Rastreabilidade. Sistema EAN UCC 128

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Rastreabilidade. Sistema EAN UCC 128"

Transcrição

1 Rastreabilidade Sistema EAN UCC 128

2 Enquadramento Legal Caracterização Objectivos Rastreabilidade Procedimentos - Etiquetagem

3 Enquadramento legal Regulamento (CE) nº 178/2002, do Parlamento Europeu e do Concelho de 28 de Janeiro Princípios e normas gerais da legislação alimentar, cria a Autoridade Europeia para segurança dos Alimentos e estabelece procedimentos em matéria de segurança dos géneros alimentícios Artigo 18º - Rastreabilidade Entrada em vigor, 1 Janeiro 2005 Quando? Em todas as fases de Produção, transformação e distribuição Quem? Operadores das empresas do sector alimentar e do sector dos alimentos para animais Como? Sistemas e procedimentos A Quê? Géneros alimentícios, alimentos para animais, animais produtores de géneros alimentícios, qualquer outra substância destinada a ser incorporada num género alimentício ou num alimento para animais, ou probalidade de o ser

4 Caracterização Imposição legal Processo mecânico (fluxo informação) Transparência entre os intervenientes Partilha das responsabilidades ao longo da cadeia de abastecimento Implementação complexa custo operacional

5 Objectivo Detectar a origem ao produto final desde o consumidor colectivo ao produtor ou em sentido inverso seguir o rasto de determinado género alimenticio É da responsabilidade de cada um dos operadores a organização do sistema de rastreabilidade dos seus produtos e do modo como deverá ser assegurada, aquando da colocação dos produtos no mercado.

6 Implementação Definições das estruturas para códigos de Barras Elementos das Fichas lote Tipos de Ficha Lote Atribuição do tipo de fichas Lote Solicitar GTIN ao fornecedores Enviar para alinhamento de Dados-Mestres - Código interno - Unidade de medida de pedido - GTIN

7 Uniformização EAN/UCC 128 Etiqueta Palete 02 GTIN 37 Quantidades 400 Nº Ordem Compra * 15 Data de Validade 3102 Peso 10 Lote 00 SSCC - nº palete *Aplicado apenas à área de perecíveis

8 SSCC (Serial Shipping Container Code) Número de série de unidade de expedição Código de série único da unidade logística Código de 18 posições numéricas Ligação entre a unidade logística e o lote de um produto, o que facilita, o processo de rastreabilidade a montante e a jusante. Códo atribuído na origem pelo fabricante dos produtos e utilizado até que a unidade logística seja desmanchada Exemplo: De uma linha de produção sai o Lote ABC com 3 paletes de um produto. As paletes irão estar identificadas com SSCC, da seguinte maneira: Palete Palete Palete

9 Etiqueta Caixa 02 GTIN 30 Quantidade (nº unidades por UMP) 400 Nº Ordem Compra * 15 Data de Validade 3102 Peso 10 Lote *Aplicado apenas à área de perecíveis

10 GTIN Atribuído a produtos com medidas variáveis 1 a Atribuído a produtos de medidas fixas, dependendo do nível de embalamento (ex: peso ou quantidade) Código do Pais Código Fornecedor Códipor Código do artigo * Dígito de controlo - * - Criado pelo fornecedor

11 Rastreabilidade Introdução da ficha lote na Rastreabilidade Tipos de ficha lote (obrigatório para Alimentar) : RAL 1 ficha lote em que é obrigatório o preenchimento do lote e da data de validade. RAL 2 - ficha lote em que é obrigatório o preenchimento do lote RAL 3 - ficha lote em que é obrigatório o preenchimento da data de validade Qualquer artigo com o tipo de ficha lote RAL 1, tem que vir obrigatoriamente com o lote e a data de validade preenchidos, caso contrário rejeita-se o artigo. Esta situação repete-se nos restantes tipos de ficha lote. Cada artigo só pode ter 1 tipo de ficha lote em todos os armazéns, ou seja, não pode ter 1 tipo de ficha lote num armazém e outro tipo da mesma noutro.

12 Procedimentos Paletização Uniformização EAN/UCC 128 Todas as paletes devem ser etiquetadas com etiqueta EAN UCC 128 Cada palete deve ter no máximo 8 referências, sendo que cada artigo deve conter uma etiqueta de palete (com AI [02]). Cada artigo deve ter no máximo uma combinação por palete de artigo, lote e data. Medida da etiqueta de palete e caixa 105 mm (largura) x variável (altura) Cada combinação artigo, lote e data de validade, deverá ter sempre etiqueta de palete

13 Colocação de etiqueta na palete Cada palete deve ter 2 etiquetas (em lados contíguos) A 50 mm da aresta da palete Entre 400 e 800 mm da base da palete

14 Captura de dados Cores de simbolização Não é recomendada a utilização de cores metálicas para o fundo e para as barras. A impressão deve ser feita sempre com cores puras ou primárias. Exemplo: Cores da barra Cores de fundo Preto Branco Verde Amarelo Azul Laranja Castanho Vermelho

Sistema EAN UCC para a Rastreabilidade

Sistema EAN UCC para a Rastreabilidade Sistema EAN UCC para a Rastreabilidade Marcos Gaspar Carreira Técnico de CAD Um Mundo Um Sistema The Global Language of Business A Linguagem Global dos Negócios GS1 Início de actividade em 1977; Com sede

Leia mais

Portugal CODIPOR. Rastreabilidade da Carne de Bovino Case Study Santacarnes

Portugal CODIPOR. Rastreabilidade da Carne de Bovino Case Study Santacarnes Portugal CODIPOR Rastreabilidade da Carne de Bovino Case Study Santacarnes ENQUADRAMENTO A Montebravo é a última empresa e a face mais visível, de uma organização composta por um circuito totalmente integrado

Leia mais

ROADSHOW BRAGA Sistema de Rastreabilidade de montante a jusante 25 de Novembro 2010 Silvério Paixão

