COMPORTAMENTO SEXUAL SOBRE O USO DOS PRESERVATIVOS ENTRE OS GRADUANDOS DO CURSO DE BIOLOGIA EM CAMPINA GRANDE-PB

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMPORTAMENTO SEXUAL SOBRE O USO DOS PRESERVATIVOS ENTRE OS GRADUANDOS DO CURSO DE BIOLOGIA EM CAMPINA GRANDE-PB"

Transcrição

1 COMPORTAMENTO SEXUAL SOBRE O USO DOS PRESERVATIVOS ENTRE OS GRADUANDOS DO CURSO DE BIOLOGIA EM CAMPINA GRANDE-PB SEXUAL BEHAVIOR ON CONDOM USE AMONG UNDERGRADUATE STUDENTS OF BIOLOGY IN CAMPINA GRANDE-PB Joaci dos Santos CERQUEIRA¹ Danielle Patrício BRASIL² Helder Neves de ALBUQUERQUE³ 1. Biólogo - Universidade Estadual Vale do Acaraú: 2. Bióloga Prof. Me. em Ciência e Tecnologia Ambiental - Universidade Estadual Vale do Acaraú 3. Biólogo. Instituto Bioeducação - IBEA RESUMO: Os preservativos têm grande importância para evitar as doenças sexualmente transmissíveis (DST) e prevenir gravidez, estão diretamente ligados ao comportamento sexual em nossos dias. O presente estudo teve como objetivo verificar o comportamento sexual sobre o uso dos preservativos entre os graduandos de Biologia da Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA/UNAVIDA) e da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB). A pesquisa teve caráter exploratório e participativo, com abordagem quali-quantitativa, o instrumento de coleta foi um questionário composto de questões objetivas e subjetivas. Os resultados mostraram que em relação à importância do uso da camisinha nas relações sexuais, que a maioria dos graduandos pesquisados utiliza com a finalidade de prevenir DST; quanto ao uso, um percentual significativo utiliza preservativo quando o parceiro (a) não é fixo (a). Concluise que a relação de parceria, confiança mútua, é um fator preponderante entre os casais e/ou parceiros (a) pesquisados. Palavras-chave: Doenças sexualmente transmissíveis, Educação sexual, Preservativo. ABSTRACT: Condoms are of great importance to prevent sexually transmitted diseases (STDs) and preventing pregnancy, are directly linked to sexual behavior today. This study aimed to examine sexual behavior on condom use among undergraduates Biology Acaraú Valley State University (UVA / UNAVIDA) and the State University of Paraiba (UEPB). The research was exploratory and participatory approach, with qualitative and quantitative, the data collection instrument was a questionnaire composed of objective and subjective questions. The results showed that in relation to the importance of using the "condom" in sexual matters, which most of the students surveyed use in order to prevent STDs, regarding the use, a significant percentage when the partner uses a condom (a) is not fixed (a). It is concluded that the relationship of partnership, mutual trust, is a major factor among couples and / or partners (a) respondents. Keywords: Sexually transmitted diseases, Sex education, Condom. 1. INTRODUÇÃO O preservativo é um método contraceptivo muito antigo utilizado em civilizações históricas, como por exemplo, a Chinesa. A partir do início da década de 1980 e 1990 o 13

2 comportamento sexual do homem foi repentinamente colocado no centro das atenções, acompanhado de grande valorização do preservativo no controle de epidemias sexuais e a fim de evitar as DST e as Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST), sobretudo com a propagação do Vírus da Imunodeficiência Humana, conhecido como HIV (sigla originada do inglês: Human Immunodeficiency Vírus) (VILLELA e FERRAZ, 2007; BRASIL, 2009). Sobre a educação sexual, é possível constatar, além da estatística, a dificuldade, por parte dos adolescentes, da adoção de estratégias de prevenção ao HIV/AIDS, principalmente o uso de preservativos. Muitas inquietações emergiram, sobretudo quanto ao universo masculino, exigindo uma reflexão da construção do ser homem principalmente do significado do subjetivo e intersubjetivo em relação à conduta sexual (SILVA, 2001). No Brasil existem tendências à estabilização da idade da iniciação sexual entre jovens de 15 a 19 anos. O adiamento do início da vida sexual, mais freqüente entre os jovens mais escolarizados, deve ser tema discutido no planejamento da educação dos adolescentes para a sexualidade e prevenção das IST. Quanto à diminuição da vulnerabilidade ao HIV, é relevante e significativo o incremento no uso de preservativo na iniciação sexual (PAIVA et al., 2008). O trabalho sobre preservativos visa abordar opiniões dos graduandos de Biologia sobre o preservativo masculino e feminino em relação à segurança, confiabilidade, freqüência de uso, utilização correta, violação do produto, validade, alergias ao uso e outras questões como: comportamento do parceiro (a), idade em se tornou sexualmente ativo (a), interferência no prazer sexual, incômodo, cobrança do parceiro (a). A pesquisa pretende incentivar e conscientizar os graduandos do curso de Biologia da UEPB e UNAVIDA com relação à importância da utilização de preservativo, pois é um problema que envolve a todos os seres humanos com atividade sexual, contribuindo assim, para diminuir o índice de transmissão de DST e IST na população, fazendo com que os graduandos sejam uma ferramenta importante na luta a favor do sexo seguro e busca visualizar se os ensinamentos traçados nos bancos escolares atingem uma amplitude desejável na prática entre universo acadêmico. Assim, torna-se de fundamental importância revelar situações comportamentais preocupantes que servirá de alerta para o meio acadêmico servindo assim, como ferramenta para ajuste e correção de conduta desse grupo. Assim, o estudo objetiva verificar o comportamento sexual entre os graduandos de Biologia da 14

3 Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA/UNAVIDA) e da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), com relação ao uso de preservativos sexual masculino e feminino. 2. MATERIAL E MÉTODOS A pesquisa tratou-se de um estudo de campo, descritivo de caráter exploratório e participativo, com abordagem quali-quantitativa, que foi realizada no município de Campina Grande PB, localizado a 120 km da capital do Estado. Segundo o IBGE Campina Grande possui uma área de 620,63 km 2 e uma população estimada em 2010 em habitantes (BRASIL, 2009). A coleta de dados foi conduzida com alunos do curso de Biologia de duas Universidades de Ensino Superior: UVA/UNAVIDA e UEPB. O curso de Biologia da UVA/UNAVIDA está localizado à Rua Vigolino Wanderley, 535 centro, na unidade da Escola NDI. Conta com 12 turmas e um total de 459 alunos regularmente matriculados em regime. O curso de Biologia da UEPB localiza-se na Rua Baraúnas 351, campus Universitário, Bodocongó, e conta com um total de 305 alunos regularmente matriculados no período noturno. A população foi composta pelos graduandos do curso de Licenciatura em Biologia, com amostras em números de 77 alunos, sendo 46 (quarenta e seis) alunos da UVA/UNAVIDA e 31 (trinta e um) alunos da Universidade Estadual da Paraíba, a amostragem foi escolhida aleatoriamente por salas envolvendo alunos dos dois sexos. Os dados foram coletados entre os meses de julho a setembro de 2010 através de um questionário anônimo composto de questões objetivas e subjetivas que abordou opiniões sobre o preservativo masculino e feminino em relação à segurança, confiabilidade, freqüência de uso, utilização correta, violação do produto, validade, alergias, questões comportamentais, idade em se tornou sexualmente ativo (a), interferência no prazer sexual, incômodo, cobrança da utilização por parte do parceiro. Os dados foram analisados e interpretados ao final do período da coleta, demonstrando gráficos individualizados por situação, através do programa de gráficos do Microsoft Word e Excel

