GUIA DE EMBALAGENS DE PEÇAS COMPRADAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GUIA DE EMBALAGENS DE PEÇAS COMPRADAS"

Transcrição

1 GUIA DE EMBALAGENS DE PEÇAS COMPRADAS E PADRÃO DE ETIQUETAS 1ª Edição Julho, 2010

2 INDICE 1- INTRODUÇÃO RESPONSABILIDADES RECOMENDAÇÕES IMPORTANTES PROCEDIMENTOS DESENVOLVIMENTO E ESPECIFICAÇÕES APROVAÇÃO DE EMBALAGEM EMISSÃO DE NOTAS FISCAIS DE EMBALAGEM PROTEÇÃO ADICIONAL PARA AS PEÇAS PESO PERMITIDO POR EMBALAGEM IDENTIFICAÇÃO DAS EMBALAGENS FORMULÁRIO PARA APROVAÇÃO DE EMBALAGEM ANEXO 1. TIPOS DE EMBALAGENS PRIMARIAS... 13/14 ANEXO 2. TIPOS DE EMBALAGENS PRIMARIAS ANEXO 3. MODELO DE ETIQUETA

3 1- INTRODUÇÃO O objetivo deste Guia é informá-lo sobre os procedimentos adotados quanto a utilização de embalagens para fornecimento de materiais, transporte armazenagem, movimentação e abastecimento da produção Nakayone. Este sistema, para ser considerado completo deve incluir um planejamento logístico adequado que considere o manuseio desde o Fornecedor até o ponto de uso na planta da Nakayone. Portanto, a seleção da embalagem correta será vantajosa para a Nakayone e seus Fornecedores à medida que ajudará a reduzir custos, racionalizar métodos de transporte, carga e descarga e manuseio do material assegurando que a peça chegue ao eu ponto de uso isenta de danos. Haja vista que o desenvolvimento, aquisição e manutenção das embalagens é de responsabilidade do Fornecedor, recomendamos que os responsáveis por estas atividades em vossa empresa se tornem cientes deste guia. Salientamos também que as embalagens expostas neste guia não estão definitivamente aprovadas para uso. Portanto, deve o fornecedor buscar aprovação de seu interesse junto aos aprovadores de embalagens na Nakayone conforme métodos e procedimentos definidos neste guia. Nota: A não observância das especificações deste guia implicará em demérito na nota de avaliação logística do fornecedor, bem como, na aplicação de débitos para o fornecedor em virtude de uso de embalagem não aprovada e/ou outros transtornos causados pelo uso de embalagens inadequadas. 3

4 2- RESPONSABILIDADES 2.1- Do Fornecedor O fornecedor é responsável pelo desenvolvimento, fabricação, aquisição e manutenção das embalagens bem como a entrega das peças com qualidade na Nakayone. O fornecedor deverá utilizar estas informações para o desenvolvimento das embalagens. Durante o processo de aprovação da embalagem o fornecedor deverá submeter uma amostra para aprovação, sempre que solicitado. Prever embalagem suficiente para atender os volumes requeridos pelo programa. Verificar as necessidades da linha e adequar as embalagens às condições do ponto de uso. Definir embalagens retornáveis conforme padrões Nakayone. Promover o uso de materiais recicláveis para embalagens em desenvolvimento e no processo de compra de embalagens. Assegurar que os dados da embalagem sejam precisos (peso, quantidade, dimensões e etc.). Manutenção, reparos, reposição e limpeza necessárias das embalagens retornáveis visando mantê-las livres de danos na entrega de peças. Utilizar o Guia de Embalagens e Formulário de Aprovação de Embalagem para desenvolvimento de embalagens de peças novas e/ou similares. Direcionar todos os assuntos comerciais para o departamento de Compras Nakayone. Providenciar preenchimento completo e/ou correção do Formulário de Aprovação de Embalagem de todas as peças para aprovação final. O não preenchimento e/ou correção do formulário no prazo requerido, poderá acarretar o demérito do fornecedor. Submeter para análise todos os formulários 6 meses antes da data do PSW Compras Nakayone Negociar com os fornecedores o uso de embalagem retornável, seguindo os conceitos e premissas do desenvolvimento de embalagem descritos neste guia A responsabilidade pela definição, aprovação e orientação da utilização de embalagens conforme definido no Formulário de Aprovação de Embalagem são das seguintes áreas. COMPRAS ENGENHARIA LOGISTICA PRODUÇÃO QUALIDADE 4

5 3- RECOMENDAÇÕES IMPORTANTES O fornecedor deve identificar sua embalagem através de nome e logomarca. Cada embalagem deverá ter um local adequado para a fixação de etiqueta de identificação dos produtos nela acondicionados. Cada peça somente poderá ser entregue na embalagem previamente aprovada. Nota 1: As fotos e desenhos de embalagens apresentados neste guia são meramente ilustrativos e orientativos. Nota 2: Todo material considerado carga/transporte/identificação perigoso deve atender as normas e legislações vigentes. É responsabilidade do fornecedor informar/atender este requisito. 5

6 4- PROCEDIMENTOS O processo de desenvolvimento/especificação da embalagem inicia-se em conjunto com o desenvolvimento do produto e processo, sendo que as informações serão disponibilizadas para o Fornecedor no ato da cotação da peça. O fornecedor deve preencher o formulário para aprovação de embalagem, quando da colocação do pedido e enviá-lo aos responsáveis pela aprovação de embalagens da Nakayone. Após à análise do formulário preenchido pelo fornecedor, os responsáveis pela aprovação homologarão com o Fornecedor a aprovação da embalagem. À critério da Nakayone poderá ser realizado teste prático (try-out) com protótipo da embalagem, considerando toda a cadeia logística desde a embalagem da peça no Fornecedor até a sua utilização no ponto de uso. 6

7 5- DESENVOLVIMENTO E ESPECIFICAÇÕES Para o desenvolvimento, aquisição e manutenção das embalagens, o Fornecedor deve considerar os seguintes aspectos: 5.1- Características da Peça Tipo de material; Fragilidade; Acabamento; Peso; Volume; e Outros. 5.2 Requisitos de Transporte e Armazenagem: Manuseio mecanizado (por meios mecânicos); Manuseabilidade dos acessórios, quando houver; Meios para movimentação; Adequação às normas de transporte interno e rodoviário; Custos de transportes; Custos de embalagem; Ergonomia da embalagem (Acesso às peças); Adequação às condições do ponto de uso; Quantidade de peças por embalagem; Assegurar qualidade do material; Segurança no manuseio; Empilhamento; e Outros. 7

