Manual de Logística para Fornecedores Nacionais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual de Logística para Fornecedores Nacionais"

Transcrição

1 Manual de Logística para Fornecedores Nacionais Versão 3.0 Manual de Logística para Fornecedores Nacionais Requerimentos Logísticos do Grupo Bosch Última Revisão: 24/04/2009

2 Sumário Prefácio Informações Logísticas Comunicação entre o Fornecedor e a BOSCH Contatos Disponibilidade Troca de Informações Eletrônicas EDI Convencional Sistema BeSIS (Bosch eletronic Supplier Interchange System) Aviso de Embarque (Advanced Shipment Notification - ASN) Portal de Fornecedores Bosch Processamento das Ordens de Compra Execução de Ordens de Compra / Chamadas Acompanhamento das Ordens Envio de Pedidos e Previsões de Consumo Gerenciamento da Introdução de Itens Novos ou em Processo de Descontinuidade Controle da Performance Logística Forma de Cálculo do IFE Embalagem Especificação de Embalagem Embalagens Retornáveis Embalagens Descartáveis Embalagens Vazias Aquisição Gerenciamento Fornecimento Armazenagem, Reparação e Compras de Reposição Limpeza Cálculo da Necessidade de Embalagens Expedição Procedimentos de Envio Transportadoras Responsabilidade pelo Frete Fretes Especiais Otimização das Remessas Volumes Especificações de Remessa...20 Robert Bosch Ltda, RBLA/LOG Página 2(45)

3 3.3 Identificação dos Volumes Métodos de Identificação Formato e Fixação das Etiquetas Aviso de Liberação para Coleta Documentos de Transporte Notas Fiscais Conhecimento de Transporte Rejeição de Peças Avaliação de Performance Logística Lean Plant Assessment (LPA) Módulo Logística...23 Visão...25 Abreviações...26 Anexos...27 Anexo 1 Padrões de Embalagem BOSCH...27 Anexo 1A Paletes de Madeira ou Similar...28 Anexo 1B Caixa de Papelão Descartável (Tipo Exportação)...29 Anexo 1C Container / Berço de Plástico Retornável...29 Anexo 1D Grupos de Produtos...30 Anexo 1D1 Matérias-Primas Metálicas...30 Anexo 1D2 Matérias-Primas Plásticas e Granulados em Geral...30 Anexo 1D3 Matérias-Primas Líquidas e a Granel...31 Anexo 1E1 Exemplos de Fornecimentos Proibidos e Corretos...32 Anexo 1F Formulário de Embalagem (Português)...36 Anexo 1G Formulário de Embalagem (Inglês)...37 Anexo 1H Especificações de Embalagens...38 Anexo 2 Padrões de Etiqueta BOSCH...40 Anexo 3 Formulário de Avaliação de Potencial do Fornecedor (LPA)...42 Anexo 4 Modelo de Carta de Informação do IFE...43 Anexo 5 Fluxo para Aprovação de Embalagem Itens Novos...44 Anexo 6 Fluxo para Aprovação de Embalagem Itens de Série...45 Robert Bosch Ltda, RBLA/LOG Página 3(45)

4 Prefácio Gostaríamos de apresentar, neste Manual de Logística para Fornecedores Nacionais, os principais pilares sobre os quais construiremos o futuro da Logística da Robert Bosch Ltda e o relacionamento com seus Fornecedores. A competição, tanto no mercado doméstico quanto internacional, tem se intensificado nos últimos anos. O reflexo dessa realidade tem sido claramente refletido na demanda de nossos clientes, com impactos diretos nas atividades logísticas, principalmente no que se refere à qualidade e flexibilidade. A qualidade da logística tem se tornado cada vez mais importante na competitividade de nossos negócios, e um fator crescentemente decisivo no sucesso de nossas estratégias. A Robert Bosch Ltda entende que os altos níveis de qualidade, tanto de seus produtos quanto de seus serviços, só pode ser obtido em conjunto com Fornecedores que trabalhem com o mesmo foco, ou seja, orientados a seus clientes. Este manual tem como objetivo aprimorar o relacionamento da Robert Bosch Ltda com seus Fornecedores, minimizando o risco de perdas em virtude de não-conformidades. O objetivo final é estabelecer uma relação cada vez mais clara e transparente com foco na competitividade de nossos negócios. O presente manual foi elaborado para servir como referência a todas as unidades de negócio e plantas da RBLA - Robert Bosch América Latina Ltda e suas afiliadas, assumindo os processos padrões e preferenciais como referência. Esses processos podem ser suplantados por padrões específicos de cada planta em função de especificidades não tratadas neste manual. Adicionalmente gostaríamos de ressaltar que os padrões e processos abordados neste manual se aplicam às empresas que forneçam para as unidades da RBLA. Fornecedores nacionais com contratos de fornecimento para outras plantas Bosch que não as localizadas na América do Sul, estão sujeitas às especificidades locais, tratados nos manuais regionais. Robert Bosch Ltda, RBLA/LOG Página 4(45)

5 1 Informações Logísticas A comunicação efetiva entre a BOSCH e seus Fornecedores é a base para uma colaboração eficiente e funcional. As pré-condições para isto são: - Pronta notificação de alterações de qualquer natureza com impacto em processos com Fornecedores (acordos, processos, etc.). - Conformidade e monitoramento dos acordos feitos. 1.1 Comunicação entre o Fornecedor e a BOSCH Contatos Os Fornecedores devem informar o contato da pessoa responsável pelo suporte em assuntos relacionados à logística (nome do contato, substituto, endereço eletrônico, telefone e fax). A pessoa de contato deve ter experiência e conhecimento nos diversos assuntos sob sua responsabilidade Disponibilidade A principal pessoa de contato designada pelo Fornecedor (ou seu substituto) deve estar disponível para contato nos dias úteis das 8:00h às 17:00h. (horário local do Fornecedor). Fora desses horários (e durante períodos de recesso), pessoas qualificadas devem estar acessíveis para lidar com eventuais emergências. 1.2 Troca de Informações Eletrônicas Com o objetivo de agilizar a troca de informações comerciais, a Robert Bosch Ltda promove e desenvolve a comunicação eletrônica com seus Fornecedores, com o objetivo de evitar perda de tempo e reduzir custos com a emissão e manuseio de documentos, aumentando assim a confiabilidade, rapidez e transparência na troca de informações. A troca eletrônica de informações (EDI / BeSIS / Portal de Fornecedores) é fundamental em todas as interfaces entre BOSCH e seus Fornecedores. Os Fornecedores utilizarão o meio eletrônico para receber e transmitir informações (como planejamentos, chamadas de entrega, avisos de embarque, etc.) da/e para a BOSCH. Os Fornecedores que não dispõem de um link estabelecido com a BOSCH (EDI / BeSIS / Portal de Fornecedores), deverão estabelecê-lo baseado em um procedimento e calendário acordado entre as partes. A seguir detalharemos os dois sistemas utilizados pela BOSCH para envio e recebimento eletrônico de informações: EDI convencional, BeSIS (Bosch Eletronic Supplier Interchange System), e Portal de Fornecedores. Robert Bosch Ltda, RBLA/LOG Página 5(45)

6 1.2.1 EDI Convencional Para o envio de informações (programas de remessas, pedidos fechados, etc.) via EDI convencional, a BOSCH utiliza o padrão RND da Anfavea. A versão do layout a ser utilizado pelo Fornecedor para o recebimento destas informações deverá ser solicitada à área de Tecnologia da Informação da BOSCH. O Fornecedor deverá solicitar também à área de Tecnologia da Informação da BOSCH, que providencie o seu cadastro dentro do diretório de Fornecedores BOSCH (Data Center) para que a comunicação eletrônica possa ser estabelecida Sistema BeSIS (Bosch eletronic Supplier Interchange System) O Sistema BeSIS é um sistema de troca de informações, baseado na internet, que foi desenvolvido pela BOSCH como uma alternativa ao uso do EDI convencional. Para poder acessar o Sistema BeSIS, o Fornecedor terá que ser previamente cadastrado, onde receberá um código de Usuário e uma Senha, e receber as orientações necessárias para que possa utilizar ao máximo todos os recursos disponíveis. A solicitação para cadastro de um novo Fornecedor deverá ser feita pelas áreas de Planejamento de Materiais Bosch (CLPs/LOGs), através de enviado para a área de Logística Corporativa (RBLA/LOG1), informando o código SAP/CNPJ do Fornecedor, nome completo do usuário a ser cadastrado, bem como seu e telefone de contato. A responsabilidade em cadastrar o Fornecedor e orientá-lo quanto à utilização do sistema, é do coordenador do sistema BeSIS de cada fábrica BOSCH. Para tratar de assuntos relacionados ao Sistema BeSIS, o Fornecedor deverá entrar em contato inicialmente com as áreas de Planejamento de Materiais Bosch (CLPs/LOGs), que direcionará o contato ao coordenador corporativo do Sistema BeSIS (RBLA/LOG1) quando necessário. Estando cadastrado, o Fornecedor poderá acessar o site do Sistema BeSIS através do link: https://www4.bosch.com.br/besis/ A Figura 1.1 ilustra a página de acesso do Sistema BeSIS onde deverá ser informado o Login e a Senha do usuário. Figura 1.1 Robert Bosch Ltda, RBLA/LOG Página 6(45)

7 Após informado o código de Usuário e a respectiva Senha, o usuário deve clicar sobre o ícone Prosseguir para que possa ter acesso à tela principal do sistema onde estão disponíveis os 5 módulos de informações que compõem o Sistema BeSIS. A Figura 1.2 ilustra a página principal do Sistema BeSIS. Figura 1.2 No módulo Programa de Remessa, o Fornecedor poderá consultar toda a programação de entrega (que é atualizada diariamente no Sistema BeSIS) a ser realizada em cada Fábrica BOSCH. No módulo Aviso de Embarque, o Fornecedor poderá: consultar o status (em trânsito ou recebido) dos Avisos de Embarques (ASN) enviados para a BOSCH; realizar o Upload do Aviso de Embarque para a BOSCH; criar um Aviso de Embarque através de processo manual. No módulo Informações Financeiras, o Fornecedor poderá consultar o status (em aberto ou compensadas) das duplicatas a serem pagas a ele pela BOSCH. No módulo Preferências o Fornecedor poderá visualizar o perfil do seu usuário cadastrado no Sistema BeSIS, assim como poderá alterar a qualquer momento as informações relativas a: e- mail de contato, telefone comercial, senha e idioma a ser utilizado no sistema. No módulo Informações o Fornecedor terá acesso a informações adicionais sobre o Sistema BeSIS. Faltando 30 dias para expirar a validade da senha do usuário, o Sistema BeSIS começa a informar a cada acesso, e de forma regressiva, o número de dias faltantes para expirar a senha. Antes de ter a senha expirada, o próprio usuário pode alterá-la seguindo os 10 passos descritos no Manual de Alteração de Senha que pode ser acessado através do link existente na página de acesso ao Sistema BeSIS, no Módulo Informações(Figura 1.1) Aviso de Embarque (Advanced Shipment Notification - ASN) Com o objetivo de receber informações antecipadas sobre os itens que estão sendo faturados e enviados à BOSCH, e corrigir alguma inconsistência encontrada comparando-se os dados informados na nota fiscal de fatura e os dados que estão cadastrados no Sistema SAP da BOSCH, Robert Bosch Ltda, RBLA/LOG Página 7(45)

8 os Fornecedores devem transmitir eletronicamente os Avisos de Embarques (ASN) para as Fábricas BOSCH de destino da mercadoria faturada. O arquivo eletrônico relativo ao Aviso de Embarque, para Notas Fiscais Modelo 1, 1A ou eletrônica (NF-e), deve ser desenvolvido pelo Fornecedor respeitando-se os respectivos layouts disponibilizados pela BOSCH através do Portal de Fornecedores (Tópico deste Manual). Os arquivos eletrônicos de Avisos de Embarques (ASN) deverão ser enviados para a BOSCH através do sistema EDI convencional ou através do Sistema BeSIS. Detalhes mais técnicos e formas de transmissão dos arquivos de Avisos de Embarques serão discutidos na fase de desenvolvimento dos mesmos Portal de Fornecedores Bosch Com o objetivo de tornar mais ágil e eficiente a interação com os Fornecedores BOSCH, foi desenvolvido o Portal de Fornecedores BOSCH, para servir como um canal de comunicação para a troca de informações, envio de comunicados, e integração de sistemas entre outras facilidades. Através deste Portal, o Fornecedor cadastrado acessa um ambiente seguro e restrito aos usuários da sua empresa, para o compartilhamento de informações relacionadas aos departamentos de Compras, Logística, e Qualidade. Figura 1.3 Para que o Fornecedor possa ter acesso ao Portal de Fornecedores Bosch ele deverá possuir um Login e uma Senha cadastrados. O acesso ao Portal, para os Fornecedores que ainda não o possuem, deve ser realizado inicialmente mediante solicitação de cadastro ao seu contato do departamento de Compras, de Logística ou de Qualidade BOSCH, que avaliará esta solicitação e posteriormente a encaminhará para o departamento responsável para a efetivação do cadastro. Após liberado e efetivado o cadastro, o sistema de cadastro do Portal de Fornecedores enviará um com as informações necessárias para que o acesso pelo Fornecedor possa ser realizado. O Portal de Fornecedores BOSCH pode ser acessado, para os Fornecedores cadastrados, através do link: https://portalfornecedores.bosch.com.br/ Robert Bosch Ltda, RBLA/LOG Página 8(45)

