Manual de Embalagem para peças compradas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual de Embalagem para peças compradas"

Transcrição

1 Manual de Embalagem para peças compradas

2 ÍNDICE GERAL NORMAS BÁSICAS... 2 Geral... 2 Preliminar... 2 Informações Gerais... 2 Requisitos para equipamentos de manuseio e condições de recebimento de material... 3 Especificações de Embalagens Embalagem primária Embalagem mecanizada Paletes de madeira ou Similar Caixa de papelão descartável (tipo exportação) Container / Berço de Plástico Retornável... 6 GRUPOS DE PRODUTOS... 7 A - Matérias-Primas Metálicas... 7 Bobinas... 7 Rolos de Fiações... 7 Barras... 7 B - Matérias-Primas Plásticas e Granulados em Geral... 8 C - Matérias-Primas Líquidas e a Granel... 8 D - Exemplos de Fornecimentos Proibidos... 9 FORMULÁRIO DE EMBALAGENS DE PEÇAS COMPRADAS FORMULÁIO DE EMBALAGENS BACK-UP DE PEÇAS COMPRADAS CONCEITO DE EMBALAGENS PADRÃO PARA ETIQUETA DE IDENTIFICAÇÃO LOGÍSTICA Robert Bosch LTDA. Via Anhanguera, Km 98 Campinas S.P. Edição 8ª Data - 08 de Janeiro de 2002

3 2 Normas Básicas Geral: As normas apontadas a seguir são premissas básicas para o correto acondicionamento, estocagem e manuseio bem como para o transporte de peças e materiais à Bosch. Se essas normas não forem observadas por parte do fornecedor, a Bosch se reserva o direito de rejeitar e ou recusar o material. Preliminar: Os formulários de embalagens de itens comprados, contidos nas páginas 10 e 11, deverão ser preenchidos no momento em que está sendo realizada a cotação da peça e enviado para o departamento de compras. Posteriormente o mesmo deverá ser anexado ao PPAP. Informações Gerais: A Bosch estará a disposição do fornecedor, para orientá-lo no desenvolvimento / especificação da embalagem adequada para a peça: Fábrica Campinas CaW1 Divisão Freios CaW2 End.: Via Anhangüera - Km 98 R. João Felipe Xavier da Silva, 384 Campinas - São Paulo - Brasil Campinas - São Paulo - Brasil Tel: (19) Tel: (19) Fábrica Curitiba CaW End.: Av. Juscelino Kubitschek de Oliveira, Cidade industrial - Curitiba - Paraná - Brasil Tel: (041) Fábrica Aratu ArW End.: Centro Industrial de Aratu Simões Filho - Aratu - Bahia - Brasil Tel: (071) Fábrica São Paulo SpW End.: R. Dr. Rubens Gomes Bueno,478 Santo Amaro - São Paulo - Brasil Tel: (11) Observação: As fotos e desenhos de embalagens apresentadas neste guia são meramente ilustrativas e orientativas.

4 3 Requisitos para Equipamentos de Manuseio e Condições de Recebimento de Material: 1. É de responsabilidade do fornecedor o desenvolvimento, o projeto, a aquisição e a manutenção das embalagens, sendo de responsabilidade da Bosch a conservação adequada das mesmas até seu retorno. A Bosch não aceitará embalagens improvisadas. 2. A proposta da embalagem será analisada conforme procedimentos internos da Bosch, visando a aceitação por parte de todas as áreas envolvidas, uma vez que estas embalagens deverão ser manuseadas até o ponto de uso buscando os seguintes objetivos: - Otimizar o volume de transporte; - Acondicionar de forma correta para garantir a qualidade das peças; - Proteger as peças contra intempéries: poeira / chuva; - Identificar conforme informações contidas neste manual, página 13; - Acondicionar somente um tipo de peça por embalagem. 3. Toda modificação ou nova proposta de embalagem deve ser submetida para aprovação Bosch, através dos formulários de embalagens de peças compradas, páginas 10 e A cor das embalagens retornáveis de propriedade do fornecedor deverá ser azul RAL Para facilitar a identificação da propriedade das embalagens em geral, todas deverão possuir o nome e ou logotipo do fornecedor gravado em local de fácil visualização. Para os paletes, a gravação deverá estar na lateral. 5. Materiais a granel devem vir acondicionados sobre paletes e cintados de forma segura. 6. Quando as peças ou produtos apresentarem características ou superfícies críticas quanto a qualidade ou operação, deverão vir com proteção contra ferrugem, sujeira, contaminação e danos.

5 4 7. Embalagens danificadas deverão ser retiradas de circulação imediatamente e a manutenção das mesmas ficará a cargo do fornecedor. 8. Embalagens movimentadas manualmente não devem exceder 18 kg, conforme Norma do SESMT ( Serviço Especializado em Segurança e Medicina do Trabalho). 9. O fornecedor deverá ter um plano de embalagem para os itens fornecidos. Este plano deve incluir: dimensões da embalagem, número de peças por embalagem, material da embalagem, peso de embalagem cheia/vazia, número de embalagens por palete etc. 10. O Fornecedor tem o direito de solicitar inventários periódicos das embalagens disponíveis nas plantas Bosch e/ou em trânsito, de forma a garantir o correto gerenciamento das embalagens retornáveis. 11. Para o cálculo da necessidade de embalagens, recomendamos considerar esses fatores: - Capacidade da embalagem; - Velocidade de consumo num período; - Tempo de transporte (ida e volta); - Manutenção das embalagens; - Unificação das embalagens. 12. Como proteção ao meio ambiente, as embalagens devem ser de materiais recicláveis. Deve-se limitar ao máximo a utilização de materiais descartáveis. 13. Para cintamento das embalagens, só será aceita fita de Poliéster, com exceção do grupo de matérias primas metálicas, página Materiais perigosos deverão estar devidamente identificados e rotulados conforme Norma Técnica NBR 7500, atendendo em conjunto demais regulamentações governamentais.

6 5 Especificações de Embalagens 1.- Embalagem Primária É a embalagem utilizada para acondicionar peças pequenas e ou peças normalizadas. Os materiais metálicos de menor tamanho, dependendo de suas características, devem vir embalados em sacos plásticos distribuídos nas caixas retornáveis. Todos os produtos devem ser acomodados nas caixas, de forma a garantir a qualidade e facilitar a utilização. O peso não deverá exceder 18 Kg. 2.- Embalagem Mecanizada São embalagens que permitem movimentação por meios mecânicos, por exemplo: - Empilhadeiras; - Paleteiras; - Transelevadores; - Pontes Rolantes; - Etc Paletes de Madeira ou Similar Considerando o palete carregado: Peso bruto máx kg Altura máx mm ( considerando o palete ) Comprimento máx mm, largura máx mm Abaixo apresentamos alguns tipos de paletes. Obs.: O palete deve ter, pelo menos, duas entradas laterais para transporte com equipamentos manuais.