8 6- APROVAÇÃO DA EMBALAGEM O Fornecedor deve buscar aprovar a embalagem de seu interesse junto aos aprovadores de embalagens na Nakayone conforme métodos e procedimentos definidos neste guia. Para tanto, deve preencher o Formulário para Aprovação Embalagem, conforme modelo. Este formulário poderá ser obtido junto aos responsáveis pela aprovação de embalagem na Nakayone. Em caso de dúvida no preenchimento, estas devem ser sanadas junto aos responsáveis pela aprovação. Este formulário é utilizado para o desenvolvimento, especificação e aprovação das embalagens utilizadas para o manuseio das peças para a produção Nakayone e é aplicável em todos os tipos de embalagens. Será utilizado como base para o cadastro/controle das embalagens dos fornecedores. Portanto, o não preenchimento do mesmo poderá acarretar na aplicação de débitos para o Fornecedor pela utilização de embalagem não aprovada. Para cada peça deverá haver um formulário de embalagem preenchido pelo Fornecedor com a devida aprovação. 7- EMISSÃO DE NOTAS FISCAIS DE EMBALAGENS Quando da emissão da Nota Fiscal de embalagem é necessário que o Fornecedor atenda algumas premissas visando o bom funcionamento do processo, como segue: Emitir uma única Nota Fiscal para cada embarque/entrega. A Nota Fiscal de embalagem deverá conter o código interno de identificação Nakayone. A Nota Fiscal de embalagem deverá conter o valor unitário e quantidade de embalagem. 8

9 5.3- PROTEÇÃO ADICIONAL PARA AS PEÇAS As proteções necessárias para cada produto a fim de evitar corrosão, riscos, amassamento, etc, também serão definidas no formulário de aprovação de embalagens. Nas especificações de embalagem deve ser considerado o grau de acabamento das peças a serem acondicionadas, protegendo-as de forma a garantir que as peças cheguem sem danos até seu ponto de uso. Quando necessário respeitando-se as características de fabricação e acabamento de cada peça, deverá ser aplicado formas de proteção adicional conforme abaixo.: Separadores; Divisores tipo colméia; Cavidades pré-formadas; e Oleamento; Plásticos especiais Sacos Plásticos e Outros 9

10 9- PESO PERMITIDO POR EMBALAGEM As embalagens de movim entação manual não poderão exceder o peso bruto de 18 kgs de forma a permitir movimentação dentro das especificações exigidas pela medicina ocupacional (conforme norma do SESMET). SESMET - Serviço Especializado em Segurança e Medicina do Trabalho As embalagens de movimentação mecânica ( ex: empilhadeiras ) não poderão exceder o peso bruto de kgs. 10

11 10- IDENTIFICAÇÃO DAS EMBALAGENS A identificação do fornecedor deve ser legível. As etiquetas deverão ser afixadas em local de fácil visualização e que não se deteriorem com a movimentação As embalagens deverão ser identificadas conforme anexo 3, usando o código atribuído após Análise e Aprovação. O tipo de etiqueta utilizado para identificação das peças devera ser padrão ODETE. É de extrema importância a identificação das embalagens de cada fornecedor com nome e logomarca. Essa identificação, permite o reconhecimento da embalagem e sua pronta devolução ao Fornecedor. 11

12 11- MODELO DO FORMULÁRIO DE APROVAÇÃO DE EMBALAGEM. FORMULÁRIO PARA APROVAÇÃO DE EMBALAGEM DADOS DE EMBALAGEM DE PEÇAS COMPRADAS (1) FORNECEDOR (2) Nº DA PEÇA (3) DESCRIÇÃO Nome I (4) CÓDIGO DA EMBALAGEM NAKAYONE: (5) TIPOS DE EMBALAGEM (7) PROJETADO PARA EMPILHAR (Embalagem secundaria) Palete plástico II DESCRIÇÃO DA EMBALAGEM SECUNDÁRIA Palete plástico c/ Caixa Plástica KLT Caixa metálica c/ abertura lateral (ZEE33) Cesto metálico c/ abertura lateral (Emb. Especial) Rack metálico (Emb. Especial) Tambor (8) DISPONIBILIDADE DA EMBALAGEM Retornável (identificar com nome, logotipo e código da embalagem) (6) FECHAMENTO DA CARGA (9) DIMENSIONAMENTO DA EMBALAGEM Dimensões ext. (mm) C L A Cinta não metálica Peças por embalagem secundaria Filme de PVC Quantidade de embalagem primária Cobertura p/ Palete e Contêiner Plástico Tara da embalagem secundaria (kg) Importante: Todas as partes da embalagem (palete, caixa plástica, cobertura do palete, etc.) devem ser identificadas com o nome/logotipo do fornecedor e código da embalagem. Peso bruto da embalagem secundaria (kg) III DESCRIÇÃO DA EMBALABEM PRIMÁRIA (10) TIPOS DE EMBALAGEM (11) DIMENSIONAMENTO DA EMBALAGEM (13) PROTEÇÃO INDIVIDUAL Caixa Plástica (KLT) Dimensões ext. (mm) C L A Acomodada Separada por divisores Saco plástico Peças por embalagem primária Embrulhada Oleada Peso por peça (kg) Saco Plástico Tara da embalagem primária (kg) Peso bruto da embalagem primária (kg) Obs: (12) FECHAMENTO DA EMBALAGEM Tampa Plástica IV (14) IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO Etiqueta Padrão Odette (15) OBSERVAÇÕES E DESCRIÇÕES OBS: O FORNECEDOR É RESPONSÁVEL PELA MANUTENÇÃO E LAVAGEM DE SUAS EMBALAGENS (16) FOTO DA EMBALAGEM (17) FORNECEDOR (18) DATA DA 1ª ENTREGA (20) METALURGICA NAKAYONE LTDA. Nome NA EMBALAGEM Cargo DEPTO V / / COMPRAS QUALIDADE (19) ASSINATURA DO FORNECEDOR DATA PRODUÇÃO / / ENGENHARIA NOME ASSINATURA DATA 12

13 ANEXO 1. TIPOS DE EMBALAGENS PRIMARIAS. 13

14 ANEXO 2. TIPOS DE EMBALAGENS SECUNDARIAS. 14

15 ANEXO 3. MODELO DE ETIQUETA Obs: Etiqueta adesiva medindo 10 cm x 15 cm 15

Manual de Embalagem para peças compradas

Manual de Embalagem para peças compradas Manual de Embalagem para peças compradas ÍNDICE GERAL NORMAS BÁSICAS... 2 Geral... 2 Preliminar... 2 Informações Gerais... 2 Requisitos para equipamentos de manuseio e condições de recebimento de material...