4 O critério de exclusão foi utilizado para os indivíduos que após responder os questionários ficou evidenciado que não responderam com coerência e discernimento as perguntas. Em atenção as considerações éticas utilizou-se o termo de consentimento livre e esclarecido dos indivíduos, respeitando o principio da autonomia e da dignidade, defendendo assim, os participantes da pesquisa em sua vulnerabilidade, comprometimento do máximo de beneficio e o mínimo de danos e riscos (beneficência) e garantia de que danos previsíveis serão evitados (não maleficência) (BRASIL, 1996). O presente estudo foi conduzido dentro dos padrões éticos e aprovado pelo comitê de ética em Pesquisa da Universidade Estadual da Paraíba. 3. RESULTADOS E DISCUSSÃO Os dados foram coletados em forma de questionário, abordando o uso de preservativos masculino e feminino. Na Figura 1 pode-se verificar que cerca de 3% dos pesquisados se tornaram sexualmente ativos na faixa etária de 13 a 14 anos, 22% na faixa etária de 15 a 16 anos, 31% de na faixa etária de 17 a 18 anos, 22% na faixa etária de 19 a 20 anos, seguida de 22% da faixa etária de 15 a 16 anos, 12% na faixa etária de 21 a 22 anos, outros 10% dividiu-se para as demais faixas. Figura 1 - Faixa etária dos pesquisados da UVA/UNAVIDA e UEPB, % 22% 22% 12% 9% 3% 1% 13 a 14 anos 15 a 16 anos 17 a 18 anos 19 a 20 anos 21 a 22 anos 23 a 24 anos 25 a 30 anos 16

5 Os alunos tanto da escola pública como particular de uma Escola de Ensino Médio no município de São Paulo iniciaram as relações sexuais, com idade mediana de aproximadamente 17,5 anos (MARTINS, 2006). No estudo realizado no Núcleo de Estudos da Saúde do Adolescente, da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ) por Taquette e colaboradores (2004) conclui-se que, a idade média da primeira relação sexual entre os pesquisados portadores de DST (Grupo A) foi de 14,7 anos e de 15 anos entre os sexualmente ativos não portadores de DST (Grupo B). Grande parcela dos adolescentes iniciou a atividade sexual antes dos 15 anos. Em relação ao ponto de vista dos pesquisados sobre a importância do uso da camisinha nas relações sexuais, observa-se na Figura 2, que 60% utilizam com a finalidade de prevenir DST, 39% para evitar gravidez e 1% somente para evitar a AIDS. Figura 2 - Importância do uso da camisinha nas relações sexuais segundo os pesquisados da UVA/UNAVIDA e UEPB, % 39% 1% Prevenção de DST Evitar somente a AIDS Evitar Gravidez Na prevenção da AIDS entre os jovens, Feliciano (2005) relatou que os adolescentes do sexo masculino quando usam o preservativo masculino é de modo inconsistente, assim, nem sempre o que é considerado possível num dado relacionamento sexual, com uma menina com quem se está "ficando", pode ser possível noutro, por exemplo, com a namorada. 17

6 Confiantes com relação às práticas preventivas adotadas com parceria fixa, seleção de parceiras eventuais (meninas conhecidas do bairro, escola e festas), uso da camisinha com parceiras eventuais promíscuas e, excepcionalmente, coito interrompido e sexo anal, julgam manter um distanciamento pessoal da AIDS que confina com a auto-exclusão. Os depoimentos atravessados pela incontinência do impulso sexual, a negação da suscetibilidade à infecção pelo HIV, a rejeição do preservativo pela parceira e a interferência do mesmo no prazer sugerem dificuldades para o uso regular da camisinha. Quanto ao uso de preservativo nas relações sexuais mantidas com parceiro (a) não fixo (a), pode-se verificar na Figura 3, que 51% dos pesquisados utilizam preservativos, 27% não utilizam, por possuir alergias ou sente queimar na hora da relação; por usar anticoncepcional; por não se lembrar de usar no momento da relação; por descuido mesmo; ou ainda, por confiar no parceiro (a). 1% dos graduandos pesquisados relatou não fazer uso, por não gostar de usar qualquer tipo de preservativo. Ainda, 8% afirmaram que só tiveram relações sexuais com parceiros (as) fixos (as) e 13% dos pesquisados não opinaram. Figura 3 - Uso de preservativo com parceira (o) não fixa (o), dos pesquisados da UVA/UNAVIDA e UEPB, % 27% 8% 1% 13% Sim Não Só fez sexo com parceiro (a) fixo (a) Não gostam Não opnaram 18

7 Quando o assunto é traição extraconjugal, mulheres se previnem menos que o homem, relata que na pesquisa divulgada em 2009, pelo Ministério da Saúde revela que, mesmo os homens serem mais infiéis às mulheres são mais displicentes quando o assunto é preservativo, cerca de 75% das que vivem com companheiro não usaram camisinha em todas as relações casuais do último ano, contra 57% dos homens (SOMBRA e REBOUÇAS, 2001). Sobre quando usar preservativos, pode-se verificar na Figura 4, que 42% dos graduandos pesquisados relataram usar preservativos quando não conhece muito bem o parceiro (a), 4% quando lembra de comprar, 2% geralmente tem medo de constranger o parceiro (a), 9% nunca utiliza e 43% por outros motivos. Figura 4 - Motivos que levam a utilização de preservativos pelos pesquisados da UVA/UNAVIDA e UEPB, % 43% 4% 2% 9% Quando não conhece muito o parceiro (a) Quando lembra de comprar Tem medo de constranger o parceiro (a) Nunca utilizam Outros Os enfermeiros e médicos das instituições públicas de Fortaleza-CE que atuam na área de saúde sexual reprodutiva devem estar bem informados sobre a camisinha feminina, sendo responsáveis diretamente pela promoção do método junto às mulheres, geralmente elas possuem pouca ou nenhuma experiência com métodos de barreira intravaginais (OLIVEIRA et al., 2008). Um estudo realizado por Figueiredo e Neto (2005) em Escolas Públicas Estaduais de Ensino Médio da Cidade de São Paulo sobre o uso de contracepção de emergência e camisinha entre adolescentes e jovens, abordou-se que, as pesquisadas que utilizavam 19