ROADSHOW BRAGA Sistema de Rastreabilidade de montante a jusante 25 de Novembro 2010 Silvério Paixão ROADSHOW BRAGA Sistema de Rastreabilidade de montante a jusante 25 de Novembro 2010 Silvério Paixão The global language of business Rastreabilidade Definição Rastreabilidade, a capacidade de detectar a

Leia mais

Rastreabilidade e Gestão de Incidentes: Aplicação Prática

Rastreabilidade e Gestão de Incidentes: Aplicação Prática Apresentação e breve Historial da Empresa Importância da Rastreabilidade na Organização : Recepção, Calibragem e Embalamento de Fruta numa central fruteira História Fundada em 1997, a CPF é uma organização

Leia mais

5 passos para. implementação. do código de barras IDENTIFIQUE CAPTURE COMPARTILHE

5 passos para. implementação. do código de barras IDENTIFIQUE CAPTURE COMPARTILHE 5 passos para implementação do código de barras IDENTIFIQUE CAPTURE COMPARTILHE O que é o código de Barras? Os números de identificação de um produto podem ser representados por meio de um código, possibilitando

Leia mais

ROTULAGEM RASTREABILIDADE COMERCIALIZAÇÃO do QUEIJO. José António Rousseau - Director Geral 1

ROTULAGEM RASTREABILIDADE COMERCIALIZAÇÃO do QUEIJO. José António Rousseau - Director Geral 1 ROTULAGEM RASTREABILIDADE COMERCIALIZAÇÃO do QUEIJO José António Rousseau - Director Geral 1 ÍNDICE 1- INTRODUÇÃO 2- ROTULAGEM 3- RASTREABLILIDADE 4- DENOMINAÇÃO DE ORIGEM PROTEGIDA 5- PROGRAMA EUROPEU-

Leia mais

Norma Global para a Rastreabilidade: A base para a visibilidade, qualidade e segurança na cadeia de valor

Norma Global para a Rastreabilidade: A base para a visibilidade, qualidade e segurança na cadeia de valor Norma Global para a Rastreabilidade: A base para a visibilidade, qualidade e segurança na cadeia de valor Introdução O Sistema GS1, devido à sua capacidade de fornecer uma identificação única e global

Leia mais

ROADSHOW GS1 PORTUGAL

ROADSHOW GS1 PORTUGAL ROADSHOW GS1 PORTUGAL Módulo Temático 1: Rastreabilidade e Segurança Área alimentar, saúde e outros sectores Filipe Esteves 4 de Junho de 2015 Porque a rastreabilidade? 3 Porque a rastreabilidade? Necessidade

Leia mais

colas. Qualidade e segurança

colas. Qualidade e segurança Curso Tecnologia Pós-Colheita P e Processamento Mínimo M de Produtos Hortofrutícolas colas. Qualidade e segurança Legislação respeitante à produção e comercialização de produtos minimamente processados

Leia mais

Workshop. Rastreabilidade na Indústria Alimentar. Com a presença de. Évora, 27 de Fevereiro. Definição e regras de rastreabilidade

Workshop. Rastreabilidade na Indústria Alimentar. Com a presença de. Évora, 27 de Fevereiro. Definição e regras de rastreabilidade Workshop Rastreabilidade na Indústria Alimentar Definição e regras de rastreabilidade Legislação aplicável Aplicações em suporte papel e em suporte digital Casos práticos Com a presença de Évora, 27 de

Leia mais

Centro de Operações Logísticas do Futuro

Centro de Operações Logísticas do Futuro Centro de Operações Logísticas do Futuro Luís Simões Logística Integrada Workshop Normas GS1 nos T&L 29 de Novembro de 2012 - Villa Rica - Lisboa Agenda Apresentação Luís Simões Projeto COL do Futuro -

Leia mais

Sistema de Gestão de Armazéns por Rádio Frequência

Sistema de Gestão de Armazéns por Rádio Frequência Sistema de Gestão de Armazéns por Rádio Frequência problema Má organização do espaço físico Mercadoria estagnada Tempos de resposta longos Expedições incorrectas Ausência de rastreabilidade Informação

Leia mais

Prof. Daniel J. Melo Brasil

Prof. Daniel J. Melo Brasil CÓDIGO DE BARRAS Objetivos Entender os passos necessários para adoção da tecnologia de código de barras nos itens comerciais, na identificação de pallets, na identificação de endereços, etc. Adoção do

Leia mais

Guia de apoio à codificação de medicamentos

Guia de apoio à codificação de medicamentos Guia de apoio à codificação de medicamentos Para atender à RDC 54/2013 (Versão 2) Apoio: Introdução... 3 Benefícios esperados... 3 Aplicações... 4 Embalagem secundária:... 4 Identificação: GTIN Codificação:

Leia mais

ROADSHOW BRAGA Códigos de Barras (EAN, GS1-128, GS1 DataBar e GS1 DataMatrix) 25 de Novembro 2010 Marcos Gaspar Carreira

ROADSHOW BRAGA Códigos de Barras (EAN, GS1-128, GS1 DataBar e GS1 DataMatrix) 25 de Novembro 2010 Marcos Gaspar Carreira ROADSHOW BRAGA Códigos de Barras (EAN, GS1-128, GS1 DataBar e GS1 DataMatrix) 25 de Novembro 2010 Marcos Gaspar Carreira The global language of business Standards Globais Desempenham um importante papel

Leia mais

GUIA RÁPIDO LEITURA DE CÓDIGO DE BARRA PADRÃO GS1

GUIA RÁPIDO LEITURA DE CÓDIGO DE BARRA PADRÃO GS1 GUIA RÁPIDO LEITURA DE CÓDIGO DE BARRA PADRÃO GS1 RMS Software S.A. - Uma Empresa TOTVS Todos os direitos reservados. A RMS Software é a maior fornecedora nacional de software de gestão corporativa para