7 Caixa de Papelão Descartável (Tipo Exportação) As embalagens de papelão destinadas ao transporte terrestre possuem tamanhos determinados e geralmente são compostas por três módulos integrantes. A embalagem primária, a embalagem coletiva e a embalagem de transporte. Caixas Internas: - Devem ter dimensões submúltiplas da caixa externa (paletizada), respeitando os limites mínimos e máximos como segue; - Mín. 280 x 135 x 110mm; - Máx. 450 x 350 x 250mm; - Cada embalagem interna não deve ultrapassar 18kg. Caixa externa (Coletiva): - Dimensões:1140 x 960 x 840mm Fita de Poliéster 3.- Container / Berço de Plástico Retornável Os containers deverão ser de propriedade do fornecedor e apresentar as seguintes dimensões: - Berço grande: 1200 x 1000 x 860 mm. - Berço pequeno: 1200 x 1000 x 650 mm.

8 7 GRUPOS DE PRODUTOS A - Matérias-Primas Metálicas: As condições de manuseio, transporte e acondicionamento estão descritas na norma técnica N24B5BR, disponível no departamento de compras. Bobinas Rolos para Fiações Barras

9 8 B - Matérias-Primas Plásticas e Granulados em Geral Material plástico ou material em pó deve ser fornecido em sacos dispostos em paletes e protegidos com filme de PVC. Para quantidades maiores pode se utilizar o "Big-Bag" com alças para facilitar o transporte com a empilhadeira. Caso as alças não estejam disponíveis é indispensável o uso de um palete. C - Matérias-Primas Líquidas e a Granel NOTA: A correta etiquetagem dos tambores e bombonas é fundamental no manuseio e prevenção de acidentes. Todo material à granel deve ser fornecido em tambores de aço ou, dependendo da composição do produto, em bombonas de plástico, evitando assim a corrosão e vazamento do conteúdo da embalagem. Ambos deverão estar dispostos em paletes de madeira e preferencialmente arqueados, evitando desse modo o tombamento do produto líquido.

10 9 D - Exemplos de Fornecimentos Proibidos Não utilizar o espaço acima da borda superior da embalagem. Produtos devem ser colocados de forma ordenada nas embalagens O fornecedor deve avaliar a necessidade de uma proteção interna às paredes da embalagem e/ou separadores entre as peças. Embalagem de qualquer material não pode estar danificada externamente. Caixas não podem estar sem a devida amarração e fixação sobre o palete. Observar os níveis de empilhamento das caixas. Todas as caixas deverão ser fornecidas paletizadas. Todo material pequeno precisa estar disposto em sacos plásticos e em lotes pequenos. Os sacos não podem se romper no descarregamento. Deve-se dar atenção à ordem, disposição e fricção que as peças sofrem, para que durante o transporte não sejam danificadas. Não colar etiquetas em embalagens Bosch. Não utilizar grampos nos sacos plásticos.

11 10 Formulário de Embalagem de Peças Compradas Fornecedor : Número da Peça Bosch : Nome do Produto : Embalagem: Palete padrão 1200 x 1000 mm, com Caixa Plástica de x x mm. Palete padrão 1200 x 1000 mm, com Caixas de Papelão de x x mm. Berço telado x x mm. Berço plástico x x mm. Berço metálico x x mm. Estrado x x mm. Rack metálico x x mm. Outro, x x mm. Embalagem Interna: Fechamento da Carga Bandejas Termoformadas Cinta poliester / nylon Saco Plástico Filme PVC Tabuleiros Fita gomada Peças Acomodada Tampa plástica Colméia de Papelão Outro Outro Dimensionamento da Embalagem Peças / Embalagem : Embalagem sobre o palete : Peças / Palete : Peso / Embalagem : Kg Peso unitário da peça : Kg Peso bruto : Kg Informações adicionais : Unidade Fabril CaW1-Campinas SpW-São Paulo CtW-Curitiba CaW2-Campinas (Freios) ArW-Aratu Nome e Cargo do Fornecedor Assinatura do Fornecedor Data da Efetivação Croqui / Foto da Embalagem Aprovações : FEG (Visto) Aprov. Condicional Reprov. Data Compras (Visto) Aprov. Condicional Reprov. Data Logística (Visto) Aprov. Condicional Reprov. Data Observações Bosch : 8ª edição

12 11 Formulário de Embalagem Back-up de Peças Compradas Fornecedor : Número da Peça Bosch : Nome do Produto : Embalagem: Palete padrão 1200 x 1000 mm, com Caixa Plástica de x x mm. Palete padrão 1200 x 1000 mm, com Caixas de Papelão de x x mm. Berço telado x x mm. Berço plástico x x mm. Berço metálico x x mm. Estrado x x mm. Rack metálico x x mm. Outro, x x mm. Embalagem Interna: Fechamento da Carga Bandejas Termoformadas Cinta poliester / nylon Saco Plástico Filme PVC Tabuleiros Fita gomada Peças Acomodada Tampa plástica Colméia de Papelão Outro Outro Dimensionamento da Embalagem Peças / Embalagem : Embalagem sobre o palete : Peças / Palete : Peso / Embalagem : Kg Peso unitário da peça : Kg Peso bruto : Kg Informações adicionais : Unidade Fabril CaW1-Campinas SpW-São Paulo CtW-Curitiba CaW2-Campinas (Freios) ArW-Aratu Nome e Cargo do Fornecedor Assinatura do Fornecedor Data da Efetivação Croqui / Foto da Embalagem Aprovações : FEG (Visto) Aprov. Condicional Reprov. Data Compras (Visto) Aprov. Condicional Reprov. Data Logística (Visto) Aprov. Condicional Reprov. Data Observações Bosch : 8ª edição

13 12 CONCEITO DE EMBALAGENS PARA FORNECEDORES NACIONAIS DE MATERIAIS PRODUTIVOS Padrão KLT VDA Plástico Tara : 0,7 Kg. Peso limite admitido : 18 Kg. Dimensões internas : 260 x 136 x 144 mm. Dimensões externas : 297 x 198 x 147 mm. Empilhamento máximo - 6 níveis Gravar o nome do fornecedor. Padrão KLT VDA Plástico Tara : 1,36 Kg. Peso limite admitido : 18 Kg. Dimensões internas : 334 x 247 x 90,5 mm. Dimensões externas : 400 x 300 x 147,5 mm. Empilhamento máximo - 6 níveis Gravar o nome do fornecedor. Padrão KLT VDA Plástico Tara : 3,7 Kg. Peso limite admitido : 18 Kg. Dimensões internas : 532 x 346 x 168 mm. Dimensões externas : 600 x 400 x 213 mm. Empilhamento máximo - 4 níveis Gravar o nome do fornecedor. Padrão KLT VDA Plástico Tara : 4,4 Kg. Peso limite admitido : 18 Kg. Dimensões internas : 532 x 346 x 218 mm. Dimensões externas : 600 x 400 x 280 mm. Empilhamento máximo - 3 níveis Gravar o nome do fornecedor. Contatos: Fábrica Campinas: Fábrica Campinas - Divisão Freios: Rosely S. Bacellar (19) Antônio C. Mesquita (19) Leandro Teixeira (19) Dalton L. C. Aleixo (19) Fábrica Aratu: Fábrica Curitiba: João L. R. Lima (71) Egon Otto Zulauf (41) Osvaldo S. Souza (41) Fábrica São Paulo: Carlos H. de Souza (11) André L. Lima (11) Claudionor P. Santos (11)