8 preservativos em associação com um método hormonal, a maioria adotou concomitantemente uma pílula anticoncepcional, o que sugere que, logo que se abandona à preocupação com a prevenção de DST e AIDS, fato este que ocorre no estabelecimento de uma confiança pela relação fixa e amorosa compromissada, portanto, o uso da camisinha tende a ser interrompido e/ou abandonado. Martins e colaboradores (2006) em pesquisa com Escolas Públicas de Ensino Médio do Município de São Paulo verificaram que, a maioria dos adolescentes das escolas públicas e particulares mostrou possuir conhecimento satisfatório sobre prevenção de DST. Cabe ressaltar que aproximadamente 75% dos adolescentes dos dois tipos de escolas tiveram uma atitude favorável ao uso consistente da camisinha, porém 40% não a usaram em todas as relações, porque não as planejaram ou por objeção pessoal ou do parceiro. Já em outra pesquisa com estudantes de educação física de duas universidades particulares da Cidade do Rio de Janeiro, constatou-se que, a maioria (57,8%) dos estudantes pesquisados, não fazem uso ou apresenta uso irregular de preservativos masculino e feminino, ainda, não foram encontradas diferenças significativas entre os sexos pesquisados (PALMA, ABREU e CUNHA, 2007). Sobre deixar de fazer sexo por falta de preservativos, é verificado na Figura 5, que 57% dos graduandos pesquisados relataram deixaram de fazer sexo por não possuir preservativos naquele momento e 43%, quase metade dos pesquisados, declararam que fizeram sexo mesmo não possuindo preservativos. Figura 5 - Alunos da UVA/UNAVIDA e UEPB, município de Campina Grande PB, que deixaram ou não de fazer sexo por falta do preservativo, % 43% Sim Não 20

9 A prostituição no Paraná foi evidenciada por Guimarães e Hamann (2005) em seu estudo, onde verificou que alguns dos pesquisados afirmam que nas relações sexuais com parceiro (a) não fixo (a) não faziam sexo sem camisinha, outras profissionais do sexo relataram que existem clientes que não gosta de pôr camisinha, daí acaba negociando um preço mais alto e se submetendo ao sexo inseguro. O não uso de preservativo masculino por adolescentes, do Município do Rio de Janeiro, quanto à iniciativa de uso ou de solicitação da utilização da camisinha nas relações sexuais ainda é precário para ambos os sexos (FIGUEIREDO e NETO, 2005). 4. CONCLUSÕES Constatou-se que a maioria dos pesquisados tornaram-se sexualmente ativos entre 17 a 18 anos, sendo assim, considerado mais tardio que a média nacional que é de 15 e 16 anos. Um grande percentual dos pesquisados utilizam os preservativos com a finalidade de prevenir DST e outro somente utiliza para evitar gravidez, fato este preocupante, pois estão expostos as DST, ficando a mercê da fidelidade de seus parceiros (a). Evidencia-se que ocorre um descaso desse público, pois põe o prazer acima da responsabilidade, consigo mesma e com as outras pessoas. Mesmo possuindo um conhecimento mais elevado que a sociedade de um modo geral os graduandos de biologia pesquisados apresentaram um nivelamento comportamental com a sociedade de um modo geral. Cabe ressaltar que cada grupo não está isolado de sua sociedade, geralmente tende a se comportar segundo os costumes de seu grupo social. O momento de usar preservativos entre os alunos de biologia pesquisados declararam que usam quando não conhecem muito bem o parceiro (a), essa relação de parceria, confiança mútua, ainda é um fator preponderante entre os casais e/ou parceiros (as) evidenciando assim, irresponsabilidade perante o desejo sexual momentâneo. Portanto, propomos que seja realizado pelos órgãos competentes juntamente com as instituições, religiões, famílias e escolas, mais campanhas voltadas para a prática da manipulação do preservativo tanto masculino como feminino, a fim reduzir os índices de acidentes devido o uso incorreto e também sobre a importância do uso dos preservativos para a prática sexual. 21

10 5. AGRADECIMENTOS Aos professores e aos participantes da pesquisa da Universidade Estadual Vale do Acaraú e Universidade Estadual da Paraíba. 6. REFERÊNCIAS BRASIL. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 196, 10 de out BRASIL. IBGE Cidades Campina Grande PB. Dados Básicos, Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/cidadesat/painel/painel.php?codmun=250400>. Acesso em 13 de maio BRASIL. Ministério da Saúde. DST/AIDS Disponível em: <http://www.aids.gov.br/datapages/ LUMISF86565C9PTBRIE.htm> e <http://www.aids.gov.br/data/pages/lumis5f9787fcptbrie.htm>. Acesso em 16 jun FELICIANO, K. V. O. Prevenção da AIDS entre os jovens: significados das práticas e os desafios à técnica. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil (4): FIGUEIREDO, R.; NETO, J. A. Uso de contracepção de emergência e camisinha entre adolescentes e jovens. Revista da SOGIA-BR :2. GELUDA, K.; BOSI, M. L. M.; CUNHA, A. J. L. A.; TRAJMAN, A. Quando um não quer, dois não brigam: um estudo sobre o não uso constante de preservativo masculino por adolescentes do Município do Rio de Janeiro, Brasil. Cad. Saúde Pública (8): GUIMARÃES, K.; HAMANN, E. M. Comercializando fantasias: a representação social da prostituição, dilemas da profissão e a construção da cidadania. Revista Estudos Feministas (3): 320. MARTINS, L. B. M.; PAIVA, L. H. S. C.; OSIS, M. J. D.; SOUSA, M. H.; NETO, A. M. P.; TADINI, V. Fatores associados ao uso de preservativo masculino e ao conhecimento sobre DST/AIDS em adolescentes de escolas públicas e privadas do Município de São Paulo, Brasil. Cad. Saúde Pública. 2006; 22(2): OLIVEIRA, N. S.; MOURA, E. R. F.; GUEDES, T. G.; ALMEIDA, P. C. Conhecimento e promoção do uso do preservativo feminino por profissionais de unidades de referência para DST/HIV de Fortaleza-CE: o preservativo feminino precisa sair da vitrine. Saúde e Sociedade p

11 PAIVA, V.; CALAZANS, G.; VENTURI, G.; DIAS, R. Grupo de Estudos em População, Sexualidade e AIDS. Idade e uso de preservativo na iniciação sexual de adolescentes brasileiros. Revista Saúde Pública (Supl 1): PALMA, A.; ABREU, R. A.; CUNHA, C. A. Comportamentos de risco e vulnerabilidade entre estudantes de Educação Física. Revista Brasileira de Epidemiologia (1): SILVA, G. S. N. A construção do adolescer masculino e o uso do preservativo. Dissertação (Mestrado em Políticas, Planejamento e Administração em Saúde) Instituto de Medicina Social da Universidade Estadual do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, SOMBRA. E.; REBOUÇAS, D. Uso do preservativo ainda é tabu para mulheres. A Tarde on line Jornal da Bahia, 18 jun Disponível em: <http://www.atarde.com.br/cidades/noticia.jsf?id= >. Acesso em: 22 ago TAQUETTE, S. R.; VILHENA, M. M.; PAULA, M. C. Doenças sexualmente transmissíveis na adolescência: estudo de fatores de risco. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical (1): VILLELA, M. M; FERRAZ, M. L. Dicionário de ciências biológicas e biomédicas. São Paulo; Atheneu;

Palavras-chave: Comportamento sexual de risco; Psicologia da Saúde; Universitários; Prevenção.