9 1.3 Processamento das Ordens de Compra Execução de Ordens de Compra / Chamadas As datas de entregas que constam nos pedidos são as datas de entrega na respectiva planta BOSCH ou local designado. Qualquer exceção a esse padrão, por quaisquer motivos, deve ser objeto de um acordo específico. O Fornecedor checa se os pedidos recebidos estão completos, corretos e plausíveis (por exemplo: nome do Fornecedor, itens, quantidades e datas estão corretos). Se qualquer discrepância é encontrada, o Fornecedor deve imediatamente alertar o respectivo planejador de materiais da BOSCH. Os pedidos serão considerados como plenamente aceitos (datas, quantidade e demais condições de compra) caso o Fornecedor não tenha objeção a nenhum dos parâmetros e não avise a BOSCH sobre a não aceitação dentro de dois dias úteis (48 horas) a partir do recebimento dos pedidos. A confirmação das ordens somente é requerida em caso de não concordância ao pedido, ou seja, data e quantidade em específico Acompanhamento das Ordens O Fornecedor continuamente acompanha as ordens em andamento. O Fornecedor é capaz de prover informações sobre o andamento dos pedidos a qualquer momento. Uma metodologia transparente de acompanhamento de pedidos deve ser assegurada. A utilização do Sistema BeSIS neste caso é de fundamental importância. Se qualquer problema venha a ocorrer e tenha algum impacto sobre o cumprimento dos pedidos, o Fornecedor deve imediatamente tomar medidas corretivas. Se apesar de tomadas as medidas, o Fornecedor notar que não conseguirá cumprir o pedido, o Fornecedor deve notificar imediatamente por escrito (fax/ ) a BOSCH (Planejador de Materiais) sobre o ocorrido, informando uma nova data e/ou quantidade. O Fornecedor dever ser capaz também de prover as seguintes informações: 1. A causa do problema de fornecimento; 2. Alternativas de produção; 4. Disponibilidade de itens alternativos; 5. Quebras de lotes; 6. Possibilidade de redução do tempo de trânsito (fretes emergenciais / especiais); 7. Notificação / Escalação do nível hierárquico imediatamente superior. Se não for possível o estabelecimento de acordo, a pessoa responsável do Fornecedor deve envolver seus superiores hierárquicos na busca por uma pronta resolução da divergência. Robert Bosch Ltda, RBLA/LOG Página 9(45)

10 1.3.3 Envio de Pedidos e Previsões de Consumo A BOSCH envia semanalmente (via EDI-STM400) a seus Fornecedores um plano de remessas atualizado, gerado automaticamente por nosso sistema de planejamento e controle de produção, cujas exceções são analisadas por nossa área de planejamento de materiais. O dia da semana em que é enviado o plano de remessas BOSCH varia de planta para planta. O plano de remessas contém os próximos pedidos firmes (período de dias fixados e definidos por cada planta BOSCH, e para cada material), e uma previsão de consumo a médio prazo, ou seja, para os próximos meses. Tal previsão de consumo não caracteriza a obrigatoriedade da BOSCH em confirmar os pedidos. Sua função é prover o Fornecedor com uma informação sobre demanda prevista com base em nosso planejamento de vendas, possibilitando ao Fornecedor executar, por sua vez, seu próprio planejamento com relação a recursos físicos e humanos Gerenciamento da Introdução de Itens Novos ou em Processo de Descontinuidade Durante os períodos de introdução ou descontinuidade da compra de itens, faz-se necessário uma maior flexibilidade por parte do Fornecedor para lidar com contingências características desses períodos. O planejamento de capacidade deve ser coordenado com o Fornecedor caso a caso. 1.4 Controle da Performance Logística A Robert Bosch Ltda. realiza a avaliação mensal da performance de entrega de seus Fornecedores, através do cálculo do indicador denominado IFE (Índice de Fidelidade de Entrega). O IFE indica exclusivamente a entrega realizada dos materiais em relação à data do pedido de cada item, acordada previamente com cada Fornecedor. No critério utilizado a nota do IFE pode assumir valores iguais a 0 ou Forma de Cálculo do IFE O cálculo do IFE é feito de uma forma muito simples e representado pela seguinte equação: A Tabela 1.1 exemplifica o critério utilizado para o cálculo da nota do IFE. Robert Bosch Ltda, RBLA/LOG Página 10(45)

11 Tabela 1.1 A referência para o cálculo do IFE será sempre a data e quantidade do pedido informada e acordada com o Fornecedor, no local de entrega pré-definido. São considerados 4 possibilidades de pontuação do IFE: 1º) Os pedidos atendidos com quantidade exata, e na data correta receberão a nota do IFE igual a 1 (Exemplo na figura acima, pedidos BOSCH dos dias 06 e 20/03). 2º) Os pedidos atendidos com quantidade exata, e após a data correta receberão a nota do IFE igual a 0 (Exemplo na figura acima, pedido BOSCH do dia 27/03). 3º) Os pedidos atendidos com quantidade parcial, e na data correta receberão a nota do IFE igual a 0 (Exemplo na figura acima, pedido BOSCH do dia 13/03). 4º) Os pedidos atendidos com quantidade parcial, e após a data correta receberão a nota do IFE igual a 0. Portanto, para que o IFE seja pontuado com a nota igual a 1, o pedido deve ser atendido exatamente na data e quantidade especificados. O exemplo dado na Tabela 1.1 refere-se apenas à entrega de um item e de um mesmo Fornecedor. Assumindo que este Fornecedor entregou no mês de março apenas 1 material, o cálculo do seu IFE é feito da seguinte forma, a partir da equação dada: Caso o Fornecedor realize o fornecimento de outros itens no mesmo mês em análise, o resultado final do seu IFE será dado pela divisão entre a soma de todos os pedidos atendidos pontuados como 1 (quantidade e datas especificados) de todos os itens, e a soma de todos os pedidos colocados no mês de todos os itens. O indicador IFE calculado será informado ao Fornecedor, mensalmente, através de uma carta, juntamente com os índices de qualidade PPM e PLKZ, e enviada por até o 10º dia útil Robert Bosch Ltda, RBLA/LOG Página 11(45)

12 do mês corrente à pessoa de contato determinada pelo Fornecedor, responsável por efetuar medidas corretivas quando o IFE não atingir o resultado igual a 100%. O modelo desta carta está no Anexo 4 deste manual. Robert Bosch Ltda, RBLA/LOG Página 12(45)

13 2 Embalagem 2.1 Especificação de Embalagem Um dos pontos mais determinantes para a realização de uma logística eficiente, com impacto direto em praticamente toda a cadeia, diz respeito à padronização de embalagens. Tendo tal fato em vista, foram definidos vários tipos de embalagens padrão que estaremos detalhando a seguir. Os tipos e sistemas de embalagens foram definidos a partir de diferentes critérios: ecológicos, econômicos, quantitativos e ergonômicos. As embalagens, de maneira geral, devem ser suficientemente robustas para acomodar os itens impedindo que sejam danificados durante o transporte. Ao mesmo tempo, devem proporcionar que os itens sejam levados diretamente às linhas de produção sem a necessidade de manuseio adicional (transbordo). Os seguintes princípios devem ser observados: - Evitar cargas soltas (utilizar paletes, filme stretch, arqueamento p/ caixas rígidas sem danificá-las); - A embalagem não deve ser maior ou mais elaborada que o essencial para proteger os itens (super-dimensionada); - Deve servir para acomodação das peças e proteção contra intempéries (tampa/saco plástico); - O uso de materiais para acomodação interna dos itens deve ser minimizado (Ex: isopor, papel, plástico-bolha,etc.); - Quando do uso de embalagens descartáveis ou recicláveis, esses materiais devem estar devidamente identificados de acordo com as normas e padrões dos serviços de reciclagem e retorno de embalagens; - Uso de materiais do mesmo tipo; - É mandatório o uso de embalagens retornáveis para os Fornecedores nacionais. (salvo alguma impossibilidade e com um aceite formal da BOSCH cliente final - GB); - Embalagens retornáveis (ex: paletes PBR, caixas tipo "KLT") passíveis de agrupamento/intercâmbio (ou seja, passíveis de trocas universais entre os agentes de carga, Fornecedores e clientes) devem ser preferidas. As caixas KLT devem possuir compartimento para cartão Kanban; - As embalagens retornáveis devem possibilitar o seu completo esvaziamento/drenagem, assim como apresentar facilidade para limpeza; - PUR deverá solicitar ao Fornecedor o preenchimento do formulário de embalagem de itens comprados (Anexo 1), no primeiro contato. Este formulário é parte integrante do processo de aprovação do item e deverá ser anexado ao PPAP para que seu fornecimento seja liberado (vide Anexo 5); - O cálculo da quantidade de embalagens necessárias para o fluxo deve ser de responsabilidade do Fornecedor; - A cor das embalagens retornáveis de propriedade do Fornecedor deverá ser azul RAL Para facilitar a identificação da propriedade das embalagens em geral, todas deverão possuir o nome e ou logotipo do Fornecedor gravado em local de fácil visualização; - Materiais a granel devem vir acondicionados sobre paletes e cintados de forma segura; Robert Bosch Ltda, RBLA/LOG Página 13(45)

14 - Quando as peças ou produtos apresentarem características ou superfícies críticas quanto à qualidade ou operação, deverão vir com proteção contra ferrugem, sujeira, contaminação e danos; - Embalagens danificadas deverão ser retiradas de circulação imediatamente e a manutenção das mesmas ficará a cargo do Fornecedor; - Embalagens movimentadas manualmente não devem exceder 18 kg, conforme norma do SESMT (Serviço Especializado em Segurança e Medicina do Trabalho); - Para cintamento das embalagens rígidas, só será aceita fita de Poliéster, com exceção do grupo de matérias primas metálicas; - Materiais perigosos deverão estar devidamente identificados e rotulados conforme Norma Técnica NBR 7500, atendendo em conjunto demais regulamentações governamentais; - O Fornecedor deverá ter um plano de embalagem para os itens fornecidos. Este plano deve incluir: dimensões da embalagem, número de peças por embalagem, material da embalagem, peso de embalagem cheia/vazia, número de embalagens por palete, especificações técnicas, quantidade de embalagens no giro, etc. Considerando as premissas acima, foram definidos os padrões preferenciais, apresentados no Anexo 1 (Tópicos A, B, C, D e E). Quaisquer necessidades de utilização de embalagens fora às especificadas neste anexo, deverão ser tratadas diretamente com a(s) planta(s) de destino e acordadas entre a BOSCH e o Fornecedor. É do Fornecedor a responsabilidade pelo desenvolvimento de embalagens especiais. No Anexo 1 (Tópico F) é disponibilizado um formulário de especificação de embalagem que deve ser preenchido pelo Fornecedor para cada um dos itens a serem fornecidos Embalagens Retornáveis São as embalagens que retornam para os Fornecedores após a utilização das peças armazenadas na mesma. Podem ser divididas em dois grupos: a) Embalagens passíveis de intercâmbio Embalagens do tipo e uso universal e, portanto, intercambiáveis b) Embalagens não-passíveis de intercâmbio Incluem, por exemplo: - Recipientes de plástico ou metal com características particulares (Ex: dimensões especiais, divisões internas, com condutância elétrica, etc.); - Paletes de plástico com dimensões específicas; - Paletes tipo Box com divisões internas Embalagens Descartáveis uso. São as embalagens que não retornam para os Fornecedores, devendo ser descartadas após o Robert Bosch Ltda, RBLA/LOG Página 14(45)