Leia mais

INSTRUÇÕES DE EMBALAGEM

INSTRUÇÕES DE EMBALAGEM ZF do BRASIL Ltda INSTRUÇÕES DE EMBALAGEM Versão 1 Sumário Dados gerais de Embalagem... 3 Notas Fiscais (NF-e) para Embalagens... 3 Fluxo com Embalagens do Fornecedor / ZF... 3 Embalagens de Propriedade

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS DE EMBALAGEM E PRESERVAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E MATERIAIS ADQUIRIDOS NO MERCADO NACIONAL OU INTERNACIONAL

REQUISITOS MÍNIMOS DE EMBALAGEM E PRESERVAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E MATERIAIS ADQUIRIDOS NO MERCADO NACIONAL OU INTERNACIONAL REQUISITOS MÍNIMOS DE EMBALAGEM E PRESERVAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E MATERIAIS ADQUIRIDOS NO MERCADO 1. OBJETIVO Estabelecer requisitos mínimos para a preservação e a embalagem de equipamentos e materiais adquiridos

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL

LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA EMPRESARIAL FORNECEDORES Erros de compras são dispendiosos Canais de distribuição * Compra direta - Vendedores em tempo integral - Representantes dos fabricantes Compras em distribuidores Localização

Leia mais

DECISÃO TÉCNICA DT-124/2007 R-00

DECISÃO TÉCNICA DT-124/2007 R-00 /27 R- RECEBIMENTO, ARMAZENAMENTO, EXPEDIÇÃO E CONTROLE DE MATERIAIS DE ESTOQUE NAS DOCUMENTO NORMATIVO I MAR/27 Í N D I C E 1 OBJETIVO...1 2 DISPOSIÇÕES GERAIS...1 2.1 APLICAÇÃO...1 2.2 RESPONSABILIDADE...1

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR MF - 01.007 MANUAL DE ENTREGAS

MANUAL DO FORNECEDOR MF - 01.007 MANUAL DE ENTREGAS VERSÃO: 7 PAG: 1 / 16 Esta Instrução tem por finalidade estabelecer o fluxo de operações para entrega de confecções previamente encabidadas, abrangendo a elaboração do Pedido de Compra, a retirada dos

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR MFI-02.019

MANUAL DO FORNECEDOR MFI-02.019 PAG: 1/ 14 OBJETIVO Estabelecer padrões mínimos de apresentação de embalagens de transporte utilizado para os processos de entrega de produtos importados, visando garantir a integridade dos mesmos, bem

Leia mais

CONDIÇÕES DE FORNECIMENTO

CONDIÇÕES DE FORNECIMENTO CONDIÇÕES DE FORNECIMENTO I - Formalização e Aceitação do Pedido 1.1 - O Aceite será automático caso o fornecedor não faça uma recusa parcial ou total, Por escrito no prazo de 2(dois) após o recebimento

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Registro de Preços para aquisição de envelopes plásticos para as Eleições 2010

TERMO DE REFERÊNCIA. Registro de Preços para aquisição de envelopes plásticos para as Eleições 2010 TERMO DE REFERÊNCIA Registro de Preços para aquisição de envelopes plásticos para as Eleições 2010 1. OBJETO Registro de Preços para eventual aquisição de envelopes plásticos para as Eleições 2010, de

Leia mais

DE PRODUTOS PERIGOSOS

DE PRODUTOS PERIGOSOS CARTILHA TRANSPORTE TERRESTRE DE PRODUTOS PERIGOSOS Página 1 de 8 1 - LEGISLAÇÃO RESOLUÇÕES DA ANTT SOBRE TRANSPORTE TERRESTRE DE PRODUTOS PERIGOSOS Resolução 420/04 resolução da ANTT (Agência Nacional

Leia mais

Manuseio de Compressor

Manuseio de Compressor Manuseio de Compressor Índice Item... Página 1 - Introdução... 02 2 - Remover o palete... 03 3 - Deslocar o palete... 04 4 - Erguer o palete... 05 5 - Movimentar o palete... 06 6 - Empilhar o palete...

Leia mais

Caderno de Encargos de Ferramental

Caderno de Encargos de Ferramental Caderno de Encargos de Ferramental TEV-MM-TLL 09.2009 Página 1 de 11 Índice 1. Objetivo 3 2. Procedimento 3 3. Escopo 3 4. Condições 4 5. Custos 4 6. Protótipo da ferramenta 4 7. Construção da ferramenta

Leia mais

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES Requisitos e diretrizes para o sistema de gestão da qualidade e ambiental Página 1 de 9 1. REQUISITOS ESPECÍFICOS... 3 1.1 Objetivo... 3 1.2 Geral... 3 1.3 Documentos

Leia mais

TAR 3M - Terminal de Acesso de Rede

TAR 3M - Terminal de Acesso de Rede 1. Objetivo Este boletim técnico apresenta as características e requisitos técnicos relativos ao Terminal de Acesso de Rede 3M sem possibilidade de proteção com capacidade para 10/20 pares. TAR-10 TAR-20

Leia mais

MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores

MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores Este Manual é de propriedade da Martiaço Indústria Ltda. Sem autorização não pode ser distribuído ou copiado. SUMÁRIO 1. A EMPRESA... 3 2. OBJETIVO... 4

Leia mais

VOLKSWAGEN DO BRASIL Logística VWB. Guia de relacionamento e conceito logístico. Edição 1

VOLKSWAGEN DO BRASIL Logística VWB. Guia de relacionamento e conceito logístico. Edição 1 VOLKSWAGEN DO BRASIL Logística VWB Guia de relacionamento e conceito logístico Edição 1 VOLKSWAGEN do Brasil Janeiro de 2014 2 Guia de relacionamento e conceito logístico - LOGÍSTICA VWB I Edição 1I Janeiro

Leia mais

ASSUNTO: SISTEMA OPERACIONAL NO ALMOXARIFADO DO SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO SAAE

ASSUNTO: SISTEMA OPERACIONAL NO ALMOXARIFADO DO SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO SAAE 1/6 1) DOS OBJETIVOS: 1.1) Normatizar os procedimentos de entrada e saída de materiais adquiridos pela autarquia SAAE; 1.2) Garantir recebimento dos materiais no que se refere a quantidade, qualidade e

Leia mais

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO DE ESCADA DOMÉSTICA METÁLICA

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO DE ESCADA DOMÉSTICA METÁLICA PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO DE ESCADA DOMÉSTICA METÁLICA 1 OBJETIVO Este procedimento estabelece as condições necessárias para a concessão da Autorização para Uso do Selo de Identificação

Leia mais

Instalação Concluida. IMPORTANTE: Não solte o conjunto Base-Projetor até que ele esteja. perfeitamente fixado ao suporte.