Palavras-chave: Comportamento sexual de risco; Psicologia da Saúde; Universitários; Prevenção. COMPORTAMENTO SEXUAL DE RISCO EM ESTUDANTES DE PSICOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE Ellidja Evelyn de Sousa Barbalho Lúcia Maria de Oliveira Santos Departamento de Psicologia GEPS

Leia mais

A GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA

A GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA A GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA Edna G. Levy A questão da gravidez na adolescência é muito mais comum do que parece ser, a reação inicial e geral é que este problema só acontece na casa dos outros, na nossa

Leia mais

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS: A PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DA ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR JOSÉ GOMES, PATOS, PARAÍBA, BRASIL

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS: A PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DA ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR JOSÉ GOMES, PATOS, PARAÍBA, BRASIL DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS: A PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DA ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR JOSÉ GOMES, PATOS, PARAÍBA, BRASIL Kelvy Fellipe Gomes de Lima 1 ; Lucas Silva Leite 1 ; Anna Fernanda Beatriz Amorim

Leia mais

Contracepção de Emergência entre Estudantes de Ensino Médio e Público do Município de S. Paulo

Contracepção de Emergência entre Estudantes de Ensino Médio e Público do Município de S. Paulo Contracepção de Emergência entre Estudantes de Ensino Médio e Público do Município de S. Paulo Regina Figueiredo Instituto de Saúde SES/SP reginafigueiredo@uol.com.br Equipe de Pesquisa: Regina Figueiredo,

Leia mais

Contracepção de Emergência entre Estudantes de Ensino Médio e Público do Município de S. Paulo

Contracepção de Emergência entre Estudantes de Ensino Médio e Público do Município de S. Paulo Contracepção de Emergência entre Estudantes de Ensino Médio e Público do Município de S. Paulo Regina Figueiredo Instituto de Saúde SES/SP reginafigueiredo@uol.com.br Equipe de Pesquisa: Regina Figueiredo,

Leia mais

USO DO PRESERVATIVO POR CASAIS HETEROSSEXUAIS EM UNIÃO ESTÁVEL

USO DO PRESERVATIVO POR CASAIS HETEROSSEXUAIS EM UNIÃO ESTÁVEL USO DO PRESERVATIVO POR CASAIS HETEROSSEXUAIS EM UNIÃO ESTÁVEL INTRODUÇÃO: Ítala Mônica de Sales Santos Joelma Barros de Sousa Ana Izabel Oliveira Nicolau As Doenças sexualmente transmissíveis, principalmente

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM NA BUSCA E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS

EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM NA BUSCA E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM

Leia mais

UMA REVISÃO SISTEMÁTICA: O PROFISSIONAL DE SAÚDE E SEU OLHAR SOBRE O IDOSO E A AIDS

UMA REVISÃO SISTEMÁTICA: O PROFISSIONAL DE SAÚDE E SEU OLHAR SOBRE O IDOSO E A AIDS UMA REVISÃO SISTEMÁTICA: O PROFISSIONAL DE SAÚDE E SEU OLHAR SOBRE O IDOSO E A AIDS Nayara Ferreira da Costa¹; Maria Luisa de Almeida Nunes ²; Larissa Hosana Paiva de Castro³; Alex Pereira de Almeida 4

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA MULHERES PROFISSIONAIS DO SEXO: SUBSÍDIOS PARA O CONTROLE E PREVENÇÃO DAS DST/HIV/AIDS EM GOIÂNIA-GOIÁS E ENTORNO FAGUNDES,

EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA MULHERES PROFISSIONAIS DO SEXO: SUBSÍDIOS PARA O CONTROLE E PREVENÇÃO DAS DST/HIV/AIDS EM GOIÂNIA-GOIÁS E ENTORNO FAGUNDES, EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA MULHERES PROFISSIONAIS DO SEXO: SUBSÍDIOS PARA O CONTROLE E PREVENÇÃO DAS DST/HIV/AIDS EM GOIÂNIA-GOIÁS E ENTORNO FAGUNDES, Penélope Bueno 1 ; MORAES, Paula Ávila 1 SANTOS, Paulie

Leia mais

A AIDS NA TERCEIRA IDADE: O CONHECIMENTO DOS IDOSOS DE UMA CASA DE APOIO NO INTERIOR DE MATO GROSSO

A AIDS NA TERCEIRA IDADE: O CONHECIMENTO DOS IDOSOS DE UMA CASA DE APOIO NO INTERIOR DE MATO GROSSO A AIDS NA TERCEIRA IDADE: O CONHECIMENTO DOS IDOSOS DE UMA CASA DE APOIO NO INTERIOR DE MATO GROSSO SATO, Camila Massae 1 Palavras-chave: Idoso, AIDS, conhecimento Introdução A população idosa brasileira

Leia mais

TESTAGEM CONVENCIONAL VOLUNTÁRIA PARA HIV: PERFIL E COMPORTAMENTO DE PESSOAS COM PARCEIRO FIXO

TESTAGEM CONVENCIONAL VOLUNTÁRIA PARA HIV: PERFIL E COMPORTAMENTO DE PESSOAS COM PARCEIRO FIXO TESTAGEM CONVENCIONAL VOLUNTÁRIA PARA HIV: PERFIL E COMPORTAMENTO DE PESSOAS COM PARCEIRO FIXO Nelise Coelho 1 ; Janete Lane Amadei 2 ; Eliane Aparecida Tortola 3 ; Marta Evelyn Giasante Storti 3 ; Edilson

Leia mais

Sumário. Aids: a magnitude do problema. A epidemia no Brasil. Característica do Programa brasileiro de aids

Sumário. Aids: a magnitude do problema. A epidemia no Brasil. Característica do Programa brasileiro de aids Sumário Aids: a magnitude do problema A epidemia no Brasil Característica do Programa brasileiro de aids Resultados de 20 anos de luta contra a epidemia no Brasil Tratamento Prevenção Direitos humanos

Leia mais

Educação Sexual: Quem ama cuida. Cuide-se!*

Educação Sexual: Quem ama cuida. Cuide-se!* Educação Sexual: Quem ama cuida. Cuide-se!* SANTOS, Jessica Suriano dos 1 ; ANJOS, Antônio Carlos dos 2 ; RIBEIRO, Álvaro Sebastião Teixeira 3 Palavras-chave: Educação Sexual; Doenças Sexualmente Transmissíveis;

Leia mais

PESQUISA SAÚDE E EDUCAÇÃO: CENÁRIOS PARA A CULTURA DE PREVENÇÃO NAS ESCOLAS BRIEFING

PESQUISA SAÚDE E EDUCAÇÃO: CENÁRIOS PARA A CULTURA DE PREVENÇÃO NAS ESCOLAS BRIEFING BR/2007/PI/H/3 PESQUISA SAÚDE E EDUCAÇÃO: CENÁRIOS PARA A CULTURA DE PREVENÇÃO NAS ESCOLAS BRIEFING Brasília 2007 PESQUISA SAÚDE E EDUCAÇÃO: CENÁRIOS PARA A CULTURA DE PREVENÇÃO NAS ESCOLAS BRIEFING -

Leia mais

VulneRabilidade ao HiV em estudantes de ensino médio de uma escola pública do interior de são paulo

VulneRabilidade ao HiV em estudantes de ensino médio de uma escola pública do interior de são paulo VulneRabilidade ao HiV em estudantes uma escola pública do interior de são paulo Vulnerability to HIV in students of a public high school located in the inner state of São Paulo 1 Mestrando em Psicologia

Leia mais

PROGRAMA DE SAÚDE SEXUAL GOVERNAMENTAL: CONTRIBUIÇÕES, DIFICULDADES E LIMITAÇÕES

PROGRAMA DE SAÚDE SEXUAL GOVERNAMENTAL: CONTRIBUIÇÕES, DIFICULDADES E LIMITAÇÕES PROGRAMA DE SAÚDE SEXUAL GOVERNAMENTAL: CONTRIBUIÇÕES, DIFICULDADES E LIMITAÇÕES MARTYRES, Thais Raffaela dos Faculdade de Ensino Superior Dom Bosco Acadêmica do Curso de Farmácia Membro do Grupo de Bolsista

Leia mais

REDE NACIONAL DE ADOLESCENTES E JOVENS VIVENDO COM HIV/AIDS

REDE NACIONAL DE ADOLESCENTES E JOVENS VIVENDO COM HIV/AIDS REDE NACIONAL DE ADOLESCENTES E JOVENS VIVENDO COM HIV/AIDS Manuela Estolano Coordenadora Nacional Rede Nacional de Adolescentes e Jovens Vivendo com HIV/Aids REDE NACIONAL DE ADOLESCENTES E JOVENS VIVENDO

Leia mais

Saúde Pública e Sexualidade: Fatores de risco, prevenção e enfrentamento contra as Doenças Sexualmente Transmissíveis.