15 a) Tipos de materiais aceitos: - Plásticos: ABS, PS, PE, PP, EPP; - Caixas e/ou placas de papelão lisas ou corrugadas; - Madeira (somente para paletes). b) Tipos de materiais não aceitos - PVC; - Embalagens de gêneros alimentícios; - Isopor / Espuma. Esses tipos de materiais podem ser apenas utilizados em casos excepcionais e sob consulta. 2.3 Embalagens Vazias Com o objetivo de atingir e garantir a eqüidade de qualidade e os objetivos de fornecimento e inventário, a BOSCH e seus Fornecedores devem ter um regulamento unificado de gerenciamento de embalagens vazias Aquisição a) Embalagens estocáveis: - caixas tipo RL -KLT e paletes padrão PBR O Fornecedor deve ter embalagens, livre de custo para a BOSCH, suficientes para: - Trânsito; - Armazenagem de seus produtos acabados; - Armazenagem de produtos a serem remetidos para a BOSCH. Casos excepcionais onde haja grande variação no número de embalagens necessárias, serão tratados caso a caso. b) Embalagens não-estocáveis: b1) Embalagens específicas BOSCH; Embalagens de padrão específico da BOSCH serão somente adquiridas por ela mesma. b2) Embalagens específicas do Fornecedor; Embalagens de padrão específico do Fornecedor deverão ser adquiridas somente por ele mesmo. Obs.: O custo das embalagens no preço final do produto, independente do padrão adotado, deve estar destacado. Robert Bosch Ltda, RBLA/LOG Página 15(45)

16 2.3.2 Gerenciamento O Fornecedor deve manter um controle do saldo de suas embalagens e comunicar a BOSCH caso esteja com saldo insuficiente de embalagens. Discrepâncias nos saldos de embalagem devem ser eliminadas pelo Fornecedor com a assistência da área responsável da BOSCH ou do terceiro. Havendo divergência a menor no número de embalagens, essa quantidade deve ser imediatamente reposta pela parte responsável pela embalagem Fornecimento Se o Fornecedor não proceder à compra de embalagens no tempo apropriado, deverá então assumir os custos decorrentes de uma eventual falta de embalagens apropriadas. a) Paletes e caixas padronizadas: Paletes padrão PBR e caixas tipo KLT tem suas dimensões e demais padrões definidas pelas entidades responsáveis. Essas embalagens devem ser adquiridas de fabricantes cujos padrões obedeçam às normas em vigor. b) Embalagens específicas BOSCH: que O Fornecedor deve prontamente informar por escrito a BOSCH o número de embalagens julgue necessário, considerando todos os lead times do processo. As quantidades de embalagens devem ser dimensionadas de acordo com os volumes previstos de fornecimento e pelo período explícito no compromisso de compra Armazenagem, Reparação e Compras de Reposição A estocagem apropriada das embalagens vazias deve ser assegurada, de forma que todas as condições de armazenamento sejam respeitadas, mesmo ao ar livre. A reparação de embalagens danificadas (paletes, caixas, divisórias e tampas) e reposição das mesmas é de responsabilidade do Fornecedor, e deve acontecer de acordo com o tempo de vida útil estabelecido pelo Fornecedor para cada embalagem introduzida no fluxo Limpeza a) as embalagens vazias devem ser, se necessário, limpas pelo Fornecedor antes de serem utilizadas. O nível de limpeza deve ser realizado de acordo com os requisitos de limpeza do produto que será armazenado, ou de acordo com especificações da BOSCH quando aplicáveis. Quaisquer identificações que não sejam mais válidas (etiquetas, cartões) devem ser eliminadas. b) Para o fluxo de fornecimento em que o Fornecedor utiliza embalagens de propriedade Bosch, o mesmo é responsável pela limpeza antes de serem utilizadas. Robert Bosch Ltda, RBLA/LOG Página 16(45)

17 2.3.6 Cálculo da Necessidade de Embalagens Giro de embalagens é o tempo total do fluxo, considerando-se algumas variações, que as embalagens levam para percorrer todo o fluxo considerado. A Figura 2.1 ilustra todo o fluxo considerado de embalagens, onde o valor de Giro é determinado da seguinte forma: Figura 2.1 Giro = (X TI + X CC + X CV + X TV + X FV + X FC) Dias onde: X TI = número de dias de Transporte de Ida de caixas cheias do Fornecedor para o Cliente. X CC = número de dias de permanência de Caixas Cheias no Cliente. X CV = número de dias de permanência de Caixas Vazias no Cliente. X TV = número de dias de Transporte de Volta de caixas vazias do Cliente para o Fornecedor. X FV = número de dias de permanência de Caixas Vazias no Fornecedor. X FC = número de dias de permanência de Caixas Cheias no Fornecedor. A Necessidade de Embalagens (NE) é dada pela relação: NE = Volume diário Fornecido X Giro Nº de Peças por Embalagem Robert Bosch Ltda, RBLA/LOG Página 17(45)

18 Para o caso de um item fornecido em caixas plásticas com 50 peças em cada caixa, um consumo diário de peças e um Giro de 15 dias, a necessidade de embalagens (NE) será igual a: NE = X => NE = 300 caixas plásticas É importante considerar uma quantidade adicional de embalagens no fluxo para cobrir eventuais oscilações na demanda, ou nos tempos de espera ao longo do processo. Robert Bosch Ltda, RBLA/LOG Página 18(45)

19 3 Expedição 3.1 Procedimentos de Envio A transportadora deve acusar o recebimento dos materiais e checar o número e tipos de volume; porém não seu conteúdo, peso ou valor. As notas fiscais dos materiais transportados devem acompanhar a carga. (de acordo com a legislação em vigor). Todos os requisitos especiais de transporte tais como licenças especiais de transporte, mudanças de rota, entre outros, devem ser acordados entre o Fornecedor e a transportadora. O requisito final é a garantia de fornecimento dos itens à BOSCH na data, quantidade e qualidade especificados. O Fornecedor deverá coletar as embalagens retornáveis vazias a cada entrega de material na BOSCH, obedecendo as janelas de entregas, exceto quando esta coleta for negociada devido à distância de localização do Fornecedor Transportadoras Para materiais que são entregues diretamente pelo Fornecedor, seja diretamente nas plantas ou no centro de consolidação designado, o Fornecedor é responsável pela contratação do frete Responsabilidade pelo Frete A responsabilidade do frete deve ser negociada entre as partes. Sempre que o Fornecedor for o responsável pelo frete, independente do local de entrega, o valor desse frete deve estar destacado no preço do produto Fretes Especiais Fretes especiais podem ser utilizados pelo Fornecedor desde que previamente acordado com a BOSCH. Os custos desses procedimentos devem ser assumidos pela parte responsável pela necessidade dos mesmos. Nos casos de custos a serem assumidos pela BOSCH, é necessário seguir os procedimentos internos que regulamentam esta condição Otimização das Remessas Os prestadores de serviço logístico devem garantir o manuseio e transporte dos materiais com aproveitamento de recursos otimizados. Deve-se sempre buscar a unitização de volumes em embalagens coletivas e paletizadas, facilitando o manuseio e respeitando-se os limites dimensionais e de peso. Robert Bosch Ltda, RBLA/LOG Página 19(45)

20 3.1.5 Volumes Volumes menores com peso inferior a 31,5 kg e com freqüência de entrega maior do que dez volumes diários por ponto de descarregamento, devem ser agrupados e expedidos em um número menor de volumes, como forma de garantir um melhor aproveitamento dos recursos. 3.2 Especificações de Remessa Visando a padronização, maior segurança e confiabilidade dos processos de remessa (expedição) de mercadorias, a BOSCH estabelece as seguintes premissas: - As dimensões máximas do palete devem ser respeitadas, e volumes que excedam essas dimensões devem ser evitados ao máximo; - Todos os volumes expedidos devem estar embalados pelo Fornecedor de forma a garantir que o transporte ocorra de forma segura e que as peças estejam protegidas de acesso indevido; - Os itens devem estar embalados por números de tipo. Não se devem agrupar diferentes itens na mesma embalagem primária; - Os volumes, mesmo de diferentes itens, devem ser combinados de modo a formar volumes maiores (embalagem secundária) e que garantam o transporte seguro dos itens; - Pelo menos os volumes situados na parte superior devem estar cobertos e protegidos, conforme modelos no Anexo 1; - Os locais para fixação de etiquetas devem ser utilizados; - As etiquetas podem ser fixadas nas embalagens retornáveis de forma que possibilitem sua fácil remoção posterior; - No caso de utilização de caixas menores do tipo KLT, a camada superior deve formar uma camada uniforme e plana (para fins de proteção e empilhamento); - As embalagens devem estar limpas e estarem de acordo com eventuais requisições específicas de determinadas plantas com relação à limpeza das mesmas; - Exigências especiais aplicam-se para peças altamente sensíveis (Ex: Proteção contra descarga eletrostática). Nesses casos devem estar em acordo com as normas aplicáveis; - Remessas mistas são, a princípio, permitidas. Porém, devem ser evitadas, e os mesmos números de tipo devem ser colocados no menor número de embalagens possível. As diferentes remessas (volumes) devem estar claramente identificados como remessa mista na parte externa da embalagem coletiva e conter um packing list. 3.3 Identificação dos Volumes Métodos de Identificação Todos os volumes devem ser identificados com uma etiqueta mestre (primária). No caso de remessas com vários números de tipo no mesmo volume secundário, deve-se assegurar que: - A embalagem esteja identificada como "contém múltiplos itens"; - Todos os números de tipo BOSCH estejam identificados nas embalagens com suas respectivas quantidades; Robert Bosch Ltda, RBLA/LOG Página 20(45)

21 - Todos os números de tipo diferentes estejam fisicamente separados e com fácil identificação. Todas as embalagens, por menores que sejam, devem conter etiquetas com código de barras. Sua utilização deve ser acordada com a planta BOSCH em questão Formato e Fixação das Etiquetas. Todos os códigos de barra devem seguir o padrão code 39. Detalhes vide Anexo 2. O local para colocação de etiquetas nas caixas tipo RL-KLT deve ser utilizado. O uso de etiquetas adesivas deve ser evitado. 3.4 Aviso de Liberação para Coleta O aviso do Fornecedor para a transportadora responsável deve ser enviado em tempo hábil para que a empresa de transportes seja capaz de cumprir a data prevista de entrega na respectiva planta BOSCH ou local designado por ela. O transportador deve receber todas as informações relevantes antes da coleta. Dentre as informações, devem constar: Endereço de coleta: Endereço do Fornecedor Número Bosch do Fornecedor (idêntico ao pedido) Data e horário de coleta Endereço de entrega: Destinatário/endereço de entrega Data de entrega Dados dos itens transportados: Quantidade, tipos de embalagem, e, quando apropriado, dados de volume. Peso bruto O transportador deve realizar as coletas dentro de um intervalo de tempo determinado (janela de coleta), ou em um determinado horário acordado entre o transportador e o Fornecedor. O aviso de transporte de materiais perigosos deve ser feito separadamente. O Fornecedor é responsável por verificar se o transportador designado para o transporte desse tipo de material está habilitado para tal. Adicionalmente, itens que possuam dimensões tais que não permitam serem embalados, devem ser informados ao transportador antecipadamente. Qualquer controle de temperatura requerido (seja contra frio ou calor) deve ser notificado antecipadamente para o transportador, e em tempo hábil para que o mesmo possa providenciar o transporte adequado. Robert Bosch Ltda, RBLA/LOG Página 21(45)

22 3.5 Documentos de Transporte Para identificar os materiais transportados e cumprir com a legislação fiscal vigente, o transportador deve transportar a carga sempre acompanhada das respectivas notas fiscais. Tais documentos devem conter as informações descritas nos tópicos a seguir Notas Fiscais - Número da nota fiscal; - Número CNPJ do Fornecedor; - Número Inscrição Estadual do Fornecedor; - Endereço do Fornecedor; - Código SAP do Fornecedor; - Endereço do destinatário (planta ou local de entrega designado pela BOSCH); - Quantidade total e quantidades por itens; - Número de tipo do item (part number Bosch); - Descrição do tipo e quantidade de embalagens; - Número do pedido de origem; - Número do lote/data de vencimento quando obrigatório Conhecimento de Transporte O conhecimento de transporte é documento obrigatório para quaisquer cargas, independente da origem, que circulem em território brasileiro. A transportadora que efetuará o transporte é responsável pela emissão deste documento. 3.6 Rejeição de Peças A BOSCH se reserva o direito de recusar o recebimento das peças pelos seguintes motivos: - Embalagem avariada com comprometimento da integridade do material; - Quantidade e/ou itens não pedidos pela BOSCH; - Envio antecipado de material, exceto quando previamente negociado com o Planejador de Materiais Bosch responsável pelo material; - Envio de Notas Fiscais sem o respectivo Aviso de Embarque (ASN) quando este for obrigatório; - Tipos de embalagem fora do padrão e sem aceite da BOSCH; - Materiais misturados ou sem identificação adequada. Nesses casos, os custos incorrentes sobre o processo de devolução dos itens correrão por conta do Fornecedor. Robert Bosch Ltda, RBLA/LOG Página 22(45)