Instalação Concluida. IMPORTANTE: Não solte o conjunto Base-Projetor até que ele esteja. perfeitamente fixado ao suporte. IMPORTANTE: Não solte o conjunto Base-Projetor até que ele esteja perfeitamente fixado ao suporte. Após ter girado o conjunto inferior alinhando os furos como indicado abaixo, insira o parafuso allen no

Leia mais

Bem-vindo à. Aqui, suas remessas internacionais são entregues de forma rápida, precisa e totalmente confiável.

Bem-vindo à. Aqui, suas remessas internacionais são entregues de forma rápida, precisa e totalmente confiável. Bem-vindo à DHL EXPRESS Aqui, suas remessas internacionais são entregues de forma rápida, precisa e totalmente confiável. Conheça as diversas vantagens de enviar com a DHL Express. Confira agora mesmo

Leia mais

Aproxime o seu smartphone, tablet ou webcam do QR Code e saiba mais sobre a Pisani.

Aproxime o seu smartphone, tablet ou webcam do QR Code e saiba mais sobre a Pisani. Março/2015 Aproxime o seu smartphone, tablet ou webcam do QR Code e saiba mais sobre a Pisani. Pisani Plásticos S.A. BR 116 - Km 146,3 - Nº 15.602 - C.P. 956-95059-520 - Caxias do Sul - RS - Brasil Fone:

Leia mais

Manual de Instruções Bebedouro Stilo Eletrônico. Imagem meramente ilustrativa.

Manual de Instruções Bebedouro Stilo Eletrônico. Imagem meramente ilustrativa. Manual de Instruções Bebedouro Stilo Eletrônico Imagem meramente ilustrativa. Bebedouro Stilo LIBELL Eletrônico 1- MANUAL DE USUÁRIO Parabéns por ter escolhido a Libell Eletrodomésticos Ltda. para fazer

Leia mais

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO 1/5 1) DOS OBJETIVOS: 1.1) Normatizar os procedimentos de entrada e saída de materiais adquiridos pelo Município; 1.2) Garantir recebimento dos materiais no que se refere a quantidade, qualidade e prazo

Leia mais

MANUAL FORNECEDORES. Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02

MANUAL FORNECEDORES. Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02 Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02 MANUAL FORNECEDORES A Fundimisa Fundição e Usinagem Ltda pretende com este Manual aprimorar a relação com seus fornecedores e padronizar informações entre as partes.

Leia mais

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007.

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Operações Terminais Armazéns AULA 6 PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Cargas, embalagens e unitização Modulação, Unitização, Acondicionamento

Leia mais

INSTRUÇÕES DO PORTAL PÓS-VENDAS MUELLER

INSTRUÇÕES DO PORTAL PÓS-VENDAS MUELLER INSTRUÇÕES DO PORTAL PÓS-VENDAS MUELLER O acesso ao Portal deve ser feito através do site da Mueller sendo www.mueller.ind.br. Logo abaixo, o posto deverá clicar no rodapé da página em Intranet/Extranet.

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CHAVES DE AFERIÇÃO

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CHAVES DE AFERIÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA CHAVES DE AFERIÇÃO 1. OBJETIVO Este Termo de Referência define requisitos que devem ser observados pelos interessados, para o fornecimento de chave de aferição à CEEE-D, em complementação

Leia mais

Diretivas de transporte, embalagem e manuseio

Diretivas de transporte, embalagem e manuseio Diretivas de transporte, embalagem e manuseio Esta diretiva compreende orientações gerais relativas ao transporte, embalagem e manuseio de máquinas e fornecimentos da empresa KraussMaffei Technologies

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 05/14 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 05/14 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I TUBOS DE PEAD 1 - OBJETIVO 1.1 A presente licitação tem por objeto o fornecimento e entrega, pela empresa a ser CONTRATADA, de tubos de POLIETILENO DE ALTA DENSIDADE PE 100

Leia mais

Manual de Instruções

Manual de Instruções Manual de Instruções Kit de Instrumental para Cirurgia do Túnel do Carpo VOLMED Nome Técnico: KIT CIRÚRGICO Fabricante: VOLMED BRASIL EQUIPAMENTOS LTDA -ME AV. SÃO GABRIEL, 291 JD. PAULISTA CEP: 13574-540

Leia mais

01. A empresa e todos os seus funcionários têm a preocupação de atender as necessidades e expectativas dos clientes?

01. A empresa e todos os seus funcionários têm a preocupação de atender as necessidades e expectativas dos clientes? Questionário de auto-avaliação Nível 1 MÓDULO 1 - ADMINISTRAÇÃO 01. A empresa e todos os seus funcionários têm a preocupação de atender as necessidades e expectativas dos clientes? 02. A empresa tem definidos

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM ARMAZENAGEM

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM ARMAZENAGEM DISTRIBUIÇÃO E DEFINIÇÃO DE Gerenciar eficazmente o espaço tridimensional de um local adequado e seguro, colocado à disposição para a guarda de mercadorias que serão movimentadas rápida e facilmente, com

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS DE OBRAS (MMO)

PROCEDIMENTO OPERACIONAL MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS DE OBRAS (MMO) PO MAT 0 18/10/21 1. REFERÊNCIA/OBJETIVO ÁREA APLICÁVEL Controlar a logística de materiais de obras (físico e contábil), incluindo as requisições reservas de materiais (RM), aplicações mensais, devoluções

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES SULTÉCNICA INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES SULTÉCNICA INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA Agosto de 2009 Revisão 05 INDICE 1. Apresentação... 03 2. Política da Qualidade e Ambiental da Sultécnica... 03 3. Expectativa para Fornecedores...

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE GARANTIA

POLÍTICA NACIONAL DE GARANTIA POLÍTICA NACIONAL DE GARANTIA 1 Conteúdo Introdução... 3 Objetivo... 3 Esclarecimentos... 3 O que é considerado garantia... 4 O que são considerados itens de manutenção... 4 O que são considerados materiais

Leia mais

NORMAS GERAIS DE FABRICAÇÃO DE FERTILIZANTES

NORMAS GERAIS DE FABRICAÇÃO DE FERTILIZANTES Pág.: 1/10 1. OBJETIVO Definir os procedimentos operacionais relativos às normas gerais de produção e envase de produtos formulados na TERRA NOSSA, desde a emissão da ordem de produção até a entrega do

Leia mais

Gestão do Design. www.ligiafascioni.com.br. Embalagem. Lígia Fascioni www.ligiafascioni.com.br