Saúde Pública e Sexualidade: Fatores de risco, prevenção e enfrentamento contra as Doenças Sexualmente Transmissíveis. Saúde Pública e Sexualidade: Fatores de risco, prevenção e enfrentamento contra as Doenças Sexualmente Transmissíveis. ARRUDA NETO, Orlando de Paula CAMARGO, Cristina Bianca CANO, Ana Patrícia Fleitas

Leia mais

Gravidez precoce e a saúde da mulher. Geografia da Saúde Prof. Raul Borges Guimarães

Gravidez precoce e a saúde da mulher. Geografia da Saúde Prof. Raul Borges Guimarães Gravidez precoce e a saúde da mulher Geografia da Saúde Prof. Raul Borges Guimarães Gravidez indesejada? https://www.youtube.com/watch?v=fzg3mtvbhdu O que você acha desta charge? Essa imagem tem circulado

Leia mais

MS divulga retrato do comportamento sexual do brasileiro

MS divulga retrato do comportamento sexual do brasileiro MS divulga retrato do comportamento sexual do brasileiro Notícias - 18/06/2009, às 13h08 Foram realizadas 8 mil entrevistas com homens e mulheres entre 15 e 64 anos. A análise das informações auxiliará

Leia mais

TÍTULO: Autores: INSTITUIÇÃO: Endereço: Fone (21) 22642082/ 25876570 - Fax (21) 22642082. E-mail: (cinfo_nesa@yahoo.com.

TÍTULO: Autores: INSTITUIÇÃO: Endereço: Fone (21) 22642082/ 25876570 - Fax (21) 22642082. E-mail: (cinfo_nesa@yahoo.com. TÍTULO: ADOLESCENTES E O USO DO PRESERVATIVO FEMININO Autores: Luiza Maria Figueira Cromack; Dulce Maria Fausto de Castro; Stella Regina Taquette; Francislene Pace; André Melo; Janice Dutra; Roberta Souza.

Leia mais

A ENFERMAGEM E A VULNERABILIDADE DOS ADOLESCENTES FRENTE ÀS IST/HIV/AIDS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA

A ENFERMAGEM E A VULNERABILIDADE DOS ADOLESCENTES FRENTE ÀS IST/HIV/AIDS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA A ENFERMAGEM E A VULNERABILIDADE DOS ADOLESCENTES FRENTE ÀS IST/HIV/AIDS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA Mariélisson Urbano dos Santos 1 Heloane Medeiros do Nascimento 2 Luciana Dantas Farias de Andrade 3 Maria

Leia mais

PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS USUÁRIOS DA REDE NACIONAL DE PESSOAS VIVENDO E CONVIVENDO COM HIV/AIDS NÚCLEO DE CAMPINA GRANDE- PB

PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS USUÁRIOS DA REDE NACIONAL DE PESSOAS VIVENDO E CONVIVENDO COM HIV/AIDS NÚCLEO DE CAMPINA GRANDE- PB PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS USUÁRIOS DA REDE NACIONAL DE PESSOAS VIVENDO E CONVIVENDO COM HIV/AIDS NÚCLEO DE CAMPINA GRANDE- PB Elizângela Samara da Silva 1, Anna Marly Barbosa de Paiva 2, Adália de Sá Costa

Leia mais

REBES REVISTA BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO E SAÚDE

REBES REVISTA BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO E SAÚDE Samuel Andrade de Oliveira et al. 98 REBES REVISTA BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO E SAÚDE ISSN - 2358-2391 GVAA - GRUPO VERDE DE AGROECOLOGIA E ABELHAS - POMBAL - PB Artigo Científico Motivos do não uso do preservativo

Leia mais

Uso do preservativo masculino por adolescentes no início da vida sexual

Uso do preservativo masculino por adolescentes no início da vida sexual ARTIGO ORIGINAL 37 Dulcilene Pereira Jardim 1 Enir Ferreira dos Santos 2 Uso do preservativo masculino por adolescentes no Condom use by male adolescents when becoming sexually active RESUMO Objetivo:

Leia mais

O retrato do comportamento sexual do brasileiro

O retrato do comportamento sexual do brasileiro O retrato do comportamento sexual do brasileiro O Ministério da Saúde acaba de concluir a maior pesquisa já realizada sobre comportamento sexual do brasileiro. Entre os meses de setembro e novembro de

Leia mais

UNIVERSIDADE DO GRANDE RIO PROFESSOR JOSÉ DE SOUZA HERDY UNIGRANRIO CURSO DE ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE DO GRANDE RIO PROFESSOR JOSÉ DE SOUZA HERDY UNIGRANRIO CURSO DE ENFERMAGEM UNIVERSIDADE DO GRANDE RIO PROFESSOR JOSÉ DE SOUZA HERDY UNIGRANRIO CURSO DE ENFERMAGEM ALEX FONSECA DOS SANTOS DAIANE CRISTINE FONSECA DE ASSIS DANIELLE CAMPOS MACHADO SEXUALIDADE ENTRE INDIVÍDUOS COM

Leia mais

OFICINA DE APRENDIZAGEM SOBRE EDUCAÇÃO SEXUAL: UMA ABORDAGEM METODOLÓGICA NO CONTEXTO ESCOLAR

OFICINA DE APRENDIZAGEM SOBRE EDUCAÇÃO SEXUAL: UMA ABORDAGEM METODOLÓGICA NO CONTEXTO ESCOLAR OFICINA DE APRENDIZAGEM SOBRE EDUCAÇÃO SEXUAL: UMA ABORDAGEM METODOLÓGICA NO CONTEXTO ESCOLAR Ana Laysla da Silva Lemos Universidade Estadual da Paraíba (UEPB/PIBID/CAPES) anallemosk@gmail.com Profa. Ms.

Leia mais

Influências no comportamento sexual dos universitários: o uso do preservativo.