23 4 Avaliação de Performance Logística 4.1 Lean Plant Assessment (LPA) Módulo Logística O LPA tem por objetivo avaliar e definir a sistemática de otimização da Base de Fornecedores (concentração de negócios nos Fornecedores com maior capacidade de desempenho) e aplicação no desenvolvimento de novos Fornecedores para a Robert Bosch Ltda. Sistemática: A avaliação LPA é realizada através do preenchimento de um questionário padrão Bosch e contempla as áreas de Gerenciamento Corporativo, Custos/Preços, Tecnologia/Desenvolvimento, Produção, Gerenciamento da Qualidade e Logística (Anexo 3). Todas as áreas descritas possuem o mesmo peso na avaliação. A coordenação de toda Avaliação LPA será do Comprador comercial da Bosch, que poderá convocar representantes das áreas da Qualidade, Logística, Compras e área técnica, se julgar necessário. A avaliação do Fornecedor deve ser realizada por instalação fabril do Fornecedor. Modo da Avaliação: A avaliação será realizada comparativamente a um Fornecedor de nível médio do grupo de mercadoria (setor). Pontuação Códigos da Avaliação 1 Bem abaixo da média do setor 25 Abaixo da média do setor 50 Média do setor 75 Acima da média do setor 100 Bem acima da média do setor Em algumas questões, alguns dos códigos acima não estarão disponíveis para pontuação e nestes casos o avaliador deverá optar somente por um dos códigos claramente disponíveis. Valores intermediários não são permitidos. O resultado final da avaliação no seu formato detalhado é considerado "CONFIDENCIAL" e de uso exclusivo da Bosch, não podendo ser entregue ao Fornecedor. Robert Bosch Ltda, RBLA/LOG Página 23(45)

24 A devolutiva ao Fornecedor está restrita à apresentação dos Pontos Fortes e Oportunidades de Melhoria identificados na avaliação. Um Radar Chart com o resultado das seis áreas avaliadas pode ser entregue ao Fornecedor. Condições: - A Bosch e o Fornecedor manterão sigilo das informações tratadas; - Consultas relativas às avaliações devem ser dirigidas aos Compradores comerciais. Robert Bosch Ltda, RBLA/LOG Página 24(45)

25 Visão A BOSCH está continuamente buscando aprimorar seus processos de logística, ou seja, desenvolvendo continuamente os requisitos expressos neste manual e que refletem a forma como a BOSCH espera trabalhar o relacionamento com seus Fornecedores, estarão em constante mudança. O objetivo é formular requisitos uniformes e que sejam em tal complexidade e número que permitam seu gerenciamento através de indicadores de desempenho. A partir das premissas apresentadas neste manual, o foco para o futuro será: - Introdução de conceitos VMI e Kanban de fornecimento; - Estabelecimento de uma base de troca eletrônica de dados entre a BOSCH e seus Fornecedores e a integração progressiva dos demais participantes da cadeia de fornecimento; - Introdução de uma etiqueta global de transporte (Global Transport Label - GTL) Tais requisitos pressupõem um envolvimento pró-ativo dos Fornecedores da BOSCH e de seus prestadores de serviço no sentido de reagirem às mudanças em função do aperfeiçoamento dos processos das áreas envolvidas. Sugerimos também que os Fornecedores estudem a aplicação em seus processos internos e com seus Fornecedores/prestadores de serviço, dos conceitos apresentados neste manual, como forma de beneficiar-se dos ganhos advindos de uma cadeia de suprimento e processos mais enxutos e integrados. Robert Bosch Ltda, RBLA/LOG Página 25(45)

26 Abreviações ABS ASN BeSIS EDI EDIFACT EPS IFE KLT LEB NBR ODETTE PBR PE PLKZ PP PPM PPAP PS PVC VDA WebEDI Acrilonitrila-butadieno-estireno Aviso de embarque (Advance Shipping Notice) Bosch eletronic Supplier Interchange System Troca eletrônica de dados (Electronic Data Interchange) Padrão de troca eletrônica de dados (Electronic Data Interchange for Administration, Commerce and Transport) Poliestireno expandido Índice de Fidelidade de Entrega Klein Ladungs Träger Caixas pequenas para transporte. Padrão de embalagem definido pela VDA Avaliação de performance logística de Fornecedores Normas brasileiras (Definidas pela ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas) Padrão europeu de troca eletrônica de dados (Organisation for Data Exchange by Tele Transmission in Europe) Palete padrão brasileiro 1000 x 1200 mm Polietileno Índice que mede a qtde. de defeitos detectados em todo o processo produtivo Polipropileno Índice que mede a qtde. de defeitos encontrados nos exames de qualidade Processo de aprovação de peças de produção Poliestireno Policloreto de Vinila Associação das indústrias automobilísticas alemãs Troca eletrônica de dados via Internet Robert Bosch Ltda, RBLA/LOG Página 26(45)

27 Anexos Anexo 1 Padrões de Embalagem BOSCH A BOSCH estará à disposição do Fornecedor, para orientá-lo no desenvolvimento / especificação da embalagem adequada para a peça. Contatos das plantas: Fábrica Campinas CaP1 End.: Via Anhangüera - Km 98 Campinas - São Paulo Brasil Pessoa de contato: Rafael Tenca Tel: (19) Fábrica Campinas Divisão Freios CaP2 End.: R. João Felipe Xavier da Silva, 384 Campinas - São Paulo Brasil Pessoa de contato: Magda Garcia Tel: (19) Fábrica Curitiba CtP End.: Av. Juscelino Kubitschek de Oliveira, Cidade industrial - Curitiba - Paraná Brasil Pessoa de contato: Marcos Kugler Tel: (041) Fábrica Aratu ArP End.: Centro Industrial de Aratu Simões Filho - Aratu - Bahia Brasil Pessoa de contato: Antonio Mauricio Tel: (071) Observação: As fotos e desenhos de embalagens apresentadas neste guia são meramente ilustrativas e orientativas. Robert Bosch Ltda, RBLA/LOG Página 27(45)

28 Especificações de Embalagens E1. Embalagem Primária É a embalagem utilizada para acondicionar peças pequenas e ou peças padrão. Os materiais metálicos de menor tamanho, dependendo de suas características, devem vir embalados em sacos plásticos distribuídos nas caixas retornáveis. Todos os produtos devem ser acomodados nas caixas, de forma a garantir a qualidade e facilitar a utilização. O peso total (embalagem + peças) não deverá exceder 17 kg. E2. Embalagem Secundária É a embalagem maior que acomoda as embalagens primárias em seu interior. A acomodação das embalagens primárias dentro da secundária deve ser feita de forma a evitar avarias e permitir o empilhamento de outras embalagens secundárias. Anexo 1A Paletes de Madeira ou Similar Considerando o palete carregado: Peso bruto máx kg. Altura máx mm (considerando o palete). Comprimento máx mm, largura máx mm. As Figuras 1A1 e 1A2 ilustram alguns tipos de paletes. Figura 1A1 Figura 1A2 Os paletes devem ter, pelo menos, duas entradas laterais para transporte com equipamentos manuais. Por questões ambientais, deve-se dar preferência ao uso de paletes plásticos recicláveis. Os paletes devem possuir nome do Fornecedor que deverá ser gravado em azul na parte superior. Todos os quatro cantos devem ser pintados na cor azul com gravação em branco de uma sigla que representa o Fornecedor, informada pela Bosch (exemplo: FORNECEDOR; sigla: FN). A Figura 1A3 ilustra essas especificações. Robert Bosch Ltda, RBLA/LOG Página 28(45)

29 Figura 1A3 Anexo 1B Caixa de Papelão Descartável (Tipo Exportação) As embalagens de papelão (Figura 1B1), destinadas ao transporte terrestre, possuem tamanhos determinados e geralmente são compostas por três módulos integrantes: a embalagem primária, a embalagem coletiva e a embalagem de transporte. Caixas Internas: Devem ter dimensões sub-múltiplas da caixa externa (paletizada), respeitando os limites mínimos e máximos como segue: Mín.: 280 x 135 x 110mm. Máx.: 450 x 350 x 250mm. Cada embalagem interna não deve ultrapassar 18kg. Caixa Externa (Coletiva): Dimensões:1140 x 960 x 840mm Figura 1B1 Fita de Poliéster Anexo 1C Container / Berço de Plástico Retornável Os Containers / Berços de Plástico Retornável (Figura 1C1) deverão ser de propriedade do Fornecedor e apresentar as seguintes dimensões: Berço grande: Berço pequeno: 1200 x 1000 x 860 mm x 1000 x 650 mm. Figura 1C1 Robert Bosch Ltda, RBLA/LOG Página 29(45)

30 Anexo 1D Grupos de Produtos Anexo 1D1 Matérias-Primas Metálicas As condições de manuseio, transporte e acondicionamento estão descritas nas normas técnicas N24B5BR e N24B1, disponíveis no departamento de compras. Bobinas Rolos Figura 1D1.1 Figura 1D1.2 Barras Figura 1D1.3 Anexo 1D2 Matérias-Primas Plásticas e Granulados em Geral Materiais plásticos ou materiais em pó deverão ser fornecidos em sacos dispostos em paletes e protegidos com filme de PVC (Figura 1D2.1). Para quantidades maiores pode se utilizar o "Big- Bag" com alças para facilitar o transporte com empilhadeira (Figura 1D2.2). Caso as alças não estejam disponíveis é indispensável o uso de um palete. Robert Bosch Ltda, RBLA/LOG Página 30(45)

31 Figura 1D2.1 Figura 1D2.2 Anexo 1D3 Matérias-Primas Líquidas e a Granel Obs.: A correta etiquetagem dos tambores e bombonas é fundamental para o manuseio e prevenção de acidentes. Figura 1D3.1 Todo material a granel deve ser fornecido em tambores de aço (Figura 1D3.1) ou, dependendo da composição do produto, em bombonas de plástico, evitando assim a corrosão e vazamento do conteúdo da embalagem. Ambos deverão estar dispostos em paletes de madeira e preferencialmente arqueados, evitando desse modo o tombamento do produto líquido. Robert Bosch Ltda, RBLA/LOG Página 31(45)

32 Para o caso de produtos químicos, existem requerimentos adicionais que devem estar em conformidade com as normas vigentes que tratam da identificação, transporte e manuseio desses tipos de produtos. Dentre as normas, portarias e leis de referência podemos citar: - NBR Símbolos de Risco e Manuseio para o Transporte e Armazenamento de Materiais; - Portaria nº 204/1997 do Ministério dos Transportes; - Lei nº 8078 de 11/09/ Código de Defesa do consumidor. Anexo 1E1 Exemplos de Fornecimentos Proibidos e Corretos Não utilizar o espaço acima da borda superior da embalagem (Figura 1E1). Figura 1E1 Produtos devem ser colocados de forma ordenada nas embalagens (Figura 1E2). O Fornecedor deve avaliar a necessidade de uma proteção interna às paredes da embalagem e/ou separadores entre as peças (Figura 1E2). Figura 1E2 Robert Bosch Ltda, RBLA/LOG Página 32(45)

33 Não enviar as peças a granel, ou seja, sem estarem devidamente protegidas (ex: c/ saco plástico) ou sem tampa (Figura 1E3). Não utilizar embalagem sem identificação (Figura 1E3). Figura 1E3 Todo material pequeno precisa estar disposto em sacos plásticos e em lotes pequenos. Os sacos não podem se romper no descarregamento (Figura 1E4). Não utilizar grampos nos sacos plásticos. Figura 1E4 Deve-se dar atenção à ordem, disposição e impacto que as peças sofrem, para que durante o transporte não sejam danificadas (Ex: usar separadores se necessário Figura 1E5). Figura 1E5 Robert Bosch Ltda, RBLA/LOG Página 33(45)