14 13 MODELO To: Robert Bosch Limitada Via Anhanguera Km Campinas SP Brasil Nº TIPO QUANTIDADE Nº DO PEDIDO DE COMPRA DATA Nº NOTA FISCAL From: Capaz BV Rooijakkersstraat 3A 5652 BA Eindhoven Netherlands DENOMINAÇÃO FORNECEDOR SERIAL /03/ CAPAX PART NO PART DESC. SWITCH MODELO 2 Descrição: 76 To: Robert Bosch Limitada Via Anhanguera Km Campinas SP Brasil Nº TIPO From: Capax BV Rooijakkersstraat 3A 5652 BA Eindhoven Netherlands DENOMINAÇÃO QUANTIDADE CAPAX PART NO PART DESC. SWITCH FORNECEDOR Nº DO PEDIDO DE COMPRA SERIAL DATA /03/00 52,5 52,5 Nº NOTA FISCAL Dados do destinatário (Vide pág. 2 deste manual) 2-Dados do fornecedor. 3-Número de tipo Bosch (Código de barras code 39, sem espaços e pontos, com adição do prefixo P ). 4-Quantidade de peças contidas na embalagem (Código de barras code 39, sem espaços e pontos, com adição do prefixo Q ). 5-Denominação resumida que identifica o produto. 6-Número do fornecedor cadastrado na Bosch (Código de barras code 39, sem espaços e pontos, com adição do prefixo V ). 7-Número do pedido de compra (Código de barras code 39, sem espaços e pontos, com adição do prefixo C ). 8-Data do fornecimento e número da nota fiscal. 9-Número serial (1,2,3...) por embalagem/palete (Código de barras code 39, sem espaços e pontos, com adição do prefixo S no caso de embalagem e prefixo M no caso de palete). Os números seriais das caixas e dos paletes devem ser independentes e não devem se repetir durante o período de 1 ano. Todos os códigos de barras devem apresentar altuda de 10 mm. Dimensões acima em milímetros. Fixar a identificação de forma adequada em cada recipiente, garantindo a sua permanência até o ponto de uso. - Para embalagens descartáveis fixar a etiqueta em uma das faces laterais menor. - Para embalagens retornáveis, as etiquetas devem ser fixadas nos porta cartões. - Para as embalagens que não possuem porta cartões, as etiquetas devem ser autocolantes com adesivos removíveis, para que não deixem resíduos nas embalagens. O papel da etiqueta deve ser adequado para impressão prevendo posteriormente uma leitura de código de barras. Impressão indelével.

GUIA DE EMBALAGENS DE PEÇAS COMPRADAS

GUIA DE EMBALAGENS DE PEÇAS COMPRADAS GUIA DE EMBALAGENS DE PEÇAS COMPRADAS E PADRÃO DE ETIQUETAS 1ª Edição Julho, 2010 INDICE 1- INTRODUÇÃO... 03 2- RESPONSABILIDADES... 04 3- RECOMENDAÇÕES IMPORTANTES... 05 4- PROCEDIMENTOS... 06 5- DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Manual de Logística para Fornecedores Nacionais

Manual de Logística para Fornecedores Nacionais Manual de Logística para Fornecedores Nacionais Versão 1.4 Manual de Logística para Fornecedores Nacionais Requerimentos Logísticos do Grupo Bosch Conteúdo Conteúdo...2 Prefácio...4 1 Informações logísticas...5

Leia mais

Manual de Logística para Fornecedores Nacionais

Manual de Logística para Fornecedores Nacionais Manual de Logística para Fornecedores Nacionais Versão 1.2 Manual de Logística para Fornecedores Nacionais Requerimentos Logísticos do Grupo Bosch Conteúdo Conteúdo...2 Prefácio...4 1 Informações logísticas...5

Leia mais

INSTRUÇÕES DE EMBALAGEM

INSTRUÇÕES DE EMBALAGEM ZF do BRASIL Ltda INSTRUÇÕES DE EMBALAGEM Versão 1 Sumário Dados gerais de Embalagem... 3 Notas Fiscais (NF-e) para Embalagens... 3 Fluxo com Embalagens do Fornecedor / ZF... 3 Embalagens de Propriedade

Leia mais

Manual de Logística para Fornecedores Nacionais

Manual de Logística para Fornecedores Nacionais Manual de Logística para Fornecedores Nacionais Versão 3.0 Manual de Logística para Fornecedores Nacionais Requerimentos Logísticos do Grupo Bosch Última Revisão: 24/04/2009 Sumário Prefácio...4 1 Informações

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR MF - 01.007 MANUAL DE ENTREGAS

MANUAL DO FORNECEDOR MF - 01.007 MANUAL DE ENTREGAS VERSÃO: 7 PAG: 1 / 16 Esta Instrução tem por finalidade estabelecer o fluxo de operações para entrega de confecções previamente encabidadas, abrangendo a elaboração do Pedido de Compra, a retirada dos

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS DE EMBALAGEM E PRESERVAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E MATERIAIS ADQUIRIDOS NO MERCADO NACIONAL OU INTERNACIONAL

REQUISITOS MÍNIMOS DE EMBALAGEM E PRESERVAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E MATERIAIS ADQUIRIDOS NO MERCADO NACIONAL OU INTERNACIONAL REQUISITOS MÍNIMOS DE EMBALAGEM E PRESERVAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E MATERIAIS ADQUIRIDOS NO MERCADO 1. OBJETIVO Estabelecer requisitos mínimos para a preservação e a embalagem de equipamentos e materiais adquiridos

Leia mais

Aproxime o seu smartphone, tablet ou webcam do QR Code e saiba mais sobre a Pisani.

Aproxime o seu smartphone, tablet ou webcam do QR Code e saiba mais sobre a Pisani. Março/2015 Aproxime o seu smartphone, tablet ou webcam do QR Code e saiba mais sobre a Pisani. Pisani Plásticos S.A. BR 116 - Km 146,3 - Nº 15.602 - C.P. 956-95059-520 - Caxias do Sul - RS - Brasil Fone:

Leia mais

TAR 3M - Terminal de Acesso de Rede

TAR 3M - Terminal de Acesso de Rede 1. Objetivo Este boletim técnico apresenta as características e requisitos técnicos relativos ao Terminal de Acesso de Rede 3M sem possibilidade de proteção com capacidade para 10/20 pares. TAR-10 TAR-20

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR MFI-02.019

MANUAL DO FORNECEDOR MFI-02.019 PAG: 1/ 14 OBJETIVO Estabelecer padrões mínimos de apresentação de embalagens de transporte utilizado para os processos de entrega de produtos importados, visando garantir a integridade dos mesmos, bem

Leia mais

Embalagens, acondicionamento e unitização

Embalagens, acondicionamento e unitização Embalagens, acondicionamento e unitização A embalagem e a Logística As condições atuais e futuras exercem importância cada vez maior sobre as interações efetivas entre a embalagem e a movimentação de materiais.