Leia mais

GS1 Contributo para uma Classificação Global

GS1 Contributo para uma Classificação Global GS1 Contributo para uma Classificação Global GS1 Portugal e o Sistema GS1 1ª Reunião da Rede Portuguesa sobre Composição dos Alimentos Projecto PortFIR 16 Dezembro 2008 Agenda Quem somos Sistema GS1 Quem

Leia mais

Guia de Codificação para Livros

Guia de Codificação para Livros Guia de Codificação para Livros 1. Introdução A GS1 e as Agências Internacionais do ISBN e ISSN elaboraram diretrizes para ajudar os editores na compreensão das funcionalidades do Sistema GS1 para o setor

Leia mais

O Sistema GS1 Normas para os T&L

O Sistema GS1 Normas para os T&L O Sistema GS1 Normas para os T&L MARCA Optimize as suas Operações Workshop Movimente Normas GS1 Eficiência nos T&L 29 Novembro, Hotel Villa Rica - Lisboa O QUE É A GS1? Sem Fins Lucrativos Neutra em relação

Leia mais

Rastreabilidade a Prática. Amanda Prado - Itaueira Flávia Ponte - GS1 Brasil

Rastreabilidade a Prática. Amanda Prado - Itaueira Flávia Ponte - GS1 Brasil 1 Rastreabilidade a Prática Amanda Prado - Itaueira Flávia Ponte - GS1 Brasil O que é Rastreabilidade? É a capacidade de recuperação do histórico, da aplicação ou da localização de uma entidade (ou item)

Leia mais

Roadshow: Gestão Inteligente e Colaborativa da Cadeia de Abastecimento do produtor ao consumidor

Roadshow: Gestão Inteligente e Colaborativa da Cadeia de Abastecimento do produtor ao consumidor Roadshow: Gestão Inteligente e Colaborativa da Cadeia de Abastecimento do produtor ao consumidor GS1 Portugal em parceria com a NERSANT 23 de Maio de 2016 Necessidade flagrante: Linguagem Global dos Negócios

Leia mais

Webinar Pergunte ao especialista.

Webinar Pergunte ao especialista. Webinar Pergunte ao especialista. Código de Barras: Entenda, crie e gerencie a identificação do seu produto. Edson Matos 26/02/2015 Padrões GS1 que serão abordados Webinar Para fazer perguntas coloque:

Leia mais

Brasil EPC. Código Eletrônico de Produto. Volume 3

Brasil EPC. Código Eletrônico de Produto. Volume 3 Brasil EPC Código Eletrônico de Produto Volume 3 A implementação do código eletrônico de produto (EPC) e da tecnologia de identificação por radiofrequência (RFID), promete importantes benefícios aos consumidores

Leia mais

MANUAL DA AJUDA À ARMAZENAGEM PRIVADA DE CARNE DE SUÍNO

MANUAL DA AJUDA À ARMAZENAGEM PRIVADA DE CARNE DE SUÍNO MANUAL DA AJUDA À ARMAZENAGEM PRIVADA DE ÍNDICE I. ENQUADRAMENTO... 1 II. OBJETIVO... 1 III. ÂMBITO... 1 IV. INTERVENIENTES... 2 V. REQUERENTES... 2 i. Inscritos/identificados no sistema de informação

Leia mais

Rastreabilidade e Autenticidade de. Ricardo Yugue

Rastreabilidade e Autenticidade de. Ricardo Yugue Rastreabilidade e Autenticidade de Medicamentos Ricardo Yugue O Conceito de Rastreabilidade Rastreabilidade éa capacidade de recuperação do histórico, da aplicação ou da localização de uma entidade (ou

Leia mais

Casos Práticos (Internacionais)

Casos Práticos (Internacionais) Casos Práticos (Internacionais) MARCA Optimize as suas Operações Workshop Movimente Normas GS1 Eficiência nos T&L 29 Novembro, Hotel Villa Rica - Lisboa Casos Estudo nos T&L Desenvolvido pelo GS1 Global

Leia mais

APLICAÇÃO DO CÓDIGO DE BARRAS GS1-128 CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE PRODUTOS PARA TELECOMUNICAÇÃO (RESOLUÇÃO 242)

APLICAÇÃO DO CÓDIGO DE BARRAS GS1-128 CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE PRODUTOS PARA TELECOMUNICAÇÃO (RESOLUÇÃO 242) APLICAÇÃO DO CÓDIGO DE BARRAS GS1-128 CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE PRODUTOS PARA TELECOMUNICAÇÃO (RESOLUÇÃO 242) O código de barras adotado pela resolução n.º 242 é o GS1-128, um código reconhecido mundialmente,

Leia mais

Armazenagem e Movimentação de Materiais II

Armazenagem e Movimentação de Materiais II Tendências da armazenagem de materiais Embalagem: classificação, arranjos de embalagens em paletes, formação de carga paletizada, contêineres Controle e operação do armazém Equipamentos de movimentação

Leia mais

Manual do Utilizador EAN UCC CODIPOR 72006. 1 www.gs1pt.org

Manual do Utilizador EAN UCC CODIPOR 72006. 1 www.gs1pt.org 1 www.gs1pt.org índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. FUNDAMENTOS E PRINCÍPIOS DO SISTEMA EAN UCC... 6 2.1 ÁREAS DE APLICAÇÃO... 6 2.2 IDENTIFICAÇÃO NUMÉRICA EAN UCC... 6 GTIN NÚMERO GLOBAL DE ITEM COMERCIAL...