34 Figura 1E6 Não colar etiquetas adesivas nas embalagens que são de difícil remoção. Utilizar os portacartões das caixas Os conjuntos de embalagem (caixa, divisória, tampa e palete) devem conter o nome do Fornecedor gravado de maneira visual como forma de identificação (Figura 1E6). Os materiais fornecidos devem ser acondicionados em embalagens que ofereçam condições adequadas de proteção, durante o transporte e manuseio, contra intempéries e possíveis focos de sujeira e poeira. As Figuras 1E7, 1E8 e 1E9 ilustram exemplos relacionados a esses cuidados. Figura 1E7 Figura 1E8 Figura 1E9 Os lotes devem ser fornecidos devidamente protegidos para evitar acidentes durante o transporte e manuseio. As embalagens devem ser fixadas com filme plástico (stretch), fita de nylon (fitilho) ou poliéster. As Figuras 1E10, 1E11 e 1E12 ilustram, respectivamente, esses cuidados. Robert Bosch Ltda, RBLA/LOG Página 34(45)

35 Figura 1E10 Figura 1E11 Figura 1E12 As embalagens não devem ser fornecidas em condições que não ofereçam proteção ao material acondicionado em seu interior. As Figuras 1E13 e 1E14 ilustram essa condição. Figura 1E13 Figura 1E14 As embalagens do tipo cestos aramados devem oferecer proteção interior de polionda limpo, e com nome e/ou logotipo do Fornecedor gravado nas laterais, conforme ilustrado na Figura A1.26. Figura 1E15 Robert Bosch Ltda, RBLA/LOG Página 35(45)

36 Anexo 1F Formulário de Embalagem (Português) Formulário de Embalagem de Peças Compradas Número do produto Bosch: Novo produto Bosch Denominação do produto Bosch: Adequação de emb. (cliente) Fornecedor: Telefone: Quantidade de peças/embalagem Contato (nome): Área: (cliente Bosch): Novo Componente Adequação de embalagem Múltiplo (*) de fornecimento para fornecedores (SNP): Part Number Bosch Denom. Embalagem: Palete padrão 1200x1000mm com caixa plástica 300x x x400x215 Palete padrão 1200x1000 mm com caixas de papelão x x 600x400x280 Berço plástico Rack metálico x x x x Outros (utilizado somente para adequação) Embalagem Interna: Bandejas Termoformadas Saco Plástico Tabuleiro Peças Acomodadas Caixa de Papelão Outros Fechamento da Carga: Cinta de poliester/nylon Filme de PVC Fita gomada Tampa plástica Qtde Adquirido pelo Fornecedor 1ª compra Etiquetas coletiva 148 x 210 mm cod.39 Etiquetas individual 80 x 210 mm cod.39 Dimensionamento da Embalagem: Peças / Embalagem Qtde de embalagens por palete: Peças / Palete: Peso / Embalagem: Kg Peso unitário da peça (g): Peso Bruto: Kg Volume da peça (cm3): Empilhamento (nº pallet's): Informações adicionais: Obs.: A embalagem deve conter a logomarca da empresa Unidade Fabril X CaP1 - Campinas CaP2 - Campinas (Freios) CtP - Curitiba ArP - Aratu Nome e Cargo do Fornecedor Assinatura do Fornecedor Data da Efetivação Foto da embalagem c/ peça Foto da etiqueta Foto da embalagem secundária (paletização) Observações Bosch (anexar folha extra se necessário): Formalização do acordado no projeto de padronização de embalagens. Robert Bosch Ltda, RBLA/LOG Página 36(45)

37 Anexo 1G Formulário de Embalagem (Inglês) Packaging Form - Raw Material Part number Bosch (final product) New product - Bosch Product Packaging adjust Supplier Phone Number Part per packaging Name Area Área (Bosch customer): New component Packaging adjust Part Number Bosch Denomination SNP: Packaging Standart pallet 1200x1000mm with plastic box 300x x x400x215 Standart pallet 1200x1000mm with cardboard x x 600x400x280 Plastic rack Metalic rack x x x x Others Internal packaging Cargo Closing Thermophormed Trays Poliester / nylon Belt Plastic Bags PVC Film-plastic wrap Trays Glue Belt Peças Acomodadas Plastic Cover Cardboard box QTY acquired by the Supplier - 1º Acquisition Others Master Label 148 x 210 mm cod.39 Individual Label 80 x 210 mm cod.39 Packaging Dimensions Parts / Packaging Packaging over the Pallet: Parts / Pallet: Weight / Packaging: Kg Single Part's Weight (g): Gross Weight: Kg Part's Volume (cm3): Stack (Number of pallet): Aditional Information P.S.: The packaging must have company's logo Business Unit X CaP1 - Campinas CaP2 - Campinas (Freios) CtP - Curitiba ArP - Aratu Name and Position of the Supplier Representative Supplier s Signature Date Packaging's picture with part Label's picture Packaging's picture with pallet Bosch Remarks (attach extra sheets if necessary): Robert Bosch Ltda, RBLA/LOG Página 37(45)

38 Anexo 1H Especificações de Embalagens TIPO EMBALAGEM INFORMAÇÕES TÉCNICAS Dimensões Externas Dimensões Internas CN 6425 CN 4315 KLT 6421 KLT 6428 Comprimento: 600 mm Largura: 400 mm Altura: 246,5 mm Peso: 2,180 Kg Cubagem: 0,06 m 3 /unidade Capacidade: 50 L Material: PP (polipropileno) Comprimento: 400 mm Largura: 300 mm Altura: 150 mm Peso: 1,025 Kg Cubagem: 0,018 m 3 /unidade Capacidade: 14 L Material: PP (polipropileno) Comprimento: 594 mm Largura: 396 mm Altura: 213,75 mm Peso: 3,70 Kg Cubagem: 0,0503 m 3 /unidade Capacidade: 50 Kg / 30 L Material: PP (polipropileno) Comprimento: 594 mm Largura: 396 mm Altura: 280 mm Peso: 4,40 Kg Cubagem: 0,0659 m 3 /unidade Capacidade: 50 Kg / 43 L Material: PP (polipropileno) Comprimento: 565 mm Largura: 365 mm Altura: 236 mm (altura interna livre) Comprimento: 368 mm Largura: 268 mm Altura: 132 mm (altura interna livre) Comprimento: 532 mm Largura: 346 mm Altura: 164,75 mm (altura interna livre) Comprimento: 532 mm Largura: 346 mm Altura: 231 mm (altura interna livre) Robert Bosch Ltda, RBLA/LOG Página 38(45)

39 TIPO EMBALAGEM INFORMAÇÕES TÉCNICAS Dimensões Externas Dimensões Internas RL KLT 3147 RL KLT 4147 Comprimento: 297 mm Largura: 198 mm Altura: 147,5 mm Peso: 0,570 Kg Cubagem: 0,0087 m 3 /unidade Capacidade: 5,1 L Material: PP (polipropileno) Comprimento: 396 mm Largura: 297 mm Altura: 147,5 mm Peso: 1,080 Kg Cubagem: 0,0173 m 3 /unidade Capacidade: 11,8 L Material: PP (polipropileno) Comprimento: 243 mm Largura: 162 mm Altura: 129,5 mm (altura interna livre) Comprimento: 345 mm Largura: 260 mm Altura: 129,5 mm (altura interna livre) Robert Bosch Ltda, RBLA/LOG Página 39(45)

40 Anexo 2 Padrões de Etiqueta BOSCH Etiqueta Coletiva 148 x 210 mm Padrão Odette Ver 1 Rev 4 Etiqueta Individual 80 x 210 mm Padrão Odette Robert Bosch Ltda, RBLA/LOG Página 40(45)

41 Descrição dos Campos das Etiquetas: 1- Dados do destinatário; 2- Dados do local de descarregamento; 3- Dados do Fornecedor; 4- Dados de pesos (bruto e líquido) e número total de volumes; 5- Número do pedido de compra (Purchase Order); 6-Número de tipo BOSCH (Código de barras code 39, sem espaços e pontos, com adição do prefixo P ); 7-Quantidade de peças contidas na embalagem (Código de barras code 39, sem espaços e pontos, com adição do prefixo Q ); 8- Denominação breve do produto; 9- Número de tipo do Fornecedor (Código de barras code 39, sem espaços e pontos, com adição do prefixo 30S ); 10- Número do Fornecedor cadastrado na BOSCH (Código de barras code 39, sem espaços e pontos, com adição do prefixo V ); 11- Data do fornecimento; 12- Número serial (1,2,3...) por embalagem/palete (Código de barras code 39, sem espaços e pontos, com adição do prefixo S no caso de embalagem e prefixo M no caso de palete); 13- Número do lote ou Nota Fiscal. Os números seriais das caixas e dos paletes devem ser independentes e não devem se repetir durante o período de 1 ano. Os códigos de barras devem apresentar altura de 8 mm na etiqueta individual e de 13mm na etiqueta coletiva. Fixar a identificação de forma adequada em cada recipiente, garantindo a sua permanência até o ponto de uso. Para embalagens descartáveis fixar a etiqueta em uma das faces laterais menores. Para embalagens retornáveis, as etiquetas devem ser fixadas nos porta cartões. Para as embalagens que não possuem porta cartões, as etiquetas devem ser autocolantes com adesivos removíveis, para que não deixem resíduos nas embalagens. O papel da etiqueta deve ser adequado para impressão prevendo posteriormente uma leitura de código de barras. Impressão indelével. OBS: Para produtos químicos, a legislação e normas internas de segurança exigem identificações adicionais conforme a norma NBR Rotulagem de Risco, do Painel de Segurança e da rotulagem das embalagens. Dentre as informações requeridas, devendo estar absolutamente claras, destacamos: - Nome comercial do agente químico; - Simbologia (Ex.: T, T+, F, F+...); - Sentenças R e S; - Classe de Risco; - Número ONU; Robert Bosch Ltda, RBLA/LOG Página 41(45)

42 Anexo 3 Formulário de Avaliação de Potencial do Fornecedor (LPA) LPA Criteria Questions Logistics vision, strategy and goals Does the supplier have a logistics vision and strategy with lean logistics elements? Are logistics targets measured and monitored using key figures (delivery compliance towards customers and from suppliers, stock levels etc.)? (GLE 1.2.2) Product realization The logistics department takes part in the product creation process and signs this off formally? (GLE, question , crit. 1) Escalation management in the logistics department Is a documented procedure in place for material planning and logistics employees to inform the client and enable a quick response to every situation deviating from the norm if a negative effect is perceived for the client or the firm's own plant? (GLE, question 4.1.3, crit. 1) Technical changes Is an official procedure in place to plan, accept and communicate technical changes so that all procedures relating to material planning and logistics are implemented in a synchronized manner (e.g. change slip, adaptation of parts list, changes in work plan, introduction, supplier information, scheduling and dispatch)? (GLE, question 5.3.1, crit. 1) Optimization of throughput times, stocks and lot sizes. Increased flexibility in the entire value flow Is there a process for continuous optimization of throughput times, stock and flexibility (e.g value path analysis)? Are production lot sizes adapted depending on customer requirements? Stand: IT PUR 003 Anexo1 Logistics Evaluation Not available In individual cases In some areas To a large extent Throughout Not available In individual cases In some areas To a large extent Throughout Not available In individual cases In some areas To a large extent Throughout Not available In individual cases In some areas To a large extent Throughout Not available In individual cases In some areas To a large extent Throughout Robert Bosch Ltda, RBLA/LOG Página 42(45)

43 Anexo 4 Modelo de Carta de Informação do IFE Á D.J. METALÚRGICA LTDA Robert Bosch Ltda. Divisão XY cc.:sr. André Aparecido Diretor da Divisão Sr. João Figueira Gerente Manufatura Desempenho - Janeiro 2009 Índice Planejado Real Situação ppm 100 0,0 PLKZ 8,0 0,0 IFE Em função dos resultados acima apresentados, solicitamos à D.J. METALÚRGICA LTDA avaliação crítica e tomada de ações para adequação dos resultados em relação às metas negociadas junto à Bosch. Não conforme nos índices ppm ou PLKZ contatar: RBLA-XY/QAS - José Frederico - (19) 3745 XXXX Não conforme no índice IFE contatar: RBLA-XY/CLP1 João Wallace- (19) 3745 XXXX Colocamo-nos a disposição para eventuais esclarecimentos que se façam necessários. Cordialmente, ROBERT BOSCH LIMITADA Edmundo Danté Gerente de Qualidade dos Produtos ED Elvira Palacios Chefe Planejamento e Suprimento de Materiais Via Anhanguera, Km 98 - C.P CEP Fone: (019) Fax: (019) Campinas - SP Av. Juscelino Kubitscheck de Oliveira, CEP Fone: (041) Fax: (041) Curitiba - PR Via Centro, CEP Fone: (071) Fax: (071) Aratu - BA R.João Felipe Xavier da Silva, CEP Fone (019) Fax: (019) Campinas - SP Robert Bosch Ltda, RBLA/LOG Página 43(45)

44 Anexo 5 Fluxo para Aprovação de Embalagem Itens Novos Robert Bosch Ltda, RBLA/LOG Página 44(45)

Manual de Embalagem para peças compradas

Manual de Embalagem para peças compradas Manual de Embalagem para peças compradas ÍNDICE GERAL NORMAS BÁSICAS... 2 Geral... 2 Preliminar... 2 Informações Gerais... 2 Requisitos para equipamentos de manuseio e condições de recebimento de material...

