Lei no de 11 de julho de 2011 foi criada a possibilidade de constituição (ou transformação) de sociedade de único sócio (EIRELI Empresa Individual de Responsabilidade Limitada) que, como o próprio nome diz, poderá funcionar com apenas um quotista. As exigências básicas da nova lei, que altera o Código Civil, são:...bastará que essa empresa solicite seu registro para EIRELI e passe a viver com único quotista... Sociedade de um só Uma nova realidade para os pequenos negócios e sua implicação para o segmento das graxarias Piraci Oliveira - Advogado Há muito se discutia a necessidade de alteração legal para capital apenas para que a empresa possa ser levada o registro, que um empreendimento, notadamente os menores, pudesse fruto, como antes dito, de exigência legal que não se coaduna ser formalizado com único sócio afetando a não recomendável, com o mundo globalizado e competitivo que ora se apresenta. mas legalmente válida, obrigação de haver ao menos duas Esse anacronismo, não raro, trazia sérias complicações para pessoas naturais para constituição de empresa. esses sócios que apenas emprestavam seus nomes e, anos No mesmo sentido, não é nova a discussão acerca da depois, se deparavam com processos e dívidas em nome da possibilidade de única pessoa (empreendedora) poder destinar empresa com repercussão sobre o patrimônio pessoal. parte de seus haveres para determinada atividade empresarial, A hipótese trabalhista, a que mais atropela comandos com a segurança jurídica de que seus bens pessoais não se protetivos das pessoas naturais que detém reduzido capital, é confundiriam com os riscos e consequências da atividade viva mostra desse destempero existente. explorada. O reverso da moeda é encontrado quando esse mesmo Desnecessária a lembrança de que quanto mais o legislador sócio de favor possuía pendências creditícias que muitas vezes facilitar a abertura de pequenos negócios, mais estará impactavam negativamente no cotidiano da empresa. colaborando com a geração de empregos e circulação de Com a integração do mercado financeiro, se um dos sócios riqueza. possuírem informações desabonadoras poderá trazer sérias Bem conhecemos os sócios de favor (vulgarmente complicações para a sociedade, novamente, com o perdão da chamados de laranjas ) que detêm, muitas vezes, uma quota do repetição, pela exigência de se figurar no contrato social com (i) capital totalmente integralizado não inferior a 100 salários mínimos (atualmente 54 mil e 500 reais); (ii) inserção da expressão EIRELI após a denominação social; (iii) que o sócio individual tenha apenas uma empresa nessa condição. O texto legal traz vacância de 180 dias para vigência, logo, apenas a contar de 08 de janeiro de 2012 é que os órgãos de registros poderão aceitar as alterações, que independerá de justificativa para transformação de empresas já existentes. Ser-lhe-á aplicável, no que couber, as regras previstas para as sociedades limitadas, especialmente quanto à limitação de responsabilidade do sócio, respeitada, obviamente, as regras contidas no art. 50 do Código Civil no que tange à desconsideração da personalidade jurídica. Some-se a esse fato que no interregno de 180 dias haverá a regulamentação da atividade que, certamente, elucidará dúvidas ainda existentes, como a possibilidade dessa empresa ser sócia de outra, ou a adoção para empresas de profissão regulamentada. A consequência prática mais objetiva se opera nas sociedades que perdem um sócio e que, no passado, tinham 6 meses para substituição sob pena de extinção. Agora, com a nova regra, bastará que essa empresa solicite seu registro para EIRELI e passe a viver com único quotista. Extrai-se da lei, ainda, que somente o patrimônio social da empresa individual (EIRELI) responderá pelas obrigações contratadas, inexistindo confusão entre o patrimônio da pessoa jurídica com o do empreendedor. Doravante, sem a necessidade de buscar outro sócio para poder figurar no contrato, a formalidade das operações deve aumentar, trazendo, como corolário, segurança jurídica ao setor. Aguardemos.

15 28 29 Em Foco 5 FAO: previsões para o mercado internacional de carnes De acordo com o último relatório da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) sobre previsões para o mercado de carnes, as menores ofertas pressionarão os preços a novos níveis recordes. Em maio de 2011, o índice de preços de carnes da FAO alcançou um novo recorde de 183 pontos. Os preços internacionais de todas as carnes se mantiveram firmes desde janeiro. O fortalecimento dos preços reflete principalmente fatores direcionados pela oferta, incluindo condições climáticas adversas no final de 2010, reconstrução de rebanhos, doenças animais e maiores custos dos insumos que, virtualmente, levou a uma parada no crescimento da produção global. Visto de uma perspectiva de 12 meses, as carnes ovina e bovina tiveram fortes crescimentos que, baseados em seus respectivos índices de preços, aumentaram em 38% e 20%, respectivamente, desde maio de A limitada disponibilidade de exportação em países tradicionalmente fornecedores, combinada com uma forte demanda de importação, deverá manter uma tendência de alta nos preços mundiais das carnes em curto prazo. Ao mesmo tempo, os altos preços do grãos continuam a limitar a lucratividade do setor. Carne bovina Produção fica estagnada pelo terceiro ano consecutivo Os baixos estoques de animais e os altos preços deverão caracterizar o setor de carne bovina em 2011, como ocorreu em A produção global de carne bovina deverá estagnar em 65 milhões de toneladas, limitada pelas previsões de declínio de 1% na produção em países desenvolvidos, que são responsáveis por 45% da produção global. A contração reflete a situação no Canadá e nos Estados Unidos, que começaram esse ano com pequenos rebanhos bovinos, baixa reposição de novilhas e ofertas menores de alimentos. Do outro lado do globo, os estoques de gado afetados pelo clima na Austrália e Nova Zelândia estão voltando ao normal, mas a reconstrução do rebanho está reduzindo os abates e a produção. Se recuperando de um declínio de quase 2% em 2010, a produção de carne bovina na América Latina e Caribe está aumentando, com o crescimento da produção no Brasil, segundo maior produtor do mundo, mais que compensando a persistente queda no setor de carne bovina da Argentina, que já perdeu empregos nos últimos anos. A única incerteza relacionada à forte previsão para o setor brasileiro se refere à possibilidade de remoção de plantas brasileiras de carne da lista de frigoríficos aprovados para exportar para a Rússia. Na Argentina, a reconstituição de rebanhos reduzidos e as contínuas incertezas relacionadas à regulamentação do Governo estão prejudicando as previsões de produção, apesar de os preços dos animais vivos terem quase dobrado. No México, os preços domésticos estão 10% menores do que nos Estados Unidos, o que está promovendo um comércio de gado entre os dois países, resultando em um aumento somente marginal na produção de carne bovina mexicana. A produção de carne bovina na Ásia deverá estagnar em Apesar de os preços médios da carne bovina na China terem atingido um pico no final de 2010, os abates e, consequentemente, a produção, deverão cair, à medida que os produtores de leite lutam para reconstruir seus rebanhos após o escândalo de contaminação do leite com melamina ter afetado todo o país em No Paquistão, a produção deverá cair em 2%, uma consequência das perdas de animais por causa das enchentes ocorridas no ano passado. No Japão, as províncias no nordeste afetadas pele terremoto, seguido por um tsunami e por uma explosão radioativa, representam 10% do rebanho bovino do país. Apesar de não ter sido feita nenhuma estimativa oficial de perdas, a FAO previu que a produção no país cairá em 5% em 2011, principalmente como consequência do desastre. Na Turquia, as previsões de uma competição mais intensa de produtos estrangeiros após um relaxamento nas barreiras de importação, deverão prejudicar o crescimento do setor. Na Coréia do Sul, apesar dos abates de bovinos relacionados à febre aftosa no final de 2010, os números de animais estão próximos a níveis recordes, o que, combinado com um relaxamento nos controles de movimentos animais, deverá estimular a produção de carne bovina. Na Indonésia, o apoio do Governo, que está buscando auto-suficiência na produção de carne bovina, deverá sustentar uma expansão da produção, apesar de uma redução na cota de importação de bovinos em pé de cabeças em 2010 para cabeças nesse ano. Na Índia, a forte demanda de exportação por carne de búfalo de baixos preços impulsionará maiores abates e produção. O clima favorável na África está resultando em boas colheitas de cereais e adequada produção de forragens, mas as condições de seca em partes do leste africano, particularmente Etiópia, Quênia, Somália e Uganda, estão levando à escassez de pastagem e água, maior mortalidade de animais e ocorrência de doenças, à medida que os produtores movimentam seus animais em busca de forragem. De forma feral, a produção de carne bovina da região deverá permanecer em torno de cinco milhões de toneladas. Balanço Mundial Produção Carne bovina Carne de aves Carne suína Carne Ovina Comércio Carne bovina Carne de aves Carne suína Carne Ovina INDICADORES DE OFERTA E DEMANDA Consumo per capita de alimentos: Mundial (kg/ano) Desenvolvidos (kg/ano) Em desenvolvimento (kg/ano) Índice de preços da carne da FAQ ( = 100) Mercados mundiais de carnes estim Apesar dos altos preços, as previsões de comércio de carne bovina são boas O comércio mundial de carne bovina deverá se expandir em 2%, para 7,7 milhões de toneladas em 2011, impulsionado pela demanda de importação nos países que enfrentam rápido crescimento econômico ou escassez de produção. As importações na Ásia deverão expandir-se em 5%, direcionadas pela forte demanda no Japão, Malásia e Coréia. As compras deverão aumentar em Taiwan, apesar da introdução de novos procedimentos de testes de resíduos que criaram incertezas consideráveis. As vendas de carne bovina aos países do Oriente Médio, com exceção do Egito, também deverão aumentar. Isso também deverá ocorrer na Turquia, atualmente um importador marginal de carne bovina, onde os altos preços domésticos impulsionaram o Governo a remover a barreira ao gado em pé e às importações de carne bovina no final do ano passado previsão Variação 2011 com relação a 2010 million tonnes % Var: Jan-Mai 2011 com relação Jan-Mai 2010 % 19.9