Leia mais

Grupo MedLog. 35 anos de experiência e inovação em exclusivo na logística da saúde. Susana Quelhas Coimbra, 14 de Outubro 2010

Grupo MedLog. 35 anos de experiência e inovação em exclusivo na logística da saúde. Susana Quelhas Coimbra, 14 de Outubro 2010 Grupo MedLog 35 anos de experiência e inovação em exclusivo na logística da saúde Susana Quelhas Coimbra, 14 de Outubro 2010 MedLog - As Empresas MedLog Passado e Presente Distribuição de medicamentos

Leia mais

Rastreabilidade e Gestão de Incidentes:

Rastreabilidade e Gestão de Incidentes: Rastreabilidade e Gestão de Incidentes: Importância e Implementação 29 de Setembro de 2006 Pedro Miguel Santos psantos@consulai.com Rastreabilidade e Gestão de Incidentes 29 de Setembro de 2006-1 Agenda

Leia mais

Seção 1: Informação Geral sobre a Empresa e Instalações

Seção 1: Informação Geral sobre a Empresa e Instalações Página 1 Seção 1: Informação Geral sobre a Empresa e Instalações 1. Nome da Empresa: 2. CNPJ: 3. Código CNAE: 4. Grupo Setorial de Empresa: 5. Logradouro: Nº: Complemento: Bairro: CEP: Cidade: Estado:

Leia mais

Directrizes EAN UCC para a Rastreabilidade dos Produtos Hortofrutícolas

Directrizes EAN UCC para a Rastreabilidade dos Produtos Hortofrutícolas Directrizes EAN UCC para a Rastreabilidade dos Produtos Hortofrutícolas Índice SUMÁRIO...3 Limitações das Directrizes...3 Renúncia...3 AGRADECIMENTOS...4 1. Introdução...5 1.1 Sistema EAN UCC...5 1.2 Projecto

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO DISTRIBUIDOR DAS FARMÁCIA COMUNITÁRIAS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO DISTRIBUIDOR DAS FARMÁCIA COMUNITÁRIAS Luis Figueiredo 2016.01.19 12:27:21 Z PROCEDIMENTO 1. OBJECTIVO Definição de procedimentos nos distribuidores das farmácias comunitárias aderentes à VALORMED. 2. ÂMBITO A VALORMED tem por objectivo a implementação

Leia mais

ROADSHOW PORTO RFID aplicado à Gestão Logística 26 de Maio 2011 Luis Peixoto

ROADSHOW PORTO RFID aplicado à Gestão Logística 26 de Maio 2011 Luis Peixoto ROADSHOW PORTO RFID aplicado à Gestão Logística 26 de Maio 2011 Luis Peixoto The global language of business GS1 EPCglobal/RFID Uma ferramenta logística RASTREABILIDADE INFORMAÇÃO EM TEMPO REAL GS1 EPC

Leia mais

Rastreabilidade na Indústria Alimentar

Rastreabilidade na Indústria Alimentar Rastreabilidade na Indústria Alimentar Trabalho realizado por: Ana Rita Ferreira nº 3458 Liliana Oliveira nº 3460 Susana Eloy nº 3455 Contextualização do conceito de Rastreabilidade Perigos para a Saúde

Leia mais

Guia de utilização da Plataforma GS1 Sync PT

Guia de utilização da Plataforma GS1 Sync PT Guia de utilização da Plataforma GS1 Versão 1.0 25/08/2015 Índice Introdução... 3 Como aceder ao Portal... 4 Ecrã Inicial... 5 Menu Inicial > Produtos... 5 Importação de produtos... 7 Exportação de produtos...

Leia mais

TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS GS1 Portugal entrada em vigor 01/01/2014

TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS GS1 Portugal entrada em vigor 01/01/2014 TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS entrada em vigor 01/01/2014 ÍNDICE TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS 01 ADMISSÃO À GS1 PORTUGAL JÓia Quota Anual Condições Comerciais 02 PRODUTOS GS1 PORTUGAL

Leia mais

Eficiência de Padrões na Cadeia Produtiva do Vinho. Ana Paula Vendramini Maniero

Eficiência de Padrões na Cadeia Produtiva do Vinho. Ana Paula Vendramini Maniero Eficiência de Padrões na Cadeia Produtiva do Vinho Ana Paula Vendramini Maniero A importância de padrões Calçados e tomadas são apenas dois exemplos simples Sem padrões, processos de negócios seriam muito

Leia mais

Segurança Alimentar em cabo Verde. Quadro legal, Importância e Conceitos das legislação Sanitária

Segurança Alimentar em cabo Verde. Quadro legal, Importância e Conceitos das legislação Sanitária Segurança Alimentar em cabo Verde Quadro legal, Importância e Conceitos das legislação Sanitária Praia, 7,8,9 e 10 de Novembro de 2011 Segurança Alimentar em Cabo Verde 2 Mercado dos Géneros alimentícios

Leia mais

NORMALIZAÇÃO Normas Globais para a Codificação de Produtos 14 de Dezembro 2010 Silvério Paixão

NORMALIZAÇÃO Normas Globais para a Codificação de Produtos 14 de Dezembro 2010 Silvério Paixão NORMALIZAÇÃO Normas Globais para a Codificação de Produtos 14 de Dezembro 2010 Silvério Paixão The global language of business Construindo pontes entre diversos parceiros da cadeia de distribuição Qual

Leia mais

Alinhamento de dados com Sync PT Data Pool. Lisboa 2014-03-06

Alinhamento de dados com Sync PT Data Pool. Lisboa 2014-03-06 Alinhamento de dados com Sync PT Data Pool Lisboa 2014-03-06 3 O Alinhamento de dados com a plataforma SYNC PT Data Pool O PROJETO IMPLEMENTAÇÃO O PROCESSO 4 O Alinhamento de dados com a plataforma SYNC

Leia mais

30 anos ao serviço das PME s

30 anos ao serviço das PME s 30 anos ao serviço das PME s Tradição Fundada em 1977, como gabinete de contabilidade e consultoria fiscal - possuindo mais de 200 clientes nesta área de negócio - a RISA desenvolve a sua actividade através

Leia mais

Empresa Geral do Fomento e Dourogás, ACE

Empresa Geral do Fomento e Dourogás, ACE Empresa Geral do Fomento e COMENTÁRIOS DA EMPRESA GERAL DO FOMENTO E DOUROGÁS, ACE À PROPOSTA DE REVISÃO DA REGULAMENTAÇÃO APRESENTADA PELA ERSE EM NOVEMBRO DE 2009 Novembro 2009 No seguimento da proposta

