fls. 776 Se impresso, para conferncia acesse o site informe o processo e o cdigo 353F682.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "fls. 776 Se impresso, para conferncia acesse o site http://esaj.tjsc.jus.br/esaj, informe o processo 0300287-79.2015.8.24.0175 e o cdigo 353F682."

Transcrição

1 fls. 776

2 fls. 777

3 fls. 778

4 fls. 779

5 fls. 780

6 fls. 781

7 fls. 782

8 fls /107 LAUDODEAVALIAÇÃO ECONÔMICA

9 fls /107 Códigodoimóvel NomedoImóvel Endereço Bairro Cidade UF Proprietário Documento RegistrodeImóveis Ocupante Tipodeocupação Valordo complexo industrial Valorpatrimonial GoodwillValue IDENTIFICAÇÃO TramontoImóvel RodoviaMunicipalMarlenePiazzaZuchinali,s/n. Industrial MorroGrandeSC PROPRIEDADE TRAMONTOAGROINDUSTRIALS.A. Matrículas26.252,26.253,26.254,26.255,26.256,26.257e RegistrodeImóveisdaComarcadeTurvoSC. JBSFrangosul Locatário Áreadosterrenos Áreaconstruída ÁREASDOIMÓVEL ,00 m² ,44 m² VALORES R$ ,00 Trintaeseismilhões,duzentosenoventaequatromilreais. VALORDECOMPOSTO R$ ,00(Trintaetrêsmilhões,seiscentosenoventaesetemilreais). R$ ,00(Doismilhões,quinhentosenoventaesetemilreais)

10 fls /107 LAUDODEAVALIAÇÃOECONÔMICA 1. SOLICITANTE TRAMONTOAGROINDUSTRIALS.A. 2. PROPRIETÁRIO TRAMONTOAGROINDUSTRIALS.A. 3. OCUPANTE JBSFRANGOSUL 4. FINALIDADE SUBSIDIARNEGOCIAÇÃO 5. OBJETIVO Oobjetivodopresentelaudoédeterminarovalordemercadodocomplexoindustrial. 6. OBJETO OobjetodaavaliaçãoéocomplexoindustrialdenominadoTramonto.Ocomplexoseformaapartir dosterrenosdasmatrículas26.252,26.253,26.254,26.255,26.256,26.257e todasdo RegistrodeImóveisdaComarcadeTurvoSC edasbenfeitoriasnelesedificadas. OsimóveisselocalizamàRod.MunicipalMarlenePiazzaZuchinali(prolongamentodaAv.Rui Barbosa),s/n,nobairroIndustrial,dacidadedeMorroGrandeSC. Áreadeterrenode ,00m². Áreaconstruídade10.856,44m².

11 fls / PRESSUPOSTOS,RESSALVASEFATORESLIMITANTES 7.1.PRESSUPOSTOS EsteLaudofundamentasenoqueestabelecemasnormastécnicasdaABNT,Avaliaçãode Bens,registradasnoINMETROcomoNBR14653 Parte1(ProcedimentosGerais),Parte2 (ImóveisUrbanos)eParte4(Empreendimentos). Nadeterminaçãodovalorconsiderasequetodaadocumentaçãopertinenteencontrase correta e devidamente regularizada, e que o(s) imóvel(eis) objeto estão livres e desembaraçadosdequaisquerônus,emcondiçõesdeseremimediatamentecomercializados oulocados. Os custos de regularização e a perda de valor por ônus ou condição dominial não são consideradosnadeterminaçãodovalordoimóvel,salvoquandoexplicitadosnoscálculos; podendoestarinseridosnadeterminaçãodovalorfinalouapresentadosàparte. 7.2.RESSALVAS Aavaliaçãoeconômicaéapartedaavaliaçãodocomplexoindustrialquedeterminaoseu valordemercado. Odetalhamentodacomposiçãodocomplexoindustrial(terreno,benfeitorias,máquinase equipamentosedemaisitens)constadolaudodeavaliaçãopatrimonial. Olaudodeavaliaçãopatrimonialconstituivolumeàparte. OcomplexoindustrialéformadopeloAbatedourodeFrangosepelaFábricadeRação. Ofocodopresentetrabalhoédeterminaromaiorvalorqueocomplexopodeatingirno mercado,sobosolhosdaconcorrênciadosetor,otimizandoseascaracterísticasespecíficas daantigaadministração. 7.3.FATORESLIMITANTES Aavaliaçãosebaseia: Nadocumentaçãofornecida,constituídapor:balancetesde2010,2011e2012,relatórios gerenciais de produção de carnes de aves, consumo de insumos, produção de ração, alojamentodepintosegastosprincipais. Eminformaçõesconstatadasinlocoquandodavistoriadoimóvel,realizadanosdias25,26e 27denovembrode2013. Eminformaçõesdosetor:UBABEF,ABEF,APA,AAVIOPAR,CEPA,EPAGRI,FGVDados. Sendoque: SerãocotejadososdadosdoAbatedouroTramontoedoAbatedouroJBScomasinformações dosetor. Serãoadotadososparâmetrosmaispróximosdarealidadedoabatedourosobopontode vistadeinvestidorexterno.

12 fls / IDENTIFICAÇÃOECARACTERIZAÇÃODOABATEDOURO

13 fls /107

14 fls / DIAGNÓSTICODEMERCADO (Fontes:UBABEF,AnuárioBrasileirodaPecuáriaedeAveseSuínos,DeloitteToucheThomatsu) O sistema de integração implantado nos anos viabilizou a consolidação da produção em cadeia, harmonizando a ativ idade dos criadores com a dos abatedouros. Estima-se que 90% da avicultura industrial brasileira esteja sob o sistema integrado entre produtores e frigoríficos. Essa integração consiste em um apoio permanente aos avicultores com o assessoramento de agrônomos, veterinários, técnicos rurais, fornecimento de ração, medicamentos e pintos de um dia. Aos produtores cabe criar as aves de acordo com as melhores práticas de produção e de acordo com as mais rígidas normas de bem-estar animal, biosseguridade e sanidade. Tais regras são monitoradas de perto pelas empresas integradoras, garantindo a rastreabilidade do produto da granja à mesa do consumidor. A produção de carne de frango chegou a 12,645 milhões de toneladas em 2012, em uma redução de 3,17% em relação a O Brasil manteve a posição de maior exportador mundial e de terceiro maior produtor de carne de frango, atrás dos Estados Unidos e da China. Do volume total de frangos produzido pelo país, 69% foi destinado ao consumo interno, e 31% para exportações. Com isto, o consumo per capita de carne de frango atingiu 45 quilos por pessoa. A produção de carne bovina no Brasil deve seguir média de crescimento anual de 2,1% por 10 anos, segundo o estudo Projeções do Agronegócio Brasileiro 2011/12 a 2021/22, realizado pela Assessoria de Gestão Estratégica do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). A carne bovina só deve ser superada, neste complexo,pela carne de frango, que crescerá o dobro: 4,2% ao ano. Estes volumes garantem o abastecimento do mercado interno e o crescimento das exportações.