16 30 31 Em Foco 5 Em contraste, na Indonésia, as importações podem cair para cerca de toneladas, após um corte na tarifa preferencial de toneladas em 2010, para toneladas nesse ano. Fora da Ásia, os maiores volumes de carne bovina deverão ser importados pela União Europeia (UE), Rússia e Venezuela, enquanto as importações podem declinar no Canadá, Egito, México e Estados Unidos. As exportações do Brasil e dos Estados Unidos, que fornecem um terço do comércio mundial, deverão aumentar em Os maiores ganhos deverão ser obtidos pelos Estados Unidos que, beneficiandose de um contínuo enfraquecimento do dólar e da reabertura de mercados anteriormente restritos por causa da Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB), poderão expandir os envios em 8%, um desenvolvimento histórico com potencial de transformar o país em um exportador líquido. Após três anos de declínios devido à forte demanda doméstica e ao fortalecimento da moeda, as exportações do Brasil, ainda o maior exportador mundial, aumentarão em resposta à demanda de países do Oriente Médio e Sudeste da Ásia. O Canadá também deverá expandir as vendas após a reabertura do mercado chinês à carne canadense e ao maior acesso à nova cota da UE para carne bovina de alta qualidade livre de hormônios. As exportações da Austrália, segundo maior exportador, deverão cair levemente, limitadas pelas baixas ofertas. Por outro lado, o Paraguai, um exportador não tradicional da América do Sul, deverá se beneficiar da recente certificação da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) de país livre de febre aftosa com vacinação. As exportações do país poderão alcançar as da Argentina, que continuam com uma queda de dois anos. A Índia deverá capitalizar sobre seus menores preços de carne de búfalo congelada para expandir as exportações, assim como o Paquistão, apesar da menor produção devido às recentes enchentes, à medida que ambos os países respondem à firme demanda nos mercados do Oriente Médio. Na África, os surtos de febre aftosa em Botsuana e África do Sul no começo de 2011 resultaram em barreiras às exportações e abates de animais, que reduzirão as vendas de carne bovina dos dois países em 2011, mas também se traduzem em maiores preços em alguns mercados tradicionais. ESTATÍSTICAS DE CARNE BOVINA (1000 toneladas, equivalente peso carcaça) Produção Importações Exportações Utilização 2010 estim previsão 2010 estim previsão 2010 estim previsão 2010 estim previsão ÁSIA China Índia Indonésia Irã Japão Coréia Malásia Paquistão Filipinas AFRICA Argélia Angola Egito Africa do Sul AMÉRICA CENTRAL México AMÉRICA DO SUL Argentina Brasil Chile Colômbia Uruguai Venezuela AMÉRICA DO NORTE Canadá EUA EUROPA UE Rússia Ucrânia OCEANIA Austrália Nova Zelândia MUNDO Países em desenvolvimento Países desenvolvidos LIFDCs LDCs LIFDCs * países de baixa renda com déficit alimentar LDCs ** países pouco desenvolvidos