Leia mais

Logística Reversa na Prática: Estudo Econômico de Embalagens Retornáveis no Transporte de Cabeçotes de Motores Usinados

Logística Reversa na Prática: Estudo Econômico de Embalagens Retornáveis no Transporte de Cabeçotes de Motores Usinados Logística Reversa na Prática: Estudo Econômico de Embalagens Retornáveis no Transporte de Cabeçotes de Motores Usinados DIOGO APARECIDO LOPES SILVA (USP) OSWALDO MÁRIO SERRA TRUZZI (UFSCar) GUSTAVO SEVEGNANI

Leia mais

PALLET PLÁSTICO É SCHOELLER

PALLET PLÁSTICO É SCHOELLER Schoeller.indd 1 9/24/12 11:34 AM PALLET PLÁSTICO É SCHOELLER O Grupo Schoeller, referência de qualidade, está presente em mais de 50 países, em todo o mundo. O emprego da alta tecnologia e a adoção de

Leia mais

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007.

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Operações Terminais Armazéns AULA 6 PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Cargas, embalagens e unitização Modulação, Unitização, Acondicionamento

Leia mais

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA PADRONIZAÇÃO APROVAÇÃO ELABORAÇÃO VISTO

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA PADRONIZAÇÃO APROVAÇÃO ELABORAÇÃO VISTO MA NU AL E SP EC IA L SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0032 ESPECIFICAÇÃO DE CONDUTORES

Leia mais

Aula 7 Sistemas de Armazenagem e Movimentação de Carga ARMAZENAGEM. Uma abordagem multidisciplinar. Prof. Fernando Dal Zot

Aula 7 Sistemas de Armazenagem e Movimentação de Carga ARMAZENAGEM. Uma abordagem multidisciplinar. Prof. Fernando Dal Zot Aula 7 Sistemas de Armazenagem e Movimentação de Carga ARMAZENAGEM Uma abordagem multidisciplinar Prof. Fernando Dal Zot 1 Visão geral das atividades do Almoxarifado / Depósito / Armazém Início RECEBER

Leia mais

Manuseio de Compressor

Manuseio de Compressor Manuseio de Compressor Índice Item... Página 1 - Introdução... 02 2 - Remover o palete... 03 3 - Deslocar o palete... 04 4 - Erguer o palete... 05 5 - Movimentar o palete... 06 6 - Empilhar o palete...

Leia mais

Diretivas de transporte, embalagem e manuseio

Diretivas de transporte, embalagem e manuseio Diretivas de transporte, embalagem e manuseio Esta diretiva compreende orientações gerais relativas ao transporte, embalagem e manuseio de máquinas e fornecimentos da empresa KraussMaffei Technologies

Leia mais

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Tópicos Abordados: 1. Porta Paletes Seletivo (convencional): 2. Drive-in / Drive-thru Objetivo: Esta apostila tem como principal objetivo ampliar o conhecimento

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA Lote nº 01 01 Agenda permanente com fita em tecido para marcação de datas Unidade 50 02 Bobina para máquina de calcular em papel apergaminhado 57mm x 30m. Modelo de referência:

Leia mais

Sumário. BAG TÊINER OXIGEN Dispositivo de prevenção para contêiner. BERMS OXIGEN Bacia de contenção para ações rápidas

Sumário. BAG TÊINER OXIGEN Dispositivo de prevenção para contêiner. BERMS OXIGEN Bacia de contenção para ações rápidas Sumário BCP OXIGEN Bacia de contenção de papelão 03 ECOTÊINER DE INTERIOR OXIGEN Dispositivo de prevenção de vazamentos para transporte em contêineres marítimos BAG TÊINER OXIGEN Dispositivo de prevenção

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Armazenagem

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Armazenagem NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Armazenagem Tecnologia em Gestão Pública Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 9 Prof. Rafael Roesler Sumário Introdução Objetivo da armazenagem Arranjo

Leia mais

Instrução Técnica nº 25/2011 - Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis - Parte 3 Armazenamento... 625

Instrução Técnica nº 25/2011 - Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis - Parte 3 Armazenamento... 625 Instrução Técnica nº 25/2011 - Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis - Parte 3 Armazenamento... 625 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO

Leia mais

Movimentação Paletização Armazenamento e Transporte

Movimentação Paletização Armazenamento e Transporte Movimentação Paletização Armazenamento e Transporte 0 1 INTRODUÇÃO A primeira embalagem de papelão ondulado surgiu há mais de 100 anos e percorreu um longo caminho até os dias de hoje, evoluindo gradativamente

Leia mais

Onde transportadoras e cargas se encontram TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER PARA TRANSPORTAR SUA CARGA

Onde transportadoras e cargas se encontram TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER PARA TRANSPORTAR SUA CARGA Onde transportadoras e cargas se encontram TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER PARA TRANSPORTAR SUA CARGA Guia do Transporte Saiba como enviar sua encomenda. Dicas gerais CARGOBR oferece uma ferramenta simples

Leia mais

www.desperdiciozero.com.br www.tetrapak.com.br

www.desperdiciozero.com.br www.tetrapak.com.br AF_folhetoV3-Sem-TBA_9x13cm.pdf 1 6/7/12 11:04 P Para mais informações e curso on-line, visite nosso site: www.desperdiciozero.com.br www.tetrapak.com.br AF_folhetoV3-Sem-TBA_9x13cm.pdf 2 6/7/12 11:04

Leia mais

Instruções de manuseio e movimentação de produtos

Instruções de manuseio e movimentação de produtos Instruções de manuseio e movimentação de produtos Big Bag Instruções de manuseio e movimentação 1. Composição do Big Bag BIG BAG 1.250 kg: Big Bag de Ráfia/Vinil, cilíndrico/travado, com capacidade para

Leia mais

Frutas e Hortaliças embaladas Aspectos Legais

Frutas e Hortaliças embaladas Aspectos Legais Frutas e Hortaliças embaladas Aspectos Legais A embalagem é instrumento de identificação, proteção, movimentação e exposição das frutas e hortaliças frescas. Ela identifica o produto e o seu responsável.

Leia mais

Orientações de manuseio e estocagem de revestimentos cerâmicos

Orientações de manuseio e estocagem de revestimentos cerâmicos Orientações de manuseio e estocagem de revestimentos cerâmicos RECEBIMENTO Quando o produto for recebido na loja ou obra, ou mesmo na entrega ao cliente, é importante que alguns cuidados sejam tomados

Leia mais

A seguir, sugerimos algumas formas de acondicionamento por tipo de material a ser enviado.