15 fls /107 As projeções do consumo mostram que o mercado interno absorverá 9,4 milhões de toneladas de carne bovina nos próximos nove anos. Assim, o produto assumirá o segundo lugar no aumento do consumo doméstico, com taxa anual projetada de 2%, entre os ciclos 2011/12 e 2021/22, assumindo uma condição que era da carne suína, mas ainda atrás das estimativas de aumento do consumo de frango. O Mapa prevê quadro favorável para as exportações de carnes brasileiras. Neste quesito, a carne bovina é superada em volumes pelas cadeias produtivas de frango e de suínos. É na hora da fome que as aves e os suínos no Brasil sentem a angústia dos custos de produção. Não fosse a elevação nos valores que a cadeia precisa dispender pelo milho e pelo farelo de soja e certamente todo o panorama estaria mais tranquilo. A avicultura, por exemplo, registrou em 2011 o melhor desempenho de sua história, superando as 13 milhões de toneladas de carne de frango. A suinocultura, que vinha em escala de recuperação desde 2010, graças ao incremento no consumo interno, também havia fixado planos arrojados, que, no entanto, esbarram no equilíbrio das contas justamente para alimentar as criações. Para a avicultura, o mercado internacional já é terreno perfeitamente conhecido, diante do excelente desempenho que esse segmento vem tendo nas exportações. Em 2011, o resultado financeiro uma vez mais reafirmou essa forte competitividade, com 21,2% de crescimento em relação a No entanto, e uma vez mais, são os custos de produção, especialmente os associados à ração, que, em 2012, inibem a margem de ganhos. Mas é especialmente na suinocultura, que torcia por um ano normal e estável para firmar sua trajetória de retomada, que esse aspecto interfere mais drasticamente. Este cenário de expectativa em relação ao desempenho de produção e de comércio nos setores de aves e de suínos coloca em alerta diversas regiões do Brasil, fortemente apoiadas sobre a socioeconomia destas duas cadeias. Situadas entre as criações animais que registram as maiores demandas de grãos para a composição de rações, ao desempenho delas, por exemplo, está sempre atrelada a lavoura nacional, especialmente a de milho, mas também a de soja. Assim, se aves e suínos enfrentam alguma dificuldade, seja na criação, seja na conquista de mercados, os grãos veem a demanda recuar ou estagnar. No entanto, a forte e crescente inserção do Brasil, nos últimos anos, em todos os negócios internacionais associados à produção primária criou um ambiente em que não apenas as carnes, mas também os grãos, começam a ser exportados em grande escala. Em todos esses nichos, a tendência é de que os brasileiros precisarão, sim, ampliar sua produção, seja por expansão da própria estrutura de produção, seja agregando mais produtividade por área, no que a pesquisa e a tecnologia ocupam papel central. Tanto nos grãos, que alimentam os animais, quanto nas carnes, o Brasil se tornou referência global. Cumpre aos setores público e privado equalizar os interesses dos segmentos fornecedores de matéria-prima para rações e dos industriais das áreas de produção para que todos possam aproveitar ao máximo suas potencialidades de mercado. Afinal de contas, na hora da fome, ter alimento garantido não é apenas uma preocupação de aves e de suínos.

16 fls /107 Asopçõesdeusodocomplexosão: manterousocomocomplexoindustrialfrigorífico; Concluiseque: Osetorpassaporumperíodoestável,considerandoumaquedaem2012,númerosestáveisem 2013eboasexpectativasparaosexportadoresem2014comoaumentodacotaçãododólar. Existeumaconcentraçãonosetorquetrazvantagensedesvantagensparaacomercialização docomplexoavaliando. Ocomplexoindustrialéclassificadodentrodosetor,emfunçãodassuascaracterísticas físicasedasualocalizaçãocomodebaixaliquidez.

17 fls / METODOLOGIA AsmetodologiasdeavaliaçãoutilizadassãoasconstantesdanormadeavaliaçãodebensNBR esãoaplicadasconformeotipodoimóvel,omercadoimobiliárioemqueeleseinsereeoobjetivo daavaliação. Para a determinação do valor de mercado é aplicado o Método da Renda. O Método de CapitalizaçãodaRendaestádescritonaNBR :2004daABNT,sobotítulode:AvaliaçãodeBens Parte4:Empreendimentos. OMétododaRendasebaseianacapitalizaçãodarendalíquidaqueobemproduzirá.Conhecidaa rendaprovenientedeumcapital,estepoderáserdeterminado.ocritériodovaloreconômicousaesta mesmadefiniçãodequeovalordeumconjuntodeproduçãodecorredasuacapacidadedegerarrenda.o valoreconômicoéovalordoconjuntoproduzindoouemcondiçõesdeproduzir. NocálculodoValorEconômico, supondoumempreendimentosemcustosfinanceirosanômalos ou disfunções administrativas e considerado um fundo de amortização que torne teoricamente o investimento perpétuo, temos que o lucro final anual conhecido de um conjunto corresponde ao rendimentodeumcapital,queaplicadonomercadofinanceiroataxaeriscosnormaisvigentes,épossível deserdeterminado DESENVOLVIMENTODAMETODOLOGIA Definiçãodasvariáveiseparâmetrosespecíficosparaoempreendimentoemquestãoemfunção dosdadoshistóricos,dasituaçãoatualedasprojeçõesconjunturaisdosetor. Estabelecimentodoperfildasreceitasedespesasoperacionais,paraamontagemdofluxodecaixa queinclui,alémdoresultadooperacional,oresultadonãooperacional,adepreciaçãocontábil,atributação dolucroeocálculodocapitaldegironecessário. Construçãodecenáriospessimistaseotimistas,visandomonitorarascondiçõesdeviabilidadedo empreendimento,trazendosubsídiosàdeterminaçãodovaloreconômico. Estatísticadosvalorescalculadosparadefiniçãodovaloradotado.