17 32 33 Em Foco 6 Darling Harbour - Sydney Julho th International Symposium Investing in the Rendering Industry Nos últimos 27, 28 e 29 de julho de 2011 foi realizado em Sydney, Austrália o 11º Simpósio Internacional da Indústria de Processamento de Subprodutos Animais pela ARA (Australian Renderers Association). O tema do evento foi : Investindo na Indústria de Graxaria e o objetivo do programa de palestras e discussões poderia se resumir em como obter o máximo de resultados de uma empresa de processamento de subprodutos. O evento foi dividido em blocos: Perspectivas Globais, Investimentos e Oportunidades, Inovações, Foco no Cliente, Meio Ambiente e Sessão Técnica da WRO. A primeira atividade foi a reunião anual da WRO ( World Rendering Organization ) na tarde de 27/07 onde assuntos de representatividade dos interesses dos processadores de subprodutos animais a nível global foram apresentados. Houve também o encerramento da gestão do sr. Alan von Tunzelman como presidente da instituição e a posse do americano David Kaluzny. Na manhã de 28/07 o tema foi Perspectivas Globais e os palestrantes, especialistas na produção, consumo e comportamento de preços de gorduras animais e vegetais, proporcionaram uma visão global sobre o volume e a origem da produção dos principais tipos de gorduras, o consumo das mesmas por suas utilizações e destinações geográficas além das tendências mercadológicas (preços) para estes produtos. As apresentações e respectivos palestrantes foram: A previsão para os mercados de gorduras animais e vegetais por Dorab Mistry - Godrej International (Índia/Inglaterra); Sebo pela perspectiva da União Européia por Jo de Roover - Oleon (Bélgica); Demanda Chinesa por produtos de graxaria por Frank Ji - Gardner Smith (Austrália/NZ/China) e Mercados de pecuária bovina e graxaria nas Américas por Guilherme Melo - Rabobank Brasil (Brasil). Na tarde de 28/07 Investimentos e Oportunidades foi o tema abordado. Desta vez buscou-se verificar as tendências de investimentos em diferentes partes do mundo assim como identificar as oportunidades que norteiam estas tendências. As discussões giraram em torno do investimento na atividade sob o ponto de vista de crescimento do negócio, a procura de novos produtos e mercados, o controle de custos e energia e o atendimento às demandas ambientais. Apresentações e palestrantes: Investimento para o crescimento por Erika Weltzein - Rothsay & Maple Leaf Agri- Farms (Canadá); Estratégias de investimentos para controle de custos por Cam Wilkinson - A.J. Bush & Sons (Austrália); Impacto global dos combustíveis renováveis por Heather Brodie - Biofuels Association of Austrália (Austrália) e Estratégias de investimentos no setor de processamento no Brasil por Alexandre Ferreira - Profat (Brasil). Enquanto no primeiro dia o aspecto estratégico dominou as sessões, para o dia 29/07 a ênfase foi técnica e mercadológica. Foram duas sessões pela manhã e duas à Tarde. O primeiro bloco do dia foi o de Inovações, que trouxe alguns dos últimos desenvolvimentos implantados em empresas australianas. Casos reais de idéias postas em práticas pelos industriais para melhorar seus negócios. Apresentações e palestrantes: Prevenção de incêndio em moinhos de martelos por Bill Trollope - Keith Engineering (Austrália); Medição de fluxo de farinhas de origem animal por Gwyn Askham - Kemin (Austrália); Mais com menos: consumo de energia otimizado para graxarias por David Kassulke - A.J. Bush & Sons (Austrália); Registro de dados do processamento em tempo real por James Kelly - Swift (Austrália). Em seguida, a sessão Foco no Cliente objetivou mercados especiais para gorduras e farinhas animais e os palestrantes apresentaram idéias de como melhorar os resultados produzindo produtos diversificados para nichos de mercado. Apresentações e palestrantes: Ingredientes para Pet Food agora e para o futuro por Mike Rodey - AFB International (Austrália); Derivados de sebo para requerimentos especiais por Mark Caddigan - Bakels Edible Oils NZ (Nova Zelândia); A dinâmica variante dos mercados de farinhas de origem animal por George Schinard - Gavilon (Austrália). A tarde de 29/07 começou com o tema de Meio Ambiente onde a aplicação da tecnologia vai ao encontro da melhoria das condições ambientais do Setor e da cadeia alimentar. Apresentações e palestrantes: Aplicações da recuperação de calor por Graeme Don - Rendertech (Nova Zelândia); Biogás a partir de resíduos orgânicos por Newton Samarakoon - Energy Action O encerramento dos trabalhos foi ocupado pela WRO que é a Organização Mundial das Indústrias de Processamento de Subprodutos de Origem Animal. Aqui se debateu o futuro da atividade e seu importante papel na cadeia de produção de carnes, garantindo segurança e sustentabilidade na reciclagem dos subprodutos de origem animal e como fornecedor de matérias primas para ração e combustíveis renováveis. As pesquisas no sentido de desenvolvimento de novas aplicações, bem como das argumentações científicas para a utilização de gorduras e proteínas animais constituem a base das ações. O desenvolvimento de padrões técnicos e a divulgação da imagem da atividade conforme descrito anteriormente encerram os objetivos da instituição para os próximos anos. Apresentações e palestrantes: Planejamento técnico da WRO por Stephen Woodgate - vice presidente da WRO (Reino Unido); Desenvolvimentos da Fundação de Pesquisas de Gorduras e Proteínas FPRF por Sérgio Nates - presidente da FPRF (Estados Unidos); Código de conduta para a WRO por Bill Spooncer - Kurrajong Meat (Austrália). O evento contou com aproximadamente 250 participantes e a ARA realiza o simpósio a cada dois anos. Adicionalmente há uma exposição de equipamentos e insumos por parte das empresas patrocinadoras.

18 34 35 Em Foco 7 7ª edição da Fenagra Em nova data e local, a feira já está com 90% dos stands reservados Fornecedores de matérias-primas para a indústria de ração animal, cosméticos, produtos de higiene e limpeza, combustíveis alternativos, entre outros, têm novamente um encontro marcado. Desta vez, a Fenagra, que chega em sua sétima edição, acontecerá entre os dias 08 e 09 de maio de 2012 em um novo local: no Espaço Frei Caneca de Convenções, em São Paulo (SP). A nove meses do evento, cerca de 90% dos stands já estão reservados, tendo um aumento de 15% no número de expositores. A 7ª Fenagra acontece juntamente com a 2ª Expo Pet Food feira que reúne importantes players do mercado, que apresentam novidades e tendências em equipamentos, insumos, rações, embalagens e demais itens. Novamente, em paralelo às feiras serão promovidos Congressos e Simpósios, ressaltando o caráter técnico do evento. O 11º Congresso Internacional de Graxarias, do SINCOBESP Sindicato Nacional dos Coletores e Beneficiadores de SubProdutos de Origem Animal terá o apoio e a colaboração na edição 2012, da ABRA - Associação de Reciclagem Animal. Mais uma vez, o evento se destaca pelo seu alcance internacional, reunindo empresas de países como: Itália, Argentina, Chile, Alemanha, Austrália, Nova Zelândia, Peru, Venezuela e USA. Também serão realizados o IV Congresso e XI Simpósio sobre Nutrição de Animais de Estimação, estes dois últimos de responsabilidade do CBNA Colégio Brasileiro de Nutrição Animal - que abordarão as últimas tendências do setor pet food. O caráter técnico das feiras, a qualificação dos visitantes e a união de dois mercados tão complementares quanto o de pet food e graxaria despontam como determinantes para o êxito e a consagração dos eventos. Mais informações poderão ser obtidas através do site:

19 36 Fonte: Departamento Estatístico da Editora Stilo. 37 De Olho No Mercado J. Moreira De olho no Mercado, e no jeitinho brasileiro Colaboração de Dados Aboissa, Sincobesp, Mapa. As informações destes índices são dados baseados no CIF- SP podendo variar um pouco para cima ou para baixo. Índices de mercado Nesta edição não vou falar de preços, de previsões ou expectativas para o próximo bimestre. Quero sim falar em um fator que para algumas empresas que estão usando um subterfúgio para renegociar o preço de uma carga depois que a mesma está no pátio aguardando descarga. Bem vamos aos fatos; Qual de vocês que já não recebeu um telefonema do departamento de qualidade de um cliente repassando os resultados da carga recebida, sendo que os mesmos diferem em muito daqueles que foram apurados pelo seu departamento de qualidade? Anunciado isto, o mesmo... É o famoso descontinho que diminui a já apertada margem de lucro... comunica que a empresa estará devolvendo a carga, mas que mediante a um desconto no valor desta inconformidade (seja ela: umidade, impurezas, sabões e ou acidez), o mesmo poderá ficar com a carga. Quando o cliente é novo acabamos por renegociar a carga para mantermos o relacionamento comercial. Mas o fato é que em algumas empresas isso se tornou rotina e muitas vezes, por custos que serão acrescidos, se retornarmos a carga para a origem ou enviarmos para outro cliente, acabamos cedendo o dito desconto. Algumas vezes mesmo sabendo da competência do setor de qualidade da nossa empresa, colocamos em cheque o setor ou o responsável pela coleta e analise do produto enviado pela falta de precisão no processo. Mas quando o fato se torna rotina e os clientes são sempre os mesmos, começamos a duvidar da veracidade e quiça da honestidade do cliente. Relações comercias duradouras dependem principalmente da confiança mútua entre os envolvidos. Casos como este desabonam qualquer empresa seja qual for o porte. Precisamos ficar atentos a este tipo de atitude e informar tais ações as associações seja o Sincobesp ou a Abra, para que seja repassado aos seus associados e juntos possam combater este tipo de atitude reprovável por parte de algumas empresas. Cabe também a empresa produtora a implantação de processos de controle de qualidade bem como a formação dos operadores. Assim quando a empresa expedir uma carga para qualquer que seja o cliente ela vai ter a certeza que seu produto está dentro dos mais rigorosos padrões de qualidade. É o famoso descontinho que diminui a já apertada margem de lucro, deixe de existir. Ate já.

20 38 39 Capa O Biodiesel brasileiro Por Lia Freire Embora as conquistas sejam relevantes e caminhe em direção à consolidação e amadurecimento do setor brasileiro de biodiesel, ainda há importantes desafios a serem superados A pós quase meio século de pesquisas sobre o combustível biodegradável derivado de fontes renováveis e muitas iniciativas para uso em testes, o Brasil foi um dos pioneiros ao registrar, na década de 80, a patente sobre o processo de produção do biodiesel. A lei nº , publicada em 13 de janeiro de 2005, introduziu o biodiesel na matriz energética brasileira e ampliou a competência administrativa da ANP, que passou desde então a denominar-se Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, assumindo as atribuições de especificar e fiscalizar a qualidade dos biocombustíveis e garantir o abastecimento do mercado, em defesa do interesse dos consumidores. A Agência também executa as diretrizes do Conselho Nacional de Política Energética para os biocombustíveis. Suas ações prioritárias são estabelecer as normas regulatórias, autorizar e fiscalizar as atividades relacionadas à produção, transporte, transferência, armazenagem, estocagem, importação, exportação, distribuição, revenda, comercialização, avaliação de conformidade e certificação dos biocombustíveis. Segundo dados fornecidos pela ANP, o Brasil está entre os maiores produtores e consumidores de biodiesel do mundo. Em 2010, a produção anual atingiu 2,4 bilhões de litros e a capacidade instalada registrou cerca de 5,8 bilhões de litros. Atualmente, há 67 plantas produtoras de biodiesel para operação no País, correspondendo a uma capacidade total autorizada de ,95 m3/dia. Destas 67 unidades, 61 possuem autorização para comercialização do biodiesel produzido, correspondendo a ,25 m3/ dia. Existem ainda 9 novas plantas para construção e 10 unidades autorizadas para ampliação de capacidade. Com a finalização das obras e posterior autorização para operação, a capacidade total poderá ser aumentada em 4.567,79 m 3 /dia. Até 2012, duas novas usinas de biocombustíveis De origem austríaca, a BDI que no ano de 2010 realizou uma joint venture no Brasil com a Tecnal, dando origem à BDI & Tecnal Tecnologia em Biodiesel Ltda, continua apostando no potencial do mercado brasileiro, muito embora o seu diretor comercial, Hannes Stabla, afirme que a capacidade instalada no País esteja acima da demanda no momento. No entanto, este cenário deve mudar, pois o governo aumentará a mistura obrigatória e as plantas industriais que trabalham com múltiplas matériasprimas já garantem um ótimo negócio. Com o know-how de quem já ergueu 31 plantas de biodiesel pelo mundo e foi a primeira a fornecer tecnologia industrial de produção de biodiesel a partir da gordura animal, a BDI é responsável por estudos de viabilidade, construção de plantas, treinamento e pósvenda. Costumo afirmar que a qualidade do biodiesel não depende da matéria-prima, mas da tecnologia de produção. Somos líderes mundiais na tecnologia de produção de biodiesel a partir de múltiplas matériasprimas (gorduras inferiores com alta acidez, óleo de cozinha usado, gorduras provenientes de separadores etc). Em termos de novas tecnologias não precisamos de óleos refinados, transformamos 1kg de matériaprima em 1kg de biodiesel, sem a perda de ácidos graxos livres, destaca Stabla. As próximas metas da BDI & Tecnal são até 2012 instalar duas plantas de biocombustíveis. Estamos em negociação para vários projetos e novos investimentos ficam no aguardo de um cronograma para o aumento da mistura obrigatória. Além disso, pretendemos investir, na tecnologia de biogás, comenta Stabla. B 5 Em 2008, de janeiro a junho, a mistura de 2% de biodiesel puro (B100) ao óleo diesel passou a ser obrigatória. Entre julho de 2008 a junho de 2009 passou para 3% e entre julho e dezembro de 2009 foi de 4%. Desde 2010, o biodiesel passou a ser adicionado ao óleo diesel na proporção de 5% em volume, conforme Resolução CNPE nº 6 de 16/09/2009. A venda do diesel BX nome desta mistura do óleo diesel derivado do petróleo e o percentual de 5% de biodiesel é obrigatória em todos os postos que revendem óleo diesel, sujeitos à fiscalização pela ANP. A contínua elevação do percentual de adição de biodiesel ao diesel demonstra o sucesso do Programa Nacional de Produção e Uso do Biodiesel (PNPB) e da experiência acumulada pelo Brasil na produção e no uso em larga escala de biocombustíveis. Mesmo com os muitos desafios a serem superados, o PNPB conseguiu superar metas. Em 2010 a mistura de biodiesel ao diesel já atingia 5% em todas as regiões do País, quando o estabelecido na legislação ambiental é que o índice fosse alcançado só em De acordo com Rodrigo Augusto Rodrigues, integrante da Casa Civil da Presidência da República Estamos em negociação para vários projetos. Também pretendemos investir na tecnologia de biogás, Hannes Stabla, da BDI & Tecnal Tecnologia.