Influências no comportamento sexual dos universitários: o uso do preservativo. Influências no comportamento sexual dos universitários: o uso do preservativo. CUNHA, E. V. & SILVA, L. L. 1 Resumo A influência de campanhas da AIDS sobre o comportamento sexual dos jovens é algo ainda

Leia mais

CONHECIMENTOS, ATITUDES E PERCEPÇÃO DE RISCO: A VISÃO DOS ALUNOS DO CURSO DE PSICOLOGIA SOBRE A AIDS

CONHECIMENTOS, ATITUDES E PERCEPÇÃO DE RISCO: A VISÃO DOS ALUNOS DO CURSO DE PSICOLOGIA SOBRE A AIDS CONHECIMENTOS, ATITUDES E PERCEPÇÃO DE RISCO: A VISÃO DOS ALUNOS DO CURSO DE PSICOLOGIA SOBRE A AIDS DALILA CASTELLIANO DE VASCONCELOS YANA THAMIRES MENDES FELIX Universidade Federal da Paraíba (UFPB),

Leia mais

SEXUALIDADE E PREVENÇÃO PARA DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS: VISÃO DE ADOLESCENTES CURSANDO ESCOLAS PÚBLICAS

SEXUALIDADE E PREVENÇÃO PARA DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS: VISÃO DE ADOLESCENTES CURSANDO ESCOLAS PÚBLICAS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 SEXUALIDADE E PREVENÇÃO PARA DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS: VISÃO DE ADOLESCENTES CURSANDO ESCOLAS PÚBLICAS Janete Lane Amadei 1 ; Valéria Miranda

Leia mais

O uso do preservativo entre jovens homens que fazem sexo com homens, frequentadores de boates gays, no Município do Rio de Janeiro, Brasil.

O uso do preservativo entre jovens homens que fazem sexo com homens, frequentadores de boates gays, no Município do Rio de Janeiro, Brasil. Universidade Veiga de Almeida Centro de Ciências Biológicas da Saúde Curso de Graduação em Enfermagem Campus Tijuca O uso do preservativo entre jovens homens que fazem sexo com homens, frequentadores de

Leia mais

FONTES DE INFORMAÇÃO E FUNÇÃO DE PRESERVATIVOS: ESTUDO TRANSVERSAL COM MULHERES*

FONTES DE INFORMAÇÃO E FUNÇÃO DE PRESERVATIVOS: ESTUDO TRANSVERSAL COM MULHERES* FONTES DE INFORMAÇÃO E FUNÇÃO DE PRESERVATIVOS: ESTUDO TRANSVERSAL COM MULHERES* Smalyanna Sgren da Costa Andrade 1, Suellen Duarte de Oliveira Matos 2, Tayse Mayara de França Oliveira 3, Simone Helena

Leia mais

AIDS NÃO TEM CARA. A DOENÇA ESTÁ SEMPRE CAMISINHA É A ÚNICA PROTEÇÃO.

AIDS NÃO TEM CARA. A DOENÇA ESTÁ SEMPRE CAMISINHA É A ÚNICA PROTEÇÃO. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA DAS DST/HIV/AIDS E HEPATITES VIRAIS CARNAVAL 2011 AIDS NÃO TEM CARA. A DOENÇA ESTÁ SEMPRE

Leia mais

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS PERNAMBUCO

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS PERNAMBUCO PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS PERNAMBUCO OBJETIVO GERAL DO PLANO ESTADUAL Enfrentar a epidemia do HIV/aids e das DST entre gays, outros HSH

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012

Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012 Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012 Rio de Janeiro, 19 / 06 / 2013 1 - Introdução 2 - Objetivos 3 - Coleta dos Dados 4 - Instrumentos de Coleta 5 - Temas abordados 6 - Universo da Pesquisa 7 - Análise

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Prevenção Total

Mostra de Projetos 2011. Prevenção Total Mostra Local de: Dois Vizinhos Categoria do projeto: Projetos finalizados. Cidade: Marmeleiro Contato: lucianiberti@yahoo.com.br Autor (es): Luciani Aparecida Berti Mostra de Projetos 2011 Prevenção Total

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL 8 JEITOS DE MUDAR O MUNDO

RESPONSABILIDADE SOCIAL 8 JEITOS DE MUDAR O MUNDO RESPONSABILIDADE SOCIAL 8 JEITOS DE MUDAR O MUNDO EXPEDIENTE Antes de começar qualquer ação, responda: - Que problema vocês querem resolver? - Quem vai participar? - Quem vai ser beneficiado? - Como

Leia mais

Uso do preservativo por adolescentes masculinos no início da atividade sexual

Uso do preservativo por adolescentes masculinos no início da atividade sexual PESQUISA Uso do preservativo por adolescentes masculinos no início da atividade sexual Enir Ferreira dos Santos Aluna do Curso de Graduação em Enfermagem. Dulcilene Pereira Jardim Docente do Curso de Graduação

Leia mais

O ACONSELHAMENTO NO HIV EM UMA COMUNIDADE COMO MEDIDA PREVENTIVA

O ACONSELHAMENTO NO HIV EM UMA COMUNIDADE COMO MEDIDA PREVENTIVA O ACONSELHAMENTO NO HIV EM UMA COMUNIDADE COMO MEDIDA PREVENTIVA Zardo L*¹ Silva CL*² Zarpellon LD*³ Cabral LPA* 4 Resumo O Vírus da Imunodeficiência humana (HIV) é um retrovírus que ataca o sistema imunológico.através

Leia mais

Número de casos de aids em pessoas acima de 60 anos é extremamente preocupante

Número de casos de aids em pessoas acima de 60 anos é extremamente preocupante 22 Entrevista Número de casos de aids em pessoas acima de 60 anos é extremamente preocupante Texto: Guilherme Salgado Rocha Fotos: Denise Vida O psicólogo Nilo Martinez Fernandes, pesquisador da Fundação

Leia mais

Cristiane Maria Riffel 1 Gabrielle Grassel Marques 2 Gisella Depiné Poffo João Carissimi Letícia Serena Stella Wolf

Cristiane Maria Riffel 1 Gabrielle Grassel Marques 2 Gisella Depiné Poffo João Carissimi Letícia Serena Stella Wolf Cristiane Maria Riffel 1 Gabrielle Grassel Marques 2 Gisella Depiné Poffo João Carissimi Letícia Serena Stella Wolf UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ Centro de Ciências Humanas e da Comunicação Curso: Comunicação

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA ACADÊMICA DE CITOLOGIA CLÍNICA Capítulo I Da Natureza e Finalidade Art. 1º. A Liga de Citologia Clínica é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob a supervisão da da

Leia mais

Unidade II Vida e ambiente Aula 7.1 Conteúdo: Métodos Contraceptivos.

Unidade II Vida e ambiente Aula 7.1 Conteúdo: Métodos Contraceptivos. Unidade II Vida e ambiente Aula 7.1 Conteúdo: Métodos Contraceptivos. 2 Habilidade: Compreender o funcionamento dos principais métodos contraceptivos (comportamentais, químicos, de barreira e definitivos).