Leia mais

ROADSHOW PORTO Sistema GS1 26 de Maio 2011 Luís Peixoto

ROADSHOW PORTO Sistema GS1 26 de Maio 2011 Luís Peixoto ROADSHOW PORTO Sistema GS1 26 de Maio 2011 Luís Peixoto The global language of business SOP 2010 Agenda 1. Normas Globais para Identificação Automática 2. A Base do Sistema GS1: os Identificadores Chave

Leia mais

Obrigatoriedade do código de Barras nos Produtos

Obrigatoriedade do código de Barras nos Produtos Código: PT-130517 Módulo: PRODUTOS Data: 17/05/2013 Revisão: 17/05/2013 Assunto: Obrigatoriedade do código de Barras nos Produtos GTIN - "Global Trade Item Number" Número Global de Item Comercial na Nota

Leia mais

Manual de código de Barras

Manual de código de Barras 1. VISÃO GERAL 1.1 MODITIVAÇÃO: O código de barras é uma forma de representar a numeração, que viabiliza a captura automática dos dados por meio de leitura óptica nas operações automatizadas (EAN Brasil,

Leia mais

Standard Internacional para a Etiqueta Logística (STILL)

Standard Internacional para a Etiqueta Logística (STILL) Standard Internacional para a Etiqueta Logística (STILL) Sumário de Documento Document Item Título do documento Valor corrente Standard Internacional para a Etiqueta Logística (STILL) Data última modificação

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 21, DE 28 DE MARÇO DE 2012

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 21, DE 28 DE MARÇO DE 2012 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 21, DE 28 DE MARÇO DE

Leia mais

Data: 19/05/2011 Consulta Pública. Documento de Trabalho: Proposta Legislativa

Data: 19/05/2011 Consulta Pública. Documento de Trabalho: Proposta Legislativa Data: 19/05/2011 Consulta Pública (período de consulta: 10 dias úteis) Documento de Trabalho: Proposta Legislativa Assunto: Responsabilidades dos operadores em Reg. (CE) n.º 178/2002 matéria de segurança

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ARMAZENISTA

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ARMAZENISTA Luis Figueiredo 2014.02.06 16:35:35 Z PROCEDIMENTO 1. OBJECTIVO Definição de Procedimentos nos Armazenistas que aderiram à VALORMED. 2. ÂMBITO A VALORMED tem por objectivo a implementação e gestão de um

Leia mais

José Manuel Fonseca Celeste Bento Médicos Veterinários D.R. Pecuária

José Manuel Fonseca Celeste Bento Médicos Veterinários D.R. Pecuária José Manuel Fonseca Celeste Bento Médicos Veterinários D.R. Pecuária QUALIDADE / COMPETIVIDADE SEGURANÇA / PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR SOCIEDADE INFORMAÇÃO / FORMAÇÃO ORGANIZAÇÃO / CONHECIMENTO RESPONSABILIDADE

Leia mais

Guia Utilizador do Serviço WebEDI da

Guia Utilizador do Serviço WebEDI da Guia Utilizador do Serviço WebEDI da Índice Activar conta WebEDI... 1 Aceder ao serviço WebEDI... 2 Recuperar dados de acesso... 3 WebEDI... 4 Editar dados do utilizador... 5 Consultar dados da Empresa...

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 95. o,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 95. o, L 268/24 REGULAMENTO (CE) N. o 1830/2003 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 22 de Setembro de 2003 relativo à rastreabilidade e rotulagem de organismos geneticamente modificados e à rastreabilidade

Leia mais

SISTEMA DE RASTREABILIDADE BOVINA

SISTEMA DE RASTREABILIDADE BOVINA SISTEMA DE RASTREABILIDADE BOVINA Ricardo Toshio Yugue EAN BRASIL Grupo de Trabalho para Automação, Rastreabilidade e Padronização Comercial da Carne Bovina 24 SUMÁRIO presente projeto tem por objetivo

Leia mais

GS1 Brasil Associação Brasileira de Automação. 2011 GS1 Brasil

GS1 Brasil Associação Brasileira de Automação. 2011 GS1 Brasil GS1 Brasil Associação Brasileira de Automação O que são padrões? São acordos que estruturam qualquer atividade ou setor da economia. São regras ou guias que todos aplicam. Ou uma forma de medição, descrição,

Leia mais

Gerindo a inocuidade dos alimentos

Gerindo a inocuidade dos alimentos Gerindo a inocuidade dos alimentos ISO 22000 : 2005 Sónia Gonçalves Novembro de 2006 DE QUE TRATA A NORMA A norma ISO 22000 estabelece os requisitos que deve cumprir um sistema de gestão da segurança alimentar

Leia mais

ANO XXII - 2011-2ª SEMANA DE JUNHO DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 24/2011 ASSUNTOS DIVERSOS ICMS - PA

ANO XXII - 2011-2ª SEMANA DE JUNHO DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 24/2011 ASSUNTOS DIVERSOS ICMS - PA ANO XXII - 2011-2ª SEMANA DE JUNHO DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 24/2011 ASSUNTOS DIVERSOS SISTEMA EAN - IMPLANTAÇÃO Introdução - Conceitos Básicos - Utilização do Código de Barras no Brasil - Objetivo

Leia mais

Portal Fornecedores 1

Portal Fornecedores 1 Portal Fornecedores 1 o endereço Internet: http://www.jumbo.pt/pfornecedores 2 3 O Fluxo da Informação Inscrição no Portal Atualizar Dados / Gerir Utilizadores Aprovar Inscrição Manutenção de Artigos Aprovar

Leia mais

Rastreabilidade no ArtSOFT

Rastreabilidade no ArtSOFT no ArtSOFT A utilização de normas comuns de identificação e de comunicação melhora significativamente a precisão e a velocidade da informação relacionada com a origem e o processamento de bens/serviços,

Leia mais

O Contributo Internacional da GS1 no Contexto da Sincronização de Bases de Dados

O Contributo Internacional da GS1 no Contexto da Sincronização de Bases de Dados O Contributo Internacional da GS1 no Contexto da Sincronização de Bases de Dados Lançamento da Plataforma G.R.I.A. 20-04-2009 The global language of business O que é a sincronização de dados? 2009 GS1

Leia mais

Pergunte ao Especialista

Pergunte ao Especialista Pergunte ao Especialista Como gerenciar dados variáveis e logísticos Nilson Gasconi, Assessor de Soluções de Negócios, GS1 Brasil 23 de Abril de 2015 Cenário Indústria Varejo Fornecimento atual: Tom &

Leia mais

As revisões e/ou alterações ao acordado, são devidamente registadas e analisadas conforme descrito para o caso da definição das condições iniciais.