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio MB ASSOCIADOS Perspectivas para o Agribusiness em 2011 e 2012 Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio 26 de Maio de 2011 1 1. Cenário Internacional 2. Cenário Doméstico 3. Impactos no Agronegócio 2 Crescimento

Leia mais

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007 ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES / 2007 1- Balança Comercial Mato Grosso continua tendo superávit na Balança Comercial registrando em 2007 um expressivo saldo de US$ 4,38 bilhões valor que representa

Leia mais

Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades. Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015

Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades. Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015 Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015 Cenário Macro Econômico Brasileiro 2015 Economia em forte e crescente desequilibrio Deficit Fiscal 2014

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS PARTICIPAÇÃO NA PRODUÇÃO Produção de carnes NACIONAL - USDA - mil ton DO COMPLEXO CARNES - 2014 Carne Bovina

Leia mais

Agronegócio Internacional

Agronegócio Internacional Boletim do Agronegócio Internacional Agronegócio Internacional Recordistas de vendas no valor total exportado pelo Brasil jan-jul 2014/2013 Edição 03 - Agosto de 2014 O agronegócio representou 44% das

Leia mais

Brasil e Estados Unidos avançam na reabertura de mercado para carne bovina in natura

Brasil e Estados Unidos avançam na reabertura de mercado para carne bovina in natura Edição 14 - Julho de 2015 Brasil e Estados Unidos avançam na reabertura de mercado para carne bovina in natura A presidente Dilma Rousseff esteve nos Estados Unidos, de 27 de junho a 1º de julho, onde

Leia mais

2014: Um ano de vitórias para o agronegócio

2014: Um ano de vitórias para o agronegócio Edição 08 - Janeiro de 2015 2014: Um ano de vitórias para o agronegócio Esta edição do Boletim do Agronegócio Internacional dedica atenção especial à análise do comércio exterior do setor em 2014. A agricultura

Leia mais

Alta do dólar reforça aumento dos custos de produção

Alta do dólar reforça aumento dos custos de produção Alta do dólar reforça aumento dos custos de produção Por Prof. Dr. Sergio De Zen e Graziela Correr; Equipe Pecuária de Corte Se, de um lado, a forte alta do dólar frente ao Real tem contribuído para elevar

Leia mais

Conjuntura Macroeconômica e Setorial

Conjuntura Macroeconômica e Setorial Conjuntura Macroeconômica e Setorial O ano de 2012 foi um ano desafiador para a indústria mundial de carnes. Apesar de uma crescente demanda por alimentos impulsionada pela contínua expansão da renda em

Leia mais

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS NO AGRONEGÓCIO EM 1. RESULTADO

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

Responsabilidades Secretaria de Defesa Agropecuária

Responsabilidades Secretaria de Defesa Agropecuária Responsabilidades Secretaria de Defesa Agropecuária Prevenção, controle e erradicação de doenças e pragas animais e vegetais de interesse econômico e de importância para a saúde pública. Assegurar a sanidade,

Leia mais

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO GRÃOS: SOJA, MILHO, TRIGO e ARROZ TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 NO BRASIL E NO MUNDO Carlos Cogo Setembro/2012 PRODUÇÃO MUNDIAL DEVE RECUAR 4,1% NA SAFRA 2012/2013 ESTOQUES FINAIS MUNDIAIS DEVEM

Leia mais

JBS DAY Apresentação dos Resultados do 3T13 14 de Novembro de 2013

JBS DAY Apresentação dos Resultados do 3T13 14 de Novembro de 2013 JBS DAY Apresentação dos Resultados do 3T13 14 de Novembro de 2013 Apresentadores Wesley Batista Presidente Global da JBS André Nogueira Presidente da JBS USA Miguel Gularte Presidente da JBS Mercosul

Leia mais

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os Desempenho da Agroindústria em 2004 Em 2004, a agroindústria obteve crescimento de 5,3%, marca mais elevada da série histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003),

Leia mais

O potencial da carne bovina brasileira nos circuitos não aftósicos

O potencial da carne bovina brasileira nos circuitos não aftósicos O potencial da carne bovina brasileira nos circuitos não aftósicos Professor: Raphael Rocha Formado em Administração, especialista em Marketing, pela UFRJ, com MBA em Gestão de Negócios, Comércio e Operações

Leia mais

Edição 44 (Abril/2014)

Edição 44 (Abril/2014) Edição 44 (Abril/2014) Cenário Econômico: Prévia da inflação tem maior alta desde janeiro de 2013 O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15), considerado a prévia da inflação oficial,

Leia mais

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL Em 2011: Registrou incremento de 5,2% Em 2011, o setor cresceu 5,2%, movimentou R$ 40 bilhões em insumos e produziu 64,5 milhões de toneladas de ração e 2,35milhões de suplementos

Leia mais

China: crise ou mudança permanente?

China: crise ou mudança permanente? INFORMATIVO n.º 36 AGOSTO de 2015 China: crise ou mudança permanente? Fabiana D Atri* Quatro grandes frustrações e incertezas com a China em pouco mais de um mês: forte correção da bolsa, depreciação do

Leia mais

Courobusiness em Alagoas

Courobusiness em Alagoas Courobusiness em Alagoas Descrição Atração e instalação de empreendimentos de curtumes para o desenvolvimento e consolidação da cadeia produtiva do couro no Estado de Alagoas. Entidades responsáveis Célula

Leia mais

Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria

Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria VII Seminário ABMR&A da Cadeia Produtiva de Carne Bovina Feicorte 2007 Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria Médica Veterinária Andréa Veríssimo M. Appl. Sc. Farm Management Lincoln

Leia mais

CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16

CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16 CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16 A Companhia Nacional do Abastecimento (Conab), divulgou recentemente sua primeira estimativa para a safra brasileira

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

Boletim de Comércio Exterior da Bahia Abril 2013

Boletim de Comércio Exterior da Bahia Abril 2013 ISSN 2179-8745 Boletim de Comércio Exterior da Bahia Abril 2013 Sumário SUMÁRIO Governo do Estado da Bahia Jaques Wagner Secretaria do Planejamento José Sergio Gabrielli Superintendência de Estudos Econômicos

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Agosto 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores:

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores: SEGURIDADE ALIMENTARIA: apuesta por la agricultura familiar Seminario: Crisis alimentaria y energética: oportunidades y desafios para América Latina e el Caribe O cenário mundial coloca os preços agrícolas

Leia mais

Balança Comercial 2003

Balança Comercial 2003 Balança Comercial 2003 26 de janeiro de 2004 O saldo da balança comercial atingiu US$24,8 bilhões em 2003, o melhor resultado anual já alcançado no comércio exterior brasileiro. As exportações somaram

Leia mais

$ $ À espera da competitividade

$ $ À espera da competitividade etanol À espera da competitividade foi mais um ano de sufoco para o setor sucroalcooleiro, que ainda sente os reflexos da crise de 2008, que deixou as usinas sem crédito, justamente quando haviam assumido

Leia mais

Mercado do Boi Gordo

Mercado do Boi Gordo Mercado do Boi Gordo Perspectivas para os próximos anos SIC Esteio - RS Agosto 2006 Fabiano R. Tito Rosa Scot Consultoria Índice 1. Brasil: país pecuário 2. Comportamento dos preços internos 3. Perspectivas

Leia mais

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL.