A seguir, sugerimos algumas formas de acondicionamento por tipo de material a ser enviado. Acondicionamento Para o cliente que deseja enviar um objeto via Correios, o correto acondicionamento dos objetos é muito importante para assegurar que as remessas cheguem bem a seus destinos. Recomenda-se

Leia mais

Manual de Embalagem Embraer

Manual de Embalagem Embraer Manual de Embalagem Embraer Título: Manual de Embalagem Embraer Elaborado e Revisado por Aprovado por: Página 2 de 28 Controle de Revisão REVISÃO DATA ALTERAÇÕES RESPONSÁVEL ALTERAÇÃO PÁGINAS 1 nov/05

Leia mais

VOLKSWAGEN DO BRASIL Logística VWB. Guia de relacionamento e conceito logístico. Edição 1

VOLKSWAGEN DO BRASIL Logística VWB. Guia de relacionamento e conceito logístico. Edição 1 VOLKSWAGEN DO BRASIL Logística VWB Guia de relacionamento e conceito logístico Edição 1 VOLKSWAGEN do Brasil Janeiro de 2014 2 Guia de relacionamento e conceito logístico - LOGÍSTICA VWB I Edição 1I Janeiro

Leia mais

Manual de Instruções Transportadores Moveflex Série B

Manual de Instruções Transportadores Moveflex Série B Manual de Instruções Transportadores Moveflex Série B Versão: 4.0 Data:01/2015 Ind. e Com. Eletro Eletronica Gehaka Ltda. CNPJ: 13005553/0001-23 Av. Duquesa de Goiás, 235 - Real Parque 05686-900 - São

Leia mais

14APOSTILA TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS

14APOSTILA TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS 14APOSTILA TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS Caros Colegas, A BSM Engenharia S.A. apresenta a apostila com os temas de transporte de produtos perigosos e coleta seletiva. O transporte em geral faz parte

Leia mais

NORMAS GERAIS DE FABRICAÇÃO DE FERTILIZANTES

NORMAS GERAIS DE FABRICAÇÃO DE FERTILIZANTES Pág.: 1/10 1. OBJETIVO Definir os procedimentos operacionais relativos às normas gerais de produção e envase de produtos formulados na TERRA NOSSA, desde a emissão da ordem de produção até a entrega do

Leia mais

DO MEIO AMBIENTE. Transporte seguro. Contentores, enterrados e semi-enterrados. Recolha selectiva. Prevenção de fugas

DO MEIO AMBIENTE. Transporte seguro. Contentores, enterrados e semi-enterrados. Recolha selectiva. Prevenção de fugas DO MEIO AMBIENTE Transporte seguro Contentores, enterrados e semi-enterrados Prevenção de fugas Recolha selectiva Menos resíduos, menos poluição, mais futuro ao serviço da logística e de um ambiente melhor

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL MANUAL DE LOGÍSTICA

PROCEDIMENTO OPERACIONAL MANUAL DE LOGÍSTICA 1/25 1- OBJETIVO Padronizar embalagens e a sistemática de movimentação dos produtos comprados e expedidos pela COPAM, visando reduzir os custos logísticos, atender as normas ergométricas e reduzir os impactos

Leia mais

TIPOS DE PALLETS. Imaginemos uma situação onde se precise comprar pallets para exportar em cada um, 1000 kg de papel.

TIPOS DE PALLETS. Imaginemos uma situação onde se precise comprar pallets para exportar em cada um, 1000 kg de papel. Pallets descartaveis (one way) TIPOS DE PALLETS Pallets descartáveis como a prória palavra sugere, são pallets não retornáveis ou seja, acomodam uma determinada mercadoria onde o custo do pallet está incluso

Leia mais

DE PRODUTOS PERIGOSOS

DE PRODUTOS PERIGOSOS CARTILHA TRANSPORTE TERRESTRE DE PRODUTOS PERIGOSOS Página 1 de 8 1 - LEGISLAÇÃO RESOLUÇÕES DA ANTT SOBRE TRANSPORTE TERRESTRE DE PRODUTOS PERIGOSOS Resolução 420/04 resolução da ANTT (Agência Nacional

Leia mais

DECISÃO TÉCNICA DT-068/2006 R-02 TRANSPORTE DE POSTE E DE RESÍDUOS DE CONCRETO

DECISÃO TÉCNICA DT-068/2006 R-02 TRANSPORTE DE POSTE E DE RESÍDUOS DE CONCRETO DECISÃO TÉCNICA DT-068/2006 R-02 TRANSPORTE DE POSTE E DE RESÍDUOS DE CONCRETO DOCUMENTO NORMATIVO DECISÃO TÉCNICA TRANSPORTE DE POSTES E DE RESÌDUOS DE CONCRETO Código Página Revisão Emissão DT-068 I

Leia mais

ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001)

ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001) NR-18 Andaime Suspenso Mecânico ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001) NR-18.15.30 Os sistemas de fixação e sustentação e as estruturas de apoio dos andaimes

Leia mais

Colocação de material

Colocação de material Colocação de material Este capítulo inclui: Material suportado na página 2-2 Carregando material na bandeja 1 na página 2-8 Colocação de material na bandeja 2, 3 ou 4 na página 2-14 Copyright 2005 Xerox

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 05/14 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 05/14 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I TUBOS DE PEAD 1 - OBJETIVO 1.1 A presente licitação tem por objeto o fornecimento e entrega, pela empresa a ser CONTRATADA, de tubos de POLIETILENO DE ALTA DENSIDADE PE 100

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES REGISTRO M.S.: NT-5065 MESA DE CABECEIRA DISPENSADO DE CADASTRO CONFORME RDC 24/2009 E IN-02 NOTA! ESTA MESA DE CABECEIRA É DESTINADA AO USO MÉDICO HOSPITALAR. Página 1 de 10 INTRODUÇÃO

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO ANEXO 09 DIRETRIZES AMBIENTAIS MÍNIMAS

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO ANEXO 09 DIRETRIZES AMBIENTAIS MÍNIMAS ANEXO 09 DIRETRIZES AMBIENTAIS MÍNIMAS 1 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. Adequação às Normas e Legislações Vigentes... 3 3. Definições de Obrigações e Responsabilidades... 3 4. Diretrizes Mínimas Exigidas...

Leia mais

MÓDULO 4 4.1 - PROCEDIMENTOS DE ESTOCAGEM E MANUSEIO

MÓDULO 4 4.1 - PROCEDIMENTOS DE ESTOCAGEM E MANUSEIO MÓDULO 4 4.1 - PROCEDIMENTOS DE ESTOCAGEM E MANUSEIO A estocagem e o manuseio de tubos e conexões devem obedecer a preceitos mínimos que assegurem a integridade dos materiais, bem como o desempenho esperado.

Leia mais

Pisani Plásticos BR 116 - Km 146,3 - Nº 15.602 - C.P. 956-95059-520 - Caxias do Sul - RS - Brasil Fone: 55 54 2101.8700 - Fax: 55 54 2101.