18 fls / PARÂMETROSPESQUISADOSECALCULADOS Osparâmetrosnecessáriosàformaçãodofluxodecaixasedesenvolvematravésdasplanilhasde preparaçãodofluxo.sãodadospesquisadosecalculados,cujomemorialdecálculoéasequênciadas planilhasconstantesdosanexosdestelaudo:insumos1,despesas2,despesas3,despesas4,despesas5, td.centro.de.custo.int,td.centro.de.custo.amb,capacidade,receitas1,receitas2,receitas3,pacientedia, atendimentoesetor.asplanilhastêmcomobaseosdadosobtidosdosetordehospitaisedeinformações doprópriohospitalavaliando INSUMOSEDESPESAS Fornecidososbalancetesmensaisde2010,2011e2012daTramontomaisasinformaçõesde gastosprincipaisdajbsem2013,planilhasetodososgastosdoabatedouro,comoplanodecontas aberto,corrigindoseosvalorespeloigpmepelosaláriomínimoconformeanaturezadascontas contábeis. As contas contábeis são classificadas em insumos, demais insumos, despesas fixas, despesas variáveis,nãooperacionaisetributárias.osimpostossãocalculadosdiretamentenofluxo,bemcomoo consumodeinsumosapartirdobalançodemassadaproduçãoadotada. Ofluxodecaixaincluiocálculodocapitaldegironecessário,nãoapropriandoosjurosdecorrentes decapitalemprestado.osfinanciamentos,ouoseussaldos,devemserdiminuídosdovalorfinalda avaliaçãoeconômica,poisovaloreconômicoconsideraofluxodecaixalivre,sempassivosdequalquer ordem. Os custos diretos são calculados separadamente. As despesas não operacionais não são consideradaseasdespesasfixasevariáveissãoclassificadasdentrodoplanodecontas PRODUÇÃO Partindose da planilha Alojamento, onde são verificados os números de pintos de um dia alojadosparacomparaçãocomonúmerodecabeçasabatidas,passaseàplanilha Produção.Nela sãoapuradosasquantidadesdoscortesdefrangoproduzidas,oqueformaabasedasreceitasdo abatedouro. Sãoverificadososrendimentosobtidospeloabatedouroemcomparaçãocomamédiadosetor.As relaçõesentreaproduçãoeoconsumoderaçãosãocalculadaspara,apartirdaquantidadeproduzida sedefiniraquantidadeconsumida. Comooabatedourotrabalhanosistemadeintegração,osinsumosnãosãoosfrangosvivos,mas simaquantidadepintosdeumdia,demilho,farelodesojaeoutrosinsumosdasrações,osgastoscom embalagenseovalorpagoaosavicultoresporkgdefrangovivoabatido.

19 fls / PREÇOS Aplanilha preços defineovalorutilizadonofluxoparaquantificarasreceitaseoscustosbásicos docomplexoindustrial. Uma vez calculadas as quantidades a valorização em reais das receitas e dos custos se dá precificandocadaumdosparâmetrosdofluxodecaixadoabatedouro.sendoessaabasedosvalores quegeramofluxodecaixa BALANÇODEMASSA Obalançodemassaéoinversodorendimento.Partindosedaquantidadeproduzida,queéo quantoaindústriaconseguecolocarnomercado,calculaseasquantidadesconsumidas,limitadasà capacidadeinstaladadocomplexo. Osnúmeroscalculadosapartirdasinformaçõesfornecidassãocomparadoscomamédiadosetor, obtendoseparâmetrospráticosefactíveisparaageraçãodofluxodecaixa DEMAISPARÂMETROS Paraopresenteestudoastaxasutilizadassão: Taxaderemuneração=11,0% Taxaderisco=4,0% OresultadoéumaTMAde15,44%.Ataxaassumevalorpróximodeoutrosestudosdeabatedouros efrangoefrigoríficosenãofogedataxabásicadejurospraticadanopaís,devendosempreser superioraela.ataxaderiscoéaltaemcomparaçãoaoutrossetores,maséconsideradaadequadaao tipodonegócio. ComoreferênciaparaaTMAtemseavaliaçõesdeplantasindustriaisdaBRFemqueaTMAfica entre12%e14%.considerandoseosproblemasfísicosdaplantademorrograndeeaposição relativamentedesfavoráveldestacidade,ataxade15,44%temsuaaplicaçãojustificada. Paraumataxadedescontode15,44%,lucroslíquidosqueocorremdepoisde33anosrepresentam menosde1%novalorpresente.asprojeçõeslimitamse,nomáximo,a5anos.osvaloresapóso5º. anoatéo33º.anocompõemovalorresidualdofluxodecaixa. Ocapitaldegironecessáriofoicalculadoemfunçãodasnecessidadesedasdisponibilidadesde cadaitemdedespesaedereceitaemfunçãodotemponoestoque,dopercentualdecompraevendaa prazoedoprazomédiodepagamentoerecebimento.

20 fls / PLANILHASDOFLUXODECAIXA DADOSDOCENÁRIOBÁSICO Produtos:entradadetodososprodutoscomercializadoscomaquantidadevendidano1 o. ano,osincrementosparao2 o.,3 o.,4 o.,5 o.edemaisanos,oanolimitedeincremento,os preçosnosmercadosinternoeexterno,avariaçãodopreçoaolongodofluxo,oanolimite destavariaçãoeopercentualdevendasnomercadoexterno,dentrodaufeforadauf. Insumos Principais: entrada dos insumos principais consumidos com a quantidade compradano1 o.ano,osincrementosparao2 o.,3 o.,4 o.,5 o.edemaisanos,oanolimitede incremento,ospreçosnosmercadosinternoeexterno,avariaçãodopreçoaolongodo fluxo,oanolimitedestavariaçãoeopercentualdevendasnomercadoexterno,dentroda UFeforadaUF RECEITAS Demais Insumos: entrada do demais insumos consumidos, em R$, proporcionais à produção. Receitas:valorequantidadedecadaserviçoeproduto(separadamentedentroeforada UFeexportação) IMPOSTOS CUSTOS ImpostosServiços:alíquotaseimpostosincidentessobreaprestaçãodeserviços. Impostos Produtos:alíquotaseimpostosincidentessobreavendadeprodutos(paraPIS ecofinscontagráficaalíquotalíquidanatabeladeprodutos). Impostos DemaisInsumos:alíquotaseimpostosincidentes(crédito)sobreacomprade mercadorias. CustosVariáveis:contasem%dareceitabruta. CustosFixos:despesasfixasemR$. CustosTotais:cálculodasdespesascominsumos,impostosecustosfixosevariáveis,em R$,paraofluxoprojetado.