Gestão do Design. www.ligiafascioni.com.br. Embalagem. Lígia Fascioni www.ligiafascioni.com.br Gestão do Design 6 Embalagem Lígia Fascioni Aula de hoje O que é embalagem Funções da embalagem Design de embalagens Legislação Embalagem Embalagem sf. Acondicionamento de mercadorias ou objetos em pacotes,

Leia mais

Caixa de Inspeção e Interligação

Caixa de Inspeção e Interligação Caixa de Inspeção e Interligação Localização no website Tigre: Obra predial Esgoto CAIXA DE INSPEÇÃO e/ou Obra predial Águas Pluviais CAIXA DE INTERLIGAÇÃO Função/Aplicação: Caixa de Inspeção: destinada

Leia mais

Aula 7 Sistemas de Armazenagem e Movimentação de Carga ARMAZENAGEM. Uma abordagem multidisciplinar. Prof. Fernando Dal Zot

Aula 7 Sistemas de Armazenagem e Movimentação de Carga ARMAZENAGEM. Uma abordagem multidisciplinar. Prof. Fernando Dal Zot Aula 7 Sistemas de Armazenagem e Movimentação de Carga ARMAZENAGEM Uma abordagem multidisciplinar Prof. Fernando Dal Zot 1 Visão geral das atividades do Almoxarifado / Depósito / Armazém Início RECEBER

Leia mais

ÍNDICE MANUTENÇÃO PREVENTIVA COMO PEDIR PEÇAS DE REPOSIÇÃO

ÍNDICE MANUTENÇÃO PREVENTIVA COMO PEDIR PEÇAS DE REPOSIÇÃO Este manual ajudará você a familiarizar-se com sua Empilhadeira BYG. Facilitará também, possíveis manutenções periódicas. Recomendamos uma atenção especial para utilização do equipamento, antes mesmo do

Leia mais

Piscina de Bolinhas 1,50m x 1,50m. Manual de instruções

Piscina de Bolinhas 1,50m x 1,50m. Manual de instruções Piscina de Bolinhas 1,50m x 1,50m Manual de instruções Código do produto: 220001 * Esta Piscina de Bolinha é multicolorida e as cores podem variar conforme a fabricação. Parabéns! Você acaba de adquirir

Leia mais

FAPARMAS. Torneados de Precisão LTDA. REQUISITO ESPECÍFICO

FAPARMAS. Torneados de Precisão LTDA. REQUISITO ESPECÍFICO FAPARMAS Torneados de Precisão LTDA. REQUISITO ESPECÍFICO Sistema de Gestão da Qualidade ISO/TS 16949:22 2 / 5 Autor/Data José Ferraz 04/10/26 Aprovação/Data Sergio De Bortoli 04/10/26 s Descrições das

Leia mais

RESPONSABILIDADES NO TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS

RESPONSABILIDADES NO TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS RESPONSABILIDADES NO TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS Ainda em novembro, divulgamos informativo ressaltando a importância dos equipamentos de segurança no transporte de produtos perigosos. Alguns associados

Leia mais

FLUXO 360 TERMOS E CONDIÇO ES

FLUXO 360 TERMOS E CONDIÇO ES FLUXO 360 TERMOS E CONDIÇO ES CADASTRO DE CLIENTES Recebimento de equipamentos somente com cadastro completo; O cadastro do e-mail é obrigatório; É de responsabilidade do cliente manter seus dados sempre

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO DISTRIBUIDOR DAS FARMÁCIA COMUNITÁRIAS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO DISTRIBUIDOR DAS FARMÁCIA COMUNITÁRIAS Luis Figueiredo 2016.01.19 12:27:21 Z PROCEDIMENTO 1. OBJECTIVO Definição de procedimentos nos distribuidores das farmácias comunitárias aderentes à VALORMED. 2. ÂMBITO A VALORMED tem por objectivo a implementação

Leia mais

Política de Atendimento de Lubrificantes. Índice. Item Tópico Página. 1. Introdução e Propósito 2. 2. Nossa Missão 2. 3.

Política de Atendimento de Lubrificantes. Índice. Item Tópico Página. 1. Introdução e Propósito 2. 2. Nossa Missão 2. 3. Política de Atendimento de Lubrificantes Índice Item Tópico Página 1. Introdução e Propósito 2 2. Nossa Missão 2. CALL Center 2 e. Disponibilidade de Produtos.1 Pedidos Mínimos.2 Tipos e Características

Leia mais

Logística Reversa na Prática: Estudo Econômico de Embalagens Retornáveis no Transporte de Cabeçotes de Motores Usinados

Logística Reversa na Prática: Estudo Econômico de Embalagens Retornáveis no Transporte de Cabeçotes de Motores Usinados Logística Reversa na Prática: Estudo Econômico de Embalagens Retornáveis no Transporte de Cabeçotes de Motores Usinados DIOGO APARECIDO LOPES SILVA (USP) OSWALDO MÁRIO SERRA TRUZZI (UFSCar) GUSTAVO SEVEGNANI

Leia mais

MANUAL PASSO A PASSO DE APLICAÇÃO: GS-SUPER

MANUAL PASSO A PASSO DE APLICAÇÃO: GS-SUPER MANUAL PASSO A PASSO DE APLICAÇÃO: GS-SUPER 1. INTRODUÇÃO Este Manual de Aplicação do GS-Super demonstra passo a passo o procedimento correto para aplicação do material bem como os cuidados necessários

Leia mais

Manual de Instruções Transportadores Moveflex Série B

Manual de Instruções Transportadores Moveflex Série B Manual de Instruções Transportadores Moveflex Série B Versão: 4.0 Data:01/2015 Ind. e Com. Eletro Eletronica Gehaka Ltda. CNPJ: 13005553/0001-23 Av. Duquesa de Goiás, 235 - Real Parque 05686-900 - São

Leia mais

Politica e Procedimento

Politica e Procedimento CONDIÇÕES GERAIS DE COMPRA OBJETIVO Definir as condições gerais de compras de materiais indiretos e serviços. ABRANGÊNCIA A PPC Elétrica : Power People montagens Industriais Ltda. - Setor Industrial (

Leia mais

Manual de Procedimentos Garantia e Suporte Técnico

Manual de Procedimentos Garantia e Suporte Técnico 1.1 - Itens Cobertos em Garantia... 1 1.2 - Exceções... 1 1.3 - Período de Garantia Legal... 1 1.4 - Procedimento para envio do item em Garantia para a Triade 1 1.5 - Emissão da Nota Fiscal de Garantia..