Pisani Plásticos BR 116 - Km 146,3 - Nº 15.602 - C.P. 956-95059-520 - Caxias do Sul - RS - Brasil Fone: 55 54 2101.8700 - Fax: 55 54 2101. Pisani Plásticos BR 116 - Km 146,3 - Nº 15.602 - C.P. 956-95059-520 - Caxias do Sul - RS - Brasil Fone: 55 54 2101.8700 - Fax: 55 54 2101.8743 FILIAIS: Pindamonhangaba - SP e Recife - PE www.pisani.com.br

Leia mais

Função logística das embalagens Ana Paula Reis Noletto

Função logística das embalagens Ana Paula Reis Noletto Função logística das embalagens Ana Paula Reis Noletto Sérgio Adriano Loureiro Orlando Fontes Lima Jr. Laboratório de Aprendizagem em Logística e Transportes Faculdade de Engenharia Civil Unicamp Ana Paula

Leia mais

NBR 7483/2005. Cordoalhas de aço para concreto protendido Requisitos

NBR 7483/2005. Cordoalhas de aço para concreto protendido Requisitos NBR 7483/2005 Cordoalhas de aço para concreto protendido Requisitos OBJETIVO Fixar os requisitos para fabricação, encomenda, fornecimento e recebimento de cordoalhas de aço de alta resistência de três

Leia mais

USO E APLICAÇÕES. Módulo 5 Manuseio, Transporte e Armazenagem

USO E APLICAÇÕES. Módulo 5 Manuseio, Transporte e Armazenagem USO E APLICAÇÕES Módulo 5 Manuseio, Transporte e Armazenagem MANUSEIO, TRANSPORTE e ARMAZENAGEM MANUSEIO DOS VIDROS AS CHAPAS DE VIDRO DEVEM SEMPRE SER MANUSEADAS DE MANEIRA QUE NÃO ENTREM EM CONTATO COM

Leia mais

Classificação e Rotulagem de Perigo dos Ingredientes que Contribuem para o Perigo: N. A

Classificação e Rotulagem de Perigo dos Ingredientes que Contribuem para o Perigo: N. A Nome do Produto: VERCLEAN 900 FISQP N.º: 02 Página: 1/7 Última Revisão: 08/04/13 1. Identificação do Produto e da Empresa Nome do Produto: DETERGENTE VERCLEAN 900 Código Interno de Identificação: 101 Nome

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL

LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA EMPRESARIAL FORNECEDORES Erros de compras são dispendiosos Canais de distribuição * Compra direta - Vendedores em tempo integral - Representantes dos fabricantes Compras em distribuidores Localização

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM CONTEINERIZAÇÃO DE CARGAS

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM CONTEINERIZAÇÃO DE CARGAS DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM CONTEINERIZAÇÃO DE CARGAS CONTEINERIZAÇÃO DE CARGAS Vantagens: Possibilitam operações ininterruptas, mesmo sob intempéries Incrementam a produtividade Minimizam o tempo de movimentação

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG. Embalagens Especificação e Padronização NTC-59

NORMA TÉCNICA CELG. Embalagens Especificação e Padronização NTC-59 NORMA TÉCNICA CELG Embalagens Especificação e Padronização NTC-59 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. OBJETIVO 1 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 2 3. TERMINOLOGIA E DEFINIÇÕES 3 4. CONDIÇÕES GERAIS 4

Leia mais

Soluções criativas em pallets plásticos para transporte e armazenamento de mercadorias.

Soluções criativas em pallets plásticos para transporte e armazenamento de mercadorias. Soluções criativas em pallets plásticos para transporte e armazenamento de mercadorias. Nossos diferenciais Pioneirismo. Em 1970, a Schoeller introduziu a garrafeira plástica no mercado nacional. Liderança

Leia mais

SISTEMAS DE ARMAZENAGEM

SISTEMAS DE ARMAZENAGEM SISTEMAS DE ARMAZENAGEM Engº. Cláudio Sei Guerra OUTUBRO - 2006 Revisado ÍNDICE 1. Prefácio... 03 2. Sistemas de Armazenagem de Materiais... 04 3. Estruturas de Armazenagem Porta-Pallets... 06 4. Porta-Pallets

Leia mais

Informações e garantia aços planos

Informações e garantia aços planos SUMÁRIO INTRODUÇÃO RECEBIMENTO NO CLIENTE MANUSEIO E TRANSPORTE ARMAZENAGEM GARANTIA POR GRUPO DE PRODUTO Condições Gerais Laminados a Quente Laminados a Frio Zincado Galvalume Pré-pintado Folhas Metálicas

Leia mais

Embalagens de Transporte Ministrante: Anatoli Ivanov Jr

Embalagens de Transporte Ministrante: Anatoli Ivanov Jr Embalagens de Transporte Ministrante: Anatoli Ivanov Jr Embalagens de Transporte Definição Projetos de Embalagem Papelão Ondulado Violação Unitização Identificação Soluções 3M Referências Agenda Definição

Leia mais

AVISO DE RESULTADO DO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 039/2015 - SAÚDE MENOR PREÇO POR ITEM

AVISO DE RESULTADO DO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 039/2015 - SAÚDE MENOR PREÇO POR ITEM AVISO DE RESULTADO DO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 039/25 - SAÚDE MENOR PREÇO POR ITEM A Pregoeira Pollyanna Allen Gomes de Jesus, designado pela Portaria nº 092/24 da Prefeitura Municipal de Goiânia / Secretaria

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725 1/7 FISPQ NRº. 004 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome da Empresa: Hidroazul Indústria e Comércio Ltda Endereço: Rua João Dias Neto, 18 D Cataguases MG CEP: 36770-902. Telefone da Empresa: (32)

Leia mais

Fita Adesiva e Aplicadores

Fita Adesiva e Aplicadores Fita Adesiva e Aplicadores Fita Adesiva Qualitape (Adesivo Acrílico) Medidas: 18x50m, 25x50m, 36x50m, 48x45m, 48x100m. Utilização: Empacotamentos, lacração de pacotes. Fechamento de caixas de papelão,

Leia mais

CONCEITOS E PRINCÍPIOS DO SISTEMA DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS

CONCEITOS E PRINCÍPIOS DO SISTEMA DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS LOGÍSTICA CONCEITOS E PRINCÍPIOS DO SISTEMA DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS A MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAL É O PROCESSO DO QUAL APRESENTA A MUDANÇA LOCAL DE UM DETERMINADO ITEM, DENTRO DE UMA DETERMINADA CIRCUNSTÂNCIA.