21 fls / CAPITALDEGIRO Capital de Giro: cálculo do valor do capital de giro conforme necessidades e disponibilidades FLUXODECAIXA FluxodeCaixa:fluxodecaixaprojetadodoempreendimento,seguindoaordemdereceita bruta,impostosereceitalíquida.custosfixos,variáveisedemanutençãoeresultado operacional.valorizaçãofinanceira,depreciaçãocontábilelucrotributável.impostode renda,contribuiçãosocial,capitaldegiroelucrolíquido RESULTADO CENÁRIOBÁSICO

22 fls / VALORES VALORECONÔMICO Conformeopresentelaudo. Valoreconômico=R$ ,00 (Trintaeseismilhões,duzentosenoventaequatromilreais) VALORPATRIMONIAL ConformeoLaudodeAvaliaçãoPatrimonial. Valorpatrimonial=R$ ,00 (Trintaetrêsmilhões,seiscentosenoventaesetemilreais) VALORDOGOODWILL GoodwillValue=Valoreconômico Valorpatrimonial. GoodwillValue= , ,00 GoodwillValue=R$ ,00 (Doismilhões,quinhentosenoventaesetemilreais). 14.ESPECIFICAÇÃODAAVALIAÇÃO AVALIAÇÃOECONÔMICA MétododaRenda GraudeFundamentaçãoII

23 fls / CONCLUSÃO Valoreconômicodocomplexoindustrial:R$ ,00 Trintaeseismilhões,duzentosenoventaequatromilreais. Valorpatrimonialdocomplexoindustrial:R$ ,00 Trintaetrêsmilhões,seiscentosenoventaesetemilreais. Valordogoodwill:R$ ,00 Doismilhões,quinhentosenoventaesetemilreais. ObservasequeovaloreconômicoéoValordeMercadodoComplexoIndustrial. Observase que as máquinas de propriedade da JBS dentro do complexo somam R$ ,00(Quatromilhões,setecentosecinquentaedoismilreais). 16.ANEXOS Anexo1 Parâmetrospesquisadosecalculados Anexo2 Planilhasdofluxodecaixa Anexo3 Modeloestatísticodediárias Anexo4 Especificaçãodaavaliação Anexo5Documentos 17.ENCERRAMENTO Localedata Curitiba,20dedezembrode ResponsávelTécnico Profissional: EduardodaCostaSilveira Título: EngenheiroCivil CREA: PR26.769/D

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os Desempenho da Agroindústria em 2004 Em 2004, a agroindústria obteve crescimento de 5,3%, marca mais elevada da série histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003),

Leia mais

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL Em 2011: Registrou incremento de 5,2% Em 2011, o setor cresceu 5,2%, movimentou R$ 40 bilhões em insumos e produziu 64,5 milhões de toneladas de ração e 2,35milhões de suplementos

Leia mais

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 AGE - ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA Chefe da AGE: Derli Dossa. E-mail: derli.dossa@agricultura.gov.br Equipe Técnica: José Garcia Gasques. E-mail: jose.gasques@agricultura.gov.br

Leia mais

Indústria avícola paranaense

Indústria avícola paranaense Indústria avícola paranaense Evoluçã o do consumo de fãrelo de sojã e milho pãrã criãçã o de frãngos no Pãrãnã Ana Luiza Lodi analuiza.lodi@intlfcstone.com Thadeu Silva thadeu.silva@intlfcstone.com Natália

Leia mais

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita)

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita) Fornecer aos agentes envolvidos no agronegócio, notadamente as indústrias de insumos agropecuários e de alimentos, além dos produtores, Governo e academia, informações estratégicas sobre a dinâmica futura

Leia mais

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária fevereiro de 2013. 1 - Considerações Iniciais A Suinocultura é uma das atividades da agropecuária mais difundida e produzida no mundo. O porco, espécie

Leia mais

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007 ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES / 2007 1- Balança Comercial Mato Grosso continua tendo superávit na Balança Comercial registrando em 2007 um expressivo saldo de US$ 4,38 bilhões valor que representa

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES Agosto/15 Análise de Competitividade Rações Resumo da Cadeia de Valores Painel de Indicadores de Monitoramento da Competitividade Setorial Percepção empresarial da competitividade

Leia mais

BOVINOCULTURA DE CORTE

BOVINOCULTURA DE CORTE ISS 36-9 BOVINOCULTURA DE CORTE Os preços médios da arroba do boi e da vaca, em Mato Grosso do Sul, no mês de fevereiro, foram de R$8,8 e R$,99, respectivamente. Em relação ao mês anterior, houve um avanço

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO E O SETOR DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 E OS CENÁRIOS DE LONGO PRAZO Carlos Cogo Agosto/2012 LA NIÑA PROVOCA FORTES QUEBRAS EM SAFRAS DE GRÃOS O

Leia mais

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento agronegócio brasileiro em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento 2010 ranking Ranking Brasileiro da Produção e Exportação Fonte: USDA e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

Palestras Scot Consultoria

Palestras Scot Consultoria Palestras Scot Consultoria índice palestras scot consultoria As melhores e mais fiéis informações de mercado vão até você temas 3 pecuária de corte e seus derivados temas 5 pecuária de leite e derivados

Leia mais

BRASIL. Francisca Peixoto

BRASIL. Francisca Peixoto BRASIL Francisca Peixoto INTRODUÇÃO BRASIL Um dos principais fornecedores de alimentos e matériasprimas do mundo Dotação única em recursos naturais Política agropecuária alinhada com estratégia nacional

Leia mais

Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009.

Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009. Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009. Para os produtores de sorgo o ano de 2008 pode ser considerado como bom. As condições climatológicas foram favoráveis durante todo o ciclo

Leia mais

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Super-safra norte-americana Em seu boletim de oferta e demanda mundial de setembro o Usda reestimou para cima suas projeções para a safra 2007/08.