Leia mais

ÍNDICE GERAL. 2.1. VIH/sida no Mundo... 40 2.2. VIH/sida em Portugal... 42

ÍNDICE GERAL. 2.1. VIH/sida no Mundo... 40 2.2. VIH/sida em Portugal... 42 ÍNDICE GERAL PREFÁCIO... 9 APRESENTAÇÃO... 11 1ª PARTE: ENQUADRAMENTO TEÓRICO INTRODUÇÃO... 15 CAPÍTULO 1 OS ADOLESCENTES E OS JOVENS ADULTOS... 19 1.1. Limites temporais da adolescência... 20 1.2. Puberdade

Leia mais

GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA POR: AMANDA REIS NORMANDIA AG.EDUCADOR II SMERJ

GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA POR: AMANDA REIS NORMANDIA AG.EDUCADOR II SMERJ GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA POR: AMANDA REIS NORMANDIA AG.EDUCADOR II SMERJ OBJETIVO: DISCUTIR A INCIDÊNCIA DA GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA ASSUNTOS ABORDADOS: ADOLESCÊNCIA GRAVIDEZ PRECOCE PREVENÇÃO DA GRAVIDEZ

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA: ADOLESCENTES E ATIVIDADE SEXUAL PRECOCE EM UMA UNIDADE DE SAÚDE NA ZONA OESTE RJ

RELATO DE EXPERIÊNCIA: ADOLESCENTES E ATIVIDADE SEXUAL PRECOCE EM UMA UNIDADE DE SAÚDE NA ZONA OESTE RJ Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2013, v. 17, n. 17, p. 134 138 RELATO DE EXPERIÊNCIA: ADOLESCENTES E ATIVIDADE SEXUAL PRECOCE EM UMA UNIDADE DE SAÚDE NA ZONA OESTE RJ PORTO, Adriana Vianna Costa 1

Leia mais

Manual do facilitador

Manual do facilitador Manual do facilitador Introdução Este manual faz parte do esforço para institucionalizar o sistema de informação de uma maneira coordenada a fim de que as informações possam ser de acesso de todos que

Leia mais

2- USO DE PRESERVATIVOS: PESQUISA NACIONAL MS / IBOPE, BRASIL 2003

2- USO DE PRESERVATIVOS: PESQUISA NACIONAL MS / IBOPE, BRASIL 2003 Paiva, V., Venturi, G., FrançaJr, I. & Lopes, F. 2 USO DE PRESERVATIVOS PESQUISA NACIONAL MS / IBOPE 2003 1 2 USO DE PRESERVATIVOS: PESQUISA NACIONAL MS / IBOPE, BRASIL 2003 Vera Paiva 1, 2, Gustavo Venturi

Leia mais

iagnóstico de Situação Secundária com 3º Ciclo do Marco de Canaveses

iagnóstico de Situação Secundária com 3º Ciclo do Marco de Canaveses No Marco Sabemos Mais Sobre @ Doenças Sexualmente Transmissíveis / Métodos Contracetivos (SMS@DST) Dia iagnóstico de Situação na Escola Secundária com 3º Ciclo do Marco de Canaveses Realizado pela: ASSOCIAÇÃO

Leia mais

Epidemiologia da Transmissão Vertical do HIV no Brasil

Epidemiologia da Transmissão Vertical do HIV no Brasil Epidemiologia da Transmissão Vertical do HIV no Brasil Letícia Legay Vermelho*, Luíza de Paiva Silva* e Antonio José Leal Costa** Introdução A transmissão vertical, também denominada materno-infantil,

Leia mais

RELAÇÕES DE GÊNERO E VIOLÊNCIA

RELAÇÕES DE GÊNERO E VIOLÊNCIA RELAÇÕES DE GÊNERO E VIOLÊNCIA Caro (a) Chesfiano (a), Você está recebendo uma série de publicações intitulada Para Viver Melhor, com informações atualizadas sobre temas diversos no campo da saúde física

Leia mais

Estudo PARTNER. Foi convidado a participar neste estudo porque tem uma relação em que é o parceiro VIH positivo.

Estudo PARTNER. Foi convidado a participar neste estudo porque tem uma relação em que é o parceiro VIH positivo. Informação ao participante e consentimento informado para o parceiro VIH positivo Estudo PARTNER O estudo PARTNER é um estudo levado a cabo com casais em que: (i) um parceiro é VIH positivo e o outro é

Leia mais

HISTÓRIAS DA EDUCAÇÃO DA TEMÁTICA SIDA/AIDS NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE PARNAÍBA/PI

HISTÓRIAS DA EDUCAÇÃO DA TEMÁTICA SIDA/AIDS NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE PARNAÍBA/PI 1 HISTÓRIAS DA EDUCAÇÃO DA TEMÁTICA SIDA/AIDS NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE PARNAÍBA/PI Roberto Kennedy Gomes Franco, Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira - UNILAB, e-mail: robertokennedy@unilab.edu.br

Leia mais

TÍTULO: CAPACITAÇÃO NA PREVENÇÃO E ASSISTÊNCIA EM DST/HIV/AIDS: RELATO DE EXPERIÊNCIA

TÍTULO: CAPACITAÇÃO NA PREVENÇÃO E ASSISTÊNCIA EM DST/HIV/AIDS: RELATO DE EXPERIÊNCIA TÍTULO: CAPACITAÇÃO NA PREVENÇÃO E ASSISTÊNCIA EM DST/HIV/AIDS: RELATO DE EXPERIÊNCIA AUTORES: Edilene Maria da Silva Barbosa 1 ; Estela Maria Leite Meirelles Monteiro 2 Introdução O mundo do trabalho

Leia mais

NÍVEL DE INFORMAÇÃO RELATIVO AO HIV/AIDS ENTRE UNIVERSITÁRIOS E PRESENÇA DE OPINIÕES EXCLUDENTES EM RELAÇÃO AO CONVÍVIO SOCIAL COM SOROPOSITIVOS

NÍVEL DE INFORMAÇÃO RELATIVO AO HIV/AIDS ENTRE UNIVERSITÁRIOS E PRESENÇA DE OPINIÕES EXCLUDENTES EM RELAÇÃO AO CONVÍVIO SOCIAL COM SOROPOSITIVOS NÍVEL DE INFORMAÇÃO RELATIVO AO HIV/AIDS ENTRE UNIVERSITÁRIOS E PRESENÇA DE OPINIÕES EXCLUDENTES EM RELAÇÃO AO CONVÍVIO SOCIAL COM SOROPOSITIVOS Vanessa Prado dos Santos¹ Maria Thereza Ávila Dantas Coelho²

Leia mais

Violência doméstica contra a mulher: perspectiva para o trabalho das equipes de saúde da família

Violência doméstica contra a mulher: perspectiva para o trabalho das equipes de saúde da família Violência doméstica contra a mulher: perspectiva para o trabalho das equipes de saúde da família Clara de Jesus Marques Andrade 1 Introdução Este artigo extraído da tese As equipes de Saúde da Família

Leia mais

COMPATIBILIZAÇÃO DAS AÇÕES

COMPATIBILIZAÇÃO DAS AÇÕES PRINCÍPIOS DO PACTO GLOBAL Princípios de Direitos Humanos 1. Respeitar e proteger os direitos humanos; 2. Impedir violações de direitos humanos; COMPATIBILIZAÇÃO DAS AÇÕES Reeleita como membro integrante

Leia mais

SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ

SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ Avaliação do projeto de intervenção de Educação em Saúde em uma escola do município de Santos. * Lourdes Conceição Martins Profa.