Leia mais

Manual de Logística para Fornecedores Nacionais

Manual de Logística para Fornecedores Nacionais Manual de Logística para Fornecedores Nacionais Versão 1.4 Manual de Logística para Fornecedores Nacionais Requerimentos Logísticos do Grupo Bosch Conteúdo Conteúdo...2 Prefácio...4 1 Informações logísticas...5

Leia mais

Manual de Logística para Fornecedores Nacionais

Manual de Logística para Fornecedores Nacionais Manual de Logística para Fornecedores Nacionais Versão 1.2 Manual de Logística para Fornecedores Nacionais Requerimentos Logísticos do Grupo Bosch Conteúdo Conteúdo...2 Prefácio...4 1 Informações logísticas...5

Leia mais

GUIA DE EMBALAGENS DE PEÇAS COMPRADAS

GUIA DE EMBALAGENS DE PEÇAS COMPRADAS GUIA DE EMBALAGENS DE PEÇAS COMPRADAS E PADRÃO DE ETIQUETAS 1ª Edição Julho, 2010 INDICE 1- INTRODUÇÃO... 03 2- RESPONSABILIDADES... 04 3- RECOMENDAÇÕES IMPORTANTES... 05 4- PROCEDIMENTOS... 06 5- DESENVOLVIMENTO

Leia mais

INSTRUÇÕES DE EMBALAGEM

INSTRUÇÕES DE EMBALAGEM ZF do BRASIL Ltda INSTRUÇÕES DE EMBALAGEM Versão 1 Sumário Dados gerais de Embalagem... 3 Notas Fiscais (NF-e) para Embalagens... 3 Fluxo com Embalagens do Fornecedor / ZF... 3 Embalagens de Propriedade

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO 3/3 (terceiro de três) Período: de 13/12/2007 a 13/02/2008

RELATÓRIO DE ESTÁGIO 3/3 (terceiro de três) Período: de 13/12/2007 a 13/02/2008 Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Mecânica Coordenadoria de Estágio do Curso de Engenharia Mecânica CEP 88040-970 - Florianópolis - SC - BRASIL www.emc.ufsc.br/estagiomecanica

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS DE EMBALAGEM E PRESERVAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E MATERIAIS ADQUIRIDOS NO MERCADO NACIONAL OU INTERNACIONAL

REQUISITOS MÍNIMOS DE EMBALAGEM E PRESERVAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E MATERIAIS ADQUIRIDOS NO MERCADO NACIONAL OU INTERNACIONAL REQUISITOS MÍNIMOS DE EMBALAGEM E PRESERVAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E MATERIAIS ADQUIRIDOS NO MERCADO 1. OBJETIVO Estabelecer requisitos mínimos para a preservação e a embalagem de equipamentos e materiais adquiridos

Leia mais

Embalagens logísticas: proteção do produto na movimentação e armazenagem

Embalagens logísticas: proteção do produto na movimentação e armazenagem Embalagens logísticas: proteção do produto na movimentação e armazenagem Washington Spejorim As embalagens podem ser definidas de diferentes formas, variando de acordo com o profissional que fizer essa

Leia mais

PALLET PLÁSTICO É SCHOELLER

PALLET PLÁSTICO É SCHOELLER Schoeller.indd 1 9/24/12 11:34 AM PALLET PLÁSTICO É SCHOELLER O Grupo Schoeller, referência de qualidade, está presente em mais de 50 países, em todo o mundo. O emprego da alta tecnologia e a adoção de

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR MF - 01.007 MANUAL DE ENTREGAS

MANUAL DO FORNECEDOR MF - 01.007 MANUAL DE ENTREGAS VERSÃO: 7 PAG: 1 / 16 Esta Instrução tem por finalidade estabelecer o fluxo de operações para entrega de confecções previamente encabidadas, abrangendo a elaboração do Pedido de Compra, a retirada dos

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora à vencer as barreiras internacionais.

Leia mais

Condições de Fornecimento: 1- Prazo de Entrega. 2-Local de Entrega. 3-Programação de Entrega. 4-Transporte de Mercadorias.

Condições de Fornecimento: 1- Prazo de Entrega. 2-Local de Entrega. 3-Programação de Entrega. 4-Transporte de Mercadorias. Condições de Fornecimento: 1- Prazo de Entrega A data de entrega estipulada no pedido é a data em que a mercadoria deve estar no depósito na Posthaus, ou seja, data da entrada efetiva da mercadoria na

Leia mais

RMA - DN Automação (Autorização para Retorno de Mercadoria)

RMA - DN Automação (Autorização para Retorno de Mercadoria) RMA - DN Automação (Autorização para Retorno de Mercadoria) Orientações gerais aos parceiros de negócios A DN Automação trabalha exclusivamente através de parceiros de negócios (revendedores e agentes),

Leia mais

Manual de Fornecedores

Manual de Fornecedores Manual de Fornecedores Fornecedores (Responsável pela Qualidade) Carimbo, Assinatura e data. 00 2 de 10 Índice 1. MANUAL DO FORNECEDOR... 3 1.1 INTRODUÇÃO... 3 1.2 OBJETIVO... 3 2. RELAÇÃO DE FORNECEDORES...

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Prof. Jean Cavaleiro Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Introdução Vamos abordar aqui meios de armazenagem para melhor aproveitar o Pé direito, equipamentos que facilite movimentação em armazenagem

Leia mais

Instruções de manuseio e movimentação de produtos

Instruções de manuseio e movimentação de produtos Instruções de manuseio e movimentação de produtos Big Bag Instruções de manuseio e movimentação 1. Composição do Big Bag BIG BAG 1.250 kg: Big Bag de Ráfia/Vinil, cilíndrico/travado, com capacidade para

Leia mais

Manual Treinamento para Fornecedor

Manual Treinamento para Fornecedor Manual Treinamento para Fornecedor Índice 1 Objetivo... 3 2 O Projeto e-suprir... 3 3 Introdução... 3 4 Informações Básicas... 4 4.1 Painel de Controle Vendas... 4 5 RFI (Request For Information)... 5

Leia mais

Unioeste Diretoria de Concursos

Unioeste Diretoria de Concursos Unioeste Diretoria de Concursos 9º Concurso Público para o Provimento de Cargos Públicos para Atuação no Hospital Universitário do Oeste do Paraná (HUOP) PROVA OBJETIVA Técnico Administrativo Instruções

Leia mais

Aula 7 Sistemas de Armazenagem e Movimentação de Carga ARMAZENAGEM. Uma abordagem multidisciplinar. Prof. Fernando Dal Zot

Aula 7 Sistemas de Armazenagem e Movimentação de Carga ARMAZENAGEM. Uma abordagem multidisciplinar. Prof. Fernando Dal Zot Aula 7 Sistemas de Armazenagem e Movimentação de Carga ARMAZENAGEM Uma abordagem multidisciplinar Prof. Fernando Dal Zot 1 Visão geral das atividades do Almoxarifado / Depósito / Armazém Início RECEBER

Leia mais

NORMAS GERAIS DE FABRICAÇÃO DE FERTILIZANTES

NORMAS GERAIS DE FABRICAÇÃO DE FERTILIZANTES Pág.: 1/10 1. OBJETIVO Definir os procedimentos operacionais relativos às normas gerais de produção e envase de produtos formulados na TERRA NOSSA, desde a emissão da ordem de produção até a entrega do

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Registro de Preços para aquisição de envelopes plásticos para as Eleições 2010

TERMO DE REFERÊNCIA. Registro de Preços para aquisição de envelopes plásticos para as Eleições 2010 TERMO DE REFERÊNCIA Registro de Preços para aquisição de envelopes plásticos para as Eleições 2010 1. OBJETO Registro de Preços para eventual aquisição de envelopes plásticos para as Eleições 2010, de

Leia mais

TIPOS DE PALLETS. Imaginemos uma situação onde se precise comprar pallets para exportar em cada um, 1000 kg de papel.

TIPOS DE PALLETS. Imaginemos uma situação onde se precise comprar pallets para exportar em cada um, 1000 kg de papel. Pallets descartaveis (one way) TIPOS DE PALLETS Pallets descartáveis como a prória palavra sugere, são pallets não retornáveis ou seja, acomodam uma determinada mercadoria onde o custo do pallet está incluso

Leia mais

Procedimentos de embalagem e transporte

Procedimentos de embalagem e transporte 1. Introdução Procedimentos de embalagem e transporte 1.1 O escopo deste documento é estabelecer normas mínimas para a proteção, embalagem e etiquetagem de móveis, utensílios e equipamentos enviados para

Leia mais

Onde transportadoras e cargas se encontram TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER PARA TRANSPORTAR SUA CARGA

Onde transportadoras e cargas se encontram TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER PARA TRANSPORTAR SUA CARGA Onde transportadoras e cargas se encontram TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER PARA TRANSPORTAR SUA CARGA Guia do Transporte Saiba como enviar sua encomenda. Dicas gerais CARGOBR oferece uma ferramenta simples

Leia mais

Manual para Transportadoras

Manual para Transportadoras Índice 1 Objetivo... 3 2 O Projeto e-suprir... 3 3 Introdução... 3 4 Informações Básicas... 4 4.1 Painel de Controle Compras... 4 5 Acessando o Pedido... 5 6 Digitando o Espelho de Nota Fiscal... 7 6.1

Leia mais

Manual de Instruções Transportadores Moveflex Série B

Manual de Instruções Transportadores Moveflex Série B Manual de Instruções Transportadores Moveflex Série B Versão: 4.0 Data:01/2015 Ind. e Com. Eletro Eletronica Gehaka Ltda. CNPJ: 13005553/0001-23 Av. Duquesa de Goiás, 235 - Real Parque 05686-900 - São

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR MFI-02.019

MANUAL DO FORNECEDOR MFI-02.019 PAG: 1/ 14 OBJETIVO Estabelecer padrões mínimos de apresentação de embalagens de transporte utilizado para os processos de entrega de produtos importados, visando garantir a integridade dos mesmos, bem

Leia mais

WMSL Warehouse Management System Lite

WMSL Warehouse Management System Lite WMSL Warehouse Management System Lite Tela Inicial Esta é a tela inicial do sistema WMSL (Warehouse Management System - Lite) da Logistock. Cadastro Administrativo Pesquisa Movimentação Encerrar Cadastro

Leia mais

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007.