Leia mais

SEMINÁRIO INSTITUTO FERNANDO HENRIQUE CARDOSO (ifhc)

SEMINÁRIO INSTITUTO FERNANDO HENRIQUE CARDOSO (ifhc) SEMINÁRIO INSTITUTO FERNANDO HENRIQUE CARDOSO (ifhc) O novo mundo rural e o desenvolvimento do Brasil Marcos Sawaya Jank Diretor Executivo Global de Assuntos Corporativos São Paulo, 12 de novembro de 2014

Leia mais

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente:

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente: REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Requer o envio de Indicação ao Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento, no sentido de implantar um Programa de Redução de Perdas de Produtos Agrícolas. Senhor

Leia mais

A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL

A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL Jonas Irineu dos Santos Filho Pesquisador da Embrapa Suínos e Aves O consumo de proteína animal no mundo

Leia mais

AVICULTURA DE CORTE. José Euler Valeriano. Avicultor 2015 Belo Horizonte MG 25/06/2015

AVICULTURA DE CORTE. José Euler Valeriano. Avicultor 2015 Belo Horizonte MG 25/06/2015 BEM ESTAR ANIMAL - O FUTURO AVICULTURA DE CORTE José Euler Valeriano Avicultor 2015 Belo Horizonte MG 25/06/2015 BEA BEM ESTAR ANIMAL Como definir BEM ESTAR? O animal precisa encontrar no meio ambiente

Leia mais

Tributação na Indústria de Óleos Vegetais

Tributação na Indústria de Óleos Vegetais Câmara Setorial da Soja MAPA Tributação na Indústria de Óleos Vegetais Fabio Trigueirinho Secretário Geral Goiânia GO 12 de agosto de 2011 Estrutura da Apresentação Cadeia de produção da soja e seus derivados

Leia mais

Conjuntura Macroeconômica e Setorial

Conjuntura Macroeconômica e Setorial Conjuntura Macroeconômica e Setorial O ano de 2012 foi um ano desafiador para a indústria mundial de carnes. Apesar de uma crescente demanda por alimentos impulsionada pela contínua expansão da renda em

Leia mais

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA O uso da terra no Brasil Evolução das Áreas de Produção Milhões de hectares 1960 1975 1985 1995 2006 Var.

Leia mais

CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16

CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16 CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16 A Companhia Nacional do Abastecimento (Conab), divulgou recentemente sua primeira estimativa para a safra brasileira

Leia mais

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO Agropecuária É o termo utilizado para designar as atividades da agricultura e da pecuária A agropecuária é uma das atividades mais antigas econômicas

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012 I - Resultados do mês Em junho de 2012 as exportações

Leia mais

LUCRO DA PERDIGÃO CRESCE 174% EM 2007. Novos negócios respaldaram o bom desempenho operacional da empresa

LUCRO DA PERDIGÃO CRESCE 174% EM 2007. Novos negócios respaldaram o bom desempenho operacional da empresa LUCRO DA PERDIGÃO CRESCE 174% EM 2007 Novos negócios respaldaram o bom desempenho operacional da empresa A Perdigão encerrou 2007 com faturamento bruto de R$ 7,8 bilhões, valor 27,6% superior ao registrado

Leia mais

Índice de Confiança do Agronegócio

Índice de Confiança do Agronegócio Índice de Confiança do Agronegócio Terceiro Trimestre 2014 Principais Resultados:» Índice de Confiança do Agronegócio» Índice da Indústria (antes e depois da porteira)» Índice do Produtor Agropecuário

Leia mais

JURANDI MACHADO - DIRETOR. Cenário Carnes 2014/2015

JURANDI MACHADO - DIRETOR. Cenário Carnes 2014/2015 JURANDI MACHADO - DIRETOR Cenário Carnes 2014/2015 Oferta e Demanda de Carne Suína CARNE SUÍNA 2014 (a)* no Mundo (Mil toneladas) 2015 (b)* Var % (b/a) PRODUÇÃO 110.606 111.845 1,12 CONSUMO 109.882 111.174

Leia mais

Conjuntura e perspectivas. Panorama do mercado de extração de óleos

Conjuntura e perspectivas. Panorama do mercado de extração de óleos Conjuntura e perspectivas Panorama do mercado de extração de óleos I Simpósio Tecnológico PBIO de Extração de Óleos Vegetais Daniel Furlan Amaral Economista Rio de Janeiro - RJ 03 Dezembro 2009 Roteiro

Leia mais

AGROINDÚSTRIA. Milho BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO PRODUÇÃO E ÁREA PLANTADA

AGROINDÚSTRIA. Milho BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO PRODUÇÃO E ÁREA PLANTADA AGROINDÚSTRIA BNDES FINAME BNDESPAR ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO Milho O milho é, hoje, a segunda maior cultura no mundo, perdendo apenas para o trigo. A produção do milho

Leia mais

Figura 01 - Evolução das exportações de suínos de Santa Catarina no período de 2010 a 2014 - US$ Milhões.

Figura 01 - Evolução das exportações de suínos de Santa Catarina no período de 2010 a 2014 - US$ Milhões. Crise na Ucrânia: dificuldades e potencialidades para o setor de carne suína e milho em Santa Catarina Glaucia Padrão, Dr.ª Analista de Economia, Epagri/Cepa Reney Dorow, Msc. Analista de Mercado, Epagri/Cepa

Leia mais

Programa Alta Gestação promove democratização da inseminação artificial em ovinos no Brasil

Programa Alta Gestação promove democratização da inseminação artificial em ovinos no Brasil Programa Alta Gestação promove democratização da inseminação artificial em ovinos no Brasil Parceria entre Alta Genetics, Pfizer e Sérgio Nadal promete acelerar os rebanhos comerciais do país. A carne

Leia mais

O mercado de carnes suínas Tendências a 2021. Osler Desouzart osler@odconsulting.com.br

O mercado de carnes suínas Tendências a 2021. Osler Desouzart osler@odconsulting.com.br O mercado de carnes suínas Tendências a 2021 Osler Desouzart osler@odconsulting.com.br A produção de alimentos superou o crescimento demográfico. E continuará superando no futuro Macro tendências a 2021

Leia mais

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio Software de Gestão Rural ADM Rural 4G 2011 ADM Rural 4G Agenda de Apresentação E Empresa Planejar O Software ADM Rural 4G Diferenciais Benefícios em

Leia mais

Introdução a avicultura

Introdução a avicultura Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Exatas e Ambientais Curso de Agronomia Introdução a avicultura Profª. Valdirene Zabot AVICULTURA NO BRASIL E NO MUNDO Introdução Início do

Leia mais

SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS PARA A COTURNICULTURA NO BRASIL

SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS PARA A COTURNICULTURA NO BRASIL SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS PARA A COTURNICULTURA NO BRASIL Antonio Gilberto Bertechini Professor Titular-UFLA Introdução O agronegócio tem tido papel fundamental para a economia brasileira e representa

Leia mais

Financiamento ao Agronegócio. Internacionalização da Agroindústria

Financiamento ao Agronegócio. Internacionalização da Agroindústria Financiamento ao Agronegócio Internacionalização da Agroindústria BRF Visão Geral BRF Principais Key Brands Marcas Dados Financeiros 3 Uma das maiores empresas de alimentos do Brasil e do mundo 7 a maior

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA ÍNDICE PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO...