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 1 BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. PROGRAMA NACIONAL DE PRODUÇÃO E USO DO BIODIESEL Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 2 BIODIESEL. A ENERGIA PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

CONJUNTURA ECONÔMICA

CONJUNTURA ECONÔMICA CONJUNTURA ECONÔMICA O mês de março de 2015 foi marcado pelo anúncio dos principais resultados da economia de 2014 e deste início de 2015. Dentre eles destacaramse o PIB, taxa de desemprego nas principais

Leia mais

O Preço do Leite Volta a Subir Sinalizando Boas Perspectivas para 2010

O Preço do Leite Volta a Subir Sinalizando Boas Perspectivas para 2010 O Preço do Leite Volta a Subir Sinalizando Boas Perspectivas para 2010 Ézio José Gomes O preço do litro de leite pago ao produtor vem se recuperando rapidamente nesse início de ano, obtendo uma alta de

Leia mais

JURANDI MACHADO - DIRETOR. Cenário Carnes 2014/2015

JURANDI MACHADO - DIRETOR. Cenário Carnes 2014/2015 JURANDI MACHADO - DIRETOR Cenário Carnes 2014/2015 Oferta e Demanda de Carne Suína CARNE SUÍNA 2014 (a)* no Mundo (Mil toneladas) 2015 (b)* Var % (b/a) PRODUÇÃO 110.606 111.845 1,12 CONSUMO 109.882 111.174

Leia mais

MERCADO LÁCTEO. O Papel da Indústria na Conquista de Mercados Alexandre Guerra Presidente. 2015: Um ano de margens ajustadas

MERCADO LÁCTEO. O Papel da Indústria na Conquista de Mercados Alexandre Guerra Presidente. 2015: Um ano de margens ajustadas MERCADO LÁCTEO O Papel da Indústria na Conquista de Mercados Alexandre Guerra Presidente 2015: Um ano de margens ajustadas -1,18 PIB 2015 Previsão de 2,8% em janeiro de 2014 8,26% Previsão Inflação 2015

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

INDÚSTRIA DE ALIMENTOS DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE ALIMENTOS OUTUBRO DE 2015 PRODUTOS INDÚSTRIA DE ALIMENTOS NO BRASIL 2012 EXPORTAÇÕES US$ 43 Bilhões (23%) 23% Ásia 22% União Europeia FATURAMENTO

Leia mais

Evolução Recente dos Preços dos Alimentos e Combustíveis e suas Implicações

Evolução Recente dos Preços dos Alimentos e Combustíveis e suas Implicações 1 ASSESSORIA EM FINANÇAS PÚBLICAS E ECONOMIA PSDB/ITV NOTA PARA DEBATE INTERNO (não reflete necessariamente a posição das instituições) N : 153/2008 Data: 27.08.08 Versão: 1 Tema: Título: Macroeconomia

Leia mais

Palestras Scot Consultoria

Palestras Scot Consultoria Palestras Scot Consultoria índice palestras scot consultoria As melhores e mais fiéis informações de mercado vão até você temas 3 pecuária de corte e seus derivados temas 5 pecuária de leite e derivados

Leia mais

Release conjunto. Projeto que une educação e sustentabilidade será lançado em Palotina

Release conjunto. Projeto que une educação e sustentabilidade será lançado em Palotina Release conjunto L Projeto que une educação e sustentabilidade será lançado em Palotina Alunos e professores das redes pública e privada de ensino receberão 3.899 livros do Atlas Ambiental Mata Viva, projeto

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: PIB e Juros... Pág.3 Europa: Recuperação e Grécia... Pág.4

Leia mais

LUCRO DA PERDIGÃO CRESCE 174% EM 2007. Novos negócios respaldaram o bom desempenho operacional da empresa

LUCRO DA PERDIGÃO CRESCE 174% EM 2007. Novos negócios respaldaram o bom desempenho operacional da empresa LUCRO DA PERDIGÃO CRESCE 174% EM 2007 Novos negócios respaldaram o bom desempenho operacional da empresa A Perdigão encerrou 2007 com faturamento bruto de R$ 7,8 bilhões, valor 27,6% superior ao registrado

Leia mais

Tendências para o mercado de ovos e outras commodities Lygia Pimentel é médica veterinária e consultora pela Agrifatto

Tendências para o mercado de ovos e outras commodities Lygia Pimentel é médica veterinária e consultora pela Agrifatto Tendências para o mercado de ovos e outras commodities Lygia Pimentel é médica veterinária e consultora pela Agrifatto Para analisar qualquer mercado é importante entender primeiramente o contexto no qual

Leia mais

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária fevereiro de 2013. 1 - Considerações Iniciais A Suinocultura é uma das atividades da agropecuária mais difundida e produzida no mundo. O porco, espécie

Leia mais

Especialistas apontam obstáculos e soluções para o Brasil avançar

Especialistas apontam obstáculos e soluções para o Brasil avançar AGENDA BAHIA Especialistas apontam obstáculos e soluções para o Brasil avançar Além das reformas tributária e trabalhista, país precisa investir em infraestrutura eficaz, na redução do custo da energia

Leia mais

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento agronegócio brasileiro em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento 2010 ranking Ranking Brasileiro da Produção e Exportação Fonte: USDA e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

Boletim de Comércio Exterior da Bahia Janeiro 2014

Boletim de Comércio Exterior da Bahia Janeiro 2014 ISSN 2179-8745 Boletim de Comércio Exterior da Bahia Janeiro 2014 Sumário SUMÁRIO Governo do Estado da Bahia Jaques Wagner Secretaria do Planejamento José Sergio Gabrielli Superintendência de Estudos Econômicos

Leia mais

INTEGRAÇÃO CONTRATUAL

INTEGRAÇÃO CONTRATUAL INTEGRAÇÃO CONTRATUAL Uma Estratégia de Acesso ao Mercado Internacional Pedro Viana Borges Esp. Pol. Públicas P e Gestão Governamental Internacionalização de Cooperativas Integração Regional no Mercosul

Leia mais

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO PANORAMA SEMANA DE 21 A 25 DE SETEMBRO de 2009 Semana de preço estável no mercado de Boi Gordo no Rio Grande do Sul, com o preço encerrando a semana a R$ 4,61/kg carcaça.