As revisões e/ou alterações ao acordado, são devidamente registadas e analisadas conforme descrito para o caso da definição das condições iniciais. Preparação da Qualidade Página 1 de 6 5.1. COMERCIALIZAÇÃO 5.1.1. Transporte A empresa através da sua área de operações ou da administração, tem como objectivo em cada serviço adjudicado, entre vários,

Leia mais

Support for the Harmonization of ICT Policies in Sub-Saharan Africa (HIPSSA) SESSÃO DE FORMAÇÃO EM MODELOS DE CUSTEIO DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES

Support for the Harmonization of ICT Policies in Sub-Saharan Africa (HIPSSA) SESSÃO DE FORMAÇÃO EM MODELOS DE CUSTEIO DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES ? Support for the Harmonization of ICT Policies in Sub-Saharan Africa (HIPSSA) SESSÃO DE FORMAÇÃO EM MODELOS DE CUSTEIO DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES International Telecommunication Union 1 ? Sessão 11:

Leia mais

Regulamentos da UE sobre Comércio Madeira Implementação em Portugal: ponto de situação

Regulamentos da UE sobre Comércio Madeira Implementação em Portugal: ponto de situação Regulamentos da UE sobre Comércio Madeira Implementação em Portugal: ponto de situação Lisboa, 20 Setembro 2012 Regulamentos UE sobre Comércio Madeira 1. Introdução e Enquadramento 2. Ponto de situação

Leia mais

Eficiência energética e Certificação no contexto da Reabilitação: barreiras, oportunidades e experiências

Eficiência energética e Certificação no contexto da Reabilitação: barreiras, oportunidades e experiências WORKSHOP Eficiência energética e Certificação no contexto da Reabilitação: barreiras, oportunidades e experiências Os desafios... Como identificar e dar a conhecer aos proprietários as oportunidades de

Leia mais

Conhecendo o GLN. Número Global de Localização. Volume 2

Conhecendo o GLN. Número Global de Localização. Volume 2 Conhecendo o GLN Número Global de Localização Volume 2 Conhecendo o GLN O material Conhecendo o GLN tem como objetivo integrar a sua empresa, de forma ainda mais eficiente, à cadeia de suprimentos. Além

Leia mais

MECANISMO DE ATRIBUIÇÃO DA CAPACIDADE NO ARMAZENAMENTO

MECANISMO DE ATRIBUIÇÃO DA CAPACIDADE NO ARMAZENAMENTO MECANISMO DE ATRIBUIÇÃO DA CAPACIDADE NO ARMAZENAMENTO SUBTERRÂNEO DE GÁS NATURAL FEVEREIRO 2008 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel.: 21

Leia mais

ANEXOS REGULAMENTO DELEGADO (UE) DA COMISSÃO

ANEXOS REGULAMENTO DELEGADO (UE) DA COMISSÃO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 5.5.2015 C(2015) 2874 final ANNEXES 1 to 4 ANEXOS do REGULAMENTO DELEGADO (UE) DA COMISSÃO que complementa a Diretiva 2010/30/UE do Parlamento Europeu e do Conselho no que respeita

Leia mais

Directrizes EAN UCC para a Rastreabilidade da Carne de Bovino

Directrizes EAN UCC para a Rastreabilidade da Carne de Bovino Directrizes EAN UCC para a Rastreabilidade da Carne de Bovino Índice DISPOSIÇÕES GERAIS...3 Limitações das Directrizes...3 AGRADECIMENTOS...4 INTRODUÇÃO...5 1 EAN UCC...6 1.1 GS1...6 2 IMPACTO DO REGULAMENTO

Leia mais

RASTREABILIDADE - RDC 59/2009 e IN 01/2010

RASTREABILIDADE - RDC 59/2009 e IN 01/2010 RASTREABILIDADE - RDC 59/2009 e IN 01/2010 Logística Curso Formação de Auditores para a Cadeia Industrial Farmacêutica 2 Sobre o Docente Programação SONJA HELENA MADEIRA MACEDO Graduada em Farmácia-Bioquímica

Leia mais

Estantes para Push-back. Sistema de armazenagem por acumulação que permite armazenar até quatro paletes em profundidades por cada canal

Estantes para Push-back. Sistema de armazenagem por acumulação que permite armazenar até quatro paletes em profundidades por cada canal Estantes para Push-back Sistema de armazenagem por acumulação que permite armazenar até quatro paletes em profundidades por cada canal Características gerais do sistema Push-back As estantes Push-back

Leia mais

FILIAÇÃO À GS1 PORTUGAL

FILIAÇÃO À GS1 PORTUGAL FILIAÇÃO À GS1 PORTUGAL Jóia Admissão à Associação (Direitos e Deveres Estatutários) 150,00 Quota Anual Permanência como Associado e Acesso e Licença de Utilização dos Produtos/Serviços GS1 Volume de negócios

Leia mais

1 Nunca deslizar as cintas ou. 2 Proteger as lingas de arestas. acentuadas. 3 Nunca utilizar lingas danificadas, 4 Referência à norma.