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS ÍNDICES ZOOTÉCNICOS DOS INTEGRADOS DA EMPRESA FRANGO AMERICANO

AVALIAÇÃO DOS ÍNDICES ZOOTÉCNICOS DOS INTEGRADOS DA EMPRESA FRANGO AMERICANO AVALIAÇÃO DOS ÍNDICES ZOOTÉCNICOS DOS INTEGRADOS DA EMPRESA FRANGO AMERICANO INTRODUÇÃO O sistema de integração surgiu em Santa Catarina no início dos anos de 196 e é definido como uma parceria existente

Leia mais

CENÁRIO GLOBAL DE CARNES (FRANGO E SUÍNO) E MILHO

CENÁRIO GLOBAL DE CARNES (FRANGO E SUÍNO) E MILHO CENÁRIO GLOBAL DE CARNES (FRANGO E SUÍNO) E MILHO Leonardo Sologuren Céleres Junho de 2008 Cresce o consumo de proteína animal no BRIC BRASIL RÚSSIA 108 4,000 60 3.000 kg/habitante/ano 90 72 54 36 18 3,800

Leia mais

PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA E CONSUMO INTERNO BRASILEIRO

PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA E CONSUMO INTERNO BRASILEIRO PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA E CONSUMO INTERNO BRASILEIRO WESP-GUTERRES, Caroline 1 ; TEIXEIRA, José Domingos Lemos 1 ; ARALDI,Daniele Furian 2 Palavras-Chave: Brasil. Consumo de carne. Bovinocultura. Introdução

Leia mais

Milho Perspectivas do mercado 2011/12

Milho Perspectivas do mercado 2011/12 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA Milho Perspectivas do mercado 2011/12 março de 2012 Milho - Oferta e Demanda - Mundo milhões de t. Safras 2008/09 2009/10

Leia mais

Guilherme Augusto Vieira,MV,MSc

Guilherme Augusto Vieira,MV,MSc Guilherme Augusto Vieira,MV,MSc Doutorando História das Ciências UFBA,UEFS ABA QUALYAGRO PEC NORDESTE 2013 Guilherme Augusto Vieira gavet@uol.com.br Agronegócio Contexto Pessoal Início trabalhos com Agronegócio

Leia mais

Agronegócio Internacional

Agronegócio Internacional Boletim do Agronegócio Internacional Agronegócio Internacional Recordistas de vendas no valor total exportado pelo Brasil jan-jul 2014/2013 Edição 03 - Agosto de 2014 O agronegócio representou 44% das

Leia mais

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira Clusters para exportação sustentável nas cadeias produtivas da carne bovina e soja Eng Agrônomo Lucas Galvan Diretor

Leia mais

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia 6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia Complementando o que foi exposto sobre a gerência da cadeia de suprimentos analisada no Capítulo 3, através de

Leia mais

Alta do dólar reforça aumento dos custos de produção

Alta do dólar reforça aumento dos custos de produção Alta do dólar reforça aumento dos custos de produção Por Prof. Dr. Sergio De Zen e Graziela Correr; Equipe Pecuária de Corte Se, de um lado, a forte alta do dólar frente ao Real tem contribuído para elevar

Leia mais

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS NO AGRONEGÓCIO EM 1. RESULTADO

Leia mais

2009 PASSADO A LIMPO ALIMENTAÇÃO ANIMAL PRODUÇÃO 2009 E PROJEÇÕES 2010 PARTICIPAÇÃO DA DEMANDA POR ESPÉCIE EM 2009. Boletim Trimestral Maio 2010

2009 PASSADO A LIMPO ALIMENTAÇÃO ANIMAL PRODUÇÃO 2009 E PROJEÇÕES 2010 PARTICIPAÇÃO DA DEMANDA POR ESPÉCIE EM 2009. Boletim Trimestral Maio 2010 Boletim Trimestral Maio 2010 2009 PASSADO A LIMPO O ano de 2009 foi turbulento para toda a atividade econômica global e o setor de alimentação animal não foi exceção nem nos Estados Unidos sequer na União

Leia mais

Milho Período: 16 a 20/03/2015

Milho Período: 16 a 20/03/2015 Milho Período: 16 a 20/03/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,2434 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais

Agronegócios: conceitos e dimensões. Prof. Paulo Medeiros

Agronegócios: conceitos e dimensões. Prof. Paulo Medeiros Agronegócios: conceitos e dimensões Prof. Paulo Medeiros Agricultura e Agronegócios Durante milhares de anos, as atividades agropecuárias sobreviveram de forma muito extrativista, retirando o que natureza

Leia mais

Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol

Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol Oficina Sustentabilidade do Bioetanol 25 e 26 de fevereiro de 2010 Brasília Miguel Taube Netto UniSoma Luis Franco de Campos Pinto UniSoma Estudo

Leia mais

Levantamentos do custo de produção da avicultura e suas repercussões

Levantamentos do custo de produção da avicultura e suas repercussões Levantamentos do custo de produção da avicultura e suas repercussões Celso F. D. Doliveira Médico Veterinário DTE - FAEP Brasília - 2012 1 "QUEM NÃO SABE QUANTO GASTA, NÃO SABE QUANTO GANHA" 2 Parceria

Leia mais

Café Sustentável. Riqueza do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento CAPA. MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO.

Café Sustentável. Riqueza do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento CAPA. MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO. 12 MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO.indd 12-1 CAPA 1 30.10.09 16:08:10 Data (M/D/A): 10/30/09 Contato: (61) 3344-8502 Formato (F): 200x200 mm Formato (A): 400x200 mm Data (M/D/A): 10/30/09 Ministério

Leia mais

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), realiza sistematicamente

Leia mais

Os resultados do segundo trimestre e primeiro semestre de 2014 consolidam as Empresas BRF S.A.