Leia mais

UASG. folhas. 300 un 200 un 500 un 2.000 un 300 un 150 un 150 un 200 un

UASG. folhas. 300 un 200 un 500 un 2.000 un 300 un 150 un 150 un 200 un UASG UASG UASG 440001 UASG UASG UASG 130126 UASG Participante 170116 170386 183038 Participante 254420 443020 Ministério Participante Participante Participante Lavoura Participante itens material reciclado

Leia mais

CAPÍTULO 6.6 EXIGÊNCIAS PARA A CONSTRUÇÃO E ENSAIO DE EMBALAGENS GRANDES

CAPÍTULO 6.6 EXIGÊNCIAS PARA A CONSTRUÇÃO E ENSAIO DE EMBALAGENS GRANDES CAPÍTULO 6.6 EXIGÊNCIAS PARA A CONSTRUÇÃO E ENSAIO DE EMBALAGENS GRANDES 6.6.1 Disposições Gerais 6.6.1.1 As exigências deste capítulo não se aplicam: - à classe 2 exceto artigos incluindo aerossóis; -

Leia mais

Embalagens logísticas: proteção do produto na movimentação e armazenagem

Embalagens logísticas: proteção do produto na movimentação e armazenagem Embalagens logísticas: proteção do produto na movimentação e armazenagem Washington Spejorim As embalagens podem ser definidas de diferentes formas, variando de acordo com o profissional que fizer essa

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Registro de Preços para aquisição de envelopes plásticos para as Eleições 2010

TERMO DE REFERÊNCIA. Registro de Preços para aquisição de envelopes plásticos para as Eleições 2010 TERMO DE REFERÊNCIA Registro de Preços para aquisição de envelopes plásticos para as Eleições 2010 1. OBJETO Registro de Preços para eventual aquisição de envelopes plásticos para as Eleições 2010, de

Leia mais

Gerência de Rejeitos Radioativos - GRR 1 OBJETIVO 2 CAMPO DE APLICAÇÃO 3 DEFINIÇÕES E ABREVIATURAS. 3.1 Definições. 3.

Gerência de Rejeitos Radioativos - GRR 1 OBJETIVO 2 CAMPO DE APLICAÇÃO 3 DEFINIÇÕES E ABREVIATURAS. 3.1 Definições. 3. Gerência de Rejeitos Radioativos - GRR 1 OBJETIVO Estabelecer os requisitos gerais para a aceitação de rejeitos pela GRR do IPEN. 2 CAMPO DE APLICAÇÃO Aplica-se aos clientes da GRR do IPEN. 3 DEFINIÇÕES

Leia mais

RollerForks. A nova revolução da logística: Movimentação sem paletes!

RollerForks. A nova revolução da logística: Movimentação sem paletes! RollerForks A nova revolução da logística: Movimentação sem paletes! RollerForks Os paletes revolucionaram a logística, ao unitizar as cargas e reduzir custos drasticamente. Agora, uma nova revolução tem

Leia mais

SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046

SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046 Prof. Eduardo Ratton Prof. Garrone Reck Prof a. Gilza Fernandes Blasi Prof. Jorge Tiago Bastos Prof a. Márcia de

Leia mais

Procedimentos de embalagem e transporte

Procedimentos de embalagem e transporte 1. Introdução Procedimentos de embalagem e transporte 1.1 O escopo deste documento é estabelecer normas mínimas para a proteção, embalagem e etiquetagem de móveis, utensílios e equipamentos enviados para

Leia mais

Armazenagem, Controle. Aula 2. Contextualização. Equipamentos de Armazenagem. Principais Atribuições. Embalagens. Instrumentalização

Armazenagem, Controle. Aula 2. Contextualização. Equipamentos de Armazenagem. Principais Atribuições. Embalagens. Instrumentalização Armazenagem, Controle e Distribuição Aula 2 Contextualização Prof. Walmar Rodrigues da Silva Equipamentos de Armazenagem Simplicidade Barato Flexível Relação custo e benefício Principais Atribuições Peculiaridade

Leia mais

A m e l h o r s o l u ç ã o p a r a s u a e m p r e s a. LINHA ARMÁRIOS

A m e l h o r s o l u ç ã o p a r a s u a e m p r e s a. LINHA ARMÁRIOS A m e l h o r s o l u ç ã o p a r a s u a e m p r e s a. LINHA ARMÁRIOS LINHA DE ARMÁRIOS PRESTO MAIS QUALIDADE POR MUITO MENOS QUALIDADE GARANTIDA Com um dos parques fabris mais modernos da América Latina,

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS.

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS. RESOLUÇÃO.../SESA/PR O Secretário Estadual de Saúde, no uso de suas atribuições legais e: CONSIDERANDO a Portaria nº 326/1997/SVS/MS, a Resolução RDC nº275/2002, a Resolução RDC nº 216/2004, da ANVISA,

Leia mais

Desenvolvimento de Embalagem metálica Rack para Indústria Metalúrgica: Estudo de Caso.

Desenvolvimento de Embalagem metálica Rack para Indústria Metalúrgica: Estudo de Caso. Desenvolvimento de Embalagem metálica Rack para Indústria Metalúrgica: Estudo de Caso. Lourival Oliveira Neto 1, Rosinei Batista Ribeiro 1,2,3, Nelson Matias Tavares 1,4, Rinaldo César M. Motta 1,5 1 Faculdades

Leia mais

ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA UNIDADE: COORDENAÇÃO DE LOGÍSTICA - COLOG (GESUS) 1 de 26 1. DO OBJETO Pregão Eletrônico - Registro de Preços para eventual fornecimento de materiais de sinalização de gasoduto. Lote I: placas e adesivos

Leia mais

RECOMENDAÇÕES SOBRE RECEBIMENTO, ARMAZENAMENTO E ESTOCAGEM DE VIDRO

RECOMENDAÇÕES SOBRE RECEBIMENTO, ARMAZENAMENTO E ESTOCAGEM DE VIDRO 1ª VIA DO REMETENTE RECOMENDAÇÕES SOBRE RECEBIMENTO, ARMAZENAMENTO E ESTOCAGEM DE VIDRO DESCARGA 1. O descarregamento não inclui transporte vertical (o vidro não deverá ser manuseado pelo nosso pessoal

Leia mais

CARRINHOS PARA CRIANÇAS

CARRINHOS PARA CRIANÇAS Página 1 de 1 Elaborado por: Diego Alves de Oliveira Verificado por: Karen Carolina Martins Aprovado por: Maria Lucia Hayashi Data Aprovação: 06/01/2015 1. OBJETIVO Estabelecer os critérios para o Programa

Leia mais

Esquadrias Metálicas Ltda. Manual de instruções.

Esquadrias Metálicas Ltda. Manual de instruções. Manual de instruções. PORTA DE ABRIR A Atimaky utiliza, na fabricação das janelas, aço galvanizado adquirido diretamente da Usina com tratamento de superfície de ultima geração nanotecnologia (Oxsilan)

Leia mais

Manual de Instruções

Manual de Instruções Manual de Instruções Kit de Instrumental para Cirurgia do Túnel do Carpo VOLMED Nome Técnico: KIT CIRÚRGICO Fabricante: VOLMED BRASIL EQUIPAMENTOS LTDA -ME AV. SÃO GABRIEL, 291 JD. PAULISTA CEP: 13574-540

Leia mais

Referencial do Curso Acondicionamento de Carga Estiva e Amarração

Referencial do Curso Acondicionamento de Carga Estiva e Amarração Referencial do Curso Acondicionamento de Carga Estiva e Amarração [2010] 1. DATA DE INICIO: De acordo com o Plano de Formação 2. DATA DE FIM: De acordo com o Plano de Formação 3. MÓDULOS: Módulo 1 Acondicionamento

Leia mais

Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu;

Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu; Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu; Fazemos uma parceria total com o cliente, combinando redução de custos fixos e otimização de recursos

Leia mais

FÁBRICA DE MÁQUINAS PARA A INDÚSTRIA MADEIREIRA DESEMPENADEIRA 320 LINHA LEVE

FÁBRICA DE MÁQUINAS PARA A INDÚSTRIA MADEIREIRA DESEMPENADEIRA 320 LINHA LEVE FÁBRICA DE MÁQUINAS PARA A INDÚSTRIA MADEIREIRA DESEMPENADEIRA 320 LINHA LEVE ÍNDICE NORMAS DE SEGURANÇA... 3 ÁREAS DE RISCOS E POSICIONAMENTO BÁSICO DE OPERAÇÃO... 4 MANUTENÇÃO... 5 DADOS DA MÁQUINA...