1 Nunca deslizar as cintas ou. 2 Proteger as lingas de arestas. acentuadas. 3 Nunca utilizar lingas danificadas, 4 Referência à norma. Norma Europeias (Extracto das normas europeias NF EN 1492-1 e 2 de 11/2000) Esta norma Europeia especifica os domínios de aplicação para todos os aparelhos e acessórios das cintas de elevação, assim como

Leia mais

[SELO ALIMENTO SEGURO]

[SELO ALIMENTO SEGURO] 1 Lista de Verificação Selo Alimento Seguro Lista de Verificação com a finalidade de examinar todos os aspectos relacionados com as instalações, equipamentos, ferramentas, instrumentos utilizados pelas

Leia mais

DIRECTRIZES RELATIVAS À APLICAÇÃO DOS ARTIGOS 11.º, 12.º, 16.º, 17.º, 18.º, 19.º E 20.º DO REGULAMENTO (CE) N

DIRECTRIZES RELATIVAS À APLICAÇÃO DOS ARTIGOS 11.º, 12.º, 16.º, 17.º, 18.º, 19.º E 20.º DO REGULAMENTO (CE) N 20 de Dezembro de 2004 DIRECTRIZES RELATIVAS À APLICAÇÃO DOS ARTIGOS 11.º, 12.º, 16.º, 17.º, 18.º, 19.º E 20.º DO REGULAMENTO (CE) N.º 178/2002 EM MATÉRIA DE LEGISLAÇÃO ALIMENTAR GERAL CONCLUSÕES DO COMITÉ

Leia mais

MANUAL DE EMBALAGENS DE MEDICAMENTOS

MANUAL DE EMBALAGENS DE MEDICAMENTOS MANUAL DE EMBALAGENS DE MEDICAMENTOS Ministério da Saúde 1 MANUAL Medicamentos 205x180.indd 1 1/26/12 6:45 PM 2 Manual de Identidade Visual para Embalagens MANUAL Medicamentos 205x180.indd 2 sumário medicamentos

Leia mais

DOCUMENTO DE CONSULTA MODELO DE ABERTURA À INICIATIVA PRIVADA DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DE LISBOA

DOCUMENTO DE CONSULTA MODELO DE ABERTURA À INICIATIVA PRIVADA DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DE LISBOA DOCUMENTO DE CONSULTA MODELO DE ABERTURA À INICIATIVA PRIVADA DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DE LISBOA Fevereiro de 2014 AVISO: Este Documento de Consulta é exclusivamente informativo,

Leia mais

OS LEILÕES COMO INSTRUMENTOS DE REGULAÇÃO ECONÓMICA * Novembro, 2004.

OS LEILÕES COMO INSTRUMENTOS DE REGULAÇÃO ECONÓMICA * Novembro, 2004. OS LEILÕES COMO INSTRUMENTOS DE REGULAÇÃO ECONÓMICA * POR: RUTE MARTINS SANTOS Novembro, 2004. Este documento está protegido pelo direito de autor nos termos da lei portuguesa, do direito comunitário e

Leia mais

Programa de Rotulagem da CEAGESP

Programa de Rotulagem da CEAGESP Programa de Rotulagem da CEAGESP O RÓTULO É A IDENTIDADE DO ALIMENTO O rótulo identifica o produto, a sua quantidade, a sua origem e o seu responsável. A colocação do rótulo é uma exigência da lei que

Leia mais

Situação em Portugal: A Estratégia Nacional para a Energia

Situação em Portugal: A Estratégia Nacional para a Energia Situação em Portugal: A Estratégia Nacional para a Energia No âmbito da Estratégia Nacional para a Energia, aprovada no passado mês de Outubro, foram agora publicados os diplomas que estabelecem os novos

Leia mais

Fonte: http://www.mckinsey.com

Fonte: http://www.mckinsey.com 30000000 70000000 Fonte: http://www.mckinsey.com 700000 1400000 Fonte: http://www.mckinsey.com 22000 43000 Fonte: http://www.mckinsey.com Fonte: http://www.mckinsey.com Disponível em: http://www.gs1.org/healthcare/mckinsey

Leia mais

Rastreabilidade de medicamentos - dentro e fora do hospital - Nilson Gonçalves Malta

Rastreabilidade de medicamentos - dentro e fora do hospital - Nilson Gonçalves Malta Rastreabilidade de medicamentos - dentro e fora do hospital - Nilson Gonçalves Malta Hospital Israelita Albert Einstein Abril 2015 Requisitos para rastreabilidade Códigos de barras em todos os produtos

Leia mais

ADENDA AO MANUAL SOBRE A APLICAÇÃO PRÁTICA DO REGULAMENTO INN

ADENDA AO MANUAL SOBRE A APLICAÇÃO PRÁTICA DO REGULAMENTO INN ADENDA AO MANUAL SOBRE A APLICAÇÃO PRÁTICA DO REGULAMENTO INN Trata-se de uma adenda à primeira edição do Manual sobre a aplicação prática do Regulamento (CE) n.º 1005/2008 do Conselho, de 29 de Setembro

Leia mais

Semana da Alimentação: CEAGESP Rotulagem e Segurança Alimentar Auditório Nélson Loda 25 de outubro de 2012 14 horas

Semana da Alimentação: CEAGESP Rotulagem e Segurança Alimentar Auditório Nélson Loda 25 de outubro de 2012 14 horas Semana da Alimentação: CEAGESP Rotulagem e Segurança Alimentar Auditório Nélson Loda 25 de outubro de 2012 14 horas Subgerência de Alimentos Martha Virgínia Gewehr Machado Maria Cristina Junqueira de Castro

Leia mais

L 68/28 Jornal Oficial da União Europeia 13.3.2009

L 68/28 Jornal Oficial da União Europeia 13.3.2009 L 68/28 Jornal Oficial da União Europeia 13.3.2009 DECISÃO DA COMISSÃO de 10 de Março de 2009 que autoriza a colocação no mercado de produtos que contenham ou sejam produzidos a partir de colza geneticamente

Leia mais

Cadastro Nacional de Produtos. Overview

Cadastro Nacional de Produtos. Overview Cadastro Nacional de Produtos Overview 1 Visão Geral O que é? Uma nova ferramenta de gestão de numeração (GTIN, GLN) e cadastramento de produtos. A quem se destina? Associados GS1. Benefícios Ampliar a

Leia mais

Os fluxos físicos (seta) na cadeia de suprimentos de produtos hortícolas. São levadas em conta apenas as etapas onde ocorre uma transformação.