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Operações Terminais Armazéns AULA 6 PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Cargas, embalagens e unitização Modulação, Unitização, Acondicionamento

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DO FORNECEDOR

MANUAL DA QUALIDADE DO FORNECEDOR MANUAL DA QUALIDADE DO FORNECEDOR METALÚRGICA KNIF LTDA Junho/2013 1 REGISTRO DAS MODIFICAÇÕES REVISÃO DATA MOTIVO 00 02/04/09 Emissão do documento 01 05/08/09 Modificação dos itens 5.5 e 7.5 02 27/07/10

Leia mais

Associação Brasileira dos Distribuidores de Produtos Químicos e Petroquímicos

Associação Brasileira dos Distribuidores de Produtos Químicos e Petroquímicos Associação Brasileira dos Distribuidores de Produtos Químicos e Petroquímicos Outubro/2007 PRODIR GESTÃO DA QUALIDADE NO PROCESSO DE DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS QUÍMICOS Engº. Fernandes J. dos Santos outubro/07

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM WMS WAREHOUSE MANAGEMENT SYSTEM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ARMAZÉM/DEP M/DEPÓSITO WMS Software de gerenciamento de depósito que auxilia as empresas na busca de melhorias nos

Leia mais

EMPRESAS RANDON MANUAL DE ACESSO PORTAL EDI

EMPRESAS RANDON MANUAL DE ACESSO PORTAL EDI EMPRESAS RANDON MANUAL DE ACESSO PORTAL EDI 1 TREINAMENTO PORTAL EDI EMPRESAS RANDON Etapa I Configurações Prezado (a) Usuário, Segue abaixo algumas informações e configurações importantes antes de acessar

Leia mais

DE PRODUTOS PERIGOSOS

DE PRODUTOS PERIGOSOS CARTILHA TRANSPORTE TERRESTRE DE PRODUTOS PERIGOSOS Página 1 de 8 1 - LEGISLAÇÃO RESOLUÇÕES DA ANTT SOBRE TRANSPORTE TERRESTRE DE PRODUTOS PERIGOSOS Resolução 420/04 resolução da ANTT (Agência Nacional

Leia mais

Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu;

Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu; Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu; Fazemos uma parceria total com o cliente, combinando redução de custos fixos e otimização de recursos

Leia mais

Manual SIGEP lojamestre.com.br

Manual SIGEP lojamestre.com.br manualcielo 2015 Manual SIGEP lojamestre.com.br Studio VR Ltda. 20/10/2015 1 1 2 Sumário Apresentação... 3 Pré-Requisitos... 3 Homologando o SIGEP Web... 4 Configurando o SIGEP na administração da loja

Leia mais

MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores

MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores Este Manual é de propriedade da Martiaço Indústria Ltda. Sem autorização não pode ser distribuído ou copiado. SUMÁRIO 1. A EMPRESA... 3 2. OBJETIVO... 4

Leia mais

GUIA DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE COMPRAS VIA WEB

GUIA DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE COMPRAS VIA WEB GUIA DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE COMPRAS VIA WEB ( c) 2010 Todos os direitos reservados a ABCG Campo Grande-MS INDICE 1. Introdução ao compras web 05 2. Fluxo do processo de compras web 06 3. Como ingressar

Leia mais

CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL DO SUL DO ESTADO DE ALAGOAS PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL DO SUL DO ESTADO DE ALAGOAS PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Este POP tem como objetivo fixar procedimentos para assegurar o correto recebimento de medicamentos, tanto em quantidade quanto em qualidade dos medicamentos. PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO TÍTULO: Recebimento

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA Versão 04

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA Versão 04 CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA Versão 04 1. As vendas dos produtos da Aperam Inox América do Sul serão efetuadas de acordo com as presentes condições gerais de vendas, ressalvada eventual alteração dos termos

Leia mais

36%AO ANO PRESTO INDUSTRIAL: LINHA FERRAGENS. Crescimento do volume de vendas no PDV NOSSOS PILARES

36%AO ANO PRESTO INDUSTRIAL: LINHA FERRAGENS. Crescimento do volume de vendas no PDV NOSSOS PILARES PRESTO INDUSTRIAL: LINHA FERRAGENS Linha especializada em equipamentos que facilitam o trabalho, a organização e a armazenagem nos mais diversos tipos de empresa. As tarefas do dia a dia ganham agilidade

Leia mais

Manual do Fornecedor. Hospital Ana Nery Santa Cruz do Sul

Manual do Fornecedor. Hospital Ana Nery Santa Cruz do Sul Manual do Fornecedor Hospital Ana Nery Santa Cruz do Sul FILOSOFIA EMPRESARIAL Negócio Saúde e conforto. Visão Ser reconhecido pela excelência na prestação de serviços em saúde no interior do Estado, pela

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 8

REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 8 REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 8 Sumário 1. Introdução... 3 2. Objetivo... 3 3. Aplicação... 3 4. Documentos de Referência... 3 5. Sistema de Gestão... 3 6. Requisitos Gerais... 4 7. Requisitos Automotivos...

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 05/14 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 05/14 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I TUBOS DE PEAD 1 - OBJETIVO 1.1 A presente licitação tem por objeto o fornecimento e entrega, pela empresa a ser CONTRATADA, de tubos de POLIETILENO DE ALTA DENSIDADE PE 100

Leia mais

GESTÃO DE MATERIAIS: ALMOXARIFADO HOSPITALAR

GESTÃO DE MATERIAIS: ALMOXARIFADO HOSPITALAR José Neto Aristides da Silva Graduando em Logística pelo Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), Rio de Janeiro, RJ, Brasil jneto12@gmail.com José Claudio de Souza Lima Mestre em Engenharia de Produção

Leia mais

ÍNDICE. Esperamos que nosso transportador de carga Tracionário, proporcione agilidade e segurança em seu trabalho.

ÍNDICE. Esperamos que nosso transportador de carga Tracionário, proporcione agilidade e segurança em seu trabalho. Esperamos que nosso transportador de carga Tracionário, proporcione agilidade e segurança em seu trabalho. Para que nosso produto tenha um resultado positivo, é de fundamental importância que o Manual

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS - NGK do BRASIL Guia para Fornecedores Segmento Automotivo

REQUISITOS ESPECÍFICOS - NGK do BRASIL Guia para Fornecedores Segmento Automotivo REQUISITOS ESPECÍFICOS - NGK do BRASIL Guia para Fornecedores Segmento Automotivo 1. Objetivo Este documento tem por objetivo comunicar os requisitos mínimos a todos os fornecedores de componentes, matérias

Leia mais

CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSTICO (fevereiro de 1999)

CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSTICO (fevereiro de 1999) CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSTICO (fevereiro de 1999) INDICE 1. INTRODUÇÃO 2. SERVIÇOS LOGÍSITICOS 3. O CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSITICO 3.1 DEFINIÇÃO 3.2 CARACTERIZAÇÃO DE OPERADOR LOGÍSTICO 4. DEFINIÇÕES

Leia mais

DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO DIRAD. TíTULO: LOGÍSTICA DE CONTROLE DE ESTOQUES FPB VERIFICADO EM: 23/08/2011 POR: FLAVIA SILVA ASSINATURA:

DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO DIRAD. TíTULO: LOGÍSTICA DE CONTROLE DE ESTOQUES FPB VERIFICADO EM: 23/08/2011 POR: FLAVIA SILVA ASSINATURA: PÁGINA: 1/12 DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO DIRAD CÓDIGO POP.066010004/001 TíTULO: LOGÍSTICA DE CONTROLE DE ESTOQUES FPB ELABORADO EM: 24/06/2011 RESP. PELA UF: LUIZ CARLOS MARTINS ASSINATURA: VERIFICADO EM:

Leia mais

O que é e-ppcp? Funcionalidades adicionadas:

O que é e-ppcp? Funcionalidades adicionadas: e-ppcp / e-kanban 1 O que é e-ppcp? O e-ppcp é um aplicativo desenvolvido em ABAP/4 pela IntegrationSys para adicionar ao ERP SAP funcionalidades para suportar efetivamente o planejamento e operação de

Leia mais

OPERAÇÃO LOGÍSTICA GRV SCB NAKATA

OPERAÇÃO LOGÍSTICA GRV SCB NAKATA 1. OBJETIVO Estabelecer procedimento padrão para todos os colaboradores da Irapuru que estão envolvidos na operação logística de recebimento, armazenagem e expedição do fornecedor DANA SCB e DANA NAKATA

Leia mais

Manuseio de Compressor

Manuseio de Compressor Manuseio de Compressor Índice Item... Página 1 - Introdução... 02 2 - Remover o palete... 03 3 - Deslocar o palete... 04 4 - Erguer o palete... 05 5 - Movimentar o palete... 06 6 - Empilhar o palete...

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR PSQ 27 REVISÃO 00 Histórico da Emissão Inicial Data da Revisão 0 Data da Última Revisão Número de Página 15/01/14 15/01/14 1/14 2/14 1 - Objetivo 1.1 Escopo O conteúdo deste Manual contempla os requisitos

Leia mais

Guia do usuário SGV Módulo III -versão 3.0.7 Configurações da Minha Empresa

Guia do usuário SGV Módulo III -versão 3.0.7 Configurações da Minha Empresa Guia do usuário SGV Módulo III -versão 3.0.7 Configurações da Minha Empresa Versão 3.0.7 BBTUR VIAGENS E TURISMO 27/08/2014 1 Sumário 1. Cadastro de colaboradores...5 1.1 Cadastrar/Pesquisar um Colaborador...5

Leia mais

1. Passos iniciais. Tutoriais para aprendizado e familiarização com o software Clique no item desejado para ser direcionado para a seção.

1. Passos iniciais. Tutoriais para aprendizado e familiarização com o software Clique no item desejado para ser direcionado para a seção. Tutoriais para aprendizado e familiarização com o software Clique no item desejado para ser direcionado para a seção. Índice 1. Passos iniciais... 2. Gerenciando tarefas... 3. Cadastro de pessoas... 4.

Leia mais

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer 3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer Esse capítulo tem por objetivo apresentar os conceitos do sistema APO (Advanced Planner and Optimizer), o sistema APS da empresa alemã SAP. O sistema APO

Leia mais

Processos de Compras. Tecinco Informática Ltda. Av. Brasil, 5256 3º Andar

Processos de Compras. Tecinco Informática Ltda. Av. Brasil, 5256 3º Andar Processos de Compras Tecinco Informática Ltda. Av. Brasil, 5256 3º Andar 1 Centro Cascavel PR www.tecinco.com.br Sumário Controle de Compras... 4 Parametrização... 4 Funcionamento... 4 Processo de Controle...

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE DE ESTOQUE MANUAL PARA REQUISITANTES

SISTEMA DE CONTROLE DE ESTOQUE MANUAL PARA REQUISITANTES UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS PRÓ-REITORIA DE DESENVOLVIMENTO UNIVERSITÁRIO DIRETORIA GERAL DE ADMINISTRAÇÃO SISTEMA DE CONTROLE DE ESTOQUE MANUAL PARA REQUISITANTES SISTEMA 1ª EDIÇÃO SETEMBRO/2013

Leia mais

OPERAÇÃO LOGÍSTICA CL PILKINGTON

OPERAÇÃO LOGÍSTICA CL PILKINGTON 1. OBJETIVO Estabelecer procedimento padrão, para todos os colaboradores da Irapuru que estão envolvidos na operação logística da Pilkington (OE-Operação Marcopolo) e Pilkington AGR de recebimento, armazenagem

Leia mais

Unidade II. Administração. Prof. Ms. Livaldo dos Santos

Unidade II. Administração. Prof. Ms. Livaldo dos Santos Unidade II Administração de Suprimentos Prof. Ms. Livaldo dos Santos Administração de Suprimentos Objetivos da Unidade Analisar os principais conceitos sobre: A medição do desempenho na cadeia de suprimentos

Leia mais

Armazenagem. Por que armazenar?

Armazenagem. Por que armazenar? Armazenagem Introdução Funções da armazenagem Atividades na armazenagem Objetivos do planejamento de operações de armazenagem Políticas da armazenagem Pilares da atividade de armazenamento Armazenagem

Leia mais

Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços.

Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços. Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços. 1 Sumário: Tópico: Página: Apresentação: 02 Método de Acesso ao Sistema Sig Iss: 02 Tela de Abertura: 03 Modo de Acesso: 04 Botões e Telas

Leia mais

Sistema de Devolução Web

Sistema de Devolução Web Manual Sistema de Devolução Web Usuário Cliente ÍNDICE Sumário 1. Prazos...3 2. Solicitação de Devolução... 4 3. Autorização de Devolução... 4 4. Coleta de Mercadoria... 4 5. Acompanhamento da Devolução...

Leia mais

DECISÃO TÉCNICA DT-124/2007 R-00

DECISÃO TÉCNICA DT-124/2007 R-00 /27 R- RECEBIMENTO, ARMAZENAMENTO, EXPEDIÇÃO E CONTROLE DE MATERIAIS DE ESTOQUE NAS DOCUMENTO NORMATIVO I MAR/27 Í N D I C E 1 OBJETIVO...1 2 DISPOSIÇÕES GERAIS...1 2.1 APLICAÇÃO...1 2.2 RESPONSABILIDADE...1

Leia mais

Movimentação Paletização Armazenamento e Transporte

Movimentação Paletização Armazenamento e Transporte Movimentação Paletização Armazenamento e Transporte 0 1 INTRODUÇÃO A primeira embalagem de papelão ondulado surgiu há mais de 100 anos e percorreu um longo caminho até os dias de hoje, evoluindo gradativamente

Leia mais

Definir os procedimentos para gestão dos bens e materiais do TJAC.