Leia mais

BRASIL. Francisca Peixoto

BRASIL. Francisca Peixoto BRASIL Francisca Peixoto INTRODUÇÃO BRASIL Um dos principais fornecedores de alimentos e matériasprimas do mundo Dotação única em recursos naturais Política agropecuária alinhada com estratégia nacional

Leia mais

PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA E CONSUMO INTERNO BRASILEIRO

PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA E CONSUMO INTERNO BRASILEIRO PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA E CONSUMO INTERNO BRASILEIRO WESP-GUTERRES, Caroline 1 ; TEIXEIRA, José Domingos Lemos 1 ; ARALDI,Daniele Furian 2 Palavras-Chave: Brasil. Consumo de carne. Bovinocultura. Introdução

Leia mais

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA O uso da terra no Brasil Evolução das Áreas de Produção Milhões de hectares 1960 1975 1985 1995 2006 Var.

Leia mais

Carlos Eduardo Rocha Paulista Grupo JBS S/A. Desafio da Industria Brasileira

Carlos Eduardo Rocha Paulista Grupo JBS S/A. Desafio da Industria Brasileira Carlos Eduardo Rocha Paulista Grupo JBS S/A Desafio da Industria Brasileira Carlos Eduardo Rocha Paulista Zootecnista FAZU Msc. Melhoramento Genético UNESP MBA em Marketing FEA USP AUSMEAT Curso de Formação

Leia mais

Inovar para competir. Competir para crescer.

Inovar para competir. Competir para crescer. Inovar para competir. Competir para crescer. Plano 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Plano 2011/2014 sumário Plano Brasil Maior...7 Dimensões do Plano...8 Dimensão Estruturante...11

Leia mais

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios João Ricardo Albanez Superintendente de Política e Economia Agrícola, Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de

Leia mais

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 7 7 de fevereiro de 2007

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 7 7 de fevereiro de 2007 M A C R O C H I N A Ano Nº 7 7 de fevereiro de 7 Síntese gráfica trimestral do comércio bilateral e do desempenho macroeconômico chinês - Consolidado de. Em, a China registrou o maior crescimento anual

Leia mais

Assessoria de Imprensa

Assessoria de Imprensa Assessoria de Imprensa Alex Branco Neto MTB: 12.834 Telefone:(11) 3021 4830 e mail: alex.branco@uol.com.br Release Um Grupo 100% brasileiro Somos o principal Grupo de capital nacional no processamento

Leia mais

Panorama Mundial (2013)

Panorama Mundial (2013) Panorama Mundial (2013) Produção mundial alcançou US$ 444 bilhões em 2013; Mesmo com os efeitos da crise internacional, registra 85% de crescimento desde 2004, a uma taxa média de 7% ao ano; 54% da produção

Leia mais

Terça-feira, 25 de Agosto de 2015. DESTAQUES

Terça-feira, 25 de Agosto de 2015. DESTAQUES DESTAQUES Bovespa cai ao nível de 2009 com tensão global CCR tem expectativa positiva de crescimento para o próximo ano Ações PNA da Vale fecham na menor cotação desde 2006 Corte de produção na China e

Leia mais

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015 Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 O cenário econômico nacional em 2014 A inflação foi superior ao centro da meta pelo quinto

Leia mais

Intercooperação para Acesso a Mercados

Intercooperação para Acesso a Mercados Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e Cooperativismo Departamento de Cooperativismo e Associativismo Rural Intercooperação para Acesso a Mercados

Leia mais

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita)

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita) Fornecer aos agentes envolvidos no agronegócio, notadamente as indústrias de insumos agropecuários e de alimentos, além dos produtores, Governo e academia, informações estratégicas sobre a dinâmica futura

Leia mais

5 Case Stara. Cristiano Buss *

5 Case Stara. Cristiano Buss * Cristiano Buss * Fundada em 1960, a Stara é uma fabricante de máquinas agrícolas. De origem familiar, está instalada em Não-Me-Toque, no norte do Estado; Em seis anos, cresceu 11 vezes, com baixo nível

Leia mais

EMPRESAS PERDIGÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO- 3º trimestre de 2002

EMPRESAS PERDIGÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO- 3º trimestre de 2002 EMPRESAS PERDIGÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO- 3º trimestre de 2002 Senhores Acionistas, A conjuntura política nacional continuou gerando turbulências no mercado, aumentando significativamente o risco do

Leia mais

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer A demanda crescente nos mercados interno e externo por combustíveis renováveis, especialmente o álcool, atrai novos investimentos para a formação

Leia mais

20 de agosto de 2013. Xisto muda geopolítica da energia

20 de agosto de 2013. Xisto muda geopolítica da energia 20 de agosto de 2013 Xisto muda geopolítica da energia A "revolução do xisto" em curso nos Estados Unidos, que já despertou investimento de US$ 100 bilhões na indústria americana, vai resultar em uma nova

Leia mais

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro estimado pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e pelo Centro de Estudos Avançados

Leia mais

OPORTUNIDADES PARA A PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL

OPORTUNIDADES PARA A PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL OPORTUNIDADES PARA A PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL 1. Produção de Leite Rodrigo Sant`Anna Alvim 1 O Brasil conta com um setor leiteiro que vem crescendo substancialmente nos últimos anos. Grande importador

Leia mais

O que esperar do mercado de leite no Brasil e no mundo

O que esperar do mercado de leite no Brasil e no mundo O que esperar Desenvolver do do mercado de de leite no no e fortalecer Brasil e o e no agronegócio no mundo O que esperar do mercado de leite no Rafael Ribeiro de Lima Filho zootecnista Scot Consultoria

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA 580 5.3 EXPORTAÇÃO: ESTRUTURA E DESEMPENHO RECENTE José Antônio Nicolau * As vendas no mercado externo são um tradicional indicador de competitividade de empresas e setores produtivos. Ainda que seja resultado

Leia mais

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 ROSEMEIRE SANTOS Superintendente Técnica Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária

Leia mais

Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais

Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais m³ ANÁLISE MENSAL DO MERCADO DE BIODIESEL: EDIÇÃO Nº 6 - JULHO DE 2013 A, documento elaborado pela Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais ABIOVE, possui o intuito de levar ao mercado informações

Leia mais

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES Agosto/15 Análise de Competitividade Rações Resumo da Cadeia de Valores Painel de Indicadores de Monitoramento da Competitividade Setorial Percepção empresarial da competitividade

Leia mais

Aagropecuária responde por quase

Aagropecuária responde por quase P o r L A U R O V E I G A F I L H O Aagropecuária responde por quase 10% do Produto Interno Bruto (PIB) do Pará e gera riquezas de praticamente R$ 3,9 bilhões, segundo estudo da Scot Consultoria, com base

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

Economia, Estado da Indústria e Perspectivas. Apresentação para: SIMPESC. Joinville Março de 2010