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CHAVES DE AFERIÇÃO

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CHAVES DE AFERIÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA CHAVES DE AFERIÇÃO 1. OBJETIVO Este Termo de Referência define requisitos que devem ser observados pelos interessados, para o fornecimento de chave de aferição à CEEE-D, em complementação

Leia mais

NORMA MUNICIPAL Nº. 054

NORMA MUNICIPAL Nº. 054 NORMA MUNICIPAL Nº. 054 Portaria Nº.054. de 05 de julho de 2001 Norma de Armazenamento Externo de Contêineres de Resíduos Sólidos ORIGEM: Gestão Diferenciada de Resíduos Sólidos PALAVRA CHAVE: Resíduos

Leia mais

MANUAL DOCUMENTAÇÕES E ORIENTAÇÕES PARA EXPEDIÇÃO E TRANSPORTE DE EMBALAGENS VAZIAS NÃO LIMPAS

MANUAL DOCUMENTAÇÕES E ORIENTAÇÕES PARA EXPEDIÇÃO E TRANSPORTE DE EMBALAGENS VAZIAS NÃO LIMPAS MANUAL DOCUMENTAÇÕES E ORIENTAÇÕES PARA EXPEDIÇÃO E TRANSPORTE DE EMBALAGENS VAZIAS NÃO LIMPAS 1. OBJETIVO DO MANUAL A TECNOTAM vem, através do presente documento, orientar os fornecedores de embalagens

Leia mais

RECEBIMENTO E ARMAZENAMENTO RDC-48

RECEBIMENTO E ARMAZENAMENTO RDC-48 RECEBIMENTO E ARMAZENAMENTO RDC-48 O Que Muda na Área Operacional Logística com a RDC-48??? NADA A não ser Maior Fiscalização por parte da Anvisa Maior Organização por parte das Empresas A ÁREA LOGÍSTICA

Leia mais

Transporte Fracionado de Gás Liquefeito de Petróleo - GLP

Transporte Fracionado de Gás Liquefeito de Petróleo - GLP Transporte Fracionado de Gás Liquefeito de Petróleo - GLP 2 Este Manual foi elaborado com a participação e colaboração: Este manual foi elaborado com base na legislação vigente sobre o transporte de Gás

Leia mais

36%AO ANO PRESTO INDUSTRIAL: LINHA FERRAGENS. Crescimento do volume de vendas no PDV NOSSOS PILARES

36%AO ANO PRESTO INDUSTRIAL: LINHA FERRAGENS. Crescimento do volume de vendas no PDV NOSSOS PILARES PRESTO INDUSTRIAL: LINHA FERRAGENS Linha especializada em equipamentos que facilitam o trabalho, a organização e a armazenagem nos mais diversos tipos de empresa. As tarefas do dia a dia ganham agilidade

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª Marivaldo Oliveira

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª Marivaldo Oliveira FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª Marivaldo Oliveira COMPETÊNCIAS QUE TRABALHAREMOS NESTE MÓDULO Lançar mão dos recursos e técnicas de

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA ORGANIZAÇÃO E ENTREGA DE DOCUMENTOS NOVOS

PROCEDIMENTOS PARA ORGANIZAÇÃO E ENTREGA DE DOCUMENTOS NOVOS PROCEDIMENTOS PARA ORGANIZAÇÃO E ENTREGA DE DOCUMENTOS NOVOS Este manual foi elaborado para orientar o Cliente, Órgão/Entidade, sobre os procedimentos necessários a serem seguidos com relação à preparação

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA COLETA DE PREÇOS Nº IAP-HSL 013/2014

TERMO DE REFERÊNCIA COLETA DE PREÇOS Nº IAP-HSL 013/2014 TERMO DE REFERÊNCIA COLETA DE PREÇOS Nº IAP-HSL 013/2014 CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA AQUISIÇÃO DE MATERIAL DE LIMPEZA E HIGIENE PARA ATENDER TODA DEMANDA DO HOSPITAL SÃO LUCAS 1 Unidade Requisitante Instituto

Leia mais

LOGÍSTICA PORTUÁRIA E CONFER NCIA DE CARGAS CONFORMITY. #QueroSerConferente

LOGÍSTICA PORTUÁRIA E CONFER NCIA DE CARGAS CONFORMITY. #QueroSerConferente LOGÍSTICA PORTUÁRIA E CONFER NCIA DE CARGAS CONFORMITY A C A D E M Y #QueroSerConferente O SETOR Exportações Brasileiras Em 2015 a produção agropecuária do Brasil atingiu um volume recorde, chegando a

Leia mais

Manual de Embalagens para Importação e Exportação de material avião

Manual de Embalagens para Importação e Exportação de material avião Manual de Embalagens para Importação e Exportação de material avião Página 1 de 47 Elaborado e Revisado por: Grupo Manuseio Movimentação e Embalagem - MME Aprovado por: Julio Cícero Cunha Página 2 de 47

Leia mais

Rastreabilidade. Sistema EAN UCC 128

Rastreabilidade. Sistema EAN UCC 128 Rastreabilidade Sistema EAN UCC 128 Enquadramento Legal Caracterização Objectivos Rastreabilidade Procedimentos - Etiquetagem Enquadramento legal Regulamento (CE) nº 178/2002, do Parlamento Europeu e do

Leia mais

FOLHETO TÉCNICO 1. CARACTERÍSTICAS

FOLHETO TÉCNICO 1. CARACTERÍSTICAS FOLHETO TÉCNICO As TELHAS PERKUS são produzidas com argila microgranulada conformada em prensas de grande capacidade de compactação, num processo de monoqueima em fornos a rolo, em temperaturas acima de

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SEMA/STC/CRS Nº 1, DE 10 DE JUNHO DE 1983

INSTRUÇÃO NORMATIVA SEMA/STC/CRS Nº 1, DE 10 DE JUNHO DE 1983 INSTRUÇÃO NORMATIVA SEMA/STC/CRS Nº 1, DE 10 DE JUNHO DE 1983 Disciplina as condições de armazenamento e transporte de bifenilas policloradas (PCBs) e/ou resíduos contaminados com PCBs. O Secretário Especial

Leia mais

Estrutura de chapas calandradas

Estrutura de chapas calandradas Estrutura de chapas calandradas Observações de projeto, qualidade, pré- montagem, embalagem e embarque. Marcos Marinho de Andrade I. OBJETIVO Ilustrar itens a serem observados quando da construção e embarque

Leia mais