Definir os procedimentos para gestão dos bens e materiais do TJAC. Código: MAP-DILOG-004 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Gerência de Bens e Materiais Aprovado por: Diretoria de Logística 1 OBJETIVO Definir os procedimentos para gestão dos bens e

Leia mais

CONDIÇÕES DE ENTREGA/RECEPÇÃO DO SERVIÇO EXTRA URBANO

CONDIÇÕES DE ENTREGA/RECEPÇÃO DO SERVIÇO EXTRA URBANO SERVIÇO EXTRA URBANO O Serviço extra Urbano corresponde ao serviço a ser prestado aos produtores de resíduos não urbanos de embalagens, de forma a garantir a esses produtores um destino final adequado

Leia mais

WMS Warehouse Management System

WMS Warehouse Management System WMS Warehouse Management System [Digite seu endereço] [Digite seu telefone] [Digite seu endereço de email] MANUAL MANUAL AVANÇO INFORMÁTICA AVANÇO INFORMÁTICA Material Desenvolvido para a Célula Materiais

Leia mais

Soluções criativas em pallets plásticos para transporte e armazenamento de mercadorias.

Soluções criativas em pallets plásticos para transporte e armazenamento de mercadorias. Soluções criativas em pallets plásticos para transporte e armazenamento de mercadorias. Nossos diferenciais Pioneirismo. Em 1970, a Schoeller introduziu a garrafeira plástica no mercado nacional. Liderança

Leia mais

Guia de apoio à codificação de medicamentos

Guia de apoio à codificação de medicamentos Guia de apoio à codificação de medicamentos Para atender à RDC 54/2013 (Versão 2) Apoio: Introdução... 3 Benefícios esperados... 3 Aplicações... 4 Embalagem secundária:... 4 Identificação: GTIN Codificação:

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS.

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS. RESOLUÇÃO.../SESA/PR O Secretário Estadual de Saúde, no uso de suas atribuições legais e: CONSIDERANDO a Portaria nº 326/1997/SVS/MS, a Resolução RDC nº275/2002, a Resolução RDC nº 216/2004, da ANVISA,

Leia mais

MANUAL DOCUMENTAÇÕES E ORIENTAÇÕES PARA EXPEDIÇÃO E TRANSPORTE DE EMBALAGENS VAZIAS NÃO LIMPAS

MANUAL DOCUMENTAÇÕES E ORIENTAÇÕES PARA EXPEDIÇÃO E TRANSPORTE DE EMBALAGENS VAZIAS NÃO LIMPAS MANUAL DOCUMENTAÇÕES E ORIENTAÇÕES PARA EXPEDIÇÃO E TRANSPORTE DE EMBALAGENS VAZIAS NÃO LIMPAS 1. OBJETIVO DO MANUAL A TECNOTAM vem, através do presente documento, orientar os fornecedores de embalagens

Leia mais

Diretivas de transporte, embalagem e manuseio

Diretivas de transporte, embalagem e manuseio Diretivas de transporte, embalagem e manuseio Esta diretiva compreende orientações gerais relativas ao transporte, embalagem e manuseio de máquinas e fornecimentos da empresa KraussMaffei Technologies

Leia mais

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Tópicos Abordados: 1. Porta Paletes Seletivo (convencional): 2. Drive-in / Drive-thru Objetivo: Esta apostila tem como principal objetivo ampliar o conhecimento

Leia mais

Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços.

Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços. Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços. 1 Sumário: Tópico: Página: 2 Apresentação: O Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços ou SIG-ISS é um sistema para gerenciamento

Leia mais

CONHECENDO O BANCO DE DADOS DPCOMP COMO PROCEDER PARA FAZER BACKUP S

CONHECENDO O BANCO DE DADOS DPCOMP COMO PROCEDER PARA FAZER BACKUP S CONHECENDO O BANCO DE DADOS DPCOMP Atualmente, a DpComp, visando ampliar a capacidade corporativa de seus clientes, acompanha a evolução tecnológica e trabalha hoje com o banco de dados MySQL, um dos bancos

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES MANUAL DA QUALIDADE DE DOALPLASTIC INDUSTRIA E COMÉRCIO LTDA. MATRIZ: AVENIDA DIRCEU DIAS CARNEIRO, 151 DISTRITO INDUSTRIAL II - CEP 13457-198 SANTA BÁRBARA D' OESTE - SP - BRASIL FILIAL: AVENIDA MAESTRO

Leia mais

CONCEITOS E PRINCÍPIOS DO SISTEMA DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS

CONCEITOS E PRINCÍPIOS DO SISTEMA DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS LOGÍSTICA CONCEITOS E PRINCÍPIOS DO SISTEMA DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS A MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAL É O PROCESSO DO QUAL APRESENTA A MUDANÇA LOCAL DE UM DETERMINADO ITEM, DENTRO DE UMA DETERMINADA CIRCUNSTÂNCIA.

Leia mais

Cód. Doc. TAB-RHU-003

Cód. Doc. TAB-RHU-003 1 de 27 ÁREA: SUPERINTENDÊNCIA CARGO: Diretor Superintendente Garantir o correto funcionamento dos sistemas de informação utilizados pela empresa; Aprovar projetos de melhorias nos equipamentos e sistemas

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO ANEXO 09 DIRETRIZES AMBIENTAIS MÍNIMAS

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO ANEXO 09 DIRETRIZES AMBIENTAIS MÍNIMAS ANEXO 09 DIRETRIZES AMBIENTAIS MÍNIMAS 1 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. Adequação às Normas e Legislações Vigentes... 3 3. Definições de Obrigações e Responsabilidades... 3 4. Diretrizes Mínimas Exigidas...

Leia mais

EDI ELETRONIC DATA INTERCHANGE

EDI ELETRONIC DATA INTERCHANGE EDI ELETRONIC DATA INTERCHANGE Definição Intercâmbio eletrônico de mensagens de negócio através de computadores, entre parceiros comerciais. As informações são, normalmente, organizadas dentro de arquivos

Leia mais

Portal de Fornecedores Não-Revenda

Portal de Fornecedores Não-Revenda Portal de Fornecedores Não-Revenda Emissão de Nota Fiscal e Criação de Espelho Consulte neste manual os procedimentos para emissão de Nota Fiscal para o Walmart e as atividades relativas à Criação do Espelho

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725 1/7 FISPQ NRº. 004 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome da Empresa: Hidroazul Indústria e Comércio Ltda Endereço: Rua João Dias Neto, 18 D Cataguases MG CEP: 36770-902. Telefone da Empresa: (32)

Leia mais

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns WMS Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Informática Aplicada a Logística Profº Breno Amorimsexta-feira, 11 de setembro de 2009 Agenda

Leia mais

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES Requisitos e diretrizes para o sistema de gestão da qualidade e ambiental Página 1 de 9 1. REQUISITOS ESPECÍFICOS... 3 1.1 Objetivo... 3 1.2 Geral... 3 1.3 Documentos

Leia mais

Cenário 1 - SIGNUS ERP Back-office

Cenário 1 - SIGNUS ERP Back-office Gestão e-commerce São 3 cenários possíveis: 1º SIGNUS ERP Back-office integrado a sua loja virtual 2º SIGNUS B2B e-commerce on-line 3º SIGNUS B2C e-commerce on-line Cenário 1 - SIGNUS ERP Back-office Integração

Leia mais

MANUAL DE FORNECEDORES

MANUAL DE FORNECEDORES MANUAL DE FORNECEDORES Versão: b Manual de Fornecedores 1 de 56 PREFÁCIO Este Manual de Fornecedores está dividido em oito blocos, conforme destacado a seguir: Gestão da Qualidade Desenvolvimento Auditorias

Leia mais

OPERAÇÃO LOGÍSTICA CL CLIENTES DIVERSOS

OPERAÇÃO LOGÍSTICA CL CLIENTES DIVERSOS 1. OBJETIVO Estabelecer procedimento padrão para todos os colaboradores da Irapuru que estão envolvidos na operação logística dos de recebimento, armazenagem e expedição. 2. REGRAS/CONSIDERAÇÕES GERAIS

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 Versão: 01 Data de aprovação: 7 de outubro de 2014. Ato de aprovação: Resolução n.º 112 /2014 Unidade

Leia mais

Aproxime o seu smartphone, tablet ou webcam do QR Code e saiba mais sobre a Pisani.

Aproxime o seu smartphone, tablet ou webcam do QR Code e saiba mais sobre a Pisani. Março/2015 Aproxime o seu smartphone, tablet ou webcam do QR Code e saiba mais sobre a Pisani. Pisani Plásticos S.A. BR 116 - Km 146,3 - Nº 15.602 - C.P. 956-95059-520 - Caxias do Sul - RS - Brasil Fone:

Leia mais

Aplicando lean em indústrias de processo

Aplicando lean em indústrias de processo Aplicando lean em indústrias de processo Alexandre Cardoso* Os setores de alimentos, químico, farmacêutico e de cosméticos, que na sua essência são indústrias de processo, têm obtido sucesso na aplicação

Leia mais

Guia Rápido TS-991. Modem USB HSPA

Guia Rápido TS-991. Modem USB HSPA Guia Rápido TS-991 Modem USB HSPA Sobre o Modem Telsec TS-991 O modem Telsec TS-991 foi desenhado para habilitar o usuário a acessar a Internet via redes GPRS/EDGE/UMTS/HSPA. Ele usa uma interface USB

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SSP Nº 03/2011. UNIDADE RESPONSÁVEL: Unidades de Saúde e Secretaria Municipal de Saúde.

INSTRUÇÃO NORMATIVA SSP Nº 03/2011. UNIDADE RESPONSÁVEL: Unidades de Saúde e Secretaria Municipal de Saúde. Fls.: 1 de 11 INSTRUÇÃO NORMATIVA SSP Nº 03/2011 VERSÃO: 01/2011 APROVAÇÃO EM: 20 de julho de 2011 ATO DE APROVAÇÃO: Decreto nº 20/2011 UNIDADE RESPONSÁVEL: Unidades de Saúde e Secretaria Municipal de

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA E SERVIÇOS

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA E SERVIÇOS CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA E SERVIÇOS Este documento tem por finalidade regulamentar o fornecimento de equipamentos e serviços pela ENGEVAP ENGENHARIA E EQUIPAMENTOS LTDA., de acordo com a legislação em

Leia mais

1 Organização de estoque no Gera 1

1 Organização de estoque no Gera 1 ESTOQUE 1 Organização de estoque no Gera 1 1.1 Endereçamento de estoque no GeraSGI 1 1.2 Configuração das Estações (Ruas) 2 1.3 Configuração das Racks (Prateleiras) 4 1.4 Cadastro dos Produtos no Endereçamento

Leia mais

Manual do usuário (v 1.2.0) E-commerce

Manual do usuário (v 1.2.0) E-commerce Manual do usuário (v 1.2.0) E-commerce Sumário Acessando o sistema gerencial... 1 Enviando logomarca, banners e destaques... 1 Logomarca... 1 Destaques... 2 Banners... 3 Cadastrando produtos... 4 Embalagem...

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA Lote nº 01 01 Agenda permanente com fita em tecido para marcação de datas Unidade 50 02 Bobina para máquina de calcular em papel apergaminhado 57mm x 30m. Modelo de referência:

Leia mais

Roteiro Básico para Exportação

Roteiro Básico para Exportação Roteiro Básico para Exportação As empresas interessadas em efetuar exportações deverão, em primeiro lugar, inscrever-se no RADAR, que corresponde ao Registro de Exportadores e Importadores da Inspetoria

Leia mais

5 passos para. implementação. do código de barras IDENTIFIQUE CAPTURE COMPARTILHE

5 passos para. implementação. do código de barras IDENTIFIQUE CAPTURE COMPARTILHE 5 passos para implementação do código de barras IDENTIFIQUE CAPTURE COMPARTILHE O que é o código de Barras? Os números de identificação de um produto podem ser representados por meio de um código, possibilitando

Leia mais

Documentação do produto SAP Business ByDesign, agosto 2014. O que há de novo

Documentação do produto SAP Business ByDesign, agosto 2014. O que há de novo Documentação do produto PUBLIC O que há de novo Índice 1 O que há de novo no SAP Business ByDesign.... 4 2 O que há de novo em Customer Relationship Management.... 6 3 O que há de novo em Administração

Leia mais