Economia, Estado da Indústria e Perspectivas. Apresentação para: SIMPESC. Joinville Março de 2010 INDÚSTRIA PETROQUÍMICA E DE PLÁSTICOS Economia, Estado da Indústria e Perspectivas Apresentação para: SIMPESC Joinville Março de 2010 MaxiQuim Assessoria de Mercado Criada em 1995 Base em Porto Alegre

Leia mais

Receita com exportação de carne de frango é recorde nos primeiros oito meses de 2015

Receita com exportação de carne de frango é recorde nos primeiros oito meses de 2015 Receita com exportação de carne de frango é recorde nos primeiros oito meses de 2015 Por Prof. Dr. Sergio De Zen, Camila Brito Ortelan e Marcos Debatin Iguma e Equipe Aves/Cepea Nos primeiros oito meses

Leia mais

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado Políticas Públicas Lélio de Lima Prado Política Cambial dez/03 abr/04 ago/04 dez/04 abr/05 ago/05 Evolução das Reservas internacionais (Em US$ bilhões) dez/05 abr/06 ago/06 dez/06 abr/07 ago/07 dez/07

Leia mais

ANGUS: Fábio Schuler Medeiros. Médico Veterinário, D. Sc Gerente Nacional do Programa Carne Angus Certificada Associação Brasileira de Angus

ANGUS: Fábio Schuler Medeiros. Médico Veterinário, D. Sc Gerente Nacional do Programa Carne Angus Certificada Associação Brasileira de Angus ANGUS: Rentabilidade e mercado Fábio Schuler Medeiros Médico Veterinário, D. Sc Gerente Nacional do Programa Carne Angus Certificada Associação Brasileira de Angus Nossos Questionamentos... Como está a

Leia mais

O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO E O SETOR DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 E OS CENÁRIOS DE LONGO PRAZO Carlos Cogo Agosto/2012 LA NIÑA PROVOCA FORTES QUEBRAS EM SAFRAS DE GRÃOS O

Leia mais

Aumento do consumo mundial de alimentos é destaque nas Nações Unidas

Aumento do consumo mundial de alimentos é destaque nas Nações Unidas Edição 04 - Outubro de 2014 Aumento do consumo mundial de alimentos é destaque nas Nações Unidas Mais de 100 milhões de pessoas deixaram de passar fome na última década. É o que revela o relatório O estado

Leia mais

A CADEIA PRODUTIVA DO LEITE

A CADEIA PRODUTIVA DO LEITE 25 Roberto H. Jank Jr. 1 A CADEIA PRODUTIVA DO LEITE SÍNTESE RETROSPECTIVA O Brasil é o sexto maior produtor mundial de leite e deverá ser o terceiro nos próximos 5 anos, mantidas as nossas atuais taxas

Leia mais

Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil

Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil Ézio José Gomes Os dados do último Censo Agropecuário do IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, de 2006

Leia mais

- 300. Saldo BC Importações Importações s/gás Exportações

- 300. Saldo BC Importações Importações s/gás Exportações Carta de Conjuntura nº2 Dezembro de 2015 Setor Externo As cotações do dólar recuaram em relação aos últimos meses, chegando a taxa média em novembro a ficar em R$ 3,77, cerca de 2,77% abaixo da taxa média

Leia mais

Participação da agropecuária nas exportações totais (IPEA)

Participação da agropecuária nas exportações totais (IPEA) Alicia Ruiz Olalde Participação da agropecuária nas exportações totais (IPEA) Exportações Agronegócio (CEPEA) Em 2012, a receita das exportações do agronegócio brasileiro alcançou US$ 97 bilhões. Em 2014,

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento Duarte Vilela chgeral@cnpgl.embrapa.br Audiência Pública - 18/05/2010 Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Tópicos Economia Americana: Confiança em baixa Pág.3 EUA X Japão Pág. 4 Mercados Emergentes: China segue apertando as condições monetárias Pág.5 Economia Brasileira:

Leia mais

Fonte: MAPA e RFA/USA. Elaboração: INTL FCStone

Fonte: MAPA e RFA/USA. Elaboração: INTL FCStone Commodity Insight Agosto de 2013 Analistas Thadeu Silva Diretor de Inteligência de Mercado Thadeu.silva@intlfcstone.com Pedro Verges Analista de Mercado Pedro.verges@intlfcstone.com Natália Orlovicin Analista

Leia mais

SEMINÁRIO INSTITUTO FERNANDO HENRIQUE CARDOSO (ifhc)

SEMINÁRIO INSTITUTO FERNANDO HENRIQUE CARDOSO (ifhc) SEMINÁRIO INSTITUTO FERNANDO HENRIQUE CARDOSO (ifhc) O novo mundo rural e o desenvolvimento do Brasil Marcos Sawaya Jank Diretor Executivo Global de Assuntos Corporativos São Paulo, 12 de novembro de 2014

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: JULHO/2011 CEPEA - SOJA I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Diferenciais de preços 2. Estimativa do valor das alternativas

Leia mais

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 Mercado Internacional Em 2007, a produção anual de milho atingiu quase 720 milhões de tonelada (Tabela 1), quando os Estados Unidos,

Leia mais

Agronegócio. Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ. Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze. 41 3379 8719 brandalizze@uol.com.

Agronegócio. Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ. Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze. 41 3379 8719 brandalizze@uol.com. Agronegócio Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze 41 3379 8719 brandalizze@uol.com.br GRÃOS Produção (milhões de T. USDA - Fevereiro de 2014; Projeções

Leia mais

GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA.

GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA. EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA. GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS Consultores Legislativos da Área X Agricultura e Política Rural MARÇO/2009

Leia mais

Panorama da Economia Brasileira. Carta de Conjuntura do IPEA

Panorama da Economia Brasileira. Carta de Conjuntura do IPEA : Carta de Conjuntura do IPEA Apresentadoras: PET - Economia - UnB 25 de maio de 2012 1 Nível de atividade 2 Mercado de trabalho 3 4 5 Crédito e mercado financeiro 6 Finanças públicas Balanço de Riscos

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

Por que o Agronegócio é o Negócio do Brasil?

Por que o Agronegócio é o Negócio do Brasil? Por que o Agronegócio é o Negócio do Brasil? Prof. Samuel Ribeiro Giordano, Dr.Sc. Coordenador de Projetos do Pensa Programa de Agronegócios da Universidade de São Paulo-Brasil srgiorda@usp.br www.fia.com.br/pensa

Leia mais

Carta aos Investidores 2º Trimestre de 2011

Carta aos Investidores 2º Trimestre de 2011 31 de Dezembro de 2010 Prezado Investidor, Devido a um acontecimento específico, e de grande influência no resultado de nossa carteira, esta carta trimestral dará maior ênfase a uma empresa mais relevante

Leia mais

Site Terra, 05 de Junho de 2013

Site Terra, 05 de Junho de 2013 Site Terra, 05 de Junho de 2013 Mesmo com data para acabar, lixões subsistem no Brasil. Mais da metade dos municípios brasileiros não impõe a destinação adequada ao lixo. Assim, cerca de 75 mil toneladas

Leia mais