Leia mais

POLÍTICA DE RELACIONAMENTO COM FORNECEDORES

POLÍTICA DE RELACIONAMENTO COM FORNECEDORES POLÍTICA DE RELACIONAMENTO COM FORNECEDORES Versão JUNHO/2014 ORIENTAÇÕES AO FORNECEDOR Atendimento à legislação A relação entre a GLOBOSAT e seus fornecedores deve ser construída em padrões de rigor no

Leia mais

Manual da Qualidade para Fornecedores MANUAL DA QUALIDADE PARA FORNECEDORES

Manual da Qualidade para Fornecedores MANUAL DA QUALIDADE PARA FORNECEDORES MANUAL DA QUALIDADE PARA FORNECEDORES SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 3 2 APLICAÇÃO... 3 3 SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES... 3 3.1 Empresas Certificadas... 4 3.2 Empresas não Certificadas... 4 3.3 Avaliação

Leia mais

RTQ 32 - PÁRA-CHOQUE TRASEIRO DE VEÍCULOS RODOVIÁRIOS PARA O TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS - CONSTRUÇÃO, ENSAIO E INSTALAÇÃO

RTQ 32 - PÁRA-CHOQUE TRASEIRO DE VEÍCULOS RODOVIÁRIOS PARA O TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS - CONSTRUÇÃO, ENSAIO E INSTALAÇÃO RTQ 32 - PÁRA-CHOQUE TRASEIRO DE VEÍCULOS RODOVIÁRIOS PARA O TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS - CONSTRUÇÃO, ENSAIO E INSTALAÇÃO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Siglas e Abreviaturas

Leia mais

Pisani Plásticos BR 116 - Km 146,3 - Nº 15.602 - C.P. 956-95059-520 - Caxias do Sul - RS - Brasil Fone: 55 54 2101.8700 - Fax: 55 54 2101.

Pisani Plásticos BR 116 - Km 146,3 - Nº 15.602 - C.P. 956-95059-520 - Caxias do Sul - RS - Brasil Fone: 55 54 2101.8700 - Fax: 55 54 2101. Pisani Plásticos BR 116 - Km 146,3 - Nº 15.602 - C.P. 956-95059-520 - Caxias do Sul - RS - Brasil Fone: 55 54 2101.8700 - Fax: 55 54 2101.8743 FILIAIS: Pindamonhangaba - SP e Recife - PE www.pisani.com.br

Leia mais

Instruções de manuseio e movimentação de produtos

Instruções de manuseio e movimentação de produtos Instruções de manuseio e movimentação de produtos Big Bag Instruções de manuseio e movimentação 1. Composição do Big Bag BIG BAG 1.250 kg: Big Bag de Ráfia/Vinil, cilíndrico/travado, com capacidade para

Leia mais

1/5 NORMA INTERNA Nº: DATA DA VIGÊNCIA: 26/2010 ASSUNTO: SISTEMA OPERACIONAL DO ALMOXARIFADO CENTRAL

1/5 NORMA INTERNA Nº: DATA DA VIGÊNCIA: 26/2010 ASSUNTO: SISTEMA OPERACIONAL DO ALMOXARIFADO CENTRAL 1/5 1) DOS OBJETIVOS: 1.1) Normatizar os procedimentos de entrada e saída de materiais adquiridos pelo Município; 1.2) Garantir recebimento dos materiais no que se refere a quantidade, qualidade e prazo

Leia mais

TANQUE DE FIBRA DE VIDRO Série TFV

TANQUE DE FIBRA DE VIDRO Série TFV Indústria e Comércio de Bombas D Água Beto Ltda Manual de Instruções TANQUE DE FIBRA DE VIDRO Série TFV Parabéns! Nossos produtos são desenvolvidos com a mais alta tecnologia Bombas Beto. Este manual traz

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título: TRANSFORMADORES DE POTENCIAL PARA EQUIPAMENTOS ESPECIAIS Código ETD-00.062 Data da emissão 28.09.2012 Data da última revisão Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Normas Complementares

Leia mais

Tem por objetivo garantir a existência contínua de um estoque organizado, de modo a não faltar nenhum dos itens necessários à produção.

Tem por objetivo garantir a existência contínua de um estoque organizado, de modo a não faltar nenhum dos itens necessários à produção. Resumo aula 3 Introdução à gestão de materiais A gestão de materiais é um conjunto de ações destinadas a suprir a unidade com materiais necessários ao desenvolvimento das suas atribuições. Abrange: previsão

Leia mais

5 passos para. implementação. do código de barras IDENTIFIQUE CAPTURE COMPARTILHE

5 passos para. implementação. do código de barras IDENTIFIQUE CAPTURE COMPARTILHE 5 passos para implementação do código de barras IDENTIFIQUE CAPTURE COMPARTILHE O que é o código de Barras? Os números de identificação de um produto podem ser representados por meio de um código, possibilitando

Leia mais

Caro representante este Manual do Representante tem por objetivo apresentar as regras e procedimentos de trabalho da Unity Brindes.

Caro representante este Manual do Representante tem por objetivo apresentar as regras e procedimentos de trabalho da Unity Brindes. Caro representante este Manual do Representante tem por objetivo apresentar as regras e procedimentos de trabalho da Unity Brindes. Neste guia você encontrará informações importantes para suas vendas e

Leia mais

A seguir, sugerimos algumas formas de acondicionamento por tipo de material a ser enviado.

A seguir, sugerimos algumas formas de acondicionamento por tipo de material a ser enviado. Acondicionamento Para o cliente que deseja enviar um objeto via Correios, o correto acondicionamento dos objetos é muito importante para assegurar que as remessas cheguem bem a seus destinos. Recomenda-se

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR PSQ 27 REVISÃO 00 Histórico da Emissão Inicial Data da Revisão 0 Data da Última Revisão Número de Página 15/01/14 15/01/14 1/14 2/14 1 - Objetivo 1.1 Escopo O conteúdo deste Manual contempla os requisitos

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO

CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO 1. PRINCÍPIOS BÁSICOS Foco no cliente interno e parceria com o fornecedor para garantir a satisfação dos clientes, aliado à filosofia de colocar no mercado produtos de

Leia mais

MANUAL PARA FORNECEDORES

MANUAL PARA FORNECEDORES Página 1 de 11 SUMÁRIO: 1 VISÃO...3 2 MISSÃO...3 3 PRINCÍPIOS...3 4 POLÍTICA DE GESTÃO INOVA...4 5 - MENSAGEM AO FORNECEDOR...4 6 - OBJETIVO DO MANUAL...5 7 - REQUISITOS BÁSICOS DO SGQ...5 8 - AVALIAÇÃO

Leia mais

INTENÇÃO DE CONTRATAÇÃO ISGH / 2013 - OPME

INTENÇÃO DE CONTRATAÇÃO ISGH / 2013 - OPME INTENÇÃO DE CONTRATAÇÃO ISGH / 2013 - OPME O Instituto de Saúde e Gestão Hospitalar/ISGH, Organização Social administradora do Hospital Regional do Cariri HRC E do Hospital Regional Norte -HRN, está realizando