Os resultados do segundo trimestre e primeiro semestre de 2014 consolidam as Empresas BRF S.A. BRF RESULTADOS 2T14 Os resultados do segundo trimestre e primeiro semestre de 2014 consolidam as Empresas BRF S.A. As declarações contidas neste relatório relativas à perspectiva dos negócios da Empresa,

Leia mais

Os Benefícios do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel (PNPB) para a sociedade e suas perspectivas para os próximos anos.

Os Benefícios do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel (PNPB) para a sociedade e suas perspectivas para os próximos anos. Os Benefícios do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel (PNPB) para a sociedade e suas perspectivas para os próximos anos. Industria Matéria-prima Mão de obra Saúde e Meio Ambiente Economia 2

Leia mais

A importância das exportações de serviços e da internacionalização das empresas brasileiras

A importância das exportações de serviços e da internacionalização das empresas brasileiras A importância das exportações de serviços e da internacionalização das empresas brasileiras Guido Mantega Presidente - BNDES 25 o ENAEX- Novembro/2005 www.bndes.gov.br 1 Inserção do Brasil na Globalização

Leia mais

GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA.

GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA. EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA. GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS Consultores Legislativos da Área X Agricultura e Política Rural MARÇO/2009

Leia mais

O que esperar do mercado de leite no Brasil e no mundo

O que esperar do mercado de leite no Brasil e no mundo O que esperar Desenvolver do do mercado de de leite no no e fortalecer Brasil e o e no agronegócio no mundo O que esperar do mercado de leite no Rafael Ribeiro de Lima Filho zootecnista Scot Consultoria

Leia mais

Por que o Agronegócio é o Negócio do Brasil?

Por que o Agronegócio é o Negócio do Brasil? Por que o Agronegócio é o Negócio do Brasil? Prof. Samuel Ribeiro Giordano, Dr.Sc. Coordenador de Projetos do Pensa Programa de Agronegócios da Universidade de São Paulo-Brasil srgiorda@usp.br www.fia.com.br/pensa

Leia mais

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado AGROSSÍNTESE Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado Edilson de Oliveira Santos 1 1 Mestre em Economia, Gestor Governamental da SEAGRI; e-mail: edilsonsantos@seagri.ba.gov.br

Leia mais

SETOR EQÜINO MOVIMENTA R$ 7,3 BILHÕES POR ANO

SETOR EQÜINO MOVIMENTA R$ 7,3 BILHÕES POR ANO SETOR EQÜINO MOVIMENTA R$ 7,3 BILHÕES POR ANO Pio Guerra 1, Sidney Almeida Filgueira de Medeiros 2 A importância dos eqüinos para o desenvolvimento do Brasil pode ser observada desde os tempos do Brasil-Colônia,

Leia mais

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro estimado pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e pelo Centro de Estudos Avançados

Leia mais

ANGUS: Fábio Schuler Medeiros. Médico Veterinário, D. Sc Gerente Nacional do Programa Carne Angus Certificada Associação Brasileira de Angus

ANGUS: Fábio Schuler Medeiros. Médico Veterinário, D. Sc Gerente Nacional do Programa Carne Angus Certificada Associação Brasileira de Angus ANGUS: Rentabilidade e mercado Fábio Schuler Medeiros Médico Veterinário, D. Sc Gerente Nacional do Programa Carne Angus Certificada Associação Brasileira de Angus Nossos Questionamentos... Como está a

Leia mais

CUSTOS DE PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS PARANÁ

CUSTOS DE PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS PARANÁ CUSTOS DE PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS PARANÁ Curitiba, 2007 ÍNDICE CUSTO DE PRODUÇÃO DE FRANGO DE CORTE... 1 I CARACTERÍSTICAS DA PROPRIEDADE... 1 II CARACTERÍSTICAS DA EXPLORAÇÃO... 1 III CONSTRUÇÕES...

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Crise não afeta lucratividade dos principais bancos no Brasil 1 Lucro dos maiores bancos privados

Leia mais

Análise da vigilância para Peste Suína Clássica (PSC) na zona livre

Análise da vigilância para Peste Suína Clássica (PSC) na zona livre Análise da vigilância para Peste Suína Clássica (PSC) na zona livre Feira de Santana, 05 de maio de 2015 FFA Abel Ricieri Guareschi Neto Serviço de Saúde Animal Superintendência MAPA no PR Amparo legal

Leia mais

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL IMPORTÂNCIA ECONOMICA 1- Exportações em 2014: Mais de US$ 100 bilhões de dólares; 2- Contribui com aproximadamente 23% do PIB brasileiro; 3- São mais de 1 trilhão de Reais e

Leia mais

AGROINDÚSTRIA. O BNDES e a Agroindústria em 1998 BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO 1.

AGROINDÚSTRIA. O BNDES e a Agroindústria em 1998 BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO 1. AGROINDÚSTRIA BNDES FINAME BNDESPAR ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 O BNDES e a Agroindústria em 1998 INTRODUÇÃO Este informe apresenta os principais dados sobre os desembolsos do BNDES

Leia mais

Elaboração e Análise de Projetos

Elaboração e Análise de Projetos Elaboração e Análise de Projetos Plano do Projeto: Diagnóstico (Planejamento) Estudo de Mercado Engenharia do Projeto Avaliação Planejamento Estratégico Tecnologia e tamanho do Investimento Projeto é:

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

Cadeia Produtiva do Leite. Médio Integrado em Agroindústria

Cadeia Produtiva do Leite. Médio Integrado em Agroindústria Médio Integrado em Agroindústria A importância da cadeia do leite A cadeia do leite e de seus derivados desempenha papel relevante no suprimento de alimentos e na geração de emprego e renda, se igualando

Leia mais

DO OUTRO, O AGRONEGÓCIO PRODUZ UM PAÍS CADA VEZ MAIS FORTE.