Os fluxos físicos (seta) na cadeia de suprimentos de produtos hortícolas. São levadas em conta apenas as etapas onde ocorre uma transformação. I. MODELO DE RASTREABILIDADE DA CADEIA DE SUPRIMENTOS DE PRODUTOS HORTÍCOLAS O objetivo deste modelo é explicar a rastreabilidade na cadeia de suprimentos de produtos hortícolas, examinando os fluxos físico

Leia mais

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Pós-Graduação Latu-Sensu em Gestão Integrada da Logística Disciplina: TI aplicado à Logística Professor: Mauricio Pimentel Alunos: RA Guilherme Fargnolli

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL

LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA EMPRESARIAL FORNECEDORES Erros de compras são dispendiosos Canais de distribuição * Compra direta - Vendedores em tempo integral - Representantes dos fabricantes Compras em distribuidores Localização

Leia mais

Esclarecimento 13/2014

Esclarecimento 13/2014 Segurança Alimentar Registo de temperaturas e controlo metrológico de registadores automáticos Esclarecimento 13/2014 Resumo: A manutenção da cadeia de frio é essencial para a segurança de alguns géneros

Leia mais

A Linguagem Global dos Negócios. Setor dos Cárnicos. Rastreabilidade das carnes de suíno, caprino, ovino e aves de capoeira

A Linguagem Global dos Negócios. Setor dos Cárnicos. Rastreabilidade das carnes de suíno, caprino, ovino e aves de capoeira A Linguagem Global dos Negócios Setor dos Cárnicos Rastreabilidade das carnes de suíno, caprino, ovino e aves de capoeira Guia de Implementação Regulamento de Execução (UE) nº 1337/2013 Setor dos Cárnicos

Leia mais

DIPLOMA ÂMBITO DE APLICAÇÃO LEGISLAÇÃO TRANSPOSTA OBSERVAÇÕES IMPORTÂNCIA NO CONTEXTO DO PERH GESTÃO DE RESÍDUOS

DIPLOMA ÂMBITO DE APLICAÇÃO LEGISLAÇÃO TRANSPOSTA OBSERVAÇÕES IMPORTÂNCIA NO CONTEXTO DO PERH GESTÃO DE RESÍDUOS GESTÃO DE RESÍDUOS Portaria n.º 1127/2009, de 1 de Outubro [Republicada pela Portaria n.º 1324/2010, de 29 de Dezembro] Art.º 121.º da Lei n.º 64- A/2008, de 31 de Dezembro Aprova o Regulamento Relativo

Leia mais

www.agrogestao.com 1 ACADEMIA AGROGESTÃO Formação em informática aplicada à agricultura ENOGEST O - Gestão informática de adega

www.agrogestao.com 1 ACADEMIA AGROGESTÃO Formação em informática aplicada à agricultura ENOGEST O - Gestão informática de adega www.agrogestao.com 1 ACADEMIA AGROGESTÃO Formação em informática aplicada à agricultura ENOGEST O - Gestão informática de adega 2 www.agrogestao.com 1 Material de apoio Cada um dos módulos será acompanhado

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AU TOMAÇÃO. UMA QUESTÃO DE SEGURANÇA Padrões GS1: Tranquilidade para você e seu cliente. Volume 7

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AU TOMAÇÃO. UMA QUESTÃO DE SEGURANÇA Padrões GS1: Tranquilidade para você e seu cliente. Volume 7 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AU TOMAÇÃO UMA QUESTÃO DE SEGURANÇA Padrões GS1: Tranquilidade para você e seu cliente. Volume 7 Padrões do Sistema GS1 Habilitando a visibilidade da cadeia de valor. Identificação

Leia mais

A importância dos rótulos das embalagens

A importância dos rótulos das embalagens Sumário Módulo inicial Unidade temática 0 A importância dos rótulos das embalagens de produtos alimentares. Projeção do vídeo: Sabe ler o rótulo das embalagens?. Significado dos símbolos contidos nas embalagens

Leia mais

Proposta de DECISÃO DO CONSELHO

Proposta de DECISÃO DO CONSELHO PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Proposta de Bruxelas, 7.2.2011 COM(2011) 40 final 2011/0019 (NLE) DECISÃO DO CONSELHO que autoriza a colocação no mercado de produtos que contenham, sejam constituídos por, ou

Leia mais

Sistema Nacional de Certificação Energética de Edifícios (SCE) Paulo Santos / ADENE PORTUGAL

Sistema Nacional de Certificação Energética de Edifícios (SCE) Paulo Santos / ADENE PORTUGAL Sistema Nacional de Certificação Energética de Edifícios (SCE) Paulo Santos / ADENE PORTUGAL Inmetro, Brasil, 14 e 15 de Maio 2012 ÍNDICE ADENE - Apresentação Enquadramento e introdução ao SCE Formação

Leia mais

MANUAL DE CERTIFICAÇÃO DOS LENÇOS DE NAMORADOS DO MINHO

MANUAL DE CERTIFICAÇÃO DOS LENÇOS DE NAMORADOS DO MINHO MANUAL DE CERTIFICAÇÃO DOS LENÇOS DE ADERE-MINHO Edição 1, Revisão 0, de 18 de Dezembro de 2012 Elaborado por: Verificado por: Aprovado por: [Lisa Ramos]/[Técnica de Qualidade] [Teresa Costa]/[Directora

Leia mais