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR MF 02.017 OPERAÇÃO DE ALARMES PAG: 1 / 12 POSICIONAMENTO DE ETIQUETAS DE ALARME EM PRODUTO VIGÊNCIA: 01/06/2012

MANUAL DO FORNECEDOR MF 02.017 OPERAÇÃO DE ALARMES PAG: 1 / 12 POSICIONAMENTO DE ETIQUETAS DE ALARME EM PRODUTO VIGÊNCIA: 01/06/2012 OPERAÇÃO DE ALARMES PAG: 1 / 12 Esta Instrução tem por finalidade estabelecer o fluxo de operações para entrega de produtos previamente colocada etiquetas de alarme no fornecedor. A retirada das etiquetas

Leia mais

PREÇOS ARMAZENAGEM E SERVIÇOS

PREÇOS ARMAZENAGEM E SERVIÇOS 1. IMPORTAÇÃO 1.1. ARMAZENAGEM: A Contêineres (R$/Contêiner) Até o 10º dia (por período) 290,00 355,00 Do 11º ao 15º dia (por período) 275,00 325,00 Do 16º ao 20º dia (por período) 305,00 357,00 Do 21º

Leia mais

Procedimentos de embalagem e transporte

Procedimentos de embalagem e transporte 1. Introdução Procedimentos de embalagem e transporte 1.1 O escopo deste documento é estabelecer normas mínimas para a proteção, embalagem e etiquetagem de móveis, utensílios e equipamentos enviados para

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFÊRENCIA PARA ELABORACÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE DEDETIZADORAS, LIMPA FOSSA E EMPRESAS QUE PRESTA SERVIÇO DE LIMPEZA. Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO AMBIENTAL

Leia mais

Manual de Logística para Fornecedores Nacionais

Manual de Logística para Fornecedores Nacionais Manual de Logística para Fornecedores Nacionais Versão 1.4 Manual de Logística para Fornecedores Nacionais Requerimentos Logísticos do Grupo Bosch Conteúdo Conteúdo...2 Prefácio...4 1 Informações logísticas...5

Leia mais

OPERAÇÃO LOGÍSTICA CL CLIENTES DIVERSOS

OPERAÇÃO LOGÍSTICA CL CLIENTES DIVERSOS 1. OBJETIVO Estabelecer procedimento padrão para todos os colaboradores da Irapuru que estão envolvidos na operação logística dos de recebimento, armazenagem e expedição. 2. REGRAS/CONSIDERAÇÕES GERAIS

Leia mais

SIMULADOR COLISEUM INDÚSTRIA

SIMULADOR COLISEUM INDÚSTRIA Sumário SIMULADOR COLISEUM INDÚSTRIA... 3 INTRODUÇÃO AO PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE COLCHÕES... 4 Laminação (corte) de blocos de espuma... 4 Fechamento e costura dos colchões... 5 ROTEIRO DE DECISÃO... 7

Leia mais

ANEXO X ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA. Pregão para Registro de Preços nº 004/2015

ANEXO X ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA. Pregão para Registro de Preços nº 004/2015 ANEXO X ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA Pregão para Registro de Preços nº 004/2015 1) DO OBJETO Constitui objeto desta especificação a contratação de empresa para o fornecimento de peças originais de reposição de

Leia mais

ÍNDICE. Armazenamento dos rolos 04. Separação de cortes 05. Qualidade da peça confeccionada 06 Diferença de tonalidade na peça confeccionada

ÍNDICE. Armazenamento dos rolos 04. Separação de cortes 05. Qualidade da peça confeccionada 06 Diferença de tonalidade na peça confeccionada ÍNDICE Armazenamento dos rolos 04 Separação de cortes 05 Qualidade da peça confeccionada 06 Diferença de tonalidade na peça confeccionada Padrões Tear Têxtil 07 Composição Largura total Peso Classificação

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR MANUAL DO FORNECEDOR ASSOCIAÇÃO LAR SÃO FRANCISCO DE ASSIS NA PROVIDENCIA DE DEUS Hospital Regional de Presidente Prudente/SP CNPJ 53.221.255/0032-47 Rua José Bongiovani, 1297 - Bairro Cidade Universitária

Leia mais

COMERCIAL) 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. 10. E-

COMERCIAL) 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. 10. E- 2014 ÍNDICE 1. Cadastros básicos 2. Módulos básicos (Incluso em todas as versões) CMC BASE 3. Agenda 4. Arquivos 5. Empresas ou Cadastros de empresas 6. Pessoas ou cadastro de pessoas 7. Módulos que compõem

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM EMBALAGENS E UNITIZAÇÃO

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM EMBALAGENS E UNITIZAÇÃO DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM EMBALAGENS E UNITIZAÇÃO DEFINIÇÕES MERCADORIA: qualquer produto que seja objeto do comércio CARGA: qualquer mercadoria entregue a terceiros para: - ser transportada - ser armazenada

Leia mais

Acessórios para empilhadeiras

Acessórios para empilhadeiras Índice: Acessórios para empilhadeiras - MSI-Forks & ATIB - Cotando acessórios - Modelos de equipamentos - Kit hidráulico e opcionais - Garantia e suporte local MSI-Forks & ATIB A MSI-Forks oferece ao mercado

Leia mais

A R T I C U L A D O R. Cirúrgico-MT

A R T I C U L A D O R. Cirúrgico-MT A R T I C U L A D O R Cirúrgico-MT s o l u ç õ e s i n t e l i g e n t e s MANUAL DE INSTRUÇÕES ÍNDICE 1 - Introdução... 2 - Especificações técnicas... 3 - Conteúdo da embalagem... 4 - Instruções para

Leia mais

Gestão Laboratorial GESTÃO DE. Prof. Archangelo P. Fernandes

Gestão Laboratorial GESTÃO DE. Prof. Archangelo P. Fernandes Gestão Laboratorial GESTÃO DE EQUIPAMENTOS II Prof. Archangelo P. Fernandes GESTÃO DE EQUIPAMENTOS II Manutenção: conjunto de medidas necessárias, que permitam manter ou restabelecer um sistema no estado

Leia mais

Memorial Técnico para Aquisição de Solução modular escalável e móvel de Contêiner para Data Center

Memorial Técnico para Aquisição de Solução modular escalável e móvel de Contêiner para Data Center MUNICÍPIO DE SANTO ÂNGELO Memorial Técnico para Aquisição de Solução modular escalável e móvel de Contêiner para Data Center Projeto DATA CENTER José Fioravante Schneider 01/06/2015 Página 1 de 9 ÍNDICE