DO OUTRO, O AGRONEGÓCIO PRODUZ UM PAÍS CADA VEZ MAIS FORTE. PRODUTOR RURAL: fale com o gerente do seu banco e saiba como ter acesso aos créditos e benefícios do Plano Agrícola e Pecuário 2014/2015. DO OUTRO, O AGRONEGÓCIO PRODUZ UM PAÍS CADA VEZ MAIS FORTE. Para

Leia mais

Milho Período: 11 a 15/05/2015

Milho Período: 11 a 15/05/2015 Milho Período: 11 a 15/05/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,0203 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais

Conexões Sustentáveis São Paulo Amazônia Quem se beneficia com a destruição da Amazônia Edição 2011

Conexões Sustentáveis São Paulo Amazônia Quem se beneficia com a destruição da Amazônia Edição 2011 Caso: O desmatamento ilegal do bife Link: http://reporterbrasil.org.br/conexoes/?p=147 Íntegra do posicionamento das empresas JBS Friboi 1) Quais as ações realizadas pela empresa para evitar, em sua cadeia

Leia mais

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Outubro de 2012. MUNDO O milho é o cereal mais produzido no mundo. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção média do

Leia mais

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 ROSEMEIRE SANTOS Superintendente Técnica Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária

Leia mais

Tendências comerciais da pecuária de corte no cenário muncial

Tendências comerciais da pecuária de corte no cenário muncial Tendências comerciais da pecuária de corte no cenário muncial Ivan Wedekin Diretor de Produtos do Agronegócio e Energia ENIPEC Encontro Internacional dos Negócios da Pecuária 1 Brasil o gigante da pecuária

Leia mais

SEBRAE/AL Edital 01/2015 ERRATA 02 Credenciamento de Pessoas Jurídicas para compor o Cadastro de Consultores e Instrutores do Sistema SEBRAE

SEBRAE/AL Edital 01/2015 ERRATA 02 Credenciamento de Pessoas Jurídicas para compor o Cadastro de Consultores e Instrutores do Sistema SEBRAE SEBRAE/AL Edital 01/2015 ERRATA 02 Credenciamento de Pessoas Jurídicas para compor o Cadastro de Consultores e Instrutores do Sistema SEBRAE O Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado de

Leia mais

Agronegócio. Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ. Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze. 41 3379 8719 brandalizze@uol.com.

Agronegócio. Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ. Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze. 41 3379 8719 brandalizze@uol.com. Agronegócio Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze 41 3379 8719 brandalizze@uol.com.br GRÃOS Produção (milhões de T. USDA - Fevereiro de 2014; Projeções

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Eduardo Pereira Nunes Elisio Contini Apresentação à Diretoria da ABAG 13 de setembro de 2000 - São Paulo O PROBLEMA Controvérsias sobre contribuição

Leia mais

Nossa História. Ajudando o mundo a produzir os alimentos de que precisa

Nossa História. Ajudando o mundo a produzir os alimentos de que precisa Nossa História Ajudando o mundo a produzir os alimentos de que precisa O desafio é imenso: acabar com a fome, dobrar a produção de alimentos até 2050 e ajudar a reduzir o impacto ambiental da agricultura

Leia mais

JOGO DOS 4 ERROS - ANALISANDO UM NOVO INVESTIMENTO: ONDE ESTÃO OS 4 ERROS?

JOGO DOS 4 ERROS - ANALISANDO UM NOVO INVESTIMENTO: ONDE ESTÃO OS 4 ERROS? JOGO DOS 4 ERROS - ANALISANDO UM NOVO INVESTIMENTO: ONDE ESTÃO OS 4 ERROS? Análise este novo investimento Onde estão os 4 erros? Justifique Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor

Leia mais

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro - 2º Congresso Florestal do Tocantins - André Luiz Campos de Andrade, Me. Gerente Executivo de Economia e Mercados do Serviço Florestal

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL LAPESUI

INFORMATIVO MENSAL LAPESUI INFORMATIVO MENSAL LAPESUI Maio de 2013 Nº 15 SUINOCULTURA RECUPERA O FÔLEGO EM MAIO As exportações brasileiras estavam caindo desde março, quando ocorreu o embargo do produto nacional pela Ucrânia devido

Leia mais

A crise atual da agricultura brasileira e da gaúcha* Este texto faz uma análise da evolução recente da agricultura brasileira e da gaúcha, baseada

A crise atual da agricultura brasileira e da gaúcha* Este texto faz uma análise da evolução recente da agricultura brasileira e da gaúcha, baseada Análise setorial Agropecuária A crise atual da agricultura brasileira e da gaúcha* Vivian Fürstenau** Economista da FEE Introdução Este texto faz uma análise da evolução recente da agricultura brasileira

Leia mais

* Margem de Contribuição

* Margem de Contribuição Mesa Redonda Tratores e Máquinas Agrícolas Roberval Sebastião da Silva - Unimassey Dimensão do Resultado: * Vendas: - Participação de mercado = conhecer tamanho do mercado - Vendas perdidas = por que não

Leia mais

O efeito do biodiesel na economia do Brasil: Muito além da energia!

O efeito do biodiesel na economia do Brasil: Muito além da energia! O efeito do biodiesel na economia do Brasil: Muito além da energia! Sumário Economia brasileira e Biodiesel Diesel, Biodiesel e importação Evolução da cadeia de valor Empregos na Indústria PIB de cidades

Leia mais

Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011 203 ARTIGOS COMPLETOS... 204

Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011 203 ARTIGOS COMPLETOS... 204 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011 203 ARTIGOS COMPLETOS... 204 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011

Leia mais

Enipec 2008. Desafios tecnológicos para a produção de carne de peixes nativos. Jorge Antonio Ferreira de Lara Embrapa Pantanal

Enipec 2008. Desafios tecnológicos para a produção de carne de peixes nativos. Jorge Antonio Ferreira de Lara Embrapa Pantanal Enipec 2008 Desafios tecnológicos para a produção de carne de peixes nativos Jorge Antonio Ferreira de Lara Embrapa Pantanal Cuiabá, 29 de maio de 2008 O MUNDO MUDOU... A queda do muro de Berlim, o 11

Leia mais

Courobusiness em Alagoas

Courobusiness em Alagoas Courobusiness em Alagoas Descrição Atração e instalação de empreendimentos de curtumes para o desenvolvimento e consolidação da cadeia produtiva do couro no Estado de Alagoas. Entidades responsáveis Célula

Leia mais

Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura

Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura A safra de grãos do país totalizou 133,8 milhões de toneladas em 2009, de acordo com o Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) de dezembro,

Leia mais

Evolução numérica do seguro de transportes Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.br Maio/2007

Evolução numérica do seguro de transportes Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.br Maio/2007 Evolução numérica do seguro de transportes Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.br Maio/2007 1) Tendência e Participação O ramo de seguro de transportes é um dos mais tradicionais no mercado brasileiro.

Leia mais

Agronegócios: momento e perspectivas.

Agronegócios: momento e perspectivas. Agronegócios: momento e perspectivas. Perfil das propriedades rurais brasileiras. Familiares Patronais Região Estabelecimentos Familiares (a) Norte 380.895 Nordeste 2.055.157 Centro-Oeste 162.062 Sudeste

Leia mais