Leia mais

O CONHECIMENTO DOS ESCOLARES ADOLESCENTES SOBRE DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS/AIDS

O CONHECIMENTO DOS ESCOLARES ADOLESCENTES SOBRE DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS/AIDS Revista Eletrônica de Enfermagem, v. 08, n. 01, p. 58 62, 2006 Disponível em http://www.fen.ufg.br/revista/revista8_1/original_07.htm ARTIGO ORIGINAL O CONHECIMENTO DOS ESCOLARES ADOLESCENTES SOBRE DOENÇAS

Leia mais

COMPARAÇÃO DOS CONHECIMENTOS SOBRE SEXO, GRAVIDEZ, DST s E AIDS ANTES E APÓS TREINAMENTO ADOLESCENTES MULTIPLICADORES

COMPARAÇÃO DOS CONHECIMENTOS SOBRE SEXO, GRAVIDEZ, DST s E AIDS ANTES E APÓS TREINAMENTO ADOLESCENTES MULTIPLICADORES COMPARAÇÃO DOS CONHECIMENTOS SOBRE SEXO, GRAVIDEZ, DST s E AIDS ANTES E APÓS TREINAMENTO ADOLESCENTES MULTIPLICADORES Fernanda Bartalini Mognon¹, Cynthia Borges de Moura² Curso de Enfermagem 1 (fernanda.mognon89@gmail.com);

Leia mais

MULHERES UNIVERSITÁRIAS: SEXO (IN)SEGURO?

MULHERES UNIVERSITÁRIAS: SEXO (IN)SEGURO? MULHERES UNIVERSITÁRIAS: SEXO (IN)SEGURO? Simone Andrade Teixeira NEIM/UFBA A motivação para a realização desse estudo deu-se a partir dos resultados de uma pesquisa que buscou identificar se as mulheres

Leia mais

7.1. Estruturas de Saúde no Concelho de Rio Maior. No que concerne às infra-estruturas de Saúde, o Concelho de Rio

7.1. Estruturas de Saúde no Concelho de Rio Maior. No que concerne às infra-estruturas de Saúde, o Concelho de Rio 7. Saúde 7.1. Estruturas de Saúde no Concelho de Rio Maior No que concerne às infra-estruturas de Saúde, o Concelho de Rio Maior dispõe de um Centro de Saúde com 10 extensões distribuídas pelas Freguesias

Leia mais

CONSCIENTIZAÇÃO DA IMPORTÂNCIA DA PREVENÇÃO DAS DST s/aids NO MUNICÍPIO DE PITIMBU/PB

CONSCIENTIZAÇÃO DA IMPORTÂNCIA DA PREVENÇÃO DAS DST s/aids NO MUNICÍPIO DE PITIMBU/PB CONSCIENTIZAÇÃO DA IMPORTÂNCIA DA PREVENÇÃO DAS DST s/aids NO MUNICÍPIO DE PITIMBU/PB Macilene Severina da Silva 1 (merciens@zipmail.com.br); Marcelo R.da Silva 1 (tcheillo@zipmail.com.br); Analice M.

Leia mais

MÃES MULHERES ENCARCERADAS: A PENA É DUPLICADA

MÃES MULHERES ENCARCERADAS: A PENA É DUPLICADA MÃES MULHERES ENCARCERADAS: A PENA É DUPLICADA Eveline Franco da Silva O Sistema Penitenciário Nacional apresentou uma população carcerária em 2010 de 496.251 indivíduos. (1) Os estados brasileiros que

Leia mais

TÍTULO: ESTUDO SOBRE PREVENÇÃO E CONHECIMENTO DE DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E AIDS ENTRE ACADÊMICOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIABC

TÍTULO: ESTUDO SOBRE PREVENÇÃO E CONHECIMENTO DE DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E AIDS ENTRE ACADÊMICOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIABC Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ESTUDO SOBRE PREVENÇÃO E CONHECIMENTO DE DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E AIDS ENTRE ACADÊMICOS

Leia mais

Minha Casa Minha Vida PROJETO DE TRABALHO SOCIAL-PTS RELATÓRIO DAS AÇÕES DO PTS NO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA AGOSTO-2015

Minha Casa Minha Vida PROJETO DE TRABALHO SOCIAL-PTS RELATÓRIO DAS AÇÕES DO PTS NO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA AGOSTO-2015 Minha Casa Minha Vida PROJETO DE TRABALHO SOCIAL-PTS RELATÓRIO DAS AÇÕES DO PTS NO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA AGOSTO-2015 SENHOR DO BONFIM - BAHIA 2015 1 ATIVIDADES: DESCRIÇÃO A correta utilização

Leia mais

INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E HIV/AIDS: CONHECIMENTOS E PERCEPÇÃO DE RISCO DE IDOSOS DE UMA COMUNIDADE EM JOÃO PESSOA-PB

INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E HIV/AIDS: CONHECIMENTOS E PERCEPÇÃO DE RISCO DE IDOSOS DE UMA COMUNIDADE EM JOÃO PESSOA-PB INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E HIV/AIDS: CONHECIMENTOS E PERCEPÇÃO DE RISCO DE IDOSOS DE UMA COMUNIDADE EM JOÃO PESSOA-PB Nívea Maria Izidro de Brito (UFPB). E-mail: niveabrito@hotmail.com Simone

Leia mais

Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas

Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas Andrea da Silveira Rossi Brasília, 15 a 18 out 2013 Relato de adolescentes e jovens vivendo com HIV Todo adolescente pensa

Leia mais

TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV E SÍFILIS: ESTRATÉGIAS PARA REDUÇÃO E ELIMINAÇÃO

TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV E SÍFILIS: ESTRATÉGIAS PARA REDUÇÃO E ELIMINAÇÃO Ministério da Saúde TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV E SÍFILIS: ESTRATÉGIAS PARA REDUÇÃO E ELIMINAÇÃO Brasília - DF 2014 Ministério da Saúde TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV E SÍFILIS: ESTRATÉGIAS PARA REDUÇÃO

Leia mais

PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E DE OBESIDADE EM ESCOLARES DO ENSINO FUNDAMENTAL I DA ESCOLA ESTADUAL ANTONIA DE FARIAS RANGEL

PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E DE OBESIDADE EM ESCOLARES DO ENSINO FUNDAMENTAL I DA ESCOLA ESTADUAL ANTONIA DE FARIAS RANGEL ARTIGO PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E DE OBESIDADE EM ESCOLARES DO ENSINO FUNDAMENTAL I DA ESCOLA ESTADUAL ANTONIA DE FARIAS RANGEL Flávio Petrônio Cabral de Castro Docente da Escola Estadual Antonia Rangel

Leia mais

Estudo sobre o Uso de Drogas entre estudantes do Ensino Médio e EJA na Escola Estadual Silveira Martins/Bagé-RS

Estudo sobre o Uso de Drogas entre estudantes do Ensino Médio e EJA na Escola Estadual Silveira Martins/Bagé-RS Estudo sobre o Uso de Drogas entre estudantes do Ensino Médio e EJA na Escola Estadual Silveira Martins/Bagé-RS *Elenilson F. Alves 1 (PQ), *Clarissa M. Sousa 2 (FM), *Juliana O. Ehlers 1 (IC), *Tais B.

Leia mais

Campanha DST 1. Enzo Maymone COUTO 2 Eduardo Perotto BIAGI 3 Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande, MS

Campanha DST 1. Enzo Maymone COUTO 2 Eduardo Perotto BIAGI 3 Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande, MS Campanha DST 1 Enzo Maymone COUTO 2 Eduardo Perotto BIAGI 3 Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande, MS RESUMO: Este trabalho foi realizado na disciplina de Criação II do curso de Comunicação Social

Leia mais

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS GOIÁS

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS GOIÁS PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS GOIÁS OBJETIVOS ATIVIDADES RESPONSÁVEIS E PARCERIAS Estimular 80% da população de gays, HSH e travestis do

Leia mais