Leia mais

Atuador rotativo. Série 8604/1. Manual de instruções BR BR BR BR BR BR BR BR BR BR BR BR BR BR BR BR BR BR BR BR BR BR BR BR

Atuador rotativo. Série 8604/1. Manual de instruções BR BR BR BR BR BR BR BR BR BR BR BR BR BR BR BR BR BR BR BR BR BR BR BR Atuador rotativo Manual de instruções Additional languages www.stahl-ex.com Índice 1 Informações Gerais...3 1.1 Fabricante...3 1.2 Informações relativas ao manual de instruções...3 1.3 Outros documentos...3

Leia mais

Manual de Procedimentos Reuso de Receptores

Manual de Procedimentos Reuso de Receptores Manual de Procedimentos Reuso de Receptores 1. Objetivo Demonstrar efetivamente como deve ser seguido o procedimento de seleção, preparo e disponibilização do equipamento a ser utilizado no Projeto Reuso.

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 6, DE 30 DE JANEIRO DE 2012

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 6, DE 30 DE JANEIRO DE 2012 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 6, DE 30 DE JANEIRO DE

Leia mais

Caixa Múltipla de Esgoto CAIXA DE GORDURA, CAIXA DE INSPEÇÃO E COMPLEMENTOS

Caixa Múltipla de Esgoto CAIXA DE GORDURA, CAIXA DE INSPEÇÃO E COMPLEMENTOS Caixa Múltipla de Esgoto CAIXA DE GORDURA, CAIXA DE INSPEÇÃO E COMPLEMENTOS Localização no Website Tigre: Obra Predial Esgoto CAIXA MÚLTIPLA ESGOTO Função: A linha Caixa Múltipla Esgoto completa a solução

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL AQUISIÇÃO / QUALIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES

PROCEDIMENTO OPERACIONAL AQUISIÇÃO / QUALIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Histórico de Revisões Rev. Modificações 01 30/04/2007 Primeira Emissão 02 15/06/2009 Alteração de numeração de PO 7.1 para. Alteração do título do documento de: Aquisição para: Aquisição / Qualificação

Leia mais

RIO GRANDE DO SUL CONTROLE INTERNO

RIO GRANDE DO SUL CONTROLE INTERNO 1/17 1 - DOS OBJETIVOS a) Regulamentar procedimentos de controle da frota de veículos leves e pesados da Prefeitura, visando otimizar o uso dos mesmos e reduzir custos de manutenção. 2- DOS ASPECTOS CONCEITUAIS

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA ORGANIZAÇÃO E ENTREGA DE DOCUMENTOS NOVOS

PROCEDIMENTOS PARA ORGANIZAÇÃO E ENTREGA DE DOCUMENTOS NOVOS PROCEDIMENTOS PARA ORGANIZAÇÃO E ENTREGA DE DOCUMENTOS NOVOS Este manual foi elaborado para orientar o Cliente, Órgão/Entidade, sobre os procedimentos necessários a serem seguidos com relação à preparação

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

SISTEMA DE MEDIÇÃO E LEITURA CENTRALIZADA SMLC

SISTEMA DE MEDIÇÃO E LEITURA CENTRALIZADA SMLC SISTEMA DE MEDIÇÃO E LEITURA CENTRALIZADA SMLC Especificação para implantação de infra-estrutura Diretoria de Redes Gerência de Engenharia da Distribuição Coordenação de Engenharia SISTEMA DE MEDIÇÃO E

Leia mais

Produto Modelo Tipo de Literatura Arquivo Substitui Número de Ordem. Normas de Procedimentos para GARANTIA

Produto Modelo Tipo de Literatura Arquivo Substitui Número de Ordem. Normas de Procedimentos para GARANTIA Norma de Garantia Modelo: Todos Produto Modelo Tipo de Literatura Arquivo Substitui Número de Ordem Todos Todos Informe de Procedimento Garantia NG2.1 NG2.2 Normas de Procedimentos para GARANTIA 1) Prazos

Leia mais

MANUAL DOCUMENTAÇÕES E ORIENTAÇÕES PARA EXPEDIÇÃO E TRANSPORTE DE EMBALAGENS VAZIAS NÃO LIMPAS

MANUAL DOCUMENTAÇÕES E ORIENTAÇÕES PARA EXPEDIÇÃO E TRANSPORTE DE EMBALAGENS VAZIAS NÃO LIMPAS MANUAL DOCUMENTAÇÕES E ORIENTAÇÕES PARA EXPEDIÇÃO E TRANSPORTE DE EMBALAGENS VAZIAS NÃO LIMPAS 1. OBJETIVO DO MANUAL A TECNOTAM vem, através do presente documento, orientar os fornecedores de embalagens

Leia mais

A SUA SOLUÇÃO EM ENERGIA. Política de Garantia Serviços e Peças

A SUA SOLUÇÃO EM ENERGIA. Política de Garantia Serviços e Peças A SUA SOLUÇÃO EM ENERGIA Política de Garantia Política de Garantia Este documento tem por finalidade prestar informações detalhadas sobre o processo de garantia, esclarecendo os procedimentos a serem

Leia mais

Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu;

Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu; Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu; Fazemos uma parceria total com o cliente, combinando redução de custos fixos e otimização de recursos

Leia mais

Coordenação Geral de Tecnologia da Informação - CGTI. SIGED - Sistema de Gestão Eletrônica de Documentos MANUAL DO USUÁRIO Módulo de Arquivos

Coordenação Geral de Tecnologia da Informação - CGTI. SIGED - Sistema de Gestão Eletrônica de Documentos MANUAL DO USUÁRIO Módulo de Arquivos SIGED - Sistema de Gestão Eletrônica de Documentos MANUAL DO USUÁRIO Módulo de Arquivos O objetivo deste Manual é permitir a reunião de informações dispostas de forma sistematizada, criteriosa e segmentada

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA E SERVIÇOS

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA E SERVIÇOS CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA E SERVIÇOS Este documento tem por finalidade regulamentar o fornecimento de equipamentos e serviços pela ENGEVAP ENGENHARIA E EQUIPAMENTOS LTDA., de acordo com a legislação em

Leia mais

2624 :: Artistas visuais,desenhistas industriais e conservadores-restauradores de bens culturais

2624 :: Artistas visuais,desenhistas industriais e conservadores-restauradores de bens culturais 2624 :: Artistas visuais,desenhistas industriais e conservadores-restauradores de bens culturais 2624-05 - Artista (artes visuais) Aquarelista, Artesão (artista visual), Artista plástico, Caricaturista,

Leia mais